Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Este post não é um relato de viagem, trata-se um roteiro de trekking fruto das minhas experiências no interior do vale. Como nem todos tem tempo e/ou dinheiro pra passar vários dias no interior do Pati, segue a sugestão de um roteiro "completo" - com todos os principais atrativos - que pode ser feito em 3 noites - um feriadão qualquer!

Este trekking pode ser feito com a presença de um guia local ou de forma autônoma. Não há OBRIGATORIEDADE de contratar guia, tampouco não é obrigatório ficar nos pontos de apoio.

QUEM PODE FAZER? Qualquer pessoa com um mínimo de condicionamento físico. Embora não seja uma trilha altamente exigente, é necessária alguma condição física para percorrer distâncias razoáveis (+10km) por trilhas em dias consecutivos.

QUANDO FAZER? Qualquer época do ano, na Chapada não é comum chover por vários dias seguidos sem parar. Pesquise a previsão do tempo antes. Se puder, faça este trekking após um período de chuvas na região, assim contemplará o Cachoeirão a todo vapor.

ONDE INICIAR? Como a ideia é encurtar as distâncias para aproveitar o máximo, a sugestão é começar nas entradas mais próximas ao Vale do Pati, que são: Trilha dos Aleixos e Beco do Guiné. Ambas entradas estão nas proximidades do povoado de Guiné, pertencente ao município de Mucugê. O caminho pela Trilha dos Aleixos é 1km mais curto que o do Beco do Guiné (distância do início até o Mirante do Pati). Se a opção do primeiro dia for o Cachoeirão, a trilha dos Aleixos é cerca de 2.5km mais curta.

Para reduzir as distâncias de carro, sugiro da seguinte maneira: quem vem de Lençois ou Palmeiras, comece pelo Beco do Guiné; quem sai de Ibicoara, Andaraí ou Mucugê, comece pela Trilha dos Aleixos.

1º DIA: GUINÉ X IGREJINHA: 8km

Dia de entrada no Vale, seja pela Trilha dos Aleixos ou pelo Beco do Guiné. Quem sobe pelos Aleixos tem a opção de banho no Rio3h Preto após 4km de caminhada. Quem vem pelo Beco também passa pelo Rio Preto, mas em um local diferente. Adiante terá o Mirante do Pati, com visual clásssico do Vale. Descida pela Rampa do Pati e chegada à Igrejinha (casa de João Calixto).

Tempo de movimento: cerca de 3h, descontando as paradas.

Pernoite: Igrejinha como apoio (pensão ou camping) ou seguir a trilha em direção ao Rio Pati (Cachoeira dos Funis) até um descampado próximo ao rio.

2º DIA: IGREJINHA X PREFEITURA: 11km (Funis e Castelo/Morro Branco)

Saída da Igrejinha para o Rio Pati, pelo Cemitério. Na chegada ao leito do rio, a trilha segue pelas margens e, em alguns trechos, pelo leito. Neste ponto o Rio Pati possui diversas quedas, formando alguns poços interessantes para banho. A queda principal, que também forma um bom poço para banho, é conhecida como Cachoeira dos Funis, está a cerca de 40 minutos da Igrejinha (1.8km).

Depois de aproveitar o rio, seguir descendo até encontrar a trilha de saída para casa de Sr. Wilson, onde finaliza a caminhada pelo leito. Após a casa de Sr. Wilson tomar um atalho à esquerda, para interceptar a trilha do Castelo. Caso esteja com cargueira, pode optar por escondê-la em algum canto, antes de iniciar a subida, ou deixá-la na casa de Sr. Wilson ou de Agnaldo. A subida é bem acentuada e pode ser escorregadia, caso tenha chovido recentemente, possui cerca de 2km.

Entre Funis e topo do Castelo são aproximadamente 2h de caminhada. Castelo x Prefeitura também são cerca de 2h.

Tempo de movimento: cerca de 5h, descontando as paradas.

Pernoite: sugiro na Prefeitura (Casa de Jailson), para adiantar o dia seguinte. Porém são muitas as opções no caminho: Agnaldo, Dona Leia, Dona Raquel, João e André. Para camping natural sugiro uma área do outro lado do Rio Pati, próximo a Prefeitura.

3º PREFEITURA X SR EDUARDO (CASA DO CACHOEIRÃO): 15km (Cachoeira do Calixto e Poço da Árvore)

Saída da Prefeitura para a Mata do Calixto, atravessando o Rio Pati. São aproximadamente 4.5km (2h) até a Cachoeira do Calixto. Fazer o trajeto sem as cargueiras, deixando guardada na Prefeitura. Se a pernoite anterior for na casa de Agnaldo, pode seguir pela trilha da margem esquerda do Rio Pati (não passa na Prefeitura), deixando as mochilas escondidas no acesso à mata do Calixto.

No retorno da Cachoeira do Calixto, passagem pela Prefeitura. Cerca de 1km após a Prefeitura está o Poço da Árvore, que é um opcional no trajeto.

Tempo de movimento: cerca de 6h30, descontando as paradas.

Pernoite: sugiro na casa de Sr. Eduardo, onde o filho Domingos toma conta. Para camping natural, sugiro uma área após a Casa de Seu Eduardo, próxima ao ao Rio Cachoeirão.

4º SR EDUARDO X GUINÉ: 20km (Cachoeirão por baixo e por cima)

Saída da casa de Sr. Eduardo sentido os poços do Cachoeirão, trilha com duração aproximada de 1h. Se estiver com cargueira, deixe ela no entroncamento com a trilha da fenda do Cachoeirão. O acesso aos poços é bem irregular e será mais difícil transportando uma cargueira. Sol no poço até o início da tarde, porém sugiro a saída do local até, no máximo, 12:00. No retorno do poço, subir pela trilha da fenda, que, apesar do nome, não possui tanta dificuldade técnica.

São 2 a 3 horas de subida até o topo do Cachoeirão, onde será possível contemplar a vista da 4ª cachoeira mais alta do Brasil e nadar em um pocinho em meio a mata. Deixando o Cachoeirão, a trilha segue pelos gerais até iniciar a descida da Serra do Esbarrancado. São 10km até o final dos Aleixos e 12km até o fim do Beco do Guiné. Sugiro sair do topo até às 15h, para não trlhar no escuro.

Tempo de movimento: aproximadamente 7h, descontando as paradas.

Último dia de trekking, caso queira optar por mais uma pernoite, a opção é o topo do Cachoeirão ou em algum ponto viável do gerais.

CONSIDERAÇÕES:

Desta forma, o trekking proposto tem aproximadamente 55km. Sugiro fazer neste sentido pois, na maior parte do tempo, a caminhada terá o relevo favorável.

Dos atrativos conhecidos do Vale do Pati, o único não contemplado neste roteiro é o cânion do Guariba, que fica próximo a Casa de Joia, na saída para Andaraí.Alguns locais possuem mercadinho (Igrejinha e Prefeitura), onde é possível comprar alguns produtos básicos. Preços bem superiores ao de mercado, cabe frisar.

Se possível, utilize calçados impermeáveis, de preferência botas. Leve o mínimo de peso possível nas cargueiras.

 

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Em 21/05/2018 em 11:29, Ronaldo Barbosa disse:

Muito bom! Valeu!

Sabe dizer os valores que estão sendo praticados para o camping (barraca e SD próprios) + alimentação?
Valeu.

Olá Ronaldo,

o valor do camping nas casas de apoio é R$20 por pessoa. Isto é, se você fechasse o pacote com janta + camping + café da manhã sairia por R$100.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Rogerio K C , acabei de voltar de lá. Fiquei 5 dias no Pati. O lugar é realmente espetacular, vale muito a pena.

A estrutura das casas de apoio me surpreendeu: todas muito bem cuidadas e com bastante conforto. Fiquei em três pontos: Igrejinha, Casa do Sr. Aguinaldo e Casa do Sr. André (do lado da casa de Dona Raquel, sua mãe). Todas as casas que fiquei e que vi tinham banheiros bem equipados, com papel higiênico e tudo. Cozinha coletiva tinha nas três "casas", mas na Igrejinha se paga R$ 15,00 pelo uso do gás (Set. de 2018), enquanto nas casas de Aguinaldo e André o uso do fogão à lenha é free. Sim, detalhe: na igrejinha eles fizeram uma estrutura para captar o calor do sol e aquecer a água do banho, assim tem duas duchas lá (as do meio, 2 e 3 da esquerda para direita) que possuem banho quente. É só se informar lá. Realmente funciona (se estiver com sol durante o dia, claro).

As refeições são espetaculares. Aconselho bastante fazer as refeições por lá, se não todas, pelo menos o jantar. E o pão que a esposa de Sr. Aguinaldo faz é uma delícia. Se estiver passando por lá vale a pena encomendar um, ainda que não durma na casa. Apesar de custar R$ 2,00 vale pelo sabor e pelo tamanho.

Abraço.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Uma duvida, na casa dos moradores pode se carregar baterias,celular etc  a vontade ou se paga pra utilizar a tomada eletrica? 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 04/12/2018 em 22:58, Raul-SE disse:

Uma duvida, na casa dos moradores pode se carregar baterias,celular etc  a vontade ou se paga pra utilizar a tomada eletrica? 

Oi, Raul!

Eu fiquei na casa da dona Raquel e o uso era livre. Mas no fim do dia as tomadas são bem disputadas e, como não tem energia elétrica, nem sempre funcionam.
Abs!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Salve mochileiros!

Estou indo em Março fazer esse trekking e, mesmo tendo pesquisado bastante ainda não encontrei uma resposta para a seguinte pergunta: Indo de carro, tem alguma opção de resgate p buscar o veiculo no ponto inicial?!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Joao Paulo Dazzi

Em 13/03/2019 em 16:46, Joao Paulo Dazzi disse:

Salve mochileiros!

Estou indo em Março fazer esse trekking e, mesmo tendo pesquisado bastante ainda não encontrei uma resposta para a seguinte pergunta: Indo de carro, tem alguma opção de resgate p buscar o veiculo no ponto inicial?!

Estou no mesmo barco, procuro alguma agência ou alguém que preste esse serviço de levar o carro até o ponto final,só ouvi falar mas ngm sabe confirmar exatamente quem faz isso. 

 

Se alguém poder ajudar. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Bernah
      Boa noite!
      Pretendo fazer algumas cidades do Leste Europeu e o sul da Alemanha entre os dias 5 e 30 de outubro de 2020. Gostaria da opinião, aqui do fórum, acerca da quantidade de cidades e tempo em cada uma delas. Se é factível ou está muito corrido. Desde já agradeço a colaboração. Segue meu roteiro.
       Dia 5- Segunda-feira- Vôo Fortaleza- Milão (via TAP) - chegada em Milão no dia 6.
      Dia 6- Terça-feira - Dormir na região de Malpensa (aeroporto) .
      Dia 7- Milão/Malpensa - Budapeste - vôo pela WizzAir
      Dias 8  e 9 -  Budapeste
      Dia 10 - sábado - Budapeste - Viena - trem
      Dia 11 e 12 - Viena
      Dia 13- Terça-feira- Viena- Cracóvia - ônibus
      Dias 14 e 15 - Cracóvia 
      Dia 16 - Sexta-feira - Cracóvia-Praga - ônibus
      Dias 17 e 18 - Praga
      Dia 19- Segunda-feira - Praga - Nuremberg - ônibus
      Dia 20 - Nuremberg
      Dia 21- Nuremberg-Munique- trem
      Dias 22 e 23 - Munique
      Dia 24- Sábado - Munique - Zugspitze - Innsbruck (dormir) - trem
      Dia 25- Domingo- Innsbruck - Milão - trem
      Dias 26 a 29 - Milão - com bate-volta a Turim e Bolonha
      Dia 30 - Sexta-feira - Milão- Fortaleza
      Aceito sugestões de alterações no roteiro para que não fique muitas cidades em pouco tempo.
      Já fiz várias viagens a Europa mas sempre acompanhada com a família ou amigos.  Mas esta viagem pretendo fazer sozinha (com 62 anos), se o coronavírus não atrapalhar... até o momento só comprei a passagem da TAP For-Milão-For. 
      Agradeço a todos que se derem ao trabalho de analisar meu roteiro.
      Gratissima ! 
    • Por cassizanon
      Fala galera, depois de 8 anos tentando viajar pra Argentina, FINALMENTE VOU AAAAAA, E SOZINHO!! To quase fechando meu roteiro pra Buenos Aires, mas gostaria da opinião e pitaco de vocês sobre minha distribuição de dias pros bairros.    Desculpa pelo post gigante pessoal, mas primeira viagem sozinho, minha cabeça ta a milhão e tem coisa que não to conseguindo pensar sozinho.   Meu negócio é fazer tudo com mais calma, absorvendo a atmosfera e querendo aprender tudo que der sobre a cultura e história do lugar, então bastante museu, locais históricos, arquitetura, e sem ficar correndo de um lugar ao outro pra ver tudo num dia. Não estou cheio da grana também, então vou economizar onde der, principalmente alimentação, pra poder esbanjar uma ou duas vezes. A cada dia vou fazendo comentários específicos:   5 de Maio - Terça-feira: 19:25 - Vôo de Porto Alegre 21:10 - Chegada no aeroporto El Palomar Noite - Chegar no Circus Hostel San Telmo, e jantar?   Aqui que vou chegar tarde no hostel, largo as coisas e dou uma voltinha pelos arredores até pra comprar coisas de higiene, e já jantar de repente?   6 de Maio - Quarta-feira Manhã: - Cambio no Mais Brazucas e comprar chip de celular na Claro 10:30 - Free Recoleta Tour no Teatro Colón Tarde: Palermo   Da tempo de sair cedo do hostel, ir até a Florida, fazer cambio, comprar chip, e ir até o Teatro Colon as 10:30? O  Free walk tour da recoleta vale a pena como primeira introdução? Depois do tour, a tarde, eu iria conhecer melhor o Cemitério, a Recoleta e Palermo. Com calma dá pra fazer isso num dia? Ou melhor separar?   7 de Maio - Quinta-feira Manhã: - Dar uma volta em San Telmo e ir a La Boca. 14:30 - Tour histórico/antropológico de 3 horas (P. Lezama, monumento Mendoza, C. Defensa, Dorrego, Mercado San Telmo, CGT, Praça perón, Santo Domingo, Plaza de Mayo) - Show de Tango   Aqui vou tirar a manhã pra dar uma voltinha pelas redondezas do hostel em San Telmo, e ir pra La Boca. Dá pra fazer La Boca até o começo da tarde? As 14:30 marquei um tour de 3 horas com um antropólogo e historiador pelo Airbnb, saindo do Parque Lezama e indo até a Plaza de Mayo, onde ele vai explicar sobre as colonizações, a história por tras dos locais, e sobre imigração, etc. É o que mais estou empolgado, pois vou ter um ótimo contexto da cidade. Depois de andar um monte, lá pelas 17:30, não sei se vale a pena fazer algo lá pelo Centro, ou volto pro hostel e me arrumo pro Tango a noite, estou vendo de ir no Esquina Homero Manzi.   8 de Maio - Sexta-feira - Retiro - Congresso - Centro   Esse dia vai ser pra turistar pela região do centro. Tudo o que tiver por ali to fazendo uma lista. Mas não sei se vai ficar pesado e corrido tudo isso, parando nos palácios, museus, fazendo tour por dentro dos prédios, etc. (EX: Catedral, Centro cultural Kirchner, Galerias Pacifico, Museu numismatico, Palacio Barolo, Palacio del congresso, Palacio de las aguas corrientes, Palacio Paz, etc)   9 de Maio - Sábado - Tigre 14:00 - Tour histórico de 3 horas caiaque pelo delta.   Aqui ta tudo encaminhado. Vou passar o dia em Tigre e a tarde fazer um passeio de caiaque com um antropólogo, ao invés de fazer paseio de catamarã, assim posso aprender melhor sobre a região e conhecer os lugares mais afastados.   10 de Maio - Domingo Manhã: - Puerto Madero - Costanera Sur 15:16 - Vôo para Bariloche (El Palomar) 17:38 - Chegada   Aqui penso em conhecer Puerto Madero de manhã e o Costanera Sur. As 15:16 tenho voo para Bariloche, volto pra BsAs dia 23. Porém aqui da pra trocar as atividades com outro dia, como o dia 24 ou 25.   23 de Maio - Sábado 15:55 - Voo de Bariloche para Buenos Aires 17:57 - Chegada em Buenos Aires (El Palomar) Noite: Puerto Madero   Chego no fim da tarde em Buenos Aires de novo, e pensei em deixar as coisas no hostel e ir conhecer Puerto Madero a noite, pq dizem que é legal ver tanto de dia quanto a noite. Ou daria pra fazer outra coisa. Sugestões?   24/5 - Domingo San Telmo (+ feira) Feria de Mataderos   Mais um dia que envolve São Telmo, dessa vez pra curtir a feira e o bairro, e também a Feria de Mataderos. Vale a pena separar um dia só pra isso? Ou daria pra incluir algo mais?   25/5 - Segunda-feira FERIADO Chacarita Belgrano Balvanera Caballito ou Programação do feriado (existe?)   OK, aqui é onde tenho mais dúvidas. Vou estar em Buenos Aires BEM NO FERIADO DA REVOLUÇÃO DE MAIO. Isso me parece ser bem significativo. Esse ano cai numa segunda-feira, quando museus geralmente não abrem. Vocês sabem como será esse ano? Vale a pena eu dedicar o dia pras comemorações/temática da época, ou daria pra turistar normalmente? Pensei em deixar esse dia pra conhecer estes bairros menos visitados, até pra ver o museu de Gardel, o Cemitério onde ele está, etc. Mas também, se as coisas estiverem fechadas, não valeria a pena. O que acham?   26/5 - Terça-feira Talvez revisitar algum lugar ou o que faltou 17:05 - Vôo para Porto Alegre (El Palomar) 18:40 - Chegada em Porto Alegre   Último dia, e pensei em deixar em aberto pra voltar pra algum lugar que gostei, ou usar ele pra aliviar algum outro dia que ficaria muito corrido. ________________   Ufa, é isso. Não coloquei os detalhes de pontos turísticos e tal porque não queria estender, e já tenho uma noção do que fazer, só queria acertar os dias, pra já ter um planejamento mais claro, e pra poder ajeitar meu financeiro. De novo, foi mal pelo post gigante, mas to lutando pra reunir o máximo de informação possível, qualquer ajudinha será muitíssimo bem-vinda, e trago uma lembrancinha ainda hahahaha Abração!  
    • Por mmateusmelo
      Planejei esse mochilão a uns 3 anos para ir com um amigo porém ocorreram imprevistos e acabou não rolando. No final desse ano ano, se tudo der certo, estarei embarcando nessa aventura e gostaria da ajuda de pessoas que já conhecem o local para melhorar o roteiro e passar dicas de lugares, estadia, transporte, comidas, passeios e tudo que tiver de interessante pelo caminho.  A ideia é juntar uns 3-4 mil e seguir viagem até a grana ou o tempo acabarem. Pretendemos gastar pouco com hospedagem (hostel, camping ou qualquer lugar que dê para dormir) para priorizar passeios e alimentação. Como já faz algum tempo fiz o roteiro algumas informações devem estar desatualizadas. Toda ajuda é bem-vinda!
      Trechos mochilão.docx
    • Por Jackson Branco
      Boa noite. Peço desculpa pelo textão se alguém puder ler e tiver algo a contribuir, fico agradecido. É que sou absolutamente novato nesse hobby, aliás, nunca fiz nada parecido. Faz um tempo que to procurando alguma forma de sair da rotina, e por acaso o grupo apareceu na minha TL. Eu tenho 10 dias de ferias para tirar até dezembro, e cogitei fazer um mochilinho (10 dias não da pra nada ne?).   Eu tava procurando algo por SC (moro em Chapecó), que fosse um trajeto curto, porém não achei nada que parecesse interessante aqui perto da minha cidade. Então pensei em pegar ônibus até Florianópolis (cerca de 550km daqui), e subir pela praia de Floripa até Balneário Camburiú. O caminho mais curto, pela BR-101, daria 85km, pela praia aumentaria um pouco.   As dúvidas iniciais, são: alguém um pouco acima do peso ideal, conseguiria fazer esse trajeto? Pensei em andar no mínimo uns 20km/dia. Quais seriam os itens básicos que eu deveria levar? Eu tenho uma barraca (nunca nem usei, nunca acampei, no máximo fiz trilha curta), pessoas que usam barracas para pernoitar, como fazem com relação a higiene básica? Qual a solução para banhos, roupas...? Um dos maiores medos é com relação a segurança, sobre onde acampar e tal, porque eu não teria grana pra pagar por hospedagens todos os dias.   Espero que alguém leia, se tiver alguma dica, conselho, indicação, fico feliz em receber.
    • Por Andressa Carneiro
      Data da viagem: 12 a 19/02/2020
      Principais gastos:
      Passagens aéreas - BSB-SSA - Latam - R$897,40 (ida e volta, 2 pessoas,compra em 11/2019)
      Catamarã - Salvador-Morro de São Paulo - Biotur: R$384,10 (ida e volta, 2 pessoas, compra antecipada pela internet em 12/2019)
      Taxa de entrada em Morro de São Paulo: R$15 por pessoa. Taxa obrigatória independente dos dias que for ficar. No desembarque te encaminham para o pagamento. Aceitam cartão. Total: R$30.
      Hospedagem - Reserva pelo booking.com em 12/2019: Salvador - 2 diárias para casal no Hostel La Ventana - Total: R$130; Morro de São Paulo - 5 diárias para casal no Hostel Farofa Loca - R$620,40. Total: R$750,40.
      Passeios: Tirolesa - R$60 por pessoa (só eu fui); entrada na Toca do Morcego - R$15 por pessoa; Caiaque duplo - R$25 por pessoa; Volta a Ilha - R$ 180 por pessoa; barco de ida para Gamboa - R$7 por pessoa; Aluguel de snorkel - R$15 por pessoa.Total: R$ 544.
      Roteiro:
      Quarta - Salvador
      Chegada 15h
      Check in no Hostel La Ventana 
      Visita a Igreja Nosso Senhor do Bonfim 
      Pôr do Sol no Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat (15min andando da igreja ou Uber)
      Sorveteria da Ribeira (Uber a partir do Forte, também tem essa sorveteria em Morro de São Paulo, se preferir)
      Noite no Pelourinho (Uber a partir da sorveteria)






      Quinta - Morro de São Paulo
      Catamarã Biotur 9h
      Chegada 11h30
      * Caso precise, os locais oferecem serviço de levar sua bagagem em carrinho de mão até a pousada. Eu não achei necessário.
      Check in Hostel Farofa Loca 
      Almoço Restaurante Papoula na Rua da Lagoa (excelente custo x benefício)
      Caminhada da Primeira a Quarta Praia (30min)
      Tarde na Quarta Praia
      Final de tarde na Segunda Praia
      Jantar no Áurea na rua de acesso à Primeira Praia (bom custo x benefício)
      Noite na Segunda praia - Luau (mas abaixo explico melhor como é esse evento)






      Sexta - Morro de São Paulo
      Segunda Praia até o almoço
      Almoço Point na rua de acesso à Primeira Praia (bom custo x benefício)
      Descanso na Terceira Praia
      Café Solar das Artes na Praça Aureliano Lima (bom custo x benefício)
      Noite na feirinha da Praça e na Segunda Praia
      Gula's burguer na rua de acesso a Primeira Praia (bom custo x benefício)



      Sábado - Morro de São Paulo
      Mirante do Farol
      Tirolesa 
      Praia de Gamboa de barco 
      Bar Experimenta em Gamboa (baixo custo x benefício, porções muito pequenas)
      Retorno de Gamboa caminhando (maré baixa)
      Parada no paredão de argila
      Pôr do sol na toca do morcego (médio custo x benefício,  qualidade do petisco e drink ruim, caro, mas lugar mto maneiro, vista linda, com DJ/banda ao vivo)
      Jantar no Bodeguita na rua de acesso à Primeira Praia (bom custo x benefício)












      Domingo - Morro de São Paulo
      Caminhada até Praia do Encanto (quinta praia) - 40min
      Retorno com parada na Quarta e na Terceira Praia
      Almoço no Restaurante Santa Luzia no deck da Terceira Praia (bom custo x benefício)
      Passeio de caiaque à Ilha de Caita (a partir da Terceira Praia), a travessia leva uns 10min, é bem tranquila, eles fornecem o snorkel sem acréscimo no valor
      Pôr do sol no Mirante do Farol
      Churrasco no hostel
      Noite na Segunda praia



       







      Segunda - Morro de São Paulo
      Passeio Volta a ilha - Este passeio inclui mergulho nas piscinas de Guarapuá, Praia de Moreré (ou as piscinas se a maré estiver baixa), Praia Boca da Barra (onde se pode dar uma volta na vila de Boipeba e almoçar, almoçamos no restaurante Ponta da Barra - bom custo x benefício, mas fica a critério do grupo), visita a comunidade Canavieira (degustação de ostras e lambretas) e centro histórico de Cairu (é cobrada uma taxa simbólica para os locais fazerem o tour até o convento). O passeio dura das 10 às 17h30. Pode levar gelo e bebidas e usar o cooler do barco. O barco sai da terceira praia e retorna no porto. Tem que fazer reserva e pagar o passeio com antecedência, se a ilha estiver movimentada.
      Fim de tarde no Bodeguita (saideiras com pessoal do passeio)
      Restaurante beira-mar Pedra sobre Pedra no início da segunda praia (bom custo x benefício, mais caro, mas vista bonita, dose dupla de drinks)
      Noite na Segunda Praia - Luau










      Terça - Morro de São Paulo/Salvador
      Segunda Praia
      Almoço Restaurante Papoula
      Caminhada no Forte
      Retorno - catamarã Rio Tur 15h
      Chegada em Salvador 17h30
      Check in no Hostel La Ventana de novo
      Noite no Rio Vermelho - Praça Caramuru - Antigo mercado do peixe
      Bebidas no Bar e Restaurante Quatro Ventos (excelente custo x benefício, dose dupla de drinks, preços bons), e cocada e acarajé no famoso e delicioso Acarajé da Cira (excelente custo x benefício)





      Quarta - Salvador
      Retorno Brasília - voo 5h25
      Informações úteis:
      - Hostel La Ventana: quarto de casal com ventilador (ar-condicionado fez falta), banheiro compartilhado, sem café da manhã. Muito limpo, recepção boa. Apenas para uma noite vale a pena devido ao valor e à proximidade do porto (fomos andando).
      - Hostel Farofa Loca: quarto para casal, banheiro privativo, ar-condicionado, piscina, café da manhã. Recepção e limpeza excelente, quarto confortável, bom para fazer amizades, mas localização não é estratégica, precisa caminhar bastante até às principais atrações. Com o passar dos dias fica cansativo.
      - Sobre as praias: a primeira não é muito movimentada e é pequena, é onde a tirolesa desce; a segunda é a principal, mais restaurantes e agito, à noite é o principal point, durante o dia achei uma das mais bonitas, na maré baixa formam piscinas naturais e é possível ver muitos peixinhos, tem aluguel de stand up para quem gosta; a terceira tem pouca faixa de areia e mais pedras, é de onde sai o passeio de caiaque para a Ilha de Caitá; a quarta é mais deserta e tem a água mais clara, é bem tranquila e muito bonita; e a quinta (Praia do Encanto) achei a mais linda de todas, a cor bem clarinha, é bem extensa, vale muito a pena a caminhada até lá, que dá uns 40/50min indo com calma.
      - Leve snorkel e sapatilha aquática se tiver. Caso não tenha, alugue pelo menos o snorkel para o passeio de volta na ilha.
      - Faça os passeios e vá as praias quando a maré estiver baixa, pois é quando se formam as piscinas naturais, as águas ficam mais claras e é possível ver mais peixes. Consulte a tábua de maré de Morro de São Paulo nesse link: https://www.morrodesaopaulo.net/mare.
      - No geral, os restaurantes e bares possuem preços bons, com exceção dos localizados  na praia, mas mesmo esses não possuem preços absurdos. É possível gastar bem pouco com alimentação se quiser economizar.  No geral, cervejas 600ml saem entre R$10 e 13; caipvodka custam entre R$15 e 18, experimentem as que levam pitaia! Delícia! O restaurante Papoula é uma excelente opção para almoço ou jantar, com pratos bem servidos e valores entre R$19 e 35  (pratos individuais), hóspedes do Farofa Loca ganham um shot de batida de maracujá.
      - Há vários pontos para assistir ao pôr do sol, se não quiser pagar a entrada do Toca do Morcego, vá ao Mirante do pôr do sol, no Farol, ou ao Forte. Retornando de Gamboa também é uma boa opção se a maré estiver baixa.
      - A Toca do Morcego, o Mirante do pôr do sol, o Farol e a Tirolesa ficam na subida que inicia em frente a Igreja da Nossa Senhora da Luz. O Forte fica na direção do local onde se paga a taxa de entrada na ilha.
      - Teatro do Morro não é teatro e Luau da Segunda Praia não é luau (voz e violão), são baladinhas. O Teatro geralmente tem DJ e banda, com dois ambientes, música eletrônica e música brasileira, o ingresso tava R$60 masculino e R$30 feminino, rola descontos para grupos, eu não fui, mas falam que é bem animado, tem que subir uma escadaria enorme para chegar, começa 00h e vara a madrugada, rola toda quarta e, às vezes, domingo. O Luau acontece às quintas e segundas, também começa à 00h, leve canga para descansar, é gratuito.
      - Toca do Morcego e Pulsar Disco são outras baladas famosas no Morro. Toca fica mais animada na sexta e Pulsar no sábado.
      - Para chegar ou voltar de Gamboa caminhando a maré precisa estar baixa, caso contrário, pegue um barco/lancha (R$7). Eu fui de barco e voltei andando, vale a caminhada de uns 45min. Para pegar o barco ou iniciar a caminhada é só ir no Porto.
      - Os preços dos passeios são tabelados, e dificilmente conseguirá descontos.
      - Quem tem problemas com enjôo, se medique antes de pegar o catamarã, pois balança um bocado.
      - Mais fotos e vídeos dessa viagem nos destaques do meu Instagram: @dressas_carneiro 
       
      Boa viagem, espero ter ajudado! 😘


×
×
  • Criar Novo...