Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

rafael_santiago

Passo Internacional Rio Puelo (Chile/Argentina) - mar/20

Posts Recomendados

20200304_144328.thumb.jpg.1639508a9fc5a8342c01f14f437fe2cc.jpg

Rio Puelo exatamente na fronteira entre Chile e Argentina

Início: Segundo Corral (Chile)
Final: porto de Lago Puelo (Argentina)
Distância: 21,9km
Duração: 2 dias
Maior altitude: 385m
Menor altitude: 195m em Puerto Lago Inferior e no porto de Lago Puelo
Dificuldade: média para quem está acostumado a longas travessias com mochila cargueira e acampamento selvagem. A maior subida tem desnível de 168m.

O Passo Internacional Rio Puelo é uma das três travessias a pé entre Chile e Argentina que existem na Região dos Lagos. As outras são Passo Vuriloche e Passo El León/Rio Manso. Eu havia acabado de fazer a travessia do Passo Vuriloche (relato aqui), passei uma noite em Ralun (Chile) e no dia seguinte retornei à Argentina pelo Passo Rio Puelo.

DIA 0 - 02/03/20 - de Ralun (Chile) a Segundo Corral (Chile)

Tomei o ônibus que passa às 10h em Ralun e vai até o Lago Tagua Tagua (localidade de El Canelo), aonde cheguei às 12h14. Ali peguei a balsa das 13h para o porto de Punta Maldonado. Foram 45min de travessia. Em Punta Maldonado, na outra extremidade do Lago Tagua Tagua, tomei às 13h52 um micro-ônibus (que espera a chegada da balsa) em direção a Llanada Grande, Primer Corral e Segundo Corral. 

Às 14h40 esse micro-ônibus parou numa mercearia na vila de Llanada Grande e ali consegui comprar o queijo que não encontrei em lugar nenhum em Ralun. Vendem pão, legumes e frutas também. Continuando, o micro-ônibus faz um pequeno desvio até Puerto Urrutia e a seguir passa por Primer Corral. Eu já havia conversado com algumas pessoas e todos (inclusive o motorista do micro-ônibus) me recomendavam começar a caminhada do Passo Rio Puelo em Segundo Corral, não em Primer Corral, como era minha intenção. 

20200304_101627.thumb.jpg.9d409dcccaaded7e1742e06f1d39198f.jpg

Lago Las Rocas

Pedi para o motorista parar em Primer Corral e ele continuava contrariado em me deixar ali. Perguntou aos passageiros se ali havia caminho para a fronteira. Uma moradora disse que o caminho estava obstruído desde o último inverno pela queda de muitas árvores. Um montanhista confirmou que as trilhas menos usadas estavam em péssimas condições, ele mesmo estava retornando de uma que não conseguiu terminar. Diante desses argumentos continuei até o ponto final do micro-ônibus, em Segundo Corral. 

Já eram 16h15 e eu não tinha informação de como seria a travessia para a Argentina a partir dali. Há um camping nessa localidade e fui até lá perguntar. O camping se chama Los Amancays (nome de uma flor amarela) e fica a 1,4km do ponto final do ônibus, depois de cruzar a ponte sobre o Arroyo Barrancas. 

O dono do camping (Samuel) me disse que eu deveria tomar um barco que sobe o Rio Puelo até o posto dos Carabineros de Chile. Esse barco é gratuito de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 14h às 18h. Fora desses dias e horários deve ser chamado e é pago. Além disso, o posto dos Carabineros tem horário-limite para deixar passar em direção à Argentina. Decidi dormir essa noite nesse camping (CLP5000 = R$37) e iniciar a travessia no dia seguinte pela manhã. 

Mas depois me arrependi de ficar ali. No dia seguinte vi que há alternativa muito melhor, que é acampar no Lago Las Rocas, a apenas 400m do posto dos Carabineros e de graça, num lugar bonito e tranquilo (só não tem banheiro, talvez pedindo para os Carabineros). No Camping Los Amancays paguei para ter ducha gelada, não pude recarregar baterias pois não há energia elétrica (internet nem pensar) e ainda tive de me preocupar em esconder a comida porque os porcos rasgam as barracas para pegar. Para completar, à noite fizeram uma fogueira perto da minha barraca e ficaram conversando alto até depois das 2h da madrugada!

Não faça a mesma besteira que eu fiz ficando nesse camping Los Amancays, acampe perto dos Carabineros e ao lado do Lago Las Rocas. É muito mais bonito, tranquilo e de graça. Chegando no micro-ônibus às 16h15 dá tempo até de passar no encontro do Rio Puelo com o Arroyo Correntoso antes de pegar o barco (gratuito até 18h) para o posto dos Carabineros. Só não fiz isso porque não tinha essa informação, agora você já tem e pode fazer a sua escolha.

20200304_140034.thumb.jpg.52fcca5e6f3d557594e67a097574d1a5.jpg

Lago Inferior e ao fundo o Lago Puelo

1º DIA - 03/03/20 - de Segundo Corral (Chile) à Gendarmería Nacional Grupo Lago Puelo (Argentina)

Distância: 15,5km
Maior altitude: 385m
Menor altitude: 195m em Puerto Lago Inferior
Resumo: nesse primeiro dia de caminhada peguei o barco em Segundo Corral até o posto dos Carabineros para iniciar a travessia para a Argentina. As altitudes ficam na faixa dos 195m aos 385m com três subidas mais acentuadas, com a maior tendo 168m de desnível positivo.

Saindo às 8h32 do Camping Los Amancays voltei à estradinha por onde cheguei no dia anterior e segui para a direita (sudeste). Cruzei a Puente Azul sobre o Arroyo Correntoso e cheguei ao local dos barcos (Puerto Segundo Corral) em 27min. Não há ancoradouro e os barcos são pequenos e a motor. Saem tão logo cheguem as pessoas, mesmo sendo só um, como no meu caso. São gratuitos nos horários que mencionei, custeados pela prefeitura (de Cochamó?). Subimos o lindo Rio Puelo, entramos no Lago Inferior e em apenas 5min já estávamos no píer de Puerto Lago Inferior. Altitude de 195m. Dali subi 13min ao posto dos Carabineros de Chile chamado Retén Paso El Bolsón (altitude de 288m). Essa é a primeira das três subidas mais acentuadas desse dia.

Fui primeiro conhecer o Lago Las Rocas e só então vi que fiz uma bobagem ficando no Camping Los Amancays. O lago é muito bonito e o gramado (de um campo de futebol) perfeito para acampar. Há uma placa apontando Lago Azul a 12km dali. Depois perguntei ao carabinero e ele disse que essa trilha está boa. Depois de conhecer e tirar fotos do lago é que fui ao posto dos Carabineros para fazer a minha saída do Chile. Mas o procedimento é demorado, devia ter deixado o passaporte (e a mochila) ali antes de ir visitar o lago. 

Perguntei sobre o horário-limite para passar por ali a caminho da Argentina, mas o carabinero não me deu um horário, apenas recomendam que não se acampe no meio do caminho entre os Carabineros e a Gendarmería Argentina. E dali até a Gendarmería eu levei 7h30 (com várias paradas). Ele disse que a trilha estava ruim, mas não estava, apenas algumas árvores caídas. 

Saí do retén (posto) às 10h37 na direção sudeste acompanhando o Lago Inferior pela margem norte. Caminhando dentro do bosque, tinha visão desse lindo lago quando aparecia uma janela na mata. Às 11h02 fui à direita numa bifurcação com seta amarela; à esquerda há uma porteira de varas e o caminho leva a uma casa. Cruzei um riacho pelas pedras e nos dois cruzamentos de trilha a seguir fui em frente seguindo setas amarelas. Na próxima bifurcação fui à direita ainda orientado pela sinalização amarela. Logo depois que entroncou uma trilha à esquerda desci à praia do lago para admirar a paisagem. 

20200304_113125.thumb.jpg.912fdeb5619c66ece3218955a188798f.jpg

Lago Inferior

Retomei a caminhada às 12h09, atravessei um riacho e fui à direita atrás dos círculos amarelos. Cruzei mais dois riachos e voltei a subir. Essa é a segunda das três subidas mais acentuadas desse dia. No riacho seguinte às 13h14 fui obrigado a tirar as botas pois era arriscado saltar as pedras. Às 13h58 alcancei um mirante com uma visão panorâmica incrível do limite entre os lagos Inferior (Chile) e Puelo (Argentina). Começo a descer e passo por um ponto de água.

Mas às 14h41, ainda no alto, paro num mirante espetacular para o rio que faz a ligação entre os dois lagos, novamente chamado de Rio Puelo. A fronteira entre Chile e Argentina corta esse rio mais ou menos na metade. 

Seguindo pelo bosque encontro às 15h45 uma placa de "Punto de Encuentro Argentina Chile" e sou informado de que estou entrando no Parque Nacional Lago Puelo (altitude de 231m). Na primeira trilha que apareceu à direita desci para registrar o hito fronterizo, uma pequena torre de ferro que marca a fronteira. Ainda desci mais alguns metros para ver de perto o verde e transparente Rio Puelo exatamente na fronteira. 

Continuando, às 16h04 cheguei à ponte de tábuas do Arroyo Los Hitos e parei para pegar água. Agora estou num parque nacional, os rios têm pontes! Logo depois da ponte uma placa aponta para o muelle (píer) à direita (500m) e Gendarmería Nacional à esquerda (3,7km), meu destino nesse dia. Não fui conhecer o muelle, segui direto para a esquerda. Um painel dá informações sobre um habitante desses bosques, o pudu, um dos menores cervos do mundo.

Após a ponte a trilha sobe bastante. Essa é a terceira (e a pior) das três subidas mais acentuadas desse dia. Às 16h55 atinjo o ponto mais alto da travessia, 385m. No início da descida um riacho. Às 17h34 alcanço um belo mirante do Lago Puelo. Às 18h02 cruzei outra ponte de tábuas sobre o Arroyo Las Lágrimas e em mais 6min cheguei à Gendarmería Nacional. 

Fui recebido pelo oficial, que disse que ia carimbar a minha entrada na Argentina no dia seguinte. Me orientou a acampar fora dos limites da cerca. Há muitos locais de acampamento, tanto no bosque próximo às casas da Gendarmería quanto na beira do Lago Puelo. Há mesas de piquenique. Porém os banheiros não estavam funcionando, o que é um problema pois cada um faz o seu próprio banheiro. Água pode ser coletada num riachinho ao lado das casas. Há moitas enormes de amora e elas já estavam começando a amadurecer. 

Altitude de 208m.

Temperatura mínima durante a noite fora da barraca: 12,5ºC

20200305_104924.thumb.jpg.da42219e6dfcc89dbbaa6709bb495900.jpg

Lago Puelo

2º DIA - 04/03/20 - da Gendarmería Nacional Grupo Lago Puelo ao porto de Lago Puelo

Distância: 6,4km
Maior altitude: 343m
Menor altitude: 195m no porto de Lago Puelo
Resumo: nesse dia subi um desnível mais acentuado de 139m no início do dia e baixei 148m mais suaves até o final, na praia do Lago Puelo. Este caminho cruza a vau o delta do Rio Azul em cinco pontos diferentes, recomendável perguntar na Gendarmería sobre as condições do rio. Se estiver cheio deve-se fazer o caminho da Pasarela.

Logo cedo entreguei o passaporte na Gendarmería para carimbo de entrada na Argentina. Parti às 10h22 no sentido nordeste cruzando o riacho e um portão de madeira. Aliás é bom encher os cantis nesse riacho pois não há água boa e de fácil acesso nesse dia. A trilha contorna o Lago Puelo nos primeiros 700m e parei diversas vezes para fotografar a bela paisagem. Em seguida subiu bastante (até 343m, o ponto mais alto do dia) se afastando por algum tempo do lago. A trilha depois da Gendarmería é bem mais aberta. 

Às 11h43 a primeira bifurcação para: Rio Azul à direita (1,7km) e La Pasarela à esquerda (8km). Decidi ir pelo Rio Azul não por ser mais curta a caminhada mas porque pela Pasarela iria chegar a um local 2,5km depois do centro da cidade de Lago Puelo, tendo de voltar essa distância após cruzar a ponte do Rio Azul. Até tinha vontade de conhecer a trilha da Pasarela, mas não me arrependi nem um pouco de ir pelo Rio Azul pois a paisagem do Lago Puelo nesse caminho é espetacular. Mas é preciso saber que se deve vadear o Rio Azul cinco vezes seguidas, portanto em dias de chuva não se deve fazer esse percurso.

Uns 100m depois da bifurcação saio do bosque para um gramado com árvores mais espaçadas. Sigo uma sinalização de estacas amarelas e "Planta Educativa". Às 11h53 cruzei uma ponte sobre o Arroyo del Tesoro e o caminho se alargou parecendo uma estradinha. Às 12h18 surge a segunda bifurcação para: Rio Azul à direita e La Pasarela à esquerda, com o alerta de que se o Rio Azul estiver cheio deve-se ir pela Pasarela. Seguindo para a direita, cerca de 150m depois há um grande painel da "Senda a Los Hitos". Ali deve-se tomar a trilha que sai à direita da principal, cruza uma porteira e atravessa novamente o Arroyo del Tesoro por uma pinguela para alcançar a tal planta educativa, um conjunto de casas num largo gramado. Tudo está sinalizado com cor amarela. 

A trilha quebra para o sul diretamente em direção ao Lago Puelo, que está a 280m da planta educativa. Cheguei ao ancoradouro do lago às 12h34 e já visualizei os braços do delta do Rio Azul que teria de vadear. Não posso deixar de mencionar a paisagem estonteante do lago nesse local. Baixei à praia de pedrinhas e troquei a bota de trilha por um tênis reservado somente para cruzar rios que trago desde a travessia do Paso Vuriloche, onde foi muito usado (relato aqui). 

20200305_130417.thumb.jpg.3ac4955afcea32bc3c6ceb98fe2da805.jpg

Lago Puelo

Os dois primeiros braços do delta estão próximos, cerca de 70m um do outro. Água na canela. Depois caminhei uns 300m pela praia para atravessar mais dois braços em sequência. Um na canela e outro na altura dos joelhos. Continuei pela praia e atravessei mais um riacho na altura do tornozelo. O número de pessoas na praia ia aumentando à medida que me aproximava do porto e do estacionamento.

Cheguei ao porto de concreto do lago às 13h35 e tirei os tênis molhados (altitude de 195m). Perguntei sobre o ônibus que vai dali até o centro da cidade de Lago Puelo (e continua para El Bolsón) e me informaram que ele sai a cada hora redonda (13h, 14h, 15h,...). Fui até o ponto e peguei o das 14h. Cerca de 800m depois passei pela portaria do Parque Nacional Lago Puelo, onde há um centro de informações e se paga a taxa de entrada (me livrei dessa). No caminho ao centro da cidade várias opções de camping e hostel. 

Cheguei ao centro de Lago Puelo às 14h15. Há algumas opções de camping no centro também, vale a pena passar no centro de informações turísticas e perguntar ou pegar folhetos. Eu fiquei no Camping Las Rosas por ARS250 com cozinha, wifi, tomadas individuais e ducha quente 24h. Fica a 300m do informações turísticas e é o mais central de todos. Mas também há o Camping Michay (1km) e o Camping/Hostel Onda Azul (1,2km). 

Informações adicionais:

. em Ralun acampei num gramado na margem direita do Rio Petrohué onde o dono cobra CLP4000 (R$29,63) com banheiro e wifi só na casa e sem ducha (banho no rio). O local não tem nome, deve-se tratar na casa com placa "Excursiones de pesca Luis".

. em Ralun há ônibus para Cochamó, Rio Puelo (sai de Puerto Montt às 7h45 e passa em Ralun às 9h20, Buses Estuario Reloncaví, Buses Rio Puelo e Trans Har) e Lago Tagua Tagua (sai de Puerto Montt às 7h45 e passa em Ralun às 10h, CLP3000 = R$22,20, Buses Rio Puelo)

. a balsa de El Canelo a Punta Maldonado no Lago Tagua Tagua custa CLP1050 (R$7,78) e tem 4 horários por dia no verão. Site: transportespuelche.cl/en/prices-schedules/lake-tagua-tagua

. o micro-ônibus de Punta Maldonado a Segundo Corral custa CLP4000 (R$29,63), Buses Estuario Reloncaví

. o Camping Los Amancays, em Segundo Corral, custa CLP5000 (R$37) e tem ducha gelada, não tem energia elétrica, não tem internet e ainda há que se preocupar com a comida porque os porcos rasgam as barracas para pegar

. o ônibus que vai do Lago Puelo (parque nacional) até o centro da cidade de Lago Puelo (e continua para El Bolsón) é diário e sai a cada hora redonda (13h, 14h, 15h,...), segundo me informaram. Na internet há tabelas mostrando saídas a cada 30min de 11h a 22h. Valor da passagem ARS20 (R$1,25). Transportes La Golondrina.

. site do Parque Nacional Lago Puelo: www.argentina.gob.ar/parquesnacionales/lagopuelo

Rafael Santiago
março/2020
https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br

 

185637996_LagoPuelo.thumb.JPG.d03f4abab6405ba7c5caae368516ecd7.JPG

Compartilhar este post


Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×
×
  • Criar Novo...