Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Eu e minha esposa Janaina Telles resolvemos na última terça-feira (18-07-17) dar umas voltas pelo interior de Santa Catarina e resolvemos ir a Urubici e São Joaquim.

 

Urubici e São Joaquim são cidades próximas (60 km), levando os turistas a conhece-las quando em viagem na região do planalto serrano catarinense. A primeira (Urubici) recheada de belezas naturais e aventuras, a segunda (São Joaquim) de importantes vinícolas, produtoras dos renomados “vinhos de altitude” muito elogiados e indicados por enólogos, sommeliers e, claro, por nós, os enófilos.

Procure conhecer a Rota Vinhos de Altitude Santa Catarina... Fomos e recomendamos a Villa Francione, (reserve uma visitação antes)... embora em São Joaquim localizam-se 14 das 20 vinícolas da Rota Vinhos de Altitude e nem todas exigem a reserva...

 

Vá por nós, reserve ao menos dois dias em cada cidade.

 

Neste post vamos abordar apenas os principais pontos turísticos de Urubici, pois São Joaquim, como mencionamos, é mais voltado à vinicultura...

 

Vamos ao que interessa:

 

Sem ser pejorativo, quem olha a cidade de Urubici não percebe ou acredita o quanto ela pode surpreender com suas magníficas obras da natureza.

 

Mas antes de qualquer coisa, passe no SESC de Urubici onde tem um ponto de Informações Turísticas e você poderá esclarecer dúvidas e retirar gratuitamente um mapa turístico da região.

 

Morro da Igreja e Pedra Furada:

Um de seus principais pontos turísticos é a Pedra Furada no Morro da Igreja. No inverno o local fica extremamente frio e por que não dizer congelante. A temperatura é muito baixa e a sensação térmica é cortante, mas nada que um bom e gostoso chocolate quente ou um bom vinho não aumente a temperatura de seu corpo e aguce seus pensamentos... O local fica a 29 Km do Centro da cidade e a 1.822 MSNM.

 

Atenção: Para entrar no Sindact II (base da aeronáutica que controla o espaço aéreo de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul), de onde se pode avistar a Pedra Furada, deve-se, “antes”, passar no ICMBio (atrás do banco do Brasil), no Centro de Urubici, para validar "gratuitamente" a autorização de acesso. Você também poderá requerer a autorização por telefone ((49) 3278-4994) ou por e-mail ([email protected]). Se você for em alta temporada (inverno/férias julho) é bom saber que, no ICMBio, dependendo do movimento, poderá obter a autorização apenas pro dia seguinte, pois é limitado a 200 carros/dia. Mesmo assim você estará sujeito a enfrentar fila, pois, por conta do estacionamento, é autorizado a permanência simultânea de apenas 20 carros no local, ou seja, a partir deste número você vai ter que esperar um carro sair para poder entrar... logo, se chegar cedo, terá grandes chances de não enfrentar fila. Mas relaxe, pois, as 200 permissões/carro de acesso são distribuídas ao longo do dia e claro isto só ocorrerá em altas temporadas como férias de julho, por exemplo...

A vista do local vale qualquer esforço. Ao chegar no cume da montanha você vai ficar extasiado com tanta beleza natural. Montanhas a perder de vista, sem contar a personagem principal e motivo do seu deslocamento, ou seja, a Pedra Furada ou janela da vida...

 

Dicas:

1 – Retire a autorização no ICMBio (local, telefone ou internet);

2 – Coloque água no seu carro, afinal são 1.882 MSNM;

3 – Muito cuidado, pois tem vários trechos com gelo na pista o que a torna extremamente escorregadia e perigosa;

3 – Leve roupa de frio e máquina fotográfica;

4 - Fácil acesso, inclusive a cadeirantes.

 

 

Cascata Véu de Noiva:

Antes ou depois de conhecer a Pedra Furada, você poderá conhecer a Cachoeira Véu de Noiva. Não há queda d`água, mas a água desliza pelos 62 metros de altura de uma rocha gigantesca, assemelhando-se, como propõe o próprio nome, a um véu de noiva quando na sua plenitude, ou seja, quando há bastante vazão de água. O desvio até o local leva apenas 5 minutos e fica a caminho da Pedra Furada. No local há pousada e restaurante. O custo é de R$ 5,00 por pessoa.

Este é um passeio casado, ou seja, não dá pra conhecer a Pedra Furada sem conhecer a Cascata Véu de Noiva e vice-versa. Local de fácil acesso podendo chegar de carro a 100 metros da cascata e o caminho é muito tranquilo com calçada de concreto, ou seja, podendo ser acessado também por deficientes físicos.

 

Dicas:

1 – Leve câmera fotográfica;

2 - Leve dinheiro;

3 - Fácil acesso, inclusive a cadeirantes.

 

 

Serra do Corvo Branco:

Feito os dois passeios e de volta à SC370 pegue à direita e ande mais 20 ou 25 km para conhecer a serra do Corvo Branco. Mas prepara-se para a adrenalina, pois a serra não está asfaltada e o caminho é extremamente estreito...

 

Dicas:

1 - Vá com calma e sem ingerir álcool;

2 - Leve máquina fotográfica.

 

 

Cachoeira da Neve:

Não chegamos a conhecer a Cachoeira da Neve, mas segundo relatos é uma das mais bonitas dentre as 80 existentes na região.

 

Segue um pequeno relato neste link: https://www.tripadvisor.com.br/LocationPhotoDirectLink-g1632650-d7374697-i137081057-Arroio_do_Engenho-Urubici_State_of_Santa_Catarina.html

 

 

Morro Campestre:

Depois de conhecer a Pedra Furada, as Cachoeiras Véu de Noiva e da Neve e a Serra do Corvo Branco, procure relaxar um pouco e guarde fôlego pro dia seguinte. Afinal, como afirmamos no início deste post, Urubici oferece muitas opções naturais a serem exploradas pelos turistas. Afinal, se você estiver com pouco tempo e quiser aproveitar todas as atrações de Urubici num único dia, isto será impossível.

 

E para relaxar, antes de jantar num dos vários bons restaurantes da cidade, vá, "no final do dia", ao Morro Campestre para vislumbrar um dos mais lindos pôr do sol que você certamente verá e guardará em sua memória...

Local de fácil acesso, podendo chegar de carro bem próximo do cume.

Mas atenção, nem sempre é possível chegar de carro próximo ao cume. Isto vai depender da ocasião (alta temporada é mais difícil) e do seu automóvel...

De qualquer maneira você não perderá o pôr do sol, pois poderá deixar o carro e caminhar por aproximadamente 1.000 metros... Custo R$ 5,00/pessoa.

De três coisas tenha certeza: Você vai revigorar as energias pro dia seguinte; Se estiver acompanhado, vai “causar” com a sua (seu) parceira (o); além de poder registrar belas fotos...

 

Dicas:

1 – Não deixe pra ir quando o sol já estiver se pondo. Vá antes para garantir um lugar bacana e pra não ficar no meio do caminho quando o sol se pôr... Se isto acontecer não se desespere. Retorne no dia seguinte...;

2 – Leve roupa de frio e câmera fotográfica;

3 - Leve dinheiro trocado.

 

PENSA QUE ACABOU?

 

Cascata do Avencal:

No segundo dia (mais relaxado) não deixe de conhecer a Cascata do Avencal e mexer um pouco com a sua adrenalina (sua e de quem estiver com você). É que além da beleza natural e mágica do local, você poderá fazer uma tirolesa sobre a cascata (R$35,00). Acredite é incrível!

A cascata do Avencal, com 100 metros de queda livre, é frequentada por praticantes de rapel. O nome deriva da avenca, vegetação comum na região. É possível chegar de carro à parte de cima da cachoeira e a pé à parte de baixo, mas é preciso ter calçados apropriados e tomar cuidado com as pedras escorregadias.

Fica no Morro do Avencal, próximo às inscrições rupestres, na saída de Urubici para quem vai a São Joaquim.

 

Dicas:

1 – Leve dinheiro (R$ 10,00 por pessoa) um absurdo!

2 - Faça a tirolesa (R$ 35,00);

3 – Leve máquina fotográfica;

4 - Fácil acesso, inclusive a cadeirantes.

 

 

Caverna Rio dos Bugres:

Também não fomos, mas segundo consta é um antigo abrigo de índios. Para chegar no local será necessário enfrentar 11 km de estrada estreita de terra batida. Um rio é presença constante no cenário. Nos últimos 300 metros antes de chegar à caverna, a trilha piora e o melhor é deixar o carro e seguir a pé.

 

Dicas:

1 – Levar lanterna para apreciar o interior da caverna;

2 – Aberto de segunda a domingo com atendimento 24 horas;

3 – Leve dinheiro trocado (R$ 3,00 por pessoa);

4 – E-mail: [email protected] / Telefone: 49 9128 2937 ou 49 8409 8257.

 

 

Outras dicas sobre Urubici e região:

Baixe o aplicativo Guia SerraSC no seu celular e desfrute de muitas dicas como passeios, mapas, hotéis, restaurantes/cafés, etc.

 

Se quiser economizar almoce e jante no SESC, embora Urubici tem opções gastronômicas para todos os gostos e bolsos... No SESC o almoço fica por R$ 17,00 o Kg para comerciários e R$ 38,00 para público em geral. A janta é a la carte.

 

A Igreja Matriz "Nossa Senhora mãe dos Homens", localizada no final da avenida que corta a cidade é muito bonita.

 

Não espere ver no inverno fazendas de videiras e macieiras verdinhas com frutos brilhantes e suculentos prontos para a colheita. No inverno tanto as parreiras de uvas como os pés de maçãs ficam sem folhas, flores ou frutos. Expõem seus caules retorcidos e acinzentados, lembrando (em especial as macieiras) aqueles bosques assombrados de filmes de terror... Mas não pense que isto diminuirá o brilho da cidade ou de sua viagem. Não, isto não acontecerá. Afinal, se as árvores estão secas tenha certeza que a colheita foi feita e você poderá desfrutas de uma bela torta de maçã ou um bom vinho em dos bons restaurantes da cidade.

 

A viagem não poderia ser melhor, afinal na companhia de minha esposa não poderia ser diferente.

 

Esperamos que estas dicas os ajudem a se organizarem quando estiverem indo a Urubici.

 

Ronei Amandio e Janaina Telles – São José/SC

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Diego Minatel
      "No século XII, o geógrafo oficial do reino da Sicília, Al-Idrisi, traçou o mapa do mundo, o mundo que a Europa conhecia, com o sul na parte de cima e o norte na parte de baixo. Isso era habitual na cartografia daquele tempo. E assim, com o sul acima, desenhou o mapa sul-americano, oito séculos depois, o pintor uruguaio Joaquín Torres-García. “Nosso norte é o sul”, disse. “Para ir ao norte, nossos navios não sobem, descem.”
      Se o mundo está, como agora está, de pernas pro ar, não seria bom invertê-lo para que pudesse equilibrar-se em seus pés?"
      De pernas pro ar, Eduardo Galeano
       
       
       O nosso norte é o sul, Joaquín Torres-García
      Cheguei ontem pela madrugada em casa. Agora sentado na frente do computador sinto uma necessidade, quase insuportável, de contar sobre meu caminhar até o fim do mundo. Foram 50 dias de viagem e mais de 14.000km percorridos por terra. Entre ônibus e caronas percorremos o sul do Brasil e a Patagônia Argentina até Ushuaia, parando em muitos lugares nos dois países. O dinheiro era pouco, mas a vontade era muita. A necessidade que tenho de escrever deve-se as pessoas que de alguma forma nos ajudaram a realizar esta viagem ao extremo sul da América do Sul. Tanta gente boa pelo caminho. Tanta solidariedade. Tanta gratidão.

      Pela primeira vez, antes de uma mochilada, eu não estava completamente bem e seguro. Nos meses que antecederam a viagem estava escrevendo a dissertação do meu mestrado (isso, por si só, já era muita tensão) e nesse intervalo de tempo perdi meu pai, a mulher que aprendi a amar resolveu seguir sem minha companhia e quase antes de embarcar perdi minha vó. Como é de se imaginar, meu estado de espírito não era nada bom, na verdade era o pior possível. Com isso tinha muito medo de atrair coisas ruins pelo caminho, como por exemplo ser vítima de violência. Assim, resolvi mudar a ideia de mochilar sozinho e decidi ter uma companhia nessa viagem. Meu amigo/irmão Matheus embarcou comigo nessa jornada. 

      Enfim, tenho como intuito neste relato contar a história dos lugares por onde passei, minha histórias nesses mesmos lugares e, principalmente, falar sobre as muitas pessoas (leia-se anjos) que nos ajudaram nesta viagem. Quero contar de maneira honesta os acontecimentos e os sentimentos que me permearam nesses dias, e de alguma forma quero deixar esse texto como agradecimento a cada pessoa que tornou essa viagem algo possível.
      Agora vamos ao que interessa, bora comigo reconstruir essa viagem por meio de fotos e palavras!
      Parte 1 - De Rio Claro até Timbó: o mesmo início de outra vez Parte 2 - A Serra Catarinense vista por Urubici Parte 3 - O casal das ruínas de São Miguel das Missões Parte 4 - Do Brasil para a Argentina Parte 5 - Buenos Aires, la capital Parte 6 - O começo da Ruta 3 e o mar de Claromecó Parte 7 - Frustrações na estrada e a beleza de Puerto Madryn Parte 8 - O anjo do carro vermelho Parte 9 - Cruzando o Estreito de Magalhães com San Martin  Parte 10 - Enfim, o fim do mundo Parte 11 - Algumas das belezas de Ushuaia Parte 12 - El Calafate, Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino  Parte 13 - O paraíso tem nome, El Chaltén Parte 14 - A janela do ônibus Parte 15 - O caminho de volta e os reencontros Parte 16 - Reflexões
    • Por Angelo Maragno
      A contagem regressiva a começa, os gritos ecoam, 3... coração começa a bater mais forte 2... respiração ofegante 1... hora de saltar!!

      Eu fiz umas das aventunturas mais incríveis da minha vida, pulei de um penhasco! Quem não tem o sonho não é? haha O Cânion Espraiado novamente foi palco para mais uma das minhas aventuras, se jogar de um pêndulo no cânion. 
      Após você chegar no topo do cânion onde tem um retiro da montanha, começamos a caminhada de 25 minutos até o local do salto. Nesse caminho passamos por um riacho, banhado e terrenos bem úmidos até chegar a borda do cânion onde caminhamos por mais 10 minutos (então nada de tenis ou botas impermeável uma galocha até o joelho é a melhor solução para esse trajeto haha) 
      Chegando lá o pessoal te recepciona e te prepara para saltar. A contagem regressiva começa, os gritos ecoam...
      3...
      coração começa a bater mais forte
      2...
      respiração ofegante
      1...
      hora de saltar!!

      A partir daí são 2 segundos de queda livre até você pendular lá no meio do canion. O grito de felicidade é inevitável! Sem dúvida uma experiência incrível, umas das mais sensacionais da vida! Estar ali, pendurado olhando a 300 metros para baixo de você, olhando as montanhas, os pássaros passando a sua volta, tudo isso é tão incrível quanto o desafio de saltar.
      Logo após você inicia o processo de retorno para a borda do cânion, 5 minutos depois você já está de volta e pronto para saltar novamente. Em questão de 15 minutos você já saltou e está super super feliz!

       


    • Por Angelo Maragno
      Venho visitando o Cânion Espraiado na cidade de Urubici em Santa Catarina há alguns meses e a cada expedição tenho uma conexão mais forte com o lugar. 

      Em nossa última visita, fizemos diversas aventuras, desfrutando de momentos épicos em um dos lugares mais incríveis que eu já vi na vida! E para finalizar o final de semana resolvemos aproveitar a vista de um ângulo diferente, instalamos uma rede no meio das montanhas! Tivemos a oportunidade de estar onde ninguém nunca esteve antes, sentado na rede, sentindo o lugar e a energia. Centenasde metros do solo, “flutuando” em meio a imensidão do cânion, se pode ouvir os pássaros, o riacho passando lá em baixo, o vento. Utilizamos os recursos e conhecimentos da nossa prática de highline (que é o slackline nas alturas) para montar a rede. Essa experiência é recomendado para pessoas com conhecimento sobre as técnicas do highline, lembrando que estamos presos e com segurança a todo momento. Todos do grupo quiseram desfrutar um pouco dessa experiência.


      O Canion é uma propriedade privada onde você só tem acesso mediante a 3 horas de trilha ou com um veículo 4x4. 
      Deixo o convite se quiser conversar e conhecer mais sobre as nossas expedições e aventuras meu Instagram é @angelomaragno




    • Por glimaz
      Fala Pessoal,
      Gravei esse vídeo abaixo para documentar a minha primeira viagem com a minha Sportster 1200. Confesso que estava um pouco receoso de pegar a estrada com ela de escapamento aberto e com o guidom Seca Suvaco, mas realmente não tive nenhum problema com esses itens. Aliás, o único problema foi um pneu furado e a lâmpada do farol baixo que queimou na volta. O pneu, tive sorte de parar num posto com borracharia, o borracheiro consertou com macarrão, não é a melhor solução, mas eu já estava para trocar o pneu, então não teve problema. A luz eu só troquei no dia seguinte, em casa.
      Ao todo foram 4 dias de viagem, onde saí de São Paulo, fui para Blumenau, São Joaquim (para fazer a Serra do Rio do Rastro na volta), Balneário Camboriú e São Paulo – 2.230km.
       




    • Por Vivajando
      Depois do meu último relato sobre como você pode visitar o lugar mais frio do Brasil, falarei hoje um pouquinho mais a respeito das outras diversas opções de passeios em Urubici, uma das mais aconchegantes cidadezinhas da Serra Catarinense.
      A começar por sua localização, Urubici é o lugar perfeito para você se estabelecer durante um roteiro serrano! Além de dispor de excelentes opções de hospedagem (daquelas que farão você se esquecer do resto do mundo!), oferece ainda boas variedades gastronômicas típicas da região e é abundante em atrações naturais!
      Urubici é um descanso para a mente e para a alma! É a cidade perfeita para você cansar o corpo e relaxar a mente! E o que pode ser melhor do que aquela sensação de liberdade que só o contato com a natureza é capaz de nos proporcionar?
      Mas que Cargas d'Água se tem pra fazer em Urubici?
      Cargas d’água” sim, senhor!
      Muitas atrações da cidade envolvem essa temática “água”! Cachoeiras, cascatas, rios…
      Ah! E é importante salientar que todas as atrações requerem o uso de um carro, visto que os atrativos mantêm uma distância considerável uma das outras.
      Lista dos Lugares para Visitar:
      ☞ Leia todo o post neste link aqui: https://www.vivajando.com/2017/11/24/passeios-em-urubici/
      Lá no blog eu comento sobre cada um dos passeios!
      Dê um pulinho lá, comente! Estou aqui pra te ajudar!



×