Ir para conteúdo

Carnaval Punta Del Diablo


carloskurt

Posts Recomendados

  • Membros

Já faz alguns anos que escuto falar muito bem sobre o carnaval de Punta Del Diablo. Para 2019 alguns amigos e eu estamos planejando uma trip para lá nessa época.

Alguém que foi poderia falar um pouco sobre como é o carnaval em PDD? As festas, melhores praias para ficar! Algumas dicas úteis haha

Vamos sair de Bagé-RS.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 11 meses depois...
  • 2 semanas depois...
  • Membros
Em 21/12/2018 em 18:25, carloskurt disse:

Já faz alguns anos que escuto falar muito bem sobre o carnaval de Punta Del Diablo. Para 2019 alguns amigos e eu estamos planejando uma trip para lá nessa época.

Alguém que foi poderia falar um pouco sobre como é o carnaval em PDD? As festas, melhores praias para ficar! Algumas dicas úteis haha

Vamos sair de Bagé-RS.

 

Em 21/12/2018 em 18:25, carloskurt disse:

Já faz alguns anos que escuto falar muito bem sobre o carnaval de Punta Del Diablo. Para 2019 alguns amigos e eu estamos planejando uma trip para lá nessa época.

Alguém que foi poderia falar um pouco sobre como é o carnaval em PDD? As festas, melhores praias para ficar! Algumas dicas úteis haha

Vamos sair de Bagé-RS.

Oie! Você foi em 2019? Foi massa? Quero ir este ano, 2020... saindo de Alegrete, mas nao tenho a menor ideia do que esperar!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Punta Del Diablo é extremamente roots e sem infra e reúne uma turma alternativa e debouas, encontrei gente de vários países lá. Recomendo ficar em um hostel para interagir com os outros mamíferos.

Enfim, acho que é uma coisa pessoal. Se tu curte a turma alternativa, sem muito luxo, reggae, etc..., é um lugar a se cogitar. Senão, existem muitas outras opções de carnaval que são mais famosas (p. exemplo o carnaval de Laguna que dizem ser muito bom).

Independente de ir ou não, tome cuidado com as suas coisas de valor, deixe tudo no carro, pois lá eles entram na casa enquanto tu está fora e furtam tudo. Todos os meus amigos que estiveram lá por último, hospedados nas casas/cabanas, enfrentaram esse problema, foram 3 casos.

P.s.: Não estou dizendo que é um lugar perigoso, não precisa se preocupar com isso, mas ocorrem muitos furtos nas casas alugadas.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Tadeu Pereira
      Salve Salve Mochileiros! 
      Segue o relato do nosso mochilão batizado de Trinca de Áries pelo litoral do Uruguai.
       
      1º Dia: Partida - 26/12/17 - 19h30min - São Paulo x Porto Alegre - Empresa de Ônibus Penha - R$226,65
          Partimos de São Paulo Capital do Terminal Rodoviário do Tietê às 19h30min do dia 26 de Dezembro de 2017 em direção ao sul do país para cruzarmos a fronteira do Brasil com Uruguay. Depois de uma chegada conturbada ao terminal do Tietê conseguimos embarcar sendo os últimos a entrar no ônibus com um pequeno atraso rs. A viagem seguiu tranquila com paradas de 3 em 3 horas de 25 a 30 minutos. Chegamos em Porto Alegre às 16h00. 
       
      2º Dia: 27/12/2017 - 23h00 - Porto Alegre x Chui - Empresa de Ônibus Planalto - R$145,45 - Guarda volumes R$8,00 - Banho R$15,00 
          Chegando na capital gaúcha na Estação Rodoviária Central fomos logo comprar as passagens com a empresa Planalto para o Chui. Passagens compradas encontramos um guarda volumes no terminal para guardar nossas mochilas por R$8,00 pois iriamos embarcar somente às 23h00 para o Chui. Decidimos andar um pouco pelos arredores da rodoviária, andamos por algumas praças visitamos o Mercado Público e logo fomos procurar as margens daquele imenso rio que cortava a cidade toda. E encontramos!     


      Depois de andar um bocado pela cidade, comer e tomar a cerveja Polar famosa no sul, fomos para as margens das águas do rio Guaíba e encontramos um dos mais belos por do sol do mochilão, ficamos algumas horas contemplando aquele momento.
       

       
           Após esse espetáculo da natureza gaúcha retornamos para o terminal rodoviário para pegar as mochilas no guarda volumes e tomar um belo e merecido banho que encontramos no terminal rodoviário custando R$15,00 Reais por 8 minutos de banho quente. E acreditem, o tempo dá e ainda sobra rs! Banho tomado, celulares recarregados, barriga cheia é pé na areia, fomos para a plataforma de embarque aguardar o ônibus do nosso próximo destino, o Chui. 
       
      3º Dia: 28/12/2017 - 9h30min - Chui x Punta Del Diablo - Empresa de Ônibus Rutas Del Sol - $97,00 Pesos - Câmbio 8.30 - Taxi $150 Pesos - Camping $140 Pesos - Glamping $160 Pesos 
          Desembarcamos no Chui por volta das 7h00 da manhã, a cidade ainda estava acordando e não havia muitas pessoas pelas ruas. Fomos a procura das passagens para Punta del Diablo com a empresa Rutas del Sol, mas antes teríamos que atravessar a fronteira rs. Andamos algumas quadras e chegamos nas avenidas Uruguay e Brasil sendo ali a fronteira Brasil e Uruguai onde atravessamos caminhando. Pronto agora estamos no Chuy com Y mesmo ahuahuah.  Encontramos o guichê da Rutas del Sol e compramos nossas passagens por $97,00 Pesos para às 9h30min horário do Uruguai, pois não existe horário de verão como no Brasil, basta atravessar a fronteira que o horário altera, então lembre-se disso. Tomamos um ótimo café da manhã em um hotel restaurante chamado Nuevo Hotel Plaza localizado na Rua Arachanes, na mesma praça que se embarca pra Punta del Diablo. Pagamos R$20,00 Reais e comemos e bebemos à vontade depois fumamos nosso primeiro baseado em terras legalizadas ahahaha e o próximo passo seria fazer o cambio da moeda local, encontramos varias casas de cambio por ali mesmo nos arredores. Conseguimos uma cotação de 8.30 e trocamos R$250,00 Reais pois os próximos destinos não teriam casas de cambio. Embarcamos atrasados novamente, mas dessa vez pela confusão de horário que fizemos devido o horário de verão no Brasil e no Uruguay não ter. 
           Saindo do Chuy após uns 20 minutos o ônibus irá fazer uma parada na ADUANA (Administración de Aduanas de Chuy) que é responsável pela fiscalização e imigração de fronteira. Como a empresa de ônibus é uruguaia o motorista irá gritar "imigracion" mas se não houver ninguém para firmar a entrada no pais ou seja os turistas, o ônibus seguira em frente. Foi exatamente o que aconteceu com o nosso ônibus, como ninguém quis firmar a entrada no país o motorista seguiu viagem sem ninguém ao menos precisar descer do ônibus. A dica é: exija sempre sua entrada no país que estiver indo na América do sul, nós não fizemos isso como todos no ônibus e pagamos por isso na volta, mas contarei essa situação mais a frente. 
         
                                                         
       
           Chegamos por volta das 11h00 em Punta del Diablo, o dia estava nublado um pouco fechado porém ainda assim não tirou a magia do lugar. Logo que desembarcamos fomos em uma barraquinha que tinha uma simpática senhora que vendia tortas de algas, compramos algumas pegamos um táxi pagamos $150 Pesos e fomos direto para o camping FLOR DE PEZ. Um pouco afastado do centrinho e do mar de Punta del Diablo o camping fica na Rua Nº1 e é muito aconchegante, limpo, com wifi, com opção de glamping $160 Pesos o dia e camping $140 Pesos o dia, com ótimos banheiros e chuveiro quente. 
        


                         Acampamento montado fomos conhecer as praias de Punta del Diablo. Descendo a rua do camping com uma caminhada de 10 minutinhos e chegamos a Playa del Rivero. De fácil acesso, praia movimentada, embora estivesse um pouco vazia este dia devido ao tempo nublado, mas logo surgiu um sol lindo e a praia lotou de turistas. Compramos os famosos bolinhos de algas que são vendidos nas praias mesmo. Eles lembram um bolinho de arroz ou um tempurá rs, mas são muito bons, recomendo que comprem os da praia e não direto dos quiosques, pois os da praia são mais baratos, pagamos $100 Pesos por umas 15 unidades e são muito bons. Ficamos perambulando pelos arredores e fomos conhecer o mercado das Pulgas no centrinho da cidade, mais a noite a vida noturna da cidade é bem movimentada. Existem diversos bares, barracas de artesanato, comidas, lojinhas e diversos artistas. Comemos o famoso Chivito com fritas por $300 Pesos e brindamos nosso primeira praia em terras uruguaias com a deliciosa cerveja Patricia pagando em torno de $100 Pesos. Voltamos para o camping para um bom e merecido descanso. ZZZzzzzZzzZzzz...

                          
           Energias recarregadas bora conhecer outros lugares, fomos para Playa de los Pescadores e logo a frente o Monumento do General Artigas e vimos de longe a Playa de la Viuda que fica um pouco afastada. No Monumento do General Artigas conhecemos um casal de Blumenau que estavam indo para o nosso próximo destino, Valizas. Eles gentilmente ofereceram uma carona para nós, o que poupou o valor do transporte, combinamos de encontrar umas 16h30min. Fizemos nossas mochilas, erguemos acampamento, despedimos da galera do camping e fomos nos encontrar com casal de Blumenau para seguirmos para Valizas.  
        
       
      5º Dia: 29/12/2017 - 17h10min - Punta Del Diablo x Valizas - Carona R$0,00 - Camping $350 Pesos - Cuia, bombicha e garrafa térmica $118 Pesos 
           Chegamos em menos de 1h em Valizas e fomos direto ao camping LUCKY VALIZAS para tentar encontrar vagas. Encontramos um Eco camping todo estruturado, com muitos animais, ótimos banheiros com água quente, boa cozinha, ótima área de camping, quartos compartilhados, suítes e localizado a algumas quadras da praia. Fechamos 3 dias por $1050 Pesos pois iriamos precisar de três dias para conhecer Valizas e fazer a travessia para Cabo Polônio para passarmos a virada de ano. 



          Montamos nossas barracas novamente e saímos para conhecer as praias de Valizas. Caminhas uns 10 minutos com o sol ainda alto no céu e encontramos uma praia com uma faixa de areia extensa, com as dunas em direção a Cabo Polônio separadas por um estreito rio que quando a maré esta baixa pode se atravessar com a água nos joelhos. Decidimos ficar o resto da tarde na praia e fomos presenteados com um belo por do sol.    

              

            Ficamos muito felizes com o camping que escolhemos, parecia q estávamos em uma fazendinha com vários animais ao nosso arredor rs, a energia do lugar era muito boa, fomos muito bem recepcionados neste belíssimo Eco camping. Quando a noite caiu fomos ao centrinho de Valizas, com algumas opções de restaurantes, bares, diversos tipos de artesanato e muitos artistas pelas ruas. Em uma rua encontramos varias apresentações feitas na rua livre pra todo mundo ver. Uma pena que chegamos bem no finalzinho das apresentações mas já dava pra notar que ali seria o nosso lugar! Entramos em uma loja das famosas cuias para se tomar chá que os Uruguaios tanto gostam. Compramos a cuia com a bomba mais a garrafa térmica por $118 Pesos, só faltava o chá que nos mercados locais achamos facilmente. 
                 
       
                                                 
           Acordamos no sétimo dia um pouco mais cedo pois iríamos fazer o ponto mais alto do nosso mochilão, a travessia pelas dunas e pelo mar de Valizas até Cabo Polônio. Levamos 2 mochilas com algumas cobertas, blusas de frio, lanternas, água e algo para comer. Optamos dessa forma para poupar peso durante o trekking de 4 horas. 
       
      7º Dia: 31/12/2017 - 16h00min - Valizas x Cabo Polônio - Trekking 4hs - Travessia barco $50 Pesos - Chivito $200 Pesos - Cerveja Patricia $140 Pesos - Farol $25 Pesos 
            Saímos do camping por volta das 15h00, fizemos uma boa alimentação antes, passamos bastante protetor e nos dirigimos a travessia de barco pois o mar este dia estava muito alto para atravessar a pé com as mochilas, pagamos o valor de $50 Pesos por pessoa e em 5 minutos estávamos do outro lado. A caminhada começa pelo lado direito seguindo o rio e alguns metros a  frente começamos a andar nas dunas a esquerda, um nativo nos indicou desta forma pois o caminho seria menor.
                                                    
           Andamos umas 2 horas e chegamos a um mirante que tem uma vista fantástica de Valizas e de todo caminho q iriamos percorrer até Cabo Polônio. Decidimos sair das dunas e caminhar pelo mar pois a terra era mais firme e não cansava tanto. O caminho pelo mar era incrível, caminhamos vendo um por do sol sensacional e já enxergando o farol de Cabo Polônio em nossa frente. Encontramos também alguns animais mortos pelo caminho, na maioria filhotes de lobos marinhos que provavelmente se separaram de seus pais e não conseguiram encontra los mais, triste porém é a natureza! Chegamos no farol por volta das 19h00 e fomos direto para colônia de lobos marinhos que existe atrás do farol. Foi lindo ver tantos lobos marinhos juntos, gritando, brigando e procurando um espaço nas pedras, ficamos emocionados e realizados por tudo aquilo que estávamos vendo. Assim que a noite veio fomos para o centrinho de Cabo Polônio, afinal de contas era o último dia do ano e tínhamos que encontrar algum local pra comer, passar a virada e dormir.  
            
         
       
       

       


       
                                                                                                                                                                                                                                                 
           Encontramos um ótimo local que servia chivito por R$200 Pesos e cerveja Patrícia por R$140 Pesos. Energias recarregadas ficamos perambulando pelas ruazinhas de Polônio onde se encontra diversos bares, restaurantes e lojinhas com maravilhosos artesanatos. Passamos a virada por ali mesmo com aquele céu lindo cheio de estrelas, assistimos diversas queima de fogos iluminando aquela pequena vila e nos mostrando um pouquinho do que iríamos ver quando o sol nascer, pois Cabo Polônio não existe energia elétrica. Após toda festividade de ano novo nos dirigimos para praia e encontramos uma cabana de salva vidas onde nos abrigamos da fina chuva que se iniciou na madrugada. Acabamos dormindo por ali mesmo. 
           O sol nasceu  pela primeira vez em 2018 nos mostrando a verdadeira magia daquele lugar, nos deparamos com uma bela praia com um céu muito azul e um belo farol que estava fechado pelo feriado mas tinha um valor de $25 Pesos. Andamos por toda a vila e fomos novamente para a colônia de lobos marinhos atrás do farol. Uma imagem quase que de Discovery Channel hahaha. Ficamos horas contemplando aquela fantástica paisagem.

        
        
          
           A volta para valizas foi um pouco cansativa, saimos por volta das 14h00 e fomos somente pelo mar fazendo o percurso mais longo mas muito bonito também. Paramos poucas vezes para tomarmos água e fotografar pois teríamos que chegar a tempo de conseguir transporte para o nosso próximo destino, Montevidéu. 
       
         
       
           Chegamos no camping e tivemos a infelicidade de encontrar nossas roupas ensopadas dentro da barraca pois na noite da virada ocorreu um temporal no camping molhando quase todas as barracas que estavam por la. Tivemos que retirar toda roupa e colocar para secar no camping antes de partirmos. Roupas secas, mochilas prontas, levantamos acampamento e nos despedimos mais uma vez e lá fomos nós para o nosso próximo e ultimo destino, a capital do Uruguai Montevidéu.  
       
      8º Dia: 01/01/2018 - 18h00min - Valizas x Montevidéu - Empresa de Ônibus Rutas Del Sol $601,00 Pesos - Hostel $600 Pesos - Taxi $180 Pesos - Cerveja Patricia $104 Pesos - MSC - Museu da Maconha $200 Pesos - Ceda $100 Pesos - Maconha $200 Pesos a grama - Hamburguesas $200 Pesos - Câmbio 8.10
           Conseguimos um ônibus em Valizas por $601 Pesos e somente lembro de sentar na minha poltrona fechar os olhos e abrir em Montevidéu pois o cansaço da travessia de 22km de ida e volta entre Valizas a Cabo Polônio naquela hora deu sinais de que iria nos derrubar. Já no Terminal Rodoviário Tres Cruces por volta das 23h00 decidimos pegar um táxi por $180 Pesos para irmos direto para o Hostel que um amigo tinha indicado, seguimos direto para o Bo! Hostel que fica na rua Canelones, 784 atrás do Teatro Solís. Fizemos o check-in pagamos $600 Pesos na diária com café da manhã incluso. A galera do hostel nos recebeu muito bem, o lugar é limpo, com quartos para casais e compartilhados, banheiros limpos, com ótimo wifi, salão de jogos, um lindo terraço, ótima cozinha e uma galera muito legal que nos deixou bem à vontade. 
       
           
        
              

                Andamos quase toda capital a pé e com transporte público que é bem barato, conhecemos o Teatro Solís, a Plaza Independencia, o Mercado del Puerto, caminhamos alguns quilômetros pelas maravilhosas Ramblas onde fomos presenteados por paisagens que são de encher os olhos de lágrimas. O por do sol visto da Rambla é sensacional e emocionante. Foram momentos únicos de contemplação que fazem você refletir sobre diversas coisas na sua vida. Chegando nos dias finais do nosso mochilão, um de nós como previsto iria partir para São Paulo no dia seguinte. Saímos do hostel a tarde e fomos acompanhar nossa amiga e parceira de mochilão até o terminal Tres Cruces para retornar a São Paulo. Aproveitando que estávamos no terminal novamente fizemos o cambio por ali mesmo, vale a pena dar uma pesquisada em algumas casas de câmbio que tem do lado de fora do terminal também pois você pode encontrar melhores taxas de câmbios. Tarefas cumpridas, fomos atrás da famosa maconha do Uruguay e encontramos pelo valor de $200 Pesos a grama valendo muito a pena pois é de alta qualidade e pura, já a ceda achamos um pouco cara, um pacote de ceda compramos por de $100 pesos, em torno de R$15,00 Reais.     

        
        
        
        

        
           


            No dia seguinte fomos ao Museu da Maconha de Montevidéu - MCM que fica na rua Durazno, 1784. O museu conta toda história da maconha no mundo desde o começo até os dias de hoje e conta também o processo de legalização no Uruguay. Pagamos $200 Pesos para entrar e ficamos um bom tempo la com os funcionários já que fomos os últimos a entrar no museu.
            A vida noturna em Montevidéu rola diversos bares e pubs, encontramos um que se chama Rock es la Cultura localizado na rua Sorlano, 952. O Pub é totalmente voltado para o rock com fotos de bandas por toda parte, televisões passando clipes e shows e um palco para bandas se apresentarem, o que não aconteceu aquele dia. Tomamos um ótimo vinho, ouvimos uma boa música e comemos uma pizza bastante saborosa e retornamos ao hostel.
          Compramos diversas tipo de alimentos em free shops que ficam espalhados pela cidade, um deles chamado Devotos Express encontramos ótimos preços para alimentos, bebidas, alfajores, doces de leite entre outras coisas, vale muito a pena comprar nestes lugares. Comemos também as famosas Hamburguesas por $200 Pesos pedindo pelo telefone no próprio hostel e ainda vem com várias batatas fritas e bem rápido a entrega, uma ótima e barata opção pra matar a fome. 
       
        
        
         
       
           No penúltimo dia em Montevidéu fui até ao terminal garantir as passagens para São Paulo. La no guichê descobri que quando entramos no país deveríamos ter firmado a entrada na ADUANA (Administración de Aduanas de Chuy), sendo assim não conseguiríamos pegar um ônibus direto para São Paulo pois na ADUANA na volta iriam solicitar a entrada e como não tínhamos firmado seria cobrado uma multa de $2.800 Pesos. Por causa desta falta de informação decidi pegar um ônibus de Montevidéu para o Chuy e fazer a rota que eu fiz para entrar no país sendo aconselhado pela atendente da empresa de ônibus pois seria a melhor forma de voltar ao Brasil sem ter que pagar a multa. Então quando passarem pela Aduana lembrem se de solicitar a entrada no país pois na voltar se não estiver com a entrada será cobrado multa. 
           Acordamos arrumamos nossas mochilas, fizemos o check-out no Bo! Hostel e fomos para o terminal de táxi para nos despedirmos, pois iríamos para lugares diferentes. Eu tinha que seguir para o Chuy e minha companheira de mochilão junto com seu novo companheiro alemão iriam para Santa Tereza. Nos despedimos e eles embarcaram primeiro, uma hora depois foi a minha vez de embarcar. Hasta luego Uruguay! 

        
           
      13º Dia: 06/01/2018 - 14h30min - Montevidéu x Chuy - Empresa de Ônibus Rutas Del Sol $701,00 Pesos - Hostel R$50 Reais - Churri R$8,00 - Cerveja Glacial R$5,00 
           Chegando no Chuy por volta das 19h30min recebi a informação que não havia mais passagens para São Paulo e nem para Porto Alegre para aquele dia, então comprei uma passagem para Pelotas-RS para o outro dia de manhã para não ter que ficar muito tempo no Chuy. Conheci um colombiano na mesma situação que a minha mas que iria ficar em Florianópolis, nos unimos para procurar um hostel barato para passar a noite até o embarque de manhã. Conseguimos depois de algumas tentativas encontrar um hostel barato, fomos orientados a procurar pelo Poseidon Hostel que fica na rua Chile, 1131 no lado do Brasil. Fomos recepcionados pela dona do local com muita simpatia e cordialidade. Fizemos o check-in por R$50,00 Reais para passarmos a noite em um quarto compartilhado. Tomamos um bom banho e fomos ao lado Uruguaio comer alguma coisa pois estávamos mortos de fome. Encontramos um Senhor que vendia churri, um tipo de sanduiche rercheado com linguiça, vinagrete e com um pouco de pimenta tostado em um tipo de churrasqueira, pedi um churri por R$8,00 Reais e uma cerveja Glacial latão por R$5,00 Reais.

        

        
           Acordamos por volta de 7h00 e fomos para o terminal de ônibus para embarcar para Pelotas, no caminho vimos que duas argentinas que estavam no mesmo hostel que nós iriam para Pelotas e depois para Florianópolis também como o colombiano. Bastou um pouco de conversa e estávamos todos unidos para o mesmo destino, Pelotas. 
       
      14º Dia: 07/01/2018 - 9h00 - Chuy x Pelotas - Empresa de Ônibus Expresso Embaixador R$61,00 Reais
           Desembarcamos em Pelotas por volta das 13h00, como meu próximo destino era Curitiba e o horário que consegui passagem era para 18h30min ficamos aguardando debaixo de uma bela árvore na rodoviária jogando conversa fora até dar nosso horário. 
       
      14º Dia: 07/01/2018 - 18h30min - Pelotas x Curitiba - Empresa de Ônibus Penha R$226,46 Reais
           Saímos de Pelotas as 18h30min e no meio do trajeto por volta das 05h00 de uma manhã com muita chuva em Florianópolis me despedi dos três amigos que desembarcariam na ilha da magia. Até Curitiba ainda restavam algumas longas horas.
       
      15º Dia: 09/01/2018 - 14h00 - Curitiba x São Paulo - Empresa de Ônibus Cometa R$118,00 Reais
           Por volta de 13h00 desembarquei em Curitiba e fui direto ao guichê da Viação Cometa garantir minha passagem o mais rápido possível para São Paulo. Consegui para às 14h00 do mesmo dia. Comi alguma coisa no terminal rodoviário e embarquei para o destino final do mochilão chegando por volta das 21h30min do dia 9 de Janeiro de 2018 onde se encerra meu primeiro mochilão pelo Uruguay. 
       
      Gastos totais: R$1.662,56
       
       
      Muchas Gracias!

       
       
    • Por mcm
      Conseguimos promoção de milhas para o Uruguai para passar os 4 dias de Natal. Já visitamos o pais outras vezes, passamos um réveillon por lá. De modo que dessa vez a ideia era explorar novas regiões, sair do trio MVD-Punta-Colônia. A escolha foi percorrer o litoral uruguaio, trajeto a que os gaúchos viajantes devem estar até acostumados. Não era nosso foco curtir praia (sol, mar, etc.), era mais conhecer os lugares e curtir a vibe local. Seria também uma viagem muito rodoviária, quicando de lugar em lugar. A ideia dessa vez era alugar carro e percorrer o litoral. Disparar até Punta del Diablo e vir descendo de volta.
      Em princípio a ideia era não reservar acomodação e deixar rolar. Depois vi que isso seria má ideia, visto que é alta temporada. Risco de ter de ficar fazendo turismo hoteleiro (percorrendo pousadas e hotéis) e pagar mais caro. Optei por reservar antecipadamente, mas fiz isso somente a um mês da viagem. Foi difícil, e relativamente caro, acabamos pagando entre 50 e 65 USD pelas diárias.
      Nossa ida era na 6ª de noite, via São Paulo. Conexão era curta. De modo que, não de todo inesperado, o voo atrasou e fomos convidados a remarcar nosso voo. Fomos lá remarcar. Felizmente havia um direto saindo no dia seguinte de manhã. Havia somente duas pessoas na nossa frente, mas ainda assim levou mais de uma hora para resolver. Dentre outros motivos, porque pessoas furavam a fila -- e eram prontamente atendidas. Enfim, depois de algum stress, resolvido. (e o voo para Montevidéu atrasou mais do que o do Rio para São Paulo, ou seja, haveria tempo – mas sei que não se trabalha dessa forma)
      Chegamos no fim da manhã em Montevidéu, pegamos o carro e partimos. Pegamos algum trânsito, mas fomos numa boa. Pegamos sol, chuva, neblina e tudo o mais. E chegamos ao nosso primeiro destino, já no meio da tarde, a Fortaleza de Santa Teresa. Muito bacana, bem cuidada, bonita e organizada. Curtimos um tempo por lá. 
      A Fortaleza fica pertinho de Punta del Diablo, nosso destino seguinte e ponto de parada. Dias antes conseguimos reservar uma pousada bem no centro (havíamos reservado uma anterior um pouco afastada – a mudança foi ótima!), e com alguma vista do mar. Delícia de lugar. Largamos as coisas e fomos curtir a vibe dessa outra Punta.
      O centrinho de Punta del Diablo é mais roots, é de rua de terra, pousadinhas e lojinhas, pescadores e peixarias, bares e restaurantes. Tem farol, tem pedras, areia e mar. Curtimos o clima relax do local. Compramos um vinho para curtir o entardecer na nossa varandinha com vista para o mar. O sol cai e o frio vem. Ao menos naquele dia. Tive de usar casaco pra sair e andar de noite, o vento era bem frio. Em pleno dezembro antes do Natal. E a lua estava cheia.
      Passeamos, jantamos, bebemos, curtimos, e fomos dormir. Tinha gente nas ruas, mas não muita. Talvez o frio espantasse, talvez a temporada. Talvez seja assim mesmo (são Puntas diferentes!). Gostamos. 
       
      Domingo acordamos com uma ressaquinha das misturas da noite anterior, acabamos saindo um pouco mais tarde que o previsto. Talvez fôssemos no Parque que tem logo ao lado, mas decidimos partir direto para conhecer Cabo Polônio. Fazia um dia de céu estalando de azul.
      Consta que as jardineiras que transportam as pessoas do estacionamento até Cabo Polônio saem a cada hora e meia. Mas era verão e alta temporada, estavam saindo em série. Chegamos em cima da hora, mas houve tempo tranquilo. A jardineira saiu cheia, e logo já vinha outra. O estacionamento estava cheio também.
      Cabo Polônio tem também uma vibe diferente. Um pouco na linha de Punta del Diablo, mas com o  diferencial de ser mais isolado. Só se anda a pé, na terra ou na areia. As construções são esparsas, uma aqui, outra ali. No centrinho elas estão mais próximas. Tudo muito roots.
      Curtimos o farol, e a caminhada até lá já é muito visual. Depois andamos pelas praias. Primeiro para um lado, o mais pobrezinho, ou o mais hippie. Fomos pela praia, voltamos por dentro, desviando dos charcos, poças e tudo o mais. E curtindo as casinhas que encontrávamos aqui e acolá. Imaginando como deve ser viver ali, ainda que algumas sejam pousadas e outras pareçam destinadas a temporadas.
       
      De volta ao centro, fomos conhecer o lado mais rico de Cabo, a outra praia (a rigor é a praia por onde passa a jardineira no trajeto de ida/volta). Foi a água mais clarinha que vimos na viagem, piscininha mesmo. Subindo pelo morro, fomos explorar os visuais dos penhascos e, de quebra, as casas – também esparsas, mas muito mais abastada que as do outro lado. Ali é região da elite local. Salvo engano, é a que chamam de Praia do Sul.
      Em ambas as praias vimos lobos marinhos mortos na areia. De tamanhos (e idades) diversos. Presumo que seja comum, li isso em outros relatos. 
      De resto ficamos de relax, rodando para cá e para lá. Até pausarmos no Lo de Dany para comer alguma coisa (buñuelos de algas!) antes de partir de volta.
      Preços de dezembro de 2018:
      - Estacionamento: 190 URU
      - Transporte: 230 URU
      - Farol: 30 URU
      De volta ao estacionamento, seguimos nossa viagem ao sul. Paramos em La Pedrera, outro lugar bem legal. Paramos na Playa del barco e ficamos rodando a pé um pouco pela área. Belos visuais dos penhascos, galera curtindo praia, e aquele dia espetacular de sol e céu azul. Outro destino relativamente pacato, mas que certamente aumenta sua população nos meses de verão.
      E seguimos para nossa parada final, onde pernoitaríamos, La Paloma. Largamos as coisas na pousada e fomos curtir a pé. Lá tinha farol, então lá fomos curtir mais um! O dia ajudava qualquer visual.
      No mais, ficamos passeando pela praia curtindo as casas litorâneas. Fomos andando até La Balconada, onde apreciamos um espetacular pôr do sol.
      La Paloma pareceu um lugar também bem pacato (isso sempre em comparação com lugares mais conhecidos do Uruguai, como as badaladas Punta e Montevidéu), com praias amplas, um farol e uma larga avenida central, onde jantamos muito bem.
       
      Na 2ª feira, véspera de Natal, ainda fomos conhecer uma praia que eu havia mapeado em La Paloma. Galera chegando cedo na praia. Vimos uma menina chegando sozinha de bicicleta, deixando na areia junto com as coisas dela, e partindo para o mar. Coisas simples, ou que deveria ser simples, mas que não vemos nas praias do Rio de Janeiro (por motivos óbvios).
      Seguimos então em direção à ponte redonda, ou ponte circular, também chamada Puente Laguna Garzon. Para chegar lá, pegamos um razoável trecho de terra no litoral com raras casas. Uruguai é tão pequeno, e ainda tem muito espaço. A ponte estava novinha, quase ninguém por lá. Paramos num clube de kyte que fica logo abaixo para fotografar – mas as fotos bacanas mesmo são do alto.
      E seguimos para José Ignácio, reduto já próximo de Punta del Este. Paramos o carro numa rua interna e ficamos um longo tempo andando por lá. Vendo casas, vendo visuais, galera na praia (tava cheia!), as praias, etc. O lugar é bacana. Vimos muitas, mas MUITAS placas de carros da Argentina. Salvo enganos, eram maioria. Lá tinha farol também, mas estava fechado por ser dia 24. Lá é praticamente uma península, de modo que circularmos ‘externa e internamente” pelas ruas. Curtimos bastante. 
       
      Seguimos viagem para Punta. A ideia era ir no Museu do Mar. Chegamos lá e estava fechado. Vimos que naquele dia fechava às 15hs, excepcionalmente. Eram 15:07! Pena. Quanto mais perto de Punta chegávamos, mais gente e carros havia. Um razoável contraste com a outra Punta do começo da viagem, a do Diablo.
      No caminho nos deparamos com a sorveteria argentina Volta, em Manantiales. Demos meia volta e paramos para re-saborear aquele doce de leite sublime deles, que nos é parada obrigatória em Buenos Aires.
      Chegamos em Punta e largamos o carro no hotel. O que eu mais gostei de Punta, da única vez em que estivéramos lá, é a Península. É mais calma, acho mais bonita, e sobretudo é mais baixa. Melhor dizendo, as construções são mais baixas, não tem os espigões característicos da região. Mas não achamos hotéis a tarifas aceitáveis lá dentro, de modo que ficamos a perto de lá. Uma breve caminhada e lá estávamos passeando pela área. Passamos a tarde quase toda andando por lá.
      E fomos lá curtir o pôr do sol em Punta Ballena. Esperava por um trânsito intenso, mas nada. Talvez por ser véspera de Natal, havia pouca gente. Achamos um espaço – dessa vez não entramos no Casapueblo – e ficamos admirando e contemplando a beleza da natureza. E pensar que da outra vez tínhamos ido de bicicleta desde Punta!
       
      Na volta tentamos uma churrascaria tradicional – El Palenque – para nossa janta, mas estava fechada. Assim como vários outros restaurantes na véspera de Natal. Paramos numa rua com algumas opções abertas em Punta, já na península, e tivemos nossa “ceia”. Os preços em são caros de doer! Fizemos nossa janta de natal (não memorável) e fomos curtir um vinho com queijo que compramos no mercado para nossa ceia ‘oficial’ de Natal. Mas acabamos dormindo antes da meia noite, ahahahaha.
      Terça feira, dia 25, acordei cedo e fui fazer uma caminhada pela península. Mesmo bem cedo pela manhã, e do dia 25!, havia gente nos dedos para tirar fotos. Fui praticamente margeando a península a pé, em ritmo acelerado. Vi ainda um resto de night de Natal rolando ainda de manhã, vi grupos e pessoas esparsas alcoolizadas, e vi pessoas acordando cedo para passear com o cachorrinho, ou ir para a praia. Vida que segue!
      De volta ao hotel, tomamos café e partimos. Rodamos por Punta Colorada, com belos visuais (e as dunas invadindo a estrada!), depois Piriápolis. Subimo o Cerro San Antonio de carro, o teleférico não funciona há anos. Belo visual lá do alto, sobretudo com mais um belo dia de céu azul. Curtimos um tempo por lá.
       
      Tentamos conhecer dois castelos que eu havia listado, ainda que com mínima esperança de estarem abertos. Castillo de Francisco Piria e Castillo Pittamiglio. De fato, os dois estavam fechados. Admiramos a fachada, ao menos. Bem bacana, de ambos.
      Ainda passamos em La Aguila, que era um ponto que, no nosso roteiro original, curtiríamos logo na chegada (nossa primeira noite seria em Atlantida, não tivéssemos nossa ida cancelada pela Gol). La Aguila é uma construção um tanto exótica, de frente para o mar. Atrai a galera, é bacana. A praia fica lá embaixo, mas não atrai muito. Foi nossa última parada, partimos então direto para o aeroporto para nosso voo de volta no meio da tarde.
       
      E assim foi mais um feriado desbravando novos cantos pelo mundo!
       
    • Por leomleite
      Pessoal, eu viajo entre dia 02/02 e 10/02 para o Uruguai e ainda estou fechando a ordem do meu roteiro. Quero passar por Montevideo, Punta del Este, La Paloma, Cabo Polônio e Punta del Diablo. 
      Como estou indo sozinho, quero aproveitar a noite ao máximo, e ouvi falar muito bem da vida noturna em Punta del Diablo. O problema é que pelo meu roteiro, eu iria lá no meio da semana. 
       
      Na opinião de vocês, será que consigo aproveitar a cidade indo no meio da semana, ou o ideal seria no final de semana? 
    • Por Breno Maia
      Olá a todos do site! Então galera, sou totalmente inexperiente em viajar sozinho e estou planejando minha primeira viagem passar uns 10 no Uruguai, lugar q tanto me fascina. Porém, por ser um país bem pequeno, pergunto: 10 dias é tempo suficiente ou mais q o necessário? Pretendo em Dezembro passar por Punta del Diablo, Cabo Polonio, Punta del Este, Montevideu e Colônia do Sacramento. Queria muito mesmo tb dar uma passada em Buenos Aires, mas se for pra ficar uns 2 corridos e ainda deixar de aproveitar melhor o Uruguai, acho melhor adiar minha passagem na Argentina. O que vocês recomendam pra esse viajante de primeira viagem?
    • Por joaopaulocmachado
      Buenas galera! Chegou a hora de contribuir um pouco aqui no mochileiros. Eu e mais dois amigos decidimos conhecer um pouco do Uruguai. Estávamos com grana e tempo curtos (essa informação é importante!!!), portanto decidimos acampar a maioria dos dias. Saímos aqui do Paraná sem roteiro definido, nossa única limitação era que dia 3 de janeiro de 2015 deveríamos estar em Montevideo para pegar o Buquebus para Buenos Aires (passagens compradas ainda no Brasil). Eis nosso roteiro final:
       
      DIA 26/12/2014 - LONDRINA/POA
       
      O nosso voo de Londrina saiu às 15:55h e estava marcado para chegar em Porto Alegre às 17:55 horas. O tempo estava feio em Santa Catarina. Depois de muita turbulência e uma queda brusca de altitude o piloto decidiu mudar a rota e sobrevoar pelo litoral de SC, o que atrasou um pouco a chegada em POA. Do aeroporto, caminhamos pela passarela até o ponto do trem, e de lá fomos até a rodoviária. Nosso ônibus para o Chui estava marcado para às 23:30. Reparei que muita gente estava com mochilas cargueiras nas costas, depois descobri que a empresa Planalto tinha dobrado a quantidade de ônibus para o Chui, em razão do aumento no número de interessados em ir pro Uruguai.
      Para começar bem a viagem tínhamos que tomar a última cerveja antes de deixarmos o Brasil, então resolvemos ir atrás de uma cerveja gaúcha (Polar) nos estabelecimentos da rodoviária de POA. Todos já estavam sentindo aquele clima de mochilão que só rodoviárias transmitem.
       
      Voo Londrina - Porto Alegre: R$ 193,00 (http://www.voeazul.com.br)
      Trem do aeroporto até a rodoviária: R$ 1,70 (http://www.trensurb.gov.br)
      Ônibus Porto Alegre - Chui: R$ 119,00 (http://www.planalto.com.br)
       
      DIA 27/12/2014 - PUNTA DEL DIABLO
       
      Chegamos no Chui por volta das 7:00. Atravessamos a fronteira para o Uruguai a pé (uma avenida separa o Chui do Chuy) e fomos até a empresa Rutas del Sol (http://www.rutasdelsol.com.uy) para comprarmos as passagens para Punta del Diablo. Como estávamos com pouca grana, resolvemos comprar as bebidas no free-shop e levar na mochila durante a viagem. Depois das compras partimos para o ônibus. A Rutas del Sol vende a lotação total (lê-se passageiros sentados e passageiros em pé), então dica: se quiser viajar sentado, chegue primeiro, garanta seu banco e lute por ele! No busão conhecemos umas gurias de POA que também iriam acampar. A distância de Chuy para Punta del Diablo é de apenas 46 km, mas demorou um pouco por causa da burocracia na aduana. O ônibus estava lotado. Quando o motorista abriu a porta do bagageiro e viu todas aquelas cargueiras espremidas até desistiram de fiscalizar! Depois de duas horas estávamos em Punta del Diablo.
       
      Dicas: Decidimos ficar no Camping Flor de Pez (http://www.portaldeldiablo.com.uy/pt/alojamientos/flor-de-pez-camping-y-glamping) porque era o "menos afastado do centro". Existem 3 campings mais famosos lá: o Flor de Pez, o Camping Punta del Diablo (http://www.portaldeldiablo.com.uy/pt/alojamientos/camping-punta-del-diablo - inicialmente nossa escolha, porém 3.000 metros de distância da praia) e o Camping de la Viuda (http://www.campingpuntadeldiablo.com - 800 metros de distância da praia), então pense na sua mobilidade antes de escolher onde acampar.
       

      A rodoviária de Punta del Diablo fica um pouco afastada, então fomos de van até o camping (as mochilas cargueiras foram na carreta). Chegamos, armamos as barracas, jogamos tudo pra dentro e partimos para tomar a primeira breja uruguaia da trip. Do camping até a Playa del Rivero (a mais movimentada) demoramos cerca de 15 minutos caminhando. Sentamos no primeiro bar que encontramos e pedimos uma cerveja Patrícia. Tinha bastante gringo nesse bar, a maioria fumando um! Bateu uma fome e resolvemos voltar para o camping. Na cozinha tinha um pessoal fazendo a janta. A galera do camping estava bem animada, curtindo Cuarteto de nos, Calle 13, Manu Chao etc. e tomando vinho em volta da fogueira. Acabamos nem saindo esse dia, ficamos curtindo com a galera do camping.
       

       
      Ônibus de Chuy para Punta del diablo: R$ 8,00 (pagamos com real mesmo, eles aceitam)
      Diária no Camping Flor de Pez: UYU$ 300,00
      Van da rodoviária para o Camping Flor de Pez: UYU$ 20,00
       
      DIA 28/12/2014 - PUNTA DEL DIABLO
       
      Levantei, tomei um banho e fiz um café pra "acordar". Fomos até a Playa Grande (praia deserta) pra curtir o visu. Voltamos e as gurias que conhecemos no dia anterior estavam fazendo almoço, aproveitamos e fizemos o nosso também. Depois de almoçarmos fomos dar uma volta no povoado. Poucas pessoas na água por causa da baixa temperatura. Um uruguaio recomendou uma balada num hostel chamado Bitácora, que ficava próximo do Camping Flor de Pez (http://www.bitacorabar.com).
       

      Voltamos para o Flor de Pez e encontramos o camping tomado por brasileiros. Um pessoal tinha acabado de chegar com um motorhome. Nos enturmamos com o pessoal e começamos a tomar umas garrafas de rum na cozinha do camping. Todos resolveram ir na balada sugerida pelo uruguaio. Achei a balada bem legal, estava lotada e o som rolou até o nascer do sol. O hostel também pareceu ser legal, tem piscina, salão de jogos etc. Achei curioso porque era meu segundo dia de viagem e eu tinha falado com poucos uruguaios! Infelizmente começou a rolar música brasileira sem parar! A última coisa que quero ouvir em outro país é música brasileira!
       
      DIA 29/12/2014 - BARRA DE VALIZAS
       
      Desarmamos as barracas, fizemos check out e partimos em direção a um "ponto de van" que existe no "centro" de Punta del Diablo. Pegamos a van e fomos para a rodoviária. Na rodoviária compramos as passagens para Barra de Valizas (não me lembro o valor). De Punta del Diablo para Valizas são apenas 58 km. A viagem demorou um pouco porque passamos duas vezespelo Parque Nacional Santa Teresa (o motorista esqueceu de pegar alguém). Dica: muita gente vai caminhando de Punta del Diablo para o Parque Santa Teresa, 1 hora de caminhada, há camping.
       
      Logo nos primeiros passos em Valizas vi uma lanchonete chamada McValizas e a frase "Y como no sabia que era imposible, lo hizo" pichada em um muro. Diferente de Punta del Diablo, em Valizas há muitos hippies, muito artesanato, um clima bem roots. Demos uma volta no "centro" e entramos numa mercearia pra comprar água para o trekking. Como não é permitido acampar em Cabo Polônio, decidimos acampar em algum lugar entre Valizas e Cabo Polônio. As gurias que conhecemos no camping Flor de Pez gostaram da ideia e decidimos ir todos juntos. A distância entre Barra de Valizas e Cabo Polônio é de 12 km pela beira mar e 8 km pelas dunas.
       
      Antes de começarmos o trekking nas dunas tivemos que atravessar um braço da Laguna de Castillos. Dava pra atravessar a pé, mas como já estava tarde (a água já batia nos ombros) e estávamos com a mochila cargueira e de ataque, resolvemos não arriscar, fomos em um barco.
       

       
      Logo nos primeiros metros andando nas dunas de Valizas já percebi que não seria fácil! Estávamos com cerca de 25 kg cada um, a areia era bastante fofa. Um morador local disse que as dunas chegam a alcançar 30 metros de altura, na hora eu duvidei! O por do sol das dunas de Valizas é incrível!
       


       
      Encontramos poucas pessoas percorrendo a trilha. Resolvemos acampar logo depois de meia hora de caminhada, já estava bem escuro, mas dava pra ver as luzes do farol de Cabo Polônio no horizonte. Esticamos uma lona atrás das barracas das gurias para proteger do vento e fizemos a janta (salgado e vinho!!!). O céu estava limpo e estrelado. De um lado avistávamos as luzes de Barra de Valizas e do outro as luzes do Farol de Cabo Polônio.
       

       
      Dicas:
      1) Na trilha de Valizas para Cabo Polônio leve pelo menos 1 litro de água por pessoa.
      2) Se for fazer a trilha a noite, leve lanterna.
       
      Travessia de barco pelo braço da Laguna de Castillos: UYU$ 50
       
      DIA 30/12/2014 - CABO POLÔNIO
       
      Acordei por volta das 6 horas da manhã sentindo vento com areia no meu rosto. Nosso café da manhã nesse dia foi barrinhas de cereal, água e frutas. Depois do café, desarmamos a barraca, dobramos a lona e o saco de dormir colocamos tudo nas mochilas cargueiras e continuamos a trilha para Cabo Polônio. No caminho avistamos vários lobos marinhos mortos, o cheiro forte dava pra sentir de longe.
       
      Em maio de 2014, no Parque Tayrona (Cabo San Juan), Colômbia, fiz amizade com uma argentina de BA, que coincidentemente estaria em Cabo Polônio no dia 30/12/2014. Conversando pelo facebook, ela me disse que ficaria no hostel de um amigo, e, se quiséssemos, conversaria para reservar outras 3 camas pra gente. Eu disse que não precisava, pois não tinha certeza que estaria dia 30 em Cabo Polônio. Enfim, chegamos no povoado e não havia lugar para dormir! A maioria dos poucos "hostels" (tecnicamente casas de telha dos moradores, lotadas de beliches) que ainda tinham lugares, cobravam absurdamente muita plata - coisa de Uru$ 700 a 800! Cabo Polônio é um lugar pra dedicar no mínimo 3 dias, uma pena que não tínhamos esse tempo. O vilarejo tem pouquíssimos nativos e não há energia elétrica (a iluminação é feita toda por velas, lampiões e fogueiras). Minha amiga ficou com pena da gente e foi conversar com o proprietário do hostel para nos ajudar. O dono do tal Hostel Viejo Lobo também tinha um bar, e depois de entender nossa situação, deixou que dormíssemos na parte de dentro do bar dele. Gracias Ceci y Gastón! Deixamos nossas mochilas no bar e fomos conhecer o vilarejo.
       
      O povoado é bem pequeno, mas estava lotado de turistas brasileiros e argentinos. Há um banheiro público bem na parte central do vilarejo onde se cobrava pra utilizar (não me lembro o valor). Há vários restaurantes no povoado. Escolhemos um que tinha o melhor sanduíche do mundo (quando se está com fome, toda comida é a melhor do mundo!!). Obs: não fizemos nossa comida porque achamos que seria demais pedir pra utilizar a cozinha do bar que dormiríamos.
       
      Tiramos algumas fotos dos lobos marinhos que ficavam atrás do farol. Do farol da pra ver todo o povoado. A subida é cobrada, 20 pesos uruguaios. Já na parte central de Cabo Polônio cruzamos com uma loira linda andando completamente nua na rua! Na mesma hora que cruzávamos com a loira um bêbado que estava encostado na parede de mercadinho, gritou tome una fotografía de la niña!
       

       
      Fomos para a praia do lado sul de Cabo Polônio e encontramos minha amiga com o pessoal do hostel. Sentamos na areia e começamos a conversar tomando um mate. A banda uruguaia Cuarteto de Nós tem uma canção ironizando a briga pela nacionalidade de Carlos Gardel ("La guerra de Gardel"). Como na roda de mate havia argentinos e uruguaios, eu perguntei para os uruguaios: "Carlos Gardel és argentino ou uruguayo?" (
      ) Na mesma hora um argentino levantou e gritou "Es tan Argentino como el asado!!" O por do sol de Cabo Polônio é fantástico.  

       
      Começou a escurecer e fomos para o bar pra pensar numa maneira de tomar banho. Conversando com o proprietário do bar ele disse que poderíamos tomar banho lá, só pediu que fossemos rápidos pois os clientes já estavam chegando e não pegaria bem sairmos de toalha no meio do bar. Quando nós três terminamos de tomar banho o bar estava completamente lotado. As mesas iluminadas a luz de velas e um sol ao vivo rolando. Abrimos um whisky e brindamos com o pessoal do Hostel Viejo Lobo, que chegou minutos depois pra ver a banda. De uma hora pra outra a cidade inteira ficou um breu e do nada o bar que dormiríamos virou o lugar mais agitado de Cabo Polônio. O local onde dormiríamos estava lotado de gente dançando e curtindo a banda tocar a luz de velas. Eram 6 instrumentistas (flauta doce, violão, cajon, bongô, trompete...) fazendo todo mundo dançar e respirar o que é latinamérica! Um dos pontos altos da viagem. As primeiras luzes do dia vieram acompanhadas por um chuvisco frio. Em poucos minutos o bar viejo lobo se esvaziou e finalmente pudemos esticar o saco de dormir e capotar.
       


       
      Entrada no farol: UYU$ 20
       
      DIA 31/12/2015 - LA PEDRERA
       
      Quando fomos dormir só nós três estávamos no salão do bar, porém, quando acordamos, o salão estava lotado de gente dormindo. Saímos com um sol violento nas nossas cabeças. Passamos pela Av. Pepe Mujica e tiramos uma foto! Depois fomos até o ponto onde saem os caminhões 4x4 que levam os turistas para a rodoviária de Cabo Polônio (7 km de distância, também feito a pé. Dica: leve água). Éramos os únicos no caminhão, fomos na parte de cima para curtir a brisa e tirar umas fotos. O caminho é bem esburacado, em menos de vinte minutos estávamos na simpática rodoviária.
       

       
      Ao chegarmos na rodoviária compramos os bilhetes para La Pedrera, onde decidimos passar o reveillon. De Cabo Polônio para La Pedrera são 39 km. Cochilei nessa viagem, não me lembro de nada, só do ônibus parando no meio da rua e todos saindo. La Pedrera não tem rodoviária. Fizemos uma pequena reunião e decidimos ficar num hostel naquele dia, afinal de contas era ano novo! Fomos até o hostel El Viajero (http://www.elviajerohostels.com/hostel-la-pedrera/), haviam vagas, porém o preço estava caríssimo, 750 pesos uruguaios (quarto compartilhado). Tomamos um merecido banho e fizemos nosso almoço na cozinha do hostel.
       
      Depois do almoço fomos dar uma volta na rua principal de La Pedrera. No primeiro mercadinho que encontramos enchemos nossa bolsa térmica de gelo e cerveja. Quando estávamos chegando na areia começou um temporal. Só tivemos tempo para nos abrigarmos numa casa que estava pra alugar ali perto. Ficamos lá por 2 horas. O vento foi tão forte que mesmo no embaixo do toldo e no centro da área da casa que invadimos, ainda recebíamos rajadas laterais de vento e chuva. Pelo menos tínhamos cerveja gelada!
       

       
      Quando o sol apareceu fomos para a praia. Depois que acabou a cerveja voltamos para o hostel. Fizemos amizades com um pessoal e combinamos de passar a virada na rua principal da cidade. O hostel organizou uma ceia, mas estava muito caro (como sempre nessas ocasiões) e resolvemos não participar. Perto das 23 horas resolvemos subir para a parte central junto com uns argentinos e uruguaios. Encontramos alguns amigos que havíamos conhecido em Punta del Diablo. Próximo da meia noite a rua principal ainda não estava cheia. A contagem regressiva em uníssono e os fogos de artifício anunciaram a chegada de um novo ano! Vimos fogos de artifício por pelo menos 15 minutos, foi bem legal. Por volta das 2 da manhã a rua principal já estava lotada. A galera ficou na rua pra ver o primeiro nascer do sol de 2015. Lá pelas 6 horas eu não aguentava mais ficar em pé. Já fazia algumas horas que não via meus 2 amigos. Eu e uma amiga uruguaia resolvemos voltar para o hostel. Da avenida onde estávamos até lá foram uns 15 minutos de pernada (aproximadamente 500 metros até o Hostel El Viajero).
       
      De Cabo Polônio para La Pedrera: UYU$ 69
      Diária no Hostel El Viajero: UYU 750 (aproximadamente)
       
      DIA 1/1/2015 - PUNTA DEL ESTE
       
      Acordei cedo só pra aproveitar o café da manhã do hostel e depois voltei a dormir! Depois que todos levantaram fizemos check out e fomos comprar a passagem para Punta del este. Péssima notícia, naquele dia 1º não havia serviços de ônibus direto de La Pedrera para Punta del Este. Depois de uma pesquisa com os motoristas das empresas de ônibus (cada motorista falava uma coisa, ninguém sabia com certeza como ir para Punta de Leste), um motorista me informou que deveríamos pegar um ônibus para a cidade de San Carlos e depois outro ônibus para Punta del este. Resolvemos fazer isso. Enquanto estávamos esperando o ônibus encontramos as gurias que conhecemos em Punta del Diablo, elas tinham dormido em um camping naquele dia.
       
      Nosso dinheiro estava acabando. A primeira coisa que teríamos que fazer em Punta del este era comprar pesos uruguaios. De La Pedrera para Punta del este são 120 km. Chegando em San Carlos compramos as passagens de ônibus para Punta del este. Ficamos esperando por 1 hora no ponto de ônibus na companhia de outros viajantes que também tinham como destino o Punta del este.
       
      Após chegarmos em Punta del este, resolvemos buscar informações sobre como chegar no camping San Rafael (http://www.campingsanrafael.com.uy/sitio/home). O Camping San Rafael fica localizado no bairro de La barra, próximo da famosa ponte ondulada. Paramos em um ponto de ônibus a poucos metros da ponte e fomos andando até o camping (20 minutos).
       

      Nos surpreendemos ao chegar, pois não imaginávamos que fosse daquela tamanho. Camping muito estruturado, banheiro com água quente, mercado, energia elétrica disponível para todas as barracas, salão de jogos, Wi fi, etc. Lamentamos por termos escolhido ficar apenas um dai ali. Montamos as barracas e decidimos comprar pão e mortadela no mercado que havia no camping. Depois da janta resolvemos ir a pé nos bares de La Barra. Apesar de exaustos pelo ritmo da viagem, queríamos pegar uma balada por lá. A vontade sumiu depois que nos informamos do preço!!! Decidimos ficar pelos bares mesmo!
       

      Diária Camping San Rafael: 11 dólares
       
      DIA 2/1/2015 - MONTEVIDEO
       
      Acordamos bem cedo, fomos a pé até o ponto de ônibus localizado antes da ponte ondulada. De lá pegamos o ônibus até a rodoviária. Do ônibus reparei nas elegantes casas à beira-mar existentes em Punta del este. Fizemos câmbio próximo da rodoviária. Compramos a passagem de ônibus (coletivo) até o ponto mais próximo da Casapueblo, localizada na península de Punta Ballena (15 km de Punta del Este). Chegando no ponto caminhamos cerca de 20 minutos até chegarmos no museu. A região também possui várias casas e condomínios luxuosos. Os brasileiros estavam fazendo fila pra entrar na famosa Casapueblo, ateliê e museu (também funciona como hotel e restaurante) do artista uruguaio Carlos Vilaró. A primeira vez que ouvi falar do artista Carlos Vilaró foi no livro Os sobreviventes - A tragédia dos Andes, de Piers Paul Read.
       

      Depois que visitamos a Casapueblo fomos até a final da rua (camino a la ballena), onde há um pequeno comércio de artesanato. O vento nessa região é muito forte! Ficamos mais de 1 hora pedindo carona para as pessoas nos levarem até a rodovia novamente, mas não conseguimos, tivemos que voltar pra rodovia a pé. Na rodovia esperamos por cerca de 45 minutos um ônibus que nos levou de volta para a rodoviária. Chegando na rodoviária atravessamos a avenina e fomos conhecer o símbolo mais famoso de Punta del Este, o Monumento al Ahogado, conhecido como La mano (obra de Mario Irarrazabal, 1982). Pegamos outro ônibus até o "ponto da ponte ondulada" e caminhamos a pé de volta ao Camping San Rafael, onde desmontamos as barracas e voltamos para a rodoviária para pegar o ônibus até Montevideo.
       

      De Punta del este para Montevideo são 132 km. Logo que chegamos na capital uruguaia pegamos um ônibus que nos levou até o centro da cidade, próximo da região dos hostels. No caminho fizemos amizade com uma uruguaia que sugeriu que ficássemos no Hostel Willy Wonka. Descemos próximo da Plaza Independencia. Conhecemos o Teatro Solís, Palácio Salvo, ramblas a puerta de la ciudadela etc. O Hostel Willy Wonka estava lotado, passamos em mais 6 hostels, todos lotados. Já estávamos cogitando dormir embaixo da ponte (rs) quando encontramos o Red Hostel (http://www.redhostel.com). O hostel estava lotado de mineiros, até parecia que estávamos em Minas Gerais.
       

      Fomos a pé do Red Hostel até o famoso El Pony Pisador. Mais ou menos 1,5 km já de madrugada, porém bastante seguro. Na ida encontramos um mineiro perdido no meio do caminho, ele resolveu ir com a gente pra festa. A festa estava lotada, não tinha como se mexer. Não pagava nada pra entrar e havia bancos do lado de fora, na calçada. Fiquei algumas horas sem ver meus dois amigos! Depois de algumas cervejas começou a bater o cansaço. Olhei no relógio e vi que já estava na hora de voltar pro Red Hostel. Paramos rapidão pra comer um lanche de rua (café da manhã!) que ficava em algum lugar entre a balada e o hostel!
       
      Entrada na Casapueblo em Punta del este: 180 pesos uruguaios
      Diária Red Hostel: R$ 55,00 (estava mais barato pagar em real)
       
       
      DIA 3/1/2015 - BUENOS AIRES
       
      Depois que chegamos no Red Hostel só tivemos tempo de pegar a mochila, fazer check out e partir para a rodoviária para pegar o ônibus que nos levaria para o porto em Colônia de Sacramento. Eu estava exausto, resultado de muitas noites mal dormidas! O barco atrasou quase 2 horas, tivemos que ficar lá esperando, poderíamos ter aproveitado o café da manhã com tranquilidade no Red Hostel! Eu não consigo entender a atração do brasileiro por filas. Depois que foi anunciado que o barco atrasaria, os brasileiros ainda continuaram na fila, mais de 1 hora em pé! Eu tirei uma pestana ali mesmo!
      Depois que foi autorizado a entrada no barco, só me lembro de ter escolhido a poltrona, fechado os olhos e ter acordado na Argentina! Perguntei para meus amigos se eles tinham feito algum registro da viagem e eles disseram que não. Nem vimos o barco sair.
       
      Chegando em Buenos Aires fomos direto na Calle Florida procurar nosso contato pra trocar real por pesos argentinos. Conseguimos uma cotação boa, 1 pra 4,5. Em Buenos Aires ficamos na casa de uma amiga que conheci no Peru em 2009, a Maria. Nos encontramos na Calle Florida, logo depois que fizemos o câmbio. Fomos até a casa dela, deixamos as coisas fomos procurar um restaurante bom e barato. Encontramos um próximo da casa da Maria. Lá fizemos amizades com alguns garis que também estavam almoçando. Eles acharam curioso os 3 brasileiros mortos de fome e pediram pra tirar uma foto! Depois pegamos um ônibus até o centro da cidade. Muitas ruas estavam fechadas por causa da largada do Rally Dakar em Buenos Aires. Decidimos tomar um café no bar mais famoso de Buenos Aires, o Café Tortoni."Um café, por favor." "Sim, senhor. Algo para comer?" Indiquei um salgado do menu. O barbudo e bem-vestido garçom olhou o pedido, virou-se e saiu em direção a cozinha sem anotar o pedido. Toda vez que venho ao Tortoni, sinto que meus pedidos serão enviados enganados a alguma mesa vizinha.
       

      Saimos do Tortoni, já a noite, e pegamos um Ônibus até o bairro Agronomia onde mora minha amiga Maria. Maria chamou seus amigos argentinos pra nos mostrar o legítimo churrasco porteño!! Depois da janta deliciosa nos arrumamos pra pegar uma balada no bairro de Palermo.
       

      Chegamos na balada 3 horas da manhã. Nós estávamos mortos, tomei alguns energéticos pra aguentar a noitada. A balada tinha dois andares, me lembro que pagamos 80 pesos argentinos para entrar e 100 pesos de taxi. Foi muito legal. Fomos praticamente expulsos da balada, os últimos a ir embora, o sol já estava forte.
       
      DIA 04/01/2015 - BUENOS AIRES
       
      Acordamos, fizemos o café e pela enésima vez arrumamos nossas coisas para partir. Pegamos um trem até o Terminal Retiro e largamos as cargueiras em um guarda-volumes no sub-solo (não me lembro quantos pesos). Depois, tomamos um ônibus até o famoso bairro de San Telmo. Já conhecíamos a feira de outras passagens, mas ela sempre é interessante. As barraquinhas, os artesanatos, os livros usados, a comida de rua e música ao vivo. Uma banda em especial, a Tony Montana, merece ser vista. Tocam um rock/reggae misturado com a cumbia em uma apresentação muito louca.
       
      Não dá para visitar San Telmo e deixar de passar pela Mafalda (que ganhou mais dois amigos para posar para as fotos dos turistas, Manolito e Susanita). Conhecemos duas meninas do interior de São Paulo que acabaram nos acompanhando. Comi um pancho enorme pela pechincha de 15 pesos argentinos. Resolvi sair da "avenida principal" e zique-zaguear pelas ruelas perpendiculares. Gastamos umas boas horas de nossa tarde por lá, até que pegamos um novo ônibus para o Retiro, agora tendo nossas casas como destino.
       

      No ônibus encontramos um grupo de torcedores fanáticos pelo River Plate. Os caras estavam chapados! Descemos e encostamos em um boteco próximo da rodoviária. Aqui vale uma reflexão de como os argentinos são realmente apaixonados pelo futebol (os uruguaios também!). Sem entrar em polêmicas, mas em várias oportunidades durante a viagem tivemos futebol como assunto, e é realmente impressionante como eles não apenas torcem, mas vivem o esporte! Conversa vai, conversa vem. Brejas pra cá e para lá... Eis que alguém pergunta o horário de saída do ônibus para o Brasil (não me pergunte quem). Outro de nós (que também não lembro, mas prefiro nem saber) disse com firmeza "20:50"!. Final da história: chegamos por volta das 20:20, pegamos nossas mochilas (que estavam no guarda-volumes) e nos preparamos para viagem. Nos posicionamos no terminal, compramos uma Quilmes e ficamos tomando e jogando conversa fora! Após 30 minutos de "atraso" começamos a desconfiar. Com 45 minutos fomos em busca de informações.... Após questionar o motivo do atraso do ônibus o atendente da Crucero pegou minha passagem, analisou, pegou uma caneta e circulou na própria passagem a informação "20:30". Tragédia, havíamos perdidos o ônibus pro Brasil!!!
       
      Não havia mais ônibus da Crucero para o Brasil naquele dia, teríamos que pegar o primeiro ônibus do dia seguinte (05/01/2015), que sairia na parte da tarde. Entramos em contato com a Maria, que gentilmente disponibilizou sua casa novamente (Gracias Maria y Alexandra!). Não tínhamos mais grana para o taxi, havíamos torrado tudo em cerveja e lembranças em San Telmo e na rodoviária. Decidimos pegar um ônibus da rodoviária até a casa da Maria. O problema era que não tinha ônibus direto até o terminal mais próximo da casa dela (100 metros da casa), teríamos que parar em um terminal mais afastado. Depois que o motorista nos deixou, caminhamos por meia hora até chegarmos na casa da Maria, já de madrugada. No dia seguinte (05/01/2015) finalmente pegamos nosso ônibus para o Brasil.
       

      É isso aí pessoal. Espero que as informações e dicas sejam úteis. Qualquer dúvida podem me mandar mensagem que responderei com todo prazer. Abraço a todos!!!
×
×
  • Criar Novo...