Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Posts Recomendados

De grandes vales a montanhas cobertas por neve, de cidades ricas em história a pequenas vilas que enchem nossos olhos, de pessoas simpáticas e acolhedoras e de uma gastronomia maravilhosa, a Geórgia é um dos destinos mais fantásticos da Europa, principalmente para quem busca uma conexão com a natureza.
DSC06087.thumb.jpg.b75969a736a6b41ea0abb38e398b785d.jpg

Não, não estamos falando do estado americano! A Geórgia é um pequeno país localizado no cruzamento da Europa e da Ásia. Ao sudeste possui fronteira com o Azerbaijão, ao sul, com a Armênia e a Turquia, e ao norte, com a Rússia. Já tendo feito parte da União Soviética e do Império Russo.

A população do país é de 3.720.000 pessoas dentro de um território de com área total de 69.700 quilômetros quadrados . Com mais de 40 áreas protegidas, a Geórgia possui uma ampla parte do país ocupada pela natureza intocada! O que irá lhe surpreender a todo momento.A Geórgia é de fato um paraíso na terra! A natureza e a diversidade deste país foram a fonte de inspiração para muitos escritores e poetas. Aqui temos tudo que o viajante pode sonhar: montanhas com neve, lagos, cavernas, imenso vales cercados de montanhas, cânions, desfiladeiros naturais, águas minerais e piscinas de água sulfurosa.

DSC04988.thumb.jpg.17be17bad2d94bae409f56cdf1f3e513.jpg

A cada ano que passa, o país torna-se um destino ainda mais almejado para muitos escaladores, trilheiros e esquiadores à procura de aventura.
Em nosso mochilão de 1 ano e 2 meses, fizemos uma Road Trip por alguns dos mais incríveis locais da Geórgia, com foco na natureza. E depois de quase 2 meses explorando o país, produzimos exclusivamente o melhor e mais completo Guia do país, mostrando os melhores locais para se explorar, principalmente para quem AMA natureza! Além disso, também um mapa no maps.me com todos os pontos por onde passamos. É um roteiro de viagem para 25 dias de atividades, com hikings espetaculares em meio a vales, montanhas e geleiras, passando por algumas das mais antigas igrejas do mundo e muita cultura local.

Quem ainda tem dúvidas se vale a pena ou não visitar a Geórgia, se liga no vídeo que produzimos:


Quer saber mais e adquirir o eBook: Fala com nós lá no insta: @mundosemmuros 

Abraços e bons ventos!

 

DSC04636.thumb.jpg.25bed86587126360b5f2dc8a7e0e18e1.jpg

DSC05108.thumb.jpg.dfdc06f4bd18f5651a46622df70adae3.jpg

DSC05177.thumb.jpg.4e9c4037161f2ae48e059de85b6c198b.jpg

DSC04754.thumb.jpg.e458abfc6eb63adc493a82b386b670f8.jpg

DSC05149.thumb.jpg.0e39c1eab5e80757c76002441e662f20.jpg

 

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Marcos A
      Acordamos bem cedinho, preparamos o café e pedimos o táxi até o teleférico de Quito na recepção do hostel. Tentaríamos subir ao cume do vulcão Rucu Pichincha. Deixamos tudo preparado no dia anterior para não perder tempo. Queríamos chegar no máximo às 9h da manhã, hora que o teleférico de Quito (chamado TelefériQo) abriria naquela terça feira, 1 de janeiro.

      Saímos do teleférico rapidamente e logo começamos a trilha. Ela começa indo para a esquerda, subindo umas escadarias por trás de um prédio. Dali pra frente, não tem muito erro. Foram quilômetros e quilômetros de subidas intermináveis, mas como estávamos dosando os passos, não foi nada complicado.

      Eu diria que a trilha ao cume do vulcão Rucu Pichincha é dividida em três partes. A primeira parte, a mais longa, é composta de um hiking moderado em uma trilha bem sinalizada. É a parte mais tranquila de toda a trilha. A vista que tínhamos de Quito e das montanhas ao redor era incrível. Dava pra ver todos os principais vulcões do Equador no horizonte, principalmente o Cotopaxi, imponente, majestoso, surgindo ao fundo da cidade. Além disso, a vegetação era muito característica. Era praticamente rasteira com algumas árvores e flores que nunca tínhamos visto. Parecia um cenário dos senhor dos anéis.

      Dá pra ver bem no meio da foto onde começava a parte das rochas.

      A segunda parte da trilha começou lá pelo 3.5 quilômetro. Estávamos mais perto do cume do vulcão Rucu Pichincha, e lá, as coisas começaram a ficar mais complicadas. A trilha foi deixando de ser fácil para ser tornar somente um filetinho de terra na encosta do vulcão, composto principalmente de pedras soltas, alguns pequenos rochedos (que tivemos que escalar) e areia escorregadia. Um paredão de pedras negras surgiu mais a frente e o vento aumentou consideravelmente, assim como a temperatura ficou um pouco mais baixa. Até esse ponto, nada que nos assustou o bastante para nos desmotivar de continuar e alcançar o cume.


      E finalmente, a terceira parte e mais complicada de todas. Até ali, não sentimos em nenhum momento o efeito da altitude (estávamos a mais de 4000 metros de altura) e o corpo respondia a todos os comandos. Foi na terceira parte que tivemos a ideia de esforço. Depois de contornar o paredão de rochas negras, um enorme desfiladeiro de areia e pedras apareceu. Muito grande. Começava justamente bem perto ao cume e descia praticamente por todo o vulcão. A trilha ali já não tinha mais sinalizações que faziam sentido e cada um tentava subir da maneira que dava. Isso incluiu a gente.
      Começamos a subir e vimos que ninguém tinha ido atrás de nós. A pergunta ficou no ar: "Só a gente está certo?". Demos meia volta, descendo quase que esquiando sobre a areia para acompanhar o grupo de pessoas que subiam com a gente. Depois de alguns minutos de trilha incompreensível, chegamos de fato ao paredão de rochas negras. Não tínhamos escolha, era subir ou subir. A inclinação passava dos 50 graus na maioria dos trechos.

      Começamos a subida, pedra por pedra, com o maior cuidado possível, pois qualquer deslize poderia ser fatal. Em um dado momento, não sabíamos mais como subir. Lá do alto, um equatoriano gritou, desceu alguns metros e nos ajudou a encontrar o melhor lugar para escalar. Foi muito gentil e nos ajudou bastante! Antes disso, estávamos quase pensando em desistir, com medo da inclinação e da dificuldade da subida. Além disso, algumas pedras que se desprenderam quase nos acertaram. Mas essa ajuda nos trouxe mais ânimo e alguns minutos depois, chegamos ao cume, a incríveis 4698 metros de altitude, nosso recorde até então.


      A emoção era tanta, eu e Gabriela nos abraçamos e começamos a lacrimejar. O abraço foi demorado, quase de alívio por ter chegado vivo ali em cima. Não conseguíamos acreditar que tínhamos chegado ao cume do Rucu Pichincha. A sensação foi intensa, uma alegria imensa de mais um passo cumprido rumo ao objetivo final.

      Vulcão Guagua Pichincha, um dos mais ativos do Equador.
      Nos sentamos, comemos e descansamos um pouco. Percorremos toda a extensão do cume e tiramos várias fotos. Lá no alto, encontramos um guia que levava um grupo de americanos ao cume. Era do Equador (se chamava Alejo) e parecia super doido. Conversando com a gente, ele disse que já percorreu todo o Rio Amazonas saindo do Equador de barco e em suas próprias palavras: "foi uma coisa de louco!". Só ouvindo pra acreditar. Ele também nos ajudou nos informando a melhor rota pra descer o vulcão.
      Ficamos por mais alguns minutos no cume e resolvemos descer. A descida foi mais tranquila do que a subida, mas devido ao cansaço um pouco mais perigosa. Em um determinado momento, quase despenquei de um rochedo por não ter ponto de apoio para os pés. Mas não passou de um susto, se não não estaria aqui para contar a história.

      Vulcão Cotopaxi ao fundo com os seus 5897 metros.
      A trilha de volta dava uma visão limpa e direta do Cotopaxi. Foi praticamente nosso companheiro durante toda a descida. Algumas horas depois, estávamos novamente no teleférico, prontos para descer e descansar. Teríamos mais um grande desafio no outro dia: o Iliniza Norte.
       
      Mais sobre o Rucu Pichincha
      Rucu Pichincha, que significa "velho vulcão" em Quéchua, é um vulcão inativo localizado nos arredores de Quito. Seu cume está a 4698 metros de altitude em relação ao nível do mar. Sua última erupção foi em 1859 causando destruição à cidade de Quito na época. A trilha (ida e volta) ao cume é em torno de 10 km e pode demorar de 4-5 horas para ser percorrida. O Rucu Pichincha é também um dos melhores pontos de partida para aclimatação se você pretende fazer outras montanhas no Equador 👍.
       
      Mais sobre o TelefériQo
      O teleférico da cidade de Quito é um feito que traz orgulho para a população local. Ele é o meio de transporte mais acessível para quem quer subir ao cume do Rucu Pichincha. A entrada para estrangeiros (em 2018) custava USD 8.50. Para saber mais sobre horários de funcionamento ou como chegar a estação do teleférico da forma mais simples, você pode acessar o site teleferico.com.ec.
       
      Subir o Rucu Pichincha é seguro?
      Um tópico muito recorrente relacionado ao Rucu Pichincha é a questão da segurança. Anos atrás, turistas eram desaconselhados a fazer o hiking ao cume do vulcão devido a falta de segurança na trilha. Vários relatos de assaltos e violações graves foram reportados em fóruns, principalmente por volta do ano de 2010. Entretanto, o governo local tomou várias providências e agora a trilha é completamente segura e altamente frequentada por turistas e locais. Ainda se recomenda fazê-la em grupo (mais de uma pessoa).
      Já com relação à segurança ou dificuldade da trilha, eu diria que é de moderado a difícil. Não são exigidos nenhum equipamento técnico de escalada, mas a precaução é sempre bem-vinda, principalmente na parte final da subida ao cume. Como a trilha não é bem sinalizada nessa parte, a subida fica complicada. Além disso, existe o perigo constante de pedras caírem do alto e atingirem as pessoas que vem abaixo. Eu recomendaria a utilização de um capacete de escalada no mínimo ☝.
       
       
      Quer ler mais sobre as nossas viagens? É só acessar o nosso site: www.feriascontadas.com

    • Por Kemilly Rente
      Oiii gente. Tudo bem?
      Gostaria da opinião de vocês. Em maio de 2020 pretendo passar uns 20/25 dias mochilando sozinha pelos seguintes países: Itália(Não irei ficar muito, passarei por lá para pegar ônibus de Roma para Eslovênia), Eslovênia, Hungria, Eslováquia, Polônia e Alemanha). Vocês acham que R$10 mil dá para tudo? Pretendo ficar em hostel barato e fazer as minhas refeições nos hostels. Irei de um país para o outro de ônibus, vi que os preços desse roteiros são em conta. 
       
      O que vocês acham?
    • Por Lise Mendes
      Boa noite! 
      Gente, estou programando uma viagem para o leste europeu, mas saindo de Paris, pois tenho familiares estudando lá. Pretendo passar 35 dias entre os meses de novembro a fevereiro, ainda não comprei as passagens.
      Gostaria de saber se esse roteiro que montei tem sentido, tempo e o que aconselhariam tirar/acrescentar, contando que o período é bastante frio rss.
      Paris, Bruxelas, Amsterdam, Praga, Viena, Bratislava, Cracóvia, Budapeste, Liubliana, Veneza, Verona, Zurique, Strasbourg, Paris.
    • Por anselmoportes
      Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:
      São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.
      ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.
      Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de CRACÓVIA.
      LEGENDA
      USD - Dólar Americano
      EUR - Euro
      BRL - Real Brasileiro
      PLN - Zloty Polonês
      Depois de 3 dias em Varsóvia segui minha viagem até Cracóvia. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.
      25º dia de viagem: Varsóvia -> Cracóvia (Segunda-feira, 1 de Outubro de 2018)
      Cheguei às 11h na estação Krakow Glowny. Deixei meu mochilão no left luggage da estação (PLN 14). Há armários também, mas custa o dobro do preço.
      Acessei o wifi da estação e vi o caminho até a cidade velha (15min de caminhada). Fui até a agência KRAKOW CITY TOURS para ver os preços dos passeios para Auschwitz e Mina de Sal em Wielszca (PLN 155 e PLN 150 respectivamente). Achei melhor pesquisar em outras agências.
      Menos de 30m dali estava começando o FREE WALKING TOUR OLD TOWN KRAKOW e nosso guia foi o PAVO (ou Pablo). Passamos pela praça central onde antigamente havia um importante mercado. Depois fomos até a 1ª universidade da Polônia, a JAGIELLONIAN UNIVERSITY, onde estudaram Nicolau Copérnico e o Papa João Paulo II. Terminamos o tour às 14h30 no CASTELO DE WAWEL, que na verdade leva esse nome pois a colina que ele fica se chama Wawel. Lá em cima também tem a CATEDRAL DE WAWEL.
      Após o fim do tour entrei na Catedral. Nela estão enterrados os maiores líderes da Polônia, incluindo o presidente que morreu em um acidente aéreo em 2012. Há também uma capela dedicada ao Papa João Paulo II.
      Ali perto está o DRAGON’S DEN (PLN 3). Que é uma passagem para descer da colina. Primeiro vc desce uma escada em espiral bem apertada. Daí vc chega em uma pequena caverna e na saída dela está a estátua do DRAGÃO DE WAWEL. É possível ver a estátua sem precisar passar pelo Dragon’s Den, mas eu recomendo fazê-lo! 
      Voltei caminhando até a praça principal e parei pra comer no restaurante SPHINX. Pedi uma SHOARMA CLASSIC: carne picada e temperada com páprika, fritas, pão, salada de repolho, beterraba e outra que não consegui distinguir. Tomei uma cerveja Tyskie. A conta ficou em PLN 47 e estava tudo muito bom.
      Ainda na praça central passei na ST. MARY CHURCH que estava em reforma, então só podia entrar no começo dela e não podia tirar foto.
      Parei no bar LITTLE BRITAIN que fica ao lado da igreja e tomei uma Tyskie (PLN 8 - preço de happy hour).
      Voltei pra estação, comprei o café da manhã num supermercado que tinha lá dentro (pão,presunto, queijo e iogurte - PLN 11). Peguei meu mochilão e fui até o ponto de tram. A Ilona (minha anfitriã) já tinha me passado as coordenadas pra chegar à casa dela e teria que pegar o tram 52.
      Era 19h30 quando o tram chegou e fui acompanhando pelo Google Maps. Depois de 30 min. de viagem desci no ponto e no caminho da casa comprei 2 cervejas Perla (PLN 3 cada).
      Fiquei conversando com a Ilona e bebendo cerveja até as 23h30. Fui tomar banho e dormir.
      Distância percorrida no dia: 21km 🚶‍♂️

      MERCADO CENTRAL

      JAGIELLONIAN UNIVERSITY

      VISTA DE WAWEL

      DRAGÃO DE WAWEL

      ST. MARY CHURCH

      26º dia de viagem: Cracóvia (Terça-feira, 2 de Outubro de 2018)
      Acordei 8h30, tomei café e vi que uma fina garoa caía lá fora. Saí às 9h10 e 9h50 estava nas ruas da cidade velha procurando excursões para Auschwitz e Mina de Sal. Parei na agência CRACOW VISIT  os preços estavam PLN 145 e PLN 135. Resolvi arriscar. Paguei no cartão e os tours sairiam nos dias seguintes.
      Segui caminhando até a praça central e tentei entrar no UNDERGROUND MUSEUM, mas por ser terça-feira a entrada era gratuita e os ingressos estavam esgotados. A moça da bilheteria me disse que havia outros dois museus que eu podia visitar e que a entrada também era gratuita: o MUSEU DE HISTÓRIA DE CRACÓVIA e o MUSEU DE POMORSKA STREET.
      O Museu de História de Cracóvia tinha uma pequena exposição (chamada Krakow Time & Space) falando dos primeiros assentamentos da cidade. Havia maquetes, pinturas e alguns objetos da época da fundação de Cracóvia. Consegui ver tudo em menos de 40 min.
      Depois caminhei por uns 15 minutos até o Museu de Pomorska Street. No caminho comi um OBWARZANEK (PLN 1,5) que é uma rosca salgada muito parecida com o simit da Turquia.
      ***Dica: Há vendedores de obwarzanek por toda parte. Então se bateu uma fome coma um desses pra dar uma enganada no estômago. 
      Foi um pouco difícil achar a entrada do museu pq sua fachada estava em reforma. A exposição mostra as pessoas que foram perseguidas, torturadas e mortas pelos nazistas durante sua ocupação. Havia muitos textos e algumas fotos de gente enforcada. Vi tudo em 30 min., mas se for ler todos os textos sugiro reservar mais de 1h.
      Voltei até a praça central e parei no BULLDOG PUB. Tomei 2 cervejas Perla (PLN 10 cada) e às 15h peguei o FREE WALKING TOUR JEWISH QUARTER que saia em frente a igreja St. Mary.
      Passamos pela OLD SYNAGOGUE, JEWISH CEMETERY, IGREJA DE SAINT JOSEPH, BRIDGE OF LOVE e terminamos o tour no HEROES OF GUETTO SQUARE. O tour é bem interessante e altamente recomendável. 
      Durante o tour conheci um brasileiro chamado Lucas e voltamos juntos pro Bulldog pub. Bebemos 2 cervejas e fui embora. Passei no Burger King e comi um 1 double whopper (PLN 21,5). No caminho pra casa comprei 4 cervejas pra tomar com a Ilona. Fui chegar às 21h30.
      Tomei as cervejas sozinho pq a Ilona tinha que terminar um projeto. Tomei banho e fui dormir 0h30.
      Distância percorrida no dia: 22km 🚶‍♂️

      IGREJA DE SAINT JOSEPH

      PRAÇA CENTRAL
      27º dia de viagem: Cracóvia -> Wieliczka Salt Mine -> Cracóvia (Quarta-feira, 3 de Outubro de 2018)
      Acordei 7h20, tomei café e 8h35 estava chegando no local combinado. A van chegou 8h40 e seguimos para as minas de sal. O motorista nos deixou na entrada do tour em inglês que começaria às 10h.
      ***Nota: Vi na bilheteria que o ingresso custava PLN 89 (tem que pagar uma taxa extra de PLN 10 pra poder tirar foto dentro da mina). Paguei PLN 150 para a agência, sendo assim foram PLN 61 para a van me levar e me buscar. Dá pra ir lá sozinho usando transporte público? Dá, mas acho que não vale a pena.
      Descemos por mais de 300 degraus (leva uns 5min.) e lá embaixo começa o tour. Passamos por várias corredores e câmaras. A guia vai falando muito rápido e você tem que ser ligeiro pra tirar as fotos. Há estátuas de sal de vários personagens importantes da história da Polônia como Nicolau Copérnico e, claro, do Papa João Paulo II. 
      Tem uma belíssima igreja nas profundidades da mina onde algumas missas e até casamento são celebrados lá.
      Passamos por lagos e moinhos que eram puxados por cavalos (tinha um elevador só pra eles). Chegamos a ficar 135m abaixo da superfície. 
      No final do tour tem um restaurante mas não comi lá pq os preços estavam muito salgados ( 😆 ha!). Há também um cinema 3D com um pequeno documentário falando da importância do sal e como a mina se originou.
      O processo de volta até a superfície leva uns 20 minutos e cheguei em cima da hora combinada pra pegar a van de volta.
      Deixamos a mina de sal às 13h e às 13h30 estávamos de volta ao centro de Cracóvia. Fui até o UNDERGROUND MUSEUM (PLN 21), que tem esse nome pq ele fica embaixo da praça principal da cidade. O museu mostra o que foi encontrado lá durante escavações: cerâmicas, facas, ferraduras, moedas e até esqueletos humanos. Vi tudo muito rápido e levei 1 hora. Se for ver tudo com calma pode reservar até 2 horas lá dentro.
      Voltei ao Bulldog pub e tomei mais uma cerveja (PLN 10). Fiquei lá até 17h30 quando resolvi ir num restaurante ucraniano que a Ilona tinha recomendado. O KALEJDOSKOPE fica numa passagem subterrânea próxima à estação central. A atendente não é nada simpática e falam mal inglês, mas a comida é muito boa. Comi um tipo de hamburguer de peru, pure de batata e salada. Bebi um suco de não lembro que e a conta ficou PLN 20.
      Passei no Carrefour da estação central e comprei o café da manhã do dia seguinte. No caminho pra casa achei um mercado que vendia cervejas de micro cervejarias locais e comprei 2: 1 APA e 1 BLONDE ALE (PLN 14 cada).
      Cheguei em casa, conversei com a Ilona e bebemos as cervejas. Fui tomar banho e dormir 0h.
      Distância percorrida no dia: 13km 🚶‍♂️

      ESCADARIA DA MINA DE SAL

      IGREJA DA MINA DE SAL

      RESTAURANTE DA MINA DE SAL

      CINEMA 3D DA MINA DE SAL
      28º dia de viagem: Cracóvia -> Auschwitz-Bikernau  -> Cracóvia -> Praga (Quinta-feira, 4 de Outubro de 2018)
      Acordei 6h e ainda estava escuro. Tomei café e preparei um lanche pra comer mais tarde. Saí às 6h30 e 7h20 estava pegando a van para Auschwitz. Passamos pra pegar mais 4 pessoas e chegamos lá às 9h.
      Durante a ida o motorista foi nos alertando que aquele lugar de respeito pois muitas pessoas morreram lá. Então ele pediu para não ficarmos tirando “stupid selfies” e ter o máximo de respeito pelas almas que sofreram naquele campo de concentração.
      Nosso tour começou às 9h30 e nossa guia foi a Anna. Ela ia falando  num tom bem triste, porém muito claro e bem explicado. Não vou detalhar aqui o vi lá, mas eu aconselho fortemente pra quem for à Cracóvia visitar o complexo Auschwitz-Birkenau.
      Terminamos o tour em Auschwitz às 11h e nossa van nos levou até Birkenau, que é 7x maior. Foram só 5 min., mas pra quem for à pé é uma caminhadinha…
      Depois de mais ou menos 1h30 terminamos o tour em Birkenau. E a van nos levou de volta. Pedi pro motorista me deixar próximo ao museu da FÁBRICA DE OSCAR SCHINDLER e ele me deixou na porta.
      Comprei o ingresso (PLN 24) mas antes de entrar comi o lanche que tinha preparado no café da manhã.
      Entrei às 15h. O museu conta a história da fábrica e tem uma mini sala de cinema que mostra relatos de ex-funcionários que sobreviveram ao holocausto. Fala também de toda ocupação nazista na Polônia. Deixei o museu às 16h30 e peguei o tram 3 para voltar ao centro.
      Fui tomar uma cerveja - adivinhem só  no Bulldog pub! Enquanto bebia uma Perla conversava via WhatsApp com um amigo meu do Brasil que conhece bem a Polônia. Ele me sugeriu um restaurante chamado POLSKIE SMAKI, que ficava 300m de onde eu estava.
      Chegando ao restaurante pedi um PLACKI ZIEMNIACZANE, que são panquecas de batata com um molho tipo bolonhesa. Estava uma delícia! Tomei uma cerveja e a conta deu PLN 24 - preço justíssimo para uma refeição boa e farta.
      Voltei pra casa e fui chegar às 19h30. Conversei com a Ilona enquanto preparava 2 sanduíches pra minha viagem. Arrumei minhas coisas, tomei banho, me despedi da Ilona e deixei o apto às 20h55.
      Cheguei no terminal rodoviário às 22h e peguei o ônibus pra Praga às 22h20.
      FIM DE CRACÓVIA
      Próximo relato: Praga

      AUSCHWITZ

      AUSCHWITZ

      AUSCHWITZ

      BIRKENAU

      BIRKENAU
       
    • Por anselmoportes
      Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:
      São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.
      ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.
      Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de VARSÓVIA.
      LEGENDA
      USD - Dólar Americano
      EUR - Euro
      BRL - Real Brasileiro
      PLN - Zloty Polonês
      Depois de 4 dias em Budapeste (Hungria) segui minha viagem até Varsóvia, na Polônia. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.
      22º dia de viagem: Budapeste -> Varsóvia (Sexta-feira, 28 de Setembro de 2018)
      Cheguei no aeroporto de Varsóvia às 9h20 e saquei PLN 200 no ATM. Os passes dos transporte público são por tempo, ou seja: vc compra um com um tempo pré definido (15, 30, 45, 75 minutos) e pode pegar quantas conduções quiser nesse tempo. Comprei um de 75 minutos (PLN 4,40), peguei o ônibus 175 e em 30 minutos estava chegando na estação WARSZAWA CENTRALNA.
      Deixei meu mochilão no LEFT LUGGAGE da estação por PLN 10 (há armários também, mas são mais caros: PLN14 por 24h).
      Passei num mercado e comprei 1 água e 1 iogurte (PLN 8  )para comer com o resto do pão do meu café da manhã.
      Peguei o ônibus 160 para a cidade velha (15min). Passei pela SIGISMUND COLUMN, ST. JOHNS CATHEDRAL, IGREJA GRACIOSA MÃE DE DEUS e fiquei dando umas voltas pelas ruas do centro antigo até às 13h30, quando peguei o FREE WALKING TOUR VARSÓVIA NA 2ª GUERRA MUNDIAL. Nossa guia foi a GOSKA e ela contou os horrores que a cidade sofreu durante a guerra e a ocupação nazista. Mais de 80% da cidade foi destruída! Os judeus tiveram seu dinheiro confiscado e foram para os guetos que tinha a densidade populacional maior que a ilha de Manhattan. Ela também falou do UPRISING (Levante) contra as tropas nazistas. Esse tour é altamente recomendável! Terminamos por volta das 15h30 no MONUMENTO AO LEVANTE que fica em frente à CATEDRAL DO EXÉRCITO POLONÊS.
      Voltei para a cidade velha e visitei a ST. ANNE CHURCH. A guia comentou que os jovens costumam se confessar nessa igreja pq os padres de lá não são tão “rígidos”.
      Voltei para o ponto de ônibus que tinha chegado e ao lado dele tinha uma máquina de bilhetes. Comprei o WEEKEND PASS que vale de sexta a domingo para todos os transportes (ônibus, tram, metro). Paguei PLN 24 e a máquina aceita cartão de crédito.
      Peguei o ônibus 160 e voltei à estação central. Conversei com a Marta (minha anfitriã) via WhatsApp e combinamos de nos encontrar no HARD ROCK CAFÉ que fica em uma das saídas da estação. Tomei 3 cervejas (PLN 42) esperando e assim que ela chegou fomos pegar minha mochila no left luggage. 
      Chegamos no apto dela, deixei minhas coisas e já saímos para um bar chamado SAME KRAFTY. Tomei várias cervejas artesanais e comemos uma pizza (½ fungi, ½ carbonara) que estava simplesmente deliciosa! A conta deu PLN 98 e deixamos o bar por volta das 23h30.
      De volta ao apto, tomei um banho e fui dormir.
      Distância percorrida no dia: 20km 🚶‍♂️

      SIGISMUND COLUMN
       

      MONUMENTO AO LEVANTE
       

      IGREJA GRACIOSA MÃE DE DEUS
       
      23º dia de viagem: Varsóvia (Sábado, 29 de Setembro de 2018)
      Acordei 9h e a Marta tinha feito um café da manhã delicioso! Pão, um excelente patê de CHRZAN (uma raiz forte, que lembra wasabi), omelete e chá.
      Às 10h estava no centro para pegar o FREE WALKING TOUR OLD TOWN. O tour foi bem legal e a guia foi a Goska, mesma do dia anterior. No tour conheci o Júlio, um brasileiro que mora em Praga e estava passando o final de semana em Varsóvia.
      O tour terminou por volta das 12h30 e eu e o Júlio fomos almoçar no ZAPIECEK. Esse restaurante é especializado em comidas típicas polonesas. E, apesar de estar num ponto bem turístico, tem preços justos. Pedimos 2 pratos de PIEROGI (um frito e outro cozido) e tomamos 1 chopp (500ml) cada. A comida estava excelente (pierogi é um dos pratos mais tradicionais da Polônia e é uma delícia) e o chopp igualmente bom. A conta deu PLN 35 pra cada.
      Comentei com o Júlio que naquela noite eu e a Marta iríamos fazer um bate-volta numa cidade ali perto chamada LODZ. Iria ter o LIGHT MOVE FESTIVAL , um festival de luzes que acontece lá 1 vez ao ano. Ele acessou a internet pelo celular e conseguiu comprar as passagens para ir com a gente.
      Depois do almoço fui sozinho para o ESTÁDIO NACIONAL. Peguei ônibus 111 e depois de um momento achei que estava indo pro lado contrário. Desci do ônibus e notei que estava indo pro lado certo. Daí eu vi no Google Maps que estava próximo ao CHOPIN MUSEUM e decidir ir pra lá.
      O museu fica num prédio muito bonito e ornamentado (entrada PLN 22). As exposições são bem interativas e é possível conhecer a vida e a obra de Chopin.
      Voltei para o apto e me encontrei com a Marta. De lá fomos até a estação Warszawa Młociny pegar o Flix Bus (USD 6, somente ida, comprado antecipadamente, via site). A volta iríamos fazer de trem. Encontramos com o Júlio na estação e seguimos viagem.
      ***Dica: É cobrada uma taxa de USD 2 por compra no site da Flix Bus. Se vc já tiver seu itinerário completo, compensa comprar todas as passagens de uma vez. Assim será cobrado apenas uma vez a taxa.
      Chegamos em Lodz (se pronuncia “woodz”) por volta das 19h e o centro da cidade estava com a luzes apagadas. Em alguns prédios eram projetados animações cheias de cor e movimento. Havia MUITA gente na rua e a maioria delas com algum tipo de coisa “piscante” (colar, chifres de unicórnio e de diabo, braceletes, etc).
      Comi um pão com patê e picles de uma barraca na rua (PLN 5) e paramos no bar pra tomar uma cerveja (PLN 12).
      Passamos por um parque para ver uma apresentação de luzes sobre um lago. As luzes eram sincronizadas com músicas e uma fumaça artificial dava um efeito legal por cima do água.
      Vale MUITO a pena conhecer esse festival. Caso esteja em Varsóvia nessa época do ano, reserve uma noite pra ir até Lodz. Vc não vai se arrepender.
      Pegamos o trem de volta à Varsóvia às 23h. Fomos chegar por volta das 1h30. Chegamos no apto às 2h e fui dormir
      Distância percorrida no dia: 18km 🚶‍♂️

      OLD TOWN
       

      CHOPIN MUSEUM


      LODZ - LIGHT MOVE FESTIVAL

      LODZ - LIGHT MOVE FESTIVAL
      24º dia de viagem: Varsóvia (Doming, 30 de Setembro de 2018)
      Acordei 8h30 e tomei café da manhã com a Marta (panquecas e chá).
      Fui para o UPRISING MUSEUM e tinha combinado de encontrar com o Júlio lá. Para chegar lá peguei um tram e um ônibus e assim que cheguei vi um monte de policiais em frente ao museu. A entrada estava fechada e iria reabrir só de tarde. Não consegui saber o que estava acontecendo mas acho que alguém muito importante estava visitando o museu e, por motivo de segurança, fecharam a entrada.
      Nessa confusão toda me desencontrei com o Julio. Consegui achar um sinal de wifi aberto e falei com ele. Ele estava na estação Rondo Daszyńskiego e fui encontrá-lo lá. Decidimos então ir visitar o KATYN MUSEUM.
      Pegamos um tram e descemos na estação Dworzec Gdański. Caminhamos por uns 10 minutos e chegamos ao museu.
      O Katyn Museum foi criado em homenagem a centenas de milhares de oficiais poloneses que foram mortos em várias cidades diferentes durante os tempos de guerra. Há vários pertences das vítimas: pentes de cabelo, escova de dente, sapatos, jogos de xadrez e dominó, etc. Vale a visita pra quem curte essa parte da história. A entrada é gratuita e o audio-guia custa PLN 10.
      Pegamos o tram de volta ao Uprising Museum. Antes de entrar, passamos no mercado para comprar algo pra comer. Peguei 1 sanduíche, 1 coca e 1 chocolate Mars (PLN 13). Paramos num pequeno parque, comemos e seguimos para o museu.
      Quando chegamos lá a fila estava GIGANTE. Aos domingos a entrada é gratuita mas mesmo assim tem que ir até o caixa para retirar o ticket de entrada. Depois de 45 minutos de espera enfim conseguimos entrar (já era 14h30).
      O museu é incrível e tem 4 andares (subsolo, térreo, mezanino e 2º andar). Tem uma sala de cinema 3D com capacidade para 24 pessoas e o filme é um vôo sobre Varsóvia totalmente destruída após a II Guerra. Tem outra sala de exibição mostrando filmagens reais da cidade durante a ocupação naxista. No meio do museu há uma réplica de um avião  LIBERATOR B-24J e réplicas dos túneis de esgoto usados como rota de fuga pelos judeus perseguidos pelo exército nazista. Esse museu é visita OBRIGATÓRIA pra quem passa por Varsóvia. 
      Fomos sair de lá era mais de 17h. Entramos em contato com a Marta que nos sugeriu um restaurante chamado KRAKEN RUM BAR. Chegamos lá e eu pedi camarão com linguiça e baguette, pra tomar 1 chopp 500ml (PLN 40). Estava muito bom.
      De lá fomos encontrar com a Marta num bar chamado JABEERWOCKY. Havia vários tipos de cerveja e a média de preço era PLN 13 (copo com 500ml). Assistimos ao jogo final da Liga Mundial de Volêi e vimos o Brasil ser MASSACRADO pela Polônia por 3x0. Havia alguns torcedores no bar vibrando como nós brasileiros vibramos com o futebol. Cada ponto era equivalente a um grito de “gol” nosso. Dureza…
      Deixamos esse bar e passamos em outro, o PIJALNIA WODKI I PIWA que é um bar retrô da era comunista. É bem interessante e vale a pena conhecer, principalmente para experimentar os shots. A Marta nos pagou um shot de vodka de sabor que estava uma delícia. Tomei mais uma cerveja (PLN  8  e fomos embora.
      Pegamos o último metrô das 0h15. Chegamos de volta, arrumei minhas coisas e fui dormir 1h30.
      Distância percorrida no dia: 17km 🚶‍♂️

      UPRISING MUSEUM
      25º dia de viagem: Varsóvia - Cracóvia (Segunda-feira, 1 de Outubro de 2018)
      Acordamos as 7h20 e 7h45 estávamos deixando o apto. A Marta foi comigo até a estação central (ela iria pegar um trem tb). Me despedi dela e fui comprar meu café da manhã: 1 sanduíche de salame, 1 donut de marmelada e 1 iogurte (PLN 14). Tomei o café da manhã na plataforma esperando o trem, que partiu pra Cracóvia às 8h45
      FIM DE VARSÓVIA
      Próximo relato: Cracóvia


×
×
  • Criar Novo...