Ir para conteúdo

Posts Recomendados

Oi gente!

Vou para a Nova Zelândia na metade de janeiro de 2018 e ficarei 27 dias por lá. Pretendo fazer a ilha Sul.

Queria dicas de lugares imperdíveis, meios de transporte, lugar para ficar.

E o mais importante: quero muitooo fazer Rafting!!! Alguém sabe/já fez/conhece algum lugar para fazer Rafting e pode me ajudar?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Jade

A ilha sul tem várias cidades com inúmeras coisas pra se fazer ( Te Anau, Wanaka, Queenstown, dentre outras), além de poder fazer trekking no gelo, conhecer os fiordes, Monte Cook,  saltar de bungue jump etc. Lá praticamente tudo é voltado para o turismo e sempre vai haver alguma coisa pra tirar dinheiro do turista haha. 

De modo geral as coisas não são baratas, e facilmente qualquer passeio e/ou atividade pode lhe custar $70 - $100 - $200 ou mais. Em Queenstown tem quase todo tipo de esporte e lá você irá encontrar alguma agência q ti leve pra fazer rafting. Lá existem várias e várias agências, entao pesquise bem pra tentar encontrar um melhor preço.

Sobre deslocamento as principais empresas de ônibus são Intercity e Naked Bus. Tente fazer seu roteiro o quanto antes pra poder ficar de olho no preço das passagens pois quanto antes comprar, mais barato pagará. O inverso também ocorre.. quanto mais em cima da hora, mais caro e menor a chance de achar assento disponivel. Se nao me engano, na Intercity voce pode encontrar a primeira passagem a ser vendida em determinado trecho por $1, depois as demais passagens sao com preços normais, aumentando de valor gradativamente. Por isso a importância de comprar com antecedência.

  • Gratidão! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Jadi, 

Eu e meu marido também estaremos viajando por lá entre meados de janeiro até a primeira quinzena de fevereiro, iremos fazer ilhas sul e norte de carro, quem sabe nos encontramos por lá?

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá, pessoal!

Vocês que estão organizando a viagem pra NZ, já pesquisaram sobre câmbio?

Em fevereiro, meu marido e eu iremos passar uma temporada de 6 meses por lá, estudando em Invercargill. Como temos a intenção de conseguir trabalho, vamos abrir conta chegando no país para fazer remessa internacional conforme for necessário. Mas pro começo da viagem, vocês têm idéia se compensa levar NZD direto daqui do Brasil, ou se é mais esquema levar USD e trocar por lá?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 29/12/2017 em 17:02, Patricia Senatore Grillo disse:

Olá, pessoal!

Vocês que foram pra NZ, como fizeram com o câmbio? Levaram NZD daqui? Sabem se é mais esquema levar USD e trocar direto lá? 

@FranciscoRJ , aproveitando, qual foi o gasto aproximado que você teve com o aluguel de carro? Você tirou a PID aqui antes de embarcar, certo?

Olá @Patricia Senatore Grillo 

Quando eu fui já levei alguns dólares NZD daqui. Pra fazer o câmbio lá você terá mais facilidade usando dólares americanos. Pra falar a verdade não me recordo de ter encontrado locais que cambiavam o Real. Outra opção que você tem é usar seu cartão de débito e sacar no caixa eletrônico na moeda local, porém tem q ficar atenta às taxas que são cobradas. Se escolher essa opção tente sacar o máximo possível para nao ter que ficar pagando várias vezes as mesmas taxas de saque + IOF.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 24/11/2017 em 16:04, Priscila A disse:

@Pedro Cerqueira

Olá

 Fiquei 18 dias na New Zealand, voltei dia 6 de novembro 2017, o que posso te dizer com certeza é que a NZ é incrível, a única coisa que me arrependo é de não ter ficado mais dias rs.

Acho que a primeira coisa é definir o objetivo.
Qual é seu foco? Natureza? Esportes radicais? Cultura?
Pretende conhecer as duas ilhas? Se sim precisará de mais tempo.
Pretende pegar bus? Alugar carro? Pedir carona? (isso tudo é bom definir ou ter uma idéia, pra saber quanto tempo precisará, por exemploÇ na ilha sul, normalmente o onibus entre as cidades saí uma vez por dia apenas)


Vou compartilhar a minha experiência, ainda ta beeeem fresco na memória hehe.
Fui sozinha, então optei por ficar em hostel e viajar de bus para conhecer pessoas.
Meu foco era natureza, trilha e aventura na ILHA SUL, eu dei uma pesquisada e fui apenas com quatro coisas definidas:
1 - As duas primeiras noites no hostel de Auckland - Haka Lodge (Peguei um quarto pra 20 pessoas. Adorei as camas tem cortininha e o banheiro comunitário super limpo, mas achei meio longe).
2 - O segundo dia o passeio para Hobitton em MataMata (Fechei pelo site da própria intercity, se fechar por alguma agência local, o preço é bem parecido)
3 - A passagem de avião para Queenstown
4 - A primeira noite no hostel em Queenstown (Nomads - peguei um quarto para 6 pessoas com banheiro dentro do quarto, adorei, além de ter o próprio banheiro, quarto com menos pessoas é mais fácil pra fazer amizade, o banheiro comunitário achei meio sujo, a localização excelente).

TODO o resto eu fechei lá mesmo.
Na maior parte das cidade da NZ tem centros de ajuda ao visitante chamado ISITE, lá há centenas de panfletos com sugestões de passeios, e por lá você pode pesquisar e também comprar passagem de bus (Intercity) entre as cidades e também fechar hostel.

Dependendo do mês que você vai, é necessário fechar passeios e hostels com dias e até semanas de antescedência, no verão e no inverno a NZ bomba, se não tiver acomodação e passeio definido, pode ser que não consiga na hora (essa informação foi o povo local que me passou).
 
No primeiro dia em Auckland eu peguei o ferry boat até a ilha de Waiheke e optei por fazer o Zipline que são 3 tirolesas, é legalzinho mas não é suuper aventura, nem dá medo, a ilha é linda, tem mais opções por lá, vinhedos e tem que perguntar no quiosque no porto, pra ver outras opções e outras ilhas.

No segundo dia fui para Hobbiton, sou fã do Senhor dos Aneis então pra mim era um "must do" amei, é incrível.

No terceiro dia fui para Queentown e quase que desisti de ir para outras cidades hehe, é meio difícil de descrever rs, só sei que amei e pra mim é a cidade mais linda e legal que eu já vistiei rs, todas as pessoas que eu conheci na NZ concordaram que é a melhor cidade. Lá eu fiz a trilha de Queenstown Hills, a vista é linda S2!!!!!
Em Queenstown você pode fazer Bungee Jump, tem vários o primeiro do mundo, o mais alto do mundo e tem uma outra empresa que faz no canyon, todos os lugares são lindos. Eu optei por fazer o Nevis Swing, o mais alto do mundo que fica ao lado do mais alto bungee jump do mundo (https://www.bungy.co.nz/queenstown/nevis/nevis-swing/?gclid=EAIaIQobChMInamK7dnX1wIVh7jACh1orA4BEAAYASAAEgIBYvD_BwE).
Valor: 200 dolares, mais 100 dolares para as fotos e videos no pen drive, se você optar em fazer por exemplo o Bungee e Swing, consegue desconto fazendo os dois pelo Aj Heckett (a outra empresa eu não fiz).

Ainda em Queenstown você pode fazer o paragliding e também o passeio de asa delta (eu não fiz pq o tempo não colaborou e o voo foi cancelado).
Tem a lancha rápida, acho que são três empresas diferentes que fazem, elas andam em caminhos diferentes do lago e rio, e rola um pouco de emoção (nada de morrer de medo, mas é legal), vc escolhe de acordo com o que quer ver. Eu escolhi a Kjet só pq era mais barato 95 dolares.

Luge - esse é bem divertido, tipo um carrinho de rolemã, vc pega o teleférico (Gondola) até o topo da montanha, (é legal ir com uma turma), e pode escolher se quer ir apenas uma vez, várias vezes, fui com dois caras que conheci no hostel e escolhemos duas vezes, uma em cada pista, a segunda pista é mais rápida, beeem legal, a vista é TOP (https://www.youtube.com/watch?v=pXNE-HFn5hc).

Quadricículo - Eu fiz pela empresa OFFROAD, ele fica ao lado do Bungee e Swing mais alto, eu adorei, tem uma outra opção que é na montanha, como eu já havia feito a trilha de Queenstown Hills eu optei pelo OFFROAD.

Há muitas outras opções em queentown, passeio de balão, helicoptero, mais trilhas tipo a Ben Lomond que é bem famosa e nível mais difícil, no ISITE ou mesmo nas agencias tem vários flyers com as atividades e também atividades em outras cidades. Nada é muito barato, mas na minha opinão compensou pois foram atividades diferentes.

A partir de Queenstown fui para outras cidades.
- MilfordSound - passeio de um dia, lá você anda de barco no mar da Tasmania o meio dos Fiordes, tem cachoeiras no meio das montanhas, e só o caminho de Queenstown até Milford Sound é incrível, muito lindo!

- Glenorchy - aproximadamente 40 minutos de Queenstown - passeio de um dia, carro 4x4, esse passeio tem o foco de mostrar lugares que foi gravado o Senhor dos Aneis e conhecer um pouco da história dos bastidores do filme, a natureza é exuberante.

- Wanaka - lá é legal tirar um ou dois dias, eu fiquei dois dias, fiz a trilha de Mt Iron, queria fazer a de Roys Peak, mas era a época que as ovelhas estão dando cria então fecharam a trilha. Fiz um passeio de 4x4, bem legal, fazenda particular, também com foco em ver alguns lugares que foi filmado o Senhor dos Aneis, mas mesmo se você não ligar pra isso, a natureza é maravilhosa e é possível ver outras faces do Lake Wannaka, dar comida para as ovelhas e alpacas S2.
Em Wanaka tem kayak e outras trilhas também, o ISITE fica na frente do ponto do bus então é fácil.  Fiquei no Base Hostel, ótima localização, bem limpo.

- Franz Josef - cidade com 300 habitantes, acho que hoje eu não colocaria no meu roteiro. Eu queria fazer o Heli Hike, achei que não compensou muito, você pega o helicoptero até uma parte da montanha que tem gelo e lá você fica andando com o guia, é legal, mas não tem neve, só gelo, pode ser que isso mude com a época do ano, como era primavera minha visão foi essa, conversei com outros dois gringos que também esperavam mais, não vimos grutas de gelo, só gelo. Em Franz Josef chove 200 dias por ano, então pode ser que chegue lá e não consiga fazer o passeio de helicoptero, talvez compense mais fazer em Mt Cook ou mesmo em Queentown. Um dia eu peguei tempo fechado, com nuvens, optei por fazer o kayak no lago, eu adorei!!!!!!

- Mt Cook - lindo maravilhoso, sonho! Um mini vilarejo com apenas dois hostels e dois hotéis e umas casinhas, não tem supermercado. Lá tem trilhas, a mais famosa é a HookerValey, e realmente é lindo o lugar, um dos meus favoritos. Fiquei um dia, mas acho que pelo menos dois dias seria legal, pra fazer duas trilhas pelo menos.
Eu fiquei no YHA, conversando com um pessoal depois, falaram que o outro hostel tinha café da manha e janta e era mais legal, não pesquisei rs.

- Tekapo - O lago é incrível, depende da época do ano e do tempo a cor muda. Eu fiquei em um motel que tem uma parte de hostel ao lado do ponto de bus de frente para o lago, e do lado tem o supermercado, então a localização foi ótima, o hostel ok para uma única noite rs. Na cidade é legal visitar o Mt John Observatory na madrugada, eles te recebem com um chocolate quente hehe, te explicam sobre o universo, e é possível observar as estrelas, é um dos melhores lugares do mundo para observação de estrelas, eu adorei a experiência.

É difícil dizer o que eu mais gostei, fiquei encantada com tudo, mas Mt Cook, Queenstown, Milford Sound acho que foram meus favoritos e Hobbiton tb é claro hehe.

Outras infos:
Hostel eu fechei pelo aplicativo do HOSTEL WORLD, mas se você for fora de época, da pra pesquisar por lá e fechar na hora que chegar no hostel, fica mais barato.
Bus eu viajei apenas pela intercity, achei super organizado, eles possuem wifi no bus, o motorista conta um pouco sobre a história do lugar, faz paradas pra pontos legais pra fotos, no site tem dicas de rotas, preços e se comprar o passe com X horas saí mais barato do que fechar separadamente as viagens. http://intercity.co.nz/
Muita gente viaja de carona, eu não tive coragem, mas disseram que é bem comum e seguro.
Dizem que alugar carro é melhor pois fica livre pra ir a hora que quer e tudo mais, eu gostei de viajar de bus pois tive a oportunidade de fazer amizade.
Peguei várias idéias pelo site oficial da NZ mesmo: https://www.newzealand.com/us/destinations/
Na Nova Zelandia tem muuuito brasileiro, então a gente meio que se sente em casa hahaha.

Espero que meus relatos ajude.

Se quiser outras dicas e tiver perguntas chama aí. =)

Ui! Que alívio!
Não fui a Franz Josef por falta de tempo. Pelo que vi das fotos e vídeos, achei por bem cortar; pois não correspondiam aos meus anseios. E também li sobre esse passeio de helicóptero, as críticas negativas eram semelhantes a tua e bem contundentes, o que me deu mais argumento para cortar. 

  • Curti 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 29/12/2017 em 17:02, Patricia Senatore Grillo disse:

Olá, pessoal!

Vocês que foram pra NZ, como fizeram com o câmbio? Levaram NZD daqui? Sabem se é mais esquema levar USD e trocar direto lá? 

@FranciscoRJ , aproveitando, qual foi o gasto aproximado que você teve com o aluguel de carro? Você tirou a PID aqui antes de embarcar, certo?

Como fiquei só 5 dias, paguei tudo no cartão. Aluguel de carro, supermercado, passeio turístico, hostel... até o ônibus do aeroporto de Queenstown a cidade, eu paguei no cartão de crédito pq comprei o voucher dentro do aeroporto. Custa o mesmo preço, se pagar direto ao motorista. Não reparei se o busão aceita cartão. Ah! Além disso, o dólar estava em queda na época. Saiu mais vantajoso comprar no cartão de crédito, mesmo pagando 6.38% de IOF.

Eu optei por tirar a Permissão Internacional, custa um Duda e fica pronto em menos de 10 dias. Como viajo internacional, 2x ao ano, achei mais prático.
Aluguei carro na SNAP Rental via rentalcars.com ou rentacar. Esses sites aí de locação. Sempre confundo. Gostei muito do serviço dessa SNAP. Não tive problema algum e preço foi mais em conta. 
Agora, não me lembro se foi na Austrália ou na Nova Zelândia, que tem uns aparelhos telefônicos disponíveis próximo aos portões,onde vc disca o ramal e entra em contato com hotéis, locadoras... cada empresa tem um ramal. Achei prático, pq assim vc não precisa gastar seus créditos telefônicos. Acho que foi na Nova Zelândia pq na Austrália, eu tinha Sim Card local. Quase uma nativa kkkkkk.

Foi assim:
Dia 1 - cheguei de manhã em Queenstown  e sassariquei pela cidade a pé
Dia 2 - passeio ao Milford Sound por agência local com parada de 1h em Te Anau
Dia 3 - busão de Queenstown a Christchurch com parada no Lago Tekapo (acho que foram umas 2h de parada. Foi bem longa). Sassariquei a noite em Chistchurch a pé
Dia 4 - vôo de madrugada a Auckland. Aluguei um carro e parti para Waitako. Já cheguei fazendo o passeio do Waitomo, o combo mais caro pra ver as larvas de barco e numa caverna. Acabou o passeio e já parti direto para Rotorua.
Dia 5 - passei a manhã no Parque Kuirau. Levei muitas horas lá. E já parti para Auckland, pq queria passar em Devenport. Só que o trânsito de Auckland estava padrão SP, tudo parado. Daí, fiz o retorno, peguei mais trânsito e parti para o aeroporto. Melhor coisa que fiz, senão perderia o vôo de volta ao Brasil.
Imperdíveis:  Rotorua e Waitomo. Achei o norte mais interessante do que o sul. Quem só puder fazer um lado por falta de tempo, ilha norte.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


  • Conteúdo Similar

    • Por Just Journeys
      Ficamos praticamente um mês na Nova Zelândia. E foi ótimo, apesar do frio. Primeiro resolvemos conhecer a ilha sul, ficando em Christchurch, e depois a ilha norte, em Auckland.
       

       
      Em Christchurch, não fomos muito bem sucedidos, pois choveu durante quase toda a nossa permanência. Só valeu mesmo pela visita que fizemos a Christchurch Gondola sobre Canterbury Plains. De lá, pudemos apreciar uma bela vista da cidade, dos picos nevados e de Banks Peninsula, o que compensou os dias em que fomos obrigados a ficar trancados em casa.
       
      Ficamos numa casa alugada no alto do morro e era bastante cansativo subir e descer. Nossas simples idas ao supermercado foram um suplício.
       
      Após 10 dias, fomos passar duas semanas em Auckland. Lá, nos divertimos muito mais.
       
      Não apenas a temperatura era mais elevada, como não choveu tanto quanto em Christchurch. Fora isso, ainda que a casa que alugamos ficasse no alto de outro morro, havia pontos de ônibus próximos e a subida não era tão íngreme como a anterior.
       
      Algumas sugestões (passeios que fizemos):
       
      Pular de bungee jumping (ou bungy jump, que é como dizem por aqui): o salto é do alto da principal ponte de Auckland e bastante divertido. Há duas opções: com e sem emoção. Com emoção, você mergulha no mar antes de ser puxado pela corda, mas como estava muito frio preferimos sem emoção. Não aconselhamos comprar o pacote de fotos e vídeo. As fotos, ainda que tenham uma qualidade bacana, nada tem demais. E a qualidade do vídeo é péssima;
       
      Ir até Waitomo Glowworm Caves e fazer o passeio de barco por dentro da caverna, iluminada apenas pelos Arachnocampa luminosa. É uma sensação única. Por alguns minutos esquecemos que estávamos dentro de uma caverna e fomos “transportados” para uma noite incrivelmente estrelada. Torça para dar sorte e conseguir uma guia severa e séria, que exige silêncio no momento da travessia. Visitando no verão, deve ser interessante fazer o passeio de boia pelo rio;
       
      Visitar Hobbiton, o set de filmagens de O Hobbit e Senhor dos Anéis. Primeiramente demolido, e depois reconstruído, o local de moradia dos hobbits, com o perdão do clichê, é mágico. Demos o azar de pegar uma chuvinha fina no momento da visita. Mas, depois, o sol chegou e nos recompensou com um lindo arco-íris, o que aumentou ainda mais o tom lúdico do passeio pelo Condado. No final tomamos uma cerveja deliciosa na estalagem Green Dragon;
       
      Conhecer a ilha de Waiheke, a 30 minutos de barca do centro de Auckland. Compramos o Waiheke Explorer Tour, no qual um ônibus com guia/motorista dá uma volta na ilha por uma hora e meia, com muitas informações e paradas estratégicas, como nas praias de Oneroa e Onetangi. A ilha é conhecida por ter muitas vinícolas e um litoral deslumbrante. Nosso tour ainda dava direito a passes ilimitados de ônibus pelo resto do dia;
       
      Subir o Mount Eden, o ponto natural mais alto de Auckland. No topo, há a cratera do vulcão e uma vista de 360º da cidade. Na descida, vale a pena parar no bairro de Newmarket e fazer um lanche no delicioso Best Ugly Bagels;
       
      Explorar o grandioso e interessante Auckland Museum. Aqui, há de tudo um pouco: história de Auckland e da Nova Zelândia (com direito a uma fiel reprodução da cidade e suas construções em 1866), cultura Maori e das ilhas do pacifico, dinossauros (com fósseis e reproduções no chão e no teto), relatos de guerras (com aviões, uniformes e armas) etc, distribuídos em três andares bem espaçosos. E, ainda, há uma máquina clássica de videogame (Galaga) – sem ficha. Cuidado, pois ela tem o poder de fazer o museu desaparecer. Não o ignore. Jogue por uns 15 minutos e vá atrás de cultura. Só uma dica.
       
      [media]
      [/media] 
      Christchurch Gondola
      Endereço: 10 Bridle Path Road, Heathcote Valley, Christchurch 8022, New Zealand
      Preço: NZD$ 25 (R$ 58)
      Site: http://www.welcomeaboard.co.nz
       
      AirBnB Christchurch
      Endereço: 65A Taylors Mistake Rd, Christchurch, Cantuária 8081, Nova Zelândia
      Preço (diária): NZD$ 90 (R$ 208)
      Site: https://www.airbnb.com.br/rooms/6066847?eluid=1&euid=2da917f3-4703-6a25-6949-2ef5d2b58933
       
      AirBnB Auckland
      Endereço: 2 Beatrice Avenue, Auckland, Auckland 0627, Nova Zelândia
      Preço (diária): NZD$ 110 (R$ 254)
      Site: https://www.airbnb.com.br/rooms/5078113?eluid=3&euid=46731dab-0eed-5a04-2cdf-868711ed4557
       
      Auckland Bridge Bungy
      Preço: NZD$ 160 (R$ 370)
      Site: http://www.bungy.co.nz/auckland-bridge/auckland-bridge-bungy
       
      Hobbiton Tour and Waitomo Caves Experience
      Preço: NZD$ 329 (R$ 762), por pessoa pelos dois passeios
      Site: http://www.greatsights.co.nz/new-zealand-tour-destinations/waitomo-caves-tours/waitomo-and-hobbiton-movie-set-experience-akl/
       
      Waiheke Explore Tour
      Preço: NZD$ 55 (R$ 127)
      Site: http://www.fullers.co.nz/destinations-tours/waiheke/waiheke-explorer-tour.php
       
      Best Ugly Bagels
      Endereço: 3A York Street, Newmarket, Auckland 1023, New Zealand
       
      Auckland War Memorial Museum
      Endereço: The Auckland Domain, Parnell, Auckland 1010, New Zealand
      Preço: NZD$ 25 (R$ 58)
      Site: http://www.aucklandmuseum.com
    • Por Vamos Fugir
      Oi, pessoal! Tudo bem?
       
      Quem tiver procurando trekking na Nova Zelândia, indico um sensacional que fica na ilha norte, é o Tongariro Alpine Crossing. Pra vcs terem noção do quanto o lugar é surreal, lá é um dos locais onde foi filmado O Senhor dos Anéis!
       
      A Caminhada leva de 6 a 9 horas, dependendo do seu ritmo, mas é super bem sinalizada. Lá vc vai passar por uma área de vulcões ativos e subir a borda de um deles (!), ver lagos enormes com cor de esmeralda e passar por paisagens muito bonitas. Eu fiz e recomendo mil vezes!!!
       
      Algumas dicas:
      - faça a trilha no verão ou no máximo primavera, pq no inverno tudo fica tomado pela neve e as montanhas funcionam até como estação de ski (o que tbm deve ser sensacional).
      - Leve lanche, pq lá não tem absolutamente nada
      - Aproveite os banheiros do começo da trilha, pq depois vai demorar mto pra vc encontrar outros.
      - Vá de tênis e roupa confortável para caminhar.
       
      Se quiserem ver umas fotos ou ler mais informações, lá no meu blog tem tudo explicadinho: http://vamosfugir.net.br/2015/07/05/trekking-tongariro-nova-zelandia/
       
      Valeu! bjo
    • Por brunner
      Olá mochileiros de plantão,
       
      Estarei dando início aqui ao meu primeiro relato no Mochileiros.com. Este relato, uma viagem de carro (roadtrip) de 5 meses pela Nova Zelândia, é o primeiro de uma série de viagens que estou fazendo em minha volta ao mundo.
      Um pouco sobre mim e minha volta ao mundo: Aos 28 anos eu resolvi vender tudo que tinha no Brasil e partir numa viagem de volta ao mundo como nômade: sem destino certo, sem roteiro, sem planos, sem data para voltar, morando e trabalhando em alguns países por onde passo.
      Tenho uma página no Facebook(https://www.facebook.com/theworlduponmyshoulders), e um blog, o The World Upon my Shoulders (http://worlduponmyshoulders.com/), onde escrevo sobre os destinos que visito e dou dicas de como viajar barato e ser um nômade ao redor do mundo. Lá você vai encontrar muito mais informações complementares às que estão relatadas aqui. Curte lá, vai!

      Chega de falar de mim e vamos ao que interessa, mas primeiro algumas considerações sobre a viagem devem ser feitas:
       
      - A viagem que será aqui relatada foi realizada de Abril a Agosto de 2014;
      - Como não tinha planos de fazer um relato, alguns custos (com comida, na maior parte dos casos) serão omitidos;
      - Todos os custos mencionados são em NZ $ (Dólar Neozelandês), cujo câmbio era aproximadamente 1$ = 2 R$ na época;
      - Kiwi é uma palavra muito usada na Nova Zelândia, e pode significar três coisas:
      * A frutra kiwi, também muito encontrada no Brasil;
      * Um pássaro nativo do país;
      * Como os neozelandeses são carinhosamente chamados;
      - Como utilizei de Couchsurfing e hospedagem na casa de amigos e pessoas que eu conheci na estrada além de ter passado a maior parte das noites dormindo no carro, o relato não inclui muitas informações de acomodação;
      - Durante os 5 meses visitei praticamente todas as maiores cidades do país, com exceção de Gisborne.
      - Como já tenho muitas informações publicadas no meu blog (http://worlduponmyshoulders.com/), o relato será focado na primeira pessoa do singular (EU!), com observações e comentários mais pessoais sobre os lugares que passei;
      - Desde Setembro de 2014 tenho vivido na Nova Zelândia, mais especificamente em Queenstown, trabalhando e juntando uma grana para continuar viajando. Se você estiver em busca de alguma dica específica, dê uma olhada no meu blog (http://worlduponmyshoulders.com/) ou faça uma pergunta nos comentários que terei o maior prazer em responder;
       
      Para facilitar a visualização vou atualizando o índice a seguir com os posts publicados:
      Parte 1 - Preparativos, chegada à Nova Zelândia, Auckland e arredores: http://www.mochileiros.com/post1097422.html#p1097422
      Parte 2 - Northland (Whangarei, Russell, Paihia, Waitangi, Whangaroa, Cape Reinga e Ninety Mile Beach): http://www.mochileiros.com/post1099796.html#p1099796
      Parte 3 - Coromandel Peninsula (Cathedral Cove e Hot Water Beach), Bay of Plenty (Tauranga e Whangarei) e Waikaremoana Track: http://www.mochileiros.com/post1101829.html#p1101829
      Parte 4 - Hawke’s Bay (Napier e Hastings), Taupo, Tongariro Alpine Crossing, Taihape, Rotorua e Hobbiton: http://www.mochileiros.com/post1106116.html#p1106116
      Parte 5 - Hamilton, Waitomo, New Plymouth, Mount Taranaki, Whanganui, Palmerston North, Wellington e região:
      http://www.mochileiros.com/post1107733.html#p1107733
      Parte 6 - Picton, Abel Tasman National Park, Westport, Punakaiki Blowholes, Lake Brunner, Franz Josef/Fox Glacier e Wanaka: http://www.mochileiros.com/post1115679.html#p1115679
      Parte 7 - Glenorchy, Paradise, Queenstown, Invercargill, Bluff e Catlins: http://www.mochileiros.com/post1141883.html#p1141883
      Parte 8 e final - Dunedin, Elephant Rocks, Clay Cliffs, Mount Cook, Lake Tekapo , Kaikoura e Christchurch: http://www.mochileiros.com/post1148050.html#p1148050
      Espero que aproveitem!
       
      [t3]Preparativos:[/t3]
       
      Brasileiros não necessitam de visto para entrar na Nova Zelândia, mas alguns requerimentos precisam ser atendidos para se obter o visto de turista, válido por 3 meses, na chegada, como ter uma passagem de saída do país dentro dos 3 meses e o equivalente a NZ $ 1000 dólares por mês para se manter durante sua estadia.
       
      Pesquisando bem, consegui uma passagem de Santiago a Auckland por R$2400 reais, e, como eu não queria voltar ao Brasil, uma passagem de saída para Singapura por R$1000 reais, que eu poderia trocar no futuro. Com o uso de algumas milhas que eu tinha guardadas, ainda conseguiria fazer uma viagem de alguns dias por Buenos Aires e Santiago antes de pegar o vôo para Auckland. Nada mal!
       
      Com a situação da passagem resolvida, agora eu precisava resolver a grana. Eu precisaria de comprovar pelo menos $3900 no aeroporto, caso contrário correria o risco de ter meu visto negado e ser mandado de volta pro Brasil. Devido a problemas na minha antiga conta bancária empresarial, fiquei sem cartão de crédito e débito internacional na véspera da viagem, e o jeito foi sacar a grana e levar em cash. Usando um fator de cagaço, levei US$ 5000 devidamente em espécie. O dinheiro também estava resolvido!
       
      Com passagem e dinheiro garantido, só me restava esperar a minha saída do Brasil, que seria no dia 6 de Abril, com destino à Buenos Aires. Mas antes eu tinha a terrível tarefa de arrumar as mochilas pela frente.
      Não houveram grandes preparativos em termos de equipamento e/ou roupas, uma vez que eu já tinha tudo comprado para mochilões passados. A grande dificuldade nesse caso foi gerenciar o que seria levado, já que eu sabia que essa seria uma viagem longa e sem data para voltar.
       
      Tive que selecionar muito bem tudo o que seria levado, afinal minhas únicas bagagens seriam minha mochila cargueira de 95L e uma outra menor, de 35L apenas. No final das contas foram colocados nas mochilas 2 calças jeans, 2 calças mais leves, 1 conjunto primeira pele calça+camisa, 1 jaqueta goretex com revestimento interno fleece, 2 blusas de frio, 2 pares de tênis, 1 par de chinelos, 6 camisetas, 3 camisas polo, 3 camisas xadrez, 5 bermudas, 2 cintos, 1 par de luvas de frio, gorro, uma dúzia de cuecas e uns 10 pares de meia. Além das roupas tive que deixar espaço para o notebook, câmera fotográfica, máquina de cortar cabelo, pilhas recarregáveis, remédios, produtos de higiene, protetor solar, repelente e outras pequenas coisas. As mochilas estavam prontas!
       
      A ansiedade crescia, mas o dia da partida finalmente chegou! Após um ônibus noturno de Vitória para o Rio de Janeiro, dois vôos e alguns dias pelas capitais argentina e chilena (não longo o suficiente para se criar um relato), finalmente embarquei no avião que me levaria até o tão aguardado destino: A Nova Zelândia!
       
      [t1]Parte 1 - Chegada à Nova Zelândia: Auckland e arredores[/t1]
       
      [t3]Chegando na Nova Zelândia: Auckland[/t3]
       
      Após 13h de vôo à partir de Santiago, finalmente cheguei à Auckland. Como a Nova Zelândia está no “futuro”, com 15h na frente do Brasil, eu praticamente perdi um dia, já que eu saí do Chile no dia 8 de abril por volta das 11 da noite e cheguei na Nova Zelândia às 4 da manhã do dia 10!
       
      Nós brasileiros necessitamos basicamente de duas coisas para conseguir o visto de turista na chegada à Nova Zelândia:
      - Ter uma passagem de saída do país dentro do período de 3 meses;
      - Comprovar que tem $1000 por mês que for ficar no país (pode ser cash, extrato bancário ou cartão de crédito válido com faturas recentes mostrando que você tem limite suficiente.
       
      Desembarcando do avião, a primeira parada foi no balcão da imigração. Seria ali que eu teria mostrar todos os documentos necessários e tirar meu visto de turista que seria válido por 3 meses. Estava tudo em mãos: $5000 dolares em cash, passagem de saída para Singapura antes de 3 meses e uma reserva de um dia no hostel só para ter uma referência de um lugar que eu ficaria caso me perguntassem.
       
      Para minha surpresa, chegando a minha vez o atendente elogiou minha tatuagem, perguntou se eu estava vindo pra estudar ou trabalhar, pegou meu passaporte e carimbou e sequer me pediu algum documento. Nunca achei que seria tão fácil entrar na Nova Zelândia!
       
      Uma vez oficialmente em terras Neozelandesas eu precisava chegar ao centro da cidade, que fica longe do aeroporto. Como ainda eram 5 da manhã eu só tinha duas opções para se chegar na city (como as pessoas se referem ao centro por aqui): pegar um taxi, que custaria facilmente mais de $60, ou o ônibus 24h que circula entre o aeroporto e a city a cada 15 min, e custa $16. Apesar de caro, peguei o ônibus.
       
      O ônibus parou exatamente em frente ao Base Backpackers, o hostel que eu tinha uma reserva feita por uma noite por $24. Como ainda eram 5h da manhã eu ainda teria que esperar até as 13h para fazer o check-in, ou fazer um upgrade para um quarto single por mais $26. $24 já era muito por uma noite, e decidi aguardar até o início da tarde. Enquanto o tempo não passava, decidi explorar a cidade com um inglês e uma chilena que estavam no hostel na mesma situação que eu.
       
      Como o hostel fica na Queen St, bem no centrão de Auckland, não demoramos muito a conhecer a principal avenida da cidade. Praticamente andamos do hostel ao Harbour e voltamos, num total de 30min de caminhada mais algumas paradas. Apesar de curto já deu pra sentir a vibe da cidade: muita gente de diferentes etnias andando (correndo) de um lado para o outro, como uma típica cidade grande. Muitos indianos, asiáticos, bastante caucasianos e alguns poucos latinos.



      No Harbour foi possível conferir um visual melhor da cidade: bastante moderna, cheia de prédios novos no centro, a Skytower (símbolo da cidade e figura onipresente em todas as fotos urbanas tiradas por aqui) e centenas de pequenos e médios barcos ancorados, fazendo jus ao apelido de “Cidade das Velas” atribuído à Auckland. Como o cansaço, sono e jetlag ainda batiam, fizemos uma parada rápida no Burger King e voltamos pro hostel.

      Ainda faltavam umas 2 horas antes do check-in, então resolvi entrar em contato com família e amigos no Brasil e dar sinal de vida. Na hora de conectar o laptop à internet veio a surpresa: a internet era paga! Perguntei ao cara da recepção e ele me disse que raramente eu encontraria hostels com internet gratuita na Nova Zelândia, e se eu quisesse me conectar seriam $4 por um dia inteiro. Dadas às circunstâncias, resolvi pagar.
       
      Após alguns minutos conversando com a família pelo Facebook, uma amiga veio puxar papo. Ela me perguntou se eu tinha lugar para ficar e eu respondi que só por uma noite, e não tinha planos para depois. Após alguns minutos ela me retornou dizendo que tinha um amigo em Auckland e que ele poderia me hospedar se eu quisesse. Fiquei meio confuso, e 5 min depois um cara me adicionou no Facebook. Aceitei, e começamos um papo que foi mais ou menos assim:
       
      Ele: E ai? Ta em Auckland?
      Eu: Sim, cheguei hoje cedo.
      Ele: A Mainá me disse que você está precisando de um lugar pra ficar.
      Eu: Bom, acabei de chegar e preciso resolver o que vou fazer da minha vida por aqui. Por enquanto só tenho uma noite aqui no Base.
      Ele: Você pode ficar aqui em casa se quiser.
      Eu: Sério mesmo? Muito obrigado! Prometo não ficar muito tempo.
      Ele: Relaxa, você pode ficar quanto tempo quiser. Posso te buscar agora?
      Eu: Obrigado novamente! Já paguei pela próxima noite, mas posso ir amanhã se não tiver problemas.
      Ele: Sem problemas, nos vemos amanhã então!
       
      Fechei a conversa e pensei comigo: Parece ser bom demais pra ser verdade!
       
      Eram por volta das 13h e eu sabia que dormir a esse horário só atrapalharia minha adaptação ao horário na Nova Zelândia, por isso fiz o check-in, deixei as mochilas no quarto e fui me encontrar com a Luisa, uma amiga da minha irmã que mora em Auckland e precisava pegar algumas coisas que eu tinha trazido pra ela. Encontramos-nos na entrada do Base e caminhamos ao longo da Queen St em direção ao Harbour (de novo) onde batemos papo por um tempo e vimos o pôr do sol antes de eu voltar ao hostel. Mais um pouco de internet e finalmente cama!
       
      Acordei cedo e ansioso no dia seguinte, arrumei minhas mochilas e fui me encontrar com Simon, o cara que iria me hospedar em Auckland. 15 minutos depois ele me buscou no Base e me levou até sua casa, que fica em Grafton, um bairro próximo ao centro de Auckland. Chegando lá ele tinha um quarto com cama de casal só para mim, e após algumas horas de conversa sobre viagens, dirigir na Nova Zelândia e Brasil, ele me disse que naquele dia seria o aniversário de 21 anos de uma amiga dele e que eu estava convidado. O único “inconveniente” seria que precisávamos estar lá antes do horário para ajudar na preparação da festa.

      De Grafton fomos para Titirangi, um subúrbio em West Auckland, onde conheci a aniversariante e toda família além de ajudar nos preparativos da festa, incluindo os Jelly Shots, copinhos de gelatina com vodka. O aniversário de 21 anos é considerado muito importante na Nova Zelândia pois simboliza a maturidade do filho, e é comum que o aniversariante receba uma chave dos pais, reconhecendo a livre inda e vinda do filho à casa. Após muita comida boa, alguns drinking games, jelly shots e cervejas locais somados ao jetlag que eu ainda estava sentindo, não consegui resistir ao sono e capotei no sofá em plena festa. Um novo país com direito à uma boa receptividade, um lugar para ficar e novos amigos: meu início na Nova Zelândia não poderia ser melhor!



      A semana seguinte eu aproveitei para conhecer melhor a cidade e algumas atrações turísticas. Um dos pontos mais visitados na cidade é o Mount Eden, que é um vulcão adormecido que fica a 40 min de caminhada do centro da cidade, com vista panorâmica de Auckland e seus subúrbios.


      Auckland tem muitos parques espalhados por toda a cidade, como o Albert Park e o Auckland Domain. O primeiro está bem no coração da cidade, enquanto o segundo, além e ser o maior parque da cidade, contém também o Auckland Memorial Museum, que é um dos museus mais completos do país.


      Como eu só tinha dólares americanos, a melhor opção que eu tinha era trocá-los por dólares neozelandeses. Diferentemente de países sul americanos, não existem barraquinhas de câmbio pelas ruas por aqui, mas existem muitas casas de câmbio oficiais, bancos e algumas lojas (a melhor opção dentre as três mencionadas) que fazem a troca. A melhor forma de achar o câmbio mais barato é caminhar a Queen St sempre que for trocar, e observar qual loja faz o melhor preço, uma vez que eles mudam praticamente todos os dias.
       
      Outra coisa que percebi de cara é que as pessoas raramente carregam dinheiro (cash) consigo na Nova Zelândia. Máquinas de cartão de crédito/débito são encontradas em todos os lugares, e como eu ficaria um bom tempo no país, resolvi abrir uma conta num banco local, o ASB, assim eu poderia depositar meu dinheiro lá e só usar o cartão.
       
      Passados alguns dias em Auckland eu percebi que seria difícil conseguir um emprego sem possuir um visto de trabalho de antemão, e já estava fazendo planos para viajar o país enquanto Setembro, mês que abre as inscrições para o Working Holiday Visa, não chegava.
       
      Numa quarta-feira resolvi participar do Couchsurfing Weekly Meeting em Auckland, e minha inclinação para viajar logo pelo país só aumentou. No encontro eu conheci Jegor, um cara da Estônia que tinha acabado de chegar ao país e estava pensando em viajar de carro. Ele me mostrou alguns custos sobre uma roadtrip pela Nova Zelândia, e eu fiquei muito tentado a fazer uma. Trocamos telefone e combinamos de ver alguns carros durante a semana e decidir se iríamos viajar juntos ou não.
       
      Para aqueles que não sabem, a Nova Zelândia é um país muito fácil para se viajar de carro devido à facilidade em se comprar uma van de outros viajantes e fazer a tão sonhada roadtrip pelo país. Além disso é uma ótima forma de conhecer o país, pois você pode parar onde quiser e economizar uma grana com acomodação, umas vez que pode dormir no carro.
       
      Com isso em mente, Jegor e eu passamos a olhar diariamente os anúncios em sites de venda como Trademe e Gumtree, e também checamos feiras e lojas de carros usados em busca daquela que seria a campervan ideal para a viagem. Enquanto não achávamos o carro ideal, exploramos um pouco mais o que Auckland tinha a oferecer.
      Junto com Sophia, uma kiwi que conheci na festa de aniversário de 21 anos na minha segunda noite na Nova Zelândia, Jegor e eu fomos à Rangitoto Island, que é uma ilha vulcânica situada na baía de Auckland. Existe uma trilha passando por cavernas de lava e solos pedregosos que leva até o topo do vulcão, que é completamente coberto de mata, e oferece vistas espetaculares de toda região de Auckland. O ferry saindo do porto de Auckland custou $28 ida e volta.





      Outro lugar que também explorei junto com Sophia foi North Shore, ao norte de Auckland. Lá existem algumas caminhadas em Mount Victoria (mais um vulcão adormecido), alguns bunkers desativados da Segunda Guerra Mundial, vista de Rangitoto Island e alguns cogumelos artificiais pra fãs de Super Mario Bros nenhum botar defeito.

      A semana foi passando e após alguns contatos com vendedores de carros, finalmente achamos o carro ideal. Jegor e eu compramos um Mazda MPV ano 98 de um casal de israelenses que estavam loucos para deixar o país por um preço abaixo do mercado. O carro tinha 185.000 km rodados, uma rodagem normal para a Nova Zelândia, e nos custou $2700, incluindo alguns acessórios de camping.
       
      Levamos o carro a um mecânico em Ponsonby antes de fechar o negócio, e o ele chegou o carro sem nos cobrar nada. Seriam necessários alguns poucos ajustes, mas o carro estava em boas condições de viajar naquele momento. Fechado o negócio, fizemos a transferência da titularidade do carro para o meu nome nos correios (sim, aqui se faz essas coisas nos correios), e em menos de 10 minutos o carro era oficialmente meu.

      Com o carro em mãos, fomos às comprar de material de camping como inversor de potência para carregar laptop e celular durante a viagem, saco de dormir, colchão inflável, caixas plásticas, toalhas, latas de gás de cozinha entre outros totalizando $262.
       
      Já tínhamos praticamente tudo que precisávamos para viajar, exceto o destino. Resolvemos então fazer uma viagem teste para Northland, que é uma região ao norte de Auckland, e nossa idéia era testar o carro, nossa resiliência em dormir nele, e principalmente, se a parceria entre Jegor e eu daria certo. Nosso plano ideal era viajar por Northland em 2 semanas.
       
      Ainda faltava uma coisa: mais companhias. Sem hesitar, comparecemos mais uma vez ao Couchsurfing Weekly Meeting e recrutamos mais 4 pessoas para viajar conosco: Cameron (EUA), Bronnie (NZ), Toli (Russia) e Ivy (Australia), sendo que os últimos dois já estavam viajando juntos e se juntariam a nós em seu próprio carro.
      Após duas semana em Auckland, passamos em Mount Eden para ver o pôr do sol e nos despedir da maior cidade do país, e no dia seguinte pegamos a estrada rumo à Northland!

       
      [t3]Auckland: Impressões e dicas[/t3]
      - Auckland é a maior cidade do país, com cerca de 1 milhão e meio de habitantes. Andando pelo centro se pode notar que Auckland é uma cidade internacional, com gente de todo o mundo.
      - Os Maoris se orgulham muito da sua cultura e se mesclaram aos imigrantes, fazendo parte da sociedade de igual para igual. A cultura Maori pode ser vista em todos os cantos da cidade, seja museus, arte no meio da rua ou nas tatuagens faciais.
      - Como todo o país, Auckland é uma cidade muito cara. Os custos com moradia, alimentação e transporte público são muito altos e este último é bastante ineficiente.
      - Apesar de ser a maior cidade do país, Auckland não passa uma sensação de Metrópole quando comparada à cidades brasileiras. Andar na Queen St durante o dia é como caminhar na Avenida Paulista, mas basta sair do centro que a figura muda completamente. Basicamente não há vida noturna fora do centro da cidade ou de Ponsonby e dificilmente você verá pessoas caminhando ou se exercitando em outros bairros após o pôr do sol. É claro que existem pequenas lojas, postos de gasolina e supermercados fora do centro, mas esqueça bares, agito e qualquer outro movimento humano depois do escurecer!
      - Existem cerca de 43 vulcões na região de Auckland, mas todos estão praticamente adormecidos. Basicamente, todo e qualquer morro na cidade é ou já foi um vulcão um dia.
      - Muitas pessoas não costumam explorar Auckland além do centro urbano, mas a verdade é que os entornos da cidade têm muito a oferecer. Além dos clássicos Skytower, Mount Eden, Auckland Domain e Auckland Museum, há lugares menos visitados e lindíssimos como a praia de areia preta Piha Beach, a ilha de Rangitoto, o Parque Nacional de Waitakere Ranges, Misson Bay e North Shore/Devonport.
      - Hostels, aqui chamado de Backpackers, não oferecem café da manhã ou internet inclusos;
      - Uma boa forma de se manter conectado à internet no país é comprar um chip da operadora Spark (antiga Telecom). Com $20 mensais você pode assinar um plano que te oferece 100 minutos de ligação local, SMS ilimitado, 500 Mb de internet 3G e 1 GB de Wifi por dia nas proximidades das cabines telefônicas da operadora.
      - Carros usados são relativamente baratos por aqui (principalmente se compararmos com o valor que pagamos por veículos no Brasil), mas a maioria dos carros abaixo de $5000 são velhos (lê-se década de 90).
      - Na Nova Zelândia se dirige na mão esqueda, assim como na Inglaterra.
      - As pessoas, de uma maneira geral, são bem amigáveis e solícitas. Uma simples pergunta de direção na rua pode te render um cafézinho grátis se você tiver sorte o suficiente.
       
      Para maiores informações e dicas sobre a Nova Zelândia, visite o meu Blog (http://worlduponmyshoulders.com/ e curta a página no Facebook (https://www.facebook.com/theworlduponmyshoulders)!
       
      To be continued...



    • Por vfmarques
      Vou deixar aqui algumas informacoes da minha viagem para Nova Zelandia, passei quase 1 mes la.
       
      Roteiro:
      Dia 24 -> Toronto - Queenstown
      Dia 26 -> Queenstown
      Dia 27 -> Queenstown
      Dia 28 -> Queenstown
      Dia 29 -> Queenstown
      Dia 30 -> Queenstown
      Dia 31 -> Queenstown to Wanaka
      Dia 01 -> Wanaka
      Dia 02 -> Wanaka to Fox Glacier
      Dia 03 -> Fox Glacier
      Dia 04 -> Fox Glacier to Arthur Pass
      Dia 05 -> Arthur Pass
      Dia 06 -> Arthur Pass to Christchurch
      Dia 07 -> Christchurch to Nelson
      Dia 08 -> Nelson
      Dia 09-> Nelson
      Dia 10-> Nelson to Wellington
      Dia 11-> Wellington to Taupo
      Dia 12-> Taupo
      Dia 13-> Taupo to Rotorua
      Dia 14-> Rotorua
      Dia 15-> Rotorua
      Dia 16-> Rotorua to Whitianga
      Dia 17-> Whitianga
      Dia 18-> Whitainga to Paihia
      Dia 19 -> Paihia
      Dia 20 -> Paihia
      Dia 21 -> Paihia - Auckland
      Dia 22-> Auckland
      Dia 23 -> Auckland - Toronto
       
      Antes de comecar a descrever meu roteiro, vai algumas dicas da Nova Zelandia:
       
      1. Dinheiro
      - O que eu achei melhor eh tirar dinheiro do caixa eletronico quando chegar la
       
      2. Transporte
      - Eu viajei bastante de onibus: Intercity (http://www.intercity.co.nz/), a maioria dos onibus dessa companhia tem free WIFI, no sul da ilha os motoristas explicam as cidades que a gente passa. Tambem usei Naked bus (https://nakedbus.com/) . Usei West Coast Shuttle (http://www.westcoastshuttle.co.nz/) para fazer a viagem de Arthur's Pass to Christchurch. Se vc planejar com antecedencia e nao se incomodar em ter um roteiro fixo, vc consegue achar passagens de $1 dolar na Intercity and Nakedbus, so apenas 1 passagem eu nao consegui comprar passagem de $1 dolar
      - E usei ferry para ir da ilha do sul para o norte. Bluebridge - https://www.bluebridge.co.nz/
       
      3. Comida:
      - Pavlova- eh um tipo de merengue
      - Kumera - batata doce - muito bom
      - Hangi - comida tradicional dos Maori onde eles fazem um buraco no chao e cozinham carne e vegetais. Delicioso
      - Mince - uma torta de carne moida
      - Chocolate - experimente whittakers marca.
      - L&P - eh um refrigerante que eles tem la
      - Hockey pokey sorvete
      - Lamb
      - mariscos - eles um com casca verde que sao gigantes e deliciosos
      - em Queenstown tem o famoso Ferg burger - se prepare para ficar uns 45 minutos na esperando pelo hamburger
       
      4. Temperatura
      - peguei dia super quentes em Queenstown and Auckaland, alguns dias de chuva em Fox e Nelson... nao esqueca de levar um casaco para te esquentar, mas o mais importante de todos eh um casaco que te proteja de chuva e vento.
       
      5. Acomodacao
      Darei as dicas nas cidades que eu passei, mas eu sempre peguei quartos privados em albergues.
       
      6. Outras informacoes
      - as estradas sao todas apertadinhas, parece que vc esta subindo e descendo serra toda hora. So quando vc chegar em cidades como Welligton e Auckland que vc vai ver estradas com 2 ou 3 pistas
      - acho que so passei por 2 pontes que cabem 2 carros, todas as outras pontes so cabem 1 carro
      - tudo fecha as 5, so em Auckland e Queenstown que nao. A maioria das cidades parece deserta depois das 5, vc gente em restaurantes, bares, mas fora isso... tudo deserto.
      - 95% das trilhas sao super bem sinalizadas
       
      Bom, agora vou descrever um pouco do meu roteiro:
       
      Dia 26 - Queenstown
       
      Finalmente cheguei em Queenstown depois de quase 2 dias viajando. Chegar de aviao em Queenstown eh simplesmente maravilhoso... a gente passa pelo MT. Cook, chegando na cidade parece que o aviao para no ar...
      Peguei o onibus do aeroporto que leva para cidade (http://www.connectabus.com/), paguei 12 dolares.
      Cheguei no hotel as 11 da manha mas so podia fazer check-in as 2pm, entao deixei a mala la e fui andar por volta do lago.
      La pelas 3pm voltei para o hotel, tomei um banho e sair de novo para andar pela cidadezinha que eh uma graca.
      Para quem esta a pe, so tem 2 supermercados perto e se prepare, as coisas nao sao tao baratos. Tudo em Queenstown eh caro.
       
      Eu consegui uma super promocao no Expedia e acabei ficando no Rydes Lakeshore.


       
      Dia 27 - Queenstown
       
      Hoje era para eu tirar o dia para relaxar, mas como a previsao do tempo para o meu ultimo dia em Queenstown era de chuva, eu resolvi ir fazer as caminhadas que eu queria fazer na cidade. Comecei com Queenstown Hill trail, levei quase 1 hora para chegar la... a vista eh linda de la.
      Depois fui para Gondola e de la eu fiz a Ben Lomond track... nossa quase morri... levei quase 2 horas para subir, um calor infernal (no dia seguinte descobri que estava 36 graus), os ultimos 45 minutos sao terriveis... a montanha eh bem inclinada e vc tem que passar por pedras... Quase nao cheguei la, todo mundo que passava por mim que estava descendo me motivava. Quando vc chega no topo, a vista eh incrivel. Vc tem uma vista 360... vale a pena ir la.
      Voltei para o hotel, nadei um pouco na piscina, e fui descansar...
       


       
      Dia 28 - Queenstown
       
      Ainda bem que eu reservei a viagem para Milford Sound para o dia 28... estou toda dolorida das caminhadas de ontem.
      A viagem eh longa, mas muito linda... o tour para em alguns lugares, Te Anau, Eglinton valley, mirror lakes e glaciers. Em Milford Sound eu fiz um passeio de barco de 1.5 horas nos fiords... que lugar lindo... cachoeiras... muito magico. Chegamos em Queenstown as 9:30 da noite. O bom do verao na Nova Zelandia eh que escurece la pelas 10 da noite.
       
      Milford Tour - Juicy Cruize (http://www.jucycruize.co.nz/default.aspx)
       


       
      Dia 29 - Queenstown
       
      Hoje eh o dia de aventuras. Comecei com o Nevis bungy jump... de 11 pessoas fui a ultima a pular pois era a unica melhor do grupo e eles fazem pular por peso. No comeco estava super nervosa e dai vendo o pessoal pular comecei a relaxar, principalmente depois que um nao conseguiu puxar a corda e teve que se puxado de ponta cabeca. A sensacao de pular eh muito boa.
       
      Depois voltei para cidade, comi alguma coisa e fui fazer o shotover jet, um barco em alta velocidade que da 360 perto das pedras... muito legal. Depois que eu fiz, fiquei um pouco la para tirar umas fotos... um barco bateu nas pedras....ainda bem que nada grave aconteceu.
       
      O resto do dia eu fui ate Frankton andando pelo lago. A noite, eu finalmente experimentei o famoso Ferg burger.
       
      Note: Reservei o bungy jump and shotover jet atraves desse site: http://www.combos.co.nz
       


       
      Dia 30 - Queenstown
       
      Hoje era para eu pular de paraquedas, mas o dia amanehceu feio e choveu um pouco de manha. Entao tive que cancelar e a tarde fui para Glenorchy com um pessoal que conheci no hotel. O passeio foi legal, mas eu nao sou tao fa dos Senhor dos Aneis entao nao reconheci muito dos lugares.
       


       
      Dia 31 - Queenstown - Wanaka
       
      Meu onibus para Wanaka saiu as 8 da manha. Bem, nao foi um onibus e sim uma mini-van. Uma coisa que vc tem que se preprar para viajar na Nova Zelandia sao as estradas, todas apertadinhas e cheia de morros, mas as vistas sao incriveis. A viagem levou 1 hora mais ou menos e meu quarto ia estar pronto em 1 hora. Fui dar uma volta na cidadezinha e voltei para o hostel para fazer o check-in. Dai comecei minha caminhada por volta do lago e parte da estrada ate chegar no Mt. Roy para comecar minha caminhada ate o topo. A caminhada nao eh dificil, mas longa pois vc faz zig-zag na montanha. No caminho concheci uma americana e fizemos o resto da caminhada juntas. A vista do topo e cartao postal de Wanaka... simplesmente incrivel. A descida eh longa tambem... a americana me deu carona ate a cidade...
      A noite tinha uma banda tocando no centrinho e fogos na virada...
       
      Hostel: Purple Cow (muito boa localizacao e fica pertinho de um supermercado)
       


       
      Dia 01 - Wanaka
       
      Feliz Ano Novo!!! Acordei cedo pois tinha marcado um transporte para me levar ate Rob Roy Glacier para eu fazer a caminhada. A viagem ate la leva quase 1 hora e depois mais 1 hora e pouco de caminhada. A caminhada eh super tranquila, com cenarios maravilhosos, blue river, waterfalls, mountain with ice... eu fiquei la por um tempo, acabei conhecendo uma familia da nova zelandia que na caminhada da volta foi me explicando bastante coisas e me dando dicas de outros lugares.
       
      De volta em Wanaka, eu subi no Mt. Iron para ter a vista da cidade e depois fui andar por volta do lago na outra direcao que eu nao tinha andado no dia anterior.
       
      Transporte para Rob Roy Glacier: http://www.alpineconnexions.co.nz
       


       
      Dia 02 - Wanaka - Fox Glacier
       
      Meu onibus para Fox Glacier saiu as 9:15, no meio do caminho comecou a chover bastante. Foram 4 horas de viagem.
      Em Fox, a chuva parava e comecava - resolvi ir andando ate o Fox Glacier, tem uma trilha da vila ate la pela floresta, leva pro volta de 1 hora. Quando cheguei no glacier parou de chover, fui ate onde eh permitido e votei para o hostel.
      Choveu a noite inteira.
       
      Hostel - Fox Glacier Inn - nao gostei do albergue
       

       
      Dia 03 - Fox Glacier
       
      O dia amanheceu nublado e achei que o meu passeio no gelo ia ser cancelado, ainda bem que reservei o das 11 da manha, pois o tempo melhorou um pouco e acabou sendo o unico passeio do dia. Eu fiz o Helihike, vc vai de helicoptero ate o glacier e la vc faz a caminhada. A viagem de helicoptero eh super rapida, uns 5 minutos so. A caminhada no gelo eh mito legal.
       
      Depois do passeio, comi alguma coisa e fui andando ate o Lake Matheson, leva uma hora mais ou menos. O tempo ja estava bem melhor, mas infelizmente o Mt. Cook estava coberto por nuvens e nao deu para ve-lo. Eu andei por volta da area do lake Matheson e voltei para vilazinha.
       

       
      Dia 04 - Fox Glacier - Arthur's Pass
       
      O dia amanheceu lindo, mas era hora de partir. A viagem de hoje foi feita em 2 partes. A primeira foi de onibus ate Greymouth, no caminho paramos numa cidade super legal, Hokitika, vc tem as montanhas com geleiras, o mar, muito legal. A segunda parte foi de trem de Greymouth para Arthur's pass. O ultimo vagao do trem eh aberto e vc consegue tirar fotos super legais. No final da tarde fiz a trilha para ir na Devil Punch Bowl Creek onde tem uma cachoeira, a trilha eh tranquila e leva mais ou menos 30 minutos da vila. Alias, a vila nao tem nada, apenas 2 restaurantes, onde 1 eh supermercado, posto de gasolina e fecha as 5.
       
      Hostel: YHA Arthur's pass (gostei, cozinha grande). Nao tem internet
       


       
      Dia 05 - Arthur's Pass
       
      Hoje eh o dia de fazer a trilha Avalanche Peak. Estava com um pouco de medo pois ja teve gente que morreu fazendo essa caminhada e uma moca da Nova Zelandia falou que era perigoso e eu fiquei com medo. Acordei cedo, tomei cafe e fui para o centro de informacao para verificar a previsao do tempo. Previsao de sol, perfeito para fazer o Avalanche Peak. Descobri que vc pode chegar no topo atraves de uma outra trilha (Scott's track) que nao eh tao dificil... eu ia fazer essa, mas quando estava no centro de informacao tinha dois rapazes da malasia que eu vi no albergue na noite passada e eles me chamaram para eu fazer a caminha com eles. Se preparem, a trilha nao ef facil... nao para de subir, tem que subir por varias pedras, quando vc esta quase no topo, vc passa por areas bem estreitas. Levamos 2:30 para subir, a vista la de cima eh simplesmente linda.... chegando la em cima tinha 2 passaros, KIA - parecem papagaios grandes - so de olho na comida dos turistas. A descida nao eh facil nao, cheia de pedrinhas, escorreguei duas vezes.
      Depois de um sorvete para refrescar, fui fazer a trilha Bealy Valley track.
       


       
      Dia 06 - Arthur's Pass - Christchurch
       
      Hoje peguei o onibus para Christchurch. O onibus da West coast shuttle cheirava xixi... Em Christchurch, vc ainda ve a destruicao do terremoto. Eles usam agora muito containers de navio para segurar as paredes de predio e construiram lojas, bancos, restaurantes em containers, de uma olhada no re-start mall. Andei a cidade inteira, new regent street, cathedral square, Worcester boulevard, a igreja nova, botanic gardens. So nao fui na gondola, pois fica longe da cidade e quando percebi a hora ja nao tinha mais onibus para la.
       
      Hotel: Break free cashel - muito legal o hotel
       


       
      Dia 07 - Christchurch - Nelson
       
      A viagem para Nelson levou o dia inteiro, mas passamos por lugares bem legais. Paramos em Kaikora, famosa pelos passeio para ver baleias e golfinhos. Passamos pela regiao de Marlborough, cheia de vinhedos. Chegando em Nelson, o tempo comecou a virar e nuvens pesadas apareceram. Ainda deu tempo de dar uma andada pela cidade, mas a noite comecou a chover bastante.
      Hostel: Prince Albert Backpackers and bar (eu gostei, mas eh um pouquinho longe do centro e cozinha bem pequena. Eles tem cafe da manha de graca, torradas, cereal e waffles. Ah!! A dona eh brasileira)
       


       
      Dia 08 - Abel Tasman
       
      O dia amanheceu chovendo e fiquei meio em duvida se deveria ir ou nao. Resolvi ir porque nao queria ficar no hotel de manha e a previsao era de melhorar na hora do almoco. Leva quase 1 hora ate Kaiteriteri e de la vc pega um barco e vai para o lugar do parque que vc quer. Hoje eu ia fazer a caminhada de Medlands bay ate Anchorage. Chovia e ventava bastante e eu me senti no filme Perfect Storm... passei muito mal no barco. Acabei conhecendo um casal de alemaes que iam fazer a mesma caminhada que eu e acabamos fazendo juntos. Foi um alivio descer na praia, mesmo embaixo de chuva. Comecamos a trilha e la pelas 11 da manha, a chuva parou e ao meio dia estava sol e ceu clarinho. As praias sao lindas...
      Na volta, nao passeio mal, mas o barco quebrou, tivemos parar em uma praia e um outro barco veio nos buscar. Ja de volta a Nelson, andei pela cidade para tirar umas fotos do centrinho.
       
      Transporte (barco e van de Nelson) - http://www.abeltasmanseshuttles.co.nz
       


       
      Dia 09 - Abel Tasman
       
      Outro dia no parque Abel Tasman, dessa vez andei de Awora ate Medlands Bay. O dia estava maravilhoso, e passei por praias lindas, Onetakuti, tonga quarrey, Bark Bay. Que pena que a agua eh super gelada....
      De volta a Nelson, eu subi ate Centre of NZ, onde vc tem a vista da cidade. Leva uns 30 minutos para subir la... super tranquilo.
       


       
      Dia 10 - Nelson - Wellington
       
      Outro dia longo pela frente. Peguei o onibus ate Picton, onde peguei a ferry para Wellington. A ferry levou 3 horas e o passeio foi super tranquilo, que pena que o tempo estava fechado, pois o passeio eh super bonito. Depois de fazer o check-in, comecei a andar pela cidade: Parlament, civic center, cuba street, parte do harbourfront.
       
      Hostel: Set up Dixon (boa localizacao, gostei bastante)
       

       
      Dia 11 - Wellington - Taupo
       
      Acordei cedo e fui ver mais um pouco da cidade ja que meu onibus saia as 11 da manha. Eu andei do outro lado do waterfront que eu nao tinha andado o dia seguinte. E depois subi on Mt. Victoria onde tem uma vista legal da cidade. Deu tempo direitinho de voltar para o hostel, pegar minha mala e ir pegar o onibus. A viagem foi longa, cheguei em Taupo la pelas 6 da tarde. O tempo fechou no caminho, uma pena pois tinha uma vista linda de montanhas. Ainda bem que o onibus tinha WI-FI, pois mudei o dia de ir no tongariro park por causa da previsao do tempo.
      Dei uma andada pela cidade de Taupo, mas estava tudo fechado...
       
      Hostel: Rainbow Lodge Backpackers (gostei bastante, mas nao tinha free wi-fi)
       

       
      Dia 12 - Taupo
       
      O tempo amanheceu feio e chovia e parava toda hora. Esperava que o tenho melhorasse a tarde pois queria pular de paraquedas. Fui andando ate Hulka falls e tarde o tempo ainda estava bem nublado e o paraquedas foi cancelado. O sol so saiu as 7 da noite, um por do sol bem bonito alias. So espero que o dia seguinte seje maravilhoso.
       


       
      Dia 13 - Taupo - Rotorua
       
      Acordei as 4:30 da manha para pegar o onibus e ir fazer o tao esperado Tongariro Alpine Crossing. Leva 1 hora e meia ate chegar ao parque. No albergue tinha uma menina na Austria que tambem ia fazer a caminhada e acabamos fazer juntas. Os 19.4km sao demais.... a parte mais dificil eh quando vc chega no topo do Red Crater, venta muito e faz frio. Quando falam que vc vai de uma temperatura de 35 graus a -5 graus, acredite... senti muito frio la em cima... as descida para os lagos foi a mais dificil pois era bem inclinada e tinha que ir bem devagar. As cores dos lagos com o vulcao perto... eh coisa espetacular...simplesmente maravilhoso. Fizemos em menos de 7 horas e consegui pegar o primeiro onibus as 3 de volta para Taupo ja que tinha que pegar o onibus para Rotorua as 5:30 da tarde.
      Cheguei em Rotorua, comi alguma coisa e fui dormir... estava acabada.
       
      Tongariro transport: Tongariro Expeditions - [email protected]
      Hostel: Rock Solid Backpackers (bem localizado, recomendo)
       


       
      Dia 14 - Rotorua
       
      Tive que acordar cedo de novo, pois estava fazendo o passeio para Waitomo Cave para fazer o Black Abyssys. Li uns relatos aqui no mochileiros falando desse passeio e realmente eh muito bom. Vale a pena fazer.
      A niote fui no Tamaki Maori Village, estava em duvida se iria ou nao, mas consegui um ingresso com 50% de disconto. Fiquem de olho no site https://www.bookme.co.nz/ Achei a villa mais ou menos... o show que eles fazem eh bem legal e a famosa comida, Hangi, eh muito boa.
       
      Black Abyssys: Waitomo caves tour - Black Abyss Tour (Black Water Rafting Co.) - http://booking.travelheadfirst.com/packages/show/724
       

       
      Dia 15 - Rotorua
       
      Hoje eu fui nos 2 parques, Wai-O-Tapu e Waimangu. O primeiro eh muito legal, mas o segundo nao eh la grande coisa. De volta na cidade, fiquei andando pela cidade, perto do lago, Government gardens onde tem um jardim lindo e o predio do museu maravilhoso.
       
      Wai-O-Tapo and Waimangu tour -> http://travelheadfirst.com/local-legends/geyser-link-shuttle/
       


       
      Dia 16 - Rotorua - Whitianga
       
      Outro dia de viagem longa. Meu onibus so saiu as 11:30, deu para descasar um pouco e andar mais um pouco pela cidade antes do onibus sair. Cheguei em Whitianga las pelas 6 da tarde... dei uma volta pela cidade, que graca...
       
      Hostel: On the Beach Backpackers (adorei, eh so atravesar a rua e vc esta na praia. Uns 15 minutos andando do centrinho)
       

       
      Dia 17 - Whitianga
       
      O tempo nao amanheceu legal, nublado, com cara de que ia chover... Peguei a ferry para o outro lado da pensinsula e la tem onibus que te leva para os outras praias. Fui direto para Cathedral Cove, de la vc anda uns 45 minutos ate chegar na praia. o Lugar eh lindo, areia branquinha, com agua azulzinha... Na volta fui andando ate Hahei, onde sentei na praia e comi alguma coisa... andei um pouco pela praia e depois esperei um pouco para pegar o onibus para Hot Water Beach. Como cheguei um pouco cedo la, andei a praia do lado e descasei um pouco. Las pelas 5, o pessoal comecou a cavar para achar a agua quente, eu nao lavei nada. Mas so cavando com o pe, vc sentia a agua super quente no pe.
       


       
      Dia 18 - Whitianga - Paihia
       
      Viagem mais longa... sai as 7 da manha e cheguei as 6 da tarde em Paihia. Ainda bem que estava malhando agua em todos os lugares que passamos. Chegando em Paihia, fui no supermecado e so, estava chovendo bastante.
       
      Hostel: Haka Lodge Paihia (melhor lugar que eu fiquei. Excelente localizacao, cozinha grande com uma vista linda, free wi-fi)
       

       
      Dia 19 - Paihia
       
      Hoje peguei um tour e fui para Ninety MIles beach and Cape Reinga, onde os oceano paficco e mar da tasmania se encontram. No Ninety miles beach, o onibus entra na praia e anda quase a praia inteira pela areia. Dai paramos num lugar la para descer nas dunas de prancha... que delicia. De la fomos para uma praia, onde almocamos e depois fomos para Cape Reinga.
      De volta aPaihia, andei pelas cidadezinha....
       
      day trip for Ninety Mile Beach / cape reinga -> http://www.awesomenz.com
       


       
      Dia 20 -Paihia
       
      O dia amanheceu nublado. Resolvi para fazer a caminha Paihia - Opua - Okiato - Russell. Foi bem legal, vc comeca andando pela costa at Opua. Dai tem que pegar uma ferry e atravessar para Okiato, o comeco aqui que fica um pouco chatinho, pois vc anda quase 1 hora no meio do mato... nao ve nada e ninguem. Dai, vc passa por uma fazendo de ostras, uma regiao que parece mangue. Quando estava chegando em Russel, eu meio que me perdi e acabei entrando em uma propriedade privada e saindo numa praia super bonita em Russell. Russell, eh uma graca. Antes de ir embora, andei ate um look out, que pena que o tempo estava fechando. Na hora que cheguei para pegar a ferry de volta para Paihia, comecou a chover de novo.
       


       
      Dia 21 - Paihia - Auckland
       
      De manha fui para Auckland. Chegando la, fui para o hotel e fui encontrar com uma amiga da minha mae que queria me conhecer. Ela me levou de carro para conhecer as areas de praia de Auckland. Fiquei em Mission Bay e voltei andando, passando por Britomart, Viaduct Habour e Wynyard quarter.
       
      Hotel: Ascotia off Queen (esse eh um hotel, um pouco longe do centro... )
       


       
      Dia 22 - Waiheke
       
      Peguei a ferry de 30 minutos e fui para ilha de Wiheke. Uma ilha cheia de vinhedos. O tempo estava meio nublado ate umas 2 da tarde. Eu comecei o dia com uma caminhada, andando da ferry ate a praia de Oneroa Bay, que tem uma loginhas e restaurantes. A caminhada eh bem legal, vc passa por praias, vinhedos e lugares com vistas lindas. Dai peguei um onibus ate a praia de Onetangi, uma praia longa, bem gostosa. De volta, a Oneroa, fiz umas caminhadas por la e peguei a ferry de volta para Auckland ja que ia jantar na casa da amiga da minha mae.
       


       
      Dia 23 Auckland
       
      Dia de ir embora, mas como meu voo so era a noite, fui andando nuns lugares que ficavam perto do Hotel. Mas acabei voltando para o centro ) Comecei com o Mt. Eden, que tem uma vista legal da cidade, depois andei ate o Museu para tirar umas fotos, nao entrei. De la andei nos bairros Newmarket, que tem algumas lojas, e Parnell, com galerias e cafes. Acabei voltando para o centro, comi alguma coisa, voltei para o hotel com lagrimas nos olhos pois nao queria ir embora.
       
      Nova Zelandia eh simplesmente maravilhosa e com as pessoas mais simpaticas que eu ja conheci.
       


    • Por alegtoons

       
      Fala galera!
       
      Devido à falta de informações que encontrei quando estava fazendo minhas pesquisas antes de viajar resolvi contribuir com o relato da minha viagem, para ajudar todos aqueles que estão interessados.
       
      Eu viajei sozinho para a Nova Zelândia e fechei o pacote com a Kiwi Experince. Para quem não conhece é uma empresa de Ônibus que te leva de uma cidade para outra e você pode optar ficar um pouco mais em cada cidade e pegar o ônibus no outro dia se curtir o lugar. Eles garantem a estadia mínima no hostel (depende da cidade, porém a maioria é 1 dia) e o resto, caso você queira ficar mais pode fechar por conta.
       

       
      Apesar de a empresa vender como sendo fácil, vi que muita gente tinha problema quando decidia mudar de roteiro, pois se você decidia ficar mais tempo em algum lugar poderia não ter vaga no ônibus do dia seguinte. E aí você teria que esperar no lugar até ter Ônibus com vaga.
       
      Recomendo a empresa pra quem já tem toda a viagem estruturada ou quer fazer o roteiro mínimo que eles oferecem, pois se for mudar as coisas pode ter problemas em achar vaga em hostel e lugar no Ônibus pra seguir viagem, o que pode atrasar seu roteiro.
       
      A maioria das pessoas que está no Ônibus é mais jovem, em torno de 18 a 25, mas você pode encontrar de tudo. A maioria é Europeu e Principalmente Inglês.
       
      Como eu estava viajando sozinho, foi muito legal a experiência por conhecer bastante gente e fazer parte de uma galera, sem falar que te levam para lugares muito legais. Mas muitos destes lugares não valem a pena se você não estiver com a empresa. E se você seguir o roteiro mínimo, pode achar meio cansativo, pois você fica um dia em cada lugar e a viagem em alguns pontos se torna muito cansativa. Também achei que algumas vezes fiquei muito engessado no roteiro deles, para quem quer liberdade, não é uma boa opção.
       
      Primeiro segue um videozinho que eu fiz e depois o relato dos dias!
       

       
      AUCKLAND 07/03/2016
      Hostel: YHA international
      Tempo na cidade: 1 dia
       
      Voei pela TAM e LAN, indo de São Paulo para o Chile (3 hrs) e de lá para Auckland (13 hrs).
       
      Eu havia lido na internet que a solução para o Jet Leg seria fazer um jejum de 16 horas antes da viagem e ao chegar lá tomar um café da manhã, enganando assim o corpo e se acostumando com o novo horário. Eu estava meio desconfiado mas fiz isso e deu super certo! No primeiro dia já fui dormir no horário correto e acordei na hora certa.
       
      Vale tentar visto que a diferença de horário é muito grande e geralmente leva em torno de 1 semana para se acostumar com o fuso.
       
      Cheguei em Auckland e após o café da manhã eu fui para o Hostel, como cheguei antes do horário de check in deixei a mala lá e fui andar pela cidade. Dei umas voltas pela Queen Street de ponta à ponta, subi a Sky tower para ver Auckland lá de cima, e depois de um tempo voltei para o hostel.
       


       
      Fiz o check in e depois de tarde fui caminhando até o parque Auckland Domain e entrei no museu que tem lá, o Auckland Museum, que possui algumas exposições sobre as guerras que ocorreram no país, é bem grande e vale a pena pra quem curte. Além de guerra tem um pouco sobre fauna e flora do país, vulcões, cultura Maori, entre outros.
       
      O Hostel que fiquei foi muito bom, cozinha grande e espaçosa, quarto espaçoso e bem limpo e o pessoal bem simpático na recepção.
       
      HOT WATER BEACH 08/03/2016
      Hostel: Top 10 Holidey Park
       
      Peguei o Ônibus da Kiwi Experience e fomos para o primeiro destino, a Hot Weather Beach.
       
      O hostel é incrível, muito bonito e bem localizado, bem pertinho da praia. Totalmente recomendado.
       
      A Hot weather Beach é uma praia que fica próxima de um vulcão então quando você cava na areia a água que sai é extremamente quente. Quase todo mundo vai lá com pá, cava buraco e fica dentro dele na água quente. Porém isto deve ser feito durante a maré baixa, até o meio dia.
       

       
      Haviam duas opções de atividade para a tarde, ir a pé ou de kayak até o Cathedral Cove. Fui de Kayak e foi sensacional, a paisagem é incrível e como estava sol o passeio valeu muito a pena.
       
      Quando deu meia noite toda a galera foi para a praia com as pás para cavar seus buracos.
       

       
       
      WAITOMO 09/03/2016
      Hostel: Kiwi Paka Hostel
       
      A grande atração de Waitomo são as cavernas que tem lá. A black water rafting é uma das principais empresas que oferece passeios de explorar as cavernas e é tudo bem seguro. Dentro das cavernas é possível ver os glowworms que são bichinhos que ficam brilhando no teto e parecem estrelas.
       
      Eu optei pela opção mais longa, de 5 horas na carvena e foi um dos melhores passeios que fiz. A água é extremamente gelada dentro da caverna mas eles possuem todo o equipamento necessário, incluindo os wet suits.
       
      O Hostel também é bem bacana. O quarto e banheiro são bem grandes e há vários lugares pra sentar, relaxar e trocar uma idéia com a galera.
       



       
      ROTORUA 10/03/2016
      Acomodação: Tamaki Maori Village
       
      Saindo de Rotorua passamos por Hobitton no caminho de Rotorua. Para quem não conhece, é o condado, local onde habitam os Hobbits, cenário que foi utilizado para a gravação dos filmes do Senhor dos Anéis e Hobbit. O passeio vale muito a pena, principalmente pra quem é fã. O local é muito bem cuidado e os guias são super simpáticos e cheios de histórias legais sobre o local e as gravações do filme.
       


       
      Não conheci a cidade pois eu fiquei o dia todo no Tamaki Maori Villagi, que é um Vilarejo Maori em que oferecem uma experiência incrível de imersão na cultura deles. Foi uma excelente opção de ter passado o dia e a noite lá, me surpreendeu bastante. De dia os maoris nos receberam, mostraram os quartos, serviram um lanche da tarde e nos apresentaram seus Deus. Depois jogamos alguns jogos e aprendemos a cantar uma musica na linguagem deles, ensaiamos pois nós apresentaríamos a música no jantar da noite, para todos os convidados.
       
      De noite chegam todos os convidados e ai eles fazem um ritual para aceitar a entrada dos turistas no vilarejo, todos os Ônibus que chegam lá devem escolher um chefe. Os chefes são desafiados e ninguém pode rir durante este ritual. Quando eles aceitam nossa entrada somos convidados a conhecer um pouco de sua cultura com diversas apresentações e demonstrações e depois nós comemos a comida que eles prepararam.
       
      No video que postei lá encima dá pra ver bastante como funciona
       
      Para quem dorme lá, quando todo mundo que veio só pra jantar vai embora eles ligam duas hot tubes e a galera fica toda lá dentro tomando cerveja. Muito bom!
       
      Recomendo muito! Eles são extremamente preocupados com a sua estadia lá, sempre garantindo que todos estejam se divertindo.
       
      TAUPO 11/03/2016
      Hostel: Rainbow Lodge
       
      Chegando em Taupo fui conferir o jet boat... o barco é extremamente veloz e toda hora parece que vai bater nas pedra e arvores que estão no caminho, de tão perto que o cara passa. Achei que não valeu a pena, pois foi caro e nada demais.
       
      No mesmo dia pulei no Bungy jump, e infelizmente o passeio de barco Sail Barbary que eu havia marcado foi cancelado, devido às condições climáticas. Estava ventando muito e foi um dos dias que mais senti frio lá.
       

       
      Bom que pude dormir cedo e me preparar para o Tongariro Crossing no dia seguinte. Para fazer esta caminhada acordei 5 da manhã. Uma van buscou o grupo na frente do Hostel e nos deixou no início da trilha... Estava extremamente frio durante a manhã e muito calor durante a tarde. É necessário estar preparado para estas condições.
       
      A caminhada valeu muito a pena pois as paisagens são deslumbrantes, o ponto alto é a subida do monte Ngauhuroe. Este é o vulcão que foi utilizado no filme Senhor dos Anéis como o Mt. Doom, o local onde é destruído o anel. A caminhada dura aproximadamente umas 8 horas e vale muito a pena, recomendo totalmente se o tempo estiver bom!
       



       
      O Hostel é pequeno porém bem aconchegante e bem localizado.
       
      RIVER VALLEY 12/03/2016
      Hostel: River Valley Lodge
       
      Este é um hostel no estilho rancho que fica no meio do nada, entre uns vales. Não há muito que se fazer por lá e o sinal de celular não pega.
       
      O unico lugar que tem pra ficar é o salão principal, onde tem um bar e de noite eles servem um jantar, depois todo mundo fica por lábebendo cerveja e conversando, jogando baralho e etc...
       
      No dia seguinte existem duas opções, andar à cavalo ou fazer rafting... Como estava chovendo e eu queria acordar um pouco mais tarde optei por não fazer nenhuma das duas...
       
      WELLINGTON 13/03/2016
      Hostel: Base Wellington
       
      O ônibus só chega aqui no final da tarde e não dá tempo pra fazer nada, nem conhecer a cidade. Como eu estava seguindo o roteiro mínimo fiquei apenas 1 noite, mas recomendo ficar duas. Quem ficou me recomendou bastante o museu Te papa.
       
      No mais, o que pude perceber é que a cidade é grande, diferente das últimas que eu havia passado, e de noite venta muito! O hostel é de uma das maiores redes de lá e é grande e muito bem estruturado.
       
      KAITERITERI 14/03/2016
      Hostel: Kaiteriteri Lodge
       
      Saí de Wellington de ferry, rumo à Ilha sul. Chegando lá, mais uma dose boa de buzão até Kaiteriteri.
       
      Em kaiteriteri tem apenas uma prainha e alguns estabelecimentos, tudo bem pequeno e tranquilo, mas não tem muito o que fazer. O hostel é na frente da praia e isso foi bom por que de noite deu pra ficar tomando cerveja e trocando idéia com a galera na praia.
       
      No dia seguinte fui de Aqua taxi fazer uma trilha no Abel Tasman park e passei por umas praias bem desertas, só não foi tão bom por que estava chovendo.
       

      Praia de Kaiteriteri
       
      WESTPORT 15/03/2016
      Hostel: Bazils surf school
       
      Chegamos no hostel durante a tarde e estava chovendo, não deu pra fazer nada. É outra cidade praiana, bem pequena e acredito que não vale muito a pena passar por lá, nada demais.
       
      O quarto que eu peguei no hostel tinha umas 14 pessoas, mas era extremamente aconchegante, me senti em casa. Muito recomendado, foi um dos melhores lugares que dormi por lá, me senti em casa de tão aconchegante que era.
       
      LAKE MAHINAPUA 16/03/2016
      Hostel: Lake mahiunapua Lodge
       
      É mais um lugar no meio do nada. Tem o hostel, o lago, uma praia... acredito que é legal pra descansar, mas como chegamos tarde não da pra curtir muito a praia. De noite rola uma janta e depois uma festa fantasia com o pessoal da kiwi experience. Valeu pela festa.
       
      FRANZ JOSEPH 17/03/2016 e 18/03/2016
      Hostel: Sir Cedrics Chateau Franz Backpacker and Motel
       
      Dei azar com o tempo e peguei dois dias de chuva lá! Chovia e parava o tempo todo.
       
      A cidade tem um glacial do mesmo nome, e o passeio principal da cidade é o tour de helicóptero desce no glacial e fica um tempo por lá explorando o lugar. Como o tempo estava ruim não consegui fazer. Também é possível fazer algumas trilhas para chegar perto do glacial, mas eu também não consegui com a chuva.
       
      A "cidade" tem 2 ruas, onde existem varios hostels, restaurantes, bares e lojinhas...
       
      O hostel é bom e oferece uma estadia confortável e é um dos únicos que tem Wifi grátis na NZ.
       
      WANAKA 19/03/2016
      Hostel: Base Wanaka
       
      Cidade bem pequena, e muito bonita! É um pouco mais movimentada, tem um lago grande e fica envolta de diversas montanhas.
       
      O Hostel é muito bem estruturado, peguei um quarto de 4 pessoas com banheiro privativo que era muito bom. O foda dessa noite foi que tocou o alarme de incêndio as 2 da manhã por causa de uma torradeira e todo mundo teve que ir lá pra fora num puta frio até chegar os bombeiros e liberar pra voltar...
       
      No dia seguinte passei no puzzling world, que é um museu de ilusionismo e é muito legal. Vale a pena ir!
       


       
      QUEENSTOWN 20,21,22 e 23/03/2016
      Hostel: Nomads Queenstown
       
      Aqui começa a verdadeira diversão na Ilha Sul. Queenstown é uma cidade maravilhosa, e cheia de atrativos, uma cidade extremamente turística. A cidade também é bem pequena, mas muito movimentada! Quase tudo que tem lá é feito pra turistas.
       
      No primeiro dia eu dei uma volta pela cidade, comi no famoso FERGBURGUER, um x-burguer muito bom e famoso. São oferecidos vários sabores que variam entre 12 e 15 dólares (extremamente barato se comparar com outros lugares), o local quase sempre tem fila, principalmente nos horários de almoço e janta.
       
      De noite fiz um PUB CRAWL com o pessoal do ônibus e foi bem legal, a cidade possui diversos bares (que são meio baladas) legais pra quem curte aproveitar a noite.
       
      O hostel é muito bem localizado, tem estrutura grande e é organizado. O quarto que eu peguei foi com 6 pessoas e banheiro privativo. O único ponto ruim é que o quarto é muito apertado.
       
      No segundo dia finalmente consegui descansar um pouco e acordar mais tarde após todos os dias de correria. De manhã dei mais uma volta pela cidade e de tarde fui pular do Nevis, é um Bungy Jump gigante de 134m que fica no meio de um vale. Apesar de caro (250 NZ Dolars + os videos e fotos) é uma baita experiência, e se você tiver coragem vale a pena.
       
      Pra finalizar o dia subi no Skyline Gondola que é um teleférico que te leva pro topo da montanha ali de Queenstown, lá tem o luge, que são uns carrinhos mais ou menos no estilo rolemã, e tem uma pista muito legal pra descer o morro com eles... Apostando corrida com os amigos fica muito legal.
       
      Mais uma noite aproveitei os bares da cidade, vale ressaltar que tem várias opções legais.
       
      No terceiro dia eu fiz um passeio de quad bike de 4 horas que envolveu subir montanha e passar por alguns obstaculos naturais no meio da floresta, foi bem legal e a vista da cidade era deslumbrante do lugar de onde subimos.
       
      No quarto dia fiz o passeio de um dia para Milford Sounds, onde fiz um passeio de barco. É um vale com montanhas e cachoeiras, bem bonito, mas eu esperava mais. De noite voltei pra queenstown e conheci um bar muito legal chamado Cowboys... tem um toro mecânico lá e um copo de cerveja de 1 litro bem barato. O bar é todo decorado no estilo cowboy.
       





       
      MOUNT COOK 24/03/2016
      Hostel: YHA
       
      No dia seguinte que sai de Queenstown fui para Twizel e de lá peguei uma van para o mount cook. É um vilarejo bem pequeno, próximo à montanha de mesmo nome, que é a mais alta da NZ e está quase sempre coberta por gelo no topo. Lá é bem pequeno mesmo e na cidade não tem quase nada, o legal são as opções de trilhas que tem, principalmente as que passam próximas ao mt.cook.
       
      Eu só passei um dia e dei muito azar com o tempo pois estava nublado e eu não consegui ver o monte. Teria sido um dos lugares mais bonitos com o tempo bom.
       
      O hostel é muito aconchegante!! vale a pena pra descansar também!!
       

      tirei essa foto no dia seguinte, de longe, indo pra lake tekapo. este é o lake pukaki
       
      LAKE TEKAPO 25/03/2016
      Hostel: Lake takepo lodge
       
      Como eu voltei pro onibus apenas em twizel, e a galera já tinha chegado de queenstown, todo mundo já tinha pego quarto no hostel de lake takepo. Desta forma, eu tive que dormir onde tinha, que era em uma barraca... A barraca era grande e tinha 5 camas... o problema mesmo foi o frio de noite, 2 casacos e 3 cobertores e mesmo assim eu sentia frio!
       
      O hostel é na frente do lago, que é bem bonito, de dia e de noite, quando é possível ver um dos céus mais estrelados do hemisfério sul!
       
      Bom pra descansar.
       



       
      CHRISTCHURCH 26 e 27/03/2016
      Hostel: YMCA
       
      Cidade grande de novo! Mas apesar de ser grande é bem parada e tediosa, pois não tem muito o que fazer. A grande atração da cidade é a destruição do terremoto que aconteceu lá em 2011. Você pode ver alguns rastros de destruição, e visitar o museu onde eles contam toda a história do terremoto e é bem interessante.
       
      Também tem o jardim botânico que é famoso e bem grande, e diversos museus e artes de rua pra se observar.
       
      No mais, foi bem difícil ficar lá dois dias, pois não tem muito o que se fazer.
       
      O Hostel é muito bom, peguei um quarto com 3 camas, e como estava com 2 amigas, ficou parecendo um quarto de hotel. Finalmente sem beliches!
       

       
      AUCKLAND 28/03/2016
      Hostel: Nomads
       
      De volta a auckland para pegar o avião de volta pro Brasil. Fiquei 3 dias por lá...
       
      Por lá vale a pena ir no mount Eden e conhecer as ruas no entorno da Queen Street.. Como eu estava mais querendo descansar, não fiz muita coisa.
       
      O hostel que fiquei é muito ruim, não vá! Apesar da localização perfeita, é possível encontrar hostels melhores também com localização boa. Esse tem um quarto extremamente pequeno com beliches encostadas, acho que mal cabe uma cama de casal e eles colocaram duas beliches... Uma delas ocupava metade da entrada do banheiro. Enfim, péssimo.
       
      Bom é isso ai galera.
       
      Escrevi na correria, mas espero que tenha bastante informação pra quem estiver afim de ir pra lá também.
       
      Estou à disposição pra responder dúvidas!!
       
      Tentei não botar muita foto, mas o video tá bem completo!
       
      abraços
×