Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Oi, Tanaguchi!

 

Eis que entro aqui para ler teu relato, para matar um pouquinho da saudade da viagem que fiz e me inspirar para as próximas... e vejo uma "menção honrosa" :P ao meu relato! Fiquei muito feliz! Muito obrigada! Que bom que foi, de alguma forma, útil. :D

Vou seguir acompanhando, tomara que tu mudes de ideia e faça um relato enorme, cheio de detalhes e histórias! 

Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 25/08/2017 em 19:30, Helen Pusch disse:

Oi, Tanaguchi!

 

Eis que entro aqui para ler teu relato, para matar um pouquinho da saudade da viagem que fiz e me inspirar para as próximas... e vejo uma "menção honrosa" :P ao meu relato! Fiquei muito feliz! Muito obrigada! Que bom que foi, de alguma forma, útil. :D

Vou seguir acompanhando, tomara que tu mudes de ideia e faça um relato enorme, cheio de detalhes e histórias! 

Abraço!

Eu é quem tenho que agradecer!! Seu relato ajudou muito, vc tirou várias duvidas com o topico e o principal: sua empolgação no relato fez com que eu me empolgasse muito com o Vietnã!! Eu lia as coisas sobre o Vietnã mais não ficava cativado, eu ficava pensando: "sera que vale incluir esse pais... não sei"... e foi seu relato que fez eu ter aquela vontade de ir... e depois de ter conhecido eu amei, Vietnã pra mim é um dos lugares mais queridos da vida rs

 

Eu acabo enrolando pra escrever os relatos, então vou dar uma enxugada pra ver se termino mais rapido dessa vez!!

E obrigado dinovo!! Continue com seus relatos e espero que um dia seja um relato meu que te inspire a conhecer algum lugar! Abraço

  • Curti 1
  • Gratidão! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

LAOS

aaa?async=&rand=0.3410011248534146

O Laos é um dos últimos países de política socialista unipartidaria do mundo, 100 dólares aqui valem quase 1 milhão de kips (moeda local)!!

 

As dicas do Laos vão ter bastante ênfase em:

1-      Songrkan (Ano Novo da região, comemorado em Abril)

2-      Ronda das Almas (monge jogando os trecos no lixo e aquilo que ninguém contou)

3-      Cachoeira TAD SAE (Tad Sae não é aquela mega famosa, essa é a Kuang Si... a Tad Sae foi uma grande decepção)

4-      Clima maluco

 

 

Songkran

Já comemoramos o Songkran em Chiang Mai na Tailandia ano passado e fiquei alucinado querendo ir dinovo pq é algo incrível, melhor ano novo do mundo!!!! Rs

Luang Prabang foi a única cidade que visitamos no Laos. Ela é o destino turístico mais popular do pais. Enquanto bolava o roteiro tive muitas duvidas em relação a ela, pois dos 4 dias que ficaríamos lá em 3 deles seriam comemorados o Songkran (o ano novo de países como Tailandia, Laos e Camboja).

Então decidimos passar o Songkran em Luang Prabang. Isso levantou muitas duvidas. As cachoeiras abrem? O comercio abre? Conseguimos fazer os deslocamentos de boa?

O songkran vai de 13 a 15 de Abril. Chegamos na cidade na véspera das festividades.

A festa é bem parecida com a da Tailandia. Resumidamente: vai todo mundo pras ruas com arminhas de água, baldes, mangueiras e qualquer outra coisa disponível que sirva pra molhar as pessoas. Dai fica todo mundo se molhando e vira uma guerra absurdamente divertida. É muito dahora mesmo... todo mundo sem exceção participa... se a ideia não parece atraente pra vc escolha outro destino, pois é impossível ficar sem ser molhado.

aa_online?async=&rand=0.3546866132642683

 

bb_online?async=&rand=0.7108529700801884

Em um dos dias na rua principal teve um desfiles de carros alegóricos, um carros com monges que iam tocando tambores e benzendo o povo e outras coisas bem legais.

 

Como as temperaturas são bem altas é agradável ser molhado rs

Tanto na véspera (12) quanto no dia 13 não notamos nada de especial referente as festividades. Ninguém com armas de água na rua nem aquela bagunça característica do Songkran.

Já no dia 14 e 15 a brincadeira rola solta, é agua pra todo lado xD
Mais em todos esses dias tudo funcionou normalmente(restaurantes, lojas, feira noturna, cachoeiras, etc)

Eu não sei pq a brincadeira não rolou dia 13. Só sei que esse dia choveu boa parte do dia, e lá pelas 16h a chuva veio forte e matou qualquer possibilidade de passeio ao ar livre. Mais eu acredito que o primeiro dia do Songkran lá tem uma conotação mais religiosa.

aa1?async&rand=0.33687847295218587

Apesar de tudo funcionando o problema é que o transito fica caótico no centro e arredores. Então pra sair e voltar do centro vc vai levar mais que o dobro do tempo.

 

 

Ronda das Almas

No dia 13 acordamos de madrugada pra poder participar da ronda das almas. Mais eu fui muito burro, não sei onde diabos eu li que a ronda começava as 5 da manhã!!! A ronda começa as 6!!!! AS SEIS!!!!

Então as 4 já estávamos de pé... e a pé resolvemos ir até o local. Do nosso hostel até lá foi uma caminhada de uns 30 minutos... Tudo em Luang Prabang se concentra em uma rua principal bem extensa, então caindo nela é só seguir e ir embora.

Fomos os primeiros a chegar, e depois de um tempo apareceram umas tias que vendem o “kit ronda das almas” que contempla um tapetinho pra vc ficar sentando,  um pano que todo mundo usa que passa pelo seu peito/ombros, uma tigela de arroz e uns industrializados ( salgadinhos, bolachas... mais bem vagabundos).

E dai quando os monges chegaram fomos distribuindo as coisas entre eles que seguiam em fila. É bem legal participar do ritual, eu gostei muito. Mais rolou uma coisa que eu não havia lido em lugar nenhum e me deixou bem abalado: o fato de alguns monges jogarem no lixo as oferendas que vc dava.... em todo o trajeto que eles fazem são colocados uns cestos de lixo, e dai sem mais nem menos o monge para nesse lixo e joga fora oq vc deu... na maioria das vezes eles jogam no lixo as bolachas/salgadinhos, mais eles também chegaram a jogar o arroz... nem todos fazem isso, e não foi só com a gente... mais isso ficou martelando na minha cabeça... pq diabos eles jogam no lixo? Achei bem forte a cena deles jogando no lixo... vc se sente mal vendo eles descartando o trequinho que vc entrega na maior humildade, sente como se tivesse algo errado com vc.

Nos comportamos de forma respeitosa durante todo ritual... não sei se tem conexão com o fato de sermos estrangeiros, pois a maioria do pessoal que faz a doação são locais... a maioria dos turistas fica do outro lado da rua fotografando... tem gente muito sem noção com essas fotos, e pra variar os mais malas são os turistas chineses.

Como li em todos os lugares o ideal é vc preparar sua própria oferenda do que comprar das tias. Eu até acho valido vc comprar das tias, se tivesse uma nova oportunidade eu só ia pedir pra elas não incluirem os salgadinhos e bolachas no “kit”... pq era algo tão ruim que nesse ponto é compreensível eles jogarem fora rs

aa2?async=&rand=0.7291928746533356

aa3?async&rand=0.6270335492964825

Cachoeira Kuang SI e Tad Sae

 

Sobre as cachoeiras... A kuang Si é a famosa que aparece em todas as fotos. E ela é realmente incrível. Vale muito a visita. Sem duvida nenhuma foi a coisa mais legal que vimos durante nossa estadia no Laos. Nós chegamos cedo pra pegar mais vazia... como o Songkran é feriado eu imaginei que fosse lotar... e lotou, mais as pessoas começaram a chegar por volta das 13h.

No restante do tempo deu pra aproveitar de boas sem muvuca... isso pq esse é o feriado mega blaster... então num dia convencional no meio da semana deve ser ainda mais tranquilo.

 

Tem uma área onde vc pode entrar na agua, pular de um tronco e etc... mais o interessante é que poucos locais entram na agua, a maioria é turista que entra.... e os locais quando entram vão de calça jeans camiseta e toda roupa, é bem engraçado rs

aa4__1_?async&rand=0.9599363383462849

aa5?async=&rand=0.29778964135739994

Minha esposa ficou meio constrangida de ficar de biquíni pq quando decidimos entrar só tinha homem na água. Mais depois varias gringas entraram de biquíni e dai ela se sentiu mais confortável e entrou também.

No meio da água tava com uns 2 metros de profundidade, a maior parte da pé. Então mesmo vc que não sabe nadar vai conseguir aproveitar de boa. Eu acho que isso pode mudar dependendo da época, pois achei que o nível de agua tava meio baixo.

Agora vamos ao que interessa, a cachoeira Sad Tae.

Eu amo cachoeiras, então esse dia peguei pra fazer as duas (Kuang Si e Sad Tae). Essa Sad Tae não tem tanta informação na net... mesmo assim nós fomos. Quando fechamos o tuk-tuk fechamos um valor pros cara nos levar nas duas.

A Sad Tae foi uma grande decepção, ela estava seca... simplesmente ela tinha secado devido a escassez das chuvas, só ficaram alguns poços que mal dava pra mergulhar. Ela fica bem longe da Kuang Si e bem longe da cidade tbm... então nós perdemos um puta tempo pra chegar lá e  não encontrar porra nenhuma... foi foda... ou vc levanta a informação de como ela está antes de ir ou simplesmente não vai, não vale a pena arriscar e ir de alegre, pq realmente perde-se muito tempo.

Quando eu digo “como ela está” estou me referindo ao nível de água. Se tiver baixo como quando fomos aborte a missão, vc vai perder viagem.

A única coisa legal dela é que depois que vc sai do tuk-tuk ainda tem que pegar um barquinho pra chegar lá, e é um barquinho muito safado, e dai tu segue pelo rio... sem colete nem nada  num barquinho que é praticamente uma tabua com motor kkkkkkkk deu medo xD

Na Sad Tae eles oferecem roles com elefantes, mais são aqueles em que colocam cadeirinhas no bicho e sobem até 3 pessoas, o que é super prejudicial ao bicho. Não façam passeio em elefantes nesse lugar, é o típico lugar onde exploram os bichos. Se vc quer ter uma interação bacana com elefantes procure um santuário ou um lugar que realmente eles cuidem e recuperem os bichos, como o Patara em Chiang Mai.

Pra vc ter noção de como foi broxante nossa visita a Sad Tae nos acabamos nem tirando fotos de lá... e olha que nós amamos registrar tudo... imaginem uma cacheira sem NENHUMA água... foi isso oq vimos... alias se não nos falassem que lá já teve uma cachoeira nós nem saberiamos.

 

Clima

Apesar do sol a pino na Tailandia o clima em Luang Prabang tava meio nublado, e teve um dia que choveu muito... em abril vc não ve uma nuvem de chuva sequer na Tailandia, e apesar dos países estarem do lado um do outro o clima lá tava bem diferente. Eu cheguei a usar blusa, oq é algo impensável de se fazer na Tailandia. Segundo minhas pesquisas Abril é uma boa época pra visitar o Laos, parece que eu que não tive muita sorte. A ideia era fazer a Kuang Si no dia  13, mais como tava chovendo e com um clima de bosta resolvemos deixar pro dia seguinte... foi ótimo pois no dia seguinte saiu um sol lindo, mais em compensação tivemos que ir bem em meio as festividades do Songkran. Pegamos muito transito e fomos molhados o caminho inteiro no tuk-tuk kkkkkk... isso foi divertido, mais pode ser que vc não goste. E realmente é mais divertido se molhar e poder reagir. Ser molhado como uma vitima é um pouco frustrante rs

Outro detalhe: pra ir embora pro aeroporto nenhum taxi conseguia chegar na região do hotel... só tuk-tuks... dai imagina como foi pegar transito com as mochilas e todo mundo molhando a gente a caminho do aeroporto... apesar de amar o Songkran essa parte não foi muito agradável, chegamos no aeroporto encharcados -_-

Tem bem poucos taxis em Luang Prabang, quase nenhum... e eles são muito disputados nessa época justamente pra quem precisa se deslocar sem se molhar

 

Outras dicas validas:

1- A feira noturna funcionou todos os dias do feriado. A feira noturna é bem extensa e legalzinha. É um bom lugar pra comprar lembrancinhas.

2- Logo no inicio da feira noturna tem um beco a esquerda bem estreito e ele tem um monte de barraquinhas que os locais vendem um monte de comida. Lá tem o melhor peixe grelhado que eu comi na vida, servido na folha de bananeira com molho picante... tudo é bem rustico e simples, se vc ficar com frescura não vai encarar, mais é otimo, vale a pena. Voltei lá direto, pra mim foi o melhor lugar que comemos. Baratinho e delicioso.

3- Teve uma tarde que a chuva apertou. Uma boa atração com chuva é o museu que fica na avenida principal

  • Curti 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito legal você contar a parte menos incrível da viagem, esse lance dos monges jogarem fora as oferendas e a cachoeira seca. Estou terminando meu roteiro para lá em novembro, e tem poucas informações sobre o Laos. Quero saber se vale a pena passar por Si Phan Don, mas não encontrei muita informação a respeito, só do pessoal que passa meses viajando, que não é meu caso. Sacanagem a galera postar suas planilhas sem citar a fonte. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 23/09/2017 em 12:40, Leticia Basso disse:

Muito legal você contar a parte menos incrível da viagem, esse lance dos monges jogarem fora as oferendas e a cachoeira seca. Estou terminando meu roteiro para lá em novembro, e tem poucas informações sobre o Laos. Quero saber se vale a pena passar por Si Phan Don, mas não encontrei muita informação a respeito, só do pessoal que passa meses viajando, que não é meu caso. Sacanagem a galera postar suas planilhas sem citar a fonte. 

 

Acho que postar as coisas menos glamurosas ajuda bastante os outros viajantes rs

No geral é bem dificil encontrar algumas informações, no Laos o pessoal faz sempre Luang Prabang e Vientiane, qualquer coisa fora disso é raro... dai é quem tá com muito tempo disponivel e fazendo trip que é dificil adaptar pra uma outra realidade. Minhas pesquisas iniciais eram pra fazer os trajetos cruzando as fronteiras todas por terra por esses paises... mais vc só acha o cruzamento "bangkok-siem reap" e "chiang mai - luang prabang" e vice versa... eu não lembro de ter lido tipo ninguem fazendo "laos - camboja" por terra ou "bangkok - laos"... sempre vão por chiang mai

Das planilhas foi foda mesmo... e tem um menino aqui do forum que escreve uns relatos e tira umas fotos muito boas e já vi blog chupinhando fotos dele hehehehe é de fuder

 

  • Curti 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vietnã

Pra mim foi sem duvida o lugar mais surpreendente da viagem e um dos países que mais gostei de visitar na vida.

Antes de mais nada quero deixar bem claro aqui pra que vc possa entender melhor meu ponto de vista sobre vários aspectos do Vietnã: eu passei um ano no exercito entre 2003 / 2004 e isso fez com que meu interesse e amor por temas militares que já era grande se tornasse infinitamente maior... e o Vietnã é um prato cheio pra isso... independente de vc gostar desses temas ou não as atrações são incríveis e valem ser visitadas... agora se vc assim como eu tem um carinho especial pelo assunto... tu vai surtar.

Como de praxe aqui no tópico vou focar em coisas que não li em outros tópicos e em coisas que não são tão inspiradoras e maravilhosas, mais vão ajudar vc no momento de montar sua viagem.

Como nossa estadia no Vietnã foi maior que nos outros países e como esse lugar tomou um lugar especial no meu coração o relato dele vai ser maior rs

Alguns aspectos que vou dar ênfase aqui:

1-      As novas restrições na visitação de Halong Bay

2-      A dificuldade em fechar um tour pra Halong Bay

3-      O melhor lugar pra comprar itens de guerra

4-      A Praia boa e a praia desnecessária em Hoi An

5-      Vc precisa de mais tempo pros tuneis de Hon Chi Minh

6-      Passando medo no Taxi em Hanói

7-      Réplica de pôsters de guerra

8-      Se eu conheci o museu da guerra em Hanói vale eu conhecer o de Ho Chi Minh?

 

Visitamos as seguintes cidades no Vietnã: Hanói, Hoi An e Ho Chi Minh (nessa sequencia).

O tópico vai estar organizado dessa forma, por cidades.

1- HANOI

 

1/1 Passando medo no Taxi em Hanói

 

Chegamos a Hanói vindos de Luang Prabang por um voo da Vietnam Airlines... alias essa companhia aera surpreendeu, dos lowcost que já pegamos foi a melhor.

Como chegamos muito tarde no aeroporto descartamos a ideia de usar a linha de ônibus publico pra ir pro hotel. O Uber funciona de boas no Vietnã, teria sido uma ótima opção... mais não... eu com toda minha genialidade não quis nem taxi nem Uber, tive a brilhante ideia de negociar com os clandestinos que ficam do lado de fora do saguão principal do aeroporto...

O valor era muito bom e eu achei que tinha estorado no norte... mais vai vendo...

Entramos no carro e dai seguimos viagem, o motorista logo que saiu já começou a falar com alguém pelo celular... pra entrar e sair do aeroporto tem um pedágio pros carros, o motorista pagou o pedágio e parou no acostamento... disse que iria aproveitar e dar carona pra um amigo... ficamos uns 5 ou 10 minutos parados esperando... dai chega um cara fedendo bebida, mo cheiro forte da porra...

o motorista pegou contra mãos e fez uns desvios muito malucos, coisa do nível de subir no canteiro pra ir pra outra pista... nisso eu tinha certeza que tínhamos caído em algum golpe, tava estranha demais a situação, já tava com a certeza que o cara fosse nos sequestrar, roubar nossos órgãos ou algo assim kkkkkkkk

Eu fiquei tenso mais tentei agir naturalmente justamente pra esposa se acalmar tbm pq ela tava muito mais tensa que eu.

Do aeroporto pro hotel é longe e mesmo altas horas da noite tinha transito... e dai já começamos a entender a fama do transito do Vietnã...

No final das contas deu tudo certo, chegamos com todos os nossos órgãos. Só foi complicado pagar ele, pois eu só tava com dólar e ele queria receber na moeda local... naquele horário foi foda conseguir cambio.. a mulher do hotel que fez a gentileza pra gente... alias a mulher do hotel e a equipe foi muito solicita, mais mesmo assim eu não recomendo ninguém a ficar nesse lugar, muito ruim mesmo... o nome do Hotel é Hanói Evergreen... fujam desse lugar

 

visto?async=&rand=0.8923092743161603

visto prévio pro Vietnã

 

1/2- A dificuldade pra fechar o passeio de Halong Bay e as novas proibições

Acordamos cedo e partimos pra fechar um tour de 2 dias por Halong Bay para os dias seguintes. Na rua do Hotel e por toda a região central tinha várias casas de turismo que ofereciam os passeios.

A alta temporada em Halong Bay é de Maio a Setembro, para as datas que queríamos fazer o tour (17 e 18 de Abril) já estava TUDO esgotado. Foi terrível... nós fomos em umas 3 casas de turismo diferentes e em todas independente do pacote escolhido estava tudo lotado. E olha que eles tem trocentas opções de barco. Só lá pela terceira casa de turismo que nós conseguimos encontrar vagas, porem era pra um tour de primeira classe... o valor foi meio salgado, mais dentro do que eu já havia pesquisado pra um passeio desse porte.

O lance da primeira classe não foi um impecilio, pois desde o começo nos cogitamos isso. O foda foi a tensão da possibilidade de ficar sem conhecer o principal atrativo turístico do Vietnã e um dos pontos chave da viagem. Como é um tour muito procurado eu realmente não imaginei que fossemos correr esse risco.

Eu não sei se essa falta de vagas foi por estarmos nos aproximando da alta temporada, mais fica a dica pra vcs se precaverem quanto a isso. Pois estar em Hanói e deixar de fazer esse tour vai traumatiza-los pro resto da vida... alias, se nós não tivéssemos conseguido ia nos fuder muito, pois acho que não íamos conseguir preencher devidamente dois dias com coisas pra fazer na cidade.

Sobre o passeio em Halong posso dizer tranquilamente que fica no top 3 desse mochilão. O lugar é lindo, paisagens insanas... ahhhh e a comida da primeira classe, pqp que rango incrível... comemos como reis... e nossa cabine... cara quando entramos na cabine tivemos uma crise de riso pois foi surreal, muito chique a bagaça... aquela vista da sua janela, e uma banheira com hidro no banheiro... foi demais!! É o tipo de coisa que vale o investimento... sem duvida nenhuma pelo que é oferecido o valor é muito pouco; tipo se vc fosse fazer um tour semelhante em qualquer outro lugar do mundo vc iria pagar muito mais caro.

A única coisa que me deixou extremamente desapontado, brochadão mesmo foi o fato de a poucos meses antes da nossa viagem ter entrado uma serie de restrições a visita de Halong Bay... e a mais triste de todas é que agora é proibido mergulhar/nadar... isso mesmo... uma das minha metas da viagem era pular do barco direto na água... e agora não pode... tem uma parada em um dos passeios que vc fica um tempinho em uma praia de Halong... e o negocio é só molhar as canelas, nada de avançar água adentro.

Segundo o guia essas restrições impostas pelo governo visam preservar a baia que vem sendo impactada negativamente com o turismo..... meu, foi triste não poder pular ali.

Outra dica que é que além da baia de Halong existe uma outra que segundo o pessoal que vende pacotes é tão bonita quanto, não tem essas restrições e é muito mais tranquila pois não tem a fama e badalação de Halong. Pra quem pode estar pensando em fugir do obvio ou já conhece Halong e quer fazer outro roteiro pode ser uma boa opção.

hanoi2.thumb.jpg.f822914e026dce9509adcc21e24b6aa7.jpg

hanoi3.thumb.jpg.9336096ed5422e77b55670b6337b8922.jpg

halong.thumb.jpg.5d0570705fe887ab5bfd47d161a74473.jpg

IMG_20170417_143347314_HDR.thumb.jpg.e435eb33527dffc37c41abce98b823a3.jpg

IMG_20170417_145459128.thumb.jpg.1996ce33eec0c708105ebc1566021793.jpgIMG_20170417_160603272_HDR.thumb.jpg.47a629deab5d3d1194715922a498b4c9.jpg

 

 

 

2- Hoi An

2/1- A Praia boa e a praia desnecesária em Hoi An

Um dos programas que eu gostei MUITO de ter feito na nossa estadia em Hoi An foi ter alugado bikes e pedalar do centro  da cidade até as praias. O trajeto é plano e bem agradável, não é difícil de chegar e é uma distancia super ok pra ir pedalando. Mesmo vc sedentário como eu faz de boa, eu recomendo.

Agora a dica de ouro é a seguinte >>>

Existem duas praias principais em Hoi An: An Bang e Cua Dai

An Bang é a de mais fácil acesso e vai ser a primeira que vc vai encontrar, ela tem uma ótima estrtura com quiosques que servem comida e liberam o guarda sol e esteiras se vc concordar em consumir lá. Normalmente o ideal é vc almoçar lá. Nos chegamos pela manhã e ficamos até umas 14h, dai aproveitamos e almoçamos e garantimos o uso das cadeiras de praia e etc. As cadeiras de praia, guarda sol e estrutura surpreendeu bastante, muito bacana, tudo muito confortável, eu imaginei que fosse ser algo bem vagabundo.

A única coisa ruim dessa praia é que rola um assédio pesado de vendedores ambulantes e o povo querendo te empurrar coisas... conforme foi ficando mais movimentado diminuiu bastante o assédio, mais logo pela manhã quando nós erámos uns dos primeiros foi bem chato. Apesar disso essa é a praia que vc deve focar, esqueça Cua Dai...

Obvio que eu quis ir... dai pedalamos um trecho bem longo até chegar nela... e foi bem decepicionante... ela tá com uma aparência bem feia, tinha uns tratores e trocentos sacos de areia gigante que deram uma aparência como se ela estivesse em obras... lá tava bem vazio, tinha um quiosque próximo só (só o mesmo esquema de usar as esteiras e guarda sol)... mais fora a gente tinha um ou outro perdido só, tava vazio... isso seria ótimo se a praia não tivesse tão feia.

Li na internet que isso se deve a uma tempestade que arrasou o lugar recentemente... sei lá, não me pareceu isso... alias li muita merda na internet, no trip advisor geral relatando a Cua Dai como maravilhosa e etc... e dai vc lê com atenção e ve que o cara tá confundido ela com a An Bang... bastante gente fez isso, falando que ela é a mais próxima de Hoi An... pra escrever uma avaliação não se dá nem ao trabalho de conferir o nome da porra da praia....esse povo é louco!!! A mais próxima de Hoi An é a An Bang!!!  Agora se o maluco prefere a Cui  Dai ai já é questão de gosto..... enquanto estiverem rolando aquelas obras é até covardia comparar uma com a outra.

Mais é obvio que eu aproveito até a praia esquisita, me diverti lá em cima dos sacos de areia que iam até o meio do mar, era fundo bem fundo até xD

Assim como a cachoeira seca no Laos vc tem que encontrar uma forma de curtir o lugar, eu nunca desanimo no role, pra mim tudo é alegria rs... fiquei que nem um tonto no saco e aproveitamos pra pedir mais uma porção lá no quiosque da praia... os rolinhos vietnamitas são viciantes... alias pra mim a comida do Vietnã é a melhor de todo sudeste asiático... só de lembrar a boca saliva rs

IMG_20170420_163717777.thumb.jpg.8ad626808f62c8d924fd9707ed6eb5e5.jpg

IMG_20170420_101834825.thumb.jpg.8db535cc4f093305fb2c9558c34b14ab.jpg

IMG_20170420_114326607.thumb.jpg.74d8572c9890687966f69472edef9318.jpg

hoi3.thumb.jpg.46d567c2c40df5f9bb3486f4cefb7f0f.jpg

hoi4.thumb.jpg.b3c872f988fd166272808691660744ac.jpg

hoi2.thumb.jpg.901f7e6c28cb49f115ee3f1bd3bb66ba.jpg

 

 

2/2 – Antigos pôsters de propaganda de guerra

Em toda viagem eu sempre fico alucinado em trazer algum (vários) souvenir bacana de cada pais visitado. Camisetas, imãs de geladeira e moedas/notas de dinheiro são de lei, mais um souvenir que eu pirei são os antigos posters da propaganda comunista no período de guerra.

Eles são impressos em papel de arroz, mais grosso e com uma aparência bem rustica, e apesar de serem réplicas das propagandas da época o papel de arroz deixa ele com uma aparência envelhecida muito bacana.

Eu comprei 2 e me arrependi amargamente de não ter comprando uma dúzia kkkkkk

Os dois que comprei estão devidamente emoldurados e pendurados aqui em casa

Lojas desse tipo estão espalhadas por todas as cidades pelas quais passamos, mais eu achei as melhores opções em Hoi An. Maior variedade, lojas maiores e mais tranquilas pra vc escolher suas imagens.

Todas as imagens são réplicas, não acredite se alguém lhe disser que são “originais da época”. A menina da loja nos mostrou como é feito todo o processo, bem interessante.

Pra transportar é sussa, eles colocam as imagens num tubo de proteção, geral parece usar esse método, então pode trazer tranquilo que nessa embalagem não corre risco de amassar.

pot.jpg.5a9436fea1e353bc46f0468b08a5226e.jpg

pot2.thumb.jpg.df077025229bb54736bdd42ff1ace35f.jpg

pot3.jpg.fc244a0a8da9b46dbe951a8cb0204fe5.jpg

 

 

3- Ho Chi Minh

3/1- Se eu conheci o museu da guerra em Hanói vale eu conhecer o de Ho Chi Minh?

Conhecemos os dois museus, e antes de ir rolou muita duvida se valeria a pena conhecer os dois.

Eu acho que sim, os dois valem a pena.

O de Hanói não é um museu sobre a guerra do Vietnã, é um museu sobre a historia da guerras das quais o Vietnã esteve envolvido no decorrer da historia. E é incrível como esse pais tão pequeno se  envolveu em tantos conflitos no decorrer da sua historia. Obviamente a guerra contra os EUA tem ponto de destaque, mais não é o único tema abordado.

O mais legal do museu de Hanói é a área externa com os aviões e tanques do período da guerra do Vietnã (chamada por eles de guerra americana) e toda a arquitetura e área onde fica o museu é bem estética.

Já o museu de Ho Chi Minh tem seu foco na guerra americana, e tem uma pegada muito mais sombria e te deixa revoltado com as revelações de todas crueldades cometidas pelos EUA no período.... em tempos de guerra crimes são cometidos dos dois lados, mais é impressionante notar como os EUA detem o poder da narrativa e acabam jogando pra debaixo do tapete todos os crimes de guerra cometidos. Ele é realmente bem impactante, quem é mais sensível sai abalado

Eu particularmente gostei mais do museu de Ho Chi Minh, então foi muito bom pois nós vimos primeiro o de Hanói... eu sempre gosto de deixar o melhor pro final rs

Eu sou o amante das guerras, minha esposa não tem esse perfil e gostou bastante dos dois, então não é algo que só agrada os apreciadores do tema.

Se seu roteiro deixa de fora uma das cidades, se torna ainda mais obrigatório a visita a um dos museus.

hanoi1.thumb.jpg.4a6c4a937ea1127c21f67961965d630e.jpg

hanoi4.thumb.jpg.fe82f3da536d4280e4454e1c1c3ee494.jpg

 

3/2- O melhor lugar pra comprar itens de guerra

Dentro da área do Museu de Ho Chi Minh tem umas 3 lojas de souvenirs. Sem duvida nenhuma é o melhor lugar pra comprar itens de guerra que encontrei por toda a viagem.

Mais atenção, não é a loja que fica dentro do museu!! Essas lojas ficam dentro do terreno do museu, mais do lado de fora do prédio principal

Tem muuuuuitos itens do período da guerra a venda!! E como tudo no Vietnã os preços são ótimos!! Medalhas, brevês, capacetes, fardamentos, moedas antigas... e muita dessas coisas foram usadas na guerra O__O

Eu comprei medalhas, brevês e vários pins de fardamentos. Eu fiquei muito tentado em trazer um capacete de combate usado no guerra, tinha até marca de sangue seco... mais ai fiquei com medo de ter problemas em algum aeroporto pra embarcar com aquilo aparecendo no raio X... não ia dar muito certo... em alguns países é proibido vc portar itens militares desse tipo (não me pergunte pq)

Eu queria trazer um daqueles bonés verde militares com a estrela vermelha no meio, iguais aos que o Tom Morello do Rage Against the Machine usa... vende em todo lugar, mas o triste é que a polarização politica no Brasil nos dias de hoje é tão grande que é capaz que eu arrume inimizade com os brothers só por usar  um símbolo comunista, mesmo os caras sabendo que não compactuo com grande parte das ideias.

hanoi5.thumb.jpg.bea70b7e8a7f4b8f654cc63e8c901b54.jpg

IMG_20170422_145157565.thumb.jpg.fb4da86480bae86daf8e9a0e691ba1b2.jpg

IMG_20170422_155001066_HDR.thumb.jpg.6f1c1fca072990377544584b65f44c20.jpg

 

 

3/3- Vc precisa de mais tempo pros tuneis de Hon Chi Minh

Quando optamos em visitar os tuneis de guerra de Cu Chi eu resolvi fazer o tour em conjunto com o templo Cao Dai.

Eu queria muito visitar esse templo pois é uma religião nascida no Vietnã e que ainda continua bem restrita ao pais (apesar de existirem seguidores em outros países).

É uma mistura de budismo, cristianismo e hinduísmo, etc... é um sincretismo incrível, e esse templo seria equivalente ao “Vaticano” da religião Cao Dai... é muito bonito e diferente eu gostei muito, POREM....

 

POREM!!!!!

Esse templo fica muito longe da cidade, na verdade ele fica em outra província, em Tay Ninh e justamente por isso ele consome um tempo considerável da visita aos tuneis.

Eu sabia dessa informação, já tava ciente disso... POREM

POREM!!!!

Na minha opnião a visita aos tuneis foi MUUUUUUUUITO breve, tinha um monte de coisa pra fazer, pra ler, pra ser fuçada... e acabou rápido... não sei se foi pq eu tava empolgadão, mais achei que passamos muito mais tempo no templo do que em Cu Chi.

Achei muito corrido, e foi tudo muito legal. Eu queria ficar muito mais tempo lá, atirar com armas pesadas e os caraio... não rolou... vc até podia atirar, mais ai se privava de outra coisa... muito corrido mesmo.

Se o tema guerra  não lhe interessa o tempo lá nesse tour vai ser o suficiente pra vc. Se assim como eu vc gosta do assunto, vai ficar aquela leve frustração... a eterna mérda de fazer passeios em tour ao invés de ir por conta.

O guia era um tiozinho que foi combatente na guerra, ele lutou pelo Sul ao lado dos americanos. O relato dele no passeio foi sensacional! Apesar do cara guiar esse tour quase que diariamente era impressionante ver a empolgação e a dor dele ao comentar algumas coisas. Eu realmente gostaria de ouvir muito mais.

tuneis2.thumb.jpg.a25a48986c7aa78c774d7a7588789eb2.jpg

tuneis.thumb.jpg.441cff176396c8afe647753230bd5e1e.jpg

 

E novamente o Vietnã surpreendeu, eu não tinha grandes expectativas com Hon Chi Minh e amei a cidade, a feirinha noturna próxima ao hotel onde ficamos era excelente *___*

Que saudade T___T

 

Se vc está em duvida em incluir o Vietnã eu digo sem medo de errar que vc vai gostar muito ^^

hoi1.jpg

  • Curti 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala Tanaguchi!

Cara, muito bom esse relato! To indo agora dia 02 de novembro para o Camboja, Laos e Vietnam e seu relato tá ajudando demais.

Meu roteiro será Phnom Pehn (2 dias) --> Siem Reap (2,5 dias) --> Luang Prabang (3 dias) --> Hanói + Halong Bay (4,5 dias) --> Hué (1 dia) --> Da Nang (0,5 dia) --> Hoi An (2 dias) --> Ho Chi Mihn City (2 dias).

O tempo em cada local exclui os deslocamentos entre eles.

Confesso que fiquei preocupado com essa escassez de tour para Halong Bay se comprados em cima da hora. Novembro não é considerado alta temporada, mas ainda assim...

Porém pela internet é tudo muito vago, não queria algo tão luxuoso, tinha programado pagar em torno de 110-120 dólares para o tour de 2D/1N. Acha possível?

Valeu!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 11/10/2017 em 10:10, João Rosenthal disse:

Fala Tanaguchi!

Cara, muito bom esse relato! To indo agora dia 02 de novembro para o Camboja, Laos e Vietnam e seu relato tá ajudando demais.

Meu roteiro será Phnom Pehn (2 dias) --> Siem Reap (2,5 dias) --> Luang Prabang (3 dias) --> Hanói + Halong Bay (4,5 dias) --> Hué (1 dia) --> Da Nang (0,5 dia) --> Hoi An (2 dias) --> Ho Chi Mihn City (2 dias).

O tempo em cada local exclui os deslocamentos entre eles.

Confesso que fiquei preocupado com essa escassez de tour para Halong Bay se comprados em cima da hora. Novembro não é considerado alta temporada, mas ainda assim...

Porém pela internet é tudo muito vago, não queria algo tão luxuoso, tinha programado pagar em torno de 110-120 dólares para o tour de 2D/1N. Acha possível?

Valeu!

Opa blz?
Vc vai gostar muito velho, as cidades são muito fodas

Então não tinha lido nada sobre dificuldade em fechar os passeios. Tem gente que fecha com antecedencia pela internet, acaba ficando mais caro, mais acaba sendo uma opção se vc não quiser correr o risco

Pro role de 2 dias e uma noite na primeira classe eu paguei algo em torno de 500 reais, nas minhas anotações eu registrei tudo em reais não em dolares hehehe

Mais tem outros muito mais caros, vai muito de acordo com o barco. As agencias tem um trocentos catalogos, um pra cada barco... cada barco com seus valores e seus perfis; Com esse valor tu acha tour sim, mais quando eu fui nessa faxa de valor já tava tudo esgotado... e não era sacanagem dos agentes de viagem não, não tinha mesmo... teve uma mina que deve ter feito umas 15 ligações pra tentar encaixar a gente e nada... a sorte é que o pessoal das agencias é bem solicito e faz de tudo pra achar, pq se é um funcionario padrão Brasil não achava não xD

O cara que achou pra gente já era da quarta agencia e antes dele conseguir esse que fechamos ele ligou pra varios antes tbm, foi bem tenso

 

  • Curti 2
  • Haha 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ah que maravilha, eu acho que vou comprar na hora mesmo. Eu chego em Hanoi dois dias antes do meu tour pra Halong, então teoricamente terei um dia a mais pra programar isso.

Se não conseguir nessa faixa de preço, paciência. Pelo menos vi que novembro é menor o fluxo de turistas, isso deve me ajudar.

Brigadão!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Amanda Sfair Gonçalves
      Vou começar dizendo que escrever relato do Clássico Bolívia Chile e Peru é muito difícil.
      A maioria de vocês aqui já leu relatos fantásticos e super detalhados e com fotos maravilhosas.  Muitas pessoas fazem esse mochilão então muita coisa acaba se repetindo. Mesmo assim, Olha eu na América do Sul dando a minha versão de como são 23 dias por essas bandas. ^.^
      A preparação:
      A preparação dessa viagem começa lendo os roteiros postados por aqui e todas as dicas possíveis que todos os mochileiros podem nos dar. Depois vem a compra das malas, roupas, passagens e afins haha
      O que eu levei e não precisava:
      Para quem pretende ir durante o verão (também conhecida como a época de chuva!) mesmo para os passeios mais frios não é necessário luva e muitas camadas de roupa (calças e blusa segunda-pele foram e voltaram dobradas na mala). Pijama ou “roupa apenas para dormir” Tênis para passeio (se você for com essa botinhas padrão de mochilar o tênis é dispensável). Blusinha mais arrumadinha para sair a noite (aqui é muito particular, eu preferi sempre que possível dormir e descansar.. mas sou casada e fui com meu esposo.. se você é solteiro talvez queira levar uma roupa menos esportiva) Almofadas para o pescoço (aqui também é particular mas achei que ia ser útil para dormir nos ônibus, a mim mais atrapalhou do que ajudou e tinha que ficar carregando fora da mochila porque não cabia) O que esqueci e fez falta/tive que comprar:
       Desde o primeiro dia tenha contigo protetor solar e um estoque de remédio para estômago/intestino haha Uma mochila de ataque de tamanho considerável para não precisar ficar apertando todas as coisas (tem que caber uma garrafa de 1,5l de água e mais todas as suas coisas, pelo menos) Compras antes de ir:
      É muito pessoal saber o que precisa comprar, como foi meu primeiro mochilão tive que começar do zero, incluindo a compra da mochila e  muitos passeios na Decatlon. O que comprei aqui e foi importante:
      Passagens ida e volta de avião Curitiba –SP – Santa Cruz Seguro viagem Pré-reserva (sem pagamento) de hospedagem em São Paulo na ida Pré-reserva (sem pagamento) do tour de 3 D – 2 N no Uyuni  Entrada do Machu-Picchu O que comprei aqui e não precisava:
      Passeios no Atacama (reserva com pagamento de parte dos passeios antecipada) Hospedagem em Arequipa Hospedagem em Águas Calientes O que não comprei mas deveria/recomendo:
      Passagem de ônibus de Sucre-Uyuni No mais a dica é simples: quanto mais confortável melhor. Essa é uma viagem cansativa em muitos aspectos. É corrida, dorme-se em ônibus e em camas de qualidade duvidosa e a altitude pode te pegar a qualquer momento assim como a intoxicação alimentar haha Quanto mais confortável você puder estar maiores as chances de curtir tudo com a devida intensidade.
      O roteiro:
      Depois de muito ler os roteiros pesquisar e olhar infinitos instagram de viagem, ver preço de passagem e combinação com os dias de férias o roteiro final ficou o abaixo.

      Mesmo com os problemas que aconteceram durante a viagem seguimos esse roteiro ficando os dias exatos previstos em cada uma das cidades muito porque em algumas já tínhamos a reserva dos hotéis e não quisemos nos estressar com trocas ou mudanças em cima da hora.
      Espero que esse relato ajude os próximos viajantes, inspire os que estão com a viagem marcada e, se puder sirva de guia para algum detalhe de um próximo mochileiro assim como todos os relatos que li me ajudaram e inspiram e a montar o meu. Darei o meu melhor!
       
    • Por felipenedo
      Olá Viageiros!!!
       
      Vou contar um pouco da minha passagem por Riga, capital da Letônia, que foi o início da minha viagem pela Europa, que ainda teria Ucrânia, Polônia, Alemanha e Holanda.
       
      Para mais detalhes e fotos, visitem o meu blog:
      www.profissaoviageiro.com
       
      Agora uma novidade: Um novo canal no Youtube com todos os vídeos das viagens e muitas outras coisas que pretendo mostrar por lá!
      Youtube: Profissão Viageiro
      Agradeço muito quem puder se inscrever por lá!   
       
       
      Então, eu não sou um cara muito Europa para falar a verdade... Acho que lá o turismo é mais fácil e quase tudo que eu faria lá agora, posso fazer quando estiver mais velho.
      Já outros lugares do mundo, ou é agora, ou provavelmente não vai rolar, pois exigem mais do meu físico e capacidade de me adaptar aos lugares.
       
      De qualquer forma, não preciso dizer o quanto a Europa é linda e em cada esquina tem algo bonito para ver ou fazer.
       
      Riga é assim, uma cidade muito bonita, cheia de prédios antigos e cheios de história.
       
      Vamos lá...
       
      Cheguei em Riga no início da noite em um voo vindo de Amsterdã. O voo durou pouco mais de duas horas e foi bem tranquilo.
       
      Transporte
      Riga é bem tranquilo de se locomover. Eles têm muitos ônibus, metrô e bondes. Certamente você irá encontrar uma linha que te atenda
      Eu fui do aeroporto ao centro da cidade, perto de minha pousada, em um ônibus que sai do Aeroporto e chega em poucas paradas no centro da cidade. O ponto fica logo atrás do estacionamento do Aeroporto, bem tranquilo de encontrar.
       
      Hospedagem
      Bom, como em quase todos os lugares tem opções para todos os bolsos.
      Como meu orçamento é bem apertado, fiquei em uma pousada em um prédio no centro da cidade, na avenida Satekles Iela. Nesse prédio tem um McDonald’s e uma “padaria” no térreo! Bem cômodo, principalmente porque era um dos poucos lugares abertos no final da noite.
       
      O Rolê
      Quando eu fui era Outono, final de Novembro, e já estava muito frio! E para piorar o sol nascia altas horas.
      Foi bem estranho isso... 8 da manhã ainda era noite e não tinha ninguém na rua. Nenhum comércio aberto e sequer um lugar para tomar café da manhã. Se não me engano a maioria dos lugares abria depois das 8:30.
      Bom, saí para andar no centro antigo, no escuro, com frio e fome!
      Era muito curioso... Não tinha quase ninguém na rua! Era dia de semana, mais de 8 da manhã e ninguém fora de casa ainda! Tudo vazio!!!!











       
      Depois de andar um pouco achei um lugar bem bacana que já estava aberto para tomar meu café.



       
      Alimentado, segui o rolê pelo centro...







       
      Aí fui em direção ao Rio Duína Ocidental, que corta a cidade. Ali que eu vi uma movimentação maior de gente. A avenida estava bem carregada.






       
      Voltei então para o centro para curtir aquele lugar lindo!

       
      Aqui meu conceito das pombas mudou! Estava -1 grau e as pombas estavam tomando banho na poça praticamente congelada...

      Vou falar, chamar de sujo um bicho que toma banho nesse frio me parece algo bem errado!!!!
       


       
      Aqui é uma das artes mais charmosa que achei...










       
      E foi isso! Bora pegar o ônibus de volta para o aeroporto! A próxima parada é Kiev!

       
       
      Qualquer dúvida que eu puder ajudar, é só falar!!!
       
      Valeu!
       
      Abraço,
       
      Felipe
      Instagram: @profissaoviageiro
       
    • Por TMRocha
      Estou aproveitando esse espaço para contar um pouco de como foi a minha experiência de intercâmbio nesse país que é tão próximo de nós, mas mesmo assim tão diferente.

      Entenda um pouco sobre a experiência que obtive após estudar espanhol por um mês no Uruguai.
      Caso queira acompanhar o post diretamente pelo blog clique no link abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/08/consideracoes-minha-experiencia-de.html
      Lista de Posts - meu intercâmbio para o Uruguai:
      https://viagensdosrochas.blogspot.com/search/label/URU - Intercâmbio em Montevideo c%2F passeios em Punta del Este. Colonia del Sacramento e Salto del Penitente (Minas) [Fev a Mar%2F17]

      Para não perder tempo, estou dividindo os tópicos desse dessa forma:
      1) Alguns dados interessantes do Uruguai; 2) Por que estudo Espanhol?; 3) Minha Experiência de Intercâmbio no Uruguai; 4) Índice dos Relatos de Viagem; 5) Considerações Finais. 1) Alguns dados interessantes do Uruguai

      O Uruguai é um país pequeno e muito charmoso, com cidades arborizadas, campos extensos, praias limpas e um povo muito cordial e amistoso. O país faz fronteira com a Argentina e com o Brasil, no estado do Rio Grande do Sul.
       

      Os verões são quentes, com temperaturas que variam entre os 23 e 38ºC, já os invernos são frios e a temperatura gira ao redor dos 15ºC, com algumas madrugadas geladas abaixo de zero. Com um clima temperado, o Uruguai possui estações bem definidas, atendendo a todos os gostos.

      Os uruguaios gostam de futebol, mate e churrasco. É muito comum vê-los com uma garrafa térmica sob o braço e o mate na mão andando pelas ruas, nos shoppings, em todos os lugares. São pessoas alegres, receptivas e solícitas, que estão sempre prontas pra ajudar.

      Mate uruguaio.
      O país conta com pouco mais de 3,3 milhões de habitantes, sendo que destes, 1/3 vive na sua capital, Montevideo. A economia é estável e vale ainda citar que o Uruguai é um dos países mais seguros e possui uma das mais altas taxas de qualidade de vida de toda a América do Sul.

      Fonte Pesquisada:
      http://www.brasileirosnouruguai.com.br/conheca-o-uruguai
      2) Por que estudo Espanhol?
       

       
       
      Olá, me chamo Thiago e acho que deve fazer ao menos uns três anos que estudo espanhol  [04/10/2017] e pouco a pouco estou melhorando meu conhecimento nesse idioma tão interessante. Com o espanhol tive a oportunidade de conhecer outras culturas que antigamente estavam fechadas para mim.
       

      Vestimenta típica para festas musicais de alguma região do Equador.

      Touradas, na Espanha.

      Murga, uma apresentação típica do carnaval uruguaio.

      Festa dos Mortos, no México.
      Descobri novos povos, outras comidas típicas que antes não fazia ideia que existiam e ainda tive a oportunidade de me aventurar por um novo país: o Uruguai, onde fiquei morando por um mês em uma casa de família super simpática enquanto estudava espanhol de forma intensiva em uma academia de ensino uruguaia.
       
      3) Minha Experiência de Intercâmbio no Uruguai
       
      Minha ideia inicial era fazer um intercâmbio junto ao CACS para a Espanha, mas como a crise estourou pesado em 2014 esse plano acabou caindo por terra, então continuei juntando mais algum dinheiro e resolvi fazer isso por conta própria junto a CVC, e numa das opções apareceu o Uruguai, país que decidi passar um mês inteiro realizando o intercâmbio de espanhol.
       

      Montevideo, capital do Uruguai.
      Lá fiz muitos passeios pela capital Montevideo e ainda conheci outras cidades próximas como Punta del Este, Colonia del Sacramento e Salto del Penitente (em Minas). Nesta última cidade andei a cavalo, me aventurei em uma tirolesa e até me arrisquei num rapel [que na verdade foi uma falha total!].
       

      Academia Uruguay, onde estudei no meu intercâmbio.

      Praça Independência, Montevideo.

      Monumento Los Dedos, em Punta del Este.

      Colônia do Sacramento, vista do alto de um Farol.

       

       

      Nas últimas três fotos acima: Eu me arriscando nos esportes de aventura em Salto del Penitente, no Uruguai.
      Com o intercâmbio conheci mais do comportamento dos uruguaios e descobri que eles são um povo incrível, cultos, organizados, super trabalhadores, que gostam da natureza e realmente amam o seu pequeno país.
       
      E claro, como um bom viajante também passei por alguns perrengues mais complicados, em especial para me adaptar com o clima e a comida típica do país, que é muito diferente da brasileira.
       
       

      Milanesa Pollo Napolitana con fritas.

      "Pasta". Esse é o nome que os uruguaios dão para o macarrão.
       

      Carne de Javali, uma iguaria típica de Salto del Penitente.
      O mais importante é que tive boas experiências que serão lembradas por mim até o meu último dia de vida. Mesmo em todo esse texto não foi possível relatar sequer um décimo do que fiz e do que senti por lá. Resumindo...
       
      "Ter a oportunidade de aprender um novo idioma é o mesmo que se abrir para novas oportunidades no presente e no futuro."
       
      Acho que isso resume um pouco do aprendizado que tive por lá. E pensando nisso, resolvi organizar esse tópico para que incentive novos viajantes ou até mesmo outras pessoas que pretendam aprofundar mais o seu conhecimento nessa língua.

      Sem mais delongas, abaixo estou colocando o índice organizado de toda essa maratona que fiz por lá, sem claro, deixar de ensinar um pouco do espanhol também e contando praticamente tudo que aconteceu no país, desde a minha saída do Brasil até a chegada no outro mês.
       
      4) Índice dos Relatos de Viagem
      Intercâmbio no Uruguai [05/02 a 04/03/17] 
       
      Clique AQUI ou na imagem abaixo para acessar o índice dessa viagem:
       

      E para fechar com chave de ouro, só falta esse assunto
      5) Considerações Finais:
       

       
      Desejo um agradecimento especial à família que estava me hospedando: O Álvaro, a Stela, a Fernanda e também aos dois hóspedes gringos que ali estavam e me ajudaram muito, o Míchel da Suíça, e a Kelsy, dos Estados Unidos. E também para toda a equipe da Academia Uruguay que me ajudou bastante.
        Desejo que todos vocês aproveitem a vida, trabalhem bastante e que viagem sempre que puderem. A todos os leitores, espero que tenham sempre uma boa viagem!
       
      Caso queira acessar a lista de posts referentes a essa viagem diretamente pelo blog clique AQUI ou na imagem abaixo:

      Clicar: [Índice do Relato de Viagem: Intercâmbio]
       
    • Por TMRocha
      Como o ano de 2016 foi muito difícil e puxado e praticamente não viajamos, resolvi começar 2017 com uma viagem especial para Campos do Jordão, em São Paulo.
       

      Fomos na baixa temporada, já que ainda era início de janeiro e a alta temporada por aqui costuma ser em meados de junho. Mesmo assim o passeio foi muito especial. Confira como foi o passo-a-passo dessa incrível viagem.
      Caso queira acompanhar o relato diretamente pelo blog clique no link abaixo ou numa das Partes abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/08/campos-do-jordao-e-aparecida-sp-04.html
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Lista de Partes:
      [PARTE 01] - [PARTE 02] - [PARTE 03]
      [PARTE 04] - [PARTE 05] - [PARTE 06]
      [PARTE 07] - [PARTE 08] - [PARTE 09]
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Para que o conteúdo não fique massivo estarei dividindo o relato em várias partes menores, e caso você queira apenas saber o que Campos do Jordão e Aparecida têm a lhe oferecer, clique num dos links abaixo, onde coloque suas respectivas dicas de roteiro:
      Dicas de Roteiro: [Campos do Jordão, SP]

      Dicas de Roteiro: [Aparecida, SP]

      E antes de seguir com o relato, no final das contas meu roteiro ficou assim:
      Meu Roteiro
      DIA 01 - Quarta, 04 de Janeiro de 2017
      [Parte da Noite] Viagem de ônibus do Terminal Turístico JK (Belo Horizonte) para Campos do Jordão, SP.
      DIA 02 - Quinta, 05 de Janeiro de 2017
      [Início da Manhã] Chegada em Campos do Jordão, SP
      [Parte da Manhã] Visita ao Palácio Boa Vista
      [Início da Tarde] Visita ao Auditório e Museu Felícia Leirner
      [Parte da Tarde] Compras nas galerias próximas à Ducha de Prata
      [Parte da Noite] Passeando pelo Centro Comercial da Vila Capivari
      DIA 03 - Sexta, 06 de Janeiro de 2017
      [Manhã e Tarde] Visita a Aparecida, onde conhecemos os seguintes lugares:
      - Teleférico, Torre do Mirante, Galerias, Cine Aparecida e Museu de Cera
      [De volta a Campos do Jordão]
      [Parte da Tarde] Missão Fondue!
      [Parte da Noite] Missão Pastel do Maluf!
      DIA 04 - Sábado, 07 de Janeiro de 2017
      [Parte da Manhã] Visita aos Jardins Amantikir c/ direito à pedido de casamento
      [Parte da Tarde] Compras na Galeria Vila Capivari e na Vila do Artesanato
      [Final da Tarde] Ida ao Parque dos Elefantes e Mirante do Morro do Elefante
      [Ainda no Final da Tarde] City Tour na parte residencial de Campos do Jordão em um trenzinho da Alegria
      [Quase no Início da Noite] Visita a parte de baixo do Morro do Elefante, incluso suas galerias
      DIA 05 - Domingo, 08 de Janeiro de 2017
      [Parte da Manhã] Visita ao Portal da Cidade
      [Restante do dia] Viagem de volta de ônibus para Belo Horizonte
      [Quase no Início da Noite] Chegada no Terminal Turístico JK
       
      Dito o que precisava, vamos começar!

      DIA 01 - Quarta-feira [04 de Janeiro de 2017]
      Indo de BH até São Paulo de ônibus
      Ainda em meados de Junho de 2016 a Lu tinha me mostrado uma super promoção da São José Viagens, que achei bem em conta, pois teríamos a oportunidade de conhecer Campos do Jordão, um lugar frio de São Paulo que possui um chocolate super gostoso [foi isso que ela ouviu dos outros, então resolvemos ir lá pra conferir]. Achei o preço tão bom que paguei o pacote inteiro à vista pra nós dois.
       
      E o tempo passou, passou mais e ... finalmente... no dia 10 de Janeiro deste ano [2017], com nossas malas já arrumadas partimos pra Belo Horizonte, rumo ao Terminal JK, que é um dos pontos de partida da empresa.


      Às 19:30h partimos da minha casa e pegamos um coletivo que foi tranquilamente até o Terminal JK. Chegamos ali próximo das 20:20h, fizemos o check-in e ficamos aguardando dar o horário, deu tempo até de comer alguns deliciosos biscoitos de queijo comprados no Carrefour.
       
      Parece que houve algum tipo de desorganização na hora da compra, e muitos turistas tinham chegado antes das 19:00h, já que o passeio estava marcado com horário errado para eles, por isso estava um alvoroço e o pessoal estava realmente estressado, mas nada que fosse nos atrapalhar.

      Luciana toda estilosa esperando a nossa vez de entrar no ônibus!

      Às 22:00h entramos no ônibus da São José, mas ele não saiu na hora prevista porque outro turista do nosso grupo atrasou demais. Ao que parece ele [ou eles] estavam vindo de Ipatinga e agarraram no trânsito, e o bus só partiu mesmo às 22:20h, com destino a São Paulo.

      A mãe da Lu fez até umas excelentes almofadas de pescoço pra nos desgastar menos nessa viagem.

      Se você é mineiro [ou está na região metropolitana de Minas Gerais] e deseja conhecer boas agências de viagens da região, clique no link abaixo:
       
      Conhecendo Agências de Turismo Interessantes de Belo Horizonte e Região Metropolitana
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/07/viajando-com-agencias-de-turismo.html
      DIA 02 - Quinta-feira [05 de Janeiro de 2017]
      Demos nossa primeira parada às 1:00h em algum Graal da beira da estrada, que não consegui descobrir qual era ao certo porque estava chuviscando de leve e não queria molhar a câmera ou o meu óculos.


      Nesse lugar a parada foi bem rápida, menos de meia hora, apenas pra usar o banheiro e esticar um pouco as pernas, o legal é que o estabelecimento ainda estava decorado com algumas coisas de natal. Assim que o pessoal voltou continuamos nossa viagem de ônibus.

      Passado mais algum tempo, às 4:00h da manhã fizemos nossa segunda e última parada do percurso até Campos do Jordão. Dessa vez até que eu tinha conseguido dormir bastante no ônibus.



      Havia até um pequeno laguinho com alguns peixinhos que infelizmente tinham um espaço muito limitado pra ficar nadando. O Graal Bela Vista é muito grande, mas eu e a Lu nos limitamos apenas a ficar um pouco sentados no banco de fora porque ela já estava com as pernas doendo de tanto ficar sentada no ônibus sem poder esticar os pés.

      E partimos novamente depois de mais algum tempo. 
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Campos do Jordão, SP

      Campos do Jordão está localizada no interior do Estado de São Paulo, mais precisamente na Serra da Mantiqueira e fica à altitude de 1.628 metros, sendo portanto, o mais alto município brasileiro.
       
      Possui uma população de pouco mais de 50.000 habitantes e está a 173 km da cidade de São Paulo, a 350 km de distância do Rio de Janeiro e a aproximadamente 500 km de Belo Horizonte. Sua principal via de acesso é a Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro.

      A partir da década de 50 Campos do Jordão começou a consolidar-se como um dos principais destinos de inverno do Brasil e passou a ser apelidada por muitos de "a Suíça paulista".



      Fonte Pesquisada:
      https://pt.wikipedia.org/wiki/Campos_do_Jordão
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Voltando ao nosso passeio...
       
      Chegando no Hotel
      Chegamos pouco depois das 8:00h no Parque Hotel, de Campos do Jordão, que por sinal é muito bonito por fora e por dentro, e ainda por cima está numa excelente localização.



      Nosso quarto estava localizado no terceiro andar e para chegar até lá a gente sempre preferia subir pelas escadas estilosas do hotel, que iam afinando aos poucos conforme a pessoa chegava perto das pontas.

      Para quem possui dificuldades de locomoção não há problema, pois o hotel conta também com um elevador para os hóspedes. Nosso quarto era lindo, organizado e bem espaçoso, contava ainda com cobertores para os dias mais frios [que não precisamos usar] e o colchão era muito bom. Então conseguimos ter boas noites de sono em todos os dias.

      Outra coisa boa era que tanto o chuveiro quanto a pia do banheiro tinham opção para água quente e fria. A única coisa que não gostei do Parque Hotel é que o WiFi só ficava disponível na área da recepção e não tinha nenhuma internet nos quartos, e a TV também era bem pequetita [nada importante, já que quem veio aqui deve é passear fora do hotel mesmo!]. Essa era a vista da janela de nosso quarto:

      Nosso roteiro do dia seria um pouco extenso. Então só tivemos tempo de lanchar e de nos arrumar, pois dentro de pouco tempo já sairíamos novamente.

      O restaurante do hotel contava com uma boa diversidade de coisas para se comer, mas que se repetem ao longo da semana, então acabou que na maioria dos dias a gente comia praticamente as mesmas coisas em nosso lanche matinal, e como o primeiro dia não estava incluso no passeio, tive que pagar a bagatela de R$ 40,00 [R$ 20,00] para cada um, somente para esse lanche.
       
      Algo que com certeza aprendemos por aqui é que comer em Campos do Jordão é algo que sempre saía bem caro para o nosso bolso!
       
      Visita ao Palácio Boa Vista
      Ás 9:00h entramos no ônibus da São José e seguimos até o Palácio Boa Vista, que é considerado como a residência oficial de veraneio do governador de São Paulo, e está localizado no Alto da Boa Vista, ainda dentro de Campos do Jordão.




      Andamos um pouco de ônibus pela cidade e enquanto isso tanto o guia da São José, o Adilson, quanto a guia da cidade explicavam algumas coisas interessantes da cidade para gente. Como o fato da cidade já ter ficado com -8ºC de temperatura, chegando a ter uma leve geada, e só não nevou porque o clima dessa região é bem seco.
       
      Mostraram um pouco da parte pobre da cidade e citaram sobre alguns de seus problemas, mas nos informaram que o lugar não era perigoso ao ponto da pessoa entrar e não sair com vida, como se acontece em algumas favelas do Rio de Janeiro.
       
      E ainda sobre algumas lendas locais, como a das árvores canadenses. As pessoas acreditam que se uma folha cair em sua cabeça você poderá se tornar milionário [mas claro, não vale retirar a folha da árvore à força e colocá-la em sua cabeça!]. Essas árvores foram plantadas na cidade como um símbolo do frio dessa região.
       
      E chegamos. De longe percebia-se que o lugar mais se parecia com um castelo por fora, mas por dentro era realmente um palácio.



      Tivemos que esperar realmente um bocado na fila antes de poder entrar no palácio, e como eles não deixavam tirar fotos ou fazer gravações lá de dentro tivemos de guardar todas as nossas coisas num guarda-volume da entrada. Ao procurar pela internet essas foram as únicas fotos que encontrei desse local:


      Por dentro o palácio é super luxuoso e interessante. Possui o piso totalmente revestido em madeira. Conta com dezenas de salões e todos eles com móveis luxuosos, alguns até importados de outros países e em sua grande maioria os objetos são bem antigos, datando das décadas de 60, 40, e até mesmo contando com algumas peças do Século XVIII.
       
      Existiam espelhos de origem belga, alguns móveis folheados a ouro, outros de latão dourado e muitas, muitas obras de arte espalhadas por todos os cômodos, que iam desde estátuas e obras antigas a diversos quadros nas paredes, com destaque especial para a artista Tarsila do Amaral.

      Essa mulher foi uma grande pintora e desenhista brasileira e era uma das figuras centrais da primeira fase do movimento modernista no Brasil, ao lado de Anita Malfatti. Seu quadro, "Abaporu" [essa coisa de pernas grandes na foto acima] inaugurou o movimento antropofágico nas artes plásticas brasileira.
       
      Eu, em especial, não sou tão fã nem de artes nem de história. Mas achei interessante passear um pouco por esse local e a visita até que foi bem rápida. Quando saímos aproveitamos e tiramos mais algumas fotos do pátio interno, onde ainda deixavam que as pessoas tirassem fotos.




      Capela de São Pedro
      Saindo dali fui na Capela de São Pedro, que estava praticamente do lado do palácio, já a Lu não quis entrar nesse local. É uma estrutura íntegra de concreto armado, com as paredes de vidro, que permite que se visualize a paisagem da região. Entrei rapidamente apenas para tirar fotos dessa capela.










      Se afastando um pouco dali e descendo a rua ainda existia uma lojinha, e juntos aproveitamos pra dar uma olhadinha no que havia ali, mas acabou que não compramos nada.


      Bem ao ladinho havia um jardim e mirante muito bonito, então aproveitamos pra dar uma olhada neles também.


      Essas flores são chamadas de hortênsias e são um dos símbolos da cidade. Para praticamente qualquer lugar que se olhe em Campos do Jordão nessa época do ano é possível ver ao menos algumas flores destas. Outro ponto interessante é que a cor delas muda de acordo com o PH da terra, por isso elas existem em cores variadas por toda a cidade.
       
       E voltamos novamente para o ônibus da São José para continuarmos o nosso passeio.

      Continue acompanhando, pois ainda se tem muito mais relato para contar!
    • Por TMRocha
      Com as merecidas férias, fiz uma viagem do estilo Sol e Praia para Porto Seguro junto da Luciana, entre os dias 09 e 16 de Janeiro de 2016.

      Confira agora como foi o nosso passeio.
       
      Caso queira acompanhar o relato diretamente pelo blog clique no link abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/08/porto-seguro-ba-09-16012016-parte-01.html
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
      Lista de Partes:
      [PARTE 01] - [PARTE 02] - [PARTE 03]
      [PARTE 04] - [PARTE 05] - [PARTE 06] - [PARTE 07]
      - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
        Caso não queira conferir como foi o meu relato e deseje apenas saber o que é bom para se fazer em Porto Seguro, confira as dicas do botão abaixo:

      Sem mais delongas, vamos começar...

      DIA 01 - Sábado [09 de Janeiro de 2016]
      Depois de ter uma noite bem dormida e já com as malas arrumadas [tinha deixado ela pronta na quinta-feira ainda], mais ou menos às 9:00h fui até a casa da Luciana para filar a comida da sogra. Minha ideia era partir de lá já alimentado e junto com ela.

      Minha bagunça.

      Bagunça da minha mãe, na cama ao lado [e a cama nem é dela!]
      Depois de esperar um pouco peguei o bus que ia pro Alvorada.


      Por lá fiquei esperando a Lu se arrumar, ela estava doida porque deixou tudo pra última hora, então arrumou uma correria danada! Após almoçar chegou a hora de partir rumo ao metrô.



      Já no metrô, fomos até a Estação Lagoinha para dali entramos na rodoviária de Belo Horizonte e pegamos o ônibus da Unir que vai pro Aeroporto, que aliás, sai muito mais barato do que pegar um táxi ou o MOVE Conexão Aeroporto que o pessoal gosta de usar.

      E agora sim, finalmente estávamos realmente a caminho do aeroporto de Confins!

      Depois de pouco mais de uma hora [ou duas, não sei ao certo] chegamos em Confins.
      Obs.: Parece estranho minha mochila ficar pra frente, mas acho melhor ficar feinho do que ter os pertences furtados de bobeira no centro de BH.

      Já no local certo bastava apenas esperar o horário do nosso voo, que saiu no horário certo e sem maiores problemas.


      Dada a hora, então bora pra Porto Seguro...



      Já acima das nuvens pudemos ter o nosso lanchinho e seguimos uma viagem tranquila até o aeroporto de Porto Seguro.




      No pacote que fiz com a Master Turismo estava incluído a viagem de ida e volta para Porto Seguro e o translado até o nosso hotel. Então ali já nos encontramos com um dos guias da Coconut Tours, que ficou encarregado de nos levar até lá.

      Como não estávamos muito longe do aeroporto, chegamos bem rápido ao Hotel Márlim, que seria a nossa estadia por toda essa semana.



      Nosso quarto dessa vez era bem simples, mas tinha o que precisávamos: um frigobar vazio pra guardar as águas! A cama era confortável [apesar de no primeiro dia terem colocado dois colchões como improviso - depois disso deixaram um colchão de casal], o ar-condicionado era muito bom e os hóspedes também são agraciados com uma piscina que fica no centro do hotel.

      Outra coisa que gostei bastante daqui era a localização, no centro, próximo de bons restaurantes com o preço bem em conta e também da Passarela do Álcool [também conhecida como Passarela do Descobrimento], ótimo local pra quem curte muita cerveja e também compras de tudo o que você pensar, seja de artesanatos, roupas, acessórios e muito mais!

      Aqui tive um imprevisto que não estava contando [claro, quando a gente conta não é imprevisto!!!], dei a bobeira de deixar pra transferir o dinheiro que tinha guardado da poupança para a conta de débito somente aqui porque estava com preguiça de fazer isso em Belo Horizonte e em Porto Seguro simplesmente não existe nenhum Santander [nunca imaginei isso, já que viajei até para Pato Branco, no Paraná, 300 km depois de Judas ter perdido as botas e lá também tinha Santander] e como fiquei muito preocupado em não poder fazer nada por ter pouco dinheiro do débito fechei o pacote todo no Crédito com a Coconut Tours.
       
      Notas: De certa forma acho que falhei um pouco aqui, primeiro por ter dado essa bobeira de não ter feito o que devia em minha própria cidade, e depois por ter fechado muitos passeios focando somente nas praias, já que achava que outros passeios interessantes, como o de chalana, eram feitos somente na praia.
       
      Acho que uma boa dica para quem quer usar agências de turismo pra ter mais comodidade é não fechar tudo na hora como eu fiz. Se estiver no centro dê uma passada em outras agências e feche pacotes diferentes [como por exemplo, passeio de chalana, mergulho de cilindro, passeio de quadriciclo], pra que o roteiro não fique muito repetitivo ou engessado. O que nos salvou foi que os guias da Coconut são todos excelentes e apesar de estarmos mais nas praias deu pra fazer outras coisas muito interessantes.
       
      Nosso Roteiro [que sofreu algumas mudanças no decorrer da semana], acabou ficando assim:
      NOSSO ROTEIRO
      Sábado, 09 de Janeiro de 2016
      - Translado de ida da região metropolitana de Belo Horizonte para Porto Seguro;
      Domingo, 10 de Janeiro de 2016
      [Parte da Manhã] City Tour no Centro de Porto Seguro;
      [Parte da Tarde] Barraca Barramares, na Beirada da Praia;
      Segunda, 11 de Janeiro de 2016
      [Parte da Manhã] Praia de Pitinga, em Arraial d'Ajuda;
      [Parte da Tarde] Centro de Arraial d'Ajuda;
      Terça, 12 de Janeiro de 2016
      [Manhã e Tarde] Praia dos Espelhos;
      Quarta, 13 de Janeiro de 2016
      [Manhã e Tarde] Trancoso;
      Quinta, 14 de Janeiro de 2016
      [Parte da Manhã] Praia de Santo André;
      [Horário do Almoço] Oficina do Sabor e Berimbau Park;
      [Parte da Tarde] Coroa Vermelha [Aldeia dos Índios Pataxós];
      Sexta, 15 de Janeiro de 2016
      [Parte da Manhã] Recife de Fora;
      Sábado, 16 de Janeiro de 2016
      - Translado de Volta de Porto Seguro para a região metropolitana de Belo Horizonte.
       
      Continuando com o relato...

      De noite resolvemos comer uma boa pizza no Mama's para comemorar a nossa chegada na cidade.



      O que achei mais legal aqui é que eles usam esses mini-forninhos pra deixar a pizza aquecida, além disso a massa é muito fina e a pizza é realmente deliciosa e pra ajudar o preço é muito baixo. Vale a pena comer aqui!

      Após comer resolvemos andar um pouco [na verdade um bocado] pelo centro da cidade, o que mais tinham eram opções de vestuário e restaurantes para todos os gostos, além de dezenas e mais dezenas de lojas de souvenirs.

      Quem é colecionador como eu pode ficar tranquilo que certamente tem alguma coisa bem legal que se adequará ao seu gosto. Fiquei tão entretido comprando que até esqueci de tirar mais fotos, mas não tem problema porque em quase todos os dias demos uma passada no centro da cidade pra passear ou para comer alguma coisa.
       
      Os enfeites de natal decorando a cidade ficaram tão legais que acho que a prefeitura quis deixar eles aqui por mais algum tempo ainda.


      Terminado tudo o que queríamos fazer fomos dormir, no próximo dia começaríamos com os nossos passeios por Porto Seguro.

      DIA 02 - Domingo [10 de Janeiro de 2016]
      Já acordados, a primeira coisa que fiz foi tirar algumas fotos do hotel.



      Não esquecendo, claro, de tomar nosso café da manhã.


      Nosso primeiro passeio seria para o centro histórico de Porto Seguro, e a Coconut enviou uma van para nos buscar e levar até lá.


      Uma das coisas que reparei é que os baianos realmente amam sua terra, são dedicados e mesmo nas coisas mais simples fazem todo o possível para agradar os turistas. A primeira coisa que o guia Jackson nos mostrou foi de onde era tirado o cacau da fruta.



      Sempre achei que era usado a polpa para fazer o chocolate, mas na verdade é usada essa semente, que é torrada e nela são realizados outros processos até chegar no chocolate que conhecemos atualmente. Perto dali também tinha um vendedor vendendo sementes que ajudam no tratamento de várias coisas.

      Acabei não prestando muita atenção, pois nossas atenções se voltaram mais para o índio vendedor de brincos, que estava ali perto.


      A Luciana gosta muito dessas coisas que usam penas e não resistiu, já fez a sua comprinha! E após algumas explicações, começamos com nosso passeio pelo centro histórico de Porto Seguro.





      Achei muito legal a história daqui, que é basicamente o começo da história do Brasil: As casinhas eram feitas coladas umas as outras, sempre dando um espaço no meio para a rua, que dividia os vilarejos em dois, e ao fundo era construída uma igreja. Além disso, entre todas as casinhas havia uma porta.
       
      Isso ajudou os primeiros portugueses a se prevenir dos ataques constantes dos índios que não queriam eles nessa região. Falando em índios, os das costas brasileiras eram amigáveis com os portugueses e aceitavam permutas de objetos europeus em troca de comida e outras coisas que eles possuíam. Já os das matas fechadas eram hostis e atacavam os portugueses sempre que tinham oportunidade.

      Outro detalhe interessante era que esses vitrais utilizados nas torres das igrejas vinham diretamente de Portugal, e como os vidros quebravam sempre durante o percurso colocavam esse vidro do jeito mostrado acima. Isso era bom porque o sol forte ajudava o vidro a brilhar e isso facilitava a vida dos marinheiros, pois conseguiam ver onde estava o vilarejo mesmo estando distantes da costa.





      Após as explicações do guia andamos mais pelo local, tiramos muitas fotos e compramos mais algumas coisinhas pelas lojinhas. Também tiramos fotos dos mirantes bonitos que estavam nessa área.





      Após voltar esperamos um tempinho, até que chegou o ônibus que nos levaria para a Barraca Barramares, na beirada da praia.


      No caminho até avistamos a Transilvânia!
      Chegamos na Barraca Barramares, que já de cara mostrou uma entrada bem elegante!




      Fomos direcionados a ficar na parte onde havia areia e muitas mesas, o estabelecimento estava lotado e quase não haviam lugares disponíveis, mas após olhar os preços absurdamente caros, pedimos licença para um casal que estava realizando o Tour com a gente, saímos dali e voltamos na entrada da Barramares novamente para procurar outro local, mas caímos na realidade ao perguntar para os transeuntes, essa barraca estava bem isolada do comércio local da cidade. 

      [Aliás, esse é um dos pontos negativos que percebi em Porto Seguro, aqui prevalece um sistema de monopólio das barracas, o que encarece consideravelmente os preços das coisas ao comer nas praias, e nem tem como fugir disso já que a maioria dessas barracas ficam em lugares mais isolados, o que faz com que você nem tenha opção de escolha, e se houver mais de uma barraca próxima da outra os comerciantes não deixam que você compre livremente por elas, somente na barraca que você está com suas coisas]

      Então tivemos que voltar e pedi a refeição mais simples do menu, que ainda assim saiu caro, já que nem carne tinha no prato.



      Como a comida não nos sustentou, resolvi fazer uma gracinha e comprei um açaí na barraquinha ao lado, que também pertencia a Barramares.


      Mas aqui aconteceu o impensável, sim ... uma lagarta preta, do tamanho de uma mão, daquelas de coqueiro, subiu na perna da Luciana ... que tem o maior pavor de lagartas, até mesmo daquelas pequenininhas ... O resultado foi catastrófico!

      Obs.: Não coloquei a foto da Lagarta original para não traumatizar ainda mais a Lu!!!
      Ela deu o maior grito, pulou assustada, quase pediu socorro, ficou toda tremendo, não conseguiu comer mais o açaí e chorou demais, fiquei até desconsertado na hora porque não sabia o que fazer. Ela se acalmou somente quase uns 20 minutos depois desse ocorrido.

      O pessoal que estava frequentando essa barraca estavam muito animados, curtindo muito, brincando e até dançando Kuduro!

      Passado o susto e com a Lu um pouco mais calma andamos um pouco pela praia.




      E até consegui tirar uma foto dela mais animada.

      Se você gosta de diversão com agito, por aqui é possível praticar o Banana Board e se jogar de vez no mar, como eu estava fora de forma no nado e a Lu não sabe nadar e não gosta desse tipo de atividade preferi não arriscar.



      Até tentamos escrever o nome do meu Blog, Tudo Rocha, pra ver se ficava legal escrito na areia da praia de Porto Seguro.

      Dessa vez ainda não tinha ficado boa, também tentamos em outras praias e deixamos com um efeito bem mais legal!
      Perto dali também existe um pequeno rio, onde as pessoas aproveitam pra andar de caiaque ou apenas brincar na água.



      Às 15:00h tínhamos que voltar para o ponto combinado, então, como estava perto do horário resolvemos voltar. [Pode até parecer que na maioria dos passeios ficamos pouco tempo na praia, mas o calor e a intensidade do sol por aqui é fortíssimo e é melhor ficar um tempo menor na praia e assim evitar queimaduras - eu na verdade, durante toda a semana tive que ter muita atenção, pois meus ombros e a nuca chegaram a queimar um pouco]

      Ao sair não deixamos de tirar fotos bem legais em lugares estratégicos feitos especialmente para os turistas.





      [Obs.: Nós estamos com olho de peixe-morto porque a intensidade da luz aqui é muito forte, eu por exemplo demorei quase 3 dias para conseguir abrir meus olhos completamente.]

      Algo que achei bem legal foi algumas frases de baiano citadas pelo nosso guia da Coconut:

      - Braço cruzado é ritual baiano de chamar chuva!
      - Vamos-nus todos, mas todos vestidos!

      Outra coisa que nos informaram foi para não fazer tatuagens de rena, dessas que oferecem na praia, pois não sabemos nada da higiene utilizada nesse tipo de produto. Chegando o ônibus fomos em direção ao nosso hotel novamente e deu até pra ver de relance a praia de Toa Toa, que também é muito boa!


      Depois de chegar no Hotel descansamos bastante e de noite fomos comer algo mais apetitoso no Theta's, já que não demos muita sorte na hora do almoço. O garçom foi muito educado e prestativo e até nos ajudou a tirar uma boa foto.



      Depois de jantar e certamente ter andado mais um pouco pela Passarela do Álcool pra levar mais alguma coisinha, voltamos pro hotel e descansamos mais um pouco. No outro dia teríamos mais passeios divertidos para se fazer. Continue acompanhando, pois tem muito mais a ser contado!
×