Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Olá,

Na minha última viagem para a Europa excedi a minha estada na área de Schengen.

Na volta por Portugal o oficial da imigração me disse que eu havia ficado a mais, e eu apenas disse "nossa, desculpe!".

Então ele carimbou meu passaporte e eu voltei para o Brasil. Na dúvida comecei a ler os tópicos aqui e vi que nem sempre eles avisam no caso de haver alguma restrição para retornar para a Europa.

Na dúvida, eu enviei um formulário para verificar se havia algo registrado no SIS - Sistema de Informação Schengen. Recebi a resposta e não consta nada registrado (Ufa!)

Então, minha dúvida final é: não fui multada, não há nenhuma anotação ou carimbo no meu passaporte e, por fim, nada consta registrado no SIS. Há algum outro sistema em que possa constar alguma restrição de entrada na Europa ou na área Schengen?

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá. 

Estou com a mesma dúvida. Estive em 2008 e passei o limite dos 90 dias. O procedimento do oficial da imigração de Portugal foi o mesmo que comigo. Carimbou normal, não me notificou, multou, nada!

Agora estou planejando uma viagem para Europa e estou encucado com isso.

Pode me passar por onde enviou o formulário para se havia algo registrado no SIS, por gentileza?

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
2 horas atrás, Rodolfo Testoni disse:

Olá. 

Estou com a mesma dúvida. Estive em 2008 e passei o limite dos 90 dias. O procedimento do oficial da imigração de Portugal foi o mesmo que comigo. Carimbou normal, não me notificou, multou, nada!

Agora estou planejando uma viagem para Europa e estou encucado com isso.

Pode me passar por onde enviou o formulário para se havia algo registrado no SIS, por gentileza?

 

Formulário para acesso informação no SIS:

https://www.cnpd.pt/bin/direitos/schengen.htm

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tem algum risco ou marcação similar a estes no carimbo do seu passaporte?

Estes riscos feitos a caneta pelo oficial da imigração sinalizam que você excedeu o prazo, e se tiver um destes no passaporte, geralmente eles não deixam você voltar mesmo que não tenha multa ou restrição no SIS.

E se tiver o azar de pegar um oficial chato e implicante, ele pode querer conferir as datas dos seus carimbos, já aconteceu comigo de eles querem conferir as datas dos carimbos para ver se as estadias anteriores não excediam o prazo.

croatia_pula_passportstamp.jpg

Jonathan-passport-stamp-e1426430933812.j

 

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Não foi feita nenhuma marcação no meu passaporte, mas de qualquer forma eu tirei um passaporte novo 😶

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 03/01/2019 em 12:17, ricardo.barros disse:

@Lianaviaja @Rodolfo Testoni Se vocês decidirem voltar pra Europa, por favor nos contem a experiência na imigração...isso enriquece muito o fórum, tem muita gente que pega as dicas do pessoal e não retorna pra contar como foi, o que é uma pena.

 

Volto depois sim, para contar o que deu.

Sou dessas que também sente falta do “desfecho” nos tópicos 😌

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

Em 03/01/2019 em 00:42, poiuy disse:

Tem algum risco ou marcação similar a estes no carimbo do seu passaporte?

Estes riscos feitos a caneta pelo oficial da imigração sinalizam que você excedeu o prazo, e se tiver um destes no passaporte, geralmente eles não deixam você voltar mesmo que não tenha multa ou restrição no SIS.

E se tiver o azar de pegar um oficial chato e implicante, ele pode querer conferir as datas dos seus carimbos, já aconteceu comigo de eles querem conferir as datas dos carimbos para ver se as estadias anteriores não excediam o prazo.

croatia_pula_passportstamp.jpg

Jonathan-passport-stamp-e1426430933812.j

 

 

Não foi feita nenhuma marcação no meu passaporte, mas de qualquer forma eu tirei um passaporte novo 😶

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Mari D'Angelo
      📷 Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/roteiro-sevilha/
       
      A Espanha fica tão pertinho de Portugal que já estávamos há um tempo ansiosos por cruzar essa fronteira ibérica! O destino escolhido para a primeira viagem aos vizinhos foi Sevilha, capital da Andaluzia, no sul da Espanha! Sem maiores expectativas, achei que seria só mais uma cidade fofinha, mas surpreendentemente, foi amor a primeira vista!
      O trajeto entre Lisboa e Sevilha demora (descontando as paradas) por volta de 4h30, com estradas boas e pedágios só em Portugal. E foi só chegar no centro histórico da cidade que já comecei a me empolgar com as ruelas estreitas e a arquitetura dos prédios.
      É bem complicado encontrar vagas nas ruas do centro, muitas são só para residentes e as que não são, raramente estão disponíveis. O jeito é mesmo estacionar um pouco mais afastado. Apesar de ser uma cidade bem segura, fomos orientados a tirar tudo do carro (tudo mesmo, até uma caneta ou uma moeda de 0,2€!) e deixar o porta-luvas aberto. Seria um sinal de “aqui não tem nada pra roubar”.
      Nós ficamos 4 dias (2 inteiros + os da ida e da volta). A ideia era em um deles fazer um bate-volta em Córdoba, mas gostamos tanto de Sevilha que decidimos curtir a cidade com calma! E com o calorão de agosto, foi a melhor opção, já que paradinhas para cervezas e helados se tornaram um tanto frequentes.
      Sevilha é uma cidade espanhola, mas sua essência é claramente árabe! Depois de ter passado pelo domínio de vários povos, especialmente os romanos, os mouros ocuparam a região e detiveram o poder por oito séculos, até serem expulsos pelo rei Fernando III, que cristianizou o território.
      Mas foi só sair do Airbnb onde estávamos hospedados e dar alguns passos em direção ao centro histórico que já começaram a aparecer os primeiros sinais do passado mouro de Sevilha. É especialmente no bairro de Santa Cruz, a antiga juderia, que se notam azulejos em coloridos padrões geométricos, casas e hotéis com pátios árabes e aromáticas lojas de temperos e ervas. É uma atmosfera diferente, e a maior vontade é de simplesmente andar sem rumo por suas tortuosas ruas.
      Inevitavelmente a gigantesca Catedral de Sevilha vai surgir por entre as callese plazas. É uma das maiores construções religiosas do mundo e sua versão, hoje católica, foi construída sobre uma antiga mesquita. Essa mistura do islã com o cristianismo ocidental fica evidente na torre anexa à igreja, a La Giralda, um dos cartões postais da cidade.
      E pra imergir de vez na herança muçulmana de Sevilha é só adentrar o complexo de jardim e palácios reais batizado de Real Alcazar. Na verdade há uma mistura de estilos arquitetônicos nos diversos ambientes que compõe o conjunto, mas as salas árabes, com todos aqueles detalhes do chão ao teto, arrancam os mais maravilhados suspiros!
      Os jardins também encantam, mas é preciso ter tempo para percorrê-los com a calma que merecem.
      É também dessa mistura de povos, entre eles árabes, judeus e ciganos, que surgiu, na região da Andaluzia, o mais tradicional estilo musical espanhol: o flamenco! Tanto a dança quanto o canto, acompanhado das batidas fortes das guitarras, são intensos, daquele tipo de experiência que arrepia os pelinhos do braço e faz o coração pulsar mais forte!
      Não dá pra descrever Sevilha sem falar do seu cartão postal, a Plaza de España! Criada pelo arquiteto Aníbal González para a Exposição Ibero-americana de 1929, ela pode até ser um ponto turístico fabricado, com seu canal artificial e charretes carregando turistas levemente desinteressados, mas é absolutamente deslumbrante!
      Ao longo do edifício semi-circular, diversos painéis de azulejos detalhadíssimos representam todas as províncias espanholas. Em seu interior tudo é ricamente ornamentado, das paredes à escadaria. Do piso superior tem-se uma dimensão mais ampla da praça, que inundada pelo dourado do fim do dia fica ainda mais mágica!
      A praça fica na verdade dentro do Parque de María Luisa, cheio de fontes e cantinhos aconchegantes para uma paradinha relax. Os Jardines de Murillotambém são uma opção agradável para estar em meio à natureza e à vida cotidiana dos Sevilhanos.
      Já às margens do Guadalquivir, a Torre del Oro é o ponto turístico, mas o mais gostoso mesmo é o caminho até lá, uma caminhada pelo Paseo de las Delicias,que pode incluir uma paradinha em um dos bares beira-rio.
      E se até agora tudo parece muito harmonioso, uma estranha e gigante estrutura de madeira bem no centro histórico quebra bruscamente os padrões. É o Metropol Parasol ou Las Setas (os cogumelos), de onde se tem uma vista 360º de Sevilha! O valor da entrada inclui um pequeno desconto na consumação do bar no topo. Não é uma má ideia terminar o dia brindando o pôr-do-sol com uma cerveja artesanal espanhola.
      A Espanha é o paraíso das tapas! Em Sevilha elas são geralmente baratas e bem servidas. Não há programa mais local do que escolher uma mesa pelas praças e calçadas para tapear, acompanhado de uma cerveja ou uma jarra de sangria. É particularmente bom para vegetarianos, já que há muitas boas opções sem carne (embora o jamón seja uma paixão nacional). Tive duas paixões gastronômicas que salivantemente recomendo: as tortillas de patata e o gaspacho. Sim, a ideia de uma sopa fria de tomate e outros vegetais parece no mínimo questionável, mas acredite, é maravilhoso!
      Sevilha é também muito conhecida pelas touradas, mas como essa é uma prática que eu abomino, não assisti à nenhuma e nem visitei a Plaza de Toros. Não sou do tipo que impõe meus princípios por aí, mas sugiro pesquisar um pouquinho sobre essa prática, que traz tanto sofrimento aos animais, antes de decidir financiá-la.
      Sevilha me conquistou! Por sua cultura, sua história, pela simpatia de seu povo e claro, pelo estômago!
       
      📷 Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/roteiro-sevilha/
    • Por lulis_sbc
      Alguem aqui programando Intercambio em Dublin nesse ano ou no ano que vem??? 
      VAmos conversar?
    • Por anselmoportes
      Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:
      São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.
      ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.
      Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de VARSÓVIA.
      LEGENDA
      USD - Dólar Americano
      EUR - Euro
      BRL - Real Brasileiro
      PLN - Zloty Polonês
      Depois de 4 dias em Budapeste (Hungria) segui minha viagem até Varsóvia, na Polônia. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.
      22º dia de viagem: Budapeste -> Varsóvia (Sexta-feira, 28 de Setembro de 2018)
      Cheguei no aeroporto de Varsóvia às 9h20 e saquei PLN 200 no ATM. Os passes dos transporte público são por tempo, ou seja: vc compra um com um tempo pré definido (15, 30, 45, 75 minutos) e pode pegar quantas conduções quiser nesse tempo. Comprei um de 75 minutos (PLN 4,40), peguei o ônibus 175 e em 30 minutos estava chegando na estação WARSZAWA CENTRALNA.
      Deixei meu mochilão no LEFT LUGGAGE da estação por PLN 10 (há armários também, mas são mais caros: PLN14 por 24h).
      Passei num mercado e comprei 1 água e 1 iogurte (PLN 8  )para comer com o resto do pão do meu café da manhã.
      Peguei o ônibus 160 para a cidade velha (15min). Passei pela SIGISMUND COLUMN, ST. JOHNS CATHEDRAL, IGREJA GRACIOSA MÃE DE DEUS e fiquei dando umas voltas pelas ruas do centro antigo até às 13h30, quando peguei o FREE WALKING TOUR VARSÓVIA NA 2ª GUERRA MUNDIAL. Nossa guia foi a GOSKA e ela contou os horrores que a cidade sofreu durante a guerra e a ocupação nazista. Mais de 80% da cidade foi destruída! Os judeus tiveram seu dinheiro confiscado e foram para os guetos que tinha a densidade populacional maior que a ilha de Manhattan. Ela também falou do UPRISING (Levante) contra as tropas nazistas. Esse tour é altamente recomendável! Terminamos por volta das 15h30 no MONUMENTO AO LEVANTE que fica em frente à CATEDRAL DO EXÉRCITO POLONÊS.
      Voltei para a cidade velha e visitei a ST. ANNE CHURCH. A guia comentou que os jovens costumam se confessar nessa igreja pq os padres de lá não são tão “rígidos”.
      Voltei para o ponto de ônibus que tinha chegado e ao lado dele tinha uma máquina de bilhetes. Comprei o WEEKEND PASS que vale de sexta a domingo para todos os transportes (ônibus, tram, metro). Paguei PLN 24 e a máquina aceita cartão de crédito.
      Peguei o ônibus 160 e voltei à estação central. Conversei com a Marta (minha anfitriã) via WhatsApp e combinamos de nos encontrar no HARD ROCK CAFÉ que fica em uma das saídas da estação. Tomei 3 cervejas (PLN 42) esperando e assim que ela chegou fomos pegar minha mochila no left luggage. 
      Chegamos no apto dela, deixei minhas coisas e já saímos para um bar chamado SAME KRAFTY. Tomei várias cervejas artesanais e comemos uma pizza (½ fungi, ½ carbonara) que estava simplesmente deliciosa! A conta deu PLN 98 e deixamos o bar por volta das 23h30.
      De volta ao apto, tomei um banho e fui dormir.
      Distância percorrida no dia: 20km 🚶‍♂️

      SIGISMUND COLUMN
       

      MONUMENTO AO LEVANTE
       

      IGREJA GRACIOSA MÃE DE DEUS
       
      23º dia de viagem: Varsóvia (Sábado, 29 de Setembro de 2018)
      Acordei 9h e a Marta tinha feito um café da manhã delicioso! Pão, um excelente patê de CHRZAN (uma raiz forte, que lembra wasabi), omelete e chá.
      Às 10h estava no centro para pegar o FREE WALKING TOUR OLD TOWN. O tour foi bem legal e a guia foi a Goska, mesma do dia anterior. No tour conheci o Júlio, um brasileiro que mora em Praga e estava passando o final de semana em Varsóvia.
      O tour terminou por volta das 12h30 e eu e o Júlio fomos almoçar no ZAPIECEK. Esse restaurante é especializado em comidas típicas polonesas. E, apesar de estar num ponto bem turístico, tem preços justos. Pedimos 2 pratos de PIEROGI (um frito e outro cozido) e tomamos 1 chopp (500ml) cada. A comida estava excelente (pierogi é um dos pratos mais tradicionais da Polônia e é uma delícia) e o chopp igualmente bom. A conta deu PLN 35 pra cada.
      Comentei com o Júlio que naquela noite eu e a Marta iríamos fazer um bate-volta numa cidade ali perto chamada LODZ. Iria ter o LIGHT MOVE FESTIVAL , um festival de luzes que acontece lá 1 vez ao ano. Ele acessou a internet pelo celular e conseguiu comprar as passagens para ir com a gente.
      Depois do almoço fui sozinho para o ESTÁDIO NACIONAL. Peguei ônibus 111 e depois de um momento achei que estava indo pro lado contrário. Desci do ônibus e notei que estava indo pro lado certo. Daí eu vi no Google Maps que estava próximo ao CHOPIN MUSEUM e decidir ir pra lá.
      O museu fica num prédio muito bonito e ornamentado (entrada PLN 22). As exposições são bem interativas e é possível conhecer a vida e a obra de Chopin.
      Voltei para o apto e me encontrei com a Marta. De lá fomos até a estação Warszawa Młociny pegar o Flix Bus (USD 6, somente ida, comprado antecipadamente, via site). A volta iríamos fazer de trem. Encontramos com o Júlio na estação e seguimos viagem.
      ***Dica: É cobrada uma taxa de USD 2 por compra no site da Flix Bus. Se vc já tiver seu itinerário completo, compensa comprar todas as passagens de uma vez. Assim será cobrado apenas uma vez a taxa.
      Chegamos em Lodz (se pronuncia “woodz”) por volta das 19h e o centro da cidade estava com a luzes apagadas. Em alguns prédios eram projetados animações cheias de cor e movimento. Havia MUITA gente na rua e a maioria delas com algum tipo de coisa “piscante” (colar, chifres de unicórnio e de diabo, braceletes, etc).
      Comi um pão com patê e picles de uma barraca na rua (PLN 5) e paramos no bar pra tomar uma cerveja (PLN 12).
      Passamos por um parque para ver uma apresentação de luzes sobre um lago. As luzes eram sincronizadas com músicas e uma fumaça artificial dava um efeito legal por cima do água.
      Vale MUITO a pena conhecer esse festival. Caso esteja em Varsóvia nessa época do ano, reserve uma noite pra ir até Lodz. Vc não vai se arrepender.
      Pegamos o trem de volta à Varsóvia às 23h. Fomos chegar por volta das 1h30. Chegamos no apto às 2h e fui dormir
      Distância percorrida no dia: 18km 🚶‍♂️

      OLD TOWN
       

      CHOPIN MUSEUM


      LODZ - LIGHT MOVE FESTIVAL

      LODZ - LIGHT MOVE FESTIVAL
      24º dia de viagem: Varsóvia (Doming, 30 de Setembro de 2018)
      Acordei 8h30 e tomei café da manhã com a Marta (panquecas e chá).
      Fui para o UPRISING MUSEUM e tinha combinado de encontrar com o Júlio lá. Para chegar lá peguei um tram e um ônibus e assim que cheguei vi um monte de policiais em frente ao museu. A entrada estava fechada e iria reabrir só de tarde. Não consegui saber o que estava acontecendo mas acho que alguém muito importante estava visitando o museu e, por motivo de segurança, fecharam a entrada.
      Nessa confusão toda me desencontrei com o Julio. Consegui achar um sinal de wifi aberto e falei com ele. Ele estava na estação Rondo Daszyńskiego e fui encontrá-lo lá. Decidimos então ir visitar o KATYN MUSEUM.
      Pegamos um tram e descemos na estação Dworzec Gdański. Caminhamos por uns 10 minutos e chegamos ao museu.
      O Katyn Museum foi criado em homenagem a centenas de milhares de oficiais poloneses que foram mortos em várias cidades diferentes durante os tempos de guerra. Há vários pertences das vítimas: pentes de cabelo, escova de dente, sapatos, jogos de xadrez e dominó, etc. Vale a visita pra quem curte essa parte da história. A entrada é gratuita e o audio-guia custa PLN 10.
      Pegamos o tram de volta ao Uprising Museum. Antes de entrar, passamos no mercado para comprar algo pra comer. Peguei 1 sanduíche, 1 coca e 1 chocolate Mars (PLN 13). Paramos num pequeno parque, comemos e seguimos para o museu.
      Quando chegamos lá a fila estava GIGANTE. Aos domingos a entrada é gratuita mas mesmo assim tem que ir até o caixa para retirar o ticket de entrada. Depois de 45 minutos de espera enfim conseguimos entrar (já era 14h30).
      O museu é incrível e tem 4 andares (subsolo, térreo, mezanino e 2º andar). Tem uma sala de cinema 3D com capacidade para 24 pessoas e o filme é um vôo sobre Varsóvia totalmente destruída após a II Guerra. Tem outra sala de exibição mostrando filmagens reais da cidade durante a ocupação naxista. No meio do museu há uma réplica de um avião  LIBERATOR B-24J e réplicas dos túneis de esgoto usados como rota de fuga pelos judeus perseguidos pelo exército nazista. Esse museu é visita OBRIGATÓRIA pra quem passa por Varsóvia. 
      Fomos sair de lá era mais de 17h. Entramos em contato com a Marta que nos sugeriu um restaurante chamado KRAKEN RUM BAR. Chegamos lá e eu pedi camarão com linguiça e baguette, pra tomar 1 chopp 500ml (PLN 40). Estava muito bom.
      De lá fomos encontrar com a Marta num bar chamado JABEERWOCKY. Havia vários tipos de cerveja e a média de preço era PLN 13 (copo com 500ml). Assistimos ao jogo final da Liga Mundial de Volêi e vimos o Brasil ser MASSACRADO pela Polônia por 3x0. Havia alguns torcedores no bar vibrando como nós brasileiros vibramos com o futebol. Cada ponto era equivalente a um grito de “gol” nosso. Dureza…
      Deixamos esse bar e passamos em outro, o PIJALNIA WODKI I PIWA que é um bar retrô da era comunista. É bem interessante e vale a pena conhecer, principalmente para experimentar os shots. A Marta nos pagou um shot de vodka de sabor que estava uma delícia. Tomei mais uma cerveja (PLN  8  e fomos embora.
      Pegamos o último metrô das 0h15. Chegamos de volta, arrumei minhas coisas e fui dormir 1h30.
      Distância percorrida no dia: 17km 🚶‍♂️

      UPRISING MUSEUM
      25º dia de viagem: Varsóvia - Cracóvia (Segunda-feira, 1 de Outubro de 2018)
      Acordamos as 7h20 e 7h45 estávamos deixando o apto. A Marta foi comigo até a estação central (ela iria pegar um trem tb). Me despedi dela e fui comprar meu café da manhã: 1 sanduíche de salame, 1 donut de marmelada e 1 iogurte (PLN 14). Tomei o café da manhã na plataforma esperando o trem, que partiu pra Cracóvia às 8h45
      FIM DE VARSÓVIA
      Próximo relato: Cracóvia
    • Por anselmoportes
      Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:
      São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.
      ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.
      Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de BUDAPESTE.
      LEGENDA
      USD - Dólar Americano
      EUR - Euro
      BRL - Real Brasileiro
      RSD - Dinar Sérvio
      HUF - Forint Húngaro
      Depois de 3 dias em Belgrado (Sérvia) segui minha viagem até Budapeste, na Hungria. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.

      18º dia de viagem: Belgrado -> Budapeste (Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018)
      Cheguei na estação de Budapeste Népliget às 14h. Fui procurar um locker e algum lugar para trocar euros por forint. A cotação na estação estava muito ruim EUR 1  = HUF 280  então resolvi sacar HUF 15.000 num ATM no subsolo da estação. No mesmo subsolo há lockers mas tem que ser pago com moedas e a quantidade tem que ser exata (não volta troco). Troquei HUF 1000 em moedas e paguei HUF 800 pra deixar meu mochilão no locker.
      Há uma estação de metrô em Napliget e lá comprei um ticket válido por 72 horas (HUF 4.125). Não há catracas pra acessar o metrô mas sempre tem fiscais conferindo o ticket antes de chegar nas plataformas.
      Fui até o centro e dei uma volta até chegar a BASÍLICA DE ST. STEPHEN, mas ela estava fechada pois haveria um concerto lá dentro (HUF 3500 a entrada). Caminhei mais um pouco e passei no supermercado pra comprar o café da manhã do dia seguinte e 2 cervejas (HUF 1300).
      Fui até a estação de FERENCVAROS pra pegar o trem até DUNAHARASZTI, que uma outra cidade, aproximadamente 20km de distância. A família que iria me hospedar (via Couchsurfing) morava lá.
      As informações de trens na estação de Ferencvaros são bem confusas e está tudo em húngaro. Perguntei para uma moça qual era a minha plataforma e ela me indicou. O trem que teria que pegar era o S25.
      Às 18h29 chega meu trem. Entrei nele, sem problemas. Foi quando eu acessei o google maps no celular e vi que tinha pegado para o sentido contrário. Quando me dei conta estava chegando na estação final e esperei lá até às 19h21 para pegá-lo de volta. Fui chegar à estação de Dunaharaszti 20h.
      Por uma incrível coincidência o Georg (meu anfitrião) estava passando de carro ali por perto e resolveu ir até a estação. E foi coincidência mesmo: não havia combinado com ele nada! Entrei no carro e conheci a Blanka, sua filha mais nova.
      Chegamos à casa deles e tomei uma sopa de abóbora que estava boa, porém um pouco doce. Em seguida chegou a Kata, esposa do Georg, que nos serviu um tipo de arroz de forno com carne e beterraba. Muito bom tb, mas de novo um pouco doce…
      Conversei bastante com o casal e conheci a Bori, a filha do meio.
      Tomei banho e fui dormir por volta das 0h30
      Distância percorrida no dia: 13km 🚶‍♂️

      BASÍLICA DE ST. STEPHEN

      BASÍLICA DE ST. STEPHEN

      ESTAÇÃO DE FERENCVAROS

      19º dia de viagem: Budapeste (Terça-feira, 25 de Setembro de 2018)
      Acordei 8h, tomei café e deixei a casa às 8h40 e caminhei por 1km até a estação de trem.
      Fui chegar ao centro por volta das 10h e voltei até a Basílica de St. Stephen e dessa vez consegui entrar. O interior é maravilhoso e vale muito a pena conhecer.
      Peguei o FREE WALKING TOUR das 10h30 que saía de frente à Basílica e nosso guia foi o SZABI. Passamos pela Elizabeth Square, Chain Bridge, Buda Castle que fica em cima de um morro (subimos pela escada e foi super tranquilo (uns 5 minutos) e o funicular custa HUF 1500). Lá em cima vimos a residência do presidente e a troca da guarda. Terminamos o tour na MATHIAS CHURCH que fica ao lado do FISHERMAN’S BASTION.
      Entrei na Mathias Church (HUF 1500). Ela é bem bonita e tem um pequeno museu. Há um busto da Rainha Elizabeth (sim… ela era xará da outra, da Inglaterra) que também era conhecida como Sissi e uma réplica da coroa com a cruz torta (no Free Walking tour o guia explica o pq da cruz torta na coroa).
      O Fisherman’s Bastion é um mirante que tem uma vista linda para o lado “Peste”. O lugar rende boas fotos!
      Pra voltar de lá peguei o ônibus 16 e desci no início da Chain Bridge. Peguei um tram até a COLINA GALLERT. Subi até o monumento de Gallert (não fui até o topo), tirei umas fotos lá de cima e voltei. Voltei para o lado “Peste” pela ELIZABETH BRIDGE e peguei o tram 2 até o PARLAMENTO HÚNGARO. O prédio é muito bonito e foi inspirado no Parlamento Britânico (impossível não notar a semelhança). Fui ver os horários dos tours no parlamento mas os em inglês e espanhol já estavam esgotados. Acessei o wifi de la e vi que os tours para esses idiomas já tinham se esgotados para os próximos 2 dias!
      ***Dica: Agende com antecedência os tour para conhecer o Parlamento Húngaro. Os idiomas mais concorridos são inglês e espanhol e esgotam rápido. Há também tours em alemão, italiano, francês, russo, etc. Mas esses não são tão frequentes. Acesse aqui para saber mais: https://www.jegymester.hu/eng/Production/480000/Parliament-visit
      Voltei para o centro caminhando pelo leito do rio Danúbio e passei pelo monumento “SHOES ON THE DANUBE” que é uma homenagem aos judeus que foram mortos à beira do rio.
      Parei pra comer num restaurante/lanchonete chamado MARKET BUDAPEST. Pedi 1 hamburger com chilli e 1 cerveja (HUF 2200). Tanto o lanche quanto a cerveja estavam excelentes!
      Depois de comer passei pela SINAGOGA DE BUDAPESTE que é a 2ª maior do mundo (a 1ª é a de NY). Ela estava fechada devido a um feriado judeu mas via que pra entrar tem que pagar HUF 6000!
      Ali perto está o RUIN PUB mais famoso da cidade: o SZIMPLA KERT. O lugar é bem “descolado” mas cheio de turistas. Tomei uma cerveja SOPRONI (500ml por HUF 700). O bar aceita EUR mas a cotação é péssima.
      Voltei pra casa e fui chegar por volta das 20h. A Kata tinha ido a um açougue local e comprou umas linguiças e embutidos típicos da Hungria. Um deles era um embutido feito de intestino e outras partes menos “nobres” da vaca. Comi todos com um pedaço de pão e gostei de tudo. Fiquei conversando com o Georg e a Kata até umas 0h30, quando fui tomar banho e dormir.
      Distância percorrida no dia: 25km 🚶‍♂️

      MATHIAS CHURCH

      MATHIAS CHURCH

      MATHIAS CHURCH

      PARLAMENTO HÚNGARO

      BANDEIRA EM FRENTE AO PARLAMENTO HÚNGARO

      SHOES ON THE DANUBE

      20º dia de viagem: Budapeste (Quarta-feira, 26 de Setembro de 2018)
      Acordei 8h10, tomei café e fui para a HEROES SQUARE. Lá tem um monumento que na base tem 7 cavaleiros representando as 7 tribos que formaram a Hungria. Próximo dali está PARQUE VAROSLIGET ou “City Park”. Nele há o CASTELO VAJDAHUNYAD que foi construído para a EXPO 1896 e ao redor dele há outras construções além da ANONYMUS SZOBOR ou Estátua de Anonymus. O parque tem um imenso gramado e muitas árvores: lugar perfeito pra fazer um picnic!
      Nesse mesmo parque encontra-se o BALNEÁRIO SZÉCHENYI. Nele tem o BEER SPA, onde fica numa banheira com água quente e vão adicionando os ingredientes da cerveja. Ao seu lado tem uma chopeira e vc pode se servir de cerveja à vontade por 45 minutos (EUR 30). Apesar da vontade resolvi não ir e segui caminho de volta ao centro.
      Fui até a estação Hősök Tere e peguei linha 1, que é uma das mais antigas do mundo. Desci na estação Vörösmarty utca e fui para o HOUSE OF TERROR (HUF 3500), que é um museu que fala sobre as atrocidades sofridas pelas pessoas que iam contra o regime comunista. São 3 andares repletos de vídeos (algumas imagens são bem fortes), itens e textos. Paguei HUF 1500 para pegar um áudio guia em inglês. No subsolo tem uns lugares onde as pessoas eram torturadas e presas - o lugar é bem aterrorizante.
      Deixei o museu e segui caminhando pela ANDRASSY UT também conhecida como a “Champs-Elysées Húngara”. Cheguei até a ÓPERA DE BUDAPESTE mas ela estava em reforma. Mesmo assim, resolvi pagar pra conhecê-la por dentro (HUF 2500). Na hora de comprar o bilhete me informaram que, devido à reforma, não era possível acessar o salão principal. Visitamos apenas as antessalas (salas de espera, locais onde as pessoas iam fumar, etc…). O tour levou apenas 20 minutos e no final teve uma pequena apresentação de ópera improvisada nas escadarias de acesso ao salão principal. Foram mais uns 15 minutos de apresentação de um homem e uma mulher. Apesar de ser improvisado eu gostei bastante.
      Deixei a ópera e segui caminhando até um lugar chamado RETRO LANGOS BUFET. “Langos” é uma comida típica húngara que parece uma “mini-pizza”: uma massa frita arredondada com vários tipos de recheio. Pedi um de sour cream, queijo, cebola e linguiça húngara (HUF 950) e tomei uma cerveja SOPRONI 500ml (HUF 450). Estava uma delícia e vale experimentar!
      Ao lado tinha a estação de Arany János utca e de lá fui até a estação Lehel tér. Caminhei uns 10 minutos até chegar no FLIPPERMUZEUM (http://www.flippermuzeum.hu/en/ ), que é um lugar cheio de máquinas de fliperama, sendo mais de 90% de pinball. São mais de 130 máquinas pra vc jogar à vontade por HUF 3000. Joguei os pinball do “De Volta para o Futuro”, “Indiana Jones”, “Attack from Mars” e a minha favorita: “White Water”. Também tinha os clássicos do arcade: Double Dragon e X-Men. Vale muito a pena conhecer, se vc gostar de fliperama é claro. Fiquei lá por 2h e meia mas parecia que tinha passado apenas 15 minutos. 
      Deixei o Flipper Muzeum por volta das 18h30 fui novamente ao Simpla Kert, dessa vez encontrar uns couchsurfers que tinham feito contato comigo via site. Ficamos bebendo e conversando até umas 22h quando resolvi voltar pra casa.
      Cheguei na estação de Ferencvaros e perdi meu trem por 2 minutos! Fui para uma loja de conveniência ali perto e tomei 2 cervejas e comi um amendoim (HUF 1000) esperando o próximo trem. Fui pegar o trem das 23h30 e cheguei em casa mais de meia-noite. Tomei banho e fui dormir.
      Distância percorrida no dia: 22km 🚶‍♂️

      PARQUE VAROSLIGET

      PARQUE VAROSLIGET

      LANGOS

      FLIPPERMUZEUM

      21º dia de viagem: Budapeste (Quinta-feira, 27 de Setembro de 2018)
      Acordei às 8h10, tomei café e vi que a Kata tinha deixado pra mim um chocolate húngaro chamado Túró Rudi. Trata-se de um tradicional doce daquelas bandas mas tem um gosto bem esquisito: pq tem queijo cottage. Não curti muito não, mas quem for pra lá tem que experimentar.
      Fui para o centro e saquei mais HUF 5000 (o Banco do Brasil cobra uma taxa de HUF 920 por saque!). Peguei o tram 2 e desci no ponto final que fica na Margaret Bridge. Essa ponte dá acesso à MARGARET ISLAND. Caminhei por toda a ilha e passei pelo MINI ZOO, TEATRO A CEU ABERTO, JARDIM DAS ROSAS e JARDIM JAPONÊS. O dia estava ensolarado então foi tudo tranquilo. Mas aconselho evitar o local em dia de chuva. Há uma linha de ônibus que passa pela ilha. Peguei o ônibus no final e voltei por onde tinha entrado: a Margaret Bridge.
      ***Dica: Notei que tinha umas bicicletas para alugar assim que cheguei lá na ilha, mas achei que seria desnecessário. Porém a caminhada foi bem extensa (e cansativa!) e talvez se tivesse feito de bike teria ganhando um tempo. Acho que vale a pena alugar uma pra dar um rolê por lá.
      Peguei novamente o tram 2 em direção ao GRAND MARKET. Esse mercado lembra um pouco o Mercado Municipal de São Paulo. Há várias lojas vendendo frutas, verduras, queijos, embutidos, etc. No andar de cima havia muitas lojas de souvenirs (chaveiros, imãs de geladeira, camisetas). Havia também umas barracas com comidas típicas. Parei no K4 (era esse o número, não lembro o nome) e pedi uma STUFFED CARBAGE. Daí o cara ia montando o prato e perguntando se eu queria um monte de coisa. O bestão aqui foi falando “sim” pra tudo e no final pedi uma cerveja. No final a conta ficou caríssima: HUF 6430!  Pior que a comida nem estava tããão boa assim. Mas a quantidade dava para um casal comer tranquilamente.
      Segui rolando (de tanto comer) para o centro e fui para o FREE COMMUNIST TOUR. O local de partida tb foi em frente a St. Stephen Basilica e começou as 14h30. Nosso guia foi o GABOR e ele explicou muita coisa sobre a era comunista na Hungria. Muita coisa que ele falou eu já tinha visto no Museu of Terror. Passamos por vários pontos da cidade que remetiam ao comunismo: LIBERTY SQUARE, SOVIET MONUMENT, ESTÁTUA DE IMRE NAGY, etc. O tour é muito interessante mas o sono que sentia prejudicou um pouco o rolê.
      ***Dica: Depois de comer feito um boi, não vá fazer nenhum tipo de atividade que exija concentração. Vc vai morrer de sono. Acredite em mim.
      Depois do tour fui até o JEWISH QUARTER e passei pelo ruin pub MAZEL TOV. Mas achei “chique” demais - tinha até uma hostess! - e resolvi procurar outro lugar. Parei no ILLEGAL que fica na mesma rua do Szimpla Kert. Tomei 2 cervejas de fabricação própria deles (HUF 580) que estavam muito boas. Passei em outro bar chamado ORDOG KATLAN que fica no centro e tomei uma cerveja DREHER (HUF 490).
      Por volta das 20h voltei pra casa e no caminho passei no supermercado pra comprar o café da manhã.
      Chegando em casa a Kata nos serviu um macarrão e 3 tipos de linguiça: 1 de chouriço, outra de fígado e outra “normal”. Comi também uma alcachofra de jerusalém, que dá no quintal da casa deles. Ficamos conversando até umas 23h quando fui tomar banho e depois dormir.

      EMBUTIDOS
       Distância percorrida no dia: 28km 🚶‍♂️

      22º dia de viagem: Budapeste -> Varsóvia (Sexta-feira, 28 de Setembro de 2018)
      Acordei às 5h45 e às 6h a Kata me levou até o aeroporto. Quando fui fazer o check-in descobri que tinha que ter feito ONLINE e pra fazer no aeroporto iam me cobrar uma taxa de EUR 45!
      ***Dica: Sempre verifique se há necessidade de fazer o check in online ao menos 24h antes de pegar seu vôo para não ter imprevistos como este.
      Deixei Budapeste às 8h20, sentido Varsóvia.
      FIM DE BUDAPESTE
      Próximo relato: Varsóvia
    • Por anselmoportes
      Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:
      São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.
      ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.
      Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de BELGRADO.
      LEGENDA
      USD - Dólar Americano
      EUR - Euro
      BRL - Real Brasileiro
      BGN - Lev Búlgaro
      RSD - Dinar Sérvio
      Depois de 3 dias em Sofia (Bulgária) segui minha viagem até Belgrado, na Sérvia. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.
      15º dia de viagem: Sofia -> Belgrado (Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018)
      Peguei um vôo de Sofia para Belgrado. Como o vôo levou 1h e a diferença de fuso também era de 1h, então cheguei no mesmo horário que sai: 16h10.
      Saquei RSD 6.000 num caixa eletrônico e fui para o ponto de ônibus que fica logo do lado de fora do aeroporto, do lado esquerdo. O ônibus que vai para o centro é o 72 e é possível pagar a passagem direto com o motorista. Não anotei o preço, mas deve ter sido algo em torno de RSD 150. Nesse site é possível consultar as rotas de ônibus em Belgrado: www.eway.rs/en/cities/beograd
      O casal que iria me hospedar morava no bairro de Nova Belgrado e a viagem durou uns 30 minutos. Cheguei no apto e o Madlen estava me esperando. Ele e a esposa Andjela tinham um compromisso naquela noite e ela já estava lá. Tomamos uma cerveja e logo em seguida o Madlen teve que ir. 
      Tomei um banho e fui até o supermercado MAXI. Comprei o café da manhã, o jantar (1 lasanha de microondas) e 4 garrafas de cerveja 500ml. A caixa me avisou que iria cobrar pelo vasilhame das cervejas (eu tinha que ter trazido 4 garrafas vazias) mas se eu trouxesse eles de volta ela devolveria o valor cobrado.
      Voltei para o apto, comi a lasanha. Depois fiquei bebendo as cervejas e reorganizando minha mochila que estava uma bagunça. Fui dormir 0h30.
      Distância percorrida no dia: 15km 🚶‍♂️

      16º dia de viagem: Belgrado (Sábado, 22 de Setembro de 2018)
      Acordei 8h50, tomei café e saí. Passei no supermercado para devolver o vasilhame das cervejas e a caixa me devolveu RSD 75. 
      Peguei o ônibus 65 (RSD 150) para o centro e fui até a REPUBLIC SQUARE, onde às 10h começou o CITY CENTER FREE WALKING TOUR e nossa guia foi a Natália. Passamos por vários locais históricos das cidade e lugares mais turísticos como o BOHEMIAN QUARTER. Quando estávamos próximos ao Zoológico da cidade a guia nos contou a história do chimpanzé SAMY que conseguiu escapar de lá DUAS VEZES. Depois passamos pela BELGRADE FORTRESS e vimos quando o Rio Sava encontra com o Rio Danúbio. Terminamos o tour por volta das 12h30 na HOLY ARCHANGEL MICHAEL CATHEDRAL.
      Segui para o centro e comi um lanche que tinha feito no café da manhã e tomei 1 coca (RSD 75). Tinha feito contato via o APP do Couchsurfing com a Brianna, uma americana que estava morando na Macedônia e estaria em Belgrado nos mesmos dias que eu. Ela visitava a capital sérvia com mais 2 amigos americanos e eles queriam ir a um estádio ver um jogo do campeonato local. Combinei de encontrar com eles nessa mesma tarde. Mas antes, fui ao MUSEU NACIONAL.
      O Museu Nacional fica na Republic Square, onde começou o free walking tour. Ele tem várias coisas sobre a Sérvia. Há uma “linha do tempo” que mostra o início das primeiras civilizações que habitaram o país. Há também quadros do MATISSE e MONDRIAN. Vale muito a visita!
      Saí do museu e fui encontrar a Brianna e seus amigos. Encontrei eles num bar no Boehmian Quarter. A Brianna, o Sam e o Andrew trabalham dando aulas de inglês na Macedônia e tiraram o final de semana pra conhecer a Sérvia. Eles tinham comprado ingressos para o jogo entre Partizan x Estrela Vermelha no dia seguinte. Resolvi ir com eles mas só compraria o ingresso quando chegássemos ao estádio.
      Conversamos e tomamos algumas cervejas até umas 19h, quando voltei pra casa. Cheguei por volta das 19h50 e a Andjela tinha feito com arroz com frango muito bom. Fiquei conversando com ela e com o Madlen até quase meia-noite, quando fui dormir.
      Distância percorrida no dia: 20km 🚶‍♂️

      BOHEMIAN QUARTER
       

      BELGRADE FORTRESS

      BELGRADE FORTRESS

      17º dia de viagem: Belgrado (Domingo, 23 de Setembro de 2018)
      Acordei 8h50, me arrumei e deixei o apto. Fui ao supermercado MAXI e comprei meu café da manhã: 1 iogurte, 2 croissants “Seven Days” e 1 chocolate MARS. Comi esperando o ônibus no ponto. Cheguei ao centro e fui até o PARLAMENTO SÉRVIO. É um prédio muito bonito mas não pode entrar nele. Voltei para a Republic Square e acessei o wifi do Museu Nacional. Vi uma mensagem da Brianna falando que ela ia ao MUSEU NIKOLAS TESLA. Vi na internet que o ônibus 27 ia pra lá. Peguei ele e por volta das 11h30 estava na porta do museu. 
      O museu só tem visita guiada e a próxima em inglês seria 12h. Por volta das 11h45 Brianna e seus amigos chegaram e fomos para o tour (RSD 500). Primeiro vimos um filme de aproximadamente 15 minutos sobre a vida de Nikolas Tesla, que foi um defensor do uso da corrente alternada. Ele também criou o motor elétrico por indução.
      Depois do filme nos mostraram um exemplo de transmissão de energia sem fio. Alguns voluntários seguravam umas lâmpadas fluorescentes e quando ligavam um aparelho as lâmpadas se acendiam rapidamente.
      Na sequência mostram um experimento com um barco de controle remoto, mas tinha muita gente na minha frente que não consegui ver nada!
      Após o término desse experimento nos deixaram ver o restante museu. Mas ele é muito pequeno e dá pra ver tudo em 20 minutos. Confesso que fiquei um pouco decepcionado com o museu e esperava mais. Mas como não tem muito o que ver em Belgrado, acho que vale a visita sim.
      Deixamos o museu por volta das 13h e caminhamos até a Fortaleza de Belgrado. Demos umas voltas por lá e fomos a uma sorveteria chamada CRNA OVCA que fica ali perto. Tomei 1 bola de limão com manjericão e 1 bola de café (RSD 270).
      ***Dica: Quando forem à Belgrado, não deixem de experimentar o sorvete da CRNA OVCA ("Ovelha Negra", em português). É delicioso!
      Seguimos caminhando pela cidade até voltar ao Boehmian Quarter onde fomos almoçar. Paramos num restaurante na simpática SKADARSKA STREET. Comi um cheeseburger e tomei 2 chopps (RSD 1100). De lá pegamos um taxi até o albergue que os americanos estavam ficando. Passei num mercado e comprei uma cerveja de 2 litros (RSD 180) e ficamos tomando no quintal dos fundos do albergue.
      Por volta das 17h pegamos um táxi para o PARTIZAN STADIUM ver o clássico local. Havia um bloqueio policial impedindo o acesso às bilheterias. Esperamos uns 10 minutos e liberaram o acesso. Fiquei uns 5 minutos na fila e já consegui comprar meu ingresso (RSD 1500). Tomamos mais uma cerveja e seguimos para ver o jogo. 
      ***Dica: Havia uma severa revista nos torcedores antes de entrar no estádio. Os policiais  estavam confiscando TUDO que poderia ser arremessado no gramado: de isqueiros até moedas. Portanto se for ver algum jogo de futebol em Belgrado certifique-se que não tenha nada de valor nos bolsos que, dependendo do que for, pode ser confiscado. Não levei a minha máquina fotográfica e tirei as fotos do meu celular.
      Sentamos na arquibancada lateral e as torcidas organizadas (tanto do Partizan quanto do Estrela Vermelha) estavam atrás dos gols. As torcidas acendiam sinalizadores e por alguns momentos era impossível enxergar o campo devido à fumaça. O jogo terminou 1x1 e foi muito legal sentir o clima de um clássico do futebol sérvio. Apesar da rivalidade entre as duas equipes, foi bem tranquila a chegada e saída do estádio. 
      Depois do jogo paramos num bar nos arredores. Tomei um chopp (RSD 210) e usei o wifi do bar para achar um ônibus que me levasse de volta pra casa. Me despedi dos americanos e segui até o ponto de ônibus. Esperei uns 20 minutos e o ônibus me deixou à umas 5 quadras do meu apto. 
      Cheguei por volta das 22h e conversei com o Madlen e a Andjela até umas 0h30, quando fui dormir.
      Distância percorrida no dia: 23km 🚶‍♂️

      PARLAMENTO SÉRVIO

      MUSEU NIKOLAS TESLA
       

      PARTIZAN STADIUM

      18º dia de viagem: Belgrado -> Budapeste (Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018)
      Meu ônibus para Budapeste sairia da Estação Central às 8h. Acordei 6h30, tomei café e arrumei minhas coisas. Me despedi do Madlen, Andjela e Irina (linda filha de 2 anos do casal) e deixei o apto às 7h. Fiquei no ponto de ônibus esperando o 65 (ônibus que me deixaria próximo a rodoviária) até 7h30 quando decidi pegar um taxi.
      Assim que eu parei o taxi uma mulher que também estava no ponto pediu para ir junto. Disse OK e entramos. Depois de uns 5 quarteirões a mulher pediu pra descer e não deixou sequer uma parte da corrida paga! Filha da p****!!! 
      Cheguei na rodoviária às 7h45 e a corrida deu RSD 500. Só tinha RSD 150, que era o dinheiro que tinha reservado pra pagar a passagem de ônibus até a rodoviária já que eu estava deixando o país. Perguntei se eu podia pagar com EUROS e o motorista disse que sim. Dei EUR 10 (aproximadamente RSD 1200) e o motorista me devolveu RSD 500 de troco.
      Assim que entrei na rodoviária fui informado que teria que pagar RSD 180 de TAXA DE EMBARQUE e ter acesso à plataforma do ônibus. Depois tive que pagar mais RSD 100 pela minha bagagem.
      ***Dica: Eu sei que é ruim deixar um país com um valor considerável de sua moeda, mas sempre deixe uma quantia para eventuais imprevistos. Não fosse o troco do taxista eu não sei o que faria para pagar as taxas de embarque e de bagagem…
      O ônibus saiu às 8h em ponto e se eu não tivesse pegado o táxi, teria perdido.
      Por volta das 10h40 chegamos à fronteira com a Hungria. Um oficial entrou no ônibus e pegou os passaportes. Depois ele nos devolveu carimbados com a saída da Sérvia. O ônibus andou um pouco e dessa vez tivemos que sair para passar pelo controle de entrada da Hungria. Por volta das 11h40 seguimos viagem.
      Ao meio-dia paramos num restaurante na beira da estrada. As refeições eram cobradas em EURO e um omelete custava EUR 4. Para usar o banheiro cobravam RSD 50. Comi uns chocolates que tinha comprado durante a viagem e tomei um suco de caixinha que nos deram no ônibus. Voltamos pra estrada umas 12h30.
      Cheguei em Budapeste por volta das 14h.
      FIM DE BELGRADO
      Próximo relato: Budapeste



×