Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Membros

Olá estou realizando uma pesquisa para elaboração do meu tcc sobre mochileiros que são influenciadores nas mídias sociais. São apenas 15 perguntas! Acessando o LINK você vai direto ao questionário para responder. Agradecemos muito sua contribuição em nosso projeto. No brasil não há um número alto de dados bibliográficos sobre viajar nesse estilo, queremos mudar isso! Nos ajude respondendo :))) ❤️ 

 https://forms.gle/TGsPxUp1v14XMX4X6  

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Malubackpacker
      Olá estou realizando uma pesquisa para elaboração do meu tcc sobre mochileiros. São apenas 18 perguntas! Acessando o LINK você vai direto ao questionário para responder. Agradecemos muito sua contribuição em nosso projeto. No brasil não há um número alto de dados bibliográficos sobre esse segmento de viagem! Por favor ajude a nossa pesquisa a ter um alcance maior :)) ❤️ 
      https://forms.gle/A6BcC1EaFwawKN9A8
       
    • Por Raphael Amorim
      Eai pessoal, venho a um bom tempo querendo me jogar no mundo ficando de 15 a 30 dias em cada lugar.
      Morei os últimos 6 anos em Cuiabá - MT e agora estou no interior passando um tempo com a família antes de decidir meu destino.
      Vou fazer isso nem que seja sozinho, mas com alguém para dividir o airbnb já seria um ganho enorme
      A principio queria começar com países mais baratos(Leste europeu, América do sul ou Sudeste asiático) - Mas isso tbm pode ser alterado.
      Meus planos é começar em Maio, mas tbm pode ser alterado essa data.
      Instagram: @phael.dev
       
    • Por rafaelmarques91
      Filme - South America, eyes on the mountains
      Gostaria de partilhar com vocês a nossa última grande viagem. Durante 1 mês, percorremos grande parte da cordilheira dos Andes, de mochila às costas. Desde o extremo  Sul do continente Americano, passamos pelo frio da Patagónia Argentina e Chilena, pela terra árida da Bolívia e pela Selva do Peru. 4 países onde a cultura Andina está sempre presente e onde varia a cada quilómetro. Sentimos que foi uma viagem enriquecedora e inspiradora. Foi difícil, marcante e inesquecível e decidimos reportar em vídeo, em modo locução. Espero que sirva para relembrar muitos de vocês ou até servir de inspiração para embarcar nesta viagem. 
      "percorrer a América do Sul mudou-me mais do que queria, eu já não sou eu, pelo menos já não sou o mesmo eu interior "Diário de uma motocicleta, Che Guevara 




    • Por Thiago e Priscila Blumenau
      Olá amigos da comunidade Mochileiros.com.
      Aqui é o Thiago e a Priscila. Nós moramos na cidade de Blumenau-SC.
      Em dezembro de 2018 fizemos nossa viagem de carro até San Pedro de Atacama no Chile. 
      A comunidade mochileiros.com nos ajudou bastante, pois no site conseguimos várias dicas e conhecemos outras pessoas que também nos ajudaram com informações. Por esse motivo queremos compartilhar nossa experiência. E quem sabe poder ajudar ou até mesmo encorajar outras pessoas a saírem do sofá e encarar essa aventura.
      Para realizar esta viagem primeiro nós fizemos algumas pesquisas, como por exemplo: documentos necessários, seguros obrigatórios, melhor roteiro, condição das estradas, hotéis, pontos turísticos, custo com passeios, custo com alimentação, custo com gasolina, custo com pedágios, melhor câmbio, o que levar na bagagem, etc. 
      Juntamos todas essas informações numa planilha e então começamos a trabalhar nela. Então no mês de Setembro/2018 começamos a fazer as contas e preparar tudo o que precisava para viajar.
      Nessa primeira parte vamos tentar abordar o máximo de informações com relação ao roteiro, situação das estradas, GPS, câmbio, aduanas, seguros, itens obrigatórios, pedágios e combustível. 
      Na segunda parte vamos falar um pouco sobre San Pedro de Atacama e sobre os nossos passeios.
      Então vamos ao que interessa:
      Nessa viagem foram 04 pessoas: Eu (Thiago), minha esposa Priscila, meu Pai e a namorada do pai.
      Saída de Blumenau: 22/12/2018.
      Chegada em San Pedro de Atacama: 25/12/2018.
      Saída de San Pedro de Atacama: 31/12/2018.
      Chegada em Blumenau: 03/01/2019.
      Carro utilizado: Peugeot 207, ano 2012. Motor 1.4, c/ 04 portas.
      Roteiro/Condição das estradas/Pedágios:
      Dia 01 - Blumenau - SC x São Borja - RS. Total: 860 Km.
      Esse caminho é o mais curto, porém tem muitos trechos com pista ruim (buracos, desníveis, etc.), além disso tem muitos radares e lombadas eletrônicas. O motorista tem que ficar atento.
      Pedágios:  Nenhum.
      Dia 02 - São Borja-RS x Presidência Roque Sáenz Peña - Argentina. Total: 620 Km.
      As estradas são boas, pelo menos são melhores que do que as do Brasil.
      Pedágio 01: logo que passa a Aduana, já tem um guichê de pedágio. Valor pago em moeda brasileira: R$ 50 para veículos de passeio. (na volta ao Brasil, o valor é R$ 65)
      Pedágio 02: RN-12 aprox. no Km 1262. Valor: 50 Pesos Argentinos.
      Pedágio 03: RN-16 aprox. no Km 05. Valor: 40 Pesos Argentinos.
      Pedágio 04: RN-16 aprox. no Km 60. Valor: 65 Pesos Argentinos.
      Dia 03 - Presidência Roque Sáenz Peña (Argentina) x Salta (Argentina). Total: 630 Km. 
      As estradas também são muito boas.
      Observação: na RN-16, entre os KM 410 e 481 a estrada é "horrível". Tem muitos buracos. Buracos gigantes. Você vai perder tempo desviando deles.
      Pedágios: RN-09 chegando na cidade de Salta. Valor: 25 Pesos Argentinos.
      Dia 04 - Salta (Argentina) x San Pedro de Atacama (Chile). Total: 580 Km.
      As estradas também são muito boas.
      Observação: Nós usamos o caminho Paso de Jama, que é melhor, pois é todo asfaltado até San Pedro de Atacama.
      Pedágios:  Nenhum.
      *Na volta pra casa fizemos o mesmo trajeto. 
      Hospedagem:
      Dia 01 - Dormimos na casa de parentes. Não tivemos gastos com hospedagem nesse dia.
      Dia 02 - Ficamos hospedados no hotel de campo El Rebenque, que fica na cidade de Presidência Roque Sáenz Peña (Argentina).
      Dia 03 - Ficamos hospedados no hotel Pachá, que fica na cidade de Salta (Argentina).
      Dia 04 - Ficamos hospedados no hostal Casa Lascar, que fica em San Pedro de Atacama (Chile).
      Aqui dormimos dia 25, 26, 27, 28, 29 e 30 de dezembro/2018.
      *Na volta pra casa ficamos nos mesmos hotéis.
      Câmbio:
      Peso Argentino: nós trocamos todo o dinheiro brasileiro por Peso Argentino na aduana, que fica logo depois da Ponte internacional, saindo de São Borja-RS.
      Valeu muito a pena trocar o dinheiro na aduana, pois pagamos 0,10 por cada Peso Argentino. Já em Blumenau a melhor taxa que encontramos foi 0,15.
      Comparação de preços Blumenau x Aduana Argentina:
      R$ 1 Mil reais trocados em Blumenau valem: 6.666 Pesos Argentinos (sendo: 1000 / 0,15)
      R$ 1 Mil reais trocados na Aduana valem: 10.000 Pesos Argentinos (sendo: 1000 / 0,10)
      Peso Chileno: nós trocamos R$ 1 Mil (reais) em Pesos Chilenos aqui em Blumenau, para ter um pouco de dinheiro na chegada à San Pedro de Atacama.
      O restante do dinheiro brasileiro nós trocamos em San Pedro de Atacama. Trocar o dinheiro em San Pedro valeu muito a pena, pois recebemos 170 Pesos Chilenos por cada R$ 1,00 (Real). Já em Blumenau a melhor taxa que encontramos foi de 154 pesos Chilenos por cada R$ 1,00 (Real).
      Comparação de preços Blumenau x San Pedro de Atacama:
      R$ 1 Mil reais trocados em Blumenau valem: 154.000 Pesos Chilenos (sendo: 1000 x 154)
      R$ 1 Mil reais trocados em  San Pedro de Atacama valem: 170.000 Pesos Chilenos (sendo: 1000 x 170)
      *Compare antes de trocar seu dinheiro.
      Combustível / Postos de abastecimento:
      Na Argentina tem dois tipos de gasolina: a Super (comum) e a Infinia (aditivada).
      Infinia: variava de 45 a 48 pesos.
      Super: variava de 41 a 44 pesos.
      *Abastecemos com gasolina Infinia nos Postos YPF.
      *No Chile não abastecemos, por isso não informamos os tipos e preços que existem.
      Na Argentina tem muitos postos de abastecimento durante o trajeto. O último posto fica bem próximo da Aduana, no Paso Jama (divisa entre Argentina e Chile).
      Depois da Aduana não tem mais posto durante o caminho. Vai ter um posto somente em San Pedro Atacama (distância entre Aduana e San Pedro Atacama: 160 KM aprox.)
      GPS:
      Nós utilizamos dois aplicativos de geolocalização: o Google Maps e o Maps.me. Levamos dois Smartphones, em um deles usamos o Maps.me e no outro com Google Maps.
      Antes de sair nós fazíamos os trajetos pela rede WiFi e depois saíamos para a estrada. Os dois aplicativos funcionaram muito bem no modo off-line.
      Dica: o aplicativo Maps.me funciona totalmente no modo off-line. Para isso é necessário baixar os mapas off-line da região que você vai passar. Exemplo: nós baixamos todos os mapas da Argentina, do Chile e também dos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 
      Seguros obrigatórios para seu carro:
      Na Argentina: seguro Carta Verde. Você pode fazer em qualquer corretora de seguros.
      Ele cobre danos a terceiros em caso de acidentes.
      Nós fizemos o seguro com a Porto Seguro, com a cobertura de até 15 dias. Custo: R$ 125. Débito em conta corrente.
      No Chile: seguro SOAPEX. Você pode fazer este seguro com a HDI do chile. Só digitar no Google "HDI Chile".
      Ele cobre danos a terceiros em caso de acidentes.
      Nós fizemos o seguro direto no site da HDI Chile, com a cobertura de até 10 dias. Custo: R$ 40. Pagamento somente no cartão de crédito. 
      *Veja se o seu cartão está liberado para realizar esta compra.
      Observação: em nenhum momento a polícia ou aduana nos cobrou esses documentos.
      Seguros para você:
      Nós optamos por não fazer nenhum seguro de vida ou de acidente. 
      Mas as empresas de seguro oferecem inúmeras modalidades.
      Avalie a que melhor se enquadra com seu bolso.
      Itens obrigatórios para o carro:
      Na Argentina:
      Vários blogs e pessoas nos disseram que teríamos que levar um monte de coisas no carro.
      Então nós entramos em contato com o departamento de trânsito da Argentina e também com o consulado Argentino no Brasil que fica em Florianópolis.
      Segundo eles, os itens obrigatórios são:
      - 01 Extintor de incêndio (exceto em motos);
      - 02 triângulos de segurança;
      - Além dos demais exigidos no Brasil (pneu estepe, chave de rodas e macaco).
      E tem também os itens recomendados: (notem que são recomendados, não obrigatórios)
      - Kit de primeiros socorros;
      Portanto, não é obrigatório levar o tal do "cambão", que muitos blogs informam ser obrigatórios.
      No Chile:
      Considerar todos os itens obrigatórios citados acima.
      E no Chile todos os motoristas são obrigados a ter no carro um "colete refletivo". Caso o motorista precise sair do carro para alguma manutenção ou emergência ele precisa estar vestindo o colete. Isso é LEI NACIONAL. Na dúvida leve um colete também.

      Observação:
      Na Argentina fomos parados diversas vezes pela polícia. Em quase todas as cidades que passamos ao longo do caminho a polícia nos parava para solicitar algum documento.
      Algumas vezes eles pediam os documentos de identidade e do carro. Em outras eles faziam o teste de bafômetro. Mas em nenhum momento a polícia precisou revistar o nosso carro.
      No Chile não fomos abordados.
      Aduana Brasil x Argentina: Muito tranquilo.
      O atendente solicita os documentos do carro e identidades.
      Preenche um formulário no computador.
      Por último entrega um recibo (parecido com um cupom fiscal de mercado). Este recibo precisa ser bem guardado, pois ele será útil na Aduana Argentina x Chile.
      Não tem custo.
      Aduana Argentina x Chile: chato/demorado (pode ter fila e os atendentes são malas)
      A Aduana que nós passamos foi no Paso Jama.
      Tem 06 guichês.
      É necessário preencher um formulário em espanhol. Nesse formulário tem uma parte que fala se você está levando algum alimento que é "proibido".

      Após passar em todos os guichês eles entregam um recibo (parecido com um cupom fiscal de mercado). Este recibo precisa ser bem guardado, pois ele será útil na Aduana Chile x Argentina.
      Comidas não podem passar. Exemplo: frutas, verduras, carnes, lanches, etc. Tudo que é animal ou vegetal fica na Aduana. Alimentos processados passam. Alegação deles é que pode haver alimentos contaminados ou pragas. Se no formulário estiver a opção NÃO, mas na hora de revistarem o carro eles encontrarem alguma coisa, você leva uma multa.
      Após sair dos guichês vem um fiscal da vigilância sanitária e inspeciona o carro.
      Só depois de inspecionar o carro você está livre para seguir viagem.
      Não tem custo.
      *Na volta pra casa é necessário fazer tudo de novo, porém a vigilância sanitária não revistou o carro dessa vez.
      Espero que tenham gostado dessa primeira parte.
      Se tiverem algum comentário ou dúvidas por favor nos retorne.
      Um abraço.
    • Por [email protected]
      Ter uma história com uma Kombi é bem comum entre os brasileiros. Eu mesma me recordo das histórias de infância, onde uma Kombi era utilizada como transporte escolar na minha cidade. Tenho certeza que que muitos de vocês já se depararam com uma Kombi com aquela faixa amarela escrito “ESCOLAR”, não é mesmo?!
      Kombi Escolar
      Nenhum outro veículo já produzido tem tantas histórias para contar como a Kombi. No Brasil ela foi fabricada de 1953 a 2013, completando 60 anos de produção, sendo um dos veículos que mais participou da vida dos brasileiros. Uma “senhora” com mil e uma utilidades, que vão desde sua utilização no comércio à fins particulares. Diversos jornais e revistas vinham em kombis, assim como outros segmentos que a utilizaram: aviação, correios, imprensa, exército, hospitais, supermercados, entre outros.
      Hoje é muito comum vermos Food-Trucks (traduzido do inglês para “caminhão de comida”) ou MotorHomes (“Casa sobre Rodas”) sendo adaptados em Kombis. A versatilidade desse veículo não tem limites!
      Food Truck
      A criatividade do povo brasileiro em usar a kombosa vai além de “casas sobre rodas” ou “carros de comida”. Hoje já existem Kombi adaptadas como estúdios fotográficos, choperias móveis, lojas ambulantes, escritórios sobre rodas e uma infinidade de usos que revelam que mesmo que a produção desse veículo tenha se encerrado, sem dúvida continuará participando de nossas vidas por muitas décadas.
      No entanto, uma das facetas da “Kombi” que mais vem chamando atenção nos últimos anos é a sua utilização como “motorcasa”, ou como já é conhecida popularmente: Kombihome. É cada vez mais comum vermos notícias de pessoas que decidiram transformar a Kombi em Motorhome e utilizá-la para viajar ou até mesmo morar dentro desse veículo adaptado.
      E os motivos desse “movimento” estar ocorrendo, particularmente no Brasil, entrelaça a história da Kombi com as características do nosso povo.
      Antes de mais nada, é importante ressaltar que a cultura dos Motorhomes nunca foi muito popular na nossa terrinha. Diferente dos Estados Unidos e Europa, o Brasil possui poucas fábricas especializadas em construção de Motorhomes (a maioria localizadas na região sul do nosso país). Não consultei nenhum artigo ou pesquisa que explique essa realidade brasileira, mas poderia “chutar” algumas razões, como: estradas mal cuidadas, postos de gasolina sem infraestrutura, o preço dos combustíveis, falta de segurança, e talvez o principal motivo na minha opinião, que é a situação financeira e a renda per capita do trabalhador brasileiro. Afinal, pra quem ganha um salário mínimo (a maioria da nossa população), adquirir um veículo apenas para viajar com a família é um sonho muitas vezes inalcançável.  
      Típico Motorhome Americano
      Os valores variam muito, mas a média de preço de um motorhome básico está na casa dos R$70.000,00. Isso porque esses veículos muitas vezes são adaptados em vans ou chassis de caminhão, o que já torna o custo inicial muito elevado. No entanto, o brasileiro parece ter “redescoberto” um veículo barato, com razoável espaço interno e muito popular em nosso país: a Kombi. As vantagens dessa velha senhora não param por aí: mecânica simples, fácil acesso a peças de reposição e principalmente: manutenção barata. Para se ter uma ideia, certos reparos no sistema de transmissão de uma van são mais caros que o motor inteiro de uma kombi.
      E é por se adaptar a realidade financeira da população brasileira, que as Kombihomes estão virando febre por aqui, e ganhando cada vez mais o coração das pessoas.
      Nós adquirimos a nossa em março de 2017. Trata-se de uma Kombi ano 2010/2011, modelo Standard, motor flex 1.4. Inicialmente estávamos de olho em modelos mais antigos, fabricados entre 2003 e 2009. No entanto, as opções que encontramos não estavam bem conservadas, apresentando pontos de ferrugem na lataria e alguns problemas mecânicos. Ao encontrarmos com a Chica (nome carinhoso com que batizamos nossa Kombi), foi amor à primeira vista. E mesmo com o preço de venda estando um pouco acima do planejando, acabamos ficando com ela. Levamos ela para a casa por R$20.500,00, pagos à vista.
      Muitos parentes e amigos questionaram a escolha da Kombi, em detrimento de veículos com maior espaço interno, como as Vans, ou com motores mais potentes, como as caminhonetes 4x4. A verdade é que a Kombi foi a escolhida por ser a única que se encaixava no nosso orçamento. Apesar das boas lembranças que eu e meu marido tínhamos da Kombi, não nos considerávamos “fãs” do veículo, assim como alguns colecionadores e amantes de Kombi.
      Basicamente o que nos levou a escolher a Kombi foi seu baixo custo. Claro que depois de 1 ano viajando, a Chica acabou se tornando parte da família, recebendo muito mais carinho que um carro comum está acostumado.
      Entretanto, nem tudo são flores! Assim como qualquer veículo, a Kombi também tem seus pontos negativos. Mas isso é assunto para o próximo post...
      Mesmo não sendo o melhor, o maior ou o mais bonito motorhome, a Kombi vem atendendo perfeitamente nossas demandas de uso e nos proporcionando a oportunidade de realizar o sonho de viajar por nosso país.  
      Para saber mais sobre o universo de motorhomes e Kombihomes, acesse nosso canal no Youtube ou nosso perfil no Instagram. Eu tenho certeza que você vai se encantar com esse estilo de vida que vem seduzindo cada vez mais pessoas.
      Kombihome Chica - Na Estrada  
      Youtube:https://www.youtube.com/naestrada
      Instagram: https://www.instagram.com/naestradadekombi
       
       
×
×
  • Criar Novo...