Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

CHAPADA DOS GUIMARAES + SERRA DO RONCADOR + PANTANAL


Posts Recomendados

  • Membros

Estarei indo para Cuiabá no dia 20 de setembro, e retorno pra Sao Paulo dia 30 de setembro... alguem interessado em ir pra Chapada dos Guimarães, Serra do Roncador, Nobres e Pantanal? Esse roteiro não está fechado! Podemos conversar e combinar um roteiro q seja bom para todos!

Link para o post

Arquivado

Este tópico foi arquivado e está fechado para novas respostas.

  • Conteúdo Similar

    • Por Carol Magnoni
      Introdução
      Após passar dois dias em Cuiabá (roteiro está no meu perfil aqui no site), fui conhecer Nobres, ou melhor, um distrito de Nobres, chamado Bom Jardim. Um pequeno paraíso no interior do Mato Grasso ainda pouco explorado.
      Bom Jardim fica a 140km de Cuiabá e é conhecida como a “Bonito do Mato Grosso”. Não conheço Bonito, mas garanto que Bom Jardim é maravilhoso e vale muito a pena ser visitada.
      Em primeiro lugar, como chegar? Para responder a essa pergunta tenham em mente o seguinte:
      - eu cheguei em Cuiabá de avião, portanto não tinha carro;
      - eu tinha apenas um dia para conhecer Bom Jardim, nem sequer poderia dormir lá;
      - ônibus não é exatamente uma opção: pelo que pesquisei não existe um ônibus que vá de Cuiabá direto para Bom Jardim, é preciso pegar um ônibus para Nobres e depois outro para Bom Jardim, o que levaria muito tempo, coisa que eu não tinha; mas, para quem puder ficar mais dias em Bom Jardim, talvez o ônibus seja sim uma boa opção, mas já adianto que não é simples comprar passagem pela internet, o melhor mesmo é se informar na rodoviária de Cuiabá;
      - em Bom Jardim os atrativos ficam distantes um do outro, alguns à beira da estrada, outros estrada de terra adentro, o que praticamente impossibilita o traslado entre um e outro a pé.
      Tendo tudo isso em mente, a primeira coisa que pensei foi em contratar uma agência de Cuiabá que incluísse os atrativos (logo tratarei deles), o transporte de ida e volta (Cuiabá-Bom Jardim) e também os traslados entre os atrativos. Embora existam agências que fazem exatamente isso, eu não consegui reservar para a data que pretendia, e não por falta de vaga, mas porque as agências não conseguiram o número mínimo de pessoas para fechar um carro ou van (e olha que era um sábado, na semana do Natal, quando é considerado alta temporada). Eu tentei com 3 agências diferentes e em nenhuma delas deu certo.
      Frustrada, já estava pensando em mudar os planos, quando decidi conversar com a Joana, a guia que me acompanharia nas trilhas na Chapada dos Guimarães (será objeto de outro relato) e ela me sugeriu alugar um carro e ir por minha conta. Porque eu não pensei nisso antes? Talvez por estar sozinha, dirigindo no interior de um Estado até então totalmente desconhecido por mim, numa estrada que não fazia a menor ideia das condições, agravado pelo fato de que eu já sabia que durante o trajeto e também em Bom Jardim não funcionaria celular 😅. Mas, a Joana, que é da região, me encorajou e eu decidi alugar um carro e ir sozinha mesmo.
      A opção foi usar umas milhas que estavam dando sopa e consegui alugar um carro sem precisar desembolsar mais dinheiro. Com as milhas eu paguei a diária de um Ford Ka, desse modelo bem novinho, com ar-condicionado. E foi a melhor coisa que eu poderia ter feito. Além de poder fazer meu próprio roteiro, escolher os atrativos que eu quisesse, ficar neles quanto tempo eu quisesse e parar na estrada quantas vezes eu bem entendesse para admirar a vista que se tem da Chapada, foi bem libertador fazer esse rolê por minha conta.
      Dito isso, se você não tiver um carro para fazer esse passeio, super recomendo que alugue um e faça.
      Mas não seja uma pessoa apressadinha e saia digitando desesperadamente no Google Maps “Cuiabá –> Nobres”, porque assim você vai acabar percorrendo 50km a mais (!!), já que os atrativos não ficam na cidade de Nobres, mas sim no distrito de Bom Jardim, que pertence ao município de Nobres, mas dista 64km da cidade. Se você está em Cuiabá e digita “Nobres” no Maps, o app vai te levar à cidade de Nobres percorrendo um outro caminho, mais longo. Então a dica é digitar “Bom Jardim MT” ou então o nome de algum atrativo, por exemplo, “Balneário Estivado”, assim o Google irá reconhecer um outro caminho, inteiramente asfaltado, e com a economia de 50km.
      O caminho mais curto tem cerca de 140km e leva, em média, 1h50. Já o mais longo (que passa pela cidade de Nobres) tem cerca de 190km e leva, aproximadamente, 2h40.

      Algumas atrações requerem a compra antecipada de vouchers, que são vendidos por agências turísticas situadas na cidade de Nobres, mas você não precisa passar lá para pegar os vouchers. Eu comprei alguns antecipadamente pela internet e liguei na agência pedindo que os encaminhassem ao Aquário Encantado (meu primeiro destino em Bom Jardim), assim, não precisei ir até Nobres. Isso é uma prática comum das agências, não foi nenhum favor que fizeram e não tem problema nenhum em pedir. Cheguei no Aquário e lá estavam meus vouchers me esperando lindamente. Você não tem motivo nenhum para ir à cidade de Nobres, que eu saiba, lá não há atrativos.
      Eu comprei os vouchers com uma agência que encontrei digitando no Google mesmo, a Nobres Turismo (http://nobresturismo.com.br/ ), e deu tudo certo. Os preços são praticamente tabelados, vai ter pouca ou nenhuma diferença entre as agências.
      Atrativos
      Os principais atrativos em Bom Jardim/MT são:
      - Cachoeira Serra Azul (SESC) (R$ 80,00)
      - Aquário Encantado + Flutuação no Rio Salobra (R$ 100,00 sem almoço e R$ 150,00 com)
      - Refúgio Água Azul (R$ 80,00 sem almoço e R$ 130,00 com)
      - Flutuação no Rio Triste (R$ 100,00)
      - Vale das Águas (R$ 100,00)
      - Balneário Estivado (R$ 25,00 para o dia; valor do almoço é R$ 50,00 por pessoa)
      - Lagoas das Araras (R$ 30,00)
      - Boia Cross no Duto do Quebó (R$ 100,00)
      Existem outras cachoeiras, trilhas e atividades, mas as principais são essas aí mesmo.
      Se você puder ficar dois ou três dias em Bom Jardim, você vai ter tempo de conhecer todos esses atrativos. Mas se você não tiver tantos dias, assim como eu, aqui vão algumas dicas para escolher:
      - Aquário Encantado, Flutuação no Rio Salobra, Refúgio Água Azul, Flutuação no Rio Triste e Vale das Águas são atrações semelhantes, que consistem, basicamente, em banho e flutuação, nos rios e nascentes da região. Então você pode escolher apenas uma delas, ou duas, que será suficiente.
      Eu escolhi o Aquário Encantado, porque, por fotos, parecia ser o mais bonito. Não me decepcionei. Eu queria fazer o Aquário e a flutuação do Rio Triste, porque li que no Rio Triste se vê mais peixes, só que o Rio Triste é mais longe, enquanto o Rio Salobra fica do lado do Aquário. Então, para poupar tempo, acabei fazendo a flutuação do Rio Salobra, que foi muito legal. Conto detalhes adiante.
      Além desse eu escolhi visitar o Balneário Estivado e a Lagoa das Araras.
      Quanto eu estava decidindo o que iria visitar e o que deixaria de fora, surgiu uma dúvida bem grande entre o Aquário Encantado e a Cachoeira Serra Azul, que são os dois principais atrativos. Pelas fotos, achei a cachoeira mais bonita que o aquário, mas eu nunca tinha feito flutuação na vida e eu já ia conhecer muitas outras cachoeiras na Chapada dos Guimarães, então optei por fazer a experiência da flutuação (e não me arrependi). Mas ainda quero voltar um dia para conhecer a cachoeira.
      Hoje, eu deixaria o Balneário Estivado de lado e iria na Cachoeira, mas, como a cachoeira é um pouco mais distante, eu fiquei com medo de não dar tempo de ver as coisas direito, de ter que fazer tudo correndo. Mas depois eu percebi que dava tempo de ir tranquilamente.
      Eu comprei o voucher antecipado para todos os atrativos que visitei, porém, uma funcionária do Estivado me disse que só a Cachoeira Serra Azul realmente precisa comprar o voucher antecipadamente, que as demais atrações é tranquilo de comprar na hora. Mas como eu sou super prevenida, não tinha outro dia para conhecer o local e sabia que atrações tem limitação de visitantes, comprei tudo antes mesmo.
      Pois bem. Explicado tudo isso vamos ao relato.
       
      Relato
      Peguei o carro na locadora na noite anterior, deixei tudo preparado na mochila - biquíni, toalha, lanchinhos, dinheiro (é aconselhável levar, pq é uma área rural e às vezes o sistema de cartão pode falhar), etc., dei uma espiada na rota pelo Google Maps e tentei dormir cedo para sair bem cedinho e aproveitar ao máximo meu dia em Bom Jardim.  
      Estava um pouco ansiosa e demorei a pegar no sono, mas quando dormi, dormi pesado! Eu estava cansadíssima dos passeios que tinha feito naquele dia em Cuiabá.
      Acordei umas 7 horas, tomei o café da manhã delicioso da dona do Hostel Dom Bosco e parti rumo à Bom Jardim. Era cerca de 8 horas da manhã.
      No começo estava um pouco tensa, mas o caminho não tem erro não. Por via das dúvidas eu sempre baixo o mapa offline, para não ficar dependente de internet. Para quem não sabe o app do Google Maps tem uma opção gratuita de baixar o mapa de uma região para uso offline, fica válido por 30 dias, eu acho, depois pode renovar.
      Outro motivo para você nem cogitar ir até a cidade de Nobres é que, por esse caminho mais curto, você consegue ter vistas incríveis dos paredões da Chapada dos Guimarães, inclusive tem alguns recuos nas laterais da pista para estacionar, que funcionam como se fossem mirantes. Eu fiz paradas em todos os recuos que vi e fiquei admirada e ansiosa para ver esses paredões de perto. Em alguns dias eu iria para a Chapada dos Guimarães.
      Eu também consegui ver um tucano que passou voando bem pertinho da pista e fiquei encantada, mas obviamente não consegui fotografar.
       



      O caminho foi supertranquilo, a estrada é de pista simples e quase sem acostamento, mas naquele sábado de manhã estava deserta e o asfalto é bom. Importante: durante os quase 150km percorridas não havia NENHUM posto de combustível, então saiam com o tanque cheio. Caso necessário, em Bom Jardim tem posto.
      Depois de quase duas horas, cheguei no trevinho de Bom Jardim e, ao invés de ir para a direita (sentido ao distrito), virei à esquerda, sentido ao Aquário Encantado, meu primeiro destino. Há uma placa sinalizando a entrada por uma estrada de terra e, após cerca de 1km, você chega na sede do local.

       
      Nesse momento eu constatei o que já tinha lido na internet, realmente não pega sinal de celular em Bom Jardim, nadinha de nada. Totalmente incomunicável.
      Eu estava apreensiva porque o céu estava encoberto e ameaçando chuva, mas felizmente não chegou a chover e eu consegui fazer todas as atividades.
      A sede do local é bem gostosa, tem mesas, cadeiras, bancos e redes para descanso, um extenso gramado, um banheiro bem organizado, uma lanchonete que vende salgadinhos, bebidas e onde também é servido o almoço.
      Um guia local (incluído no voucher) organiza um grupo de poucas pessoas (na minha vez tinha 10 ao todo) e orienta que não é permitido usar protetor solar ou repelente, para não desequilibrar o ambiente subaquático. Além disso, devemos deixar todos os pertencentes dentro do carro e ir para o passeio apenas com o que pode molhar, basicamente você e o biquíni hahaha. Eu deixei minha mochila no carro e entreguei a chave para o moço que fica na sede.
      Com ele eu também aluguei uma Gopro por 50 reais para poder tirar as fotos embaixo d´água.  Depois ele manda as fotos que você tirou para um celular que não seja Iphone (não sei porque) ou envia por Whats. Mas se você tiver um celular ou câmera a prova d’água pode levar a sua, sem problemas.
      Depois o guia fornece sapatilha aquática, colete salva-vidas e snorkel. Tudo isso está incluído no pacote e parecia bem limpinho e sem mau-cheiro, coisa que é comum em coletes frequentemente usados.

       
      Aí nós subimos numa espécie de "carretinha" que é puxada por um trator e partimos cerca de 10 horas da manhã mesmo com o clima instável.

       

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 16.27.32.mp4 O trajeto na carretinha é curto, menos de 1km. Aí descemos e andamos por uma pequena trilha bem tranquila até o Aquário. O lugar é realmente encantador. Mesmo com o tempo completamente nublado, a água estava cristalina, permitindo enxergar vários peixinhos e a areia branquinha no fundo.
      Sempre com o acompanhados do guia, nós pudemos ficar cerca de 20 a 30 minutos nadando no aquário. A temperatura aquele dia estava amena e, ainda assim, a água não estava gelada. Foi muito gostoso ficar aquele tempo ali explorando cada cantinho do aquário.





      WhatsApp Video 2021-03-07 at 16.44.08.mp4 Não vou encher o relato de fotos, mas saibam que no Aquário tem vários troncos de árvores com peixinhos, algumas formações rochosas submersas, lugares mais rasos e mais fundos para serem explorados. Quem quiser ver mais fotos e vídeos, vou postar no instagram @gocaracol. 
      Depois, nós continuamos por uma trilha curta até chegar na altura do Rio Salobra em que iniciamos a flutuação.
      O guia vai na frente indicando eventuais galhos caídos e mostrando os animais. Nós vimos muitos peixes e até uma arraia. Não é permitido tocar nos animais e é recomendado não tocar os pés no chão, tanto para não levantar areia e prejudicar a visibilidade, como para não relarmos acidentalmente numa arraia escondida. A flutuação dura mais ou menos 30 minutos.
      Eu, que nunca tinha feito flutuação na vida, terminei o passeio adorando e querendo mais. Super recomendado.
       



       

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 16.47.24.mp4
      WhatsApp Video 2021-03-07 at 16.47.24 (1).mp4 Nós voltamos à sede com o trator e o almoço já estava servido. Um self-service simples, porém bem gostoso, cuja estrela é o peixe frito. Eu comprei o voucher com almoço, que custa 50 a mais que o sem. A comida é boa, mas não achei que valeu os 50, hoje eu levaria um lanchinho e compraria o voucher sem almoço.
      Dali eu fui para o Balneário Estivado, que é um restaurante/lanchonete/sorveteria à beira de uma curva de rio com águas calmas, cristalinas, de temperatura agradável e rasinha, que forma uma piscina natural perfeita para banho. Lá é lotado de peixes como dourados, piaus, pacus e piraputangas.
      Em frente ao local, há um recuo para estacionamento dos carros, cercado por árvores que estão lotadas de macacos-prego que adoram se exibir e tentar roubar alguma coisa de você. Fiquei uns 15 minutos no estacionamento interagindo com os bichos, quando encontrei um casal que também estava chegando para conhecer o balneário. Conversa vai, conversa vem, descobri que o casal é de Jacarezinho, cidade pequena do interior do Paraná onde morei cinco anos para fazer faculdade. Nós não nos conhecíamos, mas tínhamos muitos amigos em comum. Essas coisas inusitadas da vida.

       

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 18.50.01.mp4 Um bebezinho 😍

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 18.52.09.mp4 Disputando uma sacola que pegaram de algum turista.
      Na companhia do casal, apresentei o voucher e entrei no Balneário. Para nossa su rpresa, lá dentro também há muitas árvores e, consequentemente, muitos macaquinhos. É necessário tomar bastante cuidado para que seus pertences não sejam levados por essas figurinhas que são simpáticas e atrevidas. Eu tratei de colocar tudo dentro da mochila, que estava um pouco pesada e difícil para os macaquinhos levarem embora. E tomava cuidado até na hora de tirar as fotos com o celular, vai que eles pensassem que era comida 😅.
      Lá dentro há banheiros, mesas, cadeiras, e um deck de madeira que dá acesso à piscina natural. Tomei uma cerveja e depois um sorvete e fiquei o resto do tempo dentro da água interagindo e observando os peixes.
       


       
       

       

       

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 18.59.53.mp4 O macaquinho numa tranquila, numa relax, numa boa, dentro do espaço do balneário 😅.

      Era um sábado a tarde de dezembro e não estava cheio. Havia mesas e cadeiras de sobra. E o sol deu as caras nessa hora.
       

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 19.02.51.mp4 O casal de Jacarezinho foi embora antes de mim, porque precisavam ir para outro atrativo que agora não me lembro qual. Era três da tarde e eu já estava um pouco enjoada de ficar ali, porque não tem mais muita coisa pra fazer além de nadar e consumir coisas da lanchonete. Eu bebi só uma cerveja porque estava dirigindo, então não me empolguei de ficar ali mais tempo.
      E foi nessa hora que pensei que, se eu tivesse me organizado melhor, teria dado tempo de conhecer a Cachoeira Serra Azul, mas, embora houvesse voucher disponível, àquela altura eu não queria pagar R$ 80,00 para ficar só uma hora na cachoeira. Isso porque eu ainda tinha um voucher para ir na Lagoa das Araras antes do pôr-do-sol e ainda queria retornar para Cuiabá antes de anoitecer. Além disso, a cachoeira fica meia hora do Estivado, ida e volta daria no mínimo uma hora de traslado.
      Então, aí vai a dica: dá tempo que ficar no Aquário Encantando pela manhã, almoçar no Estivado para conhecer o local, ir no início da tarde para a Cachoeira e voltar para o fim de tarde na Lagoa das Araras. Se quiser algo menos corrido, eu sugeriria tirar o Estivado e incluir a cachoeira.
      Como eu já estava enjoada de ficar no Estivado, não havia tempo hábil para a cachoeira e estava muito cedo para ir na Lagoa das Araras (o ponto alto da Lagoa é no fim da tarde, explico adiante), eu resolvi pegar o carro e dar uma andada para conhecer mais de Bom Jardim.
      Bem, a verdade é que Bom Jardim é minúscula, um vilarejo mesmo, não tem muito o que se ver, então aproveitei para abastecer o carro no único posto de combustível da cidade. Diga-se, o único local que me deu a senha do wifi. No Aquário e no Estivado eu pedi, mas eles me enrolaram dizendo alguma coisa de que era só para funcionários porque a internet é limitada ou algo assim, e eu não insisti. Mas ali no posto eu consegui conectar e mandar uma mensagem para meu companheiro e minha família, avisando que eu tinha chego, que estava tudo bem e que de noite, quando chegasse em Cuiabá, voltaria a falar com eles.

      A "grande" Bom Jardim 😆 - essa é a rua principal.
      Ainda cedo para a Lagoa, eu dirigi de volta para o Estivado e fui um pouco mais à frente para ver o que havia, encontrei uma entrada arborizada de algum sítio ou fazenda e que tinha uma vista bonita para uns paredões parecidos com os da Chapada dos Guimarães, mas menores. Estava tudo completamente deserto, fiquei ali por mais uns 20 minutos contemplando a vista e ouvindo os pássaros.

      Não sei porque, esqueci de registrar a vida para os paredões, mas a entrada é essa.
      Eu acho que era umas 16h quando eu saí e fui, enfim, para a Lagoa das Araras. Antes de ir direto lá, você precisa passar numa loja, chamada Celso Materiais de Construção, onde fica uma pessoa responsável pelo controle de acesso da Lagoa. Na loja você apresenta seu voucher e a pessoa te acompanha até uma porteira (pertinho dali), como eu era a primeira visitante do dia, a porteira estava com cadeado, o homem abriu e eu pude seguir o caminho sozinha. Coisa de poucos metros e você chega na entrada, onde há um gramado para estacionar os carros.
      Parei, comi um lanche que tinha levado e passei bastante repelente nas pernas e nos braços. Com uma pequena trilha bem demarcada, você chega na Lagoa.


      A Lagoa é linda e eu tinha tudo aquilo só para mim. Não havia mais n-i-n-g-u-é-m.
      A Lagoas das Araras é um refúgio de aves e o momento em que mais se avista os bichos é ao entardecer, quando eles ficam voando alucinados de uma palmeira Buriti para a outra. Mas eu não queria ficar até escurecer, porque não queria dirigir de volta para Cuiabá de noite. Eu sabia que ainda estava um pouco cedo para ver a farra dos bichos, mas mesmo assim valeu a pena, consegui ver várias aves que nem sei o nome, araras e a paisagem incrível do reflexo das palmeiras na água.
      A Lagoa, na verdade, é meio que um pântano, lugar perfeito para as Palmeiras de Buriti, que gostam mesmo é do brejo, inclusive um de seus nomes é Palmeira-dos-Brejos. A Palmeira, por sua vez, oca por dentro, forma a casinha perfeita para as araras.
      Toda essa região é uma área de transição do Cerrado com a Amazônia Mato-Grossense, o que faz do lugar um ambiente único para observação da fauna e da flora dos dois biomas.
      Bem, fiquem com a imagens:

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 19.19.43.mp4  
              

       
           
       

      Aves que nem sei o nome.
       

       

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 19.18.25.mp4 As imagens de celular ficam péssimas, mas ao vivo até que deu para ver bem as araras, que ficam voando de um lado para outro da lagoa.
       

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 19.18.25 (1).mp4 Era 17h30 e eu continuava sozinha no local (era sábado !!). Queria ficar lá por muito mais tempo, não enjoava nunca e a cada minuto começava a aparecer mais e mais aves, mas eu precisava tocar a carruagem para não pegar noite na estrada e também para devolver o carro na locadora até às 20h, se não teria que pagar outra diária.
      Quando eu estava saindo, um casal estava chegando, fiquei com inveja do que eles veriam por ali. Mas olha, até que não foi uma ideia ruim voltar antes do pôr-do-sol, porque na volta eu ainda consegui ver os últimos raios de sol refletidos nos paredões da Chapada. Óbvio que eu parei o carro para registrar o momento.


      WhatsApp Video 2021-03-07 at 19.34.41.mp4 Depois desse dia repleto de vistas maravilhosas e de muita interação com a natureza, eu cheguei em Cuiabá. Fui direto para a locadora, devolvi o carro. Chamei um uber e fui para o hostel tomar um banho, jantar e descansar.
      No dia seguinte, meus tios, vindos do interior de São Paulo, passariam em Cuiabá para me buscar e seguiríamos até a cidade de Guarantã do Norte/MT, divisa com o Pará, onde minha mãe mora. Depois eu ainda iria para Chapada dos Guimarães. Essa parte da viagem eu conto no próximo relato 😉.
      Boa viagem e até a próxima 😗

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 18.50.01.mp4
      WhatsApp Video 2021-03-07 at 18.50.01.mp4 WhatsApp Video 2021-03-07 at 18.52.09.mp4

      WhatsApp Video 2021-03-07 at 19.18.25.mp4 WhatsApp Video 2021-03-07 at 19.18.25.mp4


    • Por Leandro Z
      Resolvi escrever este relato pois não vi muitos parecidos. A minha viagem foi sozinho, sem alugar carro (mas alugando bicicleta e pegando caronas) e sem fechar nada com agências antes de ir, em abril de 2019. Essa parte é importante: não precisa fechar nada com agência antes.
      Pois bem, antes de ir, pedi orçamentos para várias agências que achara na internet e o que eles me mandaram me espantou, era tudo extremamente caro!  Coisas como: Circuito das Cachoeiras por R$220 + R$180 do transporte; R$320 o trecho Cuiabá-Chapada (sendo que o ônibus urbano custa R$18), queriam cobrar até por passeio no parque que é de graça! Não tive coragem de reservar nada antes, até viajei desanimado para resolver tudo na cidade. Felizmente, tudo deu certo e saiu bem mais barato do que se tivesse fechado com agência.
      Chegando ao aeroporto, que fica em Várzea Grande,  peguei Uber até a rodoviária de Cuiabá, R$25. Na rodo, peguei um bus urbano da CMT (tem da Rubi tbm) por R$18 até a Chapada dos Guimarães (este é o nome do município, não é só do parque ou da região). Os ônibus saem a cada 1:30h. O Parque Nacional da Chapada dos Guimarães fica antes da cidade com mesmo nome e desci lá, onde conheci três cachoeiras sem precisar de guia e sem pagar: Véu da Noiva (só mirante), dos Namorados e Cachoeirinha. A água estava barrenta, mas o poço era bom para banho e as quedas eram altas. Anda-se bem pouco para cada uma delas. Minha intenção era ir para cachoeira da Salgadeira, dali são 6km, mas achei arriscado andar pela estrada sem acostamento. Fiquei esperando o ônibus, pedi algumas caronas e quem acabou parando foi uma família que parou sem eu pedir, eles também estavam saindo do parque e haviam me visto lá. Pelo que percebi, pedir carona é comum lá, pois o parque fica a 12km da cidade. Fui pro hostel, onde me indicaram a guia Camila (65-996110587), entrei em contato com ela e com outras dos sites:
      http://www.chapadamt.com.br/guiasdeturismo.asp
      http://www.ecobooking.com.br/Relacao_guias_autorizados.php?XXtrE=v3vbnqw03mgj17ydlzef
      Isso foi bom, os preços direto com os guias eram MUITO mais baratos, inclusive se precisasse de transporte. Fiquei no Hostel Chapada, R$50 por noite, bem localizado, perto da praça.
      No dia seguinte, resolvi alugar uma bike na Bike e Cia, por R$30 o dia, para ir a cachoeira do Marimbondo e da Geladeira, que ficam próximas uma da outra e cerca de 15km, ida e volta, do centro. Pra ir foi tranquilo. Na cachoeira do Marimbondo, paga-se R$10 para entrar e anda bem pouco, uns 300 metros. Cachoeira larga, com um poço raso, mas gostosa. Fiquei 1h e fui pra da Geladeira, 1km dali, paga-se mais R$10 e anda uns 600m. É a cachoeira mais bonita que fui na chapada: água verde, queda gostosa, poço bom para banho. Fiquei um tempo. Pensei em ir até a Cachoeira Rica, mas descobri que, apesar do nome, não tem cachoeira! É só um vilarejo! Ainda bem que não fui, são uns 30km de lá. A volta foi um pouco cansativa mesmo nos pontos que não pareciam subida íngreme. Depois, ainda fui ao mirante Morro dos Ventos, tem uma bonita vista de campos e até uma cachoeira na lateral, entrada R$5. Rodei cerca de 20km de bike no total. Comi massa no Pomodori, muito boa (um pouco caro)!

      No 3º dia, peguei carona com um cara do hostel que havia alugado carro, aí baixou quinze reais no preço do passeio Circuito das Cachoeiras, no final, paguei R$85. Tinha agência cobrando R$220 pelo passeio mais R$180 pelo transporte! Transporte que era de apenas 12km! Este passeio, Circuito das Cachoeiras, ocorre no Parque Nacional (cuja entrada não é paga), mas só pode ser feita com guia. Consiste em 8km passando por várias cachoeiras (eles falam 7, mas acho que não...). A melhor é a última: das Andorinhas, super alta e bom poço pra banho. Vale a pena! Depois, ainda deu tempo de ir até a Salgadeira (R$15 por carro) de carona, esse lugar passou por uma demorada reforma e manipularam até a cachoeira concretando a parede dela. Comi pizza na Marguerita, muito boa, mas um pouco cara.
      Dia 4: no dia do Circuito das Cachoeiras, conheci um cara gente boa que também tinha alugado carro em Cuiabá. Aproveitei e fui junto com ele para a cachoeira da Martinha (R$10 o estacionamento). Neste caso, se não tivesse ido de carona, teria ido de ônibus urbano (o mesmo que sai de Cuiabá em direção a Campo Verde). Disseram que essa cachoeira é tipo um "piscinão de Ramos", farofada e tal, no dia que eu fui, sábado de manhã, estava bem vazio, mas parece quem muita gente faz churrasco lá, até porque é de graça. Cachoeira muito boa, grande, larga e super forte! Correnteza boa para boia-cross e para nadar. De lá, fomos para a cachoeira Jamacá (R$20 por pessoa), que no Glooglemaps aparece como Quilombo do Alemão. Esse alemão é o Mário, um naturalista que lutou pela demarcação do parque. A cachoeira é alta e forte com poço muito raso para nadar. Lugar bacana. Almoçamos, por volta das 14h, no restaurante Maná, comida bem simples, parece que o local nem abriu oficialmente. Esse dia terminou cedo. Jantei sozinho no Cavii, comi um ótimo hambúrguer com coalhada seca e pesto, entre outros.

      Domingo, último dia, fui até a bicicletaria e estava fechada. Resolvi ir a pé até a cachoeira gratuita do Nonhô (acho que é isso, se não, é Nhonhô), 5km, localizada próxima ao supermercado Pelé e a pastelaria Lhufas, entre a placa azul de "Bem-vindo" e um outdoor, a cerca está caída e tem uma trilha. Fui perguntando, perguntando e cheguei a trilha, desci até a cachoeira. É pequena e não muito alta, mas gostosa para se refrescar. Fiquei pouco tempo, pois queria ir até a cachoeira da Tartaruga. Na estrada, pedi carona e o segundo carro que passou parou prontamente. Ele passou pela bicicletaria, estava aberta (no domingo, ele abre quando liga pra ele), então resolvi descer. Mais R$30 pelo aluguel, andei 3,5km até a porteira do sítio (tem no Googlemaps), tive que passar a bike por cima e andar mais uns 3km. Obs: muitos guias me falaram que tem cachoeira em propriedade particular, mas pode pular a porteira, a cerca e ir tranquilamente, esta era uma delas. A cachoeira da Tartaruga fica quase no final da estrada de terra, quando começa o gramado, à direita. A cachoeira é alta, com pouco volume de água, poço bom para banho. Ainda deu tempo de comer no Trapiche Regionalíssimo, por kg, cerca de R$54, comida muito gostosa.  Peguei bus para Cuiabá. De lá, peguei Uber para o aeroporto.
      A região tem muitas cachoeiras e muitas nem podem ser visitadas. Acredito também que algumas sejam pequenas e simples. Algumas que não precisam de guia e fiquei sem conhecer: do Segredo, da Bailarina, do Índio, Águas do Cerrados (trekking). Outros passeios que precisam de guia (mas não feche com agências antes, fale direto com os guias): São Jerônimo, Vale do Rio Claro, Cidade de Pedras,  Águas do Cerrado, caverna Aroe-Jari. Se quiser ir para Nobres (bate e volta), aí tem que fechar com alguma agência, parece que custa R$250, ou se informar com guias.
      https://zahiandoporai.blogspot.com/2020/06/chapada-dos-guimaraes-mt.html
    • Por ederfortunato
      Em agosto de 2019, passei 4 dias no Pantanal Norte, que fica no Mato Grosso, foi difícil achar relatos desse lugar, por isso, resolvi fazer um.
      Eu vou focar nas dicas de passeios, e menos nos detalhes do que eu fiz no dia-a-dia(até porque tenho péssima memória).
      Pra quem gostou das fotos, eu posto muito mais no meu instagram, segue lá: http://instagram.com/ederfortunato
      Pantanal
      O Pantanal é uma região bem grande, sua parte norte, que fica no Mato Grosso, tem como ponto central para visitação a Rodovia Transpantaneira, uma estrada de 145km de terra batida, que dá acesso às várias pousadas/hotel fazenda, e onde você encontrará muitos animais no seu percurso, principalmente jacarés, tuiuiús, garças, capivaras e se tiver sorte até onças-pintadas.
      No início dessa estrada, fica a cidade de Poconé, e no final dela, fica a região de Porto Jofre, nas margem do Rio São Lourenço(é bom lembrar desses pontos para o resto do relato).

      Esse é um mapa que peguei com um guia de lá, dá pra ter uma boa ideia da localização dos pontos mais importantes.
      Existem outras cidades na parte norte que podem ser usadas de base para conhecer o Pantanal Norte, como Cáceres mais para o lado da Bolívia, e Barão de Melgaço que pega a parte do Rio Cuiabá.
       
      Roteiro:
      Fiquei 4 dias em Poconé, e todas manhãs saía em direção a Estrada Transpantaneira para fazer algum passeio, e valeu a pena fazer assim, pois consegui economizar muito com hospedagem, que é o mais caro da viagem.
      Se fosse fazer novamente, eu ficaria 3 dias no Sesc Pantanal, que é um pouco mais caro do que ficar em Poconé, mas pelo preço vale a estrutura do lugar, e ficaria 1 ou 2 dias em Porto Jofre, pois fazer o bate/volta para lá no mesmo dia é cansativo, melhor passar a noite lá e voltar no outro dia.
      Caso decida não ficar hospedado nas pousadas, alugar um carro acaba sendo necessário, caso contrário vai ficar dependendo das opções de passeio da sua pousada/agências, o que acaba deixando a viagem mais cara, por outro lado, se você escolher ficar numa dessas pousadas, acho que ficar apenas nela aproveitando o lugar seja de forma mais tranquila seja uma opção. 
      Alugar um carro compensou para mim, pois foi possível visitar várias pousadas, e fazer os passeios de cada uma delas, assim consegui observar animais diferentes, em regiões diferentes,  já que cada pousada fica bem distante uma da outra
      Chegando lá:
      De Cuiabá, são apenas 100 km até chegar em Poconé, a estrada é asfaltada e muito boa.
      Existe a opção de ir de ônibus, mas eu recomendo que você alugue um carro para se locomover com mais liberdade por lá.
      Na época de seca(fui em agosto) aluguei um carro 1.0, até deu conta de atravessar a Transpantaneira, foi meio desconfortável em vários pontos, pois a estrada é toda de terra, e as pontes são de madeira, algumas caindo aos pedaços, então recomendo que alugue um carro alto ou até um 4x4.
       

       

       

       
      Dicas:
      Uma coisa que você tem que ter em mente antes de ir, é que mais de 90% dos turistas no pantanal, são gringos, e por causa disso, o preço dos serviços é bem caro, principalmente hospedagem.
        A melhor hora de fazer os passeios, quando os bichos estão mais ativos, é no início do dia, e no fim de tarde, então evite passeios de barcos/trilha que aconteçam bem ao meio dia. A exceção a isso são as onças, elas ficam mais movimentadas no meio do dia.
        Ainda sobre onças, apesar da chance pequena de vê-las em outros lugares, se você quiser 90% de certeza de encontrá-las, precisa ir até Porto Jofre, que fica no final da Transpantaneira.
        Se a sua meta é economizar, ao invés de ficar hospedado naqueles pousadas mega caras, é pegar apenas o Day Use que algumas oferecem, fiz isso na Pousada Piuval, onde paguei R$90, incluído aí aproveitar o lugar(com piscina), um almoço e um passeio de trilha. O que compensou pra não pagar $700 da diária do quarto.
        Uma dica sobre a estrada Transpantaneira, me recomendaram ter cuidado com búfalos (que até então, eu nem sabia que existiam lá), pois eles podem atacar os carros, e fazer um bom estrago, então é bom não parar quando avistar um.
      Época do ano
      Costuma chover muito forte e todos os dias entre dezembro e fevereiro, então o ideal é ir  bem depois dessa época, eu fui em agosto e estava beem seco, o que foi bom pra se locomover pela Transpantaneira.
       
      Hospedagem:
      De início quase desisti de ir, pois só achava opções caras, mas pesquisando bastante e depois indo lá, descobri que existem opções para todos os bolsos.
      As pousadas, que são mais voltadas para os gringos(ou se você dispõe de R$800 para cada diária), tem uma ótima estrutura, além de ter a vantagem de ficar no meio da área selvagem do Pantanal, então é comum ter muitos animais andando em volta e até dentro da propriedade, é uma ótima experiência para quem consegue pagar.
      A opção intermediária, é o SESC Pantanal, ele tem uma estrutura de primeira, e tem preços mais acessíveis(pra quem tem a carteirinha do SESC fica ainda mais barato), o ponto negativo é que ele está localizado um pouco longe da Transpantaneira, no município de Barão de Melgaço, não que não seja bonito ou não tenha muitos bichos, tem muitos sim, é a opção que eu recomendo.
      E tem a opção mais em barata, se você não tem carteirinha do SESC, que é ficar em algum hotel em Poconé, assim ainda pode contar com a estrutura da cidade, para sair pra comer a noite, ir no mercado comprar sua comida e tal, recomendo o Hotel Canoas, foi onde fiquei, ele está no km 1 da Estrada Transpantaneira.
      E a opção mochileiro-raiz-sem-grana, algumas pousadas tem camping, que pode ser uma alternativa mais barata ainda, consegui encontrar duas, a O Porto Jofre Pantanal , no final da Transpantaneira e a Pousada Pantaneira Poconé, que a entrada fica na mesma estrada indo para o SESC.
       

       

       


       
      Passeios:
      Por questões de consciência ecológica, não fiz alguns passeios, como pesca ou cavalgada, já que a intenção era ir observar/fotografar os animais em seu habitat natural, e não explorá-los.
      Passeios de barco, fiz 4 no total, foram bem diferentes um do outro, e que gostei de todos, recomendo que você faça vários em lugares diferentes se possível, agende em outras pousadas se estiver hospedado em uma.
      O da Pousada Rio Claro (R$70 por pessoa, 2 horas), gostei dessa, em alguns momentos, o condutor do barco jogava peixes na água, para alguma ave próxima ir pegá-lo, fazendo um rasante na água, e em outro momento alimentou um jacaré, que segundo ele se chamava Dorotéia(o que rendeu boas fotos rs) .
        O da Pousada Pantaneira Poconé (R$150 o barco por 1 hora), esse foi mais tranquilo, poucos animais, mas a paisagem era bem mais bonita.
        O da Pousada Piuval (R$90 por pessoa), foi mais focado em observar pássaros, pois os outros passageiros(hóspedes) estavam ali só pra isso, no final do passeio fomos para uma torre de madeira, no meio da mata, com uma vista muito bonita, ver o pôr do sol ali foi ótimo, compensou todo o passeio.
        O da Pousada Porto Jofre Pantanal, que foi basicamente a busca por onças, e que foi o melhor que fiz, vimos muitos outros bichos, como ariranhas e até cobra sucuri, mais detalhes abaixo. Passeios para ver as onças, esse passeio é cobrado pelas pousadas e agências de Poconé por R$500/pessoa (além de R$400 pelo transfer de ida/volta), se assim como eu, você quiser economizar, pode ir direto para Porto Jofre de carro, e conversar com os pescadores e donos de barcos que tem por ali, ou ir na Pousada Porto Jofre Pantanal, eles cobram pelo barco, R$700 por 4 horas(ou R$1.000 por 8 horas), como eu estava com mais uma amiga, ficou $350 por pessoa, se estiver em grupo, sai mais barato ainda fazer dessa forma. Acho que só pra quem vai sozinho que vale pagar os R$500 que as agências cobram.
      Focagem noturna, fiz na Pousada Piuval (R$50), fomos numa caminhonete, não chegamos a ver muitos bichos, mas é sempre questão de sorte pra ver.
      A trilha na mata é algo rápido, e estava incluso no Day Use, vale a pena, mas prefira ir no início ou no fim do dia, que é quando tem mais chances de ver animais.
      Não recomendo o passeio fotográfico, você pode fazer por conta, dirigindo pela Estrada Transpantaneira e parando em qualquer lugar para fotografar os animais(se avistar um grupo de pessoas parada em algum ponto da estrada, pode ir lá que deve ter algo interessante), o ideal é sair no amanhecer, ou no fim do dia, que é quando os animais estão mais ativos e saem, além de aproveitar um pôr do sol que só o Pantanal vai te proporcionar.
       
       

       

    • Por Priscila Carreiro
      Olá,
      Li relatos de cidades do Mato Grosso fronteiriças com Bolívia. Sou do Rio de Janeiro. Pensei em fazer passeios no Pantanal que saem de Cuiabá e começar meu mochilão de lá. Logisticamente, é uma boa ideia?
    • Por michael jesus
      Alguém afim de conhecer o pantanal em setembro? será minha primeira vez lá, se alguem quiser ir ou tiver alguma dica pro viajante iniciante aqui,  será muito bem vindo.
×
×
  • Criar Novo...