Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Diego Minatel

O nosso norte é o sul: Atravessando Brasil e Argentina até Ushuaia ou O caminho para o fim do mundo

Posts Recomendados

20 horas atrás, Paulo Pittarello disse:

Parabéns pelo relato Diego! É muito legal estar acompanhando como se desenrolou a sua viagem!
Cada situação inesperada, não? Mas com certeza são essas situações e pessoas que fazem valer a pena... estarei acompanhando até o final, obrigado por compartilhar! 

Fala @Paulo Pittarello, belezera? Sim, o massa de viajar desta forma é nunca saber o que vai acontecer no momento seguinte. O negócio é se deixar levar e aceitar/aproveitar o que a estrada está te proporcionando naquele momento. 

Cara, fico muito feliz que esteja acompanhando e curtindo o relato, acho que vou tentar dar uma acelerada para terminar o quanto antes a escrita. Grande abraço, Paulo. Fica com a paz. 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

15 horas atrás, Leila Borges disse:

Belo relato, me senti viajando com vocês! Obrigado por compartilhar, esperando ansiosa as próximas postagens.

Muito obrigado, @Leila Borges! Fico muito feliz que esteja gostando do relato e acompanhado desde o início. Vou tentar acelerar as postagens para tentar terminar essa história o mais rápido possível. Mais uma vez, obrigado. Um beijo e fica com a paz.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 07/02/2019 em 15:30, Diego Minatel disse:

Eu fui tomar banho. Caraca! Como era bom tomar banho depois de tanto tempo e de tanta sujeira acumulada/alojada.

Conforme ia lendo pensava, meo, estes meninos não estão tomando banho! hahahahahahau Acho que esta seria minha maior dificuldade em uma viagem roots assim, que aflição! kkk

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
40 minutos atrás, Juliana Champi disse:

Conforme ia lendo pensava, meo, estes meninos não estão tomando banho! hahahahahahau Acho que esta seria minha maior dificuldade em uma viagem roots assim, que aflição! kkk

Hahahahaha acho que talvez seja a pior parte mesmo. Também dá uma vergonha de ser o fedidão dentro do carro/caminhão, mas foi só nesse trecho que acumulamos dias sem banho 😳😳😳

  • kkkkkkk 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Que aventura, Diego! Senti frio só de ler essa última parte. E a foto 10.1 dá bem uma ideia do vento... o cabelo do Matheus está parecendo um efeito de Photoshop! :D

  • Gostei! 1
  • kkkkkkk 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
5 horas atrás, LF Brasilia disse:

Que aventura, Diego! Senti frio só de ler essa última parte. E a foto 10.1 dá bem uma ideia do vento... o cabelo do Matheus está parecendo um efeito de Photoshop! :D

Hahahaha pior que é verdade mesmo. A foto 10.21 dá a impressão que eu sou mó fortão, mas é só efeito das roupas largas somada ao vento forte 😂😂.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 11 - Algumas das belezas de Ushuaia

"Antônio Pigafetta, um navegante florentino que acompanhou Magalhães na primeira viagem ao redor do mundo, ao passar pela nossa América meridional escreveu uma crônica rigorosa, que, no entanto, parece uma aventura da imaginação. Contou que havia visto porcos com o umbigo no lombo, e uns pássaros sem patas cujas fêmeas usavam as costas dos machos para chocar, e outros como alcatrazes sem língua cujos bicos pareciam uma colher. Contou que havia visto um engendro animal com cabeça e orelhas de mula, corpo de camelo, patas de cervo, relincho de cavalo. Que puseram um espelho na frente do primeiro nativo que encontraram na Patagônia, e que aquele gigante ensandecido perdeu o uso da razão pelo pavor de sua própria imagem.
Este livro breve e fascinante, no qual já se vislumbram os germes de nossos romances de hoje, está longe de ser o testemunho mais assombroso da nossa realidade daqueles tempos." A solidão da América Latina, Gabriel Garcia Marquez

Ushuaia tem pouco mais de cem anos, seu desenvolvimento está intimamente ligado com o extinto presídio da cidade. A princípio, o presídio só recebia presos militares, mas com o tempo presos perigosos e presos políticos também começaram desembarcar em Ushuaia. Afinal, não havia lugar melhor para um presídio que uma ilha inóspita. A implantação do presídio atraiu outros serviços para a  cidade, como produção de alimentos e eletricidade. Assim, Ushuaia foi crescendo.

Chegamos ao fim do mundo e agora? Fomos comemorar. Momentos antes tinha entrado numa agência de turismo, na conversa com a dona ganhei uns vales de cervejas grátis, que somente é dado pras pessoas que fazem o passeio de barco com eles, mas a mulher resolveu me presentear com as cevas. Fomos até a cervejaria, ali ficamos boa parte da noite, bebendo e usando internet. Não tínhamos lugar pra ficar até então. O que tínhamos era um contato que o Matheus havia conseguido com uns amigos, e que ele já havia conversado algumas vezes. Estava meio certo que ficaríamos na casa dele. Enfim, não tivemos resposta naquela noite. Resolvemos seguir para um hostel. Ajeitamos nossas coisas. A fome era grande, cozinhamos e comemos. Tomei banho, logo depois, desmaiei na cama.

Acordamos cedo e cambiamos o restante do dinheiro que carregávamos conosco. A cotação desse dia foi a melhor que conseguímos na viagem: 1 real/9 pesos argentinos. Fomos comprar nossas passagens com destino a El Calafate. Tínhamos um lugar para ficar em El Calafate, mas a pessoa iria viajar dentro de uns dias. Então, resolvemos não ir de carona neste trecho e, consequentemente, chegar numa data que teríamos estadia na nossa próxima parada. 

Depois, conforme as dicas do César, partimos caminhando para o Glaciar Martial. O tempo estava esquisito e estava caindo um chuva de leve. Cruzamos boa parte da cidade até o inicio da trilha que leva até a entrada do glaciar. A trilha alterna entre caminhos dentro da mata e da avenida que os carros utilizam como acesso. A trilha é muito bonita, ainda mais tendo o Martial ao fundo. Não lembro de ver ninguém fazendo a trilha na ida, todos que chegavam no glaciar, chegavam de carro. 

mini_IMG_5242.JPG.8e2ac6b2d58c08bbb814a65658dd5a60.JPG

Foto 11.1 - Bora começar a temporada de caça as trilhas

mini_20181213_133236.jpg.23358dc5c7b562dd178fa6d43ab47e90.jpg

Foto 11.2 - Sobe, sobe

mini_IMG_5245.JPG.b09bd42a199264ecb6c8b4473178436d.JPG

Foto 11.3 - A ponte do rio que cai

mini_20181213_134611.jpg.deec0e0c8d7b9abc8159ff3fe57fe9e9.jpg

Foto 11.4 - Matheus e esse cenário maluco

mini_IMG_5275.JPG.aab92e01890a66c91da4c08488855b0a.JPG

Foto 11.5 - Eu seguindo rumo ao Glaciar Martial

mini_20181213_141704.jpg.dbd6eb8e3b98ce726e212e577b9f1b76.jpg

Foto 11.6 - A casa e as nuvens

mini_IMG_5282.JPG.f19ea783802db4166c74e8d1d31edd8d.JPG

Foto 11.7 - Matheus e a caminhada

A caminhada da cidade até a entrada do glaciar deve ter durado uma hora e meia, mais ou menos. Chegamos na entrada e uma legião de taxistas ficam por ali. A entrada é gratuita. Seguimos andando pela trilha de acesso ao glaciar. Agora víamos muitas pessoas pelo trajeto, indo e voltando. A caminhada continuava. Como sentia falta disso, de somente caminhar e caminhar sem pensar em nada mais. Pensar, apenas, no próximo passo. 

mini_20181213_150256.jpg.3c4709a00cecf944b5dd2fb3294c8ced.jpg

Foto 11.8 - A caminhada continua

mini_20181213_150515.jpg.dffc0a3e80b9f66a797f95d6543ebb6b.jpg

Foto 11.9 - Outra ponte do rio que cai

mini_IMG_5287.JPG.1a8cb180a2893d68f9c62ceb7c6272fc.JPG

Foto 11.10 - Martial, um glaciar ou um jogador de futebol?

mini_IMG_5294.JPG.f8e026ef443031f0e85b383402dc08c4.JPG

Foto 11.11 - Eu e a terra inóspita

mini_IMG_5298.JPG.a0666404feae8271b494fcfe32c8d8f6.JPG

Foto 11.12 - Quase lá

mini_IMG_5305.JPG.8aba664a1e1f8597900167389b0bad64.JPG

Foto 11.13 - Prazer, Glaciar Martial

Chegamos ao pé do Glaciar Martial, um pouquinho antes atravessamos um caminho com neve no solo, havia tanto tempo que não tinha contato com a neve. Achamos um lugar para sentar, comemos nosso lanche. Depois, seguimos pela trilha sobre o glaciar. Nesse momento a paisagem é composta de poucas cores, vê-se um cinza que é a mistura do solo com pedras e brancos de neve surgem para não deixar a visão monocromática. A subida não é das mais puxadas, na verdade é bem tranquila. O Matheus foi devagarinho, estava cheio de bolhas no pé. Do topo tem-se uma bela visão de Ushuaia com o mar ao fundo. A temperatura lá em cima era bem baixa e o vento forte, mas estava agradável. A montanha tem esse poder, pelo menos em mim, de fazer qualquer situação adversa algo memorável.

mini_20181213_160054.jpg.2472d55ac0c0b67b094ae78931465e15.jpg

Foto 11.14 - A bela paisagem

mini_IMG_5313.JPG.500635fd933738002fa007de559259fe.JPG

Foto 11.15 - A bela visão [2]

mini_IMG_5328.JPG.d9ecd9f3280b53c92941004094522fd1.JPG

Foto 11.16 - Matheus vendo todo o caminho que percorremos para chegarmos ali

O caminho de volta foi bem tranquilo. Descer e descer. De volta a entrada, os taxistas ofereceram seus serviços, recusamos. Fizemos a trilha de volta até a cidade. Agora, vimos algumas pessoas fazendo a trilha no sentido inverso. Depois de tantos dias pelos desertos patagônicos, caminhar no meio daquelas árvores em meio ao ar puro e úmido, era revitalizador. A cidade reapareceu na paisagem, a caminhada continuava. Num momento, me deparei com um muro com a seguinte frase: "El amor al dinero es la raiz de todo mal". Uma vez ouvi o seguinte: se você quer conhecer um lugar não leia livros, leia os muros. Lendo aquele muro, mesmo estando milhas e milhas distantes eu soube que estava em casa.

mini_20181213_180330.jpg.25ac0efbdd6ed0ade53924bef01f30a0.jpg

Foto 11.17 - O muro da verdade

Tivemos que mudar de hostel, pois tínhamos conseguido vaga no dia anterior por causa de desistências. Mudamos para umas duas quadras donde estávamos. Saímos caminhar e conhecer um pouco mais a cidade. A orla é toda bonita. Fiquei observando as gaivotas voando, é muito curioso fazer isso. Antes, achava que só o beijo-flor conseguia ficar parado no ar. As gaivotas no fim do mundo sofrem para vencer o vento, tem horas que elas parecem estar paradas no ar. Vencer o vento naquela canto de mundo não é tarefa fácil.

mini_20181213_191713.jpg.f569a59531d2b091df4b30bd99358189.jpg

Foto 11.18 - Ushuaia

mini_IMG_5330.JPG.4db89ddc666a7028aee42935828dc043.JPG

Foto 11.19 - A cidade mais austral do mundo

mini_IMG_5331.JPG.b8385b34472c7ae5e3b5b76a9882a86d.JPG

Foto 11.20 - Os navios

mini_IMG_5334.JPG.8359cd93bdc17ebe34c2971e7c7946ff.JPG

Foto 11.21 - Os containers

Ushuaia no verão escurece depois das onze da noite. É tão fugaz a noite por lá nessa época, que é preciso insistir bastante pra conseguir ver as luzes da cidade ou mesmo a iluminação de Natal. Pra nós que moramos entre os trópicos é tão diferente e esquisito essa diferença de tempo entre dia e noite. Porém, ter dezenove horas de luz natural para explorar aquela região é algo muito bom.  

mini_IMG_5335.JPG.1499b5f96608e5b111218e49d720b205.JPG

Foto 11.22 - As luzes começam a aparecer

mini_20181213_220818.jpg.0e8c0c0dc53ab82b9ffe070af6258e61.jpg

Foto 11.23 - Quase a escuridão

O Martin havia chegado na cidade, estava num jantar de negócios. Combinamos de encontrar ele no final da noite. Voltamos para o novo hostel e arrumamos nossas coisas. A fome, pra variar, era grande. Fomos até a cozinha preparar nossa janta. Conhecemos o Bruno no refeitório. Ele é gaúcho e tinha saído de moto dias antes de Porto Alegre. Viajava num ritmo alucinante, não parava pra aproveitar os lugares. Depois de mais de 5000 km rodados, Ushuaia foi o primeiro lugar que realmente parou pra conhecer um pouco da cidade. Ele partiria no dia seguinte. Depois saímos para caminhar pela cidade de novo. Caminhamos um pouco e demos de cara com o Martin. Não foi preciso combinar um lugar, os ventos patagônicos resolveram nos unir novamente. 

Fomos para uma lanchonete, conversamos bastante. Ele estava bem feliz que as vendas em Rio Grande e Ushuaia tinham sido muito boas. Ele já iria embora na manhã seguinte, iria começar o caminho de volta para casa e preparar-se para suas férias. Martin nos fez prometer se acontecesse algo conosco no restante da nossa viagem patagônica que entraríamos em contato com ele, pois ele dizia que tinha contatos em todas as cidades da Patagônia Argentina, devido suas relações comerciais. Prometemos. Ele ainda deixou as portas da sua casa aberta caso quiséssemos passar, novamente, em Puerto Madryn. Provavelmente, ele estaria viajando, mas o pai dele nos receberia. Não tínhamos essa intenção, mas vai saber o que o futuro nos reservaria.

Depois de umas horas, chegou o momento da despedida definitiva do Martin. Nós três estávamos meio sonolentos. Dei um abraço no Martin, desejei boa viagem e boas férias para ele. Agradeci por tudo o que ele havia feito por nós naqueles dias. Mais uma vez, ele disse que viria pro Brasil na Copa América. Assim, caminhamos no sentido contrário ao dele e prosseguimos para o hostel na noite fria de Ushuaia. 

Na manhã seguinte, arrumamos nossas mochilas, pois iríamos acampar no Parque Nacional Terra do Fogo. Ajeitamos apenas uma mochila cargueira e uma mochila de ataque com as coisas de cozinha e de camping, o restante deixamos no hostel. Partimos rumo ao parque caminhando. Cruzamos toda a cidade até a parte da Ruta 3 que conecta a cidade com a Bahia de Lapataia, que é o trecho final da Ruta 3. Nesse momento, começamos a erguer o dedão para os carros que passavam, pois eram mais de 10 km de distância. Até que enfim, conseguimos uma carona de caminhão na Argentina. Entramos no caminhão que lentamente avançava pela rodovia. O motorista compartilhou seu mate conosco. A viagem foi rápida, pois logo o motorista entrou numa empresa para carregar o caminhão e assim, voltamos a caminhar. Pouco tempo depois um carro parou para nós. Era um casal, um argentino e uma italiana, bem gente boa os dois. Entramos no parque, eles seguiriam de carro até a Bahia de Lapataia e ficamos na entrada da primeira trilha.

mini_20181214_092107.jpg.2e24160727edfc958984066a6adab9e8.jpg

Foto 11.24 - O caminho até o parque

mini_20181214_094005.jpg.45c5e40f6d1834dade63f8383967b302.jpg

Foto 11.25 - Matheus querendo caronas

Enfim, agora estávamos a sós com a natureza e só dependia do nosso caminhar para percorrer todo o parque. Esse era nosso objetivo, fazer todas as trilhas do parque em dois dias. Começamos a caminhada. Seguimos pela trilha que leva até o Saltos del Rio Pipo. O início é lindo demais e o tempo estava limpo nesse momento. A trilha margeia os trilhos do trem do fim do mundo. Vimos o trem passando. O caminho é todo bonitão. O final da trilha é meio desanimador, é uma queda minúscula de água no Rio Pipo, mas vale muito a pena fazer a trilha pelo caminho que leva até ali.

Trilhas para mim é o meio mais democrático que existe. De nada importa quem você é, de onde veio e como chegou até ali, se quiser chegar no final do caminho vai ter que suar muito, vai ter que querer demais ver o fim, vai ter que superar a exaustão pra continuar. É você e você, não tem outro jeito. E acredite, os melhores lugares são os mais difíceis de se chegar. Então, um passo de cada vez, inspire, expire, sinta o lugar e continue. 

mini_20181214_093833.jpg.db587dff4c6905c2b275b7eac97d4184.jpg

Foto 11.26 - O que falar dessa beleza?

mini_IMG_5340.JPG.ccfc340b69d9bf3399629a569d8e3094.JPG

Foto 11.27 - A montanha

mini_IMG_5344.JPG.8c5f9a515e24ba244f9defab361dccfc.JPG

Foto 11.28 - Eu no caminho

mini_20181214_102713.jpg.2476c3724c73a695e590883ab85112ad.jpg

Foto 11.29 - O trilho

mini_IMG_5344.JPG.8c5f9a515e24ba244f9defab361dccfc.JPG

Foto 11.30 - A mochila foguete

mini_IMG_5351.JPG.744592e6e203aaa30d402d95b960c5d5.JPG

Foto 11.31 - Tanto verde

Depois entramos no Caminho da Pampa Alta, que tem cinco quilômetros. Diferente do Saltos Del Rio onde caminha-se em vegetação aberta, na trilha da Pampa Alta o caminho é dentro de uma vegetação fechada. Na metade da trilha atingi-se o ponto mais alto, onde tem-se alguns bons mirantes. Em um trecho da trilha cruza-se a Ruta 3. A caminhada é tranquila mesmo carregando as mochilas. No fim da trilha anuncia-se o belíssimo Canal de Beagle. 

mini_20181214_121746.jpg.bc09d71eb4fae5c21dfb1a797cd9f53a.jpg

Foto 11.32 - Matheus na caminhada

mini_IMG_5367.JPG.079b6ec9b838c60bb69ff072206ca9ac.JPG

Foto 11.33 - To chegando

mini_IMG_5370.JPG.5fff496fa00f9527146b7c2602746ac4.JPG

Foto 11.34 - A Ruta 3

mini_IMG_5373.JPG.f8727d446d5d5393df816c69ef1885c0.JPG

Foto 11.35 - Deboas na Ruta 3

mini_IMG_5377.JPG.445520706d218560bf08c2ba144b04e7.JPG

Foto 11.36 - Matheus e a Ruta 3

mini_20181214_133529.jpg.db58c9062d237aa3d97838b29bf28327.jpg

Foto 11.37 - O fim do Caminho da Pampa Alta

Também é possível chegar de carro na enseada. Então, tinha muitas pessoas por ali. O bom que naquela parte tem alguma infraestrutura, aproveitamos para comer o nosso lanche. Alguns metros dali fica o Correio do Fim do Mundo, que fica dentro de um container as margens do Canal de Beagle. Muita gente vai no correio para carimbar seus passaportes e enviar postais do correio mais austral do mundo. O melhor de se estar por ali é a belíssima paisagem que tem-se de fundo. O Canal de Beagle é lindo demais.

O Canal de Beagle tem esse nome por causa da Viagem de Beagle. Essa viagem foi a responsável por mudar o rumo da humanidade para sempre. A bordo do navio Beagle estavam o comandante Robert FitzRoy e o naturalista Charles Darwin. Essa expedição tinha como objetivo principal o levantamento cartográfico da parte sul da América do Sul. A viagem durou quase cinco anos e foi através dela que Charles Darwin coletou evidências que lhe possibilitaram a elaboração da Teoria da Evolução.

mini_IMG_5384.JPG.086e4ca713205d33ef1db72f0cc11bd5.JPG

Foto 11.38 - O Canal de Beagle

mini_IMG_5387.JPG.43d9b4b248c17e02fa563f428329bdee.JPG

Foto 11.39 - O Correio do Fim do Mundo

mini_IMG_5391.JPG.0a9185ca1a767470e14bf81f5f47a64f.JPG

Foto 11.40 - Argentina

mini_IMG_5395.JPG.12410e5100458ac7962c85b7cbace44b.JPG

Foto 11.41 - Matheus e o Canal de Beagle

Continuamos a caminhada. Seguimos pelo Caminho Costera, que margeia o Canal de Beagle. A trilha tem oito quilômetros. O caminho alterna entre trechos na mata e na orla. Essa caminhada também é tranquila, até tem algumas subidas, mas nada muito difícil. O melhor é a paisagem que se tem ao longo do percurso. Tudo é muito bonito e ter a companhia do Canal de Beagle é demais. O clima estava agradável, não estava nem quente e nem frio. Lembro de me desconectar nessa caminhada, somente pensava no quão era bonito aquilo tudo que eu presenciava. 

mini_20181214_133638.jpg.9c6b46dbf3d4693e785a132e203cb454.jpg

Foto 11.42 - Matheus no Caminho Costera

mini_20181214_135745.jpg.c2cf913f000b884d32a64f36f33225cb.jpg

Foto 11.43 - Caminho Costera

mini_IMG_5409.JPG.fc6a6b7f89d8144b6730e744202a4e05.JPG

Foto 11.44 - Eu

mini_IMG_5412.JPG.38f7174891f2eb0c1a6f38c317a4fa8c.JPG

Foto 11.45 - Caminho Costera

mini_20181214_143327.jpg.1f88c5a8bc1f67bb28266f82149c5f50.jpg

Foto 11.46 - Caminho Costera

mini_20181214_154249.jpg.4cbfe412172869e87120d544213e7882.jpg

Foto 11.47 - Caminho Costera

mini_IMG_5425.JPG.a03f02afaa93b8e7c603c7c110d9ec8d.JPG

Foto 11.48 - Uma pausa na caminhada pra apreciar a paisagem

No final do Caminho Costera volta-se a Ruta 3. Caminhamos mais uns quatro quilômetros pela ruta até chegar em uma das áreas de camping do parque. Montamos a barraca, esperamos pelo guarda florestal, pois é necessário a verificação do guarda para poder acampar no parque, ele não apareceu. Ainda faltava algumas horas até escurecer, partimos para conhecer a Bahia de Lapataia e chegar no fim da Ruta 3.

Neste caminho tem bastante coisa para se ver. Passa-se pelo Paseo de la Isla, Laguna Verde, Laguna Negra, Castorera, Mirante de Lapataia até chegar na Bahia de Lapataia. Essa parte tem cinco quilômetros, mas como é realizado na Ruta 3 a maior parte dos visitantes vão de carro, van ou moto para esses lugares, só havia nós fazendo o trecho caminhando. No final tem a placa do fim da Ruta 3, a placa é disputada por motoqueiros que querem registrar o feito de percorrer todos os 3079 km da rodovia. A Bahia de Lapataia é o extremo sul da Ilha do Fogo. 

mini_20181214_155654.jpg.11f0f481f42eb82415bdbed00af644f1.jpg

Foto 11.49 - Quase no fim da Ruta 3

mini_20181214_170235.jpg.436b1e9989f118d8503b90c80ba350be.jpg

Foto 11.50 - Laguna Negra

mini_IMG_5429.JPG.f18cf67fe964eba1d1fe40d81d20d71c.JPG

Foto 11.51 - Laguna

mini_IMG_5448.JPG.45a39a6f155dc163578fd0e738fe6998.JPG

Foto 11.52 - Sempre

mini_IMG_5445.JPG.6144986eb5983cde38a0530fa55b790d.JPG

Foto 11.53 - Quase o fim da Ruta 3

mini_IMG_5446.JPG.00cffa035774dd194219cf4f722fa751.JPG

Foto 11.54 - Enfim, o fim da Ruta 3

mini_IMG_5449.JPG.acd2b94a9e98ed347281d280dd4f62b2.JPG

Foto 11.55 - No sul do sul

mini_IMG_5450.JPG.3adf7696dc9db278cda21d258f2790fe.JPG

Foto 11.56 - Bahia de Lapataia

Agora quero falar de uma das coisas mais bizarras que já vi. Há 70 anos atrás foram introduzidos em Ushuaia vinte e cinco casais de castores. Os gênios miravam a criação dos castores para posteriormente vender suas valiosas peles. No entanto, o castor como espécie invasora modificou para sempre a flora dos arredores de Ushuaia. Sem predadores, os castores se procriaram até virarem praga. Porém, o estilo de vida destes castores coloca em risco a frágil flora do lugar. Os castores derrubam as árvores, modificam cursos de água, isso para melhorar os diques em que vivem. Assim, sem predadores, os castores estão por todas as partes destruindo grandes porções das florestas da Ilha do Fogo, causando um grande desastre ambiental para a região.

mini_20181214_180858.jpg.73137aece7dfdc160a743c7caaf3d5a9.jpg

Foto 11.57 - Errar é humano, mas quem perde é a natureza

mini_20181214_181212.jpg.13a53499c7c9e5f2ab306c6d465a39b3.jpg

Foto 11.58 - Os castores

mini_20181214_181219.jpg.cfb3ca83a9392ee5df176f31912e08e8.jpg

Foto 11.59 - A explicação

mini_20181214_180911.jpg.0b64a18cf52a9df68dc0c90ff8058f44.jpg

Foto 11.60 - O resultado da genialidade humana

mini_20181214_181016.jpg.52cb581fa9893f898893bd0704f3eb3b.jpg

Foto 11.61 - O resultado dos castores na ilha

mini_IMG_5442.JPG.b3a69c62304efc1b84f474bfa7e61124.JPG

Foto 11.62 - Fueda, né?

Voltamos para o nosso acampamento. Um pessoal chegou para acampar por ali também. Preparamos nossa janta, fizemos uma macarronada com seleta de legumes, atum e pimenta. Ficou boa demais, afinal, a fome era grande. Depois preparamos os lanches para a caminhada do dia seguinte, fizemos um bom patê de azeitona para passar nos pães. O guarda florestal chegou, tomou um mate conosco. Ao ver o guarda eu só conseguia pensar no desenho do Zé Colmeia, o guarda florestal se vestia igualzinho ao guarda do desenho. O guarda autorizou nosso acampamento. Depois disso, escureceu. Tentei ver as estrelas, mas o céu só tinha nuvens.

mini_IMG_5457.JPG.f7bd3b7887fdfb64de313d4ab2f1733e.JPG 

Foto 11.63 - Minha barraca

Acordamos cedo e desfizemos acampamento. Voltamos pela Ruta 3 até a entrada das trilhas Hito XXIV e Cerro Guanaco. Para fazer o Cerro Guanaco é necessário se cadastrar na administração. Fomos até lá,  tivemos que esperar uma meia hora até o local abrir. Demos nossos nomes e deixamos a mochila cargueira no guarda volumes. Assim, começamos mais um dia de caminhada.

Caminhamos lentamente no início. Tinha umas dez pessoas que começaram a caminhada junto conosco. Depois de uma meia hora o lago Roca que se escondia ao lado mostra sua imensidão na frente do caminho. As montanhas ao fundo são um espetáculo a parte. No horizonte, no fim do lago tudo pertence ao Chile.

mini_20181215_083308.jpg.19820188896cf4c6e48d40de2a0c507a.jpg

Foto 11.64 - No aguardo pela autorização

mini_IMG_5459.JPG.515766c7d194a3aeb56191bdca5c25a1.JPG

Foto 11.65 - O belo lago roca

Pouco tempo depois entramos na trilha que dá acesso ao Cerro Guanaco, a trilha tem um pouco mais de quatro quilômetros. No início entra-se numa mata fechada. Subida e mais subida. A umidade era grande e a pesada subida fez eu tirar minha roupagem de frio na fria manhã daquele dia. Mais subida. Esse trecho não é fácil. Depois de pouco mais de uma hora, chegamos no primeiro mirante, que por sinal é belíssimo com o Lago Roca ao Fundo. 

mini_20181215_102125.jpg.6c50e5e48682076328bc4ae8aa059de0.jpg

Foto 11.66 - Que belezura

mini_20181215_102638.jpg.211d361ed6d4a5cc9a007ce826ec621a.jpg

Foto 11.67 - O mirante

mini_IMG_5469.JPG.0c5a2c48ebf4ac662162dd8d6a27a902.JPG

Foto 11.68 - Outra visão

mini_20181215_134220.jpg.517de8c2b75c35c2427ab23a098efa7b.jpg

Foto 11.69 - Eu, Lago Roca e as montanhas

Continuamos na trilha. O quilômetro sequente é tranquilo, com alguns trechos planos e algumas subidas não tão ingrimes como as do primeiro quilômetro. Continua-se dentro de uma vegetação densa. No final da vegetação, no ponto de ataque ao topo do Cerro Guanaco, o trecho é um brejo, horrível aquilo. Apesar de muito cuidado, eu atolei um dos meus pés. Legal demais seguir com um pé molhado. Depois do brejo, é subir. Subir e subir. Muita subida. O último quilômetro é tenso demais, pois é muito ingrime e quanto mais sobe-se maior a velocidade do vento. Então, se manter de pé já é um desafio, subir é um desafio em dobro. Porém, a visão da subida é a coisa mais bonita que vi por Ushuaia. Cada passo, uma visão diferente daquela belezura. De verdade, é muito lindo aquele conjunto de paisagens. Olhando de norte, sul, leste e oeste é tudo belo. 

mini_20181215_104915.jpg.6bd524e2688fbfdee8104bdcaf9131e8.jpg

Foto 11. 70 - Quase no brejo

mini_20181215_110142.jpg.1b9a9a0935fb88c6d0587291a6122158.jpg

Foto 11.71 - Trilha Cerro Guanaco

mini_20181215_110754.jpg.e90ee9121e9df30d6f515f4fe32a22f1.jpg

Foto 11.72 - Quantas cores em um mesmo cenário

mini_IMG_5478.JPG.1fa1f04f819e82a0b0a90d1c30dbed00.JPG

Foto 11.73 - Que beleza!

mini_IMG_5485.JPG.2df40fe762dc7af45288b76aa6408222.JPG

Foto 11.74 - Muitas fotos pra por legendas =/

mini_20181215_111342.jpg.9ff021bc173f88f211df777f3bd337df.jpg

Foto 11.75 - Matheus sofrendo na subida

mini_IMG_5489.JPG.f8b6da2dd02566a4f4c510bed6d7761e.JPG

Foto 11.76 - Eu todo curvado subindo

mini_IMG_5491.JPG.ba4a23df7c94ab85d399284222fb9478.JPG

Foto 11.77 - Eu camuflado

mini_20181215_114317.jpg.cced72ab7cf244f2761052715a423c6f.jpg

Foto 11.78 - Quase no topo, mas pausa pra apreciar isso ai

mini_20181215_114322.jpg.b9f0ddac57f1a384c792c972f81f0db1.jpg

Foto 11.79 - Lago Roca

mini_20181215_114945.jpg.3337538fec7df56e26904b9d5c7f3a08.jpg

Foto 11.80 - A chuva chegando

mini_20181215_115009.jpg.4334503b45d4261b6045fc6dad602915.jpg

Foto 11.81 - Bahia de Lapataia

mini_IMG_5495.JPG.ab89ac73bd0ce5da17364d10888ebfd7.JPG

Foto 11.82 - Tá foda legendar, acho que exagerei na quantidade de fotos

Avancei ao topo num ritmo alucinante, queria me testar. Logo depois um francês chegou também. Ficamos no topo de uma pedra apreciando aquela belezura de lugar. Com o tempo o topo foi se enchendo. Um tempo depois o Matheus chegou. Ele estava sem luva e sentia muito frio ali, tava todo tremendo. Comemos nossos lanches. Começou a chover. Ficamos ali na esperança que fosse uma chuva passageira. Quase todos os caminhantes rumaram de volta. Insistimos mais um pouco, mas não resistimos ficar naquele frio somado com vento forte e chuva. Resolvemos descer também.

O clima em Ushuaia é um espetáculo a parte. Pensa em algo instável, é o clima lá. Em um momento, está um sol de rachar mamona, dez segundos depois o céu está fechado num cenário totalmente melancólico. E assim, vai se alternando diversas vezes por dia. Me lembrei do topo do Monte Roraima, onde o clima é igualmente instável. 

mini_20181215_115057.jpg.7a07125464201c2f3477c2bdfa6a5c7e.jpg

Foto 11.83 - O topo

mini_20181215_115414.jpg.2eb3253149c9f7daeb6d8c3e72a4fbd1.jpg

Foto 11.84 - A visão do topo

mini_20181215_115418.jpg.4ad36a489d4a71e1bf01a5d6b1804513.jpg

Foto 11.85 - Que lindo

mini_20181215_115439.jpg.4aa5dec35c5e3a9bbbfab86dba33a14c.jpg

Foto 11.86 - Ushuaia ali embaixo

mini_IMG_5499.JPG.78a5df4130bafb930f145019f0e917c5.JPG

Foto 11.87 - Registro do Matheus chegando ao topo

mini_IMG_5505.JPG.b082fe3288c2597e836091b573a2180a.JPG

Foto 11.88 - Enfim, o topo do Cerro Guanaco

O caminho de volta foi tranquilo no início. Agora caminhávamos de frente ao Lago Roca, beleza de visão. A cada metro que descíamos, menos o frio incomodava. Quase escorreguei algumas vezes. No trecho do brejo, dessa vez atolei os dois pés. Que merda foi aquilo. Os dois pés molhados, chovendo e muito frio. Depois disso, caminhar foi um sofrimento. Já sentia as bolhas nascendo. Paramos mais uma vez no primeiro mirante. E a descida final foi o trecho mais difícil para mim por causa dos pés. Não tomei o devido cuidado com os pés e me fodi. Regra número um de qualquer trilheiro: deixe os pés sempre secos.

mini_20181215_123743.jpg.5be425e5dc70ce452c6d796bc3d1002d.jpg

Foto 11.89 - Matheus retornando

mini_IMG_5511.JPG.71a546ff8f20263494c5270b8a9706a1.JPG

Foto 11.90 - A felicidade de subir mais uma montanha

mini_IMG_5519.JPG.fe1bfaf8ee08a1b4dc475bc55c2e9a4c.JPG

Foto 11. 91 - Encarar os brejos novamente

mini_IMG_5522.JPG.2bfa5c8d2661d5cd103aff7060d58ec4.JPG

Foto 11.92 - Curto demais essa foto

mini_20181215_132014.jpg.6173d258a02b956e6e5f94e7d0a5cf73.jpg

Foto 11.93 - Passamos pelo brejo

Voltamos ao início da trilha. Sentei e tirei as botinas. Aproveitamos para comer também. Ainda faltava a trilha do Hito XXIV, mais oito quilômetros ida e volta. O certo seria abortar esta trilha, mas vai saber se voltarei um dia. Descansamos quase uma hora e seguimos para nossa última trilha no parque. A trilha margeia a todo tempo o lago Roca. A dificuldade do caminho quase não existe, pois em todo momento o caminho é plano. O legal que tem umas prainhas no meio do caminho, bem bonitas. O fim da trilha é a divisa entre Argentina e Chile.

mini_IMG_5528.JPG.c7df52e04722b7d0330ce4bc0b03745f.JPG

Foto 11.94 - Lago Roca

mini_IMG_5530.JPG.f6c8b450c020b984c6f10ecfdb6d158a.JPG

Foto 11.95 - Limite entre Argentina e Chile

mini_20181215_153239.jpg.f9d65a92fc2cc26e0e4350910f4d2675.jpg

Foto 11.96 - Matheus em dois países ao mesmo tempo rsrs

A volta foi bem tranquila, os pés estavam melhores. O cansaço dos dois dias de caminhadas intensas já era visível. Afinal, caminhamos mais de trinta quilômetros por dia. Pegamos a cargueira de volta e seguimos pela Ruta 3. Menos de um minuto de caminhada, erguemos o dedão para um carro que parou. Hector, o motorista, é guarda florestal do parque. Fomos conversando até a entrada do parque. Lembro que ele tava preocupado porque iriam asfaltar a Ruta 3 dentro do parque, isso na visão dele era muito ruim, eu concordei. Depois, seguimos caminhando um pequeno trecho. Minutos depois um casal israelense parou o carro para nós. Os dois tinham acabado de deixar o serviço militar em Israel e agora estavam explorando a América do Sul. Ficamos no centro de Ushuaia.

Fomos até o letreiro de Ushuaia. Numa praça próxima, começamos a comer nossos últimos lanches. Um mundaréu de gaivotas se aproximou (risos). A todo momento o número de gaivotas aumentava. Quando percebemos que o conflito entre nós e as gaivotas seria inevitável por causa dos nossos pães, escondemos a comida e partimos com todo o cuidado do mundo. Seguimos até o centro de informações para usar internet e decidir onde dormiríamos naquele dia. 

mini_20181215_175138.jpg.1e843f86073e821336613d30a58dc575.jpg

Foto 11.97 - Ushuaia

mini_IMG_5534.JPG.3a870df0dbaf22fac167506f693f0ddd.JPG

Foto 11.98 - Ushuaia

mini_IMG_5536.JPG.4852697922d099149baabe677df2f4aa.JPG

Foto 11.99 - Ushuaia

mini_IMG_5542.JPG.d9e3fa53bf4ed36b0a5e9872ba94e19f.JPG

Foto 11.100 - Ushuaia

Com o "sumiço" do nosso contato em Ushuaia, eu tinha tentado estadia na cidade através do couchsurfing. Quando acessamos a internet no centro de informações, vi que eu tinha um aceite de hospedagem na casa da Anahi. Seria só por aquela noite, pois no outro dia cedo já partiríamos para El Calafate.

Voltamos para o hostel, pegamos o restante das nossas coisas e partimos para a casa da Anahi. Chegamos na casa, sua amiga nos recebeu, pois ela só chegaria mais tarde. Tinha um cara bem curioso na casa delas, ele havia de acabar o serviço de cortar a grama do quintal e aproveitava para tomar um mate. Deixamos nossas coisas de lado e começamos a conversar com os dois. 

O cara fazia todo o tipo de serviço e sonhava em ter diversos negócios para se mudar e viver deboas em alguma praia de clima quente. Assim, o assunto girava em torno de dinheiro. Ele tinha uma teoria sobre o dinheiro que me chamou a atenção, ele disse mais ou menos assim: "Você tem que ver o dinheiro como se fosse uma pessoa. Melhor, ver como se fosse uma relação entre pessoas. Tipo, se você está desesperado para estar junto com uma pessoa, essa pessoa se afasta de você. A mesma coisa com o dinheiro, se você está desesperado para ter dinheiro, ele não vem. Porém, se você não está nem ai pra pessoa, ela também se afasta de ti. A mesma coisa com o dinheiro, se você não quer ele, ele também não vai te querer. Portanto, a relação tem que ser a de querer, mas sem querer.". Fiquei pensando muito sobre isso depois, mas não pela parte do dinheiro e sim na parte que ele dizia porque as pessoas se afastavam uma da outra.

Tomei banho, depois comemos os miojos que carregávamos desde o início da viagem. Anahi chegou e conversamos um pouco, ela é dançarina e muito simpática. Logo, ela saiu de novo, pois tinha um aniversário para ir. Assim, ficamos conversando mais um pouco com um pessoal que chegou na casa. Uma coisa que reparei que todos os ushuaianos (risos) não gostam de morar lá, e sempre perguntam o porquê de nós querermos viajar até a cidade. Nas conversas desta noite isso ficou muito claro. Por fim, dormimos.

Era quatro da manhã o horário que acordamos. Ajeitamos nossa mochila e seguímos para o lugar que o ônibus sairia, pois não tem rodoviária em Ushuaia. O frio era intenso e para melhorar começou a chover forte. Depois de uns vinte minutos de caminhada chegamos. Colocamos nossas mochilas no bagageiro do ônibus e subimos na parte de cima do busão em busca das nossas poltronas. 

A falta de lugar pra ficar somado com a restrição de dias do nosso contato em El Calafate, apressou nossos dias em Ushuaia. Nada que eu possa reclamar, pois aqueles quatros dias foram demais. Deixamos de conhecer muita coisa na cidade, mas curti muito o que tivemos a oportunidade de conhecer. O Parque Nacional da Tierra del Fuego é o ponto alto do tempo em Ushuaia. Estar ali, cercado de montanhas e no meio de uma natureza ímpar faz tudo valer a pena. Overdose de beleza a todo momento. Os diversos lagos junto com o Canal de Beagle e as montanhas nevadas estampa sorriso no rosto de qualquer um. 

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 12 - El Calafate, Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino

"O monumento mais alto da Argentina foi erguido em homenagem ao general Roca, que no século XIX exterminou os índios da Patagônia." O paradoxo andante, Eduardo Galeano

Eu estava dormindo, mas o Matheus disse que no caminho entre Ushuaia/Rio Grande nevou bastante. Queria ter visto, mas o sono me venceu. Acordei para dar entrada em território chileno e voltei a dormir. Fui acordar em definitivo próximo ao Estreito de Magalhães, o céu tava todo aberto e não havia sinal de chuva, muito menos de neve. A travessia pelo estreito não teve a mesma magia que da primeira vez. Entretanto, o céu estava mais bonito nesse dia.

mini_20181216_145425.jpg.0034d9a903c9af14e354aa5cc968d1d3.jpg

Foto 12.1 - Novamente, o Estreito de Magalhães

mini_20181216_145653.jpg.b785a636e7a087df8a3673e6acfdd4ce.jpg

Foto 12.2 - O caminhão adentrando a Terra do Fogo

A viagem seguiu. Passamos pela aduana e voltamos para a Argentina. No fim de tarde, chegamos em Rio Gallegos. Descemos na rodoviária, saímos pra comer alguma coisa. Logo voltamos e entramos no ônibus com destino El Calafate. Agora cortávamos a Ruta 40. A viagem estava tranquila até sermos parados pela fiscalização policial. Os policiais entraram no ônibus, pediam os documentos e com isso: eu, Matheus, e mais três pessoas fomos "convidados" a descer do ônibus para revistarem nossas mochilas.

Levaram-nos para uma salinha com mais uns seis policiais. As outras pessoas foram levadas para salas diferentes. Primeiro revistaram nossas mochilas. Eu só pedia para os céus para não serem policiais corruptos. Puta trampo que é ajeitar a mochila e agora tava todas nossas coisas jogadas na mesa. A inspeção continuava. O policial chamou a atenção para a quantidade de condimentos que levávamos conosco, perguntou por que de tudo aquilo, eu disse "Cozinhamos mal, ai usamos pimenta pra disfarçar o sabor" (risos). Pela primeira vez, os policias esboçaram uma amistosidade, até disseram que uma de nossas panelas era muito ruim. Chegou a hora da revista pessoal. Descobriram o dinheiro que carregava comigo espalhado pelo corpo. Tudo o que eu tinha estava na mão do policial. Era a hora de saber se eu iria me foder ou não. Congelei. O policial juntou todo o dinheiro e me devolveu. Ufa! Depois foi a vez do Matheus, quando tiraram o dinheiro dele (para a revista) pediram para ele ficar olhando para depois não achar que pegaram algo, achei legal isso. Ainda sim, depois de toda a revista, ficamos mais um tempo esperando, enquanto eles decidiam sobre nós. Creio que tudo durou mais ou menos uma hora. Foi muito tempo. Quando o policial me devolveu o passaporte, um alívio tomou conta de mim.

A viagem seguiu tranquila até El Calafate. Chegamos era mais de uma hora da manhã. Estávamos sem internet, o Matheus pediu o celular emprestado para uma pessoa e conseguimos avisar a Cláudia que havíamos chegado. Ela veio nos buscar na rodoviária. Seguimos para a casa dela. Ela aprontou um mate. Conversamos muito pouco com ela nessa madrugada, ela tinha que trabalhar cedinho no mesmo dia. Depois de terminar o mate, eu capotei.

El Calafate é uma pequena cidade com pouco mais de 20 mil habitantes, situada no extremo sul da parte continental da América do Sul. Seu nome é devido ao fruto típico de sua região, o Calafate, que é utilizado na confecção de doces. A cidade abriga dois dos principais pontos turísticos da Argentina: O Lago Argentino e o Glaciar Perito Moreno.

Acordamos para o café da manhã. Agora com mais calma conversamos com a Cláudia. O Matheus havia conseguido o contato dela através do seu amigo Federico, que é um argentino que passou um tempo em Jericoacoara no hostel que ele trabalhava. Então, a conversa seguia entorno do Federico. Eu não conhecia-o, pouco falei. Pouco depois, ela seguiu para o trabalho.

Cláudia é uma doçura de mulher, trabalha como pedagoga e gosta muita de música. Veio para El Calafate junto com o ex marido logo após o casamento, para fugir da falta de emprego que o norte do país enfrentava e tentar a vida no rico sul.

Depois de todos os dias de abstinência musical, onde apenas ouvia música se tivesse tocando no ambiente em que eu estava. Resolvi usar o rádio da casa e, com o volume no máximo, ouvi as músicas que tinha vontade de ouvir. Devo ter colocado umas cem vezes pra tocar a música S.O.S. do Raul Seixas e outras cem vezes Entretanto com a Martnália e o Moska. Fiquei bastante pensativo nesse momento. Pela memória refiz toda a viagem e senti o quanto havíamos tido sorte até então. Uma decisão nasceu dentro de mim nesse momento.

Saímos rumo a rodoviária. O entorno da casa da Cláudia é todo bonito com alguns morros em volta, destacando-se como o mais alto o Morro El Calafate. Porém, o que mais chama atenção é o Lago Argentino na parte baixa da cidade. Que lindeza de cor daquele lago. Seguimos caminhando lentamente. Chegamos na rodoviária e compramos nossas passagens para o ônibus de acesso ao Parque Nacional Los Glaciares. 

mini_20181217_111318.jpg.493c668d60008870bc02a08519afd641.jpg

Foto 12.3 - Arredores da casa da Cláudia

mini_20181217_111455.jpg.3e094503f222f2aa6a365914c2a445f5.jpg

Foto 12.4 - Matheus nos arredores da casa da Cláudia e no fundo o belíssimo Lago Argentino

mini_20181217_122210.jpg.aab57d34299e3cb1986a1622ce8053f5.jpg

Foto 12.5 - El Calafate

Entramos no ônibus lotado de turistas de todos os cantos do mundo. Quase todo o caminho até o parque, margeia-se o Lago Argentino. Fiquei encantado por aquele lago e aquela cor. A viagem já valeria a pena, apenas por percorrer parte do lago. O dia estava muito bonito, mas quanto mais nos aproximávamos do parque, mais nuvens surgiam no céu. Na entrada é necessário pagar setecentos pesos argentinos para adentrar ao parque. 

mini_20181219_141953.jpg.d7a831935dd82d0cd2f68b9fcd7ad5ac.jpg   

Foto 12.6 - Lago Argentino

O Parque Nacional Los Glaciares é um dos patrimônios naturais nomeados pela UNESCO, e é um imenso parque lotado de glaciares e montanhas por todos os lados. O parque é dividido entre norte e sul. Na parte norte do parque encontra-se El Chaltén e suas montanhas. Já na parte sul, que fica em El Calafate, é onde fica o famoso Glaciar Perito Moreno. No Parque Nacional Los Glaciares encontra-se os maiores glaciares do mundo fora das zonas polares. 

Poucos passos dentro do parque e já avistamos o Glaciar Perito Moreno. O que é aquilo? Lindo demais. Sempre achei que quando eu estivesse de frente com o Glaciar Perito Moreno eu me decepcionaria. Errei completamente, aquilo é um espetáculo para os olhos, era algo completamente diferente de tudo que eu havia visto na vida. Fiquei atônito nos primeiros minutos, ou melhor, fiquei atordoado. Nunca tinha visto o Matheus tão admirado com um lugar como com o Glaciar Perito Moreno. 

O Glaciar Perito Moreno foi batizado com esse nome em homenagem ao naturalista e explorador argentino conhecido como Perito Moreno. Ele realizou diversas viagens para Patagônia na segunda metade do século XIX, e em uma dessas viagens "descobriu" (ou seja, o primeiro a registrar a existência do glaciar) o glaciar que hoje leva seu nome.

mini_IMG_5580.JPG.72e7b59518f4bf11c89cd8bd8dfa44a4.JPG

Foto 12.7 - A primeira visão do Glaciar Perito Moreno

mini_20181217_152752.jpg.fd578d56af5abbc4d8d35b373fe77bb4.jpg

Foto 12.8 - Lindo, não?

mini_20181217_154843.jpg.1651c2b769783ba9fa54fff2e4d32914.jpg

Foto 12.9 - Parque Nacional Los Glaciares

1033155517_mini_IMG_5591(1).JPG.69d9840c384e67bf81be53db892ad2da.JPG

Foto 12.10 - Eu me aproximando do glaciar

mini_IMG_5622.JPG.34dcafa2fdcad8cf082b0f71fc094c66.JPG

Foto 12.11 - Glaciar Perito Moreno

mini_IMG_5634.JPG.864cbece56f2c3ff8b55864dee86cd8e.JPG

Foto 12.12 - Gigantesco

mini_IMG_5655.JPG.01bbbe45a9fac37192e45e2588e05578.JPG

Foto 12.13 - O morro e o glaciar

mini_IMG_5667.JPG.8f922c0eca2fb5b1b00b50242bc38718.JPG

Foto 12.14 - Matheus e o Perito Moreno

A beleza do lugar é divina, mas o melhor de se estar de frente com o Glaciar Perito Moreno está no que se ouve. Geralmente, não se ouve nada. Silêncio absoluto. Pois, todos respeitam aquela divindade em forma de gelo e, apenas, contemplam sua beleza. Dificilmente, você vai ouvir pessoas conversando. O silêncio predomina. O êxtase surge no momento em que o silêncio é quebrado, os gelos se rompem do glaciar fazendo um som parecido com um trovão. Esse som te põe em outra dimensão. É demais. Faz te arrepiar todo. Depois de presenciar isso pela primeira vez, você só quer ficar parado e mudo, na esperança que isso aconteça de novo e de novo, para sentir toda aquela emoção outra vez.

Apesar dos rompimentos de gelo constantes que ocorrem no Glaciar Perito Moreno, este é o único glaciar que ainda cresce na Patagônia. Enquanto que com o passar dos anos o glaciares diminuem e vão desaparecendo, o Perito Moreno continua a ser um glaciar estável, ou seja, com pouca alteração no seu tamanho, e até registrando um pequeno aumento em suas dimensões.

Vale a ressalva, para falar sobre a estrutura do parque que é muito boa. Existem quilômetros e quilômetros de plataformas em volta do glaciar para poder apreciar de diferentes ângulos aquela beleza de lugar. Além de o parque oferecer outros tipos de passeios como a viagem de barco até bem próximo a parede do glaciar e um mini trekking em cima do glaciar. Esses passeios extras são bem caros, mas confesso que, principalmente o trekking, fiquei com muita vontade de fazer.  

mini_20181217_155629.jpg.c1a71fcd6ee4d2b7525c0b70db0103fc.jpg

Foto 12.15 - Glaciar Perito Moreno e o Lago Argentino

mini_20181217_160526.jpg.394912479271cccadd59b321fc8d5fc4.jpg

Foto 12.16 - O mar de gelo

mini_20181217_163713.jpg.a799cd6cecccf6d6a1faa5944e1cbfa8.jpg

Foto 12.17 - Onde o lago vira gelo

mini_IMG_5679.JPG.261abbf9a09e1944d93ddbac9da7253f.JPG

Foto 12.18 - Eu e o glaciar

Depois de muito tempo de frente com o Perito Moreno, andamos pelas plataformas em direção contrária ao glaciar. O Lago Argentino, por aqui, não tem aquela mesma coloração que me encantou nas proximidades de El Calafate. Isso deve-se ao desprendimento das geleiras que agitam o fundo do lago e modifica sua coloração. Ainda assim, é belo, mas de um jeito menos estonteante. Creio que isso acontece para o personagem principal daquele canto de mundo ser, apenas, o Glaciar Perito Moreno.

Ficamos sentados o mais distante possível do glaciar. Sentamos numa pedra, ainda calados. Comemos. Os escandalosos trovões quebravam o silêncio de tempos em tempos. As únicas palavras que saiam de nossas bocas eram coisas do tipo "Caralho! Isso aqui é dahora demais". 

mini_20181217_165506.jpg.dfde90b28acdd9f1c85ba9b78f8685bf.jpg

Foto 12.19 - Lago Argentino

mini_20181217_173013.jpg.f530827a4054e842f4027a4febccccd0.jpg

Foto 12.20 - Lago Argentino

mini_20181217_174405.jpg.cf57b95436ea704863efb9db79908dc6.jpg

Foto 12.21 - Lago Argentino

mini_IMG_5743.JPG.a97f7417cde0750de79713bf340deb3e.JPG

Foto 12.22 - Perito Moreno visto de longe

Caminhamos de volta rumo a entrada para esperar o ônibus. O sol estava mais baixo e as cores do glaciar estavam mais bonitas. Agora, a iluminação era melhor e o que era belo se tornou belíssimo. Os passos eram lentos, o fascínio por aquele lugar não terminava. De certa forma, não queria que esse momento terminasse.

Na espera pelo ônibus fiquei grudado no parapeito do primeiro mirante. Devo ter ficado mais de meia hora por ali, olhando fixamente para o glaciar e acompanhando o sol descendo ao fundo. Não conseguia parar de olhar. O olhar fixo, nesses últimos minutos no parque, era a minha maneira de me despedir daquela divindade em forma de paisagem. Não tem como não se sentir um cisco na Terra diante daquilo. A natureza tem esse dom, o de fazer você se sentir tão pequeno, mas ao mesmo tempo te fazer sentir tão privilegiado de presenciar sua própria pequenez. Acho que o respeito a mãe natureza nasce disso, de se sentir pequeno diante de sua imensidão e de enxergar que tudo está conectado nesse mundo. O ônibus chegou, dei uma última olhada no mar de gelo na minha frente. Sem olhar pra trás e sem pensar em nada, subi no ônibus. 

mini_20181217_180935.jpg.a684a6ba05d613398cd0d3464e03013a.jpg

Foto 12.23 - Pouco lindo, né?

mini_IMG_5764.JPG.2c10002568476ab43b110fab7d4e23bc.JPG

Foto 12.24 - Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino

mini_20181217_184626.jpg.0d42fbff3457011f5616c54e495abff4.jpg

Foto 12.25 - A última visão do glaciar Perito Moreno

Voltamos para a El Calafate. Tínhamos prometido para a Cláudia que faríamos a comida pela noite, passamos no mercado para comprar os ingredientes do jantar. Caminhamos de volta para a casa. O vizinho da Cláudia, o José Luis e seu filho também jantariam conosco. Antes de chegarmos na casa da Cláudia, o José Luis se apresentou para nós, muito simpático ele. Começamos a preparar a nossa já "famosa" lentilha (receita do Matheus). Colocamos música alta para ajudar no preparo, enquanto que a Cláudia e o José foram atrás de cervejas.

Preparamos a mesa. O filho do José Luis não quis comer nossa comida, ele trouxe um miojo. Enfim, comemos. A comida tava bem boa, desta vez preparamos uma salada também. Experimentei a cerveja Imperial, da qual gostei bastante. A música de fundo era boa, as conversas iam aumentando conforme as garrafas de cervejas iam esvaziando. 

José Luis é professor de geografia do ensino médio. Ele nos explicou muitas coisas sobre as questões políticas e sociais da Argentina. Passar a noite ali, tendo uma aula gratuita regada a cerveja foi bem bom. Ele nos explicou sobre a divisão da Patagônia entre Chile e Argentina. Falou sobre a Guerra das Malvinas. Questionou o governo Macri e sobre seu governo ser péssimo para o sul do país. José falou sobre os parques nacionais e nos informou que o Parque Nacional Los Glaciares era o segundo mais visitado da Argentina, só perdendo para o Parque Nacional Iguazú.  

1141890256_mini_WhatsAppImage2019-02-18at10_41_34AM.jpeg.3c08bf1801153afef27ef015a57079d2.jpeg

Foto 12.26 - O jantar (Matheus, Eu, Ale, José Luis e Cláudia)

Das coisas que mais me chamou a atenção nos ensinamentos de José Luis, foi a questão do presidente Roca e o povoamento da Patagônia. Eu já havia lido algumas coisas sobre o assunto, mas saber de detalhes e da forma fria que isso foi feito, me marcou bastante. O presidente Roca e a Patagônia estão diretamente ligados, é muito fácil ver o nome do Roca em tudo o que é lugar, só de lagos conheci dois lagos chamados Roca, avenidas são incontáveis. O fato é que o ministro da guerra/presidente Roca no final do século XIX estimulou a matança dos indígenas patagônicos, para assim dominar as terras do sul da América do Sul. Sua desculpa para tal fato é que se os argentinos não fizessem, os chilenos fariam e dominariam tais terras. Quem ia para guerra contra os desavisados índios ganhava uma porção de terra, e assim, a Argentina foi povoando a Patagônia com os de sangue de seu próprio sangue, leia-se o sangue de estrangeiros europeus. Matava um índio e colocava um "argentino" no lugar para cuidar das terras. Para resumir, o que aconteceu foi um genocídio dos índios mapuches na Patagônia Argentina, com a sempre eficaz desculpa do desenvolvimento e de um inimigo imaginário.

Ainda falamos sobre futebol e a precoce eliminação do River Plate no mundial de clubes. A discussão Messi x Maradona surgiu e acabou de forma rápida. Pois, José Luis e a Cláudia diziam: "Maradona jogava sozinho, o Messi precisa de um time". Assim, a questão estava resolvida. Ficamos também um bom tempo comparando Brasil e Argentina na questão social, histórica, política e no futebol. Já era madrugada, quando o José Luis foi embora. Logo em seguida, fomos dormir.

Agora quero voltar aquela decisão tomada no início deste dia. Primeiro, eu pensei na possibilidade e fui falar com o Matheus. Juntos transformamos a possibilidade em decisão, mas antes de falar sobre a decisão tomada quero falar um pouco dos nossos planos de início de viagem.

Nossa viagem desde o início foi dividida em três etapas. A primeira era chegar em Ushuaia percorrendo a Ruta 3. A segunda etapa era conhecer El Calafate e El Chaltén. A terceira seria o caminho de volta. No caminho de volta, queríamos percorrer toda a Patagônia Andina pela Ruta 40, de El Calafate até Mendoza. O Matheus sonhava mais alto, queria chegar até Purmamarca, no norte da Argentina, que tem como acesso a própria Ruta 40. Quando saímos de Rio Claro, mal sabíamos se iríamos conseguir chegar em Ushuaia, e agora já estávamos em El Calafate. Dias antes, já estávamos fazendo planos e arrumando contatos de hospedagem para cidades que queríamos conhecer pela Patagônia Andina, tipo: Bariloche, San Martin de los Andes e El Bolsón. Voltar pela Ruta 40 era possível. 

No entanto, havia feito algumas contas na cabeça. O restante do nosso dinheiro dava para fazer o caminho de volta de ônibus até a fronteira com o Brasil e sobrava algum dinheiro que dava para conhecer El Chaltén. Outra opção seria apertar esse dinheiro, como havíamos feito até aqui, e seguir pela Ruta 40, o problema é que se precisássemos pegar ônibus pela Ruta 40 (que é muito mais caro que pela Ruta 3) quando caronas não rolassem, o dinheiro acabaria rapidamente e ficaríamos sem grana para comer (comida é caro na Patagônia). Enfim, escolhemos a opção conservadora.

Novamente, acompanhamos a Cláudia no café da manhã. Ela sairia de férias daqui a dois dias e viajaria para rever a família em Formosa no norte argentino, estava bem animada por isso. Nessa manhã, ela contou a sua história, contou sobre seu casamento, os motivos dela ter viajado para o sul, sobre o término do casamento, sobre seu novo namoro, sobre a vida difícil que se tem no norte do país. Foi muito legal a conversa e a confiança que ela já depositava em nós.

A Cláudia nos aconselhou em ir tomar mate nos arredores do Morro El Calafate naquela manhã. Esquentamos a água, colocamos na térmica e fomos. Estranho aquele cenário desértico no qual estávamos ser tão próximo do exuberante Glaciar Perito Moreno. Adentramos em diversas trilhas, nos perdemos bastante, mas conseguimos achar uma boa sombra para ficar de bobeira tomando mate. O arredor do Morro El Calafate é muito bonito, com um grande cânion e um rio embaixo para dar um charme ao lugar.

mini_20181218_110251.jpg.7e7fa9dd1dbade3d2d63073a86d0a9c0.jpg

Foto 12.27 - Trilha

mini_20181218_113940.jpg.2061934e7d72f5e7f84c7de58e2b4896.jpg

Foto 12.28 - O caminho para a sombra

mini_IMG_5775.JPG.610557b4035b9aebd44b25abbc1e0f3e.JPG

Foto 12.29 - O rio

mini_20181218_113638.jpg.5442be0bffca39fe22ccd5040b7e1288.jpg

Foto 12.30 - O Lago Argentino anuncia-se ao fundo

mini_IMG_5771.JPG.fe193e680982d1651e204dcd696a5a87.JPG

Foto 12.31 - Admirando o Lago Argentino

Fomos para a rodoviária e compramos nossas passagens de ida e volta para El Chaltén, além de comprar nossa passagem de El Calafate até Buenos Aires. Depois, seguimos em direção ao Lago Argentino. Caminhando pelo centro da cidade encontramos o Bruno, o motoqueiro que havíamos conhecido em Ushuaia. Conversamos um pouco, ele passaria mais uns dias em El Calafate e depois rumaria para El Chaltén, combinamos de nos encontrar em El Chaltén. Seguimos a caminhada rumo ao Lago Argentino.

mini_IMG_5777.JPG.1fd8782f08c6dd8790290f56aab7f5a8.JPG 

Foto 12.32 - El Calafate

mini_IMG_5778.JPG.eb82856488e7c68ab26d794c9c78667f.JPG

Foto 12.33 - El Calafate

Tem uma definição do Fernando Birri sobre utopia que é a seguinte: “A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.”. A busca pelo Lago Argentino neste dia tinha um pouco desta utopia, pois víamos o lago e ele parecia estar muito próximo. Caminhávamos, caminhávamos, e parecia que o lago ficava mais distante. Caralho! Teve uma hora que parecia que o lago estava a alguns passos, mas nada, andava, andava e a cada passo parecia que se distanciava mais. Uma hora, não aguentei e sai correndo. 

Cheguei a beira do lago, olhei para trás e uns pássaros esboçavam atacar o Matheus. Sentei e fiquei em silêncio por um tempo só observando o meu redor. O melhor de tudo foi ver uma infinidade de pássaros sobrevoando aquele azul vibrante. Não tenho muito o que falar, a não ser dizer que aquele lugar é lindo demais.     

mini_IMG_5784.JPG.d654266fedeace824475fa412b741808.JPG

Foto 12.34 - Esse lago que não chega

mini_20181218_172622.jpg.c6914490310c783c667c870cac78cd3e.jpg

Foto 12.35 - Lago Argentino

mini_20181218_172656.jpg.8b9b02cb1a4cfc600e2dbf24effc414e.jpg

Foto 12.36 - Lago Argentino

mini_IMG_5791.JPG.615cc9ad8884c0c3e61a29426fc0f301.JPG

Foto 12.37 - Matheus e o Lago Argentino

mini_IMG_5806.JPG.c34bd52728ea150939ad7bcce247064c.JPG

Foto 12.38 - A paz

A família Kirchner tem uma casa em El Calafate. O falecido ex-presidente Nestor Kirchner é natural de Rio Gallegos e já governou a província de Santa Cruz também (El Calafate é uma cidade da província de Santa Cruz, cuja a capital é Rio Gallegos.). Neste dia, tinha um rebuliço na cidade, pois existia um boato que a ex-presidenta Christina Kirchner estava na cidade. 

Voltamos para a casa da Cláudia. Fizemos cachorro quente a la brasileira. Comemos bastante. Conversamos e ouvimos muita música. A noite foi leve e muita boa. No dia seguinte arrumamos nossas coisas e ficamos de bobeira o resto da manhã. Esperamos a Cláudia para almoçar, comemos o restante do cachorro quente. Ela nos levou até a rodoviária, com um abraço apertado me despedi da Cláudia. Corremos para o ônibus que já estava partindo.

El Calafate é um dos lugares mais incríveis que tive a oportunidade de conhecer. As fotos não traduzem em nada o que é o lugar, pois o melhor é a experiência sensorial que a cidade proporciona. Falando na cidade, ela tem uma ótima estrutura para receber turistas, cheia de hotéis, hostels e restaurantes. O clima no verão é muito agradável e como quase todos os lugares na Patagônia, é um lugar seguro de caminhar e de se estar. Os dias na cidade foram muito bons para mim e conviver com a Cláudia fez tudo ficar mais leve. Só tenho a agradecer a Cláudia por abrir a porta de sua casa e nos receber com sua alegria. Muito obrigado Cláudia, um beijo e toda paz em seu caminho.

 

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Dimofski Antonio
      Boa noite meus amigos, estou começando a me organizar para uma expedição até Ushuaia, partindo de Bauru SP.
      Tenho um chevrolet tracker 2018 super confortável para estrada e boa dirigibilidade.
      Alguém que já fez uma viagem de longa distância com um carro desses ?
      Abraço e obrigado.
    • Por vagner xavier
      Olá pessoal, tudo bem?
      Em outubro estou indo para Ushuaia (02/10 até 12/10), gostaria de saber se vai ter alguém daqui por lá.
      Para podemos marca uma cerveja ou sair comer e conversar.
      Abraços
    • Por Marlon Escoteiro
      Travessia do Parna de São Joaquim – Urubici até Bom Jardim da Serra – SC - julho/2019
      Desta vez a minha ideia original era ir pra Serra Fina, mas acabaram mudando a data da festinha da minha filha e a semana ficou curta, eu não podia faltar a apresentação dela que seria na sexta. Essa jornada é a continuação da travessia do Canyon do Funil e das Laranjeiras que eu havia feito em julho de 2018, que na época infelizmente por conta da chuva e de um parceiro que se machucou no caminho tivemos que abortar a travessia no Canyon Laranjeiras. Então decidi por fazer a travessia solo no Parna de São Joaquim. Posso dizer que minha vida na montanha começou nos canyons, mas precisamente na região do Canyon Fortaleza no RS, tendo sido guia no Parna Aparados da Serra e redondezas e feito várias travessias pela região. Mas só agora que comecei a explorar mais a região do lado catarinense.
      Mas vamos aos preparativos.
      No fim de semana juntei minhas tralhas de acampamento, comprei comida e tentei alguns albergues e pousadas em Urubici que estavam lotados, pois foi neste final de semana do dia 6/7 veio uma forte frente fria e previsão de neve, lotando a região da serra catarinense. Acabei encontrando lugar no Hostel e Armazem Heyokah uma pernoite com café por 60$, já reservei e falei que provavelmente chegaria tarde da noite pois o único ônibus saindo de Floripa era as 18h chegava as 22h30 lá. Mas o dono do hostel me passou um contato de um taxista, o Gilson (48)999672262. Que fazia esse trecho pelo mesmo valor do ônibus e que ele saia depois do almoço, tratei logo com o Gilson e as 13h30 ele passaria na rodoviária de Floripa.
      Logo cedo pela manhã de segunda feira peguei o ônibus para Florianópolis saindo de Itajaí e chegando lá encontrei com o Gilson que ainda pegou mais 2 pessoas. E assim com a lotação completa subimos a SC 282 com destino a Urubici, chegamos as 18h lá e já fui para o Hostel, deixei minha tralha no quarto e fui atrás de uma mercearia para completar minhas refeições e comprei um queijo serrano e uma linguiça de Urubici. Estava bem frio e nem me animei dar uma volta. Retornei para o Hostel e tratei de fazer uma janta e estudar a carta topográfica novamente. Lá pelas 22h fui dormir e as 6h tava de pé para o café da manhã.

       
       
      As 7h30min comecei minha jornada, fazia muito frio e os campos estavam brancos da geada. Sai do hostel em direção sul para o vale do Rio Urubici conhecido como “Baianos” logo no início da estrada rural havia uma placa turística informando os atrativos da região. Uma estrada muito bonita, cercado por morros e peraus e coberta de muitas araucárias, havia várias propriedades pelo caminho. Uns 40 min depois passou por mim um carro e logo em seguida parou e cruzei com eles, estavam chegando em casa e me perguntaram para aonde eu estava indo e expliquei meu trajeto. Ele achou muito doido, e disse que não havia visto ninguém ir para aqueles campos, somente os campeiros atrás de algum gado desgarrado. Ele disse ainda que fazia alguns acampamentos pois era escoteiro e admirava os mochileiros, aí completei falando que eu era escoteiro também. Pronto! Me convidou na hora para entrar e tomar um café, assim foi uma hora de prosa e causos. Um bate papo muito bacana, mais eu tinha muito chão ainda pela frente, agradeci pela acolhida me despedi e segui meu rumo.



       
      Logo em seguida fico observando uma propriedade bem bonita quando faço a curva da estrada logo na porteira estava o capataz dessa fazenda arrumando a cerca, mais um dedinho de prosa ali. E mais adiante outra parada para um bate papo. Mas vou dizer que isso foi uma das melhores coisas desta caminhada, poder conhecer um pouco das pessoas que ali nasceram e cresceram e as dicas preciosas que consegui, esse último tinha sido capataz por 6 anos da Fazenda Caiambora, local onde eu ia passar ainda hoje. Ele falou que era loucura acampar naqueles campos, pelo frio que fazia. Me indicou um caminho pelo passo dos momos para ir até lá. Depois adiante havia um cruzamento, indo a esquerda ia para a serra do Bitu, que haviam dito que agora até carro passava e levava até a estrada de acesso do morro da Igreja. A direita seguia para a serra dos Padilhas que também levava ao morro da Igreja porem com transito limitado de veículos. Esse caminho era a continuação dos baianos e seguia pelo rio Urubici.



       
      Ali a paisagem ficou ainda mais bonita, os paredões imponentes de cada lado o rio margeando a estrada e as araucárias por todo o lado. Cheguei na Pousada dos Encantos da Natureza (49-991120278) do Sr. José e da Dona Valsíria um lugar muito bonito, com 3 chales aconchegantes, área para camping e quartos da casa principal. Com certeza retornarei a este lugar para me hospedar com a família. Dependendo do horário de chegada em Urubici, vale a pena esticar até aqui para acampar. Pois esta a apenas 7km de Urubici. Parei mais um tanto ali para uma prosa com o casal e mais dicas da trilha, o Sr. José me indicou uma antiga trilha de tropeiro para vencer aquele paredão e lá encima me direcionou para ir pelo caminho dos momos, fundo dos tigres até a fazenda Lageado, onde seu primo João era capataz, e dessa fazenda subia a trilha até o topo da serra que fazia parte do Morro da Igreja e separava o vale do rio Urubici do vale do Rio Pelotas já dentro de área do Parna São Joaquim. Depois dessa boa conversa com eles, olhei o relógio e já era 10h50 e estava umas 2h atrasado pelo meu cronograma, tirei os casacos e touca, guardei na mochila, tomei uma água e parti para cima.



       
      Era uma trilha bem aberta mais muito erodida e íngreme, do meio dela tinha uma vista bonita do vale, segui adiante até ir adentrando no meio das araucárias até uma bifurcação onde mantive a direita seguindo as dicas do Seu Zé, logo ficou plano e fez uma grande curva, havia várias vacas no caminho, a trilha virou uma estrada e começou a descer, apareceram várias casas e logo uma antiga trilha a esquerda e nessa entrei andando pouco por ela, já alcancei a estrada de novo. Tive logo adiante a primeira vista do Morro da Igreja e do Radar do Cindacta a estrada começou a descer e passei pelo sitio que tinha um açude ali segui reto em outra trilha pouco batida. Ali começava o caminho dos momos. A trilha/estrada ia em curva de nível pelo morro a direita passando pela mata de araucárias, havia alguns pomares de maça no caminho e vacas. Depois a trilha foi fechando e ficando mais barrenta. Próximo a uma vereda parei para comer era 13h30, ali passava também uma linha de transmissão que rasgava a mata e a trilha fechou de vez, com muitos atoleiros das nascentes de água e arroios que estavam presentes em toda a trilha, água não faltava.






       
      Segui o caminho e cruzei de novo com a linha de energia, ali começou a aparecer trilhas a esquerda, mantive a direita e logo depois de passar por uma cancela a trilha batida seguia adiante, e a direita um carreiro subia, consultei a carta topográfica e optei subir pois logo acima havia campos de altitude. Cheguei em um descampado grande e mais acima já via o topo da serra e uma faixa de mata que separava. Fui seguindo os campos e rastreando a mata até que achei uma trilha que subia a floresta e fui subindo até o topo. Uma parada para respirar, tomar água, comer um chocolate e pensar nos próximos passos, pois pelo meu cronograma eu já devia estar na fazenda Caiambora e isso era umas 15h30. Vi um vale muito bonito a direita e acima os campos de Santa Barbara, a esquerda abaixo o vale do rio Urubici e seguindo o caminho dos momos a fazenda Lageado o qual eu já estava acima dela. Fui seguindo a crista dos morros até o cruzamento com a antiga estrada que ligava a fazenda Lageado com a Fazenda Caiambora e ali peguei a direita e fui seguindo a estrada até a borda da serra e o começo da descida, lá embaixo estava a antiga fazenda “abandonada” e recentemente comprada pelo Parna. Logo passei por uma área congelada. Era uma nascente que corria na trilha e ali estava tudo congelado, com certeza a dias, com a vinda do ar polar que por ali passou. A trilha é uma antiga estrada toda erodida e com muito vassourão crescendo, tem dois momentos que a trilha some, mantenha a direita para não se perder e logo a trilha aparece de novo e vai ziguezaqueando até o fundo do vale as margens do Rio Pelotas. Cheguei as 18h na fazenda Caiambora a noite já estava chegando. Bem longe do horário que eu imaginava por volta das 15h, Mas também só de conversa perdi mais de 2 horas... kkkkk





       
      Montei meu acampamento ao lado da taipa de pedra. O frio veio de uma vez, me troquei e pus minha roupa noturna, segunda pele, blusa e lã, moleton e fleece, além dos acessórios de luva e gorro, troquei as meias e ainda acrescentei uma de lã. Montei minha cozinha, fervi água para o jantar e o chá de gengibre com camomila. Fritei a linguiça com alho, joguei a lentilha “vapza” e um pouco de água. Logo já estava pronto. Que delicia ficou. Tomei meu chá e ainda fiquei por ali fazendo algumas anotações do mapa e traçando o próximo dia. Fui dormir.
      Acordei as 6h comecei a arrumar as coisas e ferver água para o café. Preparei meu pão de queijo escoteiro.
      3 colheres de polvilho azedo
      1 colher de leite em pó
      1 pct de queijo parmesão ralado
      1 pitada de sal
      1 pitada de fermento químico
      Prepara-se previamente os secos em casa. Quando for preparar despeje em um prato, acrescente 1 ovo e 100ml de água. Depois é só fritar como uma panqueca. Fica muito bom. Dei uma volta pela redondeza, fui ao banheiro “TUBOSTÃO” todos devem utilizar ele e trazer de volta seus dejetos embora da montanha, NUNCA deixe seus dejetos nessas áreas. Tirei algumas fotos, terminei de desmontar o acampamento e montar a mochila, explorei as redondezas da fazenda e do rio Pelotas onde carreguei água do rio e parti as 8h30.




      Eu iria subir o morro logo em frente, era muito íngreme e no topo haviam alguns cocurutos de pedra onde achei que talvez fosse perigoso passar com a mochila pesada. Desisti e segui margeando a encosta. Não havia trilha e o capim era muito alto o campo estava com muita vegetação o que dificultava caminhar. Fui seguindo até uma pequena mata de vereda. Ali a encosta ainda era muito íngreme mais visualizei uma passagem por entre as rochas lá em cima e parti rumo ao céu. Este trecho todo desde a fazenda Caiambora me atrasou bastante, acredito que o melhor teria sido subir o enorme morro mesmo e passar pelas pedras, pois estando ali em cima elas já não pareciam tão difíceis. Isso já eram 11h achei que estava novamente muito atrasado. Fui seguindo pela crista e parei no topo mais alto para comer. A vista era fantástica, se via bem em frente ao norte o Morro da Igreja, toda a trilha que eu havia feito, os Campos de Santa Barbara, o vale do Rio Pelotas, o caminho que iria percorrer e ao longe ao sul o canyon Laranjeiras e mais ao fundo os ventiladores eólicos gigantes que estão ao lado da Serra do Rio do Rastro, e toda borda da serra Geral e a Serra Furada com seus imponentes picos. Dali vi a trilha que iria continuar e consultei meu mapa, comi umas frutas, chocolate e meu super brownie o qual acrescentei muitas castanhas, whey protein, maca peruana, maltodextrina e dextrose. Meu carbo e barra proteica caseira.

       





       
      Peguei um gás e desci rumo a borda da Serra Geral. Na descida passei por um banhado e logo alcancei a borda dos peraus e fui caminhando até uma subida com vara mato. No topo fui seguindo pela curva de nível o máximo que pude para não gastar energia. Neste ponto meu joelho começou a incomodar, havia uma descida forte e um capão logo depois, contornei o capão e segui varando por dentro numa área bem aberta. A vantagem dos capões de araucárias que em geral são bem limpos e fáceis atravessar por dentro. Já as matinhas nebulares são terríveis pois são arvoretas baixas e com muitos galhos que dificultam atravessar. Sai num pequeno vale bem bonito, peguei o mapa e consultei o relevo e decidi ir margeando o vale ao invés de subir o morro e seguir pelas bordas. Normalmente nessa região da Serra Geral as bordas são mais secas e fáceis de caminhar, pois nos vales e campos aparecem muitas nascentes formando banhados e turfeiras. Neste momento a dor do joelho se intensificou, meti para dentro 1 torsilax e 1 paracetamol. E segui desviando os banhados e mantendo a curva de nível até a margem de uma mata, ali fui procurando e achei uma antiga trilha, bem limpa apesar de apresentar uma vossoroca.




       
      Na saída dela já no campo vi o próximo pinheral a cruzar descendo por entre a mata bem fundo até o vale do rio Campo Bom e a subida do outro lado era bem forte, passava das 16h30 e sabia que não conseguiria e a noite iria me pegar no meio daquela subida, e não seria uma boa ideia para acampar e ainda tinha meu joelho. Com a mapa na mão tracei um novo rumo, vi que o vale do rio Campo Bom dava em uma estrada, e que no meu mapa aparecia uma antiga estrada das serrarias que cruzava o pinheiral que estava a aproximadamente a 3km por cima dos campos em curva de nível, assim o esforço seria menor e poderia achar um lugar melhor para acampar, e assim com novo azimute comecei a jornada, a dor no joelho começava a diminuir por conta das boletas. Fui contornando o morro com o vale logo abaixo e um pinheiral enorme do outro lado do vale e do lado que eu estava passando era só campo, e notei que muitos vales tinham pinheiral em um lado e campo do outro, notei que a mata estava a sul, não sei porque, mas acredito que por se tratar de Mata Atlântica de altitude conhecida como Ombrófila mista, ou seja de área sombreada o lado sul seria realmente a melhor face para elas se desenvolverem, porém não consegui provar minha teoria. No meu caminho divagando sobre a vegetação levei um susto, pois derrepente da minha frente sai um graxaim correndo do meio do nada. Acho que assustei o canino, e ele me assustou também... kkkk. Encontrei a antiga estrada abandonada e fui seguindo por ela quando era 18h achei um lugar plano e bom para o acampamento. Como de costume montei a barraca, pus minha roupa noturna e pulei para dentro da barraca. Entrei no meu saco de manta e pus a agua para ferver. Piquei o alho e a linguiça de Urubici e reservei. Pus um pouco da água fervida na térmica com gengibre e chá para ir tomando e o restante deixei na chaleira, e comecei a fritar o alho e a linguiça e aos poucos jogando agua quente para ir preparando minha fritada. Coloquei arroz e logo depois toda a água da chaleira e o macarrão e deixei cozinhar. Quando estava no ponto joguei um mini pacote de vono, mexi um pouco e pronto! Fui me deliciando com esse sopão que fiz e tomando meu chá. Que maravilha! Depois de bem alimentado “lavei” a louça com papel toalha. Organizei minhas coisas e comecei a rever o mapa novamente. Depois passei um tempo por ali e adormeci.


       
      Acordei as 5h e já tratei de arrumar minhas coisas, passar meu café na minha cafeteira pressca, comer um brownie e desarmar o acampamento. As 6h com lanterna na cabeça e mochila nas costas, parti. Logo entrei na mata, me abasteci de água e fui subindo pela antiga estrada lentamente até o topo e cheguei na margem do pinheiral que estava na borda direita do rio Campo Bom na face sul. A trilha se fechou e bifurcou, sendo que uma voltava na direção que eu havia vindo do dia anterior e a outra descia por entre o pinheiral acompanhando uma cerca em boas condições e recente. Ali havia marca de gado e resolvi seguir, a descida bem íngreme e com muitos xaxins gigantes com mais de 7m um espetáculo da natureza, presumindo que cresce 1cm por ano, estava eu ao lado de plantas com mais de 700 anos, quiçá milenares, e curioso que apesar da exploração massiva das araucárias não havia nenhum exemplar de pinheiro realmente grande, mas os xaxins ainda estavam ali e felizmente não foram derrubados com as araucárias. Durante a descida, derrepente a trilha sumiu, mas a mata era bem limpa por entre os xaxins gigantes e as araucárias, as vezes aparecia algum rastro de gado no caminho e assim fui descendo até chegar a beira do rio Campo Bom, estava com bastante geada ao redor e ainda muito frio. Era um rio com uma paisagem muito bonita, parada para algumas fotos, tirar o excesso de roupa e consultar o mapa, porém cadê o mapa? Tinha perdido ele no caminho, voltar nem pensar, dificilmente acharia o mesmo caminho de volta, ainda bem que eu havia estudado ele e sabia que hoje seria só seguir o rio até a estrada e ai seguir para a cidade com a esperança de talvez pegar alguma carona no caminho. Fui margeando o rio, saltando um banhado ou outro, as imagens das araucárias, com o rio, o branco da geada estavam impressionantes, apesar de já ter visto isso muitas vezes, ainda me causava uma sensação de ser a primeira vez. Passei por alguns cavalos e isso me alertou que já devia estar próximo da estrada, logo adiante vi um galpão e um arroio que precisava cruzar, quando estava prestes a chegar na propriedade não prestei atenção e afundei meus dois pés no banhado!!! Que merda!! Depois de ter passado ileso por todos os banhados acabei me molhando. Atravessei o rio me equilibrando nas pedras e comecei a caminhar em direção ao galpão, achei estrando em não ver fumaça, algo me dizia que não havia ninguém... havia uma mula dentro da área cercada da propriedade, abri a cancela e confirmei que não havia ninguém.







       
      Sai e fui até a estrada que ali era o fim do caminho, e o começo da minha pernada até Bom Jardim da Serra. Parei para um lanche e para pegar água, mas peguei uma água ruim com gosto de terra... então passei por 2 casas que estavam longe da estrada e com fumaça na chaminé. Sai na localidade de Santa Barbara, com a igrejinha e o salão comunitário. Logo adiante tinha uma casa bem na beira da estrada, e o senhor do lado de fora se esquentando no sol e com um velho barreiro do lado. Cumprimentei e falei de onde vinha e para onde estava indo, estava ele e sua mulher que me convidou para um café, agradeci e falei que estava com pressa e pedi um pouco de água só. E segui adiante, uma estrada muito bonita, daria um belo passeio de bike. Eram 20 km até a cidade, neste caminho cruzou por mim somente 2 carros que estavam cheios, mais adiante encontrei um cara numa casa a beira da estrada batemos um papo e segui, quando faltava algo de 5 km bem próximo ao cruzamento da estrada que vinha do canyon laranjeiras um caminhão parou e me deu carona até a rodoviária.


       

       
      Chegando lá era 12h, encontrei com o Sr. Que era responsável pela rodoviária já o conhecia de outras aventuras por ali, ele havia sido 6 vezes vereador da cidade e ostentava um quadro na parede de um gaúcho pilchado com cuia e chaleira na mão que era seu pai. Me disse que o próximo ônibus saia as 15h e ia para Lages e de lá eu podia pegar um ônibus direto para Itajai, me indicou um restaurante no centro para almoçar e lá fui bater um rango forte. Depois fui na tenda da Lili comprar um bom queijo, suco de maça e salame para levar para casa. Peguei o ônibus e cheguei em casa depois da meia noite.
       Agora os planos são fazer o Campo dos Padres.

      SICILIANA fichas e planilhas.pdf
    • Por Taciana Soares
      Oi! Estou em Poa e queria fazer um bate e volta para São Miguel das Missões. Tá valendo agência de turismo, também!
       
      Alguém sabe como chegar lá?
    • Por Alan Rafael Kinder
      Bom dia,
      Eu sou o Alan, e este é meu primeiro post aqui no mochileiros.com.
      Estou recorrendo a vocês pois tenho uma dúvida a respeito das geleiras na região patagônica de El Calafate e El Chaltén.
      Estarei indo passar 03 dias em El Calafate e 05 em El Chaltén em Fevereiro de 2020 (verão, em um pequeno grupo de 03 pessoas), fiz diversas consultas pela internet sobre esse assunto e aparentemente tudo leva ao Perito Moreno, administrado pela Hielo Y Aventura. Em outros casos, algumas notícias antigas falam do Glaciar Viedma, todavia parece que não é mais possível caminhar sobre esta geleira.
      Nós realmente gostaríamos muito de ter essa experiência, porém o site da Hielo Y Aventura nem tem agenda livre ainda para fevereiro de 2020, e o valor atual por pessoa ultrapassa R$ 1.000,00 no Big Ice (que é a oferta que mais se aproxima de nosso interesse).
      Minha pergunta é, existem outras opções com outros valores nessa região (até mesmo em outras cidades próximas, não mais de 300 km de distância) ou até mesmo a possibilidade de caminhar sobre uma geleira de forma autoguiada e sem custos?
      Quando montei o roteiro dessa viagem, a alguns meses atrás, o valor do Big Ice era menor que R$ 800,00, e esse aumento realmente ficou chato, por isso estou procurando alternativas.
       
      Agradeço muitíssimo qualquer colaboração, e se vocês tiverem qualquer dica sobre esse assunto, eu ficaria muito feliz em recebê-la!


×
×
  • Criar Novo...