Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Entre para seguir isso  
mcm

Foz do Iguaçu, em 3 diferentes momentos

Posts Recomendados

[2004]
A primeira vez que fui a Foz do Iguaçu foi em 2004. Foi no período que chamo de hibernação do meu instinto viajante, foi num raro momento que consegui tirar férias. Fui sozinho, fiquei lá uns 5 dias.

Fiquei no Paudimar, acho que era o único albergue na área naquela época. Era isolado, numa área rural, de modo que havia até um ônibus gratuito para a população pegar de/para a estrada. O fato de ser isolado praticamente empurrava todo mundo que estava hospedado lá a socializar, que é o que ocorria toda noite depois da janta. Galera ficava nos arredores da piscina bebendo e conversando. Dei sorte de ter pego uma galera muito bacana por lá no período, eu era o único brasileiro em meio a diversas nacionalidades. Lembro de um cara do País de Gales que era professor e tinha vendido a casa para viajar pelo mundo. Lembro de dois ingleses com quem ainda me encontrei no Rio posteriormente e com quem mantive contato durante alguns anos. Lembro de umas garotas irlandesas que falavam um inglês complicado de entender, toda vez tinha de pedir para elas repetirem (ou era socorrido pelos ingleses que as entendiam). Eram as únicas pessoas que eu não entendia. Toda noite era bem bacana por essa troca de experiências, era muito bacana ouvir as experiências deles nas viagens que faziam, o que achavam do Brasil, Rio, etc. Foi ótimo.

Além disso, é claro, conheci o que acho que havia para conhecer em Foz. Parque brasileiro, parque argentino, Parque das Aves, Itaipu, Ciudad del Este (sem compras!), Mesquita (fiz uma longa visita pré-agendada e particular, e foi excelente para eu desfazer resquícios de preconceitos e conhecer melhor a cultura islâmica; foi das coisas mais legais daquela viagem), zoológico público, rafting no Macuco, etc. Cinco dias foi tanto tempo que eu me lembro de passar uma tarde lendo no albergue.

Lembro do espetáculo para os olhos que foi ver aquelas cataratas pela 1ª vez. Fotos, vídeos, nada disso é como estar lá e ver com os próprios olhos. Sentir o vapor, os respingos, ouvir aquele barulho das águas, ver aquele volume de águas, aquela .
 

 
PvLrdOvzwvdgXZqjyfKNUIBzAZ3XSpGBfQ6zRasrgo2Bs8kOGjzqSiWHdDAOABAPHAcd4GUkbRD40-IAJ5Y6B-jHaI9F8q_QEm9K3sTKdZo69cGmZUN9y7mLtOS-YNFa8CHRC96REW79Wfv2KE8G5m3f3Jt4b8zZABjlQ9u2zBqrlJFxqmKllp4XwWKQ7qN3nD63yZrG9DMcGoPlF1b0EqYu5NUBIYR_gJ7siaXyB90tWfJpmwcAr9Peo1PSyE9U7S6UDm3ghKDEu8UDPigtn2J1por3-3TfGigtpBsZ3xDCnsGR4goZN86tb_6Ty5DehHImfdNagAGRb8DLjSmFMJRFELrgMhFfOSioX1lvFDtMG8gudCEfFaqEbHd0vSedep_W6H_xuwyjtm44RaLBnLz4WQxuu5a1dYwKteUcUGudpmX4RgiRQBhtkTd4NFRdMwFUDBgfw-0ufTcHoVYOv9TOMmpDNjwQA4bNEoj5EFYB5QrKebpR-yJWCfOBUNYDCe6i_adbWi-vay6Q5OTj9wgJvOP_mm1FzcBYCO9ngmsg55mKCErgwv3-D46ZJ23CfR3ej0PWyNFkuTlrxymdhOn_ZmAoJIhFUcWL63HP=w534-h259-no
ZM-t5i3fEuEOtLwUMhN0fOtPwMj7dGNsVuYYZ72Va-lj3yp-a2K5f9U6UAyclXA_NYpxdFaGGzjCNVbaR00fB2llY-_8BAFPweh86kYSv8xDr5bZWxG4JCwSklp4pZ-SvFgCGfxzehgc8WUWp0HWqoj7k3LtiHbya2jQ-HTF1A0qxdPdWQ2mJjVlGH1ND8_KqZlAgqm3FcC-PD7qSUQ3wOqJc3oh5B2uTReNMSQDUaWDIU6R-Pc62N2Qb34XKyIMtMjPfRAKT2h2mkcD3h_8yGSz4XLSKU4O3bZCBhZ5gKg64IazRpa8lOSvVD8D3eNT9YtlHZjpUtlVB4fXygwLhWsyv7TjzfzSurSm1vIqV1NA8Y4JIBSa9gvVvAUEUMB8dFuhRWJM79Xzu6wxufSjaV7BVsK6YsyhveU29Q6SZfoiitI4jmUUBjU2xva9-fJBvhKZ6caIiv3vbr9NCxk7_dzbabJWdYylY-In4S3QHTu7o-Gw8E4cZHKEAZ0PIKijWA1JOaC8aKHgTNtXlrz3RLqk-M8rksXLQA-zuC_khYTi4kjtI-Tj2RXqzIrsUrprH_FmcARAGbzJwYxUx538RZcGOL9pJjOGjHpOu-7t=w1024-h768-no
As Cataratas em 2004

Lembro de como visitamos o lado argentino. Era um ônibus particular de um argentino que fazia esse serviço para o albergue. Ele levava de manhã, organizava a parada toda na fronteira, e trazia no fim do dia. Ainda parava em algum canto de Puerto Iguazu. Mas a lembrança mais divertida era ele, naquele dia em que nos levou, zoando geral na Argentina pq o time dele tinha ganho na noite anterior. Provavelmente era Boca x River, mas realmente não me lembro. Sei que ele zoava até os policiais e caras da imigração, passava por eles buzinando e cantando vitória. E a galera recebia numa boa. Divertida e sadia, como deveria ser a rivalidade.

Lembro de como eu me senti bem fazendo o rafting pelo Iguaçu. Foi uma esbanjada na época, a segunda e última da viagem. Tinha sobrado orçamento, então decidi esbanjar no Macuco e escolhi o rafting. Já tinha feito o Gran Aventura (a outra esbanjada), então optei por um passeio diferente. A lembrança que ainda tenho descendo o rio nadando (depois do rafting tem um relax) ao redor do bote é deliciosa. (Era 2004, as câmeras digitais ainda eram relativa novidade. Não havia fotos na água como hoje.)


[2014]
Dez anos depois voltei. Fiz anotações na época, mas nunca publiquei o relato, então agora vai.

Soube que empresa para a qual eu trabalhava iria enforcar Corpus Christi. Entre as opções, acabamos escolhendo Foz do Iguaçu, que eu já conhecia, mas Katia não. Seria legal rever as coisas 10 anos depois.

No entanto, o Rio Iguaçu havia sofrido dias antes com uma das suas maiores cheias naquele período. O lado brasileiro tbm teve várias passarelas fechadas. Quando fomos, a cheia já estava diminuindo e os parques estavam abertos. Ainda assim, o volume de água estava muito alto, a água estava bem barrenta, e algumas poucas partes do lado brasileiro estavam fechadas. Do lado argentino o estrago foi bem maior: todo o circuito da Garganta do Diabo, principal atração do parque, estava fechado. Várias passarelas tinham sido destruídas pela força do rio. Outras partes do Circuito Superior tbm estava fechadas. Não ver a Garganta de fato diminui a experiência, mas o espetáculo da natureza no Iguaçu prossegue esplendorosamente espetacular.

Naquela vez optamos por passar duas noites em Foz e duas em Puerto Iguazu. Seria interessante conhecer a pequena cidade argentina, bem menor e mais pacata que Foz. Ficamos na Pousada Natureza Foz e na Iguazu Royal (ambas com custo-benefício muito bom na época). Era meio do ano, fazia frio. No feriado, fez bastante frio, chegou a bater 7 graus de noite. E dessa vez alugamos carro, optamos pelo conforto (e agilidade).

No 1º dia fomos para o Parque Nacional do Iguaçu, +- na hora de abrir. Deixei o carro em frente ao Parque das Aves e logo fomos abordados por alguém. Escolado pelo assédio constante da Índia (que havíamos visitado meses antes), já meio que repeli, mas o cara era um agente oficial de turismo (ou coisa parecida), deu boas informações. E nos vendeu uma capa de chuva bem guerreira (a um preço mais baixo que no parque).

Percorremos o parque todo, revi toda aquela maravilha, tomamos muito banho de água (gelada!) devido ao ainda alto volume, ao vapor.

bL_h2bIY38FaOVlrDlkAIfluupVU_2zERHdVjtdZkSmCXZZ_FwFBQKx9CNKQZs3371CgI54IW61hMfMDAIbSAWjtexS-frEUi8j5TttUJamnGyj2vH2KdfQLqv2HkyxUWHVlRzKqHXyMUYN1Ssu19haV9YNReKGxjTpNhlDwDcLo3EEtR4jXLV4JBZk4vZWVRcMZtvl-St8u0fB4u7-CtOsYTjY6MblYMQwnssCyAnXO10EX-8cai_XqXtuFuiTxJxORVOkF1IZ9JEiiZG-FTpJi4QwdXfnMiepT5j6jF-dF31xq9aDonp_X8l_8zpavKy327q9vj0WoHDlMibT9cx02hW6s2fzv7BbLXC2Enn5lDzzEigOJkKScq9_8VeroomhCMNXZlevYYf_wmOkbqvV6r6ZA1ufX5v8phnvqSO1Tq75FGEuGuPow4Pxge5lpDDfo6CfxwpTrGQh1BxzgLIUozSkqGN8JUhA958AYkLm7cJtSOzxaxp_l2fMLNfzPKsf2OpTZ5mIN7j-9gWmk1TAQjeY3iSw8bDJo8p1K9cEUPb5cGig1w8eU0wheV4JtpG3PCm3ooMvdApWmsY6w1GTjT1dVTjw4waIzOuuQ=w1923-h424-no
Era muita água

Fui conferir no Macuco se ainda havia o rafting que eu tinha feito dez anos antes. A galera informou que só o passeio de barco do Macuco que estava rolando, todos os demais estavam suspensos e/ou cancelados. A cheia devastou a plataforma de rapel, por exemplo.

Optamos pela aventura do Macuco. O passeio do lado argentino (Gran Aventura) me trazia ótimas lembranças, seria legal ver agora do lado brasileiro. E foi mesmo muito maneiro! Ainda que eu tenha ficado tremendo de frio com a água gelada no corpo. Teria facilitado MUITO se eu tivesse levado uma toalhinha para me enxugar!

VlOImWO-pTidwy7G2n6xL5yloWUqud-bl1o3T8CtAt88vwNk6Usb_C_Iw2OvNGbRUi2eupx3ALCs3JzqGtbC6cWqFXKSSl3lowjNz8FzMUp3E9OU-EwkIJO0fvsC7WtIkdSjpaP2_k5EVkE9g6SmmmbytYYL0w9iz7RTcUeHDGYoPAOQGk8cQ7ZqwTg6h17mhXrwH55scWCQlxlNJbDZtVY4IHN9MAX19chSMaG4B3_NZVVaOQobcKNR28f8VhYkS5VwYwagCQENAyRDWmnZqWlkaudmbInRBmY6URYmeijLsLqgz3VlPU03A7KdNPQqBJn5XyAMJ8WbEWpwiNpOmpRUk7M7Qe3tjJ-geYmh8vNsrSRO5wWB2z0nB8kDyEmx4OPC5zgQHw5j0xzleu9k7fNJ57DvfLJ35N_rmk715Qe7iJq1G1ELlmBmuJukUJbLQfSnf4EAd6ZnB3qqAQS8N-m7nskSG3NV7Mu7otl7bAA1NLUMKNRZCBOv0U0VOrv21HeOolyd0aLsporVvh7-qNZwAXdnaRp2HeW65qg_U1zRDGwD9P4k2PWOHaGRZjVaPV923HVBh4RT_G8FjeC7mpbHhXuFIQQAQ08Zk45B=w1239-h929-no
Macuco rumo ao arco-íris!

Encerrado o parque, fomos realizar o grande barato que tínhamos programado para a viagem: fazer o passeio de helicóptero. Caríssimo, sem dúvida. Se vc tem algum medo, entendo que é igual a mergulhar de muito alto: melhor não pensar muito. Ande, pule e pronto. Pague e curta. Depois trabalhe para pagar a conta do cartão. A memória será eterna. Ao menos enquanto durar – e a minha dura até hoje. Cada dia que passava nas semanas e meses seguintes eu tinha uma lembrança cada vez melhor daquele passeio, que dura míseros minutos, mas que sobrevoa as cataratas dos dois lados. Sublime. Tranquilo. Inqualificável. E o melhor: já nos esquecemos de quanto pagamos.

ds_yQkVAH7sWsNu3PuCvYvpmRyesN6jhiX5p0TNG4Jy-gzgNeyHzdVz6CDFHb9YU8q2cKLL4QLwUhWRnzwBYiHbay4lAs5FrhFceSRICtb22gNpwOVKYS7MehU7v8_t9MtVzMFFArpCh_kGSDi7F5wDyZ9nnyNHsDFZgdUMRyxhpTgUBNqNnvLUKYbbEn4SIo-6X9E6swqoBUSJYUmhS-ZDCh4IrDveMI3dkJ5WQsMCLCfemzz1QVxTd5SoKkatD8l1VfYtVBg3OZbq4lMFLyrhRdpymeq5mdZZV0hGpkgYmeonJ9Ro7z7PSUtu2UUdMSEEx3oz7Za-SKG2llWkB5Whxz7-8_YOHDlmdBFF_Q0EdybD5Na1IR8S3DPs1xojDAxfewi2DWdQ2goQtKSIcdCJA_xwSC-xD4Ws2BNYUDEJo9cjQcmFlcMVmkdidbU1ZTF8SZZdhzVcOcFfMwYePrsysalE8LoERFPbqMlgc4VhWHUhqftgXK2bx3iNyKeWhiTQxnbzi-nHjK18zUoTbncRAauIjVXytLJ2u1jVRtvMnczgQSFB0Jg8rRPhs7kie-uXFIwg7Se_dExWHCc1eyVTw4NcTQ4OyjA1SnkLx=w1239-h929-no
Inesquecível

Lembro que o que eu mais queria fazer quando acabou o voo era... fazer o voo novamente. Mas aí o bom senso prevalece, claro. Atravessamos a rua e fomos no Parque das Aves. 

Eu também tinha ótimas lembranças do Parque das Aves, mas achei que foi ainda melhor. Maravilha de lugar. Ficamos lá até o parque fechar e a galera nos intimar a sair. Era época de Copa do Mundo e, na saída, o Uruguai derrotava a Inglaterra.

Ou seja, num dia inteiro dá para conhecer o Parque, fazer o Macuco, sobrevoar de helicóptero e conhecer o Parque das Aves. Sem pressa, nem correria. Basta pular o almoço. (mas, claro, isso sempre vai depender do ritmo de cada um)

Encerramos o dia jantando muuuito bem na Vó Bertilla.

No 2º dia fomos cedo para o centro da cidade. Arrumamos um estacionamento por lá, negociamos o preço por algumas horas e rumamos para a Ponte da Amizade. Dez anos antes eu fui ao Paraguai para conhecer. Fiquei basicamente ali na entrada de Ciudad del Este, entrei em algumas lojas e shoppings e não comprei nada. Fui muito assediado nas ruas, me ofereceram até revólver (!!). Mas cruzei a ponte de volta sem nada comprado. É raro eu comprar coisas em viagem.

Dessa vez o espírito era semelhante, era mais para ver. Com a diferença de que eu queria e comprei um ipod, que tinha realmente bom preço por lá. Achei Ciudad del Este bem melhor daquela vez. Menos zoneada, menos gente assediando. Fomos, passeamos, curtimos, voltamos. 

[O ipod era original, mas durou pouco mais de 3 anos somente, o fone esquerdo pifou meses atrás. Fui na Apple, que me ofereceu trocar por outro (não consertam) por cerca de *800* reais. Deve ser mais barato comprar um novo, sem trocar. Enfim, adeus, ipod (e Apple). Comprei um sandisk por 200.]

Ainda conhecemos o Templo Budista. Esse era um lugar que eu não tinha ido da outra vez. Muito bacana, muito bem cuidado. Curtimos um bom momento. 

lWCb__PA2-9Nv0_fZZIArbB4irTa7z_bxUymQD4x9KdJ1pee-WI73y5vUvhKTdSknYZRU4e7OTF4IcaQL1IYCXlr9VrxeO9ASkLqTIzShP5sjiFJvTPA--cXQpCOdczLBaRm4BeJY0-wFNRUbpwd7Soz_JAb6OaJRLxDDRTprKP6dZs5Jals5P65T6xw0SI5bp-0w3p8TFPK-_ccIHocGX1ulfkWpEWPrbF9PNdQ2k5RK-sxuq31vvVR4aVfptt3T5OxVFFdmFigrtf-d3m1I2NGxIw9aA3fnCRT4QoZX6yeK05HHZw7uefFk4UBfItIqWqnPchx7jRjQeX_GSdIWYWQCBsUjb9DywuU0fCZvOHT1mPG1etzzC9cFBE7Ez6-HxuS-arLrYinDdqMdWbtdFG8Ar7ytcGR4CnYCVOhEJVP0zNpooc2hz_VNgm8i4kYwu5fNt-X6gYV6bDQxm5umf6vwpDuNoEXe4REczrBUsCPLS8YYSBOPOxl_MEXWH_aSSw2POIOLWfQ9JgqkB14TvK7tmiJqcYmQO4C4e-YzrKxMWQuNalvcHcBIiEX3fwg39Up9FsVNIlg5ZEWttV_KZCA97053Bncs6I96wAU=w1239-h929-no
Templo budista em Foz

Katia não tinha interesse em visitar Itaipu e eu já tinha ido da outra vez, então descartamos. Próxima parada era a Mesquita Muçulmana. Dessa vez, no entanto, a mesquita estava fechada para visitas naquele horário. Apenas observamos de fora.

Já era meio de tarde e já não havia mais o que fazer em Foz para o que havíamos planejado, então partimos para Puerto Iguazu. No caminho passamos no Marco das Três Fronteiras, que estava bem vazio. Pareceu meio largado.

Sair do Brasil é mole, não houve qualquer barreira. Entrar na Argentina é mais sacal, tem de abrir a mala, ficar na fila para passaporte etc. Mas não durou tanto. Ainda passamos no badalado Duty Free, que não achei nada de mais. 

Em Puerto Iguazu, fizemos nosso check-in na pousada e ficamos batendo perna pelo centrinho, conhecendo a pequena cidade. É pequena, beeeem menor que Foz. Aconchegante. Fomos no bar de gelo Icebar Iguazu, que é bem divertido. Você fica uns 20 minutos lá dentro (é frio pacas, não dá pra ficar muito mais que isso, mesmo com o casaco que eles dão) e pode beber à vontade. E se divertindo com o gelo e tudo mais.

SZQx3ChIkbaPxu2iKTlW9vctiRHOO9c2WCtApj5WJallkSn_lVk-_A3Of8DyB0ymhPblALMJgw1WaREYk4tZKp2WI6A3pxNQPV8n1BwSWed2JrbcZwp0TCEHFBhug5p9JZTa57r4dKPbuNWA29thbqhi7Kd4INmqncZwQkKeHp5e7jeIUOVGTNaesIASyZyYE4RAS5hHvaQYZjRs00-zgIsbzwEaA1G9zw3OD_PqOI5BOnRNdlCCi7Qoo0_xTBQZPsco4xYoKuJ_8G_O3oaJp7-Cino8BECQmKH8OrEXRESbBX7FEfkakItZXkO_xE82F4xG-UPunA_Nx3Bw7ANh4FSZcT5BcrgtQb2FEOMV0Xky41JPi5-lYhcogOiyL_B3T0CGZGtrKjW9XFut2kBH1O_-eCiu4s0MoWnPiPBursDp8RD9RgoMEHHOrsWlROS7MdcuEq4LCQfvUqY-i0MEBG62sVQMpykUIVcF-mMqjNOFq8xmPon7_Zl9Mm0uLOIOt-qlVuOTMtkGtpejroqg61cNId0QfthUIJllAflDhcTnE2yr34r3HQS3OMPHR2Focr1an2m3pgTO58VFCW0wxWrCBNMPCUiUMwGNrSse=w1239-h929-no
Relax no gelo

O 3º dia foi dia de conhecer o parque argentino e lá fomos cedo pela manhã. Mesmo cedo pela manhã já havia um monte de grupos organizados (o que acaba impedindo o livre trânsito nas passarelas) – acho que deve ser melhor na hora do almoço. De qualquer forma, nos saímos bem, percorremos todas as passarelas abertas daquele espetáculo. Lamentavelmente diversas passarelas, incluindo todo o circuito da Garganta do Diabo, estava fechada por conta da destruição da cheia. Curtimos o que foi possível. 

JWW9rw1MLnoxguE--AiPW05rvNQaxFGnINFjxypkgoV9UHbt8W4tnjLMgTF4_ZsJ2u-2JWnHmzuBO32gXRKp6vEs8cqz8fsTQ0nF1vJ5Xb-eWoqmwJOpD-3tA4AWy4t5sPiyw5cmntQBfqXDjYlg7Yjhno4hpYA7_C42Ftqz0i9RDy5UNY92vV2WUBKmCQPl6finh0fUCgmLXM4clhIeCDBRmqQCvAdxcJkp8AEDzYhgTGbDJf6ODKXb9lRdV5-FGjWsbZRSYblWW0X719Jq32-6ebi4mBSDv30G546yTZ48RdP4ME0GFYVH7ExcBi_9uoz_gYNk_HiEdPnzPkZlv8A3mKSJ5zGcT68MXHpaFO16zNDirt3psRPnbBH6SHNnxke1MBjGUvv1F2ektwzRU0pPr-Gh0ZdaEv5JY7YDAzvrtMxPaYX7FIXQ8keZ2lD1zSfmQw8OaRIE61hvvokEHE0xQvbknx1IdHNwiCklH7qUEUF6SWL6Dq_dSypFiUeoGLhLHxAqQJ51qgcTZCpPSD2i8GyB6VnaI95PY4uLWSMjhL-Bjv_4cb6y2W07qoNNIgZnJ6b_E-NokoADyySBJZxBe4m1As3MIuXeE3c=w1488-h560-no
As águas barrentas pós enchente em 2014

Com tempo de sobra, fomos fazer a trilha do Salto Arrechea, que era algo que havia me faltado dez anos antes. Foi legal. Na volta, chegamos a tempo de ver o final do jogo entre Argentina e Irã, quando o Messi fez o gol da vitória nos minutos finais. Festa argentina na Argentina!

Rumamos de volta a Puerto Iguazu e vimos que rolava uma festa local em função do jogo. Uma ou duas ruas estavam fechadas e a galera se divertindo. Uma das ruas fechadas chamava-se Av. Brasil! Muita gente celebrando tomando vinho, e não cerveja.

No 4º e último dia fomos conhecer o Marco das Três Fronteiras argentino. Não há muito o que inventar com essa coisa de marco de três fronteiras, mas o do lado argentino naquele ano era muito superior ao brasileiro. Em termos de acesso, manutenção, atratividade, etc.

Dentre as atrações que havíamos listado, fomos conhecer Guira-Oga. Foi muito interessante. Não é um zoológico, é um abrigo de animais que são encontrados. Atropelados, mal tratados, ilegalmente vendidos, etc. Ótima visita. Fomos guiados por um argentino que já viveu em diversos cantos no Brasil, então ele sempre conseguia traduzir para o português o nome dos bichos de que falava. Mas o tour era em espanhol, numa boa.

Almoçamos em Puerto Iguazu mesmo, e confirmei minha impressão geral dos restaurantes badalados de lá: todos bons, mas em Buenos Aires comemos melhor e por menos. Seguimos de volta para o Brasil para nosso voo de volta. Ainda passei no albergue Paudimar para rever o lugar, dez anos depois. Estava vazio quando entrei, mas foi muito bacana rememorar.
 

[2017]
Desde nossa ida a Foz do Iguaçu em 2014 que ficou no radar de voltar lá. A cheia da época trouxe limitações em ambos os lados. Faltou sobretudo a Garganta do Diabo. Enfim, rolou promoção para Foz, com voos diretos e ótima logística, e compramos. Foi para o começo de dezembro. Dessa vez um simples fim de semana (e é suficiente!).

Chegamos a Foz na sexta-feira de noite. Ficamos dessa vez no Blue Star II, com uma ótima promoção pelo booking de 80 reais a diária. Hotel bem simples, custo-benefício excelente. Aproveitamos para curtir um pouco a noite ao redor tomando umas cervas no Guns’n Beer. Boa vibe. Fazia muito calor em Foz naquele fim de semana.

O plano dessa vez era um dia inteiro para o lado argentino e outro dia inteiro para o lado brasileiro + Parque das Aves.

Sábado acordamos cedo e partimos logo depois de um rápido café. Saímos do hotel umas 7:30. O parque abre às 8hs. Tinha a dica de fazer câmbio na casinha onde vende a carta verde, no acesso para a Argentina. De fato, o câmbio por lá é bom. Estava pouco mais de 5 por real e 17 por dólar (especificamente no dia 09/12/2017). Trocamos 250 reais. A entrada no parque para cada um e estacionamento já somam a bagatela de quase 200 reais (400 ARG para cada para entrar + 100 ARG para estacionar). Trocamos 50 a mais para comprar água e etc no parque. Dados os preços, teria sido consideravelmente melhor levar água. Não comprei carta verde. Ultimamente todos dizem que é necessário em qq ocasião, mas entendo que só precisa se vc entrar mais de 50km na Argentina. Em 2014 não comprei, e ficamos 2 dias em Puerto Iguazu. Não comprei dessa vez tbm. E nunca me pediram por lá.

A saída do Brasil na fronteira foi sem qualquer checagem. Seguimos direto. Entrada na Argentina foi rápida tbm. Tinha uma pequena fila, mas acho que não levou nem 10 minutos. Identidades, “vamos somente ao Parque e voltamos hoje mesmo”, cadastra, ok, liberado. Aduana idem, nem inspeção teve dessa vez.

Já dentro da Argentina vimos uma fila monstra que se fazia para quem saía de lá. Looonga, bem longa. Deu medo de ter de encarar aquilo na volta.

Já dirigindo em direção ao parque... vi que o celular marcava 7 e pouco da manhã. Putz! Esqueci do fuso! O parque só abre às 8, eu achava que chegaria lá um pouco depois disso. Enfim, chegamos antes de abrir. De qq forma, a estrutura já está pronta, estacionamentos funcionam, alguns funcionários já estão lá. Alguns grupos chegam antes tbm. Bilheterias abriram um pouco antes.

Assim que entramos, fomos direto para o trenzinho para ir direto para a Garganta do Diabo. Foi o que nos faltou da última vez, era o que queríamos conhecer. Fomos nós e todo mundo daquela primeira leva. Trenzinho saiu lotado.

Fazia um lindo dia de céu azul, e muito calor. Foi assim por todo o fim de semana. Obrigado, São Pedro!! Fomos andando pelas passarelas até chegar no mirante da Garganta e curtir toda aquela grandiosidade. Subia um vapor forte que nos molhava de vez em quando. Molhava, mas não encharcava. De modo que era tranquilo prescindir de capa de chuva. O vapor refrescava, na verdade. O vapor tbm impede que se veja o fundo da Garganta, tamanha é a quantidade de água descendo ali. Curtimos aquele lugar durante um longo tempo, em cada canto, por mais de uma vez. Mais que bonito, é grandioso demais. Pássaros voam nos arredores e entre as cataratas. Helicópteros sobrevoam. E a água segue. Voltamos.

Voltamos, e pegamos o trenzinho de volta. Próximo passeio foi o Circuito Superior. Outro que tinha alguns acessos fechados em 2014, algumas passarelas tinham sido danificadas pela enchente. É redundante chamar de espetáculo o que se vê nas Cataratas do Iguaçu. O circuito é uma agradável caminhada por passarelas e sucessivos mirantes de cataratas, cachoeiras, saltos, rios e etc. Cada um mais belo que o outro.

Completamos o circuito, fizemos uma pequena pausa para reidratação, e seguimos para o Circuito Inferior. Outro redundante espetáculo. O que víamos de cima, agora vemos de baixo. E não necessariamente as mesmas coisas, mas há interseções. Completamos e retornamos para a área de comidas, para mais um relax. Lembro que foi lá que vimos o gol do Messi em 2014. Não eram nem 14hs ainda. Ou seja, 6hs para conhecer, e bem, o lado argentino. 

Um lugar que eu queria conhecer, mas acho que nunca vi aberto (realmente não me lembro de 2004) é a Isla San Martin. Do que eu vejo de longe, parece fechado há tempos. Mas esqueci de perguntar.

Depois de uma nova pausa, tínhamos a opção de refazer uma trilha do Salto Arrechea, mas achamos que não valia a pena. E Katia não queria fazer aventura náutica nenhuma.

Então decidimos voltar à Garganta para ver novamente aquela imensidão, agora com outra luz. E lá fomos. Muito menos gente no meio da tarde. Muito mais quente. Bem menos vapor. Se as passarelas estavam molhadas de manhã, agora estavam secas. Curtimos ainda um bom tempo e encerramos nossa visita.

25018331_791125451075267_7674967448256249856_n.jpg
24838648_149998122307792_6691842695398162432_n.jpg
25006981_188014941777989_888071719233781760_n.jpg
O lado argentino

Ainda paramos em Puerto Iguazu para um almojanta, que reconfirmou minha percepção de anos antes: é bom, mas em BA é melhor e mais em conta.

Retornamos para Foz. Nada daquela fila monstra para sair da Argentina. Amem! Saímos rapidamente, nem fila tinha. Ainda perguntei para o cara da imigração sobre isso, a mega fila de manhã, se era galera indo para o Paraguai (?!), mas ele disse que não fazia ideia do motivo. Na entrada do Brasil, passamos direto novamente. Ainda ficamos de relax no Falls, uma área aberta de lanchonetes em estilo foodtruck antes de voltar e dormir.

Domingo saímos um pouco mais tarde, direto para o Parque Nacional do Iguaçu, lado brasileiro. Tinha uma mega fila para comprar ingressos. Mas havia indicações para comprar nos totens de auto-atendimento, com cartão. Lá fomos. Tinha fila também, mas muito menor. Compramos e entramos. Tinha fila para pegar o busum, mas andava rápido, saía um ônibus atrás do outro. Era outro belo dia de céu azul.

O ingresso do lado brasileiro é beeem mais em conta que no lado argentino.
Brasil = 36 BRL
Argentina = 400 ARG = aprox. 80 BRL

As coisas dentro do parque tbm são mais em conta no Brasil, ainda que caras. Mas já compramos algumas garrafinhas de água no lado de fora (3 por 5!).

Pelo que vi em cartazes dentro do Parque, agora o Marco das Três Fronteiras é pago. Não era das outras vezes em que fui. Nunca achei nada de mais por lá, custo a crer que valha a pena agora. Mas não sei as atrações que criaram para cobrar ingresso. Cheguei a pensar em ir lá no dia anterior para o ver o pôr do sol, mas deixei passar. 

De ônibus o habitual é descer em frente ao Hotel das Cataratas, que é onde começa a trilha até as cataratas. O impacto é crescente, vc vai chegando cada vez mais perto das quedas. É o jeito adequado de se conhecer aquele espetáculo, parando pelos mirantes ao longo do caminho. No entanto, como já conhecíamos, optamos por descer no final, no restaurante, e fazer o trajeto inverso. Do ápice para o começo.

A área do restaurante estava vazia. É bacana ver o alto do rio, antes das quedas, ainda aparentemente calmo. O mirante da Garganta do Diabo, do lado argentino, ali do outro lado. Fomos então no sentido inverso, e aproveitamos que o mirante do elevador panorâmico estava bem vazio. É um ótimo visual dali do alto. Observa-se as passarelas, as quedas e etc.

Fomos nas passarelas, que estavam fechadas quando fomos anos antes. Havia vapor, mas nada que encharcasse. Novamente achei que era desnecessário ter capa de chuva (fora do parque vendiam capas por 6 reais). Curtimos um longo tempo. Acho que o visual do lado brasileiro permite ver melhor o cânion que é formado pela Garganta do Diabo.

Depois seguimos a trilha no sentido inverso. Era domingo, havia muita gente. Em sua ampla maioria, grupos de excursão com crachá de identificação no peito e/ou seguindo o guia de bandeirinha ou guarda-chuva para o alto. No lado argentino tbm tinha muita gente.

25010541_912013402281612_2600646201451741184_n.jpg
25008870_392616391177906_71270193388584960_n.jpg
O lado brasileiro

Desconheço Parque Nacional brasileiro melhor estruturado do que o do Iguaçu. Aliás, custo a me lembrar de algum PN brasileiro que chegue perto em termos de organização e estrutura. Também desconheço um Parque Nacional que tenha mais visitantes que lá. Ainda assim, entendo que destratamos nossos vizinhos próximos, que são, de longe, os principais visitantes estrangeiros do Parque: o áudio do ônibus é em português e inglês somente.

Além disso, presumo que o país perde provavelmente uma boa receita com a exigência de visto – presumo que muitos turistas estrangeiros que estão no lado argentino deixam de visitar o lado brasileiro por conta da exigência de visto. Mas essa é outra (e longa) história.

Encerrada a visita, pegamos o ônibus de volta e fomos para o Parque das Aves. Acho aquele lugar muito bacana. Entrada mais cara que o Parque: 40 BRL. E muitos bichos para curtir lá dentro, muito bem organizado e tratado. 

Eram pouco mais de 16hs qdo encerramos nossas atividades do dia. Nosso voo era somente às 19hs e alguma coisa, então dava tempo tranquilo para um clássico almojanta. Das dicas nos arredores que tínhamos, fomos conhecer o Recanto Gaúcho. Chegando lá, fomos informados que o almoço já tinha encerrado, então partimos para o plano b, que foi o Cantinho da Lasanha, lugar simples e saboroso que nos satisfez bastante. De lá fomos para o aeroporto.

E assim foi mais um fim de semana revendo algum lugar pelo Brasil!
 

Dicas gerais sobre Foz:
- Tem 2 dias? Um dia para o lado argentino, 1 dia para o lado brasileiro + Parque das Aves (e ainda dá para voar de helicóptero!).
- Tem mais dias? Tem Itaipu (hoje tem muito mais atrações do que quando fui), Templo Budista, Mesquita (verifique horários e como visitar). Tem atrações em Puerto Iguazu. E agora tem Museu de Cera em Foz (não fui). E tem Ciudad del Este.
- Ciudad del Este é um mercado brasileiro no Paraguai, para brasileiros. Se vc for a Assunção, verá uma vibe completamente diferente.
- No lado argentino, entendendo que o ideal é deixar o principal para o fim, então deixe a Garganta do Diabo para o fim.
- No lado brasileiro, desça do ônibus na altura do hotel das cataratas (salvo engano, é a parada da Trila das Cataratas), e siga a trilha.
- Eu acho muito bacana os passeios náuticos, seja o Macuco brasileiro, seja o Macuco argentino. Escolha um e seja feliz. Mas tenha em mente que vc sai encharcado: o barato dos passeios é justamente chegar bem perto das cataratas (das menores, claro). E no inverno a água é gelada.
- Verifique o fuso horário da Argentina, para vc não chegar antes de o parque abrir!
- Carta verde? Vários dizem que precisa para entrar na Argentina. Nunca comprei, nunca precisei. Fiquei 2 dias em Puerto Iguazu uma vez, com carro alugado no Brasil. E fiquei um dia inteiro no Parque agora. Salvo engano, precisa de carta verde se vc for 50 km adentro em território argentino. Se quiser comprar, vendem a 50 reais.
- Faça câmbio antes de chegar ao parque argentino, só aceitam cash e moeda local para pagar a entrada e estacionamento. Lá dentro aceitam real e dólar a um câmbio justo. Em Puerto Iguazu o câmbio dos restaurantes é variado, verifique antes.
- Fui em alguns dos restaurantes badalados de Puerto Iguazu e acho que, embora bons, não compensam. Acho que como melhor e por menos em Buenos Aires. E em Foz. Mas muita gente discorda de mim, então essa é uma avaliação bem pessoal.
- Tem promoção de pagar metade no 2º dia, se vc ficar 2 dias no parque argentino. Eu não vejo motivo para 2 dias no parque, salvo se for para repetir passeios, ou fazer todos os passeios cobrados à parte. No meu ritmo, conhecemos todos os circuitos (com calma e muita contemplação) em cerca de 6hs.


 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O Marco das Três Fronteiras passou por uma ampla reforma e ficou muito bonito, tem um restaurante excelente lá, que ao por do sol é simplesmente fantástico, inclusive alguns shows noturnos para os turistas. Valeria a pena ter ido, a administradora é do Grupo Cataratas.

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por Danilocnavarro11
      Já pensou em ir pra Ushuaia sem gastar 1 centavo com hospedagem e viajando a maior parte do tempo de carona?
      link do vídeo 1 da viagem no youtube: https://youtu.be/GpeOd9NBSKE
      Foi o que eu e minha namorada fizemos. Saímos do interior de SP com o único objetivo de chegar a Ushuaia aproveitando ao máximo o caminho. Sem muito dinheiro, precisávamos economizar de todas formas disponíveis. Os maiores gastos geralmente são: 
      A hospedagem, o transporte e a alimentação. 
       
      Para a hospedagem levamos uma barraca e usamos o couchsurfing. 
       
      Para o transporte pedimos carona ao longo de toda Ruta 3, o que nos rendeu experiências incríveis e amizades inesquecíveis.
       
      E para a alimentação simplesmente cozinhavamos sempre que possível e muitas vezes nossos anfitriões faziam comidas incríveis para a gente. Também pedimos frutas em hortifrutis (detalhes no texto).
       
      Nosso primeiro destino foi Foz do Iguaçu. Optamos por ir de avião para lá, pois no fim das contas sairia muito mais barato do que ônibus, além de mais rápido. Chegando lá a gente se hospedeu pelo couchsurfing com a María e seu gato Naru. Que foram muito receptivos. O couchsurfing é uma plataforma para pessoas apaixonadas por viajar que gostam de compartilhar suas experiências e ajudar o próximo. Se ainda não usa, procure para sua próxima viagem. Conhecer as pessoas locais dessa forma deixa tudo na viagem mais orgânica e imersiva. Ficamos uns cinco dias em Foz e depois partimos. 
      <iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/GpeOd9NBSKE" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe> Em Buenos aires novamente utilizamos o couchsurfing. Foi bem fácil encontrar hospedagem por lá. Quem nos hospedou foi a Eliana e sua família. Foi tudo tão bom que em poucos dias já nos sentíamos parte da família. Ela tinha aquele jeito mãezona, que nos deixa aconchegado e bem a vontade. Entre as conversas com eles, nos falaram e ressaltaram do frio que iria fazer em Ushuaia, pois o inverno estava chegando. E do quão mal equipados estávamos. Aliás, se fôssemos comprar tudo que aconselhavam para o frio intenso de lá, não nos sobraria um tostão para viajar. E além de uma bota de cem reais que achei na decatlhon, fomos apenas com o que já tínhamos. Na ignorância de dois Sorocabanos que mal conhecem o frio e que o mais perto de neve que já tinham visto era o gelo que acumula no congelador. Mal sabíamos que além de toda a beleza da neve, ela também pode doer. 
       
      Aqui vale ressaltar uma recomendação muito importante: Jamais, mas jamais vá de jaqueta de couro para Ushuaia ou para qualquer lugar frio. É simplesmente estúpido. Você vai sofrer. E no caminho tem cidades piores que Ushuaia. É frio, e venta muito no caminho. Então seja sensato, e gaste um pouco mais com uma boa blusa impermeável, térmica e sei lá mais o que. Se proteja do frio. Ele dói e a neve machuca! A gente precisou comprar lá em Ushuaia. 
       
      Voltando a Buenos Aires, demos uma volta por lá e a Eliana nos mostrou um pouco da cidade. Depois fomos a Puerto Madero, a Casa Rosada e outras partes turísticas da cidade que todo mundo já conhece. 
       
      Aqui vale dar outra dica importante também para alimentação. Em tempos de crise, ou como eles chamam na Argentina, Macrise, desperdício de alimento é de partir o coração. Então deixei a vergonha de lado, e como lá são muitos os hortifrutis e suas frutas estragam quando não são vendidas, amadurecem e vão direto para o lixo, e entre essas frutas têm muitas partes boas e comestíveis, resolvi tentar pedir, como diria em castellano, se eles não poderiam ajudar um casal de viajantes sem muitos recursos, mas com grandes sonhos, a nos darem “unas frutas más maduras”, e todas as vezes as respostas foram positivas. E na maioria das vezes conseguiamos umas frutas boas. Além da economia, a parte mais bacana disso e das caronas é sair da mesmice, da sua zona de conforto. Se abrir para novas possibilidades, sem julgamentos e confiar no simples altruísmo das pessoas. Isso nos dá certa motivação, sabe. Que o mundo pode ser um lugar bom.
       
      Então se você tem uma vontade de viajar, mas não tem muita grana, não tem problema, é importante, antes de mais nada, querer. E simplesmente ir. 
       
      Depois relato mais. Mas basicamente fomos depois para Bahia Blanca, Viedma, Puerto Madryn, Trelew, Comodoro Rivadavia, Rio Gallegos e Ushuaia.
       
      Infelizmente peguei um vírus que encriptou todos os vídeos da viagem e tô bem bolado com isso. Então será só esse vídeo mesmo. Mas logo faço de outros lugares. Estamos fazendo um canal, e tô querendo ir subindo bastante conteúdo de viagem
       
      Tô fazendo uma página no insta também junto com minha namorada que me acompanha nas loucuras. Ver se consigo produzir vídeos e quem sabe viajar de graça futuramente haha 
      https://www.instagram.com/viajandomais_/
       
       





    • Por fore
      Introdução
      Planejei uma viagem de carro saindo de São Paulo, capital, com destino ao Ushuaia, saindo do Brasil por Foz do Iguaçu, porém, para evitar a Ruta 14 com medo dos policiais corruptos, entraria no Brasil novamente em São Borja/RS para chegar em Uruguaiana/RS e assim descer até Gualeguaychu pelo Uruguai. Em seguida seguir para o lado oeste e descer a Ruta 40, entrar em Torres del Paine no Chile e continuar descendo até o Ushuaia.

      Na bagagem: barraca Quechua Arpenaz 4.1 Fresh & Black, duas cadeiras de praia, um fogareiro Nautika ceramik, uma mesa portátil, colchão inflável de casal, um saco de dormir, um cobertor, tapete em EVA (aqueles de montar) e manta térmica para forrar o chão da barraca. Além de utensílios de cozinha, um cooler, grelha para churrasco e uma caixa de mantimentos básicos como macarrão, miojo e alguns temperos.
      A barraca é grande, espaçosa e bem simples de montar (são apenas 3 varetas assim como qualquer outra). No quarto cabe o colchão de casal e sobra espaço para mais um de solteiro, como não era o caso, era usado para guardar as mochilas.
      O fogareiro acho que foi a melhor aquisição que fiz. Achei muito bom e a lata de gás durou por uns 3 dias com a gente. Fomos com 12 latas pra lá, porque eu não sabia o quanto rendia. Sobrou bastante e de qualquer forma, a gente encontrava facilmente em supermercados por lá.
      Fomos em 2 pessoas, com um Peugeot 208 1.5, suspensão esportiva (mais baixa que a original), rodas aro 17 com pneus 215/45 e insulfilm g20 em todo o carro, inclusive parabrisa. (Só mencionei isso pelo fato de ainda haver dúvidas quanto ao tipo de carro que consegue fazer esse tipo de viagem).
      Comprei o chip da EasySIM4U para conseguir sinal de internet no celular (somente dentro das cidades tinha sinal).
      O caminho todo me guiei pelo Google Maps, meu carro tem a central multimídia com Android, então bastava eu compartilhar a internet do celular e tudo certo (pelo menos quando tinha sinal).
      Para procurar hotéis usei o Booking.com (consegui pegar bons descontos com o Genius) e para campings usei o iOverlander. Apesar de ajudar muito, o iOverlander é um pouco desatualizado, infelizmente a colaboração não é tanta no aplicativo. Existem muitas outras opções de campings no caminho que a gente acaba encontrando só depois de ter dado entrada em algum.
      No total foram 14.730km em 28 dias de estrada, sem nenhum perrengue ou problemas maiores.
      Obs:
      - O tempo de viagem relatado é o total do tempo do momento em que saímos de um hotel/camping até chegarmos no próximo destino. Contando as paradas na estrada.
      - Os gastos coloquei na moeda local, pois fica mais fácil caso alguém precise consultar em outro momento para ter uma noção melhor de custos.
      - A viagem inteira abasteci com gasolina/nafta super.
      Se quiserem me acompanhar no instagram: @fore.jpg
    • Por Leonardo Palestini Soares
      A história da minha viagem para a Patagônia, na verdade, começa um pouco antes. Em Junho de 2018 decidi que faria uma viagem para o Chile e, de cara, já fechamos que seria em Santiago. Talvez por um pouco de inocência ou falta de experiência, não havia pesquisado nada sobre Santiago até então. Sabia das estações de esqui, mas nada que fosse muito além disso. Logo depois de fecharmos os aéreos e o apartamento que alugamos em Santiago, fui pesquisar sobre os possíveis pontos de passeio e aventura que me interessavam no Chile, e foi aí que comecei a conhecer a Patagônia. Todos os pontos legais que via na internet ficavam na Patagônia Chilena. Mas como minha viagem era só de 8 dias, sem chance de fazer esses dois roteiros nesse prazo. Enfim... Fomos pra Santiago e prorrogamos o roteiro PATAGÔNIA.
      Já com aqueles cenários na cabeça, resolvi marcar uma outra viagem, dessa vez de moto, onde faríamos a patagônia até a famosa Ushuaia. Juntamos os amigos interessados na viagem de moto e combinamos a primeira reunião. Já nessa primeira conversa vi que a maioria tinha maior interesse em fazer o norte do Chile, o atacama para ser mais específico. E vi também, que mais uma vez, a viagem para a Patagônia estava sendo prorrogada.
      Poucos dias depois dessa reunião, estava em um bar com um grande amigo e comentei com ele que a viagem de moto, ao invés de ir para o Sul, foi alterada para o Atacama. Foi quando ele me fez o derradeiro convite:
      - Eu estou programando uma viagem de carro para o Ushuaia no final desse ano com saída após o natal. Está indo só eu e a namorada. Bora?
      Nisso a cabeça já pirou... Seria a tão esperada Patagônia em um prazo próximo a 6 meses. Depois desse primeiro convite, todas as minhas pesquisas na internet eram sobre roteiros na Patagônia. Fechado! #PartiuPatagônia
      Conversamos mais algumas vezes, e montamos um roteiro base que serviria para a nossa viagem. A idéia era descer pela Ruta 3 até Ushuaia e retornar pela Ruta 40, fazendo trechos da cordilheira até Bariloche.
      Então é isso... Chegou o natal e partimos para a nossa expedição Patagônia. Na festa de confraternização da família, bebi mais que deveria, e fui passando mal de Divinópolis/MG (cidade onde moro) até próximo à divisa de São Paulo, quando paramos numa farmácia e tomei dois comprimidos de um “qualquer coisa” que o farmacêutico receitou.
      Dica 1: Não faça uma viagem de carro de ressaca. A ressaca no carro é potencializada exponencialmente!
      1º e 2º Dia
      Nosso primeiro dia de viagem foi de Divinópolis/MG até Foz do Iguaçu/PR. 1365km. Chegamos já era bem tarde, por volta das 22h, e fomos direto para um apartamento do AirBNB que eu tinha reservado. Já no primeiro dia, o primeiro “desencontro”: O carro não cabia na garagem do condomínio. No anúncio do AirBNB, marcava estacionamento incluído. Só esqueceram de mencionar, que tem estacionamento para carros pequenos. Como estávamos em uma caminhonete e ainda tinha barraca de teto, não permitiam nem que tentássemos colocar ela na mini vaga. Conversamos com a anfitriã do apartamento e ela conseguiu uma outra vaga que coubesse a caminhonete. O AP era até razoável. Quente como um forno e sem ar condicionado, mas para quem já tinha viajado 1365km direto, estava excelente.
      No outro dia cedo em Foz do Iguaçu, Romulo (meu amigo e parceiro de viagem) tinha uma revisão agendada para o carro e, aproveitando esse tempo extra, fomos as compras no Paraguai (O lugar mais caótico em que já estive), e deixamos a parte da tarde para conhecer as Cataratas. Ele já conhecia, mas eu e minha namorada não. Sensacional! O volume de água que desce naquelas cachoeiras é impressionante, além do parque ser muito bem estruturado. Vale a visita!
      Saímos do Parque Iguaçu e voltamos para o apartamento para arrumarmos as coisas, já que no outro dia, entraríamos na Argentina.




      3º Dia
      Saímos de Foz do Iguaçu e a nossa ideia era chegar à Lujan (aquela cidade do zoológico famoso). Mas essa era só nossa intenção mesmo rsrs, porque na verdade, o dia foi muito cansativo, muito quente, e na parte da tarde vimos que viajar até Lujan era forçar demais a barra. Enquanto descíamos rumo à Buenos Aires, fui pesquisando áreas de camping e foi aí que tive a brilhante ideia de ficarmos numa cidade que se chama Gualeguaychú.
      Quando pesquisei, vi uma área de camping próximo a um rio e tudo parecia tudo muito lindo, tudo muito certo. Fomos até a área de camping e ela, apesar de não ser nem próximo ao que mostrava no Google, era razoável. Tinha uma praia que dava acesso ao rio, os banheiros eram aceitáveis, enfim... Ficamos. Acho que foi a pior decisão de toda a viagem.
      Logo de cara, como o dia estava muito quente, já fui pra praia dar um mergulho e... Espinho no pé. A areia ficava só na margem. Quando íamos entrando no rio, virava uma lama suja e, para sair dessa lama, seguindo mais pra frente, espinhos. Uma enorme moita de espinhos escondida dentro da água. E não era só uma. Pra todo lugar que eu fugia, mais espinhos! Desisti de nadar no rio com 3 minutos. Acabaram os perrengues? Nada disso.
      Voltei pra perto da barraca e começamos a fazer a janta. A temperatura devia estar próxima de uns 85 graus Célsius. Um calor sem igual. Nem o nordeste brasileiro tem aquela temperatura. E como o ambiente já estava agradável, chegou nada mais, nada menos, que uma enorme núvem de pernilongos que decidiu ficar por ali até irmos embora. Mas por favor, não entendam que eram só alguns pernilongos. Era pernilongo que não acabava mais!!! Eu tenho costume de acampar bastante em Minas Gerais. Sempre tem alguns insetos. Mas os pernilongos de Gualeguaychú eram fora do comum. Resultado: Fiquei nesse calor infernal, com blusa de frio por causa dos pernilongos até a hora de dormir. Fomos deitar por volta de meia noite e acordamos as 3 da manhã. O calor era demais, não tinha condição de continuar ali. Desmontamos o acampamento e seguimos viagem.

                                                                                           Nessa foto, os pernilongos ainda não haviam chegado.
      4º Dia
                      Saímos de Gualeguaychú e continuamos rumo ao sul. Nesse trecho a paisagem muda bastante. Até próximo a Buenos Aires, descendo pela província de Entre Rios, a estrada passa por muitos rios e áreas alagadas. Depois disso, começa a ficar muito seco. Raramente se vê rios ou lagos.
                      Já no fim da tarde, ainda traumatizado com Gualeguaychú, fui pesquisar mais uma área de camping. Dessa vez, decidimos fazer um Wild Camping. Sem estrutura, sem nada. Seria só nós e a natureza. Vi pelo aplicativo IOverlander, um local para camping próximo ao mar. No app, informava que era uma bela praia e com sorte, veríamos uns flamingos no entardecer. Essa área de Camping ficava em Las Grutas, mais especificamente na Playa De Las Conchillas. Decidimos que seria lá mesmo. O ponto marcado no aplicativo ficava próximo a algumas dunas, e logo ali, depois das dunas, uma paisagem incrível. Um entardecer maravilhoso, e agora, já não sei se por sorte ou oquê, lá estavam os flamingos. Uma cena que vai ficar guardada na minha memória. Pôr do sol, flamingos, praia deserta... Maravilhoso!
      Da estrada, onde estava o carro, não se via a praia. Então resolvemos montar nossas barracas em cima das dunas para que pudéssemos ver o nascer do sol no dia seguinte. E assim foi... Começamos a montar nossas barracas enquanto as namoradas iam adiantando nossa janta próximo ao carro. Depois da barraca já SEMI-pronta, voltamos para o carro para buscar o resto dos equipamento (sacos de dormir, isolantes, travesseiros, etc...). Quando chegamos onde estavam as meninas, encontramos um casal da Colômbia que já estavam viajando por 11 meses e que pretendiam atravessar todo o Brasil antes de retornar à Colômbia. Ficamos ali conversando com o casal e simplesmente esquecemos das barracas. Eles viajam num carro da Chevrolet, meio que um jeep... Difícil até tentar explicar como era o carro. Nunca vi nada parecido na vida. Todo quadrado, antigo... Acho que é uma mistura de Jeep Willis com Fiat Uno. Mais ou menos por aí. Depois de muita conversa, cerveja e da nossa janta, peguei meus equipamentos para terminar de montar a barraca.  Subi as dunas, olhei para um lado... olhei para o outro... Cadê as barracas?
      Nesse momento não sabia se ria, se chorava ou se sentava e simplesmente contemplava o “nada”. Rsrsrs. Agora, já olhando em retrospecto, chega a ser engraçado. Mas na hora, rolou um semi-desespero. Voltei para o carro para avisar que as barracas tinham “saído para passear”. Era difícil até acreditar no que estava acontecendo, todos nós tínhamos experiência com camping e havíamos deixado as barracas soltas na areia. Burrice né?!?!
       Pegamos as lanternas e fomos tentar procurar as barracas.
      Como é uma praia deserta e não havia nada por perto, a chance de ter sido roubada era pequena. Então, ela só podia ter sido levada pelo vento. Essa era a primeira vez que sentimos um pouco do vento Patagônico. Voltamos para a praia, agora com as lanternas, e láááááá na frente, dentro do mar, estavam as barracas. O mar nesse local é bem raso. Durante uns 500 metros ou até mais, a água se mantém no joelho. Deve ser por isso que os Flamingos gostam dessa praia. Enfim: Saí eu, pulando caranguejos, até chegar na barraca e resgatá-la. Como o vento da Patagônia já é famoso, e eu já tinha lido vários relatos de barracas que quebravam com a força do vento, havia levado uma barraca extra. Salvou!!! Dica nº 2: Nunca deixe sua barraca, nem por um segundo, sem ancoragem. O vento lá é inexplicável!
      Obs.: Nem sei se precisava dessa dica né?! É muita inocência.
      Tirando toda essa aventura da barraca, o local escolhido para o camping foi ótimo. A noite foi tranquila, já estava muuuuito mais fresco que Gualeguaychú e o nascer do sol do dia seguinte foi realmente incrível.
       
                                                                                                           Estrada de acesso a Playa de Las Conchillas

                                                                                                                      Nas lentes de Romulo Nery.  

      5º Dia
      Logo depois de apreciar o nascer do sol, tomamos um rápido café da manhã e já voltamos para a estrada. Algumas horas depois, já estávamos chegando a Puerto Pirámides, a cidade base pra quem vai fazer o passeio da Península Valdez.
      Essa península é famosa pela vida selvagem. É um reduto de baleias francas austrais, Orcas, Elefantes Marinhos, Pinguins, e mais um monte de espécies. Infelizmente não fomos na época ideal para observar as baleias (parece que elas ficam até início de dezembro e depois vão rumo a Antártida). Mas em compensação, era a primeira vez que víamos de perto pinguins e elefantes marinhos e foi uma experiência incrível. Eu imaginava que veria os pinguins um pouco mais de longe, mas lá eles ficam, literalmente, do lado das passarelas. Rolou ótimas fotos.
      Saímos da Península Valdez e continuamos nossa viagem até a cidade de Trelew, a cidade onde foram encontrados os fósseis do maior dinossauro do planeta. Logo na entrada da cidade tem uma réplica em tamanho real do dinossauro. Bem interessante. Mas só paramos para uma foto com o Dino e já fomos procurar algum lugar para dormir. Nesse dia dormimos em um posto de combustível que não me lembro se era Axion ou YPF.


       
      6º Dia
      Esse dia foi só estrada. Saímos de Trelew e reta... reta... reta... reta... Guanaco... reta... reta ... reta. A paisagem não ajuda em nada nessa região. É tudo muito igual. Dirigimos o dia todo até começar o pôr do sol, que nessa latitude já era por volta das 22:30horas, talvez até mais. Não me lembro bem.
      No final do dia havíamos chegado em Rio Gallegos. Uma cidade bem estruturada, com Carrefour, lojas grandes, etc. Como no dia seguinte iríamos começar a série de Aduanas e imigrações, e também sabíamos que não é permitido entrar com frutas ou carne no Chile, fizemos tudo que havia de comida na geladeira da caminhonete e fomos dormir. Novamente em um posto de combustível.
      Em Rio Galllegos também encontramos com alguns brasileiros que rumavam a Ushuaia e estavam super empolgados, pois se tudo ocorresse bem nas fronteiras, passariam o réveillon em Ushuaia. Esse também era nosso objetivo.
      7º Dia – 31/12/2018
      Acordamos bem cedo nesse dia e já começamos nossa pernada final ao Fim do Mundo. De Rio Gallegos até a primeira fronteira (Argentina/Chile) é pertinho. 65 km.
      Fizemos nossa primeira fronteira com o Chile, cruzamos o famoso Estreito de Magalhães, e depois de algumas horas, estávamos na Argentina novamente.
      Cruzar os Estreito de Magalhães é super simples nesse ponto. Tem várias balsas (se não me engano são três) que ficam o dia todo fazendo esse translado. Da balsa ainda conseguimos ver um Golfinho de Commerson. Ele é tipo uma mini orca, branco com preto. Bem bonitinho.

                                                                                                                      Chegada ao Estreito de Magalhães
       
      Atrevessar o estreito de Magalhães é bem interessante, não pela travessia em si, mas por estar em um lugar que foi tão importante para a história das navegações.
      Depois de cruzar o estreito, fomos direto para o parque Pinguino Rey, porém como era uma segunda feira, estavam fechados.
      Spoiler Alert: Não desistimos de conhecer esse Parque por causa desse imprevisto, inclusive conhecemos ele depois, porém na volta de Ushuaia, pois passaríamos por ali novamente.
      Mais alguns quilômetros e chegamos a mais uma fronteira (Chile/Argentina). As fronteiras de saída do Chile e entrada na Argentina são sempre mais fáceis. O Chile é muito rigoroso com na entrada. Já os Hermanos argentinos não costumam olhar muita coisa. Você simplesmente faz os procedimentos na imigração e Aduana e está pronto. Segue a viagem.
      Depois que fizemos essa última fronteira, já nos alegramos, pois daria tempo de chegar em Ushuaia para o Réveillon.
      A paisagem continuava a mesma. Retas, guanacos e mais nada. Passamos por Rio Grande e só depois, já chegando em Ushuaia a paisagem realmente começou a mudar. Já começavam algumas curvas, começávamos a ver as montanhas ao longe, alguns bosques com árvores retorcidas e agora voltávamos a ver os lagos... Muitos lagos.
      Quanto mais se aproximava do Fim do Mundo, mais a paisagem se transformava. Só quando estávamos a uns 50 kms de Ushuaia que começamos a ver realmente as famosas paisagens que antes havíamos visto pela internet. Picos nevados, grandes bosques, um imenso lago na entrada da cidade e lá estávamos. Finalmente no Fim do Mundo! O clima não estava colaborando com a cidade. Estava uma insistente chuva fina e, nessa chegada, nem reparamos muito na cidade. Já chegamos procurando algum lugar para repousar a noite. Como era réveillon, todos os hotéis da cidade estavam lotados! Os que ainda tinham vagas, cobravam preços absurdos. Já era de se esperar né?!
      Réveillon, 20h, e ainda não tínhamos nem ideia de onde iríamos. Romulo, meu parça de viagem, olhando no AirBNB, encontrou uma pousada próxima do centro. Pousada Los Coihues. Essa pousada é de uma brasileira do Rio Grande do Norte, muito engraçada. Ela já mora em Ushuaia há mais de 20 anos e até hoje ela mistura português com espanhol. Não dava pra entender direito. Não que o espanhol dela seja ruim, mas é que na mesma frase ela usa as duas línguas... Aí complica! Hahahahahaha
      Só jogamos as coisas no quarto e fomos para a recepção procurar alguma recomendação de restaurante. Estávamos a procura da famosa Centolla. Essa Centolla é aquele caranguejo da Discovery (Pesca Mortal). Só existe no extremo norte ou extremo sul do pacífico.
      Dica nº 3: Nunca vá com fome comer uma Centolla!
      Fomos para o que parecia ser o único restaurante da cidade que não precisava de reserva. Resultado: Fila enorme na porta, um vento gelado lá fora e para piorar a situação, estávamos morrendo de fome. E é aí que entra minha dica número 3. A Centolla é uma delícia, porém éramos quatro pessoas. Todas famintas. A coitada da Centolla só tem 8 patas. Logo, cada um ficou com duas patinhas. Além disso, pedimos um lombo para caso o famoso caranguejo não fosse gostoso. O problema é que demorava muito para sair o jantar. Comemos o caranguejo, comemos o lombo, comemos a batata que acompanhava, enfim... comemos tudo o que tinha pra comer, comemoramos o ano novo com cerveja artesanal, mas a verdade é que voltamos pra pousada com um pouco de fome. Valeu a experiência? Demais!

                                                        Centolla


       
      8º Dia
      No primeiro dia do ano de 2019, estávamos começando a nossa empreitada pela famosa Ushuaia. Saímos da Pousada e fomos para o centro da cidade fazer a famosa foto na placa do Fim do Mundo. Essa placa fica próximo ao porto de onde saem os barcos que fazem os passeios de navegação pelo Canal Beagle. Depois de registrar a chegada na placa do fim do mundo, deixamos a cidade e fomos ainda mais ao sul, para o Parque Nacional Tierra Del Fuego.
      A entrada do Parque fica bem próximo da cidade e o custo para entrar é de 490 pesos (uns 50 reais). A estrutura que tem nesse parque é incrível: várias áreas de camping (se não me engano são 3), um centro de informações ao turista com cafeteria e lanchonete, e o principal: todo tipo de trilhas para quem curte fazer trekkings. Trilhas que contornam lagunas e sobem cerros, trilhas à beira mar, enfim... Um paraíso para quem tem essa intenção no parque.
      Em nosso primeiro dia dentro do parque, montamos nosso acampamento numa área próxima ao Rio Ovando, e já pegamos nossos equipamentos de trekking para começar as caminhadas. Fomos à Laguna Negra, à uma Castoreira, à uma trilha que liga o camping no final da Ruta 3 (Ruta essa que pegamos lááááá próximo a Buenos Aires) e o principal do primeiro dia, na minha opinião, que foi o trekking ao final da Bahia Lapataia.
      Só de estar ali, numa Bahia do Fim do Mundo, já era indescritível... A sensação de estar em um dos pontos mais austrais do continente já é legal demais. Estávamos só nós 4, o mar, montanhas nevadas, um bosque ao lado.... Quando de repente aparecem duas focas ou lobos marinhos – não consegui identificar – e ficaram ali, nadando à nossa frente, mergulhando e atravessando algumas algas da bahia. Pareciam estar, ao mesmo tempo, procurando alguma comida e se divertindo na superfície.
      Esse, pra mim, foi outro momento indescritível da viagem que recebi como um presente de Ushuaia para nós. Gratidão!
      Depois de uns 40 minutos por ali, saímos da Bahia e voltamos para o camping para fazer nosso jantar e descansar um pouco. Nesse primeiro dia fizemos aproximadamente 14 km de trekking.
      Uma coisa que esqueci de relatar aqui, é que o clima no Parque Nacional Tierra Del Fuego é bem doido. Em questões de horas e, por vezes, até minutos, pegávamos chuva, sol, vento, e até neve. Tudo isso junto! Em todos os dias que estivemos no parque passamos por todas as intempéries. Não houve nem um dia sequer que não tenha nevado. Para nós, isso era um divertimento. Mas acredito que pra quem mora lá deva ser chato demais. Hahahaha

       
                                                                                                                                        Rio Ovando


      9º Dia
      Depois de termos visto as focas na Bahia Lapataia e ter passado pelas trilhas incríveis do primeiro dia, a empolgação com o parque estava a mil. Estávamos ansiosos por começar mais um dia de trekking por lá.
      O casal da Colômbia (aqueles que encontramos no dia que perdemos as barracas) havia comentado conosco que já tinham passado por Ushuaia e que no Parque Tierra Del Fuego, haviam feito uma trilha que chegava ao topo do Cerro Guanaco, e super indicou que fizemos esse sendero também.
      Pois bem... Se nos foi indicado, bora pro Cerro Guanaco.
      Saímos do acampamento e, nos primeiros 4 kms, a trilha é bem tranquila. Vai beirando a estrada principal do parque, passa pelo centro de informações ao turista e segue até o mirante do Lago Acigami. Depois desse ponto é subida, subida, subida e mais subida.
      A primeira parte começa com as subidas por dentro de um bosque, onde não se tem muito visual. As árvores, que são bem grandes, cobrem a paisagem, mas ali dentro, formam também sua paisagem própria. Minha namorada começou a sentir ali, que a trilha ultrapassava os limites dela. Ela insistiu e continuamos subindo, subindo, subindo, até que chega em um Charco - Uma enorme planície alagada que fica depois dessa parte de bosque. Lá ela sucumbiu! Disse pra eu continuar a subida, que ela retornaria para o centro de informações e me aguardaria por lá.
      Tomada a decisão, nos sentamos um pouco e fizemos um rápido lanche antes que ela retornasse. Continuei a subida em direção ao cume do Cerro Guanaco e dali pra frente a paisagem é outra. Parece até que são planetas diferentes. Uma enorme subida de pedras sem nenhuma árvore, um vento muito forte e mais próximo do topo, mais neve! Do Charco até lá, foram, mais ou menos, uma hora e meia de caminhada em um ritmo forte. Lá de cima o visual é incrível!
      Retornamos ao camping e descansamos. Nesse dia deve ter dado por volta de 15 kms de trekking.
      Continua...


       

    • Por brunocsl
      Por Lid Costa
      Fala viajante, tudo bem? Você sabia que Foz do Iguaçu é um dos destinos mais turísticos da região Sul?! Pois é, eu passei alguns dias lá e no post de hoje vou compartilhar com você o que fazer em Foz do Iguaçu em 4 dias. São 10 programas imperdíveis para você curtir a cidade!
      Foz do Iguaçu está localizada no estado do Paraná, bem na fronteira com o Paraguai e a Argentina. A maioria das pessoas a conhece por causa das Cataratas do Iguaçu, mas lá tem muito mais coisa pra fazer além das Cataratas.
      # Como chegar em Foz do Iguaçu
      Você pode chegar de carro, ônibus ou avião. Eu estava em Curitiba e fui para Foz de carona, pois a passagem aérea e a de ônibus estavam bem caras. Dessa forma, procurei no site do Bla Bla Car uma carona, que saiu a metade do preço do ônibus. Foram 640 km percorridos em 8 horas.
       
      Leia o post completo em https://partiuviajarblog.com.br/o-que-fazer-em-foz-do-iguacu-em-4-dias/
       

    • Por RoxaneOliveira
      Olá, pessoal!
      Alguém que tenha ido para Jujuy partindo de Foz do Iguaçu de ônibus pode me informar a viabilidade do Seguinte roteiro?
      19/06 - 23h (Véspera de Corpus Christi)  
      ✈️Chegada a Foz do Iguaçu para dormir;
      20/06 - Cataratas Brasil;
      21/06 - Cataratas Argentina;
      22/06 - Parque das Aves e outro passeio não definido;
      23/06 - partindo de CDE para Encarnación (Ruínas San Ignacio);
      24/06 - Encarnación x Asunción (aproveitar o entardecer;
      25/06 - Asunción;
      26/06 - Rumo à fronteira da Argentina e depois Corrientes. 15h 🚍;
      27/06 - Corrientes x Jujuy 🚆;
      28/06 - Jujuy x Tilcara, curtir o vilarejo;
      29/06 - passeio para Salina Grande;
      30/06 - Passeio para Montanha de Siete Colores;
      01/07 - Passeio para Quebrada;
      02/07 - passeio para Salta;
      03/07 - Saída cedo para Puerto Iguazu 30h de Viagem 🚌
      04/07 - Retorno para Foz do Iguaçu e partida para o Rio ✈️
      Sei que não é o suficiente e que faltaria muitas coisas, mas gostaria de saber se o essencial já atende. Foto para chamar a atenção e interessados 😂😂😂



×
×
  • Criar Novo...