Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Biamorim

BOLIVIA : IMPOSTO IVA E TAXA DE SAÍDA

Posts Recomendados

Oi galera!
 
No feriado de 7 de Setembro viajarei sozinha a turismo por 5 dias para Bolivia (Santa Cruz de La Sierra e arredores ) saindo do Brasil de aviao  (São Paulo)  e diversos blogs de viagem mencionam uma "taxa de saída do país" cobrado pelo governo boliviano para estrangeiros que voltam para seus países sem residência na Bolívia.
 
Gostaría de confirmar se isso é verdade e se é legal e também se é legal que hotéis agreguem ao valor da diária do hotel o imposto IVA que segundo relatos é ILEGAL a cobrança para turistas estrangeiros.
 
Não acho essas informações no site do consulado e já mandei vários mails para todos os consulados do país sem resposta. Alguém que já tenha viajado via aérea para lá sabe informar os procedimentos para obter este papel/carimbo de entrada e saída para Bolivia? Antes de eu passar pelo check in tenho que ir em algum setor especifico do aeroporto do DPF para obter esse carimbo de entrada para Bolivia ? E na saída é a mesma coisa? Tem um setor específico do aeroporto na Bolivia para ir antes de passar pelo check in ?
 
E alguém saber mais sobre esse imposto IVA ?
 
Caso alguém esteja indo para lá esse período me fale para nos encontrarmos lá. Como disse estarei sozinha e companhia é sempre legal. Meu mail: [email protected]
 
Desde já agradeço.
 
Beatriz Amorim

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Você misturou tudo e entendeu tudo errado!!

 

IVA:

IVA é o equivalente Boliviano ao ICMS e ISS, que são impostos cobrados sobre o consumo de mercadorias e serviços, ou seja, toda vez que você compra alguma coisa no supermercado, numa loja, paga diária de hotel, paga refeição num restaurante, etc, você está pagando IVA.

Estrangeiros são isentos de IVA em alguns serviços, em alguns países as diárias de hotéis são isentas de IVA para estrangeiros. Mas o hotel tem que estar legalizado, com toda documentação e impostos em dia e estar credenciado pelo governo a conceder este desconto, muitos hotéis tem pendência com o governo e não conseguem se habilitar a conceder o desconto.

Eu não conheço os detalhes específicos da Bolívia, mas em todos os países onde este tipo de desconto existe, basta você apresentar o seu passaporte ou documento provando que é estrangeiro no momento do check-in no hotel e solicitar o desconto do IVA, que eles já abatem o valor do IVA das diárias a ser pago.

Taxa de Saída:

A "Taxa de saída" existe mas é cobrada de estrangeiros que ficaram mais de 3 meses na Bolívia,  ou não renovaram a estadia a cada 30 dias, uma vez que a permanência máxima como turista é de 30 dias, podendo ser renovada 2 vezes.  Ou seja é uma multa para quem ficou ilegal no país.

 

Taxa de Entrada:

Existe sim é uma Taxa de Entrada na Bolívia por via aérea, que todos os estrangeiros que entram por via aérea tem que pagar desde o ano passado, e que a partir de 2019 também será cobrada dos estrangeiros que entrarem por via terrestre.

Esta taxa é de 100 Bolivianos ou uns 50 Reais para quem entra via aérea, e se não me engano, já está embutido no preço da passagem aérea. Para quem entrar via terrestre, a taxa será bem menor, acho que uns 15 ou 30 Bolivianos, e será cobrada direto na fronteira.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
2 minutos atrás, 234234 disse:

Obrigada pela resposta!

Mas quero deixar claro que eu entendi exatamente como voce explicou .  Voce que não deve ter entendido a forma como coloquei as duas duvidas.

 

IVA= hotel / serviços

E

imposto de saida =  relacionado com o turista que está saíndo do país.

 

Mas obrigada pela explicação!

 

 

2 minutos atrás, 234234 disse:

 

Você misturou tudo e entendeu tudo errado!!

 

IVA:

IVA é o equivalente Boliviano ao ICMS e ISS, que são impostos cobrados sobre o consumo de mercadorias e serviços, ou seja, toda vez que você compra alguma coisa no supermercado, numa loja, paga diária de hotel, paga refeição num restaurante, etc, você está pagando IVA.

Estrangeiros são isentos de IVA em alguns serviços, em alguns países as diárias de hotéis são isentas de IVA para estrangeiros. Mas o hotel tem que estar legalizado, com toda documentação e impostos em dia e estar credenciado pelo governo a conceder este desconto, muitos hotéis tem pendência com o governo e não conseguem se habilitar a conceder o desconto.

Eu não conheço os detalhes específicos da Bolívia, mas em todos os países onde este tipo de desconto existe, basta você apresentar o seu passaporte ou documento provando que é estrangeiro no momento do check-in no hotel e solicitar o desconto do IVA, que eles já abatem o valor do IVA das diárias a ser pago.

Taxa de Saída:

A "Taxa de saída" só existe e é cobrada de estrangeiros que ficaram mais de 3 meses na Bolívia.

Taxa de Entrada:

O que existe sim é uma Taxa de Entrada na Bolívia por via aérea, que todos os estrangeiros que entram por via aérea tem que pagar desde o ano passado, e que a partir de 2019 também será cobrada dos estrangeiros que entrarem por via terrestre.

Esta é de 100 Bolivianos ou uns 50 Reais, e se não me engano, já está embutido no preço da passagem aérea.

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Essa "taxa de saída" é ilegal e nada mais é do que uma propina cobrada pelos policiais da imigração nas fronteiras. Taxa que inclusive me recusei a pagar na fronteira Bolivia - Chile. 

Multa por permanecer no país depois do vencimento do visto é outra história. 

Já o IVA é um imposto para nacionais/estrangeiros residentes que não se aplica para turistas.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu era quem devia cobrar desse país de m... minha saúde que nunca mais voltará. Se está com passagem comprada,desejo lhe toda a sorte do mundo para não lhe acontecer nada,pois se acontecer, todo cuidado e pouco,pois aquilo ali é um lixo,que já relatei na época aqui.

Taxa de saída eram 20 dólares cobradas no aeroporto de El Alto ao cônsul, não foi a mim,pois voltei de cadeira de rodas.Hoje não sei e nem quero saber de tanto ódio que esse lugar me causou.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 16/08/2018 em 12:55, henriquefarage disse:

Essa "taxa de saída" é ilegal e nada mais é do que uma propina cobrada pelos policiais da imigração nas fronteiras. Taxa que inclusive me recusei a pagar na fronteira Bolivia - Chile. 

Multa por permanecer no país depois do vencimento do visto é outra história. 

Já o IVA é um imposto para nacionais/estrangeiros residentes que não se aplica para turistas.

Eu cheguei a ligar para embaixada boliviana em Brasília para denunciar esse crime na saída da Bolívia para o Atacama. Seria bom que todos fizessem isso até que alguém tome uma atitude. 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por joshilton
      Qual o melhor mês para ir ao Salar do Uyuni ? O mês que o Salar está mais lindo
    • Por Felipepamplona
      preciso de dicas 
      Estava planejando viajar a américa do sul inteira em 2019, mas acabou que ocorreu um imprevisto e acabei "perdendo" 2/3 do dinheiro que tinha economizado pra viagem.
      Agora estou pensando em fazer um plano B, que é cortar fora por enquanto a patagonia :((
      Tenho um voluntariado no natal e ano novo em punta ballena - Uruguai, e estou pensando em seguir até buenos aires, e de buenos aires seguir direto para o chile, passando por Rosario e Cordova.
      O que acham?? eu ia até o ushuaia e subiria devagar pelas cidades até chegar em pucon. Mas como falaram que "o mais caro da america do sul é Uruguai e Patagonia, estou pensando em cortar .
      alguma dica?? estou super aberto a isso.
      Estou pensando tbm, depois do voluntariado no uruguai, voltar e subir direto para bolivia e peru,
      A GRANA QUE TENHO SOBROU É R$4.500 :*(
    • Por joshilton
      Ps barcos feitos de totoras e casinhas do mesmo material, eu só vou encontrar na Ilha dos Uros ou tem também no lado boliviano ?

    • Por Gandharvika Nandini Devi Dasi
      Somos 3 viajantes saindo de Belo Horizonte e destino final Calama no Chile. Vamos chegar em Campo Grande(MS) dia 30 de manhã cedo e estamos procurando carona até Corumbá, para pegarmos um ônibus e chegar na fronteira da Bolívia, em Puerto Quijarro. De lá vamos até Santa Cruz de La Sierra e depois ir para Calama. Então se você vai passar em alguma dessas cidades (ou alguma que você acha que possa nos ajudar) entre os dias 30 de Dezembro e 10 de Janeiro, se manifeste para nos conhecer e desbravar essa trilha até a cidade desértica do Chile! 

      - Aceitamos caronas grátis ou com preço mais em conta que passagem
      - Aceitamos acomodação grátis ou por precinho bacana
      Você vai receber muito amor e gratidão! <3
    • Por GIACOME
      Acabamos de regressar desta maravilhosa viagem, onde o exercício de resiliência e cuidado mútuo fez parte constante do trajeto; viajamos de carro, partindo de Cacoal, Rondônia, fazendo o já clássico caminho entre Rio Branco (Acre) e Cusco (Peru), passando pelas belas geleiras da cordilheira dos Andes. Estávamos em quatro pessoas, sendo elas duas crianças de 14 e 5 anos.
      Nestas condições o nível de aventura deve ser moderado, não podendo fazer caminhadas mais longas, ou qualquer outro passeio que demande muito esforço físico e muito menos risco à saúde ou à vida. Saímos de Cacoal junto com um grupo de Amigos até Porto Velho; já na saída um grupo que iria com a gente recebeu a notícia que outros membros da família que iriam se encontrar em Porto Velho haviam perdido o vôo. Logo, iríamos subir até Rio Branco somente em mais outro carro de amigos.
      O resumo do primeiro dia foi: Cacoal-RO – Rio Branco, Acre. 988km. Os pontos mais relevantes deste dia e que merecem uma observação:
      1. Abastecer em Porto Velho é bem vantajoso. Gasolina custando 3,36 antes do aumento de 0,40 do Temer.
      2. Comer no Assados; restaurante que fica na rua Carlos Gomes, em frente à Honda. Boa carne assada e postas de Dourado gigantes assadas.
      3. Em Abunã, resíduos históricos da passagem da ferrovia madeira Mamoré, incluindo uma locomotiva perdida.
      4. A Balsa; elemento jurássico que assola o desenvolvimento da região.
      5. O Shopping de Rio Branco, assim como toda a capital estão lindos.
      Não ficamos hospedados em Hotel. Ficamos na casa do amigo Carlos Frederico.

       
      O segundo dia acordamos cedo, mas conseguimos sair mesmo após às oito horas. Tomamos café em um posto de gasolina e seguimos para Assis Brasil. Em Epitaciolândia paramos para sacar dinheiro na agência. Queríamos levar 90% do dinheiro em espécie. Em 2013 levamos em espécie, mas já no final da viagem o dinheiro deu a conta; e muitos locais não passavam cartão de crédito. Importante habilitar o cartão para as transações internacionais. Saímos de Epitaciolândia e seguimos para Assis Brasil, a última cidade brasileira do caminho. Cuidado com este trecho é pouco. O asfalto está destruído em parte do trajeto, necessitando reduzir a zero a velocidade para prosseguir.
      O Resumo do segundo dia ficou assim: 574km. Rio Branco, Acre. Puerto Maldonado, Peru.
      1 Deixe bastante tempo para a imigração e passagem do carro para o Peru. É demorada a saída do Brasil na Alfândega Brasileiro quando tem ônibus também atravessando. Na Aduana peruana, se tiver ônibus ferrou. Nos finais de semana o fluxo é maior. O carro só sai agora com o Suat, um seguro obrigatório. Eles inspecionam o carro e só permitem o pagamento depois da observação e análise do veículo. Demoramos mais de três horas para fazer todos os procedimentos. Aproveitem para trocar sua grana por soles já na divisa. Uma das melhores cotações. Quanto mais entramos no país, menos o real vale. Com exceção de Cusco, que recebe muito bem o real.
      2 Viajei com a ideia de cotação entre 1 real para 1 soles. Levei prejuízo. Com o aumento do dólar, consegui comprar soles perdendo 10%. 1 real vale somente 0,90 soles. Prejuízo de 300 reais na troca dos 3,000 reais que levei em espécie. (levei mais 1,000 reais para trocar em Bolivianos).
      3 O trecho entre Inapari, primeira cidade Peruana onde fazemos os trâmites, até Puerto Maldonado é de 220 km. Cuidado com o combustível. Existem poucos “grifos” postos de gasolinas no caminho. Cuidado também com os quebra-molas, que são muitos e motociclistas sem iluminação. Passamos a noite e muitos veículos não têm iluminação.
      4 Em Puerto Maldonado ficamos no Tropical Inn. Hotel de fácil localização, à 4 quadras da praça de Las Armas de Puerto Maldonado. Ficamos na ida e na volta. O valor de 114 soles. Em média 130 reais para quatro pessoas. Quarto enorme e ótimas camas e banheiro. No entanto, sem café da manhã. No dia que chegamos estava sendo comemorado o aniversário da cidade. Muita festa na praça principal, com um show de músicas locais; uma mistura de aviões do forró com calypso. Sensacional. Comemos pizza e experimentei uma coxinhas de rua, feitas de massa de mandioca, também comi as papas helenas. Deliciosas.
      5 Já tome as deliciosas Cusquenas. Cervejas maravilhosas de Cusco. Aproveite o calor da cidade para beber, pois em Cusco o clima não é tão propício. Em Cusco gostoso é a Pisco Sour, bebida com aguardente de uva e clara de ovo.
      Dormimos com a ansiedade da subida pela cordilheira, levando em conta que estávamos com crianças e não sabíamos as reações, principalmente da menor com 5 anos. Amanhã continuo com o dia D da subida à cordilheira.




×