Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Fábio Borges

Visconde Mauá, Pico do Selado e Maromba, Cachoeira do escorrega - SL's trip's

Posts Recomendados

Adorei o seu relato, Fábio. Fez reviver a minha ida para esse lugar maraavilhoso. Pelo jeito, o sujeito que te deu as informações sobre a trilha que leva ao Pico da Pedra Selada é o mesmo de quando fui (Nov/2009). Fiz o mesmo caminho, com mesmo erro (trilha à esquerda depois da porteira) e quando percebi, subi o morro em direção também das araucárias, onde encontrei a trilha principal..rsrsrs... Logo depois, uns 0,5 km, desci uma trilha vicinal e banhei na cachoeira, que por sinal foi muito bom para reanimar o corpo para subida . Foi o meu 1º autógrafo que deixei nas alturas.

Quando fui, fiquei instalada em Maromba, mas ainda não conheço as principais cachoeiras de Visconde de Mauá. Além da Pedra

Selada, conheci a Cach. da Fumaça, da Saudade (trilha c/várias cachoeiras), a do Santuário (trilha c/várias cachoeiras) e Cach. Toca da Raposa (locais muito interessaates)

Na próxima, pretendo ir nas Cach. tradicionais como Escorrega, Véu da Noiva, Alcantilado, Santa Clara, entre outras.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Lugar interessante.

Tambem achei a historia da recuperacao da trilha interessante

 

Fonte > http://www.crescentefertil.org.br/historiamantiqueira/texto3.htm

 

Recuperação da

Trilha da Pedra Selada

 

por Antônio Leão

 

Voluntários da Finlândia e de Resende trabalharam vários meses para recuperar a trilha da Pedra Selada, um importante atrativo natural de Resende/RJ. Com o objetivo de conter o avanço das erosões, que evoluíam para desmoronamentos, foram contruídas contenções com troncos de eucalipto e está sendo realizado um reflorestamento nos trechos mais degradados.

 

Segundo Arne Tapio Turunen, gerente de projetos da Associação Finlândia – Brasil, “a trilha exige um grande esforço físico em um curto trecho de subida. Esta característica inviabiliza mesmo um grande número de pessoas executando a obra, que pode provocar um desgaste maior ainda da trilha. Por isso, o ataque corretivo foi realizado de baixo para cima, corrigindo os degraus, alargando passagens quase fechadas e desmoronadas, contendo encostas e escorando degraus, de modo a aumentar o conforto e segurança dos voluntários que transportam o material nas costas até o ponto de erosão”.

 

A Pedra Selada possui 1.755 metros de altitude e está localizada entre Visconde de Mauá e a região da Fumaça. O seu nome deriva do seu formato semelhante a uma sela de montaria. Os voluntários estão trabalhando na via de acesso mais utilizada. Ela começa na fazenda do Sr. Alcebíades, situada 12 km após o Lote 10, Visconde de Mauá, na direção de quem vai para o povoado do Rio Preto. A trilha da Pedra Selada é classificada pelos montanhistas como uma caminhada semipesada. São 2.500 metros de trilha íngreme. Parece pouco, mas este percurso pode demorar aproximadamente 2 horas só na subida. Existe uma outra trilha vinda da Bagagem, com cerca de 7 Km, e que é bem menos utilizada.

 

Nos levantamentos realizados pelos monitores de ecoturismo de Resende nesta trilha, a erosão do solo foi apontada como um grave problema, que exigia uma resposta urgente. Segundo Antônio Leão, coordenador do Projeto Monitor de Ecoturismo, "o intenso pisoteio inicia o dano, mas a simples interdição não recupera o caminho, pois o escoamento das águas da chuva prossegue ampliando os sulcos e canais. Os montanhistas de Resende nunca estiveram alheios ao problema e, com a cooperação fundamental dos finlandeses, pudemos realizar uma intervenção para proteger a trilha".

 

 

1ª Etapa: nov - dez/2003

 

Em 20 de dezembro de 2003, foi realizada uma visita de inspeção na trilha da Pedra Selada. Este trabalho contou com o apoio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Resende que disponibilizou uma Kombi para o transporte da equipe. O trabalho envolveu medição da trilha, fotografias, anotações dos trechos críticos e elaboração de um croqui. Esta visita constatou a grave evolução das erosões, principalmente nos 400 metros que antecedem a chegada ao topo, área de maior declividade. O engenheiro Arne calculou o material necessário, troncos de eucalipto, tratados em auto clave, para realizar a contenção das erosões. Os resultados foram apresentados à Prefeitura de Resende, através das secretarias municipais de Meio Ambiente e Defesa Civil.

 

Uma equipe reunindo onze voluntários, vindos da Finlândia, trabalhou na trilha entre os dias 25 de novembro e 10 de dezembro de 2003. Logo no primeiro dia chegou o carregamento de eucalipto e as ferramentas. Foi instalado um acampamento com duas grandes barracas do tipo militar. O transporte do grupo e do equipamento foi realizado por viaturas da Secretaria do Meio Ambiente de Resende. Parte do grupo se dedicou ao corte das toras de eucalipto com o uso de moto-serra, enquanto os demais realizavam a limpeza do caminho. Os voluntários transportaram as pesadas peças para pontos pré-determinados onde instalaram cinco bancos para os visitantes. No dia 28, foram construídos degraus no trecho inicial (0-500 metros). Ao longo desta semana também foi confeccionada a nova sinalização da trilha, em troncos de eucalipto que foram pintados pela neta do Sr. Alcebíades.

 

Na semana seguinte, 2 a 5 de dezembro de 2003, foi realizada a construção dos degraus feitos com troncos de eucalipto, como forma de diminuir a velocidade das águas pluviais e de facilitar a ascensão dos visitantes. Durante todos os dias, uma viatura da Secretaria do Meio Ambiente entregou o almoço que as voluntárias preparavam na Vila Eila, em Penedo. Um grupo de cinco trabalhadores do local foi contratado para transportar a madeira trilha acima. No trecho mais crítico, 250-300 metros antes do cume, foi planejada uma intervenção para conter uma grave erosão, também utilizando troncos de eucalipto e serrapilheira.

 

No dia 9 de dezembro, o grupo retornou para a Pedra Selada para realizar a contenção da grave erosão situada nos 300 m antes do cume. Foi concluído o trabalho de estaqueamento com varas de eucalipto, ancorando a vegetação e o solo arenoso. Nesta mesma semana também foram instalados os troncos de eucalipto pintados com a nova sinalização da trilha.

 

Nesta etapa, a Associação Finlândia - Brasil gastou R$ 10.800,00 com as toras de eucalipto, fretes, mão de obra local, alimentação, ferramentas, confecção de camisas e outros.

 

2ª Etapa: dez/2003 - mar/2004

 

A segunda etapa da Recuperação da Trilha da Pedra Selada começou no dia 20 de dezembro de 2003 e terminou em 20 de março de 2004. Foi realizado um reflorestamento no trecho mais crítico: 250-300 metros antes do cume. Os voluntários plantaram dezenas de mudas de candeia - árvore nativa bem adaptada à cota dos 1.600-1.700 metros. Além da candeia, foram plantados exemplares de aroeira pimenteira, angico vermelho, leiteira e cedro rosa. Este trabalho conta com a participação do engenheiro florestal Luis Artur e do técnico agrícola Marcelo Dertônio, ambos da Secretaria do Meio Ambiente de Resende.

 

Para executar o plantio, os voluntários encararam, inúmeras vezes, o caminho íngreme, geralmente sob sol forte e muito calor e, além do peso das mudas, os trilheiros carregaram ferramentas e muita água para molhar os pés de candeia. As crianças ajudam em todas as tarefas, inclusive na coleta de serrapilheira, galhos e folhas secas, que foram utilizadas para manter a umidade do solo, proteger as mudas da força das águas e reforçar a proteção das contenções feitas anteriormente. Todas as mudas foram fornecidas pelo Horto Municipal de Resende, que é vinculado à Secretaria do Meio Ambiente de Resende. As últimas visitas confirmaram o sucesso dos trabalhos, visto que tanto as contenções como o plantio suportaram as chuvas de verão.

 

Os técnicos acreditam que as mudas sobreviverão ao inverno e está sendo articulado, com os excursionistas da região, um revezamento para regar as mudas durante a estiagem. A idéia consiste em que cada grupo transporte de 3 a 5 litros de água, além do que consome, para molhar as árvores que foram plantadas.

 

Antônio Leão

Coordenador do Projeto Monitor de Ecoturismo

Membro do GEAN – Grupo excursionista Agulhas Negras

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eh, Daniel... quando faremos a próxima trilha?

Está difícil de acertar as folgas.

Saudades da Pedra Selada e dessa turma.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Que relato simpático! :)

 

Sobre a Pedra Selada, vocês conseguiram chegar de boa até o início da trilha? Estavam com carro tracionado? Eu fui agora em dezembro (com um corsa) e não conseguimos chegar até o início da trilha, porque a estrada estava intransitável (cheia de pedras, lamas e afins). Tinha que ser carro tracionado pra passar ali. Talvez, o problema tenha sido que tinha chuvido bastante nos dias anteriores a nossa ida pra lá! Acabamos nem conseguindo chegar perto da pedra! :(

 

Relatei o meu fds em Mauá aqui, pra quem se interessar: http://porai-viajando.blogspot.com.br/2014/12/maua.html

 

Abraços,

Ana

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Que relato simpático! :)

 

Sobre a Pedra Selada, vocês conseguiram chegar de boa até o início da trilha? Estavam com carro tracionado? Eu fui agora em dezembro (com um corsa) e não conseguimos chegar até o início da trilha, porque a estrada estava intransitável (cheia de pedras, lamas e afins). Tinha que ser carro tracionado pra passar ali. Talvez, o problema tenha sido que tinha chuvido bastante nos dias anteriores a nossa ida pra lá! Acabamos nem conseguindo chegar perto da pedra! :(

 

Relatei o meu fds em Mauá aqui, pra quem se interessar: http://porai-viajando.blogspot.com.br/2014/12/maua.html

 

Abraços,

Ana

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ahhh, que massa Ana, vou checar o seu relato agora mesmo.

A gente conseguiu chegar tranquilamente até o inicio da trilha sim, num sitiozinho, sem problema algum. Fomos na caçamba de uma pickup corsa alias, rs, não era 4x4 não. rs

Pode ser mesmo que devido ao periodo a estrada esteja prejudicada.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...