Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Marcos H

Cuba: 8 dias, pouco dinheiro, Habana e algumas praias.

Posts Recomendados

Vou relatar aqui pela primeira vez uma viagem, porque essa viagem a Cuba foi muito foda.

Cheguei em Habana no dia 05/11/18, vindo de Cancun. Estou vivendo em Mérida, Yucatán, México, mas o voo de Cancún a Habana saiu muito mais barato que de Mérida a Habana. Não precisei vacinar contra febre amarela, me informei antes em um hospital do México e com a empresa aérea Aeroméxico sobre a exigência da vacina. Pelo que entendi, a exigência é para voos que saem do Brasil e de outros países que estão em uma lista de risco da doença.

Havia reservado um quarto pelo Rbnb no centro de Habana, na Calle Jovellar esquina com Calle Hospital, por 10 cucs diários. No aeroporto, conheci um italiano e dividimos um taxi que custou 25 Cucs até a casa onde eu ficaria.

No aeroporto troquei meu dinheiro por cucs. Trazia pesos mexicanos. Não é boa ideia vir a Cuba com dólares, porque é cobrada uma taxa de 10% para o câmbio.

A primeira coisa que devemos ter em mente é que existem duas moedas em Cuba, o Peso Convertível, Cuc, usado principalmente pelos estrangeiros, e o peso Cubano, também chamado de moeda local, usado principalmente pelos cubanos. Lembre-se que 1 cuc = 24 pesos cubanos. As pessoas às vezes podem usar o termo “pesos” para se referirem às duas moedas, e é preciso confirmar se estão falando de cucs ou de moeda local. Também usam o termo dólar para se referirem a cucs. Porque 1 cuc = 1 dólar. 

Alguns estabelecimentos colocam os preços em Cucs e outros em pesos cubanos. Normalmente, esses últimos costumam ser mais em conta, porque seus clientes são predominantemente cubanos. No geral, se você vê um refrigerante, por exemplo, anunciado por $1.00 ou $2.00, é porque está em cucs. Se um refrigerante está anunciado por $25.00, é porque está em pesos cubanos. Quase todo estabelecimento opera com as duas moedas, é muito fácil trocar cucs por pesos cubanos. Eu sempre andava com pesos cubanos e cucs também. Algumas vezes que pedi para pagar em cucs quando estava anunciado em moeda local, acabei pagando mais caro.

Os ônibus operam com pesos cubanos, são baratos, normalmente um peso cubano. Mas é muito complicado pegar ônibus sem o auxílio de algum cubano, principalmente dentro de Habana. Para ira de Habana a uma praia ou de uma praia a outra, durante o dia, é mais fácil. Os taxis operam com cucs e para mim foi difícil pegar um taxi sem que o motorista me cobrasse, ou tentasse cobrar, mais caro . É necessário ter isso em mente e tomar certos cuidados. Se um taxi vale 1 cuc para um cubano, por exemplo, é possível que o motorista cobre 2 cucs ou até 5 cucs para um estrangeiro. Mas conversando ele pode baixar para 1 cuc, ou ficar nos 2 cucs.

É necessário ter uma postura firme e decidida na hora de comprar algo ou contratar um serviço em Cuba. E ter jogo de cintura. Se você esboça insegurança, você sairá prejudicado. Podem aumentar o preço e você não percebe, ou percebe, mas já foi, já está pagando e vocês dois estão rindo, mas no fundo você está pensando “porra, me fodi de novo”. Eu sempre andava com dinheiro trocado e preferia comprar nos lugares onde os preços dos produtos estavam anunciados em etiquetas, cardápio ou painel de preços etc.

Em Havana, há muitas pessoas nas ruas. Podem pedir dinheiro ou comida a um estrangeiro ou podem tentar oferecer algum serviço. Um homem de meia idade me cumprimentou, perguntou de onde eu era, quando eu respondi que era do Brasil ele disse que havia um cinema ali perto com filmes brasileiros, me disse “vem cá pra você ver onde é...” Quando eu, já havíamos chegado no cinema. De aí fomos até a Universidade de Habana, que de fato eu queria conhecer, depois um estádio onde havia um jogo de beisebol amador, vários bairros do centro muito interessantes onde eu nunca teria entrado sozinho, sem a companhia de um cubano, depois, praça da revolução e outros lugares. Perguntei a ele várias vezes quanto ele me cobraria, porque é obvio que ele já estava prestando um serviço. Ele sempre dizia “tranquilo amigo, não se preocupe, depois vemos isso, sei que você não é milionário”, coisas assim. Por fim ele quis me cobrar 100 cucs. O que é uma fortuna. Por fim paguei 25 cucs, o que para mim foi caro. Além de ter terminado em uma situação desagradável e tensa, que eu poderia ter evitado. Mas começou com uma bobeira minha, porque deveria ter definido o valor antes, mesmo que a princípio ele tenha se negado a responder, se esquivando. O passeio foi realmente interessante. Mas teve um preço alto. Valeu como aprendizado.

Esse tipo de situação é o maior risco que se corre em Cuba, na minha opinião. Não vi assaltos e nem casos de violência. Mas não me arrisco a dizer que não existem, porque essas informações não são divulgadas. O melhor a se fazer em uma situação dessas de coerção e extorsão é dizer que não tem dinheiro, ou “só tenho isso”, “infelizmente só tenho isso” etc. O dono da casa onde aluguei o quarto em Havana disse que se uma situação chegar em um nível mais crítico, o melhor é dizer “por favor, no me moleste”. Molestar turistas é crime em Cuba.

Como eu disse anteriormente, é necessário estar sempre muito atento e ter muito jogo de cintura e ao mesmo tempo ser enfático, decidido, tomando cuidado para não ser prepotente. Muitos cubanos reclamaram de turistas europeus e a prepotência deles.

Havana estava muito intensa. Conheci os lugares mais famosos: Universidade de Havana, Praça da Revolução, Capitólio, Malecón etc, tomei mojitos, fui a um show muito bom de música cubana num lugar chamado Gato Tuerto, a entrada custou 5 cucs. Haveria um show em um lugar chamado Guacirito, com músicos do Buena Vista Social Club, mas não fui porque achei  muito caro, 30 cucs. Para mim, faltou conhecer a Fabrica de Arte Cubana e o Callejon de Hamel no domingo de manhã/tarde, que é um lugar importante para os praticantes das religiões afro-cubanas.

Cansei da intensidade de Havana e fui conhecer Guanabo, que é uma praia muito tranquila frequentada principalmente por cubanos, com restaurantes, banco, casa de câmbio, lojas, barracas com comida boa e barata. Há alguns quartos para alugar, pode-se procurar as placas de aluga-se nas ruas próximas à principal. Consegui um quarto por 15 cucs com a ajuda de um amigo que conheci em Guanabo. Era 20 cucs, ficou por 15.

Para chegar a Guanabo, peguei um taxi na Calle San Lazaro, centro de Habana, até o Capitolio. Era um taxi compartilhado, esses carros clássicos muito antigos, dos anos 50, que são a cara de Cuba. Custa 1 cuc. Depois caminhei até o Terminal de Trenes. Em frente ao Terminal, há uma pequena praça de onde saem outros carros iguais ao primeiro que vão às praias como Guanabo e Mar Azul. Custa 1 cuc. A viagem é rápida e bastante bonita, porque na metade do percurso se pode ver o mar à esquerda.

Vou relatar também aqui, para servir de precaução, uma outra situação. Antes de entrar no taxi que me levou da calle San Lazaro até o Capitólio, confirmei o preço: 1 cuc, mas na hora de pagar, o motorista me cobrou 2 cucs. Eu disse “mas você falou que seria 1 cuc”. Ele disse “não, te falei 2 cucs”. Haviam mais dois homens no carro que ficaram do lado do motorista, e confirmaram a versão dele. Como eu não iria criar caso ali por conta de 1 cuc a mais ou a menos, paguei os 2 cucs e desci emputecido. No caminho, vários homens me perguntavam de onde eu era para tentarem puxar assunto e/ou oferecer um serviço. Como eu já estava calejado e emputecido, dizia apenas: “Brasil”, e seguia. Funcionou. Chegando em Guanabo, antes que o motorista tentasse fazer o mesmo que o primeiro, entreguei um cuc trocado e desci sem falar muito.

Guanabo é muito mais tranquilo e mais em conta. Decidi ficar os próximos 4 dias em Guanabo. Comi uma refeição, frango com arroz e salada por 5 cucs em Habana. E por 25 pesos cubanos (ou seja, 1 cuc) em Guanabo. Tomei uma cerveja, Presidente ou cristal, por até 2.5 cucs em Habana e por 25 pesos cubanos (1 cuc) em Guanabo. Paguei o quarto, simples, mas com ar condicionado e banheiro por 10 cucs em Habana e por 15 cucs em Guanabo. Só o quarto saiu mais caro em Guanabo.

Um dia, no sábado, peguei um ônibus (os cubanos chamam de guagua) de Guanabo até Santa Cruz del Norte, um povoado tradicional cubano nada turístico. Achei interessante. Há casas simples e belas, uma fábrica de charutos, restaurantes, comi uns pães com croqueta deliciosos por 5 pesos cubanos no restaurante Kilombo. A pizza custava 10 pesos cubanos, muito mais barata que em Havana e até que em Guanabo. Caminhei, pela estrada onde param os ônibus, até uma praia de pedras muito bonita onde há um escorregador antigo de metal. Voltei à parada dos ônibus, há umas cachoeiras pequenas aí perto, no rio ao lado da estrada, mas não me atraíram muito. Peguei um outro ônibus até Matanzas, mas não entrei na cidade. Peguei um terceiro ônibus, uma espécie de ônibus taxi branco que custou 10 pesos cubanos, até Varadero. Gastei 12 pesos cubanos para ir de Guanabo a Varadeiro (2 onibus de 1 peso cada, um ônibus taxi de 10 pesos cubanos).

Varadero é uma das praias mais bonitas que já conheci. Muito turística, parece outra Cuba, tem mais estrangeiros que cubanos, tudo é mais caro. Mas fiquei apenas na praia, e depois comi uma pizza vegetariana por trinta pesos cubanos em uma rua do entorno. Segui em direção à estrada para pegar um ônibus (uma guagua) até Guanabo. Mas já estava anoitecendo e não passavam. Caminhei até o terminal de onde saem os ônibus pra Habana, e que passam por Guanabo. Mas também já não haviam ônibus. É preciso estar atento ao horário, o último ônibus que sai do terminal para Guanabo ou Havana é às 18h e custa 10 cucs. Haviam uns taxistas que queriam cobrar 60 cucs, depois 40 cucs, depois 20 cucs. Eu perguntei para varias pessoas como poderia chegar a Guanabo e, por fim, uma senhora me disse que acabava de chegar um ônibus (guagua), vindo de Habana, e que voltaria somente com cubanos, mas que ela conversaria com o motorista para me levar. O motorista pediu 20 cucs. Eu disse à senhora que só tinha 10 cucs. Ela voltou a falar com o motorista e depois me mandou subir na guagua e pagar a ele. Valeu a pena para conhecer Varadero.

Há várias formas de chegar até Varadeiro. É necessário perguntar e conversar com as pessoas para ir descobrindo as coisas e compreendendo algo mais sobre Cuba.

Fiz amizades incríveis em Cuba com pessoas que compartilharam coisas muito intensas e profundas de suas vidas e fizeram grande esforço em me ajudar, me proteger e ensinar como funcionam as coisas ali. Deixei alguns presentes, sigo me comunicando com um amigo que mandou fotos de sua filha usando uma mochila pequena que dei a ela. Desodorantes, perfumes, roupas, acessórios (óculos, mochilas), artigos de higiene, são ótimos presentes em Cuba, recebidos com alegria. Sugiro fortemente a quem vá, que leve algo dessas coisas e compartilhe. E converse com as pessoas, elas gostam de falar sobre suas realidades e como superam as limitações dia após dia. Assim conhecemos Cuba de verdade, para além da superficialidade dos passeios turísticos e das fotos no Capitólio.

Essa com certeza foi a melhor viagem que eu já fiz. E a mais intensa. Sinto muito carinho, respeito e admiração pelos cubanos, me ensinaram muitíssimo. Espero voltar um dia e estarei mais acostumado com a complexidade toda e com a intensidade que é viajar por esse país.

  • Gostei! 1
  • Obrigad@! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Gastei 7.180 pesos mexicanos, incluindo as passagens de Cancún a Havana que custaram 3000 pesos mexicanos. No total, seria algo como 1.436,00 reais hoje.

Rbnb/Quarto: 4 noites de 10 cucs (Habana) + 3 noites de 15 cucs (guanabo) = 85 cucs (1615 pesos mexicanos)

Despesas diárias (alimentação, deslocamento etc): 15 cucs diários x 8 dias  = 120 cucs (2280 pesos mexicanos)

Outras despesas: 15 cucs (285 pesos mexicanos)

Passagens Cancun/Habana: (3000 pesos mexicanos)

 

Em 28/11/2018 em 10:06, Alicianne Martins disse:

@Marcos H Gastou em média quanto para passar todos esses dias?

Tenho vontade de ir conhecer...

 

Em 27/11/2018 em 13:37, D FABIANO disse:

Quanto gastou ao final de tudo? 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Marcos, amei sua narrativa li seu relato e imagina a cena como seu estivesse lendo um livro, 👏👏👏👏

Estou aqui pesquisando os lugares que  mais me interessa conhecer, e Cuba e um deles, achei muito interessante sua experiencia e como você conseguiu aproveitar todas as oportunidades, obrigada pelo relato, com certeza sua experiencia terá um peso para a minha escolha.😃

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...