Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

poponeis

Relato Uruguai (Montevidéu, Colonia del Sacramento, Punta del Este) + Buenos Aires (Bônus) - 7 dias - Fevereiro/2019

Posts Recomendados

Relato Uruguai (Montevidéu, Colonia del Sacramento, Punta del Este) + Buenos Aires (Bônus) - 7 dias - Fevereiro/2019

 

Parâmetros iniciais:

  • Viagem em casal
  • Os restaurantes no Uruguai tem desconto de 21% em pagamentos com o Cartão de Crédito (atente-se a data do relato)
  • Hospedagem em hotéis de aparente bom custo/benefício
  • Somente transporte público
  • Não entusiastas de museus
  • 2 noites em montevidéu, 2 noites em Punta, 1 noite* em Buenos Aires
  • Câmbio oficial +-U$ 8,70 para R$ 1
  • Não trocamos nada de dinheiro no Brasil

 

Gastos pré-viagem:

 

*Algumas dicas e impressões no final


 

Dia 1 - Chegada em MVD:

 

Chegamos as 17 horas no aeroporto de carrasco, procedimento de alfândega no uruguai foi super simples e super rápido, não perguntaram nada e nem nos deram comprovante de entrada.

 

Dica: Se você desembarcar em um horário comercial, não troque dinheiro na casa dentro da área de desembarque (Global Exchange), tem outras casas que pagam um pouco mais (troque somente o essencial).

 

Troquei 50 reais (só para o busão e algo essencial) na Global Exchange por U$ 6,20 (cada real). Do lado de fora estavam pagando U$7 por real.

 

Na saída do desembarque tem um ponto de venda da antel (operadora de celular) http://www.antel.com.uy/personas-y-hogares/novedades/internet-para-turistas .

 

Dica: Não jogue fora o numero do pin que vem com o chip, senão você não vai conseguir desbloquear o celular.

 

Como só tinha trocado 50 reais decidi não comprar o chip naquela hora, tem wifi no aeroporto todo então não foi crucial.

O ponto de ônibus fica bem em frente a saída, peguei o busão DM1 (U$56 cada) e desci na rua de baixo do hotel.

 

Chegamos no hotel +- 19:30, check-in feito e fomos ao mercado trocar grana e comprar o essencial. No Uruguai eles não pedem o documento para trocar grana. E em montevidéo eles pagam a cotação que está no site da empresa. Trocamos a U$ 8,50 por real. 😃

 

A água no mercado custou por volta de 50 pesos, preço similar ao do refrigerante (evite comprar a água salus, tem gosto salgado. Compre a vitalle ou a matutina)

 

Fomos ao shopping e compramos o chip pro celular e 30 GB de internet válidos por 10 dias a 265 pesos.

 

Jantamos um assado uruguaio no La pulperia: pedimos uma porção de carne cada (descobrimos que meia porção cada e mais que o suficiente), uma morcilla, meia porção  de batata frita, uma batata assada e uma coca de 1L. Atendimento e comida muito bons, mas não peçam uma porção de carne por pessoa.

 

Total: 1375 pesos, com desconto do IVA 1127,05


 

Dia 2 - Primeiro dia útil de viagem:

 

No dia seguinte, fomos ao Pollo y Pico comprar o alfajor da avícola (45 pesos cada ou 6 por 240). Compramos 1 de cada sabor, mas não comemos na hora, tinha acabado de tomar café do hotel. MELHOR ALFAJOR POSSÍVEL!!!

 

Pegamos o ônibus (38 pesos cada) e fomos rumo à 18 de Julio para turistar:

Mirador de Montevideo - Grátis: fica localizado em frente a prefeitura, dá pra ver bem a cidade de cima e tirar boas fotos, wi-fi free.

 

Seguindo em direção à ciudad vieja, na 18 de julio, tem a fonte dos cadeados, tem a fonte da praça cagancha e o centro de fotografias de Montevideo.

 

Até que chega a praça da independência onde tem o prédio mais famoso de Montevideo, o museu do tango, a puerta de la ciudadela e o teatro solis que também é visível dali.

 

O mercado do porto fica a uma boa caminhada da praça da independência, e a medida que vai se aproximando dele, vai aumentando o número de turistas e tudo o que cerca áreas turísticas.

 

O mercado em si não é lá muito mercado, mas tem muitos restaurantes e lojinhas de souvenir.

Compramos empanadas, na Empanadas Carolina, tem ótimo tamanho e custou 60 pesos cada. Aproveitando o mercado tomamos um medio y medio na Roldos, li que o medio y medio deles era um dos melhores, então decidimos ir na fonte.

 

O sabor é +- uma sidra cereser sofisticada, 290 pesos a garrafa, acho que vale a experiência. O que não valeu foi a experiência no restaurante: o atendimento não foi bom quando dissemos que só queríamos a bebida, não aceitou cartão porque não tinha dado o valor mínimo, queria devolver o troco do que foi pago em pesos por real e demorou mais de 15 minutos pra trazer o troco.

 

De lá fomos de ônibus (38 pesos) para o museu da cannabis, 200 pesos por pessoa. O museu em si não tem muitas coisas para ver: esperava que tivesse mais tipos de plantas, registros históricos etc. Foi tipo uma conversa do guia contando a história, num portunhol bem entendível. Se não estiver apertado de grana acho que vale a visita. (tem degustação)

 

Pegamos o ônibus (38 pesos) para ver o letreiro de Montevidéu.

 

Dica: Não vá no fim de tarde se não tiver uma câmera fodona, o sol fica atrás do letreiro, deixando as fotos escuras.

 

+38 pesos para voltar ao hotel de ônibus (é viável voltar a pé, mas estávamos só o pó).


 

Jantar na La Pulperia novamente: 2 choripan completos mais meia de batata frita e coca de 1L. Lanche muito gostoso e de "muita sustância".

 

Total: 605 pesos, com desconto do IVA 495,90.

 

Dia 3 - Segundo dia em MVD rumo a Punta:

 

Depois do café, partimos rumo ao mercado agrícola, esse sim com cara de mercado público, vários vendedores de fiambres, frutas, temperos e afins. Aqui tem muitos locais e poucos turistas.

 

Fomos ao palácio legislativo (dá pra ir a pé) e de lá (de ônibus) para a rodoviária de tres cruces.

 

Não fomos à feira de antiguidades, nem a do parque rodó, pois vimos que não tinha nada de interessante para comer.

 

Dica: tem um shopping com um mercado nos andares superiores da rodoviária, vai ajudar a economizar.

 

Ônibus para Punta: 302 + 14 pesos  de taxa de embarque (comprados na hora).

 

Se não me engano, tem duas empresas que fazem o trajeto, os preços são iguais, o que muda são os horários e se vai direto ou não.

 

Saímos às 14:45 e chegamos +- duas horas depois.

 

Do terminal de Punta a pé para o hotel, check-in feito, tiramos fotos dos dedos (fica em frente ao terminal de ônibus), demos uma volta e vimos um bonito pôr do sol.

 

Jantamos no Ola La: promoção de chivito com limonada com blackberry, acompanhados de batata rústica ou salada, por 399 pesos cada.

 

Serviram um pão da casa com manteiga de ervas, que não foi cobrado, estava bem gostoso e quentinho.

 

O chivito veio no pão também artesanal com ingredientes frescos, o suco estava muito bom e a batata estava bem sequinha, a salada, apesar de bem fresca, é composta por itens que já vem no pão, então se tiver em dúvida, BATATA.

 

Apesar de pagar com o cartão, não obtive o desconto de IVA (Não sei se tinha que ter pedido) 798 pesos no total, apesar disso, voltaria lá sem sombra de dúvida.


 

Dia 4 - Punta e Casa Pueblo

 

A ideia inicial era ir e voltar da Casa Pueblo de Uber, mas como eu tinha lido um relato que poderia faltar uber pra voltar, e depois de fazer uma simulação vi que demoraria até 15 minutos para um motorista atender na Casa Pueblo. E de ônibus o ponto fica distante tanto na ida quanto na volta.

O hotel que estávamos oferecia o Tour para a Casa Pueblo por 15 Dólares para cada um, saindo às 17h da porta do hotel. Infelizmente, no dia, esse tour não foi oferecido porque o motorista tinha ido fazer um tour em outra cidade

Na rodoviária de Punta vende o tour por 25 dólares cada e sai as 16.

 

Deixamos as roupas numa lavanderia na rua central da península, 300 pesos: Até 5kg de roupas lavadas, secas e entregues no dia seguinte.

Ficamos um tempo na praia, o hotel oferece cadeiras e guarda-sol de graça. Uma Pepsi 500 ml: 90 pesos. :(

 

O tour passa por vários pontos interessantes, conta história sobre os pontos e o motorista/guia (Pablo) fala português ok. E é bem interessante pra ver a visão de um local sobre as coisas.

 

Não entramos na Casa Pueblo (10 dólares por pessoa), uma senhora uruguaia que estava com a gente na van disse que achava um absurdo pagar pra ver o pôr do sol, e a vontade que já não era muita foi embora de vez. Do lado de fora a vista foi sensacional, e deu pra aproveitar bem. A van voltou para Punta +- 8:30 da noite

No final das contas, o preço um pouquinho mais alto pela viagem com o guia valeu muito a pena.

 

Fomos ao cassino (bem simples) em frente a rodoviária. O cassino mais chique do conrad/enjoy só aceita dólares e era mais longe), meia hora e 200 pesos mais pobres depois fomos jantar.

 

Jantamos na rua do hotel num lugar chamado fish and chips. Resumindo NÃO VÁ a esta PORCARIA de lugar, vimos o anúncio de uma tábua de frutos do mar para 2, vieram 2 camarões empanados pequenos, um pouco de lula empanada, um monte de batata rústica e espinafre empanado frito. Cobraram 50 pesos por pessoa de couvert para 3 bolachas para os dois e um potinho de manteiga.

 

Dia 5 - Punta a Buenos Aires

 

Devido a facilidade e a experiência compramos passagens de navio saindo de Montevidéu direto para Buenos Aires pela Buquebus e a volta Buenos Aires para Colonia pela Colonia Express.

 

Tomamos o café, check out e fomos buscar as roupas prometidas às 12h, promessa cumprida demos uma volta por Punta e chá de cadeira pra esperar o ônibus da Buquebus que leva até o porto de Montevidéu.

 

O custo de comprar a passagem de ônibus até Montevidéu por outra empresa e pegar o barco partindo de lá é menor, mas se atrasar você fica a ver navios.

O ônibus saiu pontualmente às 16:15 e eles dão um kit lanche que deve valer uns 350 - 400 pesos: água, barrinha de cereal salgada, amendoim salgado, barrinha de cereal de frutas.

 

Chegamos no porto de Montevideo, por volta das 18:30, com precisão de saída do navio às 19:30.

 

O processo imigratório foi super simples, não precisa passar em raio-x, detector de metal etc. O funcionário uruguaio não te pergunta nada e o segundo funcionário, argentino só carimba o papel (Não perca este papel). Tem um freeshop bem grande logo depois da imigração.

 

Já o processo de embarque foi caótico, o navio saiu do porto quase 20:10.

Quanto ao navio da Buquebus (Francisco): É preciso calçar uma espécie de luva por cima do calçado para entrar no navio, o navio tem piso com carpete

É um navio bem grande tem 4 classes: Econômico, turismo (compramos o nosso aqui), business e primeira classe. Os dois últimos embarcam primeiro e tem um certo controle de acesso às áreas. Já a económica e turística não tem controle nenhum. Tem uma área de recreação para crianças com um cuidador, o freeshop é bem grande e o navio balança pouco.

No entanto, esperava bem mais: as janelas da classe turística tem tipo de laminado que te impede de tirar fotos do lado de fora, tampouco tem uma área para ficar do lado de fora do navio, a casa de câmbio dentro do navio é horrível.

 

O desembarque foi meio muvucado, mas também é bem simples, só precisa passar a bolsa no raio-x.

Chegamos em Porto Madero às 22:40, quase 1 hora de atraso. Detalhe, na hora que chegamos, a casa de câmbio em porto madero já estava fechada, por sorte tínhamos saldo no SUBE de uma viagem anterior.

 

Vou pular os detalhes do que fizemos na Argentina pois já tínhamos visitado a Argentina e praticamente só fomos ao caminito

 

Dia 7: De buenos Aires para Colonia, Montevideu e Brasil

 

O nosso vôo estava marcado para 3:20 da manhã do dia seguinte saímos de Buenos Aires, passeamos em Colonia, fomos para Montevidéu e depois Brasil.

 

A nossa passagem pela Colonia Express estava marcada 13:45, fizemos o check out, compramos bastante comida, vimos relatos dizendo que a comida era cara em Colonia, chegamos no porto da Colonia Express ao meio-dia.

 

Importante: o porto da Colonia Express e o da Buquebus/Seacat são em lugares diferentes na Argentina.

 

O processo imigratório também foi bastante simples você apresenta o papel que recebeu na ida e passa a bolsa no raio-x

 

O navio da Colonia Express saiu no horário: é bem menor, o freeshop é, basicamente, uma lanchonete e balança bastante.

 

No entanto, é bem melhor: O piso é tipo um laminado, não precisa usar luva no pé, dá pra tirar foto pela janela, tem um guarda volumes na parte traseira e, o melhor de tudo, tem uma parte externa que dá pra sentar e tirar ótimas fotos!

 

Chegamos em Colonia e botamos as bolsa no guarda malas fica rodoviária ao lado do porto. 50 pesos até 2 horas, 80 pesos entre 2 e 4 horas por mala. Compramos as passagens para Montevidéu às 18.

 

375 + 20 de taxa de embarque. total: 395 por pessoa

 

Demos uma volta em Colonia das 15 às 17:30, chegamos em Montevidéu 20:40 +- demos uma volta no mercado/shopping e pegamos o ônibus 470(56 pesos cada), 2 quadras da rodoviária rumo ao aeroporto.

 

Um detalhe: se você quiser comer algo diferente de mcdonalds, o shopping/rodoviária de tres cruces é o último lugar pra fazer isso, no aeroporto só mcDonalds.

 

O ônibus demorou +- 40 minutos até o aeroporto, comemos no mcdonalds mesmo (estávamos sem fome mais cedo), aplicativo de cupons do mcdonalds funciona no Uruguai tbm, e tem desconto de iva, desta vez eu perguntei e pedi o desconto.

 

O freeshop de montevidéu aceita reais e devolve o troco em dólares, com uma cotação até melhor que a comercial e os preços são um pouco melhores que o de Guarulhos.

A área de embarque internacional tem puff e algumas poltronas com apoios paras os pés que são bem confortáveis.

 

Fim da viagem


 

Dicas Gerais

 

Sim, é caro: Se comparar com o Brasil, o Uruguai é caro. O refrigerante de 600 ml e a água de 1L no mercado custam na faixa de 50 pesos (6 reais), em Punta, na praia, custou 90 pesos.

 

Pague as refeições no cartão de crédito: aproveite que ainda tem desconto no iva e pague no cartão de crédito, só pergunte se tem o desconto e se não tem valor mínimo. No visor da máquina vai aparecer o valor cheio, o desconto aparece depois do pagamento no recibo da máquina.


IMG-20190223-WA0313.thumb.jpg.545bb82d29c1724538f17d4090f29934.jpg

Não faça câmbio em Punta e nem em Colonia: É melhor fazer o câmbio em Montevidéu, lá eles pagam o que está no site das casas, em Punta e em Colonia não.

 

http://www.aspen.com.uy/sitio/?lang=pt

https://www.cambio18.com

http://www.gales.com.uy/home/

Escolha um hotel com um bom café da manhã: vale a pena pagar até uns 20 reais a mais na diária se o café for bom, dá pra encher a barriga no hotel e administrar o almoço, só gastando na janta.

 

Compre a passagem de navio mais barata: Quando for pesquisar passagem de navio, entre pelo site na versão argentina e procure a parte de outlet/promociones


https://www.buquebus.com/promociones/outlet

https://www.coloniaexpress.com/ar/outlet

 

Se pudesse refazer o roteiro para economizar:

 

2 dias inteiros em Montevideu

1 dia pra bate e volta em Punta (Excursão que passa o pôr do sol na Casa Pueblo saindo e voltando para Montevidéu)

1 dia pra bate e volta em Colonia (por conta própria)

Reserva todas as noites em Montevidéu, aí não precisa ficar penando carregar mala/mochila e esperar pra fazer o check in / trabalho de fazer e desfazer mala etc.

 

Última dica: Compre Batata Frita sabor ovo frito.

IMG-20190223-WA0208.thumb.jpg.f9a450728a6654af24a83814b214578c.jpg

Este maravilhoso salgadinho tem o gosto mais exótico da vida!

 

Impressões do Uruguai:

 

O país tem muitas árvores nas ruas e dá pra notar que parte dela é nativa, as árvores que estão nas calçadas já estavam lá antes da calçada existir e continuam lá mesmo depois da calçada. Acho que lá esse negócio de "vamos arrancar a árvore porque ela quebra a calçada" não funciona.

 

O povo parece bem civilizado, 2 exemplos que eu vi:

 

No ônibus de Colonia para Montevidéu, o motorista nem conferiu os bilhetes para entrar, uma pessoa entrou numa outra parada depois da rodoviária, quando foram conferir os bilhetes essa pessoa tinha comprado a passagem para outro dia e  o cobrador tipo falou para ela: "Moça o seu bilhete não é pra hoje, chegando em Montevidéu avisa no guichê da empresa e tá blz", sem briga, sem discussão, sem suspeita de migué.

Para trocar dinheiro eles não pedem documento, assinatura, comprovantes etc. Ninguém fica conferindo se a nota que você deu é falsa.

 

Fomos bem atendidos na maioria dos lugares que fomos, o pessoal tem uma predisposição para te ajudar.

 

Achei que o Uruguai tem muitos idosos.

 

Vi poucos mendigos na rua e todos adultos.

 

O povo de montevidéu parece muito mais pacato se comparar com o brasileiro (paulistano) e o argentino (de Buenos Aires).

 

Punta (pelo menos na parte da Península) é muito burguês, não é o tipo de lugar que dá pra sentir o povo e nem acrescenta culturalmente.

 

VISITEM O URUGUAI!!!


 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post

Fui 2x a MVD, em julho de 2007 e agora em julho de 2019. Uma breve correção, as árvores da cidade de MVD e Colônia chamam-se plátano e não são nativas do Uruguai ou Argentina, mas da Am. Norte e Eurásia, foram trazida pelos colonizadores espanhóis e sim foram escolhidas para urbanização pelo fato de suas raízes quase não destruírem as calçadas e pavimentações. O país é caro porque a economia é dolarizada, sendo um país pequeno e essencialmente agrícola importam tudo o que necessitam, reparem nas marcas dos talheres, copos e taças, toalhas de banho, nas montadoras dos ônibus. Nada é barato lá, fruto da economia fraca. Num city tour o guia disse com orgulho que o salário mínimo deles é 400 dólares, mas também com a carestia, o que eu ouvia nas filas dos mercados eram reclamações do elevado custo de vida. O que torna o país caro além do preço é a quantidade, eu paguei por apenas um filé de peixe com 1 folha de alface e 2 rodelas de tomates o equivalente a 86 reais, sem nenhum acompanhamento. É por isso que se vê muitos turistas uruguaios e argentinos pois sai mais barato viajarem ao Brasil que no seu próprio país, muitos viajam até Chuí no RS para fazer compras no Brasil.

Compartilhar este post


Link para o post

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Mari D'Angelo
      A experiência de conhecer o Uruguay foi especialmente interessante, pois exceto uma pisadinha no Paraguay e na Argentina em uma viagem à Foz do Iguaçu, quando ainda era criança, nunca tinha viajado para outro país da América do Sul.
       
      Chegamos em um sábado de manhã no pequeno e moderno aeroporto de Carrasco. No começo foi engraçado pedir informações pois não falo espanhol (e pra ser sincera, não é uma língua que me agrada muito) e a técnica do “portunhol” soa ridícula demais! Enfim, com o tempo passamos a usar o português mesmo, que eles conseguem entender se falamos devagar, as poucas palavras que sabemos em espanhol e as vezes até alguma coisa em inglês para ajudar.
       
      É bem simples chegar ao centro, não acho que seja necessário taxi ou van, a não ser que você tenha muitas malas ou prefira algo mais confortável. Bem em frente à saída do aeroporto tem um ponto onde passam vários ônibus com os nomes dos destinos finais, no nosso caso pegamos o “Montevideo” mesmo, caso não vá para o centro é só se informar por lá. O valor é 45 pesos uruguaios (R$4,50) e demora menos de 1h. Ah, caso o motorista não abra a porta quando você der o sinal, grite “Puerta!”, funciona como o “Vai descer!” que usamos aqui em São Paulo rs.
       
      Escolhemos ficar no Hotel California (claro que eu cantei mentalmente a música cada vez que li o nome em algum lugar! Rs), achei o custo benefício bastante bom! A localização é ótima, paralela à principal avenida e apenas alguns minutos da Cidade Velha (onde tinham algumas opções menos caras mas pelos comentários no Booking.com não é uma região muito segura à noite.).
       
      Sábado a tarde e domingo quase tudo fecha na cidade (inclusive casas de câmbio e locadoras de carro), então caminhamos pela avenida 18 de Julio até o Teatro Solís, que fica aberto. A primeira parada foi na Fuente de los Candados, a tradição é a mesma de alguns lugares da Europa, como a Pont des Arts em Paris, onde casais colocam cadeados com seus nomes para que o amor seja eterno.
       
      A arquitetura da capital Uruguaia me chamou muito a atenção, a mistura de estilos arquitetônicos do moderno com o antigo é muito interessante, vale parar alguns minutos diante de alguns prédios só para observar todos os detalhes. Inclusive um dos melhores lugares para notar esse contraste é chegando na Plaza Independencia, onde se encontra o Palácio Salvo, um dos prédios mais lindos de Montevideo, que funciona tanto para escritórios quanto para fins residenciais. Essa praça, que tem como monumento central uma homenagem ao general José Artigas, divide a área central e a Cidade Velha. Na entrada da área mais antiga da capital está a Puerta de la Ciudadela, único resquício de uma antiga fortaleza que protegia a cidade. É bastante interessante pela história, mas não me empolgou muito como ponto turístico.
       

       
      Continuando o caminho, agora já dentro da Cidade Velha, seguimos pela rua Sarandi, onde ficam algumas banquinhas de artesanato, lojas, cafés e restaurantes. A Plaza Constitución, que abriga uma feira de antiguidades, é a mais antiga da cidade. Logo em frente está a Catedral Metropolitana de Montevideo. Na rua da catedral há um lugar chamado Café Brasilero, havia lido em alguns lugares como algo imperdível mas quando cheguei lá não me empolguei em entrar, não sei se seria diferente de qualquer outro café.
       
      Finalmente chegamos ao nosso destino, o Teatro Solís. Às 16h há uma visita guiada por 50 pesos (R$5,00), três jovens funcionários super simpáticos nos apresentaram, em português, aos pontos mais importantes do local. Com certeza a sala principal de espetáculos é a parte mais incrível, inclusive suas cadeiras são feitas com uma tecnologia brasileira que se auto-destrói em caso de incêndio para que o fogo não se espalhe. Os guias contam a história do teatro e curiosidades como essa numa visita que dura aproximadamente 1 hora.
       

       
      A Cidade Velha também é um pólo interessante de arte de rua, eu como apaixonada por grafites, não resisti e tive que registrar alguns.
       
      Como em outubro o sol se põe lá pelas 20h, aproveitamos para caminhar mais um pouco pela Cidade Velha. Entramos para conhecer o famoso Mercado del Puerto (onde estava passando um Palmeiras x Corinthians na TV!), a estrutura é semelhante ao Mercadão de São Paulo, porém dentro (e ao redor) funcionam diversos restaurantes, mas achei bastante caro. Aliás, comer e beber em Montevideo não é exatamente uma pechincha. Acabamos parando para uma cerveja em um simpático café + loja de design chamado Sinestesia, que fica pelos arredores do mercado.
       
      Descemos então para a Rambla (avenida que beira o Rio da Prata) e encontramos um lugarzinho para admirar o fantástico pôr-do-sol entre os uruguaios com suas cuias de chimarrão (todos eles vivem tomando seu chimarrão, em qualquer lugar, à qualquer hora).
       

       
      Como a viagem foi para comemorar o aniversário do namor(i)do, fomos procurar um lugar legal para jantar, pegamos a dica da Avenida Dr. L. A. de Herrera, no bairro de Buceo e fomos de ônibus até lá (uma curiosidade sobre os ônibus, geralmente eles deixam tocando música ou notícias, é como se o motorista tivesse no carro dele, aumentando e diminuindo o som de acordo com seu gosto, chega a ser engraçado! Rs). Bom, essa rua tem diversas opções que parecem bem legais, escolhemos o Barba Roja, uma mistura de bar e restaurante. A dica aqui é, peça um prato para 2, sério, o tamanho deles é realmente absurdo, dá até dó pois não conseguimos comer nem metade.
       
      No segundo dia fizemos um bate e volta em Punta del Este, mas isso será assunto para outro texto. Era domingo de eleições por lá também e foi muito interessante ver o comportamento deles em relação a isso. Desde que chegamos no aeroporto, vimos pelo caminho bandeiras, propagandas, muros pintados, manifestações (pacíficas), enfim, a cidade respirava campanha política. Quando voltamos ao hotel, passando pela 18 de Julio, ficamos impressionados com a festa! Já haviam saído as parciais e o sucessor de Mujica (o atual presidente, que na minha opinião é um exemplo a ser seguido) ganharia. A impressão que dava é que eles realmente estavam felizes e satisfeitos com sua escolha, que tinham confiança no partido que apoiavam, e não eram apenas os mais velhos, crianças e muitos adolescentes e jovens comemoravam efusivamente, o clima era leve, de alegria e paz. Olhando tudo aquilo fiquei com inveja (no bom sentido), eu gostaria muito de poder apoiar um partido que me representasse desta maneira.
       

       
      No fim da noite, caímos sem querer no Facal, um café-restaurante em frente à fonte dos cadeados que diz ser o mais antigo da cidade. Recomendo muito comer as empanadas de lá, são deliciosas! Além delas, outra iguaria típica do país é o Chivitos, que não passa de um sanduíche com diversos recheios para escolher, como não como carne, não posso dizer se é algo que vale a pena ou não.
       
      No dia seguinte começamos pelo Mirador de la intendencia, um mirante 360º que fica no último andar do prédio da prefeitura e é de graça, basta retirar a entrada no centro de informações turísticas que fica bem em frente.
       
      De lá seguimos para o Parque Rodó, bastante agradável e bem cuidado. Nossa ideia era continuar a pé pelas Ramblas até a Playa Pocitos, mas o calor estava insuportável e foi realmente impossível completar o trajeto, acabamos conhecendo apenas a Playa Ramirez e passando em frente ao Memorial del Holocausto.
       

       
      Não dá pra ir embora sem trazer na mala vinhos e alfajores né? Então pegamos a indicação do Ta-ta, um mercado barato onde encontramos bons vinhos por uma média de R$15,00 e uma infinidade de opções de alfajores e doces de leite, ficamos com os da marca Lapataia, indicação de uma brasileira (e são mesmo muito bons!).
       
      Esse é o tipo de viagem diferente que é possível fazer em um fim de semana, fique de olho nas promoções de passagens aéreas e vá aproveitar toda a simpatia do Uruguay.
       
      Texto original e mais fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/uma-escapadinha-para-montevideo/
    • Por Mari D'Angelo
      Post original com fotos e mapas aqui: http://www.queroirla.com.br/bate-volta-em-punta-del-este/
       
      Durante nossa viagem à Montevidéu, resolvemos fazer um bate-volta para Punta del Este, afinal, é quase obrigatório já que é tão pertinho e fácil de chegar. A maioria das pessoas vai atrás das praias, cassinos (que são liberados por lá) e badalação. Eu confesso que a parte da cidade que mais me chamou atenção foi justamente a que era o oposto disso. Não foi um lugar que me encantou, mas tem lá seu charme!
       
      Saímos no domingo cedo e pegamos um ônibus até o aeroporto para buscar o carro alugado na Budget. A estrada é bem tranquila e o caminho é basicamente uma reta só, o trajeto dura aproximadamente 1h30. Ah, uma dica importante, logo que chegamos no hotel em Montevidéu, um funcionário já nos alertou sobre a lei seca, disse que haveriam muitos comandos na estrada e que lá não há tolerância, qualquer sinal de álcool (e até maconha) no bafômetro é problema e para jamais propormos “dar um jeitinho”, pelo jeito lá as coisas funcionam um pouco diferentes daqui… Bom, o fato é que tinham mesmo muitas blitz, então se for beber, vá de ônibus!
       
      O primeiro lugar que paramos foi uma mega furada! Um conjunto de esculturas de sereias sobre as pedras na beira do mar na Plazoleta Gran Bretania. Com todo respeito ao artista, aquilo é horrível! Fala a verdade, dá medo, não dá??? Mas o interessante desse lugar é que ele fica bem na pontinha da península, onde ocorre o encontro do Rio da Prata com o mar.
       
      Ali pertinho fica a parte mais fofa da cidade, a que mais gostei! Pra começar, as casas não tem números, e sim nomes. Elas são enormes e lindas, mas sem ostentação. Os atrativos desse simpático e aconchegante “bairrinho” são o farol e a Parroquia Nuestra Señora de la Candelaria, uma graça de igrejinha em homenagem à padroeira da cidade.
       
      Seguimos para o porto pois a ideia era pegar um barco até a Isla de Lobos para ver leões marinhos, mas chegamos um pouco tarde e os barcos só saiam até 12h se não me engano. Queria taaanto fazer esse passeio, fiquei decepcionada, se quiser ir, lembre-se de chegar cedo! Ah, e verificar a época também, não é sempre que os animais aparecem na ilha. Pelo menos chegamos a ver alguns deles ali mesmo, perto das bancas de peixes esperando pra ganhar as sobras (e rola uma briga pra ver quem vai ficar com elas!).
       
      Paramos para almoçar no El Pobre Marino, o ambiente do restaurante é bem kisth, mas até que combina com o clima de Punta rs. Meu prato estava meio sem graça, pedi panquecas de espinafre, mas o Dan pediu carne e gostou. O valor era Ok então saímos satisfeitos.
       
      O próximo ponto foi o cartão postal de Punta, o Monumento ao afogado, ou popularmente conhecido como Los dedos. A escultura é do artista chileno Mario Irarrázabal e fica na primeira parada da Playa Brava (as praias são todas divididas assim, P1, P2, P3…). Apesar de clichê, achei bem interessante e lógico que quis fazer umas fotos ali também, mas é preciso paciência pra conseguir clicar os dedinhos sem ninguém na frente!
       
      Um pouco mais afastado do centro fica a Puente Leonel Vieira, seu diferencial é ser ondulada, dando um friozinho na barriga de quem passa de carro por lá, mas também nada de tão interessante, não sei se vale a visita.
       
      Antes de ir embora ainda passamos pelo bairro de Beverly Hills, dominado por enormes mansões com lindos jardins, mas sinceramente, prefiro mil vezes a parte mais simples da cidade, que falei aqui no começo do post!
       
      Na volta para Montevidéu paramos para ver o pôr-do-sol na Casapueblo, em Punta Ballena, um dos mais incríveis que já vi!


×
×
  • Criar Novo...