Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Entre para seguir isso  
@mateusmaps

Cambão e Kit não é obrigatório! Não acreditem no Consulado Argentino!

Posts Recomendados


@@mateusmaps Muito oportuna seu tópico viu! Quando fui os polícias as vezes perguntavam sobre cambao e kit, inclusive tive que mostrar.

No chile dei uma ré errada e entrei num atoleiro,  o cambao me salvou(passou um carro e acoplamos o cambao e fui retirado). No Peru usei também,  aqui no Brasil já utilizei também. Tenho um até hoje e levo sempre em viagens. 

Diante disso, em viagens longas pelo interior da Argentina e bom ter esse item(não obrigatório) se por acaso tiver alguma pane no veículo e tiver que ser rebocado tudo será bem mais fácil. O kit acho que todo mundo leva um consigo para quaisquer emergência,  mas não é obrigatorio. 

Resumindo: não é obrigatório, mas é bem recomendado ter esses itens 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@casal100 

Super recomendado sim, mas em relação ao outro post q linkei me refiro as multas e polícia corrupta q ainda existe. Então sem tá na lei não é passível de multa.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@@mateusmaps Vc fez um ótimo tópico explicativo sobre esse assunto, elucidou muita coisa. 

Sim, por isso é importante levar copia da legislação no carro...

Valeu pelo topico!

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Que booom esse tópico!

Pq eu até tenho cambão e até vou levar mesmo, mas tenho amigos argentinos que me disseram que não essa obrigação e em todos os sites tá escrito, cheguei a imprimir!

Valeu gentes! Falta 12 dias pra cair na estrada! :)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu levava tudo,  até lençol levava, certa vez no inverno patagônia pegamos -20 graus de temperatura,  advinha quem ajudou a espantar o frio....o lençol. Usamos tudo para cobrir..kkk

  • kkkkkkk 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu tb levo os demais equipamentos apenas para casos de emergência, inclusive lampadas reservas para os faróis dianteiros/traseiros. Nunca precisei usar, mas sei que estarão lá quando precisar.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@hlirajunior Bem lembrado,  lá também é obrigatório luz acessa durante o dia, se queimar uma lâmpada é multa na certa (apesar que a lei diz que eles retém a carteira para vc agilizar a correção).

E tem que saber trocar também. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por [email protected]
      Ter uma história com uma Kombi é bem comum entre os brasileiros. Eu mesma me recordo das histórias de infância, onde uma Kombi era utilizada como transporte escolar na minha cidade. Tenho certeza que que muitos de vocês já se depararam com uma Kombi com aquela faixa amarela escrito “ESCOLAR”, não é mesmo?!
      Kombi Escolar
      Nenhum outro veículo já produzido tem tantas histórias para contar como a Kombi. No Brasil ela foi fabricada de 1953 a 2013, completando 60 anos de produção, sendo um dos veículos que mais participou da vida dos brasileiros. Uma “senhora” com mil e uma utilidades, que vão desde sua utilização no comércio à fins particulares. Diversos jornais e revistas vinham em kombis, assim como outros segmentos que a utilizaram: aviação, correios, imprensa, exército, hospitais, supermercados, entre outros.
      Hoje é muito comum vermos Food-Trucks (traduzido do inglês para “caminhão de comida”) ou MotorHomes (“Casa sobre Rodas”) sendo adaptados em Kombis. A versatilidade desse veículo não tem limites!
      Food Truck
      A criatividade do povo brasileiro em usar a kombosa vai além de “casas sobre rodas” ou “carros de comida”. Hoje já existem Kombi adaptadas como estúdios fotográficos, choperias móveis, lojas ambulantes, escritórios sobre rodas e uma infinidade de usos que revelam que mesmo que a produção desse veículo tenha se encerrado, sem dúvida continuará participando de nossas vidas por muitas décadas.
      No entanto, uma das facetas da “Kombi” que mais vem chamando atenção nos últimos anos é a sua utilização como “motorcasa”, ou como já é conhecida popularmente: Kombihome. É cada vez mais comum vermos notícias de pessoas que decidiram transformar a Kombi em Motorhome e utilizá-la para viajar ou até mesmo morar dentro desse veículo adaptado.
      E os motivos desse “movimento” estar ocorrendo, particularmente no Brasil, entrelaça a história da Kombi com as características do nosso povo.
      Antes de mais nada, é importante ressaltar que a cultura dos Motorhomes nunca foi muito popular na nossa terrinha. Diferente dos Estados Unidos e Europa, o Brasil possui poucas fábricas especializadas em construção de Motorhomes (a maioria localizadas na região sul do nosso país). Não consultei nenhum artigo ou pesquisa que explique essa realidade brasileira, mas poderia “chutar” algumas razões, como: estradas mal cuidadas, postos de gasolina sem infraestrutura, o preço dos combustíveis, falta de segurança, e talvez o principal motivo na minha opinião, que é a situação financeira e a renda per capita do trabalhador brasileiro. Afinal, pra quem ganha um salário mínimo (a maioria da nossa população), adquirir um veículo apenas para viajar com a família é um sonho muitas vezes inalcançável.  
      Típico Motorhome Americano
      Os valores variam muito, mas a média de preço de um motorhome básico está na casa dos R$70.000,00. Isso porque esses veículos muitas vezes são adaptados em vans ou chassis de caminhão, o que já torna o custo inicial muito elevado. No entanto, o brasileiro parece ter “redescoberto” um veículo barato, com razoável espaço interno e muito popular em nosso país: a Kombi. As vantagens dessa velha senhora não param por aí: mecânica simples, fácil acesso a peças de reposição e principalmente: manutenção barata. Para se ter uma ideia, certos reparos no sistema de transmissão de uma van são mais caros que o motor inteiro de uma kombi.
      E é por se adaptar a realidade financeira da população brasileira, que as Kombihomes estão virando febre por aqui, e ganhando cada vez mais o coração das pessoas.
      Nós adquirimos a nossa em março de 2017. Trata-se de uma Kombi ano 2010/2011, modelo Standard, motor flex 1.4. Inicialmente estávamos de olho em modelos mais antigos, fabricados entre 2003 e 2009. No entanto, as opções que encontramos não estavam bem conservadas, apresentando pontos de ferrugem na lataria e alguns problemas mecânicos. Ao encontrarmos com a Chica (nome carinhoso com que batizamos nossa Kombi), foi amor à primeira vista. E mesmo com o preço de venda estando um pouco acima do planejando, acabamos ficando com ela. Levamos ela para a casa por R$20.500,00, pagos à vista.
      Muitos parentes e amigos questionaram a escolha da Kombi, em detrimento de veículos com maior espaço interno, como as Vans, ou com motores mais potentes, como as caminhonetes 4x4. A verdade é que a Kombi foi a escolhida por ser a única que se encaixava no nosso orçamento. Apesar das boas lembranças que eu e meu marido tínhamos da Kombi, não nos considerávamos “fãs” do veículo, assim como alguns colecionadores e amantes de Kombi.
      Basicamente o que nos levou a escolher a Kombi foi seu baixo custo. Claro que depois de 1 ano viajando, a Chica acabou se tornando parte da família, recebendo muito mais carinho que um carro comum está acostumado.
      Entretanto, nem tudo são flores! Assim como qualquer veículo, a Kombi também tem seus pontos negativos. Mas isso é assunto para o próximo post...
      Mesmo não sendo o melhor, o maior ou o mais bonito motorhome, a Kombi vem atendendo perfeitamente nossas demandas de uso e nos proporcionando a oportunidade de realizar o sonho de viajar por nosso país.  
      Para saber mais sobre o universo de motorhomes e Kombihomes, acesse nosso canal no Youtube ou nosso perfil no Instagram. Eu tenho certeza que você vai se encantar com esse estilo de vida que vem seduzindo cada vez mais pessoas.
      Kombihome Chica - Na Estrada  
      Youtube:https://www.youtube.com/naestrada
      Instagram: https://www.instagram.com/naestradadekombi
       
       
    • Por Roberto Bessa
      Olá pessoal, estou planejando fazer uma viagem com meu Chevette 1981 saindo de Petrópolis RJ indo até a cidade de Quevedo no Equador em Abril de 2020, alguém já fez esse trajeto sabe informar quais documentações preciso para o carro circular nos países que vou passar? (Argentina, Chile, Peru, Equador e talvez Bolívia)
      Obrigado!
       

    • Por Robson Black
      Boa tarde
      Estou pensando em fazer uma viagem a Argentina na maior parte do Roteiro de Bike:
      - Saída dia 21/01/20 Florianópolis x Resistência de ônibus de linha levando a bike e outros equipamentos:
      - Dia 22/01 Resistência x Bariloche de avião ou ônibus 
      -Dia 23/01 7 lagos de bike
      Retorno igual, gostaria de ajuda:
      -  Qual melhor roteiro para este viagem?
      - O que devo levar de roupa para o clima da época?
      - Há perigo neste roteiro?
      - Está valendo apena ir a argentina de bike?
      Deixo meu e-mail e agradeço quem quiser me ajudar:
      [email protected]
    • Por Alan karleno
      Fala Mochileiros..
      Procuro dicas para aperfeiçoar o meu roteiro e a quantidade de dias que se faz interessante para cada local. Planejo o roteiro entrando pela Argentina (buenos Aires), saindo pelo Chile (Santiago), em junho de 2020. Tenho 25 dias disponíveis. 
      Vôo. Teresina & buenos Aires (buenos Aires 3 dias).
      Vôo. Buenos Aires & Bariloche (Bariloche  + Villa la angostura 5 dias). 
      Vôo. Bariloche & Buenos Aires e Buenos Aires Ushuaia. (Dia para viagem). 
      Vôo. Ushuaia & El Calafate (4 dias El Calafate).
      Ônibus. El Calafate & Puerto Natales (5 dias Puerto Natales + Parque torres del paine). 
      Ônibus. Puerto Natales & Puta Arena (2 dias Puta Arena).
      Vôo. Punta arenas & Santiago ( 4 dias Santiago) + VALLE NEVADO ou FARELLONES.
      Vôo. Santiago & Teresina. 
      1 dias para emprevisto.
      Quero aproveitar ao máximo o tempo em viagem.
      Desde já agradeço pela atenção.
      Bora Mochila..
       
       
       
       
       
       
       
    • Por thiago.martini
      Amigos Mochileiros,
      Como o único relato que tem sobre o trekking a Ciudad Perdida é de 2010 (muito bom por sinal e me ajudou bastante) resolvi escrever sobre a experiência que eu e minha esposa tivemos em outubro deste ano neste trekking incrível.
      No meu instagram (@thiagomrp) tem uma postagem para cada dia da trilha, com várias fotos do percurso. Quem quiser, é só dar uma conferida.
       
      PREPARAÇÃO
      Foi bem difícil achar boas informações sobre o trekking em sites brasileiros. Só um relato aqui no Mochileiros.com e poucas informações recentes. Acabei assistindo alguns vídeos feitos por viajantes gringos, buscando informações em sites colombianos e conversando com o hostel que iria nos hospedar em Santa Marta.
      Pelo que tinha pesquisado, sabia que a caminhada seria um pouco difícil, então resolvemos intensificar um pouco os treinos (fazemos treino funcional pelo menos 3 vezes por semana).
      Fiquei em dúvida sobre comprar antecipadamente ou fechar na hora. Conversei com o pessoal do hostel por e-mail (Masaya Santa Marta – recomendo muito a estadia lá) e me orientaram que sempre tinham saídas e que a diferença seria o pagamento com ou sem taxas do cartão. Em resumo, pagando lá haveria uma taxa de 3% do cartão de crédito (que de fato não ocorreu, mais adiante explico).
      Então como preparação apenas reservei o hostel em Santa Marta (Masaya) para dois dias antes do trekking e um dia depois. Assim poderíamos deixar nossos mochilões lá mesmo.
       
      COMPRA DO TOUR (dia 07/10/2019)
      Compramos o tour no próprio hostel, pelo mesmo preço que costuma ser o padrão das empresas de Santa Marta, COP 1.100.000,00. Na época que estivemos lá a melhor cotação que achamos foi 1 real para 780 COP’s. Com essa cotação nosso trekking ficou por +- R$ 1.400,00 cada um. Não tivemos a tal taxa extra, porque o atendente nos enviou um link (tipo paypal) e pagamos diretamente no site.
      Aproveitamos para pegar informações com o atendente, Francisco, que tinha sido tradutor nessa trilha por diversas vezes. Segundo ele não seria TÃO difícil. Ledo engano nosso kkkkk.
       
      DIA 1 (09/10/2019)
      Entre 8h30 e 9h00 passariam nos recolher para o tour. Às 8h30 já estávamos na recepção. Vi um rapaz com roupa de agência e perguntei se estava nos esperando. Ele disse que não. Apenas outras duas pessoas. Até aí, ok então.
      Esperei mais uns 15 minutos e nada da nossa agência. Fui falar com o rapaz sentado e perguntei se o nosso tour não era com ele também. Me perguntou qual era a nossa agência. Aqui descuido meu, não tinha perguntado ao Francisco qual era a agência. Mostrei para ela o comprovante de pagamento, ele fez uma ligação e confirmou que a gente também tinha que ir com ele. Uffaaaa, que sorte que fui abordá-lo.
      Entramos num 4x4 e recolhemos algumas pessoas pelo trajeto. Fomos até a agência antes de sair. Depois de um rápido briefing pegamos a estrada.
      Nosso grupo tinha 9 pessoas (5 colombianos, 2 ingleses, 1 alemão, 1 norte-americana e nós 2 de brasileiros). 
      Foram cerca de 1h30 de estrada de asfalto, com um motorista dirigindo loucamente kkkk.
      Por volta das 11h00 estávamos na entrada do Parque Nacional de Sierra Nevada. Lá pausa rápida para banheiro, colocar nossas pulseira de autorização para entrar no parque e mais 45 minutos de estrada de chão, com várias subidas e descidas irregulares e travessias de rio. Foi bem emocionante kkkk.
      Perto das 12h00 chegamos ao restaurante onde almoçamos e depois iniciamos nossa caminhada. Prato feito com arroz, feijão, salada, coxa com sobrecoxa e, é claro, patacones (que delícia kkk). Os pratos de comida são muito grandes. Eu não consegui comer tudo.
      Por volta das 13h15 saímos para iniciar nossa caminhada.
      O primeiro dia é basicamente uma longa caminhada estrada acima, com algumas barraquinhas no meio do caminho vendendo água, refri, cerveja, cacau, suco de laranja etc.
      Esse dia totalizou 12,2 kms com solzão na cabeça.
      Chamou atenção nesse dia a quantidade de aranhas e suas teias nas árvores.
      Chegamos no acampamento por volta da 16h45. Todos os acampamentos são ao lado de rio. Nesse primeiro tinha uma piscina natural que o povo pulava do alto de uma pedra. Eu sou meio cagão para água, mas tomei coragem e pulei, minha esposa também. Foi uma baita adrenalina. Tem o vídeo no meu instagram (@thiagomrp).
      Depois de um mergulho revigorante nas águas frias do rio, fomos tomar banho para jantar e dormir.
      Dica: muita atenção nos acampamentos com aranhas, escorpiões e cobras. O nosso guia nos alertou. Nós optamos por pendurar as botas no alto (o que depois foi seguido pelos colegas) e SEMPRE deixar as mochilas fechadas, para evitar entrada de bichos. Também revisamos as camas antes de deitar.
      Jantar estava muito farto e gostoso. Depois um brefing sobre o próximo dia e conversas sobre a história da trilha, da região, do povo Tayrona etc. Tudo muito interessante.
      Às 20h00 já estamos deitados e às 21h00 apagaram as luzes.
       
      DIA 2 (10/10/2019)
      Despertadores tocaram as 5h00 para nos arrumarmos, tomarmos café e saímos às 6h00. Acontece que no grupo tinha uma criança (11 anos) que só levantou às 6h00 e daí que foi tomar café. Ficamos bem impacientes, inclusive o guia. Aqui falha dos pais que não acordaram a criança antes e apressaram ela. Acabamos saindo 6h30.
      O segundo dia já era sabido com sendo o pior, e realmente foi. Foram 21,2 kms com muitas subidas e muita lama pelo caminho. Lugares bem escorregadios para caminhar. Nos levamos nossos próprios bastões, quem não tinha estava improvisando com tronco de árvore.
      Às 9h00 chegamos no lugar onde almoçamos. Fizemos uma parada mais longa com direito a visitar uma cachoeira próxima. Valeu muito a pena.
      Às 10h30 já estávamos almoçando e 11h00 voltamos a caminhar.
      A segunda parte do dia foi beeeeemmm difícil. Muita subida e lama.
      Por volta das 14h00 começou a chover, então complicou um pouco mais. Era subida sem fim, com chuva e fome. Por sorte chegamos numa vendinha e lá tinha frutas para nós. Foi revigorante.
      Aliás, em várias vendinhas as agências providenciam frutas para o pessoal, normalmente melancia, laranja ou abacaxi (muito doce por sinal).
      Chegamos no acampamento às 16h10, bem cansados. É o último acampamento antes da Ciudad Perdida, então todas as agências ficam no mesmo lugar. É o que tem a estrutura mais precária, mas mesmo assim foi ok.
      Jantamos, conversamos e antes das 20h00 já estávamos deitados. Às 21h00 apagaram as luzes.
       
      DIA 3 (11/10/2019)
      Novamente levantamos às 5h00, café da manhã e as 6h30 saímos. Aqui o atraso foi proposital. Como 10 minutos após o acampamento tem a travessia de um rio, o guia preferiu atrasarmos um pouco para não ter que ficar esperando na margem do rio os demais grupos atravessarem.
      Que travessia hein!
      Deve ser uns 20 metros de uma margem a outra, com pedras e correnteza forte. Duas cordas ajudam, aliás, todo mundo se ajuda porque a correnteza é muito forte mesmo.
      Depois de recolocar as botas, mais uns 10 minutos caminhando e chegamos no início das escadas que levam a Ciudad Perdida. Mais de 1200 degraus pela frente. Muita atenção, pois os degraus são curtos e bem úmidos.
      Às 7h10 já estávamos na entrada da Ciudad Perdida. Passaportes (dados pelo próprio parque com a história do lugar) foram distribuídos e carimbados.
      Nos acomodamos num lugar para ouvir o guia contar sobre a história da Ciudad Perdida e seu povo. Depois de um tempo saímos para desbravar o lugar.
      Você vai encontrar vários militares do exercício pelos caminhos da Ciudad Perdida. Eles estão ali para marcar a presença do Estado e oferecer segurança. Foram todos amigáveis e até tiraram fotos com a bandeira do Brasil (eu sempre viajo com uma).
      Na saída da Ciudad Perdida nosso guia passou na oca do líder espiritual, Mamo, porém ele não estava. Apenas sua esposa que vendeu algumas pulseirinhas feitas por ela para o grupo.
      Por volta das 10h00 já estávamos descendo de volta ao acampamento em que passamos a noite. Almoçamos por lá e depois voltamos até o acampamento em que almoçamos no segundo dia.
      Nesse dia foram quase 22km caminhados. Foi puxado, mas nem tanto.
      A noite jantamos e antes de dormir tivemos a oportunidade de ouvir histórias de um índio de uma tribo descendente dos Tayronas. Ele mostrou instrumentos de trabalho, o poporo (instrumento usado apenas pelos homens para consumir a folha de coca) e outros utensílios. Foi uma conversa legal. Ele falava mais ou menos o espanhol e era auxiliado pelo nosso guia. Uma experiência bem bacana.
       
      DIA 4 (12/10/2019)
      Novamente acordamos as 5h00 e 6h30 já estávamos caminhando para terminar o nosso trekking. O objetivo era chegar para o almoço no local onde iniciamos nossa aventura. Lá onde o 4x4 nos deixou e voltaria nos pegar.
      Umas subidas bem fortes, com quase 1 hora de subida initerrupta. Foi bem puxado.
      Confesso que tenho dúvidas se foi o segundo ou último dia o mais difícil. Ambos foram muito puxados.
      Por volta das 10h00 paramos tomar um suco e comer um bolo no mesmo local do primeiro acampamento. Descansamos um pouco e logo partimos.
      Eu e minha esposa aceleramos o passo porque queríamos terminar antes do meio dia. Não porque tivéssemos pressa, mas só para ter um objetivo.
      Uma parte do grupo foi mais rápido conosco e o resto seguiu mais lento com o guia.
      Esse trecho final foi aquele na estrada com o sol na cabeça do primeiro dia. Dessa vez o sol estava até mais forte, por isso cada vez mais queríamos chegar antes.
      Exatamente 11h50 chegamos no restaurante. Fui um trecho bem cansativo, quase 22,5 km. Todos que chegavam já foram arrancado as botas e deitando pelo chão gelado, era a melhor coisa naquele calor kkkk.
      Cerca de 1 hora depois chegou o resto do grupo.
      Almoçamos e por volta da 14h00 já estávamos no 4x4 para retornarmos até Santa Marta.
       
      SALDO FINAL
      Talvez tenha sido o trekking mais difícil que já fiz na vida (já fiz Salkantay no Peru e vários outros no sul do Brasil).
      Foi puxado, subidas e sol fortes e uma umidade muito grande, suávamos muito.
      Faria tudo de volta? Sem sombra de dúvidas, SIM.
      Foi uma experiência muito legal, uma caminhada difícil e desafiadora, com um grupo nota 10, guia e tradutor muito gente boa e estrutura de acampamentos legal. Várias vezes nos pegávamos falando: “estamos no meio da selva colombiana!!!”. E realmente é isso. É uma selva bem fechada, úmida, com rios, cachoeiras, pedras e lama.
      Trekking a Ciudad Perdida marcado como FEITO e RECOMENDADO a todos mochileiros e trilheiros!
       
      Obs.: tentarei colocar algumas fotos nos próximos comentários. Quem quiser pode ver algumas no meu instagram @thiagomrp. 
       


×
×
  • Criar Novo...