Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Rafa_rafik

Bolívia-Peru 20 dias (Jan/2010)

Posts Recomendados

Salve povo viajante!

 

Depois de muito tempo finalmente conseguí finalizar meu relato. A idéia no início era montar um relato bem pessoal, apenas para recordação, mas como a grande fonte das minhas pesquisas de antes da viajem foi o Mochileiros. com nada mais justo do que compartilhar minha história com todos!!!!

 

Antes de começar, algumas dicas:

 

. Leve pelo menos um cartão de crédito internacional (e não se esqueça de desbloqueá-lo antes de viajar)

. ÁGUA, leve em todo lugar que for, compre de preferência com gás, mas nunca se esqueça de comprar e levar!

. Sempre feche passeios com agências nas cidades dos passeio, exemplo: se está em La Paz e quer ir a Uyuni não compre passeio em agências de La Paz, deixe para comprar em Uyuni, você economiza e não corre (tantos) riscos

. Leve Dólares, o Real não é uma moeda muito valorizada

. Pechinche, pesquise e pechinche mais um pouco, não existe nada tabelado na Bolívia,no Peru é um pouco mais difícil, mas na Bolívia quem não chora paga!!!!Então chore, no hotel, na passagem de ônibus, no almoço,nos presentes...

. Não espere conforto ou luxo, (principalmente nos ônibus), muito menos ambientes limpos e higiênicos (isso também vale pra hora de se alimentar)

. E o mais importante, essa dica não é minha lí em um relato aquí no site mas concerteza é a mais importante de todas: CONVERSE!!! com outros mochileiros, com o pessoal local, com funcionários de hotéis, rodoviárias.... Você vai conhecer lugares incríveis, mas o que realmente vai ficar são as pessoas!!não fala espanhol??? eu também não!!! mas pra tudo dá se um jeito!! o mais importante é conhecer e se comunicar!!

 

Vou deixar meu e-mail caso alguém tenha alguma dúvida, se eu puder ajudar ficarei muito feliz!

 

e-mail: [email protected]

MSN: [email protected]

 

Abraços,

 

Rafa

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O Roteiro original está abaixo, no começo não iria para Cochabamba, poré o trajeto Sta Cruz - La Paz é meio caro, já Sta Cruz - Cochabamba - La Paz ficou bem mais em conta. Também não tinha previsto Uyuni, mas acabei descobrindo que dava pra ir e voltar de La Paz.

 

CAMPINAS - CAMPO GRANDE

CAMPO GRANDE - CORUMBÁ

CORUMBÁ - PORTO QUIJARRO

PORTO QUIJARRO - SANTA CRUZ

SANTA CRUZ - COCHABAMBA

COCHABAMBA - LA PAZ

LA PAZ - COPACABANA

COPACABANA - CUSCO

CUSCO - OLLANTAYTAMBO

OLLANTAYTAMBO - AGUAS CALIENTES

AGUAS CALIENES - OLLANTAYTAMBO

OLLANTAYTAMBO - CUSCO

CUSCO - LA PAZ

LA PAZ - UYUNI

UYUNI - LA PAZ

LA PAZ - SÃO PAULO

SÃO PAULO - CAMPINAS

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 1 – 21/12/2009

 

O Gusão (meu amigo “Gustavo”) me levou até a rodoviária de Campinas. O ônibus da Viação Andorinha estava marcado para as 19:30 hrs. As 19:15 apareceu um ônibus da Viação Putinga. Viagem tranqüila, ônibus confortável, passa por várias cidades da região (Americana, Piracicaba, Presidente Prudente) e algumas cidades do Mato Grosso (não lembro os nomes).

 

Dia 2 – 22/12/2009

 

Cheguei em Campo Grande ás 11:30, mas lá ainda eram 10:30 por causa do horário de verão. Como já estava com a passagem para Corumbá comprada para 23:59 hrs decidi descansar em um Hotel próximo a rodoviária, pra não ter que andar muito a noite sozinho. Fiquei no Hotel Carandá por R$ 30,00 achei um pouco caro, mas era bem perto da Rodoviária e era bem confortável, quarto com banho quente e individual e TV a cabo

Dei uma volta em uma Avenida próxima a rodoviária, esqueci o nome, mas é onde está o Mercado municipal, o Mc’Donalds e alguns bancos. Resolvi um probleminha com meu cartão do banco, tirei um pouco de dinheiro e almocei no Mc’Donalds por R$ 9,00

Voltei para o Hotel dormi um pouco. A noite jantei por R$ 14,00 na Choperia Tanaka, que fica na mesma avenida do Mc’Donlads. Um bife gigante, arroz, feijão, salada e muita cebola!!!

Peguei minhas coisas no Hotel e fui pra rodô as 23:00. O ônibus saiu as 00:15

 

Dia 3 – 23/12/2009

 

Cheguei em Corumbá as 05:00, encontrei um boliviano que ia pra Santa Cruz com o filho e rachamos um táxi R$ 15,00 pra cada. O táxi para na fronteira, logo que descemos do carro vieram oferecer táxi para a estação por 30 bolivianos. O boliviano que rachou o táxi comigo achou muito caro e saiu xingando o motorista. Como eram 5:20 a fronteira ainda estava fechada, atravessamos a pé uns 150 metros e encontramos um táxi para a estação por 10 bolivianos!!! Chegamos na estação por volta das 5:30 e ao descer do táxi um cambista chamado Antônio se apresentou com uma crachá (provavelmente falso). Me disse que não havia mais passagens para a classe Ferrobus, que é a classe onde todos os vagões tem ar condicionado. Isso era verdade pois o boliviano que rachou táxi comigo me disse que tinha comprado a passagem dois dias antes e já não havia mais para a classe Pullman. Como a estação e a fronteira só abriam as 8:30 fiquei sentado na frente da estação esperando a hora passar. Por volta das 6:30 chegou uma senhora que o Antônio me apresentou como sendo cambista, troquei U$ 100,00 pois a cotação não estava ruim ( U$ 1,00 para 6,90 bolivianos). Por volta das 7:00 a fila começou a aumentar, chegaram 2 cariocas, o Luis e o Tiago do Rio. Ficamos conversando e as 7:30 o Antônio apareceu dizendo que não tinha mais passagem nenhuma com saída no mesmo dia. Fomos com ele até a estação de Porto Suarez, no caminho uma paradinha básica na casa do taxista para abastecer o carro com uma garrafa de Coca Cola cheia de gasolina! Chegamos em Porto Suares e esperamos abrir o guichê. Fomos os terceiros da fila, e ao pedir as 3 passagens a atendente disse que só havia uma para o mesmo dia e na classe Pulman, que é inferior a Ferrobus e nem todos os trens tem ar condicionado. Dissemos que estávamos juntos e precisávamos de 3, após alguns telefonemas ela conseguiu mais duas passagens. Voltamos para Porto Quijarro, mas antes paramos na fronteira para carimbarmos o passaporte. Lá o funcionário da imigração pediu R$ 10,00 para cada um para poder carimbar o passaporte!!!!! Ficamos um olhando para a cara do outro e ele pedindo o dinheiro! Não havia outra opção e tivemos que desembolsar a grana. Na hora ficamos muito putos, mas depois conheci um americano que teve que pagar U$ 135,00 para atravessar a fronteira Peru/Bolívia!!!!!!!! (Pelo menos comigo foram só R$ 10,00 rsrs)

Voltamos para a estação de Porto Quijarro, cada um pagou 45 bolivianos para o Antônio, entre serviços de táxi e “consultoria” rs, mas valeu a pena, ele foi muito gente boa com a gente e nos ajudou bastante (porquê realmente não haviam mais passagens na estação de Quijarro)

Compramos uma Coca Cola e alguns salgadinhos para almoçar pois não encontramos nenhum lugar razoável para comer.

O tem partiu as 13:00 hrs, na estação ainda conheci 3 mineiros muito doidos que foram de São Paulo a Corumbá de carona!

 

Dia 4 – 24/12/2009

 

A viagem de trem foi tranqüila, com exceção do calor infernal!!! O trem anda bem devagar e faz várias paradas, em algumas sobem várias crianças e mulheres vendendo todo tipo de comida, de P.F’s a espetinhos de frango, não tive coragem de comprar nada para comer, só alguns refrigerantes. O trem faz uma parada no meio da noite, em um lugar cheio de gente vendendo comida, comprei alguns pasteizinhos de queijo (que estavam muito bons!!)

Como fui em um vagão separado dos cariocas acabei conhecendo a Joselidia (acho que é assim que escreve!rs) que estava com a sua família de Sta Cruz que estava voltando para casa) ela e as irmãs riram mto do meu “espanhol” mas foi legal pra ir se acostumando a ouvir!

Chegamos em Sta. Cruz as 11:00 da manhã e fomos direto comprar passagem para Cochabamba, eu os 2 cariocas e os 3 mineiros, a princípio os cariocas iriam para Sucre e Potossí, mas depois mudaram de idéia e decidiram ir para La Paz. Nesse momento demos nossa primeira “mancada”, acabamos comprando passagem com a primeira agência que encontramos, sem pesquisar em nenhuma outra!! (coisa de mochileiro de primeira viagem!rs). Ficamos na rodô até as 19:00 esperando a saída do bus, aproveitei para tomar um banho, usar a net e telefone, também almoçamos por lá, em cima da rodoviária tem alguns restaurantes, paguei 14 bolivianos por uma prato de arroz, batata e bisteca

A tal agência é a Trans Urub, e foi com certeza a pior escolha que poderíamos ter feito, a começar pelo preço, pagamos 60 bolivianos cada onde o correto seriam 30 bolivianos por cabeça, depois as condições do ônibus eram horríveis, pneus carecas, sem banheiro, “poltronas” quase nada reclináveis, um espaço minúsculo para as pernas, chovia mais dentro do ônibus do que fora, e pra ajudar tinha uma TV de 14” e estava passando um filme do Bruce Lee com uma caixa de som que ficava bem em cima da minha cabeça com um barulho ensurdecedor!!! Graças a Deus o ônibus era tão ruim que deu pau no DVD e tiveram que desligar a TV, foi uma noite de Natal inesquecível!!!rs

 

Dia 5 – 25/12/2009

 

O ônibus chegou em Cochabamba as 7:30, e desta vez fizemos o certo e consultamos várias agências até fechar a passagem para La Paz com a El Dorado por 35 bolivianos para cada. O ônibus era muito bom, cama, confortável (mas depois da Urub qualquer coisa seria bom!!rs).

Chegamos em La Paz às 16:00 de lá os mineiros seguiram para Cusco e fiquei com os cariocas. Pegamos um táxi até a Calle Illampu, onde tem vários hotéis e é próxima a Calle Sagarnaga (onde tem várias agências de turismo) e a Calle das Bruxas. Pesquisamos o preço em alguns hotéis e acabamos ficando no Hostal Gloria em um quarto triplo com banho privado e quente por 40 bolivianos o quarto por dia. O hostal é bem simples, mas tem camas confortáveis e o banho é quente 24 horas, ótimo custo-benefício.

Saímos para jantar e comemos no El Lobo, 1 pizza grande e uma Coca Cola 2 litros, à 20 bolivianos por pessoa.

As ruas estavam mio vazias pois era dia 25/12 e haviam muitos lugares fechados. Decidimos ir embora e dormir.

 

Dia 6 – 26/12/2009

 

Acordamos as 10:30 da manhã e andamos pelas ruas próximas ao hostal, procurando por agências de viagens e lojas de roupas de frio, pois estava precisando de uma blusa e uma calça para subir ao Chacaltaya. Encontramos um lugar muito bom para comprar roupa em uma rua que cruza com a Illampu, acabei me esquecendo de marcar o nome da rua, mas é tipo um camelódromo com várias banquinhas, preço muito bom pois não é um lugar com muitos turistas!!!!

Na calle Sagarnaga fechamos pacote para Chacaltaya e Tiwanaku com a empresa Huayana Potossi, os preços acertados foram: Chacaltaya: 45 bolivianos por pessoa pelo transporte e guia + 15 da entrada no Chacaltaya e + 15 da entrada no Vale de La Luna, e Tiwanaku: 45 bolivianos por pessoa + 80 da entrada.

Queríamos fazer Tiwanaku primeiro e no outro dia Chacaltaya para se aclimatar melhor, mas tivemos que fazer Chaca e depois Tiwanaku.

Almoçamos no Hotel Majestic por míseros 10 bolivianos para cada, não foi um almoço ruim, valia os 10 bolivianos mesmo!rs

Continuamos andando pelas ruas de La Paz e voltamos ao hostal. Saímos para jantar no El Lobo de novo, comi uma lasanha muito boa por 28 bolivianos. Depois fomos ao Hard Rock Bolívia, um barzinho que fica embaixo do El Lobo, muito bom, com muitos turistas mas também com bastante bolivianos.

 

Dia 7 – 27/12/2009

 

As 8:00 hrs o guia passou na porta do nosso Hostal, como combinado, e nos levou até o Hostel Maya, de lá saíram várias vans. Haviam muitos brasileiros, e conhecemos a Sheila, a Mariana e o Jota (depois passaríamos o réveillon em Cusco juntos).

A van nos leva até bem próximo ao pico da montanha onde há uma base. O guia nos mostra umas fotos do Chacaltaya de alguns anos atrás e de hoje para nos mostrar como o aquecimento global está acabando com o “gelo eterno”!! de lá anda-se cerca de 100 metros, e com certeza são os 100 metros mais longos que já andei na vida!!! Levei cerca de 30 minutos (isso pq fui um dos mais rápidos) é uma subida muito cansativa, e ainda ajudei um brasuca que não estava conseguindo carregar nem a própria mochila. Mas vale muito a pena, o visual lá de cima é impressionante!!

Depois fomos ao Vale de La Luna, uma formação de argila na Zona Sul de La Paz (onde vivem os ricos), um lugar muito bonito, mas estava todo mundo exausto para a “caminhadinha” de 45 minutos dentro do parque!!

Depois do Vale de La Luna a vã nos leva de volta a Calle Illampu, descemos bem perto do Hostal, fomos jantar no El Lobo. Deixei algumas roupas para lavar na recepção do Hostal a 6 bolivianos o quilo. Como estávamos exaustos fomos dormir bem cedo.

No caminho alguns brasileiros nos contaram uma história de duas brasileiras que foram assaltadas dentro de um taxi por um “policial” em La Paz elas acabaram perdendo a câmera digital e U$$ 200,00

 

Dia 8 – 28/12/2009

 

As 8:30 um ônibus turístico passou na porta do Hostal para nos levar a Tiwanaku. Lá visitamos 2 museus e o sítio arqueológico, que ainda está sendo escavado, mas da pra ter uma boa idéia de como eram as construções, inclusive um pirâmide e um monólito de pedra de 8 metros de altura!!!

Almoçamos em um restaurante próximo a sítio, carne de lhama e uma sopa de Quinua muito boa. A carne é boa, não vi muita diferença com a carne bovina, só tem um sabor um pouco mais leve.

Chegamos em La paz as 15:30 e descemos perto da rodoviária para comprar as passagens para Copacabana. Fechamos com a Nuevo Continente por 25 bolivianos por cabeça para as 7 da manhã do dia seguinte.

Fomos andando até o hostal, aproveitei para fazer um CD com minhas fotos (eaquecí de levar o pen drive)

Como íamos sair bem cedinho no dia seguinte deixamos o quarto pago,e aqui cometemos mais um erro de mochileiro de primeira viagem: não pedimos recibo do pargamento!!

Comprei algumas frutas e salgadinhos e jantei isso mesmo, arrumamos as malas e fomos dormir

 

Dia 9 29/12/2009

 

Acordamos as 5 da manhã, as 6 estávamos na recepção do Hostal devolvendo as chaves e aí começou a confusão, como não tínhamos recibo o recepcionista não queria nos deixar ir embora. Depois de muita conversa e algum estresse ele abriu a gaveta e encontrou o dinheiro que havíamos dado na noite anterior, sei que erramos em não pedir recibo, mas o cara foi meio mal educado com agente!

Pegamos um táxi até a rodoviária e de lá pegamos o ônibus turístico que saiu as 07:20 com muitos argentinos. Chegamos em Copa as 10:45, assim que descemos encontramos uns brasileiros que havíamos conhecido no “trem da morte”, deixamos as coisas no hostal que eles estavam hospedados e fomos conhecer a cidade. Copacabana é muito pequena mas é uma cidade muito aconchegante, tem um clima de litoral, é bem legal. Almoçamos a famosa truta do lago Titicaca. Muito boa mesmo, (truta+arroz+batata = 15 bols). Depois de uma pesquisa rápida fechamos passei para a ilha do Sol por 13 bols com a Vivian’s Tour. O barco saiu as 13:40, chegando na ilha as 15:00

 

Dia 10 – 30/12/2009

 

Chegamos em Cusco as 4:00 hrs, depois de ter dormido muito bem a viagem inteira. Ficamos na rodoviária até as 5:15, pois havíamos combinado com o Jota, a Mari e a Sheila de nos encontrarmos. Como eles já conheciam Cusco fomos até o Hostel que eles haviam se hospedado, mas já não havia mais vagas. Nos dividimos para procurar Hotel, depois de muita procura e pechincha acabamos ficando no Corikancha, não fica muito longe da Plaza de Armas, que é onde tudo acontece, conseguimos 2 quartos triplos com banho privado e café da manhã por 80 soles cada quarto. Um bom preço, já que o Hotel é bem confortável.

Guardei minhas coisas no quarto e as 8:00 fui para a Plaza de Armas com o Jota, a Sheila e a Mari. De lá saem muitas vãs e táxis para passeios. Em Cusco existe um boleto turístico, que te dá acesso a várias atrações da cidade, custa 140 soles normal ou 70 soles para estudante (muitos dizem que é preciso ter carteirinha internacional para conseguir pagar meia, eu consegui comprar com minha carteirinha da faculdade daqui mesmo)

De lá pegamos um micro-ônibus com guia para Morays e Salinas por 30 soles, a entrada no Salinas custa 5 soles e não esta no boleto.

Morays é um lugar muito louco, era uma espécie de laboratório agrícola do tempo pré inca, parece muito com os desenhos do filme Sinais!!rsrs Comprei meu boleto turístico lá, pagando 70 soles com minha carteirinha da faculdade

Chegamos de volta as 15:30, o ônibus nos deixou na Plaza de Armas. Almoçamos no Bembo’s, que é tipo um Mc’Donalds, mas bem mais barato que o Mc’Dinalds de Cusco. Fui a uma Lan house e comprei minha passagem ida e volta para o trem Ollantaytambo/Águas Calientes (62 dólares no http://www.perurail.com) . Compensa muito comprar essa passagem antecipado, sei que muita gente aqui é contra reserva e eu também sou, mas neste caso é uma questão de segurança mesmo, além de garantir a passagem ainda se economiza algumas doletas, já que no site a compra é feita no cartão de créito. Também comprei passeio para o City Tour (que tem todas as suas atrações incluídas no boleto) por 20 soles com a Plaza Tours, que fica numa galeria em uma rua lateral da Plaza de Armas. Passamos em um mercadinho e comprei bolachas e água por 11 soles.

A noite fomos a alguns bares ao redor da praça, só entramos onde não precisava pagar entrada, conhecemos o Roots, Mythology e o Marshmelow, pra economizar compramos bebida numa lojinha de bebidas muito sem vergonha, vimos um cara da loja batizando uma garrafa de vinho com uma outra bebida esquisita!! Mas como não tínhamos muito dinheiro acabamos comprando lá mesmo!rs Não fomos ao famoso Mama África porque estavam cobrando para entrar.

 

Dia 11 – 31/12/2009

 

Acordei as 9:30 e tomei café no hotel, tudo muito simples mas gostoso, pão tipi sírio, manteiga, geléia e suco. Voltei par o quarto e cochilei até as 13:00, os cariocas saíram cedo para fazer o Vale Sagrado.

Fui até a Plaza Tours e de lá uma funcionária da agência me levou até o bus do City tour, que saiu com um pequeno atrase de 1 hora e 15 minutinhos!rs

O bus sai da praça, vai para Saqsayuman, depois vai para Qenko, Tambomachay, Pukapukara, Coriqancha.

Cheguei em Cusco as 18:30, fomos ao mercado comprar umas bebidas pra passar o réveillon na praça, 1 garrafa de Pisco, 1 champangne , 2 Dell Vale, 7 soles para cada um (uma pechincha!!rs)

Como era noite de réveillon acabamos jantando em um restaurante muito bom perto da Praça e ficamos por lá para passar a virada

O réveillon de Cusco é muito internacional, tem gente do mundo inteiro e também muitas pessoas de Lima. É muito louco, a meia noite a galera começa a correr em volta da praça, é tipo uma tradição deles. A queima de fogos é um show a parte, não é a prefeitura quem organiza são os próprios turistas que levam os fogos e soltam (literalmente) no meio da praça, meio perigoso mas muito divertido.

O único ponto negativo da noite ficou por conta dos dois furtos que aconteceram, roubaram a carteira do Jota e do Thiago, depois descobrimos que muita gente teve seus pertences surrupiados na noite do réveillon. E pra piorar o Jota estava com todos os seus e cartões na carteira, o Thiago perdeu seu único documento o R.G. No outro dia foram até a polícia do Turista e lá o Thiago foi informado que teria que ir a Lima na embaixada brasileira para emitir um passaporte de emergência, por sorte eles já iam para lá de qualquer jeito. O Jota passou o dia todo correndo atrás de cancelamento de cartões.

 

Dia 12 – 01/01/2010

 

Acordei 12:30, almoçamos no Bembo’s por 15 soles. Procurei a Plaza Tours para comprar o passeio pelo Vale Sagrado (que tem todas as atrações incluídas no boleto) mas a agência estava fechada, fechei então com a Mystic Lands e combinei com eles que iria descer em Ollantaytambo, de lá seguiria para Águas Calientes (Machu Pichu).

O Jota, o Thiago e o Luís foram na delegacia do turista, e eu fiquei andando em Cusco com as meninas, compramos alguns presentes, depois fui até a rodoviária para comprar passagem para La Paz para o dia 04/01, mas acabei não comprando por causa do horário.

Voltei para o Hotel arrumei minhas coisas e deixamos o Hotel pago, desta vez pedimos recibo!!

Me despedi do Jota, da Sheila e da Mari, pois eles tinha vôo de volta para o Brasil no dia 02 bem cedinho

 

Dia 13 – 02/01/2010

 

Acordei as 7:30, tomei café no hotel e fui para a praça, os cariocas fecharam com uma agência todo o percurso até Machu Pichu, não ví muita vantagem, pois teriam que pagar 50 dólares a mais do que eu e passariam um dia inteiro na estrada.

Fiquei esperando na praça e ninguém apareceu para me buscar, conversei com uma das mulheres que ficam vendendo passeios ali na praça e ela quebrou um galhão meu ligando lá na agência. Pouco tempo depois o cara da agência chegou e conseguiu um bus pra mim, mas percebi que ele tinha se esquecido de mim.

O bus saiu as 9:30, o guia era muito ruim, tinha muita pressa e pouca informação. De Cusco fomos para Pisac, almoçamos por 25 soles em Urubamba e de lá fomos para Ollanta. Peguei meu mochilão e desci até a estação de trem, alguns argentinos que estavam no mesmo bus que eu estavam sem passagem para o trem, e pelo que entendi só conseguiram comprar passagens para o dia seguinte.

Fiquei esperando o trem até as 18:30, embarquei e troquei de lugar umas 3 vezes para que alguns casais conseguissem viajar juntos!

O tem chegou em Águas Calientes as 21:30 e pra ajudar a cidade inteira estava sem energia, um breu total!!!! Nessa hora só pensei uma coisa “FUDEU!!!!!”, sozinho, sem nada reservado, sem ninguém me esperando, sem luz, sem enxergar nada, sem conhecer a cidade!!! Muito louco!!!rs

Depois que a multidão se dispersou sobraram algumas pessoas oferecendo hotel a preços absurdos (40 dolares!!!!, 80 soles!!!) Negociei e consegui uma vaga no hotel El Inca por 30 soles. Pelas circunstâncias saiu barato, mas o hotel valia uns 15 soles!! Meu quarto não tinha janela, (só o buraco da janela!!rs), muito desorganizado e ainda tive que pagar adiantado. Com a ajuda da minha lanterninha guerreira tomei um banho geladíssimo, arrumei minhas coisas para subir á Machu Pichu. Meu plano inicial era chegar em Águas Calientes e já comprar a entrada em M.P e o bus de subida e descida, mas com a escuridão que estava achei melhor não sair do hotel.

 

Dia 14 – 03/01/2010

 

Acordei as 4:45 da manhã e desci as 5:10,que quiser subir até Wayna Pichu precisa acordar um pouco mais cedo, ou já estar com a entrada e o bus comprados. Estava caindo uma chuva fininha mas bem chata, não havia ninguém na “recepção” do hotel, só algumas mochilas e chaves,deixei meu mochilão junto com as outras e parti.

Depois de pegar a fila para comprar entrada para M.P decobri que só aceitavam Soles, saí da fila, procurei algum lugar aberto e encontrei uma mercearia, em frente o local de onde saem os ônibus, onde troquei alguns dólares. Voltei para comprar a entrada para M.P, depois as passagens do bus. Paguei 62 soles na entrada (usando novamente a minha carteira da faculdade que não é a internacional), inteira custa 124 soles, o bus custa 7,00 dólares ida e 7,00 a volta, total 14 dólares.

Peguei o bus as 6:35, chegamos lá em cima as 7:00. Para entrar no parque pediram para ver minha carteirinha, sem problemas.

Encontrei os cariocas, estavam lá em cima e ainda não tinham encontrado o guia da agência que eles contrataram. Assim que entrei no parque peguei a “trilha” da esquerda, uns 15 minutos de subida e você tem a melhor vista da M.P, e é de encher os olhos, bem na hora que cheguei o tempo estava abrindo, é uma sensação indescritível!!!!!!

Parei ali e fiquei admirando a vista por uma meia hora e tirei algumas fotos.

Peguei a trilha para a montanha Inkitupi, cerca de 45 minutos de caminhada, de lá se tem um visual incrível da cidade, se vê M.P encravada na montanha, muito louco!!!

Voltei e tive que comprar água pois a minha já tinha acabado. Retornei até a entrada do parque, lá tem um restaurante caríssimo, paguei 12 soles por 800 ml de água!!! Enchi minhas garrafinhas e voltei para o parque. Encontrei uma sombra muito boa me sentei ali e fiz um “almoço’ com bolachas e iogurte. Descansei um pouco e explorei a cidade toda, andei em todos os cantinhos, as vezes parava perto de algum guia e “pegava” algumas explicações. Depois de andar a cidade inteira decidi tentar subir na montanha Machu Pichu (que deu nome a cidade). Mas tenho que confessar, arreguei!!! Depois de quase uma hora de caminhada encontrei uns brasileiros descendo e me disseram que faltava muito ainda!!!, decidi parar ali tirar umas fotos (a vista que se tem é incrível!!!) e voltar, pois além do cansaço subiu um nevoeiro muito forte e já não dava pra ver mais nada. Comecei a descida e uma chuva torrencial começou a cair, me enrolei na capa de chuva e fiquei em baixo de uma árvore, como a chuva não diminuía decidi continuar. Parei de novo numa barraquinha de “posto de controle” que tem no comecinho da subida, porque a chuva por incrível que pareça aumentou!!rs

Esperei uns 10 minutos e continuei, cheguei na saída do parque, carimbei meu passaporte com o carimbo de M.P (fica em uma mesinha, bem na entrada/saída do parque). Peguei o bus de descida as 15:30, chegando em Aguas Calientes as 16:00.

Fui até o El Inca pegar minha mochila, negociei com a dona do Hotel e tomei um banho (gelado pois a cidade continuava sem energia) por 5 soles, mas depois de um dia inteiro de caminhada sol e chuva aquele foi um dos melhores banhos da minha vida!!rs

Almocei em um restaurante umas 3 casas abaixo do El Inca (Hamburguesa, papas, gaseosa por 10 soles! bem barato e gostoso)

Fui para a estação de trem as 17:30, as 18:00 voltou a energia. Fiquei esperando o trem ali conversando com alguns mochileiros.

O trem partiu as 21:30, chegando em Ollanta as 23:30. Haviam vários taxis e vans oferecendo transporte até Cusco, de dia paga-se 5 soles, mas como já era bem tarde todos cobravam 20 soles. Me juntei a 5 brasileiros e rachamos um táxi, só um probleminha, só cabiam 5 no carro, tive que ir no porta malas!!!!!mas tudo bem, não foi o pior meio de locomoção da viagem!rs

Chegamos em Cusco por volta da 1 da manhã. Fui até o Corikancha onde eu havia reservado uma vaga por 40 soles

 

Dia 15 – 04/01/2010

 

Acordei as 9:00 horas e fui tomar café da manhã. No restaurante encontrei os cariocas e descobrimos que fomos enganados pelo recepcionista do hotel que me disse que os cariocas não estavam me esperando e me fez pagar um quarto.

Arrumei minhas coisas, fiz o check out e saí as 11:00 hrs do Hotel pra conhecer alguns museus do boleto. O Museu Histórico regional estava fechado, só abre de Terça a Sábado o Museu de Arte contemporânea estava aberto, só têm quadros lá, achei legal

Fiquei um tempo na praça da frente do museu e depois fui almoçar no Bembo´s (17,90 soles), de sobremesa comí um chocolate Sublime, muito bom!!!!!!.

Fui para a rodoviária as 17:45, pagando 3 soles pelo táxi. Comprei passagem direto para La Paz com a Trans Litoral por 80 soles, com hora marcada para sair as 22:00.

Pelo preço o bus era o que esperava, mas não o que alguns brasileiros e um tiozinho esperavam, chegaram a colocar as malas em outro bus (que era igual ao da foto na agencia que vendeu a passagem) mas depois tiveram que tirar as malas e colocar no nosso bus. Pelo o que entendi e conversei com os outros brasileiros, eu paguei o correto, eles conseguiram um descontinho porque estavam em bastante gente, já o tiozinho que estava com as duas filhas pagou muito mais caro e ficou muito bravo!!!

Na rodo mo encontrei com o Thiago e o Luis do Rio, eles estavam indo pra Lima pra fazer um novo passaporte pro Thiago, me despedi dos cariocas e continuei minha trip sozinho.

 

Dia 16 – 05/01/2010

 

Chegamos na fronteira Peru/Bolívia as 8:00 da manhã, com uma fila GIGANTE para atravessar e muita desorganização. Dois brasileiros estavam sem documentos (que também foram roubados no réveillon) e atravessaram a fronteira na “ilegalidade”. Pra passar pelo posto de controle é tranqüilo, é só atravessar a ponte, porém um pouco adiante tem um posto militar de checagem onde todos são obrigados a descer dos ônibus e mostrar os papéis, os dois foram muito lisos nessa hora e conseguiram passar desapercebido, mas foi muita sorte!!.

Chegamos em La Paz as 13:10 (14:10), troquei U$$ 100,00 a 7,05 bols, aproveitei e comprei ida e volta pra Uyuni por 200 bols. Voltei a me hospedar no hostal Gloria na Illampu desta vez por 50 bols o quarto para solteiro com banho privado.

Visitei o Museu de La Coca, um lugar muito interessante que conta a história da Coca, lá também masquei algumas folhas de Coca do jeito certo (o cara do museu me ensinou!)

Jantei no La Mia Pizza (Pizza personal 15 bols, Sprite 4,0 bols, pizza muito boa) na Illampu mesmo e fui dormir cedo porque estava muito cansado.. Comprei 6 maçãs a 4,50 bols, uma senhora me deu 0,5 bols para interar porque a dona da banquinha não queria dar desconto, conversando com a Magi, recepcionista do Gloria descobrí que paguei muito caro pelas maçãs!!

 

Dia 17 – 06/01/2010

 

Acordei as 10:00 da manhã, tomei banho fechei o quarto e fiz reserva para quando voltasse de Uyuni. Também deixei meu mochilão no Gloria pagando 3 bols por dia, só levei a mochilinha pra Uyuni

Dei uma volta pelo centro de La Paz, conheci a Plaza Murillo, almocei em um Fast Food a 21 bols (um lanche gigante e uma coca de 600 ml). Decidi ir a pé para a rodoviária, fiquei lá das 15:30 as 19:00 assistindo um filme em espanhol no TV da rodo.

O bus saiu as 19:10, sentei do lado de um americano que também estava viajando sozinho, ficamos um tempo conversando e descobri que ele teve que pagar U$$ 135,00 de “propina”na fronteira Peru/Bolívia!!!!!!

 

Dia 18 – 07/01/2010

 

O bus chegou em Uyuni as 08:00, a cidade é muito pequena e assim que você desce do bus vem um monte de gente te oferecer pacotes. Fui em algumas agências e os preços variam muito, de 150 a 210 bols. Acabei fechando na Sandra Travels por 150 o passeio de um dia com almoço incluso, era mais ou menos o que eu esperava gastar em Uyuni.

Na agência Sandra Travels encontrei dois brasileiros que haviam fechado o pacote em La Paz e pagaram muito mais caro que eu, e o pior eles teriam que ir em jipes separados.Mais tarde encontrei um deles que em toda parada ficava trocando de jipe e não tinha mais encontrado seu amigo. Um conselho, sempre que for fechar pacotes feche na cidade do passeio, nunca feche em outra cidade, você paga menos tem mais segurança e um lugar pra reclamar!

O jipe em que fui colocado era o mais velho de Uyuni, e fui colocado na “gambiarra” pois já estava cheio. No jipe estavam 4 argentinos, 3 bolivianos e 1 chileno, foi muito louco, uma galera muito bacana, conversamos sobre vários assuntos, de política a mulheres e futebol!!!!!

O passei começou as 11:00, conhecemos yum cemitério de trens e almoçamos no hotel de sal. O deserto é muito louco, uma paisagem ímpar, vale muito a pena o passeio.

Voltamos para Uyuni as 18:20 e o bus estava marcado para as 19:30, estava ventando muito forte em Uyuni e voltei para a Sandra Travels para me proteger do vento e da poeira enquanto o bus não saía.

O bus saiu as 20:30 e no meio da noite o motorista parou o bus, desligou o motor e sumiu, como era um bus de ar condicionado as janelas não abriam. Depois de uns 40 minutos eu já estava com falta de ar, tinha uns argentinos muito loucos que começaram a bater nos vidros do ônibus e a gritar, eu não conseguia entender o que eles estavam falando, mas estava todo mundo bravo. O motorista a pareceu e disse que a estrada estava muito ruim e não passava nenhum ônibus. Ele abriu a porta do bus pra gente respirar e tivemos que esperar longas horas dentro do bus no meio do nada!!!só não sei qto tempo levou pq eu estava dormindo e qdo acordei o bus já estava andando.

Chegamos a La Paz as 10:30, 14 horas depois de sair de Uyuni. É estranho mas quando cheguei em La Paz era como se fosse chegar em casa, não sei explicar só sei que foi muito reconfortante voltar ao hostal Gloria.

 

 

 

 

 

 

Dia 19 – 08/01/2010

 

Peguei um taxí para o hostal por 10 bols, fiquei até as 11:30 esperando o administrador do hostal chegar com as chaves do depósito para pegar meu mochilão, fiquei conversando com a Maggi a recepcionista, ele é muito bacana, fiquei tentando explicar para ela o que eram as favelas brasileiras porque lá estava passando a novela A Favorita (do Juvenal Antena).

Tomei um ótimo banho e saí para almoçar no La mia pizza de novo. Pizza pequena + sopa (muito boa) + sprite 500 ml por 25 bls

Voltei para o hostal, dei uma cochilada, depois saí pra gastar o dinheiro que sobrou comprando “regalos”. Usei um pouco de net e fone. Comprei maçãs, manga, bolachas, água e batata frita por 19,50 bols. E voltei para o hostal para dormir

 

Dia 20 – 09/01/2010

 

Último dia em La Paz!!

Acordei 12:00, fiquei andando pela cidade, tirei algumas fotos na Plaz Murillo, comí no Mega Burger (21 bols, um lanche que se como no prato com garfo e faca, mto grande!!!). Voltei para o Hostel onde conversei com o administrador que reservou um táxi para me do Hostel ao aeroporto a noite por 50 bols.

Passei um tempão conversando com a Maggi e com uma amiga dela que estava lá na recepção. Arrumei minhas malas e desci para esperar o táxi que chegou as 21:20.

No Aeroporto de El Alto (que é onde tem os vôos internacionais da Bolívia) passei meu último susto (e que susto) depois do check – in fui informado sobre uma tacha de embarque de U$ 25,00 que não estavam inclusas na minha passagem. Existem alguns caixas eletrônicos dentro do aeroporto, mas não conseguí sacar com nenhum dos meu cartões, depois fui saber que mesmo com cartão internacional é preciso fazer um desbloqueio antes de viajar. Mas a situação era a seguinte: já passava das 23:00, eu estava em La Paz, sozinho, com R$ 20,00 e 25bols na carteira, precisando de U$ 25,00, ou 175 bols!!!!!!nessa hora eu pensei “FUDEU!!!!”

Foi nas lanchonetes do aeroporto tentar passar meus cartões mas ninguém conseguiu, já estava quase indo pedir para alguns brasileiros que eu havia visto no saguão quando uma senhora me disse para procurar a TAM. Voltei ao balcão de embarque e contei minha situação, fui apresentado ao gerente de operações Sr. HUGO MAYANA, com letras maiúsculas porque ele salvou minha vida!!rs

Tentamos mais uma vez passar os cartões mas não conseguimos, depois de várias tentativas só sobrou a última saída! Ele pagou minha taxa de embarque! Com dinheiro do bolso dele! O cara foi mto gente boa!

Mas depois desse perrengue e de duas horas e meia de atraso conseguí sair da Bolívia. E pra fechar a viagem com chave de ouro descobri que minha passagem era de 1ª classe, qdo comprei ela era a mais barata disponível!!! Aífoi só alegria, com direito a 2 “desayuno” e uma boa dose de Chivas!!!

 

Dia 21 11/01/2010

 

Cheguei em Guarulhus as 10:15. Do Aeroporto saí um ônibus que leva pra a rodoviária do Tietê por R$ 30,00.

Peguei o bus das 11:30, chegando na rodo as 12:00, consegui bus pra Campinas as 12:05, e as 13:15 a aventura acabou!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...