Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

spygtba

Viagem de 104 dias por 7 países, 21.910 km, gastando R$6.428,39 de Biz 125

Posts Recomendados

Vigésimo oitavo dia

2/01/2018 De Lirima a Salar de Ascotan

 

Como o previsto a noite foi muito fria, marcava -7 graus dentro da barraca pela manhã e fora marcou -13 graus. Estava tudo congelado, a moto, barraca e a água. Tive que esperar descongelar a barraca para poder guarda-la. Não passei frio, mas usei tudo que tinha.

Depois de pegar a estrada o gelo ainda ficou no painel da moto por uns 50 km e eu andando com o macacão de pantera e jaqueta.

20180102_082119.jpg

 

20180102_081823.jpg

 

20180102_081902.jpg

 

A estrada A97B que liga Colchane a Ollague, até a mina Collahuasi alterna entre asfalto e pista de barro, porem muito bem cuidada e sem grandes atrativos, exceto pelo salar de Huasco, alguns vales e picos ainda nevados para se ver. Da mina até Ollague a estrada, se é que se pode chamar é bastante mal cuidada, com muitas costelas de vacas, pedras e partes com bolsas de areia e vários desvios para o deserto em busca de um piso melhor. Deve ser por conta do transito dos caminhões da mina. A mina é uma mina de cobre  e ouro no meio da cordilheira, tem um lago de rejeitos azul.

Um pouco depois da mina tem uma cidade abandonada, Yuma é o nome, fica a 4401 metros de altitude e aparentemente era utilizada para para tratamento de algum minério, tinha até estação de trens por lá para buscar o que era tratado lá.

20180102_122153.jpg

Salar de Huasco

 

20180102_131722.jpg

Salar de Coposa

 

20180102_144625.jpg

Represa de rejeitos da mineração do cobre

 

20180102_145209.jpg

 

20180102_154145.jpg

 

20180102_154224.jpg

 

GOPR6493.JPG

 

GOPR6496.JPG

 

GOPR6519.JPG

 

GOPR6499.JPG

 

Desta cidade até Ollague a estrada fica um pouquinho pior, com bastante areão e estrada por cima de laje de pedras e péssimas condições e para ajudar o vento aumentava e quando pegava de lado quando tinham costelas de vaca a coisa ficava perigosa, mas consegui chegar à Ollague a salvo e fui buscar por gasolina, pois já estava na reserva. A Biz tá fazendo uma média bem ruim ultimamente, no tanque anterior fez 24 de média e neste fez 30. Consegui comprar 11 litros pagando R$8,82 o litro, caro, mas era o que tinha. Enquanto abastecia chegou um senhor e sua esposa do RS com uma GS 1200, indo para Uyuni e também procurando por gasolina, fez as contas e colocou só o suficiente para chegar em San Cristobal, não é só quem anda de Biz que faz contas para economizar.

Voltei para a estrada, agora pelo asfalto até a saída depois do salar de Ascotan, peguei a estradinha que tinha planejado e segui por uns 5 km até que ela começa a subir um encosta e com muita “brita” fininha, impossível de uma moto passar por lá de boa, quem sabe uma de rallye conseguisse, resolvi voltar, já era final de tarde e antes de chegar no asfalto montei minha barraca ao lado de um morro, mais ou menos protegida do vento.

20180102_200032.jpg

 

20180102_204239.jpg

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vigésimo nono dia.

03-01-18 De Salar de Ascotan a Calama

Mais uma noite gelada, -6 graus dentro da barraca e -13 graus lá fora. Novamente a moto e a barraca congeladas. Como estava acampando na borda de um salar a humidade do ar ainda é alta, logo a sensação e o frio são maiores e pelo segundo dia seguido sou obrigado a fazer o numero 2 com temperatura abaixo de zero. O intestino regulou para as 6 horas da manhã e não tem como segurar e como não tem banheiro no hotel de bilhões de estrelas o jeito é improvisar.

Desmontei a barraca e segui para a estrada, tinha 50 km pela frente até chegar a outra estrada que levaria a San Pedro de Atacama pelas montanhas passando pelo gêiser Del Tatio.

 

Devolta ao asfalto eu cheguei até um vulcão pequeno que quando passei na ida pensei em subir mas deixei quieto, dessa vez eu teria que subir. Deixei a moto lá perto e fui subir, eram 160 metros de altura para subir pela encosta do mini vulcão, iniciei em 3540 metros e mesmo estando a quase um mês a mais de 4000 metros de altitude eu tive que fazer mais de 10 paradas para tomar ar, mas valeu a pena.

GOPR6548.JPG

 

 Cheguei na cratera que lá debaixo parecia que seria pequena, mas era grande e a visão lá de cima era muito bonita, era possível ver outros vulcões e as planícies do deserto. Para descer foi fácil, não cansa. Cheguei na moto eram 11 horas e decidi almoçar, enquanto almoçava ouvi o barulho de uma moto com escape esportivo se aproximando e passaram duas motos. Pensei comigo que só podiam ser brasileiros, continuei comendo meu pao com sardinha e depois de um tempo ouvi aquela moto roncar e vi eles parados a uns 2 km. Devia ter estragado pensei. Terminei de comer e fui lá ver se poderia fazer alguma coisa. Eram 2 catarinenses de Brusque, um até já tinha conversado comigo pelo Facebook. Conversamos um pouco e o cara da moto barulhenta, uma Bros 125, disse que estava com problema na carburação por conta da altitude, mas que já tinha resolvido, tirou o filtro e ia seguir sem. Nos despedimos e fui para o meu sofrimento do dia.

DJI_0124.JPG

 

DJI_0121.JPG

 

20180103_142432.jpg

 

20180103_142445.jpg

 

20180103_150135.jpg

 

G0026575.JPG

Cansei de empurrar

 

Peguei a estradinha, ruta B145, que inicia na ruta 21 a 80 km de Calama, inicialmente era estrada boa, mas logo tornou-se a minha maior provação. Nos primeiros quilômetros ela alterna entre estrada boa, costela de vaca, buracos e algumas partes com areia, lá pelo quilometro 35 a coisa começa a realmente ficar feia, com grandes trechos de pura pedra fininha misturada com areia com até 30 cm de profundidade de terra solta onde a moto só anda comigo do lado ajudando a empurrar. Passei por uns 3 trechos de uns 100 metros assim até mudar para a estrada ao lado, que estava um pouco menos pior. Elas se uniram lá na frente e logo se separaram novamente e na que era a principal tinha uma placa avisando: “Camino mal estado”. Continuei por aquela paralela achando que elas se cruzariam lá na frente e na verdade esta paralela cruzou um salar e ia para o alto da montanha, eu decidi que não iria mais para San Pedro, se até ali onde não tinha placa avisando das condições da estrada já estava o inferno, imagina se eu continuasse por onde a placa avisava que não estava bom. Agora eram mais 35 km para voltar para o asfalto da ruta 21 e mais sofrimento. Voltei pela paralela que na vinda eu passei em partes dela e estava melhor que a principal, mas tinha uma parte de uns 300 metros de puro areão que foi pra pagar muitos dos pecados que cometi. Parei varias vezes para descansar e empurrei bastante a moto no areão. As costas doíam, dor muscular, tamanho era o esforço, tive que tomar um torsilax para ver se doía menos. Passado esta parte eu pude ver um pouco da fauna do local, uma marreca selvagem com filhotes no rio e uma Suri com ums 10 filhotes, o Suri é uma ave de tamanho entre uma Ema e um Avestruz, se parece muito com eles.

Voltei para o asfalto e segui até Calama. Parei num shopping e fui ao mercado, la comprei varias sopas e arroz para minhas próximas refeições, no Chile não dá pra ir em restaurante. Comprei por R$17,50 4 coxas com sobrecoxas assadas, seria meu almoço de hoje e de amanhã, já que só consegui comer duas. As sopas ficam num preço muito bom, comprei várias de vários sabores, frutas quase não dá de comprar de tão caro, a maioria na faixa dos R$10,00  o kilo.

De lá fui abastecer e sai da cidade já com o sol se pondo e uns 10 km depois da cidade entrei no deserto e montei minha barraca atrás de um monte de areia agora é só descansar porque o dia puxado.

20180104_085214.jpg

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Trigésimo dia

 

04-01-18 De Calama a Paposo

Acordei com o sol saindo e o reloginho batendo. Feito o serviço, fui desmontar a barraca para seguir para o litoral pela ruta 1. Eu já tinha passado por esta estrada em 2013, mas não lembrava de quase nada, então pra mim foi novidade, tanto que fui parando em varias oficinas, nome dado a minas de extração de salitre, a ruta 25 tem várias delas todas do inicio do século XX até perto de 1940 e depois abandonadas as cidades e oficinas. Andei por algumas delas e seus cemitérios. Os cemitérios são uma curiosidade a parte, em geral com sepultamentos entre 1910 e 1950, tem as cerquinhas e cruzes todas de madeira que ainda resistem ao tempo e em algumas há placas de bronze com as datas e alguns dizeres. Fico andando por lá lendo algumas delas. Muitas das sepulturas estão abertas por ladrões de crânio, nenhuma das abertas tinha crânio nos caixões e alguns nem ossos tinham mais. Uma curiosidade nos cemitérios é que geralmente tem uma ou duas sepulturas de criança ainda sendo cuidada e nessas as pessoas deixam brinquedos, doces e moedas e isto também ocorre nas casinhas em homenagem as pessoas que morreram em acidentes nas estradas as de crianças e adolescentes geralmente tem moedas, brinquedos e doces. Sei lá se é normal isso, mas eu para pra visitar várias dessas, as vezes tem placas com dizeres bonitos.

20180104_135312.jpg

 

20180104_140842.jpg

 

20180104_141000.jpg

 

20180104_154755.jpg

 

20180104_163311.jpg


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

La Mano del Desierto

 

Em virtude dessas paradas o dia não rendeu na estrada, consegui chegar a Paposo, primeira cidade do litoral que eu cheguei, fica a 50 km de Taltal.

O bom de se viajar sem data pra voltar é que dá pra ir parando, vendo as coisas com calma, no meu tempo, coisa que nas outras viagens eu deixei passar por falta de tempo nesta eu estou aproveitando, é outra vibe a viagem.

Achei uma praia legal a uns 5 km depois de Paposo e montei minha barraca de frente para o mar, amanhã quero ver se faço render pelo menos 500 km.

 

20180104_202842.jpg

 

20180104_202827.jpg

 

Sem%2Bt%25C3%25ADtulo.jpg

 

 

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Apesar de  iniciar a leitura agora,ja sei que vai o melhor relato de todos os tempos relacionado a moto neste site e talvez em todos os sites do Brasil.

Ja acompanho sua viagem no facebook.

Parabens por compartilhar aqui tambem com as pessoas

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns cara, sou muito seu fã.

Já tinha lido seus relatos anteriores e ficado de impressionado, compartilhei com todos meu colegas que gostam de aventura.

Já passei de carro por alguns lugares destes que você passou e sempre bate uma saudade, e a forma que vc escreve, detalha tudo fica mais bacana ainda.

Como comentou o @adriano duraes esse com crtz vai ser um dos melhores relatos de viagem de moto aqui do site.

Gostaria de tirar um dúvida tmb, tem um amigo meu indo para o Atacama de moto no fim deste mês e ele está com dúvida sobre os documentos necessários. Eu já fui mas tem algum tempo, ai queria saber o que ele te pediram para entrar no Chile nesta última vez, talvez alguma detalhe que vc não tenha colocado aqui no relato.

 

Estou aguardando vc postar o restante da aventura.

Abraços.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

VC É DOIDO!!!

brincadeira cara, mas nunca vi uma aventura igual a essa,

 

posta o restante por favor.

 

abs.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Matheus Verdan
      O vídeo abaixo mostra detalhadamente o valor gasto com combustível, hospedagem, alimentação, passeios, lembranças e seguros da viagem realizada entre os dias 02 de Janeiro de 2018 ao dia 21 de Janeiro de 2018.
      Eu Matheus Verdan, sai do Rio de janeiro e o Iago Luiz de São Paulo e juntos fomos do Atlântico ao Pacifico, do Rio a Santiago e voltamos. Rodamos cerca de 10000km em duas Tenere 250 por cerca de 19 dias. O valor final mostra exatamente quanto gastamos na viagem e serve de base para calcular o seu gasto.
      ► Saiba o preço do combustível no Chile e na Argentina.
      ► Valor gasto diariamente com alimentação.
      ► O custo da hospedagem na viagem.
      ► Quanto custa e onde contratar o seguro SOAPEX, seguro CARTA VERDE e Seguro Viagem.
       
      Links uteis: Seguro obrigatório Chileno - SOAPEX - https://www.hdi.cl/venta/Index.aspx
      Seguro Viagem - https://www.seguroviagem.srv.br/
      Vídeo da viagem - https://youtu.be/qNx7PDM1Yxw 
       
      Observação: O valor final esta somado com a multa que explico no vídeo. Se quiser qualquer informação sobre a viagem, será um prazer ajudar.
       
      Para acompanhar todas as fotos dessa trip espetacular entre no meu instagram:
      @mathverdan https://www.instagram.com/mathverdan/
      @iagoluizoli https://www.instagram.com/iagoluizoli/ 
       
      Gostou do Vídeo? Deixe aquele LIKE, não esqueça de COMPARTILHAR com seus amigos.
      ► Motos utilizadas: Duas Tenere 250
      ► Dificuldade da estrada: Médio
      ► Partida: Rio de Janeiro - BRL
      ► Chegada: Santiago - CHL
      ► Percurso: 10000 km
       
      Locais Visitados:
      ► Laguna Cejar
      ► Salar de Tara
      ► Salar de Atacama
      ► Laguna Tuyajto
      ► Gêiseres del Tatio
      ► Valle de la Luna
      ► Monjes de la Pacana
      ► Mão do Deserto
      ► Los Caracoles
      ► Salinas Grandes
      ► Lagunas Miscanti y Miniques (Altiplânicas)
      ► Concha Y Toro
      ► Fuerte Neptuno
       
       
      <embed src="https://youtu.be/ewTS6nON73s" autostart="false" height="250" width="500" />  
    • Por Matheus Verdan
      Nesse vídeo fizemos uma incrível viagem ao Deserto do Atacama, do dia 02 de Janeiro de 2018 ao dia 21 de Janeiro de 2018 sinta a emoção dessa magnifica viagem.
      Eu Matheus Verdan, sai do Rio de janeiro e o Iago Luiz de São Paulo, Juntos fomos do Atlântico ao Pacifico, do Rio a Santiago e voltamos. Rodamos cerca de 10000km em duas Tenere 250 por cerca de 19 dias, um a mais que o planejamento inicial. No meio do Valle de la Luna, encontramos um amigo aqui do Rio de Janeiro, o Bandeira, que seguiu viagem conosco do Atacama até Mendoza na Argentina.
      Foi um sonho realizado e com toda a certeza a primeira de muitas viagens. Não ha como não se emocionar com a beleza e grandiosidade de todos os locais que eu passei, principalmente nas Cordilheiras do Andes, é ESPETACULAR! Valeu a pena cada km percorrido. Se quiser qualquer informação sobre a viagem, será um prazer ajudar.
      Para acompanhar todas as fotos dessa trip espetacular entre no meu instagram:
      @mathverdan https://www.instagram.com/mathverdan/
      @iagoluizoli https://www.instagram.com/iagoluizoli/
       
      Em breve farei videos sobre planejamento, custo, roteiro/trajeto e o que levar. Se inscreva e acompanhe as nossas aventuras.
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      Gostou do Vídeo? Deixe aquele LIKE, não esqueça de COMPARTILHAR com seus amigos.
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      ► Motos utilizadas: Duas Tenere 250
      ► Dificuldade da estrada: Médio
      ► Partida: Rio de Janeiro - BRL
      ► Chegada: Santiago - CHL
      ► Percurso: 10000 km
       
      Locais Visitados:
      ► Laguna Cejar
      ► Salar de Tara
      ► Salar de Atacama
      ► Laguna Tuyajto
      ► Gêiseres del Tatio
      ► Valle de la Luna
      ► Monjes de la Pacana
      ► Mão do Deserto
      ► Los Caracoles
      ► Salinas Grandes
      ► Lagunas Miscanti y Miniques (Altiplânicas)
      ► Concha Y Toro
      ► Fuerte Neptuno
      https://youtu.be/qNx7PDM1Yxw
      Em breve, postarei o relato detalhado de toda a viagem aqui mesmo na pagina.
      Abraços e Bons Ventos.
       
    • Por msevangel
      Após meses de estudo e preparo, mais uma vez seguimos com nossos sonhos e planos na estrada, depois de Ushuaia o destino não podia ser outro, Atacama e suas maravilhas, eu com a guerreira GS650 e Daniel parceiro na estrada e aventura com a 1200, o percurso de aprox 9000km foi feito em exatos 11 dias, na verdade não fizemos esta viagem para fazer turismo no atacama, la ficamos apenas um dia, com direito a descanso e um passeio agendado aos Canyons, mas viajamos sim com o maior interesse em pegar a estrada, ver novos horizontes, alcançar novos desafios, ate porque mais importante que o destino é o caminho que se faz pra chegar nele, e nisso esta viagem foi Show. na ida fomos de São Paulo a Foz do Iguaçu, seguindo com destino ao Chaco argentino, de la ate Salta, e de salta ao Atacama, na volta descemos beirando o Pacifico ate Copiapó, pasando pela famosa Mão do deserto, atravessando a cordilheiro pelo Magnifico Paso San Francisco, seguindo em direção a Concórdia, onde atravessamos o Uruguay, entrando no Brasil pelo  Rio Grande do Sul com destino final a São Paulo,  pouco tempo para tanta coisa, mas o que levamos de bagagem de vida e experiencia nestas empreitadas, com certeza valem o esforço e perduram por uma vida, vamos deixar que as imagens falem por si da beleza deste percurso...
       














    • Por wrj1967
      Certamente, andar de moto é emocionante.... Mas até mesmo a emoção é uma condição tênue, pode facilmente deslizar para a ansiedade, assim como a paz pode degenerar para o tédio.
      A emoção é encontrada ao longo da estrada, não no final, e da mesma forma, a paz não é um ponto fixo, exceto talvez no indesejado sentido de “descanse em paz”. A paz é a pausa para respirar entre os destinos, entre as emoções, uma parte ocasional da viagem se tiver sorte. A paz é um espaço pelo qual nos movemos muito raramente e com muita brevidade, não é permitido ficarmos lá.
      É necessário continuar em movimento, e ir fazer o que você faz.
      Porque você pode...
      Neil Peart – Longe e Distante – Capítulo 20
       
      O plano de fazer uma grande viagem de moto existia há um bom tempo. A vontade é ainda mais velha, e vem de uma época em que isso era apenas o sonho de um adolescente.
      Desse modo, aproveitando um rompimento definitivo com a então namorada, já que roteiro semelhante seria feito para ela, de carro, coloquei em prática aquela loucura.
      Christopher McCandless, em sua sabedoria suicida, dizia que a felicidade é um bem a ser compartilhado, sob pena de perder o sentido. Pois bem, nessa viagem eu vi que se não é possível dividir tal experiência, então deveria eu compartilhá-la comigo mesmo. Esperar pelos outros não é boa dependência e, levando-se em conta que prorroguei mais de uma vez tal objetivo para poder dividi-lo com alguém, é um ponto a ser considerado para reflexão.
      R.I.P., Christopher.
      Assim, dúvidas existenciais a parte, saímos eu e minha inglesinha (uma Triumph Speed Triple, de 1050cc) de Porto Alegre, no dia 4 de fevereiro de 2018, um domingo.
      Como de praxe, ansiedade forte misturada ao medo, afinal, eu jamais havia ido tão longe em duas rodas. Bariloche, meu objetivo mínimo, fica a cerca de 3000km de Porto Alegre.
      Tinha dúvidas se o meu antebraço direito iria aguentar (problema crônico de dormência), e se minha mente teria estrutura para tal jornada. Lembro das palavras do mecânico Muniz alguns dias antes: “não tenha medo de voltar”. Isso sem falar da moto, principalmente a velha desconfiança (puramente subjetiva) em relação a bateria.
      Dormi muito mal. Passei a noite numa espécie de vigília.
      Assim, decidi por pernoitar em Jaguarão (400km) antes mesmo de colocar as rodas no asfalto. Foi uma decisão mais do que acertada, eis que tal trecho é dos mais perigosos e serviu para “quebrar o gelo”, adquirir confiança e, assim, poder dormir melhor.
      A parte ruim da saída foi verificar que havia uma certa instabilidade nas bolsas, o que me obrigou a deixar todo o equipamento de camping em casa. Segurança em primeiro lugar. Foi mais uma decisão acertada, repensada a cada parada para verificação e ajuste de apenas uma bagagem, uma mochila Deuter cargueira de 55+15lts.
      Importante citar que não comprei alforjes ou outro tipo de acessório que fosse descaracterizar a inglesinha, uma naked pura. O máximo a que cheguei foi adquirir uma pequena bolsa de tanque com imãs, onde coloquei minha máquina fotográfica, o celular e alguns valores para os pedágios.
      Aquele primeiro trecho foi gostoso, com vários grupos de motociclistas passando em sentido contrário. E dê-lhe “cumprimento biker”. Cheguei a Jaguarão em torno das 14h e fui direto para o velho e bom Hotel Sinuelo. Descarregada a bagagem, fui providenciar a Carta Verde.
      No outro dia, acordei cedo, tomei meu café e decidi ir até Montevidéu pegar o Buquebus para Buenos Aires. Cruzei o Uruguai e cheguei àquela capital federal próximo das 15h. Chegando ao porto a atendente me informou que as passagens estavam esgotadas, mas havia a opção de partir de Colonia del Sacramento, distante 180km dali, às 20h01. Consultei o relógio e vi que havia tempo de sobra. O valor ficou em pouco mais de US$100,00. Fixei novamente a cargueira, abasteci a moto e me fui em direção a Colonia, onde cheguei próximo das 18h. O calor era forte.
      No caminho, ao parar para beber água, encontrei um cicloturista de Buenos Aires, o Martin, que havia entrado no Uruguai naquele dia e estava indo em direção a Punta del Leste. Conversamos, e ele me revelou que também era motociclista. Disse-lhe que gostava muito de Buenos Aires, ao que ele respondeu, de imediato, que Bariloche era um lugar melhor para se viver. Claramente havia uma insatisfação em relação à capital argentina e, estrada retomada, pensei em como também não me sinto feliz em Porto Alegre, mas imagino que, para um turista, ela possa até parecer “simpática e acolhedora”.
      Obs.: Não quis ficar no Uruguai porque já tive inúmeros problemas por lá em relação a dinheiro. Por exemplo: minha mãe recebeu troco em moeda antiga (inválida) e eu sofri com conversões cambiais nada oficiais. Fui logrado até mesmo em pedágios, quando em viagem de carro. Como isso se tornou uma constante, procuro usar aquele país apenas como rota de passagem.
      O embarque no Buquebus foi tranquilo, já que as motos têm prioridade. Havia outro motociclista em uma BMW e o cumprimentei. Era um sujeito bastante arrogante, pois respondeu com desdém, além de não ter havido qualquer tipo de conversa em relação às motos e destinos, algo comum entre motociclistas.
      O calor continuava forte e o embarque foi sofrido, pois estava vestindo a grossa jaqueta, carregando a pesada cargueira, a bolsa de tanque e o capacete. Isso foi complicado e, tão logo iniciou o serviço de bar, comprei duas águas para tentar estancar o sofrimento. Eu ainda não havia almoçado.
       
       
      BUENOS AIRES
       
      Meu primeiro contato sério com motos se deu por volta dos 16 anos de idade. Meu irmão tinha uma Turuninha vermelha e me ensinou a andar na garagem do prédio. Quando ele saiu de férias, achei melhor aprimorar a técnica indo para o colégio com ela. Ele descobriu e não gostou muito....
       
      Cheguei a Buenos Aires em torno de 21h30 e não houve revista de bagagem. Fui direto para o Ibis Obelisco, hotel muito bem localizado na Av. Corrientes. O preço da diária foi de AR$950 (cerca de R$175). Como eu gosto muito daquela cidade (um paradoxo, pois meu sonho de vida tem um estilo mais, digamos, patagônico), resolvi ficar por duas noites. No dia seguinte, adquiri um chip pré-pago e pude ficar conectado 24 horas, principalmente quando da necessidade de usar o Waze para os deslocamentos mais complicados, justamente a saída daquela capital para pegar a Ruta Nacional 5 em direção a Santa Rosa, na província de La Pampa.

      Caminhei bastante por Buenos Aires, troquei alguns dólares na Florida e comi muito bem, o que serviu de preparação para o trecho seguinte. Também aproveitei para comprar Lysoform (altamente recomendável para esse tipo de trip) para aplicar nas roupas e no capacete.
      Em relação às refeições, minha preocupação maior sempre foi com o café da manhã, momento pelo qual eu procurava comer ao máximo, pois sabia que não iria interromper a viagem para almoçar. Quando eu parava para descansar, tomava água, café e, de vez em quando, comprava uma ou duas medialunas para quebrar o galho. Isso foi constante durante toda a viagem. Eu somente fazia uma refeição decente quando chegava em algum lugar para pernoitar.
      Uma boa surpresa foi verificar que a média de consumo ficava próxima aos 20km/l, o que eliminou algumas preocupações em relação ao trecho deserto entre Gen. Acha e Neuquén, e onde havia apenas um posto em Puelches, caso eu optasse pela Ruta Nacional 152. É claro que isso também tem a ver com a qualidade da gasolina argentina, muito superior a nossa.
      Saí de Buenos Aires no dia 7.fev às 6h, pois era imprescindível evitar o rush da manhã. Programei o Waze e coloquei os fones de ouvido, pois assim nem precisei visualizar a tela. Acessei a RN5 um pouco antes das 7h30.
      Obs.: As estradas argentinas em geral são muito boas, e cruzar aquele país em direção sudoeste, e depois para leste, me fez ver que está em curso uma grande reforma daquelas boas rodovias, a ponto de arriscar dizer que minha média horária só não foi melhor por causa das obras, em especial na Ruta Nacional 22, que liga Gen. Roca a Neuquén, trecho em que nos arrastamos a cerca de 10km/h por mais de uma hora.
      A viagem pela RN5 foi bastante tranquila e consegui chegar a Gen. Acha por volta das 17h. Fui direto alugar uma cabana no Cabañas San Antonio de Padua, coincidentemente, fiquei na mesma que havia estado com meus filhos em 2016. Foi-me cobrado o valor de AR$880 (cerca de R$150). Um preço relativamente bom para aquela situação, mais ainda porque poderia checar alguns itens da moto e dar-lhe um banho antes de sair, o que também fiz com algumas roupas.
      Pilotei naquele dia por volta de onze horas, em torno de 700km, e pensei o porquê da média ter sido tão baixa. Talvez tenham sido as paradas, combinadas com a saída demorada de Buenos Aires. Ainda assim era estranho, pois na maioria do tempo a velocidade de cruzeiro ficou entre 120 e 140km/h. Creio que parei demais ou não me dei conta do tempo gasto nessas paradas.
      A cabana tinha à disposição cuia e erva-mate. Isso foi muito bem aproveitado naquele agradável final de tarde.
      Ao anoitecer, fui à cidade jantar (almoçar, na verdade) e todos os restaurantes estavam fechados. Restou ir para o posto de gasolina e comer umas fritas e um sanduba de queijo no La Papa Frita Loca. Abasteci a inglesinha e voltei para a cabana. Naquela noite bateu uma certa tristeza, único momento em toda a viagem em que fiquei um pouco desmotivado. Cheguei até mesmo a visitar a capelinha da pousada para curtir o seu silêncio acolhedor.
      Obs.: No posto onde parei para comer, verifiquei que o noticiário ainda dava como destaque o tiroteio ocorrido no centro de Buenos Aires (e perto do hotel onde fiquei) quase 48 horas antes. A imprensa de lá não se preocupa muito em inovar, já que tais destaques e discussões afins duram dias.
       
       
      SOLIDÃO
       
      Tomei conhecimento de Bariloche na 5ª série, com 10 anos de idade, no ano de 1977. O auditório do Colégio Americano estava lotado para assistir à apresentação com slides de uma aluna que havia viajado para aquela cidade. Lembro de, ao final, me dirigir a ela e perguntar o custo daquilo. Esperei meu pai chegar do trabalho e fui direto ao assunto. Ele não sabia dizer não diretamente, e ficava difícil para uma criança entender.
       
      No dia 8.fev acordei por volta das 4h. Estava frio e o céu maravilhosamente estrelado. Tomei um banho, preparei o café, arrumei a bagagem e saí pouco depois das 6h. A temperatura fria incomodou no início, pois minhas mãos ficaram bastante geladas.

      Na bifurcação encontrada, segui a direção da RN152 e, ainda que não seja a “Estrada do Deserto” original (pela Ruta 20), ela também poderia fazer jus a esse nome, eis que a solidão ali presente é bastante assustadora. Torci para que não houvesse problemas de abastecimento em Puelches, já que era o único posto disponível em um trecho de cerca de 300km. Tenho a impressão de que a Argentina ainda não se recuperou totalmente da crise de abastecimento ocorrida alguns anos antes, pois ainda que eu não tenha tido problemas em encontrar nafta (como é chamada a gasolina por lá), as filas nos postos eram muito frequentes e demoradas.

      Desse modo, procurei não ultrapassar os 120km/h a fim de estender o consumo caso houvesse problemas em Puelches, e eu tivesse que pilotar até Casa de Piedra, no limite de autonomia da inglesinha.
      Porém, tudo correu bem. Assim, aproveitei para tomar um café e comer o resto do sanduba que havia sobrado do dia anterior. Naquele posto, encontrei uma família de Itapecerica da Serra/SP, a qual também estava indo para Bariloche. Conversamos um pouco e segui viagem.  Em Casa de Piedra, abasteci novamente e fui me hidratar com uma Coca-Cola pois, incrivelmente, não havia água à venda naquele local.
      Obs.: Ao atravessar a RN152 me dei conta de que não estava levando água para beber. Foi um grave erro, mas devidamente corrigido na primeira oportunidade, pois me imaginei com algum tipo de pane naquelas estradas desertas estando sem o elemento mais básico de sobrevivência.
      Após Casa de Piedra, segui para Gen. Roca. Passei pelo extenso, chatíssimo e imundo trecho em reformas da RN22 e atravessei a cidade de Neuquén (parece-me que os pardais da rodovia que atravessa aquela cidade foram retirados). Cruzei os postos de fiscalização fitossanitários e me foi liberado o pagamento da taxa (era AR$10) de inspeção. O esguicho de líquido bactericida nos carros estava funcionando, e fui premiado com ele em minhas pernas.
       
       
      LONGE DE CASA
       
      Minha primeira moto veio aos vinte anos de idade, uma nervosa Agrale Elephant 27.5, verde e branca. Como era militar em Santa Maria/RS, fiz inúmeras viagens sem jamais ter tido qualquer tipo de problema. Uma dois tempos marca a vida de um motociclista e, com ela, lembro de pedir a Deus para jamais me tirar o prazer de andar em duas rodas.
       
      O vento na estrada começou a incomodar, principalmente quando batia na lateral. Isso me fez decidir por pernoitar em Piedra del Águila, a cerca de 220km de Bariloche. Acabei ficando no hotel homônimo onde não me foi cobrado o pagamento antecipado da diária. O quarto era relativamente bom e limpo, mas as roupas de cama estavam bastante puídas e as toalhas furadas. Deixei para lavar a moto na manhã seguinte, já que o vento não dava folga e a poeira levantada era grande.
      Instalado, saí para melhor observar as estranhas formações geológicas observadas ainda na estrada, mas que acabaram não me chamando a atenção como tinha pensado. Havia até mesmo uma grande águia colorida colocada sobre uma delas. Tal “escultura” estava fortemente fixada por cabos e suportes de aço, e deixavam ainda mais feio o aspecto artificial aplicado. Achei melhor me recolher ao hotel e descansar um pouco.
      Obs.: Como de praxe naquela região, o wi-fi era sofrível. Todos os locais em que fiquei ofereciam tal comodidade, mas eram pouquíssimos os que funcionavam a contento. Assim, eu acabava optando pelo 3G/4G da operadora local, estupidamente melhor. Isso continuou ocorrendo até mesmo em Bariloche, cuja estrutura é infinitamente superior às cidades de acesso. E também ocorreu em Villa La Angostura, cujo roteador ficava em frente à porta do meu quarto, mas cujo sinal não chegava lá dentro.
      Quando saí para jantar à noite, optei por um restaurante alemão localizado a cerca de 100m do hotel. Comi a melhor salsa fileto (molho de tomate) de minha vida. O tempero era soberbo. Infelizmente, ao repeti-lo, o sabor veio diferente. No outro dia, o café da manhã servido pelo hotel era ultra simples: apenas torradinhas caseiras com manteiga ou geleia à disposição. Os pacotinhos de açúcar continham ilustrações da Patagônia. Juntei-os e tirei uma fotografia. A atendente queria que eu os levasse de lembrança e eu, para não fazer desfeita, separei três.

      Como Bariloche estava relativamente perto, não tive a preocupação de sair cedo. O vento ainda incomodava um pouco, mas começou a diminuir próximo à famosa Ruta 40 e suas paisagens deslumbrantes: picos de montanha nevados, florestas e águas cor esmeralda. Aquilo era soberbo e não havia como não parar para fotos ou diminuir a marcha para apreciar aquela beleza. Sob a perspectiva de tempo, foi o ponto da viagem que menos rendeu, excetuando-se o já referido trecho em obras na RN22.

      Como o frio já estava afetando a dirigibilidade, fui obrigado a parar para me agasalhar. Coloquei o forro da jaqueta e segui viagem até o belíssimo Anfiteatro. Parei ali por uns bons minutos e tirei boas fotos, ainda que a luz não fosse a mais ideal. Ao chegar àquele local, havia um senhor pilchado (trajes de gaúcho) tocando gaita (o acordeão), ao que era registrado por um de seus acompanhantes. Não consegui registrar aquele momento por ter sido ele breve demais e, tanto aquele senhor, quanto os dois rapazes que o acompanhavam em uma picape, eram extremamente simpáticos. Assim, me senti à vontade para pedir umas fotografias junto à inglesinha.

       
      A ESTRADEIRA E O RÍPIO
       
      A primeira vez que estive em Bariloche foi no inverno de 2006. A cidade e a região estavam cobertas de branco. A neve é algo surreal, e presenciar aquilo me fez imaginar alguém fazendo algum tipo de brincadeira ao espalhar aquela coisa branca por tudo. Foi uma excelente viagem, mas fiquei a imaginar aquela região sem aquele manto branco, e isso nunca mais saiu de minha cabeça.
       
      Chegando a Bariloche, fui direto para a Hosteria Nuevo Pinar, localizada em Playa Bonita, escolhida por meio do booking.com. O valor da diária foi pouco mais de AR$1500 (R$250), um preço alto, principalmente se comparado àquele do Ibis de Buenos Aires. O quarto era relativamente confortável e silencioso, mas o banheiro necessitava de reformas. Havia uma pequena TV de tubo afixada no alto da parede, mas nem me preocupei em ligá-la, assim como nenhuma outra em toda a viagem. O café da manhã era melhor que o do hotel Piedra del Águila.
      Fiquei três noites em Bariloche, e a temperatura permaneceu ainda baixa por dois dias, assim como o vento forte. Apesar dos passeios diários, consegui descansar bastante, ao ponto de achar que me estendi demais por ali e que poderia ter ido para outros locais. Ao menos pude planejar com toda calma, me decidindo por ir para Villa Pehuenia e depois para o Chile (descartei Ushuaia por causa do rípio). Perguntei para o proprietário da hosteria, o Eduardo, e ele me disse que todo o trajeto até Villa Pehuenia (pronuncia-se “vicha”) era asfaltado. Procurei em um site de estradas argentinas e o referido trecho não estava claro. Mesmo assim fiquei feliz, pois realizaria um velho sonho: cruzar a Cordilheira dos Andes em direção a Mendoza.
      Em Bariloche, comprei um decalque de silicone da Ruta 40. Voltando ao hotel, lavei a moto e colei o adesivo na inglesinha, uma espécie de medalha por ela ter colocado as rodas naquela mítica rodovia.
      Outro fator que merece registro foi experimentar um lançamento recente da Cervejaria Quilmes: a Quilmes Stout. Deliciosamente saborosa e cremosa.

      Obs.: No sábado, descobri que havia uma lavanderia a cerca de 150m do hotel e resolvi levar as minhas roupas para lavar. Isso era em torno de 11h. A responsável me disse que me entregaria na segunda, mas pediu para eu passar ali às 13h para me certificar disso. Quando ali cheguei, minhas roupas estavam lavadas, embaladas e cheirosas e ela me cobrou AR$150 pelo serviço (R$25). Isso em Porto Alegre seria praticamente impossível. Primeiro pelo preço, pois lavanderia aqui é artigo de luxo. Segundo, pelo prazo, que, ainda que fosse possível fazer em tão breve período, obviamente seria acompanhado de uma taxa de urgência. Poderia ainda citar um terceiro motivo: a boa vontade. Mas é melhor nem comentar.
      Na segunda, dia 12.fev, segui para a "preciosa" (como dizem os hermanos) Villa La Angostura. Meus planos iniciais eram acampar no camping La Estacada, a 15km de distância, mas, como dito no início, foram abortados em nome da segurança. A cidade estava bastante movimentada e o calor era forte. Cheguei e fui direto almoçar. Dali, fui procurar uma pousada e encontrei uma na estrada, a cerca de 3km de distância. Paguei (na saída) AR$1500 e não tive desconto no imposto IVA (21% em que os turistas, devidamente identificados, são isentos), ou seja, descobri que era mais vantajoso ficar em hotéis, que expediam fatura, e consequente desconto, ao invés das pousadas que não faturavam.
      Passeios de praxe, moto abastecida e levemente lavada, fui me certificar com o rapaz da pousada que o caminho para Villa Pehuenia realmente era asfaltado, o que foi confirmado de imediato. Não sei o porquê, mas estava um pouco desconfiado.
      Saí de Villa La Angostura e peguei a belíssima Rota dos Sete Lagos. Ali, encontrei um grupo de motociclistas de Gramado/RS. Conversamos bastante, trocamos dicas e seguimos viagem. Passei por San Martin de Los Andes e segui em direção a Junin de Los Andes. Já em Junin, passei por um posto com uma longa fila formada na estrada mas, como havia visto uma placa da Petrobras, resolvi seguir mais um pouco. Mais adiante, questionei um policial e ele falou que aquela era a única estación de servicio por ali. Pelo visto a bandeira do posto havia mudado, mas a placa não. Apesar de eu estar com pouco mais de meio tanque, achei prudente retornar e garantir. Foi uma bela decisão, pois não imaginava o perrengue que iria enfrentar.
      Entrei na fila e, enquanto ela se arrastava, eu corria para a sombra das árvores para diminuir meu sofrimento. Tirar a jaqueta não era boa opção já que suo em demasia e sofreria em dobro para recolocá-la. Vestir as luvas com as mãos suadas já estava sendo bastante difícil (lembrar de levar talco na próxima). Idem para o capacete. Abasteci a moto até o talo e desci para me hidratar e comer uma medialuna.
      Ali, conversei com o Marcelo, um argentino que estava em uma Honda indo em direção a Villa La Angostura. Possuía amplo conhecimento das estradas, tanto argentinas quanto chilenas, e foi ele quem me deu a notícia de que o caminho para Villa Pehuenia (cerca de 150km) era quase que totalmente formado por estrada de rípio, excetuando-se um pequeno trecho em Aluminé. Aquela notícia foi um quase choque, mais ainda quando ele falou que os primeiros 40km estavam em mau estado de conservação, mas que, caso eu tivesse paciência e cuidado, eu e a inglesinha (uma estradeira pura) passaríamos sem problemas.
      Retornando para a moto, que havia ficado sob o sol escaldante, tomei um grande susto: o combustível estava vazando diretamente no motor e formava uma poça no chão. Instintivamente, abri o bocal do tanque e nivelei a moto, o que estancou o vazamento de imediato. O Marcelo, que estava mais calmo, viu que era apenas o respiro do tanque que estava cumprindo sua função devido ao forte calor. O problema real era que a mangueira do respiro não estava conectada.
      Nos despedimos, ele me desejou boa sorte e parti antes que o calor ficasse pior do que já estava. Logo, acessei o primeiro trecho de 90km de rípio e, confesso, fiquei preocupado. Surgiu uma pequena voz interior: “desista e retorne.....desista e retorne.....desista e retorne.....”. Ignorei-a, respirei fundo e resolvi abstrair o tempo que aquele trecho levaria. O odômetro, como de praxe, estava em modo não visual.
      Dei uma batidinha lateral no tanque da inglesinha e disse “vamos lá, garota”. Não sei precisar o tempo que levei naquele trajeto. Talvez três ou quatro horas até chegar ao posto de informações turísticas em Aluminé. Não sei. Suava em bicas. Para quem viaja de moto, proteção é fundamental e a jaqueta, além de ser de tecido grosso, possui “armadura”, tornando ainda mais desconfortável a sensação causada pelo forte sol. Mas, como o risco de queda é alto ao atravessar uma estrada daquelas, não existe a opção “retirar a jaqueta”. Isso é impensável.
      Chegando à uma elevação com uma bonita paisagem, resolvi parar para tirar umas fotos. Mas parece que a inglesinha não gostou e resolveu protestar atolando a roda dianteira. Quase caímos. Foi um momento tenso, pois estava na contramão, junto à beira da estrada e com um barranco logo a seguir. Como voltar era impossível, já que o banco de areia se acumulava no sentido lateral da estrada, resolvi fazer uso do potente motor, emparelhar a moto no sentido da via e andar alguns metros para frente até que o banco de areia ficasse menor e eu pudesse retornar. Apesar de aprofundar o atolamento levando a roda traseira ao mesmo problema, foi o que me fez sair daquele perrengue. Melhor deixar as fotos para outro momento.
      Obs.: Naquele trecho pensei em minha mãe e em como ela me xingaria, acaso soubesse onde eu estava metido.
      Consegui chegar ao posto de informações em Aluminé, e aproveitei para me hidratar e lubrificar a corrente da inglesinha, que estava “a milanesa”. Vi que um dos elásticos (num total de quatro) que fixavam a bagagem caiu por causa da vibração excessiva. Ainda havia cerca de 45km de rípio a enfrentar até chegar a Villa Pehuenia.
      Excetuando-se a qualidade daquela via, o tempo gasto, a baixa velocidade, a temperatura ambiente, o atolamento e a quase queda, o trajeto foi percorrido com relativa tranquilidade. “HÃ??”. Quero dizer: não houve nenhum tipo de problema mais sério. Como o rio Aluminé corria junto, pensei que ao menos de sede eu não morreria, caso eu fosse obrigado a parar.
      Cheguei a Villa Pehuenia no final da tarde e, felizmente, encontrei cedo o hotel, apesar das ruas de acesso um tanto confusas. Fiquei no excelente Peninsula de los Coihues. O quarto era enorme e bem iluminado, com grandes janelas. Tudo ali cheirava a novo. Havia até mesmo um varal retrátil no banheiro, bastante útil para o velho ritual de lava/pendura roupas ao final de uma viagem (pra citar um varal aqui é porque ele realmente foi útil). O visual era para o lago e para as montanhas, e o silêncio era acolhedor. Fiquei fortemente tentado a ficar ali mais um dia. Jantei um excelente “sorrentino” (um tipo de ravióli) de espinafre e mozzarela (me recuso a escrever “muçarela”) em um restaurante próximo ao hotel. Na manhã seguinte, antes de partir, fiz uma checagem geral, reapertei alguns parafusos e lavei a moto. O café da manhã foi muito bom.
      Obs.: Apesar de não ter ficado tempo suficiente para conhecer melhor, a impressão que tive de Villa Pehuenia foi de semelhança com uma daquelas pequenas praias catarinenses, ou seja, pequenos paraísos escondidos em nosso planeta.
      Eu tinha informações de que ainda enfrentaria mais 20km de rípio no Chile. Porém, no hotel, soube que haveria uma opção melhor, de 35km. Um trecho maior, mas em melhor estado. Quem me passou tal informe disse que havia feito há pouco o trecho de 20km em um 4x4.....a 10km/h, tamanho o mau estado daquela estrada. Disse-me que, com a inglesinha, eu não passaria. Então, “bora” encarar mais 35km de rípio.
       
       
      CHILE
       
      Em uma de minhas visitas a Buenos Aires, por volta de 2008, ao pegar um táxi no aeroporto, o motorista falou de suas férias de verão em Bariloche, de carro, a 1600km de distância dali. Exaltava os bons preços, a beleza e a paz daquela região. Não abria mão daquilo nas suas férias. Alertou, porém, o trecho deserto de mais de 500km (sendo 300km sem postos de combustíveis) e o clima desértico. Isso não mais saiu de minha cabeça....
       
      Atravessei a fronteira e cheguei a Icalma. “Icalminha”, segundo os fiscais daquela aduana ao verem que eu era brasileiro. Trâmite normal e rápido onde, mais uma vez, não precisei retirar a mochila para revista (e foi assim até o final da viagem). Em um mercadinho adiante, troquei US$100 por CH$54.000, uma conversão cambial não muito justa pelo que eu pude ver depois (US$1 = CH$600).
      Aliás, não está na hora do Chile cortar alguns zeros do seu dinheiro?
      Cheguei à bifurcação que separava os trechos de rípio e peguei a estrada à direita, que levava até a cidade de Loicura. Ao contrário do rípio anterior, na Argentina, que mais parecia uma estrada de terra, o rípio chileno era autêntico (cascalho acizentado), mas o estado de conservação também não era lá essas coisas, o que me obrigou a fazer uma média próxima a 30km/h. Havia trânsito ali, e a poeira levantada pelos caminhões e ônibus em sentido contrário era absurda. Depois daquela experiência pensei que não seria necessário viajar ao Oriente Médio para conhecer uma tempestade de areia. O estado de minhas roupas era lastimável, e o banho dado na inglesinha foi praticamente desperdiçado.
      Cheguei a Loicura e, consequentemente, ao asfalto. Que maravilha poder andar livre novamente, pois as estradas chilenas são tão boas, ou melhores, que as argentinas. Mas, quilômetros à frente, comecei a desconfiar ao não avistar postos de combustíveis, e achei melhor parar para pedir informações e ficar mais tranquilo em relação à autonomia.
      Segui em direção a Victoria, a fim de pegar a Ruta 5 para Santiago.
      Antes daquela rodovia, as paisagens eram belíssimas: vulcões, montanhas, picos nevados e as belas áreas rurais chilenas (ainda que os cheiros não fossem tão belos assim). Em Lonquimay, ao acessar um dos inúmeros pedágios chilenos (e cujas motos não são isentas em nenhum deles), notei que havia uma demora excessiva para liberação. O motivo era o acesso ao estreito túnel Las Raices, de pista única, com quase 5km de extensão. Cruzar o interior de uma montanha em um túnel estreito e frio foi uma experiência interessante. A oferta de cabanas naquela região é bastante grande e fiquei a imaginar se os preços seriam bons por causa da concorrência, mas sabia que teria que rodar mais quilômetros para fazer render aquele dia.
      A Ruta 5, apesar de ser uma via dupla e com bom asfalto, foi a estrada em que menos pude curtir a pilotagem em virtude do movimento acentuado de veículos, do número alto de praças de pedágios e da incrível falta de locais com sombra para parar. Mesmo nos espaços de descanso, o sol reinava soberano. Isso sem falar das pouquíssimas opções de restaurantes.
      Fui até Chillán, dei umas voltas pela cidade, retornei e parei em um hotel na via de acesso que, segundo soube, era o único da cidade. Tudo no hotel era antigo (mas havia uma jacuzzi no banheiro) e no quarto havia avisos de não responsabilização por parte da administração em casos de furto. Achei estranho aquilo e decidi não deixar nada de muito valor por ali. Havia até mesmo, na porta, uma daquelas correntinhas “pega-ladrão”.....hahahahaha. Ao menos a moto ficava junto, pois a garagem era ao lado. O banho “meia-sola” da inglesinha estava garantido.
      O café da manhã no Chile me lembrou de um péssimo hábito naquele país: o café solúvel, assim como o sol na Ruta 5, reina soberano.
      Café tomado, hora de partir novamente. Agora em direção a Los Andes, cruzando Santiago. Por uma questão lógica, quanto mais perto da capital, pior o tráfego. Assim, só após cruzar aquela grande cidade eu pude relaxar um pouco. Bastava seguir em direção a Los Andes, direto para o Complejo Turistico Barros, também escolhido no booking.com.
      Aliás, aqui cabe um parêntese para comentar acerca do tal complexo. São três irmãos que o administram: Patricio, Santiago e Claudia. O local conta com cabanas novas e aconchegantes, uma área gramada com sombra e uma bela piscina. Enfim, tudo ali é voltado para o bem-estar do hóspede. Se solicitado, é servido janta e, no meu caso que sou vegetariano, fui muitíssimo bem atendido também nesse quesito. Os irmãos são extremamente simpáticos e sempre perguntam se é necessário algo mais para complementar a já boa experiência de ficar ali. É nítido o interesse de aprimorar aquilo que já é muito bom. Para se ter uma ideia melhor do que foi tal atenção, vou dar um exemplo: fiz a reserva de uma cabana familiar ao preço de US$98. Quando lá cheguei e eles verificaram que eu estava sozinho, baixaram o preço para US$75. Um belo desconto e algo honesto, diga-se, mas raríssimo de se presenciar nos dias de hoje. Em troca, pediram-me apenas que colocasse um comentário no booking. Justo!
      O café da manhã também foi muito bom (café solúvel, não esqueça) e completo. Certamente é um local anotado para retornar e ficar por ali alguns dias.
      Por volta das 9h30 saí para realizar a travessia da Cordilheira.
      Experiência magnífica!! Mas achei que pararia mais vezes para tirar fotos, o que acabou não acontecendo.

      Obs.: As montanhas que formam a Cordilheira dos Andes naquele trecho da travessia, sua imponência e suas cores (principalmente do lado argentino) são estupendas, e tenho muita gratidão por ter conhecido um lugar tão bonito. A questão das fotos, penso eu, não foi melhor aproveitada por um motivo: em 2016 fiz um trekking de alta montanha (nove dias + dois de aclimatação) na Cordilheira Huayhuash, no Peru. Aquela experiência fantástica foi o ápice de exuberância natural a que pude presenciar em minha vida: montanhas de 6000m, cores e contrastes absurdos, ambiente inóspito, céu magnífico, flora e fauna adaptados, solidão e conexão arrebatadoras. Com isso, creio que fiquei um pouco mais exigente na hora das fotos e nas inevitáveis comparações.

      O trâmite na aduana foi demorado. Muitos veículos e muitas pessoas passando de um lado para o outro. A coisa estava tão amarrada, e a fila de veículos para inspeção estava tão grande, que eu achei que dessa vez iriam complicar. Mas não. A liberação oficial (um pedacinho de papel-jornal com um carimbo ilegível) me foi entregue. Eles devem estar carecas de saber que um motociclista que encara tal tipo de viagem certamente não precisa de emoções artificiais para poder curtir a vida. Carregamos o necessário. Isso basta.

      Já em território argentino, passo pelo último posto de fiscalização e entrego o tal papelzinho de “última geração”. O destino agora é Mendoza. Paro para abastecer em Uspallata, entro na fila e eis que o relógio vibra em meu pulso: “Aviso de Tempestade”........... huuuuuuuummmmmm. Retomada a estrada, observo as nuvens negras se formando junto à cadeia de montanhas - Parar para vestir o impermeável, ou não? Ó, dúvida cruel!! - Como as nuvens se concentravam apenas ali, achei melhor arriscar. Além do que, a grossa jaqueta não deixava passar nem pensamento.
      Bingo! A chuva durou pouco, apesar de seus grandes “pingos”.
       
       
      MENDOZA
       
      Em fevereiro de 2015 fiz minha primeira viagem solo a Bariloche, de carro. Ali, redescobri a vontade de viver ao acampar numa Reserva Florestal em Santa Rosa/AR, na ida para Bariloche. Com exceção da barraca, esqueci de levar todo o resto que deveria acompanhá-la e, mesmo assim, aquela noite mal dormida foi reveladora.
       
      Chegando a Mendoza no início da tarde, fui direto procurar um local para dormir. Os argentinos haviam me dito para ficar alerta porque, segundo eles, o maior índice de criminalidade daquele país estava ali. É claro que para um brasileiro isso pode soar um tanto exagerado (Porto Alegre faz parte da lista das 50 cidades mais violentas do planeta), mas é justamente essa nossa experiência que não nos permite “abrir a guarda”, não importa o local. Ao circular por aquelas avenidas e ruas, o número de flanelinhas me chamou a atenção.
      Fiquei no Jaque Mate Hostel, próximo à agitada Av. Arístides Villanueva, lotada de bares e restaurantes. Fiquei em um quarto sem banheiro, ao preço de AR$600. Os banheiros compartilhados estavam bastante sujos e com os cestos de lixo transbordando de papéis. Um deles estava com a lâmpada queimada e permaneceu assim até a minha saída. Ao deitar, desconfiei (um pouco de otimismo cai bem) que as roupas de cama não haviam sido trocadas. Como ficaria ali apenas uma noite, achei melhor não reclamar - até porque o estado dos banheiros já indicava o tipo de cuidado ali dispensado -, e enrolei o travesseiro em uma toalha e dormi sobre a colcha. Apesar de bem localizado, não indico para ninguém.
      Mendoza é uma bela cidade e, como em todas que fiquei naquele país, me senti bastante à vontade ao caminhar por aquelas ruas. Escolhi aleatoriamente um restaurante, onde pude saborear uma Quilmes Stout e um prato de massa.
      Na manhã seguinte, tomei meu banho e saí para buscar a inglesinha que havia ficado em uma garagem a algumas quadras dali. Retornei ao hostel, arrumei a bagagem e parti em direção a Santa Fé. Na estrada, ao parar para abastecer, veio um hermano conversar comigo, o Franco, de Achiras. Muito simpático, quis saber detalhes de minha viagem, da moto, etc. Alertou-me em relação aos motoristas argentinos daquela região, bem como me disse para abrir o olho em Santa fé. Nisso, veio um senhor que estava nos escutando e me aconselhou a ficar em San Francisco, uma cidade vizinha a Santa Fé, muito mais tranquila, segundo ele. Dica anotada, me despedi e agradeci a ambos.
      Entrei em San Francisco e escolhi o primeiro hotel que encontrei. Preço bom (AR$790) e a melhor conexão de internet de toda a viagem. Ao falar que havia ficado ali por sugestão de outros viajantes, o atendente me disse que San Francisco, apesar de ser uma cidade, mantém a mentalidade de povoado, ao invés de Santa Fé, uma cidade maior. Pude confirmar isso à noite quando fui jantar. Pela primeira vez me foi oferecido salada. Aceitei e pedi uma massa, uma água e uma Quilmes (1lt) para acompanhar. As porções eram generosas e comi muito bem na minha última noite naquele país. O preço total foi de AR$240 (R$40). Ali, testemunhei algo bastante raro nos dias de hoje: o garçom, que não deveria ter mais do que vinte e poucos anos de idade, ao ver que um grupo de senhoras estava com dificuldades para atravessar a rua, foi em direção a elas e estendeu seus braços para que elas pudessem cruzar a avenida em segurança. Um ato bastante gentil e atencioso.
      Há um bom número de motos em San Francisco e são raros aqueles que usam capacete. O problema maior é que vi muitas famílias com crianças pequenas sendo levadas na frente, em velocidades nada baixas. Todos, obviamente, sem qualquer tipo de proteção.
      Saí daquela cidade na manhã do dia 18.fev, com o objetivo de cruzar a fronteira com o Brasil naquele mesmo dia. Entraria na província de Entre Rios, cuja polícia, com fama de corrupta, não goza de boa reputação com os viajantes brasileiros que entram naquele país por Uruguaiana, RS. Relatos de extorsão são bastante comuns, sendo esse um dos motivos pelos quais eu sempre entro na Argentina por território uruguaio.
      Importante citar que, até aquele momento da viagem, eu não havia sido parado em nenhuma ocasião pela polícia argentina (e nem pelas polícias uruguaia e chilena). Pois bem, no primeiro posto policial de Entre Rios, o policial manda encostar e pede meus documentos. Carta Verde, CNH e documento do veículo em ordem. O policial ficou bastante interessado na inglesinha e fez várias perguntas (na verdade, em todo território argentino foi assim) acerca do modelo, da marca, cilindrada, etc. Fui liberado e o policial entrou no posto. Logo a seguir saiu, atravessou a pista novamente em minha direção e fez mais perguntas sobre a moto. Eu saí dali imaginando o cara ligando para o posto seguinte dizendo que cruzaria um brasileiro em uma moto azul. E não é que no posto seguinte fui novamente parado? Mas não fui achacado em momento algum. Os mesmos documentos foram solicitados e logo fui liberado. O interessante é que dessa vez a policial era uma loira muito bonita, e achei uma pena ela não tomar mais do meu tempo. Ao passar pelo terceiro posto, o policial tinha uma cara bastante suspeita. Diminuí a marcha, ao que ele, de maneira impaciente, fez sinal para eu seguir em frente.
      Sei que é um pouco de paranoia de minha parte, mas em nenhum momento tive problemas com a polícia de Entre Rios. Mas eu atribuo um pouco a isso o fato de eu estar saindo, e não entrando na Argentina. Enfim.....
       
       
      FIM
       
      Em Gen. Acha, no ano de 2015, retornando de Bariloche, encontrei um motociclista solitário em uma Triumph Tiger, o Paulo, também de Porto Alegre/RS. Tomamos um café (ainda tô devendo, Paulo) e conversamos um pouco. Nos despedimos e seguimos viagem. Quando retornei para o carro, me questionei o porquê de estar sem moto, já que elas sempre fizeram parte de minha vida.
      Ainda naquele ano veio a inglesinha
       
      Cheguei em Paso de Los Libres em torno de 18h. Estava muito quente. Passo pela aduana argentina (até porque o Brasil não tem controle algum de brasileiro saindo e muito menos voltando), entro em território brasileiro e sou ignorado pelo fiscal da Receita. Aí, depois de duas semanas fora, levo aquele choque de realidade: lombadas eletrônicas, pardais mal sinalizados, estradas em mau estado de conservação e limite de 80km/h em grande parte da BR290. Realmente, há algo de errado por aqui. Não é possível tanta intervenção estatal em nossas vidas. Há algo de podre, e pra mim isso tem nome: má-fé.
      Para se ter uma ideia, na Argentina, a fiscalização por radar funciona da seguinte maneira: primeiro, há uma placa informando da fiscalização (teor educativo). A seguir, avista-se uma fileira de cones na estrada. Por fim, ao longe, fica fácil de ver a viatura atravessada com o fiscal dentro, ou próximo a ela. Vi apenas duas vezes esse tipo de fiscalização: uma nesta viagem, próximo a Santa Fé, e outra em 2015, na saída de Buenos Aires. Sei que é óbvio que acidentes aconteçam, muitas vezes ocasionados pela velocidade inadequada, mas nas três vezes que entrei em território argentino (2015, 2016 e 2018), jamais presenciei qualquer tipo de sinistro naquelas boas estradas.
      Outro fato que me chamou a atenção ao entrar no Brasil foi a inexistência de pousadas e hotéis após Uruguaiana. Assim, cansado, tive que pilotar até Alegrete, onde me hospedei no Hotel Alegrete, dentro da cidade. Bom quarto (apesar de pequeno), boa limpeza e bom preço. Só estava desacostumado com o chuveiro elétrico. O hotel ainda conta com um bom restaurante e o café da manhã oferecido também é de boa qualidade.
      Saí de Alegrete sob chuva fina para o trecho final da viagem. Apesar de incomodar um pouco, ela não demorou a parar. A cerca de 120km de Porto Alegre, parei para abastecer e encontrei um motociclista de Canela/RS, que estava retornando de Ushuaia. Falei que havia pensado em ir para lá, mas acabei mudando de planos. Também disse ter ouvido comentários de que não havia nada de mais em Ushuaia (exceto o vento e o frio), e que muitas pessoas vão apenas para tirar uma simples foto junto à tal placa do fim do mundo. Foi o que bastou para ele emendar aquele discurso de que todo motociclista deve ao menos uma vez na vida ir a Ushuaia.
      Acho isso um saco!
      Há um filme no youtube de dois motociclistas que vão para o Atacama e um deles aumenta o trajeto em 900km apenas para tirar uma foto junto à "mão do deserto", simplesmente porque "todo motociclista que se preze tem uma foto ali". Ora, eu pretendo ir ao Atacama um dia, de moto ou não. Não vou para lá apenas porque "todo motociclista que se preze faz essa viagem". Eu não escolho meus destinos porque eles estão na moda, ou porque todos tiram uma foto em tal lugar. Vou para determinado local porque acho que vale a pena e porque combina comigo. Simples assim.
      Seguimos juntos até Porto Alegre e nos separamos logo após a Ponte do Guaíba. Curiosamente, foi o único momento, em 6500km, em que tive a parceria de alguém. Infelizmente, ao achar que pararíamos para nos despedir, não trocamos informações de contato, o que é uma pena. E me dei conta de que o mesmo aconteceu em toda a viagem, e que isso sirva de lição para a próxima.
      Como voltar para casa é o mesmo que voltar à rotina, o retorno acaba sendo um misto de alegria e tristeza e, de certa maneira, isso sempre me lembra algo que me foi dito certa vez: "tu não cria raízes", ou seja, aqui elas não estão.
      Porém, estacionar na garagem é outra coisa. É quase um orgasmo, pois simboliza o sucesso e sepulta o fim de todo medo e incerteza havida no início.
      Assim, me resta continuar em movimento, em busca de emoções, e da paz que eventualmente vier. Afinal de contas, é necessário continuar no caminho e ir fazer o que eu faço. Porque eu posso....e tenho uma puta gratidão por isso.
       
      Números: A viagem teve uma duração total de quinze dias, com 6.500km percorridos, excetuando-se o trecho no Buquebus, em oitenta e quatro horas e meia de pilotagem. Foram consumidos muitos litros de água, alguns litros de cerveja e uma garrafa de vinho. Três capitais visitadas: Montevidéu, Buenos Aires e Santiago. Doze cidades pernoitadas: Jaguarão, Buenos Aires, Gen. Acha, Piedra del Águila, Bariloche, Villa La Angostura, Villa Pehuenia, Chillán, Los Andes, Mendoza, San Francisco e Alegrete.

       






×
×
  • Criar Novo...