Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Uendi Micheli

Fernando de Noronha - 12 dias (de 20/12/18 a 1/1/19)

Posts Recomendados

Fernando de Noronha – Brasil – 12 dias (eu e uma amiga, de 20/12/18 a 1/1/19, final de ano simmmm!!!)

Pessoal, eu sou a Uendi, viajante, instrutora de mergulho, apaixonada pelo mar, e curiosa por tudo o que é local (pessoas, comidas, costumes, etc), e vou contar pra vcs como foi minha passagem pela mágica Fernando de Noronha.

 

Pergunta que não quer calar: 12 dias em Fernando de Noronha é muito?

Não, não é! É tempo suficiente pra vc zerar a ilha, ou cortar coisas que não te interessam tanto e repetir os locais que mais gostou (minha opção foi a segunda).

 

Antes de entrar nos por menores do roteiro diário, considerações gerais importantes a saber:

- Os preços de modo geral em Noronha são ASSUSTADORES!!! Sim, assustador é a melhor definição! Na minha opinião, não há nada que justifique a demasia dos preços, não há transporte naval que inflacione tanto, mas enfim, os preços são o que são, é importante saber que são assim antes de ir pra lá pra não cair de costas (exemplos: long neck entre 15 e 22 reais, água 500ml na média de R$8, almoço mais barato da ilha R$25 PF com comida simplesinha, restaurantes melhores a la carte a partir de R$150 o prato pra 2, um copo de suco pode custar R$18, e por ai vai...).

Final de ano, entre Natal e Ano Novo, os preços que já eram abusivos, inflacionam ainda mais! Aluguel de buggy vai de R$250 para R$400, taxi trajeto mais longo (3 – 4km +-) vai de R$40 para R$50, as poucas baladinhas que tem na ilha que são Bar do Cachorro (ingresso vai de R$40 para R$50), Reggae na Conceição e Muzenza, dão a vez para as festas oficiais de final de ano, que são a Festa Benção, Borogodó, Sunset Corona, com ingressos open bar na casa de R$630 para turistas (too much na minha opinião).

Confesso que nos primeiros dias fiquei um pouco estressada com os preços, pois o consumo tem que ser planejado, até tomar um simples picolé se torna um dilema! Dizem que quem faz conta não se diverte, então aos poucos fui relaxando com os preços e aceitando que quem tá na chuva é pra se molhar.

-SEMPRE PERGUNTE O PREÇO DAS COISAS antes de consumir, ou vc pode ter uma desagradável surpresa e cair de costas com alguns preços praticados (tipo um copo de suco R$18, eu acho abuso...)

- Leve o que puder de comida, não perecíveis, tipo barras de cereal, salgadinhos, biscoitos, etc, isso salva a vida num dia de praia onde na maior parte não se tem opções pra comprar, e tbm salva uma graninha.

- Leve uma bolsinha térmica pra transportar água, compre agua com embalagens grandes, tipo de 10L, encha suas garrafinhas menores pra levar consigo diariamente pras praias. Vc vai precisar mtooo de água;

- Anda-se muitooooo na ilha, vá preparado pra caminhar bastante!

- Noronha não é exatamente um destino de festa (não tem nada a ver com Morro de São Paulo por exemplo), o grande atrativo é a natureza, as praias e a vida marinha;

- Da pra fazer muita coisa de ônibus (passagem R$5), apenas duas praias a parada do ônibus é longe, que são a Sancho e a Cacimba do Padre. Nestes casos, vale pedir uma caroninha pra evitar de andar uns 2 – 3km abaixo do sol de rachar (sim, as pessoas são solidárias e dão carona de boa). Resumindo, eu acho dispensável o aluguel de buggy se vc tiver tempo pra fazer as coisas com calma, ir em uma praia por dia, esperar o bus que passa de meia em meia hora.

- Melhor região pra se hospedar é na Vila dos Remédios, seguido por Floresta Nova, Floresta Velha e Vila dos Trinta. Diria que uma ótima opção em termos de localização e valor é a Pousada do Guilherme (não fiquei lá, mas havia considerado, pela localização e valor que eles estavam cobrando, acho que teria valido a pena, mas ficou pra próxima).

Eu aluguei um quartinho de uma moradora local na Floresta Velha, é uma pousada domiciliar ‘Casa do Sinval’, quartinho da Drica, foi uma opção econômica, quarto com aircon, chuveiro quente, TV a cabo (que nem ligamos), 1 cama de casal e 1 solteiro, utensílios de cozinha pra se virar pra um lanchinho. Local tranquilo pra dormir, o Sinval e os demais vizinhos bastante prestativos, as instalações nos atenderam bem, mas meio que senti falta do café da manhã prontinho de uma pousada, onde da pra tomar um cafezão, levar um lanchinho extra pra praia e fazer um almojanta final do dia. Porém, de modo geral, o preço foi o melhor que encontramos, foi uma opção econômica.

- Melhor pagar a taxa TPA pela internet antes de chegar na ilha (média de R$60 por dia, crescente de acordo com o nr de dias), isso evita uma filinha, mas tem que ser até 48 horas antes da chegada, eeee saiu do aeroporto já para direto no ICMBIO pra pagar a taxa das praia (sim, tem uma segunda taxa além da TPA, e custa R$106), e já tentar agendar a trilha Atalaia Longa, ou se não conseguir a longa, agendar a Atalaia curta e a Trilha Pontinha Caieiras separado (Pontinha Caieiras precisa de guia, +-R$150 por pessoa, se chorar da pra baixar um pouquinho pra até uns R$120).

-Faça um esforço pra agendar a visita na Atalaia, pois é incrível e imperdível! O agendamento no ICMBIO vai das 17h às 20h, tem vagas limitadas (40 Atalaia Longa, 70 Atalaia curta e acho que umas 40 pra Pontinha Caieiras), as pessoas chegam bem antes na fila pra conseguir vaga (final de ano o pessoal tava chegando na fila as 14h!!!! Eu consegui chegar as 16:30h e agendar a Atalaia Curta, a longa nem pensar, só chegando bem antes). O agendamento acontece para os próximos 3 dias consecutivos apenas, então as vezes é necessário voltar mais de uma vez pra tentar agendar. Não deixe pra última hora!

- Snorkel é uma grande atração da ilha, então vale a pena levar os equipamentos (dependendo do nr de dias até adquirir pra levar), mascara, snorkel e nadadeira (nadadeira é necessário gente, pra não se cansar tanto e curtir bastante). O colete flutuante não é obrigatório em todas as praias, então esse vale a pena alugar quando necessário (R$10 a diária).

- Se vc é mergulhador assim como eu, ou tem interesse de experimentar o mergulho com cilindro, minha recomendação é a Noronha Diver. Sai com todas as operadoras embarcadas, são elas Noronha Diver, Aguas Clara e Atlantis, e tbm com a operadora de praia Sea Paradise, só não sai com a Mar de Noronha (Bodão), pq a maré não ajudou pra fazer o mergulho noturno que eu pretendia.

Preferi a Noronha Diver entre todas, pq a estrutura deles é muito nova e organizada. O catamarã é novíssimo, os equipos tbm, a equipe mto profissional e simpática, os grupos por instrutor são menores, o preço tbm foi o melhor. Ou seja, pra mim eles são os melhores! Eles foram comprados recentemente e tiveram um grande investimento tornando a estrutura toda muito boa.

- Se habitue a acompanhar o movimento das marés, pois tem lugares que vc vai querer visitar que só serão possíveis na maré seca enquanto outros são melhores na alta. Fique atento nisso.

 Vamos ao roteiro:

Dia 1 (20/12) – Saída de Curitiba, passagem emitida pela Azul com milhas 40mil milhas, minha amiga comprou pela Max Milhas por R$1.300 com taxas. O voo perfeito em termos de horário, saímos as 7h de Ctba, chegamos 15:30h em Noronha, fila pra pagar a taxa (por isso o conselho, pague pela net antes de ir). Fomos ver o quartinho ‘cafofo’ que nos hospedamos, passadinha na praia da Conceição, onde rola um Reggae toda quinta à noite a partir das 23h, tínhamos plano de voltar pra conferir o reggae, mas o corpo pediu arrego e acabamos dormindo cedo.

Jantar no restaurante Xica da Silva, carne de sol com baião de dois, simplesmente MARAVILHOSO!! Prato pra 2 R$140, cerveja garrafa R$20, a comida é muitoooo boa, é um baião de 2 gourmetizado, imperdível! É tão bom que voltamos outro dia só pra comer o mesmo prato novamente.

Dia 2 (21/12) – Praia Sueste, vai de ônibus e desce na boca da praia. Aluguel de material de natação  (colete, mascara, snorkel e nadadeira R$25 o kit, só pode usar ali e devolve na saída da praia – uso obrigatório de colete).

Sueste é incrível! É a praia com mais vida, mtos cardumes, tartarugas, tubarões. Os tubarõezinho ficam passeando na beirinha da praia, da pra ver da areia.

Tartaruga na Praia do Sueste:

Tartaruga Sueste.JPG

Ônibus pra conferir o pôr do Sol no mirante do Boldro, tem uma vista linda! Tem que ir!

A noite fomos conferir um forró no projeto Tamar, mas tava bem caído, chegamos lá, rolou 2 músicas e acabou, mais tarde teria o Bar do Cachorro, mas acabou que queimamos as fichas no Tamar e nem valeu a pena, ai o cansaço pegou...

Dia 3 (22/12) – Mergulhadora que sou, fui conhecer o maravilhoso mar de Noronha! Sai pela Noronha Diver (R$480 pra certificado que tem a maior parte do equipo). O mar de Noronha é tipo UAUUUUU!!!! Impressionante!!! Fiz os pontos Caverna da Sapata e Laje 2 Irmãos, com direito a raias, tubarões, etc... 

Caverna da Sapata:

Mergulho Noronha Diver.jpg

Almoço no Empório São Miguel, é um buffet a quilo, R$100 o quilo (isso mesmo!!), a comida é boa, mas eu e minha amiga não temos maturidade pra buffet a quilo de $100 (minha amiga conseguiu fazer um prato de R$70, hahaa), pedi um suco de caju que nem tava bom e me custou R$18 (#chocada , obviamente eu não perguntei o preço antes d pedir... Dica de ouro: sempre perguntem o preço de tudo antes de consumir).

A tarde Praia do Cachorro, pra tentar ir no Buraco do Galego e Vala da Véia tirar umas fotos, mas não rolou pq a maré tava alta, e pra ir no buraco do Galego e Vala tem q ser na maré seca. Como a praia do Cachorro é curtinha e de pedras, não é mto legal pra tomar banho, então, pegamos um busão e fomos pro Porto, pra visitar o Buraco da Raquel, Igrejinha, Mirante de observação do encontro do Mar de Dentro com Mar de Fora, Museu do Tubarão, tirar aquela fotinho no rabo da sereia e no I love Noronha, pq né...

A noite fomos conhecer o famoso bar do Cachorro (entrada R$40, long neck R$15), tava rolando um sertanejo misturado com funk misturado com forró, e pra resumir bem, tava uma bagaceira! Nos divertimos de qquer jeito, pq a gente se adapta né, mas assim, ao menos nesse dia, não estava exatamente legal. Valeu as cervejas e risadas, mas achei a entrada cara...

Na saída da balada só o Lanche do Gaúcho esta aberto, um xis salada por R$35, o lanche é gostoso, mas poderia custar menos.

Dia 4 (23/12) – Trilha Pontinha Caieiras, 3,7km, parte do trajeto sob pedras soltas, com direito a chuva no caminho, parada em duas piscinas naturais lindas. Vale a pena fazer a trilha, só o preço de R$150 por pessoa pro guia que é meio demais, pois o guia serve basicamente pra dizer: nesta piscina vc pode entrar, nesta não... maiores explicações sobre o local, ficou a desejar.

Almoço na barraquinha da Tia Regina na Praia do Porto, é uma barraca que fica na praia mesmo, e tem PF ótimo (que vem numa bandeja enorrrrrmmmeee) por R$25 (o preço mais barato que achei pra uma refeição na ilha), cerveja garrafa R$20.

Como a trilha acaba na praia do Porto, aproveitamos e ficamos por lá o resto do dia. Aluguel de nadadeira pra fazer snorkel e ver o naufrágio que tem no Porto, é bem legal, vi um cardume de raias chita maravilhoso e vários tubarões, alguns bem grandinhos na beira da praia.

A noite, supostamente rolaria o samba do Muzenza, mas, pra nossa surpresa, o samba foi interditado, razão: fuleragem de alguém, rixinhas locais...

Parada pra comer na Hamburgueria Gourmet que fica na Vila dos Remédios, lanche a R$35, e esse sim vale R$35, o hambúrguer é gourmet mesmo, maravilhoso! Long neck a R$15. O lanche vale mto a pena, e é uma opção boa e barata frente as demais.

Conversando com o atendente do hambúrguer, perguntamos de um local pra tomar uma cervejinha, já que o Muzenza tava fechado e nós animadas pra curtir a noite. Ai nos foi apresentado a Casa do Andrade, que fica na vila dos Trinta. É um boteco local, tipo local mesmo, com cerveja gelada e barata (R$10 a long neck), uma carne de sol com macaxeira maravilhosa (R$40 – serve 2), mesa de sinuca, cadeira de plástico, um som brega rolando, e muito morador local enxugando na birita. O Andrade é um querido, e a noite foi divertidíssima! Conhecemos muita gente, e fizemos mtos contatos locais. O povo Noronhense é mto receptivo.

Dia 5 (24/12) – Trilha Atalaia Curta, trajeto de 1,5km, maior parte na sombra da vegetação, bem tranquila de fazer. Chegando na piscina, o equipo de snorkel e colete é obrigatório, e são 30 minutos pra ficar na piscina, com fiscal monitorando o tempo todo. A piscina é maravilhosa e imperdível! TEM QUE CONHECER!!! Essa meia horinha vale muito, é mta vida numa profundidade de 1m, com direito a polvo, tubarãozinho, moréia, etc... 

Piscina Natural do Atalaia:

Polvo Piscina Atalaia.jpg

 

Almoço no restaurante do Valdênio, R$30 um PF bem servido, jarra de suco a R$15 (pechincha esse suco!!).

Tarde na praia do meio, pra conhecer o famoso Bar do Meio e conferir o pôr do sol por lá. Os preços mais salgados são nesse lugar, disparado!! Eles têm uns quiosques bonitinhos com cobertura de lençolzinho branco e tals, pelo custo de R$1.000 de consumo (depois do dia 28/12 passou a ser R$1.800 e pegar uma mesa R$300 por pessoa de consumo) e tem um limite de nr de pessoas pra dividir o quiosque (mas eu não tenho certeza de qtas pessoas são). Long neck a R$20 ou R$22, é amigos, não dá pra ficar bêbado sem pagar caro...

As 18h inicia uma música ao vivo, o cantor tocou uma música, ai fomos pagar a conta, e pra nossa surpresa, nos cobraram R$15 de couvert artístico por causa dessa única música. Demos uma reclamada a respeito, pois a atendente não nos informou sobre esse porém e tbm pq já estávamos indo embora, a resposta da atendente foi: “Ele vai tocar até as 20h, vcs estão indo embora pq querem....” É mole? Lógico que cabia uma discussão maior, mas preferimos evitar a fadiga, mesmo nos sentindo lesadas...

Jantar de Natal no restaurante Cacimba, jantar pra casal incluindo entrada, prato principal, sobremesa e uma taça de vinho por R$290. Considerando que as outras opções eram Zé Maria R$320 por pessoa, Xica da Silva R$270 por pessoa, os R$290 por casal do Cacimba foi uma verdadeira pechincha! E a comida estava mto boa, o preço foi justo, o lugar é lindo, tem um deck com mesas baixas e almofadas pra sentar no chão que é uma graça! Nos encantamos com o restaurante e voltamos num outro dia, mas ai foi só decepção que eu vou relatar mais a frente.

Dia 6 (25/12) – Finalmente conseguimos ir no Buraco do Galego com a maré baixa, e fizemos várias fotos lindas, porém, pra tirar uma foto sozinha sem aparecer um monte de gente ao redor da piscina, é uma verdadeira guerra, fica bemmm congestionado o local. E as ondas não permitiram ir na Vala da Véia, este ficou pra uma próxima visita.

Buraco do Galego:

Buraco do Galego.jpg

A tarde uma passada na Praia do Boldro, é uma praia com ondas, mais pra surf, mar bem agitado, até pq dezembro é época de swell. E retornamos pra conferir novamente o pôr do sol do mirante do Boldro, e desta vez sim deu um pôr do sol perfeito.

A noite caímos na casa do Andrade novamente, desta vez o bar estava bem vazio, mas ainda assim, conhecemos outras várias pessoas locais.

Dia 7 (26/12) – Praia do Sancho, a famosa! Pois é, demorei uma semana pra conhecer a praia mais famosa de Noronha, o cartão postal da ilha, isso pq quis esperar um dia perfeito de muito sol pra ir até lá (acompanhar a previsão do tempo é algo importante a se fazer). 

Praia do Sancho:

Praia do Sancho.jpg

A parada do ônibus é longe nessa praia, e tivemos que andar acho que uns 3km a pézão, não passou um abençoado pra nos dar carona .

O visual da praia do Sancho de cima é surreal, uma água claríssima com variação de tons de azul, é possível avistar as raias, tubarões e cardumes de peixes maiores abrindo espaço nos enormes cardumes de sardinhas. As sardinhas pra mim foram um show a parte! Encantadoras! Elas ficam no raso, e quando vc menos percebe vc esta circundado por elas, é um espetáculo!

Antes de descer na praia do Sancho (agora tem horário pra descida e subida, uma hora só sobe e outra só desce), fomos ao mirante 2 Irmãos, simmm aquele das fotos maravilhosas, o cartão postal de Noronha, a trilha pra ir lá é super boa, vai por uma passarela bem estruturada. Quando termina a trilha e vc dá de cara com aquela paisagem, é de tirar o fôlego, até emociona. Sério mesmo, emociona!!! É lindo, é maravilhoso, é Uaaaauuuuuu!!!!! 

Mirante Dois Irmãos:

Mirante 2 irmãos (2).JPG

Descendo pra praia do Sancho, a atração é estar na água e conferir toda aquela vida marinha naquela água claríssima, da pra avistar tubarão, raia, mtos cardumes... mas o meu encantamento foram as sardinhas!!! S2

Da pra ir nadando até a Baía dos Porcos bem tranquilo, e se tiver com fôlego e perna, da pra circundar o 2 Irmão em 8.

Pôr do sol no mirante dos Golfinhos, maravilhoso! Visual incrível, o sol se põe na água, e o mais importante, é quase exclusivo, pouquíssima gente, ao contrário do Boldro que é lotado. Foi o pôr do sol mais bonito de todos! 

Mirante dos Golfinhos:

Por do sol Mirante Golfinho.jpg

Foi um dia maravilhoso de praia, e um ser abençoado nos deu carona na volta até em casa! Gloria!

Jantar no Xica da Silva de novo, pra fechar com chave de ouro o dia maravilhoso!

Nesta noite rolou um reggae excepcionalmente na quarta-feira (normalmente é quinta), não tivemos fôlego pra ir, mas quem foi, amanheceu na festa, e disse q a festa foi show de bola, e o melhor, com entrada free e rolando na areia da praia... Perdemos... fazer o q né?! Não dá pra ter tudo...

Dia 8 (27/12) -  Mergulho pela manhã com a Águas Claras, fomos em pontos de mergulho ótimos, Iuias e Cabeço submarino. A Águas Claras tem um staff super bacana, mas em termos de estrutura, o barco e os equipos estão um pouco sucateados se formos comparar com a Noronha Diver, que tem tudo novinho. Os grupos por instrutor são maiores, como estávamos num ponto de mergulho que havia bastante passagens em buracos de rochas, formava uma fila de mergulhadores, o povo se batia, metia nadadeira na cara do coleguinha, e etc... E, o preço foi o mais caro R$530.

A tarde descemos pra praia Cacimba do Padre, ganhamos carona até um pedaço e tivemos que andar um bom tanto.  Mar agitadíssimo com mtos surfistas, o sol estava impiedoso, a areia borbulhando, praia sem sobra, aluguel do guarda sol com duas cadeiras R$60, e a coisa exploratória mais ridícula que já vi, na hora de pagar, cobraram 10% de serviço no aluguel do guarda sol, que saiu por R$66, é mole?

Acabou que passei o dia no snorkel na Baía dos Porcos, conheci a piscina do Coração, que é uma lindeza e dá umas fotos ‘Capa Caras’. 

Piscina do Coração:

Piscina do Coração.JPG

A noite, decepção geral no restaurante Cacimba, chegamos, pedimos a mesa (a área que queríamos ficar estava fechada pra evento particular ), pedimos bebida, ficamos horas escolhendo os pratos e questionando os garçons sobre os componentes dos pratos que não conhecíamos, e eles foram nos respondendo as dúvidas... eis que, na hora de fazermos o pedido, nos foi informado que 70% do cardápio estava indisponível, e naquela noite só tinham risotos e massas (e nossa idéia era totalmente outra), ficamos bemmmm frustradas  e foi uma pena já termos pedido a bebida, do contrário teríamos ido pra outro lugar. Pra fechar, queríamos experimentar a tal sobremesa ‘Cartola’, que tbm não estava disponível por falta de banana. Ou seja, neste restaurante nunca mais né?! Deveríamos ter sido avisadas desse monte de faltas e poréns na chegada, falha total do atendimento... E o $$ foi caro!

Dia 9 (28/12) – Já começamos a repetir as praias favoritas, de volta a Sueste, e pra zerar, passei na Praia do Leão, que pra minha surpresa estava mto calma, já que tem fama de ser a praia mais brava e com mais correnteza da região, embora eu não tenha visto, diz ser a praia com maior nr de tubarões grandes.

Tubarão na Praia do Sueste:

Tubarão Sueste.JPG

A noite mergulho noturno na Ressurreta Ilha do Meio, com a Noronha Diver. Maravilhoso, quem vai a Noronha tem que fazer um mergulho noturno! Várias espécies que se entocam durante o dia são facilmente vistas a noite. O preço é o mesmo do mergulho diurno, porém, só tem um cilindro.

Dia 10 (29/12) – Antes de repetir a Praia do Porto, um açaízinho na Noronha Roots, o açaí deles é maravilhoso, o melhor da ilha (480ml R$28).

Mergulho de praia no naufrágio do Porto com a Sea Paradise (R$250 1 cilindro, mergulho raso max 14m, da pra ficar uma hora e meia na água), já que sou instrutora de mergulho, me livraram dos grupos e me foi disponibilizado um instrutor pra ir exclusivamente comigo, o que foi ótimo pois aproveitei mto mais. Embora a visibilidade não estivesse naquele padrão Noronha, ainda era mto boa e tinha mtaaa vida, mtas tartarugas, tubarão, lagosta e tudo o mais... valeu mto a pena!

A noite cervejinha no Bar do Meio, desta vez o bar estava mto diferente da primeira vez que estive lá, estava MTO lotado, e MTO badalado, com presenças tais como Bruna Markezine, Paulo Vilhena, Izabel Goulart, entre outros ilustres...

Dia 11 (30/12) – Último mergulho, desta vez com a Atlantis Diver (Pontos Cagarras e Buraco das Cabras, R$495 c/ CE incluso). A Atlantis é um reloginho, operação mto rápida e mto precisa, barco e equipos bons, o mergulho foi mto bom, e a empresa que fotografa pra eles é a All Angle, que pra mim é a melhor em termos de qualidade das fotos. Cruzamos com vários animais grandes, e consegui sair em 3 fotos mto boas, uma com uma raia, outra com tubarão e outra com tartaruga. Fui obrigada a comprar as fotos né! (R$35 cada foto... é, tudo se paga, nada é barato...).

Mergulho Buraco das Cabras:

Raia All Angle.jpg

Almoço no restaurante Mãezinha a R$85 o quilo, buffet gostosinho.

A tarde caímos pra Praia da Conceição, tbm é uma praia de surf, mar agitado. Tem uns bares na beira da praia, um deles chama Duda Rei, e tava rolando um som mtooo legal por lá, não paga pra entrar, bebida com preço razoável no padrão Noronha, ficamos por lá a tarde toda, mto divertido. E fechamos a noite no Bar do Meio, que novamente estava bombado, rolando um forró, com as habituais presenças ilustres.

Dia 12 (31/12) – Despedida da Praia do Sancho, Cacimba e Baía dos Porcos... coração ficando apertado....

À noite, caímos pra festa comunitária de Reveillon que rolou na Praia do Porto (a outra opção era o Zé Maria por R$2.780 por pessoa, open bar e food, #chocadaépouco). Haviam vários shows, a festa é povão mesmo, mas é divertida, encontramos mta gente que conhecemos ao longo dos dias. Lá pelas quatro da manhã, descobrimos que rolou uma festa de última hora no Duda Rei, aquele bar na Praia da Conceição, mas a estas alturas já tínhamos torrados todas as fichas e estávamos acabadas. No dia seguinte, qdo estávamos saindo pra ir pro aeroporto as 11h da manhã, a vizinha estava voltando da festa da Conceição, ou seja, ficamos com a impressão de que perdemos algo mto divertido...

E aiii, avião, horas de aeroporto, sonho acabando.... Mas com a sensação de ter valido MTO a pena todos os dias maravilhosos que tivemos por lá.

 

Coisa que deixei de fazer, mas dizem valer a pena: Não fiz a trilha Capim Açu (achei mto longa 12km, e tinha que pagar mais R$150 pro guia), não fiz a trilha Morro São José (o mar tava alto, achei ruim cruzar nadando, e tbm tinha que pagar R$150 pro guia), não fiz a Praia Abreus pq estava interditada por algum motivo misterioso.

Coisas que faria diferente: Teria escolhido outra época para ir, final de ano é muito mais caro o que  já não era barato. E é época de swell, como eu gosto de praia calma e água límpida pra mergulhar, o swell atrapalha um pouco. Os surfistas estavam no céu!

Teria buscado mais por pousadas no centrinho da Vila dos Remédios com café da manhã. Acho que valeria mais a pena o custo x benefício do que ter que ficar indo no mercado, comprando coisas pra café da manhã e etc. Além do que, em pousada vc tem a opção de conhecer outros hospedes, e moradores locais que são donos ou trabalham nelas.

Tbm teria tentado me esforçar mais pra vencer meu cansaço e curtir mais a noite, ter ido no reggae por exemplo e na festa de réveillon da Conceição.

Coisas que não vale a pena fazer: Tudo valeu a pena! Não houve nada que me arrependi de fazer. Todos os dias foram produtivos. Optei por deixar as trilhas pagas de lado e repetir as praias que mais gostei, que são a Sueste, Porto, Sancho e Baía dos Porcos, todas pela vida marinha incrível que oferecem.

Pra finalizar: Eu viajei pouco no Brasil, pois acho o preço do nosso turismo abusivo, Noronha especialmente era um lugar que eu qria mto conhecer, mas sempre me intimidei com os preços. Uma semana de Noronha paga um mês em algum país asiático. O meu grande motivador a ir pra Noronha foram os mergulhos, já que um mergulhador não pode deixar de conhecer o pico de mergulho mais famoso do próprio país.

Foi uma viagem maravilhosa, aquela ilha tem um encanto, tem algo mágico especialmente pra quem se relaciona com o mar. Tanto que, voltei de lá com planos de retornar e tentar fazer uma temporada como instrutora de mergulho por lá. Torçam por mim! 😉

E esta foi minha passagem pela mágica Noronha! Espero que tenham gostado e que este relato lhes seja útil de alguma forma. 😊

Uendi

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora



×