Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Diego Minatel

O nosso norte é o sul: Atravessando Brasil e Argentina até Ushuaia ou O caminho para o fim do mundo

Posts Recomendados


16 horas atrás, appriim disse:

@Diego Minatel Que delicia de relato, Diego! Tô viajando com você e relembrando da minha viagem :)

Valeu, @appriim! Que massa que esteja curtindo o relato. Eita, quando esteve por aqueles cantos? Curtiu demais? Se apaixonou por El Chaltén? 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
1 hora atrás, Diego Minatel disse:

Valeu, @appriim! Que massa que esteja curtindo o relato. Eita, quando esteve por aqueles cantos? Curtiu demais? Se apaixonou por El Chaltén? 

Fui final de ano, sai dia 20/12 e fiquei até 05/01! Deixei um pedaço do meu coração El Chaltén, cidade encantadora, com uma energia boa demais. Adorava ver todo mundo na rua com roupa de trilha, cheios de casaco, segurando um bastão de trekking. A melhor parte era sair da trilha, suja, cheio de pó ,ir pro bar e todo mundo estar assim também 😂

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
1 hora atrás, appriim disse:

Fui final de ano, sai dia 20/12 e fiquei até 05/01! Deixei um pedaço do meu coração El Chaltén, cidade encantadora, com uma energia boa demais. Adorava ver todo mundo na rua com roupa de trilha, cheios de casaco, segurando um bastão de trekking. A melhor parte era sair da trilha, suja, cheio de pó ,ir pro bar e todo mundo estar assim também 😂

Eita, é recente também, que massa, pode ser que dividimos as mesmas trilhas. Aquele lugar é fascinante, todo mundo está lá pra caminhar até dizer chega. To escrevendo sobre El Chaltén agora e tá batendo uma saudade monstra daqueles dias.  

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
21 horas atrás, Diego Minatel disse:

Eita, é recente também, que massa, pode ser que dividimos as mesmas trilhas. Aquele lugar é fascinante, todo mundo está lá pra caminhar até dizer chega. To escrevendo sobre El Chaltén agora e tá batendo uma saudade monstra daqueles dias.  

Não duvido 😂 Cheguei dia 30/12 em El Chaltén. Deixei ela por último porque sabia que seria trilha e mais trilha. Logocomeço a escrever meu relato de El Chaltén. Coração vai apertar.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
23 horas atrás, Diego Minatel disse:

Assim, quando terminamos uma curva e demos de frente com uma vaca selvagem, o Matheus entrou em choque e saiu correndo (risos). A vaca era deboas, não esboçou nenhuma reação quando nos viu, eu passei por ela caminhando. Eu caguei de dar risada, o Matheus voltou para a trilha todo encabulado se justificando que a cena foi respeito a natureza (risos). 

HAHAHAHAAHAH eu tive uma cena parecida, na mesma trilha.
Estava descendo conversando com um amigo que fiz durante a viagem, a gente tava no maior papo sério sobre pumas, quando de repente ele pega na minha mão assustado (quase me puxando para o chão), achando que tinha visto um urso (?), eu achei que era um puma e que ia ser devorada ali mesmo. Depois olhamos e era só uma vaca selvagem.

Resumindo: quase caímos no chão e ninguém mais conseguia parar de rir 😂😂

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 08/03/2019 em 15:43, appriim disse:

HAHAHAHAAHAH eu tive uma cena parecida, na mesma trilha.
Estava descendo conversando com um amigo que fiz durante a viagem, a gente tava no maior papo sério sobre pumas, quando de repente ele pega na minha mão assustado (quase me puxando para o chão), achando que tinha visto um urso (?), eu achei que era um puma e que ia ser devorada ali mesmo. Depois olhamos e era só uma vaca selvagem.

Resumindo: quase caímos no chão e ninguém mais conseguia parar de rir 😂😂

Hahahahaha cê eh loko, imagina só dar de cara com um puma? Aquelas vacas selvagens pareceram deboas, mas a placa falando delas dá uma assustada até 😂😂😂😂

  • kkkkkkk 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 14 - A janela do ônibus

"Digo: o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia." Grande Sertão: Veredas, João Guimarães Rosa

Agora dentro do ônibus, seriam dois dias de viagem até Buenos Aires. A viagem começou cedo naquela dia. Saindo de El Chaltén um misto de sentimentos tomava conta de mim. Cada minuto que se passava, eu ficava mais distante daquele lugar que para mim passou a ser o meu preferido no mundo. Já estava com saudades de ter sempre a companhia do Fitz Roy, mas tava feliz por começar a empreitada de volta para casa.

Tentei dormir, mas eu só conseguia olhar pela janela do ônibus. Com os olhos eu ia me despedindo de todos aqueles lugares. O ônibus acelerava na pista vazia, primeiro pela Ruta 23 e depois pela Ruta 40. A chuva começou a cair, a janela não mostrava mais nada. Assim, o sono me venceu. Acordei em El Calafate, ficamos pouco tempo na cidade. Só deu tempo de comprar algumas empanadas, comer e subir no ônibus para Rio Gallegos. Agora pela janela do ônibus via o caminho que percorremos pela noite dias antes. Ao passar pelo posto policial, veio a recordação dos momentos de tensão. Chegamos em Rio Gallegos no meio da tarde. Era Natal, a cidade estava vazia, aguardamos algumas horas e entramos no ônibus que nos levaria até Buenos Aires.

Rio Gallegos ficou para trás. O ônibus ia avançando pela Ruta 3 no sentido norte. Um filme de trás para frente ia passando pela janela do ônibus. Parecia que estávamos rebobinando a viagem. A conquista dos quilômetros sem suor e espera não tinha a mesma graça. Porém, o exercício de recordar todos momentos vividos e lembrar aquela obsessão por chegar, era bom demais. Pela janela do ônibus eu voltava no tempo, sentia aquele arrepio do desconhecido e de não saber onde estaria nos próximos cinco minutos. Agora, as incertezas da viagem faziam falta e as perguntas que sempre fazíamos um para o outro retornavam na memória: "Será que vamos nos dar bem com a pessoa que vai nos hospedar?", "Será que alguém vai nos dar carona hoje?", "Como vai ser a próxima pessoa que vai abrir a porta do carro?", "Onde vamos dormir hoje?", "Será que vamos conseguir?", "Vamos continuar aqui ou mais pra frente os motoristas nos veem melhor?", "Qual o plano B?", "Qual a próxima cidade que vamos parar?", "Conseguiu contato no couchsurfing?", "E se tentássemos outra abordagem de carona?", "Insistir ou desistir?". 

O ônibus saiu da Ruta 3 e seguiu pela Ruta 288 para pegar os passageiros em Puerto Santa Cruz. Na volta para a Ruta 3, ainda na Ruta 288, a noite batia na porta. Era umas dez da noite, o sol estava tocando o horizonte. A luz na planície patagônica alternava de cores, ora alaranjada, ora rosada. Lentamente, a luz ia desaparecendo e a vegetação brilhava num dourado chamuscante. Coisa linda de ver. Esse foi o último presente que a Patagônia nos ofereceu, nosso presente de Natal. Quando a luz desapareceu de vez, a chuva veio para ficar. 

Por toda a madrugada a chuva não parou. Amanhecemos em Comodoro Rivadavia. Quanto mais subíamos no mapa, mais intensa a chuva ficava. Era assustador estar naquela tempestade dentro do ônibus. Passamos por Trelew, avistei o ponto em que ficamos o dia todo na espera. Das coisas que eu mais tinha medo nessa viagem, acho que a maior era pegar uma tempestade patagônica no meio da pista pedindo carona, longe de tudo. Se era assustadora a tempestade dentro do ônibus, imagine na beira da pista. Muita coisa veio na cabeça nessa hora, fiquei pensando em como demos sorte em pegar tempo bom na maior parte do tempo, pensei também que era mesmo pra estarmos voltando de ônibus. A chuva não deu trégua em nenhum momento mais. Passamos por Puerto Madryn, Las Grutas, Viedma, Bahia Blanca e Tres Arroyos debaixo de muita água e ventos fortes. Pela janela do ônibus nada mais se via, apenas pingos de água escorrendo pelo vidro. Na madrugada, seguimos pela último trecho da Ruta 3 até Buenos Aires.  

Depois de dois dias de viagem, enfim, chegamos em Buenos Aires. Mais uma vez a Ruta 3 estava completa. Dessa vez sem esforço, de forma rápida e sem paradas. Nos fodemos pra caralho na ida, mas jamais trocaria as experiências vividas na ida pela comodidade da volta.

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 15 - O caminho de volta: Buenos Aires, São Miguel das Missões, Curitiba e Prainha Branca

""Isto eu já sei de cor e salteado”, gritava Úrsula. “É como se o tempo desse voltas sobre si mesmo e tivéssemos voltado ao princípio."" Cem Anos de Solidão, Gabriel Garcia Marquez

Da rodoviária do Retiro pegamos o metrô e depois o trem até Merlo, uma cidade da região metropolitana de Buenos Aires. Dessa vez, iriamos ficar na casa do Federico, o mesmo que arrumou nossa estadia em El Calafate. Chegamos no meio da tarde, fomos recebido pela Valeria, cunhada do Fede. Federico chegou no final da tarde trazendo faturas pra nós comermos. O dia estava ensolarado, aproveitamos pra ficar na piscina até o pôr do sol.

Federico é um cara muito gente boa e alto astral, ele é formado em educação física e trabalha, atualmente, com atividades físicas na educação especial. Ele é nascido em Rio Gallegos e fez a graduação em Cuba. Depois de morar em Cuba, ele nunca mais se acostumou com a gélida Rio Gallegos, e sempre que tinha tempo e dinheiro viajava para o nordeste brasileiro para encontrar calor e praia. Numa dessas viagens ele foi para Jericoacoara e ficou no hostel que o Matheus trabalhava. Ainda nessa viagem, ele conheceu a também argentina e gente boa Yanine, que estava hospedada no mesmo hostel, com quem ele começou a se relacionar. De volta na Argentina, eles ficaram fazendo a ponte área Rio Gallegos/Buenos Aires por muito tempo até o Fede decidir ir mora de vez com a Yanine em Buenos Aires, ou mais precisamente em Merlo.

Passamos dois dias na casa do Federico e da Yanine. Dessa vez tivemos a oportunidade de conhecer uma Buenos Aires longe dos pontos turísticos e de toda a muvuca, da qual gostei igualmente. Ficamos boa parte do nosso tempo apenas conversando com o casal e alguns de seus amigos, sempre em volta da piscina. Tomamos cerveja e pela primeira vez comi um asado argentino feito em casa. Federico manda muito bem no asado, me arrisco dizer que foi o melhor churrasco que já comi na vida. 

mini_IMG_6207.JPG.0d3d4cee5919653e35ee138a8cfbf857.JPG

Foto 15.1 - Federico, Yanine, Eu e o Matheus

"Hacen lo que tiene que hacer!" essa era a resposta do Fede para quase tudo, a resposta sempre era acompanhada de uma ironia. Se fosse sobre política ele dizia "Los gobernantes hacen lo que tiene que hacer" e complementava "Que es golpear la cara de los trabajadores". Quando o assunto era educação ele emendava "Los gobernantes hacen lo que tiene que hacer, que es jugar mierda en los professores". Numa de nossas andanças pelas redondezas, eu entendi o porquê da ironia, li num outdoor a propaganda do governo Macri que dizia mais ou menos assim:  "Haciendo lo que tiene que hacer". 

Fomos embora numa madrugada, os pais de Yanine passaram buscar ela e o Federico e aproveitaram para nos dar uma carona. Federico e Yanine tinham voo para a Colômbia naquele dia, eles iam passar o próximo mês nas aguas calientes do caribe colombiano. Primeiro fomos para o aeroporto, nos despedimos do Fede e da Yani, em seguida, fomos até a rodoviária do Retiro, onde nos despedimos dos pais da Yanine. Ficamos metade da madrugada aguardando o ônibus que nos levaria até Paso de Los Libres, fronteira com o Brasil.

Pouco lembro da viagem de Buenos Aires até Paso de Los Libres, dormi quase que a viagem inteira. Cruzar a fronteira foi interessante, sentia saudades de ouvir a todo momento nossa língua materna. Tentamos carona para atravessar a ponte que separa Argentina e Brasil para chegar em solo tupiniquim, mas sem sucesso. É proibido atravessar a ponte caminhando, mas estávamos tão perto, por que não caminhar mais dois quilômetros e chegar no Brasil? Já era fim de tarde, seguimos caminhando sobre o rio Uruguai, por um momento parei no parapeito da ponte e observei o pôr do sol no rio, lindo demais. Já em Uruguaiana continuamos a caminhada até a rodoviária. Dormimos na rodoviária, no nascer do sol pegamos um ônibus com destino a Santo Ângelo. Descemos do busão no trevo que conecta São Miguel das Missões, fomos caminhando, parte dos 15 km que separa o trevo e a cidade, até o Mário e a Karine virem ao nosso encontro. Que saudades que eu estava dos dois.

Ficamos três dias em São Miguel das Missões dessa vez, um tempo maior que da primeira vez. Passamos o dia 31 de dezembro com a família do Mário, conhecemos sua mãe, irmãos, sobrinhos e agregados, a casa estava lotada. Pela primeira vez, eu passava o último dia do ano com outra família sem ser a minha, isso foi muito legal e diferente pra mim. Nos enturmamos rapidamente com todos, passamos o dia bebendo, e observando a engenhosidade da família para assar um porco gigante. Eles usaram uma carcaça de uma geladeira como churrasqueira, a família toda junta para ver como era a melhor forma de prender o porco na churrasqueira improvisada. No fim da noite fomos até as Ruínas de São Miguel para ver a queima de fogos do ano novo que se anunciava. Nunca tinha presenciado uma queima de fogos como aquela, foi bem bonita de ser ver, ainda mais com a ruína de fundo e as estrelas brilhando no céu, cena linda.

mini_IMG_6273.JPG.dda3b84d44fdb1561f60d60d3bca52d9.JPG

Foto 15.2 - Na casa da mãe do Mário

mini_20190101_000041.jpg.da24741fea4913377bb0863daeaf3692.jpg

Foto 15.3 - Queima de fogos nas ruínas

mini_20190101_000638.jpg.674fd02954319306b8ff6f6d44b021e2.jpg

Foto 15.4 - Queima de fogos nas ruínas

mini_20190101_000647.jpg.06a2969d22fe7e8e7f96d7b688ed95c9.jpg

Foto 15.5 - Queima de fogos nas ruínas

Mudamos alguns de nossos planos para poder passar o ano novo com o Mário, Karine e o João. A memória do mês anterior em que fomos acolhidos de coração aberto por eles, ainda era muito viva em nossas mentes e também em nossas conversas. Assim, receber deles os primeiros abraços do ano foi muito especial para mim, tinha que ser assim. Além, de podermos ficar mais um pouco em suas companhias e conhecê-los ainda mais e mais.  

No início da manhã, do dia 2 de janeiro, pegamos o ônibus até Santo Ângelo e depois para Chapecó. Em uma das paradas do ônibus, paramos para almoçar num posto a beira pista. Fui cortar um sachê de mostarda com a boca, sei lá o que aconteceu, mas deu um tranco no meu maxilar e quando me dei conta vi que uma lasca do meu dente tinha se partido. Porra, fiquei triste demais, quebrar o dente com um sachê, burrice além da conta. Agora de dente quebrado continuamos viagem até Chapecó. 

Chapecó é uma cidade muito especial para mim. Anos atrás, participei do Projeto Rondon pelo interior do Maranhão e metade da equipe era da UnoChapecó, Universidade Comunitária de Chapecó. Fiquei muito amigo do pessoal e, vira e mexe, vou pra Chapecó rever a galera que ainda mora por lá. Para o Matheus seria a primeira vez na cidade. 

Chegamos em Chapecó e o Mauricy foi ao nosso encontro. Iríamos ficar na casa dele, onde ele mora com sua namorada Ângela. Sou meio suspeito para falar do Mauri, pois é meu amigo e uma pessoa de quem eu gosto muito, mas, resumidamente, ele é um cara firmeza demais, assim como a Ângela. Chegamos na casa deles, encontramos a Ângela e fomos para um bar. No bar fomos ao encontro da Samara, minha amiga e que também foi integrante do Projeto Rondon. Ficamos boa parte da noite relembrando os causos do projeto, isso foi muito bom, ao menos pra mim que tenho muitas saudades daqueles dias. Em alguma parte da noite, o assunto descambou para pratos típicos de cada região, e assim, conheci o porco pizza. Porco pizza é um porco que é assado todo aberto e por cima recheia-se como se fosse massa de pizza, enfim, deve ficar uma "patchotcheira", mas eles disseram que é muito bom.  O resto da noite o assunto foi o porco pizza, que por sinal é um bom nome.

mini_IMG-20190103-WA0003.jpg.c42b710d1f72448d6d005e67a764498c.jpg

Foto 15.6 - Eu, Samara, Matheus, Ângela e Mauricy

No outro dia, eu, Mauricy e o Matheus partimos para fazer a trilha do Pitoco logo de manhã. A trilha tem esse nome porque o cachorro Pitoco acompanhava as pessoas que percorriam essa trilha. A trilha é bem bacana, cheia de verde e tem cinco cachoeiras ao todo. Até a segunda cachoeira o caminho é bem tranquilo, depois fica um pouco mais complicado, mas nada muito difícil. Pegamos chuva em boa parte da caminhada, o que dificultou um pouco, cheguei até tomar um capote. Embora estivesse chovendo, o calor era intenso, então mergulhar naquelas águas era uma obrigação.  

mini_IMG_6276.JPG.d6dbb5c61fefd3fb1ec6961ced956321.JPG

Foto 15.7 - Trilha do Pitoco

mini_20190103_123822.jpg.2f944bc11918e67c4ec26e043cc14b31.jpg

Foto 15.8 - Mauri na cachoeira

mini_20190103_145207.jpg.adfb3199ff4247a1cff10499dc56ac11.jpg

Foto 15.9 - Trilha do Pitoco

mini_IMG_6288.JPG.22da70d618afb22152db9f749d95d67b.JPG

Foto 15.10 - Matheus, Mauri e Eu em uma das cachoeiras da trilha do Pitoco

Voltamos para o centro da cidade já era fim de tarde, mas aproveitamos para visitar o estádio da Chapecoense. Eu não voltei para Chapecó depois da tragédia que ocorreu com a equipe de futebol, mas sabia que uma das vítimas deste acidente era o Giba, primo do Mauricy e ex-assessor de imprensa da Chapecoense. Na hora, eu não sabia se eu devia entrar nesse assunto com o Mauri ou não, pois ele era muito próximo desse primo, mas o assunto surgiu naturalmente. Foi muito legal ouvir a versão do Mauricy sobre o pós acidente, e sobre a marca deixada na cidade e, principalmente, em sua família.  

mini_20190103_165044.jpg.f90aad278424295083f676c0bf18a6bc.jpg

Foto 15.11 - Muro com as vítimas do voo da Chapecoense (o primo do Mauri, o Giba, é o segundo da esquerda para a direita)

mini_20190103_165655.jpg.79f18f637035a03bd98fea163d213fc5.jpg

Foto 15.11 - Estádio da Chapecoense

mini_IMG_6296.JPG.5c26c3a2bfa48572b37882e649cdc044.JPG

Foto 15.12 - Estádio da Chapecoense

Pela noite, juntou-se a nós a Samara e a Ângela. Mais uma vez, ficamos conversando, mas dessa vez já em tom de despedida. Comemos umas pizzas, e no fim da noite o Mauricy nos levou até a rodoviária, iríamos pegar um ônibus noturno para Curitiba. Foi bem rápida a passagem por Chapecó, mas muito boa, afinal foi bem bom rever o Mauri e a Samara, e conhecer um pouco mais da Ângela.   

Eu fiquei dois dias em Curitiba, ficamos hospedados na casa do casal rondoniense André e Priscila. Eles trabalharam junto com o Matheus na época que o mesmo vivia em Curitiba. Os dois são simpatia pura, gostei demais de conhecê-los. No primeiro dia, fomos até a Ópera de Arame e no Parque Tanguá, dois dos lugares que eu não conhecia na cidade. O mais legal ficou para o outro dia, fomos sentido Morretes e fizemos churrasco numa área perto de uma cachoeira, isso debaixo de chuva. O churrasco contou com a presença de mais uma rondoniense, a Samara. Foi bem bom o churrasco, André, Priscila e Samara são divertidos demais.

No fim da noite, André e Priscila nos levaram para rodoviária. A Samara seguiria para uma viagem de dois dias até Vilhena em Rondônia, e eu iria até São Paulo rever alguns amigos. O Matheus ficou por Curitiba, iria aproveitar mais a cidade e rever outros amigos, além de passar mais tempo na companhia do André e Priscila. Eu estava sonolento, mal consegui me despedir do Matheus, André, Priscila e da Samara. Entrei no ônibus e desmaiei.

mini_20190104_111535.jpg.4850695b43fd593d6323e78283801603.jpg

Foto 15.13 - Ópera de Arame

 mini_20190104_111553.jpg.5664041b2f100a9f884c621fbf6c5c7f.jpg

Foto 15.14 - Ópera de Arame

mini_20190104_112542.jpg.cd3bc97d2e1f6d37454d443b5208cd62.jpg

Foto 15.15 - Palco barco na Ópera de Arame

mini_20190104_123048.jpg.2ad0bfb5e23763e42ce169c30c926416.jpg

Foto 15.16 - Parque Tanguá

mini_20190104_131037.jpg.b68cdb64c7f34a06bd5ea0ed286bdfad.jpg

Foto 15.17 - Parque Tanguá

mini_49795507_2072315272844691_8809723994275053568_n.jpg.f80758caa3baa3852e676ddf366eff04.jpg

Foto 15.18 - André, Matheus e a Priscila

Voltando ao primeiro dia em Curitiba. Na Ópera de Arame, fiquei por muito tempo observando e ouvindo o cara que tava se apresentando no palco barco. Ele tocava MPB em geral, era somente violão, nada mais. Quando ele começou a tocar a música Carinhoso do Pixinguinha, ai as lembranças me assolaram. Conforme, a viagem foi se desenrolando em seu ritmo frenético, pouco tempo eu tinha para pensar nas coisas que ocorreram antes da viagem, e me esforçava para não pensar nisso nos momentos de introspecção. Mas com aquela música de fundo, era impossível se auto sabotar e não pensar em nada, não tinha como, as lembranças vieram com força. Minha vó adorava cantar, sempre que eu ia na casa dela ficávamos a tarde toda cantando. A música que ela mais gostava de cantar era Carinhoso. Lembro que no aniversário de 80 anos dela, ela cantou essa música na frente de todos e toda a família acompanhou-a como um coral, foi bem bacana esse momento. E agora ali, na Ópera de Arame, ouvindo esse som depois de muito tempo, as recordações vieram a tona junto com um sentimento de tristeza. Enfim, neste momento percebi que a viagem estava acabando e que apesar de toda essa viagem foda, o passado ainda estava mal resolvido na minha cabeça.   

Em Sampa, como em todos os meus finais de viagens, sai tomar umas cervejas com a Fernanda, amiga de todas as horas. Passamos o dia caminhando pela Avenida Paulista até estacionarmos num bar para tomarmos umas brejas e colocar a conversa em dia. Depois segui para a casa de outra amiga, a Isa, quando morei em São Paulo moramos na mesma república, na qual eu teria um canto pra dormir nesse dia. No dia seguinte, eu e a Isa pegamos um trem até Mogi das Cruzes, depois entramos numa van com destino a Bertioga. Chegamos em Bertioga e atravessamos de balsa para o Guarujá, entramos na trilha para a Prainha Branca. Creio que caminhamos por um pouco mais de meia hora até, enfim, chegar na praia.

Prainha Branca foi um lugar que me surpreendeu positivamente. A praia é bem limpa, bonita, rodeada por uma natureza ímpar, preço justo e sem muita muvuca, ao menos pela manhã e de noite. Ficamos pouco tempo, dois dias e uma noite, mas foi o suficiente para matar a vontade que eu estava de estar numa praia em que eu pudesse mergulhar em suas águas sem morrer de hipotermia. Demos sorte, pois pegamos muito sol. A noite por lá é bem legal, só fica a galera que está acampando na praia, então é bem tranquilo. 

mini_20190108_090324.jpg.ea65e4aa26b2d336af797ac75fef9c39.jpg

Foto 15.19 - Prainha Branca

mini_20190108_090422.jpg.a8575931eec3c44ec6fd469ecc249fb6.jpg

Foto 15.20 - Prainha Branca

mini_20190108_105519.jpg.47010192424cbfff6267be1ac81023ab.jpg

Foto 15.21 - Prainha Branca

Voltamos para Sampa, peguei minhas coisas, me despedi da Isa e segui rumo a rodoviária. Com a passagem na mão, destino Rio Claro, deitei junto ao portão de embarque para aguardar o ônibus. Nessa hora, a ficha do fim da viagem caiu de vez. Acho que esse momento, foi o de maior frio na barriga de toda a viagem. Agora, as perguntas eram muitas dentro da minha cabeça, e eu não tinha nenhuma resposta. Enfim, era a hora de voltar pra casa.

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Alan karleno
      Fala Mochileiros..
      Procuro dicas para aperfeiçoar o meu roteiro e a quantidade de dias que se faz interessante para cada local. Planejo o roteiro entrando pela Argentina (buenos Aires), saindo pelo Chile (Santiago), em junho de 2020. Tenho 25 dias disponíveis. 
      Vôo. Teresina & buenos Aires (buenos Aires 3 dias).
      Vôo. Buenos Aires & Bariloche (Bariloche  + Villa la angostura 5 dias). 
      Vôo. Bariloche & Buenos Aires e Buenos Aires Ushuaia. (Dia para viagem). 
      Vôo. Ushuaia & El Calafate (4 dias El Calafate).
      Ônibus. El Calafate & Puerto Natales (5 dias Puerto Natales + Parque torres del paine). 
      Ônibus. Puerto Natales & Puta Arena (2 dias Puta Arena).
      Vôo. Punta arenas & Santiago ( 4 dias Santiago) + VALLE NEVADO ou FARELLONES.
      Vôo. Santiago & Teresina. 
      1 dias para emprevisto.
      Quero aproveitar ao máximo o tempo em viagem.
      Desde já agradeço pela atenção.
      Bora Mochila..
       
       
       
       
       
       
       
    • Por Alexandre Cabral
      Gostaria de deixar o meu primeiro relato com a certeza de que ainda viram muitos outro!
      Como nos concentramos apenas em Ushuaia, por questão de logística, pois não tinha voos diretos de Ushuaia para Calafate nesse período específico, decidi deixar meu relato do ponto de vista de alguém que tentou aproveitar ao máximo o que Ushuaia tem a oferecer. 
      Poderia ter economizado muito mais do que o fiz, mas como a maioria das viagens de ultima hora, paguei um preço a mais. O fato de ter ido em baixa temporada, amenizou um pouco a situação. Minha viagem foi no começo de maio/2019 e durou uma semana. Comprei pacote aéreo (aerolíneas) + hotel pela decolar. O voo saia de São Paulo para Ushuaia com escala de 6h em Buenos Aires e com troca de aeroporto, pois voos internos são operados no Aeroparque. A aerolíneas disponibiliza transfer gratuito, é só entrar no site deles ir em: serviço ao cliente -> serviço de transfer -> preencher seu sobrenome, o código de reserva e e-mail, dai você recebe os vouchers por e-mail tanto o de ida quanto já o da volta em QR code, é só apresentar na hora de pegar o transfer. No site tem os horários que, se não me engano, é a cada hora, o transfer é operado pela empresa Manuel Tienda León.
      Os passeios que cotei ainda estando no Brasil estavam muito caros e decidimos olhar os preços quando chegamos lá, uma vez que, sendo baixa temporada, não teríamos o risco de ficar sem vaga. Negociando diretamente com a agência, o preço é totalmente diferente, muito mais barato, fechamos todos os passeios com a Brasileiros em Ushuaia que montou um roteiro de passeios de acordo com nossa disponibilidade. Com exceção da Expedição Off Road 4x4 + caiaque (que é opcional, mas vale a pena), dos outros passeios que fiz, não era realmente necessário fazer por agência. Lembrando que, certos passeios, são feitos em determinada época do ano e outro são feito o ano todo.
      1. Letreiro
       
      1º Dia - Chagamos as 8h e pegamos o transfer, que já estava incluso, até o hotel, ficamos no Hostal de Bosque, nos instalamos e fomos ver os passeios, fechamos tudo já no primeiro dia, mas lembrando que durante a viagem foi possível rever a ordem dos passeios para a que melhor nos atendesse. Devido ao cansaço, ficamos pela cidade conhecendo alguns ponto turísticos com o letreiro, a avenida San Martín que é a principal e é onde fica tudo e aproveitamos para visitar o museu marítimo e presídio. Para fazer a visita no Museu, é preciso pagar a entrada, estando la dentro pudemos explorar as galerias onde tinha as exposições e mais a frete o presídio, seus anexo e as selas. Cada sela conta um pouco da história do lugar com fatos, representações dos presidiários que passaram lá. Dentre os anexo, há um que esta preservado como foi deixo a anos e a sensação de entrar lá é surreal, vale muito a pena a visita.  A noite fomos relaxar no pub Dublin que é sempre cheio de gente e um dos melhores bem estilo Irlandês.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                
      2. Placa Ushuaia FIn del Mundo                 
       
      2º Dia - Trem do Fim do mundo + Parque Nacional Terra del Fuego - Da pra pegar um táxi e ir para a plataforma do trem, comprar o ticket e fazer o passeio tudo por conta, depois para o parque precisa outra condução. O trem em si é bem simples mesmo, mas o que vale a pena é a paisagem pelo caminho, realmente parece que se esta dentro de um filme. O trem faz uma parada e é possível descer tirar fotos e explorar um pedacinho do lugar. Na entrada ganhamos um fone de ouvido  e durante todo o trajeto, é possível escutar sobre a história dele, em vários idiomas. No parque nacional, vemos alguns lagos, entramos na floresta e caminhamos até um café que tem um pouco mais acima onde a vista é incrível e é possível degustar um chocolate quente maravilhoso. Nesse mesmo passeio, foi ao correio do fim do mundo, tem que dar sorte de ele estar aberto, pois os horários de funcionamento são meio bagunçados. Demos sorte de achar aberto e pudemos carimbar o passaporte com o selo de lá, o lugar é em interessante, vende cartão postal e funciona como um correio normal.

      3. Passeio no trem do fim do mundo

      4. Parque Nacional Terra do Fogo

      5. Correio do Fim do Mundo
       
      3º Dia - Glaciar Martial + Bar de gelo - Para o glaciar é só pedir um táxi até a casa de chá que fica no pé do glaciar e de lá da pra subir tranquilo. Como era outono, a pista de esqui na estava aberta, por isso dava para subir o glaciar por ela. A caminhada até a parte de cima não é pesada e é tranquila de fazer e mais uma vez a vista surpreende em cada cantinho daquele lugar. O bar de gelo é tipo uma câmara fria a -20ºC quer server bebida durante 20 min, não achei muita graça, da pra passar sem, mas como fazia parte da experiência, la fomos nós.

      6. Glaciar Martial

      7. Bar de Gelo
       
      4º Dia - Trekking Laguna Esmeralda - Para mim que nunca tinha feito trekking foi muito bom ter ido com a agência, mas pra quem já é acostumado, é o mesmo esquema, táxi ate a entrada e de la segue até a laguna. Esta sinalizado e sempre tem gente por conta fazendo o trajeto. É uma caminhada de 4h ida e volta, passamos perto de represa de castores, dentro do bosque, lugares com lama, riachos, até chegar na laguna é um pouco cansativo então é bom reservar um dia para esse passeio.

      8. Laguna Esmeralda
       
      5º Dia - Navegação Canal Beagle - No porto tem as empresas que vendem o ticket para a navegação, que se não me engano é de manhã e a tarde. Também tem que pagar uma taxa no porto na hora do embarque, não me lembro o valor mas não é nada absurdo. Vimos o O Farol Les Eclaireurs, conhecido com o farol do fim do mundo e ilhas com leões marinhos e aves, não era época dos pingues, então de 
      9. Farol Les Eclaireurs (Farol do Fim do Mundo)
       

      10. Colonia de Aves no Canal Beagle 
       
      6º Dia - Expedição Off Road 4x4 + caiaque sunset - É uma passeio noturno, vale muito a pena, o caiaque como já disse, é opcional, mas é muito legal o passeio e vale a pena também. De dois em dois, entramos no caiaque e remamos no lago escondido seguindo o guia, o fundo do lago é cristalino e incrível, ficamos até o pôr do sol admirando a vista. Depois voltamos a rota adentrando a uma floresta já a noite e paramos perto do lago fagnano. O passeio termina com um churrasco numa clareira no meio do floresta, com direito a fogueira e marshmallow. É uma ótima maneira de fechar a viagem com chave de ouro. 
       
      11. Lago Escondido

      12. Caiaque sunset, Lago Escondido

      13. Lago Fagnano

      14. Churrasco e Marshmallows
       
      7º Dia - Foi o ultimo dia então tiramos para comprar algumas lembrancinhas, como tinha nevado nas montanhas, pegamos um táxi e voltamos ao glaciar para ver como estava e era outra paisagem tudo branquinho de neve.
       
      8º Dia - Pegamos o transfer as 07h e fomos para o aeroporto pegar o voo de volta.
       
       
      Qualquer dúvida, estou as disposição! O Post ainda precisa ser melhorado, qualquer sugestão é bem vinda! 😃
       


×
×
  • Criar Novo...