Cruzando fronteiras: como evitar stress com policiais corruptos


Por Mariana Eberhard* e Redação

Eu descobri os perigos de cruzar com um policial corrupto na fronteira ao planejar meu primeiro mochilão pela Bolívia. Histórias de viajantes no fórum do Mochileiros.com me alertaram sobre os falsos “agentes da CIA”, sobre jamais entrar em um carro com um destes policiais e sempre ter a carteira de vacinação comigo (com prova de ter tomado a vacina contra febre amarela).
Ao cruzar a fronteira entre Brasil e Bolívia por San Matías, eu estava preparada para o pior, o que nunca aconteceu. Apesar de uma abordagem por policiais em Santa Cruz de la Sierra, nunca tive grandes problemas ao fazer a travessia entre países em minhas viagens. No entanto, há centenas de histórias de mochileiros que foram extorquidos, tiveram documentos retidos ou foram presos sem motivo.

Para que você saiba como lidar com um policial corrupto ao cruzar fronteiras, listo aqui as principais recomendações dos viajantes mais experientes:

1 – Faça seu dever de casa

Antes de tudo, verifique todos os requisitos necessários para entrar no país de destino. Pesquise em guias de viagem e no fórum do Mochileiros.com, nos sites das embaixadas do Brasil nos países e também na área ‘Seu Destino’ do Portal Consular do Ministério das Relações Exteriores.
Caso já esteja na estrada e não tenha acesso à internet, converse com outros viajantes. No Mercosul, não temos que pagar taxas para cruzar fronteiras nem de visto, mas em outros países sim, por isso saiba exatamente quais são suas obrigações ao entrar e sair de um país.

Foto: Lonely Planet/Unsplash.

2- Tenha um passaporte e ou RG válidos

A regra chave para os passaportes é: ao menos mais seis meses de validade antes da data de entrada em um país estrangeiro. Já o RG não pode ter sido emitido há mais de 10 anos e sua foto deve ser atual. Garantir que os documentos estejam em dia é uma forma de evitar problemas ao cruzar fronteiras e tira dos policiais corruptos a chance de te cobrar taxas “por fora”.

Foto: Divisão de Assistência Consular (DAC) do Ministério das Relações Exteriores.

3- Não carregue muito dinheiro em espécie

Para os países onde brasileiros precisam de vistos e pagam taxas no momento da entrada, a dica é ter consigo o valor exato da taxa. Um pouco de excedente guardado em um bolso escondido ajuda caso o policial cobre a mais, pois você pode alegar que não tem mais dinheiro. Se você fez seu dever de casa e tem algum guia de viagem atualizado, pode mostrar que sabe quais são seus direitos e deveres e tem mais chances de argumentar contra.

Foto: Jordan Rowland/Unsplash.

4- Cruze a fronteira em grupos ou em locais mais badalados

Viajantes solitários são presas fáceis para os policiais corruptos, especialmente se você está cruzando a fronteira em uma cidade por onde passam menos turistas. Converse com outros viajantes no caminho e combine de passar na imigração juntos. Caso seja impossível, evite fazer a travessia à noite ou muito cedo pela manhã, pois as chances do escritório de controle estarem vazias são menores. Em casos extremos, pense em viajar um pouco mais pelo país e cruzar a fronteira em rotas mais turísticas.

Foto: Andrew Schultz/Unsplash.

5- Mantenha a calma

Esse é o conselho mais importante de todos. Se a polícia quiser revistar sua mala, não crie confusão, mantenha-se tranquilo o tempo todo e jamais tente fugir. Estar diante de um policial corrupto e ter que pagar propina é uma situação de injustiça, e normalmente pensamos que temos que lutar contra isso. Mas sendo um mochileiro em um país estrangeiro, suas chances de sair como o salvador da pátria são poucas.
Não aceite desrespeito, mas não tente brigar com os policiais corruptos. A situação pode escalar e você pode se dar mal.

Foto: Yogi Madhav/Unsplash

6- Jamais entregue seus documentos a policiais corruptos

Seu passaporte e seu RG são sua garantia de saída do país e perdê-los é uma dor de cabeça sem fim. Antes de qualquer coisa, mantenha uma cópia autenticada de seus documentos na mochila e tenha também uma foto em seu celular. Tire também foto dos vistos assim que os receber. Com isso, você terá ao menos provas de estar legalmente no país.

Foto: Pexels.

7- A embaixada brasileira é seu refúgio

No caso de a polícia reter seus documentos, contate imediatamente o consulado ou embaixada brasileira mais próxima. Sempre há atendentes especialistas na legislação local para te auxiliar. E se tudo der errado, você for preso, perder todos os seus documentos ou pertences, as embaixadas geralmente possuem telefones de contato para brasileiros em situação de emergência. Ao fazer o dever de casa, lembre-se de levar todos esses contatos contigo durante a viagem. Nestes casos, é sempre melhor prevenir do que remediar.
No http://www.portalconsular.itamaraty.gov.br/representacoes-do-brasil-no-mundo você encontra uma lista de países com consulados e ou embaixadas do Brasil. Clicando sobre a respectiva cidade você é levado(a) a uma página que fala sobre a representação brasileira local, com endereço, telefone, e-mail e outras informações.

Foto: Junior Klaus/Pexels.

*Mariana Eberhard é jornalista e socióloga por formação e atualmente é escritora e tradutora freelancer. Autora do blog Travel Praxis, vive em Berlim, na Alemanha, onde conclui um Ph.D. em sociologia do turismo.


Deixe um comentário