Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

O Instituto Ambiental Quinta do Sol fica localizado no distrito de Taboco, Corguinho - MS. Contando com 14 hectares, 12 são destinados a regeneração e preservação do Cerrado, assegurando um córrego de água potável que percorre a propriedade.  Os outros hectares são de uso doméstico, com produções agroecológicas, alojamentos em bioconstruções e alvenaria, ampla área para acampamento, trilhas, cozinha coletiva e cozinha caipira, banheiros sociais, local para reuniões, palestras, aulas, estudos, festas... Alojamentos: Queixada (2 camas de solteiro e banheiro); Sucuri (3 beliches e banheiro); João de Barro (2 camas de solteiro); Phylomedusa (dividido, 3 beliches no lado B e 5 camas de solteiro no lado A). Hospedagem em alojamentos: 45 reais; hospedagem em camping: 35 reais; café da manhã completo incluso. Aceitamos trocas, serviço de manutenção (média 6h) por hospedagem. A cozinha fica a disposição para preparo das refeições, sendo necessária  contribuição de ingredientes. Também servimos refeições por 20 reais/pessoa. 

Rod. MS 352, KM 45. Taboco, Corguinho - MS. 79.460-000

Instagram: iquintadosol

[email protected]

iquintadosol.negocio.site

Compartilhar este post


Link para o post

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Alex Todeschini
      Seguindo minha filosofia de viagem, essa não poderia ser diferente, ou seja, busque um bom preço das passagens, encontre uma data que combine com sua disponibilidade e orçamento (lembrando que o cartão de crédito sempre pode dar uma ajudinha aqui) e partiu viagem.
       
      Esta foi uma viagem curta, porém cheia de expectativas alimentadas por mais de dois anos. Ao total, foram 8 dias em que eu e minha filha tivemos de fazer escolhas para tirar o máximo de proveito de um pedacinho desse país cheio de contrastes.
       

      Dia 1 (Segunda - 8/5): Chegada no aeroporto salgado filho em Porto Alegre aproximadamente às 8:15 para confirmar que a autorização de menor e tudo mais estavam de acordo, descobrimos que o juizado abriria somente as 9, tudo bem, assim temos mais tempo para fazer nada. O primeiro sinal que o universo estava a nosso favor, veio do check in, onde a gentil atendente nos deu a opção de não trocar de aeroporto em São Paulo de Congonhas para Guarulhos, local de onde partíamos para Joanesburgo. Seria um longo dia já que nosso vôo sairia de São Paulo somente às 17:30.
       
      Dia 2 (Terça - 9/5): Chegada em Joanesburgo aproximadamente às 7:45am, nosso fuso horário está 5 horas a frente. Neste momento inicia a parte tensa na imigração, pois seguindo as exigências da embaixada temos certidão de nascimento, autorização de viagem para menor, certidão de vacinação internacional e tradução juramentada já que eles não sabem ler português .Estava com o espírito pronto para rebater todas as perguntas vinda de qualquer agente federal, porém uma surpresa, a única pergunta foi se tínhamos uma caneta pois a dele parou de escrever (acredite ). Passando todos os trâmites de imigração, bagagem e câmbio, chegamos de táxi (550 ZAR) até o hostel “The Birchwood Backpacker Lodge” (75 USD para duas noites), o qual entendi o motivo da altíssima recomendação no booking.com, iniciando pelo check in programado para às 15h da tarde foi feito às 11h. Aproveitando o embalo e esquecendo qualquer sensação de cansaço da viagem, iniciamos a busca através do citysightseing.com.za para um dia nas ruas de Joanesburgo (19 USD). Chegada até o local de partida com o Uber (5 USD).
       

      Saindo do Rosebank, passamos por 2 zoológicos e vários museus, porém o foco ficou para o Museu do Apartheid (12 USD) o qual passamos quase 3 horas sem assistir todos os documentários e ler todas as descrições.
      Retornamos através de dois ônibus (a linha vermelha e a verde) sentido os efeitos da viagem.
       

      Paramos no shopping para uma refeição deliciosa porém um tanto cara (26 USD). Carregado o SIM card recebido no aeroporto (7 USD), que a propósito não foi mencionado anteriormente, mantivemos uma ótima percepção de gentileza e cordialidade do povo sul africano, exemplo foi do atendente que sem nenhuma obrigação já com a loja fechando (a propósito o comércio fecha cedo aqui) fez questão de auxiliar até que eu tivesse a Internet propriamente configurada. Agora com internet estamos prontos para retornar ao quartel general através de Uber (5 USD).
       
      Dia 3 (Quarta - 10/5): Nesta manhã apesar do relógio despertar às 7:30 não saímos da cama antes das 9am. Após um saboroso café da manhã, retomamos a programação do dia o qual tivemos a confirmação de saída de carro às 13 horas em direção ao Kruger Park com o Pieter Strydom do Big Six Tour Safaris, sendo 3 dias com 2 noites incluindo transporte, entrada nos parques e café da manhã (1007 USD). Iniciamos uma longa jornada com duas paradas para lanche (95 e 97 ZAR) e às 19:30 cruzamos as porteiras do Park que fecham às 18h, porém estávamos em comunicação com o pessoal do parque durante o trajeto evitando qualquer mal entendido diante do Rangers fortemente armados. Após acomodados no luxuoso Lodge (Já que não havia mais vagas para barracas), aproveitei o banho de banheira para relaxar e renovar as energias para o próximo dia que inicia bem cedo.
       
      Dia 4 (Quinta - 11/4): O relógio desperta pela primeira vez às 4:15 e já estava acordado (na verdade acho que nem dormi direito ansioso para sair), levamos cobertores para nossa primeira aventura em busca dos incríveis Big 5 (leão, elefante Africano, Búfalo, leopardo e o rinoceronte negro ou o branco). Ante das 5 da manhã já estávamos com as lanternas em busca de qualquer coisa que brilhasse para assim identificar o que seria.
       

      Após 3 horas de passeio por uma das estradas do Kruger Park estávamos de volta para um rápido café e assim partir do acampamento "Arpen" para o "Satara" onde tomamos um delicioso café da manhã. Em direção ao acampamento “Skukuza”, passamos por uma quantidade significativa de mamíferos e pássaros. Chegando no acampamento, compramos entre bebidas, comidas e souvenir (306 ZAR). A quantidades de animais vistos e as curiosidades da vida animal na sua mais pura realidade continuam a impressionar, sendo a última no final do dia, a observação de um crocodilo demostrantando sua exímia paciência e estratégia em busca de sua janta :'> .
       

      Seguimos em direção ao próximo e último acampamento "Pretoriuskop". Chegamos já era noite, compramos nossa janta (204 ZAR) e aproveitamos o restante do dia desfrutando uma ótima conversa em frente a cabana.
       
      Dia 5 (Sexta - 12/5): Acordamos mais tarde, às 6am para preparar nossa bagagem em direção ao Panorama Route, sendo que 6:30 já estávamos na estrada, ainda dentro do Park com esperança de ver os felinos, porém continuamos com a mesma amostragem. A próxima parada foi no hotel “Hippo Hollow Country Estate” para um fantástico e delicioso café da manhã em frente ao Rio dentro de uma área reservada onde já estávamos esperando ver outros animais (isso vicia) .
       

      Seguimos nossa rota e agora com parada na fantástica “Blyde River Canyon” (pensa em algo incrível).
       

      O próximo ponto foi a "God's Window" que estava fechada, pois com a altitude ao nível das nuvens, não temos garantia de apreciar esse cenário, porém fomos compensados na próxima parada (Lembra do outro incrível? Pois é, esse é ainda melhor) .
       

      Seguimos a descida até próxima cidade, onde a parada foi para um Waffle belga e um café delicioso (13 USD), mas waffle não vou esquecer, ainda fizemos outra parada até o fim da nossa jornada às 19:30, mas não tive coragem de tirar o gosto do waffle da boca. Durante a noite, sem muito tempo para pausa, tínhamos que preparar a programação do final de semana, com o desafio de não ter luz no hostel, coisas de África do Sul (lembrei do nosso país neste momento).
       
      Dia 6 (Sábado - 13/5): Acordamos as 7 horas para preparar e ajustar a bagagem (tivemos que fazer uma de duas bagagens para economizar 300 ZAR, já que os vôos domésticos dão direito somente a uma bagagem de mão de 7kg) para o vôo em direção a Port Elizabeth com a FlySafair (290 USD), fomos de Uber (25 USD). Chegando no aeroporto, fomos retirar o carro na “Europcar” (43 USD) alugado online pela “www.rentcar.com/pt-br”. Pegamos o mais barato, talvez tenha sido sorte mas pegamos um Kia Picanto LX com 7.000km, porém câmbio manual o que dificultou ainda mais a condução do lado inglês, talvez seja fácil para alguns, mas eu estava o tempo todo pensando que estava na contramão, além de tentar trocar a marcha com a mão direita.
       

      Após uma parada em Jeffreys Bay para comer (29 USD), continuamos a jornada até “Plettenberg”, onde apesar de uma passagem rápida, foi uma ótima opção no hostel “Nothando Backpackers Lodge” (378 ZAR) com direito a boa cerveja e ótima troca de experiência com pessoas do Canadá, Austrália, Suíça, Coréia e África do Sul.
       
      Dia 7 (Domingo 14/5): Relógio tocou às 7:30, mas como tínhamos que sair somente às 9, aproveitamos uns minutos a mais de preguiça. Fomos até o mercado comprar o café da manhã (97 ZAR) e desfrutá-lo na beira da praia.

      Chegamos meio dia no “Bungy Jump Bridge, Bloukrans” conforme agendado em “www.faceadrenalin.com” e assim sentir a euforia e adrenalina causada por um salto de ponte a 216 metros de altura , o mais alto do mundo! (1900 ZAR, sendo 233 de impostos).
       

      Depois de ver o vídeo ficou difícil não comprá-lo apesar do preço (600 ZAR com pen drive). Missão cumprida é hora de retornar a Port Elizabeth com parada em “Storms River” para um lanche (113 ZAR). Tudo conforme esperado, entregamos o carro no final do dia com tanque cheio (47 USD) e embarcamos de volta a Johannesburgo às 20:50 e tomamos um Uber (45 ZAR) até o “Terrilyn Guesthouse and Backpackers Hostel” (500 ZAR) o qual fomos muito bem recebidos por uma senhora de forte sotaque inglês. Agora é dormir e se preparar psicologicamente para a volta.
       
      Dia 8 (Segunda 15/5): Acordamos cedo porém saímos da cama somente as 8 e apesar de não estar incluído o café, essa simpática senhora compartilhou seus cookies e um bom café. Uber até o aeroporto (110 ZAR) e após o motorista desistir do GPS, chegamos ao portão de embarque "errado" e ficamos aguardando quase até perder o vôo e se dar conta de mudar. Chegando em São Paulo às 17, descobrimos que teríamos que trocar de aeroporto ou aguardar mais um hora. A escolha foi: "daqui ninguém me tira" . Era hora da última extravagância na janta (R$ 119) e chegada em Porto Alegre às 23:50.
       
      A parte boa de viagens curtas, é que aproveitamos ao máximo cada minuto de nosso tempo e a outra parte boa é que já saímos com uma lista pronta do próximo roteiro a ser realizado.
       

      Tabela com os valores gastos em cada um dos dias convertidos para reais com a cotação do dia da publicação (29-Mai-2017).

      Total gasto durante a viagem foi de R$ 6686 ou R$ 836 por dia para duas pessoas.
       
      1 ZAR = 0,25 BRL
      1 USD = 3,27 BRL
    • Por Mari D'Angelo
      Relato original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/brela-e-baska-voda-paraisos-escondidos-na-croacia/
       
      Brela e Baska Voda, uma do lado da outra, são minúsculas cidadezinhas na Croácia que escondem praias verdadeiramente paradisíacas banhadas pela imensidão azul do mar adriático! Na verdade mesmo, não havia nada pra fazer lá, o único atrativo era uma ilhota de pedra com árvores no meio do mar que parecia incrível no Google Images (e que praticamente foi o motivo de escolhermos esse lugar tão fora do roteiro) e que ao vivo era bem menos pitoresca. Mas havia calmaria, simpatia sincera e cenários que fazem meu coração palpitar até hoje, e o melhor, tudo isso só pra nós dois, ou quase.
       
      Depois de passar pelas paisagens mais lindas das estradas croatas (fizemos praticamente a costa toda nessa viagem), chegamos em Baska Voda. Nosso “hotel” era na verdade era um flatzinho que os próprios moradores alugam (já falei um pouco sobre isso aqui no post de Split), o nome era Haus Bilic e reservamos pelo Booking.com. O lugar era grande e super aconchegante. Aliás, entrando na cidade já era possível sentir o clima de aconchego que pairava por lá. A mulher que veio nos receber era de uma simpatia extrema, deixou uma cestinha com bananas e ainda se ofereceu para lavar nossas roupas. Muito amor, muita simpatia!
       
      Como eu disse, não havia muito o que fazer, foi um dia totalmente relax (o único, em uma intensa programação de 30 dias e aproximadamente 10 cidades) e foi maravilhoso! As vezes, tão bom quanto um dia cheio de novidades e cultura é parar e simplesmente andar a toa, sentar nas pedras (lá não tem areia, são praias de pedras), ouvir o mar e se sentir totalmente realizada, naquele momento não queria estar em nenhum outro lugar além daquele!
       
      Passamos pelo modesto porto, algumas lojinhas e uma estátua virada para o mar que ainda estou tentando buscar o significado. Andando pelas poucas ruas da cidade vimos muitos carros modelo Renault 4, muito comuns na época comunista, antes da antiga Iugoslávia se desmembrar em países separados, sendo um deles a Croácia.
       
      Antes do pôr-do-sol pegamos o carro para ir até Brela e ver a tal pedra! Parece até mentira de tão poética a paisagem que íamos tendo no caminho, as casas em frente a gigantes montanhas com seus topos encobertos por nuvens. O visual do sol se pondo então, foi espetacular! Aliás, a Croácia está lá em cima na minha lista de pores-do-sol maravilhosos!
       
      Voltando para Baska Voda, já de noite, observamos um caixa eletrônico no meio do “calçadão”, é engraçado pra nós que estamos sempre preocupados com segurança a ideia de tirar dinheiro assim, tão “abertamente”… é outro modo de viver!
       
      Pra terminar nosso day-off da viagem do melhor jeito possível paramos num restaurantezinho pra tomar uma cerveja e comer os melhores cogumelos-recheadinhos-de-queijo-sobre-arroz do mundo! (não faço ideia do nome desse prato e também nunca mais achei igual em outro lugar, mas era divino). O Dan foi de carne de porco com fritas, bem tradicional por lá.
       
      E assim foi um dia pacato, numa cidade pequena e totalmente desconhecida do qual não vamos nos esquecer jamais.
    • Por Mari D'Angelo
      Texto original com fotos e mapa aqui: http://www.queroirla.com.br/arraial-do-cabo-o-caribe-brasileiro/
       
      Quem seria louco de decidir em cima da hora, no feriado, sair de São Paulo e ir até Arraial do Cabo? Bom, olhando as fotos daquele paraíso de águas azul-caribe, acho que muita gente além de nós! É claro que a experiência deve ser infinitamente melhor sem a multidão de gente nas praias, mas ainda assim valeu cada minuto!
       
      Arraial do Cabo fica na região dos lagos, há aproximadamente 2 horas do Rio de janeiro e 8 de São Paulo (de carro), logo na chegada da cidade a vista da Prainha já encanta, mas pode se preparar que o melhor vem depois, e fica mais escondidinho. Não espere muito da parte urbana, não é uma cidadezinha agradável e aconchegante como Búzios ou Paraty, o forte são mesmo as praias e a prática de mergulho!
       
      Nós ficamos na Pousada Casa Verde, na Praia dos Anjos, aprovei e recomendo! Ela é bem simples mas limpa e agradável, tem piscina, churrasqueira e cozinha para quem quiser economizar e fazer as próprias refeições (inclusive o café da manhã, que não está disponível). O proprietário, Carlos, é super receptivo e nos ajudou bastante com dicas do que fazer por lá. A localização também é boa, depois de ter andado um pouco pela cidade achei aquele um dos melhores lugares, é tranquilo, perto do porto e da trilha para a Praia do Forno e próximo a um centrinho com alguns (poucos) bares e restaurantes. A praia é bem próxima mas não muito indicada para banho pois é onde ficam os barcos.
       
      Começamos pela Praia do Forno, para chegar até lá é preciso encarar uma trilhazinha de uns 10 minutos, é bem simples, apesar de um pouco cansativa. Mirantes e pontos estratégicos para fotos são constantes no caminho repleto de mandacarus (mais conhecidos como cactos) e a vista é recompensadora! A praia, de um tamanho razoável, conta com certa infra-estrutura além de vários ambulantes. Achei um pouco desnecessário o som alto vindo dos restaurantes, mas nada que pudesse estragar a beleza caribenha daquele lugar!
       
      Seguimos para a Prainha, essa já de fácil acesso mas em compensação não tão bonita quanto a primeira e bem mais cheia. Ficamos pouco tempo por lá pra poder conferir o pôr-do-sol em um lugar fantástico onde quase ninguém vai, é preciso subir as escadas da ponta esquerda da Praia Grande (olhando para o mar) e continuar mais um pouco para cima, assim que passar o posto policial é só estender a canga e curtir a vista. O lugar “oficial” para ver o pôr-do-sol por lá é o Pontal do Atalaia, onde dizem ser melhor ir de carro pois é bem afastado, não tivemos a oportunidade de conhecer pois apesar de tempo bom, todos os dias terminaram parcialmente nublados.
       
      À noite, no centrinho da Praia dos Anjos jantamos no restaurante Saint Tropez, achei o mais aconchegante de lá, com mesinhas na varanda e um clima legal. Comemos um camarão com catupiry delicioso! Não é super barato mas o prato dá pra duas pessoas, vale a pena se a ideia for uma jantinha gostosa. Se quiser algo mais em conta não faltam opções, há pizzarias, restaurantes por quilo, casas de lanche e a maravilhosa tapioca da Sabor em Pedaços, um lugar pequenininho mas cheio de amor e delícias doces e salgadas, tudo bem baratinho. Só não vá em busca de baladas, a vida noturna ali se resume a uma praça com barraquinhas de caipirinha (e cuidado ao pedir caipifruta, queria uma de manga mas o que recebi foi uma batida… estava muito boa, mas não era uma caipirinha!).
       
      No dia seguinte fomos conhecer Búzios, recomendo muito fazer um bate-volta pois é pertinho de Arraial do Cabo, cerca de uma hora de viagem e se estiver de carro dá pra conhecer as praias mais afastadas, que eu particularmente gostei mais do que as próximas ao centro. Mas esse vai ser assunto para um próximo texto!
       
      No terceiro e último dia fechamos o tradicional passeio de escuna. Todas as agências (são muitas) oferecem esse passeio e atualmente o valor cobrado é R$60,00 por pessoa, incluso água e refrigerante durante todo o tempo no barco (churrasco, caipirinha e cerveja são vendidos a parte), mas a agência Tubarão Rio costuma cobrar R$30,00! Ficamos meio desconfiados mas como foi indicação acabamos indo e foi tudo certo (exceto o péssimo atendimento na loja), metade do dinheiro economizado! No barco eles oferecem aluguel snorkel por R$10,00, nós pegamos um mas não recomendo! O tempo é muito curto nas praias e não há tantos pontos para ver os peixes.
       
      Dica: Fique o mais longe possível do churrasco, é impossível respirar naquela região do barco!
       
      Os passeios saem por volta das 11h e duram aproximadamente 3 horas, é preciso pagar uma taxa portuária de R$5,00, isso é feito diretamente nas cabines no porto e em seguida é só encontrar seu barco no meio da zona de gente e música alta que conturba o ambiente. Ah, fique de olho nas cordas que amarram as embarcações, muitas tartarugas costumam aparecer ali.
       
      Antes de fazer as paradas, a escuna passa por alguns pontos como o Boqueirão, que é o estreito que separa o continente da Ilha do Farol, a Pedra do Perfil do Macaco, a maravilhosa Gruta azul e a Fenda de Nossa Senhora da Conceição, onde há uma estátua da Santa, tudo com a devida explicação do guia. Passar por essas paisagens rochosas é tão diferente que nos faz sentir em outro lugar, algo como a Escócia ou Nova Zelândia, imagino.
       
      Quando o barco começa a se aproximar da primeira parada, a Praia do Farol, já dá pra perceber a mudança na tonalidade da água de um azul mais escuro para um turquesa hipnotizante! Essa praia é considerada pela Marinha a mais perfeita do Brasil, é super restrita, sendo possível desembarcar nela uma quantidade limitada de gente e por apenas 40 minutos, além disso não é permitido levar alimentos e outras coisas que possam gerar sujeira na praia. Não há restaurantes nem ambulantes, o tempo é todo para apreciar aquela areia branca bem fininha e o mar tão transparente que dá pra enxergar nitidamente os dedos dos pés, é tudo tão perfeito que dá até dó de não poder aproveitá-la mais um pouquinho.
       
      A segunda e última parada é em uma das duas Prainhas do Pontal do Atalaia, assim como a anterior é paradisíaca, mas além de não ser restrita, tem acesso por terra também, então fica bem mais cheia. Nessa e em todas as outras praias de Arraial do Cabo, a água é muito gelada, mesmo no calor!
       
      O passeio acabou por volta das 15h e passamos para conhecer a Igreja Nossa Senhora dos Remédios, padroeira de Arraial do Cabo. Ela fica no caminho da saída do porto e é daquelas bem simples, com teto de madeira, branquinha e azul, uma graça!
       
      Terminamos o dia na Praia Grande, que apesar do nome, não lembra nem de longe a homônima paulista e é realmente enorme! Os restaurantes cobram R$10,00 pela mesa e guarda-sol caso não haja consumo de comida. Ficamos lá aproveitando o último dia no paraíso até o sol se pôr entre as nuvens.
       
      Pra quem é de São Paulo, se não quiser passar pelo Rio pra voltar, a dica é ir por Magé, o tempo é o mesmo. Aproveite para fazer uma pausa na Parada do Bubi, na Dutra, o restaurante beira de estrada mais aconchegante que já vi!
       
      Texto original com fotos e mapa aqui: http://www.queroirla.com.br/arraial-do-cabo-o-caribe-brasileiro/
    • Por Mari D'Angelo
      📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
      Sabe aquelas listas de “Lugares para conhecer antes de morrer”? Bom, esse é um deles!
      Estávamos em Zagreb (capital da Croácia) e o planejado era passar o dia no Parque Nacional dos Lagos de Plitvice. Pesquisei bastante antes de ir, uns diziam que o melhor era ficar hospedado lá por uma noite pra conseguir ver tudo, outros defendiam que um bate-volta era suficiente, ficamos com a segunda opção. Suficiente não foi, pois não chegamos a ver tudo (o lugar é enorme!), mas acho que foi realmente a melhor opção. De carro o trajeto dura aproximadamente 1:30.
      Acordamos bem cedo, passamos em um café perto do hotel (onde descobri que “jabuka” é maçã em croata rsrsrs) e partimos pra estrada. No caminho é possível ver marcas de balas em muitas das casas que ainda não foram reformadas, os croatas preferem investir primeiro na parte de dentro das casas (especialmente com sistemas de aquecimento), por isso é normal que muitas delas por fora estejam inacabadas mas por dentro sejam maravilhosas.
      Em uma determinada parte da estrada fica o museu a céu aberto da guerra (independência da Croácia, de 1991 a 1995), uma grande área com casas completamente destruídas, aviões e tanques de guerra. Um lugar tenso, que realmente impressiona, vale a pena parar alguns minutos por lá.
       
      Ao chegar na região do parque, há uma enorme placa onde você pode escolher entre algumas opções de trilhas de acordo com o tempo que pretende ficar e a dificuldade da trilha, escolhemos a nossa e depois de alguns minutos de caminhada já estávamos perdidos! A ideia das trilhas é ótima, mas faltam placas e as que tem são um pouco confusas (essa da foto por exemplo), então acabamos indo aleatoriamente, o que não foi nenhum problema, pois conseguimos ver grande parte das coisas. Ah, apesar do croata ser uma língua incompreensível pra nós, lá quase todos falam inglês, eles estão em uma crescente no turismo então donos de lojas, funcionários de museus, parques, restaurantes etc realmente se esforçam para atender bem os turistas.
       
      Nosso primeiro contato visual foi nada menos que este ai! Ou seja, já nesse momento deu pra entender o motivo do parque ser patrimônio nacional da UNESCO. E vale avisar que as fotos não conseguem captar nem metade das cores e tons perfeitos deste lugar.
       
      Confesso que fiquei meio medrosa andando nas estreitas passarelas, mas ai passavam grupos e mais grupos de velhinhos andando tranquilamente, muito mais rápido que eu… tive que fingir que estava tudo tranquilo né?! Rsrsrs
      É o tipo de lugar que pede calma e contemplação, cada passo dado é uma nova paisagem, entre águas de um azul indescritível, bosques de árvores multicoloridas, calmas piscinas naturais, cavernas, paredões e pequenas cachoeiras, um dos pontos altos do parque é a grande queda, uma enorme cascata onde se concentram muitas das pessoas espalhadas pelas diferentes trilhas.
       
       
      Tudo estava realmente maravilhoso, mas o tempo começou a virar (fomos em abril, estava um sol delicioso mas, bem frio!), decidimos pegar um dos barquinhos de travessia para conhecer o outro lado, ali as coisas já eram mais “selvagens”, estava muito mais vazio, começava a chover e ficar escuro, estávamos perdidos de novo e começava a bater um leve desespero. Nesse momento eu só pensava no que um croata havia nos dito no dia anterior; se vocês virem um urso, corram para baixo pois eles tem as patas da frente mais curtas e vão rolar caso tentem ir nesta direção. =0 Sim, porque havia a real possibilidade de existirem ursos soltos no local! (Rara, mas havia) Tem um ponto no parque onde se pode observar-los (de longe), mas acabamos não tendo tempo de ir lá. Ah, ainda uma última coisa sobre eles, em croata, a tradução para “Urso” é “Medo”… propício não?
       
      Bom, depois de pouco mais de 3 horas chegamos ao fim do passeio, pegamos o barquinho de volta para o local do estacionamento e saímos de lá com a certeza de termos conhecido um dos lugares mais incríveis do planeta Terra!
      Ainda na Cróacia, estivemos também em Zagreb, Split, Baska Voda e Dubrovnik, é tanta coisa maravilhosa que não dá pra falar tudo de uma vez só, mas quero já neste primeiro relato agradecer a Marília, do blog Uma brasileira na Croácia, nos encontramos com ela e seu marido em Zagreb e posso dizer que sem eles a viagem não teria sido a mesma coisa!
       
       
      Algumas informações úteis:
       
      Site do parque: http://www.np-plitvicka-jezera.hr
      Moeda: Kuna | 1,00 BRL = 2,43 HRK
      Preços: Variam muito de acordo com a idade e época do ano, mas no site tem tudo detalhado.
      Horários: O parque abre diariamente das 07:00 às 20:00 (mas os estacionamentos e os transfers de barcos tem outros horários)
       
      Leve um lanche e água pois não há muitos pontos de venda por lá, e sinceramente, acho que nem vale a pena perder tempo com isso, levamos um sanduíche que comemos contemplando as águas azuis. 😃
       
      📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
    • Por Samuel Sam
      Poderiam me informar lugares onde posso acampar e/ou dormir de graça, principalmente praias, mas qualquer outros lugares são bem vindos, como matas, picos entre outros tantos lugares?! Agradeço desde já a todos!


×
×
  • Criar Novo...