Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

anselmoportes

Mochilão pela Europa: Turquia, Balcãs e Europa Central. 9º Relato: PRAGA, CESKY KRUMLOV e PILSEN

Posts Recomendados

Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:

São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.

***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.

Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de PRAGA, CESKY KRUMLOV e PILSEN.

LEGENDA

USD - Dólar Americano
EUR - Euro
BRL - Real Brasileiro
CZK - Coroa Tcheca

Depois de 3 dias em Cracóvia segui minha viagem até Praga. A capital da Rep. Tcheca foi a única cidade de toda a minha viagem que não consegui usar o Couch Surfing.

29º dia de viagem: Praga (Sexta-feira, 5 de Outubro de 2018)

O ônibus foi chegar na rodoviária por volta das 6h e ainda estava escuro. Fiquei esperando até umas 6h30 na estação e saquei CZK 1000 (não saiu trocado, apenas uma nota de CZK 1000).

Caminhei por uns 15 minutos até OLD TOWN HOSTEL.

***Dica: Sempre viajo com uma lista de ao menos 3 hostels por cidade que vou visitar. Isso independente se consegui lugar para ficar pelo Couch Surfing ou não. Mesmo se já tiver um lugar no Couch Surfing, imprevistos podem acontecer e cancelarem minha estava. Portanto tenho sempre um “plano B”. Uso o site Hostel World (www.hostelworld.com) e seleciono os 3 melhores hostels levando em consideração preço e localização.

Não tinha mais vagas no Old Town Hostel e o cara da recepção me sugeriu o SAFESTAY HOSTEL. Esse não estava na minha lista, mas resolvi não arriscar a andar até algum da minha lista e não ter vaga. 

Caminhei por uns 20 minutos. Só tinha vaga até segunda-feira (iria ficar em Praga até quarta) mas resolvi ficar lá e depois procurar um outro hostel até o fim da minha estada. O atendente disse que não era possível fazer a reserva no balcão e teria que fazê-la pela internet. Usei o wi-fi de lá e paguei CZK 1134 pelas 3 noites via cartão de crédito. O SAFESTAY é bem localizado e organizado. Fica 5 minutos do metrô Národní třída e uns 20min de caminhada do centro velho. Fiquei num quarto misto com 4 beliches e tanto o quarto como o banheiro estavam limpíssimos.

Meu amigo Júlio (brasileiro que conheci em Varsóvia) tinha falado muito bem de um hostel chamado HOSTEL ANANÁS, que também não estava na minha lista mas era bem perto de onde eu estava.

Cheguei no Hostel Ananás e me informaram que as reservas com antecedência não poderiam ser feitas no balcão, apenas via internet. Acessei o wifi do hostel e tentei fazer a reserva, mas não consegui. “Deve ser pq acabei de fazer uma reserva no Safestay então o sistema de segurança do cartão não liberou outra transação na sequência. Tento fazer amanhã.” - pensei. 

Deixei o hostel e fui até um TESCO que tem ao lado do metro Narodni Trida. Comprei 2 sanduíches e 1 iogurte (CZK 16).

Caminhei até o RELÓGIO ASTRONÔMICO ORLOJ que fica na praça central. De hora em hora há uma “apresentação” de bonecos que saem da torre do relógio. Era 9h e não tinha tanta gente, mas conforme vai ficando mais tarde vai lotando. Vale a pena ver!

001.thumb.jpg.5d1d0b7fde2419ec2ce44a7f8683d1d6.jpg
ORLOJ

Passei pela  TYN CHURCH que é muito bonita mas não pode tirar fotos. Depois fui à ST. JAMES BASILICA que é igualmente bela.

002.thumb.jpg.e97ecf0d47810e25da3714eb406bfcf0.jpg
ST. JAMES BASILICA

Peguei o FREE WALKING TOUR OLD TOWN & JEWISH QUARTER das 11h que sai ali da praça central.

***Dica: De todos os lugares que eu passei nessa viagem, Praga foi o lugar com maior quantidade de pessoas oferecendo “Free Walking Tours”. No local de saída havia ao menos uns 4 ou 5 guias com guarda-chuvas de cores diferentes, cada um de uma empresa. Fique atento se vc reservou alguma coisa antes.

Nossa guia foi a Tereza e ela explicou como funciona o relógio astronômico (mas eu não entendi bulhufas). Passamos pela ESTÁTUA DE FRANZ KAFKA no JEWISH QUARTER e por algumas sinagogas também. Terminamos o tour por volta das 13h45 em frente à casa de concertos THE RUDOLFINUM.

003.thumb.jpg.7736356764b13005e0f6170c14e41a1c.jpg
ESTÁTUA DE FRANZ KAFKA

Caminhei por uns 10 minutos até a CHARLES BRIDGE, mas não cruzei para o outro lado. Voltei para o hostel para descansar um pouco e chegando lá me avisaram que o cartão não tinha aceitado a minha transação. Tive que sair e trocar EUR 100 (CZK 2480) para pagar a minha estada.

005.thumb.jpg.867c0f7627ba204c8a8e555b4819ffb9.jpg
CHARLES BRIDGE

Cochilei até umas 17h30. Tomei um banho e fui encontrar com o Julio (brasileiro que conheci em Varsóvia e estava morando em Praga). No caminho comi uma fatia de pizza e tomei uma Pilsner 500ml (CZK 89).

Combinamos de nos encontrar na estação Karlovo náměstí e ali perto está a DANCING HOUSE. Conheci os amigos de trabalho do Julio: o Irka (tcheco) e o Sasha (bielorusso). Fomos um bar que ficava num barco ancorado às margens do rio Moldava. O lugar era bem legal e a cerveja tinha um preço justo: CZK49. Ficamos bebendo e conversando até umas 23h quando fui embora.

004.thumb.jpg.d3e89ff6c09b66f9eb01f1c2df9e5123.jpg
DANCING HOUSE

Perto do hostel comi mais 2 fatias de pizza (CZK 35 cada) e passei num bar chamado LONDON UNDERGROUND, que fica em frente à estação Národní třída. Havia um som ao vivo: um cara tocando uma guitarra e seu laptop fazia o resto da banda (bateria e baixo). Ao lado uma moça com uma roupa sadomasoquista dançava sensualmente. Achei bem legal o lugar e vale uma visita se estiver passando por lá. Tomei 2 Pilsner (CZK 72 cada) e voltei para o hostel. Fui dormir 0h30.

Distância percorrida no dia: 21,5km 🚶‍♂️

 

30º dia de viagem: Praga (Sábado, 6 de Outubro de 2018)

Acordei 8h50 e tomei café no hostel (CZK 50): pão, manteiga, cereais, frios, café, iogurte, suco de laranja, etc. Muito bom!

Tentei (via internet) fazer mais uma vez minha reserva no Hostel Ananás mas não consegui. Fui até lá pra ver o que poderia estar acontecendo. O atendente sugeriu tentar fazer a reserva pelo Booking.com e deu certo! Paguei CZK 410 por 2 noites.

Fui para o centro e peguei FREE WALKING TOUR PRAGUE CASTLE e nossa guia foi a Katharina. Em certo momento do tour tem que pegar um tram então todos têm que ter ao menos um bilhete. Os guias vendem antes de começar o tour (CZK 24). Fomos caminhando até o pé da colina que se encontra o castelo. Passamos pela CHARLES BRIDGE que estava LOTADA. Levou uns 15 minutos pro grupo todo cruzar a ponte.

Pegamos o tram 22 em frente à ST. NICOLAS CATEDRAL. Antes de entrar pelos jardins do castelo há uma revista: as bolsas passam por um raio-x (igual aos do aeroportos) e passamos por um detector de metal. Cruzamos os jardins do castelo e chegamos até a CATEDRAL DE SÃO VITO. Havia uma pequena fila pra entrar (3 min.) e muita - mas MUITA - gente lá dentro. Até a guia comentou que não era normal tanta gente assim naquela época do ano. Mas a igreja é maravilhosa e vale muito a pena conhecer!

006.thumb.jpg.80aafa7eac85d6387c16e1d65a40a4eb.jpg
CATEDRAL DE SÃO VITO

Deixamos a igreja e caminhamos por uns 5 min. até um mirante onde o tour terminou (14h30). Tirei algumas fotos da cidade vista pelo alto e desci de volta até a St. Nicolas Cathedral. Tinha que pagar CZK 70 para entrar e a catedral ainda estava em reforma. Não entrei e segui caminho de volta pela Charles Bridge.

Parei para almoçar no restaurante KOZLOVNA APROPOS  e pedi um BOHEMIAN GOULASH W/ DARK BEER AND DUMPLINGS (CZK 195) e tomei 2 cervejas KOZEL 500ml (CZK 45 cada). A comida (carne de porco com molho de cerveja preta e pão tipo “dumpling”) estava muito boa.

Voltei para o centro antigo e encontrei um pub chamado LION AND BALL, onde havia várias TV’s passando diferentes jogos de futebol. Conheci uns caras de Wolverhampton (Inglaterra) que estavam todos fantasiados de Wally (do “Onde está o Wally?”) por conta da despedida de solteiro de um deles. Fiquei conversando com eles e vimos o Wolverhampton 1 x 0 Crystal Palace, pela Premier League. Enquanto via o jogo deixei minha mochila no chão do pub e quando fui pegá-la novamente estava encharcada de cerveja! 

***Dica 1: Praga é um destino muito comum para quem está fazendo despedida de solteiro, principalmente aos finais de semana. Me deparei com vários grupos de amigos “comemorando” em vários diferentes pubs. Algumas vezes eles são bem inconvenientes principalmente com mulheres. 

***Dica 2: Nunca, NUNCA deixe sua mochila no chão de um pub.

Voltei para o hostel e dei uma descansada até 20h30. Tomei banho e fui encontrar com o Julio num bar chamado ANONYMOUS. No caminho comi um pedaço de pizza (CZK 40). Econtrei com o Julio e o Sung, seu flatmate. Não tinha mais mesa nesse bar então fomos ao CHAPEAU ROUGE. Mais uma vez me deparei com um monte de ingleses bêbados. 

Depois de umas 3 cervejas deixamos o Chapeau Rouge e fomos para outro bar que eu não anotei o nome. Tomamos a saideira e fomos embora. Cheguei ao hostel 2h e fui dormir.

Distância percorrida no dia:18,5km 🚶‍♂️

 

31º dia de viagem: Praga (Domingo, 7 de Outubro de 2018)

Acordei 8h30, tomei café da manhã no hostel (CZK 50) e fui para a estação FLORENC procurar passagens para CESKY KRUMLOV e PILSEN. Comprei na empresa REGIO JET e paguei CZK 390 para Cesky Krumlov e CZK 200 para Pilsen.

Caminhei até o COMMUNIST MUSEUM (CZK 290). Lá fala da formação do estado da Tchecoslováquia em 1918 após a I Guerra Mundial e como o comunismo se instalou no país após a II Guera Mundial. Também mostra a Guerra Fria e a Corrida Espacial. É bem interessante e é passagem obrigatória pra quem gosta de história.

007.thumb.jpg.4cc64629c94a80e3da09da25d0f45b07.jpg
COMMUNIST MUSEUM

Acessei o wifi do museu e recebi uma mensagem do Julio falando que ele tinha comprado ingressos do jogo do Slavia Praha para aquele mesmo dia (CZK 310 cada). Combinei de passar na casa dele às 16h30.

Voltei caminhando até o centro e precisei trocar mais dinheiro. Fui a casa de câmbio EXCHANGE (Rua Kaprova 14/13) que fica próxima a IGREJA DE ST. NICHOLAS. Troquei EUR 50 (a cotação estava EUR 1 = CZK 25,30, sem comissão).

Passei pela Igreja de St. Nicholas que é bem pequena, mas bonita. Alí pelo centro comprei um daqueles TRDELNÍK: são sorvetes que, ao invés de serem servidos em casquinhas ou copos, vêm numa massa assada em forma de cone. É uma bomba calórica? Sim! Mas é uma delícia! Pedi um de massa recheada de chocolate, 1 bola de baunilha e 1 bola de café (CZK 150).

Segui caminhando até o MUSEU NACIONAL mas estava fechado para reforma. Andei mais um pouco pelo centro e às 15h30 voltei ao hostel para deixar minha mochila e ir para o jogo. No caminho passei no Tesco e comprei uma cerveja Budvar (CZK 31).

Peguei o tram 22, mas errei o sentido. Sorte que percebi logo e já desci do tram pra trocar de direção. Cheguei ao apto do Julio e tomei uma cerveja Pilsener com ele e com o Sung.

Pegamos novamente o tram 22 e 2 pontos depois estávamos no estádio. Fomos à bilheteria e retiramos nossos ingressos. Havia uma aglomeração de pessoas do lado de fora e decidimos ficar lá tomando umas cervejas (CZK 40 cada) antes da partida começar.

Faltando uns 15 minutos para o início do jogo resolvemos entrar. Nossos lugares eram excelentes: na lateral do gramado e muito próximo ao campo. Fui comprar uma cerveja e me surpreendi positivamente: estavam vendendo pelo MESMO preço da do lado de fora do estádio. A única coisa que vc pagava CZK 50 para ter um copo de acrílico e se o retornasse ao final da partida, receberia os CZK 50 de volta.

008.thumb.jpg.f5f0c372793934c588711334a1711652.jpg
ESTÁDIO DO SLAVIA PRAHA

A partida terminou 4x1 para o Slavia Praha e a experiência foi incrível! Tudo muito seguro e organizado. Não sei como pode ser um clássico, mas jogos “pequenos” eu recomendo ir ver sim!

Na saída achei um copo jogado no chão. Peguei ele e ganhei mais CZK 50. Me despedi do Julio e peguei o Tram 22 de volta. Comprei uma fatia de pizza 4 queijos (CZK 45) e parei num bar nos arredores do centro antigo.

Tomei umas 3 cervejas e conheci um “chinês-holandês” que morou no Brasil e falava português. O cara falou pra cacete e depois, do nada, sumiu. 

Voltei para o hostel, tomei banho e fui dormir 0h30

Distância percorrida no dia: 23km 🚶‍♂️

 

32º dia de viagem: Praga -> Cesky Krumlov -> Praga (Segunda-feira, 8 de Outubro de 2018)

Acordei às 7h, arrumei minhas coisas e deixei o Safestay Hostel. Fui até o Hostel Ananás, que iria me hospedar pelos próximos 2 dias. Era muito cedo para fazer o check-in (7h40) então deixei minha mochila lá e saí. Era quase 8h da manhã, estava no centro da capital da República Tcheca e não tinha UMA PADARIA aberta. Inacreditável!

Por volta das 8h15 abriu um quiosque de fast-food. Comi 1 hamburger e 1 coca (CZK 90) e peguei o metro até a estação ANDEL. A plataforma da REGIOJET fica na última saída à esquerda. Por volta das 9h peguei o ônibus e fui chegar à Cesky Krumlov por volta do meio-dia.

Caminhei por uns 10 minutos até chegar ao castelo de Cesky Krumlov. Paguei CZK 180 para ver o museu e subir na torre. O museu tem algumas pinturas e objetos antigos. Há também a reconstituição de alguns cômodos com quartos e sala de jantar. Vi também os restos mortais (um esqueleto horroroso) de um tal de St. Reparat. No final há uma pequena sala de exibição passando filmagens antigas da cidade.

Para subir na torre é só o código de barras do bilhete numa cancela eletrônica. Lá de cima tem uma belíssima vista da cidade em 360º. Desci e segui a “Rota do Castelo”. Passei por uma ponte com outra bela vista da cidade. Conheci o CASTLE GARDENS, com belos jardins, fonte e um lago.

c001.thumb.jpg.a786d01231dee9ac3ca7849e5a9b6146.jpg
VISTA DA CIDADE

c002.thumb.jpg.119d263517f35eb3e2f104a88f685a35.jpg
CASTLE GARDENS

c003.thumb.jpg.326bc0d65eddd9f650cbac9819e88208.jpg
CASTLE GARDENS

Deixei o castelo e segui caminhando pela cidade. Parei num bar chamado ZAPACATE. Tomei uma cerveja local (CZK 60) e conversei com um local que sentou ao meu lado. Comentei com ele se era normal aquela quantidade de chineses visitando a cidade. Ele disse que era assim o ano inteiro e só diminuía durante as festividades do ano novo chinês.

Segui andando pelas ruas da cidade até chegar a IGREJA DE ST. VITUS. Notei que nela havia uma placa com uma concha símbolo do Caminho de Santiago de Compostela. Conversei com uma funcionária da igreja e ela confirmou que por lá passa uma das rotas do Caminho (detalhe: essa igreja está 2.200km distante de Santiago de Compostela).

Continuei caminhando pela rua que passa ao lado da igreja e cheguei numa praça com um lindo mirante. No final da mesma rua há um supermercado COOP. Comprei 1 sanduíche de salame, queijo, picles e ovo (CZK 31), 1 salgadinho (CZK 13) e 2 cervejas (CZK 19 cada). Voltei à praça do mirante e fiz meu lanche lá.

c004.thumb.jpg.f2260b899e6586cdf9543d1ef1511e7f.jpg
MIRANTE DA PRAÇA

Voltei caminhando para o ponto que tinha chegado. Notei que não tinha ninguém lá. Um senhor, que não fala NADA de inglês me perguntou: “Praga?”. Respondi que sim e ele me apontou para uma direção para outro ponto pois o ônibus para Praga não saía dali. Agradeci o Sr. e andei por uns 5 min. até o ponto correto.

Serviram um delicioso cappuccino no ônibus e por volta das 21h estava de volta à Praga. Fiz check-in no hostel e saí. Comi uma fatia de pizza de pepperoni (CZK 39) e parei no bar POTREFENA HUSA e tomei 3 Strapopanen (CZK 49 cada). Vi uma cena constrangedora no bar: um cliente tentou roubar uma caneca mas um dos garçons viu ele colocando-a numa bolsa. O garçom chegou nele e pediu gentilmente pra ele tirar a caneca e devolver. 

Voltei ao hostel, tomei um banho e fui dormir 0h.

Distância percorrida no dia: 18km 🚶‍♂️

 

33º dia de viagem: Praga -> Pilsen -> Praga (Terça-feira, 9 de Outubro de 2018)

Acordei 8h15 e fui para o supermercado Tesco e comprei 3 salgados, 1 chocolate e 1 iogurte: CZK 75.

Peguei o metro às 8h55 na estação Narodni Trida e por volta das 9h20 estava chegando na estação ZLICÍN, de onde saía o ônibus para Pilsen.

Desta mesma estação sai o ônibus número 100, que vai para o aeroporto e a viagem leva 15 minutos. 

Tomei meu café da manhã que tinha comprado no Tesco e às 10h estava indo para Pilsen.

Cheguei 11h20 e vi no google maps que o ônibus 11 passava pela CERVEJARIA PILSENER URQUELL. Não encontrei nenhuma informação na rodoviária e também não achei nenhum lugar para comprar bilhetes de transporte local.

Peguei o ônibus 11 achando que conseguiria comprar o ticket dentro dele, mas só havia as máquinas de validar o ticket e não para comprá-los. Segui viagem sem pagar.

Por volta das 11h50 cheguei na cervejaria e comprei o próximo tour em inglês que iria sair às 13h. Comprei um “combo”: tour na cervejaria + MUSEU DA CERVEJA por CZK 256. Se for comprar separado o tour sai por CZK 250 e o museu da cerveja CZK90, totalizando CZK 340.

Há um restaurante e um bar na cervejaria. Tomei 1 Pilsener Urquell enquanto esperava dar 13h.

O tour dura mais ou menos 1h40 e o guia fala sobre a origem da cervejaria e o começo de sua produção. Pegamos um ônibus dentro da fábrica que nos leva para ver a linha de produção. Depois passamos por uma sala de exibição de um filme falando do início da cervejaria. Passamos por umas salas cheias de cevada e lúpulo e o guia encoraja a gente a cheirar e experimentar esses ingredientes. Passamos também por uns tanques de cobre no subsolo e ao fim do tour experimentamos a cerveja.

p001.thumb.jpg.c023fa88111dd2b635d711f9df57eac0.jpg
FÁBRICA

p002.thumb.jpg.57a989334d507c3b3243fad38923f6e0.jpg
LINHA DE PRODUÇÃO DA FÁBRICA

p003.thumb.jpg.36ac9b583882800bca485b10956b20be.jpg
CERVEJA NO FIM DO TOUR

A fábrica tem 600 funcionários e no final do expediente eles podem comprar 0,5L de cerveja por CZK 1, ou aproximadamente R$0,20!

Depois de provar a cerveja o guia nos deixa na loja de souvenirs, onde termina o tour.

Fui para o MUSEU DA CERVEJA e no caminho passei pelo estádio do VIKTORIA PILSEN. Tentei entrar para tirar algumas fotos mas não deixaram.

Na entrada do Museu da Cerveja vc ganha um vale-cerveja de 0,3L. O museu fala da história da cerveja desde sua origem na mesopotâmia até os dias de hj. Há também alguns maquinários antigos e objetos usados na sua fabricação. 

p004.thumb.jpg.a9b5824a8f38a859b42006621389b66a.jpg
MUSEU DA CERVEJA

Deixei o museu e fui ao restaurante ao lado tomar a cerveja que tinha ganhado. Acabei tomando mais uma de 0,5L (CZK 49). 

p005.thumb.jpg.6372742a557f91854f50e3be916c26ed.jpg
PILSEN

Segui caminhando pela cidade até a IGREJA DE ST. BARTOLOMEU e paguei CZK 50 para subir na sua torre. Lá de cima tem uma vista incrível da cidade! Desci e peguei o tram 2 para voltar à rodoviária. 

p006.thumb.jpg.9db8de4e207c905f5ce87008ffdd609d.jpg
VISTA DA TORRE

Chegando à rodoviária tomei uma Stapropanen 10 (CZK 30) enquanto esperava o ônibus.

Por volta das 19h20 estava de volta à Praga. No caminho de volta ao hostel passei no Tesco e comprei uma comida pronta: Chilli Concarne (CZK 59) e 2 cervejas. Chegando ao hostel esquentei a comida no microondas e comi bebendo as cervejas. 

Tomei banho e fui ao CROSS CLUB (sugestão de um amigo que tinha já visitado Praga). A balada fica ao lado da estação NADRAZI HOLESOVICE e é bem legal e o melhor: não paga nada pra entrar! A decoração é cheia de luzes e ferros retorcidos, estilo steampunk. Há 2 pistas: 1 de música eletrônica e outra para show ao vivo. Dei muita sorte pq vi 2 bandas de metal: DEAD DANIELS e BLACK MAJESTY. Som de primeira! A cerveja custa CZK39 e vc deixa CZK 30 de depósito para usar o copo deles. Não aceitam cartão, mas tem um ATM lá dentro.

009.thumb.jpg.844b9a78a37aa9c8043b16317e367084.jpg
CROSS CLUB

Tomei várias cervejas vendo os show e fui embora por volta das 23h40. Na hora de pegar o metrô resolvi arriscar e não validei meu ticket, assim eu poderia usá-lo no outro dia para ir ao aeroporto. Me dei mal: havia um fiscal no final da escada rolante e ele me pegou. Tive que pagar uma multa de CZK 800! Tentei argumentar que eu era turista e que não sabia como funcionava o sistema de validação mas não adiantou. Ele me seguiu até uma ATM na entrada da estação onde tive que sacar o dinheiro e pagar ele.

***Dica: Peguei vários transportes durante toda minha estada na Rep. Tcheca e até então nunca tinha visto um fiscal sequer. E todas as vezes estava com um ticket válido. Na única vez que eu não tinha, um fiscal me pegou. Portanto andem sempre com seu ticket validado pq o valor das passagens é barato comparado com a multa que vc pode tomar.

Cheguei no hostel e fui dormir 0h30.

Distância percorrida no dia: 13km 🚶‍♂️

 

34º dia de viagem: Praga ->Londres (Quarta-feira, 10 de Outubro de 2018)

Acordei 8h15, arrumei minhas coisas e 8h35 estava deixando o hostel. Passei no Tesco e comprei o café da manhã e um sanduíche para o almoço (CZK 125). Fui até a estação Narodni Trida, comprei um bilhete válido por 90min (CZK 32) e peguei o metro sentido ZLICIN. Cheguei lá 9h35 e peguei o ônibus 100 que vai ao aeroporto. 

O aeroporto de Praga tem 3 terminais: Terminal 1: para países que não fazem parte do ESPAÇO DE SCHENGEN, Terminal 2 para os países do ESPAÇO DE SCHENGEN e o Terminal 3 para vôos particulares. A viagem do metrô ao aeroporto leva apenas 15 min e por volta das 9h50 estava chegando.

Despachei minha mala, passei pelo controle de passaporte e enquanto esperava meu vôo fui contar o quanto de Coroa Tcheca tinha me restado: exatamente CZK 99 em moedas. Fui a uma loja de cosméticos e a atendente aceitou trocar tudo por uma nota de CZK 100 e me desfiz de um bom peso.

Às 13h20 estava deixando Praga e indo para Londres.

Fim do relato de PRAGA
 

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Mari D'Angelo
      Leia o relato completo com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/split-uma-cidade-dentro-de-um-castelo/
       
      No caminho entre a capital Zagreb e Dubrovnik, a pérola do Adriático, se encontra a pequena Split, a capital da região da Dalmácia e segunda maior cidade do país, destino comum para quem visita a Croácia. Muita gente a inclui no roteiro exclusivamente como acesso para uma das inúmeras ilhas, mas não foi nosso caso. Alugamos um carro em Zagreb e descemos até Split fazendo uma rápida parada em Zadar, para conhecer o intrigante órgão marítmo. As estradas croatas são bastante boas, e usando o GPS não tivemos nenhum problema.
       
      Chegando na cidade, comecei a ficar meio preocupada, quase desisti de parar por lá, isso porque a parte turística e histórica se concentra exclusivamente dentro do antigo palácio do imperador romano Diocleciano, declarado patrimônio da humanidade pela UNESCO. Fora deste domínio ela não é nada atrativa!
       
      Com alguma dificuldade encontramos o estacionamento (que fica na parte de fora do palácio, não circulam carros por lá) e partimos para uma missão dificílima, encontrar o hotel! Na verdade, não era um hotel, era um apartamento, esse esquema de hospedagem é muito comum por lá, usamos duas vezes reservando pelo Booking.com e foram boas (e baratas) experiências. O lugar em si não era mais que um quarto com banheiro e frigobar, mas para uma noite, está ótimo (e dentro do palácio). É difícil encontrar pois são várias vielas com apartamentos não muito bem identificáveis, e claro, com nomes impronunciáveis. Uma dica é reparar nas portas, geralmente há uma placa azul com um ícone de hospedagem e o termo “sobe”.
       
      Na entrada da cidade velha, próximo ao Portão de Ouro (cada lado do palácio tem um portão: ouro, prata, ferro e latão) está a gigante estátua do bispo Gregório de Nin, que lutou para que os serviços religiosos fossem divulgados também na língua eslava, para que todos pudessem entender, já que na época era usado para estes fins apenas o latim. A tradição manda esfregar a mão no dedão de seu pé esquerdo para trazer sorte.
       
      O palácio de pedras brancas da ilha de Brac foi construído a mando do imperador Diocleciano, que nasceu nesta região e comandou Roma de 284 a 305, quando abdicou voluntariamente de seu cargo. Era conhecido pela fama de perseguidor de cristãos. Ele encomendou aos arquitetos Filotas e Zotikos a então luxuosa construção onde passou seus últimos anos de vida. Após sua morte, o palácio virou residência do governador e foi usado ainda para escritórios administrativos. Em 615, refugiados de Salona, vizinha de Split, se abrigaram no palácio já abandonado, após ter sua cidade destruída pelos avaros e eslavos. Neste momento, começa a surgir a cidade de Split, que com o passar dos anos foi se expandindo para além dos domínios do palácio.
       
      Caminhar por lá é como mergulhar no passado, áreas muito bem conservadas convivem em harmonia com ruínas, colunas coríntias greco-romanas, esfinges egípcias, esculturas e roupas penduradas para fora das janelas. Estilos artísticos e arquitetônicos se misturam, do gótico ao renascentista. Todas as ruas, praças e casas desta região tem ares italianos, o que não é exatamente uma surpresa, já que a cidade foi ocupada por Veneza durante um período.
       
      Saindo pelo portão de latão, a Riva, grande calçadão branco com palmeiras imperiais, margeia as águas do porto (Split é uma cidade basicamente portuária, sem praias na região central). Há uma maquete do palácio em alto relevo e diversos cafés e restaurantes beira-mar.
       
      Vale a pena subir no alto da torre do campanário da Catedral de São Domnius. O trajeto é longo, cansativo e claustrofóbico, mas a vista da cidade e do espetacular azul do mar adriático compensam o esforço. O local era o antigo mausoléu do imperador, quando a religião católica ganhou liberdade, foi transformado em catedral onde foram colocados os restos mortais de São Domnius, padroeiro de Split, e Santo Anastácio, ambos mortos a mando de Diocleciano. No vestíbulo, que fica próximo ao campanário, costumam acontecer apresentações musicais.
       
      Diz-se que as galerias subterrâneas foram usadas como depósitos de lixo na ocupação da cidade pelos refugiados de Salona e que foi isso que conservou a estrutura. Hoje no local ficam diversos stands vendendo de tudo um pouco, é um bom lugar para encontrar souvenirs.
       
      A noite paramos para comer no Restaurant Central, na Praça do povo (Narodni Trg) que fica fora das muralhas, com alguns restaurantes, lojas e um intenso fluxo de turistas. É também onde ficam a prefeitura e a torre da guarda, com um relógio em sua fachada. Para os carnívoros, a pedida é o porco, muito consumido pelos croatas. Já eu preferi uma massa com funghi (os cogumelos também são muito frequentes na culinária local) e foi uma das melhores coisas que já comi na vida, que delícia! O vinho croata, assim como a cerveja, também não deixa nada a desejar.
       
      Na manhã seguinte tomamos café em uma pekara (padaria) próxima à marina e quando percebemos estava tocando Gustavo Lima!… Até na Croácia! Ainda passeamos mais um pouco por lá e partimos para Baska Voda, uma praia paradisíaca e desconhecida.
       
      Leia o relato completo com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/split-uma-cidade-dentro-de-um-castelo/
    • Por Mari D'Angelo
      Relato original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/brela-e-baska-voda-paraisos-escondidos-na-croacia/
       
      Brela e Baska Voda, uma do lado da outra, são minúsculas cidadezinhas na Croácia que escondem praias verdadeiramente paradisíacas banhadas pela imensidão azul do mar adriático! Na verdade mesmo, não havia nada pra fazer lá, o único atrativo era uma ilhota de pedra com árvores no meio do mar que parecia incrível no Google Images (e que praticamente foi o motivo de escolhermos esse lugar tão fora do roteiro) e que ao vivo era bem menos pitoresca. Mas havia calmaria, simpatia sincera e cenários que fazem meu coração palpitar até hoje, e o melhor, tudo isso só pra nós dois, ou quase.
       
      Depois de passar pelas paisagens mais lindas das estradas croatas (fizemos praticamente a costa toda nessa viagem), chegamos em Baska Voda. Nosso “hotel” era na verdade era um flatzinho que os próprios moradores alugam (já falei um pouco sobre isso aqui no post de Split), o nome era Haus Bilic e reservamos pelo Booking.com. O lugar era grande e super aconchegante. Aliás, entrando na cidade já era possível sentir o clima de aconchego que pairava por lá. A mulher que veio nos receber era de uma simpatia extrema, deixou uma cestinha com bananas e ainda se ofereceu para lavar nossas roupas. Muito amor, muita simpatia!
       
      Como eu disse, não havia muito o que fazer, foi um dia totalmente relax (o único, em uma intensa programação de 30 dias e aproximadamente 10 cidades) e foi maravilhoso! As vezes, tão bom quanto um dia cheio de novidades e cultura é parar e simplesmente andar a toa, sentar nas pedras (lá não tem areia, são praias de pedras), ouvir o mar e se sentir totalmente realizada, naquele momento não queria estar em nenhum outro lugar além daquele!
       
      Passamos pelo modesto porto, algumas lojinhas e uma estátua virada para o mar que ainda estou tentando buscar o significado. Andando pelas poucas ruas da cidade vimos muitos carros modelo Renault 4, muito comuns na época comunista, antes da antiga Iugoslávia se desmembrar em países separados, sendo um deles a Croácia.
       
      Antes do pôr-do-sol pegamos o carro para ir até Brela e ver a tal pedra! Parece até mentira de tão poética a paisagem que íamos tendo no caminho, as casas em frente a gigantes montanhas com seus topos encobertos por nuvens. O visual do sol se pondo então, foi espetacular! Aliás, a Croácia está lá em cima na minha lista de pores-do-sol maravilhosos!
       
      Voltando para Baska Voda, já de noite, observamos um caixa eletrônico no meio do “calçadão”, é engraçado pra nós que estamos sempre preocupados com segurança a ideia de tirar dinheiro assim, tão “abertamente”… é outro modo de viver!
       
      Pra terminar nosso day-off da viagem do melhor jeito possível paramos num restaurantezinho pra tomar uma cerveja e comer os melhores cogumelos-recheadinhos-de-queijo-sobre-arroz do mundo! (não faço ideia do nome desse prato e também nunca mais achei igual em outro lugar, mas era divino). O Dan foi de carne de porco com fritas, bem tradicional por lá.
       
      E assim foi um dia pacato, numa cidade pequena e totalmente desconhecida do qual não vamos nos esquecer jamais.
    • Por Mari D'Angelo
      Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/budapeste-onde-ficar/
       
      O leste europeu está em alta! Tanto pelo custo, que costuma ser mais baixo do que em outros países da Europa, quanto pela beleza, que está sendo pouco a pouco descoberta e desejada. Assim como Praga e Zagreb, Budapeste, a capital da Hungria, é uma dessas cidades encantadoras que surpreendem os visitantes.
       
      Mas, como decidir onde ficar?
       
      O básico a saber é que a cidade é dividida pelo Rio Danúbio em duas partes, Buda e Pest, a ligação principal entre elas é a Ponte das Correntes. A primeira é a parte alta, onde fica o esplendoroso Castelo de Buda, o Bastião dos Pescadores e de onde se tem várias vistas panorâmicas da cidade. É o lado mais tranquilo, não tem tanta vida noturna, até tem alguns restaurantes e é possível (e lindo) subir ao castelo a noite, mas é sem dúvida um lado mais diurno.
       
      Já o lado Pest, como bem sugere o nome, é mais agitado. É onde ficam a maioria dos pontos turísticos, como a Basílica de Santo Estevão e o Parlamento Húngaro, quase tudo é acessível a pé e o metrô cobre as áreas mais distantes. A noite é bastante viva, com vários bares, restaurantes e lojas. Ah, e a cerveja é super barata, então, aproveite!
       
      Ou seja, se quer tranquilidade, fique em Buda, se quer mais proximidade com os pontos turísticos e vida noturna, escolha Pest.
       
      Nós ficamos no Hostel Casa de La Musica, em Pest, achei fantástico! O lugar é simples mas é lindo, todo coloridinho e alegre, pegamos um quarto duplo com banheiro compartilhado, tudo super limpo e tranquilo. No primeiro dia rola um welcome drink no Bikini Beach, o bar do hostel que costuma ficar bem cheio. Inclusive conhecemos na escola em Paris uma húngara que frequentava o bar, então acho que tem uma mistura bem legal de turistas e locais.
       
      O custo benefício foi bem bom (como a maioria das coisas em Budapeste), a localização era ótima e me senti bastante segura andando por lá a noite, mesmo passando por ruas um pouco desertas.
    • Por Mari D'Angelo
      📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
      Sabe aquelas listas de “Lugares para conhecer antes de morrer”? Bom, esse é um deles!
      Estávamos em Zagreb (capital da Croácia) e o planejado era passar o dia no Parque Nacional dos Lagos de Plitvice. Pesquisei bastante antes de ir, uns diziam que o melhor era ficar hospedado lá por uma noite pra conseguir ver tudo, outros defendiam que um bate-volta era suficiente, ficamos com a segunda opção. Suficiente não foi, pois não chegamos a ver tudo (o lugar é enorme!), mas acho que foi realmente a melhor opção. De carro o trajeto dura aproximadamente 1:30.
      Acordamos bem cedo, passamos em um café perto do hotel (onde descobri que “jabuka” é maçã em croata rsrsrs) e partimos pra estrada. No caminho é possível ver marcas de balas em muitas das casas que ainda não foram reformadas, os croatas preferem investir primeiro na parte de dentro das casas (especialmente com sistemas de aquecimento), por isso é normal que muitas delas por fora estejam inacabadas mas por dentro sejam maravilhosas.
      Em uma determinada parte da estrada fica o museu a céu aberto da guerra (independência da Croácia, de 1991 a 1995), uma grande área com casas completamente destruídas, aviões e tanques de guerra. Um lugar tenso, que realmente impressiona, vale a pena parar alguns minutos por lá.
       
      Ao chegar na região do parque, há uma enorme placa onde você pode escolher entre algumas opções de trilhas de acordo com o tempo que pretende ficar e a dificuldade da trilha, escolhemos a nossa e depois de alguns minutos de caminhada já estávamos perdidos! A ideia das trilhas é ótima, mas faltam placas e as que tem são um pouco confusas (essa da foto por exemplo), então acabamos indo aleatoriamente, o que não foi nenhum problema, pois conseguimos ver grande parte das coisas. Ah, apesar do croata ser uma língua incompreensível pra nós, lá quase todos falam inglês, eles estão em uma crescente no turismo então donos de lojas, funcionários de museus, parques, restaurantes etc realmente se esforçam para atender bem os turistas.
       
      Nosso primeiro contato visual foi nada menos que este ai! Ou seja, já nesse momento deu pra entender o motivo do parque ser patrimônio nacional da UNESCO. E vale avisar que as fotos não conseguem captar nem metade das cores e tons perfeitos deste lugar.
       
      Confesso que fiquei meio medrosa andando nas estreitas passarelas, mas ai passavam grupos e mais grupos de velhinhos andando tranquilamente, muito mais rápido que eu… tive que fingir que estava tudo tranquilo né?! Rsrsrs
      É o tipo de lugar que pede calma e contemplação, cada passo dado é uma nova paisagem, entre águas de um azul indescritível, bosques de árvores multicoloridas, calmas piscinas naturais, cavernas, paredões e pequenas cachoeiras, um dos pontos altos do parque é a grande queda, uma enorme cascata onde se concentram muitas das pessoas espalhadas pelas diferentes trilhas.
       
       
      Tudo estava realmente maravilhoso, mas o tempo começou a virar (fomos em abril, estava um sol delicioso mas, bem frio!), decidimos pegar um dos barquinhos de travessia para conhecer o outro lado, ali as coisas já eram mais “selvagens”, estava muito mais vazio, começava a chover e ficar escuro, estávamos perdidos de novo e começava a bater um leve desespero. Nesse momento eu só pensava no que um croata havia nos dito no dia anterior; se vocês virem um urso, corram para baixo pois eles tem as patas da frente mais curtas e vão rolar caso tentem ir nesta direção. =0 Sim, porque havia a real possibilidade de existirem ursos soltos no local! (Rara, mas havia) Tem um ponto no parque onde se pode observar-los (de longe), mas acabamos não tendo tempo de ir lá. Ah, ainda uma última coisa sobre eles, em croata, a tradução para “Urso” é “Medo”… propício não?
       
      Bom, depois de pouco mais de 3 horas chegamos ao fim do passeio, pegamos o barquinho de volta para o local do estacionamento e saímos de lá com a certeza de termos conhecido um dos lugares mais incríveis do planeta Terra!
      Ainda na Cróacia, estivemos também em Zagreb, Split, Baska Voda e Dubrovnik, é tanta coisa maravilhosa que não dá pra falar tudo de uma vez só, mas quero já neste primeiro relato agradecer a Marília, do blog Uma brasileira na Croácia, nos encontramos com ela e seu marido em Zagreb e posso dizer que sem eles a viagem não teria sido a mesma coisa!
       
       
      Algumas informações úteis:
       
      Site do parque: http://www.np-plitvicka-jezera.hr
      Moeda: Kuna | 1,00 BRL = 2,43 HRK
      Preços: Variam muito de acordo com a idade e época do ano, mas no site tem tudo detalhado.
      Horários: O parque abre diariamente das 07:00 às 20:00 (mas os estacionamentos e os transfers de barcos tem outros horários)
       
      Leve um lanche e água pois não há muitos pontos de venda por lá, e sinceramente, acho que nem vale a pena perder tempo com isso, levamos um sanduíche que comemos contemplando as águas azuis. 😃
       
      📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
    • Por Mari D'Angelo
      Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/o-que-fazer-em-praga/
       
      Visitamos Praga em um fim de semana ensolarado de setembro, ficamos hospedados na casa da amiga de uma prima, que nos levou para conhecer a cidade junto com seu lindo cãozinho yorkshire. A capital da Republica Tcheca é encantadora, fácil de se locomover, de se comunicar (em inglês) e o melhor, barata! A moeda é a coroa tcheca e a cotação aproximada é: 1EUR = 27,11CZK / 1BRL = 6,19CZK. O metrô funciona bem, o bilhete é adquirido por tempo, as maquinas para comprá-los são um pouco complicadas, mas nada impossível, e pelo que me lembro só aceitam moedas.
       
      Aqui estão alguns pontos interessantes pra conhecer por lá:
       
      Castelo de Praga
       
      O lugar é na verdade um enorme complexo de prédios, jardins, ruas e igrejas que dão ao conjunto o título de maior castelo do mundo! É um dos pontos mais importantes de Praga, sendo que o destaque é com certeza a imponente Catedral de São Vito, em estilo gótico! Nós não compramos o ticket, por isso não visitamos os atrativos lá dentro, mas é possível subir e circular por alguns lugares sem nenhum custo, e como o conjunto fica em uma colina, a vista da cidade é privilegiada! Uma das vantagens é que o lugar fica aberto até bem tarde, sendo possível programar a visita de forma bem flexível. Super indico uma passadinha noturna pra ver tudo aquilo iluminado!
       
      Para saber mais sobre valores e horários acesse o site oficial: https://www.hrad.cz/en/prague-castle/prague-castle-tourist-information/visit-of-prague-castle.shtml
       
       
      Relógio Astronômico (Orloj)
       
      Na movimentada Praça da Cidade Velha, entre outras maravilhosas construções, fica a torre da antiga prefeitura, onde está o relógio mais incrível do mundo! A coisa toda é bem complexa, mas o importante é saber que ele não marca apenas as horas mas também a posição do sol, da lua e das estrelas, o calendário zodíaco, a hora babilônica, entre outras coisas (!!!). Como se não bastasse, diariamente a cada hora cheia entre 09h e 21h há um showzinho super disputado pelos turistas, mostrando bonecos de madeira dos 12 apóstolos. Muitas noivas aproveitam o cenário para uma sessão de fotos (muitas mesmos, acho que em pouco tempo que ficamos por lá vimos umas 3).
       
      Aqui no site oficial é mostrado de uma forma bem didática como ele funciona, vale a pena conferir: http://www.staromestskaradnicepraha.cz/en/astronomical-clock/
       
       
      Torre de observação Petrin
       
      Ela é uma irmã mais nova da Torre Eiffel em Paris, bem menor e menos conhecida, é claro! Mas é um ótimo ponto para ter uma vista panorâmica da cidade. Ela fica no topo de uma colina, portanto é necessário força nas pernas se quiser passar pelo meio de um agradável parque ou simplesmente pegar o funicular pra subir. Na Torre não tem jeito, a subida é pelas escadas mesmo, é um pouco cansativo, mas vale a pena.
       
       
      Ponte Carlos
       
      A principal e mais antiga ligação entre a Cidade Velha e a região de Malá Strana sobre o Rio Moldava é a Ponte Carlos, uma fantástica construção do século XIV que reúne uma galeria de esculturas em toda sua extensão. Torres de diferentes estilos arquitetônicos guardam as entradas de ambos os lados.
       
      Por ser um dos pontos mais famosos de Praga, a ponte fica lotada de turistas, músicos de rua e vendedores de souvenirs. Atravessá-la no momento do pôr-do-sol torna a experiência ainda mais interessante!
       
       
      Malá Strana (Lesser Town)
       
      Esse bairro localizado abaixo do Castelo guarda alguns segredinhos! Entre eles o John Lennon Wall, um muro todo grafitado com homenagens ao integrante dos Beatles. Quando fomos um músico de rua fazia a trilha sonora adequada para a visita dos fãs.
       
      Também por ali fica a pequena (pra não dizer minúscula… e um pouco sem graça) ponte do Canal Certovka onde casais colocam cadeados e jogam a chave fora para eternizar o amor. Ali atrás há uma roda de moinho com a escultura de um duende, meio enigmático.
       
      Próximo ao rio há uma série bastante inusitada de esculturas do artista David Černý que são mostras do que pode ser visto no Kampa Museum, focado em arte moderna. Ali também fica o Before i die Wall, assim como em outros países, é um muro coberto com tinta de lousa para que as pessoas completem com giz a frase Before i die i want to… (provavelmente minha frase foi …travel all the world
       
       
       
      Jardins de cerveja
       
      Passamos uma noite agradável em um desses lugares maravilhosos onde a cerveja é incrível e barata! Eles são meio parecidos e agora não tenho muita certeza em qual deles fomos, mas se não me engano foi no Riegrovy Sady, ele fica dentro de um parque homônimo, de onde se tem uma vista perfeita da cidade, incluindo o Castelo de Praga. Se você gosta de cerveja, pre-ci-sa ir num desses!
       
       
       
      Bairro Judeu (Josefov)
       
      Por conta das perseguições religiosas, os judeus de Praga se viram obrigados a viver intramuros na cidade por séculos, tendo apenas este bairro destinado a eles. Por esse motivo o lugar concentra diversas sinagogas e um cemitério, que é considerado o cemitério judeu mais antigo do mundo. Segundo contam, as pessoas eram enterradas ali em camadas, pois o espaço ia acabando com o passar dos anos, por isso as lápides são todas sobrepostas umas sobre as outras. Para ter acesso a ele é necessário comprar um ingresso (bem salgado!) que dá acesso também a algumas sinagogas. É proibido fotografar a não ser que você pague uma taxa adicional, mas essa é baratinha. A sensação é de estar dentro do cenário de um filme de terror!
       
       
       
      Marionetes
       
      Praga é muito conhecida pela tradição dos teatros de marionetes, hoje um dos mais famosos é a ópera Don Giovanni de Mozart, no Teatro Nacional de Marionetes. Não tivemos a oportunidade de assistir mas quando voltar certamente o farei! Por conta dessa fama, a cidade tem muitas lojas de marionetes e é simplesmente irresistível entrar em uma delas e se encantar com os bonecos perfeitos, cheios de detalhes.
       
       
      Dica imperdível!
       
      No último dia em Praga a amiga tcheca da minha prima nos levou a um restaurante incrível, dentro de um barco ancorado no Rio Moldava e com vista para o Castelo de Praga. Quando chegamos ao Marina Grosseto Ristorante logo pensei “não devia entrar aqui, não condiz com meu orçamento”, mas já estávamos lá, entramos… e foi uma surpresa quando vimos os preços, é MUITO BARATO! Na verdade Praga, como em todo o leste europeu, é uma cidade barata, é claro que você vai encontrar outros restaurantes mais em conta, mas 9 euros por uma pizza e 4 por uma taça de vinho por exemplo são valores super acessíveis! Não tenho fotos do lugar então vou usar as do próprio site: http://www.grosseto.cz/en/marina/gallery
       
      Ps. apesar de ter um aspecto super refinado não é um daqueles lugares onde pessoas “normais” se sentem ETs por estarem de tênis Ah, e não, não balança!
       
       
      Vou parar por aqui, mas claro que ainda há muito mais o que fazer em Praga! Nunca deixe de observar a arquitetura dos prédios, independente do estilo são sempre surpreendentes! Repare também em algumas estátuas inusitadas como uma de Freud pendurado pelo braço no topo de um prédio (Rua Husova x Praça Betlémské). Experimente as cervejas locais, extremamente baratas e a culinária, claro (e os doces, hummm!)… Viva Praga o máximo que puder, não vai se arrepender de conhecer uma cidade tão encantadora!
       
      Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/o-que-fazer-em-praga/


×
×
  • Criar Novo...