Ir para conteúdo

14 Dias na Colômbia - Cartagena, Medellin e San Andrés (Os Mochilinhas)


Posts Recomendados

  • Colaboradores

Concordo que a chiva rumbera é pega turista.Andei nela em Santa Marta,lá para na estátua do Valderrama e fica distribuindo rum.Mas dura pouco, pois a cidade não tem muito ponto turístico.Obrigado, mais uma vez pelo relato, eram lembranças que já estavam esquecidas pois não tenho fotos de Cartagena, o tablet queimou em frente ao relógio na entrada da muralha,era chinês,comprado há poucos dias em Manizalles,não tem peça no Brasil. 

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

COLÔMBIA 6º Dia - Se despedindo de Cartagena (29/04/2017)

Dia de se despedir de Cartagena. À noite, mais precisamente às 21h30, pegaríamos o ônibus noturno em direção à Medellin. Como sempre fazíamos nos dias "de trânsito", não marcamos nenhuma atividade, só descansar e esperar a hora da viagem. Sendo assim, como teríamos que fazer o check-out às 11h e ficar "na rua" até a noite, ficamos até as 11h no quarto aproveitando o ar condicionado ao máximo que deu hehehe.

Chegada às 11 horas fizemos o check out, pedimos para guardar as nossas mochilas e saímos para procurar um lugar para almoçar. Como não tínhamos pressa, fomos até o Getsemani, com a ideia de que restaurantes lá seriam mais baratos (no fim não tem muita diferença não). Na ida aproveitamos para dar uma olhada nos Pegasus do Muelle de los Pegasus e tirar umas fotos. Percebemos que um deles tem um "filhinho" junto, bem bonitinho.

20170429_092209.thumb.jpg.597aede2ac326b21b4d3e2ccb1cd5657.jpg
 
20170429_092235.thumb.jpg.cf02aaa55d18005a36f8c756cf0c1823.jpg
 
20170429_092232.thumb.jpg.75c37ea6e607dab50ca9747c060fdee1.jpg

Muelle de los Pegasus

Demos uma procurada nos restaurantes mais populares e, não encontrando nenhum que fosse beeeem mais barato que os de dentro da muralha, pagamos 12.000 COPs um almocinho básico. Sopa de peixe de entrada, prato principal e suco extremamente doce.
 
20170429_121331.thumb.jpg.b7eb3fb6d11c86fa588b216b1764755b.jpg
 
20170429_123719.thumb.jpg.3e8a7c1e32c65467afdf875ff82b1532.jpg

Almocinho básico Colombiano. No restaurante, vários quadros da Índia Catalina, demonstrando como ela é uma figura presente no imaginário Cartageneiro

Depois do almoço, ficamos a tarde descansando e aguentando o forno que era a área comum do hostel, assistindo clipes de Reggaeton em looping na TV, é claro.

Quando diminuiu um pouco o sol, aí sim, fomos dar uma última volta na cidade murada, comprar umas lembrancinhas que faltaram, conhecer algumas ruelas que ainda não havíamos conhecido e aproveitar para fazer uma fezinha na escultura "Gertrudis" do Botero na Praça Santo Domingo hehehe.

20170429_171349.thumb.jpg.36e387fcf074682944ff10aa3604e67b.jpg
 
20170429_171516.thumb.jpg.1d349bdc6962b238361b9350250f75b7.jpg
 
20170429_172456.thumb.jpg.f41bf38b0ee3de060fa57f1367b4473e.jpg
 
20170429_172506.thumb.jpg.13dc7010d6ba2692ebaba1b1b27f3a8b.jpg

Última voltinha pela cidade murada, aproveitamos para "acariciar" mais um pouquinho a estatua do Botero

Aproveitamos também para nos despedirmos do belíssimo por-do-sol de Cartagena nas muralhas, já planejando a hora de voltar para essa belíssima cidade.
 
20170429_173049.thumb.jpg.53d62f83ae18b2e33ea8f270cfb39147.jpg

Se despedindo do por-do-sol de Cartagena

Depois que o sol se pôs então, começamos nossa jornada em direção ao Terminal de transportes, espécie de rodoviária de Cartagena, onde sairia nosso ônibus da empresa Expresso Brasília em direção à Medellin. O Terminal rodoviário fica a mais ou menos 11 quilômetros da cidade murada e a informação que tínhamos era que para chegar lá podia-se pegar qualquer ônibus de linha que tivesse escrito na frente "Terminal de Transportes" próximo do Monumento da Índia Catalina, esquina da Avenida Pedro de Heredia com a Avenida Venezuela, mas não sabíamos exatamente em que parada de ônibus e qual ônibus específico tínhamos que pegar.

Recolhemos nossas mochilinhas no hostel então e seguimos pela Avenida Venezuela. Chegando próximo da Índia Catalina, paramos uns policiais para perguntar aonde podíamos pegar o ônibus para a rodoviária. Os policiais, muito solícitos, ao invés de só apontarem para a parada de ônibus, foram conosco até a esquina, pararam um ônibus que dizia na frente "Paraguai", fizeram questão de confirmar com o motorista que ele ia para o terminal de transportes e, só foram embora quando viram que tínhamos embarcado e estávamos já acomodados no ônibus. Muito legais!

Os ônibus em Cartagena, pelo menos estes que circulam "pra dentro" da cidade, fora da zona turística, são tudo umas espécie de lotação velhas. Assim como nas demais cidades da América Latina que visitamos, essas lotações são de várias empresas, cada uma fazendo uma rota bem estranha, parece até uma coisa meio clandestina, se for pensar em nível de transporte público no Brasil. Em compensação são muito baratos, pagamos se não me engano menos de 2.000 COPs.

Como estávamos com as mochilas, o tiozinho motora conseguiu um lugarzinho lá na frente para a Juliana sentar e ficar com elas enquanto eu fui de pé na parte de trás, cuidando o trajeto no GPS, e no caminho começou a encher cada a vez mais o ônibus. O ônibus deu várias voltas, nos permitindo conhecer outro lado de Cartagena. Deu pra ver que, fora da cidade murada, ela é uma cidade bem pobre. Muitas ruas com casas humildes e passamos por dentro de várias favelas.

Já se aproximava das 21h quando paramos num engarrafamento e começamos a ficar com medo (eu pelo menos), de perder nosso ônibus. Porém, graças à habilidade (ou seria imprudência) do nosso motora, que pegou a faixa da direita que não dava nem para chamar de acostamento porque era uma faixa estreita de terra que quase dava num barranco, engatou uma quinta e passou todos os carros que estavam presos no transito, chegamos no terminal antes das 21h.

O terminal de Cartagena é bem organizado, muito fácil de achar os guichês de atendimento e os terminais. Trocamos nossos vouchers então pela passagem no guichê da Expresso Brasília e ficamos aguardando nosso ônibus. Para passar o tempo enquanto aguardávamos, fomos atrás de uma cervejinha e, conseguimos numa espelunca na esquina da rodoviária cheio de tiozinhos bêbados que acho que nunca nenhum turista teve coragem de entrar na vida hehehe.

20170429_203717.thumb.jpg.65160f230186382279fe60c9ea69753b.jpg
 
20170429_202301.thumb.jpg.669d6c07797bfade70e5a6a83605a093.jpg

Tomando umas aguilas para passar o tempo

Terminando de tomar nossas águilas, 21h30 pontualmente embarcamos no nosso ônibus, que já estava com o ar condicionado "no talo". Nos agasalhamos e se preparamos para a viagem de mais ou menos 11 horas em direção à nossa próxima parada: Medellin!
 
20170429_213823.thumb.jpg.83ddb06234419a9b41c8e11dd4f1b95b.jpg

Rumo à Medellin!

 
  • Gostei! 2
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Roteiro resumido: Cartagena

Segue abaixo o resumo (com mapas) da nossa passagem de 6 dias por Cartagena, lembrando que os preços das atrações aqui listados são de 2017, então certamente já estão defasados. Também cabe ressaltar que este roteiro representa unicamente a NOSSA experiência na cidade, não tendo nenhuma pretensão de ser um "guia do que fazer em Cartagena", ou muito menos um "guia definitivo da cidade". Cartagena é aquelas cidades que se pode ficar um mês sem enjoar, devido à agradabilidade de suas ruas e pelos baixos preços da Colômbia, mas creio que 5 dias já é suficiente para conhecer tranquilamente as suas atrações turísticas sem correria. Segue então o nosso roteiro abaixo:

RESUMÃO: Ficamos 6 dias em Cartagena. Como no primeiro dia chegamos de manhã cedo e no último saímos tarde da noite, dá pra dizer que foram 6 dias "completos" na cidade. Nossas atividades neste período ficaram divididas assim:

1º Dia: Chegando em Cartagena, Cidade murada, Café del Mar

2º Dia: Praia de Bocagrande

3º Dia: Oceanario das islas del rosario, Playa Blanca, noite no Getsemani

4º Dia: Vulcão El Totumo e Praia de La Boquilla

5º Dia: Castelo de San Felipe de Barajas, Monumento a los Zapatos Viejos, Free Walking Tour

6º Dia: Se despedindo de Cartagena, ônibus noturno para Medellin

Ficamos no Hostel Casa Roman, que estava recém inaugurando na época. Devido a isso, o preço era promocional, muito barato e a localização excelente, dentro da cidade murada, a poucos passos da torre do relógio. Os quartos eram grandes (ficamos no quarto de 8 pessoas) e deixavam o ar condicionado o dia inteiro ligado, o que não é comum nos hostels de lá e que é extremamente necessário no calor de Cartagena. O único ponto negativo que podemos listar eram os banheiros, sempre faltando papel higiênico e o chuveiro sempre com água muito fraca, só uns pingos e água sempre quente. Também como estava inaugurando, não havia ainda cozinha e muitas comodidades. Hoje em dia, como pode-se observar no Booking, o Hostel está bem mais desenvolvido, disponibilizando café da manhã e até com piscina! Abaixo a avaliação que fizemos dele no booking:

441795_c4c2b0872c4a4b2b90e3f00c4932599e~mv2.webp
 

1º Dia: Chegando em Cartagena, Cidade murada, Café del Mar

1. Aeroporto de Cartagena até o Hostel
  • Pegamos um táxi colectivo na Calle 70, avenida que cruza a frente do aeroporto.

  • Taxi colectivo custou 5.000 COPs.

  • Não há nada que distingue táxi coletivo ou táxi normal, o segredo é levantar o dedo indicador para parar o táxi e pedir pra ele "colectivo", se o taxista aceitar, a corrida fica por 2.500 COPs por pessoa, sujeito a pegar mais passageiros no caminho.

441795_78abbf1c63bf4952afd21da5ac084c1b~mv2.webp
Calle 70, aonde pegamos o táxi coletivo
 
441795_68bee8f13dbf4dedabe7584802302888~mv2.webp
Trajeto do táxi do aeroporto até a cidade murada
 
441795_eb410eaeb32b4ad984f4f0a4d453979e~mv2.webp
Local onde ficava nosso hostel

2. Cidade murada

 
441795_1674caac51e2486abffad534111d019e~mv2.webp
Marcado em vermelho, região delimitada pelas muralhas, a cidade murada
 
441795_3dcefc27a7b948129c3522b777707720~mv2.webp
  • Alguns locais de interesse dentro da cidade murada:

1 - Exito supermercado, onde encontramos os menores preços para comidas e bebidas)

2 - Torre do Relógio

3 - Café Juan Valdez

4 - Café San Alberto

5 - Rua ao lado da Catedral, onde fica uma feirinha e o lugar mais barato para comprar lembrancinhas.

 

3. Café del Mar

 
  • Local famoso para apreciar o por-do-sol de cima das muralhas

441795_1b78968bde0844b498262ff6863195c9~mv2.webp
Local onde fica o Café del Mar
 

2º Dia: Praia de Bocagrande

 

1. Comprando o passeio do outro dia para Playa Blanca

  • Vários vendedores em frente à torre do relógio e agências espalhadas pela cidade vendem este passeio, mas o melhor mesmo é comprar direto no guichê no Muelle de la Bodeguita.

441795_ee2047c59f97445eb7d177936d7e9a09~mv2.webp
Localização do Muelle de la Bodeguita
 
441795_d21d5b96c55e4228876d183df6fea617~mv2.webp
Guichês de venda dos passeios
  • Pagamos 100 COPs passeio completo com almoço, manhã visitando as Islas del Rosario e à tarde a Playa Blanca.

2. Praia de Bocagrande

  • Da torre do Relógio até a praia de Bocagrande, fomos a pé.

441795_7d28815fbc254b7f84de91510f6af49b~mv2.webp
Caminho da cidade murada até Bocagrande
  • Cuidado com os vendedores e principalmente com as massagistas, quando você menos percebe elas estão te "massageando" e querendo cobrar.

 

3º Dia: Oceanario das islas del rosario, Playa Blanca, noite no Getsemani

 

1. Oceanario das islas del rosario

  • O barco para o passeio sai no Muelle de la Bodeguita, mesmo local onde foram compradas as passagens

  • A primeira parte o barco vai em direção ao arquipélago do Rosario

441795_7393c01459a8494c9f1bfc2ba8eeef68~mv2.webp
Trajeto de barco até as ilhas, passando pela Bocachica
  • Nas ilhas, você pode escolher entre visitar o Oceanario ou fazer snorkel na zona de snorkel:

441795_aeedb53980494c2a95bff50de19c181e~mv2.webp
  • Valor da entrada por pessoa: 28.500 COPs (valor atualizado em 2021)

  • Site oficial do Oceanario: https://oceanario.co/

2. Playa Blanca

  • No almoço segue-se para Playa Blanca, que fica na ilha Barú (apesar de no mapa eu não consegui identificar que é uma ilha)

441795_2267f0eda19f41dfa5505f0f7e2d84f2~mv2.webp
Localização da Playa Blanca
  • Paga-se no desembarque do barco 30.000 COPs de taxa de preservação para entrar na ilha.

3. Noite no Bairro Getsemani

  • Getsemani é o bairro boêmio de Cartagena, com muitos bares, artistas de rua e gente nas ruas se divertindo.

441795_380fbbb1c7ad403bb3abeab6dcf32188~mv2.webp
Região do Getsemani
  • Da cidade murada até o bairro Getsemani, fomos a pé:

441795_be710534058343c881ea9fa212e7e1e8~mv2.webp
Trajeto a pé da torre do relógio até a Plaza de la Santissima Trindade
  • O local onde se concentra o "fervo" é na Plaza de la Trindade, mas todas as ruas do bairro possuem alguma atração.

 

4º Dia: Vulcão El Totumo e Praia de La Boquilla

 

  • Compramos o passeio para o vulcão El Totumo numa agência dentre as milhares que existem dentro da cidade murada.

  • Pagamos 84.000 COPs por pessoa o passeio com almoço incluído.

441795_e6c853ba8e074471af518dd82ec53473~mv2.webp
Trajeto que a Van da agência faz até o vulcão
  • O passeio consiste em: tomar banho de lama dentro do vulcão e depois se lavar da lama no lago Cienega del Totumo

  • Cuidado com tudo que te oferecerem lá no local de "gentileza", tudo é cobrado, de 2.000 COPs à 5.000 COPs.

  • À tarde fomos almoçar na beira da praia de La Boquilla (a paria pode variar dependendo do dia e da van, mas todas nessa região são bem parecidas)

441795_be3a9fca7d1e4f5b9cd7949794637701~mv2.webp
Trajeto do Vulcão até a praia de La Boquilla
 
441795_895ce5dc12404e1fab9659147a014971~mv2.webp
Local onde fica a praia de La Boquilla
 

5º Dia: Castelo de San Felipe de Barajas, Monumento a los Zapatos Viejos, Free Walking Tour

 

1. Castelo de San Felipe de Barajas

  • Para ir até o Castelo, fomos a pé:

441795_fce3818d8c2548b4a23028c4174bddeb~mv2.webp
Trajeto a pé da torre do relógio até o Castelo
  • Valor da entrada: 25.000 COPs. Se apresentar carteira de estudante, mesmo do Brasil, paga 15.000 COPs.

 

2. Monumento a los Zapatos Viejos e India Catalina

 

441795_688aaaa1156c41f2bef451ffc2eec0f8~mv2.webp
Locais onde ficam os monumentos dos Zapatos Viejos e da India Catalina
 

3. Free Walking Tour

 

  • Fizemos à tarde um Free Walking Tour de 2h de duração na cidade murada e arredores.

  • Site oficial do Free Walk que fizemos: https://en.freewalkingtourcartagena.co/ (hoje em dia existem vários!).

  • O ponto de encontro é na Plaza de los Coches, em frente à estatua do Pedro de Heredia:

441795_40c97f589fc9401bae7b7b07f3eba0e9~mv2.webp
Local de encontro
  • Alguns pontos interessantes visitados no tour:

1 - Museu Naval do Caribe

2 - Plaza de Santo Domingo

3 - Igreja da Inquisição

441795_f373314b2a79421687e8f870d8c6ffb2~mv2.webp
Pontos marcados no mapa
  • Pagamos 30.000 COPs de gorjeta

 

6º Dia: Se despedindo de Cartagena, ônibus noturno para Medellin

  • Para ir da torre do Relógio até o Terminal de Transportes de Cartagena, local onde pegaríamos o ônibus noturno para Medellin, pegamos um ônibus na região de cruzamento entre a Avenida Venezuela e a Pedro de Heredia:

441795_cdecdc9599c846fe94423f31d9709379~mv2.webp
Região onde mais ou menos fica a parada dos ônibus para o Terminal de Transportes
 
441795_6439ffd4c8714d5ca31063dfff18fb7e~mv2.webp
Estilo dos ônibus que vão pra lá
 
441795_e1866127bfb145629f960c5cf49cbd94~mv2.webp
Trajeto do ônibus até o terminal
 
441795_4d481047c61b4132b499412ec403b528~mv2.webp
Local exato do Terminal: o onibus deixa na Avenida Principal, tem que dar uma caminhadinha
  • Sair cedo pois os ônibus dão muitas voltas e demoram bastante.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Colaboradores

Que Belo relato!Os micros velhos são dos próprios motoristas na maioria dos países ou de algum parente.No Ecuador e Venezuela se organizam em cooperativas para fazer as linhas,se bem que neste último não são velhos, muito pelo contrário, no tempo do Chávez eram novíssimos,pois há uma fábrica lá. Se foi para Medellín ou  Bogotá viu que o sistema mudou,o que não faz a intervenção do estado. rs

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

COLÔMBIA 7º Dia - Se encantando com Medellin (30/04/2017)

De manhã cedo acordamos dentro do ônibus. No cenário, fazendas com muito campo e criação de bovinos e aquela serração fina, lembrou muito o interior aqui do Rio Grande do Sul, ainda mais quando o motorista começou a tocar no rádio do ônibus músicas típicas paisas, que são muito parecidas com as músicas gauchescas. Na única parada que o ônibus fez no caminho, para o café, sentimos a mudança drástica de clima: do calorão infernal de Cartagena para um friozinho de serra.

20170430_091323.thumb.jpg.f5bcca24f55d2d65262207fbe304f146.jpg
 
20170430_091321.thumb.jpg.991435cb2653e80a7f5a10093ad0d82d.jpg

Paisagem do interior da Antioquia, lembra muito o interior do Rio Grande do Sul

Aliás, Medellín (para os colombianos se lê "Medejin") é conhecida como a cidade da eterna primavera. Por se localizar num vale, o clima de Medellin é sempre agradável, nem muito quente e nem muito frio. Entretanto, com a mudança de clima somada à noite no ar condicionado à milhão dentro do ônibus, acabei destruindo minha garganta.

Chegamos em Medellin passando as 8 horas da manhã, no terminal Norte. Medellin possui dois terminais rodoviários, o sul e o norte e, embora todos os ônibus que vem de Cartagena desembarquem no terminal Norte, é bom sempre verificar antes de comprar a sua passagem. O terminal norte é muito mais "prático" de se desembarcar, possui uma estação de metrô praticamente dentro dele, enquanto o sul fica mais afastado, tendo que pegar ônibus para se locomover de lá.

O terminal de ônibus norte de Medellin é bem grande, com muitas lojas e parece ser bem organizado. No dia que desembarcamos, um domingo, estava tendo uma aula de ginástica comunitária para idosos bem no centro dele, muito interessante.

Fomos então em direção à estação de metrô de superfície que fica praticamente dentro do terminal rodoviário, a estação "Caribe" e, de cara, já nos impressionamos com a modernidade desse meio de transporte, uma das várias iniciativas responsáveis por transformar Medellin de cidade mais violenta do mundo até o posto de cidade mais inovadora.

20170430_142754.thumb.jpg.6f1d4ec9e2a50fe0ade74720b5b69791.jpg

Moderno metrô aéreo de Medellin

Medellin é uma cidade bastante "simétrica". Fica rodeada por morros nos seus quatro cantos e bem no centro, cortando a cidade de Norte a Sul fica o Rio Medellin. O espaço às margens do rio foi aproveitado para se construir o moderno metrô de superfície de Medellin, que acaba dessa forma cruzando o centro da cidade de Norte a Sul, sendo complementado pela linha 2 do metrô que cruza a cidade horizontalmente. Além disso, o metrô é alimentado por diversas linhas de ônibus, ciclovias, trens elétricos de calçada e teleféricos, que alcançam os bairros mais afastados e morros da cidade. Tudo por um único bilhete de transporte de, na época, 2.600 COPs, fazendo de Medellin um exemplo de mobilidade urbana na América do Sul.

Fomos em direção à estação San Antonio, estação central e principal de Medellin, onde pode-se fazer a transferência para a linha 2 do metrô. É nesta estação também que fica o centro de atendimento ao cliente, onde é possível para qualquer um, nacional ou estrangeiro, mediante a entrega de alguns documentos, fazer o "Cívica Card", cartão recarregável que permite acesso a todo os meios de transporte público da cidade. Infelizmente, como esse dia era um domingo e no dia seguinte seria um feriado, acabamos não conseguindo fazer o nosso, mas é bastante importante fazer para quem vai utilizar o transporte público diariamente, especialmente em dias de semana, fugindo assim das filas para comprar bilhete nas estações.

Pegando a linha 2 do metrô, chegamos rapidinho então à nossa estação: "Estadio" e em menos de 50 metros já estávamos no nosso hostel.

O hostel que ficamos em Medellin foi o Paisa City Hostel, que infelizmente não existe mais, mas tem vários ali próximos que devem ser tão bons quanto. Escolhemos ele, além do preço e das ótimas avaliações do booking, pelos seguintes motivos: primeiro porque ele fica ao lado do Estádio de Futebol do Nacional de Medellin, o Estádio Atanásio Girardot,

estádio histórico tanto para o Grêmio (campeão da libertadores em 1995 lá) quanto para a Chapecoense (seria o palco da final da Sulamericana antes do desastre aéreo que acabou vitimando fatalmente todo o time e comissão técnica da Chapecoense). Local onde ocorreu uma das maiores demonstrações de solidariedade da história do futebol mundial, quando os torcedores do Nacional, mesmo com o jogo com a Chapecoense obviamente cancelado, lotaram o estádio no horário destinado à partida, todos de branco e prestaram uma linda homenagem ao time catarinense, além de entregar a taça de campeão para a Chape.

Mais do que ter a chance de conhecer esse Estádio histórico, iria poder acompanhar um jogo lá! Visto que na terça-feira iria ter um jogo da libertadores entre Nacional x Estudiantes, da Argentina. Então ficar perto e poder ir e voltar a pé do estádio era uma questão estratégica! Além disso, como já mencionado, o hostel ficava a 50 metros da estação de metrô, permitindo acessar qualquer parte da cidade tranquilamente.

Cansados da viagem noturna, chegamos e já fomos recebidos no portão pelo nosso anfitrião, o simpático cachorrinho Rhu! Um cachorrinho que perambulava pelo hostel o dia todo, entrando nos quartos, subindo nas camas, roubando meias... não parava um minuto! Muito sapeca!

20170430_145109.thumb.jpg.02317b374518405ad8d10df3262e1eef.jpg

Nosso anfitrião nos esperando

Além do Rhu fomos recebidos também por um americano falando com a gente em inglês que fez questão de exaltar que aquele era um "party hostel", que rolava muita festa e rolava diariamente o "happy hour" a cada duas ou três horas, onde as bebidas ficavam temporariamente pela metade do preço. Na hora pensamos: não vamos conseguir relaxar um segundo nesse lugar... além de ter de aguentar um monte de gringos bêbados. Mas não! Pessoal do hostel era bem legal, as festas não eram "loucurada" e nos quartos que ficavam no andar de cima (onde ficamos) nem se ouvia barulho nenhum. Outra coisa que nos preocupou era que só tinha um banheiro individual para todos os hóspedes, pensamos que ia ser um stress para encontrar ele vazio mas não, não chegamos a pegar nenhum dia "fila" pra usar. No fim toda a estadia no hostel foi muito boa! A única coisa ruim do hostel é que não permitia trazer bebidas alcoólicas de fora, só consumir as do bar lá.

Como ainda não era hora de fazer o check in, largamos nossas mochilas no hostel e já fomos conhecer a região, indo até a bilheteria do Estádio para comprar nossos ingressos. Ficamos boquiabertos quando descobrimos que o Estádio Atanásio Girardot fica dentro de um complexo esportivo público gigantesco, que possui quadras de diversos esportes (baseball, rugbi, tenis, etc), ginásios de lutas, ginástica olímpica, entre outros, e até piscinas e um velódromo, tudo de alta qualidade, coisa de primeiro mundo mesmo!

20170430_155419.thumb.jpg.49cbafd1398244cdcabbb49b30932c62.jpg
 
20170430_154454.thumb.jpg.f19117c306b70d971672b20dfe178a3c.jpg
 
20170430_154743.thumb.jpg.46f766903e8baa181742f309e9cdc461.jpg

Estádio Atanásio Giradot e o impressionante complexo esportivo em sua volta

Impressionados com a qualidade das instalações, como era cedo, demos uma boa volta em todo o complexo e vimos muitas pessoas de todas as idades praticando todo tipo de esporte. Muitos também só utilizando o local para caminhadas ou para andar de bicicleta, já que o lugar é bastante agradável para passear. Também aproveitamos para fazer nosso café da manhã por ali mesmo, comendo umas empanadas argentinas muito boas a 2.000 COPs nas diversas barraquinhas de comida que tem por ali (essas bem furrecas mesmo). Por fim, compramos nossos ingressos na bilheteria para o jogo de terça-feira sem dificuldades. Perguntei para o carinha do guichê qual era o lugar mais legal de assistir e ele sem hesitar nos vendeu o ingresso para trás do gol junto à fanática torcida organizada do Nacional. O ingresso custou apenas 25.000 COPs! (equivalente à 25 reais na época), coisa inimaginável pra um jogo de libertadores no Brasil, onde depois da elitização dos estádios após a Copa do Mundo, sem ter carteira de estudante, não se consegue um ingresso para um jogo desses por menos de 90 reais.
20170430_183127.thumb.jpg.246868162b091e03a7c870f21c65134c.jpg

Ingresso na mão!

Se aproximando da hora do check in, voltamos pro hostel. Nos instalamos no quarto para 8 pessoas e saímos procurar um lugar para almoçar. A avenida onde fica o hostel é bem residencial, atravessada por um riachinho onde passa por cima a linha 2 do metrô aéreo, com ciclovias e pontes para atravessar (um pouco mal cuidadas é verdade).

20170430_160125.thumb.jpg.e1a0b7cde047f4db89e54b04b108881e.jpg
 
20170430_160122.thumb.jpg.9a2c994d23be4e53dec33133acce4b5b.jpg

Ciclovias em frente ao hostel, meio mal cuidadas mas ainda assim em melhores condições que as aqui de Porto Alegre

No entanto, bem na esquina em direção à estação de metrô, fica a Carrera 70, uma avenida bem movimentada da cidade com milhares de opções de bares, lanchonetes e baladas, bastante utilizada como opção para curtir a noite de Medellin (mas que infelizmente não tinha nenhum mercadinho).
Aliás, uma curiosidade não só em Medellin mas em toda a Colômbia (e não sei se nos outros países latinos também): as ruas que ficam na horizontal, indo da ponta leste para oeste (na latitude), são chamadas de Calles, enquanto as que ficam na vertical, indo da ponta norte para a sul (na longitude), são chamadas de Carreras.

Seguimos então pela Carrera 70 procurar uma lancheria pra almoçar e matamos um pouco a saudade de fast food comendo um Xis com fritas.

20170430_150932.thumb.jpg.394299b86acfd90dda9ae675f6993dfd.jpg

Xis com fritas

Já almoçados, finalmente voltamos pro hostel pra descansar um pouco da viagem noturna. Lá pelo meio da tarde então, fomos conhecer a cidade. Aos domingos, uma região muito frequentada pelos locais fica em volta da estação de metrô Universidade. Por ali fica a Universidad de Antioquia, o Parque de los deseos, Parque Explora, o Jardim Botânico de Medellin e o Shopping Bosque Plaza. Com atrações para todo o tipo de público, foi pra lá que nós rumamos.

Já na descida da estação, tem-se uma bonita vista dos modernos parque Explora e Jardim Botânico com os característicos morros que envolvem Medellin ao fundo.

20170430_172326.thumb.jpg.6f92c228d294c07547c689c9f5c329ae.jpg
 
20170430_172331.thumb.jpg.7acb4ac39bc17280a2b32076dcb25038.jpg

Bonita vista do Parque Explora e do Jardim Botânico de Medellin com os característicos morros da cidade ao fundo

Primeiro seguimos em direção ao Parque Explora. Este parque, assim como esta região inteira, faz parte das iniciativas que tornaram Medellin a cidade mais inovadora do mundo em 2013. É tipo um museu de ciência e tecnologia, assim como existem em várias capitais brasileiras, misturado com parque de diversões, sendo que todas as atrações são educativas. Já na entrada tem algumas atividades pra tu fazer, todas ligadas à física, matemática ou astronomia e todas com um texto explicativo ligando a brincadeira à teoria, assim como um mirante pra observar a cidade e uma lojinha de souvenires muito legal, com várias camisetas e produtos educativos (mas caros)!
 
20170430_180130.thumb.jpg.bbed4e28eb29024fe04ad5de4e1328ff.jpg
 
20170430_180207.thumb.jpg.300e512192eb48f1ed3ff8bfe749d019.jpg

Parque Explora

Não chegamos a entrar para conhecer por dentro porque este é um passeio de dia inteiro e, infelizmente, nosso pouco tempo na cidade não nos permitiu, mas é um dos passeios imperdíveis para se fazer em Medellín. O mesmo pode-se dizer do Jardim Botânico, só na entrada dele, uma edificação que lembra Niemeyer, possui diversas obras de arte expostas que, também por falta de tempo, não conseguimos conhecer. Definitivamente, Medellín é uma cidade para se passar bastante tempo e visitar sem pressa!

Depois do Parque Explora, fomos visitar o Parque de los Deseos, outro símbolo da Medellín moderna.

20170430_172532.thumb.jpg.06a3b7d26b41ec25d615d5014474b2fb.jpg

Parque de los deseos

Fundado em 2003 pela prefeitura de Medellín tendo como tema o universo, o parque teve como objetivo, além de se tornar um lugar lúdico de interação e de descanso, se tornar um lugar de encontro cultural, visto que dentro dele se encontram a Casa de Música de Medellín, espaço público para realização de oficinas e ensaios para músicos e dançarinos de diversos estilos da cidade, além do prédio do planetário.

No parque em si, diversas atrações que, assim como no Parque Explora, são todas com algum fundo educativo, perfeito para as crianças brincarem e aprenderem sobre astronomia e os elementos da natureza, como por exemplo o telefone sem fio feito com duas construções côncavas uma em cada ponta do playground que permite a duas pessoas se comunicarem uma com a outra à distância, relógio solar, entre outras atrações, além de um local super limpo e organizado. Durante a semana inclusive, o parque conta com voluntários credenciados que auxiliam os visitantes a fazerem um "circuito" de forma gratuita, passando por todas as atrações interativas do parque, que são 8 no total.

 
20170430_172849.thumb.jpg.c8c231cdd6e93a7ba53ff11af350946f.jpg
 
20170430_173838.thumb.jpg.372a9e375762e59a123d7e3788fa7fb9.jpg
 
20170430_173549.thumb.jpg.f6678e28b32aefea9b034de3d71708fc.jpg

Atrações do Parque de los Deseos

Se já estávamos embasbacados com o complexo esportivo público que fica em volta do Estádio, nem preciso dizer o quanto ficamos impressionados por existir um parque assim. Uma ideia tão simples mas tão importante para uma cidade, principalmente para os jovens. O parque é ainda um espaço aonde ocorrem diversas apresentações artísticas e, toda terça e domingo às 19 horas é projetado um filme num telão para o pessoal assistir gratuitamente ao ar livre, mais um motivo que escolhemos para vir visitá-lo num domingo.

Esperando o horário da sessão, fomos dar mais uma volta ao redor do parque. Aos domingos a rua ao lado (Calle 73) fica fechada para uma feirinha de artesanato e comidas de rua. Achamos muito legal que as barraquinhas de rua tinham uma grande variedade de comidas: empanadas, cachorro-quentes, milho, raspadinhas, arepas, frutas, entre outros diversos pratos. Bem diferente do Brasil (pelo menos em Porto Alegre), onde as barraquinhas nos parques ou vendem churros ou pipoca, parece não haver outra alternativa.

20170430_174023.thumb.jpg.e0299dd88254cc9b5e1a81d5a134d6c2.jpg

Feirinha que rola aos domingos na Calle 73

Depois de dar uma passeada na feira, paramos próximo à entrada do metrô para assistir uma bandinha marcial de jovens que estavam ensaiando e uns outros que estavam ensaiando coreografias de dança, ambos muito talentosos, com várias famílias assistindo, num clima muito agradável. Também fomos dar uma conferida no shopping grande que tem ali, que nesse dia tava tendo na entrada uma exposição de animais de fazenda (ovelhas, cabritos, porcos, vacas, lhamas) bem bizarro.

20170430_182204.thumb.jpg.5cb26acdbde385cd57e3c07dc9cb6a1e.jpg
 
20170430_182334.thumb.jpg.159a857ccdcfada15521bfaff5683a55.jpg
 
20170430_183443.thumb.jpg.d884bf4f7abf776fa7465c0058516a5e.jpg
 
20170430_183312.thumb.jpg.8a6954d39764f50d1d36e83532a2f756.jpg
 
20170430_183214.thumb.jpg.d19cb1290b94aeea10d7d116aee12ec3.jpg

Gurizada ensaiando e exposição de animais em frente ao Shopping

Chegada a hora do filminho, pegamos umas águilas no supermercado dentro do Shopping e nos acomodamos no meio da galera pra assistir a sessão. O filme é projetado na parede do prédio do planetário, e sempre é um filme bem familiar. Neste dia estava rolando o desenho clássico da Disney, o "Cão e a Raposa", com uma dublagem em espanhol horrorosa.
 
20170430_184557.thumb.jpg.133fd3d8c869c1cc5e0d461ee1eaeda8.jpg
 
20170430_184759.thumb.jpg.b218e994df378f3c1905e723043f1827.jpg
 
20170430_1848362.thumb.jpg.76d3fa6585e43afa211e3b2cf40f7aec.jpg
 
20170430_184610.thumb.jpg.9d9cac3145f1480e702316b609d2b7c7.jpg

Sessão de cinema ao ar livre (pena que nossa câmera à noite é muito ruim)

E foi ali, assistindo um filme numa praça pública junto com um monte de gente e tomando uma cervejinha que percebemos que já estávamos apaixonados por Medellín. Que cidade incrível! Era pra ser uma coisa óbvia, o fato de como o investimento em arte, cultura, esporte e mobilidade tem o poder de transformar uma cidade. Medellín deveria ser um exemplo a ser seguido na América Latina, ainda mais se tratando de Brasil, país que ainda tem a mentalidade deturpada de que violência urbana se combate com mais violência policial.

O filme estava bom mas, como passaríamos somente 3 noites em Medellín, sendo que uma delas seria uma segunda-feira feriado e a outra iriamos assistir o jogo do Nacional, o dia, ou melhor, a noite, para conhecer o bairro boêmio da cidade, o "El Poblado", era esta. Seguimos então de metrô em direção à estação Poblado. Agora à noite, do alto da estação de metrô, vislumbramos outra característica marcante e cartão postal do cenário urbano de Medellín, os morros todos iluminados com as luzes das casas nos bairros que ficam em suas encostas ao fundo no horizonte, parecendo uma constelação.

20170430_192535.thumb.jpg.ace247889b0eb0fddc2f4454d4246277.jpg

Morros iluminados ao fundo, um dos cartões postais de Medellín

O "point", onde ocorre o melhor da noite na cidade, algo como a Lapa é para o Rio de Janeiro, fica na região em torno do Parque Lleras, no bairro Poblado. Para se chegar lá da estação de metrô mais próxima, a estação Poblado, tem que se caminhar por um pouco mais de 1 km seguindo a Calle 10. Apesar de ser um caminho considerável, ainda mais a noite, pelo menos no dia que fomos estava bem seguro de caminhar, com bastante gente seguindo pelo mesmo caminho, todos indo em direção ao Poblado para curtir a noite. Na própria Calle 10 no caminho, ficam diversos mercadinhos e bares e já aproveitamos para ir "se gelando" pelo caminho.

Chegando no parque, esse na verdade se trata de uma pequena praça, muito bem cuidada por sinal, rodeada por bares e casas noturnas de diversos tipos (mas todas tocando Reggaeton) onde o pessoal se reúne para curtir com os amigos antes da balada, embora na praça em si seja proibido consumir bebidas alcóolicas e isso seja muito bem fiscalizado por vários policiais que ficam em volta da praça. Talvez (com certeza) seja exatamente esse o motivo da praça se encontrar bem conservada. É um lugar que vale a pena visitar de dia também pois possui uns jardins bem bonitos com várias espécies de plantas.

Não sei se por tratar-se de um domingo (embora na segunda fosse feriado), ou pelo horário ser muito cedo, mas a região não estava com muito movimento como dizem que tem sempre por lá.

20170430_201212.thumb.jpg.4d1b14321317ffc28180882be52857a1.jpg
 
20170430_2018462.thumb.jpg.b112c9ae3dd4ea12a20f898e991fb11f.jpg
 
20170430_2034272.thumb.jpg.3654dba71fadd0a7a0be08f1586b3af8.jpg

Parque Lleras

Não estávamos muito a fim de entrar em nenhum bar ou balada pra ficar ouvindo Reggaeton em looping, até porque a maioria dos lugares pareciam ser meio elitizados demais, mas encontramos um mercadinho em frente à praça que estava bem cheio, com pessoal pegando as garrafas de litrão e tomando cerveja no cordão da calçada mesmo, bem mais nossa cara. Fomos então conferir e, quando vimos que o mercadinho vendia o litrão de águila à 3.000 COPs (na época o equivalente à 3 reais!), não deu outra, por esse preço, fomos obrigados a nos instalar por ali mesmo e tomar umas duas ou dez garrafas.
 
20170430_2017452.thumb.jpg.06d1ef5ae683bb0ba143c309be234b12.jpg
 
20170430_201906.thumb.jpg.7d9c923cb475b63118c0a3f7a292ec9a.jpg

Litrão à 3 reais! Quando na vida?

Não querendo ter que pegar táxi ou uber, quando se aproximou da meia-noite então, resolvemos começar a rumar para o metrô para ver se conseguíamos pegar o último trem, que, conforme havíamos nos informado, saía à meia-noite. Apesar da segurança pública de Medellin ter melhorado infinitamente em comparação com a época do Pablo Escobar, como toda cidade grande da América Latina, não é muito recomendado ficar andando tarde da noite pela rua, mas, assim como no caminho de ida até a estação, a volta também achamos bem tranquila. No próprio metrô também, tinha bastante gente, muitos trabalhadores voltando para suas casas naquela hora. Inclusive os próprios funcionários da estação, já que demos sorte e conseguimos pegar justamente o último trem!

Da nossa estação até o hostel, só alguns metrôs já estávamos lá. Apesar de ser um "party hostel", descobrimos também que, tirando sexta e sábado, o bar fecha a meia-noite, então já não tinha mais nenhum movimento no hostel junto ao bar.

  • Gostei! 2
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Colaboradores

Fui a Medellín pensando justamente em conhecer o estádio. Para mim,a história é outra.Em 1990,semifinal da Libertadores o Vasco jogou lá e perdeu. Pablo Escobar e seus capangas foram ao jogo e mostraram as armas no vestiário do Vasco.O maior dirigente de futebol que vi,Eurico Miranda,usou isso para anular o jogo.Única vez na história da Libertadores, não adiantou nada,pois o técnico do Vasco na época, Zagallo, armou uma retranca e perdeu de novo o jogo extra disputado naquela cidade que anos depois iria me receber de braços abertos, Santiago.Que emoção foi conhecer esse palco de atuação de meu ídolo,o famoso Dr Eurico. 

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Colaboradores

Nesse ano eles perderam na final para o Olimpia de Asunción, acho que foi até campeão do mundo, era um timaço, base da seleção paraguaia que chegou as 4as de final da copa com Gamarra e Arce,que depois foram jogar no Palmeiras. 

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

COLÔMBIA 8º Dia - Visitando o Pueblito Paisa (01/05/2017)

Já que era um feriado esse dia (dia mundial do trabalhador), resolvemos visitar mais alguns parques famosos de Medellín, o Pueblito Paisa e o Parque de los Pies Descalzos. Como não havíamos encontrado nenhum mercadinho perto do hostel para comprar coisas para fazer um café da manhã, saímos então bem cedo para fazer o desjejum pela Carrera 70. Escolhemos a lanchonete/padaria que estava mais cheia, bem na esquina da Carrera 70 com a Avenida principal, que na vitrine tinha lanches que pareciam deliciosos. Com muita dificuldade, já que o atendimento era péssimo, a Juju conseguiu comer um omelete e um suco de laranja. Já eu, a atendente não entendeu (não fez esforço algum pra entender) meu portunhol e não consegui comer nada. Até ficamos nos questionando se de repente estrangeiros não são bem vindos em Medellín, mas acho que foi um caso isolado mesmo.

Seguimos então primeiro em direção ao Pueblito Paisa, pegando o metrô em direção à estação Industriales.

O Pueblito Paisa é uma atração turística das mais famosas de Medellín. Trata-se de uma réplica fiel de uma típica cidade Antioqueña (ou Paisa) do inicio do século passado, com uma praça central com uma fonte, envolta pelas casas de arquitetura típica e a igreja central.

O Pueblito Paisa fica no topo de uma pequena colina no centro da cidade de Medellín, o Cerro Nutibarra, que, junto com outras 6 colinas semelhantes que existem em outros pontos da cidade, formam o chamado grupo de "Sete colinas guardiãs", locais de Medellín com biodiversidade preservada. Além do Pueblito Paisa, o Cerro Nutibarra conta com um museu da cidade, exposição de esculturas e um teatro à céu aberto, além de ser um local com natureza abundante, muito utilizado pelos locais para trilhas, prática de mountain bike e piqueniques com a família.

Para chegar lá, descemos na estação Industriales e seguimos um pequeno trecho pela Calle 30A até o portão de entrada do Cerro, em um bairro que, assim como se percebe pelo nome da estação, conta exclusivamente com industrias e fábricas, a maioria abandonadas.

O Cerro Nutibarra é todo cercado por muros e grades, o que garante uma certa segurança para o local, e a entrada é somente neste portão, ou ao norte, na Calle 32D. Logo na entrada já se deparamos com as intermináveis escadarias que levam ao topo. Com bastante gente utilizando elas pra fazer o seu exercício físico.

20170501_110703.thumb.jpg.231f2cd5cc6b6efffb5ce790d9c20cbb.jpg
 
20170501_110743.thumb.jpg.e622b6d92979bfb0e6a731ffb41a39eb.jpg

Entrada do Cerro Nutibarra

Apesar do Cerro possuir apenas 80 metros de altura e os degraus não serem muito íngremes, dá pra dar uma boa cansada. Subimos num ritmo normal, mas mesmo assim chegamos ao topo mortos, parecia que não chegava nunca! No caminho no entanto, a bonita paisagem com bastante verde e ar puro, davam uma "ajudada" na motivação. Para quem não curte muito caminhar, dá pra subir de carro também por uma estradinha que vai contornando o morro.
 
20170501_111447.thumb.jpg.17e88468c7aadbaf834ed26a56f5e4ac.jpg
 
20170501_111203.thumb.jpg.878d5a6c5a97c7cd2e401ca174573f1e.jpg
 
20170501_111055.thumb.jpg.86fdc586e703286c1a65a699ed7f2c10.jpg
 
20170501_112555.thumb.jpg.8f68558055781367c5723b8c408382d6.jpg

Juju subindo as escadarias "cheia de energia"

Chegando ao topo, lá estava o Pueblito Paisa, a simpática réplica de vila Paisa do início do século.
 
20170501_113617.thumb.jpg.73e0530fa17a2c1e3145fffadd8260d7.jpg

Pueblito Paisa

Logo na entrada, antes de chegar ao Pueblito propriamente dito, o prédio da administração do parque e os banheiros, já são todos com arquitetura da época. Também ali ficam umas hortas e um jardim botânico com plantas da região muito bem cuidadas e organizadas.

20170501_1125x55.thumb.jpg.1616718820eb573ea371c0d28e7f86f4.jpg
 
20170501_121022.thumb.jpg.8eb2f62a8d0ac5dc3513121321aada7c.jpg

Entrada do Pueblito

O Pueblito em si, este parece aqueles cenários cenográficos de novelas hehehe, mas muito bem conservado e bastante original. Trata-se de várias casinhas que hoje se transformaram em lojinhas de souvenires turísticos, em volta de uma praça com uma bonita fonte desativada no meio, que por sua vez também ficam algumas banquinhas vendendo sorvetes, sucos e mais souvenires.
 
20170501_112832.thumb.jpg.56264d53b7bcdfdae57c03ed5daf8c71.jpg
 
20170501_113030.thumb.jpg.642e452b617e0bcff16439236fd7e868.jpg

Parece uma cidade cenográfica

Apesar de mega turístico, os preços das banquinhas e lojinhas não eram exorbitantes, e deu pra comprar umas lembrancinhas pra trazer pro Brasil, naquele esquema de pechinchar sempre. Ao fundo fica também uma pequena igreja, muito bonitinha e uma espécie de museu, na verdade uma réplica de uma casa por dentro, que pode-se entrar e visualizar como era uma típica casa Paisa do século retrasado, com um jardim de inverno ao centro e vários objetos de época, além de um quartinho para os servos (escravos certamente), que parecia uma pequena prisão.
 
20170501_124054.thumb.jpg.eb8a6e15364da6cb6635413a8c61169b.jpg
 
20170501_124106.thumb.jpg.0f8e2227699f07d5a1d48cd601f78064.jpg

Típica casa Paisa por dentro. Na foto à esquerda, um visitante ilustre

Depois de dar uma boa conferida no Pueblito e fazer umas comprinhas e uns lanches, seguimos em direção à outra atração do Cerro Nutibarra que fica bem em frente, o museu da cidade de Medellín. Este museu conta a história da cidade, exaltando as políticas públicas positivas que foram implementadas ao longo dos anos e a fauna e flora da região, bem ao estilo e muito parecido com o museu que visitamos em Kuala Lumpur, cujo relato você pode conferir aqui.
20170501_121201.thumb.jpg.8c32f21f65433e3408ff1d93de8123ba.jpg

Museu da cidade de Medellín

Inclusive, de forma semelhante à Kuala Lumpur, no centro do museu de Medellín fica uma maquete enorme e muito bem feita da cidade, contendo a indicação e descrição dos bairros com leds indicando pontos estratégicos da cidade e principais trajetos do transporte público.

20170501_121642.thumb.jpg.37cafdf1032090b6773e96afe9570338.jpg
 
20170501_121326.thumb.jpg.1ecd00e5d2f378878c9a78860d0ffd94.jpg
 
20170501_121245.thumb.jpg.0514ca3347b7091d1f665e82298067b3.jpg

Maquete da cidade de Medellín

Mas como não poderia deixar de ser, o carro chefe do museu são as ações que fizeram Medellín ser escolhida a cidade mais inovadora do mundo em 2013. Ao longo do salão principal, ficam vários painéis com infográficos e fotos exemplificando tais ações, como os investimentos em esporte, lazer e cultura, estes últimos realizados através da criação e reforma de praças e parques com temas educativos e lúdicos que incentivam a ocupação de espaços que antes eram subutilizados ou utilizados para o uso de drogas e violência, pela população e suas famílias.
 
20170501_115611.thumb.jpg.858f45423d3d6afa2c1d4bff19cf09d5.jpg
 
20170501_115639.thumb.jpg.3fc97cb71e83d7c4ab142f58ddfd4948.jpg
 
20170501_115522.thumb.jpg.3ea4d6a2edcae7aaba7fc71763f6909e.jpg
 
20170501_115636.thumb.jpg.840610fa55e63a306582fe03ae7326c5.jpg

Espaços revitalizados de Medellín

Isso tudo somado à mobilidade urbana, é claro, exemplo na América do Sul, que facilita ao cidadão dos mais variados bairros usufruir da sua cidade através da integração de metrôs, ônibus, bicicletas, escadas rolantes urbanas, teleféricos e trens elétricos de calçada (coisa básica mas que no Brasil é ainda vista como mercadoria e privilégio tu poder ter dinheiro para pegar um ônibus para acessar regiões da tua própria cidade!).
 
20170501_115205.thumb.jpg.51f81ef8c7cdf5c4ffa405bf4aac38f6.jpg
 
20170501_115535.thumb.jpg.3682afd82a23f27e339a4f5bb9a44060.jpg
 
20170501_115544.thumb.jpg.b99cd4564858a8ff5254eb1e49b10c9b.jpg

Painéis demonstrativos da mobilidade urbana de Medellín

Claro que Medellín está longe de ser perfeita ou ser considerada uma cidade "desenvolvida", possuindo todos os problemas de uma cidade grande da América Latina. Mas o que choca e acredito que foi o motivo que rendeu mesmo este prêmio para Medellín foi o fato dela já ter sido considerada a cidade mais violenta do mundo nos anos 1980-1990, sob o domínio de Pablo Escobar e hoje ter alcançado tal nível de desenvolvimento urbano e social. Além de todas as iniciativas já elencadas, que contribuem para a ocupação da cidade de forma lúdica e educativa por sua população, o que obviamente contribui para a diminuição da violência urbana, foram criados também centros culturais em diversas favelas e comunidades de Medellín como política de inclusão social, proporcionando atividades culturais e esportivas gratuitas principalmente às crianças destas comunidades.
 
20170501_115624.thumb.jpg.9cb3d748cfd3fb35962027b9a164c789.jpg
 
20170501_120837.thumb.jpg.ca9f74663fa1f684813b5aefefa7f20e.jpg

Políticas de inclusão de Medellín. Na foto à esquerda, percebe-se o nível de infraestrutura dos centros culturais criados nas favelas

Junto a tudo isso existe também um investimento maciço em segurança pública, acompanhado de várias operações controversas de "pacificação" em favelas na periferia da cidade, nos mesmos moldes que se observou aqui no Rio de Janeiro na época das UPPs. Um dos exemplos mais emblemáticos é a Comuna 13, uma das favelas mais perigosas da Colômbia e que hoje virou atração turística contendo a maior escada rolante urbana da América Latina, mas cuja "pacificação" envolveu assassinatos e desapropriações arbitrárias em massa, além de diversos desaparecimentos, fazendo emergir uma milícia que dizem que controla hoje a região com bastante violência. Apesar disso, o passeio até a Comuna 13 é bastante procurado. Além da lindíssima vista e da oportunidade de conhecer a escada rolante, a comunidade é bem receptiva com turistas e as construções contam com diversos grafites muito bonitos. Infelizmente não conseguimos visitar devido a nosso pouco tempo na cidade.

E você deve estar se perguntando: E o Pablo Escobar? O museu da cidade não fala dele não? Pois é, na contramão das inúmeras tentativas hollywoodianas que temos observado de glamourização deste personagem, para os habitantes de Medellín foi um período trágico e uma mácula que até hoje eles estão tentando apagar.

Tirando a população de certas comunidades que foram beneficiadas pelo cartel, chegar para um morador de Medellín e falar algo como: "conheço sua cidade! Tem o Pablo Escobar", mais do que uma ofensa gera uma mágoa muito grande.

Para eles Escobar foi pior que Hitler e, infelizmente, com a fama que os filmes e seriados que tem-se produzido trouxeram para ele, muitos turistas ainda vão pra lá fazer "tour do Pablo Escobar", compram camisetas do Pablo Escobar, etc.

Nem preciso comentar o quanto ficamos arrasados ao sair do museu, pelo fato de que o que se observa nas políticas públicas brasileiras para as cidades nos últimos anos, onde impera a mentalidade de que para combater a violência tem que se matar bandidos (só os pobres, pretos e favelados no caso), um país com muito mais recursos financeiros para implementação de políticas sociais em comparação com a Colômbia, é justamente o contrário do que ocorreu aqui (e isso que na época ainda não tínhamos um governo fascista no poder). Inveja pura! Hehehehe, embora, pelo que tem-se observado nos últimos anos, a Colômbia tem seguido também um caminho semelhante ao brasileiro.

Voltando ao nosso passeio, saindo do museu, na parte "detrás" dele, fica um mirante onde pode-se contemplar uma bonita vista panorâmica da cidade. Dali também dá pra observar bem pertinho o antigo aeroporto da cidade, que ainda opera alguns poucos vôos pequenos intermunicipais.

 
20170501_114429.thumb.jpg.eb3ad3ea2049325d8822c5836e068346.jpg
 
20170501_114540.thumb.jpg.df6bbbbc3deb51ec29cbb91a0e948167.jpg
 
20170501_113924.thumb.jpg.8d35c041f3043bb2192be0dbd148f79d.jpg
 
20170501_114641.thumb.jpg.4f0b5c09cd486496d810e9361a548693.jpg
 
20170501_114106.thumb.jpg.bb5e923a8978b0dd75ebd2588754460e.jpg

Mirante do Cerro Nutibarra

Se aproximando da hora do almoço, fomos conferir a praça de alimentação que tem ao lado do Pubelito Paisa. Para nossa surpresa (surpresa boa!), que achávamos que por ser um lugar turístico seria uma praça de alimentação tipo de shopping, esta conta com barraquinhas bem humildes, bem estilo comida de rua mesmo. O preço também, apesar de um pouquinho mais caro que os padrões colombianos, para os padrões brasileiros, bem barato. Aproveitamos então para experimentar uma Bandeja Paisa agora feita na Antioquia mesmo! Muito bom e bem servida como sempre. Pedimos uma só pra nós dois ao valor de 15.000 COPs (o equivalente a 15 reais na época).
 
20170501_124945.thumb.jpg.76650da815b19ab80537a7f0e322ddeb.jpg
 
20170501_125018.thumb.jpg.13b9c84e53dd13d780c38643152625d0.jpg
 
20170501_130033.thumb.jpg.06a24904fc13cd2c4f12148c18931407.jpg

Bandeija Paisa, agora feita realmente na Antioquia!

Depois do almoço, começamos então nossa volta rumo à estação de metrô. Para descer, fomos pelo caminho oposto ao do das escadarias, costeando o Cerro por umas trilhas em meio às árvores.
 
20170501_112029.thumb.jpg.e6b4c2eff61892b853ec8a59fa249fa8.jpg
 
20170501_133204.thumb.jpg.da9bea435e63b44ab988d4839af670f2.jpg
 
20170501_133351.thumb.jpg.8a86156441fb25123817eb91a8389bf2.jpg

Trilhas em meio ao Cerro Nutibarra

No caminho, várias famílias e casais fazendo trilhas e piqueniques no meio da "floresta", além de muitos corredores e uma galera fazendo mountain bike. No caminho também, em vários locais espalhados pelo bosque ficam a exposição de esculturas, bem estilo a bienal. Esculturas com temas bem interessantes, mas quase todas vandalizadas e bem mal cuidadas.
 
20170501_112201.thumb.jpg.4b0dd98696d68cb0a438c1d909fc89c6.jpg
 
20170501_132028.thumb.jpg.f82574175b0f31370bea53d42f8498d6.jpg

Exposição de esculturas no meio das trilhas

Da estação Industriales então, seguimos de metrô até duas paradas ao norte, na estação Alpujarra, rumo à próxima atração do dia, o Parque de los Piés Descalzos:
O Parque de los Piés Descalzos é um parque que foi construído entre os anos 1998 e 2000 e, para nossa decepção, não tem nada haver com a música da Shakira, mas, como indica o nome, construído numa parte bem central e movimentada da cidade, é um local que estimula o cidadão a tirar os seus sapatos e entrar em contato direto com a natureza, dando uma pausa na correria do dia-a-dia experimentando várias sensações com os pés descalços (areia, grama, diversos tipos de piso e córregos de água limpos).

Junto deste parque ficam locais importantes da cidade como o Museu da água, a Praça Maior e o Teatro Metropolitano, todos que também merecem a visita.

O parque fica a uma caminhadinha de 1 quilometro da estação Alpujarra. Numa zona bem "centrão". Como era feriado, a região estava bem vazia e dava um certo medo (somos brasileiros né), mas o policiamento ostensivo na rua nos tranquilizou um pouco. Para chegar se atravessa uma ponte para pedestres bem bonita (tipo uma passarela), novinha, com vista para a bonita igreja do sagrado coração de jesus e o interessante prédio da estação de TV Teleantioquia.

20170501_143528.thumb.jpg.91afd7b49786d6781056715058c47100.jpg
 
20170501_143646.thumb.jpg.c1236cfc1b755a714ab85e4b380a9785.jpg
 
20170501_143804.thumb.jpg.7bd4880128bcda3b153e4fddf8f6d713.jpg
 
20170501_143701.thumb.jpg.bbbea04d13bf85df537d533b6dd2834a.jpg

Passarela para chegar ao Parque de Los Pies Descalzos. Ao fundo a igreja do sagrado coração de jesus e o prédio da Teleantioquia

Chegando no parque, bem na entrada já fica um paredão com uma cachoeira artificial e em frente uma espécie de praia artificial muito bonita, que não faz ainda parte do parque propriamente dito, mas ali o pessoal, principalmente a criançada, já aproveita para tirar os sapatos e enfiar o pé na água e se banhar na cachoeira enquanto os pais ficam nos barzinhos ao lado. Claro que, apesar de ser o único adulto, entrei no clima.
 
20170501_144157.thumb.jpg.3cc23419cbbf930c0280284f453b3c34.jpg
 
20170501_153436.thumb.jpg.6c38900486d5d255c303e6df51821d46.jpg
 
20170501_153303.thumb.jpg.6dbcd86cb47b4aa1d589c69de8770676.jpg

Dando uma refrescada

Já o parque em si, esse é muito bonito e limpo. Aos mesmos moldes do Parque de Los Deseos, conta com várias atividades educativas e lúdicas para adultos e crianças. Inclusive, assim como no parque de los Deseos, conta também com voluntários credenciados que te acompanham nas diversas atividades disponíveis no local e dão explicações ligando as atividades aos elementos da natureza.
 
20170501_145550.thumb.jpg.bef8f20b3d103e68341a451d6f0f61fc.jpg
 
20170501_145540.thumb.jpg.cb2594eff0893b81891ba55e2c4e9288.jpg

Parque de los Piés Descalzos

Você não é obrigado a tirar os sapatos para ficar por ali, mas com certeza a experiência vale a pena, a ideia é muito bem bolada e muito relaxante e proveitosa após um dia de caminhadas ou um dia cheio no trabalho. O terreno permite experimentar várias sensações diferentes, areia, grama, uns "tocos" de diferentes formatos que você pode caminhar em cima e sentir diferentes terrenos e uns laguinhos ao redor que você pode molhar os pés. Inclusive ao lado do banco de areia tem uma pequena "floresta" onde você pode fazer umas trilhas de pé descalço (fingir pelo menos) além de contar com bancos e mesas pra fazer piqueniques. A Juju não quis encarar botar o chulé pra fora, mas eu logo de cara entrei no espírito.
 
 
20170501_145311.thumb.jpg.afa14aa88f6a16d8c00f8a21156192c9.jpg
 
20170501_144824.thumb.jpg.e173bbb9bc19e7bcadf8100c98163c31.jpg
 
20170501_145358.thumb.jpg.07964d6428d720c7126d11c5d25a9819.jpg

De Piés Descalzos y de Sueños Blancos

Mas a parte mais divertida fica no centro do parque, local onde fica os Puntos de Encuentros para a galera se encontrar e onde ficam uns chafarizes que disparam água de forma aleatória de tempos em tempos e a gurizada faz a festa, um monte de crianças com toalhas, chinelos e roupas de banho, parecia praia! Ali também, na rua em frente, foi onde sentimos pela primeira vez o que é o tal do "investimento pesado" em segurança pública de Medellín, acho que o local que mais vimos policiais na vida (pelo menos os veículos da polícia)
 
20170501_151151.thumb.jpg.837ae0dd26398ff234c2248124f73ace.jpg
 
20170501_151317.thumb.jpg.78bc940e7595a63b3d3da7787c81d8c4.jpg
 
20170501_151314.thumb.jpg.a6342137e4c7668bbe1ff9965c9db595.jpg
 
20170501_151727.thumb.jpg.322c76fd149895dd1aa0ea513238b02b.jpg

Chafarizes onde a garotada faz a feta (reparem na quantidade de viaturas da polícia na foto de baixo)

Aliás, dizem que a questão da política publica de segurança implantada em Medellín foi também direcionada ao controle de pequenos delitos, como punir quem joga lixo na rua, quem pichar e vandalizar locais públicos, etc. Houve uma grande campanha de conscientização e fiscalização neste sentido e, realmente, pelo menos nos locais revitalizados, praças e parques por onde passamos, tudo é muito limpo e bem cuidado.

Por ali também, como todo parque que se preze, tem também muitas barraquinhas de comida de rua, igualmente com comidas bastante variadas e diversas opções para todos os gostos, com destaque para as barraquinhas de frutas cortadinhas no copo, uma delícia (e saudável)! Inclusive na parte coberta onde fica o Museu da Água também tem uma praça de alimentação com algumas lanchonetes, mas aí mais estilo shopping mesmo.

20170501_144234.thumb.jpg.dc8d51f462bb8046b986444963f84319.jpg

Barraquinhas de rua em volta do parque

Quase no fim da tarde então, fomos rumando de volta para a estação, pegar o metrô para retornar para o nosso hostel.

No dia anterior, havíamos visto que uma estação de metrô antes da nossa havia bem em frente um supermercado grande, então, descemos do trem uma parada antes, na estação Suramericana, para ir no mercado comprar comida pra janta e café-da-manhã. Em frente à estação Suramericana fica o Hiper mercado Jumbo, um supermercado gigantesco, estilo shopping, com várias lojas e praça de alimentação em volta, e, na época contava até com um pequeno parque de diversões (ou era um circo?) numa parte do estacionamento.

20170501_170641.thumb.jpg.b756b424b96a90bfc0bbd0f1037dfe43.jpg 20170501_170634.thumb.jpg.7614751f33bae22875f65fe2307ce569.jpg

As famosas Patacones Colombianas

Na volta pro hostel, o único problema (e acho que a única coisa que pode-se falar mal da localização do hostel) é que o supermercado fica a um pouco mais de 1 quilômetro, o que, apesar de pouca distância, carregando compras e já cansados de caminhar o dia todo, é uma distância bem considerável.

Chegando no hostel, feriado e sem muitas opções para se fazer à noite, fomos conferir o bar do hostel. Neste dia tinha um pessoal bem legal por lá, jogando Pong Beer, todos gringos, curtindo na boa, sem fazer esparro e nem com nenhum bêbado chato. Assim, ficamos por ali mesmo, jogando Jenga, aproveitando as promoções de cerveja do happy hour no bar e brincando com o cachorrinho Rhu.

20170501_222127.thumb.jpg.3eceab3722f2c141277bce22961e74fc.jpg
 
20170501_181839.thumb.jpg.a7ad9414a8ed618d375aea75aa21d53b.jpg

Curtindo a noite no bar do hostel

 

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por flrc888
      Saudações Amigos!
      Meu nome é Franco Coimbra, sou de Minas Gerais. Sempre gostei de viajar, ônibus, avião, trem. Nunca tinha saído do País e achava que não tinha condições para isso. 
      Achei o site mochileiros.com, por acaso na net, é comecei a ler. Entre relatos de viagens, tutoriais, fui apreendendo formas de viajar barato. Muitos relatos de viagem me tocavam, as pessoas estavam sempre felizes amadurecidas e ansiosas, já planejando uma nova viagem. Agora tenho o maior prazer de ajudar e retribui toda a informação que consegui neste site.
       
      PLANEJAMENTO
      Transporte: Tenho uma facilidade com internet pois trabalho com tecnologia.
      Depois de várias buscas de preços descobrir que a melhor formar é se cadastrar no site Skyscanner. Após o cadastro, você criar um alerta de preço no trecho pleiteado. Fiz isso em janeiro de 2018. Em fevereiro comprei uma passagem Brasília a Campo Grande por R$179 incluindo bagagem. Também uma de Bogotá a São Paulo, com escala em Fortaleza por R$ 680,00, todas da Avianca. Descobri também que mudando a localização do navegador, você pode comprar passagens domesticas em outro país de forma mais barata. 
       
      O resto do trecho foi todo de Bus, usei as páginas Busbud e redbus para estimar o preço das passagens para o planejamento. Felizmente não usei o sites para realizar a compra, pois a vista é bem mais barato. Os ônibus em geral são mais confortáveis e baratos que no Brasil. Em países como Peru e Bolívia tem serviço de bordo, e telas de interatividade. As passagens são pechichaveis pode se fazer um leilão indo em várias empresas, mais não deixem de conferir a qualidade das avaliações nos sites que vendem passagens. Foram milhares de quilômetros admirando paisagens deslumbrantes pela janela. Andei em empresas como Copacabana, Trans Titicaca, Oltursa, Tepsa, Civa, Berlinda del Fonce, Ochoa e Bolivariana. Não tive nenhum problema. 
      Foto: Ônibus no terminal Bimodal de Santa Cruz

       
      Fiz uma planilha com a estimativas de custo, e levei 10% a mais. Fiz uma planilha, que ao longo da viagem fui trocando os custos estimados pelos custos reais.
       
      Pará reservar acomodações e estimar custos de hospedagem, usei Hostel Word e Booking.
       
      A VIAGEM
       
      Santa Cruz de la Sierra
      Realmente fiquei só um dia pra descansar, pois fui de bus de Campo Grande a Corumbá e de Puerto Quijarro a Santa Cruz. Não fui de trem da morte, porque estava caro no dia, em relação ônibus.
      Foto: Chaga em Santa Cruz

       
      Foto: Coincidência, boliviana com a tatoo com meu nome.  

       
       
      La Paz
      Um choque cultural, muito bonito e diferente. Um povo amável que lhe mostrará outros níveis de humildade.
      Do taxi ao Uber, tudo muito barato. Deliciosas sopas, empanadas e sal tenhas. Fiquei no Llmas Hostel, próximo a praça Espanha e teleférico. Passei mal, uma forte dor de cabeça, mais nada que Sirochi Pill não resolvesse. Encontrada em qualquer farmácia custa cerca de R$2.00. Fui a todos os parques, praças, miradores e no teleférico. Na noite fui a disco chamada fórum. As pessoas são muito preconceituosas com a Bolívia, La Paz é bonito e seguro.
       
      Foto: Teleférico La Paz

      Foto: sopa de Fidel com Maní

      Copacabana
      O lago titicaca é fantástico, a cidade é pequena e acolhedora. Fiz o passeio na Ilha do Sol. Paisagens perfeitas.
      Foto: São Pedro de Tiquina

       
      Foto: Lago Titicaca (Tirada por mim)

      Cusco
      Em Cusco os preços sobem um pouquinho. Pra economizar é só fugir da rota turística e ir a mercados e restaurantes frequentados por nativos.
      Recomendo o passeio ao Vale Sagrado. Cerca de R$70,00 com almoço buffet. Se conhece as Salineiras, Olaytaitambo, e muita histórias e ruínas do povo Inca.
      Machu Pichu é caro. Recomendo ir de Van até a hidrelétrica, seguir a pé até Águas Calientes, descansar em um Hostal, e subir no outro dia a Machu Pichu, fica cerca de R$230,00. Ao lado da igreja, na praça de Armas, existem 2 Pub s muito legais para sair na noite.
      Foto: Plaza de Armas

       
      Fotos: Mercado Artesanal

       
       
      Foto: Olaytaitambo


       
      Lima
      Fiquei num excelente Hostel perto do mar, na região do Barranco, na minha opinião a parte mais bonita da cidade.
      Fiz muitos amigos no Hostal.
      Foto: Barranco

      Mancora
      Passei do ponto no ônibus, tava dormindo e desci 20km depois num posto de fiscalização. Voltei de carona num ônibus que vinha de Caracas a Lima de refugiados Venezuelanos. Muito triste a situação, gente com a roupa do corpo e 20 dólares pra começar uma vida nova em Lima.
      Foi uma das minhas preferidas. Cidade puquena sem muita infraestrutura. Mais fiquei num Hostel chamado Misfit, fica 1km da cidade. Os quartos são suítes de madeira e palha. Muita tranquilidade e gente agradável. O tempo para. Lugar excelente pra relaxar. Amei.




      Cuenca
      O Equador é lindo. É hoje na minha opinião o país que tem melhor qualidade de vida. Quero trabalhar e viver um tempo no Equador, conhecer melhor o país. Passei no Equador rápido porque estava atrasado no tempo. Fui a Cuenca e de passagem por Guayaquil e Quito.

      Medellín
      Cidade fantástica, povo amoroso. Muito organizada, excelente sistema de transporte. Conheci o centro, o teleférico, o centro, o estádio.


      Cartagena
      Lidissima cidade, mais não deve sair do centro histórico. A cidade tem altos índices de assalto. Mais relativamente segura no centro. Recomendo passeio completo nas ilhas do rosário. Custa cerca de R$100,00. Inclui almoço e um passeio de Snooke muito bom. A praia Baru é super explorada comercialmente. Não sou contra quem tá correndo atrás do seus sustento, mais os vendedores são muito importunadores.




       
      Santa Marta
      Pelo menos uma vez tinha que me hospedar em um party hostal. Fiquei no Brisa Loca, tem um bar, e uma boate no terraço. Quem não gosta de festa não pode ficar lá. A música cessa só as três da madrugada. Muito boa.
       
      Bogotá
      Fiquei na região da candelária. Conhecia só locais próximos que dava pra fazer a pé e de transporte público. Gostei do clima fresco.

      DINHEIRO
      A melhor forma que encontrei, é levar um poço de dinheiro numa doleira. O resta deixa numa conta brasileira. Assim baixei o app da western Union e envia via app do meu banco e depois de meia hora sacava em uma loja local da western Union.
       
      PERRENGUES
       
      O tempo foi curto, talvez o trajeto deveria ser menor.
      Dava pra ter feito trechos de voo, se me programasse e comprava a passagem uma semana antes. Teria ganha tempo. E na maioria das vezes é mais barato que ônibus.
      Já na cidade de Ipiales, comprei uma passagem em um bus noturno para Medellín. Por volta das 04:00 de hoje 19/09/2018, na carretera 25 no povoado de El Cruero, o ônibus é parado pela polícia para uma fiscalização de rotina. Eu estava na poltrona 01, o policial ao notar que eu era estrangeiro me acordou e me chamaram pra dentro da guarita. Era um policial de etnia branca e um de etnia negra. Lá revistaram todas as minhas malas. Não satisfeitos pediram para ligar meu celular e escutaram todas minhas ultimas conversas. Não satisfeitos pegaram minha carteira contaram meu dinheiro (540 dólares). Disseram que poderia pedir para o ônibus seguir viagem, porque estava preso para averiguação da Interpol. Aí eu fiquei muito puto... Falei que estava correto. Que estava legal no país, que tinha visto em meu passaporte, e que o dinheiro que estava por tanta dó estava longe da quantidade limite que poderia portar. O policial de uma forma muito truculenta disse que se não calasse ia me fazer uma multa. Peguei meu telefone, falei que ia ligar numa linha de emergência do consulado brasileiro (nem sei se existe). Para pedir ajuda. Nesse momento um dos policiais foi para fora da guarita, enquanto o outro que ficou, na maior cara deslavada me pediu 100 dólares. Falei que não ia pagar, porque primeiro estou correto, e em segundo porque meu dinheiro estava contado e 100 dólares me faria falta para voltar ao Brasil. Não paguei, repeti que não pagaria, até porque o dinheiro me faria falta mesmo. Perguntaram minha profissão, quanto era meu salário. E por fim quando viram que não conseguiria me extorquir, me liberaram. Atrasou o ônibus em meia hora.
      CONCLUSÃO
      Não sou a mesma pessoa. Mudei e muito. Mais humilde, aberto. Aprendi a chegar nos lugares me apresentar e conhecer todos. Que se tem uma amizade intensa, ou um amor intenso, e depois a vida segue, e a despedida pode ser um adeus. Me renovei quero iniciar novos projetos, estudar mais, melhorar meu salário, cuidar da minha saúde. conhecer muito mais. Viajar sempre. Quero cuidar mais da minha saúde, racionalizar o álcool e para de fumar.
      Estudei muito quase um ano pra fazer essa viagem. Quem quiser dicas e compartilhar experiências meu zap é
      34998004627
      Abaixo uma planilha com todos os custos, as datas não estão certas mais os custos sim.
      https://docs.google.com/spreadsheets/d/1_yIgkqtuVEvNEooOlkJhYwEIwpRGtyUKGMFkGk5KjZA/edit?usp=drivesdk
      Me sigam no Facebook e Instagram
      https://www.facebook.com/fr4nc0.br
      https://www.instagram.com/fr4nc0.br/






























      V_20181102_072341_N0.mp4
    • Por feoliveiraa
      Hoje vim contar o meu relato de viagem para Colômbia em Março de 2020.
      Primeiramente eu voei pela Copa Airline e paguei R$ 1.484,00 saindo do Rio até Cartagena ida e volta com escala no Panamá e comprei um voo interno pela wingo paguei 377,00 ida e volta para San Andrés.
      Enviamos dinheiro via Western Union, foi o meio mais vantajoso sem duvidas! conseguimos sacar em Cartagena sem problemas. Fiz a viagem com meu namorado e mais um casal de amigos.
       
      Cartagena 02/03 até 06/03
      Resolvemos nos hospedar em Bocagrande devido ao custo beneficio , hospedagens melhores com preços mais acessíveis, apesar de ler muito sobre as vantagens de se hospedar dentro da cidade amuralhada, não nos arrependemos, tinha táxi facilmente e com preço bem acessível, normalmente pagávamos 10.000 pesos para nos locomover (cerca de 13/14,00). Alugamos um apartamento pelo airbnb bem confortável por um preço bom. Chegamos dia 02/03 por volta de 00:00 e só descansamos, no dia 03 fomos fazer o saque pelo western union que foi super tranquilo, logo depois encontramos com a Juliana do the experience travel, ela é Brasileira, fechamos os passeios de Cartagena com eles e valeu super a pena, atendimento de primeira. Andamos um pouco pela cidade, e a tarde fomos ao café del mar, eu gostei bastante do lugar, ambiente super agradável, por do sol perfeito, mas achei o atendimento bem ruim.
      No dia 04 fomos para Casa en el Agua, apesar de pouco falado vale muito a pena, é um hostel no meio do mar, com pessoas do mundo inteiro em um estilo bem roots, os quartos são bem simples, tem opção de dormir em rede também, o banho é com balde, não possui internet, apesar do perrengue eu amei a experiencia, acho uma noite suficiente. Somente uma empresa faz esse trajeto que leva 2hrs de barco (Tranq it easy)  tem que ficar atento para conseguir comprar, as vagas do hostel abrem com 3 meses de antecedência e esgotam rápido.
      No dia 05 chegamos da Casa en el Agua e fizemos um passeio incrível que chama Sibarita Master, um passeio de barco open bar para ver o por do sol que começa as 17:00 e termina as 19:00, não deixem de incluir no roteiro porque realmente é demais!
      Não tenho restaurantes para indicar em Cartagena pois resolvemos fazer as refeições no apartamento para economizar, fizemos uma compra no mercado e cozinhamos todos os dias.
       
      San andrés 06/03 até 11/03
      Chegamos em San andres a tarde, ficamos em um apartamento em um local um pouco distante do centro (20 min) alugamos também pelo airbnb, diferente de Cartagena os preços em San Andrés para hospedagem são mais elevados e com pouca comodidade, não aconselho ficar longe do centro pois tivemos dificuldade para pegar táxi, o apartamento só tinha água salubre e fria, tivemos que comprar galões de água mineral para tomar banho, pelo que li praticamente a ilha toda é assim, somente os melhores hotéis possuem água doce e quente. Fechamos nossos passeios com o Diego bem conhecido por lá e super indico, foi super atencioso e fez preços melhores em tudo. Usamos o dia para fechar os passeios e andar pelo centro.
      No dia 07/03 fizemos o tour ilha de Johnny Cay e Acuario saindo as 9:00 e voltando as 15:00, pagamos 43.000 pesos cada (58,00) achei bem bagunçado no inicio, ficamos esperando nosso barco sair e atrasou um pouco. A chegada em Johnny cay é um caos, o barco balança muito devido as ondas, é bem difícil se equilibrar para descer do barco, vi pessoas caindo, realmente para quem vai com criança ou idoso é difícil, sem contar que o trajeto molha bastante, leve bolsa impermeável. A ilha é linda, estava um pouco cheia mas não me incomodou em nada, o mar achei muito agitado, o almoço é incluso e achei a comida gostosinha. Em seguida fomos para o Acuario ficamos pouco tempo por la, aconselho separar um dia para fazer somente ele pois é perfeito, água transparente e é incrível fazer snorkel com tantos peixes, um dos lugares mais lindos que já vi, porem estava um pouco cheio.
      No dia 08/03 fizemos um passeio que chama Ibiza Sai que é um bar flutuante no meio do mar azul, saímos 11hrs e o retorno você pode escolher entre 14:00, 16:00 ou 18:00 voltamos no ultimo horário, pagamos 68.000 pesos (92,00) inclui uma bebida de boas vindas, o que você consumir paga a parte, no entanto conheci uma brasileira que pagou somente 20.000 pesos, ela chegou na marina e pegou um barco que levou até la. Lugar simplesmente perfeito! musica boa, bebida boa, um mar incrível demais, amei muito! quem for para San Andrés tem que fazer esse passeio. Jantamos no restaurante el peruano, pedi um prato com carne de boi particularmente não gostei muito, porem meus amigos pediram pratos que estavam muito bons! acho que super vale a pena conhecer.
      No dia 09/03 alugamos a mule para dar a volta a ilha, pagamos 170.000 pesos para 4 pessoas (cerca de 230,00), levamos um cooler com bebida e fomos parando nos pontos legais, primeira parada foi em West View que tem aproximadamente 5 metros de profundidade, possui um trampolim e um tobogã, para quem não sabe nadar eles alugam colete e snorkel. o lugar é lindo, tem muitos peixes mas estava cheio. Em seguida paramos no letreiro de San Andres, existe um maior que está sempre cheio, esse estava vazio. Em seguida passamos no Hoyo Soplador, não achei nada demais, paramos para tomar a famosa limonada de coco que é perfeita. Outra parada obrigatória é a rua super famosa que a galera para para fazer fotos, uma paisagem perfeita. Fizemos algumas paradas nas praias de San Luis que são lindas! e terminamos no Beach Club Aqua que fica em San Luis, amei o lugar! ambiente gostoso, decoração linda, comida muito boa. para terminar o dia jantamos no Café Café, não gostei da comida e o atendimento achei muito ruim, atendentes pouco simpáticos, não recomendo.
      No dia 10/03 fizemos as 9:00 o tão falado voo de parasail, pagamos 139.000 pesos (cerca de 188,00). Esse passeio ia ser o primeiro a se fazer pois depende de como está o vento no dia e por esse motivo só conseguimos fazer no final, nada mais é do que um paraquedas sendo puxado por uma lancha, realmente é muito lindo ver o mar la de cima, é perfeito! eu tenho medo de altura então fiquei tensa o passeio inteiro, mas realmente vale a pena incluir no roteiro. No resto do dia andamos pela cidade, não deixem de provar as paletas e bubble waffle (sorvete maravilhoso com waffle). Almoçamos no Beer Station super recomendo, parece um "outback" comemos uma costela com barbecue e batatas, dividi com meu namorado e ficamos muito satisfeitos, prato grande e muito saboroso. A noite fomos no famoso restaurante La Regatta, não conseguimos fazer reserva então fomos cedo (18:00) e conseguimos lugar, mais tarde a fila ficou enorme, ambiente maravilhoso, ótimo atendimento e pratos perfeitos, eu pedi o pescado San Andrés 46.500 pesos (63,00) e meu namorado o pescado Providência 50.200 pesos (68,00). Os dois estavam maravilhosos! achei o preço ok, se comparado com um restaurante assim na minha cidade gastaria até mais.
      No dia 11/03 (nosso ultimo dia em San Andrés) passamos a manhã na praia central que é muito linda! tivemos pouco tempo para curtir essa praia tão charmosa, almoçamos na hamburgueria El Corral, super recomendo! a tarde andei pela cidade e fiz algumas compras.
      Sobre compras em San Andres, existem varias lojas falsificadas, eu comprei varias coisas na loja JR que é confiável e tudo valeu a pena, comprei produtos de beleza. De fato pesquisei todos os preços e tudo que comprei valeu a pena comparando com os preços do Brasil.
       
      Cartagena 11/03 até 14/03
      Voltamos para Cartagena, dessa vez ficamos em um hotel próximo ao aeroporto (hotel summer cartagena), não recomendo pois achei longe do centro, gastamos mais com taxi, mas o hotel é bom, quarto confortável e café da manhã ok. chegamos no dia 11/03 e descansamos. 
      No dia 12/03 fizemos o passeio para ilha privativa Bora Bora de 9:00 até 15:00 pagamos 218.500 pesos (com taxas) por pessoa com almoço e um drink (cerca de 295,00), gostamos muito! o Lugar é lindo demais, estrutura maravilhosa, atendimento de primeira, DJ tocando o dia todo, como vão poucas pessoas por dia é super exclusivo, o almoço você pode escolher o típico arroz de coco com patacones e pescado ou filé de frango com arroz branco, eu fui no prato típico e confesso que não gostei muito, o arroz de coco é bem adocicado. Teve promoção de 2 drinks por 30.000 pesos (40,00). O mar é maravilhoso, calmo, pena que passa muito rápido. Sobre o trajeto de volta que é bem falado devido ao mar agitado, eu estava bem receosa e pelo menos o dia que fui a volta foi "tranquila", as pessoas que sentaram atras molharam bastante, eu fiquei no meio e não tive problema.
      No dia 13/03 aproveitamos para andar pela cidade amuralhada e Getsmani, fomos em muitas lojinhas, o artesanato la é bem forte, comprei bolsas lindas feitas a mão e lembrancinhas, infelizmente não deu tempo de ir no Castelo de San Felipe. As Ruas em Cartagena são uma graça, casinhas coloridas, é tudo encantador!
       
      Panamá 14/03
      Chegamos no Panamá 8:00 e pegamos uma escala de 13hrs propositalmente para conhecer a cidade, existem tours no panamá para conhecer os principais pontos turísticos mas resolvemos ir por conta própria, a moeda é o dólar, achei os preços bem altos de táxis e alimentação, já que o dólar estava tão alto. Íamos pegar um táxi até a cidade antiga, Casco Viejo porem estava cerca de 20 dólares, conseguimos conectar no wifi do aeroporto e pedir um uber (que ainda é ilegal) e foi super tranquilo, ficou 10 dólares e chegou rápido. Andamos por Casco Viejo para conhecer, e é muito charmoso, gostamos muito. Depois pegamos um taxi até o shopping Multiplaza também por 10 dólares, o shopping é enorme, tem lojas perfeitas mas a maioria não valia a pena, comprei coisas na forever 21 que estavam em promoção, em seguida fomos em mais 2 shoppings Multicentro e Albrook, achei uma loja com calças jeans perfeitas por 5 dólares, enfim ficamos batendo perna pelos shoppings, nosso voo de volta era as 21:20, voltamos com antecedência para o aeroporto, a cidade moderna é muito linda! prédios lindos, todos muito bem conservados, cidade limpa, gostei muito! 
       
      E é isso! espero ter ajudado.
      algumas observações: não se esqueçam do certificado de vacinação de febre amarela, pode ser emitido online com no minimo 10 dias de antecedência (não deixe para ultima hora!), se você já tomou a vacina não precisa tomar de novo pois vale por toda vida, basta ter o cartão de vacina.
      a tarjeta de turista para entrar em San Andrés eu comprei no aeroporto de Cartagena antes de embarcar (não me lembro bem mais foi cerca de 120.000 pesos).
      Fiquem atentos com o peso da mala, as companhias low cost (wingo e viva air) são muito rígidas com peso, eu fui pela Wingo e antes de fazer o check in fui em um guichê e pesei as malas e estavam passando o peso, tive que abrir e distribuir.
      O aeroporto de San Andrés é um caos, para o voo de volta chegue cedo, as filas ficam enormes!
      Vi muitos relatos de pessoas falando que San Andrés não tem estrutura, que não gostaram da ilha, falando mal da comida, eu particularmente amei muito! realmente a ilha não tem uma estrutura top, se você realmente não se importa apenas vá! quem não gostou com certeza são pessoas com padrão de vida elevados que não conseguem curtir um lugar mais simples, sobre a comida eu não gostei da comida típica porem comi todos os dias coisas diferentes, tem mil opções com preços bons não precisa necessariamente comer só pescado e arroz de coco.
      Todos os passeios de Cartagena fechamos com a The Experience Travel e de San Andres com o Diego, eu aconselho fechar os passeios antes para evitar filas e algum tipo de estresse.
      No caso de San Andrés conseguimos desconto em todos os passeios.
       
      Gastei no total R$6.700,00
      fiz todos os passeios que queria, Cartagena economizamos em alimentação, cozinhamos todos os dias.
      San Andrés, comemos fora todos os dias. E no geral da viagem bebemos bastante também, compramos bebidas no dust free do Panamá que valeu a pena.
       
       























      Photos (1).zip
    • Por Kelvin Sobé Centenaro
      Foram muitos meses de planejamento e pesquisa sobre como viajar MUITO gastando POUCO. Quando descobri o mundo do voluntariado minha mente se abriu e enxerguei um mundo de INFINITAS possibilidades. Descobri que poderia trocar minhas habilidades por acomodação. E inclusive, desenvolver muitas outras. Entendi também que viajar não é apenas conhecer lugares incríveis. O que faz das minhas viagens tão especiais são as pessoas que conheço e me conecto. E o principal de tudo, GERAR VALOR pra cada uma delas. . Estar longe de casa, dos seus familiares e amigos te faz valorizar cada momento vivido. Te faz pensar e refletir sobre toda trajetória da sua vida. Que não existe certo, nem errado, mas sim, PADRÕES que a sociedade te impôs desde o seu nascimento, basta você decidir por você mesmo RESSIGNIFICAR tudo e reconstruir uma nova MENTALIDADE que faça sentido pra você. . O que fiz foi apenas um QUESTIONAMENTO para onde minha vida estava me levando se seguisse todas as crenças e limitações que foram instaladas na minha mente. Joguei tudo no lixo, disse CHEGA pra qualquer superficialidade do momento e mudei o meu ESTILO DE VIDA, que hoje se baseia em VIVER um dia de cada vez, presente no momento e pronto pra AÇÃO.   #colombia #medellin #cartagena #backpacking#dicadeviagem#mochilaoamericadosul #sulamerica#viajaromundo #viajarbarato#traveler #placestovisit #placestogo #worldpackers#couchsurfing#umamenteinabalavel #expansaodeconsciencia#nomadedigital #digitalnomadism
    • Por thiago.martini
      Amigos Mochileiros,
      Como o único relato que tem sobre o trekking a Ciudad Perdida é de 2010 (muito bom por sinal e me ajudou bastante) resolvi escrever sobre a experiência que eu e minha esposa tivemos em outubro deste ano neste trekking incrível.
      No meu instagram (@thiagomrp) tem uma postagem para cada dia da trilha, com várias fotos do percurso. Quem quiser, é só dar uma conferida.
       
      PREPARAÇÃO
      Foi bem difícil achar boas informações sobre o trekking em sites brasileiros. Só um relato aqui no Mochileiros.com e poucas informações recentes. Acabei assistindo alguns vídeos feitos por viajantes gringos, buscando informações em sites colombianos e conversando com o hostel que iria nos hospedar em Santa Marta.
      Pelo que tinha pesquisado, sabia que a caminhada seria um pouco difícil, então resolvemos intensificar um pouco os treinos (fazemos treino funcional pelo menos 3 vezes por semana).
      Fiquei em dúvida sobre comprar antecipadamente ou fechar na hora. Conversei com o pessoal do hostel por e-mail (Masaya Santa Marta – recomendo muito a estadia lá) e me orientaram que sempre tinham saídas e que a diferença seria o pagamento com ou sem taxas do cartão. Em resumo, pagando lá haveria uma taxa de 3% do cartão de crédito (que de fato não ocorreu, mais adiante explico).
      Então como preparação apenas reservei o hostel em Santa Marta (Masaya) para dois dias antes do trekking e um dia depois. Assim poderíamos deixar nossos mochilões lá mesmo.
       
      COMPRA DO TOUR (dia 07/10/2019)
      Compramos o tour no próprio hostel, pelo mesmo preço que costuma ser o padrão das empresas de Santa Marta, COP 1.100.000,00. Na época que estivemos lá a melhor cotação que achamos foi 1 real para 780 COP’s. Com essa cotação nosso trekking ficou por +- R$ 1.400,00 cada um. Não tivemos a tal taxa extra, porque o atendente nos enviou um link (tipo paypal) e pagamos diretamente no site.
      Aproveitamos para pegar informações com o atendente, Francisco, que tinha sido tradutor nessa trilha por diversas vezes. Segundo ele não seria TÃO difícil. Ledo engano nosso kkkkk.
       
      DIA 1 (09/10/2019)
      Entre 8h30 e 9h00 passariam nos recolher para o tour. Às 8h30 já estávamos na recepção. Vi um rapaz com roupa de agência e perguntei se estava nos esperando. Ele disse que não. Apenas outras duas pessoas. Até aí, ok então.
      Esperei mais uns 15 minutos e nada da nossa agência. Fui falar com o rapaz sentado e perguntei se o nosso tour não era com ele também. Me perguntou qual era a nossa agência. Aqui descuido meu, não tinha perguntado ao Francisco qual era a agência. Mostrei para ela o comprovante de pagamento, ele fez uma ligação e confirmou que a gente também tinha que ir com ele. Uffaaaa, que sorte que fui abordá-lo.
      Entramos num 4x4 e recolhemos algumas pessoas pelo trajeto. Fomos até a agência antes de sair. Depois de um rápido briefing pegamos a estrada.
      Nosso grupo tinha 9 pessoas (5 colombianos, 2 ingleses, 1 alemão, 1 norte-americana e nós 2 de brasileiros). 
      Foram cerca de 1h30 de estrada de asfalto, com um motorista dirigindo loucamente kkkk.
      Por volta das 11h00 estávamos na entrada do Parque Nacional de Sierra Nevada. Lá pausa rápida para banheiro, colocar nossas pulseira de autorização para entrar no parque e mais 45 minutos de estrada de chão, com várias subidas e descidas irregulares e travessias de rio. Foi bem emocionante kkkk.
      Perto das 12h00 chegamos ao restaurante onde almoçamos e depois iniciamos nossa caminhada. Prato feito com arroz, feijão, salada, coxa com sobrecoxa e, é claro, patacones (que delícia kkk). Os pratos de comida são muito grandes. Eu não consegui comer tudo.
      Por volta das 13h15 saímos para iniciar nossa caminhada.
      O primeiro dia é basicamente uma longa caminhada estrada acima, com algumas barraquinhas no meio do caminho vendendo água, refri, cerveja, cacau, suco de laranja etc.
      Esse dia totalizou 12,2 kms com solzão na cabeça.
      Chamou atenção nesse dia a quantidade de aranhas e suas teias nas árvores.
      Chegamos no acampamento por volta da 16h45. Todos os acampamentos são ao lado de rio. Nesse primeiro tinha uma piscina natural que o povo pulava do alto de uma pedra. Eu sou meio cagão para água, mas tomei coragem e pulei, minha esposa também. Foi uma baita adrenalina. Tem o vídeo no meu instagram (@thiagomrp).
      Depois de um mergulho revigorante nas águas frias do rio, fomos tomar banho para jantar e dormir.
      Dica: muita atenção nos acampamentos com aranhas, escorpiões e cobras. O nosso guia nos alertou. Nós optamos por pendurar as botas no alto (o que depois foi seguido pelos colegas) e SEMPRE deixar as mochilas fechadas, para evitar entrada de bichos. Também revisamos as camas antes de deitar.
      Jantar estava muito farto e gostoso. Depois um brefing sobre o próximo dia e conversas sobre a história da trilha, da região, do povo Tayrona etc. Tudo muito interessante.
      Às 20h00 já estamos deitados e às 21h00 apagaram as luzes.
       
      DIA 2 (10/10/2019)
      Despertadores tocaram as 5h00 para nos arrumarmos, tomarmos café e saímos às 6h00. Acontece que no grupo tinha uma criança (11 anos) que só levantou às 6h00 e daí que foi tomar café. Ficamos bem impacientes, inclusive o guia. Aqui falha dos pais que não acordaram a criança antes e apressaram ela. Acabamos saindo 6h30.
      O segundo dia já era sabido com sendo o pior, e realmente foi. Foram 21,2 kms com muitas subidas e muita lama pelo caminho. Lugares bem escorregadios para caminhar. Nos levamos nossos próprios bastões, quem não tinha estava improvisando com tronco de árvore.
      Às 9h00 chegamos no lugar onde almoçamos. Fizemos uma parada mais longa com direito a visitar uma cachoeira próxima. Valeu muito a pena.
      Às 10h30 já estávamos almoçando e 11h00 voltamos a caminhar.
      A segunda parte do dia foi beeeeemmm difícil. Muita subida e lama.
      Por volta das 14h00 começou a chover, então complicou um pouco mais. Era subida sem fim, com chuva e fome. Por sorte chegamos numa vendinha e lá tinha frutas para nós. Foi revigorante.
      Aliás, em várias vendinhas as agências providenciam frutas para o pessoal, normalmente melancia, laranja ou abacaxi (muito doce por sinal).
      Chegamos no acampamento às 16h10, bem cansados. É o último acampamento antes da Ciudad Perdida, então todas as agências ficam no mesmo lugar. É o que tem a estrutura mais precária, mas mesmo assim foi ok.
      Jantamos, conversamos e antes das 20h00 já estávamos deitados. Às 21h00 apagaram as luzes.
       
      DIA 3 (11/10/2019)
      Novamente levantamos às 5h00, café da manhã e as 6h30 saímos. Aqui o atraso foi proposital. Como 10 minutos após o acampamento tem a travessia de um rio, o guia preferiu atrasarmos um pouco para não ter que ficar esperando na margem do rio os demais grupos atravessarem.
      Que travessia hein!
      Deve ser uns 20 metros de uma margem a outra, com pedras e correnteza forte. Duas cordas ajudam, aliás, todo mundo se ajuda porque a correnteza é muito forte mesmo.
      Depois de recolocar as botas, mais uns 10 minutos caminhando e chegamos no início das escadas que levam a Ciudad Perdida. Mais de 1200 degraus pela frente. Muita atenção, pois os degraus são curtos e bem úmidos.
      Às 7h10 já estávamos na entrada da Ciudad Perdida. Passaportes (dados pelo próprio parque com a história do lugar) foram distribuídos e carimbados.
      Nos acomodamos num lugar para ouvir o guia contar sobre a história da Ciudad Perdida e seu povo. Depois de um tempo saímos para desbravar o lugar.
      Você vai encontrar vários militares do exercício pelos caminhos da Ciudad Perdida. Eles estão ali para marcar a presença do Estado e oferecer segurança. Foram todos amigáveis e até tiraram fotos com a bandeira do Brasil (eu sempre viajo com uma).
      Na saída da Ciudad Perdida nosso guia passou na oca do líder espiritual, Mamo, porém ele não estava. Apenas sua esposa que vendeu algumas pulseirinhas feitas por ela para o grupo.
      Por volta das 10h00 já estávamos descendo de volta ao acampamento em que passamos a noite. Almoçamos por lá e depois voltamos até o acampamento em que almoçamos no segundo dia.
      Nesse dia foram quase 22km caminhados. Foi puxado, mas nem tanto.
      A noite jantamos e antes de dormir tivemos a oportunidade de ouvir histórias de um índio de uma tribo descendente dos Tayronas. Ele mostrou instrumentos de trabalho, o poporo (instrumento usado apenas pelos homens para consumir a folha de coca) e outros utensílios. Foi uma conversa legal. Ele falava mais ou menos o espanhol e era auxiliado pelo nosso guia. Uma experiência bem bacana.
       
      DIA 4 (12/10/2019)
      Novamente acordamos as 5h00 e 6h30 já estávamos caminhando para terminar o nosso trekking. O objetivo era chegar para o almoço no local onde iniciamos nossa aventura. Lá onde o 4x4 nos deixou e voltaria nos pegar.
      Umas subidas bem fortes, com quase 1 hora de subida initerrupta. Foi bem puxado.
      Confesso que tenho dúvidas se foi o segundo ou último dia o mais difícil. Ambos foram muito puxados.
      Por volta das 10h00 paramos tomar um suco e comer um bolo no mesmo local do primeiro acampamento. Descansamos um pouco e logo partimos.
      Eu e minha esposa aceleramos o passo porque queríamos terminar antes do meio dia. Não porque tivéssemos pressa, mas só para ter um objetivo.
      Uma parte do grupo foi mais rápido conosco e o resto seguiu mais lento com o guia.
      Esse trecho final foi aquele na estrada com o sol na cabeça do primeiro dia. Dessa vez o sol estava até mais forte, por isso cada vez mais queríamos chegar antes.
      Exatamente 11h50 chegamos no restaurante. Fui um trecho bem cansativo, quase 22,5 km. Todos que chegavam já foram arrancado as botas e deitando pelo chão gelado, era a melhor coisa naquele calor kkkk.
      Cerca de 1 hora depois chegou o resto do grupo.
      Almoçamos e por volta da 14h00 já estávamos no 4x4 para retornarmos até Santa Marta.
       
      SALDO FINAL
      Talvez tenha sido o trekking mais difícil que já fiz na vida (já fiz Salkantay no Peru e vários outros no sul do Brasil).
      Foi puxado, subidas e sol fortes e uma umidade muito grande, suávamos muito.
      Faria tudo de volta? Sem sombra de dúvidas, SIM.
      Foi uma experiência muito legal, uma caminhada difícil e desafiadora, com um grupo nota 10, guia e tradutor muito gente boa e estrutura de acampamentos legal. Várias vezes nos pegávamos falando: “estamos no meio da selva colombiana!!!”. E realmente é isso. É uma selva bem fechada, úmida, com rios, cachoeiras, pedras e lama.
      Trekking a Ciudad Perdida marcado como FEITO e RECOMENDADO a todos mochileiros e trilheiros!
       
      Obs.: tentarei colocar algumas fotos nos próximos comentários. Quem quiser pode ver algumas no meu instagram @thiagomrp. 
       
×
×
  • Criar Novo...