Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
Sinval Pereira

Roadtrip Noruega - Agosto 2018

Posts Recomendados


Depois de trocar os euros pelas coroas norueguesas em Drammen, decidimos pegar a estrada e ir rodando em direção à Preikestolen. A qualidade das estradas da Noruega é excelente. Os formatos que as pistas tomam que são de assustar qualquer brasileiro. No interior do país são poucas as estradas duplicadas, para tráfego mais intenso de carros. A maioria das pistas são bastante estreitas, muitas delas não cabem dois carros de uma só vez. É preciso que um carro pare (ou dê ré, até chegar) nos alargamentos da pista próprios para a ocasião de encontro de dois carros.

Logo depois de sair de uma das poucas vias duplicadas, de cara já peguei uma dessas pistas super estreitas, que contornam os fjords, sobem montanhas em subidas íngremes e cheias de curvas. A adrenalina vai a milhão. Um fator que ajuda a aumentar ainda mais a emoção são as paisagens, que você não quer parar de ver, mesmo dirigindo nestas pistas malucas. A cada poucos quilômetros parava na beira da estrada, entremeava o mato e deparava com cenários cinematográficos. E isso apenas no primeiro dia no país.

O primeiro dia nos levou até a comuna de Seljord. Acampamos no Seljord Camping (140 kr a diária), de frente para o lago. Uma curiosidade é que muitos noruegueses possuem Campervans e saem para acampar pelo país no verão. Em todos os campings que ficamos, as campervans representavam cerca de 90% dos hospedes, poucos acampavam com barracas, como nós.

 

20180802_190300.thumb.jpg.8409725cf43c0b21ac7fb9a5bb8e6f3f.jpg

 

20180803_081119.thumb.jpg.c48e5cbc21e93da020f356a1a627df32.jpg

(foto – caminho para Seljord + camping em frente ao lago)

No dia seguinte, acordamos e pegamos a estrada novamente. Depois de várias paradas, chegamos no ferry que deveríamos pegar para chegar no estacionamento da Preikestolen. O valor de quase todos os ferrys que pegamos foi o mesmo, entre 110kr e 120kr. O tempo estava nublado, e a cada momento que chegávamos mais perto da trilha, a neblina e a garoa aumentava. Por volta de 19-20h paramos o carro no estacionamento (200kr por 24h), logo já separamos o que levaríamos para fazer a trilha. Incluindo a barraca e sacos de dormir. Sim, iriamos acampar no final do percurso. Por incrível que pareça, estava super animado durante a trilha, mesmo com o tempo fechado e a garoa. Depois de tantas trilhas no sol, foi minha primeira na chuva. A trilha é relativamente tranquila e bem sinalizada. Como estava tarde, acabei encontrando poucas pessoas pelo caminho. Na volta, durante a manhã do dia seguinte estava mais movimentada. Chegando na tão esperada pedra, a surpresa veio naquele tão conhecido “expectativa x realidade” hahaha. Achamos um pedaço com terra entre as rochas no limite de onde era permitido acampar e montamos nossa barraca (se olhar bem, vai achar ela ali no meio da neblina). Depois de curtir um pouco as redondezas, fomos para a barraca bater o rango (pão com sardinha enlatada e suco) e preparar para dormir.

1095758449_NoruegaPerestroiken(2).thumb.jpg.6aa54ef776b8e609f6319c3468809360.jpg

 

Drawing1.thumb.png.97661df30f65daa99f9d9e3bf8c3b154.png

Do nada chegou um cara chamando do lado de fora. Também estava acampando com a galera dele e não sabiam como usar um botijão de gás portátil para fazer fogo. Perguntaram pras pessoas erradas. Mas mostramos o rumo de onde havíamos visto uma outra barraca mais cedo e falamos que talvez eles pudessem saber como usar. Pouco tempo depois, começou a chover mais forte e começamos a ouvir choros de criança, tipo bebê mesmo, daqueles de poucos meses... kkkkk. Ficamos sem entender e abrimos a barraca para ver que porra era aquela. Por mais incrível que pareça, um casal montou uma barraca num pedaço de pedra encima da gente (não me perguntem como ele conseguiu essa proeza) e tinha um recém-nascido por lá, certamente com o mesmo frio que estávamos sentindo. Chorou praticamente a noite toda, mas acabou não atrapalhando o sono de quem já estava cansado feito um camelo.

Já com o dia raiando lá pelas 06h da manhã, depois de horas de chuva, um evento surpresa para deixar ainda mais emocionante o dia. Começou a minar água por baixo da barraca. A cada movimento mais brusco enquanto dormia, um fio de água gelada corria pelas minhas costas. Até que o fio de água foi aumentando, e qualquer peso sobre o chão da barraca gerava uma mina d’água. Tivemos que recolher as roupas e tudo que estava dentro da barraca, colocar dentro da mochila e ficar agachados de cócoras até que a chuva passasse e pudéssemos sair para desmontar a barraca. Foram bem uns 40 minutos nessa cena, que hoje quando vem à memória é extremamente cômica. Tão logo o tempo acalmou, desmontamos a barraca e fizemos a trilha de volta. Na mesma garoa e neblina que pegamos para ir.

Durante a descida de volta, estava rolando algum tipo de evento muito daora que parece acontecer em todo o país, pois também vimos em outras cidades. Todos estavam com o uniforme identificado como “Rockman”, que pelo que deu a entender é uma espécie de competição que eles fazem, que mistura corrida de rua, nado nos lagos, subida correndo nas montanhas e sabe-se lá o que mais. Quando finalmente chegamos no estacionamento e fomos descansar para seguir viagem, um francês que havia acabado de descer também começou a comentar que trabalha com audiovisual e fez a trilha para pegar umas imagens bacanas e tal. Dos três dias que ficou acampado no topo esperando pela ocasião para a filmagem, só pegou 30min de tempo limpo. O que mais impressionava é que ele, tanto quanto eu, não estava importando tanto para isso. Curti toda a experiência mesmo com os eventos adversos.

A intenção era fazer a Kjerag, que fica bem próxima da Preikestolen. Depois de secar um pouco das roupas no banheiro do estacionamento, botamos a rota no GPS e seguimos viagem. Chegando no lugar para pegar o ferry, também estava rolando uma galera correndo com as roupas do Rockman. Notamos que além deles, só tinha mais dois carros com dois casais de também turistas. Depois de não entender bem a programação dos ferrys para o dia, um senhor que estava dando apoio para o evento nos lembrou que era domingo, e a escala dos ferrys era reduzida bem como seu preço elevado. O ferry demoraria 5 horas para passar, não havia garantia de vaga e custaria 600kr. Resolvemos desistir da trilha e seguir viagem. O próximo destino seria Odda, cidade que fica próxima do início da Trolltunga, que seria o objetivo do dia seguinte. Colocamos o destino no GPS e fomos rodar, com várias paradas pelo caminho incluindo um ferry.

20180804_113746.thumb.jpg.185590763872863fe047d3f02562723c.jpg

20180804_114802.thumb.jpg.81f2f5627414ac1e34d2a1f8e4e95ef8.jpg

(fotos - caminho para Odda)

Em muitas estradas no interior do país elas seguem o contorno de pequenos riachos. No caminho para Odda estávamos sempre cercados por água. Porém, um ponto chamou a atenção quando estávamos nos aproximando da cidade. Uma puta de uma cachoeira passando por baixo da estrada e desaguando nesse riacho. Era a Latefossen. Mais do que na hora paramos o carro e fomos admirar aquele lugar. Depois de tirar algumas fotos, voltamos para a estrada e poucos minutos depois tivemos que fazer outra parada. Avistamos de longe a ponta de um Glacier. Não sei o nome, pois vimos só de longe. Mesmo vendo só sua ponta, bem de longe, a sensação era intimidadora.

20180804_171442.thumb.jpg.4887b898a97983d15c07198f4859a5be.jpg

20180804_172528.thumb.jpg.194935cc85c72100c69c82b940f82cfa.jpg20180804_172425.thumb.jpg.e2512ff000b691abb9602f02a7e9be5b.jpg

(Fotos Latefossen)

 

20180804_174337.thumb.jpg.51e9ca2c8a04118edd8a0d374ef463c5.jpg

(Foto Ponta Glacier – Zoom máximo do meu Samsung fodido)

Chegando na cidade fomos procurar alguma loja que vendesse chip para celular. Pois desde quando sai da Holanda, fiquei sem internet no meu chip da Vodafone. Como era domingo, acabei me dando mal. A única loja da cidade que vendia os benditos chips, só podia vender para cidadãos noruegueses (¯\_()_/¯).  Depois de rodar a cidade toda, fomos procurar um lugar para nos hospedar. Ficamos no Odda Camping, bacana o local. Pagamos 300kr pela diária. Na cozinha fizemos um molho com salsicha e milho, para acompanhar o pão. Aproveitei o WiFi do camping para me inteirar do mundo virtual antes de dormir. Fui atrapalhado pelo meu amigo, que conseguiu fazer a façanha de deixar vazar shampoo no banco do nosso carro alugado - que pela documentação tinha sido comprado à apenas 20 dias e rodado apenas 1300km quando pegamos. Depois de tentarmos limpar, acabamos desistindo quando vimos que não ficaria melhor que aquilo. A mancha não saiu. Logo fui dormir, (rezando para não nos taxarem quando devolvêssemos o carro) pois no dia seguinte acordaríamos cedo para fazer a trilha, que seria longa.

Acordamos bem cedo, desmontamos a barraca e arrumamos as coisas. Pegamos a estrada e depois de pouco mais de 20 minutos estávamos no estacionamento da Trolltunga. Nunca paguei um estacionamento tão caro na vida. Foram 500kr. Arrumamos as mochilas que levaríamos para a trilha. Abastecemos com alguns lanches para o caminho – barra de cereal/amendoim/batata frita/ chips de banana, e três garrafas de água para cada.

Lá no estacionamento existe uma van que sobe com quem está disposto a pagar até o começo verdadeiro da trilha (os 2 ou 3km iniciais são uma pista subindo em zigue zague de asfalto) cobram acho que 70 NOK. Mas já que vai andar pra caralho, o que são mais uns km a mais?! kkkk
 

A trilha tem 14km para ir e mais 14km para voltar. Apesar de ser longa, é de nível bem leve. A ida achei bem tranquila, demorou cerca de 4,5h. Toda a trilha é espetacular. A cada hora você está em um cenário diferente. Depois de chegar no final, tive que enfrentar a fila de quase 20 minutos para tirar a foto e registrar aquele momento – o maior frio que já senti na vida, fez dar a impressão que fiquei parado naquela fila por 2 longos anos. Tirada a foto, depois de ficar lá em cima o tempo que o frio permitiu - que foi menos de uma hora - já fizemos o caminho de volta, que demorou pouco mais de 4h. Fui parando, curtindo a vista da trilha. Que é sensacional. O que mais pegou foi a volta, que achei bem mais cansativa que a ida. Talvez por ter descansado pouco tempo. Para quem acampa na trilha e faz a volta no outro dia, acredito que deve ser beem mais de boa. Mesmo no verão, o que mais pegou foi o vento gelado durante o caminho todo. Portanto uma dica é ir com roupas corta vento. O brasileiro aqui achava que não precisava, e se lascou  (fui com uma camiseta, uma camiseta de manga longa mais uma blusa de frio).

 

 930507491_NoruegaTrollTunga(1).thumb.jpg.d6021e069b2fb6241d2ceb6beaa52e24.jpg

1035721905_NoruegaTrollTunga(11).thumb.jpg.da979176496564d31167cde0fbea4582.jpg416763677_NoruegaTrollTunga(26).thumb.jpg.f729045f2f63964e4238dc5d2bf0c84d.jpg1568492720_NoruegaTrollTunga(23).thumb.jpg.f211854c4d53fa9ac4e5d736caaa133f.jpg219341031_NoruegaTrollTunga(18).thumb.jpg.136ec285552a21efac01d1e24fed0843.jpg1671130716_NoruegaTrollTunga(12).thumb.jpg.894f1ac6bf41db05ca38e549c50c8a4f.jpg

(fotos Trolltunga)

 

 

CONTINUA...

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Depois da trilha já estava ficando tarde, quase escurecendo. Pegamos o carro e fomos para a estrada. Seguimos em direção a Flam. Quando achamos uma cidade um pouco maior paramos em um posto de gasolina, jantamos e acabamos dormindo no estacionamento dentro do carro mesmo. Nesse momento cansaço nos definia. No dia seguinte continuamos seguindo para Flam. Na região existe uma rota histórica, bem sinalizada. Depois de dar uma volta na cidade – que é bem pequena – rodamos pelas redondezas, e fomos até o Stegasten Viewpoint. Que é uma estrutura acima do pico de um dos Fjordes. O local é bem daora, mas por não necessitar de nenhum esforço para chegar, a orda de ônibus turísticos carregados de asiáticos com suas máquinas fotográficas não dava trégua. Mesmo assim deu para curtir o lugar.  Também na região tinha uma igreja de madeira. Resolvemos ir ver de qual que era, mas para entrar no jardim/cemitério da igreja precisava pagar. Acabamos dispensando. Tiramos uma foto de longe para registrar mesmo e pegamos a estrada para curtir mais um pouco da região.

20180806_104918.thumb.jpg.743b05c0a92f85c0cf07db8009e78370.jpg20180806_104813.thumb.jpg.164e3751fc64ae6c316fe2e19dc93e36.jpg20180806_122406.thumb.jpg.f0724add02b562c817ae3db85a34ca88.jpg(Stegasten Viewpoint /Igreja de Madeira)

 

Em Laerdal pegamos um ferry para atravessar o fjorde, e acabamos parando em uma cidade chamada Sogndal. A cidade não tinha nenhuma atração turística, mas curtimos demais o lugar e acabamos passando a tarde inteira andando pela cidade. Fomos ao shopping para aproveitar o banheiro grátis e dar um rolê. Sentamos numa sorveteria na praça da cidade e ficamos vendo o movimento. Não reparamos em nenhum turista estrangeiro enquanto estávamos na cidade. Como as cidades são envoltas por lagos e fjordes, em Sogndal não era diferente. Fomos em uma rua que morria no fjorde e também ficamos observando a rotina e o clima de um interior-desenvolvido da Noruega. Quando foi ficando tarde, pegamos a estrada novamente. Paramos em um camping na comuna de Luster (100 NOK a diária). Tomamos banho, jantamos nosso já de praxe pão com sardinha, e ficamos curtindo o wifi do lobby superconfortável do hostel até o sono bater.

 

20180806_153918.thumb.jpg.102b292017790192df47f81427215dd8.jpg20180806_153717.thumb.jpg.e6c7ae2e521576587e994fe263a2d5ee.jpg20180806_203313.thumb.jpg.100a71ecd860c4274060973d43b73499.jpg

(Sogndal /Camping Luster)

 

Depois de acordar decidimos que iriamos para Oslo. Procuramos no mapa uma rota que não tivesse ferrys pelo caminho e fomos. Nesse trecho da viagem, depois de pouco tempo de estrada já nos surpreendemos com uma paisagem totalmente diferente do que tínhamos visto pelo país até aquele momento. Bendita rota essa que escolhemos viu?! Não poderia ter sido melhor.

Estávamos passando por dentro de Jotunheimen, as cordilheiras norueguesas. Com as montanhas mais altas do país a região era de tirar o folego. Mesmo no verão o cume das montanhas estava com neve acumulada. A região rendeu muitas fotos e paradas na estrada. Em uma dessas paradas, vimos que tinha um bloco de gelo relativamente próximo da estrada. Saimos da estrada e fomos andando em direção ao bloco. A caminhada foi curta, cerca de 40min. As botas impermeáveis foram uteis nessa caminhada. Uma camada bem espessa de um tipo de musgo se formava no solo por causa da umidade. A cada pisada, o pé afundava quase que pela metade no chão. A caminhada compensou. Depois de curtir um pouco o lugar, voltamos para o carro e continuamos viagem. O bacana de viajar sem roteiro é justamente isso. Em nenhum site/blog vi menções a este lugar, que acabou sendo um dos que mais curtimos em toda a viagem. E que não teria entrado no roteiro, se estivéssemos seguindo algum.

 

20180807_104819.thumb.jpg.d5e6cb25d01edee28b84af74c284ee8e.jpg20180807_110444.thumb.jpg.a21a9c22ba91a2493e621e7b437a8e05.jpg

20180807_111926.thumb.jpg.74d4e7126a28d6b19db786705fdea51e.jpg20180807_121156.thumb.jpg.261fc1f8ec078da13acffb0f72a0a5f9.jpg20180807_115655-01.thumb.jpeg.55443b5228edd0dc7e6551e6b4d9c616.jpeg

Montanhas de Jotunheimen

 

Depois que saímos das cordilheiras paramos em uma cidade chamada Lom para almoçar. Muito bacana a cidade também. Nela também tinha uma igreja de madeira mais conservada que a anterior. Compramos sanduiches em um supermercado e comemos na rua, sentados ao lado da praça central da cidade.

20180807_141048.thumb.jpg.9b8fa4657cce6ca36bb36d60401d9340.jpg20180807_140343.thumb.jpg.6fb12e1df210e3db977461e6b45d9757.jpg

Lom

 

Depois de almoçar seguimos estrada rumo à Oslo. Chegamos na cidade por volta de 18h e já paramos o carro direto em um estacionamento ao lado do Vigelandsparken. Foi o único parquímetro que apanhamos. Nada de aceitar as malditas moedas, nem o maldito cartão. Depois de explorar todos os botões da máquina, pedimos arrego e perguntamos pra um cara que estava chegando no prédio vizinho como funcionava. O cartão devia ser inserido e já tirado na hora. O turista quarta feira estava inserindo e deixando ele na máquina esperando que fosse solicitado a senha...

Vencida a batalha fomos caminhar pelo parque, que era bem preservado por sinal. Além da arborização em volta do parque com grades espaços vazios no centro pra galera sentar no final da tarde e conversar tomando uma garrafa de vinho, a característica mais marcando do lugar está em suas esculturas. Em todas a peça central eram figuras humanas nus, sempre em conjunto. Quase todas com uma feição de susto/tristeza. A hora do parquímetro estava vencendo. Corremos pra chegar no horário e procurar outro lugar para estacionar próximo aos outros pontos da cidade que queríamos conhecer e ficavam em próximos uns dos outros.

1894580825_NoruegaOslo(14).thumb.jpg.7d544b868393235f9337d4b77437136a.jpg466737430_NoruegaOslo(7).thumb.jpg.f68a735c6df51cb6c34b2af991041b4e.jpg(Vigelandsparken)

Achamos uma vaga na rua próximo ao Palácio Real. Salvamos 70NOK, essa vaga era free. Andamos em direção ao palácio e logo começou a cair a chuva. Demos um tempo embaixo de uma árvore e quando perdeu um pouco de intensidade continuamos. O palácio estava em reforma. E mesmo se não estivesse, não era grande coisa. Depois de uma olhada expressa, já fomos em direção ao centro. Estava anoitecendo. Chegamos na Opera de Oslo, também estava em reforma. Se tivessem 10 guindastes à vista acredito que era pouco. Continuamos andando pelas ruas do centro, fui convencido a não comprar lembrancinhas em uma loja no centro – e acabei não achando em mais nenhum lugar até o final da viagem. Depois de algum tempo tentando lembrar onde o carro estava estacionado, o encontramos e fomos preparar a janta: mais pão com sardinha. Aproveitamos as mesas na calçada de um café que estava fechado, e ainda pegamos m pouco do wifi do lugar que estava ativado. Parecendo dois mendigos preparando a refeição na rua, fomos abordados por uns caras que pareciam ser indianos, bem vestidos, pedindo direção para o centro. Mostramos o rumo que era e continuamos nossa refeição. Já estava tarde e não queríamos gastar com hostel na cidade. Dirigimos para fora da cidade e logo encontramos um posto com estacionamento grande. Capotamos no carro mesmo e só acordamos com um verdadeiro barraco no meio da madrugada. Digno de Brasil. Tinha um carro parado de travessado bem atrás do nosso. Um casal estava de pé brigando aos berros. Pelo jeito o tema da briga era traição. Eu estava dormindo no banco de trás, me fingi de morto e só dei uma espiada de rabo de olho uma hora para ver quão perto estavam. Estava à postos para caso começasse a rolar tiros ahahaha. Depois de quase uma hora, foram embora..

Amanheceu e a missão do dia era conseguir trocar as coroas que sobraram em euros. Depois de uma verdadeira peregrinação, reviramos duas cidades de ponta cabeça e em nenhum lugar encontrávamos uma casa de câmbio. Na segunda cidade, em um dos bancos que fui pedir informação, uma mulher asiática proferiu a frase mais desanimadora da viagem quando perguntei onde conseguiria trocar o dinheiro: “Just in Oslo!” Puta que o pariu! Pensei comigo mesmo.

Em caso nenhum voltaria para a capital só para trocar a grana, no pior dos cenários poderia deixar para trocar quando retornasse para Amsterdam. Porém, quase na fronteira com a Suécia, resolvi fazer mais uma última tentativa. Parei em uma cidade, e por sorte achei um Western Union. Trocaram apenas as notas. Mas já ajudou pra caramba, pois acabaram sobrando muitas coroas. Fiquei apenas com as moedas, que eles não aceitavam. Quando fui contar, vi que ainda tinha mais de 200 coroas em moedas. Comi elas no restaurante de um hotel de beira de estrada, bem na fronteira.

Acabou por aí o rolê pela Noruega. Caímos na estrada e fizemos algumas paradas até a volta para Amsterdam, onde devolveríamos o carro. Ficamos um dia em Copenhagem e outro em Hamurgo, na Alemanha. Paramos em um posto a 40km de Amsterdam para almoçar e dar uma geral no carro, que estava podre de sujo. Maldita ideia! Uma van com 4 policiais parou do nosso lado, desceram da viatura e perguntaram o que estávamos fazendo. Explicamos que o carro estava muito sujo e que devolveríamos para a locadora assim que chegássemos na cidade. Não compraram nossa estória. Olhando a cena de fora até imagino o porquê... dois malucos cada um com uma camiseta molhada desesperados tentando tirar a sujeira impregnada no carro. Foram checar nossos passaportes no rádio, fizeram um milhão de perguntas para ver se entravamos em contradição. Depois de uns 20 minutos, nos liberaram. No final, um deles até arranhou umas palavras em português.

Resumindo a viagem para a Noruega: vale a pena pra um caralho! E não é tão caro quanto dizem. Se a pessoa estiver disposta a fazer uma viagem econômica, fica inclusive mais barato do que outros países na Europa.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Sinval Pereira brother parabéns pelo relato! Essa é um tipo de viagem que muita gente tem vontade de fazer porém acha que é bem inviável financeiramente. Ainda quero conhecer a Noruega, está em meus planos futuros e depois de ler seu relato quem sabe consigo fazer algo semelhante. Parabéns! 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Estive na Noruega agora no final do ano (do dia 22/12/18 até 24/12 - véspera de Natal).

Estive em Tromso por 3  dias (2 pernoites) e 2 dias em Oslo.

Também passei 10 dias na Suécia (3 em Gotemburgo e 7 dias no sul - Karlskrona), e passei o dia 31/12 em Copenhagen.

Achei a Escandinávia cara, e a Noruega foi o lugar mais caro. Eu e o meu namorado comemos o básico do básico: biscoitos como lanche durante o dia, pão com uma "Nutella" genérica como café da manhã, e fazíamos um panelão de macarrão com salsicha como janta.

Foi na Noruega também, especificamente em Oslo que encontrei os souvenir's mais caros: um imã de geladeira custava 39 NOK!

Entretanto, com certeza, é um país com uma natureza espetacular!!!!!

Pesquisei muito sobre Trolltunga/Preikestolen/Stavanger, além de Bergen, mas desisti em razão dos custos, além de tudo ficar um pouco mais cinzento e perigoso de ir (fazer hiking) no inverno.

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por Fora da Zona de Conforto
      Para ser franca….Svalbard não é, bem, um lugar normal.
      E como poderia ser?
      Quando os moradores locais têm que andar com rifles por causa da ameaça de ursos polares, lidar com o clima subzero do Ártico, e sobreviver 90 dias por ano sem a luz do sol, você já espera que as coisas sejam um pouco diferentes por lá.  
      No entanto, misturado com essa estranheza, Svalbard é uma terra de beleza selvagem e maravilhosa.
      Então, se você está pensando em viajar para Svalbard ou está apenas curioso(a), aqui estão 18 fatos incríveis e um pouco estranhos sobre este pequeno e curioso arquipélago no norte do mundo.
       
      (Psssst! Você está pensando em visitar Svalbard? Então você vai querer dar uma olhada no meu Guia Definitivo para Visitar Svalbard no Ártico para obter dicas sobre como chegar lá, acomodação, as melhores atividades, como economizar, e muito mais).

      Continue lendo: 18 Fatos Incríveis Sobre Svalbard – O Ártico para Turistas!

    • Por fore
      Introdução
      Planejei uma viagem de carro saindo de São Paulo, capital, com destino ao Ushuaia, saindo do Brasil por Foz do Iguaçu, porém, para evitar a Ruta 14 com medo dos policiais corruptos, entraria no Brasil novamente em São Borja/RS para chegar em Uruguaiana/RS e assim descer até Gualeguaychu pelo Uruguai. Em seguida seguir para o lado oeste e descer a Ruta 40, entrar em Torres del Paine no Chile e continuar descendo até o Ushuaia.

      Na bagagem: barraca Quechua Arpenaz 4.1 Fresh & Black, duas cadeiras de praia, um fogareiro Nautika ceramik, uma mesa portátil, colchão inflável de casal, um saco de dormir, um cobertor, tapete em EVA (aqueles de montar) e manta térmica para forrar o chão da barraca. Além de utensílios de cozinha, um cooler, grelha para churrasco e uma caixa de mantimentos básicos como macarrão, miojo e alguns temperos.
      A barraca é grande, espaçosa e bem simples de montar (são apenas 3 varetas assim como qualquer outra). No quarto cabe o colchão de casal e sobra espaço para mais um de solteiro, como não era o caso, era usado para guardar as mochilas.
      O fogareiro acho que foi a melhor aquisição que fiz. Achei muito bom e a lata de gás durou por uns 3 dias com a gente. Fomos com 12 latas pra lá, porque eu não sabia o quanto rendia. Sobrou bastante e de qualquer forma, a gente encontrava facilmente em supermercados por lá.
      Fomos em 2 pessoas, com um Peugeot 208 1.5, suspensão esportiva (mais baixa que a original), rodas aro 17 com pneus 215/45 e insulfilm g20 em todo o carro, inclusive parabrisa. (Só mencionei isso pelo fato de ainda haver dúvidas quanto ao tipo de carro que consegue fazer esse tipo de viagem).
      Comprei o chip da EasySIM4U para conseguir sinal de internet no celular (somente dentro das cidades tinha sinal).
      O caminho todo me guiei pelo Google Maps, meu carro tem a central multimídia com Android, então bastava eu compartilhar a internet do celular e tudo certo (pelo menos quando tinha sinal).
      Para procurar hotéis usei o Booking.com (consegui pegar bons descontos com o Genius) e para campings usei o iOverlander. Apesar de ajudar muito, o iOverlander é um pouco desatualizado, infelizmente a colaboração não é tanta no aplicativo. Existem muitas outras opções de campings no caminho que a gente acaba encontrando só depois de ter dado entrada em algum.
      No total foram 14.730km em 28 dias de estrada, sem nenhum perrengue ou problemas maiores.
      Obs:
      - O tempo de viagem relatado é o total do tempo do momento em que saímos de um hotel/camping até chegarmos no próximo destino. Contando as paradas na estrada.
      - Os gastos coloquei na moeda local, pois fica mais fácil caso alguém precise consultar em outro momento para ter uma noção melhor de custos.
      - A viagem inteira abasteci com gasolina/nafta super.
      Se quiserem me acompanhar no instagram: @fore.jpg
    • Por MARCELO.RV
      Olá pessoal, começando aqui mais um relato da minha segunda viagem pela América do Sul, rodamos 30 dias, saímos de casa dia 22/12 e chegamos dia 21/01, somos eu, minha esposa e minha filha de 13 anos, vou tentar detalhar o que for mais relevante para os viajantes. Em relação a preços, por onde passamos tem hotéis, hostels e campings para todos os gostos e preços, então esta parte aconselho uma boa pesquisa para adequar melhor o orçamento ao estilo da viagem, o que foi bom e barato pra mim talvez não seja para outra pessoa e vice-e-versa, todas as minhas reservas foram feitas pelo Booking e pelo AirBnB, e outros não reservei, cheguei na hora e procurei ou pesquisei antes pela internet e já fui como uma referência. Vale lembrar que viajo com criança, então todo meu planejamento tento considerar no máximo 2 dias seguidos de estrada, senão fica desgastante demais, na parte final da viagem tocamos 6 dias direto, mas não tivemos muita alternativa e vou contar no decorrer do relato. Todos os valores que eu colocar serão em reais, abaixo algumas informações:
      Equipamentos: cambão, extintor, kit primeiros socorros, 2 triângulos, carta verde(Argentina e Uruguai, fiz com a Sul América, 156,00 para 30 dias), Soapex(Chile, faz no site da HDI, super tranquilo a 11 dólares) e colete reflexivo, levem todos, fui roubado em 100,00 por causa do colete, situação que vou narrar abaixo.
      Gasolina: Na minha região o preço estava 4,79 o litro, abasteci em São Paulo a 3,83, em Gramado o preço chegou a 5,00, então não abasteci lá, voltei a abastecer novamente a 4,69 depois de descer a serra. Na Argentina região de Federación 4,59 e descendo rumo a patagônia por volta de 3,35, na patagônia o governo dá um subsídio para a gasolina, então é mais barata.
      Nossa rota principal foi : Gramado/Canela, Federación, Bariloche, Pucón, Puerto Varas, El Chaltén e El Calafate, mas ao longo de toda a rota tivemos diversos lugares interessantes.
      1º dia 22/12 – Cons. Lafaiete – MG X Curitiba – 1000km – Apenas deslocamento, sem nada de atrativo na estrada, ficamos preocupados em passar por São Paulo sendo véspera de feriado, mas correu bem, sem congestionamento que era o meu medo. Basicamente saindo da minha cidade pego a Fernão Dias em Carmópolis de Minas e depois de São Paulo a Régis até Curitiba.
      2º dia 23/12 – Curitiba X Canela – 734 km – Dia também para deslocamento, sem muita coisa, apenas estrada.
      3º dia 24/12 –  Canela – Coloquei no planejamento ficar em Canela e passear em Gramado que estava espetacular por causa do Natal Luz, conseguimos uma apartamento montado por 710,00 as 2 diárias, pela época o preço foi razoável, e o lugar muito bom. Subimos a serra que é muito bonita e pouco antes de Canela a estrada começa e ficar florida com belas plantações de hortênsias.
      Apart em canela https://booki.ng/2G1d7yq
       



















    • Por Fernanda Spadao
      Olá pessoal... estou indo em Novembro fazer o roteiro de Recife a Maceió... teremos 9 dias inteiros para aproveitar. Vamos alugar um carro. Quem já foi? O que acham?
      Segue roteiro e aceito pitacos 😁   Dia 1 São Paulo - Recife Chega muito tarde -só descansa Dia 2 Olinda pela manhã - Alto da Sé, igreja de 1537, almoçar com estilo no restaurante Oficina do Sabor. Convento de São Francisco, Igreja do Carmo, Igreja da Misericórdia e a Basílica de São Bento, Rua São Bento casa de Alceu Valença, ruas do Amparo e Bernardo Vieira de Melo (Artesanatos) Recife a tarde - 14:00 abrem as lojinhas e afins... Oficina Francisco Brennand, o Instituto Ricardo Brennand, Palácio do Campo das Princesas, Teatro de Santa Isabel, Palácio da Justiça, Liceu de Artes, Capela dourada, Mercados de São José, da Boa vista e Da Madalena, o Paço do Frevo, Marco Zero, Museu Cais do Sertão. As Galerias (nº 183 da Rua da Guia), Embaixada dos Bonecos Dia 1 Gigantes. Casa da Cultura em Santo Antônio. Rua Bom Jesus (Construções históricas), Embaixada dos Bonecos Gigantes. Praia de boa viagem e Caruaru. Dorme em Recife   Dia 3 Segue cedinho para Porto de galinhas - Praia de Muro Alto, Maracaípe e a Praia do Cupe. Dia 4 dia todo em Porto de galinhas - Ipojuca - Dia 5 Cedinho segue para Praia de Carneiros - Almoça em Tamandaré - Ir para Maragogi (Dormir) Dia 6 Praia de Antunes - Ponta de mangue - dorme Maragogi Dia 7 segue cedinho para São Miguel dos Milagres - Porto de Pedras (Praia pataxó) e Japaratinga - dorme lá Dia 8 Cedinho sai de São Miguel e segue sentido Maceió - Barra de Camaragibe - Praia do Carro Quabrado Dia 9 Maceió Pajuçara, Ponta Verde e Jatiúca Dia 10 Praia do Gunga - Praia do Francês - Praia Ipiioca - Praia Paripueira Dia 11 Retorno pra casa - entregar o carro e pegar o vôo   Gostaria de fazer a Foz do rio São Francisco saindo de Maceió, mas aí seria um dia inteiro... deixando de fazer alguma outra coisa...   Me ajudem... hehe...  
    • Por Luiz Ricardo Prais
      Fala, mochileiros! Fiz uma viagem pela Escandinávia no final de 2013, e agora, espantando a preguiça, gostaria de deixar aqui o meu relato com algumas dicas e fotos daquela terra tão incrível!
       
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
       
      Escandinávia: terra que desperta um sentimento místico e aventureiro. Terra dos antigos Vikings, pagãos, e claro, gelo e frio!
       
      Esta viagem ocorreu no final do ano de 2013, quando eu encerrava meu primeiro semestre vivendo em Portugal. No hemisfério norte, os meses de Dezembro e Janeiro são marcados por muito frio e escuridão. Escuridão? Requisito básico para se ver a magnífica aurora boreal!
       
      O percurso
       
      Antes de chegar ao Ártico, passei por 4 países escandinavos, pois além da Aurora Boreal em si, há muita beleza nestes lugares. A trip inteira durou por volta de 15 dias.
       

       
      Iniciei saindo de Copenhagen, na Dinamarca. Em seguida peguei um voo para Helsinki, na Finlândia, e de lá um navio para Stockholm, na Suécia. Em seguida peguei um trem para Oslo, Noruega, e finalmente um voo para Tromso, no ártico norueguês.
       
      Para chegar em Copenhagen eu utilizei a companhia low cost Easy Jet. Os bilhetes de ida e volta, contando a mochila despachada e flexibilidade total para poder alterar as datas, saíram por volta de EUR 160,00
      Obs: infelizmente esta rota já não existe mais na Easy Jet, mas é possível chegar em Copenhagen com outras companhias, mas será mais caro, pois geralmente não são low cost.
       
      O voo de Copenhagen para Helsinki foi operado pela Finnair e custou em torno de EUR 50,00
      O navio que faz a travessia Helsinki - Stockholm é operado pela companhia Tallink Silja Line por um custo de aproximadamente EUR 30,00. A travessia dura uma noite.
       
      De Stockolm a Oslo utilizei um trem operado pela companhia SJ por cerca de EUR 25,00 (tarifa para jovem menor de 25 anos)
       
      O voo de Oslo para Tromso foi efetuado pela Norwegian, e na volta, de Tromso para Copenhagen, pela Scandinavian Airlines. Os custos dos bilhetes combinados sairam por cerca de EUR 150,00
       
      A maioria das companhias oferece um desconto para viajantes com menos de 25 anos. Porém, é bom ficar atento à alguns horários, pois aparecem algumas promoções muito boas em alguns dias específicos para todos os públicos.
       
      Acomodação
       
      Como bom mochileiro, e também de grana curta, uma boa hipótese (e mais divertida) é ficar em um hostel!
      Segue uma lista dos hostels que fiquei durante esta trip:
       
       
      Copenhagen: Copenhagen Backpackers Hostel - DKK 162,00 por noite (Aproximadamente R$ 88,00)
       
      Helsinki: CheapSleep Hostel Helsinki - EUR 17,00 por noite (Aproximadamente R$ 60,00)
       
      Stockholm: InterHostel - SEK 149,00 por noite (Aproximadamente R$ 64,00)
       
      Oslo: Anker Hostel - NOK 230,00 por noite (Aproximadamente R$ 100,00)
       
      Tromso: nesta cidade fui hospedado por 2 simpáticas amigas. Porém, com uma rápida pesquisa, os preços de hostel em Tromso parecem rondar por volta de EUR 50,00 por noite. Definitivamente uma cidade cara.
       
      Detalhes sobre os hostels, como localização e infraestrutura, vou escrever durante o relato.
       
      Preparo
       
      Além da bagagem normal de qualquer mochileiro (roupas para o dia-a-dia, produtos de higiene pessoal, etc), para esta viagem é preciso estar preparado para enfrentar o frio.
       
      Como já enfatizei, o clima de Tromso é mais ameno se comparado a outros lugares, porém ainda assim é preciso se preparar, pois "menos frio" não significa que não seja frio!
       
      Gastos
       
      É preciso ter em conta que a Escandinávia é um lugar com alto custo de vida, o que significa que as coisas não são baratas.
      Em meu planejamento, coloquei uma média de EUR 35,00 por dia (excluindo acomodação). Para a alimentação eu comprava coisas no supermercado e cozinhava no hostel, utilizava apenas transportes públicos (quando necessário), tomava umas cervejas baratas, etc.
       
      É óbvio que este é apenas um valor médio e sugestivo. Seus gastos podem ser menores ou maiores, dependendo do que quiser fazer. Conheci gente que gastou menos que isso, e gente que gastou muito mais.
       
      Se você tem a intenção de visitar museus, catedrais, ou fazer passeios turísticos, aumente o seu orçamento diário.
       
      Depois que estimar o gasto total da viagem, adicione um valor extra (cerca de 10% do total) para ficar guardado para alguma emergência. Acredite, vale a pena.
       
      #Partiu
       
      Com tudo no jeito, mochila arrumada e sorriso no rosto, peguei meu voo de Lisboa para Copenhagen.
       



×