Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

E ai galera beleza?

Então, acabamos de retornar de nosso "mochilinho" pelo Rio Grande do sul e foi surpreendente.

Quando minha esposa me disse que queria fazer um mochilão por Gramado e região confesso que torci o nariz, pois se tratar de uma região reconhecida pelo seu grau de 'careza', ainda mais por se tratar do natal luz. E como eu viajo a mais tempo que ela, sabia que seria um desafio e tanto fazer esta viajem sem estourar completamente o nosso orçamento.  Mas no fim deu tudo mais que certo e deu para mochilar legal pela serra.

Pois bem, vamos a alguns detalhes que nos ajudaram muito durante a viajem e, deixo como dica para os próximos que irão:

-A principal delas é sobre os sites de compra coletiva muito usados na serra gaucha (laçador de ofertas, tchê ofertas...); para que vc realmente tenha um desconto real em sua compra vc precisa 'deixar' que o site lhe mande ofertas... Pois estas sim valerão muito a pena.

-Compre suas passagens e hospedagem com antecedência.

-Fujam do bustour e dos tranfer.

durante este relato explicarei os motivos destas recomendações.

1° Dia- Porto Alegre (24/11/2018)

Nós somos de uma cidadezinha no interior de São Paulo Chamada Tambaú, então no dia anterior tinhamos pegado um ônibus até a capital para ficarmos na casa de nossos padrinhos para no dia 24 seguirmos  viajem.

Pegamos nosso voo para Poa em congonhas, fomos de Latam, pagamos $641,70 + $98 de bagagem (2 pessoas), saímos de CGH por volta das 07:30hs, e chegamos a POA as 09:00hs...

Estava chovendo em Porto Alegre e, com o aeroporto em obras, tivemos dificuldades para encontrar a entrada do aeromóvel que nos levaria até o metro... Por fim encontramos e pegamos sentido a rodoviária ($3,30 p/p)...  Chegando na rodoviária já procuramos o guichê da empresa Unesul para comprar as passagens do dia seguinte para Bento Gonçalves.

Estava chovendo muito, e foi um sacrifício para chegarmos a pé até o hostelRock, ($76 quaro duplo com banheiro compartilhado), ainda mais pq o GPS resolveu nos trollar nos mandando para o lado errado😵. O hostel é bem ok não tem nada de demais mas é bom para quem pretende passar poucos dias em Porto Alegre... E como nós só iriamos ficar 1 foi mais que suficiente.

Como estava chovendo muito não pudemos sair de imediato então ficamos no hostel por um tempo e depois fomos para o shopping total ver um filme($12 p/p), pois ficar trancados dentro de um quarto não é muito nossa praia.

Quando acabou o filme vimos que a chuva tinha dado uma trégua, resolvemos seguir a pé para explorar a cidade... Como já estava tarde as atrações já estavam fechadas mas mesmo assim fomos dar uma conferida😁... Depois disso fomos experimentar o famoso lanche de coração de frango de lá, (não é ruim, mas também não é a maravilha que falam, é bem normalzinho), e em seguida pegamos um uber($8,31), pois a região central de Poa a noite não inspira grande segurança, e fomos descansar pois acordaremos cedo no dia seguinte para viajar  para Bento.

20181124_192005.jpg

Shopping Total

20181124_200200.jpg

Poetas da praça

20181124_200921.jpg

casa de cultura Mario Quintana

IMG-20181124-WA0029.jpeg

O tal lanche com coração de frango (preços na comanda👍)

2° dia: Bento Gonçalves (25/11/2018).

Antes de continuar vale deixar um comentario/ sugestão para se chegar a Bento, se vc é como eu que não pretende alugar carro, nem pagar um transfer caríssimo, o melhor jeito é ir de ônibus. E para que vc não perca muito tempo e dinheiro o melhor é deixar para fazer Bento antes, ou depois de Gramado. Por exemplo nós escolhemos ir antes então o nosso roteiro ficou: Poa- Bento-Gramado... Mas pode ser feito ao contrário. Pois ambas as rotas passarão por Caxias do Sul.

Continuando...

Acordamos por volta das 3:30hs para pegar nosso ônibus para Bento as 5hs. Foi recomendado para não ir a pé para rodoviária de madrugada então, pedimos um uber ($16,78) e pegamos nosso ônibus da UNESUL para Bento ($71,20 p/2)... Dois detalhes: O 1° é que sai apenas um bilhete para as duas passagens; e o 2° É que o ônibus é o que vai para Carazinho, então é bom se informar na plataforma.

A viagem foi tranquila deu para dormir legal🤤😴, chegamos a Bento por volta das 8hs. Como estávamos de Mochila pedimos para guardar na rodoviária ($7 p/mochila)... Dica importante LEVEM DINHEIRO EM ESPÉCIE.

Em seguida fomos a pé para a nossa 1° vinícola: Aurora. Como ela fica na área urbana da cidade pudemos ir aproveitando um pouco do que a cidade tinha para oferecer... Inclusive a famosa fonte de vinho.

 

 

 

20181125_082237.jpg

Fonte de vinho

20181125_082401.jpg

A cidade é extremamente limpa! Até nas lixeiras tem plantinhas.

20181125_083308.jpg

A cidade em si é uma graça.

Chegamos a Vinícola Aurora, por volta das 9:45hs,  esperamos alguns minutos para o tour (grátis). É um passeio mais técnico, contando sobre a elaboração dos vinhos e no final é feita a degustação, que se divide em: secos, suaves, licoroso e azeite, e suco.

20181125_092046.jpg

20181125_092654.jpg

Saindo da Aurora, fomos caminhando até o Pórtico Pipa, e da lá pegamos um Uber (R$10,71) até a Via Trento, onde visitamos outras Vinícolas: Casa Valduga e Dom Cândido.

20181125_103407.thumb.jpg.d897ea449fe63c46757d7c8ab8812c72.jpg

O tour na Casa Valduga é R$40 por pessoa e ganha uma taça, a degustação é feita de uma maneira diferente e bem descontraída durante o passeio🤩.

20181125_124527.thumb.jpg.0115bdfab204fba54e93edb423607e6d.jpg20181125_132023.thumb.jpg.b7996fc7bdc972fc11ea5ae0325a783d.jpg

Na Dom Cândido, resolvemos não fazer o tour completo, só a degustação (R$35 por pessoa), a essa altura já estávamos meio alterados😅🤪😵.

20181125_132655.thumb.jpg.e2c46ef3489f6a0391d93b22999e90a7.jpg

Depois fomos almoçar em no Vinhas do Vale, também na Via Trento, onde comemos um Sanduíche Talian (R$18) e um Sanduíche Gourmet (R$28), super indicamos é fenomenal😋👍.

20181125_143630.thumb.jpg.f07f2261098e87fc0b8237c98d5e324f.jpg

Após o almoço fizemos uma caminhada até o a capela de N.S. das Neves... Onde pedimos um uber para voltar a rodoviária, porém ninguém aceitou o chamado🤬, então tivemos que chamar um táxi ($35)😱😡 pois já era tarde, estávamos cansados, e tínhamos que pegar o ônibus para Caxias do Sul. 

Chegando na rodoviária fomos comprar as passagens e para nossa surpresa não aceitavam cartões. Então acabamos perdendo o ônibus que queríamos pegar e só pudemos ir no próximo das 17:16hs. A empresa que faz o trajeto Bento x Caxias é a OZELAME ($13).

Chegamos em Caxias e pegamos um ônibus da CITRAL ($17,75) para Gramado as 19hs... e adivinha também não aceitavam cartões lá.

Por fim chegamos a Gramado. Mas admitimos que devíamos ter deixado mais tempo para Bento pois a cidade tem MUITA coisa a oferecer.

 

 

 

 

 

  • Gostei! 3
  • kkkkkkk 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Diego Minatel
      Para mim é algo realmente complicado traduzir em palavras os momentos vividos nos dias da minha viagem. Viagem esta que não se traduz num simples mochilão ou turismo de longa duração. Foi o encontro de uma pessoa comum com seu sonho de andar por terras que tanto o inspiraram, terras mãe da esperança, terras de homens e mulheres feitos de histórias e de coração, corações gigantescos. O sentimento que fica depois de quase seis meses na estrada é o de gratidão, do agradecimento as infinitas pessoas que ajudaram esse pobre viajante das mil e uma maneiras possíveis, para vocês meu muito obrigado.

      Foto 1 - A companheira de viagem
      Tinha uma vida igual a tantas outras, era bem razoável por sinal, mas a vontade de caminhar e estar frente a frente com o novo me atormentava todos os dias. Queria conhecer com meus olhos as diferenças, os sotaques, as comidas, as belezas. Desejava não ter pressa, fazer tudo no seu tempo necessário, não estar preso a rotina dos dias e principalmente aprender. Sim, aprender, não com fórmulas prontas e nem sentado dentro de uma sala de aula. Queria aprender com experiências. Queria conhecer pessoas. De alguma forma queria fugir da minha vida cotidiana, não por ela ser ruim, mas pelo desejo de se conhecer e assim, quem sabe, voltar uma pessoa melhor. Quando esse sentimento passou a ser insuportável decidi que tinha que partir.
      Por um ano ajuntei algum dinheiro, queria ficar seis meses na estrada. A grana não era o suficiente, mas suficiente era a minha vontade. Dei um ponto final no trabalho. Abri o mapa e não tinha ideia por onde começar. Decidi não ter um roteiro, apesar de ter muitos lugares em que eu queria estar.
      Assim começa a minha história (poderia ser de qualquer um). O relato está dividido da seguinte forma:
      Parte 1: de Rio Claro ao Vale do Itajaí
      Parte 2: Cânions do Sul
      Parte 3: de Torres a Chuí
      Parte 4: Uruguai
      Parte 5: da região das Missões a Chapecó
      Parte 6: Chapada dos Veadeiros e Brasília
      Parte 7: Chapada dos Guimarães
      Parte 8: Rondônia
      Parte 9: Pelas terras de Chico Mendes, Acre
      Parte 10: Viajando pelo rio Madeira
      Parte 11: de Manaus a Roraima
      Parte 12: Monte Roraima y un poquito de Venezuela
      Parte 13: Viajando pelo rio Amazonas
      Parte 14: Ilha de Marajó e Belém
      Parte 15: São Luis, Lençóis Maranhenses e o delta do Parnaíba
      Parte 16: Serra da Capivara
      Parte 17: Sertão Nordestino
      Parte 18: Jampa, Olinda e São Miguel dos Milagres
      Parte 19: Piranhas, Cânion do Xingó e uma viagem de carro
      Parte 20: Pelourinho
      Parte 21: Chapada Diamantina
      Parte 22: Ouro Preto e São Thomé das Letras
      Parte 23: O retorno e os aprendizados
      O período da viagem é de 01/10/2015 a 20/03/2016. De resto não ficarei apegado nas datas exatas em que ocorreram os relatos que irão vir a seguir, tampouco preocupado em valorar tudo. Espero contribuir com a comunidade que tanto me ajudou e sanar algumas dúvidas dos novos/velhos mochileiros.
    • Por Andreaz Herz
      se tromba na trip, só dá um slv ;
       
      ✌️
       
       
    • Por Raisa Rodarte
      Com certeza esse é um dos meus destinos queridinhos nesse país. Se me pedirem para montar um Top 5 dos lugares onde já estive, sem dúvida ele estará nas primeiras posições. Sabe quando você chega a um lugar e se sente em casa? Bom, é mais ou menos isso. Não à toa, já foram três visitas 😃
      Vou fazer um relato curto. A ideia é compartilhar algumas dicas de passeios e das principais cidades do roteiro, deixando a visitação a Cambará do Sul, porta de entrada para os cânions Itaimbezinho e Fortaleza, em um post à parte.·. 
      Gramado e Canela
      As duas cidades estão localizadas muito próximas uma da outra (aprox. 8 km). Se você é uma pessoa não sedentária (que curte de uma caminhada) vá andando de uma cidade até a outra. É só seguir a RS-235. Há calçada (passeio para os mineiros rs) nos dois sentidos e o caminho é bem tranquilo e cheio de atrações, por exemplo: o Museu de Cera, Museu Harley Davidson, Chocolaterias, Mundo a Vapor, Museu dos Beatles, Aldeia do Papai Noel. Só que em quase todos eles é cobrada uma taxa de visitação.
      Caso você não esteja disposto ou tenha alguma dificuldade para caminhar longas distâncias, é possível fazer o trajeto de carro, táxi, ônibus intermunicipal (não sei o valor atualizado da tarifa. Em 2014 era 2,30) e Uber! Isso mesmo, já tem Uber circulando por lá.
      Em Gramado, há alguns passeios clássicos:
      Lago Negro (gratuito)
      O clássico passeio nos pedalinhos de cisnes brancos. Pode parecer clichê, mas é lindo! Além disso, o lugar é muito bom para quem quiser dar aquela corridinha básica. Para quem é corredor (como eu) e precisa manter os treinos mesmo durante as férias, lá é um bom lugar pra esticar as pernas. Mas vá cedo (antes das 9hrs), dessa forma, o espaço ao redor do lago (que é estreito), fica todo para você!
      Mini Mundo (paga-se entrada)
      Nesse eu não fui, mas dizem que é legal! Lá você vai ver muitos lugares famosos do Brasil e do mundo representados em tamanho miniatura.
      Rua Coberta (gratuito)
      Parada obrigatória para um café da tarde, um chocolate quente ou um chopp à noite. Há várias cafeterias e chocolaterias localizadas ali. É uma delícia! Sem contar o charme dos assentos coberto com lã de ovelha.
      Igreja de São Pedro e os 12 apóstolos (gratuito)
      Fica bem em frente à Rua Coberta, do lado do Teatro da Cidade, onde acontece o Festival de Cinema de Gramado.
      Fonte do Amor (gratuito)
      É um ponto turístico relativamente novo. Não tem nada demais, mas como é no centro e você vai passar por ela algumas vezes, não custa nada olhar. Ah, para aqueles casais apaixonados, vale colocar um cadeado na fonte, no estilo parisiense.
      Lago Joaquina Rita Bier (gratuito)
      Fica no caminho para o Lago Negro, e perto do Mini Mundo. É onde acontece a celebração do Natal Luz.
      Rótula das Bandeiras e o Kikito
      Essa praça é famosa! Na verdade, está mais para uma rotatória com bandeiras de diferentes nacionalidades e no centro delas, o Kikito, o símbolo do Festival de Cinema de Gramado, que se tornou mascote da cidade.
      Em Gramado tem muitas praças lindas, com trepadeiras floridas e jardins bem cuidados. Bom de admirar! Uma delas é a Praça das Etnias, com a Casa do Colono. Repleta de lojinhas que vendem produtos rurais, feitos nas fazendas de colonos alemães, italianos... Vale uma parada! Comprei algumas coisas lá, de frutas desidratadas a geleias...

      Snowland (paga-se entrada)
      Esse também é bem famoso! Funciona como um parque de esqui indoor. Seus idealizadores recriaram um ambiente com neve artificial, morros e gelado, para funcionar como uma estação de esqui e snowboard. Lá você aluga roupa e equipamentos e brinca de esquiar. Não fui, pois fiquei com receio de machucar e não conseguir fazer as trilhas nos cânions. Mas irei quando voltar! Conheço pessoas que foram e adoraram.
      O Mundo dos Cristais e Vidros
      Não lembro exatamente onde fica, mas nesse lugar teve uma mostra ao vivo de como fazer e moldar vidros criando jarras, vasos, jóias. É um lugar onde eles fabricam vidros coloridos, muito utilizados na decoração de ambientes. São lindos! Depois do show você pode passear pelas lojinhas de vidrarias e semi-jóias. Dá vontade de comprar tudo!!!
      Fábricas de Chocolate
      Chegamos à parte mais chata da viagem! A comida! Rsrsrs
      Eu amo chocolate, então me esbaldei por lá. Existem várias chocolaterias, mas a minha preferida é a Prawer. É a mais antiga e conhecida como a primeira marca de chocolates artesanais do país. Possui muitas lojas na cidade e na Rótula das Bandeiras é possível degustar doces e sobremesas na Casa da Velha Bruxa, além de tirar uma foto com a dona do local.
      Preciso confessar que os chocolates não são baratos. Diante dos convencionais, o preço assusta. Mas vale muito a pena! São muito saborosos e há uma variedade incrível! Além disso, em algumas lojas (como na Luggano) você pode brincar com os sabores e montar seu próprio chocolate. Quem não adoraria ganhar uma lembrança dessa?!
      Além dessas, há outras marcas, como: a Chocolateria Gramado, Florybal (preços mais em conta) e Caracol (carinha também). Não deixe de visitar uma Fábrica de Chocolate! Fiz a visitação na Prawer, é gratuita e você pode agendar o transporte nas próprias lojas. Procure um funcionário e diga que você gostaria de conhecer a fabricação. Eles providenciam tudo, na faixa! Ouvi dizer que na fábrica da Luggano também é assim, mas eu não fiz o teste. Lembro, inclusive, que eles me ofereceram a opção de busca e retorno no hostel que estava hospedada.
      Em termos de culinária, outras duas coisas não podem faltar na viagem...

      O Café Colonial e uma Sequência de Fondue
      A primeira vez que fui lá, adooooorei o Café Colonial. Achei a coisa mais maravilhosa do mundo. Mas nessa última vez não gostei tanto. Não sei se popularizou demais ou se eu que estou com o paladar um pouco mais exigente mesmo. Bom, mas é uma experiência típica da cidade. Logo, se você nunca experimentou, vá sim. Sugiro ir para o café da manhã. À noite tive a impressão de que eles a comida não é tão fresca.
      - Tanto para o Café Colonial quanto para a Sequência de Fondue existem muitas opções, mas eu escolhi o Maximilia Fondue a la Carte e o Café Colonial na Torre, porque comprei coupons de desconto nesses lugares!!!! Isso salvou minha viagem, porque comer lá NÂO é barato!
      Site de descontos – http://www.laiguana.com.br/index.php

      Transporte até Gramado e Canela
      Ir de Porto Alegre ou Caxias do Sul para Gramado é bem fácil. Partindo ao aeroporto há ônibus que faz o trajeto direto para a rodoviária da cidade e o preço é bem em conta.
      Dentro de Gramado não é necessário andar de carro. As distâncias entre os pontos de interesse são bem curtas, a cidade é pequena e os locais mais turísticos, hotéis e principais restaurantes também são bem localizados.
      Clima
      Independente da época do ano pode fazer frio na cidade. Por mais que o inverno na região seja mais intenso de maio a agosto, o tempo pode virar e esfriar muito de uma hora para outra. A dica é: Levem roupas de frio e sempre ande com um agasalho.
      Outra coisa interessante é em relação à neblina. Algumas vezes, no meio do dia, baixa uma neblina densa sobre a cidade e escurece tudo. Mas ela logo passa. Em setembro isso aconteceu 2 vezes. A umidade na cidade é elevada e isso faz com que a sensação de frio seja ainda mais intensa. Pegamos 5 graus no mês de setembro.

      Passeio de Maria Fumaça
      Contrate uma agência de turismo e vá nesse passeio. É um passeio de dia todo, mas é muito divertido. Você faz o trajeto passando por várias cidades próximas (Garibaldi, Bento Gonçalves, Carlos Barbosa). Dentro do trem tem degustação de vinho tinto e branco (produzidos em Bento Gonçalves) e espumante (produzidos em Garibaldi), shows com danças típicas italianas e um teatrinho. Há algumas paradas estratégicas onde você desce do trem para passear na cidade. Por exemplo, em Carlos Barbosa, onde há a Loja da Tramontinas, onde é possível fazer umas comprinhas e uma degustação deliciosa de queijos e salames. Falando em salame, lá eles vendiam um salame de javali! Muito saboroso e com 60% menos gordura do que o tradicional. Recomendadíssimo!
      Fizemos o trajeto de volta de carro (da agência) e paramos em São Francisco de Paula, um pólo famoso pelas malhas e roupas de lã. Foi legal, mas não tem nada demais. Portanto, paradinha dispensável!
      Visita às Vinícolas
      Outro passeio que não pode faltar no roteiro. Só procurar uma agência de turismo e contratar uma visita às vinícolas. Existem muitas vinícolas na região, eu sugiro que vocês visitem alguma mais tradicional, como a Miolo, Cave de Pedra, Casa Valduga... Em algumas delas, a visitação e a degustação não tem custo. Outras cobram um valor que pode variar de 20 a 40 reais por pessoa. É bem bonito de ver, bem gostoso também. Mas fique esperto para não sair bêbado do passeio. São tantos vinhos para degustar que é fácil passar do ponto kkkkkkkkk
      http://vidaevinho.com/vinicolas-vale-dos-vinhedos/

      Canela
      É um pouco menor que Gramado. Tem menos opções de hotéis e restaurantes. Mas também é bem charmosa. Comparando com Gramado, Canela possui menos atrativos turísticos localizados dentro da cidade. Exceto a Catedral de Pedra (uma construção de arquitetura gótica que fica em uma praça central), o restante das atrações está fora da cidade. Sobre a Catedral, eles costumam iluminá-la externamente durante a noite. Se você tiver sorte, vale a pena dar uma espiadinha.
      Em Canela está o Parque Estadual do Caracol, onde se encontra a famosíssima Cachoeira do Caracol. Você pode ver a cachoeira de dois ângulos: 1) bem de pertinho, descendo alguns (fui bem generosa aqui viu) degraus que levam até o lago formado pela queda e; 2) de longe, do mirante de observação, que nos permite ter uma vista do alto (Foto). Também existem algumas trilhas de fácil uso espalhadas pelo parque, adentrando a vegetação e margeando o rio que forma a cachoeira. Andando por elas você encontra lugares muito peculiares, com um clima (garoa) e vegetação que lembra muito os contos de fada. Lá só é preciso ter atenção com os quatis, que são muitos e estão bastante acostumados com a presença dos turistas, que dão tudo que é de comer pros bichos.
      No Parque, também é possível fazer o passeio de teleférico. Se você nunca fez, vale a pena! Recomendo! Informe-se na portaria do parque como fazer para chegar até o ponto de partida dos teleféricos (não me recordo dos valores também!). Falando em valores, a entrada no parque não é gratuita! Para chegar até ele, pegamos um táxi em Canela. Para ir embora, pegamos um ônibus circular. Os ônibus circulares são bem mais baratos, mas não passam lá o tempo todo, tem alguns horários fixos. Olhando na internet, dá para saber certinho quais são os horários.
      Na rodovia entre a cidade de Canela e o Parque Estadual do Caracol, há outros atrativos, como o Mundo dos Dinossauros, Terra Encantada Florybal, entre outros. Não conheço nenhum desses, minha opinião é que eles devam ser mais interessantes para crianças (mas isso é apenas minha opinião).
      - Tem uma churrascaria bem tradicional nessa mesma rodovia, que se chama Garfo e Bombacha. Acho que ela só funciona na base de reservas. Você paga um valor $$ e o buffet é livre (exceto bebidas), há o famoso churrasco gaúcho e shows culturais típicos. Infelizmente, no dia que estávamos em Canela não havia mais disponibilidade. Ficamos só na vontade! Mas tudo bem, eu vou voltar! 😃

       
      Boa viagem!  
      Be happy and eat chocolate!
       
       
    • Por Viver Sorrir Viajar
      Não é porque somos Gaúchos, – ou pode ser por isso mesmo – mas nós amamos Porto Alegre, e pensando nisso trouxemos neste post um pouquinho do que há de bom na cidade. Afinal, Porto Alegre é Demais!

      Uma das capitais mais bonitas do Brasil reúne 1,5 milhões de habitantes orgulhosos de suas origens. A cultura é uma das principais atrações da cidade. A capital dos Gaúchos é repleta de áreas verdes, vida noturna agitada e boa comida. E mesmo com tudo isso, ainda conserva as tradições de uma cidade do interior.
      A cidade é repleta de bons hotéis. Decidimos por fazer a reserva com algum tempo de antecedência. O nosso hotel foi o Ibis, localizado na Assis Brasil. Ele é bem charmoso e descolado, mas deixou um pouco a desejar na alimentação, já que alguns hotéis da mesma rede não tem frigobar no quarto, e a comida fora do horário é congelada.
      Se for se locomover pela cidade, opte pelo Uber, funciona super bem na cidade inteira, e é muito mais econômico em relação ao taxi.
      E se você curte sair a noite, te indicamos a Cidade Baixa. Neste espaço Boêmio e democrático é possível beber uns drinks no Dirty Old Man ou no Bar Spoiler, cerveja no Apolinário, cachaça no Matita Perê curtindo música ao vivo e, no final da noite, comer um xis bem porto-alegrense.
      No domingo de manhã você pode ir até o Brique da Redenção. Uma feira semanal a céu aberto, que funciona a cada domingo no canteiro central da Avenida José Bonifácio e se estende desde a Avenida Osvaldo Aranha até a Avenida João Pessoa. O brique tem de tudo um pouco desde de arte e cultura, até antiguidades. É a expressão das raízes e da tradição gaúcha manifestada nas obras de centenas de artistas.

      Para o almoço de domingo, o lugar mais charmoso da cidade é o Agridoce Café. Quando passamos pela porta do café, entramos em um outro mundo, um mundo aconchegante e com cheiro de café, claro. O ambiente é tão surpreendente que fica quase impossível descrever em palavras, só mesmo mostrando em fotos ou indo até lá para conferir.
      E para finalizar o dia com chave de ouro, nada melhor que o Pôr do Sol no Guaíba. O calçadão de Ipanema é um dos lugares mais conhecidos para a curtir o pôr do sol em Porto Alegre, seja para caminhar ou aproveitar a praia de água doce, é sempre uma boa pedida.

      Espero que tenham gostado das nossas dicas! WWW.VIVERSORRIRVIAJAR.COM
       


×