Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Mochileirxs, bom dia. Como estão?

Estou começando a desenhar "a viagem dos sonhos" pela Ásia de 6 meses (ou um pouco mais) a partir de outubro/2020. Tirei algumas dúvidas em tópicos aqui no fórum, mas quanto mais leio mais questionamentos surgem. Pode me ajudar com algumas dicas?

A propósito, já olhei em alguns lugares a época de monções de cada país e tô construindo o caminho com base nisso.

Também vi os países e locais de meu interesse (a princípio nessa ordem por questões geográficas), mas não fiz a distribuição de dias pois comecei a organizar isso há menos de uma semana. O que acham? Alguma sugestão em relação aos lugares que já inclui? E sobre Butão, Filipinas e Indonésia... Acham que dá para incluir nessa vez ou o tempo vai ficar curto? Vocês têm sugestões de trekking em algum desses países?

Nepal: Kathmandu, Everest Base Camp Trek, Bakhtapur, Pokhara, Chitwan e Lumbini (aprox. 30 dias);

Índia: Varanasi, Khajuraho, Agra, Jaipur, Udaipur, Jodhpur, Jaisalmer, Bikamer, Amritsar, Dharamshala, Haridwar, Rishikesh, Nova Delhi, Kerala, Goa e Ajanta Caves (aprox. 45/50 dias);

Butão: ainda pensando sobre a ida, sobretudo em razão do custo pela obrigatoriedade de guia;

Myanmar: Mandalay, Bagan, Pindaya, Ngapali Beach e Yangon;

Tailândia: Bangkok, Koh Lipe, Railey Beach, Koh Yao Noi, Koh Phi Phi, Chiang Mai e Pai;

Laos: Luang Prabang, Nong Khiaw, Muang Khua, Vientiane e Thakhek;

Camboja: Siem Reap, Battambang, Phnom Pehn, Koh Rong, Koh Rong Samloen e Sianoukville;

Filipinas: ainda pensando pelo tempo que terei disponível e custos;

Indonésia: ainda pensando pelo tempo que terei disponível e custos;

Vietnã: Ho Chi Minh, Mui Ne, Da Lat, Nha Trang, Hoi An, Hanoi, Halong Bay, Sa Pa e Ha Giang.

Grande abraço a todos e muito obrigado.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá! Não conheço todos os países que você pretende ir, mas acho que o tempo vai ficar apertado se incluir os outros países que está em dúvida, porque só o tempo que você reservou para Nepal e India já consome quase metade da sua viagem.

Em Myanmar senti falta de Bagan, que é o principal motivo de todo mundo querer ir lá... Gostei muito da região do Inle Lake também

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@samanthavasques olá, obrigado pelo comentário!!

Pois é, consigo ficar até 7 meses, mas nada além disso. Entre esses três, tô pensando em deixar Filipinas e Indonésia para uma segunda oportunidade, não quero passar muito rápido pelos países e li em umas páginas que consomem bastante tempo em razão do deslocamento entre as ilhas.

Mas faço questão de ir ao Butão, só não sei ainda pela questão da obrigatoriedade de guia... parece que é um custo aproximado de 250USD/dia, com tudo incluso.

Sobre Bagan... tá no meu roteiro e pulei sem querer, acabei de editar a postagem :)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
22 horas atrás, nunes.rpa disse:

@samanthavasques olá, obrigado pelo comentário!!

Pois é, consigo ficar até 7 meses, mas nada além disso. Entre esses três, tô pensando em deixar Filipinas e Indonésia para uma segunda oportunidade, não quero passar muito rápido pelos países e li em umas páginas que consomem bastante tempo em razão do deslocamento entre as ilhas.

Mas faço questão de ir ao Butão, só não sei ainda pela questão da obrigatoriedade de guia... parece que é um custo aproximado de 250USD/dia, com tudo incluso.

Sobre Bagan... tá no meu roteiro e pulei sem querer, acabei de editar a postagem :)

Velho, acho que Filipinas é um dos lugares que você precisa ir! Já passei por todos esses locais - salvo Nepal/Índia -  que você apontou e as Filipinas foi o que mais me surpreendeu no quesito natureza.. ainda tá muito inexplorado então remete a uma Tailândia de uns 10/15 anos atrás..sem aquele tanto de turista, sujeira e afins. Se não tem tanto tempo, vá para Palawan, El Nido, Coron e região.. dê uma olhada no Tao Explorers. Enfim, eu recomendo muito as FIlipinas!!

Abs e boa viagem! 
 

 

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@nunes.rpa uma viagem longa realmente nao é facil planejar, mas de toda forma por mais que voce faça um roteiro "perfeito" ele apenas servirá de base para voce ter um norte durante a viagem. Vai ter momentos em que voce irá excluir algum destino pre definido e outros momentos tomará outra direção incluindo lugares que voce nem conhecia.

Conheço apenas metade dos países que voce citou, mas concordo com o que o Victor comentou acima, as Filipinas é um lugar surreal, vale muito a pena voce tentar incluí-la nessa viagem. Quem sabe diminuir o tempo de viagem em algum país como a India ou abrir mao de algum outro país. 

Na minha opinião as praias de lá não perde em nada para as prais da Tailândia. Se voce for primeiro para a a Tailândia e depois para as Filipinas acho que vai se surpreender mais do que se fizer o contrário.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

5 horas atrás, samanthavasques disse:

@victorprado e @lobo_solitário não sei se vocês convenceram o @nunes.rpa, mas eu já tô procurando passagem pras filipinas agora kkkkk

Hahaha ti garanto que não vai se arrepender! Lá não é um destino tão comum pelos brazucas principalmente pela distância e pelo preço da passagem,  mas aos poucos vai se popularizando.

Uma viagem de pelo menos uns 15 dias por lá é possível conhecer os principais locais com calma. A logística entre as ilhas é um pouco chato, então um planejamento prévio ajuda bastante para otimizar a viagem. 

No mais é só aproveitar... dúvidas, só perguntar!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi pessoal, 

Acabei de achar esse post aqui e acho que vai me ajudar muito também! 

Estou indo passar seis meses e meio na Ásia de agosto/2019 até fim de fevereiro/2020

Os países que inclui são muito parecidos com do @nunes.rpa

Chego em Xangai no dia 12/08 e de lá seguiria para a Indonésia pq está com clima bom, no entanto li que o mês de agosto é o mais cheio. Vocês sugerem algum outro país para ir em agosto? Como tão rolando as monções nessa época não sei qual seria o melhor destino. Pensei em passar na Malásia e Singapura antes e depois ir pra Indonésia no fim de agosto para ver se pego menos cheio. 

De roteiro pensei (ideia inicial, provavelmente vou alterando conforme for conhecendo lugares e pessoas).. 

Xangai 3 dias

Indonésia 20 dias

Cingapura 3 dias

Malásia 5 dias 

Sri lanka 20 dias  (como rolaram os até dados, estou vendo de trocar por algum lugar da Índia tipo Auroville ou Rishkesh) 

Nepal 30 dias 

Sul da Índia 20 dias (já conheço o norte) 

Myanmar 20 dias

Laos 15 dias

Vietnã 25 dias

Camboja  10 dias 

Filipinas  15 dias 

Hong Kong, Macau e volta pra Xangai 7 dias 

Total 193 dias

Vocês poderiam me ajudar? 

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Yara Bello a princípio está uma divisão boa para cada lugar. A única observaçao seria em relaçao à Malásia, voce tem algum destino alem de Kuala Lumpur? Se nao tiver, 5 dia só lá pode ser muito tempo, com dois ou tres dias voce ja terá visto Batu caves, terá visitado as torres tanto de dia quanto de noite, e ainda terá andado por mais alguns lugares pelas ruas.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por and_bird
      Bom dia pessoal,tudo bem?
      Estou pensando em fazer uma viagem pela Ásia sem roteiro pronto e sem data de retorno certa - porque vai depender de quanto dinheiro eu vou gastar, e quanto mais eu economizar, mais tempo posso ficar.
      Alguém sabe se é possível comprar passagem só de ida? Pergunto para fins de quando chegar em algum país ser questionada sobre passagem de volta. 
      E quantos dólares vcs calculam por dia em média no leste e sudeste da Ásia?
    • Por henrique.silvestre
      Fala galera!
      Eu estou indo mochilar pela Ásia. Pedi demissão e fiz as malas, vou postar vídeos dos perregues e das experiências começando pelo dia 0 (link abaixo) 
       
      Amanhã to indo pra korea do sul 
      Bora também? 
       
    • Por Feerssilva
      Boa noite, bom dia, boa tarde, tudo bem com você? no fim de outubro ou começo de novembro estou indo ao japão,gostaria de saber se mais alguém estaria indo para lá ou passando por lá, um abraço a todos espero que possamos conversar sobre a viagem um abraço
    • Por rafael_santiago
      Campo Base do Everest
      Algumas dicas e orientações para planejar seu trekking solo no Nepal
      MELHOR ÉPOCA
      . Outubro e novembro são o pico da temporada de trekking no Nepal. As chuvas trazidas pelas monções terminam em setembro e o céu fica mais limpo nesse período seguinte. Porém espere por trilhas e lodges lotados nos trekkings do Everest e Annapurna, os mais populares. Em dezembro, já perto do inverno, é possível fazer caminhadas também mas é melhor escolher altitudes mais baixas como o trekking do campo base do Annapurna.
      . Março e abril são o segundo período mais procurado. A grande atração desses meses é caminhar pelas florestas de rododendros em época de floração, o que deve ser um lindo espetáculo.
      HOSPEDAGEM E ALIMENTAÇÃO DURANTE O TREKKING
      Não há nenhuma necessidade de levar barraca para a grande maioria dos trekkings no Nepal. Ao longo do caminho dezenas de lodges e guest houses oferecem hospedagem simples e alimentação completa (café da manhã, almoço e janta). Para os trilheiros independentes é usual negociar o preço do quarto desde que se façam as refeições (café da manhã e janta) no próprio lodge, que sempre tem refeitório. Na maioria das vezes o quarto acaba saindo de graça (dependendo da negociação) uma vez que a comida custa duas ou três vezes o preço pago nas cidades. E o preço aumenta junto com a altitude e a distância das cidades. Para mostrar a variação de preços das refeições em cada povoado ao longo dos trekkings vou colocar nos relatos, ao final de cada dia, o preço do dal bhat e do veg chowmein, dois pratos bastante pedidos. Como referência esses pratos em Kathmandu custam por volta de Rs 250 (US$2,17) e Rs 160 (US$1,39), respectivamente.
      Em quase todos os vilarejos os moradores têm um pedaço de terra para trabalhar e cultivar os legumes e verduras para seu consumo e para suprir a demanda do restaurante. A dieta deles é basicamente vegetariana, inclusive pela dificuldade de armazenamento de qualquer tipo de carne. E para o trilheiro é bastante recomendável seguir essa dieta pensando no seguinte: os legumes são sempre frescos, a carne não. E ninguém quer ter uma infecção intestinal ou uma diarréia num lugar tão distante.
      Todos os lodges têm um caderno onde são anotados (pelo dono ou pelo hóspede) os pedidos para o jantar e café da manhã. Para o jantar costumam pedir que se anote até as 17h para eles se organizarem. Para o café da manhã geralmente pedem que se escreva o pedido no dia anterior, principalmente se houver necessidade de tomar o café muito cedo.
      Mesmo havendo refeição em todas as vilas do caminho é preciso ter algum lanche de trilha para os dias em que se sobe alguma montanha mais demorada (como o Tsergo Ri) ou se atravessa um passo de montanha, algo que leva bastante tempo e onde a distância entre os vilarejos é grande.
      CUSTOS DURANTE O TREKKING
      Os custos durante as caminhadas dependem diretamente do que se consome nos lodges pois a comida é bastante cara em comparação com o preço pago nas cidades, ao passo que a hospedagem pode ser negociada. Se você for econômico e pedir veg chowmein no café da manhã (você acostuma...), veg fried rice no almoço e dal bhat na janta, o custo diário com comida vai ser de US$8 a US$20 (o preço aumenta com a distância). Se for possível negociar o quarto sem custo, o valor acima vai ser a sua despesa diária durante o trekking. Um café da manhã completo com pão, geléia, omelete e café/chá vai aumentar bastante essa despesa.
      No meu trekking de 23 dias de Shivalaya ao Campo Base do Everest e Gokyo o custo total, seguindo o menu econômico acima e sempre barganhando o preço do quarto, foi de US$345. A média foi de US$15 por dia. Lembrando que eu não contratei nenhum serviço de guia ou carregador. Nessa conta entram apenas alimentação e hospedagem, não entram as permissões e as passagens de ônibus e avião.
      HOSPEDAGEM EM KATHMANDU
      O bairro mais conveniente para se hospedar em Kathmandu é o Thamel pois concentra todos os serviços que um trilheiro necessita: hotéis para todos os bolsos e exigências, restaurantes variados, casas de câmbio, padarias, mercadinhos, livrarias, farmácias, lavanderias, agências de trekking, lojas de equipamentos e roupas técnicas, etc. Além disso muitos atrativos turísticos da cidade estão a curta distância a pé a partir do Thamel. Mas prepare-se para dividir as ruas estreitas e sem calçada com muitas motos e carros buzinando o tempo todo.
      Sim, o Thamel é uma ilha da fantasia para turistas, repleta de lojinhas de todo tipo, e para ter a experiência de uma Kathmandu mais real vai ser preciso caminhar fora dali. Isso é verdade, mas o Thamel não deixa de ser o bairro mais conveniente para as necessidades de um viajante.

      Rua no Thamel
      ROUPAS E FRIO
      A temperatura interna durante a noite medida pelo meu termômetro chegou à mínima de -8,6ºC. Isso foi dentro do quarto em Gorak Shep. Normalmente ela está entre -3ºC e 3ºC à noite e de manhã dentro do quarto. Por isso é preciso ter um saco de dormir sempre na mochila pois o cobertor do lodge pode não ser suficiente. Eu levei um saco Marmot Helium (temperatura limite -9ºC) e usei em algumas noites apenas. Os quartos costumam ter duas camas com um cobertor bem grosso parecido com um edredom em cada uma. Como eu dormia sozinho no quarto podia pegar o outro cobertor e não precisava usar o saco de dormir.
      Para vestir recomendável levar uma blusa grossa de fleece, uma jaqueta de pluma (a única blusa que realmente esquenta naquele frio todo) e uma jaqueta impermeável que serve como corta-vento durante as caminhadas. Para as pernas importante levar uma calça de fleece ou ceroula térmica pois com frio nas pernas não se consegue dormir. Uma calça impermeável serve como corta-vento e eu usei em vários dias mesmo caminhando sob o sol pois o vento é gelado. Uma faixa para o pescoço que possa ser esticada para a boca e nariz também é fundamental para não expor tanto a garganta ao vento frio. Mesmo com isso eu tive infecção na garganta, tive que ir ao médico em Kathmandu e tomar antibiótico por 3 dias.
      Os lodges costumam ter um aquecedor no refeitório e esse é o único lugar para se refugiar do frio. Mas ele fica aceso somente do início da noite até os últimos hóspedes saírem do refeitório. Não é aceso de manhã, quando faz muito frio também (entre -3ºC e 3ºC, como disse). Para acender o aquecedor se usa lenha onde há árvores e esterco de iaque onde não há.
      O QUE PODE SER COMPRADO EM KATHMANDU
      Kathmandu tem ótimas livrarias onde se pode comprar mapas e guias de todos os trekkings do Nepal. E tem dezenas de lojas de equipamentos e roupas técnicas onde se deve pesquisar os preços pois variam muito de uma loja para outra. Há lojas de marcas famosas como The North Face e Mountain Hardwear que vendem produtos originais. Nas outras mil lojas vale o preço e não necessariamente a qualidade. Mas pelo que já li nos relatos é possível encontrar bons produtos a preços bem atrativos. Na hora da compra vale pechinchar também, e comprar vários itens na mesma loja (ao invés de um item em várias lojas) ajuda na negociação do valor total. Muitos itens podem ser alugados também.
      MAPAS
      Nas livrarias há mapas para todos os trekkings do Nepal, porém eu e outras pessoas encontramos muitos erros na marcação das altitudes, o que atrapalha um pouco o planejamento. Para ser mais prático, uma idéia é fotografar o mapa todo com o celular para ter acesso rápido a ele durante a caminhada sem ter que ficar dobrando e desdobrando o original toda hora.

      Dal bhat
      ACLIMATAÇÃO
      O Mal Agudo da Montanha (em inglês AMS, Acute Mountain Sickness) é um problema muito sério que não deve ser ignorado. Durante a caminhada do Everest eu soube que um japonês morreu em Gorak Shep porque não queria descer mesmo se sentindo mal em consequência da altitude (matéria aqui). É preciso ficar atento aos sinais do corpo e a melhor solução sempre é descer. Aconteceu comigo também. Fiquei quatro noites praticamente sem dormir, apesar de não ter nenhum outro sintoma, e precisei baixar dos 5160m aos 3800m para poder dormir, me recuperar do cansaço e dar um tempo maior para o meu corpo se adaptar à altitude.
      O Mal Agudo da Montanha atinge tanto atletas e esportistas de condição física perfeita quanto trilheiros de primeira viagem. E pode atingir também trilheiros já acostumados a caminhar na altitude. O processo de aclimatação é condição necessária para todos.
      Os sintomas mais leves a partir dos 3000m de altitude são dor de cabeça, tontura, náusea, perda de apetite, falta de ar, cansaço, irritabilidade e dificuldade para dormir. Nesse caso o corpo está dando sinais que não devem ser ignorados e o melhor é parar de subir, subir mais devagar (dormindo mais noites na mesma altitude) ou descer se não houver melhora. Do contrário pode-se desenvolver os sintomas mais graves do AMS.
      Os sintomas mais graves são perda de coordenação enquanto caminha e falta de ar mesmo em repouso. O primeiro sintoma pode levar a um edema cerebral e o segundo a um edema pulmonar. Nesse caso é preciso descer imediatamente.
      As regras básicas para que o organismo se adapte gradativamente à altitude (leia-se: aclimatação) acima dos 3000m são:
      . não dormir 500m acima do local onde se dormiu na noite anterior
      . fazer caminhadas de bate-volta até uma altitude superior àquela em que vai dormir (walk high, sleep low)
      . de preferência dormir duas (ou mais) noites na mesma altitude e fazer caminhadas a pontos mais altos durante o dia
      . beber no mínimo 3 litros de água por dia
      Por fim, a polêmica do Diamox. Alguns médicos são contra o uso desse medicamento para reduzir os sintomas da altitude, mas no Nepal quase todo mundo tem na mochila e até o médico em Kathmandu me receitou na consulta que fiz (sem eu pedir). Mas mesmo usando Diamox deve-se seguir as regras de aclimatação acima para não desenvolver os sintomas mais graves do mal de altitude. Muita gente faz uso mas não posso falar dos efeitos e benefícios porque não tomei. Quando tive quatro noites de insônia não tinha Diamox para testar se resolveria o meu problema. O que é consenso entre os médicos no caso de insônia é não tomar remédios para dormir.

      Máscara para enfrentar a poluição e poeira de Kathmandu
      TRATAMENTO DA ÁGUA
      A água mineral é vendida no Nepal em garrafas de 1 litro ou menores. Essa água, que custa Rs20 ou Rs30 em Kathmandu, chega a custar Rs450 em Gokyo. Além desse preço absurdo, o grande problema é a acumulação de garrafas pet nos lixões dos vilarejos e ao longo das trilhas. Comprar água mineral é a pior das soluções para matar a sede. O que fazer? Tratar a água de torneira dos vilarejos ou a água dos riachos, ambas abundantes e de fácil acesso em todos os trekkings. Há várias maneiras:
      1. ferver a água
      . vantagem: o gosto não é alterado, custo muito baixo
      . desvantagem: não é tão prático e rápido, a água demora a ferver e a esfriar para colocar nas garrafas pet; quanto maior a altitude, menor a temperatura de ebulição da água, por isso é preciso ferver por mais de 5 minutos em altitudes mais elevadas
      2. filtro Sawyer ou LifeStraw
      . vantagem: o gosto não é alterado, muito mais prático que ferver
      . desvantagem: filtra bactérias e protozoários, mas os vírus passam; não pode ficar exposto a temperaturas muito baixas
      3. pastilha de cloro (Clorin) ou dióxido de cloro (Micropur)
      . vantagem: muito mais prático que ferver
      . desvantagem: o gosto é horrível, demora de 30 minutos a 4 horas para purificar completamente dependendo do tipo de pastilha
      4. Steripen
      . vantagem: método muito prático e rápido (leva apenas 90 segundos para purificar 1 litro de água), o gosto não é alterado
      . desvantagem: custo alto, a água deve ser cristalina, dependência de um aparelho eletrônico (que dá bastante problema segundo as críticas no site amazon.com)
      5. pastilha de iodo: não acho esse método recomendável pois não é eficaz contra o protozoário Cryptosporidium, não pode ser usado por um longo período (mais que 6 semanas) e não pode ser usado por pessoas com problema de tireóide
      Minha experiência: eu não tenho Steripen, então usei os 3 primeiros métodos sempre combinando dois deles. Levei um fogareiro e comprei cartuchos de gás em Kathmandu. Toda noite eu filtrava a água, depois fervia e esperava esfriar durante a noite. Ou eu filtrava e usava a pastilha de dióxido de cloro (Micropur), mas isso apenas se eu não pudesse ferver pois o gosto final era de sabão. Levei um filtro Sawyer Squeeze e nos lodges onde a temperatura no quarto poderia ser abaixo de 0ºC eu dormia com ele junto ao corpo.
      Conheci trilheiros que estavam tratando a água apenas com filtro Sawyer ou LifeStraw e não tiveram problema. Geralmente as pessoas usavam apenas um dos métodos que mencionei. É possível também comprar água fervida nos lodges, mas o custo ainda é alto.

      Vaquinhas sagradas
      TELEFONIA E INTERNET
      Vou colocar em cada relato de trekking no Nepal o nome das operadoras de celular que funcionam na maioria dos vilarejos. As mais comuns são NCell (www.ncell.axiata.com), NTC/Namaste, Sky e Smart (www.smarttel.com.np). A NCell tem lojas próprias em Kathmandu onde se pode comprar o chip e fazer a carga pelos preços oficiais, bem mais baixos que nas lojas turísticas do Thamel. A loja que eu ia fica na Durbar Marg, mas há outra perto da Praça Durbar (segundo o site). Para comprar o chip é preciso levar passaporte, uma foto 3x4 e preencher um formulário na loja. Para fazer a recarga não necessita de nada disso. Eles mesmos configuram o celular, mas é bom conferir se o chip está funcionando antes de sair da loja. Eu paguei Rs 100 (US$ 0,87) pelo chip e Rs 355 (US$ 3,08) pelo pacote de 1,3 GB por 30 dias (há muitos outros pacotes). Para as outras operadoras não vi lojas próprias, mas segundo o site a Smart possui lojas (esta é uma operadora que funciona em pouquíssimos lugares).
      Muitos lodges e cafés ao longo dos trekkings têm wifi mas é sempre pago e vale a mesma regra: o preço sobe junto com a altitude e distância das cidades. Para recarregar as baterias, alguns poucos lodges têm tomada no quarto, na maioria deles é preciso pagar pela carga.  Levar alguns power banks a mais é uma boa idéia para não gastar muito com recargas. Lembrando que o frio descarrega as baterias mais rápido do que o habitual, por isso eu costumava colocar o power bank dentro da blusa na hora de usá-lo para recarregar o celular.
      No trekking do Everest há dois serviços de cartão pré-pago que dão acesso ao wifi dos lodges em diversas vilas:
      1. Everest Link (www.everestlink.com.np) - custa Rs 1999 (US$ 17,35) por 10GB em um período de 30 dias (há outros pacotes); segundo o site funciona nas principais localidades ao norte de Lukla, inclusive no Kala Pattar e no Campo Base do Everest 
      2. Nepal Airlink (www.nepalairlink.com.np) - custa Rs 1260 (US$ 10,94) por um período de 30 dias (há outros pacotes); o site estava fora do ar quando publiquei esse relato mas pelo que pude entender o Nepal Airlink funciona apenas no trekking Shivalaya-Lukla e só no trecho entre as vilas de Junbesi e Kharte, e também em Phaplu.
      Não cheguei a usar nenhum desses dois serviços porque não sabia da existência e já tinha comprado o chip da NCell.
      PERMISSÕES
      A seguintes permissões podem ser obtidas no Tourist Service Center, próximo ao Ratna Park, em Kathmandu:
      1. TIMS card - levar passaporte, 2 fotos 3x4 e preencher um formulário (importante: segundo a funcionária desde 16/11/2018 é obrigatório ter seguro-viagem para obter o TIMS card e deve-se fornecer o número da apólice no formulário). Valor: Rs2000 (US$17,36).
      O TIMS card é necessário para todos os trekkings exceto para o Everest (desde outubro de 2017) e válido apenas para um trekking específico, ou seja, no meu caso tive de pagar o TIMS para Langtang e depois para o Annapurna, num total de Rs4000 (US$34,72). Para o Everest o TIMS card foi substituído em out/2017 por uma permissão local que pode ser obtida em Lukla ou Monjo (não em Kathmandu) pelo valor de Rs2000 (US$17,36) e sem foto.
      2. permissão de entrada do Parque Nacional Langtang - levar somente passaporte. Valor: Rs3400 (US$29,51)
      3. permissão ACAP para o Annapurna Conservation Area - levar passaporte, 2 fotos 3x4 e preencher um formulário. Valor: Rs3000 (US$26,04)
      4. permissão de entrada do Parque Nacional Sagarmatha - eu obtive essa permissão em Monjo, durante o trekking do Everest, mas há um balcão no Tourist Service Center em Kathmandu que a emite. Pediram apenas passaporte, nenhuma foto.Valor: Rs3000 (US$26,04)
      5. permissão de entrada do Gaurishankar Conservation Area - eu obtive essa permissão em Shivalaya, durante o trekking do Everest, mas há um balcão no Tourist Service Center em Kathmandu que a emite. Pediram apenas passaporte, nenhuma foto.Valor: Rs3000 (US$26,04)
      Horário do Tourist Service Center em Kathmandu:
      . balcão Annapurna, Manaslu e Gaurishankar: diário das 9 às 13h e das 14h às 15h
      . balcão Everest e Langtang: de domingo a sexta-feira das 9h às 14h
      . balcão TIMS card: não havia horário afixado
      Esses horários mudam frequentemente.

      Banheiro ao estilo "limpo" (os outros melhor não publicar)
      BANHEIROS AO ESTILO OCIDENTAL E ORIENTAL
      Durante todos os trekkings é mais comum encontrar o banheiro ao estilo oriental, quer dizer, uma peça de louça no chão com um buraco no meio e lugares para colocar os pés nas laterais. A descarga quase sempre é com um balde ou caneca que fica ao lado. Quando raramente se encontra um vaso sanitário, a descarga normalmente é com o balde ou caneca mesmo. Nos lodges de maior altitude é preciso ter cuidado com a água congelada de manhã no piso do banheiro e ao redor do buraco.
      Vale dizer que durante todos os trekkings o banheiro é sempre compartilhado, não existe banheiro privativo, e costuma haver apenas um ou dois para todos os hóspedes.
      Papel higiênico deve ser comprado e levado sempre na mochila pois os nepaleses não usam e não se encontra em nenhum banheiro. Prefira comprar nas cidades pois nos lodges é bem mais caro.
      BANHO
      É possível tomar banho de ducha em muitos lodges durante os trekkings. Se não houver ducha eles preparam um banho de balde. Em ambos os casos é preciso pagar à parte e o preço aumenta à medida que se distancia mais das cidades. A água da ducha pode ser aquecida a gás ou por energia solar. Se for a gás o banho é ótimo, com a água bem quentinha. Se for com energia solar a água fica morna ou quase fria no fim da tarde ou em dias de céu encoberto.
      VACINAS
      Nenhuma vacina é obrigatória para entrar no Nepal porém é bastante recomendável tomar/atualizar as vacinas de febre tifóide e hepatite A pois a transmissão dessas doenças se dá por água e alimentos contaminados. Nenhuma das duas está disponível na rede pública no Brasil, é preciso pagar em uma clínica particular.
      Eu aproveitei para atualizar todas as outras vacinas recomendáveis: tétano, difteria, hepatite B, gripe, antirrábica e febre amarela.
      EMPRESAS AÉREAS QUE FAZEM O TRAJETO KATHMANDU-LUKLA PARA O TREKKING DO CAMPO BASE DO EVEREST
      Somente essas quatro companhias aéreas fazem o trajeto entre Kathmandu e Lukla:
      1. Nepal Airlines: www.nepalairlines.com.np (clique em Domestic Flight)
      2. Tara Air: www.yetiairlines.com
      3. Sita Air: sitaair.com.np
      4. Summit Air: www.summitair.com.np
      VIAJANDO DE ÔNIBUS NO NEPAL
      Os ônibus em que viajei no Nepal eram genericamente chamados de "local bus". Parece que há os tipos express, super express, mas não sei dizer a diferença. Todos eram muito lentos, apertados e sem banheiro. A dica que quero dar aqui é sempre pedir um assento no meio do ônibus. Os bancos do fundo pulam demais por conta das estradas de terra cheias de buracos e pedras. O último banco é muito mais desconfortável que qualquer outro - evite! Os bancos da frente não são muito convenientes porque é um entra-e-sai constante de pessoas, bagagens, sacos, etc. São feitas algumas paradas para banheiro durante as longas viagens, mas é bom não tomar muito líquido para não passar aperto. Em todas as viagens a mochila sempre ia comigo, o que era também um transtorno.

      Ônibus para Jiri e Shivalaya no terminal do Ratna Park
      PEDINDO INFORMAÇÃO DURANTE O TREKKING
      Não quero generalizar sobre esse assunto mas vou falar da minha experiência. Concluí que não é muito útil pedir informação aos nepaleses durante a caminhada. Ao necessitar de informação sobre o caminho o melhor é perguntar aos trilheiros, melhor ainda aos trilheiros independentes pois estes estudaram os mapas e sabem o nome das vilas de onde vieram e para onde estão indo. Trilheiros com guia muitas vezes não sabem nada também. Por que não perguntar aos nepaleses já que vivem ali? Em geral eles são bem confusos na explicação, alguns dão informação errada, muitos não entendem a pergunta e falam qualquer coisa. Geralmente eles sabem só o inglês necessário para falar sobre o quarto e a comida, ao serem questionados sobre as condições do caminho não entendem e não sabem explicar. Além disso, nepaleses têm a tendência de responder sim a tudo por cortesia (um não pode ser considerado indelicado), portanto não se deve perguntar: o caminho para a próxima vila é este? pois eles provavelmente vão responder sim. É melhor perguntar: qual é o caminho para a próxima vila? nesse caso eles não podem responder simplesmente sim. Depois confira a informação com outras pessoas, não confie na primeira informação que obtiver.
      CALENDÁRIO
      O Nepal usa um calendário diferente chamado Sambat. Neste ano de 2018 do calendário gregoriano eles estão no ano 2075. Em algumas situações eles podem usar a data do calendário Sambat em lugar do gregoriano. Comigo aconteceu de preencherem uma passagem de ônibus com essa data.
      NAMASTÊ
      O cumprimento habitual no Nepal é a palavra namastê. Questionei algumas pessoas sobre o significado dessa palavra e eles respondem que é somente um olá. Mas namastê tem um significado mais espiritual e literalmente quer dizer: Eu saúdo o divino dentro de você, Eu me curvo ao divino em você, O sagrado em mim reconhece o sagrado em você, O divino em mim se curva ao divino dentro de você, entre outros significados.
      RELATOS DO NEPAL PUBLICADOS AQUI NO MOCHILEIROS
      . Trekking Langtang-Gosainkund-Helambu (Nepal) - out/18
      . Trekking do Campo Base do Everest desde Shivalaya em 3 partes:
      .. Trekking Shivalaya-Namche Bazar (Nepal) - out/18
      .. Trekking Namche Bazar-Campo Base do Everest (Nepal) - nov/18
      .. Trekking Pheriche-Lukla (Nepal) - nov/18
      . Trekking do Campo Base do Annapurna e Poon Hill (Nepal) - dez/18
       
      Rafael Santiago
      dezembro/2018
      https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
    • Por Yumi Hirose
      Desde a minha adolescencia sempre quis conhecer dois lugares: Machu Pichu e Camboja.
      Mês passado consegui realizar um desses sonhos!
      Um dia antes de viajar, fiquei sabendo através de um grande amigo meu piloto que vários vôos estavam sendo cancelados por causa do tufão que passava pelo local justamente onde eu iria fazer conexão. Eu estava super nervosa com medo do meu vôo ser cancelado e com isso arruinar o meu planejamento.
      Cheguei no aeroporto, suando de nervosa, olhei para a atendente e estava tudo certo para minha viagem!
      Pra chegar ao meu destino dos sonhos passei por uma conexão em Taipei, no meio do tufão, mas nem por isso deixei de explorar a cidade e conhecer a linda Praça da Liberdade.

      De volta ao aeroporto, meu proximo destino seria Bangkok! 4 dias não foram suficientes para conhecer essa cidade incrível. Comida maravilhosa, rooftops de tirar o fôlego, tuk tuks pra todos os lados, templos incríveis e bares super animados. Aproveitei a oportunidade e com a ajuda de um grande amigo meu da minha terra natal consegui cantar em um live house. Com isso tive a oportunidade de conhecer excelentes músicos numa jam incrível com gente de vários países. Obrigada Caio pela noite maravilhosa (na verdade pelas duas noites!!!). Apesar de me despedir de Bangkok com desejo de ficar mais, eu também estava super ansiosa para chegar no meu proximo destino: Camboja.

      O Camboja é um país que sofreu muito com a guerra Khmer Vermelho, um dos maiores genocídios da história recente, matando grande parte da população e até hoje é possível ver as marcas deixadas dessa terrível catástrofe humana.

      Quando o avião pousou (graças a deus! Por que era um mini avião com hélice #medo), o calor estava de matar! Passei pela imigração e finalmente estava pisando em terras cambojanas. O motorista do hotel, seu Barang, estava lá me esperando e, apesar da dificuldade de comunicação, esbanjava simpatia. O carro deu partida e comecei a ver a cidade de Siem Riep através da janela. A cada quilômetro rodado, o cenário era o mesmo, muita pobreza. Cheguei no hotel e fui recebida com um delicioso chá e doces típicos do Camboja. Joguei minha mochila no quarto e fui rumo a Vila flutuante de pescadores que ficava a uma hora do centro.
      Na chegada à vila, a canoa passava pelas principais “ruas” onde é possível ver casas, igrejas e até uma escola suspensa. Pausa para o almoço num restaurante flutuante no meio de um enorme e importante lago para os pescadores. É ali que eles pescam e vendem para outros restaurantes no centro da cidade. Sentei à mesa e pedi o famoso Amok: um curry de peixe com toque de capim limão, prato típico do Camboja. Enquanto eu almoçava, uma criança linda dos olhos brilhantes não parava de me observar até que fui em direção a ela e começamos a nos comunicar através de sorrisos e olhares curiosos. Aprendi algumas frases em cambojano num pôr do sol lindo enquanto eu estava sentada à beira do lago com uma menina cheia de vida. Nesse momento, percebi a beleza do cenário e tirei uma das fotos mais lindas da vida!

      Dia seguinte, dia de visitar os templos do complexo Angkor, Patrimônio da Humanidade pela Unesco, com a ajuda de um super querido guia, Sohkom. Eu queria saber mais sobre a história do Camboja e sobre os detalhes dos templos. Fiquei horas caminhando na imensidão desse lugar abandonado no meio da selva. No meio do passeio, fui indo em direção a uma música e me deparo com uns homens tocando instrumentos típicos da região. Quando eu percebi estava no meio deles tocando percussão. Todos os músicos eram sobreviventes da guerra, mutilados, vítimas das minas terrestres.
      Foram horas de aprendizado e informações sobre essas ruínas do império Khmer.
      À noite, tive tempo pra beber uma cerveja local, fazer massagem por 1 dólar, curtir um pouco da Pub Street e cantar com uma banda de rock no Hard Rock Café.


      No dia seguinte, levantei as 6 horas da manha, aluguei um quadriciclo e fui desbravar Siem Riep. Eu acho que foi o passeio que mais me comoveu. Foram mais de 4 horas explorando a cidade. Parei num mercado e comprei algumas caixas de macarrão pra doar aos alunos de uma escola construida pelos japoneses❤️. Excelente trabalho dos professores, todos voluntários. De volta a minha moto, coloquei meu capacete e máscara pois havia muita poeira (as ruas não são asfaltadas) e comecei a distribuir comida pras crianças. O mais impressionante é que todas vinham com um baita sorriso no rosto e falavam obrigado. Até mesmo algumas que não falavam por timidez, os pais agradeciam por elas.

      Hora de voltar pro hotel, pegar uma piscina e esperar o pôr do sol. À noite, me deliciei com o meu ultimo jantar no estilo cambojano e depois fui a um bar de musica ao vivo onde conheci uma cantora de voz linda e serena cantando músicas típicas da região. Fiz questão de falar com ela que ficou encantada quando a elogiei. Muito linda!



      Vim embora com um aperto no coração de quem precisa voltar. Apesar da pobreza, dos conflitos civis, das atrocidades de um general que aniquilou grande parte da população no passado e de tantos outros problemas em que esse país ainda se encontra, o Camboja e seu povo vão ficar guardados pra sempre no meu coração!
      Instagram: Yumi_oficial ou Yumiaroundtheworld
       
      C581EB70-143E-4458-8CA0-93B5353330A3.MOV


      5DEA23CB-8A9F-4EDD-88F6-D85B33E9D4B1.MOV







      918A37ED-6D9D-4DD5-AAD2-58A752B49A6B.MOV


×
×
  • Criar Novo...