Grupo lança desafio para combater a poluição produzida pelas bitucas de cigarro


“Guimbas de cigarro: 4 trilhões de ameaças à saúde e ao meio ambiente”. Este é o título de uma matéria publicada pelo jornal O Globo (em 2014) falando sobre como o material dos filtros de cigarro é prejudicial. Citando um levantamento feito pelo projeto Cigarette Butt Pollution, a publicação diz que “dos 5,6 trilhões de cigarros fumados anualmente no mundo, mais de 4 trilhões foram descartados em lugar inapropriado, poluindo o solo e a água”. A matéria também alerta para o fato de que esse material descartado acaba sendo ingerido por animais e depois pode ser consumido pelo homem.
Recentemente um grupo de adolescentes franceses lançou um desafio na internet que consiste em que as pessoas ajudem no combate à poluição causada pelas bitucas ou guimbas (as pontas de cigarro que sobram depois de fumados) enchendo garrafas pet com as que encontrarem e publiquem as imagens da coleta em suas contas no Twitter.
Um exemplo citado pelo RT, foi o do usuário Jason Prince que em 20 minutos em uma área menor que 50 metros quadrados conseguiu encher uma garrafa de um litro.

Na sequência, uma amiga dele, Amel Talha, que segundo o RT, trabalha numa companhia francesa que recicla filtros de cigarro, a MèGo! criou a hashtag #FillTheBottle para que outras pessoas façam parte do desafio.

Algumas pessoas se empolgaram e começaram a publicar fotos também de outros materiais recolhidos.

Ainda de acordo com o RT, diversos estudos indicam que as toxinas que estão nos filtros de cigarro poderiam reduzir o crescimento de plantas e causar danos à vida marinha. Em 2018 a ONG, Ocean Conservancy publicou um informe que apontou que estes resíduos estão entre os 10 itens de lixo mais recolhidos nas praias do mundo todo.

Bituca na areia da praia. Que viajante nunca recolheu uma para levar ao lixo? | Foto: sulox32/Pixabay.

Para saber mais

No site do projeto Cigarette Butt Pollution é possível baixar (aqui) informes sobre o tema.
No Brasil, a cidade de Votorantim (SP) foi a primeira a ter uma usina de reciclagem de bitucas. Confira aqui uma matéria falando sobre.
O site Ecycle apresentou aqui algumas soluções para o descarte da bituca.

Segundo o autor, a “foto mais feia do Unsplash” | Foto: Paweł Czerwiński/Unsplash.

A gente sabe que esta não é a única ação do tipo, mas é bastante louvável que se tenha usado as redes sociais para num ato simples, alcançar o maior número de pessoas e espalhar a ideia. Dentre os viajantes é comum que alguns grupos recolham o lixo que encontram por exemplo, em uma trilha ou praia.
Se animou? Informe-se se na sua cidade há programas de reciclagem. Se não houver, divulgue a ideia! Dentre as opções, buscar uma ONG de preservação e ou levar a ideia/informação sobre à Câmara de Vereadores.

Com informações de RT, O Globo e G1.


Deixe um comentário