Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Membros

Beleza pessoal? Passando só para deixar contatos. Somos um grupo de trilhas no RJ, sempre haverá companhia para trilhar. Quando passar pelo RJ da uma olhadinha na nossa agenda, trilhas de segunda a segunda por R$25.

AGENDA em nossas redes sociais

No rodapé do site: partiunatureza.com

Na aba eventos do Facebook:
https://facebook.com/partiunatureza

Nos destaques do Instagram:
https://Instagram.com/trilhaspartiunatureza

 

RECEPTIVO.jpg

Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Eltonvds
      falaaa galera boa noite, alguém sabe como está a situação de carona nesde cenário?
      tá tendo mais dificuldade ?
      está normal ?
      ou piorou que estava difícil ?
    • Por Malubackpacker
      Olá estou realizando uma pesquisa para elaboração do meu tcc sobre mochileiros. São apenas 18 perguntas! Acessando o LINK você vai direto ao questionário para responder. Agradecemos muito sua contribuição em nosso projeto. No brasil não há um número alto de dados bibliográficos sobre esse segmento de viagem! Por favor ajude a nossa pesquisa a ter um alcance maior :)) ❤️ 
      https://forms.gle/A6BcC1EaFwawKN9A8
       
    • Por Bernardo_carcará
      Bem aleatoriamente foi programada essa viagem cujo relato se segue 🙃...
      Nos encontramos em frente a um prédio no bairro da Boa Vista, em Recife, onde residem hoje [email protected] @s 9 desbravadores (pessoas que estavam com fds livre e pensaram "porque não?") que toparam essa ida ao VALE DO CATIMBAU.
      De cara descobrimos que todo mundo pensava que "só eu não conheço ninguém", mas na verdade ninguém conhecia ninguém mesmo. As redes de conexão pré trilha se estendiam até no máximo 2 ou 3 pessoas. Mas então, vc se pergunta, como essa gente se achou em meio aos quase 9 milhões de Pernambucanos? Respondo: a Bel conheceu a Carol e a Flavinha em um grupo de voluntários que atua em prol da população em situação de rua, o UNIFIADOSPSR (falando nisso, segue o insta do projeto, faça sua doação e se junta à gente, quem sabe até não estaremos juntos numa próxima trip) e desse encontro a Bel agregou a mim, Bernardo, e o Renan, que por sua vez trouxe a Tayná! A Carol chamou o Iago que, seguindo a corrente, chamou o Guilherme e a Nicole. A Flavinha ia levar a Mayara, que infelizmente não pode ir, sendo assim, a Flavinha não ganha a estrelinha de agregador!
      Nos dividimos em 2 carros e saímos de Hellcife por volta das 16h da sexta.
       Após enfrentarmos o lento trânsito da cidade, chegamos à BR 232, que dá acesso ao sertão pernambucano. Os cerca de 300km que nos separam do Vale do Catimbau foram percorridos em cerca de 4h30m, numa viagem bem tranquila. A estrada é duplicada nos primeiros 135km, e logo depois é pista simples, mas em bom estado, até Arcoverde, onde pegamos uma estrada estadual que dá acesso ao vale. Esta última não está uma maravilha, mas nossos simpáticos motoristas Tayná e Iago tiraram de letra. Chegamos são, salvos e cheios de fome ao destino.
      O Iago havia ficado responsável por reservar nossa hospedagem na "POUSADA VALE DO CATIMBAU". Pagamos R$ 240,00 por 2 diárias cada um, sendo que estavam inclusas as 3 refeições, café, almoço e jantar.
      A pousada é simples, porém muito aconchegante. Os quartos são amplos, mas não tem ar condicionado, o que no nosso caso não fez a menor falta, já que as noites estavam bem frias. Havia um ventilador, para o sossego de gente que, como eu, precisam de um barulhinho pra dormir, morra de frio quem morrer. No nosso caso elegemos o Guilherme como pessoa que menos agregaria ao quarto naquele momento e colocamos o ventilador pra cima dele.
      A pousada possui wifi e chuveiro quente, que não funcionou na primeira noite pros habitantes do andar de cima. Eu poderia entregar que o pessoal de lá não tomou banho pra dormir por conta disso, mas vou optar por manter a discrição.
      Tínhamos a noite do primeiro dia livre. Então, comidos e banhados (ou não), fomos dar um pulo na pracinha da vila, que como toda vilinha do interior, fica na frente da igreja. Levamos 2 garrafas de vinho e ficamos papeando. Logo um morador meio embriagado veio contactar aquele estranho grupo. O Léo (acho que ele não ligaria em ser citado aqui) nos ofereceu rapé, que foi confundido com rapel por uns, e  que alguns outros achavam que era cannabis de cheirar. Essa discussão, que ainda ecoa em minha mente, durou algum tempo. Ninguém falando coisa com coisa. Por fim eu tinha certeza de que o Léo, após tudo que ele já devia ter tomado de pinga até aquele momento, era a pessoa mais sensata em meio àquilo tudo.
      Logo depois fomos investigar quem era cada um daqueles com quem dividiríamos quarto, carro, talvez coronavírus e dor nas pernas pós trilhas, e o melhor jeito pra isso é, com certeza, fazendo mapa astral, né? Os taurinos, para minha tranqulidade, dominaram! Porque ô povo bom é o tal do taurino. Teve uns cruzamentos de lua com mercúrio que me deixaram mais atento, bem como uns júptires e saturnos cruzados meio estranhos, mas td bem.
      Voltamos para a pousada e fomos dormir.
      Contratamos um guia na pousada mesmo. Ele se chama CÍCERO, um cara altamente muito gente boa e super paciente. Fechamos com ele 4 trilhas a serem percorridas no sábado pela manhã, tarde e noite, e no domingo de manhã. Pagamos R$ 50,00/cada pelo "pacote", lembrando que esse valor foi fechado para um grupo de 9 pessoas.
      A primeira trilha foi feita no sábado pela manhã, logo após um café bem servido na pousada. Os trechos de caminhada nessa primeira trilha foram relativamente curtos. Os trajetos foram feitos mais de carro. Visitamos uma pedra que dá vista para todo o vale, um lugar lindo, onde o povo com mais de 3 planetas em Leão se esbaldou de tanta foto. Ainda na manhã de sábado fizemos a também curta trilha da pedra da buceta (espero que possa falar essa palavra aqui no mochileiros) e a trilha para os Câniores, essa um pouco mais longa, mas com um visual incrível no final.
      Na transição para os câniores paramos pra tomar uma cerveja num dos barzinhos que tem na estrada. Nesse ponto já estávamos muito entrosados e a conversa já fluia fácil ao som de um bregão. Paramos também na casa de uma das famílias que mora na árida e pobre região do Catimbau, que pertence ao município do Buíque, um dos 3 mais pobres do estado. A casa tinha 6 crianças, que por sinal estavam responsáveis pelo lugar e pela pequena barraquinha de esculturas em madeira que eles tentavam vender para os turistas, já que os pais tinham saído. Foi amor À primeira vista por aquela turminha!! É incrível como a energia do sertanejo é forte e acolhedora. Fomos até lá para deixarmos doações que reunimos entre nós mesmos... Foi um momento lindo! As crianças tinham uma energia tão verdadeira... Também foi importante pro nosso grupo, pois acho que ali a gente percebeu "poxa, essa galera é bacana". Talvez também o vale tenha nos abraçado mais naquele instante, pois, por menor que tenha sido nosso ato, nós mostramos que fomos lá para cuidar do seu povo e, sendo assim, acho que o vale resolveu que iria cuidar de nós tbm.
      Voltamos para a Pousada, almoçamos e logo partimos, apesar de cansados em virtude do forte sol, para a trilha da tarde. Fomos ver o INCRÍVEL por do sol no Chapadão. É uma trilha de leve a moderada, percorrida em cerca de 40 minutos, onde tbm podem ser vistas pinturas rupestres. O lugar fica na beira de um penhasco, com um vista linda. De lá também avistamos as formações pontiagudas em pedras que são típicas do Catimbau. Me fez lembrar muito (como eu repeti mil vezes) a Serra dos Órgãos, no RJ (tem relato meu de lá tbm aqui no mochileiros), e lembra também a Capadocia. Capadócia onde, por sinal, eu nunca estive, mas vi na novela, o que é quase a mesma coisa (ou não).
      Após aquele por do sol lindo, voltamos para a pousada e jantamos. A comida foi fartamente servida novamente.
      Nos preparamos então para a trilha noturna, que seria rumo a uma caverna.
      Fizemos uma parte do trajeto de carro e, ao chegar ao início da trilha acho que todo mundo sentiu algo, diria eu, diferente. Havia sim energias das mais diversas ali nos circundando, isso foi sentido por todos. De início ignoramos isso, o que foi um erro! Talvez a empolgação nos fez esquecer que aquele é um lugar sagrado, com uma energia ancestral muito forte e presente e que nós, enquanto visitantes, precisávamos ter respeito e equilíbrio para com tudo aquilo.
      Seguimos então para um período de tempo onde tudo meio que desandou. Os caminhos foram literalmente se fechando, pequenos acidentes e minha cabeça dando um tíute louco, que me tornou um ser insuportável por alguns instantes. Mas chegando à caverna e após eu ser trazido de volta daquele meu momento "nada ver com nada" (só um adendo, que pra mim aquilo que senti naquela noite é  algo que até hoje tô trabalhando), as coisas pareceram se harmonizar mais.
      Fizemos uma fogueira e teve início, então, uma atípica noite na caverna, cujas memórias acabaram ficando por lá mesmo. Só sei que foi uma noite que envolveu muita energia, manifestando-se de diversas formas. Retornamos para a pousada já na madrugada.
      No domingo, veio então nossa última trilha. Fomos até o santuário, um local que segundo o Cícero era utilizado por povos ancestrais para a prática de rituais e por isso cercado de muito misticismo. O lugar é bacana demais, com formações em pedra que realmente nos remetem a um centro cerimonial. Talvez nós estivéssemos um pouco cansados e castigados pela caminhada e pelo sol, e não absorvemos tudo que poderíamos absorver ali, mas foi um belo lugar para dizermos "até logo, Catimbau".
      Voltamos para a Pousada, almoçamos e pegamos a estrada de volta a Recife.
      Bom, é isso. Foram 2 dias que renderam quase 3 páginas de relato. Foi uma viagem cujo foco, acredito eu, não tenha sido tanto as paisagens, apesar de exuberantes, mas, na minha percepção, teve como personagem principal toda a energia e misticismo daquela região com milhões de anos de história, que nos fez trabalhar muitas de nossas relações, tanto algumas muito íntimas, com nós mesmos, como nossas relações interpessoais, enquanto grupo.
      Foi lindo. Foi intenso.
      Espero ter ajudado aos futuros viajantes.
      Viva o Catimbau, seu povo forte e guerreiro, tão machucado por esse sistema social injusto e maléfico.
      Justiça Social, muito amor, mais viagens e não seja facista!
       
       
       
       



    • Por lavidaesmara
      Olá!
      Os filmes que nós recomendamos e que estão disponíveis para ver na Netflix são:
      - Comer Orar Amar (2010)
      - O Turista (2010)
      - Namoro à Espanhola - Aventura na Catalunha (2015)
      - Expedition Happiness: Expedição da Felicidade (2017)
      - Thi Mai (2017)
      - The Trader - O Mercador (2018)
      - Tal Pai, Tal FIlha (2018)
      Já os conheciam? Podem consultar a sinopse destes 10 filmes sobre turismo a não perder na Netflix no nosso blog.
      Além dos filmes sobre viagens mencionados acima, que mais aconselham a ver na Netflix?
      Obrigado!
    • Por Guilherme Lori
      Olá Amigos!
      Procuro trilhas com pontos de acampamento em São Paulo. Nada com tomada USB ao lado da barraca ou "Selvagem" usando o fogão do dono do sitio como vi num outro post aqui do site sobre acampar na natureza.
      Igual o cara do Canal Sozinho na trilha, mas ele faz a região sul, Parana e tals, Desejo alguma indicação em SP.
      Num raio de até uns 150/170km da capital.
      Com Trilhas leves ou moderadas (algo em torno de até 1:30 horas) se possível (sem o papo de ser relativo e bla bla bla hahahahaha)
      Obrigado Amigos!
      Guilherme
×
×
  • Criar Novo...