Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

tabatajac

Travessia Petrópolis x Teresópolis em 3 dias - Parque Nacional da Serra dos Órgãos - c/ fotos, dicas e equipamento

Posts Recomendados

Conhecida como uma das travessias mais bonitas do país, a travessia Petrópolis x Teresópolis é feita dentro do Parque Nacional da Serra dos Órgãos e conta com aproximadamente 30 quilômetros de trilha, que podem ser feitos em um, dois ou três dias.

Antes de mais nada, é preciso comprar os ingressos no site do Parnaso e, se for fazer a trilha em mais de um dia, pagar pela sua estadia, que pode ser em camas beliche ou bivaque dentro do abrigo, ou no camping. Vale lembrar que em feriados, principalmente no inverno, a travessia fica bem cheia e os abrigos esgotam rápido. Nós demos sorte e pegamos uma desistência, conseguindo fazer no feriado de 7 de Setembro.

Para quem fica no abrigo, é disponibilizado panelas, utensílios de cozinha, fogão e banheiro com (pasmem!) água quentinha. Já para quem fica no camping, você também vai poder usar o banheiro para tomar banho, além de outro banheiro do lado de fora do abrigo e um ponto de água, onde dá para encher as garrafas e lavar as panelinhas e utensílios que você levar.

No total, pagamos R$ 102,00 cada um, incluindo o valor da travessia (R$ 26 da trilha e R$ 26 de adicional de fim de semana), duas noites de camping (R$ 10 cada uma) e dois banhos (R$ 15 cada um).

O próprio site do parque oferece informações oficiais sobre a travessia, sempre vale dar uma olhada.

DIA 1 – Petrópolis x Castelos do Açu

Distância: 8 km

Tempo: 7 horas

Ganho de altitude: 1.145 metros

Saímos do Centro de Petrópolis um pouco antes das 8:00 e chamamos um Uber para adiantar um pouco as coisas. Para quem quiser ir de ônibus, primeiro você vai ter que pegar um para o Terminal de Correias e depois outro para um pouco antes da portaria do parque. Pagamos R$ 36,00 até lá. Chegamos na portaria, assinamos o termo de responsabilidade, enchemos as garrafas de água e começamos a subir às 9:20.

O primeiro ponto depois da portaria é o Poço do Presidente e a Cachoeira Véu da Noiva. Como saímos um pouco tarde da portaria, fomos só até o primeiro ponto, enchemos as garrafas, comemos uma barrinha de cereal e seguimos. A subida até aqui ainda não é tão íngreme, mas depois do poço comecei a sentir as pernas avisarem que a declividade tinha aumentado (e eu achando que estava bem preparada). Chegamos na Pedra do Queijo às 11:30 e paramos para beber água, comer e subir na pedra para ver o visual.

DSC_0104.thumb.jpg.c6e0b7a9af9b8e80a97a375f30a6d4d5.jpg

Pedra do Queijo

DSC_0109.jpg

Pedra do Queijo 

DSC_0110.thumb.jpg.e72713fced803887b7d6bc90ce9f2a7e.jpg

Visual de cima da Pedra do Queijo

De lá, partimos para o Ajax, onde chegamos às 13:15. Essa, para mim, foi a subida mais puxada, até mais que a Isabeloca que vem depois e dizem ser a parte mais difícil do primeiro dia. Acho que o bastão de caminhada fez a diferença, já que subi essa parte sem ele, mas usei na Isabeloca. O Ajax é o próximo ponto de água depois do poço e o último antes do abrigo, além de ser também onde o pessoal costuma parar um pouco mais para almoçar (ou comer alguma coisa com mais sustância). Atenção para os períodos de seca, já que é comum o Ajax secar. Nós pegamos o ponto com pouca água, mas ainda deu para encher as garrafas. Até esse ponto, já havíamos caminhado por volta de 5 quilômetros, com mais 3 pela frente até o abrigo dos Castelos do Açu.

P_20180907_131419_BF.thumb.jpg.b04bfd6569b82a6473455fde3a4bfec4.jpg

Parada no Ajax

De cara para aquele paredão que era a Isabeloca, saímos do Ajax às 13:55 e começamos a última subida do dia. Conseguíamos ver as pessoas lá em cima, com suas mochilas coloridas, já quase chegando ao topo. Depois de muito anda e para, chegamos lá em cima às 15:15 e paramos na próxima plaquinha para tirar um pouco as cargueiras, beber água, comer e tirar umas fotos. De lá, conseguíamos ver uma formação rochosa bem ao longe que parecia ser os Castelos do Açu, e que ainda estava distante para caramba.

P_20180907_142513_HDR.thumb.jpg.94a7e882ebc643f5b38f93cfe08d3ebb.jpg

Subindo a Isabeloca

P_20180907_153510.thumb.jpg.f2da40db48d8d820d014caaf18c011d0.jpg

Topo da Isabeloca

Colocamos as cargueiras de volta e voltamos a seguir a trilha quando, de repente, os Castelos do Açu (agora de verdade) surgiram à nossa frente, imponentes e tão mais perto do que a gente imaginava. Ali a emoção bate de leve e você começa a fazer o balanço do que foi o primeiro dia. E se a emoção dali não bastasse, andando mais um pouquinho surgem o abrigo e a Serra dos Órgãos, que se faz ver pela primeira vez, com o Dedo de Deus em riste. Chegamos ao abrigo às 16:30, depois de aproximadamente 7 horas de caminhada. Depois de dar nossos nomes, o cara do abrigo informou que o camping poderia estar lotado e, se esse fosse o caso, poderíamos armar a barraca no próprio castelo (o que eu acho que já foi permitido um dia, mas hoje é proibido em dias normais). Subindo de volta para os castelos, encontramos um ponto perfeito, logo abaixo de outro casal que havia armado a barraca um pouco acima.

DSC_0165.thumb.jpg.87d5f9b86138b5080078949e96f66966.jpg

Chegando nos Castelos do Açu

DSC_0175.thumb.jpg.6b44d6a666c52391450d53286d6e1885.jpg

Abrigo do Açu e a pontinha do Dedo de Deus

DSC_0189.thumb.jpg.955272a17420b2cc9140eb9ce9af0c59.jpg

Pôr do sol dos Castelos do Açu

Barraca armada, seguimos de volta para o abrigo para um banho mais que merecido. Os banhos são de 5 minutos contados no relógio pelo responsável do abrigo, que fica do lado de fora do banheiro controlando o pessoal e batendo na porta quando o tempo acaba. Com um pouco de desorganização, conseguimos tomar banho (que no fim deu um tilt na água quente e o pobre do Marcello terminou na água congelante) e voltamos para a barraca para fazer o jantar, que seria um arroz Tio João com calabresa para ele e com tofu para mim. Alimentados, fomos aproveitar um pouco da vista dos castelos, de onde dá para ver toda a cidade do Rio de Janeiro e suas luzes cintilantes, e depois fomos dormir.

DIA 2 – Castelos do Açu x Sino

Distância: 7,5 km

Tempo: 8 horas

Tendo acordado um pouco de noite, uma das vezes com frio, acordei de vez por volta das 5:30 e comecei a ouvir as vozes murmuradas do pessoal que acordou para ver o sol nascer. Juntei todas as forças que eu tinha para encarar aquela friaca e saí da barraca. Mas caraca, como valeu a pena. O céu laranja começava a iluminar a Serra dos Órgãos à esquerda e a Baía de Guanabara à direita. Subi na pedra com a câmera preparada e os primeiros raios de sol começaram a sair de trás das nuvens. Acho que foi o momento mais mágico de toda a travessia (com direito à musiquinha do Rei Leão, cantada pelo casal da outra barraca).

DSC_0218.thumb.jpg.919213d3c43e534197d91f9ea35e1d27.jpg

Os primeiros raios de sol iluminam a Serra dos Órgãos

DSC_0248.thumb.jpg.f9d29aad75d683e8e42bb6a7a69ba9ee.jpg

Nascer do sol dos Castelos do Açu

DSC_0256.thumb.jpg.cb6d673323e4741eea82789086a0d105.jpg

A Serra dos Órgãos e a nossa barraca

DSC_0271.thumb.jpg.19b431a62d9995bc037aeb05826b42b2.jpg

Abrigo visto de cima dos Castelos

Com o sol já mais alto, tomamos café, desmontamos a barraca e seguimos para o abrigo, onde terminamos de nos preparar para o segundo dia. Saímos de lá às 9:00 (bem tarde!) e logo de cara vimos a primeira descida e subida do dia, que seria o Morro do Marco. Com pedras que formam uma escadinha, às vezes com degraus altos que vão precisar da ajuda das mãos, chegamos ao primeiro ponto às 9:30 depois de um quilômetro, onde só tiramos algumas fotos e seguimos em frente. De lá, já conseguíamos ver o próximo vale, bem mais profundo que o anterior, onde encontraríamos o primeiro ponto de água do dia.

P_20180908_090045.thumb.jpg.930ca9b9201a5b7f40a681a074166968.jpg

Saindo do Abrigo do Açu

P_20180908_093752.thumb.jpg.9d297e7ca9a6db13663718aa369195aa.jpg

Visão do Morro do Marco com os totens que guiam o caminho

Chegamos no ponto de água às 10:10, onde encontramos um grupo sentado descansando e comendo alguma coisa. Enchemos nossas garrafas, comemos umas castanhas e seguimos com a subida em mata fechada e bem íngreme, com raízes servindo de degraus. Nossa próxima parada era o Morro da Luva, onde chegamos às 11:25. Lá, avistamos o Garrafão pela primeira vez, que serviria de guia pelo resto do dia, virando sua cara carrancuda aos poucos até se revelar completamente na Pedra da Baleia. Mas calma que ainda faltava muito para isso (e bote muito nisso). No Morro da Luva, tiramos as cargueiras um pouco para aliviar o peso, bebemos água e tiramos fotos. Depois, seguimos atrás de um grupo com guia que disse que aquele ponto era muito fácil de se perder, já que a rocha abre muitos caminhos e não é tão bem sinalizado quanto o primeiro dia.

P_20180908_104910.thumb.jpg.adfd0c42a837c779e21d8a252d799d88.jpg

Subindo o Morro da Luva

DSC_0280.thumb.jpg.212efc2d01b693501f89e1cdb291e264.jpg

Topo do Morro da Luva com os Castelos do Açu ao fundo

DSC_0310.thumb.jpg.0ca1b2339dbdd4a04589014bf5e50c72.jpg

Garrafão e o Dedo de Deus começando a ficar encoberto

Depois de descer mais um vale, chegamos ao próximo ponto de água logo antes do Elevador, que estava seco. Descansamos um pouquinho e chegamos ao temido Elevador às 12:30. Com 67 degraus, ele é bem mais longo do que eu imaginava, e também mais cansativo. Subi usando a mochila de lastro, que nem o Corcunda de Notre Dame, para ver se ela me jogava para frente e não para trás. Contei três vergalhões faltando, mas a rocha dá um bom apoio nessas horas, e a tração da bota é essencial. Com 3,5 quilômetros caminhados (e escalaminhados) desde o Açu, chegamos ao topo do Elevador, onde tínhamos mais 4 quilômetros pela frente.

DSC_0317.thumb.jpg.0d6d5b8931e3e2829e4c4a525e7ed54d.jpg 

Totens e Elevador visto de longe

P_20180908_125504.thumb.jpg.6998bf93077d5e2df27ecb5369ba6593.jpg

Elevador

Depois do Elevador, a coisa começou a esquentar e nem tirei mais a câmera da mochila, tirando fotos só com o celular. Logo após o topo do Elevador, surge uma rocha com uma subida bastante íngreme, onde é preciso usar as mãos e confiar na bota, acompanhada como sempre de outra descida, também bem íngreme e onde me pareceu melhor descer meio de lado (as bolhas que eu ganhei depois não concordam muito com a minha teoria). Subindo mais um pouco, chegamos ao Morro do Dinossauro, onde paramos para beber água e descansar. O rosto carrancudo do Garrafão já nos observava, assim como a cabeça do elefante (indiano, e não africano, como disse um outro trilheiro também descansando por ali).

P_20180908_140335.thumb.jpg.c311e514104cde21491cebcb34852085.jpg

Morro do Dinossauro

P_20180908_153626.thumb.jpg.fda7967754ba2f4413f4a0b18566bd9b.jpg

Cara mal humorada do Garrafão

De lá, tocamos para o Vale das Antas, onde chegamos às 14:30. Último ponto de água do dia, aproveitamos para comer e encher as garrafas. Um dos guias que encontramos lá ressaltou que essa água não é muito legal, já que muitas pessoas usam os arredores da nascente como banheiro, então não se esqueça de levar Clorin e talvez evitar esse ponto de água se sua garrafa ainda estiver cheia. Depois de dois belos pães com atum e castanhas, começamos a subida do Vale das Bromélias até a Pedra da Baleia, chegando lá às 15:10. O topo da Pedra da Baleia fica a 6 quilômetros do Açu, faltando ainda 1,5 quilômetro até o abrigo do Sino.

P_20180908_151318.thumb.jpg.46d60133fdeeee556c871d908df635ca.jpg

Pedra da Baleia

Quando começamos a descida em direção ao Mergulho, vimos no paredão do outro lado várias mochilas coloridas subindo a escadaria de pedra que daria no Cavalinho. Logo depois, vimos o Cavalinho. Uma rocha triangular um pouco mais clara que as demais que chegava a brilhar com o sol da tarde que começava a se pôr. Naquela hora, bateu um frio na barriga. Mas ali não tem o que fazer se não seguir em frente, e foi o que fizemos.

P_20180908_154134.thumb.jpg.c5be987e5efa68065899ff336a5b67d2.jpg

Pessoal subindo em direção ao Cavalinho

No Mergulho, tivemos a sorte de encontrar um grupo com guia que estava usando cordas para descer, que ele caridosamente nos deixou usar. Já vi vários vídeos de pessoas que fazem esse pedaço sem corda, mas com certeza seria mais difícil, sem contar que provavelmente nós teríamos que tirar a cargueira das costas. Logo antes da próxima subida, uma setinha de ferro fincada no chão (como muitas outras antes) indicava o caminho e fiz ali meu check point, no estilo Super Mario. Se caísse do Cavalinho, pelo menos eu não ia precisar voltar tudo! 😂

Chegamos no Cavalinho às 16:05 com uma pequena fila de pessoas para subir. O espírito de camaradagem que rola lá em cima foi o que nos fez conseguir subir aquele negócio. O grupo da frente nos ajudou a içar as mochilas e um dos caras ajudou a puxar o Marcello depois dele ter montado no Cavalinho, que então me ajudou a subir. Mas o Cavalinho era brincadeira de criança perto da próxima rocha, apelidada carinhosamente de “coice”. Nela, de novo ajudaram o Marcello a subir com a cargueira nas costas, oferecendo a mão de cima dela, mas quando chegou na minha vez, tive que tirar a cargueira e a menina atrás de mim ainda teve que empurrar meu pé para que minhas pernas dessem altura para subir (malditas pernas curtas!).

P_20180908_160812.thumb.jpg.3022d22580fbad6c6e1b5dfeb2421d46.jpg

Cavalinho

Passado o desafio, ainda foi preciso subir uma escada de ferro e caminhar mais um pouquinho até a bifurcação do abrigo e da Pedra do Sino. Chegamos lá às 16:40 e no abrigo às 17:10. Alguns grupos seguiram direto para a Pedra do Sino para ver o pôr do sol, mas nós optamos por descer para pegar um bom lugar no camping e deixar para ver o nascer do sol do cume.

P_20180908_164327.thumb.jpg.5218454413c01a4225002c1799d95bae.jpg

Bifurcação Pedra do Sino, Abrigo 4 e Travessia

Montamos nossa barraca e fomos logo para a fila do banho, muito mais organizada que no dia anterior. E que banho! A água quente não desligou dessa vez e conseguimos tomar banho em até menos que os 10 minutos totais que nós dois tínhamos. Banhados, fizemos nosso sopão de macarrão e capotamos.

DIA 3 – Sino x Teresópolis

Distância: 11 km até a barragem, 14 km até a portaria

Tempo: 4 horas até a barragem

Acordei por volta das 4:30 com o burburinho do pessoal se movimentando para ir ver o nascer do sol na Pedra do Sino. Ponderei todas as minhas escolhas de vida até aquele momento e decidi que continuaria deitada ali, no quentinho, e que veria o nascer do sol da Pedra da Baleia que tem atrás do abrigo (que não é a mesma Baleia do dia anterior). Abri a barraca por volta das 5:40 e segui a trilha que sai de trás do abrigo. Consegui pegar os primeiros raios de sol da Pedra da Baleia, de onde se vê o pessoal no topo da Pedra do Sino.

DSC_0332.thumb.jpg.603e0ccd7b8782b315e574a01d26753e.jpg

Nascer do sol da Pedra da Baleia, atrás do Abrigo 4

DSC_0347.thumb.jpg.05759eb8dd5cd041f7bade6f3b033a4b.jpg

Pessoal vendo o nascer do sol da Pedra do Sino

De lá, voltei para a barraca, sacudi o Marcello, tomamos café e seguimos para a Pedra do Sino enquanto muitos grupos já começavam sua descida. Saímos do abrigo às 8:40 e chegamos no topo da Pedra do Sino às 9:10. A subida não é muito íngreme e a rocha é bem sinalizada, com totens de pedra que indicam o caminho. E o que se pode dizer da diferença que é andar sem a cargueira? Ali eu consegui entender como um ser humano faz essa travessia em um dia só.

DSC_0384.thumb.jpg.7f43c1077ee5fe3f669b344a25d0ddf5.jpg

Pedra do Sino com os Castelos do Açu ao fundo

DSC_0405.thumb.jpg.c85173f4bd7c1a9ebb3210128193991f.jpg

Visão da Pedra do Sino com Teresópolis ao fundo

A Pedra do Sino é o ponto culminante da Serra dos Órgãos, com 2.263 metros de altitude e de onde se pode ver os três picos de Friburgo, a ponta do Garrafão, os Castelos do Açu e a Baía de Guanabara. Depois de muitas fotos, descemos para o abrigo, onde desmontamos a barraca e seguimos para Teresópolis.

P_20180909_104358.thumb.jpg.2b9318a09a23630e3ac208418f4369b8.jpg

Começando a descida para Teresópolis

O terceiro dia é praticamente só descida, quase toda ela em zigue zague e com a trilha muito bem marcada. Tendo saído do abrigo às 10:45, chegamos às ruínas do Abrigo 3 e ao Mirante de Teresópolis às 11:50 e na Cachoeira Véu da Noiva, já na parte baixa do parque, às 13:45. Lá, era como se a gente já tivesse chegado, mesmo faltando ainda 2 quilômetros até a Barragem e mais 3 até a portaria do Parque.

P_20180909_120921.thumb.jpg.08b9fa375cfe6e424cbda550339e7832.jpg

Mirante de Teresópolis ao lado do antigo Abrigo 3

Quando vimos a porteira que dá para a Barragem, bateu a emoção de novo. Concluímos nossa primeira travessia. Quase 30 quilômetros de muita subida, descida, rochas e pirambeiras. O casal que desceu com a gente do Véu da Noiva até ofereceu carona, mas agradecemos e dissemos que queríamos fazer portaria a portaria. Orgulho besta. 😄

P_20180909_144626.thumb.jpg.6cfe891c4b7423c7bd6a49baefef8ff7.jpg

Chegamos!

DICAS

Se você pretende fazer a travessia durante um feriado, compre os ingressos com bastante antecedência. Os abrigos lotam rápido e não ter que carregar a barraca com certeza ajuda bastante.

Uma boa bota (já amaciada!) ou tênis de trekking são essenciais, já que em muitos momentos você vai depender da tração dela para subir ou descer as rochas com segurança. Não aconselho fazer com tênis de academia ou de corrida, já que eles tendem a escorregar.

Lembre-se que você vai ter que carregar sua mochila durante três dias, e que o peso dela vai se multiplicar com as subidas e o seu cansaço. Leve apenas o essencial.

Com isso em mente, não subestime o frio. No inverno, as temperaturas podem ser negativas lá em cima e ninguém merece dormir com frio. Leve isolante, um bom saco de dormir, e roupas térmicas (tipo ceroula) se for acampar.

Há diversos pontos de água no caminho, mas alguns deles podem secar no inverno. Nós levamos duas garrafas de Gatorade (totalizando um litro) e mais uma de 750 ml e foi suficiente, mas pegamos apenas o ponto do Elevador seco. O Ajax também pode secar, então leve isso em consideração.

Mesmo com previsão do tempo boa, leve capa de chuva. O clima na serra pode ser imprevisível e bem diferente da situação na portaria.

Leve um GPS ou celular com aplicativo de trilhas já instalado e o mapa e tracklog já baixados. Nós usamos o Wikiloc e seguimos esta trilha.

Sobre a sinalização, ela é muito boa no primeiro e terceiro dia, e razoável no segundo, com pontos onde é possível se perder, principalmente se o tempo estiver fechado e com serração. Os totens de pedra ajudam bastante, já que são visíveis de longe, e há também setas pregadas na rocha e pegadas pintadas no chão. Mas mesmo assim, não deixe de levar algum tipo de GPS, já que no segundo dia há trechos em que essa sinalização fica devendo.

Lembre-se que todo o lixo deve voltar com você e não pode ser deixado nos abrigos (e muito menos durante a trilha!), inclusive restos de comida. Então, não esqueça de levar saquinhos para o lixo.

Já sobre as cordas, nós não levamos nenhuma, mas tivemos a sorte de sempre estar perto de grupos com guia que levaram e usamos as deles. Eu não diria que são totalmente indispensáveis, já o Marcello acha que seria quase impossível fazer sem elas, principalmente na hora de descer o Mergulho e içar as mochilas no Cavalinho.

EQUIPAMENTO

Mochilas: Quechua de 40l e Trilhas e Rumos de 48l

Barraca: Quechua Arpenaz 2XL

Sacos de dormir: Trilhas e Rumos Super Pluma (conforto +6°C e extremo 0°C)

Isolante: Conquista 9mm

Travesseiro: Quechua Air Basic

Fogareiro: Guepardo Mini Fogareiro Compact

Panelinha e utensílios: Quechua

Cartucho de gás: Nautika 230g (de acordo com o que pesquisamos, dura por volta de 120 minutos)

Lanterna de cabeça: Forclaz ONNIGHT 50 (30 lúmens)

Bastão de trilha: Quechua Arpenaz 200

ALIMENTAÇÃO

Para a principal refeição, que seria o jantar, levamos um arroz Tio João da linha Cozinha Fácil, Sopão Maggi de macarrão com legumes, uma calabresa e uma lata de atum (para o Marcello) e tofu defumado (para mim).

Para o café da manhã, levamos pão integral, Polenguinho, Toddynho e o tofu.

Durante o dia, comemos amendoim, castanhas, avelã, Club Social, torradinhas Equilibri, barras de cereal, salaminho, chocolate e pão com Polenguinho e atum. Levei também um pacote de cookies Jasmine que voltou fechado.

DESVIOS

Há diversas outras trilhas para se fazer dentro do Parque, mas eu diria que o principal desvio dentro da travessia é para os Portais do Hércules. Nós chegamos a ponderar se faríamos ou não, mas os relatos variavam de 40 minutos a 1h30 de trilha para ir e depois o mesmo para voltar, tempo esse que nós não tínhamos. Sem contar que disseram que é uma trilha de difícil navegação, muito fácil de se perder. Mas se você realmente quiser encarar, o que o pessoal normalmente faz é sair muito, muito cedo do abrigo (às vezes antes do nascer do sol) e esconder as cargueiras na mata perto da bifurcação para fazer a trilha sem elas. Só não vale esquecer onde escondeu a mochila. Ouvimos a história de um cara que não conseguia encontrar sua cargueira de jeito nenhum e, depois de uma hora procurando achando que havia sido roubado, desistiu e seguiu a trilha. Ele só conseguiu reavê-la esse ano, dois anos depois de ter feito a travessia, quando alguém fazendo a trilha a encontrou junto com sua carteira e documentos.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por mmClarissa
      Fiz uma viagem sozinha, por conta própria às Cinque Terre italianas, vilazinhas cravadas no penhasco com vista pro mar. Reuni informações pelo mundo (virtual e dicas italianas) e aqui deixo um relato com informações úteis 
      A viagem foi em abril/2019, e o clima estava perfeito; um pouco friozinho, mas lindos dias de sol. Bastantes turistas por ser a semana da Páscoa, mas ainda assim muito menos que no verão.
      Saí desde Florença, no esquema day-trip, o que foi um pouco cansativo, mas era o que dava.

      A cidade base pra explorar as Cinque Terre é La Spezia, cidade um pouco maior que tem trens de Pisa e Florença, entre outros. Talvez uma opção interessante seria ir pra lá na noite anterior, dormir e começar os passeios cedinho. (Existem hostels a preços bacanas)
      Paguei €13,80 no trem de Florença até La Spezia, que demorou umas 2:30h.
      Comprei o bilhete nos totens da Trenitalia (Estação S.M. Novella em Firenze) mas é possível comprar online também. Acredito que, exceto em alta temporada, não seja necessário comprar com antecedência (comprei no dia anterior).
      Uma dica interessante: você compra o bilhete com o seu origem-destino, e dentro da mesma tarifa, pode pegar qualquer horário. (O meu trecho tinha aproximadamente de hora em hora, desde umas 5 da manhã até pra voltar umas 21 da noite)
      -Só não esquecer de validar o bilhete antes de entrar nos trens!

      Saí de Florença às 6am e pouco e cheguei antes das 9 em La Spezia, justo que as 9h abre o escritório de informações e vendas de Cinque Terre.
      Paguei €16 no Cinque Terre card, que dá direito a fazer as trilhas e andar nos trens entre as Terre durante o dia todo.
      Existem muitos trens entre todas as cidades o tempo todo, e os trechos são bem rápidos (são praticamente viagens de metrô rs)
      O card também dá direito a usar os banheiros e wi-fi de todas as estações de trem das Terre.
      Junto com o card é dado um guia com os horários de trens e mapinha das cidades.
      Existem algumas trilhas entre uma e outra cidade, mas aparentemente elas fecham de vez em quando para reparos etc. Verificar no centro de informações qual é a situação de cada trecho.

      Uma das estações de trem nas terre
       

      Vernazza vista do começo da trilha
      Comecei minha caminhada de Vernazza aproximadamente umas 10h e não vi muito da cidade.
      Quando fui, o único trecho aberto de trilha era entre Monterosso-Vernazza, um caminho subindo e descendo penhasco, que fiz em umas 2:30h os 4,5km.
      É uma trilha com muitos, muitos degraus e trechos estreitos e cheios de pedras, então não é muito simples de andar. Ainda assim, várias velhinhas européias estavam encarando a caminhada com seus walking pole rs.
       Achei chatinho que, por ser muito estreito, vários momentos tem que ficar parando pra dar passagem pras pessoas que vem no caminho contrário.
      As partes com vista bonita são principalmente o começo e o final, então fica a questão se vale a pena o esforço rs.
       

      Vista da trilha, e a cidade de Vernazza ao fundo
      A cidade de Monterosso é a maior delas e com melhor estrutura, com uma prainha, um centrinho com varias lojas e restaurantes etc.
      A propósito, achei bem caro pra comer em todas as Terre.

      Chegada à cidade de Monterosso, vindo da trilha
      Minha Terre favorite foi Manarola; os caminhos são bem fáceis e curtos e a vista é mais bonita. São as fotos mais famosas das Terre.
      Riomaggiore achei um pouco confusa de andar; não consegui achar um caminho específico pra algum mirador. Tem um castelo em cima de alguma viela perdida rs.
      Existe uma trilha muito curta beirando o mar entre Manarola-Riomaggiore, chamada Via Dell'amore, mas estava fechada para reparos quando fui.
      Fico devendo informações sobre Corniglia, que não passei

      Voltei pra Florença umas 18:30h, tive que fazer uma baldeação de trem na cidade de Pisa.
      Em geral, foi um bate-volta bem cansativo, por causa da viagem de trem desde cedinho, e o dia inteiro de sobe-desce montanha, mas valeu a pena conhecer esse lugar tão lindo e diferente.

      Manarola, vista de algum dos vários miradores
      (Mapa retirado da internet; todas as fotos foram feitas com meu celular Galaxy S8 e são #nofilter)

    • Por Victor Prates
      Este post mostrará as melhores opções pra você aproveitar as Galápagos e suas praias sem gastar uma fortuna. Mas já adianto que se você está sem nada de grana, este não é o destino pra você.
      O arquipélago é conhecido principalmente pela variedade de fauna entre cada uma das ilhas, que foi crucial para Charles Darwin formular a Teoria da Evolução. Este relato também apresentará os animais mais interessantes que vimos e onde você poderá encontrá-los.
      As Galápagos pertencem ao Equador e estão situadas a cerca de 950 km a oeste do litoral do país. As ilhas estão situadas no Oceaco Pacífico e sua formação está atrelada a um hotspot vulcânico numa junção tripla entre 3 placas tectônicas: Pacífica, de Nazca e de Cocos. O arquipélago é formado por 13 ilhas principais e outras centenas de ilhotes e ainda possui 21 vulcões, sendo 13 ativos.
      O mapa abaixo, retirado do Google Earth, mostra o arquipélago das Galápagos, seus portos, aeroportos e o nome das 13 maiores ilhas. Nossa trip teve foco nas 3 principais ilhas: Isabela, Santa Cruz e San Cristóbal.

      Dividi este post em duas partes, sendo a primeira com resumo das atrações visitadas e detalhes de programação e a segunda com a descrição de cada uma das ilhas que visitamos.
       
      ROTEIRO RESUMIDO
      Dia 1: Vôo de São Paulo/SP à Guayaquil no Equador, onde passamos a primeira noite da viagem.
      Dia 2: Vôo de Guayaquil à Ilha Baltra em Galápagos. Deslocamento até a cidade de Puerto Ayora, a maior do arquipélago. Chegada no hostel e passeio no Darwin Center, um centro de criação de tartarugas gigantes. Pela noite passeamos pelo calçadão à beira-mar.
      Dia 3: Táxi até o povoado de Santa Rosa, de onde caminhamos até a Reserva El Chato. Aqui, conhecemos muitas incríveis tartarugas gigantes e os Túneis de Lava. Voltamos andando à Santa Rosa e subimos a pé pela rodovia por 1h30min até Los Gemeles, duas imensas crateras.
      Dia 4: Ida à Baía Tortuga, onde visitamos as praias Brava e Mansa. Vimos uma infinidade de iguanas marinhas pretas neste dia.
      Dia 5: Pela manhã fomos a Las Grietas, um mini-cânion de paredes de rocha vulcânica. Na sequência pegamos um barco de 2 horas até a cidade de Puerto Baquerizo Moreno, na ilha de San Cristóbal, onde há uma infinidade de leões marinhos. Ida a Playa Mann ver o pôr-do-sol.
      Dia 6: Caminhada até a linda Praia La Loberia, cheia de leões marinhos, e até o penhasco El Acantilado, onde tivemos uma observação intensa de aves marinhas. Regresso a Puerto Baquerizo, ida até o Centro de Visitantes e subida ao Cerro Tijeretas, onde fizemos observação de fragatas, pelicanos e da bela Baía Tijeretas. Caminhada até a Playa Ochoa e contemplação de um booby, icônico pássaro de patas azuis das Galápagos.
      Dia 7: Tour para a parte alta da ilha de San Cristóbal, onde visitamos a Laguna El Junco e caminhamos ao redor da lagoa. O passeio também incluiu visitação ao centro de criação de tartarugas gigantes e à Praia de Puerto Chino.
      Dia 8: Snorkel com leões marinhos na Baía Tijeretas e com uma infinidade de tartarugas marinhas na Playa Carola.
      Dia 9: Regresso à Ilha de Santa Cruz pela manhã. De tarde fizemos um trekking de 4 horas (ida e volta) para subir o Cerro Puntudo, a segunda montanha mais alta da ilha.
      Dia 10: Duas horas de barco até Puerto Villamil na Ilha Isabela, a maior das Galápagos. Ao chegar fizemos uma caminhada de 7h30min (ida e volta) até o Muro de las Lágrimas.
      Dia 11: Tour para o cume do Volcán Sierra Negra. O passeio durou 5h20min, com 16 km caminhados. Visitamos a linda cratera do Sierra Negra e fomos a um mirante com vista pra muitos vulcões da Isabela. Ao voltarmos para Puerto Villamil fomos a outro centro de criação de tartarugas gigantes. Pra finalizar o dia, caminhamos por mangues e lagoas com muitos flamingos.
      Dia 12: Tour de caiaque e snorkel pela Baía Las Tintoreras, onde vimos uma infinidade de espécies animais, incluindo raias, tubarões e um pinguim. Depois fizemos snorkel na Concha Perla com mais leões marinhos. Barco de regresso à ilha de Santa Cruz.
      Dia 13: Visitação ao centro Charles Darwin novamente e dia tranquilo na cidade.
      Dia 14: Retorno de Puerto Ayora a Guayaquil. Avistamento de iguanas terrestres próximo ao aeroporto de Baltra. Uma vez em Guayaquil, caminhamos por Las Peñas até o farol no topo da montanha Cerro Santa Ana.
       
      PROGRAMAÇÃO
      Onde Ficar
      Nas Galápagos existem três vilas em cada uma das três maiores ilhas, as quais você pode ver a localização no mapa do item “INTRO”:
      ·         Puerto Ayora, na ilha de Santa Cruz, com uma população de 12.000 habitantes;
      ·         Puerto Baquerizo Moreno, na ilha de San Cristóbal, com cerca de 7.000 habitantes; e
      ·         Puerto Villamil, na ilha Isabela, a menor com aproximadamente 2.000 moradores.
      Qualquer uma das três têm boas opções de alimentação e hospedagem.
      Puerto Ayora é a maior cidade do arquipélago e a com mais estrutura, mas é também a mais desorganizada. Possui a vantagem de estar situada no centro das Galápagos e, por isso, é de onde saem a grande maioria dos passeios para as outras ilhas. Ficamos em dois bons hosteis em Ayora, o Gloria e o Sir Francis Drake.
      A vila de Baquerizo foi a que eu mais gostei por ter bastante infraestrutura e ser mais organizada que Puerto Ayora. Além do que, adorei o fato de haver uma infinidade de leões marinhos no porto e na praia da cidade. Em Baquerizo, dormimos no hostal León Dormido.
      Villamil, com suas ruazinhas de areia, é a mais pacata e aconchegante das três, porém é a com menos estrutura e atrações para visitar. É a única das três ilhas que não possui um aeroporto nem caixas automáticos. Passamos nossa estadia em Isabela no hostel Villamil.
       
      Como Chegar
      Seguem informações sobre como ir às Galápagos:
      ·         Somente é possível chegar nas ilhas através de transporte aéreo;
      ·         Os vôos para o arquipélago saem apenas de duas cidades: Quito e Guayaquil, ambas no Equador;
      ·         Existem dois aeroportos que recebem vôos do continente: um na Ilha de San Cristóbal e outro na Ilha de Baltra, que dá acesso à Santa Cruz;
      ·         As companhias TAME e Avianca Ecuador possuem vôos diários e frequentes para os destinos de saída e partida acima mencionados (e caros!);
      ·         Os vôos saindo de Guayaquil levam 1h30min e de Quito 2 horas.
       
      Para locomover-se entre as ilhas de barco, é importante considerar:
      ·         Somente existem dois trechos de traslados fixos entre as ilhas: um entre Santa Cruz e Isabela e outro entre Santa Cruz e San Cristóbal;
      ·         O serviço não é oferecido por empresas públicas, sendo necessário comprar o ticket nas agências das vilas;
      ·         Ambos os trechos são realizados duas vezes ao dia para cada sentido, sendo que um barco sai no início da manhã e outro pela tarde. Os horários não são fixos por não serem barcos oficiais;
      ·         Compre seus boletos de barco com ao menos um dia de antecedência;
      ·         Cada trajeto de barco leva cerca de 2 a 3 horas;
      ·         A viagem pode ser bem mareante a depender das condições do mar.
      Por serem as únicas 3 ilhas com povoados com estrutura para turismo, se você quiser ir para as outras é preciso contratar tours, que serão bem caros.
      Para o regresso de Puerto Ayora à Ilha de Baltra, os horários de ônibus até o ferry são: 07:00, 07:40 e 08:30.
       
      Quando Ir
      Não há uma temporada de preferência para visitar as Galápagos. O clima é ameno durante todo o ano e suas atrações podem ser visitadas a qualquer época.
      A única recomendação que faço é evitar os meses de alta temporada: janeiro, julho, agosto e dezembro. Deste modo, não haverá riscos de os passeios e/ou barcos entre as ilhas estarem lotados.
       
      O Que Levar Para Trekking
      Fizemos algumas trilhas de um dia nas ilhas e todas apresentam grau baixo de dificuldade. Portanto, leve apenas o básico:
      ·         Bermuda ou calça
      ·         Camiseta
      ·         Bota ou tênis de trilha
      ·         Mochila (30-45L)
      ·         Boné/chapéu
      ·         Capa de chuva ou poncho impermeável
      ·         Traje de banho
      ·         2-3 L de água
      ·         Snacks para trilha
      ·         Protetor solar
      ·         Repelente
      ·         Câmera fotográfica
       
      RANKING DAS ATRAÇÕES
      Segue abaixo as opções de roteiro considerando o número de dias que você terá nas ilhas, de mais imperdível para menos imperdível:
      1 Dia: Puerto Baquerizo, Punta Carola e Baía Tijeretas. Sei que ninguém vai pras Galápagos pra passar só um dia, mas se você for esta pessoa, vá para a Ilha de San Cristóbal. Em um dia você pode ver uma infinidade de leões marinhos dentro e fora d’água e fazer snorkel com dezenas de tartarugas marinhas gigantes na Punta Carola. Ainda é possível avistar fragatas e boobies na Baía Tijeretas.
      2 Dias: Tour Puerto Chino. Ainda na Ilha de San Cristóbal, recomendo que encontre um motorista que te leve para a linda Praia de Puerto Chino. No caminho você passará pela Laguna El Junco, um lago dentro de uma cratera vulcânica, e pelo Galapaguera, um centro de criação de tartarugas gigantes terrestres.
      3 Dias: Baía Tortuga e Darwin Center. Pegue um barco até a Ilha de Santa Cruz e passe um dia nas lindas Praias Brava e Mansa. Veja dezenas de iguanas marinhas e depois vá até o Darwin Center, o principal centro de criação de tartarugas gigantes do arquipélago.
      4 Dias: El Chato e Los Gemelos. A Reserva El Chato é o melhor lugar para interação com as famosas tartarugas gigantes das Galápagos. Nele você ainda pode ver os lindos Túneis de Lava. Na sequência é possível visitar as impressionantes crateras Los Gemelos.
      5 Dias: Vulcão Sierra Negra. Se você tiver um quinto dia (por favor tenha), pegue um barco para a Isabela no dia anterior e reserve o tour para o Vulcão Sierra Negra. Você terá o panorama mais lindo das Galápagos. Na volta para Puerto Villamil, você pode passar na Lagoa de Flamingos e no Centro de Criação de Tartarugas da Isabela.
      6 Dias: Las Tintoreras e Concha Perla. Ainda na Isabela, recomendo que faça o tour de snorkel e caiaque nas Tintoreras. Você verá animais não antes vistos como tubarões, raias e pinguins. No final, aproveite o aluguel do snorkel e vá nadar com leões marinhos na Concha Perla.
      7 ou mais Dias: Agora que você já conheceu lugares bem representativos das Galápagos, sugiro as seguintes opções caso você tenha mais tempo nas ilhas:
        Fazer mergulho. Deverá ser uma de suas prioridades se você for certificado. Infelizmente, só tirei meu certificado após esta viagem;   Fazer tours de 1 dia para as ilhas Bartolomé, Seymour Norte, Pinzón, Santa Fé, ou qualquer uma próxima a Santa Cruz;   Dia extra em uma das 3 maiores ilhas: em Santa Cruz para conhecer Las Grietas; na Isabela para visitar o Muro das Lágrimas; ou em San Cristóbal para ir à Playa Ochoa ou ao El Acantilado;   Tenha dias de descanso nas lindas praias das ilhas. Como se pode ver, é possível elaborar uma infinidade de roteiros nas Galápagos. Se você tiver tempo e dinheiro vale a pena conhecer o máximo número de ilhas possível, o que possibilitará que conheça mais fauna endêmica e mais paisagens lindas. Se você estiver com pouca grana e com bastante tempo, recomendo que fique somente nas 3 ilhas principais, como nós fizemos.
       
      ANIMAIS AVISTADOS
      Segue abaixo uma relação dos principais animais que vimos nas ilhas que visitamos:
      Baltra: Iguanas terrestres amareladas.
      Santa Cruz: blue-footed booby (piquero de patas azules), caranguejos chama, coruja das Galápagos, fragatas, iguanas terrestres amareladas, iguanas marinhas (MUITAS), lava lizards, leões marinhos, pelicanos, raia, tartarugas terrestres gigantes, diversos tentilhões (finches, pinzones)
      San Cristóbal: blue-footed booby (MUITOS), fragatas (MUITAS), iguanas marinhas, lava lizards, Leões marinhos (MUITOS), pelicanos, tartarugas marinhas verdes (MUITAS), tartarugas terrestres gigantes, diversos tentilhões.
      Isabela: blue-footed booby, caranguejos chama, fragatas, flamingos, iguanas marinhas, lava lizards, leões marinhos, mocking bird, pelicanos, pinguim das Galápagos, raias, tartarugas marinhas verdes, tartarugas terrestres gigantes, diversos tentilhões, tubarões.
      Lista dos não avistados que queríamos ver: albatroz das Galápagos, cormorão das Galápagos (flightless cormorant), iguanas terrestres rosadas, nazca booby, red-footed booby (piquero de patas rojas), tubarão martelo, raia manta e outros só pra quem faz tour de mergulho.
       
      GASTOS TOTAIS
      Os gastos da viagem se deram em dólares americanos, que é a moeda oficial do Equador. Os valores em negrito são para 3 pessoas:
      ·         Avião Guayaquil -> Galápagos* = US$ 400 por pessoa = US$ 1.200
      ·         Taxa Aeroporto = US$ 20 por pessoa = US$ 60
      ·         Entrada Parque Nacional Galápagos Mercosul = US$ 50 por pessoa (US$ 100 p/ fora Mercosul) = US$ 150
      ·         Balsa + Bus Baltra -> Santa Cruz = US$ 9
      ·         Barcos de Santa Cruz para San Cristobal e Isabela = US$ 30 por pessoa por trajeto (4 viagens) = US$ 360
      ·         Hospedagem em Santa Cruz (6 noites) = US$ 405
      ·         Hospedagem em São Cristobal (4 noites) = US$ 240
      ·         Hospedagem em Isabela (2 noites) = US$ 110
      ·         Passeios em Santa Cruz (El Chato, Las Grietas, Cerro Crocker) = US$ 34,6
      ·         Passeios em São Cristobal (Puerto Chino, El Junco e Snorkel Punta Carola) = US$ 80
      ·         Passeios em Isabela (Volcán Sierra Negra e Tintoreras) = US$ 225
      ·         Refeições em Galápagos = US$ 405
      ·         Mercado em Galápagos = US$ 90
      ·         Lavanderia = US$ 20
      Total para 3 Pessoas = US$ 3.389
      TOTAL POR PESSOA (2017) = US$ 1.130
      * Não inclui passagens aéreas para chegar ao Equador
       
      AS ILHAS
      Nosso acesso para as Galápagos se deu pela cidade de Guayaquil, situada no litoral do Equador. Passamos uma noite no Hostel Nucapacha e no dia seguinte pela manhã fomos ao aeroporto pegar o vôo para a Ilha de Baltra.
      Pagamos 20 dólares de taxa aeroportuária antes de tomar o vôo, o qual durou 1h30min de duração. Ao chegar no arquipélago, pagamos mais 50 dólares para entrar no Parque Nacional Galápagos (salgado!).
      Se você quiser acompanhar a descrição detalhada sobre as 3 ilhas principais que visitei nas Galápagos, basta acessar o link abaixo.
      Continuar lendo: 
      http://trekmundi.com/galapagos/
      Abaixo algumas imagens deste fantástico arquipélago:

      Ivan e iguanas marinhas

      Praia Brava

      Ivan, eu e tartarugas gigantes das Galápagos

      Anna, eu e tartarugonas

      Anna e uma das dolinas Los Gemelos

      Leões marinhos brincalhões

      Anna snorkelando com a tartaruga marinha

      Ivan e Leões Marinhos

      Anna e Blue-footed booby

      Volcán Sierra Negra
       
      Um abraço!
       
       
       
       
    • Por José Marcos silva
      Olá galera, essa foi nossa segunda trilha percorrida em um espaço de 2 anos, a primeira foi na funicular onde obtivemos êxito sem nenhum problema grave.
      Agora está trilha que a intenção era de descer pelo rio Mogi deu muito errado.
      Dia 15/06/2019 recebo a mensagem do meu cunhado, José Roberto me perguntando se eu toparia fazer a trilha que havíamos combinado que seria a nossa próxima aventura, logo topei de pronto, a princípio seria o mesmo grupo que desceu a funicular, porém 2 não puderam ir, então fomos  eu o Zé Roberto o Santiago ( filho do Zé) e o Caio ( genro do Zé) esse eu conheci no dia.
      Marcamos de nos encontrar na estação Brás as 21:00 e seguir pra rio grande da Serra e depois pegar o ônibus até Paranapiacaba, até aí tudo Ok.
      Passamos a semana vendo vídeos e relatos sobre esta trilha e achamos que não teríamos problemas, " puro engano" rsrsrs.
      Pegamos o último ônibus pra Paranapiacaba e já chegamos no início da trilha as 00:20.
      Adentramos muito confiantes, porém o único que estava com botas e perneiras era eu, o restante estava com tênis, peguei meu facão e fui a frente abrindo caminho, ao entrar na trilha pegamos pra direita (1° erro) andamos uns 10 minuto e já demos de cara com um trabalho de macumba onde havia velas apagadas e uma cabeça feita de cera amarela (macabro) isso.
      Estava muito escuro e molhada a trilha pois estava uma garoa muito fina e muita neblina, seguindo em frente demos de cara com um barranco onde a trilha continuava, subimos com uma certa dificuldade os meninos até com um pouco mais de dificuldade por estarem de tênis, mais conseguimos subir, chegando ao fim pegamos uma curva a esquerda o meu cunhado tomou a dianteira e começamos a descer mato a baixo e já veio o primeiro rola do meu cunhado, descemos com mais cuidado até chegarmos entre duas torres de alta tensão, até aí achando que estávamos na trilha certa.
      A trilha sumiu debaixo das torres e começamos a procurar até que encontramos uma e seguimos andando mais um pouco demos de cara com o trabalho de macumba novamente, aí um olhou pro outro sem entender nada, eu até cheguei a achar que se tratava de outro trabalho, mais não, era o mesmo!
      Ali tivemos a certeza de que estava-mos "perdidos", porém ainda estávamos bem próximo da rodovia, resolvemos voltar e ver se tínhamos deixado passar algum caminho despercebido, subimos novamente e encontramos uma trilha e a seguimos com fé e coragem porém estava muito fechada de mato e em determinado momento até tinha-mos que abrir caminho com o facão, até que chegamos a um ponto em que não havia mais rastro de trilha e mais uma vez seguimos sem rumo.
      Voltamos novamente para a trilha e procuramos por outra até que achamos uma espécie de porteira, adentramos convictos de que agora seria a trilha correta e fomos com fé e coragem (2° erro), uma trilha bem demarcada começamos a descer, algumas árvores caídas pela trilha e depois de uns 25 minutos avistamos uma casa intacta com portas e janelas todas fechadas, nesta hora a garoa deu lugar a uma chuva leve, demos uma olhada ao redor da casa e realmente não havia indício de que haveria alguém lá dentro e resolvemos tentar abrir a porta.
      Não precisou de esforço pra abrir pois estava apenas amarrado com arame a fechadura entramos e já nos deparamos com uma mesa um fogão e um filtro de barro em cima de uma pia, a casa está em perfeitas condições e resolvemos dormir lá dentro mesmo.
      Fizemos uma varredura pra ver se não havia animais peçonhentos ou buracos por onde pudessem nos surpreender e em apenas um dos cômodos é que o forro havia caído.  Nos ajeitamos pra pernoitar isso já as 3:00 da madrugada.
      Antes de dormir demos uma olhada nos relatos sobre a trilha do rio Mogi demos uma conferida pelo Google maps com imagem de satélite, pois eu ainda tinha sinal de internet e vimos que estávamos totalmente errados , e assim no "dia" seguinte retornariamos para o início da trilha na beira da estrada e faríamos o caminho correto, desta vem com a luz do dia para evitar mais erros.
      Bem, levantamos acampamento e retornamos, chegamos no início da trilha e agora pegamos o rumo certo em direção a trilha do rio Mogi, tendo como referência os cabos de alta tensão que passava horas a nossa esquerda e hora sobre nossas cabeças, paramos em um mirante pra tomarmos café e até aí tudo certo, o rumo estava Ok.
      Começamos a descer trilha abaixo sem dificuldade nenhuma seguindo orientações via relatos que estávamos vendo no celular, chegou um ponto em que a trilha tinha algumas bifurcações a esquerda e sempre seguimos as trilhas da direita (3° erro), passamos por algumas nascentes tomamos água abastecemos as garrafas com água e seguimos adiante, hora a trilha subia e hora a trilha descia e algumas vezes a trilha sumia rsrsrs, convictos de que estava-mos certos seguimos adiante até que a trilha começou a ter um grau de dificuldade bem alto, pois chegamos a um ponto em que tínhamos que descer por locais que parecia trilha, mais na verdade tratava-se de local de enxurrada (4° erro).
      O Santiago o mais novinho da turma já havia nos questionado umas duas vezes sobre estarmos errados, mais não demos ouvido a ele até que chegamos a um ponto em que tivemos que retornar, pois só restavam descidas muito íngremes e abismos.
      E ao retornar-mos por várias vezes não encontrava-mos a nossa própria trilha e ficando os 4 quase que totalmente desorientados, mais aos pouco fomos meio que tateando a mata e fomos encontrando as marcas deixadas pelos nossos facões.
      Depois de voltar quase um terço da trilha paramos pra tomar água em uma nascente e conversando e já sabendo totalmente que estáva-mos errados não me lembro quem, avistou uma fita vermelha no tronco de uma árvore sinalizando que estávamos na trilha das fitas vermelhas, ai meus amigos! vimos que tínha-mos cometido um grave erro de navegação, porém ainda convictos de que retornando iríamos pegar um caminho que deveríamos ter entrado a esquerda e seguir o rumo certo desta vez.
      Isso já era umas 10:30 da manhã já estávamos exaustos e o Santiago tinha um compromisso a noite com alguma namoradinha e disse que não seguiria com a gente para o Rio Mogi, até cheguei a zuar ele dizendo que ele estava amarelando e mesmo assim na bifurcação ele se despediria de nos, más só chegamos a está bifurcação as 11:15 e o pai do Santiago achou melhor acompanhar-mos ele até próximo da saída da trilha. Subimos até o ponto em que tomamos café pela manhã e ali resolvemos almoçar, meus pés já estavam detonados, embora a bota tivesse me dado mais tração em toda a trilha ela acabou com meus pés, pois não é muito confortável e judiou muito do meus dedoes, almoçamos e já com o corpo esfriando, esfriou também a vontade de continuar a aventura, já estávamos exaustos e aí eu resolvi titubear (amarelar mesmo rsrsrs) e o resto veio junto, pois eu sabia que o Zé não estava muito confortável em deixar seu filho voltar sozinho pela trilha e resolvemos ir embora todos juntos e tentar fazer a trilha em um outro dia.
      Saímos de casa convictos de que seria de um jeito e foi totalmente diferente, graças a Deus não aconteceu nada de mau com a gente, porém está aventura tinha tudo pra ter dado errado, pois passamos por situações reais de perigo, que este relato sirva de alerta para aqueles que acham que fazer uma trilha é coisa simples e que é só seguir uma trilha no meio do mato.
       
       
       
       




    • Por beatrizz
      Buenas! 
      O relato na nossa viagem começa no estacionamento do Monte Crista, na sexta-feira da Páscoa, deixamos nosso carro às 06:00 da manhã, e pegamos um transfer (no caso um taxi da cidade) até a base do Araçatuba. Esse deslocamento vai em torno de 1 hora, e pagamos 200 reais no total.
      Chegando a base do Araçatuba, onde há o sítio da família proprietária das terras, conversamos um pouco com a senhora, que nos contou dos tempos que era jovem e subia a montanha em busca da criação (bois rs). Eles não pedem valor para subir, apenas se for usar o estacionamento, mas é legal deixar uma contribuição, pois aqui você pode usar o banheiro e também pegar uma água fresca.
      Então depois de um café reforçado, começamos nossa subida... A montanha não é de dificuldade técnica, porém ganhamos bastante elevação em pouco tempo e isso cansa um pouco. A subida tem algumas partes que você passa por lajes enormes, pedrões no meio da montanha. Depois chegamos no cume do Araçatuba, onde o vento é super forte. A vista aqui já é fantástica e já vemos a vegetação que iria nos acompanhar por um bom tempo. Demoramos cerca de 03:30 para atingir o cume, e depois de almoçar e descansar, seguimos nosso caminho.
      Depois do Araçatuba, o terreno muda, encontramos alguns charcos com lama e buracos. Descemos um bom tempo. Depois do Araçatuba é impossível seguir sem o GPS, pois tem inúmeros caminhos, e é inevitável de perder ...
      Caminhamos bastante esse dia, estava bem quente, subimos, descemos, lama, algumas árvores pequenas de montanha ... Seguimos mais e mais, depois de algumas horas, chegamos em uma estrada de interior. Essa tarde foi de muita caminhada em estrada mesmo. Nisso já eram quase 17:30 da tarde, e ainda não sabíamos onde passar a noite. Chegamos no final da estrada, e dali em diante, só caminhando mais umas 02 horas para achar um bom lugar pra passar a noite. Muitas pessoas acampam nessa parte da estrada, tem bons lugares pra parar, e tem água bem perto. Arrumamos acampamento e já era quase noite. Bateu um desespero, pois a gente tinha andado só 13 kms nesse dia, tínhamos quase 80 % do caminho ainda, cerca de 50 kms.
      Combinamos de acordar as 03:00 no dia seguinte, para estar caminhando as 05:00, e assim foi. Logo depois da estrada, subimos bastante ganhando altitude. Estava escuro, e a trilha era super estreita. Um resvalo e sei onde iríamos parar haha. Depois de subir, andamos mais um pouco na mata, e chegamos em estrada novamente. Nesta parte o GPS nos mandou passar no meio de uma floresta de pinus, bem fechada. Faltou o facão haha. Saímos então em uma estrada grande, onde encontramos algumas pessoas acampadas, trocamos uma ideia com o pessoal que já havia feito o percurso algumas vezes. Depois, mais estrada ... uns 6 kms. Nisso o sol estava rachando já, e subir aquelas estradinhas, foi tenso.
      Paramos para almoçar quando acabou a estrada, e percebemos que finalmente iríamos entrar nos Campos do Quiriri !!!!!
      Depois daquele almoço, e de deixar as barracas secando no sol, nos encaminhamos por uma trilha bem discreta, adentrando aos Campos. A paisagem mudou totalmente, como numa mudança de cena de filme. O terrenos ficou muito mais reto, e a vegetação rasteira. Praticamente nas nuvens, comparado com o que já tínhamos passado.
       Tem muita água nessa parte do caminho, correm muitos rios. Mas o uso do clorin é indispensável, pois tem muito gado por aqui. Em alguns momentos, andando pelos campos, conseguimos avistar ao longe alguns coloridos no meio do verde, cargeiras sendo levadas pra cá e pra lá. Como disse, tem diversos caminhos. Optamos por fazer o percurso completo, passando primeiro pelo marco da divisa (SC; PR). Seguimos então para a nosso segundo destino, o Morro da Antena. Nesse momento, nossos pés já estavam doendo assim como os joelhos, pernas, e ombros.. (mais fácil dizer o que não estava doendo).
       
      A subida ao Morro da Antena é bem judiada, o sol estava forte, e eu quase chorei de exaustão. Mas seguimos.....
      Começamos a descida, e nosso ainda longo caminho.
      Nosso objetivo nesse dia era acampar na pedra do lagarto, porém já eram quase 17:00 e estávamos a quase 2 horas de lá. Subimos então uma montanha e achamos um lugar que parecia adequado para passar a noite. Nessa hora fizemos as contas ... andamos 28 kms nesse segundo dia. Somando: 41 kms!!
      Acordamos novamente às 03:00, e as 05:00 estávamos caminhando já. Chegamos na pedra do Lagarto o dia estava começando a aparecer. Andamos, andamos ... Mais um tempo de campos e montanhas. O cenário é deslumbrante, parecendo um tapete verde estendido.
      Nessa travessia, chegamos bem pertinho do cume do Crista, mas não chegamos a subir; passamos pela bifurcação seguindo nosso GPS, e começamos da descida do Crista.
      Havia chovido um pouco nos dias anteriores, e a descida estava bem escorregadia, mas divertida. Nossos pés estavam cheios de bolhas, o joelho inchado ... A descida do crista é repleta de rios, então paramos para colocar os pés na água, e isso nos deu mais um gás para concluir nossa trajetória.... Há um rio a cerca de 30 minutos do estacionamento do Crista. Quando vimos o rio, a reação geral foi jogar a mochila no chão, e soltar o corpo na água, largando todo o cansaço. Aquela sensação eu nunca vou esquecer !!!!! Perto das 13:00 chegamos no nosso ponto final, o estacionamento do Crista. Nem acreditamos ao chegar!!!! A gente não tinha muita força pra comemorar, mas foi emocionante demais !!! Nossas fichas estavam marcadas com um asterisco pelo pessoal do resgate, pois não conhecíamos a região e fomos classificados como um grupo que tinha risco de se perder. Mas tudo deu mais que certo !!!!!
      Relato, que essa foi a travessia mais desafiante que já fiz, principalmente pelo pouco tempo que a gente tinha para concluir os 64km, 2 dias e meio !!!!
      Mas como qualquer aventura/montanha/trekking, não é pra ser relaxante, não é pra ser confortável. É pra nos desafiar, chegar nos limites de nossa força, do nosso esforço físico e psicológico. É pra gente ter experiências que nos ensinem algo. Que desenvolva nossa coragem. Acreditar em si mesmo, e terminar a aventura, um pouco melhor do que quando começou. É uma forma de se fortalecer também.. O contato que temos com a natureza numa travessia como essa é algo fantástico, a mudança das vegetações, dos terrenos... é tudo muito dinâmico. É um rolê que eu recomendo, reserve de 03 a 04 dias se quiser ficar mais tranquilo e use sempre o GPS. E aí é só ir !!!! @darlyn
      @Dionathan Biazus
      * Um agradecimento especial ao @gvogetta que nos deu ricas dicas sobre esse rolê. 
















    • Por rafacarvalho33
      Estou terminando um curso no SENAC chamado 'Condutor de Turismo de Aventura' e nesse finalzinho tivemos uma experiência junto com o pessoal da OUTWARD BOUND BRASIL (carinhosamente chamada de OBB) faz parte de uma rede mundial de escolas de aprendizagem experiencial ao ar livre. Do mar ao topo da montanha, do deserto à floresta, já desafiaram mais de 20 mil participantes a saírem de suas zonas de conforto e vivenciarem uma jornada outdoor única e transformadora.
       
       
       Uma das aulas do pessoal da OBB, bela sala de aula, não?!
       
       
      O nosso desafio foi fazer a travessia do Pico do Itapeva até o Pico do Diamante em um final de semana, tendo muito aprendizado sobre as maneiras corretas de se montar um acampamento, fazer a comida, guardar o lixo e ate de fazer suas necessidades fisiológicas, pude aprender muitas técnicas e cuidados ao se realizar uma travessia, as aulas foram tão boas que até deu uma vontade de fazer algum curso de liderança da OBB, pena que só tem uma vez por ano e a desse ano já foi, mas vamos falar do que interessa.
       
      Primeiro dia:
       
      O Pico do Itapeva tem 2.035 metros de altitude e fica situado na cidade de Pindamonhangaba, apesar que a sua entrada se da por Campos de Jordão, que fica apenas 30 metros da divisa, e seria desse ponto que começaríamos a nossa jornada. 
       
       
       Eu guiando esse belo e animado grupo

       
      Como fui através do SENAC, não sei informar se é necessário pagar para entrar, pois tivemos que passar por uma portaria, e a estrada é boa o suficiente para qualquer veículo.

      Menos de 02km andando da entrada chegamos a uma pedra/mirante, que fica próxima a uma cachoeira e ao rio que passa entre as montanhas, mais a frente tem uma estrutura de uma casa, ali é o local para se montar o acampamento.

      Dessa local dá para ver o Pico da Princesa e ao fundo o Pico do Diamante, sem falar que tem água limpa próxima ao local, fazendo ser um ótimo ponto para captação de água.
       
       Área do Camping
       
      Nesse primeiro dia tivemos diversas atividades sobre como cozinhar, como lavar a louça, como fazer suas necessidades e como montar seu acampamento, sempre visando atingir o menor impacto ambiental possível, além de dividir algumas tarefas com o grupo em geral. 
       
       
      Segundo dia: 

      Acordamos as 05:30 da manhã para começar a fazer o café da manhã, estávamos em 17 pessoas e eu fui um dos responsáveis pelo café, as 08:45 já tínhamos terminado o café, lavado a louça e desmontado todo o acampamento.  
       
      Antes de começar nossa trilha tivemos mais uma grande aula sobre orientação e navegação usando mapas e bussolas. 

      Para começar a trilha, eu fui um dos responsáveis por conduzir o grupo, a minha parceira foi no fim, fechando; foi uma experiência muito boa, ter que orientar e assegurar o melhor caminho possível, mesmo que eu nunca tenha feito aquela trilha, ate que não me perdi nenhuma vez. 
       
       Passando o rio começa a subida ao cume


      A trilha ate o Pico do Diamante em sua metade é bem tranquila, passando por subidas e descidas bem leves, o problema é na parte final, onde o acesso ao cume do Pico do Diamante é pura subida, levando em torno de 01 hora e 30 minutos de subida, com uma elevação de 600 metros, infelizmente não tenho as distâncias corretas, pois esqueci meu relógio que mapeia o percurso, mas acredito que de um pico ao outro tenha em torno de 8/9 km. 


      DICAS:
      Leve sua comida - na região não tem lugar para comer, então leve seus sanduíches e frutas
      Leve água, durante o percurso você encontrará pontos de água, menos durante a subida ao Pico do Diamante
      Leve protetor Solar
      Use roupas confortáveis
      Use calçados adequados a trilha
      Leve uma troca de roupa e toalha
      Boné e lanterna
      Sempre deixe avisado para familiares para onde você esta indo
      Planeje a trilha antes de fazê-la pela primeira vez, saiba o que você ira enfrentar durante o dia.
       
       
       Subida ao Pico Diamante
       
       
      A travessia da para se fazer em um dia só, a questão é que como ela começa de um lado e termina do outro, você precisa planejar direito como irá buscar o transporte depois, se não tiver, tem que arranjar algum Uber para subir ate o Pico do itapeva, ai depois quando terminar é só descer pela estrada que dará no centro de Campos de Jordão.
       
      Espero que tenham gostado do relato, para qualquer dúvida só mandar mensagem pelas minhas rede sociais, estou presente no Instagram no rafacarvalho33 e no Facebook no Follow The Portuga.


×
×
  • Criar Novo...