Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Rezzende

Viva México!!! 22 dias do DF a Quintana Roo por terra

Posts Recomendados

Segunda, 08 de abril de 2019 – San Cristóbal/Palenque

A noite no hostel foi meio conturbada 🙄 O Misha era muito surtado. O espanhol pediu pra ele apagar a luz do banheiro pra gente dormir e ele disse que precisava de claridade e não podia… Lá pela meia-noite chegou uma loira no quarto com aquela cara típica das nórdicas e o velhinho levantou da cama dele e foi perguntar o nome dela, de onde era, coisas que qualquer um de nós faria se não fosse no meio da madrugada :lol: quando tudo parecia tranquilo ele salta da cama e começa a andar pelo quarto falando it’s cold!! It’s cold!!! aaarrrggg it’s cold!! Pelo menos eu ia cair fora às 4 da manhã... Já tinha deixado minhas coisas arrumadas e quando comecei a sair o russo ainda veio atrás de mim pedindo pra eu anotar o e-mail dele que ele queria me visitar quando viesse ao Brasil 🤪 fingi que anotei e fui pra recepção esperar o tour...😅

Pouco depois de 4 da manhã tocaram no hostel me procurando. Já estavam na van o Andres (o mesmo alemão de ontem), duas suíças lindas e um casal argentino, Juan e Marcela. Depois fomos de hotel em hotel buscando o restante, todos mexicanos mas dessa vez não eram mexicanos muito sociáveis. Quem ia ficar em Palenque, como eu, deixava as malas e mochilões no banco da frente junto com o motorista. Seguimos pela escuridão da madrugada até a parada em Ocosingo para o café da manhã onde chegamos às 7h e pagamos a parte pois esse café não está incluso no passeio. É um  buffet por 90 pesos mas que tem bastante variedade de coisas. Achei meia hora pouco tempo pra comer 🙁 Saímos 7:30

No caminho entre Ocosingo e Água Azul, entre as montanhas de Chiapas, tive o único susto da viagem. Depois de uma curva demos de cara com um grupo com paus e pedras nas mãos. O motorista soltou aquele "ai ai ai caramba" típico dos mexicanos. Eu dei aquela gelada porque tava com mochilão e tudo mais e não sabia o que era aquilo. Paramos no bloqueio e o grupo, que era de indígenas moradores da região, veio falar com o motorista e pediram 50 pesos pra nos deixar passar. O motorista falou com a gente “muchachos, mil perdones, están nos cobrando 50 pesos para pasar...” pediu 5 pesos de cada um de nós e...bem...diante do susto que tomamos era só 5 pesos né 😨 Depois de liberados do pedágio fake o motorista seguiu pedindo desculpas pelo ocorrido e explicou que um familiar dos indígenas tinha morrido em Cancún e eles não tinham dinheiro pra trazer o corpo, por isso estavam bloqueando a estrada. A gente sempre escuta relatos de ônibus assaltados na madrugada e outros perigos na estrada, eu peguei ônibus noturnos por 2 vezes e no pasó nada, imagino que riscos existam em todo lugar do mundo, meus percursos foram todos tranquilos, só tive esse contratempo que foi mais um susto por ver um grupo “armado” com paus e pedras sem saber o que queriam num momento que estava com todo dinheiro, cartões e passaporte comigo mas que se resolveu tranquilamente...só fica o relato pra que todos saibam que esse tipo de coisa é passível de acontecer em nossas viagens...e em qualquer lugar do mundo…

Devidamente recuperados do susto, chegamos em Água Azul às 9h. Teríamos 2 horas pra curtir o local e entrar na água. A parte de baixo é onde ficam a maioria das cascadas e a melhor parte pra banho é lá em cima no final. Enquanto subimos as escadas olhando as cachoeiras à direita tem um monte de barracas de artesanato à esquerda. A água tava convidativa, o sol já estava quente, fiquei com o Andres e o argentinos aproveitando a água.IMG_20190408_092047990-EFFECTS.thumb.jpg.b38b3f8381cb958d3c1fed77f7ac13ea.jpgIMG_20190408_092322579.thumb.jpg.875f7cd33da43a63dbe81be93d5a85ff.jpgIMG_20190408_092711944-EFFECTS.thumb.jpg.dbb63e63ff5db727c1e67ca5610e8280.jpgIMG_20190408_094039522.thumb.jpg.91f574ba37547d4ce54c3a2230bae8df.jpg

Saímos 11h e fomos pra Cascada Misol-ha. Chegamos lá meio-dia e quem quiser almoçar ali tem um restaurante. Eu não tava com fome mas os que queriam almoçar pediram seus pratos e foram pra cachoeira pois assim aproveita mais o tempo já que os pratos levam uns minutos pra ficarem prontos e enquanto isso dá pra curtir a cachoeira e quando voltar o prato já tá esperando. Eu preferi ficar só na cachoeira mesmo, a água é mais funda mas achei uma cachoeira menor na parte do fundo e tomei um banho delicioso ali :grin:IMG_20190408_122212121_HDR.thumb.jpg.f4903f92bd3e9cf3647160abcd6e51c4.jpgIMG_20190408_122152966.thumb.jpg.909695fdef139152eeac0c9ab64d55c6.jpgIMG_20190408_124104538_HDR.thumb.jpg.016434cb8f3de980f2730258f5069e64.jpg

Saímos de lá 13:30 rumo a Palenque. Chegamos 14:20 na zona arqueológica. Os ingressos custam os tradicionais 75 pesos mas eles já estavam incluídos no pacote que comprei por 380 pesos, assim como as entradas em Água Azul e Misol-ha também, que eu não sei quanto era. Só não inclui café da manhã, almoço e pedágios fake...Se quiser guia em Palenque os que ofereceram o serviço cobravam 100 pesos por pessoa mas ninguém da van quis. Todas as construções tem placas explicativas. Teríamos 2 horas pra explorar Palenque. Estava calor, por volta de 32 graus, mas Palenque fica no meio da floresta então tem muitas sombras, mas ali o calor pega viu…

Achei Palenque muito original, muito autêntico, depois de Teotihuacán foi o sítio arqueológico que mais gostei. Todos recomendam passar repelente. Não sei se foi por isso mas eu passei e não vi nenhum mosquito 😅 Na hora de sair procure voltar por onde entrou pois eu fui seguir as placas de saída e elas me jogaram no mato (meio que literalmente 😆) Elas te levam pelo meio da mata descendo e tu acaba saindo na outra saída que tem lá embaixo na estrada, há mais de 1 km da entrada principal. Aquele sol do cão, ainda faltavam 20 minutos pra hora marcada de saída e fui voltando pela rodovia mas por sorte passou uma camionete do parque e me ofereceram carona. Subi na carroceria onde já tinham outros perdidos que seguiram a enfadonha placa de saída e rapidinho chegamos na entrada principal, o que não seria tão rapidinho naquela subida debaixo do sol ::mmm:IMG_20190408_142910200.thumb.jpg.220202db9f04b5e14c1ddb063cf998e9.jpgIMG_20190408_142649121.thumb.jpg.f2029bbbb9e1e8d23b348e9c913e8d3a.jpgIMG_20190408_143855983_HDR.thumb.jpg.9778c4e245284ff085f2a063ef84f73e.jpgIMG_20190408_150539824.thumb.jpg.2820de5398c83f59cd137f2e6df1c8e0.jpgIMG_20190408_152034855.thumb.jpg.c1e156018490099ce81ca66f58b7bf04.jpg

Terminado o tour, os argentinos e o Andres (que ia pra Guatemala no dia seguinte) ficaram num hotel logo na entrada da zona arqueológica e eu e as suíças ficamos em frente a rodoviária de Palenque. Os demais mexicanos que não entrosaram voltaram pra San Cristóbal, o que daria ainda umas 6 horas de viagem pra eles. As suíças iam pra Mérida no ônibus das 23h e tinham reservado um hostel em Palenque. Eu ia às 20:45 (ainda não eram 17h) e depois de um dia de passeio, cachoeiras, suor e calor eu tava louco por um banho. Segui um pouco junto com as suíças por uma região bonitinha de Palenque e vi uma placa de uma pousada chamada La Cañada Economica...se é econômica... ::otemo:: Cheguei lá e falei com o cara da recepção, que era o dono por sinal, que eu só precisava de um banho e negociei por 50 pesos (10 reais... eu pagava até mais a essa altura :lol:) ele descolou um quarto pra mim, me deu até toalha e sabonete e tomei aquele banho delícia😃 Pensei nesses gringos que não tomam banho, vi até uns na rodoviária de Palenque que estavam do mesmo jeito que encontrei nos passeios... Não sei vocês... mas eu não conseguia pensar na ideia de encarar uma noite de busão do jeito que eu tava. Ou será que brasileiro tem TOC por limpeza?🤔 Devidamente novo de novo paguei feliz pelo banho e fui procurar comida. Naquela região perto do terminal de Palenque, que chama barrio La Cañada, tem muitos restaurantes e barzinhos bonitinhos e não são tão caros. Parei no El Huachinango Feliz, pedi uma michelada que é um drink com cerveja, sal, limão, pimenta e não sei mais o que (era a primeira da viagem e adorei, não conseguia entender porque ainda não tinha tomado antes ::hãã2::) e uma pechuga de pollo a la plancha cheia de acompanhamentos pra ficar satisfeito. Despesa de 182 pesos, curti o ambiente, a michelada, descansei um pouco, música ao vivo ao por do sol, achei barato pelo conjunto da obra. Fui pro terminal que era ali perto já faltando meia hora pra sair e esperei bem pouco. Às 20:45 seguia pra mais uma noite de viagem de ônibus pelas estradas do México. O ônibus não tava lotado e era confortável (padrão ADO) então foi uma viagem sossegada...

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

"Não sei vocês... mas eu não conseguia pensar na ideia de encarar uma noite de busão do jeito que eu tava. Ou será que brasileiro tem TOC por limpeza?" @Rezzende .

Eles já estão acostumados com a situação. Por isso os franceses têm os melhores perfumes,  brincadeira heim 

Acho que nós brasileiros gostamos mesmo de tomar banho e demorado também ,  deve ser que aqui a água doce é farta.....e a energia deve ser bem barata. No Chile certa ocasião estava tomando banho em um hosteria e do nada a água esfriou (a temperatura estava próximo de 5 graus, minha esposa foi reclamar, a pessoa disse que tinha passado o tempo e o temporizador foi acionado. Tive que terminar o banho na água fria mesmo. 

  • kkkkkkk 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Terça, 09 de abril de 2019 - Valladolid

Cheguei no terminal de Mérida às 5:30 da manhã. Fui no guichê da ADO e comprei a próxima passagem pra Valladolid que seria às 6:10. Custou 246 pesos e eu achei caro em comparação com outros trechos já que seriam só 2 horas de viagem. Tem muitos horários de Mérida pra Valladolid, não precisa comprar com antecedência. Tomei um café ali no terminal e segui pra Valladolid.

Até alguns dias antes ainda tinha dúvidas se ficava um dia em Mérida pra ir em Uxmal ou seguia reto pra Valladolid. 22 dias parecem ser muita coisa, mas com tanta coisa pra ver acabamos tendo que escolher prioridades e achei que bancar o louco das ruínas já não seria tão boa opção...resolvi cortar Uxmal, passar reto por Mérida e seguir pra Valladolid.

Chegando em Valladolid fui a pé mesmo pro hostel Tunich Naj, coisa de umas 5 quadras. Cheguei às 9 da manhã, deixei a mochila e aluguei uma bike pra conhecer os cenotes. A diária do hostel foi 170 pesos e o aluguel da bike era 20 pesos por hora ou 100 pesos pro dia todo. Como é tudo plano, uma bike é uma ótima opção pra quem curte pedalar. Eu adoro pedalar e fico com preguiça aqui nos morros da minha cidade então faço a festa quando vou pra um lugar desses 😃 Antes de sair pra pedalar, passei numa lavanderia ali perto e deixei minhas roupas pra lavar, 45 pesos pra 2kg de roupa.

Primeiro fui pros cenotes Xkeken e Samulá, que ficam um de frente pro outro. O tempo tava nublado mas bem abafado. A falta do sol até ajuda a não deixar a pedalada tão penosa. Acabei pedalando pra lá dos cenotes achando que tinha mais um mas não tinha, fui até um povoado chamado Dzitnup onde tem uma pracinha, umas vendinhas e só gente local. Comprei uma água lá pra ajudar a economia local e voltei pros cenotes. A entrada custa 125 pesos e vale pros 2 cenotes. Se quiser visitar só um é 80 pesos. Comprei pros dois. Fui primeiro no Xkeken e tava bem vazio, uma moça nadando sozinha e um rapaz com o pai que entraram junto comigo. Esse tem uma parte mais rasa e aproveitei pra entrar. Fiquei um bom tempinho lá até passar o calor da pedalada e refrescar naquele cenote maravilhoso. IMG_20190409_110642126.thumb.jpg.618544f4d18c19c04a6c430dd64c6a53.jpg

Depois fui pro Samulá, que é mais bonito e tinha mais gente mas não entrei pois era mais fundo. Sentei na beirada, coloquei os pés na água e fiquei lá olhando os peixinhos do cenote virem beliscar meus dedos e conversando com um grupo de argentinos que tava ali.

IMG_20190409_113419582.thumb.jpg.52ee0c696c0e6d1b81fdf31e220e0c2d.jpgIMG_20190409_113700001.thumb.jpg.5638ddc45c50b6846de8e3e6b258e28e.jpgIMG_20190409_113733673.thumb.jpg.3357f82bc27741e98b655dd749747485.jpg

Depois peguei a bike, voltei na direção de Valladolid, atravessei a cidade e fui pro outro lado em direção ao Cenote Suytun. Após mais de uma hora de pedalada cheguei lá. A entrada no Suytun é 120 pesos. Esse é um cenote que as pessoas vão mais pela foto do que pela água. Não tinha muita gente entrando na água mas sempre tinha fila pra tirar foto, principalmente quando o sol saía, já que o tempo tava meio lá meio cá. Se quiser entrar na água tem uma parte rasa legal mas o forte lá são as fotos mesmo. Acho que é o cenote mais famoso do instagram :lol: O tempo que fiquei lá sempre teve gente mas teve momentos tranquilos. Acho que enche mais quando os passeios que vem de Chichen passam lá e como era umas 2 da tarde parece que a maioria passa de manhã antes de ir ou mais a tarde quando estão voltando. Chegou uma hora que o sol não estava saindo mais, mas eu já tinha garantido minha foto então tava de boa. Reparei que a maioria entrava, tirava a foto e saía. Eu preferi ficar um tempão contemplando aquele lugar porque é muito perfeito, é muito lindo. A maioria só pensava no perfil do insta 😆 Aquele “altar” no meio do cenote onde os maias faziam seus rituais, a história que envolve o lugar, a luz do sol entrando ali, tudo é muito foda, é pra contemplar um bom tempo depois de garantir sua foto do insta, não vale a pena entrar só por uma foto, é muito mais que isso….IMG_20190409_131420133.thumb.jpg.3634cda771a6ade79e1f10f009e52226.jpgIMG_20190409_141340097.thumb.jpg.503b8fc8123ce0da2fdf0e2e81aa0fe6.jpg

Voltei pedalando pelo acostamento da rodovia. Tem ciclovia o tempo todo mas naquele trecho estava tao esburacada que preferi seguir no acostamento. A estrada não era muito movimentada mas mesmo assim é bom ter cuidado. Fui pro último cenote do rolê, já bem no meio da cidade, o Cenote Zaci. A entrada custa 30 pesos, ele é fundo, não entrei e não vi muita graça depois de já ter conhecido os outros que eram lindos demais. O bom é que tem um restaurante lá e não é tão caro. Descobri lá que se você comer no restaurante não precisa pagar a entrada do cenote, como eu já tinha pagado eles me deram os 30 pesos de desconto no almoço 😉paguei ao fim 180 pesos numa michelada e os três tempos de almoço e achei justo e até barato por ser um restaurante turístico.IMG_20190409_153656231_HDR.thumb.jpg.c95b3d1a8badaf630113615997ddd3b9.jpg

Voltei pro hostel, fiz o check-in, passei na lavanderia pra pegar as roupas e depois fui bater perna na praça. Valladolid é uma cidade muuuito tranquila. Quase nada de turística, claro que tinham gringos por todos os lados da praça, mas parecia uma cidade qualquer do interior, uma pracinha sossegada, povo tranquilo, cercada de lindos cenotes e ótimo ponto de base pra ir a Chichen Itza, gostei bastante de ter escolhido ficar lá, apesar da cidade em si não ter nenhum atrativo interessante além de sua bela catedral. Fiquei ali pela praça, comendo tacos e paletas, observando a vida a local. Não é uma cidade linda perto de outras que já tinha passado mas eu curti Valladolid.

IMG_20190409_191546310-EFFECTS.thumb.jpg.efa3ba6e7b39e1cf9b96778cba9ee3d7.jpg

Terminei o dia no hostel conhecendo meus colegas de quarto, Andres, um alemão que fala espanhol (não é o mesmo dos passeios de Chiapas, é outro 😄) e a Åsa, sueca. O Andres me disse que tinha ônibus direto de Valladolid pra Bacalar e que ele ia pra lá no dia seguinte à tarde, coisa que eu não sabia, achava que tinha que ir pra Tulum primeiro pra depois ir pra Bacalar e não tinha essa linha no site da ADO nem no Busbud e ele disse que só vendia na rodoviária. Já a Åsa queria ir a Chichen e eu também ia, então combinamos de sair cedo no dia seguinte.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Quarta, 10 de abril de 2019 – Chichen Itza/Bacalar

Levantei 7 horas, fiz checkout, deixei a mochila na recepção e 7:30 já estava com a Åsa esperando o hostel liberar o café. Saímos às 8h e fomos pro ponto de onde saem as vans pra Chichen Itza, de uma garagem ao lado do terminal da ADO em Valladolid. Elas esperam encher pra sair mas encheu rápido. Cobram 35 pesos e levam 35 minutos até lá. Chegamos lá umas 9 horas, dentro do recomendado que é antes das 11 da manhã mas já tinha bastante gente na fila da entrada. Ficamos uns 10 minutos esperando pra comprar o ingresso. Essa é a entrada mais cara do México pois são os mesmos 75 pesos do governo federal mais 406 pro governo de Yucatan, totalizando 481 pesos!!!! Tudo isso porque é uma das 7 novas maravilhas do mundo…🙄

Apesar da fila pra entrar, lá dentro estava tranquilo. O sítio é pequeno, não pode subir na piramide, é mais turistão. Eu achei Palenque mais original, Teotihuacán mais impressionante, Chichen Itzá eu achei muito turístico, meio “fabricado”. O templo é muito bonito, os detalhes desenhados são muito bonitos mas pra uma “maravilha do mundo” eu fiquei meio decepcionado. É inevitável comparar com Machu Picchu ou com o Cristo Redentor e lá eu não senti nada especial. É um sítio arqueológico bonito mas eu só conseguia pensar o que justificava o título de “maravilha”… Enfim, discussões filosóficas a parte, aproveitei os angulos com pouca gente pra tirar muitas fotos, andamos pra lá e pra cá e entre essas andanças e fotos acabei me perdendo da Åsa 🙁 Circulei entre os grupos de turistas ouvindo algumas explicações de seus guias, encontrei um grupo de portugueses com um guia falando em português de Portugal e fiquei um tempinho ali disfarçando e ouvindo, pois apesar do sotaque já fazia mais de uma semana que não ouvia uma palavrinha naquela pitoresca língua :lol: Deixei os portugueses e fui pra perto de outro grupo em espanhol onde estavam explicando sobre o jogo de pelota. E assim, sugando um pouco dos guias alheios, você acaba pegando bem a história dali👍 Fiquei 2 horas lá dentro, não porque tinha muita coisa pra ver mas porque queria sentir o local mesmo. Enfim, mais uma maravilha do mundo pra conta!!!IMG_20190410_092842291.thumb.jpg.28ee90c4c94ea7a905e73fdd3538da82.jpgIMG_20190410_094853368.thumb.jpg.784f00335471e52a3d1a1e2a3baf9d34.jpgIMG_20190410_095411932.thumb.jpg.f0d473cbf87b144839e14e8c606a7a21.jpgIMG_20190410_101136312.thumb.jpg.198bbc4573a6cc74df670e2aab96998d.jpgIMG_20190410_103940324.thumb.jpg.84f57cbe98d9554c16e31f60c7ba9046.jpg

Peguei uma van de volta ao meio-dia e fui na rodoviária ver a passagem pra Bacalar. Comprei no mesmo ônibus que o Andres ia por 215 pesos às 14:30. Passei na praça em um restaurante pra provar a sopa Tlalpeña, tradicional de Yucatan com frango e legumes e fui pro hostel. Encontrei o Andres, reservamos um hostel em Bacalar e fomos pro terminal. O ônibus era da empresa Mayab, do mesmo grupo da ADO mas um ônibus inferior, sem banheiro e sem tomadas. Ele vinha de Mérida e ia pra Chetumal e ia parando nas cidadezinhas pelo caminho. São 4 horas de viagem até Bacalar e eu gostei de ir vendo os vilarejos do interior por onde passamos, com suas casas cobertas com um telhado de choupana. Fui refletindo sobre como seria a vida naqueles rincões...Chegamos em Bacalar ao fim da tarde e fomos andando mesmo até o hostel, que não é lá muito perto mas nada que uns 25 minutos de caminhada não resolvam 😅 Ficamos no Green Monkey que é bem localizado, perto da praça central e com acesso direto à lagoa. Não era barato, era o hostel mais caro da viagem, diária de 440 pesos, mas que valia a pena por ser pé na lagoa. Só por isso mesmo já que o café da manhã era fraco e o wifi falhava muito. Em geral os hostels em Bacalar são caros. Tinha espaço para barracas no gramado do hostel pra quem quisesse acampar e deve ser mais barato. O Andres ia procurar um restaurante com música ao vivo pois ele queria dançar salsa. Eu preferi conhecer a praça. Mais uma praça muito tranquila, outra cidade muito sossegada. Bacalar é a perfeita definição de sossego e a lagoa é a perfeita definição de Caribe! E apesar de todo esse sossego você ainda vê um policial em cada esquina. Literalmente. Super policiada, não passa uma esquina que não tenha um tira 😆 Uma cidade pequena, não deve ter mais de 20 mil habitantes, cheia de gringos mas que podemos dizer que ainda não foi descoberta pelo turismo...Passei numa sorveteria e pedi o sorvete de passas ao rum com mais rum que já provei na vida 😋 tanto que o nome dele era rum com passas na verdade 😃 fiquei por ali mesmo curtindo aquela praça, crianças correndo, gringos passando, barzinhos lotados…já curtia Bacalar de cara!!

 

Quinta, 11 de abril de 2019 – Bacalar

Dia de relaxar em Bacalar, um lugar ainda desconhecido pra muita gente, que fica quase na fronteira do México com Belize e é famosa por sua maravilhosa Laguna de 7 Colores. Não estava no meu roteiro original e só descobri sua existência pouco menos de 1 mês antes de viajar mas já foi o suficiente pra eu ter certeza que precisava ir lá. Hoje posso dizer, com certeza, não é possível deixar Bacalar de fora do roteiro, aquela lagoa é linda demais e se você pensar na quantidade de sargaço que vai encontrar nas outras praias de Quintana Roo e que aquela lagoa é linda, limpa e de água doce, vai ver que será um péssimo negócio não ir em Bacalar. Da porta do quarto no hostel já tenho essa vista…IMG_20190411_180551765.thumb.jpg.35a140bd35abdcce56905acd2f0621bb.jpg

Conversando com um casalzinho argentino (sim, argentinos...vão aparecer muitos nessa parte do relato 😆) na mesa do café da manhã, descobri que dava pra ir de ônibus de Palenque pra Bacalar e que eu dei uma volta e tanto indo pra Valladolid primeiro...enfim, planejem bem sua rota com essa informação 😉

Depois do café fui no pier do hostel. A maioria dos acessos à lagoa são privados, de hostels, pousadas ou restaurantes. Tem alguns acessos públicos mas eu acho que vale a pena escolher um hostel que te dê acesso direto à lagoa. O do hostel tinha até balanço. Passaria de boa o dia ali relaxando mas pra ver melhor toda a beleza da lagoa o bacana é fazer a navegação. Os passeios são entre 250 e 300 pesos pelo que pesquisei mas os 2 que vi eram 300 pesos. Sim, só vi dois…andei por toda a extensão da avenida da orla e só vi 2 lugares oferecendo passeio e tinha que esperar pra juntar gente. A cidade tava muito calma, não tinham turistas circulando e esperei uma meia hora até completar a turma pra saída do barco. Dura 2 horas e meia, para em 3 lugares pra descer e nadar e atravessando a lagoa você vai vendo a divisão de cores e os mais variados tons de azul. SIMPLESMENTE LINDO. Terminado o passeio voltei pro hostel e fiquei lá curtindo o sol à beira da lagoa. Ehhhhhh vidaaaa...IMG_20190411_103241182-EFFECTS.thumb.jpg.c57dc5a5d740cf65858a795d3dabd625.jpgIMG_20190411_114034535-EFFECTS.thumb.jpg.af0aad06c6228b71215621c404c0ead7.jpgIMG_20190411_120734624.thumb.jpg.990a9b8f2e6c9700cc5df9cac75dc0b3.jpgIMG_20190411_123806689.thumb.jpg.f8120a9a9ff9e7409e2d6ee54dc1bc86.jpgIMG_20190411_125733457.thumb.jpg.b5a886b981e67fc70679e43bf7cf29f3.jpgIMG_20190411_133255164.thumb.jpg.e99d22dd5394325cef6336e9bc4c34a1.jpgIMG_20190411_163131706.thumb.jpg.d24dfb2e7dfceb314fd35975292e1451.jpg

Depois que o sol se foi, tomei um banho e fui curtir o zócalo. Aquele vai e vem de pessoas nos restaurantes, comi um burrito gigante numa lanchonete, marquesita dos ambulantes, outro sorvete de rum com passas...Que lugar gostoso aquele zócalo de Bacalar!!!! Voltei no hostel e o Andres tinha comprado suco de tomate pra misturar com cerveja 😲 disse que era assim que se tomava michelada na Guatemala… até que não é tão ruim como pensei que fosse 😀gostei...cerveja com suco de tomate, onde  eu pensava que ia beber isso 🤪 no México ora, vamos abrir a mente neé
Depois me chamou pra ir no bar que ele tinha ido na noite passada que ia ter salsa lá de novo e era bom. Então fomos. Chama La Catrina e acho que era a única balada da cidade. Ficamos até 1 da manhã. Voltamos pela rua escura com um monte de poste queimado mas com um policial em cada esquina tava tudo tranquilo 😎

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sexta, 13 de abril de 2019 – Bacalar/Tulum

O dia amanheceu nublado. Assim o lago já não ficava tão bonito mas mesmo assim pela primeira vez na viagem sentia que deveria ficar mais ali, apesar que isso ia me comprometer outros lugares. Se soubesse o que me esperava em Playa del Carmen eu tinha ficado mais em Bacalar…

Me despedi daquela laguna inesquecível, fui a pé pro terminal e comprei passagem pra Tulum às 10:15 por 274 pesos. Cheguei em Tulum 1 da tarde e fui pro hostel que era próximo do terminal, umas 2 quadras. Fiquei no Weary Traveler, um hostel bem bom, wifi ok, bar com happy hour de caipirinha free, café bom, gostei de lá. Diária 250 pesos.

Saí pra procurar comida e encontrei um restaurante bacana chamado México Lindo onde pedi sopa de lima, um espaguete trabalhado na pimenta e água de jamaica por 155 pesos. Já se nota que estamos entrando na parte mais cara do México. O copinho de manga em pedaços já sobe de 10 pesos no interior pra 30 pesos em Tulum 😲 Calor bravo da tarde, resolvi descansar no hostel. Mais tarde desci pro bar pra caipirinha grátis que é de 7 a 8 da noite. Era fraca mas era grátis 😂 socializei com a galera lá, dois espanhóis de Barcelona que se chamavam Juan, 2 noruegueses, uma francesa, uma sul-africana, e um montããão de argentinos 😆 Latinha de Corona no bar do hostel 30 pesos. Bem mais tarde, quando a turma dispersou, saí pra ver como era a noite de Tulum. Tava meio miada, vi poucas baladas, tem mais barzinhos que Bacalar mas não tava bombando não, tava tranquila. Fiquei um tempo observando o movimento, uma cervejaria chamada Chapultepec era onde tava bombando mais. Tinha um grupo de capoeira de Angola numa praça se apresentando, fiquei ouvindo umas músicas no português de Angola. Portugueses, angolanos, só assim pra ouvir português, porque brasileiro…nem sinal

 

Sábado, 13 de abril de 2019 – Tulum

Aluguei uma bike no hostel pra conhecer a cidade. Cobram 120 pesos pro dia todo. Primeiro fui ao Grand Cenote que paga 180 pesos pra entrar, o cenote mais caro que fui, os de Valladolid eram todos mais baratos e mais bonitos. Lá tem uma parte rasa e outra mais funda e até um lugar onde dá pra atravessar nadando pro outro lado. Vi muitas tartarugas lá também.IMG_20190413_110901575_HDR.thumb.jpg.c62f8f1bf518babda5b3738782cea74a.jpgIMG_20190413_114830123.thumb.jpg.bb0169c2cea93e4180ca89d5285e1554.jpg

Fiquei um tempo lá e depois pedalei por quase 1 hora até as ruínas de Tulum. Clássica entrada de 75 pesos. Lá é mais simplesinha em comparação com outros sítios arqueológicos mas tem o grande diferencial de estar na beira do mar. Depois de incontáveis dias encontrei por lá alguns brasileiros, nem sabia como falar com eles 🤪 Encontrei também o Juan e a Marcela, o casal argentino do passeio de Palenque, legal trombar com alguém que você pensa que não vai mais ver né 😀 Depois de uma hora rodando lá peguei a bike de novo e fui pra área das praias. Entrei num dos acessos à Playa Paraíso, seria meu primeiro contato com uma praia mexicana e...com o sargaço...essas algas chatas que tomam conta das praias naquelas bandas. Tinha muito sargaço lá, tava nublado, não tava muito bom mas mesmo assim ainda fiquei um tempo na areia. IMG_20190413_132534874_HDR-EFFECTS.thumb.jpg.01d4f2b8326f6c74b7f8fdd496a80ff2.jpgIMG_20190413_133705337_HDR.thumb.jpg.dad7223b081d7a9853111e5f3980044a.jpgIMG_20190413_141010028_HDR.thumb.jpg.1988b983d9fa1d80806404b754bf7c39.jpg

Voltei pro hostel, tomei um banho e fui de novo comer no México Lindo porque tinha gostado do ambiente e da fartura no dia anterior. Pedi uma sopa azteca, um burrito gigante e água de tamarindo por 155 pesos. Fui pro hostel e aí tinha decidido que ia cortar Playa del Carmen e Cancun do roteiro e ia direto curtir as praias de Isla Mujeres só que não achei vaga pros hostels de lá pro dia seguinte nem no Booking nem no Hostelworld e como não sou desses que vai com a cara e a coragem tentar vaga lá acabei reservando pra segunda e ir pra Playa no domingo, assim pelo menos ia ver se a tão famosa e badalada Playa del Carmen é assim tão boa. Mas no fundo eu tava triste por não ir pra logo pra Isla e pensando que poderia ter ficado mais em Bacalar. Pra alegrar, chegou a hora da caipirinha free no hostel e a desse dia tava mais forte, tava melhor. Depois fui pra rua, lá na praça tinha um ringue de boxe e um monte de gente ensandecida com as lutas :lol: no intervalo das porradas subia um cantor sertanejo de sofrência mexicana ::lol3::Comi uns churros, que no México não são recheados, apenas jogam o doce de leite ou leite condensado ou seja lá o que você pedir por cima dos churros e é isso 😉

Quando voltei pro hostel a turma lá tava indo pra uma balada de eletrônica chamada Xibalbar. Não é bem meu estilo de música mas era uma das poucas opções que tinha na cidade, então fui também. Ficamos até 3 da madruga.

 

Domingo, 14 de abril de 2019 – Tulum/Playa del Carmen

Depois do café me despedi de Tulum. Fui de colectivo pra Playa del Carmen, aquelas vans que passam na avenida principal de Tulum a cada 3 minutos e custam 45 pesos e também vão parando por aí deixando o povo nos resorts, na entrada do Cenote Dos Ojos e nos parques Xcaret, Xsenses, Xplor e Xtudo 😆 Em menos de 1 hora chegamos em Playa, ponto final na esquina da calle 2 com avenida 15, bem perto já de onde tudo acontece. Fui pro hostel 3B que tinha ouvido falar bem. Tem piscina e a festa no bar começa as 14h. Diária de 280 pesos. Antes de gastar a tarde toda na piscina fui conhecer a praia ali perto mas tinha muito sargaço.IMG_20190414_131724169.thumb.jpg.88eafd8dce073947b0de3b2bc6eabbc8.jpgVoltei pro hostel e fiquei a tarde inteira na piscina, tomando sol e drinques, conversando com um mexicano gente boa e vendo as gringas torrando 😄 A festa de domingo é famosa, mas vem muita gente da rua e depois que anoiteceu notei que o público tinha mudado bastante...tava virando meio que festa gay...não via mais os hospedes e saí pra comer. Apesar de Playa ser cara, achei ali perto do hostel na avenida 10 um restaurante chamado La Mision com menu del dia a 90 pesos. Depois da almojanta voltei pro hostel e caiu um baita toró. Fiquei no quarto esperando passar. Lá pelas 22h que melhorou aí saí pra ver a famosa 5ª Avenida à noite. Não sei se foi a chuva ou qual motivo mas não tava bombando, não conheci a tão badalada Playa del Carmen, o movimento tava meio miado. Fui até o Cocobongo, 80 dólares o open bar...eu tava meio que numa vibe pra baixo, pensando que já poderia estar em Isla Mujeres e apesar de ter curtido a tarde na piscina eu tava meio que puto com aquele lugar...não ia rolar nada naquela cidade pra mim...voltei pro hostel, subi pra ver a festa e tava a mesma coisa de quando eu saí, não era minha turma, a música não era meu estilo, eu tava totalmente deslocado. Fui pro quarto

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Segunda, 15 de abril de 2019 – Playa del Carmen/Isla Mujeres

Acordei animado pra ir embora de Playa 😆 Nem cogitei a possibilidade de ir pra Cozumel pois li que era um lugar mais pra quem curte mergulho e eu não sei nadar e tenho fobia de ficar embaixo dágua então não ia rolar, mas quem curte mergulho Cozumel parece ser bacana. Também descartei ficar em Cancun pois já pensava que a cidade não era meu estilo e pelo que provei em Playa (que dizem ser uma mini Cancun) percebi que não ia curtir Cancun também. Mas tava com ótimas expectativas pra Isla Mujeres.

Tomei café e fui pegar uma van pra Cancun, que saem de uma garagem ao lado de onde desci vindo de Tulum e custam 42 pesos. Já tava saindo uma e completei a lotação. Menos de uma hora até Cancun e o ponto final é do outro lado da avenida em frente ao terminal da ADO. Pedi informação de como ir ao porto e me indicaram um ponto ali perto onde ia passar um ônibus escrito Puerto Juarez. Rapidinho ele apareceu, é a linha R-6 e custa 10 pesos. Leva uns 10 minutos até o terminal com direito a passar dentro de um bairro residencial ali perto. Comprei o ferry ida e volta por 300 pesos, não tem data marcada de volta então pode comprar mesmo que vá ficar uns dias na isla. Cheguei em Isla ao meio-dia e fui pro hostel Pocna. A diária custa 250 pesos e é um hostel sensacional, redes amarradas nos coqueiros, pé na areia, bar com festa até 3 da manhã, tudo que eu precisava 😀😎 Descobri lá com o recepcionista que o hostel sempre lota nos fins de semana e que nesse ele estava ainda mais lotado pois no dia seguinte seria aniversário da gerente e ela comemorou no fim de semana e vieram muitos amigos e conterrâneos dela...me disse que o nome dela era Vanessa e era brasileira. Fiz checkin e logo fui dar uma voltinha pra reconhecer o território...IMG_20190415_142731430-EFFECTS.thumb.jpg.22a8fe2e63c0982eb7790569613503c3.jpgIMG_20190415_145622651.thumb.jpg.20894300302231fe22abebf0dcf23f91.jpgIMG_20190415_190637215.thumb.jpg.9d07e11053e542b09497460abce0766c.jpg

Depois passei a tarde nas redes do hostel, curtindo o sol e a brisa do Caribe, ouvindo o som das ondas ali do lado...perfeito...O hostel não dá acesso direto pra água por causa da cerca mas o mar tá ali, do ladinho e sem sargaço...perfeito...Anoiteceu e fui comer no hostel mesmo, a cozinha serve pratos com preços bons, no máximo 70 pesos. Vi os argentinos que estavam no hostel de Tulum chegando e como já estávamos enturmados fomos jogar sinuca. Tinha musica ao vivo, pensa num hostel com um ambiente top…é o Pocna!!! 11 da noite acaba o som na area da recepção e abre o beach bar ali do lado. A gente que chega pra primeira diária ganha um drink de boas vindas e depois se for continuar bebendo eles fazem tipo um happy hour com 2 copos pelo preço de 1 e eu dividia com os argentinos. A moça que trabalhava no bar começou a dançar quando tocaram funk então desconfiei que fosse a tal Vanessa. Fui conversar com ela e pensa numa mina gente boa... ela é gerente do hostel e ainda trabalha no bar quando falta funcionário e dança pra caramba😄 é baiana e o aniversário dela seria em poucos minutos mas a festa com brasileiros que lotou o hostel foi no fim de semana e todos os outros brasileiros já tinham ido embora e naquele momento só tinha nós, junto com metade da Argentina ::lol3:: 

A festa foi seguindo com pop, reggaeton, luz da lua, brisa gostosa, coqueiros...Que lugar meus amigos, toda minha decepção com Playa del Carmen já tinha sido esquecida 😃 Curtindo demais até 3 da manhã…

 

Terça, 16 de abril de 2019 – Isla Mujeres

Nada, nada, nada...dia de não fazer nada a não ser curtir a praia, o sol, o mar, o Caribe...Rede, coqueiros, gaivotas passando…ficar num hostel pé de areia tem lá suas vantagens...e são muitas 😀 Fui também pra Playa Norte que mais parece uma piscininha cheia de peixinhos. Fiquei só naquela parte da ilha mesmo, muita gente aluga aqueles carrinhos de golfe pra rodar a ilha ou vai de bike mas eu tava afim de ficar de boa mesmo. Tinha ouvido falar que aquela parte da ilha era a mais bonita então nem quis ir pro outro lado. Um dia pra chamar de férias no sentido mais estrito da palavra 😎 se dava sede eu ia no meu vício chamado La Michoacana e pedia um vaso de uma água qualquer, horchata, sandia, tanta opção boa, por 25 pesos e vem aquele copo que cabe um litro ::otemo::Mais um pouco de rede e sol até o ultimo minuto possível. O sol se pos e no dia seguinte eu tinha voo pra Cidade do Mexico puxaaaa eu ficaria fácil mais um dia em Isla, ou uns…IMG_20190416_114732211.thumb.jpg.7fae2a5bf281cf791bd444bc50946179.jpgIMG_20190416_114811097.thumb.jpg.8728b5c4dacaccc7b9ac1e5b348b7acd.jpgIMG_20190416_115919938-EFFECTS.thumb.jpg.50b203b87e16236d3e315dc8f56b0df6.jpgIMG_20190416_120003411.thumb.jpg.2a8b18e92ded15a940fca2d975656502.jpgIMG_20190416_181849188_HDR-EFFECTS.thumb.jpg.560c4d91f67fa9e3445aaeecf2b7c5dc.jpg

De noite a mesma coisa, jantei no hostel, chegaram mais umas argentinas, uruguaios, canadenses e fomos curtir o bar de novo até as 3 da manhã, olhando a lua entre as folhas dos coqueiros, sentindo o vento na cara, descalços na areia, nunca vou esquecer as festas do Pocna, adorei o ambiente do hostel e apesar de achar que figurinha repetida não completa álbum...Isla Mujeres bem que merece um replay…

 

Quarta, 17 de abril de 2019 – Isla Mujeres/Ciudad de México

Como disse no início do relato, quando vim pro México a única coisa que eu tinha já comprado era o voo pra Cidade do México. Nos próximos dias seria o feriado da Semana Santa e os preços estavam acima de 2000 pesos e consegui um voo por 860 pesos pra quarta, então tinha que ir embora…☹️

Tomei café assim que liberou às 8 horas, saí as 8:20 e do hostel até o porto são uns 7 minutos a pé. Já tinha comprado ida e volta então era só entrar na fila. Peguei o ferry das 8:30 e em meia hora cheguei em Cancun. Atravessei a passarela de saída e vi uma van no ponto escrito “Terminal ADO”. Custava 10 pesos igual os ônibus e rapidinho cheguei lá. Comprei passagem pro aeroporto às 9:30 por 90 pesos(tem de meia em meia hora). Cheguei no aeroporto às 10h e tinha uma fila grande pra despachar bagagem. Comprei pela Viva Aerobus, que é uma lowcost do México e no site deles tem 3 opções de passagem, uma só com bagagem de mão, outra pra despachar uma bagagem e outra com umas vantagens mais. Tinha comprado a intermediária que dá direito a uma bagagem despachada. Também tem que baixar o aplicativo deles pra mostrar o cartão de embarque ou já levar impresso, pois se for imprimir no aeroporto tem que pagar mais 100 pesos. Já encontrei alguns brasileiros no aeroporto e por coincidência eles eram meus vizinhos de assento no avião. Encontrei nesse voo mais brasileiros do que em 22 dias no México ::lol3::O voo de 2 horas passou rapidinho batendo papo com brasileiros depois de praticamente 2 semanas sem uma boa conversa com nenhum. Sobre a companhia aérea, a Viva é bem low cost mesmo, até a água é vendida no avião (35 pesos) 🙄 mas foi um voo de boa, é o que importa👍

Chegando em México City de novo, de volta onde tudo começou, fui pro metrô agora já sabendo tudo como era, repetindo o que já tinha feito há 19 dias atrás...Fui de novo pro Mundo Joven Catedral, com aquela sensação que tava voltando pra casa. Fui num restaurante chamado Sienra’s na avenida 20 de noviembre, aquela que fica em frente ao zócalo, pedi um menu del dia por 83 pesos e saí rolando de tanta comida 😅Voltei pro hostel e subi pro bar do terraço, como sempre a maioria eram pessoas da rua que iam lá pelo bar, mas uma menina me viu com pulseirinha do hostel e veio conversar comigo. Era a Daniela, uma peruana de Lima e ela também tava hospedada lá e, assim como eu, achava que era um bar do hostel mas era lotado de pessoas aleatórias e ela tava procurando outros viajantes pra interagir. Ficamos um tempinho trocando experiências de viagem e quando ela desceu e fiquei sozinho logo vieram umas mexicanas me abordar...aquela mesma coisa que eu falei no início do relato sobre a procura delas por estrangeiros no bar do hostel :grin: Depois que as mexicanas foram embora fui dar uma volta na Madero e no zócalo, sempre lindo e iluminado à noite porém sem a famosa bandeira do México que geralmente é recolhida ao anoitecer. IMG_20190417_192647969_HDR.thumb.jpg.4c27406240234130e2dd991aefe40067.jpg

Voltando pro hostel resolvi ir pra cozinha ao invés do bar, afinal lá deveria encontrar viajantes e não tantas pessoas aleatórias. Encontrei a Daniela lá conversando com o Alejandro, um mexicano que estava trabalhando de voluntário no hostel. Juntei na conversa e o Alejandro estava explicando sobre os toltecas, suas culturas e suas crenças, o papo passou por civilizações antigas, evolução cósmica, gírias da América Latina, enfim, de tudo um pouco...tava muito mais bacana que o tunt tunt do bar com um monte de gente nada a ver...às vezes é isso que a gente busca quando viaja, não é só bebida e festa, um bom papo cabeça com pessoas interessantes faz toda diferença...

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Show brother, relato excelente e fotos iradas.

Tô indo agora em setembro pro México, 17 dias. Só queria ter conseguido uma passagem BH > México barata igual a sua kkkkkkk

Não vejo a hora de ir!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Paulo Mendonça
      E aí, galera. Farei uma conexão de cerca de 14h na Cidade do México (das 17h40 do domingo até 07h30 da segunda) com a minha mãe. Farei uma reserva de um hotel dentro ou bem próximo ao aeroporto e gostaria de sugestão de locais para dar uma volta rápida na cidade, conhecer algo e comer tb. Valeu!
    • Por Sthefany Duarte
      Olá pessoas,
      Irei realizar um intercâmbio na universidad de Guadalajara por 6 meses, mas não sei nem por onde começar! 
      Gostaria de dicas e ajudas:
      Qual a formas mais baratas de chegar lá saindo do Rio de Janeiro?
      Hospedagem lá alguém me recomenda algo?
      Qual o custo de vida? e quanto devo me preparar para gastar ?
      A vida não é só estudos então me ajudem, o que eu não posso voltar para casa sem ter conhecido/ vivido?
      Obrigada pela ajuda desde já! 
    • Por Souza Marcio
      Olá, depois de um tempo de acontecido, venho dividir com vocês minha lua de mel em Cancún. A escolha se deu por parte da minha esposa, da minha parte eu iria para Punta Del Este.
      A chegada no aeroporto de Cancún deve ser com atenção, porque você é atacado por pessoas vendendo pacotes de passeio e taxistas igual fosse uma rodoviária grande.
      Dica: tem umas vans que vão para a zona hoteleira com o preço mais barato que os do táxis, igual regime de lotada, encheu partiu. 
      Não vá de táxi, a chance de você ser enganado é alta, melhor opção é a van, porque você vai com mais gente e o caminho é um só, todos vão para zona hoteleira (isso se você for se hospedar lá)
      Pois bem, fomos no mês de Setembro pra lá e todos os sites e dicas que eu pegava dizia que não é uma temporada boa pra viajar pra por causa do período climático de muitas chuvas, demos sorte de não pegar chuvas nem furacões no período que tivemos lá, só um dia que choveu a noite e só, mas na Cidade do México houve um terremoto de grandes proporções que me deixou bastante preocupado, porém conversando com os locais, me informaram que esses eventos em Cancún são basante raros.
      Ficamos hospedado no The Royal Islander.
      Prós: Infraestrutura ótima, funcionários excelentes. Vão faltar palavras pra descrever os pontos positivos, porém não posso deixar de mencionar alguns pontos.
      - Tem um mini mercado dentro do hotel que você pode comprar usando de um saldo calção que deixa na hora do check-in que pode ser usado para tudo o que você comprar dentro do hotel, se não me engano o mínimo que pode deixar é U$100,00 e com esse valor consegui me virar muito bem com itens como: água, lasanha de microondas, souvenires, sucos, biscoitos e os lanches nos restaurantes durante 5 dias. As coisas são muito baratas e o dólar comparado ao peso mexicano faz bastante diferença.
      - O hotel é grande suficiente para ter três restaurantes super bons, tem um restaurante mais chique, outro mais casual e outro para lanches, todos top demais.
      - A limpeza é impecável, jardins muito bem cuidados, o hall de entrada sempre limpo e cheiroso. O custo benefício em se hospedar lá vale muito.
      - Essa rede de hotéis tem a vantagem de te autorizar o trânsito nas partes comuns dos hotéis deles. Há um ônibus que te leva de um hotel a outro e o melhor hotel dos dois hotéis da rede é o The Royal Sands, esse é sacanagem de tão lindo que é, fui lá e tirei uma ondinha na piscina que parece que faz ligação com o mar.
      Contra: Longe do centro urbano, como toda a zona hoteleira. (aproximadamente uns 10 min de ônibus)
      - Café da manhã sem variedade, ainda mais para quem ficou 5 dias, nada que denigra a qualidade do café da manhã.
      The Royal Islander
      .
      The Royal Sands

      Os passeios são bastante comum a todos os visitantes da cidade e não tenho muito a acrescentar.
      Chichén Itzá opte por um passeio que não inclua a parada em tribo local para almoço. O bagulho é longe pra canudo estava um calor fora do comum uma umidade do ar nas alturas, comida ruim, nada pra ver de legal e uma chance de passar mal bem grande, minha esposa e eu estávamos preocupadíssimos um com o outro, se segurando pra não passar mal e não falamos isso pra não nos preocuparmos, tentam te vender todas as pedras dizendo que são energizadas. Pra quem gosta e é adepto de um passe de macumba, tem isso lá de graça. A companhia que fez nosso turismo pra lá foi a 13 Baktun não sei se todas incluem essa parada no roteiro, mas esta sim então fica a dica.

      Isla Mujeres: Vale a pena o passeio, vá até o cais no centro (para quem está no zona hoteleira, os ônibus passam lá 12 a 15 min de viagem. valor do passagem 1 dólar para todos os ônibus)  e pegue um ferry boat, há várias companhias que fazem o trajeto para a isla, veja a que valha mais a pena e bom passeio.
      Dica: Dentro do barco tem várias atrações legais, danças de países latinos, bebida liberada e muito sorriso, nesse trajeto vão te vender passeios na ilha, como andar de carrinho de golfe ou mini bug, esteja sóbrio e atento para escolher e estar ciente de todas as informações. Eu e minha esposa não somos adeptos a bebida alcoolica e passaram a perna em mim, comprei um passeio de mini bug e não me falaram que precisa estar com minha habilitação brasileira para dirigir o bug e eu nem perguntei, pois achava que não precisava e não valeria, mas chegando na ilha me pediram a cnh, quis cancelar o passeio, só que pra cancelar o passeio tem que pagar uma multa e pra dirigir o mini bug tem que pagar uma taxa de seguro, ou seja, te enrolam de todos os lados, se isso foi avisado? Claro que não, paguei a droga do seguro pra dirigir pela ilha.
      Valladolid: Foi uma parada na volta do Chichén Itzá. É uma pequena cidade, do tamanho de um bairro, que é centenária (datada de 1543), do período maia e é reduto de maioria do povo de origem maia. Culturalmente muito rico. Não faça esse passeio aleatoriamente, só se tiver atrelado a Chichén, é muito longe, umas 2 horas de viagem pra ir sozinho.

       
      Cenote: São vários em Yucatán, os roteiros que passam por chichén sempre incluem um cenote qualquer. São cavidades naturais na terra com águas muito profundas, te dão toda o equipamento para nadar no cenote, pagando alguns dólares por isso. (a época que fui foi 10 ou 15 dólares)
       


      Resumindo:  Não voltaria, a cor da água realmente é sacanagem, muito bonito, mas a água do mar é quente e no período que fui muito suja de alga. De bonito é isso e a parte de infra da zona hoteleira que foi construída sob medida pra isso. O centro urbano é precário e feio, achei parecido com a Uruguaiana no RJ rsrsrs. No mais é mais badalado do que realmente é. (minha opinião)
      Diferente do que achei de Barcelona, ahh mas é na Europa, ok. Porém achei que valeu muito mais a pena o investimento, falando financeiramente, gastei um pouco menos em Cancún, algo em torno de R$1,5K a menos, se pudesse colocaria esse valor e voltava pra Barcelona, sem dúvida.

      Leia meu relato sobre Barcelona aqui
       
    • Por BeatrizCSS
      Olá pessoal!! Tudo bem ? Pretendo passar 26 dias viajando pela parte central do México, chegando dia 09/04 de Guadalajara e voltando dia 05/05 de Guadalajara, poderiam por favor me ajudar vendo se meu roteiro está ok ou se devo fazer alterações no tempo de cada lugar, ou se devo excluir alguma cidade e acrescentar outra? E se puderem contribuir também com dicas do que eu devo fazer nesses lugares serei eternamente grata 😅 
      Guadalajara (09/04 até 11/04)
      San Luis Potosi (11/04 até 13/04)
      Guanajuato (13/04 até 16/04)
      Querentáro (16/04 até 17/04)
      Vera Cruz (17/04 até 20/04)
      Puebla (20/04 até 22/04)
      Guerreiro - Acapulco (22/04 até 24/04)
      Cidade do México (24/04 até 02/05)
      Guadalajara (02/05 até 05/05)
      Se alguém estiver com datas que coincidam pode me chamar pq estou sem companhia para a maioria dos lugares 😊
       


×
×
  • Criar Novo...