Ir para conteúdo

Caverna do Diabo e Cachoeira de Meu Deus - Fotos e Vídeo


Posts Recomendados

  • 6 meses depois...

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por lavor
      Grande salve pessoal!!!
       
      Desde o meio do ano quando conheci o site Mochileiros.com em uma viagem a Cusco/Peru, virei um fã, já se foram várias noites lendo relatos de viagens...
      Eis que faço aqui minha primeira contribuição.
       
      No final de novembro quando me avisaram sobre minhas férias, pesquisando o que fazer no final do ano, um amigo de trabalho me apresentou o PETAR, entre Iporanga e Apiaí-SP, fiquei fascinado, logo vim no Mochileiros.com pesquisar mais e encontrei vários tópicos a respeito.
      Os principais tópicos para meu planejamento foram "/carnaval-nas-cavernas-petar-2013-t79257", "/relato-de-viagem-petar-2013-4-dias-durante-a-semana-t80406", "/petar-2013-t79100" e "/petar-2013-conhecendo-as-cavernas-t77960"
       
      O orçamento estava apertado e eu sabia que para convencer amigos a viajarem comigo de última hora, a viagem precisava sair barata e bem planejada.
       
      Participantes da viagem: Eu, Alessandra (namorada), Marília e Sarita. (Todos sedentários com alguma caminhada ou outra durante a semana e com faixa etária entre 21 e 26 anos)
      Carro: Gol bola 1998 1.0
       
      Eu e Alessandra somos de Presidente Prudente/SP e passaríamos o natal em Avaré/SP, por isso a Marília e Sarita que são da capital São Paulo, pegaram um ônibus até Avaré e a partir de então começou nossa viagem dia 27/12/2013.
       
      Lendo os tópicos sitados acima, cheguei a conclusão que os melhores guia seriam o Danilo(autônomo) e o Tom(agência Planeta Trilha), encontrando em contato com os 2 vi que realmente eram muito atenciosos e responderam todas as minhas dúvidas, os 2 me enviaram os orçamentos e por ligar mais vezes para o Danilo acabei fechando com ele, a única condição do Danilo para cobrar os R$35,00 (incluso capacete e lanternas) por dia por pessoa era de poder colocar mais pessoas no grupo caso aparecesse, já que fechei com ele para 4 pessoas que iriam comigo.
      Já a pousada nos tópicos já citados falavam bastante da Pousada do Abílio, e o Danilo me confirmou ser a mais barata e ter um bom atendimento, não deu outra, entrei em contato por telefone e logo fechei com a pousada também, 1 quarto para 4 pessoas com 2 beliches por R$40,00 a diária por pessoa, incluso café da manhã e jantar. Avisaram que era necessário levar roupa de cama, travesseiro, toalha, shampoo e sabonete, por ser muito barato já era de se imaginar que precisava levar essas coisas.
       
      O orçamento planejado ficou:
       

       

       
      Como sempre, mesmo planejando bem, por conta de ter dito menos de 30 dias de planejamento até a viagem, houve imprevistos, chegamos a pagar R$2,99 no litro da gasolina e não foi orçado o que andaríamos de carro da pousada até a entrada das caminhadas, no final das contas acabou não tendo nenhum aumento expressivo porque eu coloquei 10km/L de consumo no carro mesmo eu sabendo que fazia mais.
       
      Com as alterações que ocorreram quando estávamos lá, ficou:
      1o dia chegada até pousada do Abílio
      2o dia Núcleo Santana
      3o dia Núcleo Santana
      4o dia Vale das Ostras + Caverna do Diabo
      5o dia Núcleo Cablocos
      6o dia viagem da volta
       
      Distâncias percorridas de carro:
      1o dia chegada até pousada do Abílio (305km de Avaré até a Pousada, a pousada fica a 26km depois de Apiaí)
      2o dia Núcleo Santana (3km da pousada até o núcleo, ida e volta 6km)
      3o dia Núcleo Santana (3km da pousada até o núcleo, ida e volta 6km)
      4o dia Vale das Ostras + Caverna do Diabo (45km da pousada até a caverna do Diabo, depois mais 5km até o Vale das Ostras, na ida então foram 50km, ida e volta 100km)
      5o dia Núcleo Cablocos (66km da pousada até o núcleo, ida e volta 132km)
      6o dia viagem da volta (305km da Pousada até Avaré)
      Total viajando: 610km
      Total até as trilhas/cavernas:244km
      Total geral: 854km
       
      Observações em cada dia:
      1o dia chegada até pousada do Abílio (De Avaré até a pousada do Abílio são 305km, porém fizemos em 5:30h, o google maps recomenda ir de Ribeirão Branco direto para Apiaí, o guia Danilo me disse que a estrada era de terra e ruim, por isso me recomendou ir por Guapiara, realmente foi a melhor escolha, estrada era asfaltada só que com muitas curvas. Já de Apiaí até a Pousada, são 26km de estrada de terra com trechos em cascalho, de um lado é um paredão e do outro abismo, muito perigosa e estrada e 1 pista só para 2 sentidos, quem conhece a estrada faz os 26km em 40 minutos, eu demorei na ida 1h, a velocidade máxima que atingia era 40km/h)
       
      2o dia Núcleo Santana (Fizemos a Caverna Santana, a mais visitada do Brasil e a Caverna Morro Preto, além de uma piscina natural)
       
      3o dia Núcleo Santana (Fizemos a trilha do Betari, Caverna Água Suja, Cachoeira das Andorinhas e a Cachoeira Beija-Flor)
       
      4o dia Vale das Ostras + Caverna do Diabo (Fizemos a Caverna do Diabo, segunda mais visitada do Brasil e o Vale das Ostras com 13 cachoeiras durante toda a trilha, sendo a última com uma gruta atrás da queda d`água.)
       
      5o dia Núcleo Cablocos (Sem dúvida o dia mais cansativo, porém sensacional, é necessário o guia ir com facão na frente para ir abrindo caminho, fizemos a trilha Caboclos e a Caverna Teminina)
       
      6o dia viagem da volta (Mesmas observações do 1o dia, porém o carro deu um "probleminha" que vocês poderão ver nas fotos abaixo e tivemos que ir parando a cada 50km para olhar se a gambiarra estava presa ainda e não perder o motor)
       
      Alguns dias a gente poderia ter feito mais, porém em 2 dias juntou-se no nosso grupo um casal americano e 1 filha de 4 anos que acabou diminuindo um pouco o ritmo, porém não trocaria tudo o que passamos por nada, ver o pai da menina carregando a criança de 4 anos nas costas com toda aquela aventura não tem preço.
       
      Sobre a pousada do Abílio: (15) 3556 1405 hospedagem + café + janta
      Recomendamos sem dúvida, além de ser a mais barata, está em uma excelente localização para visitar os núcleos, o atendimento é excelente, e a filha/atendente Raiane é muito simpática, o senhor Abílio é muito presente e sempre preocupado com seus hóspedes, me ajudou a arrumar o carro no último dia, feriado de ano novo, quando descobri que havia caído a tampa do óleo do motor.
       
      Sobre o guia Danilo Martines Duarte (15) 99753-5356 http://www.petardanilo.com.br/ E-mail: [email protected]
      Sem dúvida o melhor guia que pudíamos contratar, é professor de História para ensino fundamental e médio, fascinado por formações rochosas e natureza, explica a formação de tudo ao longo do caminho, tem uma câmera fotográfica impermeável e ante-queda, fez várias fotos e filmagens do grupo, no final passou tudo para a gente.
       
      Sobre o Almoço
      Nas trilhas tem que levar o almoço porque é no meio do nada literalmente, então sempre íamos na noite anterior no único mercado do bairro, 100m da pousada do Abílio, comprávamos pão e atum, foram assim todos os dias.
       
      Sobre o carro
      Eu fui com o meu carro, um Gol bola 1998 e com 4 pessoas dentro, a viagem foi tranquila, não ficamos atolados nenhum dia, mesmo quando choveu, porém não é o carro recomendado para isso...A sumida na pousada do Abílio onde eu deixava o carro passar a noite é muito forte (50m), todos os dias eu subia sozinho com o carro e as 3 pessoas que estávamos comigo subia a pé porque o carro não aguentava. Voltei de viagem com o peito de aço amassado, sem a tampa do óleo do motor, a porta do motorista quebrou, preciso rever agora o balanceamento, alinhamento e os amortecedores.
       
      Parecer final
      Todos os 4 voltamos no carro falando que nunca tínhamos feito algo parecido na vida, sem dúvida foi uma das melhores viagens na vida de cada um de nós. Não há nada melhor do que ficar desligado do resto do mundo, foram todos os dias sem sinal de celular, internet, trânsito, enfim, tivemos 4 dias dedicados a nós mesmos, até o tempo parece passar diferente. Todos os dias acordamos 6h da manhã para iniciar a caminhada às 8h e voltávamos sempre depois das 17h.
       
      Gasto real: Guia + Pousada + Café da manhã + Almoço + Jantar + Combustível até as entradas das trilhas + Saídas em barzinhos a noite = R$410,00 por pessoa
      Além desses gastos, somente combustível até local de origem.
       
      Abaixo seguem algumas das 1.100 fotos que tiramos:
      Crédito especial para o Guia Danilo que tirou a maioria delas
       

      Gol bola 1998
       

       

      Alessandra, Sarita, Marília e Marcos (eu)
       

      Estrada entre Ribeirão Branco Apiaí passando por Guapiara
       

       

      Mirante na estrada entre Apiaí e a Pousada do Abílio
       

      Estrada perigosa entre Apiaí e a Pousada do Abílio
       

      Passagem dentro da caverna Santana
       

      Travessia na caverna Santana
       

      Guia Danilo Martines Duarte
       

      Caverna Morro Preto
       

      Pousada do Abílio
       

      Vista às 6h da varanda do quarto onde estávamos
       

      Grupo no 2o dia, com o casal de amerianos e a filha de 4 anos
       

      Trilha do Betari
       

      Trilha do Betari, na trilha toda cruza o rio umas 4 vezes para ir e mais umas 4 para voltar
       

      Entrada da Caverna Água Suja
       

      Vista da Cachoeira Beija-Flor, com a camera impermeável do guia Danilo
       

      Informativo na entrada da Caverna do Diabo
       

      Informativo na entrada da Caverna do Diabo
       

      Informativo na entrada da Caverna do Diabo
       

      Trilha no Vale das Ostras com 13 cachoeiras
       

      Trilha no Vale das Ostras com 13 cachoeiras
       

      Trilha no Vale das Ostras com 13 cachoeiras
       

      Trilha no Vale das Ostras com 13 cachoeiras
       

      Trilha no Vale das Ostras com 13 cachoeiras
       

      Núcleo Caboclos com 2 guias, 1 família do RJ e 1 família do PR que conhecemos no dia.
       

      Núcleo Caboclos
       

      Guia Danilo - Núcleo Caboclos
       

      Caverna Teminina - Núcleo Caboclos
       

      Caverna Teminina - Núcleo Caboclos
       

      Caverna Teminina - Núcleo Caboclos
       

      Caverna Teminina - Núcleo Caboclos
       

      Caverna Teminina - Núcleo Caboclos
       

      Cobra no caminho, encontramos 4 cobras ao todo
       

      Caverna Teminina - Núcleo Caboclos
       

      Caverna Teminina - Núcleo Caboclos
       

      Núcleo Caboclos - Caminhamos até o paredão branco, a subida no paredão foi bemm cansativa
       

      No último dia fui olhar o óleo e água para pegar estrada, havia sumido a tampa do óleo do motor e espirrado óleo no motor inteiro, tive que completar 1 litro de óleo para dar o nível correto, improvisamos com essa gambiarra e íamos a cada 50km olhando se ainda estava lá o toco de madeira
       

      No último dia fui olhar o óleo e água para pegar estrada, havia caído a tampa do óleo do motor e espirrado óleo no motor inteiro, tive que completar 1 litro de óleo para dar o nível correto, improvisamos com essa gambiarra e íamos a cada 50km olhando se ainda estava lá o toco de madeira
       

      A porta não aguentou a aventura, abriu no meio e acabamos voltando assim mesmo...
       
       
       
       
       
      Bom pessoal é isso, espero com esse post poder ajudar muita gente que como eu utiliza o Mochileiros.com para planejar as viagens, além é claro de compartilhar essa excelente viagem que fizemos...
       
      Qualquer dúvida é só comentar que ajudo no que estiver a meu alcance...
       
      Abraços!!!!
    • Por Uglas Pelo Mundo
      Sobre conhecer um pouquinho de PETAR, o Núcleo Caboclos - Caverna Temimina e Vale das Ostras:
      Fui com um grupo de amigos da Crazy Trip, o lugar é incrível e que todos deveriam conhecer. 
      Em Petar existem diversas trilhas, cavernas e cachoeiras. Ao chegar em Petar fui direto para trilha de nível médio para encontrar a caverna Temimina, antes de chegar na caverna, encontrei uma pegada de onça, deu tanto medo na hora kk, mas como eu sempre digo (Deus protege os aventureiros). Ao chegar na caverna primeira caverna tirei algumas fotos, subir em algumas rochas, cantei para escutar o eco da minha voz e parei pra comer no meu da natureza pois lá tem uma visto muito bonita, seguida voltei para trilha em direção a segunda caverna, que é necessário entrar na água para chegar até o fim dela, chegando no fim, foi muito foda, pois a visão é incrível, tem um chuveiro feito pela natureza que sai mais água que o chuveiro da minha casa kkkk. depois de aproveitar o bastante fomos em direção a terceira caverna, que depois dela tem uma trilha de nível difícil pois praticamente você escala essa caverna para chegar até o topo. Na volta do camping eu estava sozinho e estava pensando na onça, pensando na possibilidade que teria de me salvar caso eu encontrasse, (sei lá subir em uma árvore, fingi que sou estatua, gritar: Olha o coelho!) kkkk. Mas se você está lendo isso, é porque não encontrei kkk

      No dia seguinte peguei a trilha da Vale das Ostras onde passei por 12 cachoeiras lindas, uma melhor que a outra, algumas tem a possibilidade de pular de uma altura de uns 8 metros de altura e é claro que pulei todas, pois é muito gostoso. A última cachoeira é linda demais e gigante. Você vendo aquela queda bem forte na sua frente é até incrível de se ver onde me deparo perguntando como Deus é bom com nós todos. E para ficar melhor ainda, tem como entrar em uma caverna que tem dentro dessa cachoeira gigante. Vale muito a pena explorar o lugar.
      Capturar Grandes Lembranças 
      💭💻🎮🦁🎶🌴⛺🏄🐶📷
      #UglasPeloMundo




    • Por Thais Fidelis
      Oieeee Pessoas
       
      Cara, quero detalhar esse lugar ao máximo que conseguir, pq sai de lá apaixonada e quero que mais pessoas tenham oportunidade de conhecer essa maravilha.
       
      Fiz os dois passeios em um dia , mas caso não tenham pique de dirigir, podem ficar em pousada na região.
      Os dois atrativos ficam no Parque Estadual de Jacupiranga, na região do Vale do Ribeira na cidade de Eldorado - SP. Cerca de 5 horas de São Paulo, as estradas são bem conservadas e a viagem foi bem tranquila.
       
      Começamos pela Caverna do Diabo, e por mais que já tivesse ido em outras cavernas, ela conseguiu me surpreender. Parece que tudo foi esculpido por artistas de tão lindo que é. Tem estrutura para turista, com escadas, iluminações e até banquinhos para os cansados Rs.
       
      A caverna tem 8km mas apenas 800m é permitido para turistas. As outras regiões são apenas para pesquisa.
      É recheado de lendas, visto pelo nome, e o guia faz uma experiência bacana no final do passeio.
       
      Valores: R$ 25,00 . Tem valores diferentes para crianças e idosos.
      Duração: Média de 2 horas.
      Indicado: Para todas as idades, como é bem estruturado a acessibilidade é fácil.
      Contraindicado: Para claustrofóbicos e quem tem medo de escuro.
       
      (mais info: http://www.cavernadodiabo.com.br/)
       
      Algumas fotinhas dessa escultura da natureza. E depois detalhes do Vale das Ostras
       



       
       
      Se me surpreendi na Caverna, no Vale das Ostras quase morro do coração haha
      Você gosta de aventura? Gosta de natureza? Banho de cachoeira? Correeee para lá!!!
       
      É uma trilha moderada. No começo vamos pela estrada mas é SÓ subida, então busca todo o seu fôlego e vai, porque só depois a brincadeira fica bacana rs
      É um passeio de 7 horas, a distância ida e volta é de 08 km, mas vale a pena!!!!! Em meio a Mata Atlântica passando por mais de 9 cachoeiras desde 5 até 53 metros.
      Com o destino na Cachoeira oh meu Deus , quando chegarem vão entender o nome e o smile haha
      Não é cansativo no sentindo de perder o ar, de suar e ficar cansadão, mas é difícil porque tem váriiiiios obstáculos. A maior parte da trilha é pela água, e quando não é água, tem lama, tem subidas de escada e escaladinhas, passam por pontes de madeira e lugares com alturas ou seja, aventura é o que não falta!!
       
      Galera que gosta de tirar fotos, VÃO!!! Sai cada foto linda!!!
      As que postei aqui estão mais ou menos, mas no meu Instagram (@thais2fidelis) tem mais!!!
       
      Dicas: Aqui vou colocar em tópico pq tem algumas:
      * Leve apenas o necessário, irão andar muito e passar por vários obstáculos que a mochila talvez vá atrapalhar.
      * Aparelho eletrônico com proteção de água, ficamos a maior parte na água ou molhados rs
      * Muda de roupa para trocar no final, isso incluí o tênis (vão ansiar por meias quentinhas haha)
      * Leve algum lanche leve e água.
      Valor: em média R$ 60,00
      Indicado: Para maiores de 10 anos e sem frescuras haha
      Contraindicado: Crianças, idosos, pessoas com alguma dificuldade na mobilidade, quem tem medo de altura e pessoas frescurentas hahah
       
      Poucas fotinhas não descrevem esse lugar, mas vamos mostrar mesmo assim
       




    • Por stephanriederer
      Bom pessoal, acabei de chegar do PETAR, acampei no camping e pousada da Idati, as coordenadas para GPS são: -24.556921,-48.677836
       
      foi o mesmo lugar que nós ficamos das outras vezes, mas eu não sabia que era camping também, e ela me disse que lá pode entrar motorhome e trailer, inclusive motorhome médio/grande cabe lá!
      a diária do camping é 35 reais por pessoa, o quarto da pousada é 70 por pessoa. (estão inclusos na diária café da manhã e jantar, tanto no camping quanto na pousada, e ela deixa pegar pão e frios do café da manhã, preparar lanches para almoçar nas cavernas, então pode-se considerar café, jantar E almoço)
       
       
      fomos em 3 casais, cada um com seu carro, saímos de SP de madrugada, sexta feira as 4 da manhã, chegamos lá as 9h e já preparamos as barracas.

       
      o camping tem uma área boa gramada e os pontos de luz são 110

       
      depois de tudo armado e preparado, fomos fazer nosso primeiro passeio, uma trilha até a cachoeira sem fim, fica pertinho do camping, nós fomos todos na caçamba da montana de um dos casais, mas dava pra ir apé tranquilamente.

       
      chegando na cachoeira nós entramos na água pra refrescar, a água estava muito gelada!!!

       
      são diversas cachoeiras pela trilha, em todas elas é possível entrar para nadar debaixo da queda

       
      depois da trilha, continuamos o caminho na caçamba até a cidade de Iporanga para almoçar, voltamos ao camping e seguimos com as aventuras da parte da tarde, bóia cross!!!

       
      é uma hora de descida por 2km do rio betari, no fim, agente sobe na caçamba do caminhão do cara que aluga as bóias e volta lá pra cima.

       
      a noite fizemos um passeio totalmente inesperado, todos querendo dormir já e as 22h aparece um hóspede da pousada nos convidando para algo bastante diferente, observar discos voadores no mirante do parque... lógico que aceitamos a proposta! não tirei fotos pois era necessário ficar na escuridão total, e o que nós vimos, não vou nem contar pois ninguém vai acreditar, quem quiser vá ver com seus próprios olhos, o mirante fica a 10KM da pousada, no meio da reserva, as coordenadas GPS são: -24.519721,-48.725063
       
       
      o jantar foi no camping da Idati, comida que ela mesma prepara, sempre uma delícia, na primeira noite teve carne com cebola, batata frita e muita coisas mais. Durante o jantar, já conversamos com o filho dela, o Rodrigo, que é guia do parque, qual seria o programa de sábado e domingo, nem precisa dizer qual né, CAVERNAS!
      para entrar em qualquer caverna, é obrigatório ter um guia junto, então o filho da Idati, Rodrigo nos acompanhou sábado e domingo nas cavernas
       
      no sábado acordamos para fazer as cavernas do núcleo Santana, é um pouco mais afastado, no caminho pro mirante dos discos voadores, então lá fomos nós pra caçamba da montana denovo!

       
      lá tinha essa placa que eu achei muito legal

      "da natureza nada se tira, a não ser fotos, nada se deixa, a não ser pegadas, nada se leva, a não ser lembranças. seja bem-vindos ao PETAR"
       
      para entrar no parque é proibido entrar de chinelo, regata ou bermuda

      nem preciso explicar o porque né? se vc for de bermuda e chinelão, vai se arrepender pro resto do dia hahahaha
      também não preciso dizer que é obrigatório levar capacete e lanterna né? o capacete simples o Rodrigo tem no camping pra emprestar, mas o capacete com lanterna acoplada tem que alugar na cidade.
      também não preciso dizer que é pra ir com roupa que não tenha problema em rasgar, um tennis velho que possa entrar na água. Eu acabei comprando uma calça lá no supermercado do lado do camping (essa cinza da foto), paguei 25 reais, valeu a pena, está inteirinha aqui, super resistente e seca em 5 minutinhos.
       
      neste dia conseguimos fazer 3 cavernas:
       
      Caverna de Santana:

      é a mais famosa, a mais completa, tem todos os tipos de formação, o nivel é bem fácil, então é a mais visitada de todas
       
      Caverna do Morro Preto:

      esta é muito famosa pois é uma caverna bem aberta, na maior parte do dia tem luz nela, e por isso, era a casa de muitos povos primitivos, você vê vestigios deles lá, muito legal
       
      Caverna da Água Suja:

      apesar do nome, a água é cristalina, pra chegar nela, tem uma trilha de 1,2KM, onde agente já começa a se molhar

      dentro dela o percurso é inteirinho pela água, tem locais onde o nível da água chega no peito, e lá no final dela no fundão da caverna tem uma cachoeira que agente pode entrar embaixo pra tomar um banho, e como vocês podem imaginar, a água é super quentinha heheheh
       
      ps. essa foi minha caverna preferida da viagem inteira, muito show andar dentro da água pela caverna!
       
      era pragente fazer mais uma caverna no núcleo santana, a Caverna do Couto, mas chegamos 10 minutos atrasados, as 16h fecha a entrada das cavernas pois o parque fecha as 17h...
       
       
      neste dia estávamos esgotados, chegamos, jantamos e dormimos.
       
       
      domingão acordamos mais cedo pois era dia de ir embora pra casa, e ainda tinhamos as cavernas do núcleo Ouro Grosso pra visitar!

      o núcleo ouro grosso é bem próximo do camping, então fomos todos apé!
       
      lá nós fizemos duas cavernas.
       
      Caverna Alambari:

      são 40 minutos de trilha pra chegar nela (e 40 de volta), é uma caverna super bonita, antigamente tinha um percurso de água no final dela mas hoje está proibido, pois está acontecendo um fenômeno estranho no parque que o nível de água desta caverna está subindo em horas aleatória, tanto em período de seca quanto de chuva, e isso diversas vezes por dia, e tem dia que não acontece nada, como ninguém entendeu o que é isso ainda, a parte de água está proibida por motivos de segurança. tem uma parte dela que você tem que entrar se arrastando dentro de um túnel estreito e deopis escorregar por um buraco na pedra!
       
      e a última, Caverna Ouro Grosso:

      essa fica no núcleo mesmo, não tem trilha pra chegar nela, e é muito legal, dentro desta caverna existem 12 cachoeiras, mas o percurso turístico só chega na primeira, você também tem a chance de mergulhar na cachoeira da caverna aqui também (eu mergulhei nas duas cavernas que eu fui que tinha cachoeira heheheh)
       
      depois de voltar pro camping, tomar um bom banho e arrumar tudo, a Dona Idati, sempre muito atenciosa, nos preparou um super almoço no lugar do jantar, frango empanado, creme de milho e macarronada, uma delícia!!
       
      então pegamos o caminho de casa, passando pela cidade de Iporanga

       
      lá, como não podia deixar de ser, paramos para fazer umas comprinhas, artesanato local é sempre muito bem vindo para nossa coleção!

       
      e é isso aí pessoal, quem quiser passear no PETAR, vá! é muito bom! não vão se arrepender!
       
       
      sobre preços:
      cachoeira sem fim: 4 reais por pessoa (a entrada fica na propriedade de um senhorzinho)
      boia cross: 19 reais por pessoa (com direito a colete, capacete e caminhão pra voltar)
      núcleos: 6 reais o carro + 9 reais por pessoa (pra passar o dia todo, fazer quantas cavernas conseguir)
      guia: de 100 a 150 reais por dia (o grupo todo, depende do tamanho do grupo)
       
      ps. para entrar nos núcleos, estudante paga meia entrada, e acima de 60 anos é de graça.
    • Por Bru Oliveira
      Olá, amigos mochileiros!!!
       
      Mal terminou o ano novo já comecei a pensar onde poderia ir no carnaval...e, lendo e relendo os relatos, a decisão foi tomada: PETAR!
      Gostaria de fazer um agradecimento especial ao mochileiro "stephanriederer", cujo relato contribuiu significativamente para que nossa viagem pudesse ocorrer. Esse é o relato dele: petar-2013-conhecendo-as-cavernas-t77960.html" Valeu!!
       
      Entramos em contato com a Pousada da Idati, localizada no Bairro da Serra na cidade de Iporanga, na estrada sentido Apiaí. A diária do camping era R$ 30 e do quarto era R$ 60 por pessoa, com café da manhã e jantar inclusos. Mais barato até do que era quando o colega escreveu o relato (para nossa alegria!).
      A pousada é MUITO bem localizada no Bairro da Serra. Fica bem próxima aos Núcleos Ouro Grosso (10 min de caminhada), do Núcleo Santana (15 min de carro) e do Rio Betari, onde o pessoal faz Boia Cross.
      Os donos são a Idati e o sr. Alaor, uns amores de pessoa! Totalmente atenciosos. A primeira coisa que fizeram quando chegamos foi nos oferecer o telefone para avisar nossa família que chegamos bem, já que lá não há sinal de operadora nenhuma, rs.
       


       
      Pousada da Idati: http://pousadaidati.blogspot.com.br/" onclick="window.open(this.href);return false;
      Tel: (15) 3556-1404
       
      Com a pousada acertada o desafio foi encontrar algum monitor para nos acompanhar nas cavernas. Ligamos para as empresas turísticas mais famosas da região. Todos só fechavam o carnaval inteiro e a maioria já tinha grupos formados. Mandei e-mail para alguns monitores autônomos e obtive resposta do Danilo.
      Acertamos tudo por e-mail e deu tudo certo. O valor foi muito justo: R$ 45 por pessoa/dia já incluso o capacete e a lanterna (indispensáveis para entrar nas cavernas, e se fosse alugar por fora sairia em torno de R$ 25 o kit).
      Demos sorte com nosso monitor. É uma pessoa confiável, atencioso com o grupo, entende muito de cavernas, super gente fina, ele e sua esposa, também guia turística, Liliane.
       
      Blog do Danilo: http://www.petardanilo.com.br/" onclick="window.open(this.href);return false;
      E-mail: [email protected]
      Cel: (15) 9753-5356
       
      Bom, tudo certo, pé na estrada (e que estrada!). A viagem que levaria 5 a 6 horas levou 9h devido ao trânsito de carnaval ãã2::'>
      O caminho para quem vai de São Paulo não é difícil, mas requer muita atenção para não perder a entrada de Jacupiranga. Essas são as rotas que encontramos através do site do Petar:
       
      SAINDO DE SÃO PAULO:
       
      • Rodovia Régis Bittencourt (BR116) passar por Tabõao da Serra, Embu, São Lourenço da Serra, Juquitiba, Miracatu, Juquiá, Registro. Seguir até Jacupiranga onde deve deixar a BR116 e entrar na cidade de Jacupiranga. Pegar a rodovia SP193 até Eldorado. Em Eldorado, pegar rodovia SP165 sentido Caverna do Diabo e Iporanga, são 70KM de Eldorado até Iporanga. Trecho todo feito por estrada asfaltada.
       
      • Rodovia Castelo Branco (SP280) passar por Araçariguama e Boituva, seguir até a saída para a rodovia SP127 - sentido Tatuí. Seguir esta rodovia até Itapetininga (não precisa entrar na cidade), seguir até o Trevo e entrar sentido Capão Bonito. Em Capão Bonito seguir a rodovia SP250 para Guapiara e Apiaí. De Capão Bonito até Apiaí a distância é de
      aproximadamente 90KM. Em Apiaí, seguir pela rodovia SP165 sentido Iporanga, passando pelo Núcleo de Santana e Bairro da Serra. A distância Apiaí - Iporanga é de aproximadamente 40KM de estrada de terra.
       
      • Saindo de São Paulo no sentido Litoral, pegar a Rodovia Imigrantes ou Anchieta sentido Mongaguá. Passar Itanhaém, Peruíbe, Itariri, Pedro de Toledo até a rodovia BR116. Entrar
      na BR116 (sentido Curitiba) e passar por Miracatu, Juquiá, Registro e seguir até a cidade de Jacupiranga. Deixar a rodovia BR116, entrar na cidade e pegar a rodovia SP193 até
      Eldorado. Em Eldorado, pegar a rodovia SP165 sentido Caverna do Diabo e Iporanga. São 70KM de Eldorado até Iporanga. Trecho todo feito por estrada asfaltada.
       
       
      SAINDO DE CURITIBA:
       
      • Rodovia Régis Bittencourt (BR116) seguir sentido São Paulo, passar pela cidade de Cajati e seguir até a cidade de Jacupiranga. Deixar a rodovia BR116, entrar na cidade e pegar a rodovia SP193 até Eldorado. Em Eldorado, pegar a rodovia SP165 sentido Caverna do Diabo e Iporanga. São 70KM de Eldorado até Iporanga. Trecho todo feito por estrada
      asfaltada.
       
      • Estrada de Colombo seguir sentido Colombo, passar por Adrianópolis e Ribeira chegando à cidade de Apiaí, trecho todo feito por estrada asfaltada. De Apiaí seguir para Iporanga (40 km de estrada de terra), passando pelo núcleo Santana e bairro da Serra (25 km).
       
      • Rodovia Régis Bittencourt (BR116) seguir sentido São Paulo, deixando a rodovia BR116, entrando na cidade de Barra do Turvo (Cerca de 40 km estrada asfaltada). Seguir de Barra do Turvo pra Iporanga ( cerca de 40km, estrada de terra).
       
       
      Saímos sábado (09) de São José dos Campos às 5h. Chegamos em torno das 15h. Bem mais tarde do que prevíamos. Havia chovido muito, o tempo estava nublado mas quente. Fomos pra pousada, nos trocamos e saímos para fazer Boia Cross. Como disse anteriormente, continuando a (única) estrada da pousada, que vai de Iporanga a Apiaí, em 10 min você chegará a várias lojinhas, pousadas, lugares para alugar a boia e a famosississíssima Pastelaria da Zeni, rs. Definitivamente o point do Bairro da serra!
       

       
      Alugamos nossas boias na lojinha da Pousada da Diva. Foi R$ 19 a boia, o colete, o capacete e o transporte de volta. Porém NÃO é aconselhável descer o rio sem guia, pois há vários pontos em que as corredeiras são fortes e não dá pé. Além do que o guia sabe o melhor caminho pra desviar das pedras. Nossos guias foram dois meninos, Cauã e Fabrício, que trabalham na pousada da Diva, e que apesar da pouca idade, são verdadeiros ferinhas no Boia Cross! Nos ajudaram MUITO! R$ 20 pelos guias para o grupo todo. Mas a moça fez um desconto e no total saiu R$ 20 tudo para cada um
       
      Gostei demais de fazer Boia Cross! A descida leva quase 1h. Bem divertido, ainda mais em grupo. Ah, só pode descer se estiver de CALÇA e TÊNIS. Tá avisado
      É bom colocar umas joelheiras também....depois que fizerem vão entender porquê....rs

       
      No dia seguinte levantei às 6h porque o café começa a ser servido às 7h. Às 7h20 nosso monitor chegou na Pousada, como combinado, e deixou conosco os capacetes com as lanternas e marcamos na entrada do Núcleo Santana às 8h. Na portaria do Núcleo eles vendem aquele livrinho "Trilhas de São Paulo", que estava doida para encontrar. R$ 5 e já carimbamos na página da "Trilha do Betari", que foi a que fizemos nesse dia.
      O Danilo disse que as cavernas principais estavam lotadas já, com horários agendados pro dia todo, então fizemos a trilha. E que trilha!!!! Não sou uma pessoa sedentária, mas aquela trilha me tirou as palavra da boca! rs São mais ou menos 4h de percurso só de ida e mais 4h de volta, entre muito barro, várias travessias no Rio Betari, cascalhos, pedras lisas, galhos e uma paisagem belíssima! Apesar do cansaço físico a mente fica renovada com um lugar tão puro! Considero a mais difícil que fiz, mas valeu a pena com certeza.
      No meio da trilha passamos pela Caverna da Água Suja. Ela é inteira com água e quanto mais fundo da caverna mais a água sobe até ao ponto de chegar a uma pequena queda d'água em seu interior. Imagina como estava quente a àgua! rs Não há passagem para o outro lado, então é só voltar até o começo para sair. Bem bonita, com trechos para se agachar, salão do golfinho e a quedinha d'água no final.
      Ao final da trilha chega-se às cachoeiras Beija-Flor e Andorinhas. A água (gelaaada) refrescou e reanimou para o caminho de volta. Não antes de um belo lanche :B




       
      Voltamos pra Pousada, jantamos uma comida deliciosa da Idati, com direito à sobremesa, e dormimos que nem pedra ^^
       
      Segunda-feira (11) foi dia de Núcleo Ouro Grosso. Encontramos o Danilo na Pastelaria da Zeni e seguimos ao Núcleo. Apesar de chegarmos cedo também já haviam muitos grupos na frente, então o roteiro foi Caverna Alambari de Baixo e Cachoeira Sem Fim.
      Tem que andar uns 40 min de trilha até a caverna. E lá fomos nós apostar quem escorregava menos no barro. Nem ligava mais pra lama. Meia branca era lenda! rs As minhas deram PT! u.u
       
      Na Alambari de Baixo sim me senti entrando numa caverna. Para entrar precisa descer umas pedras enormes lisas. Ela é muito grande e é descida o tempo todo. Teste de claustrofobia! Há um momento que apagamos todas as lanternas para sentir como é a escuridão na caverna e ouvir a água pingando. Uma sensação única!
      Linda, linda, linda. Adorei essa caverna. A travessia dela está proibida, mas dizem que tem que escorregar por túneis e andar com água até o peito para chegar ao outro lado.
       
      Só fiquei triste por não ter visto nenhum morcego
       
      Na volta fomos para a Cachoeira Sem Fim, que fica na estrada voltando para Iporanga, pertinho da Pousada. A cahoeira fica na propriedade de um senhor (que inclusive está vendendo o lote) e cobra R$ 4 para entrar. Tem que andar por uma trilha (com barro, claro). Lá tem três cachoeiras pequenas mas bem gostosas.
       
      Voltamos, jantamos, e quando estávamos quase cochilando surgiu a ideia de irmos ao Mirante entre Iporanga e Apiaí, de onde há várias histórias sobre ET's. Todos da região conhecem e dizem ter visto, Inclusive a ideia veio do relato do colega mochileiro, que disse também ter visto algo estranho.
      Enchemos o peito de coragem e fomos pro mirante. Fica exatamente 8,2 km da entrada do Núcleo Santana, na mesma estrada. É uma estradinha de terra bem sinuosa e estreita, então bastante cuidado ao dirigir ali.
      O mirante é um murinho ao lado da placa "Vale do Betari". Descemos do carro, apagamos as luzes e ficamos esperando os et's na escuridão total, rs. Infelizmente (mas felizes por dentro), não vimos nada de estranho. Aí na pousada descobrimos que fomos cedo demais, que as coisas estranhas começam a acontecer das 23h em diante. Poxa, tem até hora marcada! rs
       
      Terça-feira de carnaval era dia de ir embora. Como saímos cedo e o caminho de volta passa por Eldorado, aproveitamos para conhecer a Caverna do Diabo. A entrada é R$ 20 incluso o guia, que você conhece na hora. São só 600m que podem ser visitados na caverna e o caminho é todo por passarelas e escadas. Há iluminação artificial lá dentro e uns aparatos tecnológicos. Sei que tudo isso é para facilitar a vida do turista, porém para isso devem ter alterado drasticamente o interior da caverna. Todavia ela não deixa de ser magnífica! A mais bonita que visitamos! São formações bem mais antigas, segundo o guia, e por isso sua altura e espeleotemas diferenciados. Muito bonita, recomendo a visita.
       
      DICAS:
      *Não adianta se esconder do trânsito, feriado é sempre feriado, portanto se prepare se quiser viajar em feriados prolongados, pois o Petar fica bastante movimentado.
       
      *Procure antecipadamente as cavernas e os núcleos que deseja visitar, para quando chegar na hora não ficar perdidasso. Mas se o roteiro tiver de ser mudado não desanime. Todo lugar diferente vale a pena conhecer.
       
      *Procure também ficar numa pousada/camping no bairro da Serra, pois economizará tempo e dinheiro quando precisar se locomover aos núcleos. Há dezenas, uma ao lado da outra. No site do Petar há informações sobre isso e muito mais:
       
      http://www.petaronline.com.br/" onclick="window.open(this.href);return false;
       
      *Não esqueça das roupas e tênis para molhar, caminhar e sujar. Não vá correr o risco de ir até o Petar e não poder fazer uma atividade por não estar com a roupa adequada.
       
      *Se for fazer a Trilha do Betari: Vai na fé!!! rs Brincadeira, mas precisa de fôlego mesmo. E calçados anti derrapantes.
      Gostaria de saber a opinião de quem fez a trilha pra saber se só eu a achei cansativa
       
      *E a dica mais importante: Quando estiver descendo o rio de Boia Cross: Cuidado com o joelhoooo!!!!! kk
       
       
       
      E fui!
×
×
  • Criar Novo...