Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Posts Recomendados

Galerinha, tudo bem?

A gente passa por fases da vida que  vamos vendo o tempo passar e alguns sonhos ficando para trás.Como dizia  Eleanos Roosevelt "O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza de seus sonhos", então bora lá construir desenvolver os sonhos.

Estou iniciando um planejamento de um world trip algo entre 12-18 meses, ainda não defini o percuso mais a ídeia é fazer Brazil>Europa>Africa>Asia>Oceania>Hawaii>America do Norte>America do Sul, está tudo bem cru ainda mas boas idéias na mente. Procuro pessoas para trocar informações e idéia, quem sabe achar um parceria de trip

 

Enfim, um grande abraço á todos

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Vini_Borgis brother, pra esse tipo de viagem o planejamento será cansativo porem ao mesmo tempo é o que vai ti dar o norte de tudo. Tirei meu ano sabático e voltei dele há pouco tempo e o que posso ti adiantar baseado nas minhas experiencias são:

- Seu roteiro vai mudar inumeras vezes até chegar no planejamento "ideal"

- Comece a planejar por continentes / países separados e depois vai interligando-os, como se trata de uma viagem longa vc nao precisá viajar correndo e com isso pode andar mais devagar, gastando pouco.

- Num primeiro momento quando se fala numa volta ao mundo a gnt quer visitar cada canto do mundo e numa primeira passada no roteiro vc vai ver la no final que sua grana poderá nao ser suficiente pra tudo que vc quer. Entao quando tiver fazendo o roteiro defina quais sao os lugares que vc quer muito conhecer daquelas que vc tem vontade porem nao "morrerá" se precisar corta-lo.

- Cada pessoa tem suas prioridade e seus desejos porem eu priorizei começar a viagem pela oceania > Asia e vir sentido ao Brasil pois no final da viagem quando a grana ja tivesse mais curta eu ja estaria mais perto de casa. Entao se eu precisasse cortar algum destino no final da viagem nao seria tao ruim pois de certa forma seria mais barato voltar num país aqui na america do sul do que voltar na Tailandia por exemplo.

- Planeje bem e veja o minimo  de grana que vc precisará pra completar seu roteiro, nao saia de casa ja pensando que vai arrumar um trampo pelo caminho pq as coisas sao tao simples assim. Em muitos países se vc nao tiver um visto que ti permita trabalhar o empregador nao vai querer correr o risco de ter problemas com as autoridades por causa de pessoas como vc. Em outros países da Asia vc pode ate conseguir alguma coisa mas a moeda deles vale bem menos que a nossa e no final das contas sera que vai valer mesmo a pena um subemprego pra ganhar tao pouco?

- Na Asia seu dinheiro rende muito, la tudo é bem barato, entao é legal passar um bom tempo viajando por la. Na oceania e na Europa seu dinheiro voa, mesmo economizando muito vc tranquilamente vai gastar 3x - 4x por dia o que gastava na Asia.

- Pra visitar todos esses destinos pretendido em torno de 18 meses vc precisara de muita grana. Talvez pra vc esse nao seja um problema mas por alto, chutando, no minimo uns 70k

Boa sorte

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Thalyta Milena
      Oieee, galera.
      Estou a procura de pessoas que se interessam em fazer um mochilão pela Amazônia, eu sou de Manaus e queria encontrar pessoas do Pará, Amazonas, pra ver se fica mais fácil a aventura. Mas claro que se tiver algum de fora, pode vim também. Estou pensando em fazer ano que vem (2020) conhecer alguns pontos, focando sempre na natureza. 
      Se tiver alguma dica, qualquer coisa, pode comentar, eu agradeço. 
    • Por irroncatto
      Olá amigos,
      Meu nome é Ivan e eu estou planejando passar o ano novo na chapada dos veadeiros entre os dias 29/12/19 - 04/01/20. Eu gostaria de saber se alguém tem interesse de me acompanhar nesta aventura? :)
      Cheers
    • Por BRviagens
      Olá, boa noite.
      Bom galera, a minha dúvida pra escolher o destino de viagem para o ano de 2020 continua. Pesquisando sobre a Suécia e vi apenas elogios sobre o país, até o momento, 0 comentários ruins. O que aparentemente fortalece numa viagem pra Suécia, é que você não é dependente do euro, podendo comprar a moeda local, que em questão de valores, é bem mais barato que o euro. Eu ficaria 1 semana em Estocolmo, e com tudo pago (Passagem de ida e volta e hospedagem). Qual a dica que vocês poderiam me passar?
    • Por Eduardo Brancalion
      WORLD NOMAD GAMES - QUIRGUISTÃO 
        Nossa experiencia no pequeno país do Quirguistão, que fica na fronteira dos gigantes Cazaquistão e China fica para um próximo post, esse relato é sobre os Jogos Nômades, uma das experiencias mais increíveis que tivemos a oportunidade de participar em nossas vidas: Imagine jogos brutais, tribais realizados a seculos,  em todos os países que tem o sangue nômade nas veias, todos reunidos em  Cholpon-Ata,  no lago  Issyk- Kul, maior lago do país.    Desde que ficamos sabendo da existência do World Nomad Games, que ocorrem a cada 2 anos desde 2014 no Quirguistão, a ideia de participar de um evento tão único e representativo da cultura nômade não saiu mais da nossa cabeça. Mas ainda estávamos no Cazaquistão e não queríamos passar correndo pelos lugares de natureza, então optamos por chegar apenas para os 2 últimos dias dos jogos. As competições esportivas são a atração central do evento, mas em paralelo, ocorrem diversas apresentações de teatro, música, dança e artes. Representantes de mais de 60 países se enfrentam em dezenas de modalidades, que giram em torno das provas sob o cavalo e de luta livre principalmente.  Chegamos à tardinha e fomos direto para o Hipódromo, onde alguma coisa bem emocionante devia estar ocorrendo, considerando os gritos da plateia. Caímos no meio do jogo de Kok Boru, esporte nacional do país e, de longe, aquele que mais encanta as multidões. Imaginem a nossa expressão ao entender o que acontecia em campo: os jogadores, de cima de seus cavalos, perseguiam uma cabra morta, sem cabeça, e deviam arremeçá-lá nos respectivos buracos no fim de cada lado do campo. Na maioria dos arremessos, eles caiam com a cabra (ex-cabra) e tudo pra dentro do buraco, já que imagino a dificuldade de jogar um corpo de 45 quilos montado em um cavalo a galope e em plena velocidade. No meio do caminho, eles se batem e se espancam, visando dificultar o “gol” do adversário. Ficamos bastante impressionados com a brutalidade do esporte, desde o uso de um animal morto até a violência livre entre os jogadores. Mas quando se trata de tradição e cultura, aprendemos apenas a observar. O Kok Boru é jogado há centenas de anos pelos povos nômades, sendo ainda hoje para o Quirguistão e o Afeganistão o que o futebol é para nós.  Ficamos desolados ao saber que as competições de caça com águia já haviam terminado. Outra tradição milenar dessas bandas, as águias caçadoras eram extremante importantes para o sustento das tribos nômades ao prover alimento e pele no rigoroso inverno da Ásia Central. Nos dias de hoje, existem pouquíssimos Berkutchi, os homens que ainda mantêm viva a tradição e fazem algumas exibições com suas águias douradas (nome dado devido à cor das penas em sua cabeça). O treinamento das águias caçadoras pode levar até 4 anos e requer práticas um tanto cruéis, como deixar a ave vendada durante a maior parte do tempo, pra que ela dependa inteiramente do seu treinador, e assim esqueça seus instintos selvagens. Durante os Nomad Games pudemos vivenciar de perto alguns esportes totalmente diferentes do que estamos acostumados no Ocidente, em que ficaram evidentes a brutalidade e a raiz primitiva ainda presentes nos povos dessa região da Ásia. Foram imagens pra não esquecer tão cedo.
       
      Mais posts e informação no nosso instagram: 
       
      https://www.instagram.com/pandoraontheroad/












    • Por Eduardo Brancalion
      Percebo que a nacionalidade é um mero acaso e minha idade é só um número. Desapego daquilo que não faz mais sentido. Experiências em vez de subserviência. O desconhecido como força motriz. Os prazos e obrigações dão lugar ao compromisso com a estrada que leva cada dia a um novo destino. Coração que pulsa com a verdadeira emoção de viver, e não sobreviver aos dias que se acumulam na redoma cinza da rotina. Aprendi a ressignificar o conceito de casa, que perdeu as paredes e os tijolos, para virar o lugar onde eu estiver. Liberdade em sua plena existência assusta, porque ainda preciso aprender a me comportar sem relógio, roupas sociais e intervalos de 45 minutos. A essência mais pura da curiosidade e do espírito desbravador vem à tona,  antes aprisionada na gaiola da tríplice carreira-status-dinheiro. Ah sim, ainda preciso de dinheiro, mas como meio e não como fim. A barriga passa a doer pela adrenalina e não porque o chefe exigiu o relatório pra amanhã. O padrão, a produção em série e o sentimento de mais um na boiada estendem o tapete pra passar o novo, o inesperado e uma existência com mais significado. E não é pra provar nada pra ninguém, não, é pela urgência em viver essa minha única vida da maneira mais avassaladora e intensa que eu conseguir. Agora vocês me dão licença, porque o mundo está a minha espera. .
      Texto Rafaela Velhinho
      Mais textos e fotos no https://www.instagram.com/pandoraontheroad/
      https://www.facebook.com/pandoraontheroad/
       
      Viagem ao mundo a bordo de uma Land rover Defender adaptada. ´´ Pandora on the road´´



×
×
  • Criar Novo...