Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
bstorquato

O que fazer em Urubici – A terra das cachoeiras

Posts Recomendados

Entrar em contato com a natureza traz diversos benefícios, sendo alguns deles a diminuição do stress, aumento da criatividade e até a diminuição da pressão arterial. Interessante né?

Mas por que estou te contando isso num post sobre Urubici?

Porque visitar Urubici é se conectar diretamente com a natureza, e eu posso garantir que você vai sentir cada um dos benefícios e vai deixar a cidade com a mente tranquila.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, cachoeira da neve

Conheça essa pequena cidade de Santa Catarina, que com apenas 10 mil habitantes, vai te mostrar toda a beleza e imponência da natureza, que se exibe em Urubici de diversas maneiras.

Descubra o que fazer em Urubici, desvende cada cantinho desse paraíso natural e aproveite ao máximo sua visita a cidade.


Receptividade, simplicidade e humildade

Logo ao chegar em Urubici, o que mais impressionou foi a receptividade do povo, que nos recebeu de braços abertos. Um povo humilde, simples e disposto a ajudar, coisa que nem sempre vemos por ai.

Isso por si só já me conquistou no primeiro dia em Urubici, e tenho certeza que você também será recebido tão bem quanto eu.

O que fazer em Urubici

Como já comentei, a cidade é um paraíso natural, onde a natureza se exibe em suas mais lindas formas. Urubici é conhecida principalmente por suas cachoeiras, mas vai muito além disso.

Descubra agora o que fazer em Urubici, desde os lugares mais visitados até os pouco conhecidos. Ah, e não se perca, pois o melhor ficou para o final.

Vamos lá?

Inscrições Rupestres

Um dos mais importantes registros arqueológicos de Santa Catarina, são inscrições gravadas em paredes de pedras pelos primeiros habitantes de Urubici, que viveram por ali há mais de 4 mil anos atrás.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres

Inscrições rupestres

O principal registro é a Máscara do Guardião. Acredita-se que este lugar era sagrado, e o guardião era quem o protegia. Além desse, há diversos outros desenhos e símbolos interessantes, que apesar de simples, tem valor histórico incalculável.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres

Cascata Véu de Noiva

Subindo para o Morro da Igreja, do qual vou falar mais adiante, encontra-se a pousada Cascata Véu de Noiva, onde está a cascata de mesmo nome.

Devido à sua inclinação e largura, a água desliza pelas pedras em direção ao solo de modo que forma-se uma fina camada de água corrente, que lembra muito um véu de noiva, dando origem ao nome da cascata e da pousada.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, cascata véu de noiva

Parece ou não um véu de noiva?

Dentro do complexo, além da cachoeira e do hotel, ainda existe um restaurante e uma tirolesa. Chegamos muito cedo para o almoço, mas o buffet estava começando a ser preparado e parecia ótimo!

Gruta Nossa Senhora de Lourdes

Também no caminho para o morro da Pedra Furada, a 11 kms do centro de Urubici está a Gruta Nossa Senhora de Lourdes. Uma gruta natural cercada por paredões de pedra, que ainda conta com uma tímida queda d’água de 10 metros.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, gruta nossa senhora de lourdes

A Gruta Nossa Senhora de Lourdes merece uma visita

Desde 1994 a gruta abriga uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes e atrai diversos turistas e fiéis, que deixam por ali suas homenagens. Mesmo para não religiosos, vale a pena visitar a gruta pela sua beleza natural.

Cachoeira da Neve

Sem dúvidas uma das mais lindas e interessantes cachoeiras de Urubici, recebeu esse nome pois no inverno, a água é espalhada pelo vento durante a queda, e vira pequenos flocos de neve que caem suavemente até atingir o chão.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres, cachoeira da neve

No inverno, a água congela e cai como neve

A Cachoeira da Neve está localizada dentro do camping Arroio do Engenho, a aproximadamente 3,4km do centro da cidade. Para chegar até a cachoeira, deve-se fazer uma trilha de aproximadamente 30 minutos, de nível leve.

Ao chegar, a vista da cachoeira é deslumbrante já a primeira vista, porém, a experiência não acaba por aqui. Você pode seguir uma trilha que chega atrás da água.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres, cachoeira da neve

Por trás da cachoeira

Morro do Campestre

Também conhecido como Morro da Cruz, oferece uma das vistas mais lindas da região. A subida é parte de carro, parte caminhando. Uma subida leve, de aproximadamente 15 minutos.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres, morro do campestre

Formações rochosas no Morro do Campestre

No topo, você vai encontrar formações rochosas de arenito, que ficam a 1.380m de altura. Esse é o ponto principal, mas caso você queira se aventurar um pouco mais e ter uma vista ainda mais incrível, você pode continuar até o final da trilha, que é mais pesada, sendo quase uma escalada em certos pontos.

Morro da Igreja e Pedra Furada

Esse talvez seja o principal motivo para as pessoas visitarem Urubici, e também é um dos maiores cartões postais da cidade, junto com a Cascata do Avencal, que vou mostrar pra você daqui a pouco.

O que muitos não sabem, é que na verdade a Pedra Furada está em território de Orleans, porém, a melhor vista dela é mesmo de Urubici. Então fique tranquilo, você está no lugar certo. 

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, morro da igreja, pedra furada

Vista do morro da Igreja, Pedra Furada ao centro. Foto: Kiko Luis Ricardo @kikoluisricardo

Para chegar ao Morro da Igreja, são aproximadamente 30km saindo do centro do Urubici. Todo o trecho é asfaltado, porém de péssima qualidade. Recomendo dirigir com cuidado para evitar os buracos.

Curiosidades:

  • É o ponto habitado mais alto do sul do Brasil;
  • É onde foi registrada a temperatura mais fria do país, -17,8 graus;
  • A altitude á de mais de 1800m.

O melhor horário para ver a Pedra Furada é durante a manhã, pois a chance do tempo estar aberto é maior. Mas eu não tive essa sorte, e acabei vendo só nuvens.

Importante: O número de visitantes por dia no Morro da Igreja é limitado, por isso é necessário pegar uma autorização de visitação no centro de Urubici. Caso contrário você vai chegar lá em cima e não vai entrar! Confira no mapa ao final do post, onde é o ponto de autorização.

Caverna Rio dos Bugres

Esse está aqui mais como informação do que como recomendação. Na verdade são pequenos túneis interligados, que ficam em uma propriedade particular, também no caminho para o Morro da Igreja.

Há diversas teorias do surgimento desses túneis, sendo uma delas que os túneis serviam de abrigo para os índios, que ali dormiam para se proteger do frio intenso da região. Já outra conta que os buracos foram feitos por tatus gigantes.

O passeio é rápido, e é recomendado levar lanterna para passear por entre os túneis.

Paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens

Construída entre 1965 e 1973, a igreja matriz de Urubici contempla 31 comunidades. Tem uma arquitetura única e totalmente diferente de qualquer outra igreja que eu já tenha visto. A Imagem de Nossa Senhora Mãe dos Homens que está nessa igreja, veio de barco do Rio de Janeiro em 1930.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres, igreja matriz de urubici, igreja nossa senhora mãe dos homens

Arquitetura única e impressionante

Mirante de Urubici

A caminho do parque Cascata do Avencal, que você vai conhecer daqui a pouco, e também muito perto das inscrições rupestres, está o mirante de Urubici. Um lugar bacana que oferece uma bela vista da cidade.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres, mirante de urubici

Vista linda de Urubici

Serra do Corvo Branco

Também um clássico da região, a Serra do Corvo Branco é sem dúvidas imperdível. Saindo de Urubici, você vai chegar ao topo da serra, de onde tem-se uma vista fantástica da região, que abrange paredões de pedra enormes.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres, serra do corvo branco

Serra linda, porém perigosa

São 30km de estrada de chão do centro do Urubici até a serra, e já vou avisando, a estrada é horrível. Mas também já digo que vale muito a pena. Visitar a Serra do Corvo branco definitivamente deve estar na sua lista de “o que fazer em Urubici”, pois a vista é sensacional!

Ali você vai contemplar o maior corte em rocha basáltica do Brasil, que se impõe com seus paredões de até 90m de altura. Estima-se que essas montanhas tem mais de 160 milhões de anos.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres, serra do corvo branco

Maior corte em rocha basáltica do Brasil!

Ao descer a serra, que é oficialmente a SC-370, chega-se a Grão Pará, porém não é recomendado descê-la. A estrada é ruim e deslizamentos acontecem com frequência, tanto que a serra é interditada diversas vezes durante o ano. Visitar o topo, por outro lado, é totalmente seguro.

Parque Cascata do Avencal

Lembra que eu falei que o melhor ficou pro final né? Então conheça o Parque Cascata do Avencal, ponto turístico clássico e cartão postal de Urubici.

Localizado a 6km do centro de Urubici, o parque conta com hotel, restaurante, lago com pedalinhos, tirolesa e a famosa Cascata do Avencal.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres, tirolesa de urubici

Tirolesa de Urubici. Tem coragem?

A tirolesa tem 200m de comprimento, e passa por cima da cascata, oferecendo uma vista fantástica e única do lugar. A velocidade é controlada e lenta, então não há muita adrenalina, a não ser pela altura, que pode assustar, pois a cascata tem 120m de altura.

Cascata do Avencal – Parte Alta

A cascata pode ser visita por dois ângulos, a parte alta e a parte baixa. Para visitar a parte alta deve-se ir ao Parque Cascata do Avencal, onde paga-se entrada. Chegar até lá é fácil, basta seguir as placas indicando. Confira no mapa ao final do post a localização de todos os pontos turísticos de Urubici.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres, tirolesa de urubici, cascata do avencal

Parte alta da Cascata do Avencal

Cascata do Avencal – Parte Baixa

Já o acesso a parte baixa da cascata é um pouco mais complicado. No caminho para o parque, saindo do centro de Urubici, deve-se entrar em uma rua à direita, seguir até onde der de carro e depois fazer uma trilha de aproximadamente 800m.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, inscrições rupestres, tirolesa de urubici, cascata do avencal

Parte baixa da Cascata do Avencal

A trilha é de nível leve, mas dependendo de como esteve o tempo nos últimos dias, pode haver pedras escorregadias. Ao final da trilha, a incrível Cascata do Avencal, vista de baixo. Se o tempo estiver bom, você pode até aproveitar para tomar um banho no lago que se forma ao pé da cascata.


A gastronomia de Urubici é única, e seus restaurantes, apesar de simples, oferecem pratos de altíssima qualidade, muito saborosos e com preços ótimos.

Agora que você já sabe o que fazer em Uribici, bora descobrir o que e onde comer?

Onde comer em Uribici

Zeca’s Bar

O prato mais típico de Urubici é a truta, que pode ser apreciada de diversas maneiras. Um dos melhores lugares para experimentar esse peixe tradicional de Santa Catarina é o Zeca’s Bar. Eu experimentei a truta ao alho, um prato muito bem servido e saboroso.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, onde comer em urubici, zecas bar, truta ao alho

Truta ao alho no Zeca’s Bar

E além da truta, no Zeca’s você também encontra pratos feitos, como arroz, feijão e bife, ou até pizzas, que é uma das especialidades da casa.

Posto Serra Azul

Sem exagero, esse é um dos postos de combustível mais legais que já vi. Já de cara você vê um carro antigo, com metade estacionado para fora e outra metade para dentro da conveniência do posto. O carro na verdade foi transformado e serve de caixa. Muito legal né?

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, onde comer em urubici, posto serra azul, sanduíche de truta

E além disso, toda a decoração é no melhor estilo americano, com placas por todo o lado e meses feitas com peças de carro. Tudo pra dar um charme.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, onde comer em urubici, posto serra azul, sanduíche de truta

A melhor parte, no entanto, é a comida. No posto Serra Azul eles vendem um delicioso sanduíche de truta, normal ou defumada. Eu fui no com truta defumada, acompanhado de uma boa cerveja artesanal da região.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, onde comer em urubici, posto serra azul, sanduíche de truta

Sanduíche de truta defumada. Uma delícia!

Pousada em Urubici

Não adianta você ter uma lista enorme dessa sobre o que fazer em Urubici se você não sabe onde vai se hospedar, não é mesmo?

Eu tenho uma boa notícia pra você: Em Urubici você vai encontrar ótimas opções de hospedagem.

Em fiquei da área de camping da Pousada Nossa Senhora das Graças, que oferece o tipo de hospedagem rural. A área de camping é muito bem estruturada, com cobertura, tomadas dentro da área coberta, chuveiros a gás e churrasqueiras.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, onde se hospedar em urubici, pousada em urubici

Foto: Pousada Nossa Senhora das Graças

Mas também há chalés muito charmosos na pousada, e confesso que deu uma vontadinha de me hospedar em um deles. São chalézinhos de madeira, muito bonitos e aconchegantes.

o que fazer em Urubici, SC, Santa Catarina, Serra catarinense, onde se hospedar em urubici, natureza, cachoeira, morro da igreja, pedra furada, onde se hospedar em urubici, pousada em urubici

Foto: Pousada Nossa Senhora das Graças

Há também um galpão, que abriga uma cozinha bem completa e área de lazer, com mesa de sinuca e tênis de mesa. Ou seja, tudo para sua hospedagem ser perfeita.

E tem mais! Acredita?

A Pousada Nossa Senhora das Graças é muito bem localizada, bem pertinho do centro, onde ficam os postos de gasolina, mercados e restaurantes.

Foto: Pousada Nossa Senhora das Graças

Jogando tênis de mesa na pousada

Pra mim, o atendimento é super importante, e nessa pousada esse ponto vai além das expectativas. A senhora que é dona da pousada foi muito gentil, ajudou com tudo o que pode e me recebeu muito bem!

Gostou dessa opção de hospedagem em Urubici? Você pode verificar os valores e disponibilidade clicando no botão abaixo.

Verificar disponibilidade


Pra não se perder ;D

Encontre no mapa abaixo a localização de todos os lugares citados nesse post.


Visite Uribici

Visitar Urubici é muito fácil, tranquilo e prazeroso. Além de tudo o que eu já mencionei aqui, a cidade é muito bem organizada e sinalizada, ou seja, é fácil achar todos os pontos turísticos mesmo sem um GPS.

Se você quiser ver tudo o que está listado nesse post, 3 ou 4 dias são o ideal, mas se quiser focar apenas nos mais famosos, sua viagem pode ficar com 1 ou 2 dias.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por Diego Minatel
      "No século XII, o geógrafo oficial do reino da Sicília, Al-Idrisi, traçou o mapa do mundo, o mundo que a Europa conhecia, com o sul na parte de cima e o norte na parte de baixo. Isso era habitual na cartografia daquele tempo. E assim, com o sul acima, desenhou o mapa sul-americano, oito séculos depois, o pintor uruguaio Joaquín Torres-García. “Nosso norte é o sul”, disse. “Para ir ao norte, nossos navios não sobem, descem.”
      Se o mundo está, como agora está, de pernas pro ar, não seria bom invertê-lo para que pudesse equilibrar-se em seus pés?"
      De pernas pro ar, Eduardo Galeano
       
       
       O nosso norte é o sul, Joaquín Torres-García
      Cheguei ontem pela madrugada em casa. Agora sentado na frente do computador sinto uma necessidade, quase insuportável, de contar sobre meu caminhar até o fim do mundo. Foram 50 dias de viagem e mais de 14.000km percorridos por terra. Entre ônibus e caronas percorremos o sul do Brasil e a Patagônia Argentina até Ushuaia, parando em muitos lugares nos dois países. O dinheiro era pouco, mas a vontade era muita. A necessidade que tenho de escrever deve-se as pessoas que de alguma forma nos ajudaram a realizar esta viagem ao extremo sul da América do Sul. Tanta gente boa pelo caminho. Tanta solidariedade. Tanta gratidão.

      Pela primeira vez, antes de uma mochilada, eu não estava completamente bem e seguro. Nos meses que antecederam a viagem estava escrevendo a dissertação do meu mestrado (isso, por si só, já era muita tensão) e nesse intervalo de tempo perdi meu pai, a mulher que aprendi a amar resolveu seguir sem minha companhia e quase antes de embarcar perdi minha vó. Como é de se imaginar, meu estado de espírito não era nada bom, na verdade era o pior possível. Com isso tinha muito medo de atrair coisas ruins pelo caminho, como por exemplo ser vítima de violência. Assim, resolvi mudar a ideia de mochilar sozinho e decidi ter uma companhia nessa viagem. Meu amigo/irmão Matheus embarcou comigo nessa jornada. 

      Enfim, tenho como intuito neste relato contar a história dos lugares por onde passei, minhas histórias nesses mesmos lugares e, principalmente, falar sobre as muitas pessoas (leia-se anjos) que nos ajudaram nesta viagem. Quero contar de maneira honesta os acontecimentos e os sentimentos que me permearam nesses dias, e de alguma forma quero deixar esse texto como agradecimento a cada pessoa que tornou essa viagem algo possível.
      Agora vamos ao que interessa, bora comigo reconstruir essa viagem por meio de fotos e palavras!
      Parte 1 - De Rio Claro até Timbó: o mesmo início de outra vez Parte 2 - A Serra Catarinense vista por Urubici Parte 3 - O casal das ruínas de São Miguel das Missões Parte 4 - Do Brasil para a Argentina Parte 5 - Buenos Aires, la capital Parte 6 - O começo da Ruta 3 e o mar de Claromecó Parte 7 - Frustrações na estrada e a beleza de Puerto Madryn Parte 8 - O anjo do carro vermelho Parte 9 - Cruzando o Estreito de Magalhães com San Martin  Parte 10 - Enfim, o fim do mundo Parte 11 - Algumas das belezas de Ushuaia Parte 12 - El Calafate, Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino Parte 13 - O paraíso tem nome, El Chaltén Parte 14 - A janela do ônibus Parte 15 - O caminho de volta: Buenos Aires, São Miguel das Missões, Curitiba e Prainha Branca Parte 16 - Reflexões
    • Por jpofreitas (GoTravel2Live)
      Uma praia que faz você se sentir transportado para Hollywood… Sim, em Santa Catarina temos aquela que o próprio nome já diz: Jurerê “Internacional“. A tão famosa praia catarinense no bairro de mesmo nome, onde você vai se sentir em Hollywood, isso porque o bairro é rodeado por mansões dos mais altos padrões da região. Ao caminhar pelas ruas luxuosas … Leia mais…
       
      http://www.gotravel2live.com/brasil/jurere-florianopolis/
    • Por Tadeu Pereira
      Salve salve mochileiros!
      Segue o relato com as dicas para fazer trilhas, cachoeira e conhecer três praias em um bate e volta de 2 dias bem perto da cidade de São Paulo. Este relato será baseado na minha última visita a Prainha Branca porém contém dicas e fotos de todas as vezes que fui neste paraíso!
       
           1º Dia: Ida - 29/04/18 - 11h00min - São Paulo x Bertioga x Guarujá - Metrô e Trem R$4,00 - Vans e Carros R$25,00 - Empresa de Ônibus Viação Breda R$26,00 - Camping Tabajara R$30,00
       
           Partindo de São Paulo do bairro de Perdizes, peguei o METRÔ de SP na estação Vila Madalena (linha verde) até a estação Paraíso (linha Azul) para baldear até a estação Sé (linha Vermelha) e depois até a estação Brás (linha Vermelha). Aguarda por alguns minutos pelo trem da CPTM com sentido a estação Guaianazes (linha Coral) onde acontece a troca de trens (se dirija ao primeiro vagão do trem, pois no desembarque você poderá ter problemas por causa do fluxo contrário). Feito a troca é só pegar sentido estação Estudantes (linha Coral) com tempo de aproximadamente 1h10min este primeiro trecho.  
           Na estação Estudantes existe um terminal de ônibus com passagens para Bertioga por R$26,00 e com tempo estimado em 1h30min. A linha é a Mogi x Bertioga e o tempo de descida depende de como está o fluxo do trânsito no dia. Em feriados prolongados e datas festivas acontece muito fluxo por essas estradas e o tempo de descida pode demorar um pouco mais para chegar até Bertioga, então fiquem ligados. No mesmo terminal assim que você sai das catracas da estação Estudantes de trem, algumas pessoas vão te oferecer o mesmo caminho feito por carros ou vans pelo valor de R$25,00 por pessoa. É só aguardar por alguns minutos até fechar a quantidade de um carro (4 pessoas) ou van (10 pessoas) que acontece a descida (nos feriados, reveillon e carnaval a espera é bem rápida pois muitas pessoas fazem este percurso, então vale a pena esperar). 

           Chegando em Bertioga fomos até a balsa para fazer a travessia até o lado do Guarujá, onde fica a trilha para a Prainha Branca. A travessia de balsa dura aproximadamente uns 15 minutos e chegando é só seguir poucos metros para o começo da trilha para Prainha Branca pois fica bem perto da balsa. A trilha de nível fácil hoje está calçada até a vila ficando de fácil acesso inclusive em dias de chuva,  dando um tempo de aproximadamente 10 a 20 minutos. 
       
           Pronto, chegando na vila da Prainha Branca onde tem toda infraestrutura da praia com padaria, mercadinhos, camping, pousadas e alguns restaurantes, tudo bem simples mas bem receptivos. Chegando na praia seguimos para o lado esquerdo e caminhamos por uns 10 minutos até o Camping Tabajara que fica quase no final da praia. Fechei o valor de R$30,00 por pessoa com banheiros, chuveiro quente, cozinha compartilhada (fogão, geladeira, mesa, cadeiras e alguns utensílios de cozinha), com Wi-fi  e uma bela área para acampar. O camping fica a poucos metros da praia então você dorme com o som das ondas a noite quando o silêncio do lugar prevalece. www.campingtabajara.com/  

           Acampamento montado, mochila guardada bora curtir o dia na Praia Branca. Como era um feriado prolongado e muitos iriam trabalhar na segunda-feira, a praia não estava nem muito cheia e nem muito vazia, estava meio a meio. Ficamos o resto do dia nesta praia com um por do sol nas montanhas fantástico com cores muito fortes e assim que o sol se foi uma Lua digna de uma pintura se levantou no céu ainda azulado. Ela parecia que nascia de dentro do mar iluminando cada vez mais enquanto se erguia no céu. Horas de contemplação para esse momento pois era de uma beleza única! 

         
       
         Fui informado que aconteceria um Luau na praia mais a noite, então fomos para o camping para pegar alguns drinks e bora pro luau que aconteceu no meio da Prainha Branca e foi sensacional, a lua iluminando toda praia ao som de uma banda que só tocava os sons que você mais gosta, foi muito boa a vide e o clima do pessoal.
          
       
      Na praia mesmo existem algumas barracas com porções de peixe, batata frita, calabresa, cervejas e drinks mas seus preços são um pouco salgados por estarem localizados na areia da praia, então vale a pena dar uma pesquisada antes. Após comer um belo peixe frito e tomar uma bela garrafa de vinho fomos para o camping descansar pois o dia seguinte teria que acordar cedo para fazer as trilhas para conhecer as outras duas praias e a cachoeira. 
       
      2º Dia: Volta: 30/04/18 - 21h30min - Guaruja x Bertioga x São Paulo - Metrô e Trem R$4,00 - Vans e Carros R$25,00 - Empresa de Ônibus Viação Breda R$26,00 - Almoço Restaurante Lipe Point R$15,00 a R$20,00
       
           Por volta das 6h00 da manhã com nascer do sol maravilhoso na Prainha Branca tomamos nosso café da manhã, aprontamos nossas mochilas com alimentos e água e bora trilhar. Andamos a Prainha Branca até o final e como ainda a maré estava baixa, teve a possibilidade de conhecer a ilha que fica bem pertinho da praia a pé mesmo atravessando pelo mar. Tem um trilha que corta a ilha atravessando do outro lado tendo uma vista muito linda. Voltamos e fomos em direção a entrada da trilha para a Praia Preta que fica no canto do último restaurante da praia. Ou se não encontrar é só perguntar pro pessoal do restaurante que te informarão onde fica. A trilha é de nível fácil também e leva aproximadamente uns 15 a 20 minutos até a Praia Preta. Quando estiver quase chegando, quando você conseguir ver e ouvir o mar, vai ser quando aparecerá uma bifurcação, vá para o lado esquerdo descendo a trilha, pois se continuar reto irá chegar na cachoeira que fica uns 20 minutos a frente.
         
      A cachoeira não é muito grande, mas da pra tomar um belo banho na sua queda para renovar as energias. Descemos a trilha e ficamos contemplando a Praia Preta que geralmente fica vazia pois não tem nenhuma infraestrutura na praia e nem se pode acampar por lei, mas algumas pessoas ainda sim acampam. Eu mesmo já acampei uma única vez na Praia Preta em uma outra vez  e fui surpreendido pelo helicóptero da Polícia Ambiental que desceram na praia e mandaram desmontar a barraca imediatamente ou seria multado pelo crime previsto na lei ambiental. Ficamos algumas horas na praia preta e de lá fomos para mais uma trilha, agora para a Praia do Camburi. A entrada da trilha fica no final da Praia Preta, é de nível fácil e leva uns 25 minutos até a Praia do Camburi. A praia é cortada por um rio de água doce que faz um contraste lindo com o mar. A praia também não tem infraestrutura nenhuma porém existe uma casa de um senhor que dependendo do seu humor ele pode te arrumar um lugar para acampar, tudo bem barato. Mas lembre - se, isso só acontece se o humor do senhorzinho que reside lá estiver bom rsss. Contemplamos por horas esse pedacinho de paraíso, como chegamos de manhã na praia, ficamos com ela somente para nós. Esta sensação de estar sozinho em uma praia é maravilhosa, te dá a sensação de liberdade! Ficamos horas nesta praia contemplando cada pedacinho de paraíso ali.
         
       

       

       


           Pra voltar para a Prainha Branca onde estava o camping é só fazer o mesmo caminho, não tem erro. Chegando na prainha branca almoçamos em um restaurante que fica nas pequenas ruas da vila chamado Restaurante e Pousada Lipe Point, pedi um tipo de prato feito que vem em um bandejão por R$15,00 a R$20,00. Barriga cheia e pé na areia! Fomos direto para a praia, dormi algumas horas de frente para aquele mar fantástico, com um céu azul, um sol lindo ai foi só encontrar uma boa sombra debaixo das árvores para algumas horas de sono.


      Corpo descansado ficamos por alguns estantes na praia até o anoitecer, quando recebemos de presente o nascer da lua ainda mais linda que na noite anterior. Ela estava fantástica iluminando mais uma vez toda a praia e a vila da Prainha Branca. Foi emocionante! 
       
          Após este presente da natureza retornamos ao camping para levantar acampamento e fazer a trilha de volta para a balsa para poder voltar a São Paulo. Assim que você sai do camping ao invés de retornar até a vila para fazer a trilha de volta, dentro do próprio camping já tem uma outra trilha que se encontra com a principal e corta um bom caminho, fazendo com que não tenha necessidade de andar nas areias com mochila nas costas, o que é muito cansativo. Então quando for sair do Camping Tabajara se informe com o proprietário do camping, o Marcelo, onde fazer a trilha para a balsa. A trilha é de fácil acesso e te leva até a trilha principal para retornar a balsa. Chegando na balsa é só aguardar alguns minutos para que a balsa possa ter o número de carros e pessoas para a travessia até Bertioga.

           Chegando em Bertioga é só caminhar até as feirinhas e perguntar onde fica os guichês da empresa de ônibus Viação Breda que sai de Bertioga até a Estação Estudantes pela Mogi-Bertioga. O valor da passagem é de R$26,00 e tem a duração de 1h30min dependendo do trânsito no dia. Sugiro que comprem as passagens de volta antecipadamente em feriados ou datas festivas pois corre o risco de acabar. 
          Chegando na estação/terminal Estudantes (linha Coral) é só pegar o trem sentido Guaianazes  (linha Coral), trocar de trem e pegar sentido estação da Luz, ai faz a baldeação para a Estação Paraíso (linha Azul) e de lá para a Estação Vila Madalena (linha Verde). Pronto nosso bate e volta de dois dias ao litoral saindo de São Paulo esta feito!
           Espero ter ajudado em algumas dicas e fico a disposição para qualquer dúvida. Vlw
       
       
      Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
      Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp
       
       
       
       
       
       
       
       
    • Por vilmarcoelho
      Olá pessoal! Meu nome é Vilmar Coelho, após muitas buscas não consegui encontrar um grupo de pessoas que gostem de Trekking.
      Então quem se interessa por esse tema por gentileza se manifeste. Sou apaixonado por treeking com pernoite em montanhas para apreciar a natureza. 
      Contatos:
      Site: https://vilmarcoelho.com 
      WhatsApp: 62992470363
      Instagram: @vilmarcoelho
      Facebook: https://www.facebook.com/vilmar85
    • Por Roberta Reis
      Mirante com vista para o Vale do Rio das Antas e para a Cascata Bordin. Localizado no Travessão Alfredo Chaves em Flores da Cunha. Para passar o dia, acampar e praticar esportes de aventura, como rapel e passeios de quadriciclo. Local com quiosque.
      Horário da temporada primavera/verão: todos os dias das 7h às 20h, e aos sábados durante o verão o Mirante e o quiosque ficam abertos até às 23h.
      Restante do ano: de terça a domingo das 7h às 18h.
      Informações: (54) 98147-9534.
       









×
×
  • Criar Novo...