Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#868647 por Vgn Vagner
08 Ago 2013, 21:33
bate-volta > Pico do Lopo

Ah como foi dahora...

...estavamos programando esse rolê para 21/7 (Eu, Diego e Mari), mais adiamos o evento devido a má organização que estavamos tendo com transporte, companhias, horários e tal, e também por Diego ter-se lesionado numa atividade. Até então eram confirmados nós 3, mais como foi adiado para o fim de semana seguinte, 28/7/2013 a Mari não pode ir.
Convocados pra essa nova aventutra foram: Eu, Roberta Moraes, Tati Xavier, Diego Lopes e Léo Almeida (que nos guiou). A semana correu numa brusca queda de temperatura, a mais forte dos últmos 15 anos até então, com chuvas e as mínimas atingindo seus 4°c à 6°c, espantando quaquer esperança de subir um pico com essas previsões. Pelo menos eu pensei assim, e mesmo na incerteza de melhoras do tempo, confirmei que eu iria.
Para a alegria de todos, na véspera do evento já fazia um lindo sábado de sol com o céu limpinho. A previsão de um site mencionava nevoeiro pela manhã e tempo aberto a tarde e sem chuva (e assim foi). Apenas o frio da matina fez com que eu saisse de casa com duas calças, duas blusas, luvas e touca.
Todos no horário e local combinado, seguimos nosso rumo pra duas horas depois chegarmos em Extrema e pegarmos a estradinha de terra que leva ao início da trilha das flores. Essa estradinha, noooossa é muito íngrime e exige bastante do carro, principalmente se o mesmo for 1.0 e com cinco pessoas, imagine à pé. Há uma trilha que se inicia no pé da montanha que evita o zigue zague, porém é puxada, e deve render umas 4h de pernada até o início da trilha lá em cima.
Uns 30 miutos depois de tanto subir, subir e subir, chegamos na rampa de vôo livre (asa delta), pra fazer a primeira pausa e ter uma das mais belas vistas que se tem durante o percurso: um gigantesco tapete de nuvens à perder de vista sumindo no horizonte e dando pequenos espaços aos cumes de montanhas que emergiam do lindo branco que cobria a cidade de Joanópolis. Primeira experiência para todos os presentes.
Depois de um tempo curtindo o visual, o vento gelado que batia na rampa fez a gente sair dali logo, fomos em busca de um lugar pra deixar o carro e não demorou pra entrarmos numa pousada e questionar sobre a possibilidade de estacionar ali, nada difícil tendo a bagatela de 20 mangos. A recepção do caseiro foi um misto de simpatia, com arrogância, tentativa de extorção, sei lá.

entenda:

as meninas foram ao banheiro e deram o cordial bom dia. Ele não respondeu, só questionou:
vocês são de onde?
-zona leste de Sampa.
ele no modo automático, já soltou: EU ODEIO A ZONA LESTE.

Não se recepciona possíveis clientes assim, né? mais tudo bem, depois entre conversas ele nos convidou a conhecer os aposentos pra numa outra oportunidade pernoitarmos ali, inicialmente por R$150,00 a diária, mais vendo que não teria sucesso, logo
o preço já estava nos seus R$60,00, e como estavamos pra um bate-volta, decidimos partir pra trilha, bem próximo dali. Ele espontâneo, fechou a pousada e decidiu ir com a gente e levou a esposa. Tudo bem né, afinal não somos donos da trilha, mais a intenção era só os convidados.
Eram várias idéias estranhas que ele tinha como assunto.
• Primeiro veio com um assunto que cobrava $40 por pessoa pra fazer essa trilha, depois entrou em contradição, dizendo que nunca tinha feito essa trilha, e eu pude comprovar que isso era verdade rapidinho.
• Segundo, em vários momentos da caminhada perguntava se tinhamos assistido o filme: A TRILHA, é sobre um casal que matas alguns turista numa trilha (acho que ele estava tentando ser engraçado, mais não conseguiu).
• Terceiro: Na pedra dos cabritos, fizemos nossa merecida e demorada pausa, enquanto ele procurava a continuação da trilha nos acelerando pra seguir até o pico. O rolê sendo nosso, nós que ditamos o tempo de curtição do grupo, certo?

Melhor relatar as coisas boas...

...antes de ir pra qualquer passeio, gosto de pesquisar sobre o lugar e dessa vez não foi diferente. Extrema fica no limite sul de aminas Gerais, na divisa com São Paulo e tendo acesso pela Fernão Dias (BR-381), com seus 2 pedágios de R$ 1,40 cada e uma média de 2h da capital paulistana. O ponto mais alto do pico fica à 1780 metros de altura e com 3 meios pra chegar até lá, e nós pegamos o caminho mais fácil (trilha das flores). Em 40 min já estavamos no primeiro mirante chamado de Pico das cabras, pra fazer nova sequência de fotos em uma pausa breve, e logo seguimos para o próximo mirante, que é a Pedra das flores, com uma ampla visão que se tem pra Joanópolis. A estimativa foi de umas 3h , incluindo as paradas para fotos, descanço e tal.
A terceira e última parte da trilha, seguiu que quase tranquila, se não fosse uma parada que eu e Léo fizemos pra esperar os demais. Bem onde paramos, avistei uma espécie de tecido pendurado em meio as árvores, em média altura e fora da trilha. O léo disse: é um balão, então o curioso aqui foi dar uma olhada enquanto os outros não vinham (pra quê?). Quando fui chegando perto, ví que era uma barraca meio desarmada e com um volume dentro, e cheio de moscas (abri a barraca), dai o susto foi grande, eu gelei. Esse volume era um cobertor e tinha o tamanho e o formato exato de um corpo, e foi essa a sensação que eu tive: TER ENCONTRADO UM MORTO. Gelei, gelei e gelei muito, chamei o pessoal por que não tive coragem pra desenrolar o volume. Todos concordaram e tiveram a mesma impressão sobre a cena que tinhamos a nossa frente, mais tudo não passou de um mero equivoco. Teria sido muito complicado se isso acontecesse, e com certeza eu entraria em estado de choque. Saiba por que:

Meu pai tinha um cachorro Rotwailler que de pé ficava quase do meu tamanho. Uma única vez esse cachorro escapou de onde ficava preso durante a madrugada e corria todo o corredor, as vezes caçando rato e quando achava algum rato (noooossa), ele destroçava todo.
Numa dessas madrugas, ele subiu na laje por uma escada de concreto que tinha um portãozinho de madeira na parte superior, e quando foi descer, a corrente dele enganchou, ele caiu ficou (ninguém viu ou ouviu), penduradao e morreu enforcado. Pela manhã, fui pegar o carro na garagem pra ir trabalhar e me deparei com a cena daquele gigante brincalhão pendurado. Fiquei paralisado em estado de choque, sem saber o que pensar, várias possibilidades passaram pela cabeça e de repente eu consegui gritar: pai o Bettoven morreu, pai, pai o Bettovem morreu. E meu pai saiu pela porta já com cara de desesperado, e quando viu, o choro foi inevitável, a ligação dos dois era muito forte.
Pra mim foi horrível essa cena, agora imagine acho um ser humano morto na mata. É ruim até de pensar, seria traumatizante.

Depois de muita tensão, seguimos o itinerário sem maiores novidades até o topo do pico, onde atingimos nosso objetivo e desfrutamos nossa dadiva durante algumas horas. Tinha uma galera fazendo rapel, outro pessoal descansando e nós iniciando a curtição regada de muitas histórias, risadas e a idéia de ficarmos até o por do sol, pois fechariamos com chave extra gold esse dia perfeito que Deus deu. Foi de uma satisfação tão grande, estar ali a quase 2.000 metros de altura, comtemplando toda a serra da Mantiqueira em uma visão de 360 graus entre cidades vizinhas. De um lado represas de formas sinuosas e um grande coletivo de montanhas sumindo na horizontalidade pra encher os olhos de quem as focaliza, e do outro lado uma pequena cidadizinha (Extrema), que tem a rodivia rasgando rumo ao norte e a fábrica da grande Bauduco chamando a atenção de quem olha a oeste.
Não ficamos mais por estarmos em cinco pessoas e apenas duas lanternas as meninas ficaram com receio de voltar no escuro. Ainda mais depois que o Diego disse que não sabia quanto tempo duraria a carga da laterna, deixando "elas" ainda mais com certeza de querer sair dali ainda no claro. Afinal, as duas horas ininterruptas que gastamos na volta, seria complicada no breu da mata.
Embarcamos no carro, e as 18:30h já começamos a descida da estrada assistindo o a tonalidade laranja que o sol deixava sobre as montanhas (muito lindo), nos fazendo imaginar como seria estar vendo tudo aquilo no topo do pico. Acampar por ali deve ser divino, pegar o nascer e o por do sol.
A volta pra Sampa foi bem descontraida, e tudo que foi vivido no dia virou motivo de piada na viagem. Aguardemos as próximas.

obs.:
As vezes acontece, de eu pensar que já fiz o rolê mais dahora da minha vida devido a um monte de fatores, mais aí me surpreendo com pessoas de companhias maravilhosas, uma trilha fantástica e um dia abençoado por belezas naturais com presença divina. Passo a acreditar que o melhor rolê sempre será o próximo.
Abraços
Anexos
grilo.jpg
boa sorte
60417_481967751895303_449908860_n.jpg
reflexões!!!
SAM_2163.JPG
no pico do lopo
SAM_2145.JPG
na pedra das flores
SAM_2103.JPG
o Pico visto logo no início da trilha
SAM_2053.JPG
as vezes me sinto nas nuvens...rsrs
945765_481967345228677_1205230338_n.jpg
sobe, sobe, sobe...
SAM_2092.JPG
a trilha se inicia à esquerda dessa placa
SAM_2091.JPG
lírio
SAM_2082.JPG
hortências
SAM_2080.JPG
orquídeas
999840_481966911895387_1636351378_n.jpg
suculenta
59569_481967991895279_1176000837_n.jpg
galera firmeza!!!
999817_481966578562087_1568114938_n.jpg
na estrada...
Editado pela última vez por Vgn Vagner em 06 Mai 2014, 05:50, em um total de 2 vezes.

#870412 por danielborsato
14 Ago 2013, 17:00
Fala Vagner, ano passado fui para a Pedra das Flores, minha vontade era chegar até o Pico do Lopo, mas cheguei na Pedra das Flores já eram quase 5 horas e estava sem lanterna para voltar, então tive que parar por ali e voltar na correria, fiz numa sexta-feira estava completamente vazia a trilha. Quando eu fiz dava pra deixar o carro ali próximo da rampa de voo livre, acabei deixando exatamente aonde melhora a estrada de terra, pois foi como você disse, 1.0 é osso, e foi incrível, fiquei com medo de ficar numa pirambeira ainda pior deixei o carro no meio do caminho e segui a pé, aonde começa o zigue-zague que ja não teria mais problemas para o carro, hahahah, mas acontece, histórias assim são pra sempre.

Só uma dúvida Vagner, quanto tempo dá das Pedras das Floras até o Pico? Fiquei na vontade desde o ano passado, preciso voltar pra lá e chegar até o final.
#870469 por Cah Detogni
14 Ago 2013, 20:31
Vagner! Amei tudo que escreveu... você se preocupou em detalhar bastante..proporcionando ao leitor, uma vontade imensa de estar la com vocês.. deve ter sido fantástico mesmo! Poxa um dia , quero ter a oportunidade de ir também..será que eu aguento? acho que sim.. =)

As fotos estão lindas também!!

Outra vista muito bonita também é a da Pedra Grande em Atibaia, ja foi? Fui uma única vez, mas valeu a pena..

Abraços,

Carol.
#870541 por Vgn Vagner
14 Ago 2013, 22:43
danielborsato escreveu:Fala Vagner, ano passado fui para a Pedra das Flores, minha vontade era chegar até o Pico do Lopo, mas cheguei na Pedra das Flores já eram quase 5 horas e estava sem lanterna para voltar, então tive que parar por ali e voltar na correria, fiz numa sexta-feira estava completamente vazia a trilha. Quando eu fiz dava pra deixar o carro ali próximo da rampa de voo livre, acabei deixando exatamente aonde melhora a estrada de terra, pois foi como você disse, 1.0 é osso, e foi incrível, fiquei com medo de ficar numa pirambeira ainda pior deixei o carro no meio do caminho e segui a pé, aonde começa o zigue-zague que ja não teria mais problemas para o carro, hahahah, mas acontece, histórias assim são pra sempre.

Só uma dúvida Vagner, quanto tempo dá das Pedras das Floras até o Pico? Fiquei na vontade desde o ano passado, preciso voltar pra lá e chegar até o final.



Fala Daniel, blz irmão??
Então, da Pedra das Flores pro Pico do Lopo sem pressa, deve dar uns 30 minutos sem dificuldades. Só ter um pouco de atenção nas pedras que rodeiam o pico e curtir o lindo visu de 360º graus.
Qualquer coisa, tô por aí.
abraço
Editado pela última vez por Vgn Vagner em 30 Mai 2014, 05:40, em um total de 1 vez.
#870546 por Vgn Vagner
14 Ago 2013, 22:50
Cah Detogni escreveu:Vagner! Amei tudo que escreveu... você se preocupou em detalhar bastante..proporcionando ao leitor, uma vontade imensa de estar la com vocês.. deve ter sido fantástico mesmo! Poxa um dia , quero ter a oportunidade de ir também..será que eu aguento? acho que sim.. =)

As fotos estão lindas também!!

Outra vista muito bonita também é a da Pedra Grande em Atibaia, ja foi? Fui uma única vez, mas valeu a pena..

Abraços,

Carol.



Oi Carol, tudo bem menina? rs

Você aguenta sim, tem famílias que frequentam essa trilha justamente por ser suave (porém longa), sem dificuldades por esse caminho. Fico contente que gostou do relato!!! Obrigado

E em relação à Pedra Grande, ainda não fui mais já posso colocar como na lista...rsrs
bjos
#870875 por Renato37
15 Ago 2013, 20:44
Belo relato desse atrativo bem light para pessoas de qualquer nivel de trilha Wagner. Possibilidade de chegar ao topo tanto por trilha vindo lá debaixo, qto quem sobe de carro. Ali, de fato não é qualquer carro. Nesse dia que você subiu para o Lopo, eu estava subindo o Pico dos Marins, que coisa não? A Previsão de abertura do tempo era da Somar que acerta em cheio mais de 90% das previsões que soltam em suas noticias.

Se você se impressionou com essa fina camada de nuvens, precisava ter visto o que eu vi no alto dos 2.421 metros de altitude do Marins.

Não sei se vc viu, mas do lado das antenas, há um estacionamento gratuito onde se pode deixar o carro. Qdo eu fui, fui com minha motoca, e deixei lá no meio entre os carros......
Fui num grupo grande, mta gente, mais de 30 pessoas, muitos iniciantes. Como não tinha nada marcado e o Lopo tava pendente, eu fui passear lá. Trilha light, serviu para aquecer os musculos e acabei fazendo mais alguns novos amigos, entre eles alguns perrenguentos e mais experientes como uma garota chamada Patricia Benassi que me contou que já fez a travessia da Serra fina e Petropolis x Teresópolis, entre outras. Na volta, eu, ela e mais um amigo que subiu o Marins comigo disparamos na frente e chegamos mais de meia hora antes deles no estacionamento....ritmos diferentes, normal né hehe

4 pessoas do grupo que são iniciantes foram inventar de voltar sozinhos na frente e conseguiram o dificil....pegaram uma trilha errada e se perderam, sobrando para o Lider que organizou o evento e a trip, a largar a mochila e ir socorre-los. Eles pegaram uma trilha que desce direto até a Fernão dias....e estavam bem lá para baixo....Vou escrever isso no meu relato.....Mesmo o lider do grupo ter alertado para quem não tem experiencia em trilhas para ficar juntos.

Conometrei a trilha e descontando as paradas, levei 35 minutos para percorre-la entre o estacionamento e o cume.

Se quiser ler meu relato do Marins, aqui vai:

pico-dos-marins-2-421m-de-altitude-t85655.html

Abraços!
#870953 por Vgn Vagner
16 Ago 2013, 07:22
Renato37 escreveu:Belo relato desse atrativo bem light para pessoas de qualquer nivel de trilha Wagner. Possibilidade de chegar ao topo tanto por trilha vindo lá debaixo, qto quem sobe de carro. Ali, de fato não é qualquer carro. Nesse dia que você subiu para o Lopo, eu estava subindo o Pico dos Marins, que coisa não? A Previsão de abertura do tempo era da Somar que acerta em cheio mais de 90% das previsões que soltam em suas noticias.

Se você se impressionou com essa fina camada de nuvens, precisava ter visto o que eu vi no alto dos 2.421 metros de altitude do Marins.

Não sei se vc viu, mas do lado das antenas, há um estacionamento gratuito onde se pode deixar o carro. Qdo eu fui, fui com minha motoca, e deixei lá no meio entre os carros......
Fui num grupo grande, mta gente, mais de 30 pessoas, muitos iniciantes. Como não tinha nada marcado e o Lopo tava pendente, eu fui passear lá. Trilha light, serviu para aquecer os musculos e acabei fazendo mais alguns novos amigos, entre eles alguns perrenguentos e mais experientes como uma garota chamada Patricia Benassi que me contou que já fez a travessia da Serra fina e Petropolis x Teresópolis, entre outras. Na volta, eu, ela e mais um amigo que subiu o Marins comigo disparamos na frente e chegamos mais de meia hora antes deles no estacionamento....ritmos diferentes, normal né hehe

4 pessoas do grupo que são iniciantes foram inventar de voltar sozinhos na frente e conseguiram o dificil....pegaram uma trilha errada e se perderam, sobrando para o Lider que organizou o evento e a trip, a largar a mochila e ir socorre-los. Eles pegaram uma trilha que desce direto até a Fernão dias....e estavam bem lá para baixo....Vou escrever isso no meu relato.....Mesmo o lider do grupo ter alertado para quem não tem experiencia em trilhas para ficar juntos.

Conometrei a trilha e descontando as paradas, levei 35 minutos para percorre-la entre o estacionamento e o cume.

Se quiser ler meu relato do Marins, aqui vai:

pico-dos-marins-2-421m-de-altitude-t85655.html

Abraços!



Valew Renato!!

Eu nãi vi esse estacionamento das torres, só o da rampa de vôo e na entrada da trilha. Mais vale a dica, pq quem sabe eu não volte lá pra acampar!!?
E o Marins eu posso logo logo coloca-lo na lista aproveitando esse inverno de tempo limpo, pq subi-lo no verão escaldante é complicado...rsrs
obs.: nesses rolezinhos a gente sempre conhece una galerinha firmeza e que as idéias batem, né!!?
abraço Renato
#872110 por Renato37
20 Ago 2013, 02:11
Vagner (Mesin) escreveu:
Renato37 escreveu:Belo relato desse atrativo bem light para pessoas de qualquer nivel de trilha Wagner. Possibilidade de chegar ao topo tanto por trilha vindo lá debaixo, qto quem sobe de carro. Ali, de fato não é qualquer carro. Nesse dia que você subiu para o Lopo, eu estava subindo o Pico dos Marins, que coisa não? A Previsão de abertura do tempo era da Somar que acerta em cheio mais de 90% das previsões que soltam em suas noticias.

Se você se impressionou com essa fina camada de nuvens, precisava ter visto o que eu vi no alto dos 2.421 metros de altitude do Marins.

Não sei se vc viu, mas do lado das antenas, há um estacionamento gratuito onde se pode deixar o carro. Qdo eu fui, fui com minha motoca, e deixei lá no meio entre os carros......
Fui num grupo grande, mta gente, mais de 30 pessoas, muitos iniciantes. Como não tinha nada marcado e o Lopo tava pendente, eu fui passear lá. Trilha light, serviu para aquecer os musculos e acabei fazendo mais alguns novos amigos, entre eles alguns perrenguentos e mais experientes como uma garota chamada Patricia Benassi que me contou que já fez a travessia da Serra fina e Petropolis x Teresópolis, entre outras. Na volta, eu, ela e mais um amigo que subiu o Marins comigo disparamos na frente e chegamos mais de meia hora antes deles no estacionamento....ritmos diferentes, normal né hehe

4 pessoas do grupo que são iniciantes foram inventar de voltar sozinhos na frente e conseguiram o dificil....pegaram uma trilha errada e se perderam, sobrando para o Lider que organizou o evento e a trip, a largar a mochila e ir socorre-los. Eles pegaram uma trilha que desce direto até a Fernão dias....e estavam bem lá para baixo....Vou escrever isso no meu relato.....Mesmo o lider do grupo ter alertado para quem não tem experiencia em trilhas para ficar juntos.

Conometrei a trilha e descontando as paradas, levei 35 minutos para percorre-la entre o estacionamento e o cume.

Se quiser ler meu relato do Marins, aqui vai:

pico-dos-marins-2-421m-de-altitude-t85655.html

Abraços!



Valew Renato!!

Eu nãi vi esse estacionamento das torres, só o da rampa de vôo e na entrada da trilha. Mais vale a dica, pq quem sabe eu não volte lá pra acampar!!?
E o Marins eu posso logo logo coloca-lo na lista aproveitando esse inverno de tempo limpo, pq subi-lo no verão escaldante é complicado...rsrs
obs.: nesses rolezinhos a gente sempre conhece una galerinha firmeza e que as idéias batem, né!!?
abraço Renato


Tu pode ter uma noção de como é o Marins subindo o Itaguaré que é metade do tempo de subida do Marins. Estive lá no ultimo fds (17 e 18 de agosto agora) e estou para retornar lá nas proximas semanas porque não tive mta sorte com o tempo lá no topo, neblina tomou conta de tudo no final do sabado e o domingo amanheceu todo encoberto.....rsrs
Até já abri um evento lá no face....

Subi em 2 horas e meia e desci em menos de 1 hora e meia, já incluidos os tempos de parada para descanço...a cargueira é dose....rs
#959631 por Fábio R.
14 Mai 2014, 22:13
Vgn Vagner escreveu:
Cah Detogni escreveu:Vagner! Amei tudo que escreveu... você se preocupou em detalhar bastante..proporcionando ao leitor, uma vontade imensa de estar la com vocês.. deve ter sido fantástico mesmo! Poxa um dia , quero ter a oportunidade de ir também..será que eu aguento? acho que sim.. =)

As fotos estão lindas também!!

Outra vista muito bonita também é a da Pedra Grande em Atibaia, ja foi? Fui uma única vez, mas valeu a pena..

Abraços,

Carol.



Oi Carol, tudo bem menina? rs

Você aguenta sim, tem famílias que frequentam essa trilha justamente por ser suave (porém longa), sem dificuldades por esse caminho. Fico contente que gostou do relato!!! Obrigado

E em relação à Pedra Grande, ainda não fui mais já posso colocar como na lista...rsrs
bjos



Fala Galera, tdu bom?
Belo relato Vagner, moro aqi próximo e não conhecia a trilha, isso só meu deu mais vontade de explorar a região! rsrs
Se vocês estiverem interesse em fazer a Pedra Grande, vai ser um enorme prazer em acompanha-los, sou de Atibaia msm.
#959708 por Vgn Vagner
15 Mai 2014, 06:04
Oh Fábio R. Obrigado!
Logo mais estarei colocando Pedra Grande de Atibaia na Lista, é de repente eu posto quando irei, por aqui ou no seu perfil. Daí podemos nos encontrar por lá.

Valew man, abraço.

Valew
#962023 por daniel_gonzaga
21 Mai 2014, 15:50
Ola Pessoal, não sei se é o tópico correto, mas alguém poderia me indicar uma pousada ou hotel em extrema ? (pode ser no centro ou na estrada que vai para o pico do lopo), algum lugar com preço bom e que alguém ja tenha se hospedado e possa recomendar... eu vi q tem uma lista grande de lugares para dormir, mas sem referencia é complicado.

Pretendo fazer pedra das flore e o cume do lopo.... detalhe eu ja fiz uma vez,mas faz mt tempo....na época tb estava hospedado em uma cidade vizinha.

Se alguém puder me indicar um local, ficaria grato.

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante