Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

PriAbdias

Uruguai: Montevidéu, Colônia do Sacramento, Punta Del Este, Litoral leste e Cabo Polônio

Posts Recomendados

O Uruguai é um ótimo país para visitar com crianças. Por ser pequeno, é possível percorrer os principais pontos turísticos do país de carro. As estradas têm boas condições de conservação e são bem sinalizadas. Praticamente, não há engarrafamento e é possível se deslocar rapidamente. Não usamos transporte público, pois, como viajamos com crianças pequenas, preferimos alugar um carro - é um conforto que vale o preço.

Em geral, o povo é hospitaleiro e o clima, no verão, é bem agradável. Apesar de o peso uruguaio ser desvalorizado em relação ao real, os preços das mercadorias e serviços são altos.

Abaixo o resumo da viagem:

  • Período - 10 dias (17 e 26 de janeiro de 2018)
  • Grupo - 5 adultos, 1 adolescente de 17 anos, 2 crianças (5 e 1 ano e 9 meses)
  • Voo - desde o RJ são menos de 3 horas de voo. Compramos as passagens em setembro pela Latam que tinha preços mais baixos (aprox R$2700 para 2 adultos e 1 criança).
  • Carro - alugamos pela Punta Car, por meio do Decolar., aprox R$750 para 10 dias. Dá pra parcelar em 10x.
  • Alimentação - existem muitos restaurantes oferecendo a Parrillada (churrasco), mas, fora isso, basicamente, os outros pratos consistem em frango ou carne empanados com batata frita. Não nos agradou. Acabamos cozinhando em casa algumas vezes. O preço da comida costuma ser alto em todas as cidades. Algumas vezes, tivemos que comer no Mac, BK e Subway.
  • Cartão - pagamos a maioria das despesas com alimentação no cartão de crédito, pois tem desconto de imposto (IVA).
  • Câmbio -  Perto da Praça da Constituição, em Montevidéu, achamos a melhor cotação. Fomos trocando aos poucos, funcionou bem.
  • Documentação - Pode ser apresentado passaporte ou RG. Para dirigir, basta ter a CNH brasileira.
  • Gasolina - aprox R$ 6 

Roteiro

Dia 1 - apanhamos o carro e dirigimos rumo à Colônia do Sacramento; são cerca de 200km. Apesar da distância, vale a pena, pois a cidade é uma graça. Rende ótimas fotos.
Um dia na cidade é suficiente para conhecê-la. Andar por suas ruas de pedras, tomar um café e curtir o clima de passado conservado.
 
Dia 2 - retornamos para Montevidéu. Por estarmos em grupo, preferimos alugar um apartamento (AirBNB) onde poderíamos ter mais espaço e economizar com as refeições. Ficamos hospedados na General Rivera, em Parque Battle.  É uma das avenidas principais, tem amplo comércio e é perto do Centro. Esse dia foi de deslocamento.
 
Dia 3 - estacionamos o carro no Centro e fomos a pé conhecer os pontos turísticos da região: Praça General Artigas e Mausoléu, Porta da Ciudadela, Mercado, Teatro Solís, Casa do Governo, Museu do Banco da República,  Praça da Constituição, Café Brasileiro. O que mais gostamos foi o Mercado, é muito gostoso sentar do lado de fora e ficar conversando vendo o tempo passar. À noite, fomos para Pocitos, passear nas ramblas (orla) e tirar fotos no letreiro de Montevidéu.
 
Dia 4 - Nesse dia, alguns de nós não estavam passando bem. Optamos por descansar no ap. e, depois, dirigimos para Punta Del Este (aprox 130km). Nossa hospedagem foi uma casa em Balneário Buenos Aires. A casa era bonita e confortável; porém, achei muito distante das principais atrações de Punta.
 
Dia 5 - Passeamos em Punta. Tiramos fotos no monumento La Mano / Los Dedos, entramos no hotel Conrad e fizemos um joguinho no Cassino. Paramos na região portuária onde pudemos ver (e até alimentar!) um lobo marinho. No horário que fomos, estava funcionando um mercado de peixes. Meu marido apanhou um pedaço de peixe e o lobo veio até a borda do pier apanhar. Foi muito legal. Almoçamos no Punta Shopping (onde tem MacDonald's!). Ao final da tarde, fomos à Casa Pueblo  em Punta Ballena) conhecer os itens em exposição e assistir ao pôr do sol. Essa foi uma das melhores experiências da viagem.
 
Dia 6 - Fomos ao Parque das Esculturas (entrada e estacionamento gratuitos). Local muito bonito e ótimo para deixar as crianças correrem.  Depois, fomos à praia. Nós que moramos no Brasil, contamos com inúmeras, diversas e maravilhosas praias. As praias do Uruguai, sem querer desmerecer, não fazem concorrência com as nossas; mas, ainda assim, são bonitas e, já que se está no lugar, vale a visita. Ao final do dia, um grupo voltou a Montevidéu, pois retornaria ao Brasil no dia seguinte e meu marido, minha filha (5 anos) e eu seguimos para Valizas (aprox 150km). A ideia era passar a noite para, no dia seguinte, conhecer Cabo Polônio.
Valizas tem um clima muito roots e alternativo. Tem muita galerinha hippie apresentando seu trabalho com artesanato e circo. Ao entardecer, fomos à praia e à feirinha de artesanato. 
 
Dia 7 - Começamos aqui a fazer o circuito contrário, dirigindo em sentido Montevidéu. Fomos até Cabo Polônio (aprox 13km). A entrada é muito bem sinalizada, com grande outdoor e placa, difícil não ver. É preciso deixar o carro no local e, a partir dali, segue-se de caminhão (adaptado para passageiros). Custa 230 pesos (aceitam outras moedas, como Real e Dólar, porém, não aceitam cartões). Leve dinheiro!
Foi uma experiência parecida com a de visitar os lençóis maranhenses. Cabo Polônio é um lugar muito bonito e especial. Tem uma energia diferente. Almoçamos no La Golosa (carinho, mas a comida é gostosa - peça o risoto de camarão!). Depois, seguimos caminhando até o farol. No caminho, já começamos a avistar muitos lobos e leões marinhos nadando e, mais perto do farol, há dezenas deles (ou centenas, não sei) tomando sol nas pedras. Ficamos por ali, admirando. O farol fecha durante o almoço (13h às 15h). Não pudemos subir, pois, só é permitido para crianças acima de 8 anos. Em seguida, ficamos um pouco na praia. A água é gelada - como nas praias do RJ hehehe - mas, tem um cheiro muito forte, acredito que seja decorrente da grande presença dos lobos marinhos.
 
No final da tarde, dirigimos até La Paloma (aprox 49km), onde passamos a noite. La Paloma é uma cidade bem fofinha, demos um rolê na praia, depois fomos a um parquinho e à noite, jantamos uma parrillada.
 
Dia 8 - A ideia era curtir um pouco da praia, mas como estava chovendo, resolvemos ir direto para Piriápolis (aprox 150km). Piriapólis já é um local mais movimentado, com muitos turistas. A intenção era dormir aqui, mas tivemos grave problema com os donos da hospedagem; então, após alguns aborrecimentos, andamos um pouco para conhecer o centrinho e depois seguimos para Montevidéu.
Chegando em Montevidéu, optamos por um hotel mais confortável e com alguns luxos, pois estaríamos encerrando a viagem. Fomos para a piscina do hotel e depois descansamos.
Dia 9 - Acordamos tarde e ficamos um tempo sem fazer nada rsrsr. Curtindo o nadismo! À tarde, fomos visitar o estádio Centenário. Gostamos muito. Paga-se uma taxa (não lembro, acho que são 5 dólares) para visitar o museu e se pode entrar no estádio, nas arquibancadas. Fomos ao shopping e retornamos para arrumar nossas coisas.
 
Dia 10 - Fim da viagem. Retorno ao RJ.
 
Essa viagem foi maravilhosa, apesar de um ou outro contratempo, as coisas correram bem. Como alugamos carro, pudemos conhecer muito de Montevidéu e das outras cidades. As estradas são muito boas e com uma paisagem linda. Dirigimos muitos quilômetros. Gostamos muito dessa sensação de pegar a estrada, mas, para não ficar muito cansativo, optei por fazer pernoites e aproveitar para conhecer alguns lugares no caminho - deu super certo.
Em janeiro, as coisas acabam sendo mais caras, mas, por estarmos no verão, os dias são muito longos e a temperatura é muito agradável, o que favorece os passeios. Acho que não teria curtido muito se tivesse ido em uma época fria, pois o vento lá é constante.
Em geral, os uruguaios são educados, gentis com o turista e não são desconfiados ou burocráticos.
Acho que quem viaja com crianças já deve saber, mas, reforço, leve protetor solar, remédios e repelente. Além de jogos e vídeos no celular para distrair a criança, quando necessário.
Com 10 dias, deu pra conhecer os principais pontos, tranquilamente. Um viajante sozinho ou sem crianças poderá fazer mais coisas. Mas, adotamos um ritmo em que ninguém ficasse sobrecarregado, afinal, são férias! As crianças curtiram muito o passeio. 
Destino super aprovado para férias em família!:x

Compartilhar este post


Link para o post

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por VoandoAltoFH
      Pessoal,
      Vou fazer um relato detalhado do Mochilão que fiz no comecinho deste ano, mas que lembrei só agora de postar aqui neste site.
      O legal de tudo isso é que registrei em videos, então estará bem fácil entender o passo a passo da viagem.
      Foram no total 32 dias de viagem e gastei R$ 13.560,00 para 2 pessoas, incluindo TUDO (hospedagem, comida, passagem aérea, passagem de ônibus, seguro viagem, passeios, transporte, taxi, mercado, museu, gorjeta, entrada de parques, etc)!!! Considerando que a cotação do dólar na época beiravam os R$ 3,85 posso dizer que em moeda americana saiu por US$ 3.522,00.
      Ressalto que se dividir o valor por pessoa, acabou saindo então por R$ 6.780,00 ou US$ 1.761,00 por pessoa aproximadamente. 
      Então, acredito que saiu bem barato e aproveitei muito a viagem.
      Todos os episódios estão registrados no meu canal do Youtube, mas postarei um pouco mais detalhado aqui, já que o conteúdo é escrito.
      Mas quem tiver curiosidades, poderá assistir por lá.
       
      Canal Voando Alto
       
      Abs!
    • Por VoandoAltoFH
      Assista em Video no Youtube - Casa Pueblo
       
      Estarei explicando a forma mais barata de se visitar a famosa Casa Pueblo.
      Apesar dele ficar em Punta del Este, é necessário pegar um ônibus para chegar até lá. Leva em torno de 30 minutos saindo do centro da cidade.
      É a opção um pouco mais trabalhosa, mas sai bem mais barato, do que ir de taxi ou pacote turístico. E você vai ficar com tempo livre pra fazer o que quiser, sem limitação.
      No caso do ônibus, a ida e volta saiu em torno de 141 pesos uruguaios, que daria em torno de R$ 16,00. Foi bem barato. 
      Os ônibus saem em intervalos de 1 hora, acabei escolhendo a empresa Copsa Leste, que era a mais conhecida da região.
      No mapa da região estarei explicando o passo a passo. Caso queira pular essa parte, vá para o tempo 3:43 do vídeo.
      Estaremos vindo pela direita, conforme indiquei anteriormente. O motorista vai deixar num ponto de ônibus. Na hora de voltar terá que aguardar no outro sentido da rodovia.
      Você terá que atravessar a rodovia e caminhar por 30 minutos até chegar ao local.
      Vamos ver o modo detalhado. Atravesse a estrada, tem que ter muito cuidado, pois não há faixa de pedestre e os carros estão em alta velocidade. O video estará mostrando os detalhes.
      Ao nesse ponto poderá ir pela rua de cima, mas escolhi ir por baixo, pois estava querendo ver a vista do mar, que é onde fica Punta Ballena.
      Lembrando que na volta, não existe nenhum ponto de ônibus, você terá que parar os ônibus que estão circulando e perguntar a cada um deles se estará indo ao terminal rodoviário de Punta del Este, assim será bem mais rápido. 
      Ou poderá simplesmente se basear nos horários informados pela empresa de ônibus, com a estimativa de quando irá passar no local, no meu caso foi a empresa Copsa Leste. Mas na volta peguei qualquer empresa de ônibus.
      Sempre tenha dinheiro em mãos, ou seja, pesos uruguaios.
      Aqui é o ponto de ônibus, terá que atravessar a estrada. Desça a estrada e vire a direita, suba a rua. Vai ver uma placa azul informando da Casa Pueblo, é só seguir reto.
      Aprecie a paisagem e as casas, vi que só tinha mansão, pois era um bairro de classe alta.
      Bem à direita, teremos escadas que descem a rua que dá acesso à Casa Pueblo. E aqui estamos nós. Não esqueça de visitar Punta Ballena. Valeu!
      * Preços
      - Ônibus: na ida é mais caro pois é cobrada a taxa de embarque do terminal de ônibus.
      Ida - 79 pesos uruguaios - R$ 9,00
      Volta - 62 pesos uruguaios - R$ 7,00
      - Ingresso Casa Pueblo: idosos tem desconto.
      Valor: US$ 10,00 (dólares americanos) - R$ 38,00
      * Links
      http://www.copsa.com.uy/es/
      https://www.casapueblo.com.uy/pt/visi...
      * App de Mapas Offline
      https://br.maps.me/
    • Por VoandoAltoFH
      Assista em video no Youtube - Punta del Este
       
      Estarei mostrando os principais pontos turísticos de Punta del Este. Lembrando que as fotos são apenas uma introdução, os vídeos já estarão aparecendo em breve. 
      Essa seria a primeira cidade que conheci no meu mochilão na América do Sul, dos 4 países (Uruguai, Argentina, Chile e o Peru). Foram necessários 2 dias para conhecer o local. 
      No primeiro dia foquei em conhecer o centro da cidade e no segundo, fui visitar a Casa Pueblo, que apesar de ficar em Punta del Este, é necessário pegar um ônibus para chegar até o local. Leva em torno de 30 minutos de ônibus, mais um caminhada a pé de 40 minutos, os detalhes estarei comentando nos próximos vídeos.
      Os pontos turísticos que visitei estão na seguinte ordem, pois é um caminho que fiz a pé:
      - Los Dedos, na Playa Brava
      - Centro da Cidade
      - Virgem da Candelária
      - Farol de Punta del Este
      - Marina del Puerto
      - Playa Mansa
      - Muelle Playa Mansa (Pier)
      - Enjoy Punta del Este Casino & Resort
      - Casa Pueblo
      - Punta Ballena
      Quando você chegar na cidade, recomendo realizar o câmbio de moedas no próprio Terminal Rodoviário de Punta del Este. Lá era bem seguro e ofereciam uma boa cotação para o câmbio.
      As minhas primeiras impressões do Uruguai não foram muito boas em termos de preço, porque as coisas estavam muito caras. O custo de vida aqui no Uruguai e principalmente em Punta del Este era muito alto. 
      Posso dizer que os preços estavam de 20 a 30% mais caros que o Brasil. Então tive que economizar ao máximo e evitar de comer nos restaurantes.
      Como a viagem era mochilão, tive que sobreviver com as famosas empanadas ou os fast foods da vida. Me virei também com compras no supermercado e assim cozinhar no próprio hostel, assim pude economizar muito mais.
      O primeiro ponto turístico é Los Dedos, que fica bem em frente ao Terminal de Ônibus, na perto da Playa Brava.
      No centro da cidade, terão uma grande variedades de restaurantes. Aproveite para passar na Informação Turística e pegar o mapa da cidade, gratuitamente. A praça que registrei as imagens, por ser bem arborizada.
      Temos a imagem da Nossa Senhora da Candelária. Bem na parte de trás vi que os passáros ficavam todos amontoados e registrei as imagem. 
      O farol de Punta del Este, pra falar a verdade, não tinha muita coisa pra ver. Pois não era permitido a entrada, fui apenas para tirar fotos.
      A Marina de Punta del Este, com restaurantes por perto para quem aprecia frutos do mar. Se der sorte, vocês verão leões marinhos aparecendo na Marina.
      Lá no fundo eles vendem os passeios para visitar a Ilha dos Lobos, onde é possível ver leões marinhos ou focas. Bem ao lado vendem peixes frescos, sashimis e frutos do mar.
      Temos a Playa Mansa, em que os ventos são menos fortes que a Playa Brava, pelo próprio nome dá para saber. Existem caminhos feitos de madeira, ótimo para fazer uma caminhada ou corrida de manhã. Achei essa praia muito boa pra curtir com a família e crianças, pois as ondas eram um pouco mais calmas.
      Casa Pueblo, aqui a entrada custa em torno de US$ 10,00 por pessoa, ou seja, quando eu fui acabei pagando em torno de uns R$ 38,00. Idoso tem um pequeno desconto no ingresso. Mas acho que o passeio valeu a pena.
      O lugar era muito bonito, ótimo para que aprecia uma boa arquitetura, obras artísticas e vista para o mar. Aproveite para tomar um café ou uma bebida e curtir a paisagem. Creio que fiquei sentado por vários minutos, foi bem relaxante.
      Na parte interior, temos algumas obras artísticas e a história do artista plástico e arquiteto uruguaio Carlos Paéz Vilaró. É praticamente que um museu e galeria de arte. Existe um conjunto de hotel ao lado, mas acredito que as diárias custam o olho da cara.
      Bem próximo a entrada, temos um pequeno cinema, que de 15 em 15 minutos explica sobre a vida do artista Carlos Paéz Vilaró, também sobre a construção da Casa Pueblo.
      Aproveite para visitar também Punta Ballena que fica a 15 minutos a pé de Casa Pueblo. Ótimo para tirar boas fotos. Há venda de artesanatos e souvenirs do Uruguai.
      O que faria de diferente se eu viesse novamente pra cá? 
      Se quiserem economizar, recomendo vocês irem para Montevideo e de lá, contratarem um pacote turístico que visite todos os principais pontos de Punta del Este, incluso a Casa Pueblo. Sai bem mais em conta, pois as hospedagens e a alimentação daqui é muito caro.
      É isso, espero que gostem do vídeo, curtam e se inscrevam no canal. Valeu!
    • Por Mari D'Angelo
      A experiência de conhecer o Uruguay foi especialmente interessante, pois exceto uma pisadinha no Paraguay e na Argentina em uma viagem à Foz do Iguaçu, quando ainda era criança, nunca tinha viajado para outro país da América do Sul.
       
      Chegamos em um sábado de manhã no pequeno e moderno aeroporto de Carrasco. No começo foi engraçado pedir informações pois não falo espanhol (e pra ser sincera, não é uma língua que me agrada muito) e a técnica do “portunhol” soa ridícula demais! Enfim, com o tempo passamos a usar o português mesmo, que eles conseguem entender se falamos devagar, as poucas palavras que sabemos em espanhol e as vezes até alguma coisa em inglês para ajudar.
       
      É bem simples chegar ao centro, não acho que seja necessário taxi ou van, a não ser que você tenha muitas malas ou prefira algo mais confortável. Bem em frente à saída do aeroporto tem um ponto onde passam vários ônibus com os nomes dos destinos finais, no nosso caso pegamos o “Montevideo” mesmo, caso não vá para o centro é só se informar por lá. O valor é 45 pesos uruguaios (R$4,50) e demora menos de 1h. Ah, caso o motorista não abra a porta quando você der o sinal, grite “Puerta!”, funciona como o “Vai descer!” que usamos aqui em São Paulo rs.
       
      Escolhemos ficar no Hotel California (claro que eu cantei mentalmente a música cada vez que li o nome em algum lugar! Rs), achei o custo benefício bastante bom! A localização é ótima, paralela à principal avenida e apenas alguns minutos da Cidade Velha (onde tinham algumas opções menos caras mas pelos comentários no Booking.com não é uma região muito segura à noite.).
       
      Sábado a tarde e domingo quase tudo fecha na cidade (inclusive casas de câmbio e locadoras de carro), então caminhamos pela avenida 18 de Julio até o Teatro Solís, que fica aberto. A primeira parada foi na Fuente de los Candados, a tradição é a mesma de alguns lugares da Europa, como a Pont des Arts em Paris, onde casais colocam cadeados com seus nomes para que o amor seja eterno.
       
      A arquitetura da capital Uruguaia me chamou muito a atenção, a mistura de estilos arquitetônicos do moderno com o antigo é muito interessante, vale parar alguns minutos diante de alguns prédios só para observar todos os detalhes. Inclusive um dos melhores lugares para notar esse contraste é chegando na Plaza Independencia, onde se encontra o Palácio Salvo, um dos prédios mais lindos de Montevideo, que funciona tanto para escritórios quanto para fins residenciais. Essa praça, que tem como monumento central uma homenagem ao general José Artigas, divide a área central e a Cidade Velha. Na entrada da área mais antiga da capital está a Puerta de la Ciudadela, único resquício de uma antiga fortaleza que protegia a cidade. É bastante interessante pela história, mas não me empolgou muito como ponto turístico.
       

       
      Continuando o caminho, agora já dentro da Cidade Velha, seguimos pela rua Sarandi, onde ficam algumas banquinhas de artesanato, lojas, cafés e restaurantes. A Plaza Constitución, que abriga uma feira de antiguidades, é a mais antiga da cidade. Logo em frente está a Catedral Metropolitana de Montevideo. Na rua da catedral há um lugar chamado Café Brasilero, havia lido em alguns lugares como algo imperdível mas quando cheguei lá não me empolguei em entrar, não sei se seria diferente de qualquer outro café.
       
      Finalmente chegamos ao nosso destino, o Teatro Solís. Às 16h há uma visita guiada por 50 pesos (R$5,00), três jovens funcionários super simpáticos nos apresentaram, em português, aos pontos mais importantes do local. Com certeza a sala principal de espetáculos é a parte mais incrível, inclusive suas cadeiras são feitas com uma tecnologia brasileira que se auto-destrói em caso de incêndio para que o fogo não se espalhe. Os guias contam a história do teatro e curiosidades como essa numa visita que dura aproximadamente 1 hora.
       

       
      A Cidade Velha também é um pólo interessante de arte de rua, eu como apaixonada por grafites, não resisti e tive que registrar alguns.
       
      Como em outubro o sol se põe lá pelas 20h, aproveitamos para caminhar mais um pouco pela Cidade Velha. Entramos para conhecer o famoso Mercado del Puerto (onde estava passando um Palmeiras x Corinthians na TV!), a estrutura é semelhante ao Mercadão de São Paulo, porém dentro (e ao redor) funcionam diversos restaurantes, mas achei bastante caro. Aliás, comer e beber em Montevideo não é exatamente uma pechincha. Acabamos parando para uma cerveja em um simpático café + loja de design chamado Sinestesia, que fica pelos arredores do mercado.
       
      Descemos então para a Rambla (avenida que beira o Rio da Prata) e encontramos um lugarzinho para admirar o fantástico pôr-do-sol entre os uruguaios com suas cuias de chimarrão (todos eles vivem tomando seu chimarrão, em qualquer lugar, à qualquer hora).
       

       
      Como a viagem foi para comemorar o aniversário do namor(i)do, fomos procurar um lugar legal para jantar, pegamos a dica da Avenida Dr. L. A. de Herrera, no bairro de Buceo e fomos de ônibus até lá (uma curiosidade sobre os ônibus, geralmente eles deixam tocando música ou notícias, é como se o motorista tivesse no carro dele, aumentando e diminuindo o som de acordo com seu gosto, chega a ser engraçado! Rs). Bom, essa rua tem diversas opções que parecem bem legais, escolhemos o Barba Roja, uma mistura de bar e restaurante. A dica aqui é, peça um prato para 2, sério, o tamanho deles é realmente absurdo, dá até dó pois não conseguimos comer nem metade.
       
      No segundo dia fizemos um bate e volta em Punta del Este, mas isso será assunto para outro texto. Era domingo de eleições por lá também e foi muito interessante ver o comportamento deles em relação a isso. Desde que chegamos no aeroporto, vimos pelo caminho bandeiras, propagandas, muros pintados, manifestações (pacíficas), enfim, a cidade respirava campanha política. Quando voltamos ao hotel, passando pela 18 de Julio, ficamos impressionados com a festa! Já haviam saído as parciais e o sucessor de Mujica (o atual presidente, que na minha opinião é um exemplo a ser seguido) ganharia. A impressão que dava é que eles realmente estavam felizes e satisfeitos com sua escolha, que tinham confiança no partido que apoiavam, e não eram apenas os mais velhos, crianças e muitos adolescentes e jovens comemoravam efusivamente, o clima era leve, de alegria e paz. Olhando tudo aquilo fiquei com inveja (no bom sentido), eu gostaria muito de poder apoiar um partido que me representasse desta maneira.
       

       
      No fim da noite, caímos sem querer no Facal, um café-restaurante em frente à fonte dos cadeados que diz ser o mais antigo da cidade. Recomendo muito comer as empanadas de lá, são deliciosas! Além delas, outra iguaria típica do país é o Chivitos, que não passa de um sanduíche com diversos recheios para escolher, como não como carne, não posso dizer se é algo que vale a pena ou não.
       
      No dia seguinte começamos pelo Mirador de la intendencia, um mirante 360º que fica no último andar do prédio da prefeitura e é de graça, basta retirar a entrada no centro de informações turísticas que fica bem em frente.
       
      De lá seguimos para o Parque Rodó, bastante agradável e bem cuidado. Nossa ideia era continuar a pé pelas Ramblas até a Playa Pocitos, mas o calor estava insuportável e foi realmente impossível completar o trajeto, acabamos conhecendo apenas a Playa Ramirez e passando em frente ao Memorial del Holocausto.
       

       
      Não dá pra ir embora sem trazer na mala vinhos e alfajores né? Então pegamos a indicação do Ta-ta, um mercado barato onde encontramos bons vinhos por uma média de R$15,00 e uma infinidade de opções de alfajores e doces de leite, ficamos com os da marca Lapataia, indicação de uma brasileira (e são mesmo muito bons!).
       
      Esse é o tipo de viagem diferente que é possível fazer em um fim de semana, fique de olho nas promoções de passagens aéreas e vá aproveitar toda a simpatia do Uruguay.
       
      Texto original e mais fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/uma-escapadinha-para-montevideo/
    • Por Mari D'Angelo
      Post original com fotos e mapas aqui: http://www.queroirla.com.br/bate-volta-em-punta-del-este/
       
      Durante nossa viagem à Montevidéu, resolvemos fazer um bate-volta para Punta del Este, afinal, é quase obrigatório já que é tão pertinho e fácil de chegar. A maioria das pessoas vai atrás das praias, cassinos (que são liberados por lá) e badalação. Eu confesso que a parte da cidade que mais me chamou atenção foi justamente a que era o oposto disso. Não foi um lugar que me encantou, mas tem lá seu charme!
       
      Saímos no domingo cedo e pegamos um ônibus até o aeroporto para buscar o carro alugado na Budget. A estrada é bem tranquila e o caminho é basicamente uma reta só, o trajeto dura aproximadamente 1h30. Ah, uma dica importante, logo que chegamos no hotel em Montevidéu, um funcionário já nos alertou sobre a lei seca, disse que haveriam muitos comandos na estrada e que lá não há tolerância, qualquer sinal de álcool (e até maconha) no bafômetro é problema e para jamais propormos “dar um jeitinho”, pelo jeito lá as coisas funcionam um pouco diferentes daqui… Bom, o fato é que tinham mesmo muitas blitz, então se for beber, vá de ônibus!
       
      O primeiro lugar que paramos foi uma mega furada! Um conjunto de esculturas de sereias sobre as pedras na beira do mar na Plazoleta Gran Bretania. Com todo respeito ao artista, aquilo é horrível! Fala a verdade, dá medo, não dá??? Mas o interessante desse lugar é que ele fica bem na pontinha da península, onde ocorre o encontro do Rio da Prata com o mar.
       
      Ali pertinho fica a parte mais fofa da cidade, a que mais gostei! Pra começar, as casas não tem números, e sim nomes. Elas são enormes e lindas, mas sem ostentação. Os atrativos desse simpático e aconchegante “bairrinho” são o farol e a Parroquia Nuestra Señora de la Candelaria, uma graça de igrejinha em homenagem à padroeira da cidade.
       
      Seguimos para o porto pois a ideia era pegar um barco até a Isla de Lobos para ver leões marinhos, mas chegamos um pouco tarde e os barcos só saiam até 12h se não me engano. Queria taaanto fazer esse passeio, fiquei decepcionada, se quiser ir, lembre-se de chegar cedo! Ah, e verificar a época também, não é sempre que os animais aparecem na ilha. Pelo menos chegamos a ver alguns deles ali mesmo, perto das bancas de peixes esperando pra ganhar as sobras (e rola uma briga pra ver quem vai ficar com elas!).
       
      Paramos para almoçar no El Pobre Marino, o ambiente do restaurante é bem kisth, mas até que combina com o clima de Punta rs. Meu prato estava meio sem graça, pedi panquecas de espinafre, mas o Dan pediu carne e gostou. O valor era Ok então saímos satisfeitos.
       
      O próximo ponto foi o cartão postal de Punta, o Monumento ao afogado, ou popularmente conhecido como Los dedos. A escultura é do artista chileno Mario Irarrázabal e fica na primeira parada da Playa Brava (as praias são todas divididas assim, P1, P2, P3…). Apesar de clichê, achei bem interessante e lógico que quis fazer umas fotos ali também, mas é preciso paciência pra conseguir clicar os dedinhos sem ninguém na frente!
       
      Um pouco mais afastado do centro fica a Puente Leonel Vieira, seu diferencial é ser ondulada, dando um friozinho na barriga de quem passa de carro por lá, mas também nada de tão interessante, não sei se vale a visita.
       
      Antes de ir embora ainda passamos pelo bairro de Beverly Hills, dominado por enormes mansões com lindos jardins, mas sinceramente, prefiro mil vezes a parte mais simples da cidade, que falei aqui no começo do post!
       
      Na volta para Montevidéu paramos para ver o pôr-do-sol na Casapueblo, em Punta Ballena, um dos mais incríveis que já vi!


×
×
  • Criar Novo...