Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Meu nome é Bianca tenho 22 anos moro atualmente em ouro-preto-d oeste em rondonia e sofro de transtorno de personalidade limítrofe, ansiedade,  ansiedade social e depressão. preciso de companhia para viajar pois tenho muitas dificuldades, uma delas é estar sozinha, preciso de apoio e sou boa em ouvir e dar apoio emocional. sou artesã, não tenho problema em fazer serviços quando me tratam bem e com respeito. quero ir pra ficar na estrada e não voltar.

planejo em alguns meses, por enquanto vou morar de favor nao sei por quanto tempo, se você tambem tem essas dificuldades vamos nos apoiar.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post

@Bianca Azevedo  boa noite Bianca!

eu pretendo fazer um mochilão de são Paulo até o nordeste pra ser mais específico o meu "último" destino vai ser Pernambuco ( chegando em PE, pretendo fazer outro caminho  fkkdk), vai ser bem roots mesmo se você quiser ir junto, adoraria ter uma companhia pq viajar sozinho é FODA!

bom... vou passar por Minas Gerais então qualquer coisa  é só mandar mensagem e eu explico o resto, ah vou passar o meu wpp também "11958286756". 

 

Compartilhar este post


Link para o post

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Orbitals
      Olá.
      Estou pensando em sair de minha cidade, pois passei anos de minha vida em reclusão, estou disposta a conseguir um trabalho, perder minha timidez, ter novas experiências e fazer amizades, além do inimaginável que me espera, sabe-se lá onde. Entretanto, não tenho dinheiro algum, não desejo sair sozinha, busco por uma companhia e uma ajuda nesse início. Sei que não será fácil conseguir tudo isso de imediato, sequer estipulei o lugar em que desejo ir, apenas sei que se encontra no Sudeste. Caso tenha interesse, entre em contato comigo, inclusive posso ajudar, caso queira ficar por um período no interior do estado em que moro.
      Um abraço.
    • Por Jonathan Bonfim
      Não faz muito tempo que voltei de uma experiência de imersão cultural entre a Ásia e Europa. Jogar uma mochila nas costas mesmo sem companhia e pouca grana, passagem só de ida, com inglês ‘the book is on the table’, sem roteiro e seguro viagem por quase um ano realmente demanda certa… ousadia?
      Um desafio um tanto revigorante pra um marinheiro de primeira viagem eu diria.
      Num primeiro momento é bem provável que você ai – sentado na sua cadeira giratória capenga esteja saturado de fazer o mesmo trabalho e destruído pela rotina maçante – pense que essa seria uma ótima ideia para meter o pé na jaca de vez e dar aquela renovada na vida.
      Porque afinal de contas toda experiência de se lançar ao desconhecido são oportunidades valiosas de crescimento pessoal – como sempre dizem nossos colegas High Performances.
      Mas sabe, convenhamos que além de todo glamour nesse pacote também vêm grandes e novos questionamentos, crises e medos. A lista de conteúdos pra digerir especialmente no retorno é gigantesca!
      E, sim, recomendo. Com toda certeza essa é uma das boas alternativas pra dar aquela repaginada, mas, agora devo alertar aos futuros aventureiros sobre um fato que faz diferença e que ninguém havia me contado antes de eu me jogar nesse mundão:
      Coragem e planejamento financeiro não irão bastar. Roteiros compactos ou mega elaborados também não. Devorar os blogs, pedir ajuda aos influencers de viagem, estender a jornada por mais tempo, nada mas nada mesmo poderá lhe salvar da severa crise do retorno.
      Aspectos emocionais, familiares, sociais, profissionais, psicológicos, culturais tudo sofre impacto quando você volta pelo guichê da imigração brasileira e vai humildemente dar continuidade na vida que ficou pra trás, mas agora, de uma maneira diferente porque parece que tudo mudou – em você.
      Enquanto viajava ouvia relatos de mochileiros sobre a dificuldade de reconfigurar a nova vida depois de tudo que viveram. É como se o espaço para a “vida normal” fosse reduzido a ponto de não caber mais na bagagem do novo Eu.
      O que acontece é um processo interno de autoanálises e julgamentos, morte de ideais e renascimento de outros e por aí vai. E ao voltar, é como se tudo fosse estranho causando isolamento – entre outros sintomas – pela dificuldade de partilhar aprofundando tal complexidade com as pessoas.
      Me lembrei que em 2015 – ainda quando atuava no corporativo e nem imaginava um dia cruzar oceanos – encontrei um estudo chamado de “Os custos imprevistos da experiência extraordinária” conduzido por pesquisadores de Harvard, publicado na Psychological Science, o qual não me fez muito sentido na época por alegar que:
      “Diálogos e relacionamentos são notoriamente baseados a partir de experiências comuns – O estudo mostrou que as pessoas gostaram muito de ter experiências ‘superiores’ àquelas dos colegas, porém, essas experiências haviam estragado suas interações sociais subseqüentes deixando-as piores do que se tivessem uma experiência comum.” 
      Surgem algumas barreiras quando, por exemplo, alguém que deu a volta ao mundo tenta relatar ao colega que até o momento não saiu do estado em que nasceu. O máximo que ele poderá humildemente responder é “nossa deve ter sido uma experiência incrível”.
      O que não significa desqualificar ou diminuir o valor do colega de forma arrogante e ainda desconsiderar as exceções, muito pelo contrário, neste caso eles apenas não encontraram um ponto comum de discussão e está tudo bem.
      Naquele tempo fiquei com a pulga atrás da orelha ao ler isso porque diante de uma situação dessa só conseguia enxergar uma ótima oportunidade de trocas, mesmo com tamanha diferença entre duas pessoas – O que mudou depois de presenciar este fenômeno acontecer na vida real.
      A pesquisa de Gus Cooney ilustra claramente um aspecto da crise de retorno enfrentada pelos viajantes que sentem dificuldade em discutir com aprofundamento suas aventuras, o que não traduz necessariamente a quantidade países visitados, mas qual deles trouxe um elemento de conflito interno, autodescoberta, desafio e lição de vida, por exemplo, por que é disso que eles também gostariam de falar.
      E é ai que o mochileiro em abstinência sente-se perdido.
      Hoje quando encontro os desabafos – principalmente pelos grupos do facebook e instagram – carregados de confusões, medos e inseguranças por terem vivido algo tão rico e ao mesmo tempo, perdidos sem saber como enfrentar esses novos obstáculos, me lembro dessa pesquisa e o quanto ela se tornou pertinente.
      A comprovação da pesquisa chegou através do meu experimento pessoal e, depois, pelos relatos dos próprios viajantes pelas redes.
      Então o que pode ser feito?
      Se prepare e se jogue de cabeça na viagem incrível de renovação, autoconhecimento e descobertas ao redor do mundo, no entanto, devo lembra-lo que ao voltar, você se sentirá um completo estranho no ninho então se prepare pra enfrentar essa fase também – tenha paciência.
      O processo de readaptação poderá ser naturalmente denso e doloroso, podendo chegar a manifestar sintomas de episódios depressivos nos primeiros meses e causar confusão de pensamentos e insegurança assim como qualquer fase de transição e reconfiguração de cenários.
      Peça ajuda
      Não ceda ao desejo de isolamento. Procure se conectar com quem passou pelo mesmo momento seja presencialmente ou pela internet.
      Busque acompanhamento psicológico de profissionais que possuem experiência pessoal no assunto, assim como, terapias integrativas.
      Lembre-se sempre da importância do autocuidado, compaixão com suas limitações, falhas e com a dos outros. Faça pequenas viagens e passeios em lugares novos para estimular a aquela sensação de descoberta e aventura novamente.
      Primeiros meses após o retorno
      Muita cautela ao tomar decisões determinantes como trocar de trabalho, terminar relacionamento, mudar de casa etc. Em muitos casos, haverá uma ansiedade e confusão muito grande para que seja ponderado prós e contras de maneira analítica e imparcial.
      E por último e não menos importante
      Nunca deixe de valorizar suas conquistas e vivências inesquecíveis, porque no fim das contas você jamais estará totalmente preparado para enfrentar o desconhecido; estamos todos no mesmo barco e continuar navegando e fazendo cuidados emergenciais é preciso.
       
      ************
      Eaí, voltou de sabático, férias ou viagem a longo prazo e se deparou com esse #caos interno? Compartilhe aqui quais foram seus sintomas, seus desafios a sua historia e como tem se cuidado para que possamos criar mais conexões e tb ajudar quem está no mesmo barco!
       
       



×
×
  • Criar Novo...