Ir para conteúdo
lucband

Pontal de Tapes, uma roubada, literalmente!

Posts Recomendados

Neste carnaval decidimos fazer a Trilha do Pontal de Tapes. Como as paisagens são muito repetitivas (areia e pinus) e a distância a percorrer muito grande (70 km ida e volta) e circular, optamos por não fazer a trilha a pé: atravessamos de barco até o lugar conhecido por Ponta do Pinhal, estabelecemos um acampamento base e programamos fazer uma caminhada de dez quilômetros até o extremo do Pontal, e outra mais curta, de cinco a oito quilômetros para explorar o caminho oposto. Levamos bastante equipamento, já que iríamos de barco, e partimos no sábado, dia 10/01/18, marcando com o barqueiro Roger de nos apanhar na terça-feira, dia 13/02, as 16 horas. O lugar é ótimo para acampar, dá para pescar, tem duas praias diferentes com areia limpa, uma em cada lado do Pontal. A Lagoa dos Patos é enorme, na Praia de Fora nem se enxerga o outro lado, e o trajeto de barco até nosso destino, no lado de dentro do Saco de Tapes, que é bem menor, durou mais de uma hora. A Lagoa tem ondas que nem o mar, e o que atrapalha é o vento, que pode ser muito forte, recomendo montar o acampamento abrigado, longe das praias. No domingo, mal começamos a caminhada até o extremo do Pontal e um vento muito forte nos deixou preocupados, voltamos para o acampamento para assegurar a integridade das barracas e lonas, começou a chover muito forte e decidimos não fazer a caminhada neste dia. Fomos dormir e lá pelas 4:30 da manhã de segunda, novamente um vento muito forte me assustou, acordei para ver se estava tudo bem e descobri que havíamos sido furtados durante a noite. Levaram duas caixas térmicas onde estava praticamente toda nossa comida, além do kit de primeiros socorros, uma garrafa térmica, uma carga de gás e uma panela. O susto foi grande, porque ficamos com pouco mais de dez barras de cereal e um chocolate para dividir entre sete pessoas durante dois dias, não era possível voltar caminhando por causa da quantidade de equipamento e do meu neto de nove anos, que não conseguiria fazer os 25 quilômetros de retorno. Além disso, o sinal de celular não era confiável para pedir socorro, e fiquei com medo de não poder retornar para a cidade. Felizmente lá pelas nove horas conseguimos contatar o Roger, pedindo para nos buscar de barco ainda de manhã. A primeira mensagem dele era que não conseguiria chegar na praia por causa do vento, imaginei que ele teria que esperar passar o vento para atravessar a lagoa, e que o vento poderia durar vários dias. Até que finalmente chegou outra mensagem, onde ele esclareceu que ficaria em um ponto distante da praia, onde teríamos que levar todo o equipamento. Mais ou menos meio-dia ele chegou, conseguimos embarcar e fomos direto para um restaurante matar a fome antes de retornar para nossa cidade, com muita frustração.

Esta situação é surreal, jamais imaginamos que seríamos furtados naquele local. Chegamos a caminhar alguns quilômetros para cada lado e não encontramos viva alma, nos sentimos sozinhos no meio do deserto. Segundo relatos apenas o seu Wili e sua esposa Noeli  moram ou moravam uns seis a oito quilômetros ao norte de onde estávamos acampados. Imaginamos que os ladrões deviam ser andarilhos que estabeleceram morada ou estavam de passagem no Pontal. Encontramos rastros de duas pessoas, de pés descalços, tentamos segui-los (com facão na mão, prontos para o que desse e viesse), encontramos em certo momento, junto às pegadas, um pacote de suco que certamente era nosso, mas perdemos os rastros quando a maré apagou. Fica o alerta para não se sentirem tão seguros quando forem ao Pontal, e tomarem cuidado com suas coisas.

  • Curti 1
  • Gratidão! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×