Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

FAZENDA BOM JESUS
Essa é outra fazenda que também vale a visita. Nesta não tem passeio de búfalo, só caminhada, mas é possível ver diversos animais em seu habitat, aves e plantas. Paisagens majestosas. E no final tem um café da tarde. Não tenho certeza do preço, mas deve ter sido por volta de R$ 100 também.

IMG_20180131_075740_845.jpg

 

 

IMG_20180131_075740_862.jpg

IMG_20180131_075740_869.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

SALVATERRA
Salvaterra é a outra cidade, do lado de lá do rio. Passei uma tarde visitando as praias. Almocei em Joanes, depois fui pra Água Boa e terminei na Praia Grande. Cada uma com sua beleza. E a água sempre naquela temperatura ótima do norte. Combinei o valor com um mototáxi e em uma tarde percorremos tudo. Um casal de franceses que estava no hostel, fez isso também, mas de bicicleta, durante o dia todo. 

IMG_20180131_191629_463.jpg

IMG_20180131_232453_315.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
BELÉM (3 dias inteiros)
Belém é uma cidade muito interessante, super colorida e musical. Sou de São Paulo, e há muitas diferenças culturais entre essas longas distâncias no país. E adorei conhecer um pouquinho. 
A cidade não me pareceu nada segura. Mas até que andei bastante a pé e de Uber também. 
O que ver em Belém: cidade velha, forte do Presépio, Mercado Ver o Peso. Casa das Onze Janelas, Estação das Docas, Mangal das Garças, Portal da Amazônia, bar Palafitas, Teatro, as igrejas (de onde sai o Círio de Nazaré e as outras tb) Ilha do Combu (Chalé da Ilha). O restaurante do Mangal das Garças, além de ser uma construção bem bonita, tem uma vista ótima.
A comida é uma riqueza paraense que julgo imperdível. São muito sabores diferentes. Eu adoro taperebá (que é cajá!) e cupuaçu. Mas além disso tem também o bacuri, o buriti, ...
Não deixe de provar: o verdadeiro açaí, com peixe, no Point do Açaí; a comida deliciosa, com alimentos orgânicos e comprada de pequenos produtores do Iacitatá Centro de Cultura Alimentar (os preços são meio salgados, mas vale o investimento); o sorvete da Cairu; as maravilhosas cervejas da Amazon Beer.
E tem o JAMBU! E a cachaça de jambu. O boteco Meu Garoto serve bons pratos e petiscos e tem uma lojinha muito boa de cachaças.
Na ilha do Combu, tem o chocolate e os doces das Filhas do Combu.
Faltou o tacacá. Qualquer hora volto lá pra provar. Faltou também o polo joalheiro. Mas sempre bom ter motivos pra voltar.  
 
Veja mais fotos no instagram: @[email protected] 

IMG_20180202_182842_319.jpg

IMG_20180206_110104_970.jpg

IMG_20180208_111022_113.jpg

IMG_20180209_110623_097.jpg

IMG_20180209_111053_315.jpg

IMG_20180209_112921_237.jpg

IMG_20180209_105026_159.jpg

IMG_20180209_110434_742.jpg

IMG_20180209_111138_258.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
TUCUPI HOSTEL
Quando cheguei ao hostel, não tinha ninguém. Troquei mensagens com o Sérgio, o dono do hostel, e ele foi lá me receber. Todos estavam no carimbó de Ronaldo Guedes, um ceramista da região. Foi só o tempo de deixar a bagagem e tomar um banho rápido, seguimos pro carimbó também. Enfim, eu estava no Marajó!!!
Não tinha nada pra comer lá no carimbó, além de bombons de cupuaçu, e foi disso e de cerveja que me alimentei naquela noite. Foi um começo e tanto. Conheci o pessoal que estava no hostel também, fomos os últimos a sair do carimbó, e ainda chegamos e fizemos umas caipirinhas de caju quando voltamos.
Esse hostel mais parecia uma casa de amigos. Conheci muita gente legal lá. Uma casa simples, com uma varanda acolhedora, onde tudo funcionava muito bem. Teve até um tocador de carimbó no hostel, fazendo som e contando histórias. 
O Sérgio, o dono, é uma figura divertida, que dá dicas sobre tudo na região, além de ser boa companhia. 
Tenho saudades daquele café da manhã de lá, com queijo do Marajó, doce de leite e manteiga de búfala, e aquele pãozinho estranho, meio duro, meio borrachudo, mas delicioso, que só vi em Soure.

IMG_20180209_114613_315.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Abextado
      Pessoal, se eu for de São Paulo para Montevideo de ônibus, em algum momento meu passaporte será carimbado, ou isso só ocorrerá se eu for de avião? Obrigado!
    • Por NatalieM
      Olás,
      Alguém tem dicas de hospedagem no esquema bom e barato em Belém do Pará? 
      As informações que encontrei por aqui são um pouco antigas. 
      Obrigada 😃
       
    • Por Diego Minatel
      Para mim é algo realmente complicado traduzir em palavras os momentos vividos nos dias da minha viagem. Viagem esta que não se traduz num simples mochilão ou turismo de longa duração. Foi o encontro de uma pessoa comum com seu sonho de andar por terras que tanto o inspiraram, terras mãe da esperança, terras de homens e mulheres feitos de histórias e de coração, corações gigantescos. O sentimento que fica depois de quase seis meses na estrada é o de gratidão, do agradecimento as infinitas pessoas que ajudaram esse pobre viajante das mil e uma maneiras possíveis, para vocês meu muito obrigado.

      Foto 1 - A companheira de viagem
      Tinha uma vida igual a tantas outras, era bem razoável por sinal, mas a vontade de caminhar e estar frente a frente com o novo me atormentava todos os dias. Queria conhecer com meus olhos as diferenças, os sotaques, as comidas, as belezas. Desejava não ter pressa, fazer tudo no seu tempo necessário, não estar preso a rotina dos dias e principalmente aprender. Sim, aprender, não com fórmulas prontas e nem sentado dentro de uma sala de aula. Queria aprender com experiências. Queria conhecer pessoas. De alguma forma queria fugir da minha vida cotidiana, não por ela ser ruim, mas pelo desejo de se conhecer e assim, quem sabe, voltar uma pessoa melhor. Quando esse sentimento passou a ser insuportável decidi que tinha que partir.
      Por um ano ajuntei algum dinheiro, queria ficar seis meses na estrada. A grana não era o suficiente, mas suficiente era a minha vontade. Dei um ponto final no trabalho. Abri o mapa e não tinha ideia por onde começar. Decidi não ter um roteiro, apesar de ter muitos lugares em que eu queria estar.
      Assim começa a minha história (poderia ser de qualquer um). O relato está dividido da seguinte forma:
      Parte 1: de Rio Claro ao Vale do Itajaí
      Parte 2: Cânions do Sul
      Parte 3: de Torres a Chuí
      Parte 4: Uruguai
      Parte 5: da região das Missões a Chapecó
      Parte 6: Chapada dos Veadeiros e Brasília
      Parte 7: Chapada dos Guimarães
      Parte 8: Rondônia
      Parte 9: Pelas terras de Chico Mendes, Acre
      Parte 10: Viajando pelo rio Madeira
      Parte 11: de Manaus a Roraima
      Parte 12: Monte Roraima y un poquito de Venezuela
      Parte 13: Viajando pelo rio Amazonas
      Parte 14: Ilha de Marajó e Belém
      Parte 15: São Luis, Lençóis Maranhenses e o delta do Parnaíba
      Parte 16: Serra da Capivara
      Parte 17: Sertão Nordestino
      Parte 18: Jampa, Olinda e São Miguel dos Milagres
      Parte 19: Piranhas, Cânion do Xingó e uma viagem de carro
      Parte 20: Pelourinho
      Parte 21: Chapada Diamantina
      Parte 22: Ouro Preto e São Thomé das Letras
      Parte 23: O retorno e os aprendizados
      O período da viagem é de 01/10/2015 a 20/03/2016. De resto não ficarei apegado nas datas exatas em que ocorreram os relatos que irão vir a seguir, tampouco preocupado em valorar tudo. Espero contribuir com a comunidade que tanto me ajudou e sanar algumas dúvidas dos novos/velhos mochileiros.
    • Por Viagens da Leticia
      Como aproveitar um super feriado? Daquelas coisas que só acontecem no Brasil, de tantos em tantos anos: um feriado de 6 dias! Por que não ir para Belém e aproveitar pra conhecer o acolhedor litoral paraense? Destino: Ilha do Algodoal!
      veja mais fotos em instagram: @viagensdaleticia curta a página no Facebook: @viagensdaleticia e acesse http://viagensdaleticia.tumblr.com
      voo direto SP-Belém; uma noite em Belém (Grand Hostel Belém: bem localizado; instações medianas); ônibus para Marudá; barco para Algodoal
      Já havia estado em Belém no início do ano, então só tinha alguns passeios gastronômicos pendentes, pra fazer bem de boa. Aproveitei pra saborear uma comidinha orgânica e deliciosa no Iacitatá, depois tomar umas cervejas de bacuri e taperebá na Amazon Beer e tomar aquele sorvete maravilhoso da Cairu, apreciando um fim de tarde na Estação das Docas. A noite acabei conhecendo uma hamburgueria Geek, que também foi uma experiência interessante e, no dia seguinte, muito cedo, parti pra saga de Algodoal.
      COMO CHEGAR
      Pra chegar a ilha do Algodoal (que eu conhecia das músicas de carimbó), é necessário pegar um barco em Marudá, cidade a uns 170Km de Belém. Há vans e ônibus saindo de Belém pra lá, e leva mais de 4 horas. Peguei o ônibus da viação Princesa Morena na rodoviária de Belém (R$ 39 pela internet) às 6h da manhã, e cheguei a rodoviária de Marudá por volta das 10h. Lá peguei um táxi (R$ 10) até o porto, de onde peguei o barco para Algodoal na sequência (R$ 10). A travessia leva uns 40 minutos. Não basta levar dinheiro em espécie, tenha dinheiro trocado. Eu não tinha.
      Chegando a Algodoal (ilha Maiandeua, mais conhecida como Algodoal: uma APA, onde não tem veículos motorizados), você pode pegar uma charrete até a sua hospedagem, ou caminhar. Como eu só tinha nota de 100, não consegui pegar uma charrete e fui andando pela praia. Nada muito terrível, minha mochila estava só com 8Kg e naquele momento o sol estava escondido. Mas caminhar na areia nunca é tão fácil, mesmo que por 20 minutos. Porém, rapidamente achei o rumo da minha hospedagem.


       
       



    • Por @duane.santo
      Ano passado eu fiz um mochilão pela américa do sul (Bolívia, Chile e Peru), usei o relato do Rodrigo Vix e sou super grata a ele pelo roteiro compartilhado no site, por  isso nada mais justo do que compartilhar o meu roteiro de um destino pouco conhecido por brasileiros.
      Todo ano tiro férias e procuro ficar o maior tempo possível viajando e nesse mochilão de 2017 eu conheci o Rafa, que virou meu companheiro de viagem e nessas férias de out/2018 e o roteiro foi o seguinte:
      06/10 Rio de Janeiro X Manaus
      07/10 Manaus X Selva
      08/10 Selva
      9/10 Selva X Manaus
      10/10 Manaus X Presidente Figueiredo X Manaus
      11/10 Manaus X Santarém
      12/10 Santarém X Alter do Chão
      13/10 Alter do Chão
      14/10 Alter do Chão
      15/10 Alter do Chão
      16/10 Alter do Chão
      17/10 Alter do chão X Santarém X Belém X Ilha de Marajó
      18/10 Ilha de Marajó
      19/10 Ilha de Marajó
      20/10 Ilha de Marajó X Belém
      21/10 Belém
      22/10 Belém X Rio de Janeiro
      No meu instagram eu deixei toda essa viagem nos meus destaques, quem quiser ver ou tirar alguma dúvida, pode me mandar por lá também: @duane.santo
      Na verdade quando nos conhecemos em 2017 combinamos de ir pra Colômbia, mas como o dólar subiu muito acabamos desistindo e encontramos a Amazônia como um lugar que ambos queriam conhecer. Então comecei a pesquisar tudo com o Rafael e fechamos nosso roteiro. Segue a saga (é a primeira vez que escrevo um relato, qualquer dúvida perguntem):
      Dia 1 - 06/10/18
      O grande dia da viagem chegou. Check in feito no sábado anterior (é sempre bom fazer uns dias antes) e Rafael já estava a caminho. Botei minha mochila nas costas, peguei um ônibus e depois um BRT em direção ao aeroporto do Galeão. Cheguei um pouco cedo no aeroporto, encontrei o Rafael e fomos pesar nossos mochilões em um balcão de check in desativado. O mochilão do Rafael pesava 12 kg e o meu 8kg. Distribuímos o peso para evitar problemas na hora do embarque, pois não queríamos pagar para despachar os mochilões. (50 reais é 50 reais, né mores?). Almoçamos pelo Mc Donald’s (17 reais) e logo depois embarcamos. Chegamos em Manaus 15h, pegamos um voo direto com duração de 3h. O bom de não despachar mala é que além de economizar, nós não precisamos pegar e nem rezar pra ela estar na esteira. Obs: minha mochila é de 50L, da Quechua e até hoje não tive problemas para embarcar com ela como mala de mão.
      O aeroporto de Manaus é bem pequeno, saindo do segundo andar mesmo, que é onde se desembarca, nós pegamos um ônibus de 4 reais que vai do aeroporto até o centro de Manaus,  813 (a situação do ônibus é bem precária, mas nada que nãp dê pra pegar). Entrou um cara de uma agência no ônibus e ao ver que éramos turistas ficou falando com a gente, ganhamos um tour turístico de graça, pois enquanto o ônibus ia andando ele ia contando os pontos turísticos. Se é de graça a gente já ama! Diga-se de passagem: Manaus é um calor do cão, muito abafado!
      Em Manaus ficamos hospedados no Local Hotel (gostei e recomendo – 46 a diária + 10 reais de café da manhã), descemos do ônibus no ponto próximo ao Hospital Beneficente Portuguesa e andamos por volta de 5 minutos e já estávamos em frente o Local Hostel. Fizemos check in e resolvemos ir ao mercado e na agência fechar o passeio para o dia seguinte.
      O local Hostel tem parceria com a Iguana tur (agência que fiz os passeios em Manaus) e eu soube de uma menina que fechou os passeios com eles e ganhou o transfer de graça (fica a dica- quem não se comunica se trumbica). Eu tinha fechado o passeio com eles pela internet, peguei um pacote promocional no IG deles e paguei 720 reais pra ir nas cachoeiras de presidente Figueiredo (incluso almoço) e no pacote iguana, o pacote iguana consiste em 3 dias e 2 noites na selva (tudo incluso, menos bebidas- água free).
      Após o check in no Local fomos na agência da Iguana, pois eram quase 17h e então perguntamos que horas a agência fecharia, o sinhozinho disse que na hora que desse na telha. Ok! Corremos pra sacar dinheiro, eles não aceitam cartão, ali tem quase todos os bancos próximos. Pra início de viagem saquei 1000 reais.
      Durante a semana fica um rapaz da Iguana tur dentro do local hostel fechando os passeios, mas como era sábado ele não estava lá. Passeios pagos e fomos ao mercadinho próximo do hostel comprar beliscos para esses 4 dias de passeio. Compramos um club social e água, era um mercadinho bem mequetrefe. Só comemos o club social pra não dizer que não comemos, foi desnecessário, pois comemos bem em todos os passeios e o local hostel tem bebedouro a vontade para os hóspedes. Depois descobrimos que tinha um Carrefour perto do hostel, fomos lá e compramos uma lasanha para a janta e um suquinho, além de mais um ou outro biscoitinho 😁
      Voltando pro Hostel colocamos nossa lasanha no micro-ondas e foi só sucesso! Depois da barriga cheia, arrumamos nossa mochila de ataque para os próximos 3 dias na selva e fomos dormir. Deixamos o mochilão no hostel por 1 real. O valor independe da quantidade de dias.
      O hostel fica pertinho do Teatro Amazonas, principal cartão postal de Manaus



×
×
  • Criar Novo...