Guias e troca de informações sobre destinos do estado de Minas Gerais
#808922 por LiCo
17 Fev 2013, 12:43
Estou abrindo como um relato de viagem esse tópico de PERGUNTAS E RESPOSTAS sobre Guapé, Ilicínea e Carmo do Rio Claro.

A maioria das cachoeiras ficam entre essas duas cidades, então posso dizer que elas “meio que se completam”.

A prefeitura de Guapé informa pela sessão Turista do site oficial (http://www.guape.mg.gov.br/secao/29/atr ... uristicos-), os seguintes atrativos: Parque Ecológico do Paredão, Cachoeira do Paredão, Cachoeira do Macuco, Cachoeira da Água Limpa, Cachoeira do Capão Quente, Cachoeira do Garimpo, Cachoeira do Inferno e Cachoeira do Moinho. Também tem o fato de Guapé de ter sido inundada pelo lago de Furnas, tornando-a então uma atração náutica.

A prefeitura de Ilicínea (menos de 30km de Guapé) reivindica a Cachoeira do Buracão e informa a Cachoeira do Sr. Paulo Domingos e Cachoeira das Furninhas: http://www.ilicinea.mg.gov.br/index.php ... &Itemid=13

EM TEMPO: a Cachoeira do Buracão e Cachoeira do Inferno são a mesma. À partir de Guapé é conhecida como Cachoeira do Inferno e tem 2 únicas placas com esse nome: uma em Volta Grande e outra um pouco mais a frente no caminho. A partir de Ilicínea existem várias placas com o nome Cachoeira do Buracão e a distância que falta para chegar.

A prefeitura de Carmo do Rio Claro (uns 50km de Ilicínea e uns 80km de Guapé) 'toma para si' a Cachoeira da Água Limpa, informa Cachoeira Santa Quitéria e Cachoeira da Alegria, além da Serra da Tormenta que é famosa por quem pratica vôos de parapente: http://www.carmodorioclaro.mg.gov.br/vi ... turais.php

Com tanta coisa a fazer resolvi passar o Reveillon nessa região, e acabei escolhendo Guapé por ser o lugar que concentra a maior quantidade de atividades. Foi uma peleja conseguir lugar com preço acessível para ficar. Deixei para decidir tudo em cima da hora e é claro que já estava quase tudo lotado. E onde não estava lotado, os preços eram exorbitantes. Encontrei o Hotel Barros (http://hotelbarrosguape.no.comunidades.net/), que a Ângela nos faria por R$30 a diária com café da manhã se eu depositasse integralmente o valor das diárias, e assim foi feito. Tem um quarto de casal com frigobar e ar-condicionado e outro com 2 camas de solteiro só com ar-condicionado que ficam um pouquinho mais caro.

Quando estávamos no caminho, logo que saímos da MG050 e entramos na MG446 sentido Alpinópolis, vi uma placa indicando entrada para Guapé através de São José da Barra. Fiquei intrigado e entrei. Perguntei a um camioneiro que estava parado no acostamento e ele me disse que não precisava dar a volta por Carmo, onde eu iria. Era assim: “segue reto no asfalto, aí no trevo para São José você continua reto que vai virar estrada de terra. Anda um pouco na terra e vira asfalto novamente. Depois do asfalto vai virar mais um pedaço de terra e você já chega na balsa. É pertin”. Puwtis, pensei, vou economizar uns 80km.

Vai nessa! Nesse asfalto-terra-asfalto-terra acho que andamos uns 10km e já pude ver como a represa estava com o nível baixo. Muito baixo, de dar dó. Vi depois uma reportagem informando que esse foi o nível mais baixo dos últimos 10 anos: http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/not ... alago.html A reportagem fala de 11 metros abaixo do nível normal. Em alguns trechos, essa baixa provocou o recuo da água em mais de 100 metros.

DSC_4978.JPG


Chegamos na balsa! Ufa!!! Perguntei o preço no barzinho e ele disse que seria uns R$8. “É só você descer até a beirada que já eles vem te buscar”. Olhei do outro lado do rio e a balsa estava lá, há uns 200 metros de mim. Perguntei para o cara: “Ué, ali já é Guapé”? E a resposta: “Não, depois tem mais 40km de terra”!

Na outra linha, parágrafo, travessão: _ @#$#@ #@% #@$% # %#$% $&%”& !!!!! Mais 40km de terra????? E ainda tenho que pagar R$8 para atravessar daqui até alí????? Eu deveria ter ido por Carmo!!!!

Estrada de terra ruinzinha passando por alguns povoados um tanto isolados. Só me lembro dos dois últimos antes de chegar: Jacutinga (18km) e São Judas (8km).

Minha impressão sobre o hotel é que não tem nada de hotel, mais parece uma pousadinha. A famosa hospitalidade mineira deixou MUITO a desejar. O café da manhã, simples obviamente, é melhor que muitos hostels/hotéis que já fiquei, mas nos 2 últimos dias foram praticamente as 'sobras' ressecadas dos primeiros dias, o pão de queijo mineiro que tanto esperávamos era na verdade um pão de polvilho bem xing ling. O quintal onde tem a 'jacuzzi' e a churrasqueira (pretendíamos fazer um churrasco!) que o site mostra estava todo sujo, cheio de tranqueiras, vasos com flores e fedendo a sujeira de gato. Uma pena!!!

Almoçamos e como já estava quase acabando a comida no único restaurante aberto, o cara fez R$10 para comermos a vontade. Isso já era umas 15h. Perguntamos sobre as cachoeiras e a coisa começou a ficar complicada. Eles só conheciam o Paredão. As outras cachoeiras, quase nenhuma eles tinham ouvido falar.

Fomos então ao IPÊ CAMPESTRE CLUBE descansar da viagem em uma piscina geladinha. Como chegamos tarde, conversei com o funcionário da bilheteria e no fim pagamos R$10 (metade), mas logo depois chegou uma turma e não teve choro nem vela, pagaram o preço cheio. O clube é bacana, tem quiosques na beira da água (mas por causa da seca a água estava longe), 2 bares, mesas de sinuca, piscina, sauna, campo de vólei, futebol, brinquedos para crianças, vários banheiros e duchas espalhados por todo lado, é bonito e bem cuidado. Valeu a pena.

À noite choveu, tomamos um sorvete e tentamos mais informações sobre as cachoeiras. Novamente informações apenas do Paredão.

Acordamos cedo, tomamos café e vazamos para o Paredão (R$10). Quando chegamos o lugar estava quase vazio. Vimos placas informando que é proibido levar comida e bebida para as cachoeiras e deixamos tudo no carro. No caminho já percebemos que muita gente leva comida e bebida, pois os latões de lixo estavam cheios e tinha bastante sujeira.

DICA >>> lá tem um esquema em que você paga R$20 e pode comer o dia inteiro. O aparador do self-service fica disponível o tempo todo, então você pode ficar nas cachoeiras, volta para um petisco/almoço, vai novamente nas cachoeiras, volta para outro petisco/almoço, etc.

As cachoeiras são bonitas. Logo começou a chegar bastante gente e lá pelas 11h aquilo já estava uma muvuca. O estacionamento lotado com carros competindo som, impossível distinguir qual música estava tocando em qual carro.

1ª Cachoeira
DSC_4920.JPG


2ª Cachoeira
DSC_4933.JPG


3ª Cachoeira
DSC_4950.JPG


Passamos pela Cachoeira do Macuco mas a entrada estava fechada com corrente, e a placa que indica a entrada estava para o lado de dentro virada para um muro, claramente dizendo “cai fora, estamos fechados”.

Fomos para a vila Jacutinga e lá encontramos uma cachoeira. O nome é Cachoeira da Elisa, mas o dono é o Dr. Pedro. No site da prefeitura, a descrição da Cachoeira do Capão Quente corresponde exatamente a essa que citei, mas duvido que alguém a conheça por esse nome. Chegando na Jacutinga, pergunte sobre a cachoeira do Dr. Pedro que todo mundo conhece e é fácil de achar. Pena que tinha chovido na noite anterior e a água estava barrenta e cheia de sujeira, mas aposto que é um lugar bem bacana.

DSC_4977.JPG


Na volta a Guapé, parei no único boteco em São Judas e perguntei por alguma cachoeira alí por perto. Tinha 2 caras que foram comprar cerveja e estavam indo para a Cachoeira do Silvarão. Seguimos eles mas o local estava uma verdadeira farofa, bagunça, com disputa de som e muita muita muita gente bêbada dando regaço com carro e moto. Caímos fora, nem descemos do carro.

A noite fomos em uma pizzaria/sorveteria na avenida principal do centro e aproveitamos a pizza e o sorvete :D. Lugar lotado (lotou depois que chegamos), atendimento beeeeeem ruinzinho e demorado. Se não tiver espírito esportivo dá para estressar kkkkkk

No 3º dia fomos procurar a Cachoeira do Garimpo, que novamente ninguém sabe direito onde é nem como faz para chegar. Pegamos a estrada sentido Ilicínea e entramos no trevinho que vai para Formiga/Pimenta. São 20km de estrada de terra até Volta Grande. Lá tem uma placa indicando Cachoeira do Garimpo à direita e Cachoeira do Inferno à esquerda. Perguntamos pela do Garimpo e a moça disse para ir até a vila de Cava e perguntar pelo Morro do Nelo, pois era preciso virar à esquerda logo antes de subir o morro.

Ficamos meio perdidos e perguntamos para um homem que estava por ali a cavalo. A conversa foi bem ansim:

_ Bom dia. Por favor Cachoeira do Garimpo.
_ Que é que tem?
_ Como faz para ir?
_ Uai vai, uai!

Começamos a rir e pelo jeito ele não gostou não.

_ Onde é a vila de Cava?
_ Caaaaaaava?
_ É, onde é a vila? Falaram para perguntarmos na vila.
_ Ahhh, eu num tô intendenu nada que ceis tão falanu!
_ Qual é o caminho para chegar na cachoeira? Por onde vai?
_ Num compensa i lá não. É custoso. Já faz uns 2 anu qui num vô lá. Num compensa. É custoso dimais!

Resolvemos seguir e quando chegamos em um morro, não pensamos que fosse e continuamos subindo. Encontramos um carro no sentido contrário e o cara nos disse para voltarmos um pouquinho, que logo na subida tinha uma entrada à esquerda. Esse era o Morro do Nelo mesmo. Voltamos, entramos, fomos fomos fomos fomos até chegar uma parte em que só 4x4 continuaria, senão ia acabar com o carro. Resolvemos voltar e vimos que logo na entrada à esquerda, tem uma casinha. Paramos e o dono nos disse que o caminho era aquele mesmo, e que até a parte que chegamos era só metade do caminho. Então o tiozinho estava certo, é custoso mesmo kkkkk.

Cachoeira do Garimpo
phpBB [video]


Mas ele nos indicou um poção que tinha ali pertinho, e como já estávamos cozinhando dentro do carro, resolvemos conferir. Um pouquinho antes de subir o Morro do Nelo, tem 2 porteiras à esquerda. Entramos na porteira da esquerda e paramos quase dentro de um curral. Tinha 2 molequinhos ali e nos disseram que podia deixar o carro, e que a “cachoeira” que procurávamos era logo depois do milharal.

O lugar é uma delícia, água morna, poço cristalino, uma pequena queda d'água e uma pedra grande com sombra para descansar. Dava para ficar ali o dia inteiro.

poção.jpg


Na volta encontramos 2 homens pulverizando o milharal, recém-plantado. Conversamos um pouquinho e perguntei de quem era a propriedade e um deles respondeu: é do meu pai, o Nelo. O poço que estávamos eles conhecem por Cachoeira do Nelo, e o nome Morro do Nelo também faz referência ao dono da fazenda.

Fomos para o Buracão, ou Inferno como eles chamam por ali. Voltamos até Volta Grande e andamos mais 21km. No caminho, como não sabíamos a distância, perguntei para um rapaz de moto e a resposta foi:

_ É logo ali. Tá pertin.

Cheguei até esticar o pescoço e olhar para frente achando que estava realmente logo ali. Resolvemos marcar quantos km o pertin dele valeria e chegamos na marca dos 12km. Então, CUIDADO COM O PERTIN DE MINEIRO. Dizem que você calcula a distância pelo tanto que o mineiro ergue o queixo na hora de mostrar a direção kkkkkkk.

Comemos uma porção de peixe (R$20) no barzinho que fica na “entrada” das cachoeiras. Fomos subindo, passamos pela pontinha e continuamos subindo até se não me engano a 7ª cachoeira. E alí apoitamos.

DICA >>> esse lugar é MUITO mais bacana que o Paredão. Se você for, vá cedo e fique por ali quase o dia inteiro. Depois vá para a Cachoeira do Sr. Paulo Domingos. Eu não fui, mas é no caminho de volta para Ilicínea.

1ª Cachoeira
DSC_5028.JPG


Última Cachoeira
DSC_5061.JPG


Alguns dos vários poços que passamos na ida até a última cachoeira
DSC_5075.JPG



DICA >>> melhor visitar de manhã, pois o sol incide diretamente nas cachoeiras. À tarde forma sombras, que fica ruim para fotos e também para nadar, pois a água é bem fria.

Na volta, em vez de fazermos o caminho que fomos, por Volta Grande, resolvemos ir por Ilicínea. Mais ou menos 25km de terra e o resto de asfalto. Vimos que para quem vai de Ilicínea, tem váááárias placas indicando o caminho para a Cachoeira do Buracão. A estradinha é melhor e pega menos terra. Então compensa esse caminho.

Fizemos um lanche a noite e fomos para Ilicínea ver a queima de fogos do Reveillon, pois o prefeito de Guapé perdeu a eleição e resolveu não fazer festa. O Ipê Clube estava vendendo convites, mas como não teria nada na cidade, o preço estava superfaturado: R$70.

No 4º dia, apostamos que o pessoal estaria todo de ressaca e que não teria ninguém no Silvarão e esticamos até lá. Fomos um pouco acima de onde tinha o vuco-vuco anterior e encontramos alguns poções em um tipo de canyon, mas como a água por lá estava escassa, não compensava ficar. Acredito ser um lugar bacana se tivesse mais água.

Resolvemos tentar encontrar alguma entrada para a Cachoeira do Macuco, que não passasse pela portaria que estava trancada. Acabamos chegando na parte alta da cachoeira, também com pouquíssima água. Uma pena!

DSC_5132.JPG


Como somos teimosos, tentamos descer até a parte baixa, mas acabamos dentro da propriedade. Não dá para chegar na cachoeira sem passar pela casa dos donos. Bati palma e uma mulher nos atendeu, e ficou surpresa de como chegamos lá. Expliquei mais ou menos por onde passamos e ela nos disse que não podia entrar, que estava fechado porque eles estão construindo alguns chalés (muito bacana por sinal) e só vão inaugurar em setembro. Inclusive oferecendo almoço. Pelo que entendi, mas ela não falou, eles vão diferenciar o público para não virar aquela farofa do Paredão, que fica quase do lado, uns 2 km.

Chorei as pitangas, falei que andamos 500km só para conhecer as cachoeiras da região, blá blá blá … até que ela liberou uma visita rápida, uns 15 minutinhos. Pronto, ganhamos o dia. O lugar é espetacular, mais do que essa foto pode sugerir, e deve ser mais bonito quando tem mais água, como ela mesmo disse depois.

DSC_5135.JPG


Voltamos para Guapé, almoçamos, tomamos um sorvetinho na pizzaria/sorveteria e fomos no rio ver o quanto estava baixo. Com certeza a água recuou mais de 100 metros. A noite fomos em outra pizzaria, seguindo a rua da prefeitura, passa uns 3 quarteirões e vira à esquerda. Fica logo à direita descendo a rua. Essa sim valeu. Pizza deliciosa, atendimento nota 20, sem lotação … Chama Galpão da Pizza.

No 5º dia fomos embora bem cedo, logo após o café. E resolvemos procurar o Poção, ou Poção das Virgens, que fica entre Ilicínea e Carmo do Rio Claro. A entrada fica mais ou menos a 13km de Ilicínea, assim que ver uma igrejinha do lado esquerdo, tem uma entrada à direita para o Bairro Providência. Entrando na estradinha de terra, logo tem uma bifurcação, pegue à esquerda sentido Sítio Felicidade e siga por mais ou menos 5,5km. Quando chegar você saberá, pois a vegetação ao redor já está batida onde o povo enfia os carros e tem sujeira espalhada. Para chegar ao poção, é necessário cruzar o riozinho e seguir uma trilha de uns 15 minutos.

O poção é lindo, o lugar é tranquilo, a água é cristalina e não tinha ninguém. Por ser uma trilha um pouco íngreme, a maioria fica lá embaixo, perto de onde se para os carros.

DSC_5150.JPG


Poço das Virgens (Poção)
phpBB [video]


DICA >>> leve repelente, leve repelente, leve repelente. Foi o único lugar que os mosquitos, pernilongos e seus parentes me incomodaram.

Seguimos caminho e na ida acabei parando na vila de Furnas e ficando mais 2 dias por lá. Mas já é outra história.

Intééé

#808924 por LiCo
17 Fev 2013, 12:51
Algumas outras coisas para fazer por lá:

Trilha do Bem-te-Vi na Volta Grande
phpBB [video]


Serra da Volta Grande
phpBB [video]


Gruta do Chapadão
Está encostada em um paredão de quartzito de aproximadamente 6 metros de altura. A Gruta apresenta 3 amplos salões quatzíticos, e possui aberturas que trazem água do exterior para o interior formando pequenos córregos. O atrativo ainda não foi explorado por falta de equipamentos adequados.

Mais cachoeiras:

* Cachoeira do Moinho
* Cachoeira da Usina
* Cachoeira Córrego Bonito
* Cachoeira dos Ferreiras
* Cachoeira do Eduardo Lemos
* Cachoeira da Toca
* Cachoeira Três Barras
* Cachoeira do Poção

Parque Estadual da Boa Esperança: http://www.ief.mg.gov.br/noticias/280?task=view

Relato sobre o PE da Boa Esperança: http://diariodeumcasalmochileiro.blogspot.com.br/2012/12/parque-estadual-da-serra-de-boa.html

Intééé
#858314 por Chico Bento
10 Jul 2013, 20:43
Ola, queria questionar se os turistas que visitaram a Região de Guapé, Ilicínea, Carmo do Rio Claro, são Ecoturistas?Se eles conhecem ou se interessam por bio-sistema e também se eles viajam em busca de conhecer uma nova cultura respeitando e conhecendo os costumes e o folclore do local ou se eles viajam só em busca de encontrar um caminho mais curto e asfaltado onde possam pechinchar por um pão de queijo ou mesmo uma menor tarifa de hotel?. Mochileiros que se prezam conhecem ecologia, respeitam a cultura a fauna e flora local e não ficam pechinchando diárias em hotel quando podem ter as estrelas como teto.Guapé, Ilicínea e Carmo do Rio Claro não é só cachoeira com muita ou pouca água, é muito mais que isso e vale a pena olhar para elas sem os antolhos da ignorância
#858420 por FERNANDA BRAGANÇA
11 Jul 2013, 09:33
Há algum tempos atrás, mais exatamente no mês de fevereiro, eu e meu marido, resolvemos conhecer Guapé-MG, escolhemos o Hotel Barros, confesso que devido ao baixo valor da diária ,havia um certo receio. Ao chegar ficamos agradavelmente surpreendidos, com a qualidade e o capricho do Hotel, tudo muito limpo, as roupas de camas muito brancas, camas queen, ar condicionado, frigobar, wi fi, e um café da manhã delicioso. Por 35,00 (Trinta e Cinco Reais).
Fomos tratados pela proprietária com grande carinho e respeito, nos sentimos em casa. Com área interna muito aconchegante, Não vimos e nem sentimos cheiro de gato. Ficamos maravilhados com o eco sistema, as cachoeiras, tudo perfeito. Pretendemos voltar em breve. Nós encantamos também com a simplicidade e receptividade do povo da região.
Ficamos surpresos com a postagem acima. Acho que o olhar deles não era o olhar do viajante em busca de aventuras. A forma desrespeitosa, que falaram do povo da cidade. Fica aqui o meu protesto.
Se alguém tiver dúvida, veja este vídeo, que com certeza se encantará como eu e meu marido ficamos encantados.

Ver album: Brou Aventura Guapé | Adventuremag - Esportes de Aventura |
www.adventuremag.com.br
Galeria de fotos de corridas de aventura e esportes de endurance ao ar livre, com dicas, calendário e notícias
/http://www.adventuremag.com.br/fotos/image.browser.php?view=albm_view&albumid=1373332988url]
#859105 por Chico Bento
13 Jul 2013, 10:55
Vou postar aqui um texto de Amyr klink para os Mochileiros que visitaram a região de Guapé, Ilicínea e Carmo do Rio Claro refletirem um pouco antes de postarem relatos de viagem inconsistentes e preconceituosos....

Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”.Amyr Kink
#859168 por LiCo
13 Jul 2013, 17:45
FERNANDA BRAGANÇA escreveu:Há algum tempos atrás, mais exatamente no mês de fevereiro, eu e meu marido, resolvemos conhecer Guapé-MG, escolhemos o Hotel Barros, confesso que devido ao baixo valor da diária ,havia um certo receio. Ao chegar ficamos agradavelmente surpreendidos, com a qualidade e o capricho do Hotel, tudo muito limpo, as roupas de camas muito brancas, camas queen, ar condicionado, frigobar, wi fi, e um café da manhã delicioso. Por 35,00 (Trinta e Cinco Reais).
Fomos tratados pela proprietária com grande carinho e respeito, nos sentimos em casa. Com área interna muito aconchegante, Não vimos e nem sentimos cheiro de gato. Ficamos maravilhados com o eco sistema, as cachoeiras, tudo perfeito. Pretendemos voltar em breve. Nós encantamos também com a simplicidade e receptividade do povo da região.
Ficamos surpresos com a postagem acima. Acho que o olhar deles não era o olhar do viajante em busca de aventuras. A forma desrespeitosa, que falaram do povo da cidade. Fica aqui o meu protesto.
Se alguém tiver dúvida, veja este vídeo, que com certeza se encantará como eu e meu marido ficamos encantados.

Ver album: Brou Aventura Guapé | Adventuremag - Esportes de Aventura |
http://www.adventuremag.com.br
Galeria de fotos de corridas de aventura e esportes de endurance ao ar livre, com dicas, calendário e notícias
/http://www.adventuremag.com.br/fotos/image.browser.php?view=albm_view&albumid=1373332988url]


Oi Fernanda, que bom que sua experiência foi diferente da minha. Agora quem ler essa página já tem outra opinião sobre o hotel. Quando existe diferentes opiniões sobre um produto/local/serviço, normalmente eu vou conferir para ter a minha própria experiência e opinião. Pode ser que eu dei um azar, já que era feriado prolongado de final de ano.

Só não entendi o que você quis dizer sobre "A forma desrespeitosa, que falaram do povo da cidade". Do que você está falando? Li novamente o relato 2 vezes procurando algo desrespeitoso mas meus antolhos da ignorância, segundo o Chico Bento aí em cima, não me deixaram perceber isso. Se você se refere ao diálogo com o tiozinho quando perguntamos sobre a cachoeira, você está muito enganada pois essa conversa é a que mais nos rende risada até hoje.

FERNANDA BRAGANÇA escreveu:Ficamos maravilhados com o eco sistema, as cachoeiras, tudo perfeito. Pretendemos voltar em breve. Nós encantamos também com a simplicidade e receptividade do povo da região.


Não sei onde você foi, quais cachoeiras ou quem você conheceu para ficar tão maravilhada assim. Pode ser que você está precisando viajar mais.

Intééé
#859176 por Hotel Barros. Angela
13 Jul 2013, 18:19
Como Guapeense e co-proprietária do Hotel Barros, gostaria de postar aqui algumas imagens que desmistificaria a postagem deste fake Lico, que para mim trata - se de uma matéria comprada, pelo site, devido o redator não possuir perfil de ecoturista.

É uma reportagem, pobre, inconsistente, grosseira, desrespeitosa com a nossa cultura e nosso povo, com palavrões sublimados, ignorante e mau humorada.

O redator não se interessou por nosso eco sistema, não tirou uma só foto de nossa cidade, não se interessou por nossa culinária, (passou comendo pizza), confundiu pão de queijo mineiro com pão de queijo paulista, reclamou da distancia, da estrada de terra, do barco, do pedágio do barco. Perdeu a oportunidade de conhecer os canyons do lago e ai vai.

E haja ignorância, nem sabia da influencia da seca sobre o lago de Furnas, fato estava sendo divulgado amplamente em toda mídia brasileira.

Em sua ignorância e desrespeito classificou o hotel pejorativamente como pousadinha, com certeza esperavam encontrar um hotel com grandes salões de jogos shows e conferências, por 30,00 (trinta Reais) minguados e chorados.

Os serviços do Hotel estão muito alem destes 30,00, é pequeno sim, porém aconchegante e charmoso.
Tudo dentro do maior capricho e cuidado. De primeira qualidade, Desde a roupa de cama de algodão branco 250 fios, camas box ao café da manhã. Composto de mel, geleias, chocolate, suco, quitandas caseiras frescas, pão de queijo (mineiro sim) fresco, pão francês diferenciado com queijo em cima, nosso café da manhã tem aproximadamente de 15 a vinte itens.

Fiquei intrigada com a historia do gato, porque o hotel não tem gato. Simplesmente, porque somos apaixonados com os passarinhos, gostamos de acordar e ouvir o canto dos pássaros nas jabuticabeiras. (Vai ver que confundiram gato com alguns micos que aparecem de vez em quando)

Nossa área interna é lavada todos os dias, religiosamente e não exala qualquer odor.

Não deu pra entender também, o que o redator entende como acolhimento mineiro. Meus hospedes,recebem tratamento personalizados e faço questão de acolhe-los pessoalmente, com carinho,respeito .

Sugiro que o site seja mais criterioso ao comprar matérias destes falsos ecoturistas .
Isto poderá gerar problemas sérios. Eu mesma pensei em tomar providências a respeito.

Como não conssegui postar as fotos.
Visitem ó site do hotel: hotelbarrosguape.no.comunidades.net
visitem a pagina do Hotel Barros no face boock.
Lá existem inúmeras fotos recentes que falam por si só.
Visitem também o site do município.
#859196 por Hotel Barros. Angela
13 Jul 2013, 19:13
Agradeço a Fernanda a postagem e desejo sugerir ao fake Lico, Para ver o album brou aventura Guapé/adventuremag-esportes de aventura 44591. É um trecho de um evento internacional denominado salvo melhor juízo, circuito radical, foram 110 km de provas, realizados aqui em Guapé, no ultimo fim de semana mais precisamente do dia 20 até o dia 21. Os competidores, verdadeiros turistas de aventura; Como Fernanda, também ficaram maravilhados, com as belezas de Guapé , Veja As fotos elas dizem tudo. Isto é se puder, pois concordo com o Chico Bento, talvez para os antolhos não digam nada.
É que Narciso acha feio o que não é espelho.
#859597 por Laura Simões
15 Jul 2013, 09:26
Ola aqui é o Hotel Barros - Angela/ Precisei usar os dados de Laura Simões, cujo texto está sendo postado, com a abertura do Hotel Barros. Em resposta as insinuações do fake Lico de que talvez Fernanda Bragança, precise viajar mais.

Esqueci de dizer ao fake Lico, que quanto a Fernanda, conheço pouco, não sei informar se viaja muito, acredito pelo que me lembro que viaja regularmente sim. Porém gostaria de informar que o hotel é também administrado por meu irmão Junior, que é uma pessoa, muito culta, perfeccionista,extremo bom gosto, conhece todos os pontos turísticos do Brasil, toda a Europa, toda a America Latina e parte da America Central, é arquiteto e urbanista da prefeitura de São Paulo. O que lhe da uma visão diferenciada e abrangente sobre o universo que habitamos. Acha que em Guapé nosso eco sistema é privilegiado e rico, em todos os sentidos, Tenta trazer para o nosso hotel, suas experiencias, no sentido de transformar nosso hotel num lugar, agradável, confortável e aconchegante. Recebo também assessoria de Laura Simões, que também é uma pessoa culta, com vasto conhecimentos, é conhecida pelo requinte e bom gosto, trabalhou como decoradora de ambientes em São Paulo, também com visão diferenciada e abrangente em todas as áreas, conhece os pontos turísticos do Brasil, viajou para Itália, Suíça, Estados Unidos, Argentina, Portugal e Paraguai. Conhece o município de Guapé de ponta a ponta, pois foi secretaria de turismo de Guapé. Também considera Guapé, um lugar lindo,privilegiado e abençoado.

COLO AQUI O TEXTO DE LAURA SIMÕES, POSTADO NO FACE BOOCK, PAGINA OBSERVATÓRIO DA POLITICA GUAPEENSE.

Laura Simoes: Eu conheço bem as cachoeira Garimpo e a do Inferno/buracão, inclusive a pontinha citada no post que dá acesso às cachoeiras acima da cachoeira do Buracão, fui eu quem projetei na gestão do Silvio, prefeito de Ilicínea (Será que é a mesma?). Realmente é bárbara e ela está na divisa dos dois municípios, motivo pelo qual ambas as cidades se dizem donas da cachoeira e a do Garimpo é maravilhosa, talvez a mais bonita de todas. O Fato de ninguém saber muito sobre elas é que são muito distantes, a do Buracão fica mais próxima de Ilicínea e no caso do Garimpo é de difícil acesso. Fui lá de 4X4, mas não acho que isto seja necessariamente um problema já que em muitos lugares, em parques importantes, o acesso às cachoeiras se dá por trilhas de 3 ou 4 horas de caminhada e a simplicidade da informação do morador, deveria ser olhada com olhos simpáticos de visitante, respeitando a cultura local. A Cachoeira do Dr. Pedro, no caso meu irmão, está fechada, assim como o Macuco, são propriedades particulares e seus donos decidem sobre serem ou não visitadas.. Paredão é o que é. Devo dizer que melhorou muito na gestão do Tião, foi muito pior, o que não significa dizer que não pode melhorar. O nosso jovem turista,(será jovem?) poderia ter se hospedado na Pousada do Lago, a Bella Minas, mas a escolha do Hotel Barros, parece que inicialmente, foi feita pelo preço, e ele, pra falar a verdade, deveria ter se surpreendido, porque é um hotel onde o preço é bem inferior ao serviços oferecidos . Os instrutores do SENAR, todos se hospedam lá. E os elogios vão desde os lençóis ao café da manhã, este principalmente. Mas todos são unânimes em se referir ao carinho e hospitalidade de Angela Maria Castro Barros. Críticas são bem vindas, mas há que ser isentas de qualquer tendência.
#859631 por Cristiano Sabino Goulart
15 Jul 2013, 10:46
Sou de Belo Horizonte e adoro Guapé. Uma vez por ano vou para lá, e posso dizer que volto com a alma lavada. Ainda não me hospedei no Hotel Barros, da próxima vez vou conhece-lo, até já visitei o site e sua pagina no face, achei legal.
Uma coisa que não deixo de fazer quando vou a Guapé é comer a pizza da Zilá, que deliciaaaaaaaaaaa, Tudo muito limpo, ótimo atendimento. Concordo que existe uma grande frequência. Acho que se deve ao fato da pizza ser mesmo muito boa.
Deixo aqui o meu protesto as criticas contra à pizzaria e a cidade.
Bora lá gente conhecer.
#1041958 por CAIQUE OLIVIER
07 Jan 2015, 18:39
HOTEL BARROS
Diárias R$90,00 (café da manhã)
(35) 3856.1894

Está foi a nossa escolha para hospedagem em Guapé. Fomos tratados pela proprietária (Dona Angela) com muita atenção e carinho. Definitivamente não se parece como um hotel. Parecia que estávamos passando as férias na casa de minha falecida avó, com direito inclusive a pé de jabuticaba no quintal e cachorros. O café da manhã, tipicamente mineiro, é bem variado, oferecendo: suco natural, café, leite, pão de queijo, biscoito, bolo, rosca de nata, queijo e requeijão fresquinhos e muito mais. O quarto tinha TV à cabo, ar condicionado e frigobar. Sua localização é privilegiada, bem no centro da cidade. Não vejo outra opção com melhor custo x benefício. RECOMENDO!

HOTEL BARROSFoto da internet
Comentário feito no site, www.mundooutdoor.com.br em matéria sobre turismo em Guapé visite o site e leia a matéria completa. conheçam melhor o hotel visitando a pagina no facebook hotel barros guapé. site www.hotelbarrosguape.no.comunidadesnet.

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 3 visitantes