Ir para conteúdo

Posts Recomendados

  • Membros

Oi Galera,

Gostaria de compartilhar um final de semana em Penedo. Penedo está localizado no Estado do Rio de Janeiro, ás margens da Rodovia Dutra, privilégio de oferecer um acesso fácil a outros destinos turísticos aos visitantes, como o Parque Nacional do Itatiaia, Serrinha do Alambari e Visconde de Mauá. o distrito é uma beleza natural, possui um centrinho que remete a pequena Finlândia, restaurantes e lojas de artesanato. Um lugar para fugir da agitação dos grandes centros urbanos.

 

Link para o comentário

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por edufehrer
      Buenas,
      em tempos de pandemia, tacamo as máscaras no rosto e metemos o pé na estrada.
      Partimos de Sâo Paulo/SP no sábado de manhã 17/10/20, rumo a Paraty.
      a idéia era ir pela Rodovia Tamoios e parar em Trindade, antes do Centro de Paraty, porém o dia amanheceu bastante nublado e chuviscando, meti o pé na Dutra mesmo para pegar a estrada Paraty-Cunha e já sair no centrão, Trindade ficaria pra outro dia (segunda-feira 19/10).
      antes disso, paramos no Santuário de Aparecida do Norte, fazia anos que não íamos lá, tá bem diferente, obviamente, agora tem até um bondinho que dá acesso a um mirante com uma vista bem bonita da Igreja/Cidade, valeu a pena a visita, que Deus abençoe o rolê (e abençoou). 
      partimos enfim para estrada Paraty-Cunha, nunca tinha andado por lá, gostei bastante, apesar de alguns trechos que requerem bastante atenção, porque fica estreito e só passa uma mão, de resto a estrada é bem estruturada, não achei perigosa como dizem, mas claro, é bom descer engatado, sem querer inventar.
      já na descida, antes de entrar na cidade de Paraty, bem na beira da estrada fica a Cachoeira do Tobogã e o Poço do Tarzan, junto com os famosos alambiques da cidade (esse tour custa em média R$60,00 por pessoa para quem vai com as agências saindo de Paraty), na entrada da Cachoeira do Tobogã tem uma igrejinha e junto dela um estacionamento, custa R$10,00 a diária, a Cachoeira é bem legal, quem não se importou com a falta do sol estava escorregando nas pedras, que de fato forma um tobogã natural, a natureza é incrível...onde rola a queda do tobogã é um pouco fundo, importante saber nadar...o poço do Tarzan é mais tranquilo de ficar. 
      Em frente a igreja, fica o Alambique Engenho D'ouro, não achei esse tão interessante e preferi descer um pouco mais a estrada até chegar em uma estradinha a esquerda, antes de uma ponte, vai nessa estradinha até o fim, cerca de 3 minutos, lá fica o Alambique Paratiana, dei uma borrifada no álcool em gel pra entrar, era feito de cachaça, achei sensacional. Na hora que estávamos degustando as cachaças e os licores, tem muitos, chegou uma galera do tour, a atendente disse que poderíamos participar do tour pela fábrica junto com o grupo sem pagar, ela conta a história do alambique e explica todo o processo de fabricação, é bem interessante. Voltamos para a loja, lá fabrica e vende a famosa cachaça Gabriela  Cravo e Canela, que na real parece mais um licor, é boa demais, só que um pouco caro, R$47,00 a garrafa de 700ml, trouxe uma pra casa. (a vendedora disse que ainda esse mês os preços iriam aumentar, mas não sei se foi papo de vendedor).
      voltamos para a estrada, nessa mesma estradinha do Alambique fica aqueles tradicionais letreiros das cidades turísticas (eu amo Paraty).
      agora fomos de fato para o centro de Paraty, ficamos hospedados a 3 quadras do centro histórico, uns 5 minutos de caminhada, a cidade está sem bloqueio de acesso, a maioria das pessoas usam mais a máscara quando vão entrar em algum estabelecimento (por ser obrigatório), andando nas ruas vimos bastante moradores sem, os turistas normalmente estavam o tempo todo de máscaras.
      ficamos na Pousada Brisa do Leste (inclui café da manhã e tem garagem, únicas exigências que eu tinha) de resto a pousada é super simples, mas atendeu muito bem, a dona super atenciosa, ela nos contou sobre a crise financeira causada pela pandemia, pagamos R$ 462,00 por 3 diárias, guardamos as malas e fomos caminhar no Centro histórico e almoçar.
      de fato o centro histórico de Paraty é apaixonante, andar e trupicar nas pedras é algo único, toda aquela arquitetura das casas, todas iguais com cores diferentes, onde não entra carro, amamos andar por ali...a variedade de restaurantes é grande, nesse primeiro dia almoçamos no Candeeiro, pedimos um salmão grelhado, não era exatamente filé, tinha uns espinhos, já comi melhores, ali tomei meu primeiro Jorge Amado (primeiro de muitos) drink da cidade feito com a cachaça Gabriela, mais a adição de maracujá e limão, é sensacional de tão boa, imperdível. 
      caminhamos bastante pelo centro e fomos conhecer a cervejaria Caborê, aos sábados rola um tour pela fábrica as 17h, fomos sem agendamento prévio e conseguimos um encaixe na segunda turma, foi bem interessante...lá mesmo na fábrica tem um bar, onde é possivel pedir a régua que vem 6 shots, sendo possível degustar todas as cervejas, pelo preço R$16,00, achei que compensou...depois óbvio que pedi um chopp da que mais gostei, a IPA.
      após voltar pro hotel, saímos a noite para centro histórico novamente, paramos em um barzinho chamado  Prosa, tinha música ao vivo, tinha o drink Jorge Amado, noite completa, super recomendo esse lugar, preços juntos e bem aconchegante...na volta passando por uma das lindas ruazinhas sentimos um cheiro de doce sensacional, vinha da sorveteria Miracolo, tivemos que perguntar de onde vinha todo aquele perfume, era das casquinhas dos sorvetes, eles fabricam lá mesmo, pedi um sorvete de Mirtilo, sensacional!
      fim do dia, no domingo iríamos pro passeio de escuna.
      continua...
       
    • Por carolcasstro
      Olá!
      Planejando sua próxima viagem para depois da quarentena? Que tal visitar Paraty? No blog Experiências na Mala separei as melhores dicas de passeios e hospedagens, com preços, para te ajudar a criar um roteiro bacana. Clique aqui para conferir e aproveite para se inscrever!
      ❤️
    • Por Karolina Soares
      Oi pessoal!  
      Vou viajar para a praia do Recreio e chego na Rodoviária Novo Rio.  Da um pouco mais de 30km de distância. Uber quase chega a 100,00, transporte público são 3 ônibus e leva mais de 3h pra chegar no destino (cheia de malas 😧).
      Alguém conhece algum outro meio de fazer o trajeto sem gastar muito?
    • Por Caio Vinicius Aleixo
      Pra chegar em Ilha grande
      Fomos de Jundiaí pra SP (Rodoviaria do Tiete) 16,00
       Depois de SP para Angra 112,00 (sem taxa de conveniência pq comprei na rodoviária)
      Da rodoviária pegamos uber (7,00) pro cais. (da pra ir andando, uns 20 min)
      No cais compramos a travessia de barco rápido (90,00 ida e volta ou 50 cada trecho se comprar separado). Tem a opção de balsa que é 17 reais por trecho mas os horários são mais limitados (Angra-Ilha as 15h e Ilha angra as 10:30 se não me engano). O barco rápido faz o trajeto em 30 min mais ou menos, a balsa faz em mais ou menos 1h. Na volta acho que não compensa (se bater os horários) pegar o barco rápido, pqe ele fez uma parada em outra praia pra depois ir pra Angra, então deu o msm tempo da balsa. Se comprar o Barco rápido antecipado vc precisa deixar agendado o trecho de volta mas da pra re-agendar facilmente com o número do bilhete ligando no numero descrito tb no bilhete.
       
      Hospedagem
      Ficamos no Hostel Beach House, café da manhã ok, tinha café, leite, um suco que acho que é natural (diluído), pão, presunto e queijo (teve um dia que não teve), melancia e bolo.
      Os quartos são limpos, tem onde trancar a mala, fiquei num quarto pra 9 com um banheiro dentro do quarto (no final ficamos só em 3 pessoas no quarto pqe era baixa temporada na ilha). Custo é de 30,00 reais em dias da semana e 35,00 em fds. Hostel fica bem localizado, perto de mercado, farmácia, restaurantes (se bem que a vila é pequena nada é mt longe). Embaixo do hostel tem uma agencia de turismo
      http://bit.ly/Hostel_Beach_House

       
      Passeios
      Dia 1 - Lopes Mendes
      Fomos andando e voltamos de barco (20,00 barco rápido 15,00 barco mais lento)
      Tem a opção de ir e voltar de barco ou ir e voltar de trilha.
      A trilha é cansativa pqe sobe mt, e é relativamente longa (umas 2h30). A trilha é de mata fechada e tem 1 mirante basicamente (logo depois que terminar de subir tem uma parte de barro a direita, é ali que tem que subir). A trilha é longa então é bom ir de tênis.
       
      Dia 2 - Abraãozinho (lado norte da ilha)
      Fomos andando até a praia do abraãzinho (passa por varias praias até la, que são mais bonitas que a abraãozinho inclusive). Essa caminhada é de boa, vai beirando as praias.
       
      Dia 3 -  Passeio Praias paradisíacas 80,00
      Melhor Passeio na minha opinião, é um passeio que passa em várias ilhas de Angra (botinas cataguases, praia do dentista, lagoa azul (acho que é isso e tem mais uma que não lembro). Passeio é bom para snorkel, o passeio inclui snorkel, agua e macarrão (boia). as praias e ilhas são mto bonitas msm. o passeio foi feito de lancha com capacidade para umas 12 pessoas. (o passeio foi mt animado pqe tinha um carioca engraçadíssimo e uma galera animada na frente. Na frente o barco bate mais se o mar estiver agitado e o visual é melhor. Atrás molha mais caso o mar esteja agitado. Faz frio na volta desse passeio)
       
      Dia 4 - Cachoeira da feiticeira e tentativa de praia da feiticeira (lado sul da ilha)
      A trilha passa pela praia preta, antigo hospital (hospital p pessoas com lepra se não me engano, parece um presídio, mas não confunda com o antigo presídio que existia em 2 rios)
      a trilha não é tãão fácil mas é mais tranquilo que a trilha pra lopes mendes. No meio do caminho tem um lugar que a sinalização é estranha, acabamos pegando o caminho errado e não saímos na praia da feiticeira, saímos em uma praia do lado. Voltamos de barco (20,00) 
       
      Dia 5 - Passeio meia volta 100,00
      Passeio para em algumas praias mas os principais são Lagoa verde e lagoa azul, tem também a praia do amor (que fica de frente p onde gravaram alguma coisa do filme crepúsculo) gostei bastante do passeio mas preferi o “praias paradisíacas”. Passeio é bom para snorkel, o passeio inclui snorkel, água e macarrão (bóia) assim como o “praias paradisíacas”
       
      DICAS: 
      Leve tenis, muita coisa é feita de trilha e tênis vai tornar muito mais confortável as caminhadas
      Para os passeios de barco, de preferencia para os dias de sol, deixa o passeio/praias mt mais bonitos e a prática de snorkel ainda melhor.
      Lagoa azul e lagoa verde tem muita vida marinha, não deixe de praticar snorkel.
      Se sentir mt frio, leve blusa p os passeios de barco qnd estiver nublado (na volta pega mt vento)
      Existem diversos passeios, alguns feitos de escuna, que são mais baratos mas perde-se mt tempo navegando e passa em menos lugares. 
      O Hostel “Aquário” (http://bit.ly/2ueaRPF) da uma festa td noite, é de graça e só paga o que consumir.
      Alimentação vc acha de td, comi pf por 23 reais e moqueca (no restaurante lua e mar) que ficou 90,00 por pessoa (a comida é deliciosa e o ambiente bem massa, pegamos um prato que teoricamente é pra 2 e comemos em 3. Estávamos famintos e deu de boa)
      Comer no “Coruja” é um lugar que vende uma empanada SENSACIONAL, 8,00 e tem opções vegetarianas. lá tb tem promoção de 3 caipirinhas por 25 reais (varios restaurantes do lado tb tem)
      La tem mto estrangeiro, fui em setembro e tinha mt frances e argentino.
      Me disseram que em alta temporada os preços sobem MUITO, tanto passeios qnt restaurantes, hostel TUDO.
      O clima da ilha é meio Roots, não tem carro, é mt bom pra relaxar e fazer amizade. Achei a galera mt gente boa no geral.
       
      Contatos 
      Hostel beach house: http://bit.ly/Hostel_Beach_House
      Nativos turismo (onde fechei os passeios, fica logo em baixo do beach house)                                      24 99997 6382
       
      Quem quiser ver fotos ou tirar duvidas, me chama no instagram @caioviniciusaleixo (lá eu fico mais atento as mensagens)
       
    • Por nani.etc
      Na terceira semana de Setembro, eu e meu namorado pegamos o carro e partimos rumo à Serra de Penedo e Visconde de Mauá. Escolhemos ficar hospedados mais dias em Penedo, pelo acesso ser mais fácil às outras áreas que gostaríamos de visitar.
      Saímos do Rio de Janeiro umas 9h da manhã e não pegamos trânsito. Passamos por apenas um pedágio (R$15,20) na subida da Serra das Araras e chegamos em Penedo pelas 11:20h.
      HOSPEDAGEM
      Em Penedo, escolhemos ficar no Hotel da Cachoeira, que fica bem pertinho do centro (1,5km), mas possui mais tranquilidade por estar em uma área de preservação ambiental. O hotel não é da cachoeira à toa, logo atrás há uma linda cachoeira passando, porém não é apenas de utilização dos hóspedes, então sugiro aproveitar pela manhã, onde fica vazia. São 32 chalés equipados com lareira, ar-condicionado, TV Sky, wi-fi, frigobar, telefone e alguns com banheira de hidromassagem. Nós ficamos no Chalé 30 (com banheira), na parte de cima do hotel. Na área de lazer, duas piscinas (uma menor - aquecida -, e outra maior), um bar com petiscos, drinks e cervejas, saunas seca e à vapor, espaço com jogos, varandão para descanso, muito verde ao redor, e claro, a cachoeira. O hotel também disponibiliza de serviços terapêuticos opcionais e a parte, como: Reike, aula de Yoga, aromaterapia, banhos e massagens diversas, com custo à parte, além de um restaurante à La carte com carta de vinhos selecionados.
      O café da manhã é um amor a parte: pães, frios, bolos, frutas, salgados e doces diversos (rabanada, mini-churros, croissant de chocolate, pão de queijo, salsicha). Para beber: suco de laranja, chás, café com leite e achocolatado. Também havia iogurte com toppings: granola, cereais, etc.
      Caso não queira se hospedar, você pode passar o dia no Hotel da Cachoeira, desfrutando de todas as áreas de lazer com o pacote Day Use. Valores: (Seg a Qui, exceto feriados) Adulto - R$25/Criança* - R$12,50. (Sex a Dom) Adulto - R$40/Criança* - R$20 ✨ *Crianças de 03 a 12 anos. *Crianças até 02 anos não pagam (limitado para uma criança por adulto pagante). - Os consumos no bar e restaurante não estão incluídos no valor e serão cobrados separadamente. - Consulte disponibilidade para grupos e/ou feriados e datas comemorativas.


       
      PRIMEIRO DIA (16/09 - segunda-feira):
      Nós resolvemos aproveitar as cachoeiras de Penedo neste primeiro dia. Então, assim que chegamos em Penedo, fomos direto para elas. Eu já havia feito muitas trilhas para conhecer cachoeiras em Capitólio e São Thomé das Letras (Minas), mas não vá esperando a mesma facilidade. Falando sobre o acesso, é super tranquilo, tanto de carro ou de ônibus. As cachoeiras são lindas e, pra quem gosta de água gelada, são uma ótima opção para um dia inteiro. As cachoeiras de Penedo não são as melhores da região, na minha opinião, mas pra conhecer é válido. Visitamos:
      Cachoeira de Deus: Para chegar nela, você vai ter que estacionar e caminhar um pouco pela mata, mas não muito. Pergunte a alguém no caminho como faz para chegar lá, pois não tem indicação na pequena trilha (geralmente vai ter um senhor vendendo alguma coisa). Mas é a mais bonita de todas, pois a queda d'água é maior. Ela tem um poço para banho e um pequeno tobogã natural na saída das águas.
      Três Bacias: Formada por três pequenas quedas formando, em cada uma delas, uma bacia.
      Poço das Esmeraldas: Localizada a cinquenta metros das Três Bacias, há  o Poço das Esmeraldas, de águas verdes, excelente para nadar. 
      Três cachoeiras: É a cachoeira de mais fácil acesso, e por isso mesmo, mais frequentada. As Três Cachoeiras são formadas por quedas d´água seguidas.

       
      Fomos então, finalmente conhecer um pouquinho do Centro de Penedo, começando pela Pequena Finlândia e depois, paramos para tomar um chopp no Bar do Fritz (super recomendo a régua de chopps por R$12,90, nem eu acreditei no valor).

      À noite, escolhemos o rodízio de fondue na pedra do Restaurante Querência. Ele custa R$65,90 por pessoa e sua degustação inicia pelos fondues de queijo - com acompanhamentos como pão, cenoura, batata e couve-flor - e de carne - com dois tipos bovinos, frango, lombo suíno e diversos molhos. Quando você acha que não cabe mais nada na barriguinha, o fondue de chocolate chega acompanhado de biscoitinhos champanhe, uva, morango, banana e abacaxi. E sim, você pode comer quantas vezes quiser, basta solicitar a reposição do item desejado. O restaurante funciona todos os dias de 11h as 23h (Fondue a partir das 18h) e fica bem no centrinho de Penedo. Ele possui estacionamento próprio e espaço infantil. Além do Fondue, também servem diversos pratos com bons preços e atendimento impecável. Não deixem de visitar!

       
      SEGUNDO DIA (17/09 - terça-feira):
      No segundo dia, acordamos cedinho, tomamos café e fomos até o Parque Nacional do Itatiaia. Um dos melhores, se não, o melhor passeio que fizemos. Nós pagamos R$17 por pessoa + R$16 pelo estacionamento (R$50) e foi muito tranquilo circular de carro por lá. O Parque, que fica na Serra da Mantiqueira, tem altitude que varia entre 700 e 2791 metros acima do nível do mar, sendo este ponto mais alto o Pico das Agulhas Negras. Ele tem mais de 30 mil hectares e faz parte dos estados do Rio de Janeiro (que possui a maior parte do Parque) e Minas Gerais, chegando até a divisa com São Paulo. Além disso, ele é divido em duas partes, a Parte Baixa e a Parte Alta.
      Nós só visitamos a parte baixa, a parte alta é mais para trilheiros e aventureiros. Fomos seguindo o mapinha que nos foi entregue na portaria e parando o carro em cada atrativo. O caminho é muito gostoso, com muito verde ao redor. O forte da parte baixa do parque são as cachoeiras. O mergulho não é fácil, as águas são muito geladas, então precisa ter disposição. Mas as caminhadas pelas trilhas são leves, geralmente com menos de 600m de distância e, num ritmo bem tranquilo, você chega aos principais atrativos.
      Resolvemos fazer o caminho de trás para frente, então fomos em direção à Ponte do Maromba. Estacionamos por ali (há sanitários no local) e descemos um lance de escadas que nos levaria até a Piscinal Natural do Maromba. Que cenário maravilhoso! Logo após, seguimos a pé para o outro lado da ponte, subimos alguns lances de escadas e achamos uma bifurcação: Cachoeira Itaporani e Cachoeira Véu de Noiva. Escolhemos primeiro a Itaporani por ser mais longa (520m) e depois fomos visitar a Véu de Noiva (260m). Depois, voltamos pro carro e fomos até o Centro de Visitantes. No local há exposições com acervos botânico, zoológico e petrológico, além de outras informações sobre o parque. Então, seguimos para o Lago Azul, um lindo poço com águas cristalinas. Para acessá-lo deve-se percorrer uma curta trilha à pé e descer uma escadaria com aproximadamente 120 degraus. Há uma segunda opção de trilha, mais longa e sem degraus, mas optamos pelas escadas. A última parada foi no Mirante do Último Adeus, que oferece uma vista panorâmica do parque, do Vale do rio Campo Belo e da Serra do Mar.   Como fomos no mês de setembro e durante a semana, a água estava gelada e atraía pouquíssimas pessoas para um mergulho. No verão deve ficar bem mais movimentado. Em contrapartida, chove mais nessa época e é preciso tomar cuidado com as perigosas trombas d’água. Além das cachoeiras e demais atrações relatadas, você também pode visitar os Três Picos, que é uma trilha mais pesada, por ser íngreme em quase toda sua extensão de 6km, por isso você precisa de um guia e quase o dia inteiro para fazer esta trilha.  
          À noite, resolvemos conhecer o Sr. Duíche. Chegando em Penedo eu vi o restaurante e achei o nome super criativo, além de ser uma hamburgueria artesanal, coisa que eu amo. Lá, os hambúrgueres são criados a partir de experiências culturais e gastronômicas: histórias, pessoas e lugares fazem parte das receitas inspiradas em pratos típicos de todas as regiões do Brasil. São mais de 20 receitas diferentes! Eu pedi o Sr. Costela (R$35,90) e o Felipe, o Sr. Churrasco (R$36,90), acompanhados de batata rústica e mandioca frita. Destaque para o catchup de goiaba delicioso. Para beber, tomamos uma cerveja artesanal. Além do sabor inconfundível, o Chef João Fernandes criou o canal no Youtube Viajando no Hamburguer, onde apresenta suas viagens pelo Brasil e as criações das receitas de hambúrgueres inspiradas na culinária típica de cada região. O restaurante abre de terça a domingo, de 18h as 23h.         TERCEIRO DIA (18/09 - quarta-feira):
      Na quarta-feira, resolvemos fazer um bate-volta na Serrinha do Alambari. A partir do pórtico de Penedo, seguimos por aproximadamente 5km pela estrada que leva a Mauá até encontrar uma placa indicando a Serrinha. A partir dela, percorremos mais 5km e chegamos a uma praça. Nesse trajeto, o Google Maps nos ajudou. Então, vêm outros 2km até o Camping Club do Brasil (onde ficam a maior parte das cachoeiras). Vale ressaltar que o caminho até ao camping não é dos melhores: há muitos buracos, mas estávamos de Celta 1.0 e rolou.
      Quem não vai acampar pode pagar R$14 (baixa temporada) pelo day use do espaço, que inclui, além das cachoeiras, um espaço para fazer lanches, usar o banheiro e descansar. Dentre as cachoeiras, visitamos o Poço das Esmeraldas, Poço Dourado e Poço do Bananal.

       
      A cerca de 2,5km de estrada de terra toda esburacada novamente, está a propriedade onde ficam os poços do Céu e dos Dinossauros. Nós não visitamos! A entrada sai a R$35 no mínimo (pagamento em dinheiro apenas/peguei valor em um blog).
      À noite resolvemos sair um pouco do convencional e ir experimentar um rodízio de comida japonesa. O Kazoku fica bem pertinho da Pequena Finlândia, ao lado do Bar da Brahma e do Shopping do Papai Noel. Um super diferencial é o estacionamento próprio, o que em Penedo é coisa rara. Nós comemos entradinhas, temakis, makimonos, e claro, sobremesas. O ponto alto foram as peças exclusivas do Kazoku, como o Kazoku Hot, que você só encontra lá, e tem um toque todo especial do chef. Nós também provamos o Harumaki Kit Kat Kazoku, que não consta no rodízio, mas ficamos curiosos e o sabor foi incrível. O rodízio custa R$68.90 no dinheiro/transferência e R$74.90 no débito e crédito.
       

       
      QUARTO DIA (19/09 - quinta-feira):
      Hoje foi dia de fazer check out em nosso hotel em Penedo e subir a Serra de Visconde de Mauá. Saímos bem cedinho, lá pelas 10h e chegamos em Visconde de Mauá pelas 11h. Não fomos direto para nossa pousada, mas sim, aproveitar as cachoeiras de Maromba e Maringá, que são duas vilas pertencentes à Mauá.
      ATENÇÃO: Leve dinheiro trocado e esqueça seu sinal de celular por aqui!
      Primeiro fomos na Cachoeira de Santa Clara, uma das mais bonitas que visitei. Há indicação de placas e o GPS (quando já atualizado) chega lá. Mas lá não tem sinal algum, então fique atento. Dá pra parar o carro bem em cima e seguir uns passos, sem dificuldade. Mas, claro, resolvemos escolher o lado difícil, então erramos o caminho e fomos pelo outro lado. "Invadimos" uma propriedade particular sem querer e saímos do outro lado da cachoeira. A vista foi incrível, valeu a pena!
      Logo depois, voltamos ao carro e seguimos em direção à cachoeira Véu de Noiva. Você chega numa rua sem saída (ao lado de uma pousadinha), estaciona e segue a trilha bem fácil até ela. Havia um arco-íris na água, estava linda!
      Então, finalmente, fomos conhecer as duas mais famosas da região! Primeiro fomos na Cachoeira do Escorrega,  que é o cartão postal de Visconde de Mauá. Ela fica 3km acima da vila da Maromba. Há um estacionamento pago, mas paramos um pouco antes para não precisar pagar. Para quem está hospedado nos arredores da Maromba, dá para ir na caminhada. A cachoeira é um tobogã natural que foi esculpido pela natureza após uma forte tempestade em 1966, permitindo um deslizamento perfeito que desemboca numa piscina natural profunda de águas limpas e geladas. É muito divertido, mas apenas para os corajosos! 
      Depois de aproveitar tudo e mais um pouco da Cachoeira do Escorrega, paramos num dos poucos bares do local para tomar uma cerveja artesanal e fomos conhecer o Poção 7 metros. O poço tem sim sete metros de profundidade e uma pedra serve de trampolim natural para o mergulho - mas é preciso ficar atento à correnteza e à profundidade. É no caminho para a Cachoeira do Escorrega, então, mesmo se não for pular (como eu), vale a visita.
       

      Ainda tinha muita coisa pra gente aproveitar, mas como só reservamos uma diária na pousada, fomos aproveitá-la. Porém, indico mais dois passeios legais para fazer por aqui: o Parque Ecológico Cachoeiras do Santuário e o Vale do Alcantilado. No Parque Ecológico Cachoeiras do Santuário há várias cachoeiras, dentre elas, as dos Milagres, Água Santa, Poço dos Anjos, da Fada, Mina de Ouro, do Santuário, das Cortinas. Há uma cobrança para visitá-lo, mas não foi dessa vez que conseguimos. O Vale do Alcantilado fica em uma propriedade particular localizada dentro do Sítio Cachoeiras do Alcantilado. É preciso pagar uma taxa de entrada. São nove cachoeiras e  há chalés e restaurante. Faremos com certeza na próxima visita!
      HOSPEDAGEM
      Em meio à deslumbrante natureza de Visconde de Mauá, a Pousada Recanto da Serra oferece chalés e suítes charmosos e aconchegantes (em média R$350 por diária), cada um com uma decoração diferente, conforme o nome de origem. Eu fiquei no chalé China e a decoração era muito legal! Todas as acomodações possuem TV a cabo, DVD, frigobar, lareira, wifi, secador de cabelo, ar-condicionado e lençol térmico (os dias podem ser quentes, mas as noites são bem frias). Há opções de chalés com hidromassagem, sauna e ofurô, de acordo com a acomodação. O China tem os 3! Situada em local tranquilo e reservado (você só ouvirá o canto dos pássaros) a apenas 200m do centro de Maringá, onde você conta com várias opções de restaurantes e lojas.
      O café da manhã é colonial, oferece mais de 20 especialidades e é servido diretamente no chalé (chega numa cesta muito fofa), em horário previamente combinado. A pousada possui estacionamento próprio e recebe crianças de todas as idades, além de ser petfriendly! Com avaliações 5 e 4,9 no TripAdvisor e Booking, respectivamente, a pousada com certeza é a sua melhor opção em Visconde de Mauá. Procure a Cátia e diga que eu indiquei, ela com certeza irá fazer a sua experiência ainda melhor. 

       
      À noite, fomos conhecer o Cogumelo Bistrô. O restaurante fica bem pertinho da pousada, podendo ir andando se desejar. E claro, os cogumelos são introduzidos em todos os pratos. Há opções para vegetarianos e veganos também. A experiência começou com um ritual: provamos uma cerveja de cogumelo (R$28) e, logo após, nos foi servida uma cachaça infusionada com jambu (R$9 a dose), que deixou nossas línguas levemente dormentes, o que serve para abrir as papilas gustativas e aguçar o paladar. De entrada, saboreamos o cogumelo na pedra (R$36). Para o prato principal, o Felipe foi de filé ao Barringon (R$69) e eu escolhi o bobó de cogumelos (R$54), que estava extremamente gostoso. A farofinha que acompanhava era espetacular! Para finalizar o ritual, tomamos um chazinho de cogumelos delicioso (R$15). Foi uma verdadeira experiência gastronômica! Para quem curte gastronomia, não deixe de ir.

       
      QUINTO DIA (20/09 - sexta-feira):
      Se pudéssemos, ficaríamos até sábado para voltar a visitar as cachoeiras de ontem, pois gostamos bastante. Mas, não deu, né?! Fica para a próxima.
       
      Siga-me no instagram para ficar por dentro de todas as minhas viagens e dicas: https://www.instagram.com/nani.etc/
       
×
×
  • Criar Novo...