Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

PARQUE NACIONAL DA SERRA DOS ÓRGÃOS - PARNASO PETROPOLIS-RJ  -  1° dia


22° dia - 19.07.2019 - Sexta-feira

Saída da pousada de carro, ida portaria, subida até castelos de Açu/morro da Luva, ida para Teresopolis-Rj de carro.
+-20 kms em aprox. 05:25hrs
Acumulado: 20 kms
Acumulado total: 210 kms

Acordamos antes das 05 da manhã,  pois compramos o ingresso no dia anterior (pode comprar via Internet), se deixar para comprar no dia da subida, só pode entrar depois das 08(o caixa só funciona depois desse horário).

Deixamos nosso carro num estacionamento a uns 300 metros da portaria($10 por dia) e subimos à pé. Obs.: no estacionamento tem pessoa para atender desde bem cedo. O dono e é filho do proprietário do hostel em frente.
Demos entrada no parque(já levei o termo preenchido),
Base: 940msnm

A trilha é bem demarcada e batida,
chegamos na bifurcação para cachoeira Véu de noiva (00:53hrs - 1255msnm) e continuamos reto subindo, com um lindo visual de todo o vale após 01:20hrs chegamos no mirante vale do Bonfim 1455msnm

Esse trecho não é tão forte como o anterior, chegamos na pedra do queijo: 01:25hrs - 1490msnm
Continuamos subindo até o Ajax 02:04hrs - 1715msnm foram 5 kms. Aqui ainda faltavam 3 kms(conforme a placa).

Depois da placa, começamos a subida da ISABELOCA, bem íngreme mesmo, mas nada assustador(estava esperando uma subida terrível),  a vantagem que ela não é muito longa, no topo lindo visual, principalmente do mar,  próximo a cidade do Rio de Janeiro,  lindo mesmo!  02:35hrs
1925msnm


Mais à frente chegamos na famosa placa "Graças a Deus" (1,6kms para castelos) 03:51hrs - 1990msnm
As pessoas pensam,  acabaram as subidas,  mais à frente tem uma outra subida forte em laje, mas curta. Depois pegamos curta descida leve.

Passamos ao lado dos castelos açu,  viramos à esquerda e logo chegamos no campamento  (tem refúgio e área de camping).  Gentilmente o rapaz que estava tomando conta do lugar nos deu um cafezinho quente apesar do sol, ,o frio ainda persistia.
Acampamento do Açu em 03:24hrs - 2100msnm, 8 kms.

Como chegamos bem rápido ao Açu, resolvemos seguir mais um tempo nesta travessia(para conhecer, pois no ano que vem, provavelmente faremos toda a travessia), conseguimos ir +- 1 km, até o topo do morro da luva, como tinha chovido na madrugada,  a trilha estava muito escorregadia. Esse pequeno trecho é bem forte também,  bem íngreme,  muito barro e raiz de árvores para subir.
Encontramos um grupo enorme de pessoas, no topo do morro da luva, guiada por uma guia (isso mesmo, uma guia), trocamos umas idéias e nos despedimos,  elas continuaram, pois iam dormir no campamento seguinte, e nós retornamos. Obs.: tinha uma senhora do interior de São Paulo com 70 anos de idade.
04:50hrs - 2080msnm.


O sol, apesar do inverno, estava bem forte agora,  paramos no campamento e pegamos mais água,  subimos uma pedra no açu através de cordas, com excelente visual da região.
Retornamos pelo mesmo caminho até a portaria do Parnaso,  onde informamos nossa saída.
05:25hrs no total geral. Pegamos o carro e fomos dormir em Teresopolis-Rj, para no outro dia fazer a pedra do Sino. 

Motel Prata, estrada Rio/Bahia km 76 Teresopolis-Rj, 2742-8288, $69 o casal período de 12 horas (só abrem para pernoite às 21 horas) sem café da manhã. Limpo, TV e ventilador,  cama boa, prefiram os apartamentos que são virados para o fundo, do lado da Br faz muito barulho.
Os hotéis em Petropolis/Teresopolis-Rj  estavam com os preços  salgados e alguns lotados, em função do fim de semana, por isso resolvemos dormir no motel na Br.

O início da trilha, apesar de ser subida íngreme, era vem tranquila 

20190719_061703.jpg

Pedra do queijo 

20190719_072616.jpg

Lindo visual do vale do Bonfim 

20190719_073024.jpg

Subida forte sem sombra 

20190719_083421.jpg

Depois da subida da Isabeloca

20190719_083718.jpg

Visual do mar próximo a cidade do Rio de Janeiro 

20190719_083751.jpg

Placa "Graças a Deus"

20190719_085233.jpg

Chegando nos castelos do Açu 

20190719_092628.jpg

20190719_145046.jpg

Indo para o morro da Luva,  a direita os picos, do Sino, dedo de Deus...lindo visual 

20190719_101912.jpg

Subindo numa raiz de árvore, na subida para o topo do morro da Luva

20190719_105007.jpg

Novamente curtindo o visual...do lado direito tem uma trilha que leva até um mirante  (parece hércules)

20190719_121931.jpg

Visual do mar

20190719_122742.jpg

Retorno 

20190719_123218.jpg

Subida bem forte,  antes do acampamento Açu 

20190719_124330.jpg

Acampamento Açu,  desde topo pedra no Açu 

20190719_131032.jpg

Retornando 

20190719_145046.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

23° dia - 20.07.2019 - Sábado 

Tiramos esse dia para conhecer Teresopolis, fomos a concentração da seleção brasileira, no mirante para o Dedo de Deus,  andamos no centro,  ida à feira numa praça,  aproveitamos e já compramos o ingresso no Parnaso para o dia seguinte. Dormimos no mesmo motel de ontem.

 

PARQUE NACIONAL DA SERRA DOS ÓRGÃOS - RJ - 2° dia

24° dia - 21.07.2019 - Domingo
Saída do motel de carro , bate /volta pedra do sino.
+-24 kms em aprox. 07:53hrs
Acumulado: 44 kms
Acumulado total: 234 kms

Acordamos antes das 05 da manhã, como tínhamos comprado os ingressos no dia anterior, poderíamos entrar às 06 da manhã.
Nosso azar foi que a responsável para abrir o parque só chegou próximo das 07 da manhã(teve um pequeno entrevero com o pessoal). Para piorar a situação estava muito frio e vento forte. Demos entrada rapidamente e estacionamos nosso carro abaixo da represa  (não é permitido estacionar na barragem quem vai subir até o abrigo 4).

Encontramos com 3 cariocas e subimos juntos, caminhando até a barragem: 13 minutos - 1105msnm aqui onde realmente começa a trilha.

Até abrigo 3: 02:24hrs - 1825msnm, trecho bem tranquilo,  subidas em nível,  o que facilita muito. O tempo estava fechado e nos mirantes não conseguíamos ver quase nada, devido a forte neblina. Passamos por uma cachoeira do lado esquerdo.

Até abrigo 4: 03:30hrs - 2065msnm
Continuamos subindo, com poucos lugares difíceis,  rapidamente chegamos ao abrigo 4 (dessa vez o rapaz não tinha café para nós)

Até pedra  do Sino (marco) - 03:55hrs - 2190msnm. A turma resolveu subir o pico do Sino,  apesar do vento forte e o frio intenso,  a subida foi muito fácil. No topo tem um marco de tijolos onde as pessoas sobem pra tirar fotos.  Uma pena que o tempo estava fechado e não vimos absolutamente nada. Como era meu aniversário, o Marcelo preparou um parabéns para mim, estilizou uma vela. ..foi um momento especial proporcionado pelo trio: Marcelo/Alexandre e David, como os cariocas são receptivos; o meu muito obrigado ao trio. Descemos rapidamente pois o frio estava intenso

Ida/volta: 07:53hrs - até barragem
Na barragem tem serviço gratuito de van para levar as pessoas até os estacionamentos(foi o que fizemos).

Hospedagem: Hotel Max, rodovia Tere-Fri km 7 Albuquerque, 021 2644-6080/99018-2092, camas boas, banheiro privado, wifi, ventilador,  bem simples. Preço  $50 por pessoa com café da manhã.
Obs.: Como o Motel só permitia entrada para pernoite à partir das 21 horas, resolvemos pegar a estrada Tere-Fri e alguns quilômetros encontramos esse hotel, num posto de abastecimento(tem uma pequena mercearia)

Cachoeira 

20190721_081503.jpg

Tempo bem frio, com muita neblina e vento forte 

20190721_112338.jpg

Vista de Teresopolis 

20190721_140835.jpg

Marcelo, Alexandre, David e o casal100

IMG-20190721-WA0040.jpg

Abrigo 4

IMG-20190721-WA0054.jpg

 

25° dia - 22.07.2019 - Segunda-feira
Saída de Teresopolis de carro, ida a Duque de Caxias, e Niteroi,  dormimos em Itatiaia - RJ

Pegamos br até Duque de Caxias(tem um pedagio  $19,30 CARÍSSIMO), visitamos o David que fez a trilha conosco ontem. Gente boa mesmo, ele tem uma academia na cidade, batemos um longo papo com ele e sua esposa Renata.


Depois partimos para Niteroi(tem um pedagio na ponte rioxniteroi  $4,20) para visitar o Silnei e a Cláudia administradores do site Mochileiros.com.
Pegamos estrada novamente e dormimos em Itatiaia- RJ(tem um pedagio na Dutra  ($15,20).

Hospedagem: pousada 4 estações Itatiaia-Rj, 024 3352-6070, estrada para o parque (parte baixa) cama ótima,  wifi, TV a cabo, frigobar, ventilador, piscina, sauna, banheiro privado, limpo. Preço  $70 por pessoa sem café da manhã. RECOMENDO 

No detalhe o dedo de Deus e mais alguns picos do Parnaso

20190722_081848.jpg

Ponte Rio x Niteroi, no detalhe o pão de açúcar 

20190722_142907.jpg

 

Na avenida principal de Teresopolis, "vestiram" todas as árvores do canteiro central com esses lindos bordados. SHOW DE BOLA 

20190720_082125.jpg

Mirante para o Dedo de Deus

20190720_091410.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA PARTE BAIXA - ITATIAIA-RJ - 1° dia

26° dia - 23.07.2019 - terça-feira

Saída da pousada de carro até antigo Hotel Simão (dentro do parque), ida ao  3 picos e retorno à pousada.
+-12 kms em aprox. 04:40hrs
Acumulado: 12 kms
Acumulado total: 246 kms .

Acordamos cedo, fomos à padaria tomar um cafezinho. O parque abre ao público somente as 08 da manhã, depois de dar entrada no parque, subimos de carro trecho em asfalto até a placa para os Ateliers(depois do término do asfalto, viramos à direita) e seguimos em estrada de bloquete e terra até o antigo hotel Simão, o guarda faz a ficha aqui para subir,  onde deixamos o carro estacionado.
A trilha começa à esquerda de uma quadra de esporte desativada.
A trilha é nas encostas das montanhas dentro dum lindo bosque com muitos pássaros. Atravessamos um riacho com pedras escorregadias, na verdade alguns trechos tem pedras e raízes que torna o trecho um pouco complicado.
Até o último pico: 02:26hrs - 1645msnm - +-6kms e retornamos pelo mesmo caminho

Hotel Simão 1045msnm - 04:40hrs, demos baixa na saída e fomos até churrascaria na marginal da Dutra comer selfservice à vontade $22 por pessoa,  depois atravessamos a Dutra por baixo para ir ao supermercado e banco no centro de Itatiaia.

Hospedagem: a mesma do dia anterior

Trilha com muito verde

20190723_084512.jpg

Algumas partes complicadas pois as raízes estavam escorregadias 

20190723_093403.jpg

Subida forte próximo ao cume 

20190723_103152.jpg

Topo 3 picos 

20190723_103702.jpg

Lindo visual de montanha e muito verde

20190723_104032.jpg

Lugares altos para descer

20190723_111436.jpg

Alguns trechos tranquilos 

20190723_123004.jpg

 

PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA PARTE BAIXA - ITATIAIA-RJ - 2° dia

27° dia - 24.07.2019 - Quarta-feira

Saída da pousada de carro até estacionamento parque(maromba), ida/volta à pé Macieiras.
+-20 kms em aprox. 05:01hrs
Acumulado: 32 kms
Acumulado total: 266 kms

BATE/VOLTA PARTE TRAVESSIA RUI BRAGA
Acordamos mais tarde, tomamos cafezinho na mesma padaria. Entramos no parque às 07:40hrs., subimos até o estacionamento da cachoeira da maromba(1055msnm), deixamos o carro e preenchemos o termo de responsabilidade  (não fornecem braçadeira igual posto Marcão). Tivemos que aguardar o guarda chegar de ônibus(começamos a trilha quase 08:47hrs) para entrar na trilha que começa aqui. Obs.: além da portaria,  onde faz o pagamento do ingresso,  no estacionamento tem que aguardar o pessoal chegar para fazer sua ficha,  eles vêm de ônibus de Itatiaia e param na administração e vão de moto para esse posto,  por isso não tem como sair mais cedo.

Até bifurcação  (rebouças/Água Branca): 02:25hrs - 1740msnm, viramos à direita e depois de umas subidas mais forte chegamos no abrigo Macieiras(está abandonado) - 02:35hrs - 1785msnm
A trilha, na maioria do percurso, apresenta em ótimas condições,  não tem subidas fortes e nem muitas pedras para subir, tem um pequeno pedaço em charco. Roçaram grande parte, somente uns 2 kms a trilha fecha um pouco,  têm algumas árvores caídas. Poucos mirantes, sinalização boa,  a maioria do trecho tem sombra e muito verde.

Retornamos pelo mesmo caminho, pegamos o carro, passamos no posto e abastecemos, o frentista me ensinou o caminho que não paga pedagio (caro, $15,20) para Minas Gerais(pergunte lá).

DE NOVO EM ITAMONTE:
. Fui no posto de saúde de Itamonte verificar se tinha vacina contra hepatite b(essa vacina não pode ser tomada antes do prazo estipulado), pois amanhã tenho que tomar outra dose.
Dormimos em Itamonte.


Hospedagem: Hotel Santa Teresinha 035 99212-0521, Itamonte-Mg, no último posto de abastecimento  da saída para o Pn do Itatiaia, camas boas, TV,  ventilador, wifi, banheiro privado. Preço: $50 por pessoa com café da manhã. RECOMENDO
Obs.: na minha opinião o melhor custo/benefício da cidade.
Mas é igual aos outros, pois fica na beira da rodovia e tem barulho de veículos. Mas compensa.

Pequeno trecho em charco 

20190724_100820.jpg

A trilha é bem demarcada  (era antiga estrada que ligava a parte alta e baixa

20190724_102853.jpg

Algumas pontes 

20190724_104819.jpg

Bifurcação, à direita é que vai para a parte alta do parque 

20190724_111106.jpg

Antigo abrigo Macieiras  (está abandonado 

20190724_112407.jpg

Alguns trechos  (poucos) com capim alto 

20190724_122910.jpg

Aviso sobre queda de barreira 

20190724_124753.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA,  PARTE ALTA - ITAMONTE - MG

28° dia - 25.07.2019 - Quinta-feira
Saída da pousada, ida ate asa de Hermes + subida pedra do altar, ida para Passa Quatro mg
+-10kms em aprox. 04:25hrs
Acumulado total: 276 kms

Neste dia tinha que tomar vacina no posto de saúde de Itamonte-Mg, como o expediente do posto ia até às 17 horas, resolvemos ir até a parte alta do PN do Itatiaia-Mg, tentar subir a Asa de Hermes. Pois uns dias atrás não achamos a trilha certa.

Acordamos cedo, e fizemos de novo o mesmo trajeto até o posto Marcão,  demos entrada,  hoje começou a cobrar para deixar o carro no estacionamento dentro do parque  (R$16). Por sorte encontramos encontramos o Reginaldo, guia que nos levou ao Pico das Agulhas Negra dias atrás,  pegamos algumas dicas. Deixamos nosso carro no estacionamento do abrigo rebouças e seguimos o mesmo caminho feito algumas vezes por nós.

Desta vez conseguimos chegar até a base da Asa Hermes, acontece que um trecho têm pedras pra transpor que requer algumas habilidades, que minha parceira entendeu que não dava pra ela. Para mim seria um pouco complicado fazer sozinho, então em comum acordo resolvemos, de novo, abortar a subida. Motivo para voltarmos ao parque em outra oportunidade.

Como o dia estava muito bonito, sem praticamente nenhuna nuvem,  fomos, de novo subir a pedra do altar, lugar bem próximo e com uma vista maravilhosa.
Curtimos bastante no topo,  conversamos com várias pessoas que estavam lá em cima.
Retornamos rapidamente ao posto Marcão e demos saída,  entregando a braçadeira e assinando o termo.

Na portaria conheci um senhor que é guarda de uma empresa que tem umas antenas no parque.
Ele trabalha numa casa próxima ao Posto Marcão e aluga cama para quem quiser, os dados são esses:

Sr Ivan 024 99833-7281
Tem 2 beliches, cozinha completa, TV a cabo, chuveiro quente. Preço  $40 por pessoa SEM café da manhã. Também não fornece refeição.
Obs.: não conheci essa casa, mas segundo o pessoal da portaria do parque, é tudo bem limpo.


Retornamos até Itamonte-Mg, tomei minha vacina no posto, íamos terminar nossos trekkings neste dia, mas conversando, relembramos que não conseguimos ver o visual  e nem subir até o topo do Pico do Itaguaré, resolvemos ir até o bairro Pinheirinho pernoitar e, no outro dia subir novamente o Itaguaré.

 Hospedagem: hostel e pizzaria Serra Fina, fone: 035 99720-3939, bairro Pinheirinhos - Passa Quatro-Mg  casa antiga, rústica mas extremamente limpa e confortável.  Camas ótimas, wifi, sala TV a cabo, cozinha completa, água, banheiro compartilhado, estaoionamento, churrasqueira,  tanque lavar roupa. Felipe é super atencioso. RECOMENDADO

Cama compartilhado: $60 com café
Casal privativo: $70 com café
Camping: $35 sem café

Faz traslado:
Para toco do lobo: $150 até 3 pessoas
Para itaguaré:  $200 até 3 pessoas
Travessia Serra Fina:  $350 (leva para toca do lobo e busca Pierre)
Travessia Marins/itaguaré: $400 levar e buscar  

Dessa vez conseguimos chegar até embaixo da Asa

20190725_090322.jpg

Subindo o topo da pedra do Altar

20190725_112331.jpg

Vista da Asa Hermes e parte do pico das agulhas negras. Do lado direito da foto tem uma trilha que vai para a Asa.

20190725_112348.jpg

Topo pedra do Altar

20190725_113152.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

TRAVESSIA SERRA FINA - BATE/VOLTA AO PICO CAPIM AMARELO - PASSA QUATRO-MG

29° dia - 26.07.2019 - Sexta-feira
Saída pousada de carro até estacionamento próximo toca do lobo, subida/descida pico capim santo.
+-12 kms em aprox. 06:43hrs
Acumulado total: 288 kms

Nossa intenção ontem, era dormir no Pinheirinho em Passa Quatro-Mg e, hoje acordar bem cedo e ir até a base do Pico do Itaguaré, subir o pico e depois terminar nossa viagem.
Mas chegando no hostel Serra Fina, o Felipe dono do hostel estava dizendo que um grupo ia começar a travessia da Serra Fina no dia seguinte.  Perguntei pra ele se não era complicado fazer um bate/volta no mesmo dia no Pico Capim Amarelo,  ele disse, se vcs conseguiram fazer bate/volta na Pedra da Mina,  com certeza nós não teríamos nenhuma dificuldade na subida do capim amarelo, então resolvemos mudar nossos planos.
Na noite anterior chegou o grupo de Botucatu - SP,  para fazer a travessia da Serra Fina. Conversamos com o pessoal,  e gentilmente fomos "incorporados" ao grupo, entre os montanhista reina a amizade e companheirismo,  o NOSSO MUITO OBRIGADO A TODOS DO GRUPO DE BOTUCATU-SP(eles contrataram uma kombi para levá-los até próximo a toca do lobo e, acertamos com eles que iríamos com nosso carro, seguindo a kombi).

Tomamos café da manhã bem cedo, acompanhamos kombi( por uma estrada de terra com muitas pedras, pontes de madeira), que foi levar o grupo de Botucatu-Sp até o estacionamento antes da toca do lobo (9 kms da rodovia asfaltada).
Deixamos o carro no estacionamento e seguimos à pé com o grupo de Botucatu-Sp  (pessoal jovem com astral maravilhoso) até a toca do lobo, uns 2 kms  (onde começa a trilha).

Pegamos água no rio, atravessamos ele(aqui fomos na frente do pessoal pois estávamos bem mais leves do que eles),  começa subida bem forte,  no início dentro dum bosque,  depois entramos num descampado, mais à frente outro trecho dentro dum pequeno bosque, entramos novamente numa área de pedras soltas, até um outro topo.  Pegamos descida forte na crista da montanha(vento forte, alguns abismos) até um trecho com árvores e capim alto.

Entramos na verdadeira subida ao pico, no início com muito capim alto,  depois em  mata com árvores baixas,  alguns trechos com pedras soltas. 
Chegando próximo ao topo subidas bem fortes em pedras, inclusive alguns trechos têm cordas para auxiliar a subida, tinha gelo numa pedra. Contornamos a montanha do lado esquerdo e chegamos no topo do Capim amarelo  (têm muito capim alto, onde tem área camping).
Assinamos o livro, conversamos com várias pessoas que estavam acampados lá e descemos rapidamente(como tinha trechos com pedras soltas, fomos bem devagar). Como estávamos bem mais leve que o grupo de Botucatu, chegamos primeiro no topo, na descida  encontramos eles no meio da subida verdadeira, conversamos e brincamos muito e continuamos nossa descida e eles iam pernoitar no pico acima.

Chegamos na toca do lobo, atravessamos o rio, e pouco depois ao estacionamento.

Fomos no Centro de Passa Quatro-Mg,  comprar mantimentos pra fazer o almoço no hostel e ir ao banco.  

SUBIDA
Até o início das cordas 03:02hrs - 2305msnm
Até o topo pico do capim amarelo- 03:26hrs - 2395msnm


DESCIDA
Aqui é mais ou menos igual a Pedra da Mina,  a descida é complicada, pois tem muitos trechos com pedras soltas o que torna perigoso acelerar muito o passo.
Do topo do Pico do Capim Amarelo até o estacionamento 03:17hrs - 1450msnm


Hospedagem: hostel e pizzaria Serra Fina, fone: 035 99720-3939, bairro Pinheirinhos - Passa Quatro-Mg  casa antiga, rústica mas extremamente limpa e confortável.  Camas ótimas, wifi, sala TV a cabo, cozinha completa, água, banheiro compartilhado, estaoionamento, churrasqueira,  tanque lavar roupa. Felipe é super atencioso. RECOMENDADO

Cama compartilhado: $60 com café
Casal privativo: $70 com café
Camping: $35 sem café

Faz traslado:
Para toco do lobo: $150 até 3 pessoas
Para itaguaré:  $200 até 3 pessoas
Travessia Serra Fina:  $350 (leva para toca do lobo e busca Pierre)
Travessia Marins/itaguaré: $400 levar e buscar  


Dia nascendo, aqui primeiro descampado

20190726_062530.jpg

Na nossa frente o incrível Pico do Capim Amarelo reina absoluto, talvez um dos caminhos mais bonito que já fizemos SIMPLESMENTE LINDO ISSO AQUI

20190726_063911.jpg

Trecho complicado com pedras soltas

20190726_070319.jpg

Próximo ao topo têm alguns trechos com cordas para auxiliar as subidas mais complicadas 

20190726_083625.jpg

Topo do Pico do Capim Amarelo, o famoso caderno de assinatura à direita do pé da parceira. QUE VISUAL,  à esquerda o caminho que fizemos e íamos fazer na descer

20190726_090405.jpg

Uma simples homenagem ao nosso site Mochileiros.com

20190726_090912.jpg

Descidas fortes, aprendemos a descer alguns trechos de costas,  facilita muito, sempre aprendendo coisas novas. 

20190726_092226.jpg

Descendo através de cordas

20190726_094445.jpg

Não adianta pensar muito,  tem que encarar aquela subidinha sem reclamar..QUE VISUAL 

20190726_105931.jpg

Outro ângulo da região  (do lado direito os picos do Itaguare, Marinzinho e Marins),  UM DOS LUGARES MAIS BONITO QUE JÁ PASSEI

20190726_110120.jpg

Outro angulo

20190726_110649.jpg

Subida forte. ..

20190726_111416.jpg

Não me canso de ver essas fotos

20190726_111428.jpg

Idem

20190726_111654.jpg

Chegando ao topo 

20190726_111806.jpg

Olhamos para trás e vimos isso aí.  DEMAIS E DEMAIS!

20190726_112304.jpg

OUTRO ÂNGULO,  S E N S A C I O N A L

20190726_112333.jpg

Outra descida,  e o visual. 

20190726_112620.jpg

Falta pouco

20190726_112950.jpg

Mais um pouco

20190726_121311.jpg

Pronto chegamos a toca do lobo

20190726_124645.jpg

Toca do Lobo,  tinha esquecido que ainda faltavam uns 2 quilômetros,  estava achando que o carro estava aqui......coisa da montanha,  é muito sofrimento bom!

20190726_124706.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

PICO 3 ESTADOS VIA PIERRE - PREPARAÇÃO

30° dia - 27.07.2019 - Sábado
Saída de carro Hostel Serra fina Passa Quatro-Mg e pernoite fazenda do Pierre, 3 kms antes da garganta do registro, base do pico 3 estados.

Dormimos até mais tarde, batemos um longo papo com o Felipe, e o Milton, guia da região  (já administrou o Camping da base do Pico dos Marins), eles me perguntaram se não íamos subir o Pico dos 3 estados.
Respondemos que esse Pico (segundo um relato que tinha lido algum tempo antes), a sinalização era meio confusa, o Milton disse que era de boa fazer esse bate/volta, desde a fazenda do Pierre. Como era sábado,  e no domingo, sabíamos que alguns grupos iam terminar a travessia da Serra Fina, na fazenda do Pierre,  animamos e mudamos nossos planos (que até então era ir para São Paulo).

Despedimos do pessoal, retornamos de novo para Passa Quatro e passamos em Itamonte para consertar o carro(a grade de proteção do motor soltou de novo), foi só apertar uns parafusos), almoçamos selfservice  $12 à vontade na saída de Itamonte para o Rio de Janeiro(nesta região tem comida bem barata devido a concorrência).

Passamos no Hostel Picus mas estava lotada, depois de uns 2 kms(numa curva à direita (cuidado) tem um estacionamento e um portão)  viramos à direita numa estradinha de terra até a entrada da fazenda do Pierre (parece que ele vendeu a fazenda para outra pessoa ) conversei com o responsável(Luciano) e ele me mostrou uma casinha desativada mais acima, uns 2 kms numa estradinha de terra com muitas pedras e buracos,  mas devagar chegamos sem problema(no início da trilha para o pico dos 3 estados)(o problema que não tem energia elétrica na casa, e estava abandonada mesmo).
Nós fizemos uma faxina na casa e resolvemos passar a noite neste local. A casinha fica no meio de pinheiros, na casa principal (que também está abandonada) que foi do Sargentelli  (antigo apresentador de televisão), tem um lindo visual de montanha e um belo pôr -do-sol.

Hospedagem: casa abandonada  no início da trilha para pico 3 estados,  contatar o Luciano na casa na entrada da fazenda, verificar se ainda está alugando.
A casinha tem um fogão a lenha, uma cama de casal com colchao bom, banheiro privativo, não tem energia elétrica. Preço: $30 por pessoa sem café da manhã + $20 do estacionamento do carro.
   Apesar de nao ter energia elétrica, dá pra ficar numa boa, fica no início da trilha a uns 3 kms da rodovia asfaltada. Ou seja, iríamos começar a trilha mais acima. 

Casa principal que também está abandonada. 

20190727_172259.jpg

Outra visão do lugar 

20190727_154641.jpg

Visual do pico Picus próximo dali 

20190727_173209.jpg

Entardecer, no alto parte da Serra Fina

20190727_173506.jpg

Idem

20190728_062549.jpg

Casinha abandonada num lindo bosque de pinheiros 

20190727_154625.jpg

Fizemos uma grande faxina para ficar assim. Detalhe: a cortina da porta do banheiro era tão velha que estava desintegrando,  vc colocava a mão nela e ficava com os plásticos nas mãos. 

20190727_154609.jpg

Depois de muita dificuldade,  conseguimos acender o fogo, por sorte tínhamos óleo e um saco de pipoca,  acedemos umas velas e curtimos uma linda noite estrelada comendo pipoca quentinha. 

20190727_182049.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Entrei em contato com o Luciano, quem administra a fazenda do Pierre, segundo ele o proprietário da fazenda não autorizou o pernoite na fazenda, nem na casa abandonada e nem para acampar. 

Portanto, o local mais próximo para hospedar e fazer o bate/volta ao pico dos 3 estados é o hostel Picus,  uns dois kms da fazenda.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Juliana Champi
      Olá pessoal, tudo bem?
      Tirando um seleto e sortudo grupo de nômades digitais, a maioria de nós sofre litros quando volta de um período de férias já em depressão à espera do próximo!
      Uma boa pedida para aguentar o sofrimento da espera, hahaha, é encaixar mini aventuras nos fds ou pequenos feriados.
      Eu já escrevi dois outros tópicos sobre estas pequenas aventuras de fins de semana pelo estado do Paraná (Pico Agudo e Morro do Gavião), e vou deixar mais duas registradas aqui hoje. Também pretendo utilizar este mesmo tópico para relatar outras ao invés de ficar criando tópicos novos!
      Bora lá!
       
      MORRO DA PEDRA BRANCA
      Este passeio é bem light, pode ser feito em esquema bate-e-volta de alguma cidade próxima ou mesmo se vc estiver passando pela estrada e tiver um tempinho sobrando.
      O acesso ao Morro da Pedra Branca se dá pela PR 376, (Rodovia do Café, liga o norte do estado à capital) entre Mauá da Serra e Ortigueira. Não tem placa nem indicação nenhuma do morro. No sentido Londrina > Curitiba lá pelo km 308 já dá pra avistar o morro, que tb é conhecido como “morro das antenas” por abrigar ali antenas de telefonia da Oi.
      Depois do km 310 vá reparando bem, à esquerda vai ter um comércio chamado “Restaurante e Lanchonete da Bica”. A entrada para o morro é cerca de 1km depois (dá pra ver melhor no print abaixo). Um portão tb à esquerda dá acesso à estrada que leva até o topo do morro. Este portão poderá estar fechado, mas é só bater palma que sai um senhorzinho que fica numa casinha ali na entrada cuidando. Foi cobrado 10 reais para cada um, João (filho, 11 anos) não pagou.

      Localização do Morro da Pedra Branca
      Dali daquele ponto começa uma estrada de terra. O senhorzinho indicou que a gente poderia subir de carro ou a pé. Optamos por ir a pé, afinal essa era a ideia. Quando fomos a estradinha estava bem boa, dava pra subir com qualquer tipo de carro, inclusive tem gente que vai lá tirar aquelas fotos pré-casamento... mas parece que tem ocasiões em que carro baixo não sobe.
      São 3km de estradinha numa subida bem tranquila, em que a gente vai observando bichinhos e plantinhas!
      Fomos bem cedo pq queríamos ver a neblina baixa, no vale abaixo de nós. As 8h30 estávamos no “cume”, mas a neblina estava em toda parte, hahahahauah! A gente não via nada, e tava bem frio (9 graus) pra pouca roupa que a gente tava usando.
      Mesmo assim ficamos perambulando pelas formações rochosas lá de cima e a espera valeu a pena, o tempo abriu uns 30 minutos depois da nossa chegada!

      Caminho pela estrada!

      Era tudo névoa!

      Minhas amadas plantas! Tem tanta beleza, tanta foto, mas prometo me conter!

      Só mais essa linda, rs!

      A torre de telefonia perdida na névoa!
       

      A imensidão verde ainda tímida!
       

      Abrindo!
       

      Descortinando!!

      Vento e descabelo!
       

      Vista bem bonita!
       

      Meu mini trilheiro!
       

      Fotinha da vista!
       

      Parece mais perigoso do que era ok? rs

      Céu azul!
       
      Depois de mais andar e admirar, descemos e ainda fomos uns 2km pra frente na estrada espiar uma linha férrea que passa por ali. Bonitinha.


      Linha férrea estilosa!
       
      Não é nada mega exuberante, mas vale a caminhadinha num fds que podia ter sido só de netflix, rs! Chegamos de volta em casa pouco depois das 14h. 
      FIM
    • Por janicehartmann
      Choquequirao – 4 dias e 3 noites
      Saída do hostel as 5:30 da manhã, com destino a São Pedro de Cachora.
      Embora se possa iniciar a caminhada já em Cachora, realizando um percurso de 12 km em uma estradinha “pendurada” nas montanhas, a trilha propriamente dita começa mesmo em Capulyoc, onde tem um posto de controle em que se registra a entrada junto ao Guarda Parque, paga a entrada (60 soles para brasileiros) e, se quiser, eles carimbam seu passaporte.

      Capulyoc se localiza a 2.915 metros de altitude e é muito lindo, pois de um lado se abre um amplo vale em que se vislumbram as típicas plantações em terraços dos moradores locais e em frente se pode admirar um bonito grupo de nevados do complexo Salkantay “o Padreyok”.

       

       
      Cerca de 500 metros após o vilarejo de Capulyoc  é que inicia a descida, no “Camino de Herradura”, que desce em zig zag e já permite vislumbrar o Rio Apurimac, com suas águas muito verdes, no fundo do cânion. “Apurimac” em quechua significa “Deus que fala” em razão do rumor de suas corredeiras muito audível quando se começa a chegar mais perto do rio.
      Seguindo a descida, no KM 16 fica o acampamento Cocamasa que pode ser uma opção de estadia para quem inicia a caminhada no final da tarde. Mas nós seguimos a caminhada até o KM 19, ao acampamento Chikisca, que está localizado a 1.950 metros de altitude. Iniciamos a caminhada em Capulyoc cerca de 10:30 horas da manhã e chegamos em Chikisca perto das 13 horas. Caminhada tranquila, com muitas paradas para fotos, mas muito quente nesta época do ano (agosto) e com muita poeira.

      No acampamento, que é uma espécie de oásis verde, com muitas árvores frutíferas, como manga, abacate, limão, chirimóia e outras, e se destaca em meio à vegetação do vale muito mais seca nesta época do ano, nos refrescamos em uma ótima sombra e aguardamos o almoço, que foi preparado por moradores locais. Ali tem um pequeno mercadinho com itens básicos de higiene, bebidas e comidas.
      Como estava muito quente almoçamos e aguardamos até as 15 horas para retomar a caminhada.
      Dali se descemos em zig zag por mais 400 metros de desnível, cerca de uma hora de caminhada, até chegar a Playa Rosalina, as margens do Rio Apurimac, a 1.560 metros de altitude. Descemos até as margens do rio para molhar os pés em suas aguas geladas e ficamos curtindo o visual por cerca de uma hora.

       

       
       

       
      Reiniciando a caminhada, atravessamos a bonita ponte suspensa e iniciamos a subida pelo outro lado do vale, num interminável zig zag até o acampamento Santa Rosa,no KM 25,5 e a 2.115 metros de altitude.  Chegamos já quase escurecendo. Neste acampamento tem água, banheiros, banho frio, mercadinho básico, local para cozinhar e bonitos platôs de frente para o vale, onde se acampa.  Noite de lua quase cheia propiciando um vista espetacular do vale em frente.
      No segundo dia iniciamos a caminhada ainda no escuro,  cerca de 4 horas da madrugada, até o Caserio Marampata, no KM 28,5 a 2.910 metros de altitude. É uma subida bem puxada, com altimetria de cerca de 800 metros e na parte final já se sente um pouco os efeitos da altitude.

      Em Marampata, sentido o vento frio daquela altirude, tomamos nosso café a manhã preparado por uma moradora local e as 8 horas da manhã partimos para a parte final da caminhada até Choquequirao, no KM 36, a 3.033 metros de altitude.
      A partir de Marampata a trilha deixa de ser íngreme e vai alternando entre trechos com retas, subidas e descidas e, após 500 metros de caminhada já se começam a divisar terraços “pendurados” nas encostas e a choquequirao muito ao longe.
      Cerca de um quilometro antes de chegar às ruínas há um desvio para o camping Raqaypata, que também é uma boa opção de estadia.
      A chegada às ruínas já impressiona pela grandiosidade dos terraços com suas pedras extremamente bem alinhadas.
      Choquequirao trem 12 setores, nem todos reconstruídos / escavados:
      Praça principal – local onde o pessoal costuma para descansar;
      Colcas – onde eram armazenados produtos alimentícios e vestuário;
      Terraços ou “andenes” – onde eram realizadas as plantações, com destaque para o setor de “llamas” com seus 440 degraus;
      Habitações dos sacerdotes – localizada na parte alta;
      Cemitério inca
      Kallancas – edifícios retangulares que serviam como oficinas, centro administrativo, espaço para reuniãos, etc.
      Ushnu – plataforma  cerimonial no topo da colina.
      Chegamos às ruínas pelas 10 horas da manhã, não sem antes nos impressionarmos com dois setores de terraços já recuperados “pendurados” nos penhascos e visíveis de vários pontos do caminho.

       

      Chegando na Plaza Central descansamos alguns minutos na sombra de uma “arbol papel” ou polilépis, no meio de uma gramado muito verdinho curtindo o astral do local com apenas outros três turistas que estavam ali naquele momento.

       

       

      Depois, subimos por uma trilha a esquerda até o “Ushnu” ou platô cerimonial, de onde se tem uma bonita vista do cânion formado pelo Rio Apurimac, das ruínas e das montanhas nevadas, ou quatro “Apus” que cercam Choquequirao.

      Após, voltamos a Plaza Central e atravessamos para a parte de trás e seguimos a trilha que conduz ao setor de Llamas, numa descida com desnível de cerca de 200 metros até chegar a um mirante que permite ver este setor de frente. Na verdade o setor de “Llamas” se trata de terraços que “despencam” da montanha abaixo de forma quase vertiginosa, que tem em suas paredes de pedra incrustados desenhos de llamas em uma rocha branca, provavelmente quartizito branco.

       

      No retorno, ao invés de seguir a trilha, subimos a escadaria original, com infindáveis 440 degraus em meio aos terraços. Na parte alta dos terraços está incrustado desenho de a uma serpente.

       

      Após a cansativa subida retornamos a Plaza Mayor onde nosso cozinheiro nos esperava com uma marmita de almoço bem quentinho.  Sentamos no gramado em uma área um pouco mais afastada para almoçar e descansar / cochilar um pouco.


       
       
      Depois fomos visitar o setor de colcas e o da residência dos sacerdotes, bem como observar o sistema hidráulico do complexo.

       


                                                                                          
      Após as 16 horas iniciamos o retorno para o acampamento Marampata e na descida pudemos apreciar um lindo pôr do sol.

       

      Já no acampamento descobri que pagando 10 soles eu teria direito a um banho quente, em chuveiro a gás, o que vale ouro depois de tanta caminhada e do vento frio da noite.
      Tivemos outra noite fantástica, bem fria, mas agora com a lua um pouco mais cheia.
      No terceiro dia saímos cedinho, despencando cânion abaixo por cerca de 1400 metros de desnível. Após atravessar o Rio Apurimac reiniciamos a subida pelo outro lado e após 400 metros de desnível, chegamos em ChiKisca já com muito calor. Aguardamos o almoço e esperamos por bastante tempo, até as 15 horas, para reiniciar a caminhada, pois fazia muito calor.
       

       

       

      Chegamos ao final da tarde em Capulyoc. O acampamento fica num lugar sensacional, um platô com vista privilegiada do vale e dos nevados em frente. Consegui um banho quentinho, a 10 soles, num sistema de água aquecida no fogo.
      O jantar foi oferecido pelos donos do acampamento e a noite estava belíssima com a lua cheia e o visual montanhoso completamente iluminado.
       

       

       

       

      No quarto dia pudemos dormir um pouco mais e após o café da manhã, também oferecido pelos anfritriões, ficamos curtindo o visual em uma sacadinha de frente para as montanhas enquanto aguardamos o nosso transporte de retorno que chegou as 10 horas da manhã. E levou quase cinco horas para chegar em Cusco.
       

       

       
      Eu realizei o passeio com a agência Qorianka Tour – 084 505959, cel: +51 974-978771 e +51 974-739305 ou contato direto com Renato no watts +51 986-960796 e paguei USD 230,00 com tudo incluído (transporte de ida e volta a Cusco, alimentação, guia, mulas para levar equipamentos comuns e mais cinco quilos de bagagem individual, acampamento em barraca com isolante). Não incluído o saco de dormir, café da manhã do primeiro dia, almoço do último dia e bebidas adquiridas nos acampamentos. Recomendo ainda: Soncco Tours, com Evelin +51 964-289453 (USD 245,00) e Inkapal, com Rubens, +51 931-325 810 (USD 280,00), ambas ótimas agências que me atenderam super bem em outros roteiros.
      Querendo contratar direto se pode fazer contato com Choquequirao Wasi (tem página do facebook), watts app: +51 974-555258.
      Quando estive lá os valores eram os seguintes: 50 soles por dia para o cavalo; 50 soles por dia para o “ariero” (condutor do cavalo ou mula);10 soles por acampamento;  de 30 a 40 soles pra retorno a Cusco nas vans que trazem os turistas das agências (sempre tem lugar) ou 60 soles em transporte local (táxi) até ramal de onde se pode pegar o ônibus para Cusco por cerca de 10 soles. A única coisa que não consegui verificar é como conseguir um transporte de van privado a partir de Cusco, mas o pessoal da Choquequirao Wasi deve ter essa informação.
      Se for de ônibus tem que pegar ônibus para Abancay e depois para Ramal e de lá conseguir transporte para Cachora  ou Capuliok.
      Ou seja: é um trajeto que pode ser feito de várias maneiras. Com agência contratada em Cusco, se tem menos preocupações e está tudo incluído. Contratando cavalo/mula e ariero local é mais em conta e se privilegia a distribuição de renda aos efetivos moradores da região.
      Fazendo 100% solo é bem mais barato, mas é preciso atentar para o preparo físico, pois o desnível do percurso é de mais de 1500 metros, o que torna a caminhada bem pesada. Mas a distribuição dos acampamentos também permite fazer o caminho com mais calma, utilizando mais dias.
      Recomendações: tome muita água, pois o clima é muito seco e quente e procure organizar a caminhada para não estar na trilha nos horários mais quentes do dia. Os acampamentos de altitude (primeiro e último dia) são bem frios, então leve uma roupa bem quente.
      Observação: A partir de Cachora é possível fazer o Trekking até Machupichu. Ou seja, você vai até Choquequirao e não volta, mas segue até Santa Tereza / hidroelétrica e de lá pelo trilhos do trem até Águas Calientes. Me pareceu um maravilhoso passeio, mas leva de 07 a 08 dias e requer um bom planejamento, pois se precisa mais comida e não tenho informação acerca de possibilidades de comprar no caminho entre Choquequirao e Santa Tereza.

       
       
       
       
       
       
       
       



    • Por Ronaldo Paixão
      Caminho da Fé – Pedra do Baú – Travessia da Serra Fina – Agulhas Negras e Prateleiras (PNI).
      Estou escrevendo este relato um ano depois que fiz esse passeio. Talvez eu esqueça alguma coisa.
      Eu estava precisando me desligar da vida que eu vinha levando. Estava precisando fazer o que eu mais gostava, caminhar bastante, travessias em trilhas, subir montanhas, me isolar do mundo “civilizado”.
      Tinha decidido que eu iria “largar tudo” e sair, sem saber até onde eu iria ou quando voltaria. Tinha uma grana guardada (cinco mil) e deveria ser suficiente para eu viver por pelo menos uns 3 meses.
      Falei com meu irmão que ele teria que se virar sozinho em nosso comércio. Falei com minha família que eu estava indo por não sei quanto tempo, mas que eu voltaria qualquer dia.
      Trabalhei até 31 de agosto, quase meia-noite. No dia 01 de setembro fui para um apartamento onde fiquei por 4 dias planejando lugares que queria conhecer, vendo preço de ônibus, tracklogs, etc. Na manhã de 4 de setembro parti para São Paulo e naquela noite para águas da Prata, onde minha jornada começaria.
      Como eu iria para vários lugares, diferentes um do outro, tive que levar muita coisa na mochila. Coisas que usaria em algum passeio, mas que seriam dispensáveis  em outro. Ainda assim tentei levar o mínimo possível.
      Ítens que levei:
      -    Mochila Osprey Kestrel 48 litros com Camel Back de 2 litros
      -    Dois cantis de 900 ml. Um com caneca de alumínio.
      -    Rede Amazon e tarp Amazon da Guepardo.
      -    Saco de dormir Deuter 0º
      -    4 camisas dry fit
      -    2 blusas finas de fleece.
      -    2 calças quechua de secagem rápida
      -    6 cuecas
      -    3 pares de meia
      -    1 boné
      -    1 touca
      -    1 par de luvas (daquelas de pedreiro)
      -    1 par de sandálias Quechua
      -    1 par de botas La Sportiva
      -    Kit Fogareiro + panela pequena
      -    2 isqueiros
      -    1 canivete
      -    1 colher plástica
      -    1 botija de gás Nautika pequena
      -    GPS
      -    Celular (para fotografias)
      -    Caderneta e caneta
      -    1 Anorak
      -    Corda e cordelete
      -    Bolsa de nylon (para transportar a mochila no ônibus)
       
      Caminho da Fé. Águas da Prata até Aparecida.
      Caminho da Fé – 1º dia. 30Km
      05-09-2018
      Águas da Prata (SP) até Andradas (MG).
      Início 05:15 horas e chegada 12:55 horas
      Almoço : Pavilhão hamburgueria
      Jantar: bolachas e sanduba no hotel.
      Pernoite: Palace Hotel.
      Seguindo o conselho de um cara que desceu comigo e iria fazer o caminho de bike eu iniciei cedo para evitar o sol. Só que por esse motivo fui sem comida. Só comi uns pedacinhos de rapadura que ele me deu e uma banana que ganhei de um ciclista.
      Pelo longo tempo inativo, eu senti um pouco o peso dos 17Kg que estava levando na mochila.
      Caminho da Fé – 2º dia. 36 Km
       06-09-2018.
      Andradas (MG) até Crisólia (MG).
      Partida às 08:00 horas e chegada às 17:40 horas.
      Almoço: salgadinho no Bar Constantino, comunidade da Barra.
      Jantar: miojo num banco ao lado da rede.
      Pernoite: rede 
      Subidas cavernosas. Serra dos Lima, Barra, Taguá e Crisólia. 
      Cheguei tarde, fui numa pousada carimbar a credencial e depois procurei duas árvores para esticar a rede, fazer o rango e dormir. Nesse dia não teve banho.
      Caminho da Fé – 3º dia. 38 Km
      07-09-2018
      Crisólia (MG) até Borda da Mata(MG). 
      Partida às 07:30 e chegada às 18:00 horas.
      Almoço: pastel no Bar do Maurão em Inconfidentes
      Jantar: x-salada em lanchonete perto do hotel.
      Pernoite: Hotel Virgínia.
      Feriado da Independência. Fui acordado às 6 da manhã com queima de fogos e hinos. Passagem por Ouro Fino e Inconfidentes. Desfile cívico em todas as cidades.
      No hotel em borda da mata conheci um casal de cicloturistas que estava com um carro de apoio. Consegui que levassem um pouco das minhas coisas até Estiva. Foram 6 Kg a menos para carregar.
       
      Caminho da Fé – 4º dia. 17,5 Km.
      08-09-2018.
      Borda da Mata(MG) até Tocos do Mogi (MG).
      Início às 08:00 horas e chegada às 12:40 horas.
      Almoço: um pouco de morangos colhidos no caminho.
      Jantar: Lanche na festa da padroeira.
      Pernoite: Pousada do Zé Dito. (muito boa e barata)
      Dia mais curto. A pousada ficava no calçadão principal, onde estava acontecendo a festa da padroeira. Estava difícil dormir. O jeito foi sair para a festa e tomar umas, apesar do frio que fazia de noite.
        
      Caminho da Fé – 5º dia. 21,5 Km
      09-09-2018
      Tocos do Mogi (MG) até Estiva (MG).
      Início às 09:00 horas e chegada às 14:20 horas.
      Almoço: moranguinhos (quase 1 Kg) e queijo fresco com caldo de cana.
      Jantar: Restaurante perto da pousada.
      Pernoite: Pousada Poka.
      Trecho muito bonito. Muitas plantações de morango. Muitos pássaros.
      Na pousada eu recuperei minhas coisas que haviam sido deixadas ali e já consegui ajeitar um novo transporte delas até Potim, já pertinho de Aparecida.
      Caminho da Fé – 6º dia. 20 Km
      10-09-2018
      Estiva (MG) até Consolação (MG).
      Partida às 07:30 e chegada às 12:45 horas.
      Almoço, jantar e pernoite: Pousada Casarão
      Destaques deste dia. Cervejinha gelada num bar onde um piá gordinho queria tirar uma selfie comigo. E também queria meu bastão de selfie de qualquer jeito.
      Também destaque para o canto da seriema, triste e ao mesmo tempo bonito, que se fez presente muitas vezes. Também tem a subida da serra do Caçador, cavernosa.
      Além disso, nesse trajeto é comum vermos carros de boi e também “canteiros”onde os agricultores esparramam o polvilho para secar.


      Caminho da Fé -  7ºdia. 22,5 Km
      11-09-2018.
      Consolação (MG) até Paraisópolis (MG).
      Início às 07:00 e chegada às 12:30 horas.
      Almoço: Restaurante Sabor de Minas. Muito bom e barato. Comi pra danar.
      Janta: coxinha na praça.
      Pernoite: Hotel Central
      Foi um dia especialmente marcado pela presença dos pássaros ao longo do caminho, canários, sabiás, pássaros pretos, coleirinhas, gralhas, joões-de-barro, tucanos, maritacas. E aves maiores, como gaviões, seriemas e garças brancas.
      Também vale destacar a grande quantidade de flores, principalmente nos portões das casas dos sítios.
      Caminho da Fé – 8º dia. 28,5 Km.
      12-09-2018
      Paraisópolis (MG) até A pousada da Dona Inês, que fica 4 Km depois do distrito de Luminosa, município de  Brazópolis.
      Início às 07:55 e chegada às 15:15 horas.
      Almoço: Salgadinho e coca numa mercearia em Brazópolis.
      Jantar e Pernoite: Pousada da Dona Inês.
      Foi o dia mais quente desde o início do caminho. Era meu aniversário de 52 anos e ficou marcado porque depois do jantar na Pousada, uma amiga de caminho, a Fabiana, puxou um parabéns a você, junto com as outras cerca de 20 pessoas que estavam ali. Fiquei bem emocionado.
       
      Caminho da Fé – 9º dia. 33 Km
      13-09-2018
      Pousada Dona Inês (Luminosa-MG) até Campos do Jordão (SP).
      Início às 05:45 e chegada às 18:45 horas.
      Almoço: Restaurante Araucária. Fica perto da placa que indica a entrada para a pousada da Dona Rose e da madeireira Marmelo. Comida muito boa.
      Jantar: Caldo de Mandioca com carne. NIX Caldos e lanches.
      Pernoite: Refúgio dos Peregrinos
      Na verdade, a quilometragem total desse dia foi de 51 Km porque no meio do caminho decidi que iria subir a Pedra do Baú. Isso me custou várias horas e me fez chegar em Campos do Jordão já de noite. Mas valeu muito a pena.
      O dia amanheceu lindo. Logo de cara a temida subida da Luminosa, mas que não é nada de tão difícil.
      Depois é asfalto até o fim do dia.
      A pousada Refúgio dos Peregrinos é bem diferente. Tem uma tabela de preços na parede. Você anota o que consumiu, faz as contas, paga e faz o troco. Tudo na base da confiança.

      Caminho da Fé - 10º dia. 52 Km
      14-09-2018
      Campos do Jordão(SP) até Pindamonhangaba(SP).
      Início às 06:00 horas e chegada às 17:45 horas.
      Almoço: Sanduíche em Piracuama.
      Jantar e pernoite: Pousada Chácara Dois Leões.
      Nesse dia todos os que estavam no refúgio dos peregrinos foram por Guaratinguetá, menos eu que fui por Pindamonhangaba. Descida pela linha do trem até próximo a Piracuama, com uma garoa fininha que de vez em quando virava um chuvisco.
      De tarde foi só asfalto e chuva. Cheguei na pousada já escurecendo. Foi o dia mais cansativo, pela quilometragem, pela chuva e principalmente pelo asfalto.

      Caminho da Fé - 11º dia. 24 Km.
      15-09-2018.
      Pindamonhangaba(SP) até Aparecida(SP).
      Início às 09:00 horas e chegada às 15:15 horas.
      Almoço: Pesqueiro Potim. Comida muito boa. Comi feito um louco. Aqui eu recuperei o restante de minhas coisas que tinham vindo no carro de apoio de amigos.
      Pernoite: Hotel em Aparecida.
      Esse era o último dia no caminho. Um misto de ansiedade por chegar e de nostalgia antecipada das experiências vividas e das paisagens do caminho.
      A chegada na basílica é emocionante, não importa em que você acredita, ou se acredita em algo.
      Fica a saudade dos lugares. Dos amigos. Dos passarinhos.


      Fiquei em Aparecida até segunda-feira, quando fui ao correio e despachei para casa algumas lembrancinhas que tinha comprado e coisas que tinha levado e que vi que não ia usar. A calça jeans e a camisa de passeio. Umas cordas. Um dos fleeces e a bolsa de transporte.
       
      A Vida e o Caminho da Fé.
      Durante esse derradeiro dia de caminhada me veio à mente uma analogia entre a vida e o  “caminho da fé”.
      O caminho da fé cada um começa de onde quiser, mas todos com o mesmo destino. No caminho o destino é a basílica de Aparecida, na vida a gente sabe o destino.
      No caminho as pessoas vão chegando, amizades vão sendo feitas. Uns mais lentos outros mais apressados. Uns madrugadores outros nem tanto. Uns alegres e comunicativos, outros mais quietos e introspectivos. Muitos de bike, passam pela gente voando, só dá tempo para um “bom dia”. Assim também é a vida e os amigos que vamos fazendo. Uns continuam por perto, outros se distanciam, mas continuam amigos
      No caminho não importa sua classe social, sua cor, opção sexual, grau de instrução ou idade. O destino é o mesmo para todos. Assim também é na vida.
      No caminho a jornada é longa, alguns dias são mais difíceis, parecendo que não vão terminar. Outros passam leves e agradáveis, a gente nem queria que terminassem. Igualzinho a nossa vida
      Temos que superar o cansaço, as bolhas, os pés inchados, joelhos e tornozelos doendo, a mochila pesada que nos deixa com os ombros marcados. Enfrentar as subidas, as descidas, os buracos, as pedras, a fome e a sede em alguns momentos.
      Por mais difíceis que sejam esses obstáculos, eles são superados. Ficam para trás. Igualzinho na vida.
      O caminho também nos oferece muitas coisas boas. Simples, mas inesquecíveis. Os pássaros cantando ao lado da estrada. A beleza e o perfume das flores. Os riachos que nos permitem um banho refrescante depois de uma subida cansativa. As conversas com os amigos. O pôr do sol por trás das montanhas. A janta e a cama quente que nos restabelecem para o dia seguinte. O nascer do sol de um novo dia, nos lembrando que sempre nos é dada uma nova chance de sermos felizes. Assim também acontece na nossa vida.
      Seja no caminho da fé, ou na vida, o destino a gente sabe qual é. O importante é deixar para trás o que para trás ficou. E aproveitar ao máximo a jornada.
       
      Pedra do Baú.
      Eu sempre gosto de planejar meus passeios, travessias. Mas sobre a Pedra do Baú eu não sabia nada. Só de ouvir falar, de ler alguma coisa de relance. Mesmo assim era uma coisa que eu tinha vontade de fazer algum dia, se desse certo.
      Era o dia 13-09-2018, meu nono dia no caminho da Fé. Era de manhã e eu caminhava pela rodovia, junto com um peregrino de nome Donizete, que eu conhecera na pousada da Dona Inez. Passamos por uma placa que indicava a entrada para o Parque Estadual da Pedra do Baú.
      Eu falei para ele: - Donizete, vai em frente que eu vou subir a Pedra do Baú.
      Ele disse: - Cara, isso vai demorar. Você só vai chegar em Campos do Jordão de noite. Isso se der tudo certo.
      Daí eu disse:- Tem que ser hoje. Não sei se vou ter outra chance. Quem sabe eu nunca mais passe por aqui.
      Me despedi dele e entrei na estradinha que levava ao parque. Escondi minha mochila e fui só de ataque, levando água, uma rapadura, uma paçoca, o GPS e o celular para tirar as fotografias.
      Depois de uns 4 Km cheguei onde começavam as trilhas e entrei na que indicava Pedra do Baú, face norte. Passei por uns caras que eram guias e estavam levando equipamentos de escalada. Depois de um tempo cheguei num local que tinha uma escada amarela grande, fixada na parede de pedra. Não pensei duas vezes. Subi aquela escada e depois continuei uma escalaminhada, com misto de escalada em alguns pontos, até que já estava bem alto e não tinha mais para onde subir. Estava pensando até em desistir e voltar embora, quando avistei uns caras no cume de um morro que eu julguei ser o Baú, mas acho que era o Bauzinho.

      Gritei para eles e eles responderam de volta. Perguntei como chegava na Pedra do Baú e eles me disseram para descer de novo e seguir mais em frente.
      Desci e estava chegando ao ponto em que tinha começado a subida quando vi eles vindo. Esperei por eles. Conversamos por um tempo e eles me deram as informações sobre como chegar até onde a subida começava realmente.
      Segui em frente pela trilha e pouco depois eu chegava na base da Pedra do Baú, onde um guia estava terminando os preparativos para iniciar a subida com um casal de clientes. Capacetes, corda, mosquetões, etc.
      Eu estava ali de bermuda, boné e botina.
      Eu vi aquela parede enorme e aquela sequência de grampos na pedra que eu não sabia onde terminaria. Pensei: - vou esperar ele começar a subida e assim pego uma carona. Se o negócio apertar eu peço arrego para ele.
      Foi quando ele virou pra mim e perguntou: - Vai subir?
      Falei que sim e ele disse:- Pode ir na frente então. A gente ainda vai demorar uns minutos.
      Eu pensei:- já era minha carona. 
      Era uma parede de pedra quase vertical e muito exposta, que devia ter mais de 300 metros de altura.
      O jeito foi encher o peito de ar, mirar para cima e começar a subida.
      Subi meio que com medo no começo, mas também com muita confiança Parei algumas vezes no meio para tirar fotos. Passei por mais dois guias com clientes antes de chegar ao cume. Um deles foi bem legal e me deu umas dicas sobre o percurso que faltava.
      Muitos trechos com vento forte e eu pensava: - se eu parar agora eu travo. E ia em frente. Os últimos grampos, quando se está chegando no cume são especialmente complicados, porque você tem que abandonar a “segurança” que os grampos te dão para poder chegar no cume.
      Mas depois de uns 20 minutos de subida, lá estava eu no cume da Pedra do Baú. 
      Foi um momento mágico. Bem mais do que eu esperava. O visual era incrível. Tirei foto de tudo que é jeito. Deitado sobre a beira do abismo, em pé, etc.

      Aqui vou abrir um parênteses. Apesar de estar no caminho da Fé, um caminho católico, onde se passa por muitas igrejas, as únicas vezes na vida que eu senti realmente uma presença muito forte, do que alguns podem chamar de Deus, foi quando estive no cume de alguma montanha ou embaixo de uma cachoeira. Nunca em uma igreja. Deixei de frequentá-las faz muito tempo. 
      Me lembro de ter me encontrado com “Deus”, no cume do Alcobaça (2013), em Petrópolis. Embaixo da cachoeira do Tabuleiro, literalmente, em 2013 (e agora em 2019 de novo). Nos Portais de Hércules, Travessia Petro-Tere, em 2014. No cume do Pico Paraná em 2015 (não encontrei quando retornei em 2017). Na base das Torres  e no Mirante Francês, no Parque Nacional Torres del Paine, em 2016. E agora, na Pedra do Baú.
      É uma sensação difícil de explicar. É como se você se sentisse realmente parte de um todo, de uma coisa muito maior. Se sentisse nada e tudo ao mesmo tempo. Uma paz muito grande torna conta da gente. E em todas essas vezes eu senti a presença do meu pai, já falecido.
      Restava agora a descida, que metia mais medo que a subida. Principalmente os primeiros grampos, onde tinha que se virar de costas para o abismo para alcançar os grampos. A
      Mesmo assim a  descida foi rápida e durou cerca de 15 minutos.
      Cheguei na base e peguei o caminho de volta pela trilha. Pouco tempo depois quase pisei em uma jararaca de cerca de um metro de comprimento. Ela estava junto a uma pedra onde eu iria colocar meu pé. Ela se mexeu e eu a vi. Consegui dar um pulinho e evitei pisar nela. Foi por muito pouco.
      Segui rápido pela trilha e tempo depois eu já estava de volta à rodovia, rumo a Campos do Jordão.
      A Pedra do Baú foi muito gratificante. Mais do que eu esperava. Mais do que eu merecia.
       
       
      Serra Fina.
      Fiquei em Aparecida até na segunda-feira, 17-09-2018 e daí fui para Passa Quatro (MG), onde cheguei já escuro na rodoviária local. Peguei um ônibus circular e fui para o hostel Serra Fina, do Felipe, onde fiquei até na sexta-feira quando comecei a travessia. Choveu na terça, quarta e quinta, mas na sexta a previsão era de tempo limpo que duraria tempo mais que suficiente para a travessia e por isso decidi esperar e aproveitar para descansar e ler. Mesmo assim fui até a toca do lobo, pra passear e conhecer o Ingazeiro gigante. Também fui conhecer o centro da cidade.
      A região estava em alvoroço. Dois rapazes cariocas estavam perdidos em algum ponto da travessia e vários bombeiros, guias e montanhistas estavam à procura deles. Por sorte conseguiram um ponto onde tinha sinal de celular e conseguiram passar a localização e foram resgatados. Se bem que já estavam próximos de uma propriedade rural.
      Passa Quatro é uma cidadezinha linda e é um lugar onde eu moraria tranquilamente.
      O Hostel Serra Fina também é muito bom e o Felipe é um cara nota dez. Eu me senti em casa.
      Todas as travessias que eu faço eu vou sozinho. Não que não goste de pessoas. É que eu gosto de ir no meu rítmo. Gosto de ficar sozinho. Andar sozinho. Pensar na vida, etc. A intenção era fazer essa travessia também de modo solitário.
      Mas na quinta-feira de noite chegou ao hostel uma gaúcha baixinha, menor que eu até, que iria começar a travessia na sexta também, então decidimos começar juntos. A mochila dela era enorme e certamente tinha coisa que não precisava.
       
      Começamos o primeiro dia da travessia, 21-09-2018, uma sexta-feira, mais tarde do que eu queria. Saímos da toca do lobo já era meio-dia.
      Logo no começo da travessia, primeira subida, eu percebi que ela iria me atrasar, mas já que estávamos juntos, seguiríamos juntos. Foi quando ele me disse:- Vai na frente, você anda mais rápido. Eu disse que não, mas ela insistiu. Disse que ficaria bem. Eu então dei um até logo e disse que a reencontraria no Capim Amarelo..A subida é intensa e o ganho de altitude é rápido.
      Talvez pelo “treino” feito no Caminho da Fé eu não senti muito e passei por mais gente no caminho. Primeiro por 3 mineiros (que depois se tornariam grandes amigos) e depois por outros dois caras que pareciam ser militares.
      Cheguei ao cume do Capim Amarelo eram 15:15 horas. Praticamente 3 horas só de subida. Montei minha “barraca”, que era na verdade a minha rede estendida sob a lona que tinha sido disposta como se fosse uma barraca canadense. Fiz um rango e fiquei apreciando a paisagem. Como sabia da falta de água eu decidi que não levaria comida que precisasse de água no preparo, então comi basicamente tapioca de queijo, ou de nutella, ou de salaminho, paçoca, geléia de Mocotó e castanhas, durante toda a travessia.
      Os mineiros chegaram um pouco mais tarde e armaram suas tendas. Os militares chegaram quando já estava começando a escurecer. Eles não traziam barracas, dormiram de bivaque.
      Quando já estava quase escuro chegou um grupo que iria passar direto pelo Capim Amarelo e acampar no Maracanã. Perguntei pela gauchinha e me disseram que ela tinha montado acampamento em algum local no meio do caminho. Depois disso fiquei sabendo que ela desistiu e retornou para Passa Quatro. E que depois reiniciou a travessia na segunda-feira, tendo que ser resgatada de helicóptero no cume dos 3 Estados. E que depois disso voltou mais uma vez, acompanhada de um escoteiro, só que mais uma vez desistiram, abortando a travessia na Pedra da Mina, via Paiolinho.
      Estávamos a 2490 m de altitude e o pôr do sol e a noite foram lindos e gelados. Meu termômetro marcou a mínima de 3,5ºC.

       
      O dia 22-09-2018 era o segundo dia da travessia. A intenção era dormir no cume da Pedra da Mina.
      Depois do café da manhã, junto com os mineiros, desarmei e guardei toda a tralha e deixei o Capim Amarelo para trás às 10:20 horas.
      Logo no começo encontrei uma garrafa de uísque que tinha sido esquecida pelos militares. Voltei até onde os mineiros estavam e depois de bebermos uns goles eu retornei para a trilha, levando a garrafa para devolvê-la assim que encontrasse os rapazes. Não demorou muito para encontrá-los porque eles tinham pegado uma trilha errada logo na saída do Capim Amarelo.
      Depois de muito sobe e desce, mata fechada, bambuzal, escalaminhada, trepa pedra, cheguei na cachoeira vermelha e no ponto de abastecimento de água. Estava cedo e daria para pernoitar no cume. Foi o que fiz e cheguei ao cume eram 16:40 horas.
      Chegando ao cume estendi a minha lona fazendo um teto que ligava uma parede de pedras empilhadas até o chão Estendi ali embaixo o isolante e joguei o saco de dormir por cima. Essa noite não teria o mosquiteiro. Deixei a rede guardada.
      Comi meu jantar, assinei o livro de cume e fui apreciar o fim da tarde, o pôr do sol e as estrelas aparecendo. A noite estava bem fria.
      Os 3 mineiros chegaram quando a noite já tinha caído. Ajudei eles a montarem as barracas e depois ficamos conversando até altas horas. Os militares chegaram ainda mais tarde e no dia seguinte abandonariam a travessia, descendo pelo Paioloinho.
      Essa noite teve como temperatura mínima 3,7º C, mas a sensação foi de que era uma noite muito mais fria que a anterior. Talvez pela exposição ao vento, o que não tinha acontecido pela proteção que o capim elefante fornecera na noite anterior.
      A noite foi linda, repleta de estrelas e prometia um amanhecer incrível, fato que aconteceu. O único porém foi a grande quantidade de pessoas que estavam na Mina, quase todos fazendo bate-volta, o que trouxe muito barulho até algumas horas da noite. Apesar disso dormi muito bem e acordei bem disposto. A água até aqui não tinha sido problema.

      O dia 23-09-2018 era o terceiro dia da travessia e amanheceu espetacular, apesar de muito frio. Acordei antes do sol nascer e escolhi um bom lugar para apreciar o espetáculo. Depois disso o café da manhã (sem café) e desmontar acampamento. A surpresa foi quando levantei o saco de dormir e vi que uma aranha bem grande tinha vindo se aquecer embaixo dele. Peguei a bichinha com cuidado e a levei para perto de uma moitinha de capim.
      A travessia começou mesmo já eram 10:50 horas da manhã e daí para frente decidi caminhar junto com os 3 mineiros, afinal a gente combinava bastante. E assim saímos nós 4 da Pedra da Mina, eu , o Vinícius (Vini), o Daniel (boy) e o Nelson (Bozó). E assim passamos pelo Vale do Ruah, onde abastecemos os cantis pela última vez, com água que deveria ser suficiente até as 16 horas do dia seguinte. Daí foi uma grande sequência de morros até chegarmos ao Pico dos Três Estados às 17:20 horas.
      Mais uma vez montei a lona no estilo canadense, dispus a rede com mosquiteiro dentro e esparramei minhas coisas. De noite nos reunimos junto ao triângulo de ferro que representa a divisa dos 3 estados para a janta.
      Os caras já tinham pouca água. Eu ainda tinha meus dois cantis cheios e mais um bom tanto no camelback. Dessa maneira cedi um cantil para que eles fizessem a janta e bebessem o que sobrasse. Essa noite foi a mais fria, com o termômetro marcando 2,7º C, mas o capim elefante nos protegeu bem dos ventos e deu para dormir muito bem.


      No dia seguinte pela manhã, o Bozó sugeriu que fizéssemos café. Lá se foram mais 500 ml de água. Mas foi muito bom aquele cafezinho e aquela vista que se tinha lá de cima. De lá dava para ver Prateleiras e Agulhas Negras, minha próxima empreitada.
      Era o dia 24-09-2018, nosso quarto e último dia de travessia.
      Deixamos o 3 Estados às 09:40 da manhã. 
      Esse foi um dia bem sofrido. Uma sequência de morros. Sobe e desce. Muitos trechos de mata, e bambuzal. Mas o principal obstáculo era a falta de água. Minha água era para dar tranquilamente, mas depois da janta, café e dividir com os amigos, eu tinha deixado o 3 Estados somente com a água que restava no camelback, que era pouco mais de meio litro.
      Fomos racionando, mas quando chegamos no Alto dos Ivos, todos bebemos o que nos restava de água. Foram mais 3 horas até encontrarmos água de novo.
      A falta de água aliada ao esforço físico fez com que o Vini começasse a passar mal. Mesmo assim tocamos em frente.Chegamos inclusive a beber água acumulada nas bromélias.
      Eu e o Bozó, que estávamos melhor, seguimos mais rápido enquanto Daniel ficou para trás acompanhando o Vini. Chegamos ao ponto de água e enchemos os cantis e o Bozó voltou correndo para encontrá-los e matar a sede dos amigos.
      Já eram 16:50 horas quando chegamos na rodovia BR-354, onde o resgate que eles tinham combinado estava esperando. A Patrícia, que era a dona da caminhonete de resgate me deu uma carona até Itamonte, onde seria meu pernoite. 
      Por coincidência, a Patrícia era o resgate dos rapazes que estavam perdidos quando cheguei em Passa Quatro. Como eles não chegaram no ponto de resgate no dia combinado, ela entrou em contato com os bombeiros e com a família dos rapazes.
      Era o fim da travessia. Uma das mais puxadas e mais bonitas que já fiz. Foi também a última vez que vi os amigos Daniel e Vinícius. O Bozó eu encontrei de novo em Belo Horizonte agora em maio de 2019.

      Foi uma travessia que exigiu muito, mas que ofereceu muito mais em troca. Alvoradas e crepúsculos inesquecíveis. Paisagens sem igual, amizade, companheirismo. E que deixou uma vontade enorme de retornar e fazê-la novamente.

       
      Parque Nacional de Itatiaia.
      Agulhas Negras e Prateleiras.
      Desde que eu estava no hostel em Passa Quatro, eu já estava procurando um guia para o Parque Nacional de Itatiaia. Sabia que se tudo desse certo eu terminaria a travessia na segunda-feira 24-09 e na terça-feira 25-09 queria ir para o PNI, para subir o Agulhas Negras e o Prateleiras. Durante os telefonemas para casa, eu vi que teria que voltar logo. Dessa maneira, eu teria que fazer os dois cumes no mesmo dia.
      Entrei em contato com vários guias, mas ninguém queria fazer os dois cumes em um único dia. Uns disseram que não dava. Outros disseram que não era permitido. Até que encontrei um cara. Tudo isso pela internet e pelo tal de whats app, que eu nunca tinha usado antes disso.
      Deixamos mais ou menos combinado. Ele me cobraria 300 reais pela guiada. Eu sabia que o PNI exigia equipamentos para a subida aos cumes. Eu não tinha esses equipamentos. Após o PNI eu teria que voltar para casa, minha jornada terminaria ali, portanto não precisaria mais ficar regulando a grana.
      Durante a travessia da Serra Fina a gente ficou sem contato.
      No final da travessia, o resgate dos mineiros me deu uma carona. Eu tinha planejado ficar no Hostel Picus, ou no Yellow House, mas ambos estavam fechados. Dessa forma fui com eles até Itamonte, onde me deixaram e seguiram rumo a Passa Quatro. Saí procurando hotel ou pousada e acabei ficando no Hotel Thomaz. O Hotel era bom e tinha um restaurante onde eu jantei. Só que fica bem na rodovia e eu peguei um quarto de frente para a rodovia e o barulho dos caminhões e carros freando durante toda a noite incomodou um pouco e prejudicou o sono.
      Na manhã do dia 25-09-2018, terça-feira, acordei bem cedo, tomei banho, preparei as coisas que levaria para o Parque, entrei em contato com o guia e desci para tomar o café da manhã no Hotel. Por volta das 7 horas o guia chegava de carro para me pegar e seguirmos para o parque. Durante o caminho fomos conversando e falei pra ele sobre a travessia e sobre o caminho da fé e pedra do Baú, que tinha feito recentemente. Ele também é guia na travessia da Serra Fina.
      Chegamos ao parque fizemos os procedimentos de entrada, onde um guarda-parque alertou que caso não começássemos a subida do Prateleiras até as 14 horas, não deveríamos continuar. Desse modo, às 08:45 da manhã iniciamos nossa caminhada rumo a base do Agulhas Negras. Ele apertou o passo, acho que querendo me testar. Eu fui acompanhando de boa. Paramos num riozinho para abastecer a água e fazer um lanchinho, já próximo da base.  A conversa ia progredindo e ele me falou que achava que eu era um cara que parecia estar preparado e que normalmente ele guiava por uma via conhecida como Via Normal ou Via Pontão, mas que se eu quisesse a gente poderia tentar uma via diferente, pra se divertir um pouco. Falei pra ele que ele é quem estava guiando e que por mim tudo bem. Dessa maneira subimos por uma via menos utilizada, que passa por dentro de uma espécie de chaminé que é conhecida como útero. Na verdade quando você emerge dessa “chaminé” é como se você estivesse nascendo. Não levamos capacete, nem cadeirinha, apenas uma corda e uma fita. Usamos a corda somente duas vezes, uma delas para rapelar e depois subir um lance de rocha que fica entre o falso cume e o cume verdadeiro onde fica o livro de cume. Atingimos o cume verdadeiro às 10:40 horas.


      Comemos, descansamos um pouco, apreciamos a paisagem, tiramos várias fotos e depois iniciamos a descida. Dessa vez por uma via diferente, a Via Bira.
      No início da descida um rapel de uns 40 metros por uma descida bem íngreme junto a uma fenda e uma parede. Bem legal. Foi uma descida bem bacana. Uma via bem mais interessante que a tradicional.
      Eram 12:40 quando chegamos de volta ao ponto onde tínhamos iniciado a caminhada. Fizemos um lanche rápido e às 13:00 horas partimos em direção ao Prateleiras. Desta vez sem mochila, sem corda, sem água. Só levamos uma fita de escalada, que foi usada uma única vez. Achei bem mais tenso que o Agulhas, apesar de mais rápido. Muita fenda, muito lance exposto, muito salto de uma pedra para outra com abismos logo embaixo.
      No ataque final, nos últimos 15 minutos, o cara me salvou por duas vezes. A primeira em um lance de escalada livre onde se tem que fazer uma força contrária. Como não tem "pega", a gente sobe com os pés numa face da fenda, empurrando a outra face para baixo. Complicado. Eu tava a abrindo o bico de cansaço aí ele me deu a mão e a puxada final. Depois disso, num paredão bem inclinado, tinha que começar a subir quase correndo agarrando na pedra para conseguir chegar ao fim. Faltando um meio metro para o fim dessa rampa minha bota começou a escorregar na pedra e eu fiquei sem força. Gritei ele e novamente me deu a mão ajudando a chegar. Muito tenso.
      Atingimos o cume às 13:50 e depois de alguns minutos começamos a descida. Paramos para comer uma bananinha e paçoca e descemos mais tranquilos. Às 14:58 estávamos de volta ao local onde tinha ficado o carro.
      Daí o cara olha pra mim e fala: - Agulhas e Prateleiras em 6 horas. Nada mal.
      E rachamos o bico de dar risada.

      Tinha acabado de subir dois cumes que sempre tinha sonhado. Agulhas Negras e Prateleiras. Os dois em cerca de 6 horas. Eu estava muito feliz. 
      O visual de cima dessas montanhas é incrível. Mas a experiência da subida é demais. A adrenalina a mil. Saber que um escorregão e já era. Isso não tem preço que pague.
      Acabei ficando amigo do guia e ele me deu uma carona para Itanhandu no dia seguinte, onde pegaria o ônibus de volta pra minha terra.
      Dormi mais uma noite no mesmo hotel, dessa vez num quarto de fundos e o sono foi muito melhor. Desci para comer um sanduíche de pernil numa lanchonete próxima e bebi uma coca-cola de 1 litro. Depois de todo aquele esforço eu merecia.
       

      VID-20180925-WA0004.mp4 VID-20180928-WA0014.mp4 VID-20180928-WA0014.mp4 vidoutput.mp4  
      Na manhã da quarta-feira, 26-09, eu parti de volta para Maringá, com uma parada longa em São Paulo, de onde saí de noite e cheguei em casa na manhã de 27-09-2018.
      Decidi ir pra casa a pé. Pra caminhar um pouco. rsrsrs.
      Logo depois do almoço eu estava em casa e na manhã do dia seguinte tudo voltaria à mesma rotina de antes.
      Mas eu não era o mesmo cara que tinha saído 23 dias antes. 
      Eu tinha caminhado mais de 420 Km. Tinha estado em 3 dos dez pontos mais altos do país. Tinha visto o sol nascer e se por proporcionando espetáculos inesquecíveis. Tinha conhecido gente da melhor qualidade, o povo bom e humilde do interior de Minas Gerais.
      Dá para aguentar essa rotina por mais um tempo, numa boa.
       
    • Por Renato37
      Travessia feita entre dias 24 e 25.08.2019.
      Todos as fotos estão em: https://photos.app.goo.gl/66XjHffMpRPdHuqA8
      - Introdução -

      Tempos atrás, tinha ouvido falar que na região de Jundiai tinha a Serra do Japi que outrora cheguei a tentar uma investida, mas sem sucesso. Isso pq é proibido o acesso as trilhas em boa parte da Serra. Mas nunca imaginei que na cidade vizinha, Varzea Paulista, houvesse uma simpática serra com um belo visual e 3 picos com facil acesso e sem restrições.

      Um amigo me falou de uma  tal Serra da Mursa e como chegar lá. E é claro que fui conhecer em um reles batevolta sem muita pretenção de ver algo lá "grande coisa". Mas acabei me surpreendendo e depois de conhecer um dos seus acessos principais por Varzea Paulista, fico sabendo que há outros acessos e até de uma travessia, a tal travessia do Mursa. E curioso como eu sou, planejo a logística e retorno novamente a Serra do Mursa, mas dessa vez para fazer uma travessia, entrando por um lado e saindo pelo outro.
       
      1ºdia - Da Estação de Botujuru ao topo do Mursa

      Passava das 11 da manhã qdo saltei do trem na Estação de Botujuru da linha 7 da CPTM em companhia do Marcio, Paola, Felipe e Adriano e lá ainda esperaríamos a Suzana e o Diogo que não haviam chegado ainda. A pacata estação, localizada em um bairro de Campo Limpo Paulista, mas parecia uma estação fantasma. O Sol tentava aparecer timido entre muitas nuvens, mas o vento gelado e o friozinho da manhã insistiam em permanecer no comando.
      15 minutos depois, Suzana e Diogo chegaram e com toda a trupe reunida, saimos da estação e fomos para uma lanchonete em frente fazer um rapido café da manhã reforçado.


      Estação Botujuru
      Saciados, as 11:40hs, demos inicio enfim a travessia em direção a Serra da Mursa, descendo a ladeira da rua a esquerda que fica em frente a estação até chegarmos ao inicio da "Estrada do Botujuru". Nela, seguimos até o trecho onde acaba a parte asfaltada e começa a de terra. Bem no inicio da estrada de terra, chegamos a uma bifurcação, onde abandonamos a estrada principal em favor de estrada a direita que vai no sentido desejado e inicia uma forte subida morro acima. E dá-lhe pirambeira!!!

      Chegando ao final do trecho asfaltado


      Trecho inicial da estrada de terra bem íngreme
      As casas do pequeno bairro de Botujuru e o movimento constante dos carros vão ficando para trás, dando lugar a calmaria e ao silêncio da pacata estradinha, para alivio de todos. Durante a caminhada, alguns poucos carros passavam pela gente, nos fazendo comer poeira. Na paisagem, só se via pequenos sítios e chácaras. Ao passar ao lado de uma delas, um cãozinho solitário late a nossa passagem.
      A Estrada segue alternando entre subidas e trechos planos com o sol castigando a todo momento. Olhava para a galera e as vezes perguntava como estavam e a expressão era de bufadas e mais bufadas, por causa das subidas constantes. A região é cheia de morros e já tínhamos a visão de todo o entorno, com a estação de trem e o pequeno bairro de Botujuru ficando cada vez mais para trás.
      30 minutos de caminhada desde a Estação, chegamos ao alto de um morro e a subida dá uma trégua. A partir de agora, passamos a caminhar em meio a várias arvores de eucaliptos em meio a sombra, com o sol dando uma aliviada.

      Trecho mais plano com sombra
      Ignoramos 2 bifurcações a esquerda e só viramos na 3ºbifurcação, que fica praticamente no alto do morro, depois de já ter subido tudo que já tinha que subir. O caminho a seguir é em direção a Rodovia SP-354 pela "Estrada do Moinho". Se caso tiver dúvidas qto ao caminho, pergunte a moradores dos sítios do entorno o caminho para chegar a rodovia que não tem erro.
      Mais 30 minutos e chegamos ao ponto mais alto do morro, onde já é possível avistar a Serra da Mursa com suas cristas bem imponente a sua frente. A partir desse ponto, a estada de terra que antes só subia, inicia uma longa descida pirambeira até chegar a Rodovia.
      Pouco antes das 13:00hs, terminamos a descida e chegamos enfim na SP-354, onde o caminho a seguir é virar para a esquerda. Seguimos por cerca de 1,5 km e ao passarmos por uma placa marcando Km 51, andamos mais por mais uns 10 minutos até chegarmos a um trecho plano da rodovia e lá, se avista outra placa amarela do lado direito, que é a referência que a trilha está próxima. A entrada da trilha fica a uns 50 metros a direita ANTES dessa placa em meio a um capinzal fora de contexto. É preciso olhar bem, já que a entrada é meio discreta.

      No ponto mais alto dos morros, a Serra do Mursa fica visível a maior parte do tempo

      Trecho de caminhada final pela SP 354
      Enfim, após quase 2 horas de caminhada desde a Estação, finalmente chegamos ao inicio da trilha, para a alegria de todos.
      Esse trecho inicial segue quase que em nível, sem grandes dificuldades. Ela dá uma longa volta pelo sopé da Serra do Mursa antes de começar a subir e logo em seguida, inicia-se os primeiros trechos de subida, mas dando algumas voltas afim de reduzir o desnível para quem sobe.
      A medida que vamos avançando pela trilha, os sons dos carros vão ficando para trás, dando lugar ao silêncio e a calmaria da mata fechada, para a alegria de todos que não viam a hora de chegar lá no topo. 15 minutos desde a rodovia, resolvo fazer um pit stop em um descampado no meio da trilha afim de molhar a goela seca e forrar o estômago, após 2 horas de caminhada desde a estação.

      Trecho inicial da trilha bem tranquila
      Descansados e revigorados, retomamos a caminhada, e mais trechos de subidas a frente. Vamos ganhando altitude rapidamente e a trilha vai dando voltas no vale para diminuir o desnível da subida. O suor começa a escorrer do rosto de cada um, mas não demora muito e logo emergimos no trecho de capim ralo e exposto do Mursa, sinal que estávamos nos aproximando do trecho final e mais aberto da trilha. Aqui, nos presenteamos com todo o visual do entorno, deixando em euforia a turma da primeira vez. A partir desse ponto, a antena de um dos 3 picos do Mursa, fica bem visível a nossa frente.
      As 14:00hs, alcançamos o trecho final, onde a trilha termina em uma estrada de terra concretada e o restante da subida agora segue por essa estrada. O trecho de subida final acaba se revelando uma pirambeira daquelas e por isso, acabo parando pelo menos 2 vezes para retomar o fôlego. Felizmente o trecho não dura muito tempo e logo chego ao topo, para o merecido descanso. Em seguida, chega a Susana e os demais. Já no topo, não vimos ninguém em praticamente toda a extensão.

      Trecho final da subida pela estradinha concretada
      Com toda a trupe reunida, damos um tempo aqui, enquanto alguns se fartavam de clicks de 1ºvez. Depois, partimos para o trecho final da travessia, que é a caminhada pela crista do Mursa até a outra ponta, onde estão localizados os descampados protegidos dos ventos. Atravessamos o primeiro vale e após um pequeno trecho de subida com uma leve escalaminhada, chegamos ao ponto mais alto do Mursa, com 1.080 metros de altitude onde fizemos mais um pit-stop para clicks e apreciação da paisagem de 360 graus. Daqui, é possível ver até o Pico do Jaraguá, a serra da Cantareira, as cidades de Jundiaí, Campo Limpo Paulista e várias outras no entorno. É um belo visual.

      Caminhando pela crista
      Aqui encontro vestígios de acampamento, o que mostra que muita gente acampa aqui por ser o ponto mais alto dos 3 picos do Mursa. Mas como o local é exposto aos ventos, acho arriscado acampar aqui e por isso vou para outro ponto com descampados protegidos dos fortes ventos na outra extremidade e perto do primeiro pico. Ele não é longe e leva-se em torno de 15 minutos até lá. Não havia ninguém no local e é claro que fomos donos absolutos do lugar.

      Enfim, o merecido descanso 🤗

      O belíssimo pôr-do-sol do topo do Mursa
      Após cada um montar seus respectivos aposentos, aproveitamos para fazer um rápido desjejum e depois fomos a um dos picos para ver o pôr-do-sol.
      Após ver o Astro-rei repousar no horizonte, voltamos para as barracas e preparamos nossa janta, que foi arroz, feijão e picadinho de bife em pedaços, uma delícia!
      O Marcio preparou um chá que foi ótimo para reidratar e esquentar o corpo e ficamos só de boa jogando conversa fora!
      A temperatura diminuiu bastante a noite e com os ventos gelados, nem fiquei muito tempo fora da barraca e logo fui dormir.
      ___________________
      2ºdia - Dos descampados do Mursa a Estação Varzea Paulista

      Nascer do sol

      Cidade de Jundiaí vista do topo do Mursa
      O domingo amanheceu com um pouco de névoa e sem vestígio de nuvem alguma. A temperatura estava em torno de 07ºC e só se ouvia os ventos batendo forte nas copas das arvores. O Silêncio imperava no local e só alguns corajosos como eu, o Marcio, Felipe, Paola e o Adriano saímos para ver o nascer do sol.
      Depois retornamos e preparamos nosso café da manhã que foi com pão de leite e café quentinho para espantar o frio. Depois, começamos a desmontar as barracas e ficamos esperando os demais.
      Barraca desmontada e mochila nas costas, as 9:00hs, iniciamos a caminhada de descida pelo lado oposto do Mursa no lado de Varzea Paulista. A descida foi tranquila e de volta a estradinha de terra, caminhamos por cerca de uma hora até chegarmos ao trecho de asfalto. As 11:00hs, chegamos à uma lanchonete, onde fizemos uma parada para um lanche reforçado, antes de pegarmos o trem de volta para SP.
      Cheguei em casa pouco antes das 14:00hs um pouco cansado como de praxe, mas feliz.
      _________________
      DICAS:
      --> A Serra do Mursa possui vários acessos e é possível acessa-la tanto pela Estação de Várzea Paulista, qto por Boturuju. Em ambas, a distancia média é de 1 a 2 horas de caminhada da Estação a trilha mais próxima, dependendo do acesso.
      --> Não há água em nenhum ponto da trilha e no topo. Por isso, traga toda a água que for precisar de casa ou encha os garrafas em algum dos sítios do entorno, ANTES de adentrar a trilha. Recomendo iniciar a trilha com pelo menos 2 a 3 litros, caso contrário, corre o risco de ficar sem água. Utilize aquelas garrafas PET.

      --> O tempo médio de subida na trilha varia do acesso escolhido. Do acesso via Botujuru, a subida da trilha é tranquila e levamos pouco mais de 40 minutos da Rodovia até o topo.
      --> Não há áreas de sombra em toda a extensão do topo, por isso protetor solar e um boné são itens indispensáveis para proteger do sol forte.
      --> Não existem linhas de ônibus que partem da estação até a entrada de qualquer um dos acessos, mas por Varzea Paulista, é possível ir de Uber até a entrada de uma das trilhas, a mais longa. Mas só se o motorista ou você já souberem o caminho.
      --> Por Botujuru, a caminhada (quilometragem) é menor, mas só da para ir a pé. Não existem linhas de ônibus e não acredito que Uber leve por estradas de terra.
      --> Se for acampar e não tiver uma barraca apropriada para ventos, acampe nos descampados protegidos que ficam na ponta do Mursa, no ponto onde há várias arvores no topo. Há uma bifurcação que sai do topo e leva até os descampados. É um local bem amplo e que cabe várias barracas do tipo "iglu"

      --> Por Varzea Paulista, há 2 acessos. Um mais longo e íngreme, que deixa no pico mais alto do Mursa e que tem água bem no comecinho da trilha, mas é o acesso mais distante da Estação, com cerca de 7km de caminhada até lá e é tb a trilha mais longa...

      --> Para acessar a trilha que sobe o Mursa pela Estação Botujuru, deve-se descer pela estrada do Botujuru pelo lado esquerdo da Estação até chegar ao fim do Asfalto. Logo que começar a estrada de terra, vire a direita na estrada que sobe morro acima. Na duvida, pergunte a moradores dos sítios do entorno de como chegar a Rodovia SP 354.

      --> Assim que se chega na SP 354, deve-se virar à esquerda e seguir por cerca de 1,5km até chegar a um trecho reto da rodovia. Qdo ver uma placa amarela do outro lado da rodovia, é sinal que está bem próximo a entrada da trilha. A mesma começa a uns 100 metros antes da placa, em um capinzal amarelo. Uma vez adentrado a trilha, é só seguir reto nela até o fim. Não tem erro.
      --> Não gravei tracklog, pois há vários tracklogs disponíveis dessas trilhas no Wikilog e em outros.

      É isso 🤗
       

       


       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
    • Por rafacarvalho33
      A região do Complexo do Baú é uma das mais conhecidas de toda Serra da Mantiqueira, situada próximo a Campos de Jordão e São Bento do Sapucaí. A região atrai milhares de turistas ao ano, que procuram desde o turismo convencional até ao turismo de aventura. 
       
      O Complexo do Baú é uma grande formação de rochas de 360 m de altura, 540 m de comprimento, com encostas de até 180 m de altura. Ele é formando por três montanhas: a Pedra do Baú (1.950 m), A pedra do Bauzinho (1.760 m) e  a pedra da Ana Chata (1.670 m). 
       
       
       A Pedra do Baú no centro, ao lado esquerdo da foto, atrás do ramo de folha, o Bauzinho
       
      O trajeto até a pedra do Bauzinho pode ser realizada de carro e tem uma linda visão para a Pedra do Baú. Já o trajeto da Pedra do Baú e para a pedra da  Ana Chata só por trilha, que podem levar de 03 a 06 horas dependendo do ritmo de cada um, a nota especial é que na Pedra do Baú você tem que encarar 600 grampos. (recomendado fazer com um guia e equipamentos de segurança). 
       
      O desafio da Pedra do Baú é encarar a altura e os famosos grampos. Os grampos são totalmente seguros, instalados na pedra desde os anos 40.
       
      Muitas pessoas contratam guia com os devidos equipamentos de segurança, mas existe a possibilidade de você fazer por conta própria, não tem muito erro, é só você ir com calma, de grampo em grampo sempre mantendo 03 pontos de apoio fixo.
       
       São 600 grampos ate o topo da Pedra do Baú
       
       
       
      - Como chegar
       
      Usando o Waze ou Google Maps coloque a localização Restaurante Pedra do Baú, de São Paulo dá em torno de 200 km. O local é bem estruturado, oferecendo estacionamento, banheiro, restaurante, hospedagem e dá acesso à trilha Pedra do Baú e da Ana Chata.
       
      A diária do estacionamento custa R$20,00 e o uso dos banheiros esta incluso nisso.
       
      A trilha tem em torno de 05 a 06 km, sendo 1,5 km  de seu trajeto de subida, depois mais 600 grampos ate o topo da Pedra do Baú, então as pernas acabam ficando doloridas no retorno. Para se ter uma ideia, fiquei mais cansado nessa do que na de 25 km que fiz pela região de Biritiba Mirim.
       
       
       Bauzinho ao fundo
       
       
      A trilha é bem demarcada, com totens indicando a distância que falta até o inicio dos grampos. Quando chegar ao inicio dos grampos, terá um responsável controlando o acesso, caso você não opte fazer a subida com algum guia, será necessário assinar um termo de responsabilidade. 
       
      Nesse mesmo ponto você verá o acesso para a trilha da Ana Chata.
       
      A subida pela FACE SUL da Pedra do Baú esta INTERDITADO, houve um deslizamento de pedra que acabou arrancando 03 grampos, porém mesmo sem eles, as pessoas estavam se arriscando com cordas para pular a parte sem grampos, os responsáveis do parque acabaram tirando mais alguns grampos tanto no meio como no começo para que nem com corda fosse possível.
       
      Tudo isso foi feito pela sua segurança, a face Sul não é tão firme quanto a Face Norte. Logo evite. 
       
       
       Visão da Serra da Mantiqueira
       
       
      Como o mesmo lugar para subir é a mesma via para descer e não cabem 02 pessoas no meu grampo, ai você pensa "e como faz com o congestionamento de pessoas?" Bem, o Parque disponibiliza 04 funcionários que ficam um no começo, dois no meio e um no fim, controlando o transito de pessoas, isso ajuda muito. 
       
      A Pedra do Baú é muito bem cuidada, não há lixo na trilha, é bem demarcada, gostei muito de conhecer a região, os grampos são firmes e estão em um espaço muito confortável entre um e outro, assim não dificultando para quem tem a perna curta.

      O medo sempre ira surgir, mas qual seria a graça da vida se a gente não encarar nossos medos né? 
       
      O que posso recomendar é pensar em um degrau por vez, devagar, sem pressa e sempre da forma mais segura possível, caso tenha muito medo ainda, é possível contratar guias locais que vão te acompanhar e irão fornecer os equipamentos de segurança.
       
       
      - Dicas
       
      Leve:
       
      2 Litros de água no mínimo.
      Lanche e frutas
      Boné e lanterna
      Óculos
      Protetor solar
      Blusa de Frio ou corta vento
      Protetor Labial
      Um calçado adequado para a trilha
      Sempre deixe avisado para familiares para onde você esta indo
      Planeje a trilha antes de fazê-la pela primeira vez, saiba o que você ira enfrentar durante o dia.
       
       
       
       
      Melhor época é sempre no outono/inverno, época que dificilmente terá incidência de raios e trovões, e muito menos chuva, mas sempre fique atento a meteorologia do dia.

       
      Não se esqueça de sempre trazer seu lixo de volta, ajude a cuidar e preservar a natureza.

       
      Espero que tenham gostado do relato, para qualquer dúvida só mandar mensagem pelas minhas rede sociais, estou presente no Instagram no rafacarvalho33 e no Facebook no Follow The Portuga.
       
       
      **** Aos amigos do blog que vão viajar e reservar sua hospedagem, peço para usarem minha caixa de pesquisa na página inicial do site, assim o Booking repassa uma parte da comissão para mim, ajudando eu a seguir com o trabalho aqui no blog, isso não gera nenhum custo adicional para você. Valeu =] ****
       
       
      Follow me
       


       
       


×
×
  • Criar Novo...