Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Sandrojf

COMO LEVAR GRANA PARA O EXTERIOR?

Posts Recomendados

Amigos viajantes!!

Uma duvida na qual estou tendo em um primeiro momento bem básica mas de grande importância. Estou me programando para ir aqui do ladinho aos nossos amigos portenhos e preciso levar uma verba. Eis a questão, sera que funciona de boas os nossos cartões sem serem internacional?  Travel Money e Cash passaport alguém indica um que converta em pesos, os que tenho achado na praça tem uma puta desvantagem em carregar em dolar e converter para pesos.

Se alguem que foi para a Argentina tem uns bizus maneros de levar grana , agradeço a ajuda.

 

Obrigado a todos

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Cartão somente internacional, tem 6.38% de IOF a cada transação, se for sacar, taxas do seu banco, mais taxas do banco local. Leve reais e seja feliz !

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Sandrojf Também estava com está dúvida quando fui à Argentina, porém se for usar o cartão de crédito use o menos possível, pois tem o IOF. Levei o nosso modesto real e fui fazendo a troca nas casas de câmbios em Buenos Aires e em Mendoza sem nenhum problema. 

52 minutos atrás, Sandrojf disse:

sera que funciona de boas os nossos cartões sem serem internacional?

Não irá funcionar, até porque o cartão internacional deverá ser desabilitado previamente com a sua operadora de cartão para o uso internacional ou em viagem internacional (países e período de viagem).

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu levei só dinheiro físico e troquei por lá mesmo. Quanto a hospedagem, se vc tem cartão de  credito nacional é só comprar a hospedagem antecipadamente do Brasil mesmo. Não tem necessidade de fazer outro cartão só pra isso, ao meu ver.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
22 horas atrás, Sandrojf disse:

Travel money tipo >  Master Card Cash Passaport sera q vale a pena ao menos para  pagar o hotel?

Você pode usar para praticamente tudo! É como um cartão de debito. Leva um pouco de grana para pequenas despesas...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Minha primeira viagem para fora do pais tmb foi para países aqui da América do Sul e estava preocupado em relação de a levar dinheiro em espécie e preferi usar a opção de sacar por onde fosse passando e tmb usar cartão de crédito para emergências, msm sabendo das taxas.

Solicitei a liberação do cartão para uso no exterior e achei que estava td ok, mas o banco não me informou que meu limite para saque mensal no exterior e menor q meu limite de saque no país ai acabei me enrolando, pq o limite era muito baixo, ai o q salvou a viagem foi minha namorada, q tinha levado dinheiro suficiente para o restante da viagem. E nesta mesma viagem vi q os riscos de andar com dinheiro em especie era menor do que os riscos de acontecer qq problema com o cartão ou chegar em locai sem ATM.

Ai nas outras viagens já levei td q ia usar fora do pais, ai só ia fazendo cambio. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Cara, ali na Argentina vc pode levar reais e, quem sabe, alguns doláres. 

Tente evitar de fazer saque. Tem taxas.

Com reais ou doláres, ali na Calle Florida vc encontra boas opções para trocas pesos. Veja no seu hostel (se for ficar em um, é claro), as taxas para câmbio, as vezes valem a pena.

Boa trip!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por gabsml
      Olá gente, tudo bem?
       
      Farei uma viagem para Europa dia 21/02, e estou com algumas dúvidas gerais... assim, queria pedir a ajuda de vocês.
      Para vocês entenderem melhor o roteiro, farei uma mistura de work exchange com mochilão. Serão 40 dias no work exchange, com tudo incluso, então não terei gastos (ou se tiver, serão bem mínimos) e 24 dias de mochilão, de fato. O roteiro é: Amsterdam, Ootmarsum, Bruxelas, Bruges, Frankfurt, Praga, Český Krumlov e Berlim.
      A ideia é fazer grande parte dos trajetos de ônibus, mas o que não der ou não compensar, de trem.
      Primeira dúvida: geralmente falam que comprar as passagens de trem na hora ou com pouco tempo de antecedência custa bem mais caro... qual a experiência de vocês? Porque como serão 2 meses, fico com medo de dar algum problema no caminho, ter que mudar os planos e perder tudo que eu comprei com antecedência...
      A outra dúvida é quanto à bagagem: minha passagem me dá direito a bagagem de mão, apenas, sem mala despachada. Pelo que eu pesquiso e ouço todos falando, os limites são sempre de até 10kg pelas regras da ANAC. Porém, quando entro na página da British Airways para checar (https://www.britishairways.com/pt-pt/information/baggage-essentials/hand-baggage-allowances) eles colocam as dimensões da bagagem de cabine e da de mão, e falam que as duas podem ser até 23kg. E aí, eu fiquei confusa hahaha qual limite de bagagem que vale? O determinado pela ANAC ou pela cia aérea? É a primeira vez que eu viajarei de mochilão, então tô realmente perdida... minha mochila é a Escape 50l da Quechua, que está dentro das dimensões descritas. Não pretendo ultrapassar muito os 10kg, mas queria saber se eu tenho esse direito, assim fico mais livre para comprar algo durante a viagem :)
      E oooutra dúvida: o dinheiro que estou levando são 1000 euros para 24 dias de mochilão. Esse dinheiro dá? As hospedagens já estão reservadas e embutidas nesse valor, muitas estadias tem o café da manhã incluso, pretendo comprar comida no supermercado, enfim... só não sei ao certo quanto dará de transporte e passeios em geral. Deixem a opinião de vocês, please hahaha
      Agradeço desde já, gente!
      Bjs
    • Por marcelalbsiqueira
      EAE!!  Estou pretendendo fazer um bate e volta saindo de Natal para a Praia dos Carneiros em um feriado.. gostaria das melhores dicas para o passeio la em um dia e quanto em valor preciso separar para esses passeios  
       
    • Por Thiago e Priscila Blumenau
      Olá amigos da comunidade Mochileiros.com.
      Aqui é o Thiago e a Priscila. Nós moramos na cidade de Blumenau-SC.
      Em dezembro de 2018 fizemos nossa viagem de carro até San Pedro de Atacama no Chile. 
      A comunidade mochileiros.com nos ajudou bastante, pois no site conseguimos várias dicas e conhecemos outras pessoas que também nos ajudaram com informações. Por esse motivo queremos compartilhar nossa experiência. E quem sabe poder ajudar ou até mesmo encorajar outras pessoas a saírem do sofá e encarar essa aventura.
      Para realizar esta viagem primeiro nós fizemos algumas pesquisas, como por exemplo: documentos necessários, seguros obrigatórios, melhor roteiro, condição das estradas, hotéis, pontos turísticos, custo com passeios, custo com alimentação, custo com gasolina, custo com pedágios, melhor câmbio, o que levar na bagagem, etc. 
      Juntamos todas essas informações numa planilha e então começamos a trabalhar nela. Então no mês de Setembro/2018 começamos a fazer as contas e preparar tudo o que precisava para viajar.
      Nessa primeira parte vamos tentar abordar o máximo de informações com relação ao roteiro, situação das estradas, GPS, câmbio, aduanas, seguros, itens obrigatórios, pedágios e combustível. 
      Na segunda parte vamos falar um pouco sobre San Pedro de Atacama e sobre os nossos passeios.
      Então vamos ao que interessa:
      Nessa viagem foram 04 pessoas: Eu (Thiago), minha esposa Priscila, meu Pai e a namorada do pai.
      Saída de Blumenau: 22/12/2018.
      Chegada em San Pedro de Atacama: 25/12/2018.
      Saída de San Pedro de Atacama: 31/12/2018.
      Chegada em Blumenau: 03/01/2019.
      Carro utilizado: Peugeot 207, ano 2012. Motor 1.4, c/ 04 portas.
      Roteiro/Condição das estradas/Pedágios:
      Dia 01 - Blumenau - SC x São Borja - RS. Total: 860 Km.
      Esse caminho é o mais curto, porém tem muitos trechos com pista ruim (buracos, desníveis, etc.), além disso tem muitos radares e lombadas eletrônicas. O motorista tem que ficar atento.
      Pedágios:  Nenhum.
      Dia 02 - São Borja-RS x Presidência Roque Sáenz Peña - Argentina. Total: 620 Km.
      As estradas são boas, pelo menos são melhores que do que as do Brasil.
      Pedágio 01: logo que passa a Aduana, já tem um guichê de pedágio. Valor pago em moeda brasileira: R$ 50 para veículos de passeio. (na volta ao Brasil, o valor é R$ 65)
      Pedágio 02: RN-12 aprox. no Km 1262. Valor: 50 Pesos Argentinos.
      Pedágio 03: RN-16 aprox. no Km 05. Valor: 40 Pesos Argentinos.
      Pedágio 04: RN-16 aprox. no Km 60. Valor: 65 Pesos Argentinos.
      Dia 03 - Presidência Roque Sáenz Peña (Argentina) x Salta (Argentina). Total: 630 Km. 
      As estradas também são muito boas.
      Observação: na RN-16, entre os KM 410 e 481 a estrada é "horrível". Tem muitos buracos. Buracos gigantes. Você vai perder tempo desviando deles.
      Pedágios: RN-09 chegando na cidade de Salta. Valor: 25 Pesos Argentinos.
      Dia 04 - Salta (Argentina) x San Pedro de Atacama (Chile). Total: 580 Km.
      As estradas também são muito boas.
      Observação: Nós usamos o caminho Paso de Jama, que é melhor, pois é todo asfaltado até San Pedro de Atacama.
      Pedágios:  Nenhum.
      *Na volta pra casa fizemos o mesmo trajeto. 
      Hospedagem:
      Dia 01 - Dormimos na casa de parentes. Não tivemos gastos com hospedagem nesse dia.
      Dia 02 - Ficamos hospedados no hotel de campo El Rebenque, que fica na cidade de Presidência Roque Sáenz Peña (Argentina).
      Dia 03 - Ficamos hospedados no hotel Pachá, que fica na cidade de Salta (Argentina).
      Dia 04 - Ficamos hospedados no hostal Casa Lascar, que fica em San Pedro de Atacama (Chile).
      Aqui dormimos dia 25, 26, 27, 28, 29 e 30 de dezembro/2018.
      *Na volta pra casa ficamos nos mesmos hotéis.
      Câmbio:
      Peso Argentino: nós trocamos todo o dinheiro brasileiro por Peso Argentino na aduana, que fica logo depois da Ponte internacional, saindo de São Borja-RS.
      Valeu muito a pena trocar o dinheiro na aduana, pois pagamos 0,10 por cada Peso Argentino. Já em Blumenau a melhor taxa que encontramos foi 0,15.
      Comparação de preços Blumenau x Aduana Argentina:
      R$ 1 Mil reais trocados em Blumenau valem: 6.666 Pesos Argentinos (sendo: 1000 / 0,15)
      R$ 1 Mil reais trocados na Aduana valem: 10.000 Pesos Argentinos (sendo: 1000 / 0,10)
      Peso Chileno: nós trocamos R$ 1 Mil (reais) em Pesos Chilenos aqui em Blumenau, para ter um pouco de dinheiro na chegada à San Pedro de Atacama.
      O restante do dinheiro brasileiro nós trocamos em San Pedro de Atacama. Trocar o dinheiro em San Pedro valeu muito a pena, pois recebemos 170 Pesos Chilenos por cada R$ 1,00 (Real). Já em Blumenau a melhor taxa que encontramos foi de 154 pesos Chilenos por cada R$ 1,00 (Real).
      Comparação de preços Blumenau x San Pedro de Atacama:
      R$ 1 Mil reais trocados em Blumenau valem: 154.000 Pesos Chilenos (sendo: 1000 x 154)
      R$ 1 Mil reais trocados em  San Pedro de Atacama valem: 170.000 Pesos Chilenos (sendo: 1000 x 170)
      *Compare antes de trocar seu dinheiro.
      Combustível / Postos de abastecimento:
      Na Argentina tem dois tipos de gasolina: a Super (comum) e a Infinia (aditivada).
      Infinia: variava de 45 a 48 pesos.
      Super: variava de 41 a 44 pesos.
      *Abastecemos com gasolina Infinia nos Postos YPF.
      *No Chile não abastecemos, por isso não informamos os tipos e preços que existem.
      Na Argentina tem muitos postos de abastecimento durante o trajeto. O último posto fica bem próximo da Aduana, no Paso Jama (divisa entre Argentina e Chile).
      Depois da Aduana não tem mais posto durante o caminho. Vai ter um posto somente em San Pedro Atacama (distância entre Aduana e San Pedro Atacama: 160 KM aprox.)
      GPS:
      Nós utilizamos dois aplicativos de geolocalização: o Google Maps e o Maps.me. Levamos dois Smartphones, em um deles usamos o Maps.me e no outro com Google Maps.
      Antes de sair nós fazíamos os trajetos pela rede WiFi e depois saíamos para a estrada. Os dois aplicativos funcionaram muito bem no modo off-line.
      Dica: o aplicativo Maps.me funciona totalmente no modo off-line. Para isso é necessário baixar os mapas off-line da região que você vai passar. Exemplo: nós baixamos todos os mapas da Argentina, do Chile e também dos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 
      Seguros obrigatórios para seu carro:
      Na Argentina: seguro Carta Verde. Você pode fazer em qualquer corretora de seguros.
      Ele cobre danos a terceiros em caso de acidentes.
      Nós fizemos o seguro com a Porto Seguro, com a cobertura de até 15 dias. Custo: R$ 125. Débito em conta corrente.
      No Chile: seguro SOAPEX. Você pode fazer este seguro com a HDI do chile. Só digitar no Google "HDI Chile".
      Ele cobre danos a terceiros em caso de acidentes.
      Nós fizemos o seguro direto no site da HDI Chile, com a cobertura de até 10 dias. Custo: R$ 40. Pagamento somente no cartão de crédito. 
      *Veja se o seu cartão está liberado para realizar esta compra.
      Observação: em nenhum momento a polícia ou aduana nos cobrou esses documentos.
      Seguros para você:
      Nós optamos por não fazer nenhum seguro de vida ou de acidente. 
      Mas as empresas de seguro oferecem inúmeras modalidades.
      Avalie a que melhor se enquadra com seu bolso.
      Itens obrigatórios para o carro:
      Na Argentina:
      Vários blogs e pessoas nos disseram que teríamos que levar um monte de coisas no carro.
      Então nós entramos em contato com o departamento de trânsito da Argentina e também com o consulado Argentino no Brasil que fica em Florianópolis.
      Segundo eles, os itens obrigatórios são:
      - 01 Extintor de incêndio (exceto em motos);
      - 02 triângulos de segurança;
      - Além dos demais exigidos no Brasil (pneu estepe, chave de rodas e macaco).
      E tem também os itens recomendados: (notem que são recomendados, não obrigatórios)
      - Kit de primeiros socorros;
      Portanto, não é obrigatório levar o tal do "cambão", que muitos blogs informam ser obrigatórios.
      No Chile:
      Considerar todos os itens obrigatórios citados acima.
      E no Chile todos os motoristas são obrigados a ter no carro um "colete refletivo". Caso o motorista precise sair do carro para alguma manutenção ou emergência ele precisa estar vestindo o colete. Isso é LEI NACIONAL. Na dúvida leve um colete também.

      Observação:
      Na Argentina fomos parados diversas vezes pela polícia. Em quase todas as cidades que passamos ao longo do caminho a polícia nos parava para solicitar algum documento.
      Algumas vezes eles pediam os documentos de identidade e do carro. Em outras eles faziam o teste de bafômetro. Mas em nenhum momento a polícia precisou revistar o nosso carro.
      No Chile não fomos abordados.
      Aduana Brasil x Argentina: Muito tranquilo.
      O atendente solicita os documentos do carro e identidades.
      Preenche um formulário no computador.
      Por último entrega um recibo (parecido com um cupom fiscal de mercado). Este recibo precisa ser bem guardado, pois ele será útil na Aduana Argentina x Chile.
      Não tem custo.
      Aduana Argentina x Chile: chato/demorado (pode ter fila e os atendentes são malas)
      A Aduana que nós passamos foi no Paso Jama.
      Tem 06 guichês.
      É necessário preencher um formulário em espanhol. Nesse formulário tem uma parte que fala se você está levando algum alimento que é "proibido".

      Após passar em todos os guichês eles entregam um recibo (parecido com um cupom fiscal de mercado). Este recibo precisa ser bem guardado, pois ele será útil na Aduana Chile x Argentina.
      Comidas não podem passar. Exemplo: frutas, verduras, carnes, lanches, etc. Tudo que é animal ou vegetal fica na Aduana. Alimentos processados passam. Alegação deles é que pode haver alimentos contaminados ou pragas. Se no formulário estiver a opção NÃO, mas na hora de revistarem o carro eles encontrarem alguma coisa, você leva uma multa.
      Após sair dos guichês vem um fiscal da vigilância sanitária e inspeciona o carro.
      Só depois de inspecionar o carro você está livre para seguir viagem.
      Não tem custo.
      *Na volta pra casa é necessário fazer tudo de novo, porém a vigilância sanitária não revistou o carro dessa vez.
      Espero que tenham gostado dessa primeira parte.
      Se tiverem algum comentário ou dúvidas por favor nos retorne.
      Um abraço.
    • Por Diogo Rodrigues
      Muito se discute qual a diferença entre uma viagem comum e um mochilão. Opiniões a parte, vou detalhar aqui como eu planejo minhas viagens e mochilões. Lembrando que este é meu modo, e que obviamente varia de pessoa para pessoa.

      DESTINO
      Os destinos das minhas viagens aparecem em minha vida das mais diversas formas: vejo fotos ou vídeos na internet, leio sobre iniciativas locais, e assim vai.
      Geralmente eu escolho um ponto turístico que quero muito ir, então pesquiso sobre a cidade/estado/país, vejo outros pontos turísticos próximos, cidades próximas, e então monto uma lista de lugares a visitar que julgo os com melhor custo benefício.
      Exemplo:
      Se meu sonho é conhecer o Cristo Redentor no Rio de Janeiro, ele pode ser meu ponto de partida. Então vejo outros pontos turísticos de lá, como o Pão de Açúcar, Pedra do Telégrafo, Parque da Laje, Museu do Futuro, Mirante Dona Marta, e assim vai. De um ponto de interesse, eu pesquisei coisas próximas, e montei a base do que vou visitar.
      PASSAGEM
      Sabendo para onde quero ir, pesquiso sobre como vou para o destino. Caso tenha possibilidade e disponibilidade (tempo), eu pesquiso primeiro passagens de ônibus, e verifico se a economia é suficiente para justificar o tempo que iria gastar na viagem. Por exemplo: ir de ônibus para a Bahia leva tanto tempo, que compensa mais ir de avião. Sem contar que o ônibus para lá nem é tão barato assim, e é possível encontrar boas promoções de passagens aéreas. E as vezes nossas folgas são tão curtas, que perder um dia e meio em um ônibus, pode sacrificar vários passeios no local.

      Eu pesquiso primeiro em algum site que compara preços, como o Decolar. Achando a passagem que quero, vou diretamente no site da companhia e compro lá mesmo. Assim, evito as taxas que esse site de site cobra.
      Caso eu tenha disponibilidade de dias, sempre verifico se não fica mais barata ir um dia antes do planejado, ou voltar um dia depois. As vezes essa mudança gera uma economia de centenas de reais.

      Nessa tabela podemos ver um exemplo do que falei.
      Indo sábado, dia 02 de março de 2019, e voltando na terça, dia 05, você pagaria 1567 reais. Já indo dia 4 e voltando dia 8, o valor cai para 812 reais!
      Em 2017 fui para uma comunidade alternativa na Bahia chamada Piracanga, e com essa técnica paguei 400 reais na passagem de ida e volta!
       
       
      HOSPEDAGEM
      Com o destino escolhido, e a passagem comprada, agora vou atrás de um lugar para ficar, de acordo com a grana que tenho, e com a experiência que desejo ter.
      Eu gosto muito de natureza, e tento integrar minha hospedagem com ela. Pesquiso no AirBnb cabanas de madeira, casas em meio a floresta, casas na árvore, etc. Também me agrada muito ficar em Hostels (albergues), pois a integração com outras pessoas é enorme! Você conhece outras realidade, países, pessoas, culturas, além de treinar sua inglês, espanhol... E os preços dos hostels costumam ser bem atrativos, deixando a viagem mais barata, podendo-se até fazer passeios a mais, pois você gastou menos com hospedagem.

      Recentemente fiquei nesta casa na árvore, pelo AirBnb. Ela tinha café da manhã, uma vista linda, e dividi a casa com os moradores. Conversamos sobre vários assuntos, conheci a vida deles, eles a minha, e tive uma interação maior com pessoas e com o local, pois os locais sempre dão dicas do que visitar da região.


      Em hostels eu costumo ligar ou mandar e-mail diretamente para eles, pois qualquer taxa que eles paguem para o site de reserva pode virar uma economia. Quando fui para o Chile, pesquisei um hostel que era uma casa de madeira em meio a uma vegetação, e fiquei encantado. Liguei para lá sem falar nada de espanhol, e depois de alguns minutos, já estava com a reserva feita. As pessoas são bem solícitas, e tentam de toda forma ajudar quem precisa.
      Exemplo do Booking, site onde você pode pesquisar pela data e destino, e receber indicações de hospedagem:

      Uma experiência no AirBnb:
       
       
      COMPILANDO AS INFORMAÇÕES
      Agora você já tem um destino, um local para dormir, e sabe como vai chegar até lá, mas ainda falta muita coisa!
      Chegando no aeroporto, como você vai até o local de hospedagem?
      Alguns hostels, pousadas, ou hotéis, possuem convênio com serviços de transfer, que te buscam no aeroporto ou rodoviária. Caso você queira um serviço desse (mais caro que um ônibus ou metrô), deve conversar com o estabelecimento, e contratá-lo.
      Eu busco sempre uma alternativa mais barata, já peguei carona, fui de taxi, uber, ônibus comum, fui a pé, mas em uma determinada situação, eu precisava estar no aeroporto 6 da manhã. Contratei então o transfer, uma van que passou em diversos hotéis e pousadas, pegando as pessoas para deixá-las no aeroporto.
      O próximo passo é separar as atividade por dia!
      Essa ordem de atividades deve ser feita com um critério muito simples: distâncias.
      Se na parte da manhã você vai em uma praia, que ao lado dela exista um lugar que você quer almoçar, marque para a tarde algo próximo. E deixe para o próximo dia algo que fique mais distante de lá. Assim você economiza o tempo e dinheiro do deslocamento.
      No próximo dia faça o mesmo, em outra região. Tudo pode ser consultado pelo Google Maps, assim você mede as distâncias, e faz mais por menos.
      Exemplo de roteiro em São Paulo:
      Dia 1 - Café de manhã no Hostel, caminhada no Parque Trianon e avenida Paulista, almoço na Rua Augusta, a tarde vai até o Beco do Batman, suco em algum local próximo, e depois Praça do por do Sol.
      Dia 2 - Café da manhã no Hostel, museu da imigração na parte da manhã, almoço do Mercado Municipal, e depois atravessar a rua para visitar o Museu Catavento.
      E assim vai o restante dos dias.
      Atrações próximas criam a possibilidade de ver mais coisas em sua viagem!
       
      ECONOMIA
      Algumas formas de economia nas viagens:
      No caso de AirBnb e Hostel, pelo menos algumas vezes durante a viagem, eu cozinho minha própria comida. Isso gera uma economia de dinheiro, e depois posso gastá-lo com outros passeios, comer em algum lugar mais caro, ou mesmo viabilizar a própria viagem, pois em alguns casos eu já fui planejando cozinhar, ou então eu não poderia ter viajado.
      Compre os ingredientes no mercado e use a cozinha comunitária. Geralmente eles já possuem sal, óleo, e outras coisas básicas.
       
      TRANSPORTE DURANTE A VIAGEM
      Para ir de uma atração a outra, caso não seja possível ir a pé, você terá que pegar um transporte. Em alguns países existem cartões que você pode recarregar e pegar ônibus e metrô. Em cidades maiores o Uber está presente, e se torna uma opção barata, mas atenção para as cidades que o serviço é proibido, e pegá-lo mesmo assim pode complicar sua viagem, caso seja pego.

      Cartão de Santiago - Chile.
       
      PREVISÃO DO TEMPO
      Embora seja algo que não podemos planejar, podemos usá-la a nosso favor para minimizar os transtornos que uma chuva pode causar.
      Por exemplo:
      No dia 1 você vai a um museu, e nesse dia a previsão é de Sol.
      No dia 4 você vai fazer uma trilha, mas a previsão é de chuva.
      Você pode inverter os passeios, e assim aproveitar os dois!
       
      Exemplo de roteiro visual:

      Dicas gerais:
      Verificar feriados locais, pois pode ter muita coisa fechadas nessas datas.
      Buscar cardápios de restaurantes na internet, isso pode poupar tempo e dinheiro, pois se for mais caro do que você deseja, você nem vai.
      Baixar aplicativos que podem ajudar a sua viagem: previsão do tempo, uber, bla bla car, app da companhia aérea (fazer checkin antecipado), etc.
      Caso seja um país de outra religião diferente da sua, verificar se você não vai desrespeitar costumes. Por exemplo, na Tailândia você não pode ter uma tatuagem de uma cabeça de Buda.
      Verifique se a cotação para trocar o dinheiro é melhor no destino. Trocar no Brasil quase sempre não é vantajoso.
      Verifique sem o país pede alguma vacina, como febre amarela. A maioria das vacinas precisa ser tomada alguns dias antes da viagem, e se você esquecer e tomá-la no dia anterior, ainda assim não poderá embarcar.
      Para países do Mercosul você pode viajar somente com RG recente. Não vale CNH, somente o RG.
       
      Agora é hora de fazer se roteiro e viajar!
      Good trip!
       
      *Eu fiz esse post originalmente para o meu blog de viagens, mas postei aqui porque ele pode ajudar muito mais pessoas do que o meu blog consegue alcançar*
       
    • Por l3andro
      Olá pessoal ,estou com imensas dúvidas em relação ao transporte de dinheiro para a asia e como devo fazer com o câmbio ,a moeda que levaria seria o Euro , mas não sei como devo de levar ,se devo levar cartão ,que tipo de cartão , como devo cambiar la nos paises etc ... ????
       Agradeço a vossa ajuda ,obrigado !


×