Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Membros

Mochilão Bariloche

Aproveitando a quarentena para escrever esse relato... E lá vem textão...

Moramos em cidade do interior de São Paulo, sendo assim, fomos até à capital, onde pegamos o voo em Guarulhos (GRU).

O nosso voo foi pela Aerolineas, no período da manhã. Fizemos uma escala de um dia em Buenos Aires (R$1.338,15 cada passagem + bagagem).

           

Buenos Aires- 19/08/2019

Chegamos em Buenos Aires por volta das 11:00 horas, desembarcamos no Ezeiza (EZE), ele estava em reforma, mas mesmo assim é muito bonito; ficamos mais de 2 horas e meia na Aduana.

Saindo da Aduana, trocamos R$2.200,00 deu mais de 29.000 pesos (13,20) no Banco Nacion, dentro do próprio aeroporto. Pegamos um transfer gratuito, por voamos pela Aerolineas, o Tienda Leon. Descemos no Terminal Madero.

Ficamos em um hostel muito aconchegante e bem simpático, o 06 Central Hostel (US$25,70/ R$3,74), fica perto do Terminal Madero. Deixamos os mochilões e saímos para explorar.

Caminhamos até o Obelisco e o letreiro BA. Seguimos nossa caminhada até San Telmo para visitar a Mafalda e seus amigos Susanita e Manolito.

Paramos para comer em uma loja que vendia empanadas muito saborosas, Empanadas Express, tem várias promoções bem baratinhas (nos tirou a má impressão que ficou quando comemos empanadas na Cataratas Del Iguazú).

Com a barriguinha cheia voltamos a explorar, caminhamos até a praça da Casa Rosada e em torno. Já estava bem frio. Queríamos ir até o Porto Madero, mas resolvemos olhá-lo do alto mesmo; o frio já começava a castigar os brasileiros acostumados com o calor. Resolvemos voltar para hostel.

Antes de entrar no hostel resolvemos parar para jantar na Pizzéria Podestá, que fica na esquina do hostel, fomos muito bem atendidos, o garçom conversou, brincou e até tirou dúvidas. Terminando o jantar, voltamos para o hostel para descansar, pois, nosso voo para Bariloche era pela manhã.

20190819_175935.thumb.jpg.c7d0c3f2ac397516c4bbb8d9c7782c9b.jpg

 

Buenos Aires/Bariloche- 20/08/2019

Saímos do hostel por volta das 06:30 h, pegamos um Uber até o Aeroparque (AEP), tivemos que ir até a Pizzéria Podestá, pois ele não podia entrar naquela rua par nos pegar na porta.

No aeroporto, tomamos café no McDonald’s, cappuccino com medialunas (a atendente perguntou ao meu marido se podia ser com grasa, mesmo sem saber o que era ele falou que sim (grasa é uma calda de açúcar). Fizemos check-in, e fomos para a área de embarque, até aí tudo calmo...aí chegaram os egresados (formandos da Argentina); um monte de adolescentes barulhentos e bagunceiros. Na hora do embarque eles passam na frente para entrar no avião, ocuparam quase todo o bagageiro, muitos passageiros tiveram que despachar suas bagagens de mão (é claro que isso não foi cobrado, mas é bem chato e inconveniente). Durante o voo eles fizeram muita algazarra, algumas bem nojentas por sinal; o voo de Buenos Aires até Bariloche, que é de aproximadamente 2 horas, parece que demorou mais que o voo de Guarulhos par Buenos Aires, que é +ou- 3 horas tamanha era a gritaria dos adolescentes.

Quase chegando ao Aeroporto de Bariloche (BRC), alguns flocos de neve já se formavam nas janelas. Pousamos, pegamos nossa bagagem e entramos na fila para pegar um taxi até o hostel (430 pesos).

Em Bariloche ficamos no Italia Inn Hostel (US$235,37/ 7 diárias), pagamos uma taxa de 120 pesos de preservação. Ele fica bem localizado na Avenida 12 de outubro, próximo a rodoviária, uns 30 minutos de caminhada até a Rua Mitre, tem um ponto de ônibus em frente, na mesma calçada tem outro ponto em frente a mercearia onde compramos o SUBE (140 pesos/ 1ª recarga 500 pesos), na rua de traz tem o Supermercado TODO. O pessoal do hostel é bem bacana.

Deixamos os mochilões e saímos para explorar. Caminhamos até a Mitre, procurando algum lugar para almoçar, pois já eram quase 3:00 h, e muitos restaurantes servem almoço até as 2:00 h. Encontramos um restaurante pequeno e muito bonitinho, o Restaurante Cazuela, que ainda estavam servindo almoço; meu marido pediu um talharim ao molho de camarão, eu pedi uma milanesa de frango com fritas, bebemos um vinho indicado pela casa muito bom “1326” - Premium Malbec- 2018, a comida e atendimento eram bons (1.100 pesos).

Depois do almoço, fomos conhecer um pouco mais da Rua Mitre. Alguns estabelecimentos estavam fechados para a sesta (podendo fechar de 2 a 4 horas após o meio dia).

Estávamos procurando uma loja de telefonia par comprar um chip. Achamos uma loja da Movistar (que não fechava para a sesta), pedimos para comprar um chip, mas a atendente nos deu e, então compramos somente o pacote de dados para 7 dias por 130 pesos/ 2GB (o 4G pega até no meio da neve, no alto dos cerros). Para ativar nosso chip ainda usamos o Wifi da loja; esse pacote de dados deu até o final da nossa viagem; meu marido roteava o meu celular e falávamos com nossas famílias no hostel, usando o Wifi de lá, assim economizávamos o nosso pacote de dados. Enquanto meu marido terminava de cadastrar o chip, saí da loja e fui esperar do lado de fora, de repente começou a chover bem fininho e nevar, eu fiquei toda feliz vendo água-neve.

Depois fomos cotar preço de roupas de neve; vimos em várias lojas, ficamos com a última (no princípio não gostei muito dela, até fiquei brava, mas passou). Essa loja fica em uma das muitas galerias da Mitre. Alugamos dois conjuntos completos: calça, jaqueta, luvas, botas e óculos, ficou 1400 pesos por 2 dias. Andamos mais um pouco e paramos no McDonald’s para experimentar o cono relleno, é um sorvete de casquinha com dulce de leche quentinho, uma delícia (45 pesos cada).

Descemos até a Catedral de Nuestra Señora del Nahuel Huapi, para participar da Santa Missa. Após a Missa, voltamos para o hostel, estava muito frio, chovendo e ventando bastante; no caminho passamos em uma padaria e compramos um lanchinho para a noite (125 pesos).

20190823_180623.thumb.jpg.669d3a4e0f0f0e2c1e78c0237050f473.jpg

20190826_121355.thumb.jpg.f59b96796c19f11c63a0900303cca927.jpg

 

 

Bariloche- 21/08/2019

Acordamos e descemos para tomar café da manhã, achei o café bom e variado, terminado o café subimos para colocar a roupa de ‘astronauta’, fomos no mercado comprar salgadinhos e água (256,96 pesos); pegamos a linha 55 para o Cerro Catedral (em Bariloche o transporte público é cobrado de acordo com o destino, o máximo que pagamos foi 64,45 pesos).

Chegando ao Catedral, o nosso primeiro contato com a neve, compramos os bilhetes para subir a montanha de Cable Carril (1620 pesos); você pode subir até o topo da montanha, como estava muito fechado o tempo decidimos não subir, brincamos lá mesmo; antes de descer paramos na Cafeteria Punta Nevada, 2 medialunas de jamon y queso e 2 cappuccino (600 pesos). Descemos e brincamos na neve da base, fizemos até um Olaf. Seguimos até o ponto de ônibus, voltamos para o centro.

 

Lá seguimos até a Galeria do Sol, na Agência Destino Sul, onde compramos um pacote para o Piedras Blancas para o dia seguinte, pagamos 3.500 pesos (1.500 pesos cada bilhete para a subida com 6 seis descidas de trineo e 500 pesos do transfer). Antes de irmos para o Catedral, pedimos ajuda ao atendente do hostel, para saber quanto os remises cobravam, 800 pesos só para subir, ele também achou muito caro; e de ônibus não era viável, pois, ele parava na estrada e teria que subir a pé até a base do Piedras Blancas.

Voltamos para o hostel, trocamos de roupa e partiu mercado comprar ingredientes para o nosso jantar e lanchinhos par o passeio do dia seguinte (779,53 pesos).

20190821_151848.thumb.jpg.16da8db0073be05728bcd3648b3ff5a3.jpg

 

Bariloche- 22/08/2019

O transfer passou no hostel ás 08:30 h. Seguimos em direção ao Piedras Blancas, com paradas em outros hotéis; já na montanha subimos de aerosillas até o topo, meu marido desceu de trineo, já eu amarelei e não desci fiquei esperando lá em cima, admirando a vista. O Nilo desceu 5 vezes, paramos para lanchar, aí ele desceu a última vez; descemos de aerosillas até a base pegamos o transfer, descemos no centro, devolvemos as roupas, passamos na Rapanui compramos o famoso Franui (180 pesos) e uma rama de leche (120 pesos). Almoçamos no McDonald’s (903 pesos). Voltamos para o hostel, descansamos. Depois, enquanto fiquei preparando o jantar, o Nilo foi ao mercado comprar umas bebidas e salada (234,93pesos).

 20190822_123321.thumb.jpg.6f67898a53eedf2a07f58a3469a02184.jpg

20190822_112747.thumb.jpg.862cf94d524a8894afbc6fbc9fa7e68c.jpg

 

Bariloche- 23/08/2019

Pegamos a linha 20 até o Cerro Campanario, a subimos de aerosillas (220 pesos/ pessoa), a vista de lá é fantástica, é um lugar abençoado. Está a 1.049 metros do nível do mar, de lá se vê a Cordilheira dos Andes. Na Confiteria Campanario, bebemos 2 cappuccinos, 1 pedaço da torta mil folhas e 1 cubanito (640 pesos).

Voltamos par o centro, quase 4 horas da tarde, passamos no Carrefour, compramos 5 vinhos, 1 pacote de alfajor e 1 sacola de compra (901,39 pesos). Descemos para o hostel e descansamos um pouco.

Caminhamos até a Catedral, participamos da Santa Missa. Fomos jantar na La Parilla de Tony, pedimos a parillada para duas pessoas, no começo vem porções pequenas, depois você pode pedir o que mais ti agradou e repetir quantas vezes quiser (+ou- 2.300 pesos com bebida). Passamos na Del Turista e compramos 2 geleias (250 pesos).

20190823_124649.thumb.jpg.ebdebdd9f3346cfe82a1e4220140b677.jpg

 

Bariloche- 24/08/2019

Fomos até a rodoviária comprar as passagens para Villa La Angostura (360 pesos). Pegamos a linha 20 até o Llao Llao, tiramos algumas fotos do lado de fora Rsrsrs. Apreciamos a vista do mirante; descemos até o Porto Pañuelo, tiramos mais fotos; seguimos para a Capilla San Eduardo, tem uma escadaria bem grande, mas valeu apena, é um lugar de muita paz com uma bela vista, a capela é linda toda de madeira. Descemos a escadaria, para ir até o mercadinho para recarregar o SUBE, mas estava fechado. Enquanto esperávamos o ônibus, comemos o alfajor comprado no mercado; nossos créditos do SUBE não dariam pra chegar no centro, decidimos parar no Museo del Chocolate da Havana, a entrada custa 90 pesos por pessoa, 50% desse valor é abatido nas compras na loja, compramos 2 alfajor, ficou 90 pesos com o credito do museu acabamos não pagando por eles; na minha opinião os comprados no mercado (TOFI) eram mais gostosos.

Caminhamos até o centro, recarregamos 100 pesos no SUBE, voltamos para o hostel para descansar.

Jantamos no Rock Chicken, pedimos 1 milanesa de ternera a la Suiza com papas fritas, 1 bife de chorizo com ensalada mista, 1 gaseosa e 1 cerveja litrão (1.660 pesos), o garçom nos perguntou se iríamos pagar a taxa de serviço, sim afinal fomos muito bem atendidos, meu marido perguntou se repassavam o valor, ele nos explicou que ao final do expediente era somado todo o valor e dividido entre todos, inclusive com o cozinheiro e o funcionário da limpeza, achamos bem legal (valor final 1820 pesos). Pegamos um taxi e voltamos para o hostel (120 pesos). 

20190824_133954.thumb.jpg.526d4a4b35d6d13e12d8b05be48f231b.jpg

20190824_133159.thumb.jpg.01cc3a6a374b5b1082b8a40a17ecaf88.jpg

 

Bariloche/ Villa La Angostura- 25/08/2019

Saímos do hostel por volta das 09:15h, o nosso ônibus para Villa La Angostura saiu às 09:45h, chegamos por volta das 11:00h ao nosso destino.

Ao lado do Terminal Neuquen, tem um posto de informação ao turista, lá perguntamos se era necessário alugar roupas, foi nos dito que não, apesar de estar -2°C, só precisaríamos de bota.

Pegamos um taxi até o Cerro Bayo (500 pesos), perguntamos ao motorista como fazíamos para chamá-lo de volta, ele nos falou de uma lojinha que ligava para o ponto de taxi.

Alugamos as botas na própria loja do Cerro Bayo (1760 pesos), para subir pagamos 335 pesos cada. Nós brincamos bastante na neve fofa e bem branquinha (ainda não pisoteada), a vista é fantástica. Comemos em uma das lanchonetes lá de cima, 2 waffle com dulce de leche (60 pesos cada), 1 cappuccino (80 pesos), 1 cerveja (120 pesos). Brincamos mais um pouco e descemos até a base. O atendente da lojinha chamou o taxi (500 pesos), voltamos para o Terminal, compramos as passagens de volta para Bariloche (180 pesos cada). Enquanto esperávamos o ônibus, fomos dar uma olhadinha nas lojinhas ao lado, compramos uma lembrancinha de lá (50 pesos).

Voltamos para o Terminal, pegamos o ônibus. Chegando e Bariloche, passamos no mercado e compramos algumas coisas para o nosso jantar (380,78 pesos).

20190825_153813.thumb.jpg.4e828e09d42fbc768e48aea1293c9a30.jpg

 

Bariloche- 26/08/2019

Esse foi o nosso dia de “bobis”, tomamos café da manhã; caminhamos parte da extensão do Lago Nahuel Huapi, até o letreiro de Bariloche para tirar fotos. O lago estava bem agitado nesse dia e o vento bem forte. A água do lago é potável, meu marido queria colocar a mão dentro do lago, mas tinha um cachorro que queria brincar com ele, mas o cachorro estava com um pauzinho na boca que mais parecia uma árvore kkkkkkkk, quase derrubou o Nilo dentro do lago, aí ele desistiu... não ia ser boa ideia cair no lago super hiper mega gelado.

Fizemos umas comprinhas na Rapanui (720 pesos). Passamos na casa de câmbio Andina e trocamos mais R$200,00 deu 2.340 pesos.

Caminhamos até a praça da feirinha na Calle Moreno, comemos choripán na barraquinha de um tiozinho gente boa (35 pesos cada) é bem gostos e sustenta.

Seguimos até o Carrefour, compramos 3 potes de dulce de leche e 2 pacotes de alfajor (349,50 pesos). Deixamos essas coisinhas no hostel e fomos ao mercado comprar mais alguns vinhos (9 vinhos/ 932,16 pesos). Voltamos para o hostel arrumamos nossos mochilões e descansamos um .

Pegamos o ônibus para a Mitre e jantamos novamente no Rock Chicken, 1 milanesa de pollo com purê, 1 milanesa de ternera com purê, 1 gaseosa de 1,5l + a taxa de serviço ficou 1120 pesos. Voltamos de ônibus para o hostel.

20190822_182310.thumb.jpg.c04988dfc2d61480a805969c5a2eb24b.jpg

 

Bariloche/Buenos Aires- 27/08/2019

Demos uma última volta na Mitre, tomamos um helado na Fiore Helados (190 pesos). Fizemos uma recarga de 100 pesos no SUBE.

Voltamos para o hostel, fizemos nosso almoço com as coisas que tinham sobrado dos outros dias. Fizemos o check out e fomos para o ponto em frente ao mercadinho, pegamos a linha 72 para o aeroporto; lá compramos um Franui (190 pesos) e meu marido comprou uma cerveja de framboesa para experimentar (120 pesos) ele não gostou, ele disse que é muito doce e enjoativa.

Partimos com destino ao Aeroparque em Buenos Aires; e como na vinda à Bariloche haviam muitos egressados no voo de volta.

20190827_204908.thumb.jpg.44ade43eba4b1ef34e6ee2539065bdc4.jpg

Meu marido estava tão estressado com eles, que íamos trocar mais um pouquinho de dinheiro, acabamos nem trocando, pois tinha uma festa de boas-vindas aos egressados. Aí pegamos o primeiro taxi que vimos (o Uber não vai até a entrada do aeroporto, tem que ir até o estacionamento).

Que arrependimento, Taxista maluco!

Entramos no taxi, meu marido passou o endereço, o motorista fechou os vidros, aumentou o som no último e saiu em disparada. Ele deu 140 km na avenida do Obelisco. E depois ainda queria gorjeta, claro que não.

Pernoitamos no Hostel Suites Florida (US$32,72) eu não gostei de lá, o atendimento ruim, a janela do nosso quarto não tinha nem cortina, dava para ver o quarto da frente, improvisamos uma cortina com nossa jaquetas.

Saímos cedo, caminhamos até o Terminal Madero, pegamos o transfer Tienda León (gratuito) até o Ezeiza. Já no aeroporto, troquei R$50,00 deu 660 pesos, para o nosso café da manhã.

Pegamos nosso voo retornamos para o Brasil.

Agradecemos à Deus pela oportunidade de conhecer mais um lugar. E aguardamos ansiosos o próximo Mochilão.

20190821_153316.thumb.jpg.a7aea7dc98f7171ac9640dcf166543fd.jpg

    

  • Gostei! 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Marcelo Manente
      Em breve iniciarei o relato da aventura que está acontecendo neste momento.
      Estou hoje em Chile Chico, Chile. Seguindo para a Carretera Austral.
      Muitos perrengues, problemas da viatura, mas lugares maravilhosos para compensar tudo isso.
      Vou tentar fazer um relato com os custos de quase tudo que eu lembrar.

    • Por cassizanon
      Fala Galera, finalmente to tomando coragem pra fazer minha primeira viagem sozinho. Sempre fiquei dependendo de ter alguém pra viajar comigo mas datas, orçamentos e disposição nunca bateram, e nunca consegui viajar. ACHO QUE AGORA VAI, tenho um certo receio de estar por conta própria, mas acho que faz parte da experiência.
      Sempre quis viajar pra Argentina e há anos tenho pesquisado e feito vááários roteiros que nunca se concretizaram. 
      Agora, pesquisando preços de passagens, achei valores que achei incrivelmente baixos e antes de reservar, queria confirmar com vocês se meu (pouco) planejamento até agora está nos conformes e se os valores realmente valem a pena.
      Bem, moro em Florinópolis/SC, mas achei as seguinte passagens:
      Porto Alegre para Buenos Aires
      FLYBONDI
      Ida: 14/04 (19:25 - 20:10)
      Volta: 30/04 (17:05 - 18:40)
      Total: R$426,91
      A Flybondi não tem bagagem incluída, porém eles mencionam isto: A piece of hand luggage of up to 6kg is included. If you are flying to or from Brasil, 10kg are included for hand and cabin luggaged combined.
      Então eu teria 10kg para levar na cabine. Vocês acham que é possivel passar 16 dias (no possível frio de Bariloche) com 10kg de bagagem só? Eu teria que pagar 110 reais por trecho pra levar mala de 20kg.
       
      Buenos Aires para Bariloche
      AEROLINEAS ARGENTINAS
       
      Ida: 17/04 (13:00)
      Volta: 29/04 (15:25)
      Total: R$316,43*
      *Aqui que pega, esse voo não inclui nenhuma bagagem, apenas "mochila que caiba embaixo do assento", não achei peso nem nada, porém para poder levar bagagem adicional, que também não sei ao certo o peso, pelo site da Cia, seria cerca de R$50 por trecho, então o total poderia ficar em R$ 416 +-. O que acham?
       
      HOSPEDAGEM:
       
      No Booking.com, encontrei o Hostel HOPA-Home Patagonia Hostel & Bar, a 1,1km do centro (no site deles diz 700m).
      12 dias - R$371 + R$78 de ISS (Quarto compartilhado com 8 camas)
       
      Alguém já se hospedou neste hostel? Parece ser bom e bem completo, porém queria opiniões da galera daqui. O preço está ok também?
       
      O QUE FAZER:
      Bem, aqui eu teria que com tempo reler meus guias, comprar guias novos (o que tenho é de 2013), e meus roteiros antigos, porém tenho uma boa noção do que quero conhecer, até locais mais distantes, como El Bosón, Ventisquero Negro, Rota dos 7 Lagos, etc.
      O problema é que dessa vez meu planejamento vai ser sem carro, e estou 100% desatualizado em como tá a situação lá pra usar Uber, 99, Bla bla car, etc, qualquer tecnologia que facilite transporte. Ou se ainda devo me focar em tours, passeios contratados pra conhecer certos lugares, tipo fazer o circuito chico, grande, rota dos 7 lagos, e idas pra lugares mais longe. E até mesmo transporte dentro da cidade. Vocês poderiam me dar um help nisso? Eu queria muito conhecer alguém lá e fazer esses passeios juntos.
       
      Mas enfim, para conhecer bem Bariloche e região, vocês acham que 11, 12 dias dá com tranquilidade? Não sei que tipo de viajante sou, mas sei que quero apreciar muito o lugar.
      E também, coloquei uns 3 dias para Buenos Aires, acho que vai ser meio corrido, mas como meu foco é Bariloche mesmo, acham que é suave deixar esse tempo pra capital?
       
       
      Eu queria muito incluir Mendoza e o Aconcágua nessa viagem, mas acho que encareceria muito, mas fazia parte do meu roteiro dos sonhos, mas acho que fica pra uma próxima.
      Desculpem o post longo, mas tentei organizar o máximo possível!
      Valeu galera!
       
    • Por Robson Black
      Boa tarde
      Estou pensando em fazer uma viagem a Argentina na maior parte do Roteiro de Bike:
      - Saída dia 21/01/20 Florianópolis x Resistência de ônibus de linha levando a bike e outros equipamentos:
      - Dia 22/01 Resistência x Bariloche de avião ou ônibus 
      -Dia 23/01 7 lagos de bike
      Retorno igual, gostaria de ajuda:
      -  Qual melhor roteiro para este viagem?
      - O que devo levar de roupa para o clima da época?
      - Há perigo neste roteiro?
      - Está valendo apena ir a argentina de bike?
      Deixo meu e-mail e agradeço quem quiser me ajudar:
      [email protected]
    • Por Alan karleno
      Fala Mochileiros..
      Procuro dicas para aperfeiçoar o meu roteiro e a quantidade de dias que se faz interessante para cada local. Planejo o roteiro entrando pela Argentina (buenos Aires), saindo pelo Chile (Santiago), em junho de 2020. Tenho 25 dias disponíveis. 
      Vôo. Teresina & buenos Aires (buenos Aires 3 dias).
      Vôo. Buenos Aires & Bariloche (Bariloche  + Villa la angostura 5 dias). 
      Vôo. Bariloche & Buenos Aires e Buenos Aires Ushuaia. (Dia para viagem). 
      Vôo. Ushuaia & El Calafate (4 dias El Calafate).
      Ônibus. El Calafate & Puerto Natales (5 dias Puerto Natales + Parque torres del paine). 
      Ônibus. Puerto Natales & Puta Arena (2 dias Puta Arena).
      Vôo. Punta arenas & Santiago ( 4 dias Santiago) + VALLE NEVADO ou FARELLONES.
      Vôo. Santiago & Teresina. 
      1 dias para emprevisto.
      Quero aproveitar ao máximo o tempo em viagem.
      Desde já agradeço pela atenção.
      Bora Mochila..
       
       
       
       
       
       
       
    • Por Vinícius Zanata
      Olá!
      Mais um post de dicas rápidas. Como já adotei em outros tópicos, não vou postar fotos pq:
      1.  já existem mtas fotos dos passeios e paisagens de bariloche em blogs e relatos
      2.  as fotos diminuem a sensação de estar indo pela primeira vez a um local especial.
      A ideia é passar dicas práticas que tive com a viagem, e que podem auxiliar os próximos viajantes do destino.
       
      Considerações gerais
      Fui com minha esposa, ficamos por 9 dias na cidade, no mês de agosto (inverno). Sim, é bem um número de diárias bem acima da média para Bariloche. Mas assim como qualquer passeio para a Patagônia, é sempre bom considerar que o tempo na região é bastante ruim no inverno, com grande chance de tempo nublado ou chuvoso e ir com dias contados pode te privar de conhecer a cidade da forma que gostaria.
      Por isso, inclusive, é interessante não marcar ou pagar qualquer passeio ou atividade com antecedência. No nosso caso, fui sem agendar nada e fui fazendo os roteiros de acordo com o clima. Claro que nem assim as coisas saem perfeitas, mas ajuda bastante a aproveitar melhor alguns passeios que ficam bem mais interessantes em dias bonitos.
      Nós fomos para Argentina dois dias antes de o Macri figurar bem mal nas prévias eleitorais do país, o que fez o peso argentino despencar diante do dólar. Isso normalmente seria um bom sinal para nós, que íamos levar dólar, mas não é tão automático assim. Apesar de estar com a moeda bem desvalorizada, o dólar alto tem aumentado a inflação no país, o que acaba compensando o câmbio favorável. Fiquei um pouco ansioso, mas os preços estavam dentro do esperado, ainda não havia tido repasse.
      Por falar em câmbio, sim, é possível viver só com reais por lá. Mas é preciso ficar atento às cotações dos estabelecimentos pra não levar prejuízo. As cotações variam até 30% entre os estabelecimentos! Na chegada ao aeroporto, o remise (táxi com valor fechado por viagem) nos cobrou 550 pesos ou 55 reais para ir até nossa hospedagem no centro. Ou seja, fez a taxa real - peso em 1 pra 10, quando a cotação oficial  do Banco de la Nácion (BNA) estava 1 - 13. Paguei pq não tive como fazer câmbio antes, já que nosso vôo só teve escala em SP. 
      Para quem vai levar dólar e não tem escala em Buenos Aires, o melhor lugar para cambiar em Bariloche é o BNA do centro, mas, como um banco de varejo, está sempre cheio e com filas. Por isso acabei fazendo câmbio na Western Union. A cotação tava praticamente igual ao do BNA. 
      O lugar para ficar é sempre mto subjetivo e do perfil de cada um. O centro é ótimo para quem quer comodidade e transporte fácil. Fiquei num airbnb na Avenida San Martin, que é uma ótima localização, próximo ao centro cívico. Quem quer ficar mais afastado pode procurar os hotéis da Av. Bustillo, geralmente mais modernos e caros. Como nós usamos muito transporte público e remises, era mais vantajoso ficar pelo Centro.
      Dia 1 - Chegada ao apartamento e janta
      No aeroporto existem diversas formas de transporte para chegar ao centro: remise, táxi, van e ônibus público.
      Pegamos um remise, que era mais rápido. Pagamos R$ 55 , como disse, mas vale 550 pesos. Do lado de fora vi a van compartilhada e alguns táxis. O ponto do ônibus não vi, mas ele esta previsto no site da empresa de ônibus da cidade, chamada MiBus. No site da empresa tem as rotas e os horários. Salvei os principais números no evernote e foi bastante útil. É bom ter contato de remises tb.
      Chegamos ao airbnb, deixamos as malas e fomos para almoçar num restaurante próximo chamado Rock Chicken. Lugar simples, com comida barata e quantidade razoável. Também aceitava reais, mas em cotação ruim.
      Dia 2 - Cerro Campanário, Puerto Panuelo e Chao Chao
      No outro dia pela manhã fez um belo dia de sol, e então aproveitamos para fazer os passeios de vista aberta. Pela previsão do tempo, os demais dias seriam nublados, então era a oportunidade de fazer esse passeio. Passamos antes no centro de informações turísticas para pegar mapas e informações e fomos fazer uma parte do passeio conhecido como Circuito Chico. 
      Existem muitas formas de fazer o circuito chico, que é o passeio mais tradicional de Bariloche. É um passeio de diversas paradas, e a maioria das pessoas faz com agência. Eu particularmente tenho problemas em fazer aquele turismo meio gado, com o guia ditando o tempo das paradas e todo mundo entrando e descendo da van ao mesmo tempo. Por outro lado, sem carro alugado não é muito fácil fazer o circuito, pois as paradas ficam distantes e o transporte público não cobre todo o circuito. Então eu resolvi fazer o que dava pra fazer de ônibus e o que não dava fazer com remise. A parte mais tranquila de fazer é Cerro Campanário, Puerto Panuelo e Chao Chao, pois a linha 20 passa bastante (contei menos de 20 min) e passa exatamente por esses trechos. A maioria das linhas passam pelo Centro, na Avenida Perito Moreno, em frente ao antigo supermercado Uno.
      Paramos primeiro no Cerro Campanário, que é um ponto lindo de fotos. Subimos por teleférico (para os mais aventureiros, há uma trilha à esquerda da entrada que leva até o topo), que custava 400 pesos por adulto. Lá de cima é bem bonito e precisa ser visto em dia de céu limpo para ficar mais legal. Uma das coisas que vc descobre em pouco tempo é que aquele cenário da cidade e as árvores todas cobertas de branco da neve é bem raro. A maior parte da neve só ocorre no topo das montanhas mesmo. A neve em pó para chegar na cidade, só com uma grande nevasca, coisa que acontece poucos dias do inverno. Mas mesmo assim a paisagem é deslumbrante.
      Voltamos ao ponto de ônibus e continuamos o passeio rumo ao puerto panuelo. Chegamos lá juntos com centenas de estudantes e descobrimos um mistério que já tinha nos chamado a atenção: a quantidade de estudantes com casacos iguais carregando sacolas plásticas pelo centro da cidade. Trata-se do turismo para egressados, como eles chamam. Bariloche é o destino de formandos secundaristas da classe média argentina. Existem algumas empresas que levam, todos os anos, milhares de estudantes para lá. Eu achava que só rolava em julho, mas eles estavam aos montes mesmo em agosto. Estavam indo fazer um passeio de barco.
      Passamos na lanchonete do porto e almoçamos por lá mesmo. Depois fomos visitar o hotel Chao Chao. É necessário subir uma ladeirinha pra chegar lá. Achei que era mais tranquilo adentrar o local, mas os funcionários não permitem transitar por mtos lugares, nem tirar foto. Antes do hotel, ainda na estrada, tem uma capela histórica, mas acabei não indo lá. De lá tentei um remise para fazer a volta, mas tive problemas para conseguir ligar para um e acabamos voltando para o centro de ônibus mesmo.
      Nesse dia fizemos algumas compras no La anónima (supermercado) e comemos em casa mesmo.
      Dia 3 - Centro cívico, museus e catedral Nuestra Señora Nahuel Huapi.
      Dia bem frio e nublado. Aproveitamos para fazer passeios mais tranquilos. Acordamos um pouco tarde, fomos fazer um passeio no centro cívico e no museu da patagônia. Ele é bem simplesinho, mas com bastante documento histórico da cidade e uma sala com animais da fauna e descrição da flora regional. Vale a pena para quem gosta de história. Depois passeamos pela orla, fomos andando até a catedral nuestra señora e a plaza catedral. Por ali almoçamos antes de ir ao museu paleontólogo, que abria a partir das 15h. Ninguém dá nada por ele, pois é bem pequeno e escondido, mas tem uma ossada completa de um ictiosauro. Visita feita, voltamos e passamos na confentaria da chocolateria Mamuschka. Os doces lá são incríveis. Provamos vários doces, um a cada dia, até o fim da viagem rs.
       
      Continua...Se tiverem dúvidas que possa esclarecer, podem deixar a pergunta.
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
×
×
  • Criar Novo...