Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Diego Minatel

O nosso norte é o sul: Atravessando Brasil e Argentina até Ushuaia ou O caminho para o fim do mundo

Posts Recomendados

20 horas atrás, Paulo Pittarello disse:

Parabéns pelo relato Diego! É muito legal estar acompanhando como se desenrolou a sua viagem!
Cada situação inesperada, não? Mas com certeza são essas situações e pessoas que fazem valer a pena... estarei acompanhando até o final, obrigado por compartilhar! 

Fala @Paulo Pittarello, belezera? Sim, o massa de viajar desta forma é nunca saber o que vai acontecer no momento seguinte. O negócio é se deixar levar e aceitar/aproveitar o que a estrada está te proporcionando naquele momento. 

Cara, fico muito feliz que esteja acompanhando e curtindo o relato, acho que vou tentar dar uma acelerada para terminar o quanto antes a escrita. Grande abraço, Paulo. Fica com a paz. 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

15 horas atrás, Leila Borges disse:

Belo relato, me senti viajando com vocês! Obrigado por compartilhar, esperando ansiosa as próximas postagens.

Muito obrigado, @Leila Borges! Fico muito feliz que esteja gostando do relato e acompanhado desde o início. Vou tentar acelerar as postagens para tentar terminar essa história o mais rápido possível. Mais uma vez, obrigado. Um beijo e fica com a paz.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 07/02/2019 em 15:30, Diego Minatel disse:

Eu fui tomar banho. Caraca! Como era bom tomar banho depois de tanto tempo e de tanta sujeira acumulada/alojada.

Conforme ia lendo pensava, meo, estes meninos não estão tomando banho! hahahahahahau Acho que esta seria minha maior dificuldade em uma viagem roots assim, que aflição! kkk

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
40 minutos atrás, Juliana Champi disse:

Conforme ia lendo pensava, meo, estes meninos não estão tomando banho! hahahahahahau Acho que esta seria minha maior dificuldade em uma viagem roots assim, que aflição! kkk

Hahahahaha acho que talvez seja a pior parte mesmo. Também dá uma vergonha de ser o fedidão dentro do carro/caminhão, mas foi só nesse trecho que acumulamos dias sem banho 😳😳😳

  • kkkkkkk 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Que aventura, Diego! Senti frio só de ler essa última parte. E a foto 10.1 dá bem uma ideia do vento... o cabelo do Matheus está parecendo um efeito de Photoshop! :D

  • Gostei! 1
  • kkkkkkk 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
5 horas atrás, LF Brasilia disse:

Que aventura, Diego! Senti frio só de ler essa última parte. E a foto 10.1 dá bem uma ideia do vento... o cabelo do Matheus está parecendo um efeito de Photoshop! :D

Hahahaha pior que é verdade mesmo. A foto 10.21 dá a impressão que eu sou mó fortão, mas é só efeito das roupas largas somada ao vento forte 😂😂.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 11 - Algumas das belezas de Ushuaia

"Antônio Pigafetta, um navegante florentino que acompanhou Magalhães na primeira viagem ao redor do mundo, ao passar pela nossa América meridional escreveu uma crônica rigorosa, que, no entanto, parece uma aventura da imaginação. Contou que havia visto porcos com o umbigo no lombo, e uns pássaros sem patas cujas fêmeas usavam as costas dos machos para chocar, e outros como alcatrazes sem língua cujos bicos pareciam uma colher. Contou que havia visto um engendro animal com cabeça e orelhas de mula, corpo de camelo, patas de cervo, relincho de cavalo. Que puseram um espelho na frente do primeiro nativo que encontraram na Patagônia, e que aquele gigante ensandecido perdeu o uso da razão pelo pavor de sua própria imagem.
Este livro breve e fascinante, no qual já se vislumbram os germes de nossos romances de hoje, está longe de ser o testemunho mais assombroso da nossa realidade daqueles tempos." A solidão da América Latina, Gabriel Garcia Marquez

Ushuaia tem pouco mais de cem anos, seu desenvolvimento está intimamente ligado com o extinto presídio da cidade. A princípio, o presídio só recebia presos militares, mas com o tempo presos perigosos e presos políticos também começaram desembarcar em Ushuaia. Afinal, não havia lugar melhor para um presídio que uma ilha inóspita. A implantação do presídio atraiu outros serviços para a  cidade, como produção de alimentos e eletricidade. Assim, Ushuaia foi crescendo.

Chegamos ao fim do mundo e agora? Fomos comemorar. Momentos antes tinha entrado numa agência de turismo, na conversa com a dona ganhei uns vales de cervejas grátis, que somente é dado pras pessoas que fazem o passeio de barco com eles, mas a mulher resolveu me presentear com as cevas. Fomos até a cervejaria, ali ficamos boa parte da noite, bebendo e usando internet. Não tínhamos lugar pra ficar até então. O que tínhamos era um contato que o Matheus havia conseguido com uns amigos, e que ele já havia conversado algumas vezes. Estava meio certo que ficaríamos na casa dele. Enfim, não tivemos resposta naquela noite. Resolvemos seguir para um hostel. Ajeitamos nossas coisas. A fome era grande, cozinhamos e comemos. Tomei banho, logo depois, desmaiei na cama.

Acordamos cedo e cambiamos o restante do dinheiro que carregávamos conosco. A cotação desse dia foi a melhor que conseguímos na viagem: 1 real/9 pesos argentinos. Fomos comprar nossas passagens com destino a El Calafate. Tínhamos um lugar para ficar em El Calafate, mas a pessoa iria viajar dentro de uns dias. Então, resolvemos não ir de carona neste trecho e, consequentemente, chegar numa data que teríamos estadia na nossa próxima parada. 

Depois, conforme as dicas do César, partimos caminhando para o Glaciar Martial. O tempo estava esquisito e estava caindo um chuva de leve. Cruzamos boa parte da cidade até o inicio da trilha que leva até a entrada do glaciar. A trilha alterna entre caminhos dentro da mata e da avenida que os carros utilizam como acesso. A trilha é muito bonita, ainda mais tendo o Martial ao fundo. Não lembro de ver ninguém fazendo a trilha na ida, todos que chegavam no glaciar, chegavam de carro. 

mini_IMG_5242.JPG.8e2ac6b2d58c08bbb814a65658dd5a60.JPG

Foto 11.1 - Bora começar a temporada de caça as trilhas

mini_20181213_133236.jpg.23358dc5c7b562dd178fa6d43ab47e90.jpg

Foto 11.2 - Sobe, sobe

mini_IMG_5245.JPG.b09bd42a199264ecb6c8b4473178436d.JPG

Foto 11.3 - A ponte do rio que cai

mini_20181213_134611.jpg.deec0e0c8d7b9abc8159ff3fe57fe9e9.jpg

Foto 11.4 - Matheus e esse cenário maluco

mini_IMG_5275.JPG.aab92e01890a66c91da4c08488855b0a.JPG

Foto 11.5 - Eu seguindo rumo ao Glaciar Martial

mini_20181213_141704.jpg.dbd6eb8e3b98ce726e212e577b9f1b76.jpg

Foto 11.6 - A casa e as nuvens

mini_IMG_5282.JPG.f19ea783802db4166c74e8d1d31edd8d.JPG

Foto 11.7 - Matheus e a caminhada

A caminhada da cidade até a entrada do glaciar deve ter durado uma hora e meia, mais ou menos. Chegamos na entrada e uma legião de taxistas ficam por ali. A entrada é gratuita. Seguimos andando pela trilha de acesso ao glaciar. Agora víamos muitas pessoas pelo trajeto, indo e voltando. A caminhada continuava. Como sentia falta disso, de somente caminhar e caminhar sem pensar em nada mais. Pensar, apenas, no próximo passo. 

mini_20181213_150256.jpg.3c4709a00cecf944b5dd2fb3294c8ced.jpg

Foto 11.8 - A caminhada continua

mini_20181213_150515.jpg.dffc0a3e80b9f66a797f95d6543ebb6b.jpg

Foto 11.9 - Outra ponte do rio que cai

mini_IMG_5287.JPG.1a8cb180a2893d68f9c62ceb7c6272fc.JPG

Foto 11.10 - Martial, um glaciar ou um jogador de futebol?

mini_IMG_5294.JPG.f8e026ef443031f0e85b383402dc08c4.JPG

Foto 11.11 - Eu e a terra inóspita

mini_IMG_5298.JPG.a0666404feae8271b494fcfe32c8d8f6.JPG

Foto 11.12 - Quase lá

mini_IMG_5305.JPG.8aba664a1e1f8597900167389b0bad64.JPG

Foto 11.13 - Prazer, Glaciar Martial

Chegamos ao pé do Glaciar Martial, um pouquinho antes atravessamos um caminho com neve no solo, havia tanto tempo que não tinha contato com a neve. Achamos um lugar para sentar, comemos nosso lanche. Depois, seguimos pela trilha sobre o glaciar. Nesse momento a paisagem é composta de poucas cores, vê-se um cinza que é a mistura do solo com pedras e brancos de neve surgem para não deixar a visão monocromática. A subida não é das mais puxadas, na verdade é bem tranquila. O Matheus foi devagarinho, estava cheio de bolhas no pé. Do topo tem-se uma bela visão de Ushuaia com o mar ao fundo. A temperatura lá em cima era bem baixa e o vento forte, mas estava agradável. A montanha tem esse poder, pelo menos em mim, de fazer qualquer situação adversa algo memorável.

mini_20181213_160054.jpg.2472d55ac0c0b67b094ae78931465e15.jpg

Foto 11.14 - A bela paisagem

mini_IMG_5313.JPG.500635fd933738002fa007de559259fe.JPG

Foto 11.15 - A bela visão [2]

mini_IMG_5328.JPG.d9ecd9f3280b53c92941004094522fd1.JPG

Foto 11.16 - Matheus vendo todo o caminho que percorremos para chegarmos ali

O caminho de volta foi bem tranquilo. Descer e descer. De volta a entrada, os taxistas ofereceram seus serviços, recusamos. Fizemos a trilha de volta até a cidade. Agora, vimos algumas pessoas fazendo a trilha no sentido inverso. Depois de tantos dias pelos desertos patagônicos, caminhar no meio daquelas árvores em meio ao ar puro e úmido, era revitalizador. A cidade reapareceu na paisagem, a caminhada continuava. Num momento, me deparei com um muro com a seguinte frase: "El amor al dinero es la raiz de todo mal". Uma vez ouvi o seguinte: se você quer conhecer um lugar não leia livros, leia os muros. Lendo aquele muro, mesmo estando milhas e milhas distantes eu soube que estava em casa.

mini_20181213_180330.jpg.25ac0efbdd6ed0ade53924bef01f30a0.jpg

Foto 11.17 - O muro da verdade

Tivemos que mudar de hostel, pois tínhamos conseguido vaga no dia anterior por causa de desistências. Mudamos para umas duas quadras donde estávamos. Saímos caminhar e conhecer um pouco mais a cidade. A orla é toda bonita. Fiquei observando as gaivotas voando, é muito curioso fazer isso. Antes, achava que só o beijo-flor conseguia ficar parado no ar. As gaivotas no fim do mundo sofrem para vencer o vento, tem horas que elas parecem estar paradas no ar. Vencer o vento naquela canto de mundo não é tarefa fácil.

mini_20181213_191713.jpg.f569a59531d2b091df4b30bd99358189.jpg

Foto 11.18 - Ushuaia

mini_IMG_5330.JPG.4db89ddc666a7028aee42935828dc043.JPG

Foto 11.19 - A cidade mais austral do mundo

mini_IMG_5331.JPG.b8385b34472c7ae5e3b5b76a9882a86d.JPG

Foto 11.20 - Os navios

mini_IMG_5334.JPG.8359cd93bdc17ebe34c2971e7c7946ff.JPG

Foto 11.21 - Os containers

Ushuaia no verão escurece depois das onze da noite. É tão fugaz a noite por lá nessa época, que é preciso insistir bastante pra conseguir ver as luzes da cidade ou mesmo a iluminação de Natal. Pra nós que moramos entre os trópicos é tão diferente e esquisito essa diferença de tempo entre dia e noite. Porém, ter dezenove horas de luz natural para explorar aquela região é algo muito bom.  

mini_IMG_5335.JPG.1499b5f96608e5b111218e49d720b205.JPG

Foto 11.22 - As luzes começam a aparecer

mini_20181213_220818.jpg.0e8c0c0dc53ab82b9ffe070af6258e61.jpg

Foto 11.23 - Quase a escuridão

O Martin havia chegado na cidade, estava num jantar de negócios. Combinamos de encontrar ele no final da noite. Voltamos para o novo hostel e arrumamos nossas coisas. A fome, pra variar, era grande. Fomos até a cozinha preparar nossa janta. Conhecemos o Bruno no refeitório. Ele é gaúcho e tinha saído de moto dias antes de Porto Alegre. Viajava num ritmo alucinante, não parava pra aproveitar os lugares. Depois de mais de 5000 km rodados, Ushuaia foi o primeiro lugar que realmente parou pra conhecer um pouco da cidade. Ele partiria no dia seguinte. Depois saímos para caminhar pela cidade de novo. Caminhamos um pouco e demos de cara com o Martin. Não foi preciso combinar um lugar, os ventos patagônicos resolveram nos unir novamente. 

Fomos para uma lanchonete, conversamos bastante. Ele estava bem feliz que as vendas em Rio Grande e Ushuaia tinham sido muito boas. Ele já iria embora na manhã seguinte, iria começar o caminho de volta para casa e preparar-se para suas férias. Martin nos fez prometer se acontecesse algo conosco no restante da nossa viagem patagônica que entraríamos em contato com ele, pois ele dizia que tinha contatos em todas as cidades da Patagônia Argentina, devido suas relações comerciais. Prometemos. Ele ainda deixou as portas da sua casa aberta caso quiséssemos passar, novamente, em Puerto Madryn. Provavelmente, ele estaria viajando, mas o pai dele nos receberia. Não tínhamos essa intenção, mas vai saber o que o futuro nos reservaria.

Depois de umas horas, chegou o momento da despedida definitiva do Martin. Nós três estávamos meio sonolentos. Dei um abraço no Martin, desejei boa viagem e boas férias para ele. Agradeci por tudo o que ele havia feito por nós naqueles dias. Mais uma vez, ele disse que viria pro Brasil na Copa América. Assim, caminhamos no sentido contrário ao dele e prosseguimos para o hostel na noite fria de Ushuaia. 

Na manhã seguinte, arrumamos nossas mochilas, pois iríamos acampar no Parque Nacional Terra do Fogo. Ajeitamos apenas uma mochila cargueira e uma mochila de ataque com as coisas de cozinha e de camping, o restante deixamos no hostel. Partimos rumo ao parque caminhando. Cruzamos toda a cidade até a parte da Ruta 3 que conecta a cidade com a Bahia de Lapataia, que é o trecho final da Ruta 3. Nesse momento, começamos a erguer o dedão para os carros que passavam, pois eram mais de 10 km de distância. Até que enfim, conseguimos uma carona de caminhão na Argentina. Entramos no caminhão que lentamente avançava pela rodovia. O motorista compartilhou seu mate conosco. A viagem foi rápida, pois logo o motorista entrou numa empresa para carregar o caminhão e assim, voltamos a caminhar. Pouco tempo depois um carro parou para nós. Era um casal, um argentino e uma italiana, bem gente boa os dois. Entramos no parque, eles seguiriam de carro até a Bahia de Lapataia e ficamos na entrada da primeira trilha.

mini_20181214_092107.jpg.2e24160727edfc958984066a6adab9e8.jpg

Foto 11.24 - O caminho até o parque

mini_20181214_094005.jpg.45c5e40f6d1834dade63f8383967b302.jpg

Foto 11.25 - Matheus querendo caronas

Enfim, agora estávamos a sós com a natureza e só dependia do nosso caminhar para percorrer todo o parque. Esse era nosso objetivo, fazer todas as trilhas do parque em dois dias. Começamos a caminhada. Seguimos pela trilha que leva até o Saltos del Rio Pipo. O início é lindo demais e o tempo estava limpo nesse momento. A trilha margeia os trilhos do trem do fim do mundo. Vimos o trem passando. O caminho é todo bonitão. O final da trilha é meio desanimador, é uma queda minúscula de água no Rio Pipo, mas vale muito a pena fazer a trilha pelo caminho que leva até ali.

Trilhas para mim é o meio mais democrático que existe. De nada importa quem você é, de onde veio e como chegou até ali, se quiser chegar no final do caminho vai ter que suar muito, vai ter que querer demais ver o fim, vai ter que superar a exaustão pra continuar. É você e você, não tem outro jeito. E acredite, os melhores lugares são os mais difíceis de se chegar. Então, um passo de cada vez, inspire, expire, sinta o lugar e continue. 

mini_20181214_093833.jpg.db587dff4c6905c2b275b7eac97d4184.jpg

Foto 11.26 - O que falar dessa beleza?

mini_IMG_5340.JPG.ccfc340b69d9bf3399629a569d8e3094.JPG

Foto 11.27 - A montanha

mini_IMG_5344.JPG.8c5f9a515e24ba244f9defab361dccfc.JPG

Foto 11.28 - Eu no caminho

mini_20181214_102713.jpg.2476c3724c73a695e590883ab85112ad.jpg

Foto 11.29 - O trilho

mini_IMG_5344.JPG.8c5f9a515e24ba244f9defab361dccfc.JPG

Foto 11.30 - A mochila foguete

mini_IMG_5351.JPG.744592e6e203aaa30d402d95b960c5d5.JPG

Foto 11.31 - Tanto verde

Depois entramos no Caminho da Pampa Alta, que tem cinco quilômetros. Diferente do Saltos Del Rio onde caminha-se em vegetação aberta, na trilha da Pampa Alta o caminho é dentro de uma vegetação fechada. Na metade da trilha atingi-se o ponto mais alto, onde tem-se alguns bons mirantes. Em um trecho da trilha cruza-se a Ruta 3. A caminhada é tranquila mesmo carregando as mochilas. No fim da trilha anuncia-se o belíssimo Canal de Beagle. 

mini_20181214_121746.jpg.bc09d71eb4fae5c21dfb1a797cd9f53a.jpg

Foto 11.32 - Matheus na caminhada

mini_IMG_5367.JPG.079b6ec9b838c60bb69ff072206ca9ac.JPG

Foto 11.33 - To chegando

mini_IMG_5370.JPG.5fff496fa00f9527146b7c2602746ac4.JPG

Foto 11.34 - A Ruta 3

mini_IMG_5373.JPG.f8727d446d5d5393df816c69ef1885c0.JPG

Foto 11.35 - Deboas na Ruta 3

mini_IMG_5377.JPG.445520706d218560bf08c2ba144b04e7.JPG

Foto 11.36 - Matheus e a Ruta 3

mini_20181214_133529.jpg.db58c9062d237aa3d97838b29bf28327.jpg

Foto 11.37 - O fim do Caminho da Pampa Alta

Também é possível chegar de carro na enseada. Então, tinha muitas pessoas por ali. O bom que naquela parte tem alguma infraestrutura, aproveitamos para comer o nosso lanche. Alguns metros dali fica o Correio do Fim do Mundo, que fica dentro de um container as margens do Canal de Beagle. Muita gente vai no correio para carimbar seus passaportes e enviar postais do correio mais austral do mundo. O melhor de se estar por ali é a belíssima paisagem que tem-se de fundo. O Canal de Beagle é lindo demais.

O Canal de Beagle tem esse nome por causa da Viagem de Beagle. Essa viagem foi a responsável por mudar o rumo da humanidade para sempre. A bordo do navio Beagle estavam o comandante Robert FitzRoy e o naturalista Charles Darwin. Essa expedição tinha como objetivo principal o levantamento cartográfico da parte sul da América do Sul. A viagem durou quase cinco anos e foi através dela que Charles Darwin coletou evidências que lhe possibilitaram a elaboração da Teoria da Evolução.

mini_IMG_5384.JPG.086e4ca713205d33ef1db72f0cc11bd5.JPG

Foto 11.38 - O Canal de Beagle

mini_IMG_5387.JPG.43d9b4b248c17e02fa563f428329bdee.JPG

Foto 11.39 - O Correio do Fim do Mundo

mini_IMG_5391.JPG.0a9185ca1a767470e14bf81f5f47a64f.JPG

Foto 11.40 - Argentina

mini_IMG_5395.JPG.12410e5100458ac7962c85b7cbace44b.JPG

Foto 11.41 - Matheus e o Canal de Beagle

Continuamos a caminhada. Seguimos pelo Caminho Costera, que margeia o Canal de Beagle. A trilha tem oito quilômetros. O caminho alterna entre trechos na mata e na orla. Essa caminhada também é tranquila, até tem algumas subidas, mas nada muito difícil. O melhor é a paisagem que se tem ao longo do percurso. Tudo é muito bonito e ter a companhia do Canal de Beagle é demais. O clima estava agradável, não estava nem quente e nem frio. Lembro de me desconectar nessa caminhada, somente pensava no quão era bonito aquilo tudo que eu presenciava. 

mini_20181214_133638.jpg.9c6b46dbf3d4693e785a132e203cb454.jpg

Foto 11.42 - Matheus no Caminho Costera

mini_20181214_135745.jpg.c2cf913f000b884d32a64f36f33225cb.jpg

Foto 11.43 - Caminho Costera

mini_IMG_5409.JPG.fc6a6b7f89d8144b6730e744202a4e05.JPG

Foto 11.44 - Eu

mini_IMG_5412.JPG.38f7174891f2eb0c1a6f38c317a4fa8c.JPG

Foto 11.45 - Caminho Costera

mini_20181214_143327.jpg.1f88c5a8bc1f67bb28266f82149c5f50.jpg

Foto 11.46 - Caminho Costera

mini_20181214_154249.jpg.4cbfe412172869e87120d544213e7882.jpg

Foto 11.47 - Caminho Costera

mini_IMG_5425.JPG.a03f02afaa93b8e7c603c7c110d9ec8d.JPG

Foto 11.48 - Uma pausa na caminhada pra apreciar a paisagem

No final do Caminho Costera volta-se a Ruta 3. Caminhamos mais uns quatro quilômetros pela ruta até chegar em uma das áreas de camping do parque. Montamos a barraca, esperamos pelo guarda florestal, pois é necessário a verificação do guarda para poder acampar no parque, ele não apareceu. Ainda faltava algumas horas até escurecer, partimos para conhecer a Bahia de Lapataia e chegar no fim da Ruta 3.

Neste caminho tem bastante coisa para se ver. Passa-se pelo Paseo de la Isla, Laguna Verde, Laguna Negra, Castorera, Mirante de Lapataia até chegar na Bahia de Lapataia. Essa parte tem cinco quilômetros, mas como é realizado na Ruta 3 a maior parte dos visitantes vão de carro, van ou moto para esses lugares, só havia nós fazendo o trecho caminhando. No final tem a placa do fim da Ruta 3, a placa é disputada por motoqueiros que querem registrar o feito de percorrer todos os 3079 km da rodovia. A Bahia de Lapataia é o extremo sul da Ilha do Fogo. 

mini_20181214_155654.jpg.11f0f481f42eb82415bdbed00af644f1.jpg

Foto 11.49 - Quase no fim da Ruta 3

mini_20181214_170235.jpg.436b1e9989f118d8503b90c80ba350be.jpg

Foto 11.50 - Laguna Negra

mini_IMG_5429.JPG.f18cf67fe964eba1d1fe40d81d20d71c.JPG

Foto 11.51 - Laguna

mini_IMG_5448.JPG.45a39a6f155dc163578fd0e738fe6998.JPG

Foto 11.52 - Sempre

mini_IMG_5445.JPG.6144986eb5983cde38a0530fa55b790d.JPG

Foto 11.53 - Quase o fim da Ruta 3

mini_IMG_5446.JPG.00cffa035774dd194219cf4f722fa751.JPG

Foto 11.54 - Enfim, o fim da Ruta 3

mini_IMG_5449.JPG.acd2b94a9e98ed347281d280dd4f62b2.JPG

Foto 11.55 - No sul do sul

mini_IMG_5450.JPG.3adf7696dc9db278cda21d258f2790fe.JPG

Foto 11.56 - Bahia de Lapataia

Agora quero falar de uma das coisas mais bizarras que já vi. Há 70 anos atrás foram introduzidos em Ushuaia vinte e cinco casais de castores. Os gênios miravam a criação dos castores para posteriormente vender suas valiosas peles. No entanto, o castor como espécie invasora modificou para sempre a flora dos arredores de Ushuaia. Sem predadores, os castores se procriaram até virarem praga. Porém, o estilo de vida destes castores coloca em risco a frágil flora do lugar. Os castores derrubam as árvores, modificam cursos de água, isso para melhorar os diques em que vivem. Assim, sem predadores, os castores estão por todas as partes destruindo grandes porções das florestas da Ilha do Fogo, causando um grande desastre ambiental para a região.

mini_20181214_180858.jpg.73137aece7dfdc160a743c7caaf3d5a9.jpg

Foto 11.57 - Errar é humano, mas quem perde é a natureza

mini_20181214_181212.jpg.13a53499c7c9e5f2ab306c6d465a39b3.jpg

Foto 11.58 - Os castores

mini_20181214_181219.jpg.cfb3ca83a9392ee5df176f31912e08e8.jpg

Foto 11.59 - A explicação

mini_20181214_180911.jpg.0b64a18cf52a9df68dc0c90ff8058f44.jpg

Foto 11.60 - O resultado da genialidade humana

mini_20181214_181016.jpg.52cb581fa9893f898893bd0704f3eb3b.jpg

Foto 11.61 - O resultado dos castores na ilha

mini_IMG_5442.JPG.b3a69c62304efc1b84f474bfa7e61124.JPG

Foto 11.62 - Fueda, né?

Voltamos para o nosso acampamento. Um pessoal chegou para acampar por ali também. Preparamos nossa janta, fizemos uma macarronada com seleta de legumes, atum e pimenta. Ficou boa demais, afinal, a fome era grande. Depois preparamos os lanches para a caminhada do dia seguinte, fizemos um bom patê de azeitona para passar nos pães. O guarda florestal chegou, tomou um mate conosco. Ao ver o guarda eu só conseguia pensar no desenho do Zé Colmeia, o guarda florestal se vestia igualzinho ao guarda do desenho. O guarda autorizou nosso acampamento. Depois disso, escureceu. Tentei ver as estrelas, mas o céu só tinha nuvens.

mini_IMG_5457.JPG.f7bd3b7887fdfb64de313d4ab2f1733e.JPG 

Foto 11.63 - Minha barraca

Acordamos cedo e desfizemos acampamento. Voltamos pela Ruta 3 até a entrada das trilhas Hito XXIV e Cerro Guanaco. Para fazer o Cerro Guanaco é necessário se cadastrar na administração. Fomos até lá,  tivemos que esperar uma meia hora até o local abrir. Demos nossos nomes e deixamos a mochila cargueira no guarda volumes. Assim, começamos mais um dia de caminhada.

Caminhamos lentamente no início. Tinha umas dez pessoas que começaram a caminhada junto conosco. Depois de uma meia hora o lago Roca que se escondia ao lado mostra sua imensidão na frente do caminho. As montanhas ao fundo são um espetáculo a parte. No horizonte, no fim do lago tudo pertence ao Chile.

mini_20181215_083308.jpg.19820188896cf4c6e48d40de2a0c507a.jpg

Foto 11.64 - No aguardo pela autorização

mini_IMG_5459.JPG.515766c7d194a3aeb56191bdca5c25a1.JPG

Foto 11.65 - O belo lago roca

Pouco tempo depois entramos na trilha que dá acesso ao Cerro Guanaco, a trilha tem um pouco mais de quatro quilômetros. No início entra-se numa mata fechada. Subida e mais subida. A umidade era grande e a pesada subida fez eu tirar minha roupagem de frio na fria manhã daquele dia. Mais subida. Esse trecho não é fácil. Depois de pouco mais de uma hora, chegamos no primeiro mirante, que por sinal é belíssimo com o Lago Roca ao Fundo. 

mini_20181215_102125.jpg.6c50e5e48682076328bc4ae8aa059de0.jpg

Foto 11.66 - Que belezura

mini_20181215_102638.jpg.211d361ed6d4a5cc9a007ce826ec621a.jpg

Foto 11.67 - O mirante

mini_IMG_5469.JPG.0c5a2c48ebf4ac662162dd8d6a27a902.JPG

Foto 11.68 - Outra visão

mini_20181215_134220.jpg.517de8c2b75c35c2427ab23a098efa7b.jpg

Foto 11.69 - Eu, Lago Roca e as montanhas

Continuamos na trilha. O quilômetro sequente é tranquilo, com alguns trechos planos e algumas subidas não tão ingrimes como as do primeiro quilômetro. Continua-se dentro de uma vegetação densa. No final da vegetação, no ponto de ataque ao topo do Cerro Guanaco, o trecho é um brejo, horrível aquilo. Apesar de muito cuidado, eu atolei um dos meus pés. Legal demais seguir com um pé molhado. Depois do brejo, é subir. Subir e subir. Muita subida. O último quilômetro é tenso demais, pois é muito ingrime e quanto mais sobe-se maior a velocidade do vento. Então, se manter de pé já é um desafio, subir é um desafio em dobro. Porém, a visão da subida é a coisa mais bonita que vi por Ushuaia. Cada passo, uma visão diferente daquela belezura. De verdade, é muito lindo aquele conjunto de paisagens. Olhando de norte, sul, leste e oeste é tudo belo. 

mini_20181215_104915.jpg.6bd524e2688fbfdee8104bdcaf9131e8.jpg

Foto 11. 70 - Quase no brejo

mini_20181215_110142.jpg.1b9a9a0935fb88c6d0587291a6122158.jpg

Foto 11.71 - Trilha Cerro Guanaco

mini_20181215_110754.jpg.e90ee9121e9df30d6f515f4fe32a22f1.jpg

Foto 11.72 - Quantas cores em um mesmo cenário

mini_IMG_5478.JPG.1fa1f04f819e82a0b0a90d1c30dbed00.JPG

Foto 11.73 - Que beleza!

mini_IMG_5485.JPG.2df40fe762dc7af45288b76aa6408222.JPG

Foto 11.74 - Muitas fotos pra por legendas =/

mini_20181215_111342.jpg.9ff021bc173f88f211df777f3bd337df.jpg

Foto 11.75 - Matheus sofrendo na subida

mini_IMG_5489.JPG.f8b6da2dd02566a4f4c510bed6d7761e.JPG

Foto 11.76 - Eu todo curvado subindo

mini_IMG_5491.JPG.ba4a23df7c94ab85d399284222fb9478.JPG

Foto 11.77 - Eu camuflado

mini_20181215_114317.jpg.cced72ab7cf244f2761052715a423c6f.jpg

Foto 11.78 - Quase no topo, mas pausa pra apreciar isso ai

mini_20181215_114322.jpg.b9f0ddac57f1a384c792c972f81f0db1.jpg

Foto 11.79 - Lago Roca

mini_20181215_114945.jpg.3337538fec7df56e26904b9d5c7f3a08.jpg

Foto 11.80 - A chuva chegando

mini_20181215_115009.jpg.4334503b45d4261b6045fc6dad602915.jpg

Foto 11.81 - Bahia de Lapataia

mini_IMG_5495.JPG.ab89ac73bd0ce5da17364d10888ebfd7.JPG

Foto 11.82 - Tá foda legendar, acho que exagerei na quantidade de fotos

Avancei ao topo num ritmo alucinante, queria me testar. Logo depois um francês chegou também. Ficamos no topo de uma pedra apreciando aquela belezura de lugar. Com o tempo o topo foi se enchendo. Um tempo depois o Matheus chegou. Ele estava sem luva e sentia muito frio ali, tava todo tremendo. Comemos nossos lanches. Começou a chover. Ficamos ali na esperança que fosse uma chuva passageira. Quase todos os caminhantes rumaram de volta. Insistimos mais um pouco, mas não resistimos ficar naquele frio somado com vento forte e chuva. Resolvemos descer também.

O clima em Ushuaia é um espetáculo a parte. Pensa em algo instável, é o clima lá. Em um momento, está um sol de rachar mamona, dez segundos depois o céu está fechado num cenário totalmente melancólico. E assim, vai se alternando diversas vezes por dia. Me lembrei do topo do Monte Roraima, onde o clima é igualmente instável. 

mini_20181215_115057.jpg.7a07125464201c2f3477c2bdfa6a5c7e.jpg

Foto 11.83 - O topo

mini_20181215_115414.jpg.2eb3253149c9f7daeb6d8c3e72a4fbd1.jpg

Foto 11.84 - A visão do topo

mini_20181215_115418.jpg.4ad36a489d4a71e1bf01a5d6b1804513.jpg

Foto 11.85 - Que lindo

mini_20181215_115439.jpg.4aa5dec35c5e3a9bbbfab86dba33a14c.jpg

Foto 11.86 - Ushuaia ali embaixo

mini_IMG_5499.JPG.78a5df4130bafb930f145019f0e917c5.JPG

Foto 11.87 - Registro do Matheus chegando ao topo

mini_IMG_5505.JPG.b082fe3288c2597e836091b573a2180a.JPG

Foto 11.88 - Enfim, o topo do Cerro Guanaco

O caminho de volta foi tranquilo no início. Agora caminhávamos de frente ao Lago Roca, beleza de visão. A cada metro que descíamos, menos o frio incomodava. Quase escorreguei algumas vezes. No trecho do brejo, dessa vez atolei os dois pés. Que merda foi aquilo. Os dois pés molhados, chovendo e muito frio. Depois disso, caminhar foi um sofrimento. Já sentia as bolhas nascendo. Paramos mais uma vez no primeiro mirante. E a descida final foi o trecho mais difícil para mim por causa dos pés. Não tomei o devido cuidado com os pés e me fodi. Regra número um de qualquer trilheiro: deixe os pés sempre secos.

mini_20181215_123743.jpg.5be425e5dc70ce452c6d796bc3d1002d.jpg

Foto 11.89 - Matheus retornando

mini_IMG_5511.JPG.71a546ff8f20263494c5270b8a9706a1.JPG

Foto 11.90 - A felicidade de subir mais uma montanha

mini_IMG_5519.JPG.fe1bfaf8ee08a1b4dc475bc55c2e9a4c.JPG

Foto 11. 91 - Encarar os brejos novamente

mini_IMG_5522.JPG.2bfa5c8d2661d5cd103aff7060d58ec4.JPG

Foto 11.92 - Curto demais essa foto

mini_20181215_132014.jpg.6173d258a02b956e6e5f94e7d0a5cf73.jpg

Foto 11.93 - Passamos pelo brejo

Voltamos ao início da trilha. Sentei e tirei as botinas. Aproveitamos para comer também. Ainda faltava a trilha do Hito XXIV, mais oito quilômetros ida e volta. O certo seria abortar esta trilha, mas vai saber se voltarei um dia. Descansamos quase uma hora e seguimos para nossa última trilha no parque. A trilha margeia a todo tempo o lago Roca. A dificuldade do caminho quase não existe, pois em todo momento o caminho é plano. O legal que tem umas prainhas no meio do caminho, bem bonitas. O fim da trilha é a divisa entre Argentina e Chile.

mini_IMG_5528.JPG.c7df52e04722b7d0330ce4bc0b03745f.JPG

Foto 11.94 - Lago Roca

mini_IMG_5530.JPG.f6c8b450c020b984c6f10ecfdb6d158a.JPG

Foto 11.95 - Limite entre Argentina e Chile

mini_20181215_153239.jpg.f9d65a92fc2cc26e0e4350910f4d2675.jpg

Foto 11.96 - Matheus em dois países ao mesmo tempo rsrs

A volta foi bem tranquila, os pés estavam melhores. O cansaço dos dois dias de caminhadas intensas já era visível. Afinal, caminhamos mais de trinta quilômetros por dia. Pegamos a cargueira de volta e seguimos pela Ruta 3. Menos de um minuto de caminhada, erguemos o dedão para um carro que parou. Hector, o motorista, é guarda florestal do parque. Fomos conversando até a entrada do parque. Lembro que ele tava preocupado porque iriam asfaltar a Ruta 3 dentro do parque, isso na visão dele era muito ruim, eu concordei. Depois, seguimos caminhando um pequeno trecho. Minutos depois um casal israelense parou o carro para nós. Os dois tinham acabado de deixar o serviço militar em Israel e agora estavam explorando a América do Sul. Ficamos no centro de Ushuaia.

Fomos até o letreiro de Ushuaia. Numa praça próxima, começamos a comer nossos últimos lanches. Um mundaréu de gaivotas se aproximou (risos). A todo momento o número de gaivotas aumentava. Quando percebemos que o conflito entre nós e as gaivotas seria inevitável por causa dos nossos pães, escondemos a comida e partimos com todo o cuidado do mundo. Seguimos até o centro de informações para usar internet e decidir onde dormiríamos naquele dia. 

mini_20181215_175138.jpg.1e843f86073e821336613d30a58dc575.jpg

Foto 11.97 - Ushuaia

mini_IMG_5534.JPG.3a870df0dbaf22fac167506f693f0ddd.JPG

Foto 11.98 - Ushuaia

mini_IMG_5536.JPG.4852697922d099149baabe677df2f4aa.JPG

Foto 11.99 - Ushuaia

mini_IMG_5542.JPG.d9e3fa53bf4ed36b0a5e9872ba94e19f.JPG

Foto 11.100 - Ushuaia

Com o "sumiço" do nosso contato em Ushuaia, eu tinha tentado estadia na cidade através do couchsurfing. Quando acessamos a internet no centro de informações, vi que eu tinha um aceite de hospedagem na casa da Anahi. Seria só por aquela noite, pois no outro dia cedo já partiríamos para El Calafate.

Voltamos para o hostel, pegamos o restante das nossas coisas e partimos para a casa da Anahi. Chegamos na casa, sua amiga nos recebeu, pois ela só chegaria mais tarde. Tinha um cara bem curioso na casa delas, ele havia de acabar o serviço de cortar a grama do quintal e aproveitava para tomar um mate. Deixamos nossas coisas de lado e começamos a conversar com os dois. 

O cara fazia todo o tipo de serviço e sonhava em ter diversos negócios para se mudar e viver deboas em alguma praia de clima quente. Assim, o assunto girava em torno de dinheiro. Ele tinha uma teoria sobre o dinheiro que me chamou a atenção, ele disse mais ou menos assim: "Você tem que ver o dinheiro como se fosse uma pessoa. Melhor, ver como se fosse uma relação entre pessoas. Tipo, se você está desesperado para estar junto com uma pessoa, essa pessoa se afasta de você. A mesma coisa com o dinheiro, se você está desesperado para ter dinheiro, ele não vem. Porém, se você não está nem ai pra pessoa, ela também se afasta de ti. A mesma coisa com o dinheiro, se você não quer ele, ele também não vai te querer. Portanto, a relação tem que ser a de querer, mas sem querer.". Fiquei pensando muito sobre isso depois, mas não pela parte do dinheiro e sim na parte que ele dizia porque as pessoas se afastavam uma da outra.

Tomei banho, depois comemos os miojos que carregávamos desde o início da viagem. Anahi chegou e conversamos um pouco, ela é dançarina e muito simpática. Logo, ela saiu de novo, pois tinha um aniversário para ir. Assim, ficamos conversando mais um pouco com um pessoal que chegou na casa. Uma coisa que reparei que todos os ushuaianos (risos) não gostam de morar lá, e sempre perguntam o porquê de nós querermos viajar até a cidade. Nas conversas desta noite isso ficou muito claro. Por fim, dormimos.

Era quatro da manhã o horário que acordamos. Ajeitamos nossa mochila e seguímos para o lugar que o ônibus sairia, pois não tem rodoviária em Ushuaia. O frio era intenso e para melhorar começou a chover forte. Depois de uns vinte minutos de caminhada chegamos. Colocamos nossas mochilas no bagageiro do ônibus e subimos na parte de cima do busão em busca das nossas poltronas. 

A falta de lugar pra ficar somado com a restrição de dias do nosso contato em El Calafate, apressou nossos dias em Ushuaia. Nada que eu possa reclamar, pois aqueles quatros dias foram demais. Deixamos de conhecer muita coisa na cidade, mas curti muito o que tivemos a oportunidade de conhecer. O Parque Nacional da Tierra del Fuego é o ponto alto do tempo em Ushuaia. Estar ali, cercado de montanhas e no meio de uma natureza ímpar faz tudo valer a pena. Overdose de beleza a todo momento. Os diversos lagos junto com o Canal de Beagle e as montanhas nevadas estampa sorriso no rosto de qualquer um. 

  • Gostei! 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 12 - El Calafate, Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino

"O monumento mais alto da Argentina foi erguido em homenagem ao general Roca, que no século XIX exterminou os índios da Patagônia." O paradoxo andante, Eduardo Galeano

Eu estava dormindo, mas o Matheus disse que no caminho entre Ushuaia/Rio Grande nevou bastante. Queria ter visto, mas o sono me venceu. Acordei para dar entrada em território chileno e voltei a dormir. Fui acordar em definitivo próximo ao Estreito de Magalhães, o céu tava todo aberto e não havia sinal de chuva, muito menos de neve. A travessia pelo estreito não teve a mesma magia que da primeira vez. Entretanto, o céu estava mais bonito nesse dia.

mini_20181216_145425.jpg.0034d9a903c9af14e354aa5cc968d1d3.jpg

Foto 12.1 - Novamente, o Estreito de Magalhães

mini_20181216_145653.jpg.b785a636e7a087df8a3673e6acfdd4ce.jpg

Foto 12.2 - O caminhão adentrando a Terra do Fogo

A viagem seguiu. Passamos pela aduana e voltamos para a Argentina. No fim de tarde, chegamos em Rio Gallegos. Descemos na rodoviária, saímos pra comer alguma coisa. Logo voltamos e entramos no ônibus com destino El Calafate. Agora cortávamos a Ruta 40. A viagem estava tranquila até sermos parados pela fiscalização policial. Os policiais entraram no ônibus, pediam os documentos e com isso: eu, Matheus, e mais três pessoas fomos "convidados" a descer do ônibus para revistarem nossas mochilas.

Levaram-nos para uma salinha com mais uns seis policiais. As outras pessoas foram levadas para salas diferentes. Primeiro revistaram nossas mochilas. Eu só pedia para os céus para não serem policiais corruptos. Puta trampo que é ajeitar a mochila e agora tava todas nossas coisas jogadas na mesa. A inspeção continuava. O policial chamou a atenção para a quantidade de condimentos que levávamos conosco, perguntou por que de tudo aquilo, eu disse "Cozinhamos mal, ai usamos pimenta pra disfarçar o sabor" (risos). Pela primeira vez, os policias esboçaram uma amistosidade, até disseram que uma de nossas panelas era muito ruim. Chegou a hora da revista pessoal. Descobriram o dinheiro que carregava comigo espalhado pelo corpo. Tudo o que eu tinha estava na mão do policial. Era a hora de saber se eu iria me foder ou não. Congelei. O policial juntou todo o dinheiro e me devolveu. Ufa! Depois foi a vez do Matheus, quando tiraram o dinheiro dele (para a revista) pediram para ele ficar olhando para depois não achar que pegaram algo, achei legal isso. Ainda sim, depois de toda a revista, ficamos mais um tempo esperando, enquanto eles decidiam sobre nós. Creio que tudo durou mais ou menos uma hora. Foi muito tempo. Quando o policial me devolveu o passaporte, um alívio tomou conta de mim.

A viagem seguiu tranquila até El Calafate. Chegamos era mais de uma hora da manhã. Estávamos sem internet, o Matheus pediu o celular emprestado para uma pessoa e conseguimos avisar a Cláudia que havíamos chegado. Ela veio nos buscar na rodoviária. Seguimos para a casa dela. Ela aprontou um mate. Conversamos muito pouco com ela nessa madrugada, ela tinha que trabalhar cedinho no mesmo dia. Depois de terminar o mate, eu capotei.

El Calafate é uma pequena cidade com pouco mais de 20 mil habitantes, situada no extremo sul da parte continental da América do Sul. Seu nome é devido ao fruto típico de sua região, o Calafate, que é utilizado na confecção de doces. A cidade abriga dois dos principais pontos turísticos da Argentina: O Lago Argentino e o Glaciar Perito Moreno.

Acordamos para o café da manhã. Agora com mais calma conversamos com a Cláudia. O Matheus havia conseguido o contato dela através do seu amigo Federico, que é um argentino que passou um tempo em Jericoacoara no hostel que ele trabalhava. Então, a conversa seguia entorno do Federico. Eu não conhecia-o, pouco falei. Pouco depois, ela seguiu para o trabalho.

Cláudia é uma doçura de mulher, trabalha como pedagoga e gosta muita de música. Veio para El Calafate junto com o ex marido logo após o casamento, para fugir da falta de emprego que o norte do país enfrentava e tentar a vida no rico sul.

Depois de todos os dias de abstinência musical, onde apenas ouvia música se tivesse tocando no ambiente em que eu estava. Resolvi usar o rádio da casa e, com o volume no máximo, ouvi as músicas que tinha vontade de ouvir. Devo ter colocado umas cem vezes pra tocar a música S.O.S. do Raul Seixas e outras cem vezes Entretanto com a Martnália e o Moska. Fiquei bastante pensativo nesse momento. Pela memória refiz toda a viagem e senti o quanto havíamos tido sorte até então. Uma decisão nasceu dentro de mim nesse momento.

Saímos rumo a rodoviária. O entorno da casa da Cláudia é todo bonito com alguns morros em volta, destacando-se como o mais alto o Morro El Calafate. Porém, o que mais chama atenção é o Lago Argentino na parte baixa da cidade. Que lindeza de cor daquele lago. Seguimos caminhando lentamente. Chegamos na rodoviária e compramos nossas passagens para o ônibus de acesso ao Parque Nacional Los Glaciares. 

mini_20181217_111318.jpg.493c668d60008870bc02a08519afd641.jpg

Foto 12.3 - Arredores da casa da Cláudia

mini_20181217_111455.jpg.3e094503f222f2aa6a365914c2a445f5.jpg

Foto 12.4 - Matheus nos arredores da casa da Cláudia e no fundo o belíssimo Lago Argentino

mini_20181217_122210.jpg.aab57d34299e3cb1986a1622ce8053f5.jpg

Foto 12.5 - El Calafate

Entramos no ônibus lotado de turistas de todos os cantos do mundo. Quase todo o caminho até o parque, margeia-se o Lago Argentino. Fiquei encantado por aquele lago e aquela cor. A viagem já valeria a pena, apenas por percorrer parte do lago. O dia estava muito bonito, mas quanto mais nos aproximávamos do parque, mais nuvens surgiam no céu. Na entrada é necessário pagar setecentos pesos argentinos para adentrar ao parque. 

mini_20181219_141953.jpg.d7a831935dd82d0cd2f68b9fcd7ad5ac.jpg   

Foto 12.6 - Lago Argentino

O Parque Nacional Los Glaciares é um dos patrimônios naturais nomeados pela UNESCO, e é um imenso parque lotado de glaciares e montanhas por todos os lados. O parque é dividido entre norte e sul. Na parte norte do parque encontra-se El Chaltén e suas montanhas. Já na parte sul, que fica em El Calafate, é onde fica o famoso Glaciar Perito Moreno. No Parque Nacional Los Glaciares encontra-se os maiores glaciares do mundo fora das zonas polares. 

Poucos passos dentro do parque e já avistamos o Glaciar Perito Moreno. O que é aquilo? Lindo demais. Sempre achei que quando eu estivesse de frente com o Glaciar Perito Moreno eu me decepcionaria. Errei completamente, aquilo é um espetáculo para os olhos, era algo completamente diferente de tudo que eu havia visto na vida. Fiquei atônito nos primeiros minutos, ou melhor, fiquei atordoado. Nunca tinha visto o Matheus tão admirado com um lugar como com o Glaciar Perito Moreno. 

O Glaciar Perito Moreno foi batizado com esse nome em homenagem ao naturalista e explorador argentino conhecido como Perito Moreno. Ele realizou diversas viagens para Patagônia na segunda metade do século XIX, e em uma dessas viagens "descobriu" (ou seja, o primeiro a registrar a existência do glaciar) o glaciar que hoje leva seu nome.

mini_IMG_5580.JPG.72e7b59518f4bf11c89cd8bd8dfa44a4.JPG

Foto 12.7 - A primeira visão do Glaciar Perito Moreno

mini_20181217_152752.jpg.fd578d56af5abbc4d8d35b373fe77bb4.jpg

Foto 12.8 - Lindo, não?

mini_20181217_154843.jpg.1651c2b769783ba9fa54fff2e4d32914.jpg

Foto 12.9 - Parque Nacional Los Glaciares

1033155517_mini_IMG_5591(1).JPG.69d9840c384e67bf81be53db892ad2da.JPG

Foto 12.10 - Eu me aproximando do glaciar

mini_IMG_5622.JPG.34dcafa2fdcad8cf082b0f71fc094c66.JPG

Foto 12.11 - Glaciar Perito Moreno

mini_IMG_5634.JPG.864cbece56f2c3ff8b55864dee86cd8e.JPG

Foto 12.12 - Gigantesco

mini_IMG_5655.JPG.01bbbe45a9fac37192e45e2588e05578.JPG

Foto 12.13 - O morro e o glaciar

mini_IMG_5667.JPG.8f922c0eca2fb5b1b00b50242bc38718.JPG

Foto 12.14 - Matheus e o Perito Moreno

A beleza do lugar é divina, mas o melhor de se estar de frente com o Glaciar Perito Moreno está no que se ouve. Geralmente, não se ouve nada. Silêncio absoluto. Pois, todos respeitam aquela divindade em forma de gelo e, apenas, contemplam sua beleza. Dificilmente, você vai ouvir pessoas conversando. O silêncio predomina. O êxtase surge no momento em que o silêncio é quebrado, os gelos se rompem do glaciar fazendo um som parecido com um trovão. Esse som te põe em outra dimensão. É demais. Faz te arrepiar todo. Depois de presenciar isso pela primeira vez, você só quer ficar parado e mudo, na esperança que isso aconteça de novo e de novo, para sentir toda aquela emoção outra vez.

Apesar dos rompimentos de gelo constantes que ocorrem no Glaciar Perito Moreno, este é o único glaciar que ainda cresce na Patagônia. Enquanto que com o passar dos anos o glaciares diminuem e vão desaparecendo, o Perito Moreno continua a ser um glaciar estável, ou seja, com pouca alteração no seu tamanho, e até registrando um pequeno aumento em suas dimensões.

Vale a ressalva, para falar sobre a estrutura do parque que é muito boa. Existem quilômetros e quilômetros de plataformas em volta do glaciar para poder apreciar de diferentes ângulos aquela beleza de lugar. Além de o parque oferecer outros tipos de passeios como a viagem de barco até bem próximo a parede do glaciar e um mini trekking em cima do glaciar. Esses passeios extras são bem caros, mas confesso que, principalmente o trekking, fiquei com muita vontade de fazer.  

mini_20181217_155629.jpg.c1a71fcd6ee4d2b7525c0b70db0103fc.jpg

Foto 12.15 - Glaciar Perito Moreno e o Lago Argentino

mini_20181217_160526.jpg.394912479271cccadd59b321fc8d5fc4.jpg

Foto 12.16 - O mar de gelo

mini_20181217_163713.jpg.a799cd6cecccf6d6a1faa5944e1cbfa8.jpg

Foto 12.17 - Onde o lago vira gelo

mini_IMG_5679.JPG.261abbf9a09e1944d93ddbac9da7253f.JPG

Foto 12.18 - Eu e o glaciar

Depois de muito tempo de frente com o Perito Moreno, andamos pelas plataformas em direção contrária ao glaciar. O Lago Argentino, por aqui, não tem aquela mesma coloração que me encantou nas proximidades de El Calafate. Isso deve-se ao desprendimento das geleiras que agitam o fundo do lago e modifica sua coloração. Ainda assim, é belo, mas de um jeito menos estonteante. Creio que isso acontece para o personagem principal daquele canto de mundo ser, apenas, o Glaciar Perito Moreno.

Ficamos sentados o mais distante possível do glaciar. Sentamos numa pedra, ainda calados. Comemos. Os escandalosos trovões quebravam o silêncio de tempos em tempos. As únicas palavras que saiam de nossas bocas eram coisas do tipo "Caralho! Isso aqui é dahora demais". 

mini_20181217_165506.jpg.dfde90b28acdd9f1c85ba9b78f8685bf.jpg

Foto 12.19 - Lago Argentino

mini_20181217_173013.jpg.f530827a4054e842f4027a4febccccd0.jpg

Foto 12.20 - Lago Argentino

mini_20181217_174405.jpg.cf57b95436ea704863efb9db79908dc6.jpg

Foto 12.21 - Lago Argentino

mini_IMG_5743.JPG.a97f7417cde0750de79713bf340deb3e.JPG

Foto 12.22 - Perito Moreno visto de longe

Caminhamos de volta rumo a entrada para esperar o ônibus. O sol estava mais baixo e as cores do glaciar estavam mais bonitas. Agora, a iluminação era melhor e o que era belo se tornou belíssimo. Os passos eram lentos, o fascínio por aquele lugar não terminava. De certa forma, não queria que esse momento terminasse.

Na espera pelo ônibus fiquei grudado no parapeito do primeiro mirante. Devo ter ficado mais de meia hora por ali, olhando fixamente para o glaciar e acompanhando o sol descendo ao fundo. Não conseguia parar de olhar. O olhar fixo, nesses últimos minutos no parque, era a minha maneira de me despedir daquela divindade em forma de paisagem. Não tem como não se sentir um cisco na Terra diante daquilo. A natureza tem esse dom, o de fazer você se sentir tão pequeno, mas ao mesmo tempo te fazer sentir tão privilegiado de presenciar sua própria pequenez. Acho que o respeito a mãe natureza nasce disso, de se sentir pequeno diante de sua imensidão e de enxergar que tudo está conectado nesse mundo. O ônibus chegou, dei uma última olhada no mar de gelo na minha frente. Sem olhar pra trás e sem pensar em nada, subi no ônibus. 

mini_20181217_180935.jpg.a684a6ba05d613398cd0d3464e03013a.jpg

Foto 12.23 - Pouco lindo, né?

mini_IMG_5764.JPG.2c10002568476ab43b110fab7d4e23bc.JPG

Foto 12.24 - Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino

mini_20181217_184626.jpg.0d42fbff3457011f5616c54e495abff4.jpg

Foto 12.25 - A última visão do glaciar Perito Moreno

Voltamos para a El Calafate. Tínhamos prometido para a Cláudia que faríamos a comida pela noite, passamos no mercado para comprar os ingredientes do jantar. Caminhamos de volta para a casa. O vizinho da Cláudia, o José Luis e seu filho também jantariam conosco. Antes de chegarmos na casa da Cláudia, o José Luis se apresentou para nós, muito simpático ele. Começamos a preparar a nossa já "famosa" lentilha (receita do Matheus). Colocamos música alta para ajudar no preparo, enquanto que a Cláudia e o José foram atrás de cervejas.

Preparamos a mesa. O filho do José Luis não quis comer nossa comida, ele trouxe um miojo. Enfim, comemos. A comida tava bem boa, desta vez preparamos uma salada também. Experimentei a cerveja Imperial, da qual gostei bastante. A música de fundo era boa, as conversas iam aumentando conforme as garrafas de cervejas iam esvaziando. 

José Luis é professor de geografia do ensino médio. Ele nos explicou muitas coisas sobre as questões políticas e sociais da Argentina. Passar a noite ali, tendo uma aula gratuita regada a cerveja foi bem bom. Ele nos explicou sobre a divisão da Patagônia entre Chile e Argentina. Falou sobre a Guerra das Malvinas. Questionou o governo Macri e sobre seu governo ser péssimo para o sul do país. José falou sobre os parques nacionais e nos informou que o Parque Nacional Los Glaciares era o segundo mais visitado da Argentina, só perdendo para o Parque Nacional Iguazú.  

1141890256_mini_WhatsAppImage2019-02-18at10_41_34AM.jpeg.3c08bf1801153afef27ef015a57079d2.jpeg

Foto 12.26 - O jantar (Matheus, Eu, Ale, José Luis e Cláudia)

Das coisas que mais me chamou a atenção nos ensinamentos de José Luis, foi a questão do presidente Roca e o povoamento da Patagônia. Eu já havia lido algumas coisas sobre o assunto, mas saber de detalhes e da forma fria que isso foi feito, me marcou bastante. O presidente Roca e a Patagônia estão diretamente ligados, é muito fácil ver o nome do Roca em tudo o que é lugar, só de lagos conheci dois lagos chamados Roca, avenidas são incontáveis. O fato é que o ministro da guerra/presidente Roca no final do século XIX estimulou a matança dos indígenas patagônicos, para assim dominar as terras do sul da América do Sul. Sua desculpa para tal fato é que se os argentinos não fizessem, os chilenos fariam e dominariam tais terras. Quem ia para guerra contra os desavisados índios ganhava uma porção de terra, e assim, a Argentina foi povoando a Patagônia com os de sangue de seu próprio sangue, leia-se o sangue de estrangeiros europeus. Matava um índio e colocava um "argentino" no lugar para cuidar das terras. Para resumir, o que aconteceu foi um genocídio dos índios mapuches na Patagônia Argentina, com a sempre eficaz desculpa do desenvolvimento e de um inimigo imaginário.

Ainda falamos sobre futebol e a precoce eliminação do River Plate no mundial de clubes. A discussão Messi x Maradona surgiu e acabou de forma rápida. Pois, José Luis e a Cláudia diziam: "Maradona jogava sozinho, o Messi precisa de um time". Assim, a questão estava resolvida. Ficamos também um bom tempo comparando Brasil e Argentina na questão social, histórica, política e no futebol. Já era madrugada, quando o José Luis foi embora. Logo em seguida, fomos dormir.

Agora quero voltar aquela decisão tomada no início deste dia. Primeiro, eu pensei na possibilidade e fui falar com o Matheus. Juntos transformamos a possibilidade em decisão, mas antes de falar sobre a decisão tomada quero falar um pouco dos nossos planos de início de viagem.

Nossa viagem desde o início foi dividida em três etapas. A primeira era chegar em Ushuaia percorrendo a Ruta 3. A segunda etapa era conhecer El Calafate e El Chaltén. A terceira seria o caminho de volta. No caminho de volta, queríamos percorrer toda a Patagônia Andina pela Ruta 40, de El Calafate até Mendoza. O Matheus sonhava mais alto, queria chegar até Purmamarca, no norte da Argentina, que tem como acesso a própria Ruta 40. Quando saímos de Rio Claro, mal sabíamos se iríamos conseguir chegar em Ushuaia, e agora já estávamos em El Calafate. Dias antes, já estávamos fazendo planos e arrumando contatos de hospedagem para cidades que queríamos conhecer pela Patagônia Andina, tipo: Bariloche, San Martin de los Andes e El Bolsón. Voltar pela Ruta 40 era possível. 

No entanto, havia feito algumas contas na cabeça. O restante do nosso dinheiro dava para fazer o caminho de volta de ônibus até a fronteira com o Brasil e sobrava algum dinheiro que dava para conhecer El Chaltén. Outra opção seria apertar esse dinheiro, como havíamos feito até aqui, e seguir pela Ruta 40, o problema é que se precisássemos pegar ônibus pela Ruta 40 (que é muito mais caro que pela Ruta 3) quando caronas não rolassem, o dinheiro acabaria rapidamente e ficaríamos sem grana para comer (comida é caro na Patagônia). Enfim, escolhemos a opção conservadora.

Novamente, acompanhamos a Cláudia no café da manhã. Ela sairia de férias daqui a dois dias e viajaria para rever a família em Formosa no norte argentino, estava bem animada por isso. Nessa manhã, ela contou a sua história, contou sobre seu casamento, os motivos dela ter viajado para o sul, sobre o término do casamento, sobre seu novo namoro, sobre a vida difícil que se tem no norte do país. Foi muito legal a conversa e a confiança que ela já depositava em nós.

A Cláudia nos aconselhou em ir tomar mate nos arredores do Morro El Calafate naquela manhã. Esquentamos a água, colocamos na térmica e fomos. Estranho aquele cenário desértico no qual estávamos ser tão próximo do exuberante Glaciar Perito Moreno. Adentramos em diversas trilhas, nos perdemos bastante, mas conseguimos achar uma boa sombra para ficar de bobeira tomando mate. O arredor do Morro El Calafate é muito bonito, com um grande cânion e um rio embaixo para dar um charme ao lugar.

mini_20181218_110251.jpg.7e7fa9dd1dbade3d2d63073a86d0a9c0.jpg

Foto 12.27 - Trilha

mini_20181218_113940.jpg.2061934e7d72f5e7f84c7de58e2b4896.jpg

Foto 12.28 - O caminho para a sombra

mini_IMG_5775.JPG.610557b4035b9aebd44b25abbc1e0f3e.JPG

Foto 12.29 - O rio

mini_20181218_113638.jpg.5442be0bffca39fe22ccd5040b7e1288.jpg

Foto 12.30 - O Lago Argentino anuncia-se ao fundo

mini_IMG_5771.JPG.fe193e680982d1651e204dcd696a5a87.JPG

Foto 12.31 - Admirando o Lago Argentino

Fomos para a rodoviária e compramos nossas passagens de ida e volta para El Chaltén, além de comprar nossa passagem de El Calafate até Buenos Aires. Depois, seguimos em direção ao Lago Argentino. Caminhando pelo centro da cidade encontramos o Bruno, o motoqueiro que havíamos conhecido em Ushuaia. Conversamos um pouco, ele passaria mais uns dias em El Calafate e depois rumaria para El Chaltén, combinamos de nos encontrar em El Chaltén. Seguimos a caminhada rumo ao Lago Argentino.

mini_IMG_5777.JPG.1fd8782f08c6dd8790290f56aab7f5a8.JPG 

Foto 12.32 - El Calafate

mini_IMG_5778.JPG.eb82856488e7c68ab26d794c9c78667f.JPG

Foto 12.33 - El Calafate

Tem uma definição do Fernando Birri sobre utopia que é a seguinte: “A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.”. A busca pelo Lago Argentino neste dia tinha um pouco desta utopia, pois víamos o lago e ele parecia estar muito próximo. Caminhávamos, caminhávamos, e parecia que o lago ficava mais distante. Caralho! Teve uma hora que parecia que o lago estava a alguns passos, mas nada, andava, andava e a cada passo parecia que se distanciava mais. Uma hora, não aguentei e sai correndo. 

Cheguei a beira do lago, olhei para trás e uns pássaros esboçavam atacar o Matheus. Sentei e fiquei em silêncio por um tempo só observando o meu redor. O melhor de tudo foi ver uma infinidade de pássaros sobrevoando aquele azul vibrante. Não tenho muito o que falar, a não ser dizer que aquele lugar é lindo demais.     

mini_IMG_5784.JPG.d654266fedeace824475fa412b741808.JPG

Foto 12.34 - Esse lago que não chega

mini_20181218_172622.jpg.c6914490310c783c667c870cac78cd3e.jpg

Foto 12.35 - Lago Argentino

mini_20181218_172656.jpg.8b9b02cb1a4cfc600e2dbf24effc414e.jpg

Foto 12.36 - Lago Argentino

mini_IMG_5791.JPG.615cc9ad8884c0c3e61a29426fc0f301.JPG

Foto 12.37 - Matheus e o Lago Argentino

mini_IMG_5806.JPG.c34bd52728ea150939ad7bcce247064c.JPG

Foto 12.38 - A paz

A família Kirchner tem uma casa em El Calafate. O falecido ex-presidente Nestor Kirchner é natural de Rio Gallegos e já governou a província de Santa Cruz também (El Calafate é uma cidade da província de Santa Cruz, cuja a capital é Rio Gallegos.). Neste dia, tinha um rebuliço na cidade, pois existia um boato que a ex-presidenta Christina Kirchner estava na cidade. 

Voltamos para a casa da Cláudia. Fizemos cachorro quente a la brasileira. Comemos bastante. Conversamos e ouvimos muita música. A noite foi leve e muita boa. No dia seguinte arrumamos nossas coisas e ficamos de bobeira o resto da manhã. Esperamos a Cláudia para almoçar, comemos o restante do cachorro quente. Ela nos levou até a rodoviária, com um abraço apertado me despedi da Cláudia. Corremos para o ônibus que já estava partindo.

El Calafate é um dos lugares mais incríveis que tive a oportunidade de conhecer. As fotos não traduzem em nada o que é o lugar, pois o melhor é a experiência sensorial que a cidade proporciona. Falando na cidade, ela tem uma ótima estrutura para receber turistas, cheia de hotéis, hostels e restaurantes. O clima no verão é muito agradável e como quase todos os lugares na Patagônia, é um lugar seguro de caminhar e de se estar. Os dias na cidade foram muito bons para mim e conviver com a Cláudia fez tudo ficar mais leve. Só tenho a agradecer a Cláudia por abrir a porta de sua casa e nos receber com sua alegria. Muito obrigado Cláudia, um beijo e toda paz em seu caminho.

 

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por @duane.santo
      Esse é o meu relato de viagem sobre meu mochilão de 17 dias pela patagônia argentina e chilena. Não liguem pro tempo verbal, tem coisa que estou escrevendo ao vivo e tem coisa que estou escrevendo depois que aconteceu.

      Roteiro:

      18/10 - Rio x Santiago (escala de madrugada em Santiago)
      19/10 - Santiago x Punta Arenas x Puerto Natales
      20/10 - Punta Arenas x Torres del Paine
      21/10 - Torres del Paine
      22/10 - Torres del Paine
      23/10 - Torres del paine x Puerto Natales
      24/10 - Puerto Natales x El Calafate
      25/10 - El Calafate
      26/10 - El Calafate x El Chalten
      27/10 - El Chalten
      28/10 - El Chalten
      29/10 - El Chalten
      30/10 - El Chalten x El Calafate
      31/10 - El Calafate x ushuaia (avião)
      01/11 - Ushuaia
      02/11 - Ushuaia
      03/11 - Ushuaia x Brasil

      A escolha do roteiro:

      Por que vou fazer nessa ordem, já que começar pela Argentina é mais barato?
      Meu motivo principal da viagem é conhecer Torres del Paine, então minha ideia foi começar por lá, já que eu chegaria com o corpo descansado pra fazer as trilhas do parque.

      Por que eu não vou direto para El Chalten depois de Torres, daí vou pra El Calafate de uma vez e pego o voo direto?
      Como calafate não tem trilhas seria o meu descanso entre as duas cidades que mais vou fazer trilhas. Então preferi colocar no meio para descansar (entre torres del Paine e El Chalten).

      O que eu reservei antes? Quanto paguei? Por que?

      1 - Reservei os campings em maio, pq sou ansiosa e fico com medo de não conseguir depois. Reservei no cartão de crédito em única parcela (não lembro se dá pra parcelar), com a cotação pro real de 4,60 aproximadamente.
      Farei o circuito W, optei por 4 dias e escolhi reservar a barraca com eles.
      Camping Central - 25 dólares (21 dólares barraca alugada e montada)
      Camping Francês - 25 dólares (21dólares barraca alugada e montada)
      Camping Paine Grande - 11 (30 dólares barraca alugada e montada)
      Total aproximadamente: 611,80 reais.

      2 - Paguei o mini trekking com a hielo y aventura no Brasil também: 6500 pesos argentinos, que no cartão de crédito veio por uma cotação de 4,60 e no final paguei 543,83 reais. Esse valor está incluso apenas o transfer e o mini trekking. Chegando no parque tenho que pagar minha entrada: 800 pesos argentinos.

      3 - Paguei o passeio que vou fazer em ushuaia com a Piratur. Tá sentado? Total de 746,26 reais. Está incluso o transfer e pelo preço pensei que eu poderia levar um pinguim pra casa. Além do transfer tem a navegação do canal beagle e a entrada na estância. O nome do passeio é: caminhada + navegação.

      Os passeios 2 e 3 eu reservei com antecedência pelo motivo de eu ter pouco tempo nas cidades e roteiro apertado e eu não queria correr o risco de não ter vaga (apenas essas empresas fazem estes passeios, então não tem a opção de pesquisar preços).
      4 - Ônibus que faz o trajeto Punta Arenas Aeroporto - Puerto Natales. Paguei 7400 CLP = 47 reais. Ou seja, se você não pretende ficar em Punta Arenas, faz esse caminho direto, o valor é o mesmo caso você pegasse o ônibus na rodoviária.

      Quanto estou levando de dinheiro?
      Troquei meu dinheiro duas vezes:
      1 vez = 1684 reais = 400 dólares
      2 vez = 1281 reais = 300 dólares
      O dólar estava super em alta esse ano então eu juntei o dinheiro e fiquei de olho na cotação todo dia, toda hora em desespero mode on. O site que eu uso pra acompanhar a cotação é melhorcambio.com e lá eu faço a proposta de quanto eu quero pagar no dólar. 

      Planejamento
      Antes de iniciar a viagem eu fiz uma planilha com todos os gastos de hospedagens e transportes que eu achei na internet, fiz o câmbio pra dolar e decidi levar esse valor citado.

      Início do relato:
      18/01 - A caminho

      Meu vôo tava marcado pra 17:10. Cheguei no aeroporto com bastante antecedência, pois eu tinha que consertar meu nome no bilhete de embarque do voo que eu faria no meio do mochilão (calafate-ushuaia). Separei meu líquidos no zip lock, mas como sempre ninguém viu. Tava na tensão sem saber se conseguiria embarcar com meu bastão de caminhada e meu pau de selfie, segundo as regras é proibido, mas coloquei eles na parte de dentro da minha mochila (50l _quechua) e deu tudo certo. Como meu voo estava cheio a companhia ofereceu despachar as bagagens, eu aceitei, não tava querendo procurar vaga pra ela no avião mesmo. Comi um bolinho Ana Maria na sala de embarque e esperei meu momento. Embarquei.
      Tô levando comigo alguns itens de comida, dizem que no Chile é um pouco chato a imigração. Então no papelzinho de imigração que a gente ganha no avião eu declarei que estava levando coisas de origem vegetal e/ou animal.

      O que eu levei de comida:
      1 pacotinho de chá mate
      1 pacote de cappuccino em sachês
      2 pacotes de amendoim grandes
      12 barras de proteína com bom valor nutricional
      09 snickers
      04 latas de atum
      02 pacote de cookies integral
      12 bananadas
      03 pacotes de bolo Ana Maria
      02 sopas com bom valor nutricional da essential nutrition (soup lift)
      03 barras de cereal
      01 pacote traquinas
      01 pacote de biscoito de arroz
      01 pacote de Club social
      01 caixa do chocolate talento versão mini
      09 quadradinhos de polenguinho
      05 geleinhas estilo cesta de café da manhã
      02 pacotinhos equilibri, estilo torradinhas

      Rolou tudo bem. Passei na parte de itens a declarar, a moça perguntou o que eu levava, eu contei, ela mandou passar no raio x e me liberou. Simples assim.

      Troquei 150 dólares no aeroporto de Santiago, pq tô com medo da cotação na patagônia ser pior.
      150 dólares = 101.574 CLP

      Gastos do dia (a partir do momento que entrei no aeroporto):
      "Janta" de Mc donalds: 5640 CLP

      Dica:
      Sempre comprar voo com uma conexão grande, pra dar tempo de se alimentar, trocar dinheiro, fazer tudo sem pressa. Meu voo aterrissou as 21:50 e terminei de fazer tudo as 23:40.
      Agora estou aguardando o próximo voo no aeroporto.
    • Por ekundera
      Patagônia - El Calafate, El Chaltén, Puerto Natales, Punta Arenas, Ushuaia - Fevereiro/2019 - 20 dias
       
      Planejamento para viagem
       
      Meu planejamento para a Patagônia aconteceu com uma antecedência de uns 6 meses, quando achei promoção de passagem pela Aerolíneas Argentinas. Comprei a chegada por El Calafate e a saída por Ushuaia, mas eu penso que o melhor itinerário para conhecer a região seja fazer o inverso, terminando por El Calafate. Acho interessante a viagem ir surpreendendo a gente cada vez mais de forma crescente, para a gente se encantar por cada lugar, sem achar que é mais do mesmo ou que o anterior tenha sido melhor.
       
      As hospedagens eu reservei pelo Booking, mas antes eu comparei com o Airbnb, mas não estavam assim tão vantajosos para compensar ficar em casa dos outros, tendo o trabalho de ter que combinar a chegada. De qualquer forma, achei essa parte de gastos um pouco alta, com diárias um pouco acima da média. E além disso, os lugares com melhor localização ou avaliação já não tinham mais vagas. Penso que a reserva para a região tenha que ser feita com maior antecedência.
       
      A melhor forma de se vestir na Patagônia, pelo menos para o período que fui, é usando umas 3 camadas. A primeira camada, com uma camiseta dry fit, porque ela absorve o suor e não fica encharcada, não deixando esfriar ainda mais em contato com a pele. A segunda camada, com uma blusa térmica (a minha preferida é um modelo que não seja tão aderente ao corpo, como a marca Wed’ze que encontrei na Decathlon). A terceira camada, um casaco que proteja por dentro e com material impermeável por fora, de preferência com capuz e que não seja tão volumoso, porque a gente tira em vários momentos e incomoda carregar na mão.
       
      Na parte de baixo, eu usava só a calça térmica primeiro e uma outra calça por cima. Não usei calça jeans nos passeios, levei essas com bolsos dos lados (achei uma que gostei demais numa loja de produtos para pesca). Levei também um par de luvas de couro fino, sem ser volumosas, gorro, cachecol, bota tipo tênis para trilha. Em alguns momentos eu pensei em comprar uma proteção para o rosto, estilo balaclava, mas eu fui adiando e depois já não compensava mais no final, mas eu tive muitas oportunidades para usar nos diversos passeios com vento gelado.
       
      Como eu faria conexão em Buenos Aires, a maior parte do dinheiro que levei foi o nosso real, para comprar pesos argentinos no banco do aeroporto. Algumas cédulas de reais que estavam com algum risco de caneta ou um leve rasgadinho eles não aceitaram e me devolveram. Eu também levei alguns dólares por precaução, para outros gastos que fossem necessários, que eu só usei para pagar algumas hospedagens (muitas cobravam 5% a mais se fosse pagar no cartão) e também para trocar por alguns pesos chilenos quando mudei de país.
       
      Para os passeios, é bom ter uma mochila para carregar lanche e água, além de ter as mãos livres quando a gente precisa se apoiar sempre durante as trilhas cotidianas. Óculos escuros também são essenciais para proteção do reflexo da neve. Quanto aos bastões para trilha, eu particularmente não tinha e não achei assim tão essenciais, mas muita gente que usa gosta, já que eles apoiam em caminhadas mais difíceis, além de diminuir um pouco o esforço dos joelhos.
       
      Na primeira cidade que cheguei, uma providência que tomei no primeiro dia foi comprar um chip para celular. Fiz um plano pré-pago para 20 dias na Claro, com 3gb por cerca de 30 reais. No entanto, não usei na viagem toda porque em El Chaltén não havia sinal (disseram que a Movistar poderia funcionar lá) e no Chile teria que pagar roaming.
       
      Para diminuir a quantidade de dinheiro que eu levaria, preferi reservar e pagar antecipadamente a maioria dos passeios que faria. Para um ou outro passeio, eu vi recomendação que era bom deixar reservado, podendo haver maior procura durante a alta temporada, correndo o risco de não ter vaga se comprado na véspera. Mas eu vi gente comprando lá mesmo, daí não sei se essa recomendação faz muito sentido.
       
      El Calafate
       
      Minitrekking Perito Moreno
       
      No primeiro dia, eu já havia deixado comprado o passeio do minitrekking ao Perito Moreno diretamente no site da Hielo & Aventura. Pelo que fiquei sabendo, somente esta empresa está autorizada a fazer o trekking no gelo. Quando outras empresas comercializam esse passeio, na verdade elas estão intermediando a venda, que terá a Hielo & Aventura como prestadora de serviços. Portanto, é bom comparar os preços para ver o melhor.
       
      No dia do passeio, a van da empresa passou no hotel no horário combinado e passou em alguns outros hotéis para pegar mais alguns turistas. Um tempinho depois, a van foi substituída por um ônibus com maior capacidade de pessoas e assim partimos para o Parque Nacional de Los Glaciares. Um funcionário do Parque entra no ônibus e faz a cobrança da taxa de visitação de todos os visitantes. Caso vá fazer outro passeio dentro do Parque outro dia, é concedido desconto, ficando mais barato comprar, por exemplo, para dois dias na mesma compra do que comprar separadamente a cada dia que for visitar.
       
      No dia em que fui no passeio, o grupo fez primeiramente o trekking na geleira e só depois que explorou as passarelas. No entanto, vi outras pessoas que fizeram o inverso, começando pelas passarelas e finalizando pelo trekking. Não sei dizer se é devido às condições climáticas, coisa que pode favorecer uma mudança na ordem das coisas, mas se trata do mesmo passeio e se vê a mesma coisa.
       
      Dentro do Parque, o ônibus estacionou e os turistas puderam usar o banheiro antes de pegar o barco para ir ao encontro do Perito Moreno. Enquanto o barco avança, a geleira vai se descortinando à frente e todo mundo quer ir para fora para fotografar de todos os ângulos porque realmente é lindo e não é todo dia que a gente vê esse cenário. Mas o vento gelado do lado de fora realmente é bem intenso. Chegando na outra margem, há uma edificação de madeira, com banheiro e área para se sentar, onde também podemos deixar nossos pertences enquanto dura a caminhada sobre o gelo.
       
       
       
      Depois de atravessar umas passarelas meio rústicas e andar um pouco nas margens do Lago Argentino, chegamos no lugar onde são colocados os crampones sob nosso calçado e começamos a caminhada na geleira, com algumas instruções do guia sobre a melhor forma de pisar. O circuito que fazemos no minitrekking não é difícil, não é cansativo, levando entre 1h30 e 2h. Todos andam em um ritmo parecido, em fila, com todos praticamente pisando um no rastro do outro. É necessário que todos usem luvas (de qualquer tipo serve) porque, se alguém escorrega e bate a mão no gelo, pode se cortar. Mais uma vez, a gente quer tirar foto de tudo quanto é jeito e a experiência é incrível. Ao final da trilha, os guias oferecem bombom e preparam uma bebida com gelo do glaciar para brindar àquele momento.
       
       
       
      Após retirar os crampones, retornamos ao local onde deixamos os pertences e ficamos um tempo livres para explorar o lugar e fazer um lanche. É importante frisar que na margem onde se encontra a geleira não são vendidos alimentos e o barco demora um pouco para retornar para o outro lado. Eu havia deixado guardado na geladeira da pousada desde o dia anterior um sanduíche para levar, além de bastante água. É bom levar também outras coisas para petiscar ao longo do dia, tipo barra de cereais, frutas ou biscoitos.
       
      No meio da tarde, o barco nos levou de volta para a outra margem para a continuação do passeio. Pegamos o mesmo ônibus do início e rumamos em direção às passarelas de contemplação do Perito Moreno. As passarelas são extensas e há bastante para andar por elas, num sobe e desce de escadas para tirar fotos em vários ângulos. Para quem já caminhou pelas passarelas das Cataratas do Iguaçu, vai ver certa semelhança. Nesses pontos também presenciamos momentos em que pedaços da geleira despencam na água, gerando um espetáculo bem estrondoso. Próximo das passarelas, existe estrutura com banheiro e venda de comida e bebida, mas o monopólio deixa sempre os preços um pouco salgados.
       
       
       
      No final, todos se reúnem no local e horário estipulados previamente e são levados aos respectivos hotéis ou ficam no centro, como preferirem.
       
      Navegação Rios de Gelo
       
      Para o segundo dia, eu havia comprado previamente o passeio pela empresa Patagónia Chic. A van passou na pousada e rumamos para o porto para fazer a navegação Rios de Gelo. Recomendo gravar bem a van e o motorista, porque quando a gente volta é uma confusão de vans que fica difícil saber qual é a nossa. Como eu já tinha a entrada do Parque Nacional, comprada no dia anterior para dois dias, não precisei pegar a fila para pagar e já fui direto para a embarcação. Pelo frio e chuva que estava lá fora, achei o interior do catamarã bem aconchegante, e no começo achei até meio monótono.
       
      Como é um passeio bem confortável, em que a gente não precisa andar ou se esforçar, achei bem numerosa a quantidade de pessoas idosas. Em alguns momentos, eu me senti numa espécie de cruzeiro da terceira idade, com velhinhos cochilando, enquanto a guia falava num ritmo que embalava feito canção de ninar.
       
       
       
      Um tempo depois de navegação, a gente começa a passar por icebergs e se aproxima de montanhas nevadas que deixam qualquer um extasiado. Já não havia mais chuva e muita gente já se arriscava a sair do conforto para tirar umas fotos do lado de fora. Como a embarcação diminui a velocidade em vários momentos, apesar do frio no exterior, dá para sair em alguns momentos e gastar espaço no cartão de memória.
       
       
       
      A navegação também se aproxima das grandes geleiras Upsala e Spegazzini, além de ir contando aspectos sobre a região, deixando o passeio bem informativo. É incrível a dimensão que essas geleiras alcançam e o espetáculo visual que produzem. A todo momento todos querem fotografar e tem hora que fica difícil achar um espaço sem ninguém para gente também levar recordações desse passeio incrível.
       
       
       
      O catamarã tem serviço de comida e bebida, mas muita gente leva o seu próprio lanche. Como é um passeio que dura a manhã toda e um pedaço da tarde, é bom estar preparado para isso.
       
      Glaciarium, Glaciobar, Laguna Nimez
       
      Saindo do estacionamento da Secretaria de Turismo Provincial, no Centro da cidade, há vans gratuitas de ida e volta ao Glaciarium com regularidade a cada meia hora a partir das 11h. Como a quantidade de assentos na van é limitada, é bom chegar um pouco antes para conseguir sentar, senão terá que esperar o próximo horário (aconteceu isso com os últimos da fila quando fui). O acesso é rápido e a visão do Lago Argentino pelo caminho é linda.
       
       
       
      O Glaciarium é um centro de interpretação com exposição de painéis, vídeos e outros recursos sobre as geleiras, com um arsenal de informações sobre o clima daquela região. De modo geral, a maioria das informações sobre o clima e as geleiras está distribuída em painéis e infográficos em espanhol e em inglês ao longo das paredes do lugar. Como vi muita gente falando bem das exposições, eu até achei que fosse gostar mais, mas a verdade é que achei meio monótono e de interesse para quem deseja conhecer de maneira mais a fundo do assunto. Como em alguns passeios a gente acaba ouvindo dos guias algumas informações sobre as geleiras, a ida ao Glaciarium acaba sendo repetitiva e, ouso dizer, até dispensável para quem não tem muito tempo na cidade.
       
      O Glaciobar fica no mesmo prédio do Glaciarium, com acesso na portaria do lado por uma pequena escada que leva ao subterrâneo. O ambiente é praticamente todo em gelo internamente, inclusive os copos em que as bebidas são servidas. A temperatura é perto de -10°C e na entrada são oferecidas roupas e luvas térmicas para suportar o frio intenso. O ingresso dá direito a consumir as bebidas disponíveis no local por 25 minutos. É uma experiência curiosa e talvez seja interessante só para fotos, mais do que pelas bebidas, já que eu procurei algumas vezes pelo garçom para repor a bebida e ele estava cuidando de outras coisas, demorando um pouco a reaparecer.
       
       
       
      Na volta da van do Glaciarium, fui a pé até a Laguna Nimez, que está próxima da região central. Trata-se de uma reserva natural, onde há uma trilha curta para percorrer ao redor da pequena lagoa. Lá se avistam pequenas aves e vegetação típica, com algumas placas informativas pelo caminho. Basicamente é isso e não achei interessante, já que nos outros passeios vi as mesmas coisas, mas em dimensões maiores. Para quem curte mais a contemplação de patos e algumas outras aves, talvez o passeio possa ser melhor proveitoso.
       
       
       
      El Chaltén
       
      Chegada na cidade
       
      Peguei o ônibus às 8h da manhã em El Calafate e cheguei a El Chaltén às 11h. Como eu havia feito a compra com antecedência pela internet no site da empresa Chaltén Travel (plim-plim! olha o merchandise), pude escolher a primeira poltrona na parte superior, de onde se tem uma bela e ampla visão. E o cenário quando está perto de chegar na cidade é mesmo de encher os olhos, já que El Chaltén fica cercada por montanhas nevadas.
       
      Já na entrada da cidade, antes do ônibus chegar no terminal, ele passa pelo Centro de Visitantes e todos descem para ouvir as instruções sobre as trilhas e a segurança dos visitantes. São separados dois grupos, cada um para um idioma (espanhol ou inglês), pega-se um mapa das trilhas ao final e daí todos estão liberados para voltar ao ônibus para finalmente chegar no terminal. El Chaltén é uma cidade pequena, onde se faz praticamente tudo a pé, então chegar nas hospedagens é rápido. Além disso, as trilhas são muito bem sinalizadas e não dependem de auxílio de guia, podendo qualquer pessoa fazê-las de forma independente.
       
      Como eu tinha uma tarde livre pela frente, resolvi fazer duas trilhas curtas, cujo ponto de partida é o Centro de Visitantes, na entrada da cidade. A caminhada mais curta é para o Mirador de los Cóndores, com 1 quilômetro para ser percorrido em cerca de 45 minutos (ida + volta = 2km, 1h30). O início da trilha é plano e fácil, mas depois vira uma subida em uma pequena montanha, que faz a gente se cansar um tantinho. No final, a gente é brindado com uma visão panorâmica da cidade, dos rios que passam por ela e das montanhas ao redor.
       
       
       
      Como no meio do caminho para o Mirador de los Cóndores havia uma bifurcação com uma placa indicativa para outra trilha, cheguei até esse ponto e daí parti para o Mirador de las Águilas. É uma trilha de 2 quilômetros a serem percorridos em cerca de 1 hora (ida + volta = 4km, 2h). Como sempre, a gente se cansa mais na última parte, subindo um pequeno morro. Lá de cima, a gente tem a visão dos montes mais famosos vizinhos da cidade, Cerro Torre e Fitz Roy, um pouco envolvidos nas nuvens, mas uma vista linda.
       
       
       
      Laguna Torre/Cerro Torre
       
      Para o segundo dia, minha intenção era pegar a van para a Hostería El Pilar e, a partir dali, fazer a trilha para a Laguna de los Tres, na base do Cerro Fitz Roy. Como não havia mais vaga na van, deixei comprado o bilhete para fazer essa trilha no dia seguinte. Então mudei os planos e parti para a trilha rumo à Laguna Torre, aos pés do Cerro Torre. São cerca de 9 quilômetros a serem percorridos em cerca de 3 horas (ida + volta = 18km, 6h). Munido de sanduíche, alguns bilisquetes e água na mochila, parti para o início da trilha no final da Av. Antonio Rojo, lado oposto à entrada da cidade. Depois de subir uma escadaria bem acessível, precisamos vencer uma subida bem íngreme num pequeno monte, de onde se inicia a sinalização para a Laguna Torre.
       

       
      Ao longo do caminho, vi mais turistas europeus do que latinos e muita gente simpática que sempre se cumprimenta quando se cruza. Perto do início da trilha, já precisamos dar a volta em algumas montanhas, passando por um caminho próximo ao despenhadeiro, onde vemos rios correndo lá embaixo. Os momentos mais difíceis são quando as subidas são insistentes, somadas com grande irregularidade do terreno, de forma que precisamos achar a pisada que nos impulsione cada vez mais para cima. Como em vários pontos das trilhas há riachos com água potável, é fácil repor a água que levamos. Quanto a banheiro, só em dois momentos: no Mirador del Torre e quando passamos pelo acampamento D’Agostini, que fica já bem próximo à Laguna Torre. O banheiro nada mais é que uma cabine fechada com um buraco no chão, bem nojentinho mesmo.
       

       
      Uns poucos minutinhos depois do acampamento, a gente já se depara com a Laguna Torre à nossa frente, emoldurada pela geleira que desce até a base das montanhas que a margeiam. Dentro da pequena lagoa, alguns blocos de gelo de vários tamanhos conferem uma maior beleza ao cenário. Ao redor da lagoa, pelo lado direito, a trilha sobre o monte leva ao Mirador Maestri, com mais 2 quilômetros a serem feitos em cerca de 1 hora. É uma caminhada puxada, com subida e bastante pedra de todo tamanho pelo caminho e a gente sua no frio para fazer. A vista nesse ponto é do fundo da lagoa, onde a gente consegue ter uma visão mais ampla da geleira tocando a água.
       

       
      Laguna de los Tres/Cerro Fitz Roy
       
      Com o transporte para a Hostería El Pilar já comprado, a van me pegou na pousada cerca de 8h da manhã e mais alguns turistas em outras hospedagens. Eram quase 9h quando desembarcamos no início da trilha, de onde começamos a caminhada rumo à Laguna de los Tres, aos pés do Cerro Fitz Roy, maior montanha de El Chaltén, um grande paredão de granito com inclinação vertical que desafia muitos escaladores.
       
      A trilha tradicional de El Chaltén até a Laguna de los Tres é de 10 quilômetros, com tempo estimado de 4 horas (ida + volta = 20km, 8h), sendo levemente abreviada quando partimos da Hostería El Pilar. Além disso, indo por um lugar e voltando pelo outro, o caminho proporciona duas visões diferentes para o passeio. Há mirantes distintos para o Fitz Roy em ambos os caminhos, então certamente haverá também lembranças fotográficas em maior quantidade de ângulos. Ambos os caminhos possuem subidas cansativas em alguns trechos que fazem a gente suar mesmo no frio. O ponto onde as duas trilhas se encontram é no acampamento Poincenot.
       
       
       
      Logo após o acampamento, identificamos uma placa no pé de uma subida, informando que a partir dali está o último quilômetro para a trilha em um nível difícil, com tempo estimado em 1 hora. À medida que caminhamos, a subida vai exigindo cada vez mais esforço, com degraus, pedras, inclinações variadas, neve, gelo, pequenos arbustos, água derretida da neve, enfim, precisamos tomar fôlego em vários momentos para continuar. Quando olhamos para trás, vemos que a inclinação do morro é bem íngreme, que dá certo medo. Mas ao mesmo tempo, a visão ao redor é linda e bem fotogênica, com toda a vegetação coberta por neve, cercada por montanhas também nevadas ali do lado.
       
      Depois de muito esforço e várias paradas, suando um tanto, a chegada ao topo proporciona uma das visões mais lindas que vi na viagem. Se eu fosse escolher apenas uma trilha para fazer, de todas as que fiz, essa é a que eu escolheria como preferida. A Laguna de los Tres tem uma cor linda e estava toda cercada pela neve. Do Mirador Maestri, que é o ponto onde chegamos após a cansativíssima subida, avistamos neve em todo o nosso redor. Adicionalmente, de todas as visões que tive do Fitz Roy dos diversos lugares na cidade, este foi onde consegui enxergá-lo inteiramente, sem o manto de neblina encobrindo parte dele.
       

       
      Após um tempo de deslumbramento, a descida do morro cansa um pouco, mas agora é mais rápido e a gente já sabe o que esperar no fim da caminhada de volta. Em certo ponto no caminho para El Chaltén, haverá uma bifurcação onde a gente pode escolher ir pelo mirador ou pela Laguna Capri. Escolhi a Laguna e achei linda a cor esmeralda de suas águas contrastando com o branco da neve das montanhas ao redor. Bem próximo da Laguna, está o acampamento Capri, onde também existe banheiro.
       

       
      Como não há ônibus saindo direto de El Chaltén para Puerto Natales, no dia seguinte voltei para El Calafate para ficar mais um dia na cidade e pegar o ônibus que saía para o meu próximo destino. Foi um dia perdido, que não quis fazer muito esforço, então me hospedei do lado do terminal para não ter muito trabalho.
       
      Puerto Natales
       
      Chegada na cidade
       
      Com passagem já comprada pela internet com antecedência na empresa Cootra, peguei o ônibus em El Calafate às 7h30 da manhã. Como a viagem atravessa a fronteira da Argentina para entrar no Chile, é necessário apresentar passaporte no guichê da empresa no terminal. A chegada em Puerto Natales estava prevista para às 13h, então levei também alguns belisquetes para não morrer de fome.
       
      Na fronteira do lado argentino, todos descem do ônibus para carimbar a saída do país na imigração. Como tem fila e nem todos cabem dentro do pequeno espaço de atendimento, a fila do lado de fora vai sofrendo com o vento gelado até terminar o processo. Com todos de volta ao ônibus, rapidamente chegamos no território chileno, em que todos descem novamente para carimbar o passaporte, mas desta vez a bagagem também é inspecionada. Após o atendimento no guichê, passamos malas e mochilas no raio-x e, se houver produtos in-natura de origem animal ou vegetal, não é autorizado levar. As pessoas têm que jogar fora inclusive frutas, mesmo que seja uma unidade para consumo imediato.
       
      Com todos devidamente autorizados, chegamos ao terminal de Puerto Natales no início da tarde. Após me instalar na pousada, saí com uns dólares em mão para trocar por pesos chilenos em alguma casa de câmbio no centro. Um fato que achei curioso na cidade foi que muitos estabelecimentos comerciais fecham para o almoço e só abrem às 15h, como foi o caso das casas de câmbio que me indicaram na hospedagem. E as refeições na cidade eu achei bastante caras, de modo que eu revezava entre pratos e comidas rápidas para ficar dentro do orçamento.
       
      Puerto Natales é uma cidade pequena, com um centro cujo ponto de referência é uma praça principal, a Plaza de Armas, e nos seus arredores estão algumas pequenas atrações turísticas, como a catedral, o museu histórico, a região portuária, uma ou outra escultura em pequenas praças ao longo da costa, o mercado de artesanato, que achei minúsculo e com muita pouca opção de produtos. É uma cidade tranquila, basta essa parte da tarde para conhecê-la, não mais que isso. Na verdade, o que me levou até ali foi ter a cidade como base para conhecer o Parque Nacional Torres del Paine, onde estão as famosas montanhas de mesmo nome.
       
       
       
      Full day Torres del Paine
       
      Para o primeiro dia, eu havia reservado pela internet com a empresa Patagonia Adventure o passeio Full day Torres del Paine. A van passou na pousada às 7h30 da manhã, pegou mais alguns turistas e iniciou o passeio com visita ao Monumento Natural Cueva del Milodón. Trata-se de uma grande caverna onde foram encontrados vestígios de um animal pré-histórico de cerca de 3 metros de altura, semelhante a uma preguiça gigante. É um passeio curto, onde recebemos informações sobre a fauna extinta da região, além de entrar na caverna e ver a estátua que reproduz o milodón.
       

       
      Logo após, a van ruma para o parque nacional, onde pagamos entrada e iniciamos a exploração aos principais atrativos naturais. Tivemos a sorte de encontrar um grupo de guanacos (parentes da lhama) e avestruzes na beira da estrada. O passeio passa por alguns mirantes com rios e lagoas emoldurados por belíssimas montanhas nevadas, faz uma parada numa área com mais estrutura, próximo ao Lago Grey, onde há restaurante, em que podemos comprar alimentos e bebidas, claro que um pouco mais caros do que na cidade, então muita gente leva o seu sanduíche.
       

       
      Nessa área do Lago Grey, ficamos livres durante um tempo para ir até a praia de areia grossa ou cascalho, passando por uma ponte de madeira e cordas, que balança um pouco, mas é bem segura e resistente, e podemos avistar o Glaciar Grey um pouco ao longe. Apesar de no dia eu não ter visto, podem aparecer blocos de gelo flutuando na água. Durante essa caminhada na praia de cascalhos, em vários momentos o vento era tão forte que muitas pessoas precisavam firmar os pés no chão para não ser derrubadas.
       
      As montanhas principais, que são as torres, com os três “cornos” verticais, a gente vê a uma certa distância, a partir de diversos pontos e mirantes, que eu achei melhor fazer um passeio no dia seguinte para complementar a visão mais de perto, com uma trilha exaustiva de um dia.
       

       
      Trekking mirador base das Torres del Paine
       
      No segundo dia na cidade, eu havia reservado com a mesma empresa do dia anterior (Patagonia Adventure) o tour guiado até a base das Torres del Paine. É um passeio de dia inteiro e com muita exigência de vigor para seguir o ritmo dos dois guias que lideram o grupo. Como não há lugar para comprar comida ou bebida pelo caminho, já deixei comprado meu sanduíche desde o dia anterior e guardei na geladeira da hospedagem. Água é bom levar bastante também, além de lanchinhos para aguentar o dia inteiro quase sem parar. Achei ótimo levar frutas secas e castanhas que encontrei no centro da cidade.
       
      A van passou na pousada às 6h30, pegou outros passageiros e rumou para o Parque Nacional. O ingresso que pagamos no dia anterior vale para esse dia também, mas é necessário colocar nome e número de documento quando fazemos a compra no primeiro dia, além de solicitar o carimbo na recepção do parque. Algumas pessoas que esqueceram de pegar o carimbo no dia anterior conseguiram mostrar que estiveram lá no dia mostrando fotos, mas é bom não correr o risco de se prejudicar tendo que pagar duas vezes.
       
      A van para no estacionamento do parque, onde há banheiros, e os guias oferecem bastões de trekking para quem quiser usar e daí iniciamos a caminhada de cerca de 11 quilômetros (ida + volta = 22km). Para não correr o risco de demorar demais a ir e voltar, eles impõem um ritmo moderado à trilha, indo um na frente e outro atrás do grupo. Em pouco tempo já estamos subindo ladeiras cansativas e praticamente sem parar durante um longo tempo. Ao longo do caminho, paramos no acampamento El Chileno, onde é possível usar o banheiro mediante pagamento (1 dólar/500 pesos chilenos).
       

       
      A caminhada tem momentos de terreno plano, ficando mais fácil seguir o mesmo ritmo da maioria, mas tem também momentos que a subida vai diminuindo nosso ritmo e a gente precisa recuperar o fôlego muitas vezes. A última parte da trilha é mais pesada, onde a gente vai serpenteando montanha acima, passando por muitas pedras de diversas alturas, servindo de degraus pra gente impulsionar a próxima pisada pra vencer os obstáculos. A dificuldade é alta nessa última parte, mas não é tão longa quanto o trekking para a Laguna de los Tres, na base do Fitz Roy.
       
      O visual das três torres de perto é muito lindo, e lá na sua base a gente encontra muitos mochileiros que se sacrificaram por dias em acampamentos para fazer os circuitos por todo o seu entorno. Esta é outra opção para conhecer o lugar e vivenciar por mais tempo aquela experiência, mas é bom estar muito bem equipado, porque as condições climáticas não são das mais fáceis de encarar.
       

       
      Em relação ao trekking guiado, comparando com as trilhas que a gente faz por conta própria em El Chaltén, eu achei um pouco mais pesado a que fiz em Torres del Paine, já que eu não ditava o meu ritmo e, por isso, permanecia cansado por mais tempo. Mas como o Parque Nacional fica distante de Puerto Natales, cerca de 2 horas de carro, a gente acaba precisando do transporte muito cedo para chegar até ali. Só por isso que eu achei vantajoso contratar o passeio, mas para quem está em grupo e aluga carro, pode ser interessante fazer a caminhada até a base das torres por conta própria, já que o caminho é sinalizado e a gente encontra muita gente fazendo o trajeto.
       
      Punta Arenas
       
      Atrações na cidade
       
      Peguei o ônibus de 8h30 saindo de Puerto Natales a Punta Arenas, com passagem comprada antecipadamente pela internet na empresa Bus-Sur. São 3 horas de viagem. O terminal da empresa fica no centro da cidade, bem próximo à Plaza de Armas, a principal praça da cidade. Então é fácil ir a pé até a hospedagem se estiver perto dessa região.
       
      Punta Arenas é uma cidade bem charmosinha, com um centro muito bem organizado e bonito, com algumas atrações interessantes para visitar. A Plaza de Armas tem uma enorme escultura do português Fernão de Magalhães, responsável pela primeira navegação ao estreito de Magalhães, onde está localizada a cidade. O índio que compõe a escultura no centro da praça é a maior atração entre os turistas, já que se acredita que tocar o seu pé traz sorte.
       

       
      Ao redor da praça, as edificações são muito bonitas, e dentre elas está o Museu Regional de Magalhães, um lugar suntuoso em que o piso original, para ser conservado, precisa que usemos sobre ele protetores de tecidos nos pés, oferecidos na entrada. O que achei muito ruim foi o horário de funcionamento do museu, somente até às 14h, quando tive que sair rapidamente de lá, quase expulso pelos funcionários impacientes em encerrar as atividades do dia.
       
      Próximo dali, está o Museu Maggiorino Borgatello, com uma grande quantidade de informações sobre a região e que vale a visita. Um pouco mais adiante, próximo ao cemitério da cidade, há o Monumento al Ovejero, uma obra em tamanho natural a céu aberto, representando um trabalhador rural com suas ovelhas, cavalo e cachorro.
       
      Algumas quadras acima da Plaza de Armas, está localizado o Cerro de la Cruz, um ponto mais alto que serve como mirante, acessível por uma grande escadaria. De lá, é possível ter uma vista panorâmica da cidade e do Estreito de Magalhães.
       

       
      Outra atração, mas um pouco mais distante, já na saída da cidade, é o Museo Nao Victoria, a réplica da embarcação usada por Fernão de Magalhães no século 16 para a primeira viagem de circunavegação feita pelo português no Estreito que recebeu seu nome. Achei a chegada ao lugar meio complicada porque a motorista do Uber se perdeu e teve que dar uma volta grande para finalmente conseguir localizar. É possível subir e explorar a embarcação por dentro, assim como outra réplica que está do lado, usada no século 19 para a tomada do Estreito de Magalhães. O vento lá em cima é forte e gelado.
       

       
      Em Punta Arenas, há uma região comercial com zona franca, livre de impostos, com shopping e alguns grandes mercados multidepartamentais. O shopping eu não achei grande coisa, apesar de livre de impostos, os produtos encarecem para chegar à cidade pelo transporte. Achei até interessante um grande mercado que entrei, onde há de tudo um pouco, inclusive souvenirs, mas comprei só umas poucas coisinhas pequenas e baratas para não sofrer com o peso na mala e no orçamento.
       
      Islas Marta e Magdalena
       
      O principal passeio que me levou à cidade foi a navegação até as ilhas Marta e Magdalena. Reservei o passeio pela internet na empresa Solo Expediciones, mas esse foi o único que o pagamento ficou para ser feito no próprio dia.
       
      Às 6h30 da manhã me apresentei no escritório da empresa, bem próximo à Plaza de Armas, fiz o pagamento e entrei no ônibus que levava ao porto, que fica próximo. Todos desembarcamos do ônibus e entramos no catamarã em um dia chuvoso, mas a chuva só estava na cidade e não durante a navegação. Ao longo da navegação pelo Estreito de Magalhães, o guia em espanhol e inglês dá algumas informações, enquanto podemos avistar o espetáculo das barbatanas das baleias subindo até a superfície da água para respirar. Como a água é mais escura, não dá para vê-las abaixo da superfície, então não dava para saber onde elas apareceriam para registrar o momento.
       
      Um tempo depois, chegamos próximo da margem da Isla Marta, que é bem pequena, um rochedo com uma enorme quantidade de leões marinhos. Nessa ilha, contemplamos somente à distância, não é autorizado desembarcar nela por razões de proteção do ambiente dos animais. Como a embarcação fica parada por um tempo em frente à ilha, é possível ir para fora, sem o incômodo do vento muito forte, para registrar os leões marinhos em seu descanso matinal. Na ilha os animais estão protegidos das baleias, seus predadores, e podem nadar no seu entorno, protegidos por uma camada de algas que envolve o ambiente.
       

       
      Em seguida, fomos para a ilha Magdalena, onde todos desembarcamos para uma caminhada de cerca de 1 quilômetro no ambiente dos pinguins. O caminho é delimitado por um corredor de cordas, para não ultrapassarmos, que leva até um farol mais adiante na ilha. Como temos 1 hora para explorar o lugar, é bem tranquilo, sobra tempo, além de ser uma caminhada bem leve e sem dificuldades.
       
      Há uma grande colônia de pinguins na ilha Magdalena, que passam cerca de 6 meses por ali, durante primavera e verão, a temporada mais quente para troca de penas. Uma ressalva: só é quente no ponto de vista deles. Uma grande quantidade de buracos no chão, usados como ninho pelos pinguins, está espalhada pelo caminho onde andamos. Além de se protegerem do frio com a troca da plumagem, os ninhos também deixam filhotes a salvo dos predadores que rondam a todo momento, pássaros oportunistas, esperando algum descuido de um pai desatento.
       

       
      O passeio termina cerca de 12h e o ônibus nos leva de volta ao ponto de partida, no centro da cidade. Achei muito agradável, além de leve e não durar um dia inteiro, não precisando sacrificar o almoço.
       
      Ushuaia
       
      Chegada na cidade
       
      A saída de Punta Arenas foi às 8h15 da manhã pela Bus-Sur, com bilhete comprado pela internet. Como iria sair da Argentina para entrar no Chile, necessário apresentar passaporte no guichê antes de embarcar no ônibus. A previsão de chegada em Ushuaia era às 20h15, mas chegou cerca de18h30, mesmo assim foi uma viagem muito cansativa. Como não há paradas em lugares onde há comida, é bom levar o arsenal porque é praticamente um dia inteiro na estrada.
       
      Cerca de 2 horas depois de sair de Punta Arenas, o ônibus chega na travessia de balsa no Estreito de Magalhães, todos descem e embarcam na balsa, assim como todos os veículos que estão em fila aguardando. A travessia foi tranquila e rápida, menos de 30 minutos, mas já ouvi falar que pode ser mais demorada, dependendo da agitação das águas. Ao embarcar novamente no ônibus, como pode haver vários outros parecidos, é bom saber diferenciar qual o nosso. Eu mesmo quase entrei em outro, imagina onde iria parar.
       
      Um bom tempo de viagem depois, chegamos na fronteira, onde recebemos o carimbo de saída do Chile. Um pouco mais adiante, pegamos mais uma vez o carimbo de entrada na Argentina. Diferentemente da imigração no Chile uns dias atrás, na Argentina não pediram para fiscalizar a bagagem, foi um processo burocrático mais rápido. Depois de um longo tempo, finalmente chegando próximo a Ushuaia, o ônibus vai passando por uma região de montanhas, com curvas fechadas, mas com um cenário lindo. Achei que o assento do lado direito é beneficiado com a melhor vista.
       

       
      A melhor localização para se hospedar em Ushuaia é o mais próximo possível da Av. San Martí, que é a rua principal, longa e plana. As ruas que cruzam a San Martí em direção contrária à costa ficam em subidas bem cansativas. Os passeios partem dessas proximidades, onde está a zona portuária, as agências de turismos, pontos de vans e táxis, alguns museus, a placa do “fim do mundo”, a Secretaria de Turismo, onde tem internet gratuita e informações diversas aos turistas, bem útil. Na Secretaria também podemos carimbar o passaporte com dois modelos de estampa, é grátis.
       

       
      Pinguinera e Navegação pelo Canal Beagle
       
      Deixei reservado com antecedência pela internet no site da empresa Piratour o passeio desse dia. A Piratour é a única empresa que tem autorização para desembarcar na Isla Martillo, então qualquer outra empresa que também ofereça a caminhada com os pinguins na ilha apenas intermedeia a venda, tendo como responsável pela prestação do serviço a Piratour.
       
      O passeio iniciava com os turistas se apresentando no quiosque da empresa às 7h30 no píer. Como dura até o meio da tarde, é bom levar um lanche reforçado. Pegamos o ônibus com guia em inglês e espanhol e tivemos uma parada junto à floresta de árvores que sofrem a ação do vento muito forte e crescem para um lado, por isso sendo chamadas de “árvores bandeiras”. Logo após, chegamos na Estancia Harberton, onde há um pequeno museu de ossos de baleias e outros animais marinhos.
       

       
      O grupo de turistas é dividido em duas partes, enquanto uns vão direto para a Pinguinera, os demais ficam na Estancia na visita guiada; logo depois, revezam os grupos. O bote para a Isla Martillo leva um grupo reduzido de cerca de 20 pessoas, não podendo haver grande quantidade de gente por vez na ilha.
       
      É uma travessia curta, logo desembarcamos na Isla Martillo. Como visto na Isla Magdalena, ali também é um lugar onde há grande quantidade de buracos que servem de ninhos para os pinguins e o caminho para os turistas percorrerem é delimitado. Mas diferentemente da Isla Magdalena, na Isla Martillo não há um caminho para seguir por conta própria até o final da visita. Durante todo o tempo, a guia estava com o grupo e sempre chamava atenção quando havia muita proximidade com os animais.
       
      Na Isla Martillo, eu vi uma quantidade maior de pinguins concentrados em grupos, seja descansando próximos aos ninhos, seja na beira da água para pescar peixes. Dá para ver mais de uma espécie de pinguins, todos muito simpáticos.
       

       
      O frio era intenso por causa do vento insistente, então depois de uma quantidade de fotos, acho que muita gente já estava pronta para voltar até mesmo antes da 1 hora disponível na ilha. No meu caso, como eu já havia feito a visita na Isla Magdalena anteriormente, comparando com a Isla Martillo, eu preferi a primeira porque tinha maior liberdade para explorar a área maior e usar o tempo andando e vendo um pouco além do que a guia mostrava.
       
      Logo que voltamos à Estancia Harberton, os dois pequenos grupos que revezaram na Isla Martillo se juntaram de novo em um só e todos embarcaram num catamarã para a navegação no Canal Beagle. Em alguns pontos do Canal, navegamos em águas que dividem Argentina e Chile, sendo possível enxergar inclusive o povoado mais austral do mundo, Porto Williams, no Chile, o último do hemisfério sul.
       

       
      O passeio guiado é bem informativo, passando por lugares de destaque, como a Isla de los Lobos, um rochedo em forma de ilha com enorme quantidade de lobos marinhos estirados ao sol. Passamos também pelo Farol les Eclaireurs, o “farol do fim do mundo”, em uma pequena ilha com muitos pássaros aquáticos. Nesses pontos, o catamarã fica parado por uns minutos para ser possível ir até o lado de fora sem um vento tão hostil.
       

       
      Parque Nacional Tierra del Fuego
       
      Contratei esse passeio em uma agência aleatória que entrei no dia anterior na Av. San Martí. Não me lembro do nome, mas o passeio é bem padrão entre todas as agências que vemos pela cidade. A duração é de apenas meio dia. A van passou na minha pousada às 8h da manhã e levou todos para a estação do “Trem do Fim do Mundo”. Para aqueles que iriam fazer o passeio de trem, esses pagaram algo como 120 reais para um trajeto de cerca 1 hora a uma velocidade de uns 20 km/h. Como eu achei bem desinteressante, segui com os demais que preferiram fazer o trajeto na van, conhecendo alguns recantos do Parque Nacional enquanto o trem não chegava.
       

       
      No passeio do Parque Nacional, fazemos algumas trilhas rápidas e fáceis com um guia com vistas para vários lugares, como lagos, bosques, montanhas, mar. Muitas das vezes, o guia deixa o grupo explorar por um tempo o lugar, até a van nos levar para o próximo. Há lugares bem bonitos, com mirantes para as belezas naturais da região, mas eu acho que eu apreciaria ainda mais se já não tivesse visto tantos outros lugares ainda mais lindos, daí a gente acaba comparando um pouco.
       
      É no Parque Nacional onde está o “Correio do Fim do Mundo”, uma casinha charmosa de madeira sobre estacas no Canal Beagle que funciona durante o verão. Lá são vendidos cartões postais, selos e outros souvenirs, sendo possível ao viajante enviar correspondência do correio mais austral do mundo. Pena que os itens vendidos no correio são sempre bem mais caros do que na cidade.
       

       
      Também no correio é possível ser atendido pelo “carteiro do fim do mundo” para levar estampado no passaporte o selo e o carimbo do lugar por 3 dólares. A foto contida no selo é do próprio carteiro que atende ali, mas a gente percebe que já se passaram muitos anos desde quando ele passou a figurar no souvenir que levamos com sua cara no fim do mundo.
       
      Trekking Laguna Esmeralda
       
      Nesse dia pela manhã, fui até a Secretaria de Turismo me informar sobre as formas de chegar até o início da trilha para a Laguna Esmeralda. Procurei também uma loja de aluguel de roupas e acessórios para os passeios no frio. Escolhi uma bota impermeável cano alto. Depois de ver o estado da trilha, cheia de lama por todos os lados, sem opção de desviar da sujeira, achei um ótimo investimento que salvou meu calçado.
       
      Os meios de transporte que considerei para chegar no início da trilha foram táxi ou van. O táxi cobrava um valor equivalente a uns 110 reais (somente ida), enquanto a van cobrava cerca de 45 reais (ida e volta), então fui para o ponto em que as vans saem e esperei por cerca de uma hora, já que o serviço funciona com no mínimo 3 passageiros.
       
      O trajeto até o início da trilha é na estrada, cerca de 18 km. Encontrei alguém anteriormente na cidade que havia falado que fez esse percurso inteiro saindo da cidade a pé, mas eu preferi poupar um pouco o esforço. O lugar onde chegamos para iniciar a trilha fica num ponto mais alto e nesse dia fui surpreendido pela neve caindo nesse lugar, um cenário lindo, com uma cobertura branca pelo chão e vegetação, numa temperatura de 2°C.
       
      A trilha tem cerca de 4 quilômetros, com tempo estimado de 2 horas (fiz em 1,5 hora). Grande parte da caminhada é feita dentro de um bosque, com marcações em azul nos troncos das árvores, indicando o caminho para que a gente não se perca. Ao longo do caminho, como havia chovido durante a noite anterior, era impossível fugir da lama. Há também alguns pontos de subidas que cansam um pouco, mas não são tão extensos, dá para andar em uma toada bem constante.
       
      Quando a gente sai do meio do bosque e começa a andar por um descampado, a marcação do caminho passa a ser por estacas amarelas. Nesse trajeto, a lama e a terra mais fofa estão por todo lado e não dá para contornar o caminho. Em alguns pontos, até afunda um pouco, daí é bom ter cuidado onde se pisa, sendo útil procurar troncos e pedras para dar maior segurança. Mas depois que a gente se livra, segue ao longo de um riacho e já está pertinho da lagoa.
       

       
      A Laguna Esmeralda fica bem no pé de montanhas nevadas e é muito bonita. A cor das águas no dia que fiz o passeio não estavam na cor esmeralda porque o sol não saiu hora nenhuma, mas com sorte de um pouco de sol no dia do passeio, o passeio será ainda mais fotogênico.
       

       
      Saí com a bota muito enlameada, aliviado por não precisar permanecer com ela pelo resto da viagem. Peguei o transporte de volta e fui devolver o calçado na loja e restituir o meu, que havia ficado por lá.
       

       
      Atrações para um dia tranquilo na cidade
       
      No último dia em Ushuaia, eu só partiria à noite, então deixei a mala pronta na pousada, fiz check-out e aproveitei para fazer passeios mais leves, que não precisavam de deslocamentos por carro. Fui ao museu do presídio, onde também funciona galeria de arte e museu marítimo, no final da Av. San Martí. O lugar funcionou como prisão, quando os presos argentinos eram enviados para trabalhar e construir a cidade, onde os cidadãos comuns não tinham interesse em morar, dado o seu isolamento e frio constante.
       
      Achei meio cara a entrada para o museu, em torno de 60 reais, acaba não sendo um estímulo para todos visitarem. A primeira parte do museu traz uma grande quantidade de maquetes de embarcações de países diversos, muito bem feitas e detalhadas, com suas histórias que as fizeram importantes para a navegação. A segunda ala é maior e lá constam a história do presídio, seus presos mais famosos e uma variedade de artigos que fazia parte daquela realidade. Existe visita guiada, mas não coincidiu com o horário que eu estava lá. Mais adiante, há também o museu de arte, mas essa ala só abriria às 16h, então não visitei.
       

       
      Perto dali, visitei a Galeria Temática de História Fueguina, um prédio bonitinho, onde funciona um bar, a galeria mesmo fica nos andares de cima. É um museu de visita rápida, com reprodução de cenários e pessoas em tamanho natural, numa sequência fácil de percorrer, ao mesmo tempo em que a gente vai ouvindo o audioguia (idioma a escolha, inclusive português). São histórias que envolvem os elementos que estamos visualizando, e sua relação com o mundo da época que o cenário retrata. Acaba sendo um bom resumo de muita coisa que a gente viu nos diversos passeios na região.
       
       


×
×
  • Criar Novo...