Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Caminhar em geleiras na região de El Calafate / El Chaltén!


Posts Recomendados

  • Membros

Bom dia,

Eu sou o Alan, e este é meu primeiro post aqui no mochileiros.com.

Estou recorrendo a vocês pois tenho uma dúvida a respeito das geleiras na região patagônica de El Calafate e El Chaltén.

Estarei indo passar 03 dias em El Calafate e 05 em El Chaltén em Fevereiro de 2020 (verão, em um pequeno grupo de 03 pessoas), fiz diversas consultas pela internet sobre esse assunto e aparentemente tudo leva ao Perito Moreno, administrado pela Hielo Y Aventura. Em outros casos, algumas notícias antigas falam do Glaciar Viedma, todavia parece que não é mais possível caminhar sobre esta geleira.

Nós realmente gostaríamos muito de ter essa experiência, porém o site da Hielo Y Aventura nem tem agenda livre ainda para fevereiro de 2020, e o valor atual por pessoa ultrapassa R$ 1.000,00 no Big Ice (que é a oferta que mais se aproxima de nosso interesse).

Minha pergunta é, existem outras opções com outros valores nessa região (até mesmo em outras cidades próximas, não mais de 300 km de distância) ou até mesmo a possibilidade de caminhar sobre uma geleira de forma autoguiada e sem custos?

Quando montei o roteiro dessa viagem, a alguns meses atrás, o valor do Big Ice era menor que R$ 800,00, e esse aumento realmente ficou chato, por isso estou procurando alternativas.

 

Agradeço muitíssimo qualquer colaboração, e se vocês tiverem qualquer dica sobre esse assunto, eu ficaria muito feliz em recebê-la!

Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • Membros

@Alan Rafael Kinder @Alan Rafael Kinder

Que eu saiba o único glaciar possível de fazer trekking é o Perito Moreno. O Viedma foi fechado a um tempo atrás pois ele estava recuando. De forma autoguiada, acho que é fora de cogitação. Só tem uma empresa que faz isso, e é um passeio bastante caro... mas acho que não deve estar esgotado para fevereiro. Vc tentou entrar em contato com eles? Se vc olhou no site, pode ser que eles nem tenham aberto a agenda para o próximo ano.

  • Obrigad@! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Colaboradores

Também não conheço nenhuma outra opção! 

E comparado a outras relatos antigos ficava em torno de 750 reais.

Entra em contato com eles.. deve ter alguma explicação.

Pode ser por conta da temporada, dólar em alta ou até mesmo pelo fato de ser mais caro pela internet! 

  • Obrigad@! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Colaboradores

Eu fiz o minitrekking e fiquei satisfeito. Pessoas que conheci que fizeram o Big Ice disseram que a diferença foi só ir mais longe dentro do glaciar mesmo assim não viram coisas lá assim tão diferentes

  • Obrigad@! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

@NataNL Tentei entrar em contato sim, faz uns dois meses, mas não obtive qualquer resposta. Mandei e-mail e também utilizei o formulário de contato disponível no site.

@_Umpdy Realmente, quando montei o roteiro dessa viagem, o preço estava um pouco menor que R$ 800,00 (não recordo precisamente o valor). Lembro também que a opção do Minitrekking estava perto dos R$ 400,00.
Hoje fiz a consulta dos valores novamente, e conforme o próprio site, o Minitrekking está por ARS 4.500 (R$ 395,03) e o Big Ice por ARS 11.500 (R$ 1.009,53) - com o valor de um Peso Argentino em 0,088 centavos.
Simplesmente o valor do Big Ice subiu R$ 200,00 reais, enquanto o Minitrekking se manteve igual da última temporada.
Tenho acompanhado a variação do Peso Argentino e do Dólar Americano, e não consigo imaginar o porquê desse acréscimo em um produto específico deles.
Seria sacanagem o valor pela internet ser maior! :/

@luizh91 @Rezzende Consegui conversar hoje de tarde com uma usuária aqui do fórum, e ela reforçou essa mesma ideia!
Pelo jeito vamos mudar pro Minitrekking, economizar uma quantia razoável preservando a experiência (só por um período inferior) e investir essa diferença na opção de rafting que parece ter em El Chaltén.

Agradeço a colaboração pessoal!
Se ainda tiverem sugestões de atividades e puderem compartilhar, seria bem legal!

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Fora da Zona de Conforto
      Recentemente eu fui para Long Island (New York) passear e acabei testando um novo modelo de tênis que tinha acabado de receber. Queria testar se ele era tão confortável como muitos dos tênis hoje em dia, mas principalmente….se ele era à prova d’água! E sim, passou no teste. Além dele ser bem bacana e combinar com tudo, é super leve, confortável, e agarra super bem para trekkings de nível médio!
      Mas que tênis seria esse? Eu estou falando do Loom!
       

       
      A empresa tem sede em Hong Kong e é composta por designers, engenheiros, especialistas em ergonomia, cientistas e aventureiros (como nós ). Todos se juntaram para construir um sapato que tivesse todas as melhores características dos sapatos favoritos da equipe em um pacote todo-o-terreno para todo o ano, e pronto, assim o Loom “nasceu”. E segundo eles, o Loom é um calçado/tênis ecológico mais versátil do planeta. Isso porque o Loom é vegano! 
       
      Continue lendo: Conheça o Tênis Impermeável Loom: Ótimo p/ Dias Chuvosos e Trekking
    • Por TardoAventura
      Este video é uma amostra das nossas caminhadas. Esperamos que gostem.
      https://youtu.be/KX75XilaOgw
      Sigam a Tardo Aventura em https://pt.wikiloc.com/wikiloc/user.do?id=4716837

    • Por Alan Rafael Kinder
      INTRODUÇÃO
       
      Bom pessoal, eu sou o Alan, e recentemente fiz a primeira viagem internacional da minha vida (e também a primeira vez que voei com um avião).
      Comigo, também foram meu irmão (Fabian) e um amigo (Diego).
      Esse relato foi uma forma de compensar por todo o auxílio que obtive, em especial, aqui neste fórum, com dicas e informações preciosas que permitiram que eu tivesse essa viagem extraordinária.
      Eu tentei elaborar esse relato com calma, e por isso acabei demorando um bocado pra chegar nessa versão final – fazem 56 dias que eu chegava de volta ao Brasil!
      É importante destacar que, sempre que foi possível, evitamos ‘programas fechados’, que envolvessem guias ou horários pré-estabelecidos – queríamos ter a liberdade de curtir cada momento no nosso próprio tempo.
      E também, como nós temos o hábito de fazer caminhadas por trilhas aqui de nossa região, decidimos que o foco de nossa viagem seria o hiking, logo, tudo girou em torno dessa ideia.
      Como foi a primeira viagem de todos nós, haviam certas incertezas em todas as decisões – desde o voo (como proceder com o embarque, o que poderia ser levado) até questões de dinheiro (onde trocar, quanto vale) e praticidade (alugar um carro, hotel ou hostel, quão frio é por lá).
      No final das contas, nosso planejamento foi uma mistura de segurança com economia (os planos mudaram diversas vezes).
      Meu propósito com esse relato é de tentar ajudar pessoas que, assim como eu, não tem nenhuma experiência com viagens desse gênero – por isso, tentarei enriquecer o máximo possível com informações relevantes (e talvez tudo fique muito extenso para ser lido).
      Tomem nota que, quando eu descrevo as trilhas, tento focar mais nos detalhes que mais me chamaram a atenção – mas todas elas tomaram horas de caminhada.
       
      PLANEJAMENTO DA VIAGEM

      Inicialmente, o desejo de conhecer a Patagônia Argentina surgiu no final de 2018, onde eu e o Diego conversávamos em um PUB da região enquanto bebíamos e assistíamos o canal OFF.
      Daquele momento em diante, decidi reservar um tempo e montar um itinerário – fiz diversas pesquisas pelo Google em busca de atrações e programas naquela região (naquela época ainda não sabia da existência de El Chalten).
      A primeira versão da viagem envolvia conhecer Ushuaia, e estávamos fortemente considerando alugar um carro naquela região para ter mais mobilidade.
      Entretanto, conforme fui ampliando minha pesquisa sobre o assunto, fui de encontro com a ‘Capital Nacional do Trekking da Argentina’ – El Chalten – e logo me apaixonei pela possibilidade de conhece-la (ainda mais estando tão próxima de El Calafate com seu Glaciar Perito Moreno).
      No início de maio de 2019 encontrei uma promoção de passagens para ir e vir de El Calafate (um valor bem abaixo dos demais – estive acompanhando semana a semana a variação deles) – apenas teríamos que aumentar dois dias de viagem (inicialmente eram apenas oito) e a saída seria de Curitiba/PR. Logo que compartilhei com os demais, decidimos comprar as passagens naquele mesmo dia.
      Passagem de CWB para FTE (conexão em EZE com troca de avião), valor de R$ 1.409,81 por pessoa, ida e volta, sem bagagem adicional, comprada diretamente do site da Aerolineas Argentinas em 02 de maio de 2019.
      A partir deste momento, tínhamos um período definido para nossa viagem, e com isso, fizemos alterações relevantes nos planos: desistimos de ir para Ushuaia (ficaria para uma próxima) e não alugaríamos mais um carro.
      Desistindo de visitar Ushuaia, asseguramos uma economia nas despesas, porém, mais que isso, mais dias para curtir El Chalten (e foi uma decisão extraordinária)!
      Percebemos que, tendo apenas El Calafate e El Chalten nos planos, ter um carro se mostrava desnecessário – era possível fazer as trocas de cidade e eventuais corridas com serviços oferecidos na região (e novamente, foi muito mais barato que alugar um carro e dividir as despesas).
      Finalmente, na última versão da viagem, decidimos trocar o último dia de passeio em El Calafate por El Chalten, de forma que ficaríamos um sétimo dia (seis líquidos) para nossas caminhadas.
      Por segurança e praticidade, tudo que pudemos comprar com antecedência aqui do Brasil foi feito – não sei dizer ao certo se isso foi o mais sábio em termos de economia, mas estar com as coisas definidas permitia com que curtíssimos mais o que era importante, ao invés de ficar correndo e negociando coisas.
      Também não compramos chip de planos de dados para internet. Sinceramente não achei necessário. Você conseguia acesso via wifi em praticamente qualquer estabelecimento, incluindo o hostel/hotel. A conexão é normalmente boa, raríssimas vezes não funcionava (em El Chalten teve um dia que ventou demais e pareceu que estava interferindo). Mas conseguíamos fazer chamadas de vídeo sem problema algum.
      Quanto ao celular, visto que não teria plano de dados, eu baixei os mapas da região para consulta offline (isso foi realmente importante) e sempre que não precisava conectar ao wifi, mantinha a opção ‘modo avião’ e ‘economia de energia’ ativos – isso dava até cinco vezes mais bateria para o celular.
       
      EQUIPAMENTOS
      Apesar de fazermos trilhas aqui pela região com bastante frequência, estávamos cientes que o clima da Patagônia era muito diferente do nosso, e por isso, foi necessário comprar algumas coisas – ainda mais que decidimos fazer a viagem sem despachar malas.
      Nosso limite era de 08kg na bagagem de mão (que você guarda em cima do teu assento no avião) e até 03kg no artigo pessoal (aquela mochilinha que tens que colocar entre seus pés no chão) – essas eram as regras da Aerolínias Argentinas (logo, dependendo das empresas que operarem teu voo, tens que observar as regulamentações específicas).
      Bom, cada um de nós fez suas próprias compras, mas de uma forma geral, os mesmos itens eram comprados.
      Com os relatos de ser uma região muito fria, decidimos nos preparar para isso.
      Fora isso, tínhamos que considerar que tudo que fosse comprado teria que caber dentro das mochilas.
      Segue relação dos itens que foram levados dentro das mochilas:
      1x Casaco fleece 2x Camisa manga curta dryfit 1x Camisa manga longa dryfit 1x Camisa segunda pele 1x Calça de trilha com resistência a água 1x Calça moletom 1x Calça segunda pele 1x Touca 1x Luvas 1x Toalha dryfit 5x Cuecas 4x Meias cano longo de trilha 1x Meia de algodão 1x Chinelo 1x Powerbank 20.000mah Documentos e comprovantes Além destes, algumas coisas vesti e carreguei durante os voos:
      1x Casaco com resistência a água 1x Camisa manga curta de tecido 1x Calça jeans 1x Bota impermeável de trilha 1x Celular No final das contas, todos os itens comprados couberam com relativa folga de volume, e muita folga de peso, na mochila maior. Na mochila menor levei os eletrônicos e documentos, e também ficou folgada. A verdade é que nem precisávamos levar tanta coisa (devido nossas escolhas durante a viagem).
      Tínhamos pensado em lavar nossas roupas enquanto tomávamos banho – e isso até foi possível com alguns itens – entretanto, conforme estávamos lá, percebemos que iríamos precisar mandar lavar algumas peças em lavanderias (e fizemos isso duas vezes – custava entre 300 a 400 pesos dependendo do peso). Isso acresceu um pequeno custo ao total de despesas, mas valeu muito a pena.
      As despesas com esses itens comprados não fazem parte das da viagem, pois apesar de ter comprado muita coisa específica, posso usá-las em outros momentos.
    • Por Nathan Martins
      Programando Bombinhas no periodo de 24 a 28/08.
    • Por Bob Alves
      Sou novo aqui. Gostaria de saber lugares q aceitam Kombihome e que posso trabalhar para pagar hospedagem e alimentação se for o caso. Gosto de ir em praias, cachoeiras, Lagos.
      Caso queira ver, tenho canal no YouTube:
      'Seja Como For'
      Insta: @bobalves
       
      https://www.youtube.com/channel/UCo9rA0tPpmgPfC4SzOKPovQ

×
×
  • Criar Novo...