Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Mochilão Clichê pela Itália e Paris - Junho/17 - 12 dias (Fotos, Dicas e Valores)


Posts Recomendados

  • Membros

Oiii pessoal!!

 

Entre os dias 12 e 24 de Junho/17 estive pela Europa, fazendo o roteiro super clichê: Roma, Verona, Veneza e Paris. Como foi minha primeira viagem à Europa e fui total Alone rsrs esses lugares não podiam ficar de fora.

Meu roteiro ficou assim. Espero que ajude!

12/06 – Rio de Janeiro – Roma

19/06 – Roma – Verona

20/06 – Verona – Veneza – Paris

24/06 – Paris – Rio de Janeiro

 

Transportes

Aéreo

Ida: Rio x Roma                Volta: Paris x Rio

Total: R$ 3.810,53

Voei com KLM com escala em Amsterdam, só tenho elogios a fazer, staff deles é excelente. PS: comprei a passagem bem em cima quase um mês antes da viagem, devido minhas férias só tem sido confirmadas tarde pela empresa, por isso paguei caro. Mas comprando antes estava saindo bem mais em conta.. uns R$ 1.000 de diferença aproximadamente.

 

Veneza x Paris (Air France) – R$ 335,85

 

Trem (Trenitalia http://www.trenitalia.com/). Se for viajar em alta temporada prefira comprar as passagens pelo site antes de sair do Brasil. Lembrando que passagem compradas online não precisam ser autenticadas nas maquininhas nas estações.

Roma x Verona – R$ 129,24

Verona x Veneza – R$ 53,74

 

Seguro Viagem

Mondial Travel - cotacao.mondialtravel.com.br/Seguro-Viagem

Plano Europa Top 

Valor: 229,11

 

Internet

Eu preferi sai do Brasil já com um chip internacional, optei pelo chip de dado da Easysim 4 U, internet excelente em todos os momentos, não houve um momento da viagem que fiquei sem sinal. Vale a pena para usar um GPS para se localizar. Site: http://easysim4u.com/

 

Orçamento

Li em muitos blogs sobre o valor a ser levado, e a média diária ficou entre 70 / 80. Eu levei um total de 1600, por precaução e porque sabia que ia acabar fazendo umas comprinhas. acabei voltando com 550 e olha que teve dias que gastei bastante. :D

 

Hospedagem

Fiz toda a reserva pelo Booking. Site: https://www.booking.com/s/11_6/1b3ec5f3

 

Imigração em Amsterdam

Como viajei em período em que a Europa estava passando por vários ataques terroristas, a imigração estava bem chata. Vi um casal sendo encaminhado para uma salinha e só pensei “Jesus abençoa”! Mas enfim, o agente focou em perguntar porque estava sozinha e onde iria e tal e porquê, não pediu nenhuma comprovante de passagem, estadia, ou dinheiro.. enfim nada. Mas tinha tudo comigo, porque vai que né?!

 

Roma

Ahh ROMA.. como te amo!

Cheguei no aeroporto Fiumicino a noite e fui seguindo a sinalização até chegar na estação de trem que liga a Roma Termini, fui de trem Leonardo Express que é o meio mais rápido de chegar ao centro, valor: €11. A validação do bilhete comprados nos guichês tem que ser feita nas maquininhas verdes espalhas por lá. Caso tenha dúvida peça ajuda. GENTEE tem que validar, pois a fiscalização passa sim para verificar seu bilhete, e se não tiver validado, adeus €50! Em todas minhas viagens de trem passaram pelo menos um fiscal. Outra opção de transporte é o ônibus da Terravision que te leva até a estação Termini também, valor: €5. Você pode comprar o bilhete em uma máquina automática, mas tem guichês de atendimento também. No aeroporto, aproveitei para comprar o Roma Pass de 72 horas por € 38,5, valeu super a pena para mim, pois na entrada das atrações tinham duas filas uma só para o Roma Pass e outras para bilhetes normal, mas a Roma Pass estava sempre vazia e ele ainda me dava acesso ilimitado ao metrô durante o período de validade o que ajuda na hora de voltar para o hostel depois de andar tudo! rs

 

Hospedagem

Fiquei no Hostel Santa Maria Maggiore, bem lindo, nem parece hostel. Fica entre o Coliseu e Termini, a 3 minutos a pé da Basílica Santa Maria Maggiore. Não tem café da manhã, mas tem frigobar em todos os quartos e possui uma cozinha superequipada. O melhor de tudo para mim foi que o Atendente Gioseppe falava português e me deu ótimas dicas de lá. Dois detalhes que quero frisar aqui é, primeiro o ar condicionado lá era excelente, estava muito quente pois era quase início de verão por lá, e isso contou muito, e o segundo é que fiquei em quarto misto com outras 5 pessoas, e teve dias que só tinham homens dividindo o quarto comigo, e vou te dizer.. me senti muito segura e respeitada (quem chegava altas horas da noite depois de uns drinks era eu, e os meninos já estavam todos dormindo. Kkk) mas embaixo no relato de Paris entenderam o porque desses detalhes terem sido importantes para mim.

Valor:  6 diárias - €246

Roteiro

Dia 1

Comecei meu dia pelo Coliseu, um dos monumentos mais famosos do mundo, construído por ordem do imperador Vespasiano e concluído durante o governo de seu filho Tito, e durante décadas serviu de palco para gladiadores que lutavam entre si ou com animais para um público com mais de 70 mil romanos.  O coliseu era um anfiteatro da época e seguiu como símbolo de entretenimento durante 400 anos. Atualmente, o atrativo abriu inúmeras zonas do anfiteatro que até alguns anos tinham acesso proibido aos turistas. A visita as ruínas do Coliseu é um passeio obrigatório a todos os turistas que visitam Roma. Existe uma fila exclusiva para quem tem o Roma Pass, cheguei por voltas das 10hrs e não enfrentei fila nenhuma 😊. De lá siga para o Foro Romano que fica bem próximo. A dica para quem não comprar o Roma Pass ou ingresso online é inverter a ordem e começar a visita pelo Foro Romano e depois seguir para o Coliseu, pois dessa forma enfrentará filas menores que se formam no Coliseu para comprar o ingresso.

Lá no Coliseu conheci uma Belga e andamos juntas por lá (ajuda na hora da foto, rs). De lá fomos ao Foro Romano. E gastamos toda nossa manha lá. O Coliseu e o Foro Romano abrem todos os dias das 08:30h até uma hora antes do pôr do sol. Seguimos para a Piazza Venezia onde fica o  monumento Nazionale  a Vittorio Emanuele II, não entrei, mas tem como subir no terraço panorâmico que conta com um bar com vista da Via del Fori Imperiali. Para subir de elevador paga-se 7.

20170614_082943.thumb.jpg.bd71c00666e3e7d8ecdb5f22f9e1bbea.jpg

Coliseu ::love::

20170614_090013.thumb.jpg.c27843c6d9c6446d41b6039785bfb6e3.jpg

 

 

20170614_095638.thumb.jpg.ed3fc13cb89b46ccdb7f0586d0e96b77.jpg

Foro Romano

 

20170614_102917.thumb.jpg.c66b65f5dc7abc8a4d6da11060ed6e22.jpg

Monumento Nazionale  a Vittorio Emanuele II

 

Hora do almoço e fomos almoçar no restaurante que o Giuseppe indicou e fica perto do Coliseu chamado La base, fica na Via Cavour 270, lá se pode comer uma massa por uns 6 / 7 e é deliciosa.

Voltei ao hostel para um banho, pois estava muito quente. A tarde peguei o metrô na estação Termini e fui até a Piazza di Spagna que estava lotada, como estava muito Calor não aguentei subir as escadarias que levam até a Igreja. Depois de algumas fotos, segui para a Via del Corso fazer umas comprinhas e acabei fazendo amizade com duas Brasileiras, fomos juntas em algumas lojas e partimos para a Fontana de Trevi, que Fonte é essa Brasil? Você está lá.. andando pela ruela papeando quando PÁ! Aparece a Fonte toda branquinha e imponente. fiquei boquiaberta com a beleza.. pausa para fotinho e claro tive que jogar minha moedinha na fonte. Reza a lenda que se jogarmos uma moeda na fonte voltamos a Roma um dia, lembrando que o ritual exige que a moeda seja jogada de costas, com a mão direita por cima do ombro esquerdo. Espero sinceramente que funcione pois fiquei apaixonada por esse lugar. Todos os dias as moedas jogadas na fonte são coletadas e doadas a caridade. De lá fomos tomar um Gelato na famosa sorveteria Venchi, que maravilha de gelato, vocês têm que ir, tem várias espalhadas pela Itália. Já noite, voltamos a Piazza di Spagna e fomos jantar no Ristorante de Fronte A e voltei para o hostel.

20170614_170715.thumb.jpg.9586e490ee46f2923cd7b71e84578a38.jpg

 Piazza di Spagna

 

20170614_195805.thumb.jpg.e75f552893fc33776cf6b1513aa24bce.jpg

Fontana de Trevi

20170614_200440.thumb.jpg.8b9d32ca8e949e159cd736a80e87d622.jpg

 

20170614_194312.thumb.jpg.a9e48956733aecac11f8b90e5800e1e9.jpg

Parede de chocolate dentro da Venchi

 

Dia 2

Hoje foi dia de realizar meu sonho de vida, conhecer o Vaticano. Comprei meu ingresso do Museu antecipado pelo site (https://biglietteriamusei.vatican.va/musei/tickets/) para não pegar filas grandes, Comprem o ingresso online, a fila de que compra na hora é surreal de grande. Peguei o metrô na estação Termini e desci na estação Otaviano/San Pietro que é a mais próxima do Vaticano. Decidi começar pelo Museu do Vaticano e O QUE É AQUILO?! não sou entendedora de arte, mas o que são aqueles tetos?? Fiquei apaixonada real! O Museu do Vaticano na verdade são vários Museus juntos que abrigam obras desde a Idade Média até ao Império Romano. As obras foram acumuladas durantes todos os anos de supremacia da Igreja Católica. Pessoas, não deixem de visitar o Museu tem muita história, e te digo que prefiro ele do que o Louvre, me julguem! A última etapa do museu é a Capela Sistina que é atração imperdível do Museu do Vaticano. É famoso pela sua arquitetura e sua decoração em afrescos, o teto é lindo com obras que retratam partes da Biblia, pintado por grandes nomes como Michelangelo, Bernini, Rafael e Botticelli. Não se pode tirar foto, uma pena.. podemos apenas admirar o local onde é realizado o conclave (escolha do novo Papa). Vi muita gente desrespeitando esta regra e os guardas toda hora gritam com essas pessoas, são até um pouquinho grossos.

20170615_092937.thumb.jpg.aa893f09fa0cc26dafd6696862734f06.jpg

20170615_095202.thumb.jpg.0a813f2726a1b95db50fb7a37a07a6f5.jpg

20170615_100939.thumb.jpg.ed31ba4f72f5f82235cfd1c8ecee4c1f.jpg

20170615_105213.thumb.jpg.73ca14f5ac8ae45ef5c7ecd7f34e42ab.jpg

20170615_110031.thumb.jpg.149be14825e3c64e78afc223827d88aa.jpg

 

De lá fui a Basílica de São Pedro, não sei se tinha como ir por dentro.. eu sai e enfrentei uma fila bem grandinha para entrar. A entrada é gratuita, mas se quiser subir na sua cúpula terá que comprar os ingressos. Detalhe: não pode entrar com shorts e blusas sem manga em nenhuma igreja por lá, vi muita gente sendo barrada, respeito né gente. A Basílica é simplesmente enorme, magnifica, esplendorosa, eu amei cada detalhe. Supostamente a Basílica se encontra próxima ao lugar onde o discípulo Pedro foi Crucificado de ponta cabeça no ano de 64. No seu interior pode-se encontrar obras de artes de mestres como Bernini e Michelangelo. Já lá dentro percebi que uma parte da lateral estava isolada e estava tendo uma missa lá.. perguntei ao guarda se era aberto e ele disse que eu poderia entrar para rezar só não poderia tirar fotos (outro detalhe, não se pode tirar fotos de celebrações por respeito). Chorei.. estava realizando meu sonho de conhecer o Vaticano e ainda de quebra assisti um missa dentro da Basílica de São Pedro, dava para sentir Deus presente ali.

 

20170615_115241.thumb.jpg.06aea34ddde707c25f351c0f1d0990b7.jpg

 

20170615_121509.thumb.jpg.4a05dc7b46d771553ff1be0d13b45bf2.jpg

20170615_121902.thumb.jpg.490132a2efc069140abb6ed2b4078049.jpg

 

20170615_122345.thumb.jpg.d8ee607b233ad2cb3d8a024ba1fa9c92.jpg

 

Já era meio da tarde quando sai para almoçar, encontrei um restaurante ali mesmo pelo Vaticano, já aviso não é barato comer por ali. De lá foi ao Castel Sant’Angelo que também é conhecido como Mausoléu de Adriano, localize-se as margens do Rio Tibre usei meu Roma Pass para entrar e economizei os 10 da entrada. Este Castelo serviu de prisão tempos atrás e atualmente funciona como Museu, não achei que valeu a pena entrar, apesar de ter uma vista linda de Roma lá de cima, mas o interior do Castelo é bem escuro e todas as celas são trancadas só dando para ver do corredor.

 

20170615_142219.thumb.jpg.8c816d036d304f80329825bc9201c3bc.jpg

20170615_143409.thumb.jpg.6f7b7d5b1571d3d3dfe073191a573198.jpg

 

20170615_143506.thumb.jpg.518ec51319c35251c4ee5a67a0da7b1e.jpg

 

20170615_143758.thumb.jpg.6e345c76387611730cf0978a06f905e7.jpg

 

Como eu tinha andado o dia todo voltei ao hostel para descansar.  A noite uma amiga que é Comissária de Bordo estaria chegando em Roma, fui ao encontro dela e fomos jantar no bairro Trastevere que me lembrou uma vibe meio Lapa. Vários restaurantes/barzinhos, muitos jovens na rua, música.. é muito animado, ótimo lugar para curtir a noite, saímos de lá por volta de 3hs.

 

 

Dia 3

Acordei quase a tarde depois da noitada do dia anterior.. almocei no restaurante La base e segui para a Villa Borghese, mas só consegui conhecer os Jardins, pois o ingresso para o Museu necessita ser reservado antes de acordo com a atendente. O Jardim é lindo, vale um piquenique, ou andar de bike por lá. O Museu funciona de 09 as 19 horas, sendo a última entrada as 17 horas. O ingresso está incluso no Roma pass, mas como disse anteriormente, o reserva é obrigatória e deve ser feita pelo site (http://www.galleriaborghese.it/it/)  onde pode-se comprar o ingresso que custa 11. A noite encontrei com as meninas e fomos jantar no restaurante Rossini all’ Hotel Quirinale que fica no jardim do Hotel Quirinale, comemos uma pizza lá, achei caro e não estava tão gostosa assim.

 

 20170614_163925.thumb.jpg.65fbc7b2190182e8d5dc2e07a63f554a.jpg

Museu da Villa Borghese

 

Dia 4

Fui novamente ao Vaticano, pois as meninas não tinham ido ainda, fomos apenas na Basílica. De lá fomos as compras na Via del Corso.. Apesar de ser Euro, lá é mais barato que aqui como sabemos.. fomos a loja da Luis Vitton pois uma delas ia comprar uma bolsa lá.. eu, mochileira sem grana fiquei só no suquinho oferecido pelo vendedor porque era de graça hahahah.

20170617_115434.thumb.jpg.c9e51c5159a3d8f42c529101c1a00352.jpg

Vaticano - Praça de São Pedro

 

De lá nos despedimos pois elas iriam seguir viagem para o Sul no outro dia. Eu segui para a Piazza Navona que conta com três fontes, não vi nada demais lá e segui para o Pantheón, situado na Piazza dela Rotonda, que foi construído em 27 A.C como templo politeísta, pagão e foi transformado em Igreja cristã em 609 D.C. Hoje ele abriga os sarcófagos de figuras importantes da Itália. É lindo gente.. tem que entrar, ainda mais que é de grátis!! Hahaha. Seu interior impressiona mais que o exterior, sua cúpula possui um olhal que permite a entrada de luz natural e água da chuva, a construção genial permite que a água escoa por pequenos furos no chão. Seu horário de funcionamento é de 09 as 19:30 horas de segunda a sábado e de 09 as 18 horas nos domingos.

20170617_145251.thumb.jpg.5a8cea5e40230065c5e37f6c61ffc9ad.jpg

Panthéon

 

20170617_145616.thumb.jpg.5087e4fa2462b7831e8d300c6ed46092.jpg

 

20170617_150000.thumb.jpg.9482785a635ff640010733b317aad100.jpg

 

 

Dia 5

Hoje acordei cedo e fui a missa na Basílica Santa Maria Maggiore, a Basílica Papal, que fica a 300m do hostel que eu estava, a Igreja tem origem divina e é linda como todas a outras. A tarde fui a procissão de Corpus Christi com a presença do Papa, que teve início na Basílica de São João de Latrão e seguiu até a Basílica de Santa Maria Maggiore. Quem for católico e até quem não for, vale ir se estiver por Roma durante o Corpus Christi. Lembrando que esta procissão foi realizada no domingo e não no dia de Corpus Christis, para interferir no trânsito de Roma, veja o calendário do Vaticano.

 

20170614_160109.thumb.jpg.59cba73a98389ad35161776780afecc1.jpg

Basílica Santa Maria Maggiore

 

2018-01-12.thumb.png.1212f3b74227fd1d4e7af6c0d217fb2e.png 

 

 

Procissão de Corpus Christi

20170618_211305(0).thumb.jpg.9820f03831da6727bd9fe35a5781e14e.jpg

 

Dia 6

Acordar e partir para Verona! Meu trem saia da estação Termini em direção a  Verona.

 

Dicas Roma:

Atrações: Tem que entrar no Coliseu, Vaticano (Basílica/Museu), Pantheón. Se for ficar mais que 3 dias compre o Roma Pass, vale muito a pena, ou compre os ingressos online, geralmente são filas diferentes para cada. Não deixe de ir nos pontos turísticos a noite ficam lindos iluminados.

Transporte: vale a pena pegar o ônibus da Terravision para ir e vir do aeroporto para economizar, não peguei porque fiquei receosa, mas conheci pessoas que usaram e falaram que foi super de boa. Fuja de Táxi e uber, a não ser que queira gastar um boa grana, é muito caro.

Comida: é maravilhosa, vale a pena investir em bons lugares, não deixe de tomar Gelato e comer o Tiramissu. Vá ao mercado e compre lanches e vinho para trazer para o Brasil é mais barato. Água é cara, então guarde uma garrafinha e encha nas fontes de água espalhadas pela cidade. Existe vários lugares que vedem pizza a kilo, dá para comer uma pizza por uns 4. Gorjeta é quase obrigatório, hahahah

 

 

Verona

Depois o Filme “Cartas para Julieta” eu necessitava visitar Verona e a Casa de Julieta

Hospedagem

Como só uma ficar um dia em Verona preferi não dividir o quarto e me hospedei no Simoni 10 B&B, que fica bem pertinho da estação de trem de Verona. É basicamente um apartamento de família que aluga quartos para viajantes, só tive contato com o responsável na hora do check-in, então acho que não more ninguém lá. Fiquei em um quarto com cama de casal, estava tudo muito limpo e organizado. Eles servem café da manhã, mas como meu trem para Veneza iria ser cedo, acabei comendo algo na rua mesmo. A única dificuldade que tive é que a pessoa que estava lá no dia era mãe do proprietário e ela não falava muito bem inglês, então tivemos que nos virar um pouco na mímica, nada que já não tenhamos feito né.

Valor: 44

 

Roteiro

Fiquei meio receosa por não ter lido tantos relatos e por Verona ser pequena, mas para minha surpresa eu amei cada detalhe. Verona é linda, parece uma cidadezinha cinematográfica, calma. Lembrando, cheguei lá numa segunda, e muitas lojas estavam fechadas pois não abrem nem domingo e nem segunda. Logo que me instalei, fui direto a Casa de Julieta, passado antes na Piazza Bra, onde fica a Arena de Verona que antigamente era um palco de lutas de gladiadores (e depois torneio de cavaleiros), hoje se transformou em um local para concertos musicais e óperas, graças à sua fantástica acústica. Neste dia a arena estava fechada pois estavam montando a estrutura para o festival de opera de Verona que iria acontecer na próxima semana. O ingresso da Arena custa €10 para adultos , sendo que o preço reduzido custa €7.50

20170619_144836.thumb.jpg.9f3d85fb3f9e98f66f06f89cdfa755fa.jpg

Arena de Verona

20170619_145005.thumb.jpg.39f321fcc6f8c827b08234a27be1d6f4.jpg

Montagem da estrutura para o Festival da Opera de Verona

 

 Depois de algumas fotinhos, segui para a Casa de Giulieta ou Casa de Julieta, ela fica um pouco escondida, na Via Capello 23. Você irá ver um grande arco com um pequeno corredor, essa é a entrada. Não se sabe se Romeo e Julieta existiram de fato, a casa de Giulietta nada mais é que um edifício rustico, que teria pertencido a Família Capello (seria a história baseada nesta família?) e que foi reformada em um cenário montado para turistas. A casa estava lotada no dia.. gente como tinha Brasileiro naquele lugar, rs. O local é bem lindo com ar romântico, as paredes do corredor de entrada todas escritas com declarações de amor e nomes de casais apaixonados. PS: vi um guarda chamando atenção de uma pessoa que tentava escrever na parede pois está proibido gente, a parede chega a ser feia de tanto rabisco nela, uma pena. A entrada é gratuita e existe a possibilidade de entrar na casa e ter acesso a sacada pagando 6. Particularmente achei desnecessário pagar para conhecer o cenário montado e acabei visitando somente por fora. Nos fundos do pátio encontramos a estátua de bronze de Julieta. Reza a lenda que, se tocar no seio direto dela, terá sorte no amor. Todos fazem fila para tirar fotos com ela, fazendo este famoso ritual.

20170619_150309.thumb.jpg.04ec2947c53985bf0b6131455009e66a.jpg

20170619_150404.thumb.jpg.9e4d3ddb8c88b71c8ba96ba272abd583.jpg

Casa de Julieta

20170619_150737.thumb.jpg.a678975c83a32271943bc415ffca89d0.jpg

 

Continuando meu passeio, segui para Piazza delle Erbe, que fica ali pertinho. Esta praça possui no entorno, restaurantes, e lojas e rola uma feira lá que vende desde souvenires à temperos. Aproveitei para comer algo por lá.

20170619_152647.thumb.jpg.de381370c6cd0255954f2be0c61c13c3.jpg

Seguindo de volta a Piazza Bra, fui em direção ao Castelvecchio. Contruido para ser residência e fortaleza ao mesmo tempo, ainda mantém o mesmo aspecto desde o século 14. Mas só por fora, por dentro foi modificado para abrigar um museu de arte. Ao lado na torre do relógio do castelo existe um portal que dá passagem até a Ponte Scaligero que atravessa o rio Adige e é umas das pontes mais bonitas de Verona.

 

20170619_154105.thumb.jpg.1e1f203de26c65c3a0e532dfe4308323.jpg

Castel Vecchio

20170619_154611.thumb.jpg.d530b351697acba735a50566ad14fa6a.jpg

Ponte Scaligero

 

20170619_154402.thumb.jpg.afdb1a12d81211e9cec1b0c8d96c3837.jpg

Vista da Ponte

Em seguida retornei para o hostel, pois teria que acordar cedo para ir para Veneza no dia seguinte.

 

Veneza

Veneza tem um ar romântico e como estava viajando sozinha preferi somente passar por lá, afinal todo viajante deve ir pelo menos uma vez. Peguei o trem cedo na manhã para Veneza. Prestem atenção pois Veneza tem duas estações de trem, sendo Venezia Santa Lucia a estação central da cidade. Chegando lá, guardei minha mala em um Locker dentro da estação por 5. Na estação mesmo comprei o bilhete de ida/volta do Vaporetto, que custou 15. Há outras opções de transporte, mas como estava no modo econômico, fui de vaporetto, que se pararmos para pensar já é bem caro.

Desci próximo ao Palácio Ducale, que é um palácio gótico que já foi casa do Dodge de Veneza, e hoje é Museu. Como só tinha poucas horas em Veneza não entrei em nenhum museu. Segui para a ponte dos Suspiros e pausa para fotos. Veneza estava lotada, então foi difícil tirar uma foto sem alguém aparecer, rs. Não andei de gôndola pois acho que não vale a pena pagar 80 por 30 min e alone! Se estiver acompanhada a história muda e começa a valer a pena.  Veneza possui diversas ruelas, perder-se por elas é inevitável! Aproveitei para comprar souvenires, minha dica é levar alguma vidraria produzida em Murano, ilha de Veneza, mesmo não indo até lá. Trouxe dois pingentes feios com vidros lindíssimos.

20170620_101317.thumb.jpg.86a40cc7882abd11f6c5f4e43ca9aa8a.jpg

20170620_102107.thumb.jpg.c201d621f19a60888570545cd38b33ee.jpg

Ponte dos Suspiros

20170620_103406.thumb.jpg.2e5e36b80127fedff1983aaef8642955.jpg

Seguindo caminho fui para a Piazza di San Marco, que é a praça principal de Veneza, muito popular pelo seu tamanho, prédios ao seu entorno, e claro, pelos inúmeros pombos que ali habitam. O edifício mais bonito da praça é absolutamente a Basílica di San Marco, sua entrada é gratuita. Na praça também fica o Campanário di San Marco, essa construção é um marco. A torre tem quase 100m de altura, pode-se subir ao topo pagando-se 8.

20170620_104631.thumb.jpg.437eba9e98047eee5a2725543cd913bb.jpg

Basílica di San Marco

 

20170620_101735.thumb.jpg.a3ab9c1b91430d35ebb8bb1fa79720c5.jpg

Campanário di San Marco

Após uma pausa para comer uma pizza, sorry não lembro o nome do lugar segui para a ponte Rialto. Esta ponte é a mais famosa de Veneza é a primeira a ligar as duas margens do Grande canal. É linda, toda branca com vários arcos. No seu interior tem várias lojinhas.

 

20170620_114040.thumb.jpg.5d1998867849663f1b73e509c6dba6c4.jpg

Ponte Rialto - desculpem a foto tremida.. isso que dá viajar sozinha! :(

 

20170620_115718.thumb.jpg.fc33b8baf72650f1980e482bf3e48f67.jpg

Vista da Ponte Rialto

 

Após retornei até a estação de trem pelo Vaporetto e peguei minha mala. Meu voo para Paris saia do Aeroporto Marco Polo, e existe várias formas de chegar lá, eu optei pela mais econômica, que foi ir de ônibus. Os ônibus da companhia ATVO ou ACTV para o aeroporto saem da Piazzale Roma e custam 8.

Dica Veneza: Se estiver só, tente encontrar pessoas que estejam afim de dividir o valor do passeio de gôndola, o valor de 80 é fixo e dá para ir 06 pessoas na gôndola.

 

 

PARIS

Cheguei a noite no aeroporto Charles de Gaulle que fica fora de Paris, que aeroporto grande... fiquei perdidaa rs, mas encontrei um Português que me ajudou a me localizar e encontrar a estação de trem, que por acaso fica dentro do aeroporto. Lá mesmo aproveitei para fazer meu cartão Navigo Découvert que me deu direito a andar ilimitadamente de metrô, trem RER, ônibus nas zonas 1 e 5, o que inclui os aeroportos Orly e CDG, castelo de Versalhes, Disney de Paris, etc. Para emitir o cartão é necessário pagar uma taxa de 5 mais a recarga semanal ou mensal, eu recarreguei a semanal e paguei 22,17 é necessário apresentar o passaporte e uma foto 3x4 (essa você pode tirar nas cabines existente dentro do aeroporto, se não me engano por 5) que será colada no cartão. Nome e sobrenome devem ser escritos à caneta no cartão. O fiscal passa para conferir o cartão ou bilhete do transporte, então se tiver comprado o bilhete de trem/metrô normal guarde o bilhete e só jogue fora depois em tiver fora do metro, pois em algumas estações você precisará do bilhete/cartão para passar na catraca de saída também. Enfim, peguei o RER B em direção a Gare du Nord, que fica perto do hostel que me hospedei.

Hospedagem

Me hospedei no St Christopher Inn da Gare Du Nord. Em Paris é tudo muito muito caro, então depois de pesquisar bastante escolhi esse hostel pelo custo-benefício. O hostel tem uma boa estrutura. Acho que a melhor parte dele são as camas, com cortinas, que dão um pouco de privacidade mesmo em um quarto coletivo! E na cama tem lâmpada individual, tomada, carregador USB. O ponto negativo ficou por conta da localização e do calor. Por mais que esteja a poucos metros da estação ainda assim não me senti segura andando ali. Tinha muitas pessoas estranhas no entorno da estação. E sobre o calor.. não tinham ar condicionado no quarto do hostel, tinha somente um ventilador pequeno por quarto.. sim isso mesmo 1 ventilador de uns 40cm por quarto!!!!  E estava fazendo um calor infernal de quase 40° com o sol de pondo por volta de 22:30h. não indico esse hostel para o verão, somente para o inverno porque aquecedor os quartos possuem, rs. Eu fiquei em um quarto com mais 9 meninas, e que falta de educação!!! Chegavam de madrugada fazendo barulho, atendiam telefone e não davam importância se as outras pessoas já estavam dormindo. Como senti Saudades do hostel de Roma e de dividir quarto com os meninos.

 

Dia 1

Turista que é turista começa pela Torre Eiffel né?! O valor dos ingressos varia de acordo com o andar que você vai (veja no site os valores atualizados). Cheguei lá pela linha 6 do metrô e desci na estação Trocadèro. Pois lá de cima já se pode ter uma boa e linda visão da torre e que visão, aproveite para tirar fotos, quando você sai do metrô e sobre alguns degraus, lá está ela, a Torre Linda e Imponente. A Torre Eiffel é uma estrutura de ferro de 300 metros de altura que foi construída em 1889 para a Exposição universal em meio a protesto de que a monstruosa torre afetaria a estética da cidade. No principio do século XX, as autoridades encontraram sua utilidade como com antena. O sucesso da Torre foi tanto que ela é um dos monumentos mais visitados do mundo. É possível ter acesso a Torre pelas escadas ou elevador, embora subir de escada seja mais barato, não vale a pena.  Subi de elevador somente até o segundo andar da Torre, que vista linda. Se estiver viajando em alta temporada compre seu ingresso antecipadamente. Site: ticket.toureiffel.br

 

20170621_101947.thumb.jpg.2928ec244f2e0c1afc17b1cc2c1f38a6.jpg

Vista da Torre Eiffel pelo Trocaderó

 

20170621_104841.thumb.jpg.d077f8fabbf80fa74bf410a33d6efb0e.jpg

2° andar da Torre

 

20170621_104602.thumb.jpg.c8ed84b4ec71fa7879f986a04b01da60.jpg20170621_104450.thumb.jpg.4bec2671100f9246fcde2fce0123870d.jpg

20170621_113025.thumb.jpg.6a31ebf59bd72110fea7301056e2b754.jpg

Champs de Mars

 

20170621_113236.thumb.jpg.e5ed0f32ec6ec526f46feb2abc1b5d49.jpg

 

Conheci umas Brasileiras lá no Champ de Mars e juntas fomos a pé ao Arco do Triunfo. Com 50 metros de altura, o Arco do Triunfo representa as vitórias do exército francês sob as ordens de Napoleão. Para se entrar no interior do arco e subir na parte superior é necessário pagar a entrada €12 de e subir os 286 degraus. Não subi, pausa para fotinhos na rua (detalhe: para tirar essa clássica foto, temos que ficar literalmente no meio do trânsito.. loucura, rs). De lá caminhamos pela Champs Élysées até o Jardim de Tuileries e passamos em frente a famosa Ópera Garnier em seguida fomos a Galeries Lafayette. Que lugar era aquele? Que riquezaaa, um Luxo puroo! Rs.

 

20170621_125241.thumb.jpg.7ee650be5701151b93fb9ec0736414ef.jpg

Arco do Trifunfo

 

20170621_125603.thumb.jpg.49a5d8ebf8c5cdb9f24dcf45c635c45b.jpg

No meio da Rua, rs

 

20170621_171745.thumb.jpg.f47b4a02331f7a26ce2b5dedb86b1987.jpg

Ópera Garnier

 

Suba até o Terraço da Galeries para se ter uma bela vista de Paris. Saindo de lá fomos até a Sacré-Coeur, Basílica do Sagrado Coração, que fica em Montmartre. Subimos de funicular, pois já estávamos mortas de tanto andar. Estava tendo uma missa lá e aproveitamos para assistir, que lugar lindo e incrível, que energia! Da escadaria da basílica temos uma linda vista de Paris.

 

20170621_153926.thumb.jpg.74e64467bbd98d126a4b7d59f5520ad0.jpg

Galeries Lafayette

 

20170621_160325.thumb.jpg.70302ff2685a3d88ba92b85415b481a0.jpg,

Vista do Terraço da Galeries

 

20170621_185201.thumb.jpg.05a6410f4ea515efbb619d4054762963.jpg

Sacré-Coeur

 

20170621_184722.thumb.jpg.9db364c80e8612ed0915e0c4618c700c.jpg

 

Dia 2

Resolvi ir ao Museu do Louvre pela manhã. O Museu está instalado no Palácio do Louvre, uma fortaleza do século XII que foi ampliada e reformada em diversas ocasiões. Antes de que se tornasse um museu, alguns monarcas como Carlos V e Felipe II o utilizaram como residência real. Depois da transferência da residência real para o Palácio de Versalhes, o edifício deu início a transformação a um dos museus mais importantes do mundo. A fila não estava tão grande e entrei de Boa. Que Lugar imenso.. não se esqueça de pegar o mapa para se localizar lá dentro. Não sou entendida em artes.. então não achei “nossa que maravilhoso” tirando as Pirâmides que achei lindas. É aquilo, para mim é um lugar para se ir uma vez na vida. PS: quando estava chegando ao Louvre sofri um tentativa de assalto por um grupo de meninas que estavam com uma prancheta de pesquisa, eu acho e me pararam falando em francês mesmo percebendo que eu não estava entendendo, percebi que uma delas estava atrás de mim e tentou mexer na minha bolsa.. Fiz a Louca e comecei a gritar NÃOO.. hahahaha. NUNCA fui assaltada no Rio e não é em Paris que vou ser assaltada né mores!

 

20170622_104616.thumb.jpg.160ba069dffba71283455e5e943e8323.jpg

Louvre

 

20170622_120303.thumb.jpg.ae518dc9658873e98f6d1b220611f526.jpg

 

20170622_123110.thumb.jpg.06339dda8482fe4e9184b44f171b046b.jpg

 

20170622_125234.thumb.jpg.7d75e49807729334d78192ddadab26d4.jpg

Gioconda ou Monalisa

20170622_133029.thumb.jpg.b8752384cfa28245678afe8f8c7f5f40.jpg

 

Saindo do Louvre, presenciei uma situação chata, estava comprando água em uma lojinha perto do metrô e um senhor chegou e perguntou a atendente algo em inglês.. ela simplesmente respondeu “I don’t speak english”. Fiquei chocada com a grosseria. Minha dica é: quando for pedir alguma ajuda a alguém, comece arranhando um pouco de francês ou fale em português para não ocorrer essa situação.

Do Louvre, peguei o metrô e fui para Notre Dame. A catedral de Notre Dame de Paris fi construída entre 1163 e 1245 e é uma das catedrais góticas mais antigas do mundo. O nome da catedral significa Nossa senhora e é dedicada à Virgem Maria. A fila para entrar estava imensa, mas compensava entrar, que lugar mágico é aquele né?! Lá fica exposta a Coroa de espinhos que teria sido usada por Jesus. Sua exposição acontece toda primeira sexta-feira de cada mês as 15hrs, e na sexta-feira santa. Infelizmente não tive sorte de vê-la. Existe a possiblidade de subir nas Torres da catedral, onde viveu o conhecido Corcunda de Notre Dame e ver de perto as Gágulas, a entrada da catedral é gratuita, já para acessar a Torre pagasse 8.50. De lá fui fazer umas comprinhas na farmácia Citypharma que fica na 26 Rue du Four e é umas das farmácias mais baratas de lá, lotada de brasileiros né, vale super a pena ir. A noite fui ver a Torre Eiffel iluminada, como o sol estava se pondo por volta de 22:30, o primeiro horário que a torre iria piscar era 23hrs. Fui de metrô até a estação do Trocaderó, tirei uma fotinhos, fiz vídeo, e quando fui voltar para o Hostel, o metrô não estava funcionando devido a um problema nos trilhos.. olha passei sufoco, pois estava sozinha, sem falar francês e meu celular estava com 17% de carga apenas. Mas no fim deu tudo certo, depois de alguns minutos o metrô voltou a funcionar e consegui retornar para o Hostel.

 

20170622_151110.thumb.jpg.a827eef88672e49cef6f242b34ce0db2.jpg

Fila :|

 

20170622_152010.thumb.jpg.de2eddbefbe4088805d8d57795cd0ea3.jpg

 

20170622_153615.thumb.jpg.9097ce3d9dbe86e5656c2ae2213bd178.jpg

 

20170622_154129.thumb.jpg.8d321562dde432fee8cd73045990a4df.jpg

 

20170622_223042.thumb.jpg.9ff61d42cf794ad6f17b06370b9bc35a.jpg20170622_230337.thumb.jpg.07df1a860bdc1bcf17e495be075d5ba4.jpg

 

20170622_225943.thumb.jpg.920e733544bd173e951a266d05a64585.jpg20170622_230055.thumb.jpg.c9741ed36b249d7f9893311bb6d7fae8.jpg

Torre Iluminada

 

Dia 3

Dia de ir conhecer Versalhes, que Palácio é aquele hein? Declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, há mais de trinta anos, Palácio é um dos mais conhecidos a  nível mundial, não só por sua imponente arquitetura e seus intermináveis jardins, mas porque constitui uma parte importante da história da França. Diferentes monarcas como Luís XIV ocuparam o trono e embelezaram o Palácio. Em 1789 o Palácio deixou de funcionar como sede oficial do poder e posteriormente se tornou o Museu da História da França. Comprei meu ingresso na hora e paguei 18 (sem os jardins porque estava sem tempo). A fila estava gigante para entrar, levei umas 1h30min mas que valeu a pena. Lugar Ryco e Phyno rsrs.. queria só um pouquinho daquele ouro. Sou suspeita em falar do lugar pois amo arquitetura e o detalhes dos tetos tirava minha atenção. Não deixem de ir visitar o Jardim, eu estava sem tempo pois tinha que sair de Paris a tarde e no outro dia tinha meu voo cedo de volta ao Brasil.

 

20170623_114526.thumb.jpg.d66cfdcb3f4995ab0a795f39e8257c04.jpg

Palacio de Versalhes

 

20170623_120436.thumb.jpg.8203ae580a2b23d6d2558f723073f4d2.jpg

 

20170623_121007.thumb.jpg.a140c59c0f08691a89ba73c9a82097ec.jpg

 

 

20170623_121421.thumb.jpg.3534a6f2e2b51db61e8d132228da7edb.jpg

 

20170623_121537.thumb.jpg.ba14fa0f66b8eacd474fcafbc742be44.jpg

Galeria dos espelhos

 

Saindo de lá, resolvi fazer uma loucura e ir em uma loja Primark para atender um pedido da minha irmã, Paris tem 03 lojas Primark, mas que ficam foram de Paris se formos ver melhor. Eu fui na que fica no shopping Qwartz em Villeneuve-la-Garenneo. Para isso peguei dois trens e um ônibus. Preferi não especificar aqui pois é só jogar no google maps que ele te dirá qual transporte e quais as estações tem que descer. A loja estava muito cheia, o que já era de se esperar pois é muito barato.

 

Dia 04

Hoje foi dia de acordar e voltar para a realidade, de volta ao Rio. :(

 

Dicas Paris:

 Hospedagem: Se hospede perto de estações de metrô.

 Transporte: O metrô de Paris é uma loucura, várias linhas te ligam a todos os principais pontos. Use o google maps, ele me ajudou durante toda a viagem.

Comida: Cara! Vá de sanduiche, rs.

Segurança: Paris estava cheio de refugiados, me senti muito insegura ainda mais depois da tentativa de assalto. Fique sempre esperto com sua bolsa e não pare responder a pesquisas, é puro golpe. PS: cheguei um Paris um dia depois do atentado na Champs Élysées então o clima estavam bem tenso, em todas as lojas e algumas estações tínhamos que abrir nossa bolsa e mostrar ao segurança antes de entrar e em algumas passavam o detector de metal, tenso!

Passeios: Vale fazer o passeio de barco pelo Rio Sena e conhecer os outros Museus de Paris se tiver com tempo.

 Enfim, acho que é isso.. Eu fiquei apaixonada pela Itália e não morri de amores por Paris, acho que devido a todo o sufoco que passei por lá e insegurança que senti. 

Espero ter ajudado ::love:::D

 

 

 

 

 

20170614_082943.jpg

20170618_204818.jpg

20170621_113025.jpg

20170621_153936.jpg

  • Gostei! 3
Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • Membros
46 minutos atrás, jp.siq disse:

Muito legal, parabéns pela postagem.

Sobre a operadora eles te mandaram o chip para sua casa? Diga o que achou o plano, o download realmente é ilimitado? Estou interessado nisso principalmente para usar GPS, Google Translate e Internet.

Obrigada,

 

Sim, você recebe o chip em casa.. é só instalar no celular e começar a usar. O plano é o Data Plan (roaming em até 140 países), a internet foi 4G durante toda a viagem, até durante as viagens de trem ela funcionou super bem. Só live no face e no insta que demorava.

Só me guiei pelo GPS lá, rsrsrs. A internet é ilimitada sim!

Siga o instagram da Easysim4u porque eles postam promoções direto, eu comprei numa promoção com 20%

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 6 meses depois...

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Roberto Tonellotto
      No mês de maio de 2018 viajei para a Itália com o objetivo de assistir a duas etapas do Giro d’Italia, uma das competições de ciclismo mais importante do mundo ao lado do Tour de France. Ao todo são 21 etapas. Nessa edição as três primeiras etapas foram em Israel antes de chegar na Sicília, já na Itália, e subir até o Norte e depois retornar ao Sul para a última disputa em Roma.
      Meu objetivo era assistir a 14ª etapa, com partida de San Vito Al Tagliamento com chegada no Monte Zoncolan. Assistir de perto uma final de etapa sobre o mítico Zoncolan na região do Friuli é o sonho de qualquer ciclista ou apreciador do esporte.  Considerada a montanha mais dura da Europa, com 10,2km e com ganho de elevação de 1.225 metros, torcedores do mundo todo disputam espaço ao longo de toda subida para ver de perto o sofrimento e a garra dos melhores ciclistas de estrada do mundo. Na tarde do dia 19 de maio eu e o amigo Tacio Puntel, que mora no país há 13 anos, estávamos estrategicamente colocados sobre a Montanha para assistir à chegada. Milhares de pessoas chegaram cedo ou até acamparam no local, onde a temperatura mínima naquela madrugada tinha ficado abaixo de zero. Mas tudo é festa. Ali ficou evidente para mim como a cultura do ciclismo é tão importante para a sociedade italiana e europeia. Mas para a alegria de alguns e a tristeza de outros quem ganha a etapa é o britânico Chris Froome (que se tornaria o campeão do Giro) seguido de perto por Simon Yates e em terceiro colocado o italiano Domenico Pozzovivo.
      No outro dia fomos até Villa Santina para assistir a passagem da 15ª etapa com 176km, que teve início em Tolmezzo e chegada em Sappada, também na região do Friuli. A passagem dos ciclistas ocorreu dentro da cidade. Sentados em um bar ao lado rua, podemos ver toda a estrutura envolvida para dar suporte as 22 equipes que somam quase 180 ciclistas. Ônibus, Vans, Carros de abastecimentos, motos, equipes de televisão, ambulâncias. Uma grande logística para um negócio milionário que percorreu mais de 3.571 mil quilômetros em terras israelenses e italianas.
      Mas nem só de assistir ao Giro se resumiu essa viagem. Após passar alguns meses planejando roteiros para pedalar na Itália, Áustria e Eslovênia, chegava a hora de pôr em prática. Narro a partir de agora alguns trechos de cicloturismo que realizei nos três países.
      Cleulis (Itália) –  Passo Monte Croce - Dellach (Áustria) – 70km.
      Acordei decidido que iria almoçar na Áustria. Para chegar até lá teria que enfrentar o Passo do Monte Croce Carnico, ao qual já tinha subido e tinha noção que não era muito difícil. O retorno porém, era uma incógnita. O dia estava bonito, a minha frente a espetacular Creta de Timau, a montanha de 2218m, me mostrava o caminho. Uma parada rápida para foto na capela de Santo Osvaldo e cruzo Timau, a última frazione antes de chegar à fronteira. A partir dali, só subida e curvas. Muitas curvas. Eram incontáveis os grupos de motociclistas, trailers e cicloturistas que desciam a montanha. A cada curva um novo panorama se abria. Placas indicavam a altitude, 900m, 1000m, 1200m, até alcançar os 1375m na fronteira Itália/Áustria. Depois, só alegria... Descida de 12km até Mauthen.
      Parada em Kotschach para foto e planejar o próximo passo. Viro à direita na 110 e o vale que se abre a minha frente (e que se estende por quase 80km até Villach) me faz recordar da Áustria dos cartões postais e filmes. Campos verdes infinitos e montanhas que ainda conservavam a neve do inverno. O que mais me impressionou foi o aroma. Um frescor no ar. Uma mistura de terra molhada com lenha verde recém cortada. Segui por esse vale até encontrar a primeira cidade, a segunda, a terceira. Resolvi que era hora de voltar. Encontro a Karnischer Radweg R3, uma ciclovia que acompanha um belo Rio de águas cristalinas. Chego novamente em Mauthen, compro um lanche reforçado e quando vejo já estou subindo os 12km em direção a Itália. Começa a chover faltando poucos quilômetros para a fronteira.
      Parada obrigatória no Gasthaus Plockenhaus. Tempo depois a chuva diminui e começo o último trato até a fronteira. Mais um túnel congelante. Pedalo forte para esquentar o corpo. Na fronteira, já aquecido, vou beber um café no Al Valico, no lado italiano. Como ainda tinha algum tempo até anoitecer e querendo aproveitar ao máximo a viagem, deixo a bicicleta no restaurante e parto rumo a um trekking montanha acima, rumo ao Pal Piccolo. O local foi cenário de um dos episódios mais sangrentos da Primeira Guerra Mundial e hoje abriga um museu a céu aberto, onde mantém em perfeito estado as trincheiras e equipamentos utilizados nas batalhas entre o Império Austro-Húngaro e Itália. Seria uma caminhada de 2km com quase 600m de subida. Logo comecei a ver alguns animais selvagens e neve.
      Nenhuma palavra pode descrever o que eu senti lá. É emocionante estar em um local de Guerra tão bem preservado a quase 2 mil metros de altitude. Ali as trincheiras ficam a menos de 30 metros umas das outras. A bateria da Gopro e do celular já tinha acabado. A minha também. Apenas uma foto registrou a chegada. Não demorei muito e comecei a descer. Depois de 40 minutos de descida até a fronteira, pego a bicicleta e desço em direção a Cleulis, sob chuva e vento forte.
      Grossglokner Alpine Road – Áustria – 30km
      O corpo cobrava o preço do esforço dos últimos pedais e do cansaço da longa viagem. O sábado amanheceu bonito na região da Carnia na Itália e fazia calor quando partimos rumo a Heiligenblut na Áustria. O contraste do verde das montanhas com alguns pontos de neve com o céu azul e a brisa leve nos lembravam que a primavera havia chegado e não iria demorar muito para o verão dar as caras. Por volta do meio dia chegamos a Heiligenblut. A partir dali eu seguiria pedalando. Rapidamente preparo a Mountain Bike, me visto, respiro fundo e começo a “escalar” os 15 quilômetros até o mirante do Grossglockner, a maior montanha da Áustria e a segunda da Europa, com 3797m de altitude. Os primeiros metros, com uma inclinação de 15% já demonstravam que o desafio seria vencido com paciência e força. O calor me surpreende, o Garmin marca 33 graus e uma altitude de 1295m, o que só aumenta o desconforto, que iria diminuir conforme ganharia altura. Pra quem já subiu a linha São Pedro, Cortado, Cerro Branco, Lajeado Sobradinho, Linha das Pedras ou Linha dos Pomeranos pode ter uma pequena ideia do que foi. Chegava na marca dos 11km de subida, na altitude de 2000 mil metros. Pausa para hidratação e para admirar a paisagem. Picos nevados, cachoeiras, mirantes, campos verdes. Impossível não ficar hipnotizado com tamanha beleza de uma das estradas alpinas mais bonitas do mundo. Depois de 2 horas e 15 minutos e algumas paradas para hidratação chegava a 2.369m com uma visão espetacular do Glaciar Pasterze com 8,5km de comprimento e do imponente Grossglockner. Depois de comprar alguns souvenires e comer um pouco, iniciei a descida que em alguns pontos era possível ultrapassar facilmente os 80km/h.
      Triglav - Kranjska Gora (Eslovênia) Tarvisio - Pontebba - Chiusaforte - Moggio Udinese (Itália)
      Parque Nacional Triglav, Eslovênia. Passava do meio dia quando inicio mais uma pedalada. O trajeto do dia seria quase todo em ciclovias através de vales. Segui até a fronteira em Ratece e dali até Tarvisio na Itália onde encontrei a ciclovia Alpe Adria que inicia em Salsburgo na Áustria e vai até Grado no litoral do mar Adriático. Feita sobre uma antiga ferrovia, asfaltada e bem sinalizada é considerada uma das mais bonitas da Europa. Diversos túneis, pontes, áreas para descanso e pontos para manutenção das bikes com ferramentas a disposição. Durante o dia cruzei por centenas de ciclistas e fui cumprimentado por japoneses, espanhóis, alemães, holandeses e claro, italianos.
      É um parque de diversão só para ciclistas. Um ponto de encontro de apaixonados por bicicleta de diferentes nacionalidades. Ali famílias pedalam tranquilamente, sem pressa. Mais do que uma atividade física, percorrer a Alpe Adria é uma viagem na história e nos valores culturais e ambientais do Friuli.
      A paisagem mudava constantemente, ao fim de cada túnel se abriam bosques selvagens, montanhas rochosas e rios com água em tons de azul. Parei na antiga estação de Chiusaforte que foi transformada em um bar para cicloturistas. Dessa cidade as famílias Linassi, De Bernardi e Pesamosca emigraram para a Quarta Colônia na década de 1880. Recarreguei as energias com café e cornetto e segui em frente encantado com a beleza do Rio Fella. Após alguns quilômetros, ao lado do Rio Tagliamento encontrei a cidade medieval fortificada de Venzone. Próximas paradas: Buia terra das famílias Tondo e Comoretto e a cidade de Gemona Del Friuli das famílias Copetti, Forgiarini, Baldissera, Londero, Brondani, Papis, Rizzi, Patat e tantas outras que dali saíram para colonizarem a região central do nosso Estado.
      Nos últimos quilômetros encontrei a belíssima planície friulana e Údine, Palmanova e Aquileia, a antiga cidade romana fundada em 181 a.C. que conserva vestígios arquitetônicos do Forum, do porto fluvial e os 760 metros quadrados de mosaico do século III na Basílica de Santa Maria Assunta.
      Já era tarde da noite quando cheguei em Grado. Degustei uma pizza e um bom vinho tocai friulano e adormeci ao som do Mar Adriático.
      Pendenze Pericolose
      Pendenze Pericolose é um hotel para ciclistas de estrada em Arta Terme. Estrategicamente localizado próximo das subidas mais desafiadoras da Europa como o Zoncolan e o Monte Crostis é também cenário para diversas competições esportivas. Foi ali que conheci seu idealizador, o romano Emiliano Cantagallo que deixou o emprego de Guarda do Papa para se dedicar inteiramente ao ciclismo e a hotelaria na região da Cárnia.
      Eu já acompanhava seus vídeos na internet com ciclistas profissionais em lugares incríveis onde ele demonstrava a paixão que sentia por aquela terra. Estando tão perto eu não poderia perder a oportunidade de ter essa experiência. Através dos amigos Tácio e Marindia Puntel o encontro foi marcado. No outro dia já estávamos na estrada, eu, Emiliano e Alessandra que também veio de Roma e estava hospedada no hotel. Fiquei espantado com seus níveis de condicionamento físico. Normal para quem faz por volta de 150km todos os dias. Nesse dia aliviaram para mim, seriam 100km e “apenas” duas montanhas.
      Foi um dia inesquecível, apesar do ritmo forte, conversamos muito. Emiliano contava sobre cada lugar: Sella Nevea, Tarvisio, Montasio... Falamos sobre o acaso da vida. Dois romanos e um brasileiro nas montanhas da Cárnia unidos por um esporte e com visões de mundo semelhantes. No meio do caminho, fizemos uma parada no Lago del Predil. Contemplamos o lago cercado por montanhas e nos abraçamos como velhos amigos.
      Foram mais de 500 quilômetros pedalados entre Áustria, Itália e Eslovênia durante a primavera do hemisfério norte. Foram 15 dias de imersão cultural, descobrindo e aprendendo. Permaneci a maior parte do tempo entre Arta Terme e Paluzza. Sentia-me em casa convivendo com pessoas que possuem uma ligação genealógica e afetiva com nossa região. Daquela área saíram as famílias Anater, Prodorutti, Puntel, Maieron, Dassi, Muser e Unfer. Se não fosse pela língua e pelas montanhas, diria que estava na Linha dos Pomeranos ou na Serraria Scheidt.  Na fração de Cleulis, em Paluzza, conheci as casas que foram de alguns emigrantes. Construções em sua maioria de dois pavimentos e que ainda se mantem intactas e bem cuidadas.
      Foi de Cleulis que iniciei mais uma pedalada, agora até o Lago Avostanis. Não fazia ideia do que ia encontrar quando parti às 7 horas de um domingo ensolarado e frio. Logo comecei a subir por uma estrada de terra que serpenteava a Floresta de Pramosio. Muitas curvas. Seriam mais de cinquenta nos dez quilômetros até o topo. A inclinação era absurda. A mata fechada permitia que apenas alguns raios de sol atingissem a estrada. Quanto mais alto, mais a temperatura diminuía e a paisagem se transformava. Parei em uma placa indicativa que mostrava em detalhes como a vegetação se dividia conforme a altitude. Assustei-me quando percebi que havia percorrido apenas um terço do caminho. O silêncio era quase total, ouvia apenas a minha respiração e o barulho do atrito dos pneus com o cascalho.  O ambiente, muito bem preservado, é lar de cervos e coelhos selvagens que saltavam de um lado para o outro. Na altitude de 1500 metros está a Malga Pramosio. Malga é uma espécie de estabelecimento alpino de verão, geralmente um restaurante ou bar com produtos típicos. Segui em frente. O caminho a parti dali só é possível ser feito a pé ou de bicicleta. Ainda havia muita neve em alguns pontos, o que exigia colocar a bicicleta nas costas e caminhar sobre o gelo ao lado de um precipício. Foi assim que cheguei a quase 2 mil metros de altitude no Lago Avostanis que ainda estava congelado. Foi o lugar mais bonito de toda a viagem, uma beleza que só se revela para aqueles dispostos a enfrentar a si mesmos e a respeitar o poder da natureza em sua forma bruta.
      Durante esse tempo pedalando por antigas estradas romanas, cidades medievais, atravessando fronteiras e exposto a uma diversidade de culturas e tentando me adaptar a cada uma delas, percebi uma coisa que mais me chamou atenção: o respeito. O respeito não só com o ciclista, mas com o ser humano em si. E o respeito se transformava em solidariedade, em empatia. Por diversas vezes, em bares e restaurantes principalmente no Friuli, recusavam-se que eu pagasse a conta. Não sofri qualquer tipo de preconceito por ser brasileiro ou por não ter sangue “puro” italiano. Havia apenas curiosidade e fascínio de ambas as partes.
      Foram tantos os detalhes que me chamaram atenção durante esses dias que são difíceis de enumerá-los. Desde beber água direto das fontes à beira da estrada até a generosidade daquele povo. É poder conhecer coisas assim quer torna o ciclismo tão especial. Não é apenas o lugar em si. Mas o modo que você o visita. As pessoas e as histórias que conheceu. O que você precisou fazer para chegar até ele e o quanto dele ficou em você quando foi embora.
       
































    • Por Felipe Marques Santana
      Venho aqui compartilhar o meu mochilinha de 27 dias pela Europa. Essa foi a 1ª experiência no continente. Com certeza, voltarei muitas outras vezes.
      Bom, iniciarei pelo planejamento.
      Comprei passagens de ida e volta por Bruxelas, pois tenho uma amiga que mora numa cidadezinha não muito longe de lá: Boortmeerbeek.
      Comprei com muita antecedência, no mês de maio, mas consegui um bom negócio: 2400 reais pela cia Air Europa. Os voos tinham escala em Madri, pois não há, por nenhuma cia, voos diretos até Bruxelas.
      No mês de setembro reservei os hostels em Paris, Amsterdã, Berlim e Londres. E comecei a pensar como faria os trechos internos. Bom, na maioria dos casos utilizei o trem, todos tíquetes comprados com 3 meses de antecedência para pagar um menor valor. Os trechos Bruxelas>Paris e Paris>Amsterdã foram realizados com o Thalys. No primeiro paguei 22 euros e no segundo 29 euros. Já de Amsterdã a Berlim, preferi fazer aéreo, pois o trem demorava 6 horas e além de tudo o preço não era atraente. Acabei comprando a passagem pela Easyjet (60 euros, com direito a despachar uma mala); no trecho Berlim>Londres comprei pela Easyjet também, com o mesmo preço e as mesmas condições. Em Londres queria fazer um bate-volta a alguma cidade do interior, e acabei escolhendo Cambridge pelo preço das passagens de trem (12 libras ida e volta!). Para finalizar, fiz o trecho Londres>Bruxelas de Eurostar, uma facadinha: 60 euros! =(
      Tíquetes de atrações, só comprei 2 de forma antecipada: visita à casa da Anne Frank em Amsterdã (10 euros) e London Eye (24 libras).
      Com tudo certo, só restava viajar!
      E numa data inusitada: 31 de dezembro! Como não ligo muito para Ano Novo, decidi ir nessa data: um dos motivos para as passagens estarem baratas! hehehe
      Fiz o voo de São Paulo a Madri em uma saída de emergência, pois o atendente ao ver a minha altura (1,91m), ficou com pena de mim! O voo foi ótimo! =) A aeronave era um pouco antiga, mas não foi um problema. A comida servida era muito boa! E tinha água e refrigerante no fundo da aeronave à vontade, era só pedir. Uma vez em Madri, esperei cerca de 3h pela conexão, nada que atrapalhasse, mas o aeroporto estava com as lojas fechadas e meio vazio. O segundo voo também foi em aeronave antiga, mas foi tão tranquilo quanto ao outro. Ao chegar em Bruxelas, andei, andei, andei, andei até chegar à área onde estavam as esteiras, peguei a minha mala (ufa, ela chegou!) e esperei a minha amiga chegar para me buscar.
      A casa dela não era muito distante do aeroporto, em cerca de 40 minutos, já estava lá, local que ficaria 4 dias no início da viagem e mais 1 no final.
      Nesse primeiro dia, praticamente descansei, almocei e depois à noite fui até Bruxelas encontrar uma amiga que estava lá por coincidência! =) Para ir até lá, fui de trem. Na Bélgica os trens regionais funcionam bem e quase sem atrasos. As compras podem ser realizadas pelo site da Belgium Rail, ou em máquinas nas estações. As máquinas aceitam cartão e moedas, esqueçam dinheiro!
      Passagem de ida e volta comprada, era só embarcar. De Boortmeerbeek até Bruxelas era mais ou menos 1 hora, com uma troca de trem em Mechelen, uma cidade maior e com mais conexões. Há trens muito antigos, mas também há aqueles modernos, porém vários deles são pichados na parte externa, achei estranho Bom, chegando na estação Brussels Centraal/Bruxelles Central (tudo em Bruxelas é bilingue, inclusive o nomes das cidades!) fui até a Grand Place/Grote Markt de lá, que é um espetáculo à parte. Ainda estava rolando a feira de Natal, além de a cada hora um lindo show de luzes. Quando cheguei encontrei a praça assim:

      Linda, não? É o lugar mais bonito de Bruxelas, sem dúvida! =)
      Encontrando a minha amiga, fomos até ao Bar Little Delirium (não fomos ao grande, por ser muito lotado). Lá pudemos provar vários tipos de cerveja belga (as melhores da viagem) por preços razoáveis. Também aproveitei a ocasião para provar uma daquelas delícias culinárias belgas: o waffle. Esse tinha nutella e morangos! Muita vida! hehehe
      Depois de mais um rolê pela cidade, me despedi dela, pois era tarde e tinha que pegar o trem até Mechelen (ou Malines, em francês), onde a minha amiga e o seu noivo me esperavam, pois não haveria mais trens para Boortmeerbeek. =(
      Eles aproveitaram para me mostrar, de carro, como era a cidade. O lugar mais interessante é a Catedral Metropolitana, que possuía na idade média, uma das torres mais altas da Europa, pois a cidade era um entreposto comercial importante.

      Bom, escrevi bastante. No próximo post continuo o relato. (Obs: pode ser que demore um pouco, tanto pelos detalhes, quanto falta de tempo mesmo! hehehe)
      Até a próxima!
    • Por Jonatas Elias
      Relato da viagem pela França
       
      Relato da viagem pela Itália
       
    • Por Jonatas Elias
      Relato da viagem pela França
       
      Relato da viagem pela Holanda
       
    • Por lavidaesmara
      Conhece o roteiro de viagem do filme "Paris Pode Esperar", que marcou a estreia na ficção de Eleanor Coppola.
      https://lavidaesmara.com/2020/07/16/paris-pode-esperar-vida-nao/
×
×
  • Criar Novo...