Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Schumacher

Iraque, Irã, Líbano, Chipre, Jordânia, Turquia, Israel, Portugal - 36 dias - 10 a 11/2018

Posts Recomendados


Cara, que trip foda, pqp! Vários picos muito diferentes um do outro em um curto espaço de tempo. Essa é uma coisa que n da pra fazer num mochilão roots, um ritmo mais acelerado de viagem, enqnt eu ia lendo o relato, vc indo de um país pro outro, eu pensava "provavelmente tinha muitos outros picos pra colar nesses países, mas esse tipo de trip mais acelerada deve ser bem da hora tb", também percebi uma coisa lendo esse relato teu, se vc conseguir ir fazendo contato com algumas pessoas desses países que falam inglês pela net um bom tempo antes da trip, a trip poderia ficar melhor, da pra pesquisar em vários lugares da net pra fazer contato.

As ruínas dos sítios arqueológicos são muito interessantes, até pesquisei aqui sobre algumas, me interessei pela visita q vc fez a Baalbek, pois eu curto  bastante mitologia, e essa cidade parece ser uma mistura de cultura suméria com cultura romana, que absorvia e dominava culturas do mundo todo. Essa cidade tem vestígios de habitação contínua por mais de 8000 anos, e até 2000 anos atrás, antes de ser anexada por Roma, seus tempos eram da mitologia suméria, e cultuavam Ba'al, Ashtart e Adon, mas o romanos tinham o costume de subjugar a cultura de todos que colonizava para obter um domínio absoluto. Tem muita coisa interessante pra pesquisar sobre a história dessa cidade, muitos historiadores já a estudaram e compilaram seu conhecimento em livros, poderia ler vários livros e ainda não absorveria todo o conhecimento que já foi descoberto.

Pelo que eu li no relato, me pareceu que o acampamento que você foi na Jordânia foi um dos lugares onde você comeu melhor, e a única parte do relato onde vc fala sobre observação noturna e astronomia (não confundam com astrologia, vejo direto pessoas fazendo essa confusão, são duas coisas bem diferentes, uma é guiada pela ciência, a outra por misticismo e mitologia). Senti que faltou foto da galáxia de Andrômeda que vc disse q tinha tirado. Podia ter tirado mais fotos do mar morto e de Jerusálem tb.

Espero poder fazer uma trip dessas algum dia! Valeuzão mesmo por compartilhar essa experiência incrível!

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Jon JT valeu a força, parceiro! Realmente a viagem foi mais corrida do que eu gostaria, mas a minha companhia tinha tempo contado de férias, então tivemos que nos adaptar. As ruínas de Baalbek são realmente interessantíssimas. Quanto às fotos, vou colocar essas e mais outras quando tiver terminado de publicar essa viagem em meu blog, pode conferir lá ;)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Alex Diluglio
      Esse roteiro descreve a viagem para o Chile na baixa temporada de 1 à 11 de outubro de 2018. 

      01: Na chegada ao aeroporto, logo após encontrar a mala fomos trocar R$ 100 para despesas emergênciais como a passagem do aeroporto até nossa primeira hospedagem. Foi a pior cotação, sendo 146 pesos/1 real + taxa de 945 pesos, ou seja para se ter uma idéia de quão desvantajoso foi:
      Câmbio Aeroporto -> R$ 100 = 14.600 + taxa (945) = 13.654 Câmbio Centro -> R$ 100 = 16.400 + taxa (0) = 16.400   A diferença foi $ 2.746 pesos ou um café da manhã (simples) ou Quesadilha ou Cachorro quente   Tomamos o Centropuerto o qual pagamos $ 1.800 para cada um, descemos na parada ULC (Universidade Luterana do Chile), que a propósito, fica em frente a Universidade Católica 🤔. Seguimos até a estação de trem o qual pagamos $ 1550 pelo cartão mais 1450 para as passagens.    Chegando no Hostel Che Lagarto (que faz parte de uma rede de franquias ao redor do mundo) foi feito o checkin US$ 12 na reserva mais $ 31.000 pesos para as 3 noites. Fatos curiosos da vida de um viajante é saber que a moça que nos recepcionou estava trabalhando até 3 meses atrás na mesma empresa que eu e morava na minha cidade natal o qual faziam 3 anos que havia me mudado. 🎡. Neste mesmo dia fomos ao restaurante italiano Piccola Italia, que possui um ótimo custo benefício. Foi pago $ 9.997 para um prato bem servido acompanhado de um chopp Cristal.    02: Acordamos relativamente cedo e fomos ao mercado comprar os ingredientes para o café. Encontramos tudo que temos no Brasil com ainda mais variedade de comida e vinho barato. Gastamos $ 14.771 no mercado Unimarc (Mantequilla, leche, cafe, huevos, yoghurt, salame, queso, jamon y pan). Depois, passeio até o Palácio de La Moneda, algumas fotos e seguimos para o Centro Cultural Plaza de La Moneda (free), entre várias coisas, a ficamos sabendo da história das caças às baleia (muito interessante). Seguimos até o Cero Santa Lúcia, altamente recomendado, no mirante é possível ter uma visão de 360 graus de Santiago. Foi neste lugar que encotramos o Jean, um brasileiro que estava no horário de intervalo, sim, ele trabalhava em uma empresa de turismo (Morandê), e foi com ele que conseguimos nosso cartão de internet de 2GB por 7 dias (free),  Vale dizer que esse mesmo cartão estava por U$ 60 no aeroporto e foi ai que pensei, vou conseguir por bem menos que isso (e tem gente que não acredita em física quântica, lei da atração ou lei da termodinâmica, ou...). Compramos o pacote para o Vale Nevado com transfer $ 40.000 para os dois. Tudo certo, fomos ao mercado central para comer nosso primeiro Ceviche no Donde Augusto por 13.060 com propina (gorjeta). Em seguida fomos ao bairro Lastarria (local boêmio) o qual ficamos até às 22 no Urriola em que foram gastos $ 18.150 com propina para tomar 6 chopps. No caminho para casa fizemos uma parada de emergência para tomar um helado (sorvete) por $ 350 no Doggis.   03: Acordamos as 5:30, tomamos um café e às 6:30 já estávamos a caminho do Vale Nevado, parada para alugar roupas (botas, calça, casco e luvas). $ 50.000 para os dois conjuntos. Continuamos a subida de 60 curvas, são 40 até a entrada de Farellones (que já estava fechado neste dia) e mais 20 até o Vale Nevado, para os motoristas de plantão percebemos que é necessário muita experiência ou calma para fazer este trajeto, devido a quantidade de gelo e a possibilidade de enjoar. Chegamos ao topo e fomos alugar o equipamento (prancha de Snowboard e botas), $ 76.000 para os dois conjuntos. Depois foram mais $ 50.000 para os ingressos, (sendo $ 10k para os cartões e os + $ 40k para o ingresso), vale avisar que tem desconto para cartão MasterCard (pelo menos havia quando fomos). A idéia era esquiar, porém a curva de aprendizagem não seria tão rápida quanto esperávamos, logo foram muito tombos 🏂. Depois de 4 horas descendo e subindo a montanha incluindo um esperiência de Skibunda as forças se esgotaram. Dedicamos um tempo para curtir o cenário maravilhoso e ter a experiência da refeição mais cara da minha vida, apesar que não é todo dia que come um quesadilla e um choripan chilleno acompanhado de uma cerveja em temperatura ambiente no topo do Valle Nevado, quanto ao preço foram $ 27.000, justo, não? Às 3 da tarde iniciamos nosso regresso para o centro. Após devolver as roupas parada para um café na Starbucks já que a Kaká não conhecia. Foram 6.890 por um café e dois brownies. No caminho de "casa", uma parada para conhecer a vida cotidiana, o qual fomos obrigado a entrar em uma loja grande de panela de pressão, esse pessoal deve fazer muito feijão... Passamos no Unimac (é um mercado muito comum lá) e pagamos $ 2.985 com $250 de ahoro (desconto), não entendi, mas me parece que é comum também por aqui. Tomamos banho e a noite formos a Lastaria aproveitar a noite. Econtramos outros brasileiros que no passaram muitas dicas de lugares. A noite custou $ 34.650 sendo 1.150 de propina.    04: Neste dia a programação foi de um Walk tour pela região histórica de Santiago. Começamos pela Plaza de Armas, onde Nelay (nosso guia) nos apresentou os detalhes da cidade, como o de Pedro Valdívia, o conquistador espanhol morto por Lautaro que conforme a lenda, além de morto, foi torturado e le arrancado o coração, que foi comido junto dos "Toquis", que é o título dado aos "mapuches" (pessoas originalmente do chile) aos líderes militares. A verdade é que isso não é um ato canibal, pois eles somente o faziam com os guerreiros extraordinários, para obter a força dos seus donos originais. Depois fomos aos centros financeiros, até chegar a Lastaria, onde conhecemos o helado do Empório La Rosa (2 bolitas por $ 2790). Nos despedimos do nosso guia e continuamos um novo roteiro começando com um funicular por $ 6.820 para os dois até o topo do Cero San Cristóbal, concluímos o passeio no Shopping Costanera onde provamos uma Vienesa domino/italiana por $ 3690. Voltamos de Uber até o novo local, fomos ao mercado Líder que faz parte do grupo Walmart e compramos tudo do bom e do melhor por $ 36.933.   05: Acordamos tarde e aproveitamos para descansar e fazer planos para os próximos dias. Foi um dia de ócio produtivo. Foi preparada uma massa acompanhada de um bom vinho chileno. No final do dia fomos conhecer o a vida agitada do bairro Bella Vista, são incontáveis os números de opções para comer, beber e dançar. Paramos para comprar um energético ($ 1900) e se preparar para a festa. Comemos no Shopdog uns petiscos, daikiri e um chopp Kusman por $ 12.958. Por volta da 1 da manhã fomos buscar uma entre as várias opções de clube e ficamos no "Club Mandala" na rua Antonia Lopez de Bello, quase esquina com a Pio Nono. Pagamos $ 1000 com direito a dois drinks e uma cerveja e mais 500 na rouparia. O agito durou até às 5h, agora é hora de recarregar a energia. 🎵💃🕺   06: Hoje, acordamos e tomamos um café reforçado. Antes do meio dia estávamos na rua procurando o que mais a cidade tinha para nos oferecer. Quase 4 horas da tarde chegamos ao mercado central onde paramos no mercado Richard para comer um ceviche com direito a prova de Pisco Sawer Chileno (Outra versão para nossa caipirinha), optamos em pedir somente um prato que acompanhado das entradas, drink e cerveja foi o suficiente, gastamos $ 14.300 com os 10% de propina. Fomos caminhar para buscar "La Bicleta Verde", chegamos no local 30 minutos antes de fechar, pois o funcionamento era das 9h às 18. Então fomos ao Museo Nacional de Bellas Artes, com entrada franca, a única despesa seria uma moeda de $ 100 do armário, mas é devolvida depois de entregue a chave. Foi ai que caminhamos, muito, mas muito, muito mesmo, até a sorveteria Emopório La Rosa (culpa do GPS 😎), a propósito, esse sorveteria ficou classificada como uma das 25 melhores sorveterias do mundo 🙇‍♂️ (conforme propaganda do local ). Foram $ 5580 para duas casquinhas com 2 bolitas. Regressamos e compramos pão e água $ 1160. Ao chegar em casa eu podeia ouvir minhas pernas dizendo: obrigado, obrigado... 🛌    07: Chegamos ao que tudo indica nossa última hospedagem, um apartamento divino onde as anfitriãs Camila e Marta que nos receberam muito bem. Já saímos pela manha e fomos ao "GAM" onde supostamente teria um dia inteiro de atividades de Yoga, chegando lá descobrimos que estávamos uma semana adiantado 👀. Como já estávamos no bairro Lastaria fomos comer uma empanada  de cordeiro e provar o "Mote con Huesill" e mais um suco de maracuja com frutilla, tudo por $ 8.360 e outra empanada de queso por $ 2.100. Depois fomos novamente a "La Bicleta Verde" o qual alugamos por 4 horas $ 5.000 por bicicleta. No final do dia, uma parada básica no Emporio La Rosa e provamos o "Barquillo con 2 bolitas" $ 5580. Depois paramos em no "La Vuelta" na rua Monjitas e provar o "Terremoto" por $ 3960 (gostei). Antes de chegar em casa paramos no Supermercado "Los Paisas" em frente de casa para comprar os ingredientes para a janta $ 8.428. Também passei na botellaría para pegar umas cervejas especiais $ 3.780. Chegando em casa, preparamos e jantar e nos juntamos com as Anfitriãs e seus amigos que estavam comemorando a partida semanal de basquete ball.     08: Acordamos com tempo suficiente para tomar café e pegar nosso transfer com a Morandê às 9 horas em direção a vinícula Concha y Toro 🍷, uma das mais importantes do mundo desde 1883. Custou $ 25.000 por pessoa com direito a uma pequena amostra de vinho e a taça da vinícula. Comprei uma garrafa de Concha y Toro por $ 4.490. No retorno paramos no restaurante "Piedras del Cusco" para comer outro Ceviche, drink e cerveja por $ 16.500. Paramos no Café Haiti e provei o "Café de Pernas" por $ 1.400 enquanto a Kaka ficava me acompanhando. Em seguida fomos a Feira Artesanal Santa Lucía. Eu gastei  $ 13.500 em presentinhos (regalos). Depois fomos ao Backstage onde cada um gastou $ 3.548 para mais um ceviche junto da nossa amostra de vinho e um petisco. De lá fomos a "La Cerveceria" onde eu tomei os 16 shots da casa por $ 8.690 para finalizar o dia 🍺.   09: Hoje o passeio foi para ao Vinã del Mar y ValParaízo 🏝️($18.000 cada um). Na ida paramos para uns aperitivos free, o qual aproveitei os preço e peguei mais 3 garrafas mais azeite de oliva por $28.670 além de um doce de leite por $ 2.500. Depois de uma caminhada pela praia Reñaca e paramos para almoçar e dividimos um ceviche onde cada um gastou $ 6.760. No retorno depois de conhecer a casa de Pablo Neruda, as casas mentirosas, o porto, andar de funicular ($ 100/pessoa) fomos ao empório La Rosa pedir 3 bolitas $ 3.590. Depois formos ao centro para mais uma caminhada encontrei o Max World, onde comprei um presente para minha afilhada que fez sucesso na festa de aniversário, pois todas as crianças queriam brincar com ele. Encerramos o dia no Ponta Leon Restaurante peruano para comer o que, o que, sim, mais um Ceviche que custou $ 5.775 cada.   10: Último dia, fomos ao Cajón de Maipo e visitamos o Envalse de Eiso, lugar simplesmente incrível,  logo antes de voltar, paramos para um picknic que foi um pouco corrido devido a neve e o frio. Descemos na Costaneira onde comprei um telefone novo por $ 206.990 (HUAWEI, que não tinha no Brasil), comemos no Crepe Cafe e aproveitamos para fazer a carga do chip do Trem de 2.200 para chegar até a estação. Como era último dia, resolvermos comer no pátio Bella Vista um ceviche😂 ,  é que esse acompanhava camarão equatoriado e mais duas margaritas e um daikiri de framboesa, tudo por 21.100 em dinheiro, voltamos para casa e nos preparamos para retorno 😔.    11: Tomamos o metro até a estação do Centro Puerto, chegamos ao aeroporto, como perdemos o avião, estamos no deciliciando com duas águas por 2.200. Duas empanada e 2 muffin O Donutts, mais um suco 7.500 (dinheiro). Às 16:30 partimos e chegamos a buenos Aires, saímos para jantar no Solermo Soho e demos mais uma voltar para conhecer o A.J Bradley 315. Tomamos um Uber de volta para o Aeroporto por 200 pesos argentinos. Fomos até o Tienda León e com a impressão do Voucher emitido pela internet e impresso no própria aerolíneas argentinas conseguimos fazer o transfer do aeroporto Ezeiza para o Aeroparque. Agora estamos esperando a abertura do guiche para fazer o check in (Junto com Daniela Mercury, que estaria no mesmo avião) 🎉     E aqui, segue um resumo destes 10 dias no Chile através deste pequeno vídeo.            
    • Por Leandro Freire
      Prefácio.
      Segue meu relato desta viagem incrível que finalmente consegui realizar com minha Esposa Josi e nossos dois filhos, Ana Clara 9, Vitor Hugo 12, em Janeiro de 2019.
      Já vou avisando que sou um pouco detalhista demais, acabo me empolgando e escrevendo muito. Então se você não tem paciência, paciência, OK ? 
      Infelizmente eu fui anotando algumas informações, como gastos, nomes de alguns lugares onde comemos ou dormimos, tudo em um aplicativo de notas do celular, e por alguma cagada minha, acabei apagando o arquivo, portanto algumas dessas informações serão baseados nas minhas lembranças que, vou confessar, já não está mais aquelas coisas...
      Tudo começou a muitos anos atrás, quando eu passava de bicicleta por uma Rodovia que cruzava a cidade, e vi um cara parado no semáforo com roupas de Couro, uma moto grande com vários adesivos colados de bandeira dos países vizinhos, cheio de malas na garupa, bandeirinha do Brasil balançando ao vento atrás,  etc.
      A Moto estava toda suja, do tipo que rodou o mundo. Ele tirou o capacete por uns segundos talvez pelo calor que fazia no dia, e percebi que era um senhor já de idade, com barba fina e longa, cabelos compridos atrás mas careca em cima.
      Ele percebeu que eu o olhava com curiosidade e então acenou me comprimentando com a cabeça e com um Joinha. Eu retribuí o cumprimento, o semáforo abriu, ele seguiu seu rumo, eu o meu, e esqueci.
      Algumas semanas depois, assistindo TV tarde da noite, o cara tava lá dando entrevista no antigo programa Jô 11 e Meia. Eu quase caí do sofá. Caraca, conhecia ele, aquela barba fina e esticada,  até me cumprimentou, era meu amigo. E foi aí que conheci sua história.
      Ele se chamava Miragaia Renê Angelino. Um advogado que morava em São Paulo e que já tinha feito viagens incríveis de Moto. Procurem no youtube que tem várias entrevistas dele. Nessa entrevista ele havia recém lançado um Livro chamado ‘Minha Moto eu e a América’ onde ele contava sua viagem por 45.000 KM rodados em 90 dias pela América do Sul com uma moto. E eu ali, nem piscava. Minha cabeça anos 90 pensava que essas coisas mirabolantes só existiam na Europa.

       
      Me empolguei tanto com a entrevista que comprei o livro do meu novo amigo que me cumprimentou no semáforo e que era escritor e aventureiro..
      Eu, que até então estava acostumado a ler apenas Agatha Christie ou Os Sertões (mentira, só Agatha Cristie), fiquei tão fascinado com o livro que quando terminei de ler, disse pra mim mesmo ‘One Day I will do something similar´.
      Na verdaade, na verdaaade, eu disse ‘One Day, farei algo parecido’, pois só One Day que sabia falar em Inglês. O resto falei em Português mesmo. Aliás não sei falar inglês até hoje, usei o Google Tradutor na frase acima. 🙈
      Só que essa vontade de ganhar o mundo, na época soava mais ou menos como aquela vontade do garoto que sai do cinema querendo ser o Batman, ou da menina querendo virar a Cinderela... Soavam como coisas inalcançáveis.
      Quem nasceu na mesma época que eu, (façam as contas, não vou falar a década, ok?) sabe que as facilidades de hoje, com essa infinidade de informações, tecnologias, GPS e nichos de pessoas que compartilham os mesmos gostos, hobbies e principalmente valiosas informações e experiências, praticamente não existiam.
      Então tudo parecia ser algo distante ou até impossível, e a minha realidade era a de um garoto sem dinheiro, sem o Canal Discovery, sem informações, e que não tinha nem um gato pra puxar pelo rabo. Eu só tinha uma Bicicleta velha que ganhei de um tio, que só funcionava o freio traseiro e ainda tinha uma solda horrorosa no meio do quadro.
      Então, entre os estudos e espinhas, o tempo foi passando e aquele livro se perdeu no fundo do guarda-roupa.
      As responsabilidades, boletos, namoro, boletos, noivado, contas, casamento, móveis, faturas, filhos, carnês... vão chegando e tomando conta da sua vida. Alguns deles em proporções cavalares inclusive.
      De repente, eu tava chegando nos 40renta.
      Vira e meche, eu reencontrava o livro, pensava na vida, guardava o livro, e vida que segue.
      As vezes me pegava pensando: “Meu Deus, to aqui preocupado com o vencimento dos boletos, mas quem tá vencendo é minha vida, e vida não dá pra prorrogar, parceiro”.   E quem entra na casa dos ´enta´ , não sai mais... Quarenta,  cinquenta ...
      Quero deixar um parêntese aqui, antes que alguém tenha a impressão que eu não estava feliz com minha vida atual, ou infeliz com meu casamento, filhos etc... Muito pelo contrário, Sou eternamente grato a Deus pela família maravilhosa que tenho. Mas faltava pra mim, aquela cerejinha do bolo. Aquela conquista de fazer algo diferente.
      Um dia procurando qualquer coisa no guarda-roupas, achei o tal livro de novo. Fiquei olhando pra ele, pensando, remoendo... e então veio o estalo, decidi. Finalmente firmei um Contrato comigo mesmo, vamos conhecer San Pedro do Atacama. Isso foi a mais de 3 anos atrás.
      Hoje tenho 42 anos, Moramos em Maringá, interior do Paraná e temos um Renault Logan 1.0 ano 2012, batizado carinhosamente pelas crianças de BARTOLOMEU. É nosso pau pra toda obra, escola, trabalho, mercado, passeio, etc. Comprei ele já bastante rodado no final de Dezembro de 2017, mas estava bem conservado. 15 dias depois, Janeiro de 2018, já saímos para uma viagem com ele, e fomos conhecer o Uruguai.
      A ideia na época já era ir para o Deserto do Atacama, pois eu já tinha assinado aquele contrato comigo mesmo, só que adiamos porque uns amigos iam para o Uruguai de carro, já tinham tudo certo, roteiro etc,  e eu não me achava ainda tão maduro o suficiente para encarar as cordilheiras, e então resolvemos ir juntos para o Uruguai. País lindo, maravilhoso e tudo mais. Nossa primeira viagem longa de Carro.
      Na verdade o meu contrato já almejava o Atacama ainda em Janeiro de 2017, um ano antes do Uruguai, mas uns amigos iam para o Rio de Janeiro de carro e mudamos os planos, resolvemos ir juntos também.
      Já viram que sou muito influenciável né?! Preciso trabalhar mais isso. 🙈
      Mas o Rio de Janeiro é outra História, o Uruguai também e já estou me desviando muito do assunto. Foco Leandro, foco...
      No fundo, a gente camuflava a insegurança de ir pro Atacama sozinhos trocando de planos aos 45 do segundo tempo. Não que as viagens com os amigos eram menos interessante. Foram igualmente ótimas. Mas não era aquela conquista que eu queria, sabe? Atacama soava como algo épico, sei lá.
      Eu tinha um certo receio de atravessar as Cordilheiras e chegar ao Atacama com o Bartolomeu. É um carro baixo, pesado e com motor de carro popular.
      Ainda mais pelos seus Cento e tantos mil KM que ele já tinha na bagagem. Ele já tava ficando banguela. E as subidas que encontraríamos nas cordilheiras talvez precisasse de um carro mais jovem, bombadão.
      Vez ou outra eu lia alguns relatos de uns malucos que fizeram viagens parecidas com carro baixo, mas quase sempre são carros menores, mais leves, mais novos ou com motores mais potentes. O Bartolo era o contrário de tudo isso.
      Outro detalhe que me fazia esquentar a cuca é que eu estaria com filhos e tudo fica mais complicado caso dê algum problema na estrada, ou talvez alguém passe mau com alguma comida diferente, ou com a Altitude.
      Já pensou dar algum problema no Carro num lugar deserto, num país pouco conhecido e ainda com crianças? Não rola.
      Mas também, se eu fosse esperar o Momento Ideal, ter dinheiro suficiente para poder ir de avião, com o preço que pagaria nas passagens ida e volta, depois contratar agências de Viagens para os passeios, tudo multiplicado por 4? Não to podendo.
      Outra opção seria então esperar conseguir dinheiro para comprar um Veículo maior, mais novo, mais potente, quem sabe até algum com tração 4x4 né?
      Só que essas opções acima me fariam entrar numa hibernação do tipo ‘A Espera de Um Milagre’. E vocês com certeza conhecem muitas pessoas que vivem assim, esperando o Momento Certo para dar o primeiro passo.
      Só pra ilustrar melhor, minha mãe que também mora em Maringá, tem 64 anos e um sonho de vida, conhecer Foz do Iguaçu. Só que ela ainda não foi porque as condições ideais que ela imagina que precisa, ainda não surgiram. E são só 400KM daqui até lá.
      Então Leandro, toma Jeito. 
      Depois que voltamos do Uruguai, eu já tava deitando em viagens internacionais. Experiente e tudo. Então um dia olhei pro Bartolo, olhei pra Josi, fechei os olhos, estufei o peito, e falei:
      - Atacama 2019?
      - Bora!
      - Fechô!
      E então os preparativos começaram.
      Dai em diante minha vida meio que virou de cabeça.
      Agora eu só pensava nisso. Bitolado o tempo todo.
      Pesquisas e mais pesquisas, muitos cálculos de quanto preciso de dinheiro, quantos dias, rotas, curiosidades sobre os lugares que iriamos passar, vídeos no youtube etc etc etc...
      Se eu ouvia um Bom dia, eu já tava respondendo Buenos Dias.
      A vantagem de fazer uma viagem como esta viagem de carro, é que além de ficar bem mais barato, eu não ficaria preso à somente San Pedro de Atacama, pois teria todo o trajeto até chegar lá, e vi que tem lugares incríveis pelo caminho que valem a pena conhecer. E dá-lhe Google..
      Seguro Carta verde, Cambão, Salinas Grandes, Mau de Altitude, Laguna Miscanti, Pesos Argentinos, Seguro Soapex, Cartão de Crédito Internacional, Costa de Lipan, Filhos, Kit de Primeiros Socorros, roupas, folha de Coca, Seguro viagem, Humahuaca, Protetor Solar, Paso Jama... Meu Deus, era uma infinidade de informações pra assimilar e organizar.
      Fui alimentando um Check-List de tudo que precisaria providenciar. Entre tantos itens para me preocupar teve um que eu não abriria mão, um Pneu estepe Extra. Pois seriam centenas de quilômetros sem estrutura nas cordilheiras, sem posto de gasolina, sem civilização. Seria só nós, o vovô Bartolo e Deus. E já dizia o ditado: Quem tem dois tem Um. Quem tem um não tem Nenhum...
      -Preciso de um estepe extra!
      Mas eu também iria fazer a troca dos pneus atuais. Eles estavam menos de meia vida, e para uso na cidade ou viagens curtas até daria. Mas para o Deserto com certeza seria arriscado.
      Fiz um orçamento e os 4 pneus passavam dos Mil Reais. Era o preço. Pneus bons não são baratos.
      Dai, fui pesquisar no OLX para comprar um estepe Extra, poderia ser usado sem problemas. Dai que encontrei um anúncio de um Cara que estavam vendendo 4 pneus novos com rodas e tudo. O valor era metade do preço que eu iria pagar só nos pneus em uma loja. E Vinha com as Rodas já. Que LUCK hein Leandro. Já resolvia 2 Problemas, ficava com 4 Pneus Novos e usava um dos que já tinha como Estepe Extra.
       Lá dizia que as medidas da furação das rodas que vinham era 4x100. Até então eu nem sabia o que significava isso, só sabia que alguns carros usam rodas com 4 parafusos, outros com 5 e assim por diante. Pesquisei então as medidas das rodas do meu carro e eram exatamente 4x100 também. Que sorte de novo, hein Leandro. Liguei pro cara, e em menos de 1 hora eu já tava com as rodas e pneus novos em casa.
      Coloquei um pneu no porta-malas para ver o espaço que ocupava. Minha esposa não gostou nem um pouco, pois um pneu extra ocupava um espaço enorme. Mas fazer o que ? A nossa segurança falava mais alto. Então, com o bico deste tamanho, ela desistiu de levar o guarda-roupa todo.
      Fui até um borracheiro, e pedi que ele passasse os pneus novos para as rodas que ja estavam no carro, e consequentemente os pneus velhos nas rodas que vieram pois elas eram de Ferro e mais feias.  
      Uma outra coisa que eu queria muito, mas tava naquela indecisão, era de atravessar as Cordilheiras por um Caminho e Voltar por outro. A opção mais Curta, Sensata, econômica e Segura seria ir e voltar pelo Paso Jama, pois a pista é toda pavimentada desde a Argentina até o Chile e Relativamente mais movimentada. Outra opção e era a que eu queria, seria fazer a volta pelo Paso Sico, que dizem ter paisagens incríveis, mas a pista não tem pavimentação em um longo trecho na parte da Argentina, sendo toda de rípio, (tipo pedrinhas de construção) e bem mais deserta. Bem mais arriscado com certeza. Dizem que o rípio pode ser escorregadio em algumas situações, e que algumas das pedras são pontiagudas e podem cortar o pneu.
      Mas descidi sim ir por uma via e voltar por outra. Meio Loucura com as crianças eu sei. Mas eu tinha 1 Estepe extra, né?
      Desculpe, mas percebi que esse prefácio já tá grande demais, eu falo demais, e vocês já estão tendo paciência demais. Então sem mais delongas... vou pular pro dia da partida.
      >>FF>>
      Dia 06/01/2019 - 4hs – Madrugada de Domingo.
      .........
    • Por Fora da Zona de Conforto
      Tudo o que você precisa saber para visitar Wadi Rum saindo de Aqaba – incluindo o que fazer, um dia de cruzeiro em Aqaba, transporte de Aqaba para Wadi Rum e muito mais.
      Além de Petra, o deserto de Wadi Rum é a atração mais visitada da Jordânia.
      E por um bom motivo!
      Entre as dramáticas montanhas de arenito, as areias vermelhas rochosas e a paisagem geralmente de outro mundo (afinal, é por isso que o filme “Perdido em Marte” foi filmado aqui – assista ao vídeo abaixo para ver o que quero dizer!), É certamente um lugar que você quer passar um tempo para se estiver visitando a Jordânia.
      E a cidade portuária de Aqaba, no Mar Vermelho, há apenas 1 hora de carro do deserto, é um excelente local para começar suas aventuras no deserto (em comparação: Amã, a capital da Jordânia, fica há mais de 4 horas de carro) – não importa se você está visitando Aqaba por um longo período de tempo, em uma curta viagem, ou apenas por um único dia em uma parada de cruzeiro.
      Continue lendo: Como visitar o deserto de Wadi Rum vindo de Aqaba na Jordânia – 2019
    • Por deiselourenco
      Apresentando...
      Quando a gente começa a viajar, seu corpo e sua mente vão querendo cada vez mais, é como uma droga viciante mesmo. No começo, a maioria das pessoas, eu acho, vai realizando aquele sonho que geralmente tem a ver com lugares do nosso cotidiano, que a gente vê muito na TV, nos filmes, nas músicas etc. tipo Estados Unidos e Europa. Comigo não foi diferente. Conheci esses lugares, mas aí eu fiquei com vontade de mais e mais, eaí a África começou a invadir meus pensamentos e eu só conseguia pensar em ir pra lá.
      Entretanto, por vários motivos, entre eles (principalmente) o acovardamento em ir sozinha, eu fui adiando. Já viajei sozinha várias vezes, mas na África eu não queria ir somente no roteiro tradicional: Cape Town, Joanesburgo, Safari… queria mais, e quantos países vizinhos por ali eu conseguisse ir. Por isso, viajar sozinha estava sendo um grande entrave, pois teria que alugar carro e fazer muitos trajetos sozinha, fiquei com medo do perrengue.
      Então… como a vida dá voltas, apareceu uma amiga que também queria pra ir África. Mas pro roteiro tradicional. Aos poucos fui introduzindo a beleza da Namíbia e logo ela já estava convencida a conhecer o deserto. E pra fechar o grupo (ou não), meu primo também resolveu ir. Todo mundo conseguiu conciliar as férias, a vontade de ir pra África por um ou outro motivo e resolvemos. Compramos as passagens pela Latam, ida e volta por Joanesburgo por R$ 2.027,47 com taxas, saindo de Brasília. Pausa para dizer o básico, assim que você comprar a sua passagem desligue todos os alertas de decolar.com, googleflights, viajanet ou outro que você tiver feito. Eu esqueci, e uma semana depois a mesma passagem, na mesma data, no mesmo trajeto estava R$ 300 mais barata. Enfim, bateu aquele remorso básico que poderia ter sido evitado pela simples ignorância de não ter nem ficado sabendo que a passagem estava R$ 1.700. Como dizia o sábio: santa ignorância!
      Mas beleza, passagem comprada, todo mundo me olhando um pouco torto, porque eu queria coisa demais na viagem, começaram os planejamentos e as conversas. Geralmente a gente deixa pra falar como as pessoas eram maravilhosas ou não no final, mas já vou falar logo aqui que o grupo foi sensacional, muita cumplicidade, foi muito fácil resolver tudo já que todo mundo abria mão de alguma coisa pela vontade do outro, abrir mão de algo que eu queria ver não foi tão difícil, na verdade nem me lembro mais do que abri mão, pq a viagem e a cias foram maravilhosas. Então resumindo, quem somos nós: Deise (essa que humildemente vos relata essa viagem), Gabi (minha amiga), FH (meu primo), LC (namorado da Gabi, mas só resolveu ir depois).
      Fiquei meio que encarregada de fazer o roteiro, acho que me beneficiei nessa parte, pois ia colocando o que eu queria, mas ao mesmo tempo, ia tentando encaixar o que os outros queria também, sendo bem democrática. Tipo, não faço questão de vinícola, mas um deles queria abrir mão do tubarão pela vinícola, como não colocar. Então ficamos sem tubarão, mas com vinícola e foi ótimo, todo mundo satisfeito (eu acho rsrs).
      Quanto mais eu pesquisava e procurava roteiros, via que a maioria (90%) só fazia o chamado roteiro tradicional, que é aquele do começo do texto: Cape Town, Joanesburgo, Safari. Estava difícil achar informações sobre a Namíbia, Zimbábue, Zâmbia, Botsuana, não que a gente fosse nesses países, mas eu queria ver os relatos pra ver as possibilidades. Principalmente o deslocamento entre esses países, parecia ser bem complicado fazer por terra se você não fosse fazer algum safari de no mínimo 7 dias. E não tínhamos tempo pra fazer safári de 7 dias. Daí também que surgiu a ideia de fazer esse relato, a princípio eu não faria o relato, mas acho que pode ser útil pra quem busca informações e principalmente opiniões sobre lugares fora do roteiro tradicional.
      Então continuei a busca por relatos e catando algumas informações picadas aqui e ali, montei um roteiro, que pelo visto não foi o melhor, pois toda vez que conversávamos com alguém na viagem sobre o nosso trajeto a pessoa ria. Várias vezes eles comentavam tipo: - nossa, não faz muito sentido, ou: - uau vocês fizeram um belo zigue-zague aí ein. Bom, eu prefiro culpar a falta de informações do que a minha falta de habilidade em fazer planejamento, mesmo que muito provavelmente tenha sido o segundo motivo.
      Antes de finalizar o roteiro, ainda incluímos Victoria Falls pelo lado do Zimbábue.
      Pra vocês terem uma idéia, o roteiro final foi esse, quase não tem vai e volta, SQN.
       
      roteiro.mp4
      Como chegamos nesse primor de deslocamento: simplesmente não tem como ou eu não achei outra maneira de chegar no deserto da Namíbia saindo da África do Sul que não seja de Safári, é claro que você pode alugar carro e rodar até lá, mas pensa na perda de tempo. E os tours são todos bem caros e de 6 dias no mínimo. Então, achamos (eu) melhor ir de avião até a capital da Namíbia: Windhoek, já que de lá saem vários tours para o deserto. E o deserto era a nossa principal razão de ter escolhido a Namíbia. Existem outros passeios bem famosos por lá, como o Parque Etosha, Walvis Bay etc. Mas o nosso foco era o deserto. Então fomos pra Windhoek e já saímos do Brasil com o passeio comprado pela agência Detour Africa, mas quem realmente fez o passeio foi a Wild Dogs (ótima por sinal), a Detour parece ser apenas uma intermediadora, tipo uma agência de turismo. Ops, peraí, já estou entrando realmente no relato, deixa essa parte pra depois.
      Então beleza, chegaríamos pela África do Sul, porque não teve jeito, a passagem do Brasil chegava e saía por ela, mas já teríamos o primeiro trecho de avião por fora, para a Namíbia. Aí depois, numa reunião com o grupo da viagem, já que o Zimbábue foi escolhido de última hora, deixamos ele para os últimos dias, então a África do Sul ficou no meio da viagem. Ou seja:
      07/03 Brasília -- São Paulo -- Joanesburgo
      08/03 São Paulo -- Joanesburgo
      09/03 Joanesburgo
      10/03 Joanesburgo
      11/03 Joanesburgo -- Windhoek
      12/03 Windhoek - Sossusvlei
      13/03 Sossusvlei
      14/03 Sossusvlei -- Windhoek
      15/03 Windhoek -- Cape Town
      16/03 Cape Town
      17/03 Cape Town
      18/03 Cape Town
      19/03 Cape Town
      20/03 Cape Town
      21/03 Cape Town -- Joanesburgo -- Victoria Falls
      22/03 Victoria Falls
      23/03 Victoria Falls -- Joanesburgo
      24/03 Joanesburgo -- São Paulo -- Brasília
      Aí sim, roteiro fechado, vamos para o relato. Durante o relato não vou me ater aos valores mas vou colocar um orçamento detalhado ao final, com valor das passagens, hospedagem, passeios etc. Foram 17 dias no total. Nota dramática: 17 dias inesquecíveis.
      Relato dia-a-dia
      Já faz alguns dias que voltei, e quase um mês do começo da viagem. Foram dias bem intensos e corridos então não vou lembrar com muitos detalhes de tudo que fizemos, mas vou fazer o melhor possível aqui.
      A seguir...
       


×
×
  • Criar Novo...