Ir para conteúdo

Onde mergulhar em Koh Lipe ou Koh Phi Phi ?


Posts Recomendados

  • Membros
12 minutos atrás, Paulo Martinez disse:

Fala Galera, estarei na Tailândia durante Nov/Dez de 2018. Onde sugerem mergulhar, Koh Lipe ou Koh Phi Phi ? E qual o pacote de mergulho fechar?

Abraços

Os dois lugares sao muito bonitos e bons pra mergulho, mas particularmente eu achei KoLipe mais foda. Outro lugar muito bom pra mergulho também é em Ko Tao

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

@Paulo Martinez  Ko Lipe é um dos lugares mais bonitos da Tailandia, lá nao é tao popular e cheio de turistas como PhiPhi. A ilha é bem pequena e nao tem muito o que se fazer lá além de mergulho e ver o tempo passar na beira da praia tomando uma cerveja. Lá também tem preços mais salgados que no resto do país (Ko Lipe > PhiPhi > Thailandia), nessa ordem que as coisas sao mais caras. 

Ah! Se possivel leve uma boa quantidade de dinheiro em especie, pode acontecer do caixa eletronico da ilha estar offline e vc ter que pagar uma taxa bem ruim para os locais fazerem o cambio pra vc.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros
4 minutos atrás, lobo_solitário disse:

@Paulo Martinez  Ko Lipe é um dos lugares mais bonitos da Tailandia, lá nao é tao popular e cheio de turistas como PhiPhi. A ilha é bem pequena e nao tem muito o que se fazer lá além de mergulho e ver o tempo passar na beira da praia tomando uma cerveja. Lá também tem preços mais salgados que no resto do país (Ko Lipe > PhiPhi > Thailandia), nessa ordem que as coisas sao mais caras. 

Ah! Se possivel leve uma boa quantidade de dinheiro em especie, pode acontecer do caixa eletronico da ilha estar offline e vc ter que pagar uma taxa bem ruim para os locais fazerem o cambio pra vc.

Ótimas dicas, @lobo_solitário.

Ajudou bastante com seu depoimento, obrigado!!!

 

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Olá @Paulo Martinez! Estive na Tailândia no carnaval desse ano, só lá definimos os passeios e foi super tranquilo, pessoal das agências te dá toda orientação necessária p vc escolher os passeios de acordo com que busca e seu perfil. Phi Phi é fantástico, nem se preocupe, qquer escolha vc vai amar! 😉

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Fora da Zona de Conforto
      Nenhuma viagem à Tailândia está completa sem uma estadia em Phuket, indiscutivelmente o principal destino turístico que a Tailândia tem a oferecer.
      O mais provável é que você fique em um resort na beira da praia e queira fazer uso das instalações que eles têm a oferecer e acessar as atividades disponíveis. Você vai nadar, você vai tomar sol, mas quando se trata de buscar uma injeção de adrenalina, onde você deve procurar?
      Não se preocupe, nós ajudamos você. Confira nossa lista dos 11 principais esportes radicais em Phuket para acelerar seu coração.
       
          1. Surf nas praias de Kata e Kalim em Phuket
      O surfe está ganhando popularidade em Phuket, e a opção de alugar uma prancha e receber algum treinamento de um treinador credenciado está disponível em muitas praias, principalmente Kata Beach e Kalim Beach.
      Se equilibrar ao longo da crista das ondas é emocionante e o tamanho das ondas em Phuket são normalmente acessíveis para iniciantes, embora ainda sejam divertidas para surfistas mais experientes.
      Os melhores meses para surfar em Phuket são geralmente de maio a setembro, devido aos constantes ventos de monção que produzem ondas de até 4 pés. Espere pagar em torno de INR 300 por hora pelo aluguel da prancha.
       
          2. Tirolesa em Phuket
      Tirolesa é uma grande aventura para a família e é uma necessidade absoluta se você visitar Phuket. A maioria dos resorts o ajudará a reservar essas experiências no Flying Hanuman em Kathu. Sobrevoe de árvore em árvore enquanto a selva passa rapidamente abaixo de você. Seus filhos estarão gritando como Tarzan antes de sua jornada terminar.
      A aventura na tirolesa irá lembrá-lo da beleza interior da ilha, já que isso pode muitas vezes ser esquecido enquanto se diverte nas praias. A densa floresta de Phuket é uma ótima opção para exploração e atividades ao ar livre. As tirolesas custam cerca de INR 4100 por pessoa.
       
      Continue lendo em: 11 Esportes de Aventura para Fazer na Ilha de Phuket, Tailândia
    • Por Guilherme Drosdosky Bodenmuller
      Sim, esse é o melhor guia de Bangkok que você irá encontrar.
       
      Viajamos para a Tailândia em 2018, conhecemos diversas cidades, casamos em Phi Phi, e muitas coisas legais.
      E não podia faltar conhecer Bangkok, uma cidade milenar repleta de cultura e aventura!
       
      Inclusive, conhecemos o famoso Sky Bar, palco da gravação do final do filme Se Beber Não Case 2.
      Então, se você está pensando em ir para a Tailândia, não deixe de conferir esse guia super completo que fizemos para ajudar nossos amigos viajantes.
       
      O link é https://alemdafronteira.com.br/guia-bangkok-tailandia/
       
      E mais, se quiser contribuir, sugerir alterações, ou qualquer coisa, pode utilizar os comentários no site ou até mesmo formulário de contato disponível no site que respondo com o maior prazer.
       
      Só pra ter uma idéia, vou colocar uma foto de Bangkok para conferirem.

    • Por rodrigovix
      Índice do Relato (clique na página para ir direto ao capítulo)
      Capítulo 1: Preparativos [Pag. 1] 
      Capítulo 2: Do sonho até lá. [Pag. 5]
      Capítulo 3: Bangkok, tempestade e a corrida contra o tempo. [Pag. 5]
      Capítulo 4: Roby, o motorista mais gente boa de Bali. [Pag. 7]
      Capítulo 5: Templos e praias de Bali, a ilha mágica. [Pag. 7]
      Capítulo 6: Os templos de Ubud, o coração cultural da ilha. [Pag. 8]
      Capítulo 7: Da Floresta dos Macacos aos belos campos de arroz. [Pag. 9]
      Capítulo 8: Os encantos de Nusa Lembongan. [Pag. 9]
      Capítulo 9: Nusa Penida, o melhor lugar do planeta! [Pag. 9]
      Capítulo 10: Angel Billabong, Broken Beach e Crystal Bay. [Pag. 10]
      Capítulo 11: Goa Giri Putri, Atuh Beach e uma casa na árvore. [Pag. 11]
      Capítulo 12: O espetáculo do sol: adeus Nusa Penida! [Pag. 11]
      Capítulo 13: Olá, Singapura! Um dia no lendário Marina Bay Sands. [Pag. 13]
      Capítulo 14: Chinatown, Gardens by the Bay e Singapore Flyer. [Pag. 13]
      Capítulo 15:
      (continua...)
      Quer conferir algumas fotos da viagem e ainda ser informado quando tiver capítulo novo?
      Então segue lá no instagram @queridopassaporte
      Faaala, meu povo!
      Cá estou eu novamente retribuindo tudo o que esse fórum sempre me proporciona. É com prazer que dou início a mais um relato buscando compartilhar o máximo possível de informações e de experiência de viagem com a comunidade mochileira.
      Há três anos, fiz meu primeiro mochilão, percorrendo o clássico roteiro da América do Sul (Bolívia, Chile e Peru), e postei o relato aqui no fórum. Confesso que não tinha noção da proporção que esse relato viria a tomar, e de como ele me apresentou tanta gente do bem e inspirou tantas outras histórias bonitas por aí.
      Para quem ainda não viu, vou deixar o link aqui, ó: 
       
      Agradecimentos
      Eu não poderia dar sequência sem antes agradecer a todo mundo que me ajudou com as informações que me permitiram fazer o roteiro do jeito que eu sempre quis. São muitos nomes:
      Meu parceiro @Tanaguchi que, com seus dois incríveis relatos pelo Sudeste Asiático (veja aqui e aqui), em muito me ajudou nesse planejamento. Aliás, ele também me ajudou com o relato pela América do Sul. Vai seguindo tuas viagens que eu vou te acompanhando, jovem! Hahaha
      Outro grande agradecimento vai pra minha parceirona @Maryana Teles, dona do Vida Mochileira (clica aqui pra conferir o Blog dela, aproveita pra segui-la no Instagram, no YouTube e participar do grupo no Facebook). A Mary sempre foi uma pessoa alto-astral, generosa, autêntica, e que me ajudou muito com as postagens dela sobre a Tailândia. E também me deu aquela força na divulgação do @queridopassaporte durante minha viagem haha. Valeu, Mary! #tamojunto sempre.
      Foi a Mary que me indicou outro cara que também tenho que agradecer, meu xará Rodrigo Siqueira, do TravelerBR, principalmente por indicar o melhor barqueiro de Koh Phi Phi (mais detalhes nos capítulos finais do relato haha). Rodrigo também é referência em mergulho de cilindro por lá, e o barco da empresa dele tá sempre lotado de brasileiros. Não deixe de conferir o site e o instagram dele. 
      E, por fim, agradecer a dois estrangeiros camaradas: o Jackson Groves, do Journey Era, e a Justine, do Travel Lush. Seja pelas matérias nos blogs ou respondendo os meus directs, me ajudaram muito com informações principalmente a respeito de Nusa Penida, em Bali, pois quase não se achava site brasileiro com informação detalhada sobre esse lugar na época em que eu estava pesquisando.
      Ufa! É isso. Claro que mais pessoas me ajudaram, direta ou indiretamente, mas fica aqui meu agradecimento de forma geral.
       
      A viagem
      Essa viagem seria feita originalmente em novembro de 2016. Mas meu namorado e fiel parceiro de boletos, aventuras e repete-essa-foto-até-ficar-do-jeito-que-eu-quero Antenor recebeu uma proposta de emprego e mudou de empresa e, com isso, lá se foram as férias planejadas. Tivemos que esperar o ano seguinte, mas o sacrifício valeu a pena. Daí vocês já imaginam a expectativa que foi quando finalmente embarcamos nessa viagem no final de 2017, né? Spoiler: foi a viagem dos SONHOS!
       
      O Roteiro
       

      O roteiro mudou muitas vezes desde quando comecei a pesquisar essa viagem, há dois anos. No começo, ficava ali por Tailândia, Myanmar, Laos, Camboja, Vietnã… Mas aí depois veio Bali... Aí depois veio Singapura… Aí depois veio Filipinas... A TENTAÇÃO NÃO TINHA FIM! Era uma descoberta atrás da outra. Não havia tempo pra tudo, infelizmente.
      Fechamos, então, Indonésia (Bali), Singapura e Tailândia. Talvez não fosse o roteiro mais prático, mas também nada difícil de ser feito, principalmente considerando os voos low-cost dessa região e a época propícia em que estávamos viajando (mais detalhes logo abaixo na parte “Quando ir?”).
      O roteiro ficou assim:
      11/10/17: Vitória (VIX) x São Paulo (GRU) 
      12/10/17: São Paulo (GRU) x Addis Ababa (ADD)
      13/10/17: Addis Ababa (ADD) x Bangkok (BKK)
      14/10/17: Bangkok (DMK) x Bali (DPS)
      Indonésia (Bali)
      15/10/17: Uluwatu
      16/10/17: Ubud
      17/10/17: Ubud
      18/10/17: Ubud x Nusa Lembongan
      19/10/17: Nusa Penida
      20/10/17: Nusa Penida
      21/10/17: Nusa Penida
      22/10/17: Nusa Penida x Kuta
      23/10/17: Bali (DPS) x Singapura (SIN)
      Singapura
      24/10/17: Singapura
      25/10/17: Singapura
      26/10/17: Singapura
      27/10/17: Singapura (SIN) x Bangkok (DMK)
      Tailândia
      28/10/17: Bangkok
      29/10/17: Bangkok
      30/10/17: Bangkok
      31/10/17: Bangkok (DMK) x Chiang Mai (CNX)
      01/11/17: Chiang Mai
      02/11/17: Chiang Mai
      03/11/17: Chiang Mai
      04/11/17: Chiang Mai
      05/11/17: Chiang Mai x Bangkok, Bangkok (DMK) x Krabi (KBV)
      06/11/17: Railay Beach
      07/11/17: Railay Beach
      08/11/17: Railay Beach x Koh Phi Phi
      09/11/17: Koh Phi Phi
      10/11/17: Koh Phi Phi
      11/11/17: Koh Phi Phi
      12/11/17: Koh Phi Phi
      13/11/17: Koh Phi Phi x Krabi, Krabi (KBV) x Bangkok (DMK)
      14/11/17: Bangkok
      15/11/17: Bangkok (BKK) x Addis Ababa (ADD) x São Paulo (GRU) x Vitória (VIX)
       
      Quando ir?
      Essa pergunta é muito importante. Planejar uma viagem ao Sudeste Asiático sem levar em consideração a época do ano é bem arriscado. As estações se resumem basicamente em Seca e Molhada. Quando eu digo seca, é quente pra burro. E quando eu digo molhada, é daquelas chuvas torrenciais cinematográficas (as famosas monções).
      Bom, eu poderia gastar alguns parágrafos aqui descrevendo as probabilidades climáticas de cada mês em cada um dos três países que eu visitei, mas, como eu sou um cara muito gente boa, montei uma tabelinha mais lúdica pra facilitar a pesquisa.
      Lembrando que essas informações são PROBABILIDADES. Sabemos bem como o clima pode nos surpreender. Você pode ir num mês cuja probabilidade é de chuva e pegar um belo dia de sol, como pode ir numa época típica de sol e pegar dias de chuva. Não é uma ciência exata.
      Indonésia (Bali)

      De maio a outubro é a “estação seca”, bons meses pra se visitar Bali. Abril e novembro também são boas opções, mas ainda são meses de transição entre as estações. Se puder evitar dezembro, janeiro e fevereiro, evite, pois tende a chover mais. Mas nada que vá atrapalhar sua experiência de viagem caso esses sejam os únicos meses disponíveis.
       
      Singapura

      Singapura já possui um clima mais equilibrado, com chuvas bem distribuídas ao longo do ano. Costuma-se ter mais dias de chuva em novembro, dezembro e janeiro. O mês com menos chuva é fevereiro. Mas não é nada que seja uma diferença absurda. Apenas tenha em mente que qualquer dia pode chover, mas que isso não vai estragar o seu passeio.
       
      Tailândia

      Tailândia é o país que mais respondemos “depende” quando a pergunta é “quando ir?”. Isso porque cada parte do país (região central, como Bangkok; região norte, como Chiang Mai; região da costa oeste, banhada pelo Mar de Andamão, como Phuket, Krabi e Koh Phi Phi; e região da costa leste, banhada pelo Golfo da Tailândia, como Koh Sami e Koh Tao) possuem calendários climáticos específicos. De uma forma geral, costuma-se dizer que os melhores meses são janeiro e fevereiro (dezembro, também, dependendo das praias que você queira ir), e os piores meses são de maio a outubro.
       
      O que levar?
      O Sudeste Asiático é quente, muito quente. Mesmo em época de chuva, são raros os momentos em que você precisará de roupa de frio. Em 99% do tempo você vai desejar ser invisível pra poder andar sem roupa e entrar nos estabelecimentos só pra ficar no ar condicionado. Pra não dizer que não levei roupa de “frio”, eu levei uma camisa segunda pele só porque no meu roteiro estava previsto uma visita a uma região bem alta no norte da Tailândia, e lá costuma fazer um “friozinho”. Morreria se não tivesse levado? Não, daria pra aguentar. Mas vai de cada um.
      Meu vestuário foi, na maior parte da viagem, camiseta, bermuda e chinelo. Levei um tênis pra usar nos locais em que se exige sapatos fechados, e também para andar em Singapura, que é uma cidade mais “arrumadinha” e eu ia bater muita perna. Calça eu levei só para os voos internacionais e para entrar em estabelecimentos que pediam esse tipo de vestuário. Na região das praias, era sunga, bermuda e chinelo o tempo todo. Resumindo: FÉRIAS, em maiúsculo.

       
      Equipamentos
      Eu sou um apaixonado por fotografia. Gosto de estudar, praticar e considero quase uma segunda profissão. Mas uma das perguntas que mais recebo é “adorei suas fotos, qual é sua máquina?” hahaha. Poxa vida. Não vou ser hipócrita em dizer que equipamento não faz diferença, porque ajuda. Mas a maior parte do resultado das fotos vem do olhar, do estudo de luz e sombra, composição, pós-edição, etc. Fora os perrengues que a gente passa pra conseguir uma foto. Mas sempre vale a pena.
      De toda forma, deixo aqui a lista dos equipamentos que levei. Foi uma mochila só com eles. Algumas das fotos foram feitas com o próprio celular (na época da viagem, um Samsung Galaxy S7).
      Câmera Nikon Dx D5300
      Lente Nikkor 18-55mm f/3.5-5.6
      Lente Nikkor 35mm f/1.8
      Lente Sigma 10-20mm f/4-5.6
      Tripé 60-170cm
      GoPro HERO5 Black
      GoPro Dome 6’’
      Spray repelente de água
      Bastão GoPro 3 Way
      Bastão Flutuador GoPro
      Carregador triplo + 2 baterias extras GoPro
      Maleta de acessórios GoPro
      Filtro de linha com 6 tomadas e 2 entradas USB
      Adaptador de tomadas
      Quem sabe na próxima eu já arrumei um drone? haha
       
      Precisa de visto?
      Para todos os casos dos três países visitados (e basicamente para a maioria dos países), é necessário passaporte com pelo menos 6 meses de validade restante e apresentação do Certificado Internacional de Vacina contra a Febre Amarela. 
      Abaixo, alguns dos requisitos que eu obtive dos sites da Embaixada do Brasil em cada país.
      Indonésia
      O visto de turismo não é necessário para visitas de até 30 dias. Já o visto de negócios é exigido, e pode ser obtido na chegada ao país, válido por 30 dias e prorrogado por mais 30 dias.
      Singapura
      Singapura não exige visto para entrada de brasileiros no país, caso permaneçam até 30 dias. Nesse caso, é concedido um “visitor pass”.
      Tailândia
      Não é necessário visto para os brasileiros ingressando na Tailândia para turismo ou negócios, com permanência limitada a 90 dias.
      Atenção! O porte e o tráfico de drogas são severamente punidos pelas legislações desses países, até com pena de morte. Mesmo o porte de quantidades mínimas pode ser punido com muitos anos de prisão.
       
      Documentos
      Sempre levo uma pastinha dessas transparentes e maleáveis com todos os principais papéis que preciso carregar, tais como:
      Cartões de embarque:
      Estão sempre salvos no e-mail e no celular, mas não custa nada ter um back-up impresso guardado com você. Sou do time #menospapel, mas, estando do outro lado do mundo, precaução extra nunca é demais.
      Comprovantes, ingressos, reservas, etc:
      Todas as reservas, compras e ingressos que eu tenha comprado previamente (o que se faço caso não me represente nenhum aumento de custo, ou caso seja necessário, pois prefiro comprar e reservar tudo na hora).
      Certificado do Seguro Viagem:
      Nunca, eu hipótese alguma, viagem sem um Seguro Viagem. É como andar de carro sem seguro. Um risco constante de adoecer ou precisar de assistência médica e ter que gastar centenas ou milhares de dólares do próprio bolso. Acreditem, eu precisei usar nas últimas duas viagens internacionais que fiz. Então, faça sua cotação, sua pesquisa, entre em contato com a operadora do seu cartão de crédito, ou o seu banco, qualquer coisa, mas não viagem sem.
      Cartão Internacional de Vacina (ANVISA):
      É importante ter o seu Cartão Internacional de Vacina para comprovar que foi vacinado contra a Febre Amarela. Se em países como a Bolívia, onde é obrigatório, eles quase nunca te pedem, na Tailândia, por exemplo, é obrigatório apresentar antes mesmo de sair do aeroporto. Não esqueça o seu. Para fazer o seu Cartão Internacional, basta entrar no site da ANVISA, fazer o cadastro prévio, depois ir até uma agência deles, levar seu cartão de vacina em que comprova que foi vacinado contra a febre amarela e pronto, eles emitem o seu Cartão Internacional.
      Nota fiscal dos equipamentos fotográficos:
      Eu sempre procuro levar, ainda que meus equipamentos sejam considerados de “uso turístico” e não precisam ser declarados. Entretanto, nunca se sabe quando você será confrontado por um agente policial questionando a procedência daqueles itens. Então, por precaução, eu levo. Mas nunca me pediram.
      Todo e qualquer papel que você receber durante a viagem:
      Vá guardando tudo o que você receber, principalmente em aeroportos, hotéis, agências, etc. Nunca se sabe quando você irá precisar daquele comprovante. É muito comum ter que apresentá-los nos trâmites de entrada e saída de alguns países.
       
      Como levar o dinheiro?
      Há muitos que optam por levar o cartão para saques nos ATMs, ou então só usar o cartão de crédito, por uma questão de segurança. Eu levo tudo em dinheiro (dólares, geralmente) e deixo as notas num money belt, aquelas doleiras em forma de cinto que a gente usa por dentro da roupa. É ali também que eu guardo o meu passaporte, sempre comigo. Não tiro o money belt para nada. Os únicos momentos que tirava era quando ia entrar no mar, mas ou eu estava num barco privado e minhas coisas ficavam em segurança, ou então eu deixava tudo no cofre do hotel e só saia com o dinheiro necessário para o dia. Nesses países é bem raro ser assaltado, mas o furto é algo comum. Então fique sempre muito atento aos seus pertences para não dar o azar de ser furtado.
      Obviamente, também levo um cartão de crédito para emergências. Mas nunca o deixo junto de onde guardo o dinheiro, justamente para não correr o risco de perder tudo de uma vez só. O mesmo vale para as chaves reservas dos cadeados, se este for o seu caso (eu uso mais o cadeado de código). Sempre guarde a chave reserva num lugar separado.
       
      Finalizando...
      Bom, acho que é isso. No próximo capítulo eu darei início à saga do voo internacional, falo das passagens, de como e por quanto comprei, questões de fuso horário, jet lag, etc.
      Então, até breve!
       
      Próximo capítulo: Do sonho até lá.
    • Por ms.priscila
      INFORMAÇÕES GERAIS

      Visto: dispensa de visto por até 180 dias
      Passaporte: passaporte com pelo menos seis meses de validade
      Vacinas:  não exige vacina de febre amarela
      Quando ir: o ano inteiro; entretanto dez-fev é alta temporada e mar-abr é período de spring break, portanto, fuja dessas datas
      Moeda: peso mexicano MXP ($)
      Idioma oficial: espanhol
      Cod. telefone: +52 (código de Cancun 998)
      Padrão bivolt: 127V
      Tomadas: A, B


      Dica 01: Escolha Playa del Carmen como sua base para a maioria dos passeios, já que eles estão muito mais perto de Playa do que de Cancun.

      Dica 02: Deixe Cancun para o final, apenas para descansar e curtir praia e balada.

      Dica 03: todos os passeios negociados diretamente em Cancun ou Playa foram mais baratos do que aqueles negociados pelos sites de internet, portanto, COMPRE TUDO LÁ.


      PLAYA DEL CARMEM
      Existem ônibus diários, da Empresa Ado, que saem do aeroporto para Playa de Carmem (1h de viagem), a partir das 08:30h até 23:59h por U$10 ou $225.

      Hospede-se na 5a Avenida.

      Playa Del Carmen é base para os passeios em X-caret (fica ao lado), Cenote Rio Secreto (museu de cristal), Tulum, Xel-Há e Cenotes Dos Ojos, todos a 50km, Cozumel (em frente, ferry-boat de hora em hora por 45min), Akumal (40km e point das tartarugas; tempo de passeio: 1,5-3h), ruínas Chichén-Itzá (2,9km).

      Não há necessidade de carro.

      As baladas em Playa ficam na Calle 12 entre a 5a avenida e a praia.

      Restaurante em Playa: Alux


      COMO LOCOMOVER-SE EM PLAYA, CANCUN OU TULUM:
      Existem VANS para a maioria dos pontos turísticos que custam entre 40 a 45 pesos ou R$7,50 a R$8,00.

      Em Playa, as vans passam na Calle 2, entre as avenidas 15 e 20; em Cancun, as vans ficam no centro urbano (não passam na Zona Hoteleira), na Avenida Tulum com a Avenida Uxmal (no estacionamento do supermercado Mega Comercial Mexicana, em frente ao Terminal da ADO; use a linha de ônibus R1 para ir da Zona Hoteleira até lá); em Tulum é na avenida principal da cidade.

      O caminho do colectivo, saindo de Playa, é mais ou menos o seguinte: Playa del Carmen -> Xcaret -> Xplor -> Praia Paa Mul -> Puerto Aventuras -> Cenote Cristalino -> Cenote Jardín del Éden -> Cenote Azul -> Xpu-Há Beach -> Akumal -> Xel Ha -> Ruinas Tulum -> Tulum (cidade).


      ROTEIRO DIA A DIA

      Dia 01: descanso

      Dia 02: Akumal (praia das tartarugas gigantes)
      Pegue uma van e desça em Akumal. Paga-se cerca de $600 (R$119) pesos pela entrada e aluguel do equipamento com guia (snorkel e colete).
        Playa de Akumal

      Dia 03: Cozumel
      A viagem para Cozumel pode ser realizada de Ferry, que dura cerca de 35min a partir de Playa. As operadoras são:
      Ultramar
      Preço: $400, U$18 ou R$100,00
      Endereço: Terminal Marítima NAVEGA, Av. Benito Juárez, de h em h de 7-22h

      Mexico Water Jets
      Preço: $440, U$20 ou R$110, de h em h de 8-20h

      Barcos Caribe
      Preço: $270, U$16 ou R$67, somente de Cozumel-Playa del Carmen
      Obs.: ponto mais famoso para mergulho é a praia de Palancar

      Operadora de mergulho:
      Blue Magic Scuba; U$90 mergulho com cilindro + U$25 equipamento (7:30/13h) ou U$80 com equipamento comprado no quiosque da 5a Avenida.
      Obs.: Ultramar é a mais confortável.
            Mergulho em Cozumel


      Dia 04: X-plo
      Ingresso X-plo: U$116,99 (transporte e alimentação no site do X-plo) ou U$109 com transporte e alimentação comprado no quiosque da 5a Avenida


      Dia 05: cenotes
      Cenote Dos Ojos: $550 (R$137) mergulho com colete e snorkel; fica na estrada entre Playa e Tulum; dá pra ir de van

      Cenote Rio Secreto: U$79 (R$440); dá pra ir de van
       
      Cenote Dos Ojos

      Dia 06: ruínas
      Tulum
      Horário: 8-16h
      Preço: $70 (R$18)
      Obs.: pode-se ir de van; reserve uma manhã ou uma tarde.

      Chichén-Itzá
      Horário: 8-16h
      Preço: $64 (R$16)
      Obs.: alugue um carro ou pague uma condução específica; reserve um dia, pois fica a cerca de 2h30min de Playa.
        Chichén-Itzá


      Dia 07: MUSA
      O mergulho com cilindro no MUSA, em Cancun, custa cerca de U$90 (R$500) e sai às 10:30am.
        MUSA


      Dia 08: Tubarão-baleia
      O mergulho para ver os tubarões-baleia saem tanto das Ilhas Holbox ou Contoy, como da Isla de las Mujeres, todas perto de Cancun.

      Opção de operadora de mergulho: Blue Magic (Cozumel), Phanton Divers, Solo Buceo.

      O mergulho com tubarão-baleia tem duração de 5h e custou cerca de U$165 (R$620) pela Solo Buceo. O passeio saiu às 6:30am.

      Obs.: tudo foi comprado e agendado no próprio hotel, durante a nossa estada.
       
      Mergulho com tubarão-baleia


      Dia 09: Isla de las Mujeres Ferry para Isla Las Mujeres: trajeto feito por Ultramar
      Horário: de h em h de 9-17:15h
      Preço: U$13,95 (R$78)
      Endereço: Cancún, Playa Caracol, Blvd.Kukulcán km 9.5, Hotel Zone Dia 10: retorno
      ROTEIRO CANCUN (10 DIAS)
       
      OBSERVAÇÕES DE CANCUN
      Baladas: Cocobongo, Daddy O., Señor Frogs.
      Melhores hoteis: na barra superior do 7 (Dream Sands, Riu Cancun e Riu Palace das America’s).


      DEMAIS PONTOS TURÍSTICOS DE CANCUN
      Paroquia de Cristo Resuscitado
      Horário: seg-sex de 7:30-20h
      Entrada gratuita

      Museo Maya de Cancun
      Horário: ter-dom de 9-18h
      Preço: $80 (R$20)

      La Isla Shopping Village: um shopping a céu aberto, bastante original, nos arredores de uma marina de onde partem vários passeios para ilhas adjacentes. Considerado um dos shoppings com o maior custo-benefício de Cancun, com preços que podem ser comparados aos que são praticados no Brasil.
    • Por ms.priscila
      https://feitaprafugir.com.br/roteiro-africa-do-sul/
       
      INFORMAÇÕES GERAIS

      Visto: dispensa de visto por até 90 dias
      Passaporte: deve ter validade de pelo menos 1 mês da data do retorno ao Brasil
      Vacinas:  exige vacina de febre amarela
      Quando ir: o ano inteiro
      Capitais: Cidade do Cabo, a maior das três, é a capital legislativa; Pretória é a capital administrativa e Bloemfontein é a capital judiciária
      Moeda: Rande (R)
      Idioma oficial: 11 línguas oficiais, entre elas o inglês
      Cod. telefone: +27
      Padrão bivolt: 230V
      Tomadas: C, D, M, N
      Principais operadoras telefônicas: vodacom (data), MTN, Cell C e Telkom 
      Empresas aéreas low cost: Kulula, Mango, Fly Safair (não é boa)


      VISÃO GERAL DA ÁFRICA DO SUL
      Os principais lugares para se conhecer na África do Sul são Cape Town, Rota Jardim, Rota Panorâmica, safáris e Johannesburgo, sendo que a rota panorâmica e safáris estão próximos a Johannesburgo (também chamada de Gauteng).
        A Rota Jardim é ruma rota cênica que inicia-se em Cape Town até Port Elizabeth ou vice-versa. No caminho, passa-se por varias cidadezinhas, que guardam seus principais pontos turísticos: Stellenbosh e Franschhoeck (vinícolas), Gansbaai (mergulho com tubarão na gaiola), Outdshoorn (fazenda de avestruz e cango caves), Knysna (the heads), Plettenberg  Bay (Storms River National Park e Reserva Robberg), Tsitsikamma Park (face adrenalin: maior bung jumpee de ponte do mundo).
        A Rota Panorâmica (ou Panorama Route), por sua vez, é um caminho ao longo do Blyde River Canyon, o terceiro maior canyon do mundo, em Mpumalanga, e que guarda paisagens incríveis. Está a apenas 1h30min do Kruger Park. A ideia é fazer o pernoite na cidadezinha de Graskop e reservar um a dois dias para percorrer a região. 


      SOBRE OS SAFÁRIS
      02 dias inteiros de safári são suficientes. Não conte o dia da chegada e da partida; gasta-se cerca de 7h de carro ou 1h de avião. Então isso geralmente soma 4 dias no total: 1 para ir + 2 no parque + 1 para voltar. Quem tem pouco tempo, pode apertar em 3 dias: sai cedo e já faz um safári noturno no dia da chegada + 1 dia de safári inteiro + safári de manhã e partida.
        http://www.feitaprafugir.com.br                
      O Kruger Park é um parque nacional e dentro dele estão vários acampamentos, sendo o Skukuza um dos principais por sua infraestrutura (restaurante, lojas, mercadinho, piscina e museu). Dentro do parque há varias estradas devidamente demarcadas, onde os turistas podem fazer os self drives ou os safáris organizados pelo local.

      Também pode-se optar pelos game reserves, que são estabelecimentos privativos, ao redor do Kruger, e em sua maioria lodges de luxo e, obviamente, mais caros. Neles, diz-se que os safáris são mais rústicos, já que não percorrem as estradas já abertas, como ocorre no Kruger.

      Optamos pelo parque nacional e não nos decepcionamos. Vimos vários animais na beira da pista e quatro dos chamados Big Five, os animais mais difíceis de serem visualizados.

      Melhores lugares dentro do parque: Skukuza, Pretoriuskop.

      Melhores lugares fora do parque: Hazyview, Sabie Sand Game Reserve (Elephants Plains Game Lodge).


      SUGESTÃO DE ROTEIRO 05 dias: Cape Town
      05 dias: rota jardim
      02 dias: Johannesburgo
      03 dias: Safari
      02 dias: rota panorâmica 
      03 dias: Durban (mergulho)


      PONTOS TURÍSTICOS DE CAPE TOWN

      Cidade do Cabo City Sightseeing:
      Preço: R280 (R$81) 2 dias e R180 (R$52) 1 dia

      Restaurante La Colombe (necessita reserva) 

      Degustação de cervejas: Devil’s Peakn, Beer House, Woodstock Brewery

      St. George catedral (ao lado do Company´s Garden)
      Horário: 9-13h
      Gratuito

      Company´s Garden
      Horário: todos os dias de 7-19h (inverno) e 7:30-20:30h (verão)
      Gratuito

      Jardim Botânico Kirstenbosch
      Horário: todos os dias de 8-19h
      Preço: R75 (R$25)
        Jardim Botânico Kirstenbosch

      Long Street (a noite): Bar Beerhouse

      Truth Coffee Roasting – indicado como melhor café do mundo pelo The Telegraph

      V&A Waterfront: complexo de lojas, bares e restaurantes

      Robben Island  
      Horário: 9h, 11h, 13h, e 15h
      Preço: R360 (R$116); obs.: onde Mandela ficou preso (passeio dura 4h); o passeio sai do W&A Waterfront
      Obs.: procure fazer o passeio nos primeiros dias, pois este depende de condições climáticas.

      Boates: Cocoon e Shimmy Beach Club

      Table Mountain
      Horário: todos os dias de 8-13h
      Preço: R360 (R$116); obs.: ir de manhã por causa do tempo
      Obs.: fora o funicular, a Table Mountain possui várias trilhas, que podem ser percorridas em 1h30min, 3h e até 4h. Percorremos a trilha Índia Venster, que durou 3h, com paisagens imperdíveis. Apesar de ser classificada como difícil, esta trilha pode ser feita por qualquer pessoa, que não tenha medo de altura e algum preparo físico.   
      Escalada da Table Mountain

        A Renata Sarzi, do A Dream Overland, classifica as trilhas da seguinte forma:

      Platteklip Gorge Tempo: Pelo menos 1h30 (subida) e 1h (descida)
      Grau de dificuldade (fôlego): Pesado (subida) e leve (descida)
      Grau de dificuldade (técnica e exposição à altura): Leve
      Vista e paisagem: ★★★★★
      Avaliação da trilha: ★★★★★ Chata
      Onde a trilha começa: Tafelberg Rd (na mesma rua do Cableway)
      Custo: $ Gratuito

        India Venster
      Tempo: 3h00 (subida)
      Grau de dificuldade (fôlego): Moderado a pesado (subida)
      Grau de dificuldade (técnica e exposição à altura): Leve a moderado
      Vista e paisagem: ★★★★★
      Avaliação da trilha: ★★★★★
      Onde a trilha começa: Tafelberg Rd (na mesma rua do Cableway)
      Custo: $ Gratuito
      }
       
      Skeleton Gorge
      Tempo: 4h00 (subida)
      Grau de dificuldade (fôlego): Moderado (trilha bem longa)
      Grau de dificuldade (técnica e exposição à altura): Leve
      Vista e paisagem: ★★★★★
      Avaliação da trilha: ★★★★★
      Onde a trilha começa: Jardim Botânico Kirstenbosch
      Custo: $ Entrada no Jardim Botânico (cerca de R60)
       
      Signal Hill (ao lado do bairro Bo Kaap): ir no pôr do sol (estação de ônibus mais próxima é Kloof Nek)
        Signal Hill

      Galileo Open Air Cinema
      Horário: os portões abrem de ter-sex as 17h e sab-dom as 16h; o cinema começa entre 19:30-20:30h; cinema ao ar livre
      Preço: R105 (R$34)

      Gold Restaurant
      Jantar com danças típicas: R380 (R$123)
        Jantar no Gold Restaurant

      Castelo da Boa Esperança
      Horário: tour guiado 11:00 | 12:00 | 14:00 | 15:00 | 16:00; troca de guarda seg-sex de 10-12h
      Preço: R50 (R$17)

      District Six Museum
      Horário: seg-sab de 9-16h
      Preço: R45 (R$15)

      Cape Point
      Horário: 9-17:30h
      Preço: R320 (R$103) e funicular  R85 (R$28 ida e volta) ou R70 (R$23 só ida)
        Cabo da Boa Esperança

      ROTEIRO DIA A DIA EM CAPE TOWN
      Dia 01: The Old Biscuit Mill Market (só aos sábados), Robben Island, V&A Waterfront; cinema ao ar livre; balada a noite

      Dia 02: St. George catedral (ao lado do Company’s garden), Company´s Garden, Castelo da Boa Esperança, Jardim Botânico Kirstenbosch, degustação de cerveja na Beerhouse a noite

      Dia 03: District Six Museum, bairro Ko Baap, Signal Hill (por do sol)

      Dia 04: table mountain, praia de camps bay (fim de tarde) e clifton beach; jantar no Gold Restaurant

      Dia 05: vá por Hout Bay; Chapman’s Peak; Cabo da Boa Esperança; Cape Point; Boulders Beach (alugue um carro)


      VINÍCOLAS
      Groot Constantia (mais antiga vinícola)
      Horário: todos os dias de 9-17h
      Preço: R115 (R$38); obs.: a 15 min de Cape Town
      Stellenbosh (42 minutos de Cidade do Cabo): principal cidade do circuito de vinícolas da África do Sul, Stellenbosh é uma cidade universitária, com um centrinho bonito, agitado e cheio de bons cafés, bares e restaurantes. Existem dezenas de (ótimas) vinícolas pela região.
      Franschhoeck (40 minutos de Stellenbosh): uma cidade bem pequenininha, situada no meio de um vale de montanhas. Bem romântica e ideal para descansar e para quem gosta de vinhos e belas paisagens. Os restaurantes também são muito bons.

      Aqui pode-se encontrar o Wine Tram, um passeio em ônibus e trem, que percorre varias vinícolas da região, dependendo da linha que se escolhe, no momento da compra. São 08 linhas classificadas por diferentes cores e cada uma apresenta diferentes roteiros. Ideal para quem não quer ficar bebendo e dirigindo entre uma vinícola e outra. Esta foi nossa opção e adoramos. 
        Vinícola da rota da Wine Tram

      ROTA JARDIM – Gansaai, Cabo das Agulhas, Oudtshoorn, Knysna, Tsitsikama/Storms River Plettemberg Bay 
      obs.: algumas das informações abaixo foram retiradas do site I Love Trip.
      Gansbaai (1h40min de Franschhoeck) – mergulho com tubarões: esse é o melhor lugar para você fazer o incrível mergulho com tubarão branco da África do Sul. Não deixe de incluir esse passeio no seu roteiro de viagem.  Quanto tempo: manhã. 

      Existem várias empresas que realizam este passeio em Gansbaai, são elas:
      1. Great White Shark Tours
      2. Marine Dynamics
      3. Shark Diving Unlimited
      4. White Shark Ventures (R1750 ou R$488; nossa escolha e super recomendo)
      5. White Shark Projects
      6. White Shark Diving Company
      7. African Shark Eco Charters

      Obs.: caso não seja possível a visualização de tubarões, já que o local é apenas rota para esses animais, algumas escolas disponibilizam voucher para re-agendamento em outro dia.

      Cabo das Agulhas (1h20min de Gansbaai) – o Cabo das Agulhas marca o encontro dos oceanos Índico e Atlântico, estando junto a um Farol, que também pode ser visitado.
        Cabo das Agulhas

      Oudtshoorn (3h45min de Cabo das Agulhas) – muitos fazem um desvio na Garden Route para ir até Oudtshoorn, a capital mundial do avestruz, com diversas fazendas de avestruzes. Esse desvio só vale a pena se você fizer questão e tiver tempo. A principal atração turística da cidade é a Cango Caves, cavernas com tour para visitação.

      Highgate Ostrich Show Farm (fazenda de avestruz)
      Preço: R372 com almoço (R$120); tour parte de 8-16 e almoço de 11-14h

      Cango Caves
      Horário: 9-15:30h; o passeio dura 60 minutos (Heritage Tour) ou 90 minutos (Adventure Tour); a temperatura é de 18o
      Preço: R120 (R$39) ou R180 (R$59)
          Cango Caves

      Knysna (1h40min de Oudtshoorn) – uma das cidades mais importantes para o turismo na África do Sul, Knysna (a pronúncia é “Naisna”) tem um charme e elegância com seus morros de calcário e a lagoa formada pelas águas do Oceano Índico. Um píer charmoso, além de mirantes, passeios e bons hotéis e restaurantes tornam o lugar bastante agradável. Knysna também é conhecida como a capital mundial das ostras.

      Plettenberg  Bay (30 min de Knysna) – uma das principais cidades turísticas da África do Sul que não pode ficar fora do seu roteiro. A cidade praiana é super charmosa, com bons restaurantes e hotéis e vistas incríveis do mar para observação de golfinhos; e ainda, com dois parques imperdíveis. Base para visitação das reservas Robberg e Storms River e para o salto de bung jumpee.

      Reserva Robberg
      Horário: 7-20h
      Preço: R50 (R$16) day acess

      Storms River National Park
      Horário: 6-22h
      Preço: R290 (R$94), incluídos passeio de caiaque, trilha até a ponte suspensa e trilha ao topo da montanha (1h30min).

      Obs.: Você também pode dormir em um dos alojamentos do parque (faça essa escolha como base para visitação da Reserva Robberg, Storms River e bung jumpee).

      Face Adrenalin (bungee jump) – nessa região fica uma das atrações turísticas mais conhecidas da África do Sul, o mais alto bungee jump de ponte do mundo, com 216 metros. O visual é incrível com muito verde e o Oceano Índico ao fundo. Quanto tempo: meio dia.
      Horário: 9-16h
      Preço: R1400 (R$453) + R400 (R$130 foto e vídeo)

      Port Elizabeth (45min de Tsisikamma) – é uma cidade banhada pelo Oceano Índico, colonizada pelos ingleses e com grande valor histórico. Com praias, comércios e vida própria, a cidade é procurada para o turismo na África do Sul e é ponto de partida para iniciar ou finalizar a Garden Route. Se quiser conhecer mais a cidade fique um dia.

      Obs.: em Port Elizabeth, na reserva Dorkin, pode-se visitar a Escultura da Fila da Votação, que marcou a primeira eleição democrática do país, gratuitamente.


      PONTOS TURÍSTICOS DE JOHANNESBURGO É necessário pegar um avião de Port Elizabeth para Johannesburgo (R$350 em 2018).
      Joanesburgo City sightseeing: R320 (R$103) 2 dias e R255 (R$83) 1 dia; Ticket office: Tyrwhitt Avenue pedestrian zone, next to Hamleys; 9-19h

      Museu do Apartheid
      Horário: todos os dias de 9-17h
      Preço: R100 (R$33)
      Obs.: reserve ao menos 3h para visitação.

      Soweto (bairro onde morou Mandela – passeio de bike)
      Preço: R550 (R$178 por 2h)

      Nelson Mandela Square e Sandton City: um grande complexo comercial em uma das regiões mais desenvolvidas de Johannesburgo

      Constitution Hill (prisão onde ficou Mandela)
      Horário: todos os dias de 9-17h
      Preço: R100 (R$33)
      Obs.: contratamos o serviço do guia Ruben, de Moçambique e que fala português. Ele cobrou o valor de R500 (R$140) por pessoa para percorrer os principais pontos turísticos da cidade de 9-16h, com parada para o almoço (não incluído no valor). Contato: +27 73 157 2611 / +27 60 507 4039.


      HOSPEDAGENS DA VIAGEM AVALIADAS POSITIVAMENTE

      Melhores bairros em Cape Town: Green Point, Waterkant e Beira mar 

      Hospedagem em Cidade do Cabo – The Greenhouse Boutique Hotel

      Hospedagem em Ganssai – 28 Kolgans

      Hospedagem em Outdshoorn – Karoo Retreat

      Hospedagem em Plettenberg  Bay – Riverclub Villa 4200 (melhor hospedagem da viagem)

      Hospedagem em Graskop – Blyde Lodge

      Hospedagem em Johannesburgo (pernoite para retorno ao Brasil) – Europrime Guesthouse (café e transfer gratuito)

      Obs.: os carros foram alugados pela rentalcar.


      SAFARI (O QUE LEVAR)

      – Repelente: Use na pele exposta e nas roupas também. O mais eficaz é o repelente à base de dietiltoluamida (DEET). É importante reaplicá-lo a cada 3 horas (no caso de concentração de 20%), 6 horas (concentração de 30%) ou 12 horas (50% de DEET). Atenção! O repelente deve ser aplicado DEPOIS do filtro solar.

      – Use roupas que protejam todas as áreas do corpo, com mangas compridas, calças compridas, roupas soltas, e sempre use meias (sei que às vezes pode estar calor… Mas tente!!!). Pulverize as roupas com permetrina (presente em inseticidas e repelentes) para reduzir o risco de mordida através da roupa. O site Extreme UV vende camisas anti-mosquito e com proteção UV (super frescas no calor).

      – As recomendações são usar roupas de tons pastéis, não usar perfumes muito fortes, não levantar, não gritar e não falar alto, principalmente se estiver próximo dos animais; não fumar. Levar uma roupa de frio, levar óculos escuros, chapéu/boné, repelente e protetor solar. Não esquecer máquina fotográfica e, se puder, um binóculo.


      PONTOS TURÍSTICOS DO BLYDE RIVER CANYON (Rota Panorâmica)

      1. Lisbon Falls: 8-17h; R10 (R$3) e Berlim Falls
      2. Bourke’s Luck Potholes: 7-17h; R63 (R$18)
      3. Three Rondavels: 7-17h; R30 (R$9)
      4. God’s Window: 7-17h; R17 (R$5)
      5. The Pinnacle Rock: 7-17h; R17 (R$5)
       
      Three Rondavels
        Bourke’s Luck Potholes

      Uma dica de restaurante na rota é o Kadisi Restaurant, dentro do Forever Blyde Canyon Resort; serve comida africana e tem uma vista espetacular. O restaurante está ao lado da Three Rondavels.


      MERGULHO EM UNKOMAAS (40min de Durban)
      Para quem pratica mergulho, em Unkomaas é possível mergulhar com os tubarões sem gaiola. A experiência é incrível. Esse mergulho é chamado de Baited Dive.

      Contratamos o serviço da Blue Ocean Dive, que nos fez um pacote com 04 mergulhos (tubarão, naufrágio e dois arrecifes), todo o equipamento, transfer, café da manhã e hospedagem para 02 dias por R$1.500 por pessoa.

      A estrutura do local é absurda. Trata-se de um prédio onde estão alocados o hotel, restaurante e dive center.

      É necessário ser mergulhador avançado com o mínimo de 30 mhttp://www.feitaprafugir.com.brergulhos. Isso porque é realmente um mergulho bem independente. A DM repassa as informações e você cuida de si e do seu dupla dentro da água. 
×
×
  • Criar Novo...