Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Schumacher

30 dias no Cáucaso (Armênia, Geórgia, Azerbaijão) + Rússia, Israel e Etiópia entre 8 e 9/2019

Posts Recomendados


Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por _Julia
      Olá! Meu primeiro relato de viagem vai ser sobre Jerusalém, cidade onde morei por alguns meses.
      Como não sou uma pessoa religiosa, antes de ir, e até mesmo lá, fiquei caçando dicas do que fazer na cidade, e vi que a maioria era de turismo religioso. Acredito que muita gente também não tenha essa prioridade no roteiro, então resolvi fazer algo com um foco novo. Então, como dizemos em hebraico: YALLA!
      Como estava no bairro de Ramot, o meu ponto de partida basicamente era a Tachaná HaMerkazit, literalmente Estação Central. Nela, você pode comprar chip de celular na loja Bug (o símbolo é uma joaninha), comer, fazer seu Rav Kav (o RioCard da cia de ônibus Egged) e viajar para várias cidades dentro do país. 
      Site da Egged: http://www.egged.co.il/HomePage.aspx
      No lado de fora da estação, no outro lado da rua, tem um prático VLT, que viaja para dois sentidos: Har Herzl (Mount Herzl) ou Heil HaVir. Dividi os pontos de interesse de acordo com cada um deles.
      .
       
      Mount Herzl: São dois os principais pontos turísticos: o cemitério homônimo e o Yad VaShem, o Museu do Holocausto. Um fica literalmente ao lado do outro e dá para visitar gratuitamente os dois no mesmo dia. O cemitério do Mount Herzl é o cemitério nacional de Israel. Nele, estão enterrados personalidades como a maioria dos chefes de Estado e governo do país, o pai fundador do sionismo - o próprio Herzl -, vítimas do terrorismo, soldados mortos durante as guerras e até os que perderam suas vidas lutando pelos exércitos britânico e soviético durante a Segunda Guerra Mundial. O lugar é lindo, silencioso, calmo e cheio de monumentos. 

      Túmulo de Theodor Herzl. 
      O Yad VaShem dispensa explicações. Apesar de pesado, acredito que deve ser uma visita obrigatória. O complexo é bem grande, contendo não apenas o "museu principal", mas o lindo e triste memorial das crianças, a avenida dos Justos Entre as Nações, monumentos às comunidades judaicas europeias, à resistência e o hall onde fica a chama eterna, cercada pelos nomes dos campos de extermínio cravados no chão em hebraico e em inglês. 

      Heil HaVir: são muitos rsrsrs Se quiser andar mais um pouco e explorar a cidade, desça na Machané Yehuda, o shuk. É simplesmente incrível a quantidade de produtos frescos, restaurantes, aromas e cores. Quinta e sexta ela fica LOTADA e fica fechada durante o shabat. 

      Doces árabes no Machané Yehuda. 
      Siga andando pela Reehov Yaffo, ou a Jaffa Street. Há várias lojas, pedestres e ruas interessantes. Uma das mais famosas é a clássica Ben Yehuda. Aproveite para almoçar na rua de cima, a King George. No outro lado da calçada, tem um podrão chamado HaMelech Falafel ve Schawarma, literalmente O Rei do Falafel e do Schwarma. É barato e gostoso. Se quiser uma opção mais turística - e cara - coma no Moshiko que fica bem na Ben Yehuda. 
      Continue pela Yaffo e passe pela prefeitura, atravesse a rua e pronto: você chegou no portão de Jaffa. Ele dá acesso aos bairros muçulmano (siga em frente) e ao armênio (à direita) e você de quebra dá de cara com a Torre de David (de preferência vá a noite nela! Tem um show de luzes lindo que conta a história da cidade https://www.tod.org.il/en/the-night-spectacular/).
      Ambos os bairros são incríveis, mas a calmaria e o artesanato dos armênios me conquistou de primeira. O muçulmano é mais caótico e você se torna mais passível de assédio comercial por parte dos vendedores das lojas de artefatos e souvenirs, algo que enche mais o saco. Ele é consideravelmente mais movimentado também. 
      Siga as placas - ou o fluxo - e chegue ou no Muro das Lamentações, acessível pelos dois bairros mencionados, ou ao Santo Sepulcro. A entrada de ambos é gratuita e os dois são lotados, mas lindos e obrigatórios. 
      Ainda sobre os bairros, há o católico e o judaico, que também são bons para bater perna e admirar. 
       
      Mapa da Cidade Velha 
      Esplanada das Mesquitas: só consegui ir uma vez, e de forma rápida. Sugiro que vá vestidx adequadamente (mulheres cobrindo os ombros, a cabeça e as pernas - e isso vale para o Muro das Lamentações tb) e verifique os horários (cuidado com o Ramadã e as preces).
      Outro lugar interessante é a Ir/Cidade de David: fica no lado de fora da cidade velha murada e onde tem cisternas subterrâneas acessíveis para  o público. Recomendo bastante! Menos para os claustrofóbicos. 
      Também do lado de fora da cidade murada tem o Mamila: fica no lado de fora do portão de Jaffa. É um shopping com marcas de grife a céu aberto, bem lindo.
      Há lugares acessíveis de ônibus que são incríveis também: o Museu de Israel, o Knesset (Parlamento) - precisa agendar horário para visitas internas - e até o zoológico bíblico. Desses, eu acho o Museu de Israel o mais incrível. O acervo é gigante, principalmente se tratando das comunidades judaicas ao redor do mundo: do Suriname à Índia há até sinagogas replicadas. site: https://www.imj.org.il/en verifique nele os dias de gratuidade. Se não me engano, é as quintas. 
       
      Sobre comidas: Israel é um país CARO, mas há opções mais em conta. 
      COFIX, OU COFIZZ: qualquer uma das duas vende quase tudo por 6 NIS. A comida é boa, é servida rápida e take off. Ou seja, um café da manhã com um ice (o tradicional e febre é o ice coffee, mas tem de morango, chocolate, maracujá, baunilha…) e uma focaccia sai por 12 NIS. É barato, bom e alimenta. Lá vende também refeições prontas. 
       
       
      Falafel & Shawarma: não passa dos 30 NIS e a maioria vem com um refrigerante. Vende por todo o país, principalmente nos shuks. É literalmente a marca registrada de Israel.

      Um clássico shawarma 
      Outros lugares bons, mas nem tão baratos: as sorveterias Aldo e Katsefet (essa fica na Ben Yehuda e vende outros doces, como crepe), o Aroma (não tem Starbucks em Israel, então o Aroma é seu substituto e fica bem à altura), a hamburgueria Burgers Bar e a padaria sensacional com uma inconfundível fachada vinho Maafe Neeman (מאפה נאמן). 
      Sobre casa de câmbio: ou eu sacava nos vários ATM disponíveis na Machané Yehuda, ou trocava os euros (sempre dou preferência aos euros por causa das escalas na Europa) nas casas de câmbio perto da Ben Yehuda. Às vezes eu sacava nos caixas dos bancos israelenses Hapoalim ou Leumi. 
      Espero que gostem e aproveitem essa cidade incrível e mágica

       
    • Por _Julia
      De todos, um dos eventos mais impressionantes que presenciei durante minha estadia em Israel foi o show das luzes. Não estou falando do show que acontece durante à noite na Torre de David, o Night Spectacular, mas de um que toma a Cidade Velha INTEIRA. 

       
      O Festival das Luzes acontece durante as noites de verão, em junho e julho, e é simplesmente imperdível se você estiver em Israel na época.
      São montadas árvores e flores gigantes no lado de fora das muralhas e, nelas, são exibidas imagens que se movimentam. Dentro dos portões, músicos tocam harpas e, nas ruas de dentro, tocam seus instrumentos vestidos com coletes que lembram vagalumes.
       

       
      Em cada parede, um tema diferente é projetado: de líderes de Israel  à águas-vivas coloridas penduradas em sua parte mais alta.
        
      Para você não se perder na cidade já escura, iluminada apenas pelas atrações, mapas com as principais atrações são distribuídas em hebraico, árabe e inglês. 
      O melhor de tudo é que o evento é totalmente de graça e aberto ao público! 
      De acordo com o site do evento, ele acontece entre 20h e 23h nos dias normais e entre 21h e 00h no shabat (sábado). 

      Site do evento: https://www.lightinjerusalem.com/
      Vídeo promocional: 
      Portão de Damasco na edição de 2014:
       
      obs.: perdão pelas fotos... a qualidade da câmera e a paciência da fotógrafa não era das melhores... no youtube e no site do evento dá para ter uma noção melhor do quão incrível o festival é. 
    • Por lufema
      No dia 01/07/2017 conseguir realizar um dos meus objetivos como montanhista: A escalada do Elbrus. Foram sete horas de ataque ao cume partindo às 2h30 de um refúgio a 4.100m e atingindo o cume, a 5.642m, às 9h30 sem o uso de qualquer ajuda. A Descida foi realizada em mais ou menos 3 horas, totalizando 10 horas entre ataque e retorno.
       
      A escalada foi realizada de forma totalmente independente e econômica. Começou em Moscou no dia 27/06/2017, de onde parti em um voo da Aeroflot em direção ao aeroporto de Mineralnye Vody, que é o mais acessível à região do Elbrus. Os dias 27, 28 e 29 foram de aclimatação; o dia 30/06 de descanso, e na madrugada do dia 01/07 realizei o ataque ao cume. A programação foi a seguinte:
       
      27/06 – Voo de Moscou para Mineralnye Vody, transfer até a vila de Terskol (2.100m), check in no hotel e subida a 3.000m para iniciar aclimatação.
      28/06 – Subida de teleférico a 3.780m e trekking na neve até 4.000 m, para aclimatação.
      29/06 – Subida de teleférico a 3.780m e trekking na neve até 4.800 m, para aclimatação.
      30/06 – Descanso no hotel pela manhã e subida de teleférico a 3.780m na parte da tarde, trekking na neve até o refúgio localizado a 4.100 m levando todo o equipamento de escalada, mais ou menos uns 15 kg.
      01/07- Ataque ao cume a partir das 2h30, alcançado o pico em torno de 9h30 e chegando ao refúgio às 12h30.
      02/07 – Saída do refúgio às 9h30 para descida de teleférico até Azau e retorno ao hotel, para descanso e organização da bagagem para volta ao Brasil.
      03/07 – Transfer para o aeroporto de Mineralnye Vody e voo para o Moscou.
      04/07 – Voo ao Brasil, via Madri.
       
      Excluindo o voo internacional, cuja emissão foi feita com milhas, o gasto total foi de aproximadamente 500 USD:
       
      Passagem aérea interna desde Moscou, ida e volta (Aeroflot): 100 USD
      Transfer aeroporto x hotel, ida e volta (3 horas de taxi particular cada trecho): 100 USD
      Hotel em Terskol (4 noites): 70 USD
      Refúgio a 4.100 m (2 noites): 34 USD
      Teleférico até 3.780m (3 subidas e 3 descidas): 73 USD
      Aluguel de botas duplas por 2 dias (restante do equipamento próprio): 30 USD
      Alimentação e diversos: 90 USD
      As únicas reservas prévias que tinha eram as passagens de avião ida e volta, desde Moscou, e a primeira noite em hotel, na vila de Terskol.
       
      Link com o trajeto da escalda, gravado no Wikiloc:
      https://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=18537751
       
      Vídeo resumo do ataque ao cume:
      https://goo.gl/photos/ubnrdk4LEvBq4dBf8
       
      Compartilho algumas informações práticas com o objetivo de ajudar os colegas montanhistas que quiserem escalar o Elbrus de forma independente e econômica:
       
      •Passagens internas a partir de Moscou: A melhor opção é a Aeroflot, principalmente para quem vai levar equipamento, pois permite despacho de bagagem sem cobrança de taxa extra, além de possuir voos diretos em vários horários. A dificuldade da reserva no site está relacionada ao pagamento, cujo processo é muito complicado, pelo menos para mim foi. Para contornar a dificuldade, realizei a reserva pela Travelgenio (http://br.travelgenio.com/), cujo valor dos bilhetes ficou até mais barato que diretamente no site da Aeroflot.
       
      •Transfer a partir do aeroporto de Mineralnye Vody: Não existe transporte público direto a partir do aeroporto até a região do Elbrus. Para usar o transporte público, há necessidade de fazer baldeação em várias cidades, o que consome praticamente um dia de deslocamento e encarece bastante. A forma de transporte mais rápida é o taxi privado, cuja contratação se realiza no próprio aeroporto, o deslocamento dura aproximadamente 3 horas, por trecho. Na sala de desembarque, a esquerda de quem sai, há dois guichês de taxi. O valor é tabelado em mais ou menos 50 USD cada trecho, para até 03 pessoas. Em menos de 10 minutos já estava dentro do taxi a caminho de Terskol. Na internet há agências oferecendo a reserva prévia do transfer por um valor muito mais alto, entre 80 e 100 USD. Portanto, bem mais econômico deixar para contratar na chegada.
       
      •Hotel: Os dois teleféricos que dão acesso à montanha ficam localizados na Vila de Azau. Optei em ficar na vila de Terskol, pois os hotéis são mais baratos. Assim, tinha que caminhar mais ou menos 2,5 km até Azau ou pegar taxi, cujo valor é tabelado e custa em torno de 4USD a ida ou volta. O hotel era familiar e muito bom, limpeza impecável, quartos confortáveis e restaurante com comida bem caseira, preparada na hora pela proprietária e sua filha. Foi reservado pelo Booking. As outras noites negociei direto com o hotel, por um valor um pouco menor.
       
      •Teleférico: Na vila de Azau existem dois teleféricos, um mais antigo e outro mais novo. No mais antigo, o último trecho é realizado em cadeirinhas. No mais novo, todo o percurso é realizado em carrinhos fechados, mas o preço é um pouco mais caro que o mais antigo. A minha opção pelo mais novo é que o percurso final dele leva a uma cota maior que o mais antigo.
       
      •Refúgio de Montanha: Existem vários refúgios que podem ser utilizados para aclimatação e/ou ataque ao cume, localizados a partir dos 3.600 m até 4.100m. O mais famoso e procurado talvez seja os Barrrel Huts, que fica mais ou menos a 3.800m. Como não iria utilizar o snowcat, preferi ficar em um refúgio em uma cota maior. O refúgio que fiquei é esse da foto aí. Para escolher, nas subidas de aclimatação visitei alguns e fechei duas diárias nesse aí (um dia curinga), simplesmente porque era o localizado na cota mais alta que encontrei, aos 4.100m. Pelo que entendi, até a primeira quinzena de julho não há dificuldade em conseguir vaga em refúgios. Depois fica um pouco mais complicado, pois aumenta muito o número de visitantes.
       
      •Aclimatação: Obviamente que uma aclimatação perfeita requer uma quantidade de dias maior. No meu caso, tenho utilizado o Diamox para auxiliar na aclimatação. Optei por ficar hospedado em hotel em vez do refúgio de montanha, pois seria mais confortável e poderia descansar e dormir melhor. Dormia em torno de 8 e 9 horas por noite, levantava, tomava café e partia para o teleférico que começava a funcionar às 9h30. Subia até a cota planejada, permanecia algum tempo e descia para pegar o teleférico, cujo funcionamento encerra-se em torno de 15h30. Outra alternativa de aclimatação seria permanecer hospedado no refúgio, o que seria mais eficiente e econômico, pois não gastaria com as subidas e descidas do teleférico. Entretanto, tem o inconveniente do desconforto e barulho dos refúgios, o que pode prejudicar o descanso.
       
      •Equipamento: Existe em Azau uma loja que aluga praticamente todo o equipamento para a escalada, localizada junto ao teleférico. No meu caso, como já possuo o equipamento, com exceção das botas duplas, aluguei nessa loja somente para o ataque. Na aclimatação, utilizei as minhas botas semirrígidas com grampos, que funcionam bem até os 5.000m.
       
      •Ataque ao cume: Pode ser realizado com ou sem o auxílio mecânico. Pelo que vi, há dois tipos de auxílio: os snowcats para os grupos maiores e snowmobile para os escaladores em dupla ou individual, que deixam o escalador entre 4.700m e 5.000m. Não tenho ideia dos valores, mas me pareceu fácil fazer a contratação dos serviços, pois ficam estacionados bem próximos à saída do teleférico. No meu caso, iniciei o ataque às 2h30, sem nenhum tipo de auxílio, saindo do refúgio em direção à trilha que leva à parte mais alta da montanha, que é bem demarcada pelo trajeto dos snowcat e por bandeirinhas vermelhas. Nesse horário, vários grupos estão subindo, não havendo dificuldade de encontrar o caminho. O percurso, embora não exija uma técnica apurada de escalada, é importante que o escalador tenha um conhecimento básico de deslocamento em gelo com grampons, uso dos bastões e piqueta, uso de arnês e cordas de apoio, etc. Além disso, exige um preparo físico muito bom, no caso da opção de não utilizar o auxílio de transporte.
       
      Conclusão:
      Para quem possui experiência com montanhismo no gelo, é uma escalada que dá para fazer de forma independente sem problema, ficando o custo muito acessível. Para quem não tem experiência, a melhor alternativa (mais econômica) é contratar uma agência diretamente na Rússia. Existem várias na internet, devendo pesquisar aquela que tem os melhores comentários. Pelo que vi, contratar a agência na Rússia sai em torno de 800 a 1.000 euros.
      A aclimatação e a escalada são fantásticas. A visão da cadeia de montanhas do Cáucaso é algo impressionante. Vale a pena conhecer a região, mesmo que não seja para fazer a escalada. As pessoas são solicitas e tentam ajudar de alguma forma, embora é muito difícil encontrar alguma que consiga se comunicar em inglês ou outro idioma além do russo.
    • Por Aretha&Cesar
      Boa tarde mochileiros..
       
      Eu e meu marido vamos fazer uma viagem de duas semanas passando uma ou duas noites por Buenos Aires, atravessando o Rio da Prata ate Colonia do Sacramento e sem destino até então.. 
      Já fizemos diversas pesquisas sobre hospedagem, vamos querer alugar um carro no Uruguai e passear por lá para conhecer o país.. 
      Ando procurando em diversos posts daqui mas achei que seria melhor fazer um dedicado.. 
       
      Teriam dicas sobre lugares para conhecer, viagens que podemos fazer de carro por lá etc.. 
      Vamos no dia 17/06.
    • Por Bete Pandini
      Boa tarde, galera! Preciso de ajuda... Rota das Emoções saindo de São Luis (29/8) para Jeri (03/09) e meus dias não coincidem com a Rota Combo!! Precisaria de transfer no domingo e informações sobre ônibus são confusas. Pensei em alugar um carro e fazer o trajeto e pegando apenas passeios com Agência. Alguém sabe como estão as estradas? Alguém já fez? Obrigada!!


×
×
  • Criar Novo...